MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx - DFA - DEPA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO E COLÉGIO MILITAR DE SALVADOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx - DFA - DEPA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO E COLÉGIO MILITAR DE SALVADOR"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECE - DFA - DEPA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO E COLÉGIO MILITAR DE SALVADOR 1º Ten Al GEISA CARLA MARTINS DE CAMPOS ANÁLISE DO CONTROLE DE PRAGAS NO RANCHO DA ESAEX Salvador 2010

2 GEISA CARLA MARTINS DE CAMPOS ANÁLISE DO CONTROLE DE PRAGAS NO RANCHO DA EsAE TCC EsAE 2010

3 12 1º Ten Al GEISA CARLA MARTINS DE CAMPOS ANÁLISE DO CONTROLE DE PRAGAS NO RANCHO DA ESAEX Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Comissão de Avaliação de Trabalhos Científicos da Divisão de Ensino da Escola de Administração do Eército, como eigência parcial para a obtenção do título de Especialista em Aplicações Complementares às Ciências Militares. Orientador: Cap QCO José Maria Ferreira Júnior Salvador 2010

4 13 1º Ten Al GEISA CARLA MARTINS DE CAMPOS ANÁLISE DO CONTROLE DE PRAGAS NO RANCHO DA ESAEX Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Comissão de Avaliação de Trabalhos Científicos da Divisão de Ensino da Escola de Administração do Eército, como eigência parcial para a obtenção do título de Especialista em Aplicações Complementares às Ciências Militares. Aprovado em: 30 / setembro /2010 Anaditália Pinheiro Viana Araújo - Cap - Presidente Escola de Administração do Eército José Maria Ferreia Júnior Cap - 1º Membro Escola de Administração do Eército Renate Uhr Gomes Braga Cap 2º Membro Escola de Administração do Eército

5 Dedico este trabalho, primeiramente a Deus, pela força. Ao meu filho, Vinícius e ao meu marido Cristiano, por toda paciência diante das dificuldades impostas pela minha ausência e principalmente, pelo apoio e carinho nesta árdua caminhada.

6 RESUMO As pragas provocam danos ao homem desde os tempos mais remotos não só pelo risco à saúde que representam através das doenças transmitidas, mas também pelos estragos que causam na estocagem dos alimentos, nas contaminações dos produtos e ambientes. Objetivos: averiguar quais os métodos de controle de pragas vem sendo aplicados no Rancho da EsAE/CMS; verificar se o Rancho adota as medidas preconizadas pelo Controle Integrado de Pragas. Métodos: na condução da pesquisa foi utilizada parcialmente a Lista de Verificação das Boas Práticas de Fabricação em cozinhas militares e serviço de aprovisionamento da Portaria nº854 / SELOM (BRASIL, 2005) que institui as orientações técnicas referentes às Boas Práticas em Segurança Alimentar nas Organizações Militares. Foram confrontadas as recomendações da Lista de Verificação com a realidade do Rancho. Os dados foram obtidos através de informações do oficial aprovisionador e por visitas às instalações. A pesquisa é classificada como de natureza aplicada e foi adotada uma abordagem qualitativa. Conclusão: no Rancho da EsAE é realizado apenas controle químico, sendo esse considerado medida corretivas. Não são feitas medidas preventivas tais como implantação de Boas Práticas, barreiras físicas, ações de limpeza e treinamento das pessoas envolvidas no processo. Para que o Rancho da EsAE se adeque a esta nova realidade é preciso que o controle seja baseado nas medidas preventivas tendo o controle químico um papel coadjuvante. Palavras-chave: Controle Integrado de Pragas. Rancho da EsAE. Pragas Urbanas. Insetos. Roedores urbanos.

7 12 ABSTRACT Pests have caused damage to people since earliest times, not only concerning the health risk through diseases but also by the damage they cause in the storage of food, in the contamination of products and environments. Objectives: the present study aims at investigating pest control methods applied at the dining hall of Escola de Administração do Eército (EsAE), checking whether the dining hall adopts the measures advocated by the Integrated Pest Control. Methods: the conduct the research the Checklist of Good Manufacturing Practices in military kitchens was partially us Good Practice at Food Safety in military Organization. The recommendation of the checking were compared with the reality of the dining hall. The data were obtained through information of the Official responsible to the facilities. This research is of applying nature and a qualitative approach was adopted. Conclusion: As a result, it was seen that at the dining hall only a chemical contral is done, being considered as a conrrective measure. Preventive measures are not being made such as Good Practice Introdution, physical barriers, cleaning actions and the training for the involved people. In order that the dining hall gets adequate to this new reality, it is necessary that the control is based on preventive measures, having the chemical control as a supporting role. Keywords: Integrated Pest Control. Ranch of EsAE. Urban pests. Insects. Urban rodents

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REFERENCIAL TEÓRICO ALIMENTO SEGURO E BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF) ASPECTOS BIOLÓGICOS DAS PRINCIPAIS PRAGAS URBANAS Baratas Formigas Moscas Roedores LEGISLAÇÃO CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS ETAPAS DO CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS Inspeções Inspeção/ identificação de insetos Inspeção/ identificação de roedores Caracterização das ocorrências Ações específicas Tratamento Monitoramento e desenvolvimento MEDIDAS DE SEGURANÇA E FALHAS NO PROCESSO DO CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS REFERENCIAL METODOLÓGICO TIPO DE PESQUISA QUESTÕES DE ESTUDO PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS ANÁLISE E APRESENTAÇÃO DE DADOS EDIFICAÇÃO E INSTALAÇÕES HIGIENIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES MANEJO DE RESÍDUOS HIGIENIZAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS E MAQUINÁRIOS, E DOS MÓVEIS E UTENSÍLIOS... 32

9 4.5 MATÉRIA-PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS CONTROLE INTEGRADO DE VETORES E PRAGAS URBANAS CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS...39

10 9 1 INTRODUÇÃO A higiene ambiental constitui um dos fatores que influenciam a qualidade sanitária de um serviço de alimentação. Muitos insetos e vários animais como ratos, morcegos, pombos, aracnídeos e outros, vivem em contato íntimo com o homem, associados às cidades, invadindo e colonizando locais habitados, danificando construções e transmitindo doenças (ZORZENON, 2002). As infestações são frequentes em locais onde eistem condições favoráveis para a proliferação e disponibilidade de alimentos. Falhas no gerenciamento nas diferentes etapas de elaboração de um alimento comprometem a qualidade e epõem quem se alimenta a inúmeros riscos. Os surtos de doenças transmitidas por alimentos, resultado da contaminação, podem provocar inúmeros danos à saúde, sendo as mais frequentes as toinfecções alimentares. Essas são doenças de origem infecciosa ou tóica transmitidas por alimentos e água e que, normalmente, ocorrem como surtos provocando, na maioria das vezes, vômito, diarréia e febre. A contaminação dos alimentos pode ocorrer na produção de matéria prima, transporte, recepção, armazenamento, nas etapas de manipulação para sua elaboração e durante a eposição para o consumo (ZANDONADI et al., 2007). As pragas podem contaminar os alimentos nas diversas etapas que envolvem a sua elaboração, deteriorar o produto, serem vetores de inúmeras doenças ao homem e a outros animais e causar repulsão a quem consome. Antigamente, o controle de pragas era realizado apenas com ações imediatistas que baseavam-se, quase que simplesmente, no controle químico, acarretando o uso abusivo e indiscriminado de praguicidas, não obtendo resultados prolongados e com aumento dos riscos de contaminação ambiental. Devido à necessidade de um sistema de controle de pragas o qual empregasse o mínimo de produtos químicos e menor dano ao ambiente, criou-se então o Controle Integado de Pragas (SBCTA, 2003). De acordo com a Portaria nº 854 / SELOM (BRASIL, 2005): Controle Integrado de Pragas: sistema que incorpora ações preventivas e corretivas, destinadas a impedir a atração, o abrigo, acesso e/ou proliferação de pragas urbanas que comprometam a segurança do alimento. Para que haja controle efetivo destas pragas, é necessário não apenas medidas corretivas, mas também a limpeza dos ambientes e proteção física. Deve-se levar em conta requisitos como qualidade, saúde, segurança e ecologia; conceitos mais atuais, que cumprem as necessidades de combate às pragas e a preservação do ambiente e da saúde do homem.

11 10 O Rancho da Escola de Administração de Eército (EsAE), assim como um restaurante convencional, recebe, armazena, e manipula alimentos; elabora refeições e produz resíduos (lio). Assegurar a qualidade da refeição fornecida não garante apenas a saúde do militar que faz sua refeição no Rancho, mas também, reduz baias. O objetivo geral deste trabalho é verificar como as pragas estão sendo controladas no Rancho e epor as medidas que compõem o conceito moderno de Controle Integrado de Pragas. A fim de atingir esse objetivo geral, foram também estudados os seguintes objetivos específicos: definir alimento seguro e os riscos de contaminação; verificar a importância do controle de pragas na produção de um alimento seguro; caracterizar a biologia das principais pragas que acometem o Rancho; levantar as principais legislações federais que tratam, ou simplesmente citam o assunto controle de pragas e descrever as principais etapas do Controle Integrado de Pragas. Para atingir todos os objetivos acima delineados, este trabalho adotou a metodologia a seguir: quanto aos procedimentos técnicos, foi feita uma revisão bibliográfica sobre Controle Integrado de Pragas. Posteriormente, foi apresentado um Estudo de Caso do Rancho da EsAE/CMS, através da aplicação parcial da Lista de Verificação das Boas Práticas de Fabricação em Cozinhas Militares e Serviços de Aprovisionamento (ANEXO A) preconizado pela Portaria nº 854 (BRASIL,2005), a qual traz o Regulamento de Boas Práticas em Segurança Alimentar nas Organizações Militares. Concomitantemente à aplicação da lista de verificação foram coletadas informações verbais, junto ao Aprovisionador (oficial aprovisionador do Rancho) e seus auiliares visando maior esclarecimento quanto aos resultados encontrados. Ressalta-se, que a utilização desta lista se dá em função da estreita relação entre controle de pragas e boas práticas de fabricação. Através da aplicação parcial da lista de verificação é possível verificar se o Rancho da EsAE/CMS está realizando o Controle Integrado ou não. Visando respaldar conceitualmente o objeto de estudo, a segunda seção, que dispõe sobre o referencial teórico, será dividida em seis subseções. A primeira descreve um alimento seguro e os riscos que um alimento pode oferecer. A segunda faz um levantamento das características biológicas importantes das pragas mais comuns no Rancho da EsAE/CMS. A terceira apenas aborda as legislações federais que citam o assunto controle de pragas. A quarta, quinta e seta subseções tratam do Controle Integrado de Pragas propriamente dito. Nestas será abordado o conceito de Controle Integrado de Pragas, as etapas para sua realização, as medidas de segurança e riscos no processo.

12 11 Na terceira seção, serão evidenciados os aspectos metodológicos envolvidos no trabalho, tendo em vista a descrição dos objetivos, do tipo de pesquisa e dos procedimentos metodológicos. Na quarta seção, é feita a apresentação dos dados obtidos por meio de estudo de caso. A lista de verificação é apresentada sob a forma de quadro preenchido. A última seção será dedicada à eposição das conclusões do trabalho, conforme análise feita das seções anteriores.

13 12 2 REFERENCIAL TEÓRICO No referencial teórico são feitas algumas considerações sobre alimento seguro e Boas Práticas de Fabricação; os principais aspectos biológicos das pragas mais frequentes; são citadas as legislações, que pelo menos, tratam o assunto controle de pragas e conceitua o Controle Integrado de Pragas com suas respectivas etapas. 2.1 ALIMENTO SEGURO E BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF) É direito das pessoas terem epectativa de que os alimentos que consomem sejam seguros e adequados para o consumo (ORGANIZAÇÃO PAN AMERICANA DE SAÚDE, 2006, p.26). Akutsu et al (2005) consideram que a qualidade de um alimento se relaciona a aspectos intrínsecos (qualidade nutricional e sensorial) e também à segurança (qualidade higiênico-sanitárias). A qualidade higiênico-sanitária é considerada fator de segurança alimentar e tem sido amplamente estudada e discutida, já que as enfermidades de origem alimentar ocorrem quando uma pessoa contrai uma doença devido a ingestão de alimento contaminado com microrganismos ou toinas indesejáveis (AKUTSU et al, 2005). Segundo Zandonadi et al (2007), a contaminação dos alimentos tem início na produção da matéria prima e estende-se pelas etapas subsequentes (transporte, recepção, armazenamento). Durante a manipulação, as contaminações ocorrem, principalmente, por condições precárias de higiene de manipuladores, equipamentos, utensílios, ambiente e condições inadequadas de armazenamento dos produtos prontos para o consumo. Segundo OPAS (2006), as pragas representam uma séria ameaça à segurança e à adequação dos alimentos. É importante destacar que o Controle Integrado de Pragas está diretamente ligado às BPF de alimentos, que são um conjunto de práticas e procedimentos a serem seguidos para o correto manuseio e preparo dos alimentos, incluindo todas as etapas da cadeia produtiva, de forma a garantir a segurança e a integridade. As BPF atingem, basicamente, aspectos de âmbito sanitário, que vão desde normas específicas de construção civil, com a finalidade de previnir a entrada de pragas e facilitar a

14 13 produção dos alimentos, a manutenção de higiene das instalações, estocagem, transporte e distribuição. São levadas ainda em consideração as práticas de higiene pessoal dos manipuladores e o treinamento dos mesmos. Tais procedimentos asseguram ao estabelecimento a minimização das perdas de alimentos impróprios para o consumo, devido a infestações de pragas ou contaminações microbiológicas por processos de higienização inadequados (CHAVES et al, 2006). 2.2 ASPECTOS BIOLÓGICOS DAS PRINCIPAIS PRAGAS URBANAS As pragas tem causado problemas ao homem desde tempos remotos, não só pelos riscos à saúde que representam, pricipalmente como vetores de inúmeras doenças transmitidas, mas também pelos estragos que causam, na estocagem dos alimentos, nas contaminações, produtos e ambientes (GIORDANO, 2004). A presença danosa das pragas e o descontrole de algumas espécies se dá em função do desequilíbrio ecológico provocado pelo próprio homem, no qual tem destaque o acúmulo de lio, a falta de saneamento básico, a ausência de predadores naturais e as falhas na higiene e na educação das pessoas. Muitos insetos e vários animais como ratos, morcegos e aracnídeos são encontrados em refeitórios, porém neste trabalho serão abordadas as características biológicas apenas das mais frequentes, tais como baratas, formigas, moscas e os principais roedores sinantrópicos Baratas As baratas estão entre o grupo de insetos mais antigos e de maior capacidade de adaptação encontrados na face da terra. (SBCTA, 2003). Pertencentes à ordem Dictyoptera, possuem aproimadamente 3500 espécies descobertas, onde apenas 1% destas possuem hábitos domiciliares (ZORZENON, 2002). As espécies de maior importância são a Periplaneta americana (barata americana) e Blattella germanica (barata alemã).

15 14 São insetos de corpo ovalar e deprimido e, normalmente, os machos são menores do que as fêmeas. Possuem a cabeça curta, longas antenas inseridas entre os olhos e aparelho bucal mastigador que as permite roer papéis, roupas sujas de alimento, pão gorduras, etc. Esses insetos são andarilhos ecepcionais e possuem coas grandes, fêmures e tíbias com espinhos. O desenvolvimento dá-se por metamorfose gradual, na qual tem-se as fases de ovo, ninfa e adulto. A fase de ninfa é onde ocorre todo o crescimento do inseto e ocorrem de seis a treze trocas de pele, denominadas ecdises. As baratas são animais de hábitos noturnos e é durante a noite que saem do abrigo para alimentação, cópula, ovoposição, dispersão e vôo (MARINÉSIA et al., 2002). A Periplaneta americana (barata americana ou de esgoto) possui um ciclo de vida que varia de 180 a 1095 dias, a fêmea coloca, em sua vida, uma média de 225 ovos dispostos em várias ootecas. Esta espécie, de porte médio e coloração avermelhada, localiza-se preferencialmente em tubulações de esgotos, caias de gordura, embaio de pias, locais escuros e úmidos, em geral. A espécie Blattella germanica é de porte bem menor e cor que varia de amarelo a cinza. Esta barata é etremamente prolífera (260 ovos/fêmea) e possui um ciclo de vida em torno de 200 a 300 dias. Este inseto prefere locais quentes e úmidos e por isso é encontrado atrás de fogões, geladeiras, frestas, armários de cozinha e outros (SBCTA, 2003) Formigas As formigas são insetos que pertecem à ordem Hymenoptera, onde também se incluem abelhas e vespas. Dividem-se em castas com diferentes funções dentro da colônia. Segundo Zorzenon (2002), aproimadamente espécies de formiga já foram identificadas no mundo, sendo que, no Brasil, são encontradas aproimadamente Destas, apenas 20 a 30 são consideradas pragas urbanas. As formigas operárias são as que costumamos ver. Elas são todas fêmeas, não possuem asas e são estéreis; são também as responsáveis por todo o trabalho dentro da colônia, que também é chamada de formigueiro. Em alguns períodos do ano, colônias maduras produzem um grande número de indivíduos alados que são os reprodutores. A casta dos reprodutores é composta de rainhas e machos. Estes saem para realizar o vôo de

16 15 acasalamento e formar novas colônias. O uso inadequado de inseticidas de determinados princípios ativos (repelentes) podem antecipar esta fragmetação e gerar um aumento da infestação. As formigas apresentam metamorfose completa com as fases de ovo, larva, pupa e adulto. Na maioria das espécies de formiga, apenas uma rainha é encontrada dentro do ninho e caso morra, o formigueiro também morre. No entanto, em algumas espécies, especialmente as domésticas, várias rainhas fecundadas podem ocorrer dentro de um formigueiro. As rainhas possuem grande longevidade, rainhas de saúvas podem viver até vinte anos, enquanto rainhas de formigas domésticas podem viver de dois a quatro anos. As diferentes espécies de formigas que ocorrem no ambiente urbano apresentam algumas características, como: compartilham o mesmo ambiente com o homem que fornece locais para a construção de ninhos e é o responsável pela dispersão da espécie para longas distâncias; possuem grande capacidade de migração; não possuem comportamento agressivo entre indivíduos de diferentes ninhos que ocorrem na mesma área. Esta característica permite o trânsito de indivíduos, da mesma espécie, de uma colônia para outra. Outra característica importante é a reprodução pela fragmentação da colônia, isto é, as formigas urbanas não realizam mais o vôo nupcial, ocorrendo a cópula dentro do ninho. A colônia então se fragmenta, pois as operárias partem com rainhas fecundadas para novos locais onde formam uma nova colônia (BUENO, 2003). O tempo de vida de uma colônia é de aproimadamente vinte anos, podendo chegar a quarenta anos no caso de substituição da rainha. Para Bueno (2003), qualquer forma de controle adotado deve ter por objetivo eliminar a colônia como um todo e não somente as operárias que realizam atividades eternas ao ninho. Para se controlar efetivamente formigas, é necessário identificar a espécie e identificar seus hábitos alimentares através de uma inspeção minuciosa no ambiente, registrando o número de espécies presentes e, quando possível, localizar todos os ninhos. Se o ninho for encontrado, ele pode ser eliminado com o uso de água quente com detergente ou mesmo com um inseticida convencional (BUENO, 2003). O uso indiscriminado de inseticidas pode promover, além da contaminação do ambiente, a fragmentação das colônias, aumentando o nível de infestação. Normalmente, usa-se iscas atrativas que são levadas para dentro do formigueiro e distribuídas a todos os indivíduos da colônia, inclusive para a rainha. No entanto, o ingrediente ativo deve atuar em baia concentração e não deve agir por contato (BUENO, 2003).

17 Moscas As moscas pertencem à ordem Diptera, que recebe este nome (di=duas, ptera=asas) devido ao fato de possuírem um par de asas membranosas. Os dípteros pertecem a um dos quatro maiores grupos de organismos vivos, onde constata-se que eistem mais moscas que vertebrados (SBCTA, 2003). Os dípteros possuem metamorfose completa, pois apresentam a fase de ovo, larva, pupa e adulto. São insetos cosmopolitas e a maioria deles são causadores de doenças no homem e em animais domésticos. Eistem moscas com aparelho bucal com capacidade para absorver líquidos e outras com aparelho bucal do tipo sugador. A importância do controle de moscas não se baseia apenas no fato do incômodo físico provocado por elas, mas sim no risco de contaminação que elas oferecem devido ao fato de proliferarem em material orgânico, como lio e material em decomposição. As moscas são responsáveis pela transmissão de inúmeras doenças e bactérias que podem ficar alojadas dentro delas ou mesmo sobre os pelos que as recobrem. A transmissão é mecânica e ocorre, principalmente, pelo fato delas pousarem sobre lio e material em decomposição e, posteriormente, sobre o alimento pronto. O controle das moscas urbanas não é cosiderado fácil. De um modo geral, o uso eclusivo de praguicidas pode provocar o desenvolvimento da resistência aos inseticidas químicos e impactar o ambiente (BUENO, 2003). O uso de inseticidas químicos tem a vantagem de reduzir rapidamente as populações de moscas, mas seus efeitos são temporários, requer uso periódico, com custos elevados; desenvolve resistência nas populações tratadas; além dos riscos de intoicação e contaminação ambiental. Basicamente, o controle da infestação de moscas ampara-se em medidas preventivas como colocação de telas em portas e janelas, um correto acondicionamento e destinação do lio e a manutenção de alimentos tampados (SBCTA, 2003) Roedores

18 17 Depois dos seres humanos, os roedores são o grupo de mamíferos mais bem sucedidos do planeta. Alguns deles tornaram-se sinantrópicos, isto é, convivem com o homem no mesmo ambiente e representam um sério problema (MARQUES, 2008). Os roedores vivem em colônias ou agrupamento, cujo número irá variar conforme as espécies e as condições ambientais do território. A instalação destes roedores em um ambiente está apoiada no tripé água, abrigo e alimento. Eles se alimentam, principalmente, de alimentos armazenados e lio em áreas urbanas e de grãos e vegetação natural em áreas rurais. Como abrigo, utilizam-se de pilhas de material abandonado, pilhas de materiais de construção, veículos sucateados, lio aberto, podendo ainda se aproveitar de problemas estruturais nas instalações etc. São três as espécies mais adaptadas ao ambiente urbano e causadoras de prejuízos: ratazanas (Rattus norvergicus), ratos de telhado (Rattus rattus) e camundongos (Mus musculus). Segundo Marques (2008), identificar a espécie de roedor infectante é fundamental no sucesso das ações de controle. Ratazana A ratazana é também conhecida como rato de esgoto, rato marrom, gabiru etc. São ratos escavadores que vivem em tocas perfuradas na terra ou em locais protegidos junto a muros ou estruturas de concreto. Segundo Marques (2008), são encontrados facilmente em galerias de esgoto, de águas pluviais, caias subterrâneas de telefone, eletricidade etc. Vivem em colônias cujo tamanho depende da disponibilidade de abrigo e alimentos no território habitado. Atingem a maturidade seual aos três meses de idade e vivem, em média, dois anos. A fêmea entra no cio oito vezes ao ano, parindo, vinte e dois dias após a cobertura, as ninhadas de oito a doze filhotes. São hábeis nadadores e possuem membranas interdigitais que as permitem tal hábito. Possuem um hábito alimentar bem variado, mas demonstram preferência por cereais, peie, carne e lio.

19 18 Rato preto ou rato de telhado São ratos comuns em áreas rurais e em áreas urbanas. Estes ratos possuem não só diferenças morfológicas em relação às ratazanas, mas também diferentes habitat, comportamento e hábitos. Possuem grande capacidade de escalar superfícies verticais e andar sobre fios, cabos e galhos de árvores (MARQUES, 2008). O rato preto vive em pequenos grupos, em sua maioria com laços parentais. As características das construções urbanas, tais como presença de forros falsos, galerias para passagem de fios e cabos e o intenso processo de verticalização das cidades vem propiciando o aumento da população destes ratos (MARQUES, 2008). Segundo Marques (2008), outro fato que deve ser considerado para o aumento desta espécie em áreas urbanas é que programas de controle de roedores tem sido direcionados para o controle de ratazanas e ignorado medidas de combate ao rato preto. Camundongo O camundongo é também conhecido como rato caseiro, mondongo, catita e outras denominações regionais. É um pequeno roedor que vive em pequenas famílias, dominados por um macho e algumas fêmeas. Vivem dentro de casas e edifícios e fazem seus ninhos em fundos de caias, gavetas pouco usadas, estufas de fogões, depósitos de lenhas e em quintais, onde são criados animais domésticos. Podem se alimentar de inúmeros tipos de alimentos mas demonstram preferência por grãos e cereais. Vivem, em média, um ano, atingindo a maturidade seual em sessenta dias. A fêmea entra no cio seis vezes ao ano, gerando até seis filhotes por ninhada (MARQUES, 2008). 2.3 LEGISLAÇÃO Segundo Matias (2007), a qualidade do alimento oferecido à população sempre foi uma preocupação do Governo Federal. Esta preocupação se concretiza na criação de

20 19 regulamentos, normas, decretos-lei e outros mecanismos legais que tem por finalidade maior a produção de alimentos de melhor qualidade. Devido a relevância do controle de pragas na produção de um alimento seguro, todas legislações abaio possuem uma certa relação ao assunto, embora em algumas seja apenas citado, não ficando eplícito os procedimentos a serem adotados: Portaria SVS/MS nº 326, de julho de 1997: Aprova o Regulamento Técnico; Condições Higiênicos-Sanitárias e de Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos Produtores/Industrializadore de Alimentos (BRASIL,1997). RDC nº 175, de 8 de julho de 2003: Regulamento Técnico de Avaliação de matérias macroscópicas e microscópicas prejudiciais à saúde humana em alimentos embalados (BRASIL, 2003). RDC nº 18, de 29 de fevereiro de 2000: Dispõe sobre Normas Gerais para o funcionamento de Empresas Especializadas na prestação de serviços de controle de vetores e pragas urbana (BRASIL, 2000). RDC nº 216, de 15 de setembro de 2004: Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviço de Alimentação (BRASIL,2004). PORTARIA nº 854 / SELOM, de 04 de julho de 2005 (Ministério da Defesa): Regulamento Técnico de Boas Práticas em Segurança Alimentar nas Organizações Militares (BRASIL,2005). 2.4 CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS A Portaria nº 854 do Ministério da Defesa (BRASIL, 2005) define Controle Integrado de Pragas como o sistema que incorpora ações preventivas e corretivas, destinadas a impedir

21 20 atração, o abrigo, o acesso e \ou proliferação de vetores e pragas urbanas que comprometam a segurança do alimento. O Controle Integrado de Pragas teve sua estrutura fundamentada na necessidade de minimizar o uso abusivo e indiscriminado de praguicidas. As práticas inadequadas e os riscos constantes de contaminação geraram preocupação em profissionais da agricultura e ambientalistas, que sempre buscaram um sistema que empregasse o mínimo de produtos químicos (SBCTA, 2003). Com o aumento das eigências do mercado em relação à qualidade de alimentos e a vigilância sanitária cada vez mais atuante, o Controle Integrado de Pragas tem aumentado sua abrangência em estabelecimentos que manipulam, armazenam e preparam alimentos. O Controle Integrado de Pragas é baseado em duas grandes linhas de ação: ações preventivas e ações corretivas, que juntas destinam-se a impedir que pragas ambientais possam gerar problemas significativos. Nas ações preventivas, estão compreendidas a implantação das BPF, barreiras físicas, trabalhos de educação e treinamento das pessoas visando evitar infestações. As ações corretivas, por sua vez, compreendem a instalação de barreiras físicas que impeçam o acesso das pragas e a colocação de armadilhas complementadas, então, por ações de limpeza, higiene e, finalmente, pelo controle químico (SBCTA, 2003). 2.5 ETAPAS DO CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS A implementação do Controle Integrado de Pragas é obtida com uma série de atividades onde as principais são: inspeções, caracterização das ocorrências, ações específicas, tratamento e monitoramento Inspeções Nesta primeira fase, as instalações devem ser inspecionadas e avaliadas em busca de dados sobre as seguintes situações: tipo e grau de infestação;

22 21 os problemas causados; tipos de ambientes, etensão física e para que fins são utilizadas; origem da infestação. Nesta etapa, faz-se necessário dividir as instalações por setores a fim de facilitar a avaliação. As instalações deverão ser caracterizadas de acordo com os riscos dos trabalhos eecutados como mais ou menos críticos. Em caso de infestações, é interessante dar graus de criticidade: 1, 2, 3, ou outro, a fim de definirmos as ações nas etapas subsequentes. Para SBCTA (2003), devem ser considerados setores de alto risco de infestação aqueles que a presença das pragas é altamente comprometedora (insumos, processo, produtos etc.). Aqueles onde a presença das pragas podem propiciar a ocorrência de contaminação ou inadequação à qualidade (áreas de acesso, serviços de apoio etc.) são consideradas de risco moderado. Já as áreas eternas e adjacentes, onde a presença eventual não causa danos epressivos, podem ser consideradas como de risco menor. São nestas inspeções que podemos analisar as condições de Boas Práticas de Fabricação e a eliminação das possíveis causas de infestação. Em relação à inspeção destinada a insetos e roedores, pode-se destacar: a identificação de insetos, de roedores, a caracterização das ocorrências, as ações específicas, os diversos tipos de tratamento e, por fim, o monitoramento e desenvolvimento Inspeção/ identificação de insetos Tem por objetivo identificar a presença ou indícios de insetos, através da visualização do próprio inseto ou mesmo de sinais atribuídos à sua presença (SBCTA, 2003). No ambiente, faz-se necessário identificar: presença de insetos vivos e locais de abrigo; danos, presença de fezes, mudas de pele; possíveis pontos de entrada; falhas na vedação em tubulações, ralos sem proteção, portas e janelas mal vedadas; azulejos mal assentados ou quebrados; acúmulo de água em ralos, drenos ou caias de passagem; presença de entulho, materiais fora de uso, caias mal armazenadas; os estrados com presença de brocas ou cupins;

POP 04 (Controle Integrado de Vetores e Pragas Urbanas) RESTAURANTE...

POP 04 (Controle Integrado de Vetores e Pragas Urbanas) RESTAURANTE... Página 1 POP 04 (Controle Integrado de Vetores e Pragas Urbanas) RESTAURANTE... Modelo sugerido por Márcia M M Paranaguá,, em conformidade com as leis da ANVISA Página 2 1. OBJETIVOS - Assegurar um controle

Leia mais

PAC 07. Controle Integrado de Pragas CIP

PAC 07. Controle Integrado de Pragas CIP Página 1 de 10 Controle Integrado de Pragas CIP Página 2 de 10 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

CONTROLE DE ROEDORES

CONTROLE DE ROEDORES CONTROLE DE ROEDORES Roedores e a sociedade humana. Os problemas causados pelo aumento da população de roedores, especialmente nas grandes cidades são considerados um fenômeno mundial. Entre as espécies

Leia mais

DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PEQUENOS VETORES GRANDES PREJUÍZOS JOÃO MARCILIO DA SILVA REBOUÇAS RIO DE JANEIRO RJ 2005 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 PÚBLICO ALVO... 4 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO. CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS - CIPmax

SISTEMA DE GESTÃO. CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS - CIPmax ÍNDICE Item Conteúdo Página 1 Introdução 2 1.1 Gestão da Informação 2 2 Objetivo 3 2.1 Responsabilidades 3 3 Formas de Atuação 3 4 Biologia dos Insetos 4 4.1 Baratas 4 4.2 Formigas 5 4.3 Moscas 5 5 Biologia

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira da CCIH / SCIH Jair

Leia mais

158009.32015.72556.4678.4039841750.595

158009.32015.72556.4678.4039841750.595 158009.32015.72556.4678.4039841750.595 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00003/2015

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO ANEXO II LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO A - IDENTIFICAÇÃO DA OM 1-NOME 2- TELEFONE: 3- ENDEREÇO : 4- E- MAIL: 5- BAIRRO : 6- CIDADE

Leia mais

Competências Técnicas

Competências Técnicas Missão Atender bem os clientes, com bons produtos, da maneira mais rápida possível, sempre com muita atenção, com os menores preços possíveis, em um local agradável e limpo. Competências Técnicas Formar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS DPMV SAÚDE PÚBLICA. Controle de Roedores. Marcelo Weiss

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS DPMV SAÚDE PÚBLICA. Controle de Roedores. Marcelo Weiss UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS DPMV SAÚDE PÚBLICA Controle de Roedores Marcelo Weiss Introdução Diferença entre roedores silvestres e roedores sinantróficos comensais Condição

Leia mais

Cupins Subterrâneos: Métodos de Controle

Cupins Subterrâneos: Métodos de Controle Cupins Subterrâneos: Métodos de Controle Introdução As principais estratégias de controle de cupins serão apresentadas a seguir. É interessante frisar, neste momento, que os dados apresentados a seguir

Leia mais

Parte 3 CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS

Parte 3 CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS Parte 3 CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS Curso Integrado de Pragas JPGomes November 11th, 2006 Slide 1 Controle Integrado de Roedores e Insetos Instalações: O surgimento de roedores e insetos é conseqüência

Leia mais

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí 22 a 26 de Outubro de 2013 Naviraí/MS - Brasil www.uems.br/navirai Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Unidade de Naviraí 97 Avaliação das Condições

Leia mais

Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos

Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos DEDETIZAÇÃO Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos TRATAMENTO DOMISSANITARIO: MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS Carlos Massaru Watanabe Engenheiro Agrônomo Pragas Interesse Agrícola Interesse

Leia mais

HEMOCENTRO: Florianópolis Nº CP 321/15 OBJETO A CONTRATAR

HEMOCENTRO: Florianópolis Nº CP 321/15 OBJETO A CONTRATAR TERMO DE REFERÊNCIA/ESCOPO HMR.02.06.04 HEMOCENTRO: Florianópolis Nº CP 321/15 OBJETO A CONTRATAR CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE SAÚDE AMBIENTAL (DESRATIZAÇÃO, DESCORPINIZAÇÃO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO PUBLICADO NO DOMP Nº 578 DE: 1º/08/2012 PÁG: 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS DECRETO Nº 293, DE 31 DE JULHO DE 2012 Dispõe sobre as normas sanitárias para o funcionamento das lavanderias em geral, de

Leia mais

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Universidade de Passo Fundo Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Curso de Medicina Veterinária 6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Médico Veterinário Profº Dr. Elci Lotar

Leia mais

L E P T O S P I R O S E

L E P T O S P I R O S E L E P T O S P I R O S E Elaborado por: Francisco Pinheiro Moura Médico Veterinário E-mail: bergson.moura@saude.ce.gov.br bergson.moura@live.com Definição Leptospirose é uma doença infecciosa que causa

Leia mais

Vigilância em Saúde Ambiental

Vigilância em Saúde Ambiental Vigilância em Saúde Ambiental Informações em Saúde ROEDORES (Rodentia): - Gestão inadequada dos resíduos; - Maus hábitos de higiene; - Descuidos com o armazenamento de alimentos; - Facilidade de acesso

Leia mais

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO;

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; Tipo do Serviço: ( ) Próprio ( )terceirizado Nome; Possui Licença sanitária? ( ) SIM ( ) NÃO N /ANO: Há um encarregado do setor

Leia mais

Controle Integrado de Ratos

Controle Integrado de Ratos CONTROLE INTEGRADO DE RATOS 0 CONTROLE INTEGRADO DE RATOS 1 Controle Integrado de Ratos Elaborado por: Revisão Técnica: Coordenação Editorial: Editoração Eletrônica: Normatização bibliográfica: Fotos:

Leia mais

Lista de Verificação de Cantinas Escolares

Lista de Verificação de Cantinas Escolares Lista de Verificação de Cantinas Escolares Nome do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis pelo estabelecimento e NIF Morada do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis

Leia mais

LEPTOSPIROSE X ENCHENTES

LEPTOSPIROSE X ENCHENTES LEPTOSPIROSE X ENCHENTES Durante os temporais e inundações, a bactéria leptospira, presente na urina do rato, se espalha nas águas, invade as casas e pode contaminar, através da pele, os que entram em

Leia mais

1. O que é leptospirose? É uma doença infecciosa causada por uma bactéria chamada Leptospira presente na urina do rato.

1. O que é leptospirose? É uma doença infecciosa causada por uma bactéria chamada Leptospira presente na urina do rato. LEPTOSPIROSE - O que saber e o que fazer 1. O que é leptospirose? É uma doença infecciosa causada por uma bactéria chamada Leptospira presente na urina do rato. 2. Como se pega a leptospirose? Em situações

Leia mais

Módulo 1 Entendendo a contaminação dos alimentos

Módulo 1 Entendendo a contaminação dos alimentos Módulo 1 Entendendo a contaminação dos alimentos Aula 1 - O que é um Alimento Seguro? Por que nos alimentamos? A alimentação é uma atividade básica para o indivíduo manter- se vivo. Precisamos nos nutrir

Leia mais

ESTRUTURA FÍSICA DA ÁREA DE PRODUÇÃO DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO (UAN) LOCALIZADA EM FORTALEZA-CE

ESTRUTURA FÍSICA DA ÁREA DE PRODUÇÃO DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO (UAN) LOCALIZADA EM FORTALEZA-CE 1 ESTRUTURA FÍSICA DA ÁREA DE PRODUÇÃO DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO (UAN) LOCALIZADA EM FORTALEZA-CE RESUMO Karla Braga Lobo Liberato 1 Maria Consuelo Landim 2 Eveline de Alencar Costa 3 A

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE

REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE AS CONDIÇÕES HIGIÊNICO- SANITÁRIAS E DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO PARA ESTABELECIMENTOS FABRICANTES DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. OBJETIVO Definir os

Leia mais

MANUAL BÁSICO DE CONTROLE DE ESCORPIÕES

MANUAL BÁSICO DE CONTROLE DE ESCORPIÕES MANUAL BÁSICO DE CONTROLE DE ESCORPIÕES DIVAL/GEVAC/NUNOR Brasília, agosto de 2015 ESCORPIÕES 1 - O que é um escorpião? O escorpião, assim como as aranhas, carrapatos, entre outros, são animais que fazem

Leia mais

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores

Leia mais

ENCICLOPÉDIA DE PRAGAS

ENCICLOPÉDIA DE PRAGAS - Folha 1 Cupins Subterrâneos ou Solo - Biologia Os cupins são também conhecidos por térmitas, formigas brancas (operários), siriris ou aleluias (alados reprodutores). São insetos da ordem Isoptera (iso

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N.º 23915, DE 13 DE JANEIRO DE 2004 DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO SANITÁRIO A QUE ESTÃO SUJEITOS OS SALÕES DE CABELEIREIROS, OS INSTITUTOS DE BELEZA, ESTÉTICA, PODOLOGIA E ESTABELECIMENTOS CONGÊNERES;

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO SIM NÃO NA(*) 4.1 EDIFICAÇÃO, INSTALAÇÕES,

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL AUTORES : CLÁUDIO ANTÔNIO SODÁRIO ALEX SILVEIRA JOSE FRANCISCO RESENDE DA SILVA JURACY

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999 *Este texto não substitui o publicado do Diário Oficial da União* Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999 Resolução Nº 329, de 22 de julho de 1999 Institui o Roteiro de Inspeção para transportadoras

Leia mais

Controle de qualidade em Alimentos: Matérias Macro e Microscópicas Prejudiciais à saúde Humana

Controle de qualidade em Alimentos: Matérias Macro e Microscópicas Prejudiciais à saúde Humana Controle de qualidade em Alimentos: Matérias Macro e Microscópicas Prejudiciais à saúde Humana Elisa Helena Siegel Moecke Depto de Ciência e Tecnologia de Alimentos/ UFSC Laboratório de Análises - LABCAL

Leia mais

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Vigilância em Saúde Gerência de Produtos e Serviços de Interesse da Saúde Subgerência de Produtos Para a Saúde, Saneantes Domissanitários e Cosméticos Roteiro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CARTILHA DO PESCADOR ARTESANAL Boas Práticas na Manipulação dos Produtos da Pesca Artesanal Carmelita de Fátima Amaral Ribeiro Oriana Trindade de Almeida Sérgio Luiz de Medeiros

Leia mais

Instalação e Uso. MidMos is a subsidiary of Brandenburg UK Ltd

Instalação e Uso. MidMos is a subsidiary of Brandenburg UK Ltd Instalação e Uso BB ALERT PASSIVE Bed Bug Monitor BED BUGS 1 Bed Bugs são pequenos, ovais, noturnos e se alimentam do sangue de animais mamíferos. com uma forte preferência por humanos. Eles são similares

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS I IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome: Endereço: AP: Nome Fantasia: Inscrição Municipal: Nº do Processo: CNPJ: Tipo de Serviço: ( ) Municipal ( ) Filantrópico ( ) Conveniado SUS RJ ( ) Privado ( ) Estadual

Leia mais

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Neste formulário estão as exigências mínimas para a instalação e funcionamento de uma Cozinha Industrial. Devem ser observados demais critérios

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA FÁBRICAS DE CONSERVAS DE OVOS

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA FÁBRICAS DE CONSERVAS DE OVOS SECRETARIA DA AGRICULTURA E ABASTECIMENTO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL COORDENADORIA DE INSPEÇÃO SANITÁRIA DOS PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - C I S P O A - NORMAS TÉCNICAS

Leia mais

NE-762_Folder_Grande_Completo_v2.indd 1

NE-762_Folder_Grande_Completo_v2.indd 1 NE-762_Folder_Grande_Completo_v2.indd 1 Introdução Parabéns, você tem em mãos o manual da ABICAB e eu fui encarregado de acompanhá-lo pelas próximas páginas, dando dicas e soluções para o melhor manuseio

Leia mais

REGULAMENTO PARA OPERAÇÃO COM GRÃOS NO PORTO DE SALVADOR

REGULAMENTO PARA OPERAÇÃO COM GRÃOS NO PORTO DE SALVADOR REGULAMENTO PARA OPERAÇÃO COM GRÃOS NO PORTO DE SALVADOR Salvador - BA Outubro-2012 1 REGULAMENTO PARA OPERAÇÃO COM GRÃOS NO PORTO DE SALVADOR Objetivo Este regulamento estabelece diretrizes, definições

Leia mais

MIP: Industrias de POA Maria do Horto Nagano cleanpragas@gmail.com * (41 ) 9106 1157

MIP: Industrias de POA Maria do Horto Nagano cleanpragas@gmail.com * (41 ) 9106 1157 MIP: Industrias de POA Maria do Horto Nagano cleanpragas@gmail.com * (41 ) 9106 1157 1998 Associação Paranaense dos Controladores de Pragas e Vetores EPI CNAE 8122-2/00 CONCLA Comissão Nacional de Classificação

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 O Hospital realiza uma combinação complexa de atividades especializadas, onde o serviço de Higienização e Limpeza ocupam um lugar de grande importância. Ao se entrar em um

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

3 segurança AlimentAr CHRistianne de VasConCelos affonso Jaqueline girnos sonati 19

3 segurança AlimentAr CHRistianne de VasConCelos affonso Jaqueline girnos sonati 19 3 Segurança Al i m e n ta r Christianne de Vasconcelos Affonso Jaqueline Girnos Sonati 19 Segurança Alimentar Atualmente temos muitas informações disponíveis sobre a importância da alimentação e suas conseqüências

Leia mais

Broca da madeira. Atividade de Aprendizagem 19. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente

Broca da madeira. Atividade de Aprendizagem 19. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Atividade de Aprendizagem 19 Broca da madeira Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Tema Interações entre os seres vivos / características e diversidade dos seres vivos / manutenção da vida e integração

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO - Itens 1. IDENTIFICAÇÃO

LISTA DE VERIFICAÇÃO - Itens 1. IDENTIFICAÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANEXO XIII LISTA DE VERIFICAÇÃO DE AUTO-INSPEÇÃO 1.1. Nome da embarcação: 1.2. IMO: 1.3. Nome e assinatura do

Leia mais

PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006

PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006 PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006 Aprova a Lista de Verificação em Boas Práticas para Serviços de Alimentação, aprova Normas para Cursos de Capacitação em Boas Práticas para

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 218, DE 29 DE JULHO DE 2005 (*)

RESOLUÇÃO - RDC No- 218, DE 29 DE JULHO DE 2005 (*) RESOLUÇÃO - RDC No- 218, DE 29 DE JULHO DE 2005 (*) DOU 01-08-2005 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Higiênico-Sanitários para Manipulação de Alimentos e Bebidas Preparados com Vegetais.

Leia mais

PAC 01. Manutenção das Instalações e Equipamentos Industriais

PAC 01. Manutenção das Instalações e Equipamentos Industriais PAC 01 Página 1 de 8 PAC 01 Manutenção das Instalações e Equipamentos Industriais PAC 01 Página 2 de 8 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 *RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e CONSIDERANDO o Decreto Municipal

Leia mais

ROTEIRO EMPRESA DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS

ROTEIRO EMPRESA DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS ROTEIRO EMPRESA DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS ROTEIRO DE INSPEÇÃO PRESTADORA DE SERVIÇOS / DEDETIZADORAS Data: A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA: 1-Razão Social: 2-Nome de Fantasia: 3-Alvará/Licença Sanitária:

Leia mais

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da

Leia mais

PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000

PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000 PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000 Aprova Norma Técnica que estabelece as características de localização, construtivas e os procedimentos para uso do abrigo externo de armazenamento de

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974 (http://www.al.rs.gov.br/legis/);

Leia mais

Instrução Normativa CTNBio nº 6, de 28.02.97

Instrução Normativa CTNBio nº 6, de 28.02.97 Instrução Normativa CTNBio nº 6, de 28.02.97 Dispõe sobre as normas de classificação dos experimentos com vegetais geneticamente modificados quanto aos níveis de risco e de contenção. A COMISSÃO TÉCNICA

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários.

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Nº PROCESSO REQUERIMENTO RAZÃO SOCIAL IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO NOME DE FANTASIA NÚMERO DO CNPJ NÚMERO ÚLTIMO

Leia mais

LUIZ FELIPE ARAÚJO MORETTI INDICE

LUIZ FELIPE ARAÚJO MORETTI INDICE 1 LUIZ FELIPE ARAÚJO MORETTI INDICE Pagina 1 Animais Sinantrópicos / Animais Sinantrópicos na Área Portuária Pagina 2 Pombos na Área Portuária Pagina 3 Problema dos Pombos na Área Portuária / Problemas

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS SANEANTES EM DOMICÍLIOS DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS)¹.

UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS SANEANTES EM DOMICÍLIOS DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS)¹. UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS SANEANTES EM DOMICÍLIOS DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS)¹. DEON, Bárbara Cecconi ²; HECKTHEUER, Luiza Helena³; SACCOL, Silvana 4 ; MEDEIROS, Laissa Benites 5 ; ORSOLIN, Giulianna

Leia mais

Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha.

Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha. Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha. Sou consciente, escolhido por Deus. Sei o que faço. Amo o meu trabalho, amo a vida. Faço o certo. Aqui tem segurança. Sou comprometido

Leia mais

Dicas de conservação e limpeza

Dicas de conservação e limpeza Dicas de conservação e limpeza No uso diário de seus armários, alguns cuidados devem ser tomados a fim de prolongar a vida útil do produto. Água Tome cuidado particular em torno da pia, do forno e dos

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF)

INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF) UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto. de Eng. Química e de Eng. de Alimentos EQA 5221 - Turma 945 Higiene e Legislação de Alimentos INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF) As BPF têm

Leia mais

Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 PATOLOGIAS EM OBRAS DE MADEIRA . A degradação de elementos de madeira surge como resultado da ação de agentes físicos, químicos, mecânicos ou biológicos aos quais

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA.

QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. O presente trabalho é resultado de um consenso estabelecido

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Ordem Isoptera. Alunos: Carlos Felippe Nicoleit; Celso Junior; Charles Magnus da Rosa; Daniella Delavechia.

Ordem Isoptera. Alunos: Carlos Felippe Nicoleit; Celso Junior; Charles Magnus da Rosa; Daniella Delavechia. Ordem Isoptera Alunos: Carlos Felippe Nicoleit; Celso Junior; Charles Magnus da Rosa; Daniella Delavechia. Classificação: Reino: Animal Filo: Artropoda Classe: Insecta Ordem: Isoptera Definição Ordem de

Leia mais

ANEXO IV LAUDO DE CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE HIGIENE

ANEXO IV LAUDO DE CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE HIGIENE ANEXO IV LAUDO DE CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE HIGIENE 119 LAUDO TÉCNICO PREVISTO NO DECRETO Nº 6.795 DE 16 DE MARÇO DE 2009 LAUDO DE CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE HIGIENE 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTÁDIO 1.1. Nome

Leia mais

WebSite da Vigilância Sanitária

WebSite da Vigilância Sanitária Página 1 de 5 SERVIÇOS MAIS ACESSADOS: Selecione um Serviço Página Principal Quem somos Regularize sua Empresa Roteiros Denúncias e Reclamações Vigilância e Fiscalização Sanitária em Indústrias de Alimentos

Leia mais

Inseticidas aliados contra a dengue

Inseticidas aliados contra a dengue Inseticidas aliados contra a dengue Alguns dos produtos testados deixaram a desejar na eliminação de baratas e moscas. A boa notícia é que todos eles tiveram ótimo desempenho contra o mosquito Aedes aegypti.

Leia mais

CARTILHA TÉCNICA DE APICULTURA

CARTILHA TÉCNICA DE APICULTURA CARTILHA TÉCNICA DE APICULTURA Maio de 2015 Patrocínio: LISTA DE FIGURAS Figura 1. Produtos da apicultura.... 4 Figura 2. Abelha Rainha.... 5 Figura 3. Operárias numa caixa de abelha.... 6 Figura 4. Zangões....

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS LOCAL: SETOR/ENDEREÇO: PERÍODO: RESPONSÁVEL PELAS INFORMAÇÕES: LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS SISTEMAS HIDROSSANITÁRIOS PERÍODICIDADE SERVIÇOS PREVENTIVOS STATUS SEMANA 01 DIÁRIO Verificação

Leia mais

Agita : as moscas podem até voar, mas não vão escapar...

Agita : as moscas podem até voar, mas não vão escapar... http://www.milkpoint.com.br/anuncie/novidades-dos-parceiros/agita-as-moscas-podem-ate-voar-mas-nao-vao-escapar-69463n.aspx Agita : as moscas podem até voar, mas não vão escapar... 07/02/2011 Muitas pessoas

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAGEM NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAGEM NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Ministério da Agricultura e do Abastecimento MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAGEM NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS ISSN - 1516-8247 dezembro, 2000 BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAGEM

Leia mais

Art. 2 o É proibido residir na área delimitada industrial do estabelecimento.

Art. 2 o É proibido residir na área delimitada industrial do estabelecimento. NORMA TÉCNICA PARA A CONSTRUÇÃO DE ESTABELECIMENTOS PARA LEITE E DERIVADOS Art. 1 o Os estabelecimentos de leite e derivados devem estar instalados: I distantes pelo menos 500 (quinhentos) metros de estábulos,

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE

Leia mais

ENCONTRO ABRACEN 2013

ENCONTRO ABRACEN 2013 ENCONTRO ABRACEN 2013 EDIÇÃO CEASA CAMPINAS/SP SEGURANÇA ALIMENTAR E INOCUIDADE -Resíduos de Agrotóxicos - Pragas Urbanas O que é um Resíduo de Agrotóxico? Combinação do ingrediente ativo e seus metabólitos

Leia mais

Recomendação Técnica da ABCVP Prazos de Assistência Técnica

Recomendação Técnica da ABCVP Prazos de Assistência Técnica Recomendação Técnica da ABCVP Prazos de Assistência Técnica A ABCVP (Associação Brasileira de Controle de Vetores e Pragas) é uma entidade que congrega como associados representantes de empresas privadas

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Serviços de Limpeza e Disposição

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5, DE 31 DE MARÇO DE 2000.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5, DE 31 DE MARÇO DE 2000. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5, DE 31 DE MARÇO DE 2000. O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA GRANJAS AVÍCOLAS:

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA GRANJAS AVÍCOLAS: Sant Ana do Livramento-RS Cidade Símbolo de Integração Brasileira com os Países do Mercosul" Secretaria Municipal de Agricultura, Pecuária, Abastecimento- SMAPA- SIM- Serviço de Inspeção Municipal NORMAS

Leia mais

Esclarecimento 1/2015

Esclarecimento 1/2015 Segurança Alimentar Produção primária de vegetais e operações conexas Esclarecimento 1/2015 Clarificam-se: o conceito de produção primária de vegetais e operações conexas, as medidas a adotar para o controlo

Leia mais

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA: Abrange o reconhecimento do problema e a sinalização positiva da administração para início do processo. Definir, um

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO, OBRAS, VIAÇÃO E TRANSPORTE COMISSÃO DO MEIO AMBIENTE. PROJETO DE LEI Nº 237/2012 Com o Substitutivo n o 1

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO, OBRAS, VIAÇÃO E TRANSPORTE COMISSÃO DO MEIO AMBIENTE. PROJETO DE LEI Nº 237/2012 Com o Substitutivo n o 1 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO, OBRAS, VIAÇÃO E TRANSPORTE COMISSÃO DO MEIO AMBIENTE PROJETO DE LEI Nº 237/2012 Com o Substitutivo n o 1 RELATÓRIO: De autoria do Vereador Amauri Cardoso, este projeto

Leia mais

Instalação e Uso. MidMos is a subsidiary of Brandenburg UK Ltd

Instalação e Uso. MidMos is a subsidiary of Brandenburg UK Ltd Instalação e Uso BB ALERT ACTIVE Bed Bug Monitor BED BUGS 1 Bed Bugs são pequenos, ovais, noturnos e se alimentam do sangue de animais mamíferos, com uma forte preferência por humanos. Eles são similares

Leia mais

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA ANEXO II REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS PECUÁRIOS ROTEIRO DE INSPEÇÃO DAS BOAS

Leia mais

I - alimento embalado: é todo alimento contido em uma embalagem pronta para ser oferecida ao consumidor;

I - alimento embalado: é todo alimento contido em uma embalagem pronta para ser oferecida ao consumidor; MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC N 14, DE 28 DE MARÇO DE 2014 Dispõe sobre matérias estranhas macroscópicas e microscópicas em alimentos

Leia mais

H A R V A R D U N I V E R S I T Y EH&S Awarenss Training SEGURANÇA ELÉTRICA

H A R V A R D U N I V E R S I T Y EH&S Awarenss Training SEGURANÇA ELÉTRICA EH&S Awarenss Training SEGURANÇA ELÉTRICA As informações de segurança a seguir podem ajudá-lo a evitar perigos e choques elétricos. Mantenha sua área de trabalho limpa e seca. Nunca trabalhe ao redor de

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM CLUBES E PISCINAS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM CLUBES E PISCINAS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

ELABORAÇÃO DE MATERIAL EDUCATIVO PARA MANIPULADORES DE ALIMENTOS PRATICANDO A SEGURANÇA ALIMENTAR NA ESCOLA

ELABORAÇÃO DE MATERIAL EDUCATIVO PARA MANIPULADORES DE ALIMENTOS PRATICANDO A SEGURANÇA ALIMENTAR NA ESCOLA ELABORAÇÃO DE MATERIAL EDUCATIVO PARA MANIPULADORES DE ALIMENTOS PRATICANDO A SEGURANÇA ALIMENTAR NA ESCOLA 1 OLIVEIRA, Giovanna Angela Leonel; 2 AIRES, Mayara Gabrielly Gomes Silva; 3 RODRIGUES, Rodrigo

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111

RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111 RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111 Correlação: Revoga a Resolução CONAMA nº 334/2003 Dispõe sobre os requisitos

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS E FINANCEIRAS PARA A CONSTRUÇÃO DA UNIDADE DE PROCESSAMENTO DE DOCES E OUTROS PELA ASSOCIAÇÃO DE MULHERES DE PORTO DE AREIA

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS E FINANCEIRAS PARA A CONSTRUÇÃO DA UNIDADE DE PROCESSAMENTO DE DOCES E OUTROS PELA ASSOCIAÇÃO DE MULHERES DE PORTO DE AREIA ORIENTAÇÕES TÉCNICAS E FINANCEIRAS PARA A CONSTRUÇÃO DA UNIDADE DE PROCESSAMENTO DE DOCES E OUTROS PELA ASSOCIAÇÃO DE MULHERES DE PORTO DE AREIA Consultora: Eng. Agr. Marcio G. de Lima Alta Floresta, Maio

Leia mais

1. OBJETIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

1. OBJETIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO PARA A FABRICAÇÃO DE BEBIDAS E VINAGRES, INCLUSIVE VINHOS E DERIVADOS DA UVA E DO VINHO, RELATIVO ÀS CONDIÇÕES HIGIÊNICAS E SANITARIAS, DIRIGIDO A ESTABELECIMENTOS ELABORADORES

Leia mais