Cantigas d Amigo with aab Forms by Galician Jograres

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cantigas d Amigo with aab Forms by Galician Jograres"

Transcrição

1 Cantigas d Amigo with aab Forms by Galician Jograres Rip Cohen The Johns Hopkins University

2 Introductory Note Cantigas d amigo with aab strophes comprise 20% of the genre and provide evidence for the history of Galician-Portuguese forms (Cohen 2005). Presented here, with metrical analysis, are 52 aab texts from the cancioneiro de jograis galegos (Oliveira 1994: ). 1 The geography of the poets suggests the use of aab was centered within a 100 kilometer radius of Vigo. 2 And the division of aab strophes into three to six cognitive chunks (Miller 1956), matching the needs of oral transmission, testifies to a long gestation. 3 The text is taken from Cohen 2003 (sometimes changed, e.g., Nuno Porco 1, Johan Servando 8, Fernan do Lago 1). For questions of textual criticism, the apparatus and notes in that edition should be consulted (few texts have any apparatus here). The colometry of many texts has been re-analyzed (cf. Cohen 2010a). Angle brackets are used for additions (but not for truncated refrains); square ones, for suggested deletions. Punctuation has been altered, and tils have been added where historical phonology predicts them and thirteenth century manuscripts of the lyric normally present them. Cases of conflation (Parkinson 2006: 116) that is, of elision, absorption, or diphthongization of word-final and wordinitial vowels are marked by an underline, e.g., amigo_á. All inter-verbal vocalic encounters which are not marked in this way should be understood to be instances of hiatus. Each text is preceded by an analysis of colometry, scansion, and rhyme systems. The strophe is divided into two periods (body of strophe and refrain) separated by the symbol. This symbol is not used when the metrical analysis of both periods is identical. Letters in bold, e.g. aab, represent verses with internal rhyme. In the text, inner cola (or regular word-breaks) are marked with a vertical bar:. Cola are only marked in the first period except when they are equal in both periods, or the second uses internal rhyme or one of its cola matches one in the first period. Conflation across a colon boundary (which is rare) is indicated thus: fremosa_ _en. 1 In the section of cantigas d amigo in the cancioneiro de cavaleiros (Oliveira 1994: 179) 9/15 poets, or 60%, use aab; in the recolha de trovadores portugueses (Oliveira 1994: 182) 6/14 authors, or 45%. So 15/29 trobadores, or 49%, use aab for Amigo (see Cohen 2005: ). In the cancioneiro de jograis galegos, the figure is 19/27, or 70%. Translations of all the cantigas d amigo can be found in Cohen 2010c. 2 This can be seen from the map in Oliveira (2001: 182) by adding the names of the poets. 3 Schaffer (1987: 1-14) has sufficiently demonstrated the oral-formulaic roots of the genre. 2

3 The metrical template appears to be an alternation of strong and weak positions determined by counting backwards from the nearest cadence (at the end of the colon or the verse). Stressed and unstressed syllables then coincide (by definition) with strong and weak positions, respectively, at that cadence. All other positions are free. There is a tendency, however, for such coincidence to increase at the end of a cantiga. Of these 52 texts, 16 have no inner cola, 20 deploy inner cola in the first period but without internal rhyme, 3 have inner cola throughout but no internal rhyme, another 8 use inner cola throughout but with rhyme in the refrain only, and 5 make use of internal rhyme in both periods (see Appendix). Thus, roughly a third are simplex (without inner cola), while two thirds have two cola in at least one period. These five varieties may reflect a historical development. This edition with metrical analysis is meant to facilitate study of texts which may hold keys to a better understanding of the history of the cantiga d amigo its rhetoric, pragmatics, and forms. 3

4 PERO DE BERDIA 3 aab (x3): 13 [6 +6 ] 7 ia asse isse igo Deu-lo sabe, coitada vivo mais ca soía, ca se foi meu amigo, e ben vi, quando s ia, ca se perderia migo. E dissera lh eu, ante que se de min quitasse, que se vẽesse cedo, e, se alá tardasse, 5 ca se perderia migo. E dissera lh eu, ante que se de min partisse, que, se muito quisesse viver u me non visse, ca se perderia migo. 4

5 NUNO PORCO 1 aab (x4): 11 [5+6 ] 6 i-o / ado ada cobras alternantes Irei a lo mar vee-lo meu amigo, pregunta-lo ei se querrá viver migo e vou m eu namorada. Irei a lo mar vee-lo meu amado, pregunta-lo ei se fará meu mandado 5 e vou m eu namorada. Pregunta-lo ei por que non vive migo e direi lh a coit en que por el<e> vivo e vou m eu namorada. Pregunta-lo ei por que m á despagado 10 e xi mh assanhou a tort<o> endõado e vou m eu namorada. 5

6 PERO DE VEER 1 aab (x3): 10 [4 +5] 7 (or 8 ) ei ir or ada Ai Deus, que doo que eu de mi ei, por que se foi meu amig e fiquei pequena_e del namorada. Quando s el ouve de Julhan a ir, fiquei fremosa, por vos non mentir, 5 pequena_e del namorada. Ali ouv eu de mha morte pavor u eu fiquei mui coitada pastor, pequena_e del namorada. 6

7 PERO DE VEER 3 aab (x2): 10 [5+5 ] 10 [5+5] (i) igo (i) ia (i) i There is an extrametrical syllable at the colon-boundary in I.1 and II.1 (which may suffer conflation across the boundary in II.1). Maria in I.1 matches the rhyme-word of II.1; amigo in II.1 matches the rhyme-word of I.1. A Santa Mari-a fiz ir meu amigo e non lh atendi o que pos comigo: con el me perdi por que lhi menti. Fiz ir meu ami-go_ _a Santa Maria e non foi eu i con el aquel dia: 5 con el me perdi por que lhi menti. 7

8 PERO DE VEER 4 aab I-III, V; aab IV: 10/9 [4 /5+5/4 ] 7 en eja ęsse (ęu-en) asse ia ir Do meu amig, a que eu quero ben, guardan me del, e non ouso per ren a Santa Maria ir, pois guardan me del, que o non veja, e non me leixan, per ren que seja, 5 a Santa Maria ir. Que o non visse, macar quisesse, por en guisaron que non podesse a Santa Maria ir. Nen o viss eu nen o tant amasse, 10 pois mi Deus deu quen me non leixasse a Santa Maria ir. Des que o vi en Julhan un dia, ja me non leixan, como soía, a Santa Maria ir. 15 8

9 PERO DE VEER 5 aab (x1 [fragment?]): 15 [7 +7 ] 14 [7+7] ece (ei) ei Assanhei me vos, amigo, per bõa fe, con sandece como se molher assanha a quen lho nunca merece, mais, se mi vos assanhei, desassanhar mi vos ei. 9

10 BERNAL DE BONAVAL 3 aab (x4): 9 [4 +4 ] 7 ades / edes igo cobras alternantes Ai fremosinha, se ben ajades, longi de vila, quen asperades? Vin atender meu amigo. Ai fremosinha, se gradoedes, longi de vila, quen atendedes? 5 Vin atender meu amigo. Longi de vila, quen asperades? Direi vol eu, pois me preguntades: vin atender meu amigo. Longi de vila, quen atendedes? 10 Direi vol eu, poi- lo non sabedes: vin atender meu amigo. 10

11 BERNAL DE BONAVAL 4 aab (x4): 16 [7 /8+8] 16 [8+8] or ar al ęr (en) en Pois mi dizedes, amigo, ca mi queredes vós melhor de quantas eno mundo son, dizede, por Nostro Senhor, se mi vós queredes gran ben, como podedes <ir> daquen? E, pois dizedes ca poder non avedes d al tant amar come min, ai meu amigo, dizede, se Deus vos ampar, 5 se mi vós queredes gran ben, como podedes <ir> daquen? E, pois vos eu ouço dizer ca non amades tan muit al come mi, dized, amigo, se Deus vos lev a Bonaval, se mi vós queredes gran ben, como podedes <ir> daquen? Por que oí sempre dizer, du ome muit amou molher, 10 que se non podia end ir, pesar mh á, se eu non souber: se mi vós queredes gran ben, como podedes <ir> daquen? 11

12 BERNAL DE BONAVAL 6 aab (I-III) > aab (IV): 10 [4/3 +6] 4 i on ei (í-ęu) ou al Diss a fremosa_ _en Bonaval assi: Ai Deus, u é meu amigo daqui de Bonaval? Cuid eu, coitad é no seu coraçon, por que non foi migo na sagraçon 5 de Bonaval. Pois eu migo seu mandado non ei, ja m eu leda partir non poderei de Bonaval. Pois m aqui seu mandado non chegou, 10 muito vin eu mais leda ca me vou de Bonaval. 12

13 BERNAL DE BONAVAL 7 aab (x2): 12 [7 +4] 10 or ei en In both strophes the first syllable of the second colon of the second verse rhymes with the fourth syllable of the refrain. Rogar vos quer eu, mha madre <e> mha senhor, que mi non digades oje mal, se eu for a Bonaval, pois meu amig i ven. Se vos non pesar, mha madre, rogar vos ei, por Deus, que mi non digades mal, e irei 5 a Bonaval, pois meu amig i ven. 13

14 BERNAL DE BONAVAL 8 aab (I-II) > aab (III): 10 [4 +5 ] 7 igo edes (ide) ades osa Filha fremosa, vedes que vos digo: que non faledes ao voss amigo sen mi, ai filha fremosa. E se vós, filha, meu amor queredes, rogo vos eu que nunca lhi faledes 5 sen mi, ai filha fremosa. E al á i de que vos non guardades: perdedes i de quanto lhi falades sen mi, ai filha fremosa. 14

15 JOHAN SERVANDO 2 aab (x3): 15/15 [7 +7/7 ] 14 [7+7] (igo) ar (edo) anha (ia) ando (ir) ir Ir se quer o meu amigo, non me sei eu del vingar, e, pero mal está migo, se me lh eu ant assanhar, quando m el sanhuda vir, non s ousará daquend ir. Ir se quer el daqui cedo por mi non fazer companha, mais, pero que non á medo de lhi mal fazer mha sanha, 5 quando m el sanhuda vir, non s ousará daquend ir. Foi el fazer noutro dia oraçon a San Servando por s ir ja daqui sa via, mais, se m eu for assanhando, quando m el sanhuda vir, non s ousará daquend ir. 15

16 JOHAN SERVANDO 5 aab (x4): 15 /15 [7 +7 /7] 7 ia ida ar ada igo Ora van a San Servando donas fazer romaria e non me leixan con elas ir, ca log alá iria, por que ven i meu amigo. Se eu foss en tal companha de donas, fora guarida, mais non quis oje mha madre que fezess end eu a ida, 5 por que ven i meu amigo. Tal romaria de donas vai alá que non á par e fora oj eu con elas, mais non me queren leixar, por que ven i meu amigo. Nunca me mha madre veja, se dela non for vingada, 10 por que oj a San Servando non vou, e me ten guardada, por que ven i meu amigo. 16

17 JOHAN SERVANDO 7 aab (x3): 10/10 8 or ou edes er Se meu amig a San Servando for e lho Deus guisa polo seu amor, i-lo quer eu, madre, veer. E se el for, como me demandou, a San Servando,_u m outra vez buscou, 5 i-lo quer eu, madre, veer. O meu amigo, que mi vós tolhedes, pero m agora por el mal dizedes, i-lo quer eu, madre, veer. 17

18 JOHAN SERVANDO 8 aab (x4): 11 [5 +5 ] 5 edes ades ia igo ores Mha madre velida, e non me guardedes d ir a San Servando, ca, se o fazedes morrerei d amores. E non me guardedes, se vós ben ajades, d ir a San Servando, ca, se me guardades, 5 morrerei d amores. E se me [nõ] guardades daquesta perfia d ir a San Servando fazer romaria, morrerei d amores. E se me [uos] guardades, eu ben volo digo, 10 d ir a San Servando veer meu amigo, morrerei d amores. 7 nõ BV : seclusi : non Monaci : vós Nunes daquesta scripsi (cf. Giinzo 4, vv. 8, 13 daquesta perfia) : datal BV : d atal editores 10 uos BV : seclusit Monaci 18

19 JOHAN SERVANDO 11 aab (x2): 13 [6 +6 ] 3 igo ejo ada Fui eu a San Servando por veer meu amigo e non o vi na_ermida nen falou el comigo, namorada. Disseron mi mandado do que muito desejo ca verria_a San Servando e, pois eu non o vejo, 5 namorada. 5 fortasse verria_a Servando (cf. Servando 12, v. 18 par Servando) vel ven a San Servando 19

20 JOHAN ZORRO 3 aab (x6): 6 (5 in II.2, IV.1) 7 i-o / a-o eira cobras alternantes Per ribeira do rio vi remar o navio e sabor ei da ribeira. Per ribeira do alto vi remar o barco 5 e sabor ei da ribeira. Vi remar o navio, i vai o meu amigo e sabor ei da ribeira. Vi remar o barco, 10 i vai o meu amado e sabor ei da ribeira. I vai o meu amigo, quer me levar con sigo e sabor ei da ribeira. 15 I vai o meu amado, quer me levar de grado e sabor ei da ribeira. 20

21 JOHAN ZORRO 7 aab (x2): 9 [4 +4 ] o-e u-a (a-e) a-e Mete_el rei barcas no rio forte; quen amigo_á, que Deus lho amostre; alá vai, madre, ond ei suidade. Mete_el rei barcas na_estremadura; quen amig á, que Deus lho aduga; 5 alá vai, madre, ond ei suidade. 21

22 JUIÃO BOLSEIRO 4 aab (x3): 13 [6 +6] 6 i en ar igo Nas barcas novas foi s o meu amigo daqui, e vej eu vĩir barcas e tenho que ven i, mha madre,_o meu amigo. Atendamos, ai madre, sempre vos querrei ben, ca vejo vĩir barcas e tenho que i ven, 5 mha madre,_o meu amigo. Non faç eu desguisado, mha madr, eno cuidar, ca non podia muito sen mi alhur morar, mha madre,_o meu amigo. 22

23 JUIÃO BOLSEIRO 12 aab (x3): 15 [7 +7 ] ia ada aes (igo) igo Aquestas noites tan longas que Deus fez en grave dia por min, por que as non dormho, e por que as non fazia no tempo que meu amigo soía falar comigo? Por que as fez Deus tan grandes, non posso_eu dormir, coitada, e, de como son sobejas, quisera m outra vegada 5 no tempo que meu amigo soía falar comigo. Por que as Deus fez tan grandes, sen mesura desiguaes, e as eu dormir non posso, por que as non fez ataes no tempo que meu amigo soía falar comigo? 23

24 JUIÃO BOLSEIRO 15 aab (x2): 15 [7 /8+7] [7 +7 ] i al (igo) igo Non perdi eu, meu amigo, des que me de vós parti, do meu coraçon gran coita nen gran pesar, mais perdi quanto tempo, meu amigo, vós non vivestes comigo. Nen perderan os olhos meus chorar nunca, nen eu mal, 5 des que vos vós daqui fostes, mais vedes que perdi al: quanto tempo, meu amigo, vós non vivestes comigo. 24

25 PERO MEOGO 1 aab (x4): 10 [4 +5] 8 ei er or ei á O meu amig, a que preito talhei, con vosso medo, madre, mentir lh ei; e se non for, assanhar s á. Talhei lh eu preito de o ir veer ena fonte_u os cervos van bever, 5 e se non for, assanhar s á. E non ei eu de lhi mentir sabor, mais mentir lh ei <eu> con vosso pavor; e se non for, assanhar s á. De lhi mentir nen un sabor non ei; 10 con vosso med a mentir lh averei; e se non for, assanhar s á. 25

26 PERO MEOGO 4 aab (x2): 11 [5 +5] 5 ar er ida Ai cervas do monte, vin vos preguntar: foi s o meu amig, e, se alá tardar, que farei velida? Ai cervas do monte, vin volo dizer, foi s o meu amig, e querria saber: 5 que farei velida? 26

27 PERO MEOGO 5 aab (x6): 11 [5 +5 ] i-a / a-a eda cobras alternantes <Levou s aa alva>, levou s a velida, vai lavar cabelos na fontana fria leda dos amores, dos amores leda. <Levou s aa alva>, levou s a louçana, vai lavar cabelos na fria fontana 5 leda dos amores, dos amores leda. Vai lavar cabelos na fontana fria; passou seu amigo, que lhi ben queria leda dos amores, dos amores leda. Vai lavar cabelos na fria fontana; 10 passa seu amigo, que <a> muit a<ma>va leda dos amores, dos amores leda. Passa seu amigo, que lhi ben queria; o cervo do monte a augua volvia leda dos amores, dos amores leda. 15 Passa seu amigo que a muit amava; o cervo do monte volvia <a> augua leda dos amores, dos amores leda. 27

28 PERO MEOGO 6 aab (x8): 5 /5 3 ervas a-os e-as elos ei ara igo Enas verdes ervas vi anda-las cervas, meu amigo. Enos verdes prados vi os cervos bravos, 5 meu amigo. E con sabor delas lavei mhas garcetas, meu amigo. E con sabor delos 10 lavei meus cabelos, meu amigo. Des que los lavei, d ouro los liei, meu amigo. 15 Des que las lavara, d ouro las liara, meu amigo. D ouro los liei e vos asperei, 20 meu amigo. D ouro las liara e vos asperara, meu amigo. 28

29 PERO MEOGO 9 aab (x6) 10 [4 +5 ] 5 i-a / a-a (I-IV); i-o / a-o (V-VI) ei Digades, filha, mha filha velida, por que tardastes na fontana fria? ( Os amores ei). Digades, filha, mha filha louçana, por que tardastes na fria fontana? 5 ( Os amores ei). Tardei, mha madre, na fontana fria, cervos do monte a augua volv<i>an; (Os amores ei). Tardei, mha madre, na fria fontana, 10 cervos do monte volv<i>an a augua; (Os amores ei). Mentir, mha filha, mentir por amigo, nunca vi cervo que volvesse_o rio; ( Os amores ei). 15 Mentir, mha filha, mentir por amado, nunca vi cervo que volvess o alto; ( Os amores ei). 29

30 NUNO TREEZ 2 aab (x3): 6 4 ar or or ei San Clemenço do mar, se mi del non vingar, non dormirei. San Clemenço senhor, se vingada non for, non dormirei. 5 Se vingada non for do fals e traedor, non dormirei. 30

31 NUNO TREEZ 3 aab (I-IV) > aab (V-VI): 16/15 [7 +8/7 ] 15 [7 +7] on i/in ar or (ade) is (igo) ia (igo) igo Non vou eu a San Clemenço orar, e faço gran razon, ca el non mi tolhe_a coita que trago no meu coraçon, nen mh aduz o meu amigo, pero lho rog e lho digo. Non vou eu a San Clemenço, nen el non se nembra de min, nen mh aduz o meu amigo, que sempr amei des que o vi, 5 nen mh aduz o meu amigo, pero lho rog e lho digo. Ca se el<e> m adussesse o que me faz pẽad andar, nunca tantos estadaes arderan ant o seu altar, nen mh aduz o meu amigo, pero lho rog e lho digo. Ca se el<e> m adussesse o por que eu moiro d amor, 10 nunca tantos estadaes arderan ant o meu senhor, nen mh aduz o meu amigo, pero lho rog e lho digo. Pois eu e<n> mha voontade de o non veer son ben fis, que porrei par caridade ant el candeas de Paris? nen mh aduz o meu amigo, pero lho rog e lho digo. 15 En mi tolher meu amigo filhou comigo perfia, por end arderá, vos digo, ant el lume de bogia, nen mh aduz o meu amigo, pero lho rog e lho digo. 31

32 NUNO TREEZ 4 aab (x6): 16 [7 +8] 9 on ar er ar er on igo Estava m en San Clemenço, u fora fazer oraçon, e disse mh o mandadeiro, que mi prougue de coraçon: Agora verrá_ aqui voss amigo. Estava <m > en San Clemenço, u fora candeas queimar, e disse mh o mandadeiro: Fremosa de bon semelhar, 5 agora verrá_aqui voss amigo. Estava m en San Clemenço, u fora oraçon fazer, e disse mh o mandadeiro: Fremosa de bon parecer, agora verrá_aqui voss amigo. E disse mh o mandadeiro: Fremosa de bon semelhar, 10 por que viu que mi prazia, ar começou m<e> a falar Agora verrá_aqui voss amigo. E disse mh o mandadeiro: Fremosa de bon parecer, por que viu que mi prazia, ar começou <me> a dizer: Agora verrá_aqui voss amigo. 15 E disse mh o mandadeiro, que mi prougue de coraçon, por que viu que mi prazia, ar disse mh outra vez enton: Agora verrá_aqui voss amigo. 32

33 PEDR AMIGO DE SEVILHA 7 aab (x3): 15 [7 +7] 14 [7+7] (igo) er (eito) en (ito) ei (ez) ez Internal rhyme with dobre: I amigo ; II feito ; III dito. Repeated rhyme-word in refrain: fez. Un cantar novo d amigo querrei agora_aprender que fez ora meu amigo, e cuido log entender, no cantar que diz que fez por mi, se o por mi fez. Un cantar d amig á feito, e, se mho disser alguen dereito como el é feito, cuido_eu entender mui ben, 5 no cantar que diz que fez por mi, se o por mi fez. O cantar éste mui dito, pero que o eu non sei, mais, pois mho ouveren dito, cuid eu que entend<er>ei, no cantar que diz que fez por mi, se o por mi fez. 33

34 PAE CALVO 2 aab (x4): 7 5 ia ado ado ia ei Ai madr, o que ben queria foi s ora daqui sa via; deseja-lo ei. Foi s o<ra> meu perjurado e non m envia mandado; 5 deseja-lo ei. E non m enviou mandado; de Deus lhi seja buscado; deseja-lo ei. Pois mandado non m envia, 10 busque lho Santa Maria; deseja-lo ei. 34

35 MARTIN PADROZELOS 9 aab (x3): 13 [6 +6] 13 [6 +6 ] or ir ei (igo) igo Id oj, ai meu amigo, led a San Salvador, eu vosco irei leda e, pois eu vosco for, mui leda_irei, amigo, e vós ledo comigo. Pero sõ<o> guardada, toda via quer ir con vosc, ai meu amigo, se mh a guarda non vir, 5 mui leda_irei, amigo, e vós ledo comigo. Pero sõo guardada, toda via irei con vosc, ai meu amigo, se a guarda non ei, mui leda_irei, amigo, e vós ledo comigo. 35

36 LOPO 5 aab (x4): 6 8 edes ades ando igo ar Filha, se gradoedes, dizede que avedes. Non mi dan amores vagar. Filha, se ben ajades, dized e non mençades. 5 Non mi dan amores vagar. Dizede, pois vos mando, por que ides chorando. Non mi dan amores vagar. Par San Leuter vos digo: 10 cuidand en meu amigo, non mi dan amores vagar. 36

37 LOPO 6 aab (x3): 11 /12 [4 /5+6 /7] 11 [5+6 ] ades erdes er igo Por Deus vos rogo, madre, que mi digades que vos mereci que mi tanto guardades d ir a San Leuter falar con meu amigo. Fazede mh ora quanto mal <vós> poderdes, ca non me guardar- edes, pero quiserdes, 5 d ir a San Leuter falar con meu amigo. Nunca vos fiz ren que non devess a fazer e guardades me tanto que non ei poder d ir a San Leuter falar con meu amigo. 37

38 LOPO 7 aab (x3): 11 /12 [5 /6+5 /6] 12 [6+6 ] ado ei ada igo Disseron m agora do meu namorado que se foi sanhud e sen o meu mandado, e por que s assanhou agora_o meu amigo? Sabe o San Leuter, a que o eu roguei, que o non mereci, pero o sanhud ei, 5 e por que s assanhou agora_o meu amigo? Non lho mereci eu nunca pois foi nada, madr, e fui un dia por el mal julgada, e por que s assanhou agora_o meu amigo? 38

39 LOURENÇO 5 aab (x4): 10 3 i ei en az ada Amiga, des que meu amigo vi, el por mi morr e eu ando des i namorada. Des que o vi primeir e lhi falei, el por mi morre e eu del fiquei 5 namorada. Des que nos vimos, assi nos aven: el por mi morr e eu ando por en namorada. Des que nos vimos, vede-lo que faz: 10 el por mi morr e eu and<o> assaz namorada. 39

40 JOHAN DE CANGAS 3 aab (x3): 9 /10 9 edes er ar igo Amigo, se mi gran ben queredes, id a San Momed e veer m edes; oje non mi mençades, amigo. Pois mh aqui ren non podedes dizer, id u ajades comigo lezer; 5 oje non mi mençades, amigo. Serei vosc en San Momede do mar na ermida, se mho Deus aguisar; oje non mi mençades, amigo. 40

41 MARTIN DE GIINZO 1 aab (x4): 13 [6 +6 ] 7 i-o / a-o ada cobras alternantes Como vivo coitada, madre, por meu amigo, ca m enviou mandado que se vai no ferido, e por el vivo coitada. Como vivo coitada, madre, por meu amado, ca m enviou mandado que se vai no fossado, 5 e por el vivo coitada. Ca m enviou mandado que se vai no ferido, eu a Santa Cecilia de coraçon o digo e por el vivo coitada. Ca m enviou mandado que se vai no fossado, 10 eu a Santa Cecilia de coraçon o falo e por el vivo coitada. 41

42 MARTIN DE GIINZO 4 aab (x3): 10 4 ia / ado igo cobras alternantes variation in refrain: I-II do ; III-IV por ; V-VI con. Non poss eu, madre,_ir a Santa Cecilia, ca me guardades a noit e o dia do meu amigo. Non poss eu, madr<e>, aver gasalhado, ca me non leixades fazer mandado 5 do meu amigo. Ca me guardades a noit e o dia, morrer vos ei con aquesta perfia por meu amigo. Ca mi non leixades fazer mandado, 10 morrer vos ei con aqueste cuidado por meu amigo. Morrer vos ei con aquesta perfia, e, se me leixassedes ir, guarria con meu amigo. 15 Morrer vos ei con aqueste cuidado e, se quiserdes, irei mui de grado con meu amigo. 42

43 MARTIN DE GIINZO 8 aab (x4): 7 8 (or 7 ) er / ar ęu cobras alternantes A do mui bon parecer mandou lo_aduffe tanger: Louçana d amores moir eu. A do mui bon semelhar mandou lo_aduffe sonar: 5 Louçana d amores moir eu. Mandou lo_aduffe tanger e non lhi davan lezer: Louçana d amores moir eu. Mandou lo_aduffe sonar 10 <e> non lhi davan vagar: Louçana d amores moir eu. 43

44 MARTIN CODAX 1 aab (x4): 6 7 i-o / ado edo cobras alternantes Ondas do mar de Vigo, se vistes meu amigo? e ai Deus, se verrá cedo? Ondas do mar levado, se vistes meu amado? 5 e ai Deus, se verrá cedo? Se vistes meu amigo? o por que eu sospiro; e ai Deus, se verrá cedo? Se vistes meu amado? 10 o por que ei gran coidado; e ai Deus, se verrá cedo? 44

45 MARTIN CODAX 2 aaa (I, III, IV) / aab (II, IV, VI): 5 6 i-o / a-o igo cobras alternantes Mandad ei comigo ca ven meu amigo, e irei, madr, a Vigo. Comig ei mandado ca ven meu amado, 5 e irei, madr, a Vigo. Ca ven meu amigo e ven san e vivo, e irei, madr, a Vigo. Ca ven meu amado 10 e ven viv e sano, e irei, madr, a Vigo. Ca ven san e vivo e del rei amigo, e irei, madr, a Vigo. 15 Ca ven vivo_e sano e del rei privado, e irei, madr, a Vigo. 45

46 MARTIN CODAX 3 aab (x4): 12 [6 +5 ] 7 i-o / ado ondas cobras alternantes Mha irmana fremosa, treides comigo a la_igreja de Vigo_u é o mar salido e miraremos las ondas. Mha irmana fremosa, treides de grado a la_igreja de Vigo_u é o mar levado 5 e miraremos las ondas. A la_igreja de Vigo_u é o mar salido e verrá i mha madr<e> e o meu amigo e miraremos las ondas. A la_igreja de Vigo_u é o mar levado 10 e verrá i mha madr<e> e o meu amado e miraremos las ondas. 1, 4 treides (< trắhĭtis; cf. Cohen 2010b, s.v. traer) appears to be tri-syllabic here an archaic pronunciation. 46

47 MARTIN CODAX 4 aab (x6): 9 5 igo / a-o ada cobras alternantes Ai Deus, se sab ora meu amigo com eu senheira estou en Vigo? e vou namorada. Ai Deus, se sab ora meu amado com eu en Vigo senheira manho? 5 e vou namorada. Com eu senheira estou en Vigo e nulhas gardas non ei comigo, e vou namorada. Com eu senheira en Vigo manho 10 e nulhas gardas migo non trago, e vou namorada. E nulhas gardas non ei comigo ergas meus olhos que choran migo, e vou namorada. 15 E nulhas gardas migo non trago ergas meus olhos que choran ambos, e vou namorada. 47

48 MARTIN CODAX 5 aab (x4): 9 8 igo / ado ondas cobras alternantes Quantas sabedes amar amigo, treides comig a lo mar de Vigo e banhar nos emos nas ondas. Quantas sabedes amar amado, treides comigo_a lo mar levado 5 e banhar nos emos nas ondas. Treides comigo_a lo mar de Vigo e veeremo-lo meu amigo e banhar nos emos nas ondas. Treides <co>migo_a lo mar levado 10 e veeremo-lo meu amado e banhar nos emos nas ondas. 48

49 MARTIN CODAX 6 aab (x6): 7 3 i-o / ado ei cobras alternantes Eno sagrado en Vigo bailava corpo velido; amor ei. En Vigo <e>no sagrado bailava corpo delgado; 5 amor ei. Bailava corpo velido que nunca ouvera_amigo; amor ei. Bailava corpo delgado 10 que nunca ouvera_amado; amor ei. Que nunca ouvera_amigo ergas no sagrad en Vigo; amor ei. 15 Que nunca ouvera_amado ergas en Vigo no sagrado; amor ei. 49

50 MARTIN CODAX 7 aab (x2): 8 10 er ar in Ai ondas que eu vin veer, se me saberedes dizer por que tarda meu amigo sen min? Ai ondas que eu vin mirar, se me saberedes contar 5 por que tarda meu amigo sen min? 50

51 AIRAS PAEZ 2 aab (x3): 15/15 [7 +7/7 ] 8 i ado ou eça Por vee-lo namorado, que muit á que eu non vi, irmana, treides comigo, ca me dizen que ven i a Santa Maria de Reça. Por que sei ca mi quer ben e por que ven i mui <coi>tado, irmana, treides comigo, ca sei que ven i de grado 5 a Santa Maria de Reça. Por vee-lo namorado, que por mi gran mal levou, treides comig, ai irmana, ca mi dizen que chegou a Santa Maria de Reça. 51

52 FERNAN DO LAGO 1 aab (I-II) > aab (III-IV): 13 [6 +6] 6 or en (ia) on (i-a) i igo D ir a Santa Maria do Lag ei gran sabor e pero non irei_alá, se ant<e> i non for, irmana,_o meu amigo. D ir a Santa Maria do Lag é mi gran ben e pero non irei_alá, se ant<e> i non ven, 5 irmana,_o meu amigo. Gran sabor averia <e>no meu coraçon d ir a Santa Maria, se i achass enton, irmana,_o meu amigo. Ja jurei noutro dia, quando m ende parti, 10 que non foss a la_ermida, se ante non foss i, irmana,_o meu amigo. 2, 5 ant<e> i colometriae causa; cf. CSM ante outros; CSM; ante aver; CSM sempre y; CSM teve y 52

53 JOHAN DE REQUEIXO 1 aab (x3): 15 /16 [7 /8+7 /8] 15 [7 +7 ] igo ei on (ia) ia Fui eu, madr, en romaria a Faro con meu amigo e venho del namorada por quanto falou comigo, ca mi jurou que morria por mi, tal ben mi queria. Leda venho da ermida e desta vez leda serei, ca falei con meu amigo que sempre <muito> desejei, 5 ca mi jurou que morria por mi, tal ben mi queria. Du m eu vi con meu amigo, vin leda, se Deus mi perdon, ca nunca lhi cuid a mentir por quanto m el<e> diss enton, ca mi jurou que morria por mi, tal ben mi queria. 53

54 JOHAN DE REQUEIXO 2 aab (x3): 14/13 [5 /6+8/7 ] 14 [6+8] (ia) ęr (ęu) igo (ęr) ada (on) on A Far<o> un dia irei, madre, se vos prouguer, rogar se verria meu amigo, que mi ben quer, e direi lh eu enton a coita do meu coraçon. Muito per desej eu que vẽesse meu amigo que m estas penas deu e que falasse comigo 5 e direi lh eu enton a coita do meu coraçon. Se s el nembrar quiser como fiquei namorada e se cedo vẽer e o vir eu ben talhada, e direi lh eu enton a coita do meu coraçon. 54

55 JOHAN DE REQUEIXO 5 aab (x3): 15 [7 +7 ] (ęsse) igo (ado) enha (ada) ida (ia) ia Amiga, quen oje_ouvesse mandado do meu amigo e lhi ben dizer podesse que vẽesse falar migo ali u sempre queria falar mig e non podia. Se de mi ouver mandado, non sei ren que o detenha, 5 amiga, pelo seu grado que el mui cedo non venha ali u sempre queria falar mig e non podia. U foi mig outra vegada atende-lo ei velida, fremosa e ben talhada en Far<o> ena ermida 10 ali u sempre queria falar mig e non podia. 55

56 Appendix: Varieties of aab Strophic Construction Simplex (no inner cola) Servando 7 Zorro 3 Meogo 6 Treez 2 Calvo 2 Lopo 5 Lourenço 5 Cangas 3 Giinzo 1, 8 Codax 1, 2, 4, 5, 6, 7 Inner cola in first period, but no internal rhyme Berdia 3 Porco 1 Veer 1, 4* Bonaval 3*, 6*, 7*, 8 Servando 5, 8, 11 Bolseiro 4 Meogo 1, 4, 9 Treez 4 Giinzo 1 Codax 3 Paez 2 Lago 1* Inner cola throughout, but no internal rhyme Meogo 5 Lopo 6, 7 Inner cola throughout, internal rhyme in refrain Veer 5 Bonaval 4 Zorro 7 Bolseiro 12, 15 Treez 3* Padrozelos 9 Requeixo 1 Internal rhyme throughout Veer 3 Servando 1 Sevilha 7 Requeixo 2, 3 *= internal rhyme in one or two strophes 56

57 Manuscripts and Works Cited B = Biblioteca Nacional (Lisbon), cod V = Biblioteca Apostolica Vaticana (Rome), cod. lat Cohen, Rip Cantigas d Amigo. Edição Crítica/Critical Edition. Porto: Campo das Letras In the Beginning was the Strophe: Origins of the Cantiga d Amigo Revealed! Modelo: Actas do X Colóquio da Secção Portuguesa da Associação Hispánica de Literatura Medieval. Ed. Ana Sofia Laranjinha and José Carlos Miranda. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto a. Colometry and Internal Rhyme in Vidal, Judeu d Elvas. Budapest: Ars Metrica 12. Web b. An Etymological Wordlist for the Cantigas d Amigo. Baltimore: JScholarship, The Johns Hopkins University. Web c. The Cantigas d Amigo: An English Translation. Baltimore: JScholarship, The Johns Hopkins University. Web. CSM = Walter Mettmann, Afonso X, O Sabio. Cantigas de Santa Maria. 4 vols. Coimbra: Por Ordem da Universidade, Miller, George A The Magical Number Seven, Plus or Minus Two: Some Limits on Our Capacity for Processing Information. The Psychological Review 63: Monaci, Ernesto Canti antichi portoghesi tratti dal codice vaticano 4803 con traduzione e note. Imola: Tip. D Ignazio Galeati e F. Nunes, José Joaquim Cantigas d amigo dos trovadores Galego-Portugueses. Edição crítica acompanhada de introdução, comentário, variantes, e glossário. 3 vols. Coimbra: Imprensa da Universidade. Oliveira, António Resende de Depois do Espectáculo Trovadoresco. A estrutura dos cancioneiros peninsulares e as recolhas dos séculos XIII e XIV. Lisbon: Colibri O Trovador galego-português e o seu mundo. Lisbon: Notícias Editorial. 57

58 Parkinson, Stephen Rules of Hiatus and Elision in the Galician-Portuguese Lyric: The View from the Cantigas de Santa Maria. La corónica. A Journal of Medieval Hispanic Languages, Literatures and Cultures 34.2: Schaffer, Martha E The Galician-Portuguese Lyric and the Kharjas. Portuguese Studies 3:

Internal Rhyme and the History of Strophic Song

Internal Rhyme and the History of Strophic Song Rip The Johns Hopkins University 2014 Verses with inner cola (metrical limbs ) marked by rhyme in the refrain or the body of the strophe or both appear in around forty cantigas d amigo (Appendix 2). 1

Leia mais

500 Cantigas d Amigo 108

500 Cantigas d Amigo 108 108 En esta folha adeante se começan as cantigas d amigo que fezeron os cavalleiros e o primeiro é Fernan Rodriguiz de Calheiros 109 110 FERNAN RODRIGUEZ DE CALHEIROS 1 Perdud ei, madre, cuid eu, meu amigo:

Leia mais

D. Dinis. Cantigas. Publicado originalmente em 1845. D. Dinis (1261 1325) Projeto Livro Livre. Livro 299

D. Dinis. Cantigas. Publicado originalmente em 1845. D. Dinis (1261 1325) Projeto Livro Livre. Livro 299 D. Dinis Cantigas Publicado originalmente em 1845. D. Dinis (1261 1325) Projeto Livro Livre Livro 299 Poeteiro Editor Digital São Paulo - 2014 www.poeteiro.com Projeto Livro Livre O Projeto Livro Livre

Leia mais

Designa-se por Trovadorismo o período que engloba a produção literária de Portugal durante seus primeiros séculos de existência (séc. XII ao XV).

Designa-se por Trovadorismo o período que engloba a produção literária de Portugal durante seus primeiros séculos de existência (séc. XII ao XV). Designa-se por Trovadorismo o período que engloba a produção literária de Portugal durante seus primeiros séculos de existência (séc. XII ao XV). Durante essa época a poesia alcançou grande popularidade,

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE LITERATURA Aluno(a): Nº Ano: 1º Turma: Data: 02/04/2011 Nota: Professora: Regiane Valor da Prova: 40 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

XIV 1. Aspectos preliminares: A literatura portuguesa recebeu em suas origens uma forte influência provençal. Provença, uma região do sul da França, teve uma intensa vida cultural na Baixa Idade Média.

Leia mais

Semana 4 Sexta Feira L.E. Períodos Literários. O Trovadorismo

Semana 4 Sexta Feira L.E. Períodos Literários. O Trovadorismo L.E. Semana 4 Sexta Feira Períodos Literários O Trovadorismo Idade média O sistema feudal Teocentrismo Língua portuguesa arcaica O Trovador Um poeta itinerante Artista de origem nobre Recitava sua poesia

Leia mais

Levantando o Mastro CD 02. Bom Jesus da Cana Verde. Divino Espírito Santo Dobrado. Areia areia

Levantando o Mastro CD 02. Bom Jesus da Cana Verde. Divino Espírito Santo Dobrado. Areia areia CD 02 Bom Jesus da Cana Verde [ai bom Jesus da Cana Verde é nosso pai, é nosso Deus (bis)] ai graças a Deus para sempre que tornamos a voltar ai com o mesmo Pombo Divino da glória celestial ai Meu Divino

Leia mais

Literatura na Idade Média

Literatura na Idade Média ORIGENS EUROPEIAS 1 Literatura na Idade Média >> Leia o texto a seguir para responder às questões de 1 a 5. Estes meus olhos nunca perderam, senhor, gran coita, mentr eu vivo for. E direi-vos, fremosa

Leia mais

TROVADORISMO. Contexto histórico e características do Trovadorismo, uma escola literária que ocorreu durante o feudalismo. Imagem: Reprodução

TROVADORISMO. Contexto histórico e características do Trovadorismo, uma escola literária que ocorreu durante o feudalismo. Imagem: Reprodução TROVADORISMO Contexto histórico e características do Trovadorismo, uma escola literária que ocorreu durante o feudalismo. Imagem: Reprodução 1 Introdução Podemos dizer que o trovadorismo foi a primeira

Leia mais

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Portuguese Lesson A Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

EM LISBOA SOBRE LO MAR : IMAGENS DE LISBOA NA POESIA MEDIEVAL 1 GRAÇA VIDEIRA LOPES (FCSH/UNL-IEM)

EM LISBOA SOBRE LO MAR : IMAGENS DE LISBOA NA POESIA MEDIEVAL 1 GRAÇA VIDEIRA LOPES (FCSH/UNL-IEM) EM LISBOA SOBRE LO MAR : IMAGENS DE LISBOA NA POESIA MEDIEVAL 1 GRAÇA VIDEIRA LOPES (FCSH/UNL-IEM) O título deste pequeno estudo recupera o verso inicial de uma cantiga do jogral João Zorro, poeta activo

Leia mais

FILOSOFIA DE VIDA Atos 13.36

FILOSOFIA DE VIDA Atos 13.36 FILOSOFIA DE VIDA Atos 13.36 Tendo, pois, Davi servido ao propósito de Deus em sua geração, adormeceu, foi sepultado com os seus antepassados e seu corpo se decompôs. Não são todos que têm o privilégio

Leia mais

Era Medieval ... XII XV XVI... (1189) (1418/1434) (1527) Santo António [ de José António da Silva ]

Era Medieval ... XII XV XVI... (1189) (1418/1434) (1527) Santo António [ de José António da Silva ] Prof. Ismael Dantas Trovadorismo Era Medieval Humanismo... XII XV XVI... (1189) (1418/1434) (1527) Santo António [ de José António da Silva ] Trovadorismo... 02 Contexto Histórico-Cultural... 03 A Poesia

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano O Menino do Futuro Dhiogo José Caetano 1 Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno inventor que

Leia mais

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa O PASTOR AMOROSO Alberto Caeiro Fernando Pessoa Este texto foi digitado por Eduardo Lopes de Oliveira e Silva, no Rio de Janeiro, em maio de 2006. Manteve-se a ortografia vigente em Portugal. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94)

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94) DIAS 94 de Claudio Simões (1990 / 94) 2 PERSONAGENS São cinco personagens identificadas apenas por números. Não têm gênero definido, podendo ser feitas por atores ou atrizes. As frases em que falam de

Leia mais

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt.

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. NORMAS PARA AUTORES As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. COPYRIGHT Um artigo submetido à Revista Portuguesa

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

Músicas Para Casamento

Músicas Para Casamento Músicas Para Casamento 01. Você e Eu - Eliana Ribeiro 7M 7M C#m7 F#7/5+ F#7 Bm7 Quero estar com você, / Lembrar de cada momento bom; C#m7 m7 C#m7 #m7 Em7 7/9 Reviver a nossa história, nosso amor. 7M #m7/5-

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe

Leia mais

Equivalência da estrutura de uma frase em inglês e português

Equivalência da estrutura de uma frase em inglês e português 1 Equivalência da estrutura de uma frase em inglês e português A partir do momento que você souber de cor a função de cada peça do nosso jogo de dominó, você não terá mais problemas para formular frases,

Leia mais

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO PROJECTO PROVAS EXPERIMENTAIS DE EXPRESSÃO ORAL DE LÍNGUA ESTRANGEIRA - 2005-2006 Ensino Secundário - Inglês, 12º ano - Nível de Continuação 1 1º Momento GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR Marcha Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe me disse Que é

Leia mais

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria Samaria: Era a Capital do Reino de Israel O Reino do Norte, era formado pelas 10 tribos de Israel, 10 filhos de Jacó. Samaria ficava a 67 KM de Jerusalém,

Leia mais

Prof. Eloy Gustavo. Aula 2 Trovadorismo

Prof. Eloy Gustavo. Aula 2 Trovadorismo Aula 2 Trovadorismo Escolas Literárias História da Literatura Um sistema de tendências artísticas, em vigor, na maioria das obras produzidas, numa determinada época histórica. Periodologia da Literatura

Leia mais

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS 01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS OBS1: Adaptação didática (TRADUÇÃO PARA PORTUGUÊS) realizada pelo Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos. OBS2: Textos extraídos do site: http://www.englishclub.com

Leia mais

9 The Icon of Sardonay

9 The Icon of Sardonay 9 The Icon of Sardonay R 1 Por que nos ajamos 2 sempre noit' e dia 3 dela renembrança 4 en Domas achamos 5 que Santa Maria 6 fez gran demostrança. 1 1 En esta cidade que vos ei ja dita 2 ouv' i ũa dona

Leia mais

JUIÃO BOLSEIRO 3. B 1167 f. 249v V 773 ff. 121v -122r

JUIÃO BOLSEIRO 3. B 1167 f. 249v V 773 ff. 121v -122r JUIÃO BOLSEIRO 3 Fui oj eu, madre, veer meu amigo que envio muito rogar por en, por que sei eu ca mi quer mui gran ben, mais vedes, madre, pois m el vio con sigo, foi el tan ledo que, des que naci,

Leia mais

Álbum: O caminho é o Céu

Álbum: O caminho é o Céu Álbum: O caminho é o Céu ETERNA ADORAÇÃO Não há outro Deus que seja digno como tu. Não há, nem haverá outro Deus como tu. Pra te adorar, te exaltar foi que eu nasci, Senhor! Pra te adorar, te exaltar foi

Leia mais

São eles: SOME (Algum, alguma, alguns,algumas). É utilizado em frases afirmativas,antes de um substantivo. Ex.:

São eles: SOME (Algum, alguma, alguns,algumas). É utilizado em frases afirmativas,antes de um substantivo. Ex.: Pronomes Indefinidos Indefinite Pronouns Esses pronomes são utilizados para falar de pessoas, objetos ou lugares indefinidos Referem a pessoas ou coisas, de modo vago ou impreciso São eles: SOME (Algum,

Leia mais

Guião A. Descrição das actividades

Guião A. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Ponto de Encontro Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

Passos contados. Crônicas na mochila 3/6/2009

Passos contados. Crônicas na mochila 3/6/2009 Passos contados & Crônicas na mochila Acho as certezas muito perigosas, ainda que algumas sejam necessárias e, volta e meia, surpreenda-me por outras sendo algemada.se elas deixam nossos passos firmes,

Leia mais

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO HISTÓRIA BÍBLICA: Mateus 18:23-34 Nesta lição, as crianças vão ouvir a Parábola do Servo Que Não Perdoou. Certo rei reuniu todas as pessoas que lhe deviam dinheiro.

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA ENSINO MÉDIO PROF. DENILSON SATURNINO 1 ANO PROF.ª JOYCE MARTINS

LÍNGUA PORTUGUESA ENSINO MÉDIO PROF. DENILSON SATURNINO 1 ANO PROF.ª JOYCE MARTINS LÍNGUA PORTUGUESA 1 ANO PROF.ª JOYCE MARTINS ENSINO MÉDIO PROF. DENILSON SATURNINO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Tecnologia Corpo, movimento e linguagem na era da informação. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES

Leia mais

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Autora: Tell Aragão Personagens: Voz - não aparece mendigo/pessoa Nervosa/Ladrão faz os três personagens Menina 1 Menina 2 Voz: Era uma vez, duas irmãs que ganharam dois

Leia mais

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você!

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você! MANUAL Esperança Casa de I G R E J A Esperança Uma benção pra você! I G R E J A Esperança Uma benção pra você! 1O que é pecado Sem entender o que é pecado, será impossível compreender a salvação através

Leia mais

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele.

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele. 1 Marcos 3:13 «E (Jesus) subiu ao Monte e chamou para si os que ele quis; e vieram a ele. E nomeou doze para que estivessem com ele e os mandasse a pregar, e para que tivessem o poder de curar as enfermidades

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 Refletindo Sua glória, em meio a ventos contrários. Entretanto, o barco já estava longe, a muitos estádios da terra, açoitado pelas ondas;

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

O caminho poético. lírica galego-portuguesa. yara frateschi vieira maria isabel morán cabanas josé antónio souto cabo

O caminho poético. lírica galego-portuguesa. yara frateschi vieira maria isabel morán cabanas josé antónio souto cabo O caminho poético de SANTIAGO lírica galego-portuguesa yara frateschi vieira maria isabel morán cabanas josé antónio souto cabo 11 Antes de iniciar o caminho: algumas notas os trovadores e santiago de

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE APOIADA PELAS POLÍTICAS URBANAS

A SUSTENTABILIDADE APOIADA PELAS POLÍTICAS URBANAS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Arquitetura e Urbanismo A SUSTENTABILIDADE APOIADA PELAS POLÍTICAS URBANAS FEDERAIS E ESTADUAIS: O CASO DE GOVERNADOR VALADARES, JUIZ DE FORA, MONTES CLAROS, POÇOS

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática São Paulo 2010 JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

Leia mais

Obs.: José recebeu em sonho a visita de um anjo que lhe disse que seu filho deveria se chamar Jesus.

Obs.: José recebeu em sonho a visita de um anjo que lhe disse que seu filho deveria se chamar Jesus. Anexo 2 Primeiro momento: contar a vida de Jesus até os 12 anos de idade. Utilizamos os tópicos abaixo. As palavras em negrito, perguntamos se eles sabiam o que significava. Tópicos: 1 - Maria e José moravam

Leia mais

Consagração do Aposento. Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO

Consagração do Aposento. Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO Oração Pai Nosso Ave Maria Chave Harmonia Hinos da ORAÇÃO Consagração do Aposento Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO Pai Nosso - Ave Maria Prece

Leia mais

Lesson 6 Notes. Eu tenho um irmão e uma irmã Talking about your job. Language Notes

Lesson 6 Notes. Eu tenho um irmão e uma irmã Talking about your job. Language Notes Lesson 6 Notes Eu tenho um irmão e uma irmã Talking about your job Welcome to Fun With Brazilian Portuguese Podcast, the podcast that will take you from beginner to intermediate in short, easy steps. These

Leia mais

PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62

PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62 PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62 E, virando- se o Senhor, olhou para Pedro, e Pedro lembrou- se da palavra do Senhor, como lhe havia

Leia mais

XANGO MEU PAI O ORIXA REI PDF

XANGO MEU PAI O ORIXA REI PDF XANGO MEU PAI O ORIXA REI PDF ==> Download: XANGO MEU PAI O ORIXA REI PDF XANGO MEU PAI O ORIXA REI PDF - Are you searching for Xango Meu Pai O Orixa Rei Books? Now, you will be happy that at this time

Leia mais

Evangelhos. www.paroquiadecascais.org

Evangelhos. www.paroquiadecascais.org Evangelhos 1. Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus (Mt 5, 1-12a) ao ver a multidão, Jesus subiu ao monte e sentou-se. Rodearam-n O os discípulos e Ele começou a ensiná-los, dizendo:

Leia mais

Valente. Boa Tarde. Boa tarde

Valente. Boa Tarde. Boa tarde Valente De: Valente Enviado: 3 de junho de 201316:27 Para: '' Eu Lamento mas quem perde com toda esta situação vai ser a Media Markt e por acréscimo a vossa seguradora, porque

Leia mais

Koinonia, descobrindo a alegria de pertencer.

Koinonia, descobrindo a alegria de pertencer. ESTUDO 24 SIRVAM UNS AOS OUTROS Sinônimos: Ajudem-se mutuamente. Cada um use o seu próprio dom para o bem dos outros. O nosso mundo emprega vários critérios para avaliar a grandeza de alguém. É grande

Leia mais

FEB EADE - Livro III - Módulo II Roteiro 2 A autoridade de Jesus

FEB EADE - Livro III - Módulo II Roteiro 2 A autoridade de Jesus OBJETIVOS 1) Analisar em que se resume a autoridade do Cristo. 2) Esclarecer como o Espiritismo explica essa autoridade. IDEIAS PRINCIPAIS 1) Sob a autoridade moral do Cristo, somos guiados na busca pela

Leia mais

Os encontros de Jesus O cego de nascença AS TRÊS DIMENSÕES DA CEGUEIRA ESPIRITUAL

Os encontros de Jesus O cego de nascença AS TRÊS DIMENSÕES DA CEGUEIRA ESPIRITUAL 1 Os encontros de Jesus O cego de nascença AS TRÊS DIMENSÕES DA CEGUEIRA ESPIRITUAL 04/03/2001 N Jo 9 1 Jesus ia caminhando quando viu um homem que tinha nascido cego. 2 Os seus discípulos perguntaram:

Leia mais

O Espírito de Religiosidade

O Espírito de Religiosidade O Espírito de Religiosidade Pr. Alcione Emerich Como vive um Cristão Salvo contaminado ou infectado pelo Espírito de Religiosidade Hoje será um Culto de Libertação, vamos quebrar esta maldição em nossas

Leia mais

Mostra Cultural 2015

Mostra Cultural 2015 Mostra Cultural 2015 Colégio Marista João Paulo II Eu e as redes sociais #embuscadealgumascurtidas Uma reflexão sobre a legitimação do eu através das redes sociais. Iago Faria e Julio César V. Autores:

Leia mais

DOMINGO V DA QUARESMA

DOMINGO V DA QUARESMA DOMINGO V DA QUARESMA LEITURA I Ez 37, 12-14 «Infundirei em vós o meu espírito e revivereis» Leitura da Profecia de Ezequiel Assim fala o Senhor Deus: «Vou abrir os vossos túmulos e deles vos farei ressuscitar,

Leia mais

Samples of medieval poetry

Samples of medieval poetry Samples of medieval poetry These examples represent the four main types of Old Portuguese poetry: cantigas de amor (love poems in the woman s voice), cantigas de amor (poems in the male voice) cantigas

Leia mais

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno.

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno. Meu lugar,minha história. Cena 01- Exterior- Na rua /Dia Eduardo desce do ônibus com sua mala. Vai em direção a Rose que está parada. Olá, meu nome é Rose sou a guia o ajudara no seu projeto de história.

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA DA FAMÍLIA GOYOS

SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA DA FAMÍLIA GOYOS SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA DA FAMÍLIA GOYOS Por Durval de Noronha Goyos Jr. O Instituto Português de Heráldica e a Universidade Lusíada de Lisboa reeditaram o Livro de linhagens de Portugal, em 2014, numa

Leia mais

01- NA CACHOEIRA. Eu vi Mamãe Oxum na Cachoeira, Sentada na beira do rio! (bis)

01- NA CACHOEIRA. Eu vi Mamãe Oxum na Cachoeira, Sentada na beira do rio! (bis) 01- NA CACHOEIRA Eu vi Mamãe Oxum na Cachoeira, Sentada na beira do rio! (bis) Colhendo lírio, lírio ê... Colhendo lírio, lírio a... Colhendo lírios, P'ra enfeitar nosso congá. (bis) 02- BRADO DE MAMÃE

Leia mais

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros Modo: indicativo O modo indicativo expressa um fato de maneira definida, real, no presente, passado ou futuro, na frase afirmativa, negativa ou interrogativa. Presente Presente Passado (=Pretérito) Pretérito

Leia mais

Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor.

Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor. Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor. O Poeta canta o amor platónico, a saudade, o destino e a beleza

Leia mais

LAUDO TÉCNICO. Respostas entre asteriscos indicam que o assunto perturba o depoente.

LAUDO TÉCNICO. Respostas entre asteriscos indicam que o assunto perturba o depoente. Porto Alegre, 21 de julho de 2010. LAUDO TÉCNICO No dia de hoje através de um áudio extraído da entrevista de Fernanda Gomes de Castro para o programa Mais Você de 21/07/2010, foi realizada uma analise

Leia mais

DOCE BALANÇO Novela de Antonio Figueira

DOCE BALANÇO Novela de Antonio Figueira DOCE BALANÇO Novela de Antonio Figueira Escrita por Antonio Figueira Personagens deste capítulo: DETETIVE AMADEU ALFREDINHO DELEGADO NOGUEIRA VALÉRIA MONTEIRO PRADO MALU CARMEN HUGO MATIAS MARCELÃO ISADORA

Leia mais

KIT CÉLULA PARA CRIANÇAS: 28/10/15

KIT CÉLULA PARA CRIANÇAS: 28/10/15 KIT CÉLULA PARA CRIANÇAS: 28/10/15 A mentira não agrada a Deus Principio: Quando mentimos servimos o Diabo o Pai da mentira. Versículo: O caminho para vida é de quem guarda o ensino, mas o que abandona

Leia mais

Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina

Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina Psicografias Outubro de 2014 Sumário Cavaleiro da Chama-Vermelha.... 2 Dr. Emanuel.... 2 João Augusto... 3 Mago Horax... 3 Caravana de Koré....

Leia mais

capítulo 3 Estatuto do Idoso, direitos e violações

capítulo 3 Estatuto do Idoso, direitos e violações capítulo Estatuto do Idoso, direitos e violações _IDOSOS NO BRASIL > vivências, desafios e expectativas na ª idade. Estatuto do Idoso, direitos e violações A maioria da população brasileira na ª idade

Leia mais

SOLENIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS PADROEIRO DA DIOCESE DE UNIÃO DA VITÓRIA (01/07/11)

SOLENIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS PADROEIRO DA DIOCESE DE UNIÃO DA VITÓRIA (01/07/11) Vivendo a Liturgia Julho/2011 SOLENIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS PADROEIRO DA DIOCESE DE UNIÃO DA VITÓRIA (01/07/11) É Importante lembrar que o Sagrado Coração de Jesus é o Padroeiro de nossa Diocese,

Leia mais

Working Portuguese. Lições 9-13 (selected items) Orlando R. Kelm orkelm@austin.utexas.edu

Working Portuguese. Lições 9-13 (selected items) Orlando R. Kelm orkelm@austin.utexas.edu Working Portuguese Lições 9-13 (selected items) Orlando R. Kelm orkelm@austin.utexas.edu ING (Ch 9,page 160) AR amar amando, falar falando, cantar cantando ER comer comendo, beber bebendo, viver - vivendo

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE PEDAGOGIA SÂMYA DE FREITAS MOURÃO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE PEDAGOGIA SÂMYA DE FREITAS MOURÃO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE PEDAGOGIA SÂMYA DE FREITAS MOURÃO PEDAGOGIA EMPRESARIAL: UM OLHAR SOBRE AS PRÁTICASDO PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS FORTALEZA 2012

Leia mais

Lição 24: Preposições de tempo. Como usar preposições de tempo.

Lição 24: Preposições de tempo. Como usar preposições de tempo. Lesson 24: Prepositions of Time (in, on, at, for, during, before, after) Lição 24: Preposições de tempo Como usar preposições de tempo. Reading (Leituras) I was born in 2000. (Eu nasci em 2000.) We work

Leia mais

Enquanto dormimos. É inútil que madrugueis, que tarde Salmos 127:2

Enquanto dormimos. É inútil que madrugueis, que tarde Salmos 127:2 Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Joaquim Costa Jr 1 Enquanto dormimos. É inútil que madrugueis, que tarde 2 repouseis, Que comais o pão de dores: Aos seus amados ele o dá enquanto dormem.

Leia mais

O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17)

O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17) O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17) Tivemos esta manhã a alegria de testemunhar vários baptismos bíblicos. Existem outras coisas e outras cerimónias às quais se dá o nome de baptismo. Existe até uma seita,

Leia mais

12:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo

12:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo 2:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo Amados de Deus, a paz de Jesus... Orei e pensei muito para que Jesus me usasse para poder neste dia iniciar esta pregação com a

Leia mais

Tovadorismo. 2 - (UFPA - 2010) Das estrofes abaixo, a que apresenta traços da estética do Trovadorismo é:

Tovadorismo. 2 - (UFPA - 2010) Das estrofes abaixo, a que apresenta traços da estética do Trovadorismo é: Tovadorismo 1 - (PUC-Camp - 2011) A poesia medieval procurou enaltecer os valores e as virtures do cavaleiro. Nessa poesia, o amor cortês, referido no texto, pressupunha uma concepção mítica do amor, que

Leia mais

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks Intellectual Property IFAC Formatting Guidelines Translated Handbooks AUTHORIZED TRANSLATIONS OF HANDBOOKS PUBLISHED BY IFAC Formatting Guidelines for Use of Trademarks/Logos and Related Acknowledgements

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 52 Discurso por ocasião da inauguração

Leia mais

o amor andou entre nós

o amor andou entre nós o amor andou entre nós Amados, amemo-nos uns aos outros, pois o amor procede de Deus. Aquele que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Quem não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor. 1 João 4:7-11

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Nephesh = pescoço = metáfora da alma

Nephesh = pescoço = metáfora da alma Nephesh = pescoço = metáfora da alma ❶ Conec&vidade ❷ Funcionalidade ❸ Sensibilidade Fluxo de água corrente = metáfora da alma ❶ Criação ❷ Sustento ❸ Governo O desejo = velcro da alma ❶ Relação ❷ Rendição

Leia mais

ASSASSINATO NO EXPRESSO ORIENTE

ASSASSINATO NO EXPRESSO ORIENTE Adaptação para quadrinhos: FRANÇOIS RIVIÈRE & SOLIDOR ASSASSINATO NO EXPRESSO ORIENTE seguido de MORTE NO NILO 3 ISTAMBUL, INVERNO DE 1932... MEU CARO POIROT, ESTOU ABISMADO. NÃO HÁ MAIS NENHUM LEITO DISPONÍVEL

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Searching for Employees Precisa-se de Empregados

Searching for Employees Precisa-se de Empregados ALIENS BAR 1 Searching for Employees Precisa-se de Empregados We need someone who can prepare drinks and cocktails for Aliens travelling from all the places in our Gallaxy. Necessitamos de alguém que possa

Leia mais

Computadores podem pensar?

Computadores podem pensar? Computadores podem pensar? Descubra você mesmo 2008-2013 Menno Mafait (http://mafait.org) 1 Índice 1. Introdução...4 1.1. O conceito Thinknowlogy...4 2. A álgebra e lógica em linguagem natural...5 2.1.

Leia mais

Sobre esta obra, você tem a liberdade de:

Sobre esta obra, você tem a liberdade de: Sobre esta obra, você tem a liberdade de: Compartilhar copiar, distribuir e transmitir a obra. Sob as seguintes condições: Atribuição Você deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante

Leia mais

Knowledge Representation and Reasoning

Knowledge Representation and Reasoning UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Knowledge Representation and Reasoning Master in Information Systems and Computer Engineering First Test April 13th 2012, 14:00H 15:30H Name: Number:

Leia mais

E é perto de onde essa cidade? É uma cidade fica no município de Manhumirim.

E é perto de onde essa cidade? É uma cidade fica no município de Manhumirim. Qual a cidade que a senhora nasceu? Nasci em NP no município de Manhurmirim, cidadizinha muito piquinininha só tinha a cidade tinha três ruas tinha uma rua principal e mais duas ruazinha que cortavam a

Leia mais

Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO.

Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO. Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO. TEXTO: 1 Entrando em Jericó, atravessava Jesus a cidade. 2 Eis que um homem, chamado Zaqueu, maioral dos publicanos e rico, 3 procurava ver

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

Músicas para Páscoa. AO REDOR DA MESA F Gm C C7 F Refr.: Ao redor da mesa, repartindo o pão/ A maior riqueza dos que são irmãos.

Músicas para Páscoa. AO REDOR DA MESA F Gm C C7 F Refr.: Ao redor da mesa, repartindo o pão/ A maior riqueza dos que são irmãos. Músicas para Páscoa AO PARTIRMOS O PÃO E C#m #m B7 E7 A C#M Refr.: Ao partirmos o pão reconhecemos/ Jesus Cristo por nós ressuscitado./ Sua paz B7 E A B7 E recebemos e levamos,/ Ao nosso irmão que está

Leia mais

Caracterização dos servidores de email

Caracterização dos servidores de email Caracterização dos servidores de email Neste documento é feita a modulação de um servidor de email, com isto pretende-se descrever as principais funcionalidades e características que um servidor de email

Leia mais

1 - VERBO - João 1:1-3, 14. Intro - (F, Bb, F, Bb) 2x (F, Bb, Dm7, Bb9) 2x

1 - VERBO - João 1:1-3, 14. Intro - (F, Bb, F, Bb) 2x (F, Bb, Dm7, Bb9) 2x 1 - VERBO - João 1:1-3, 14 Intro - (, Bb,, Bb) 2x (, Bb, Dm7, Bb9) 2x Bb m Bb No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus Bb m Dm E o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus m /A Bb Todas

Leia mais