REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DA FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO Diretora: - Profª Mayra Santos Cabral

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DA FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO Diretora: - Profª Mayra Santos Cabral"

Transcrição

1 FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DA FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO Diretora: - Profª Mayra Santos Cabral Coordenadores de estágios: - Prof. Marcos A.C. Carvalho. - Profª Ilsa Rosa Vicari RIO VERDE - GO

2 SUMÁRIO 14.2 Condições para que o Acadêmico possa realizar o estágio na empresa onde trabalha 8 Tít. Página 1 CONCEITO Diretrizes e carga horária 2 2 CARACTERIZAÇÃO 2 3 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL 2 4 MODALIDADES DE ESTÁGIO Diagnósticos e Implantação de Sistemas Projeto para criação de empresas (incubadora) Participação em pesquisa ou programa de extensão Prestação de serviços 3 5 OBJETIVOS 3 6 DURAÇÃO DO ESTÁGIO Do período de realização 3 7 ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E DIDÁTICA 4 8 ATRIBUIÇÕES do Núcleo Geral de Estágio e Práticas de Ensino da Pró- Reitoria de Graduação da Faculdade de Administração 4 9 ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA 4 10 ATRIBUIÇÕES do Conselho da Faculdade de ADM do Coordenador de Estágio da escolha do Coordenador 5 11 PROGRAMAÇÃO E PLANO DOS ESTÁGIOS 5 12 ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO E ATRIBUIÇÕES PERTINENTES Do Orientador Modalidades de Orientação Atribuições do Professor Orientador Atribuições do Supervisor Técnico Atribuições do Estagiário Atribuições da Unidade Concedente 7 13 DA CARGA HORÁRIA DO PROFESSOR ORIENTADOR 7 14 DOS CAMPOS DE ESTÁGIO Locais onde o estágio curricular poderá ser desenvolvido 7 Tít. Página 15 DOS CONVÊNIOS COM EMPRESAS Condições necessárias para a realização de Convênio 8 16 DA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO Procedimentos Iniciais Dos demais procedimentos Da disponibilidade de Professores Orientadores Da entrega dos relatórios 9 17 DA AVALIAÇÃO DISPOSIÇÕES FINAIS 10 ANEXOS 10 I FICHA ROTEIRO DE ESTÁGIO 11 II Ficha de Avaliação do Desempenho do Estagiário 11 III Modelo dos relatórios mensais 12. 2

3 1 CONCEITO Entende-se por Estágio Curricular o conjunto de atividades de aprendizagens social, profissional e cultural, proporcionadas aos acadêmicos pela participação em situações reais de vida e trabalho em seu meio, sendo realizado junto a pessoas jurídicas de direito público ou privado sob a coordenação da Universidade Diretrizes e Carga horária O estágio curricular da Faculdade de Administração da Universidade de Rio Verde obedecerá às diretrizes e carga horária contidas em sua matriz curricular e em seu Projeto Político Pedagógico. 2 - CARACTERIZAÇÃO O Estágio Curricular da Faculdade de Administração realizar-se-á sob a orientação indireta de um professor, nas seguintes áreas, entre outras: a) logística b) organização, sistemas e métodos; c) gestão de pessoas: d) planejamento e administração estratégica; e) produção; f) sistemas de informações; g) Administração financeira e orçamentária; h) marketing; i) gestão de serviços; j) gestão da qualidade; k) desenvolvimento de novos empreendimentos; l) técnicas de negociação. 3 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL O estágio Curricular se encontra previsto na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9394/96, art. 82 e seu parágrafo único e, para a efetiva realização do programa de Estágio, a Faculdade de Administração buscou amparo legal na Lei no 6.494, de 07 de dezembro de 1977, bem como no Decreto Lei nº , de 18 de agosto de A responsabilidade pelas decisões acerca da inclusão do programa como um procedimento didático-pedagógico, envolvendo atividades de aprendizagem social, profissional e cultural proporcionada aos acadêmicos, é exclusivamente da Instituição de Ensino (artigos 2 e 3 do Decreto Lei /82). 4 - MODALIDADES DE ESTÁGIO O estágio curricular em Administração visa possibilitar a integração entre a teoria, aplicada em sala de aula, e a prática, vivenciada pelo acadêmico, regendo-se por normas específicas e podendo ser realizado segundo a opção de cada academico-estagiário nas seguintes modalidades: Diagnósticos e Implantação de Sistemas Refere-se a atividades desenvolvidas em empresas públicas ou privadas de qualquer porte, de diagnóstico da administração geral ou de área administrativa, segundo a afinidade do estagiário e principalmente a necessidade da empresa ou instituição. Para tanto, será desenvolvido plano de implantação (definição do problema, fundamentação teórica, estratégia de ação, cronograma de execução, avaliação e referências bibliográficas) a nível administrativo ou 3

4 sistêmico em qualquer das áreas diagnosticadas Projeto para criação de empresas (incubadora) Refere-se ao trabalho de estágio com o objetivo de desenvolver projeto de criação de empresas, nos mais diversos ramos de atividades, de interesse comum entre estagiário e professor orientador. Essa modalidade procura incentivar a formação de um acervo sobre projetos empresariais que contribua para subsidiar futuros investidores na região, bem como atender eventual necessidade presente de investidores em busca de novo negócio Participação em pesquisa ou programa de extensão Essa modalidade de estágio prevê a participação do acadêmico em projetos de pesquisa ou programas de extensão, de responsabilidade da Diretoria da Faculdade de Administração. A participação em pesquisa ou programas de extensão só poderá ser efetivada quando houver a compatibilização com os objetivos e período de realização. Poderão ser aprovadas pela Coordenação do Núcleo de Estágio, outras modalidades propostas por acadêmicos e/ou professores, mediante apresentação do Projeto ou Plano de Estágio, devidamente fundamentado Prestação de serviços A prestação de serviços poderá ser feita através da Empresa Júnior de Administração, podendo envolver qualquer das áreas específicas do Administrador. No caso de estágio curricular obrigatório realizado diretamente com empresas de qualquer porte, quer sejam elas públicas ou privadas, de economia mista ou autarquias, deverá ter por objetivo o aprendizado e estar amparado pelas Leis que regem o estágio e/ou Leis trabalhistas comuns àqueles que já prestam serviços nas empresas onde realizarão o estágio. Os relatórios de estágio deverão ser apresentados individualmente e conforme modelo anexo. 5 OBJETIVOS O estágio curricular, determinante da formação profissional e da cidadania do acadêmico, tem por objetivos proporcionar o exercício do aprendizado compromissado com a realidade sócio-economicopolítica do País e promover a integração teórica e prática necessária à formação profissional e será realizado conforme estrutura curricular vigente, a saber:. proporcionar ao acadêmico oportunidade de desenvolver suas habilidades, analisar situações e propor mudanças no ambiente organizacional;. complementar o processo ensino-aprendizagem, através da conscientização das deficiências individuais e incentivar a busca do aprimoramento pessoal e profissional;. atenuar o impacto da passagem da vida de acadêmico para a vida profissional, abrindo oportunidade de conhecimento do funcionamento das organizações;. facilitar o processo de atualização de conteúdos disciplinares, permitindo adequar aquelas de caráter profissionalizante às constantes inovações tecnológicas, políticas sociais e econômicas a que estão sujeitas;. incentivar o desenvolvimento das potencialidades individuais, propiciando o surgimento de novas gerações de profissionais empreendedores, capazes de adotar modelos de gestão, métodos e processos inovadores, novas tecnologias e metodologias alternativas;. promover a integração Escola-Empresa-Comunidade; 4

5 . complementar a formação acadêmica dentro do princípio da preservação do meio ambiente e da promoção humana. 6 - DURAÇÃO DO ESTÁGIO O Estágio Curricular obrigatório terá a duração mínima de trezentas (357) horas, conforme estabelece a matrizcurricular do curso. De acordo com artigo 19 e parágrafo único, da Portaria da Pró- Reitoria de Graduação nº 015/2007, poderá ocorrer carga horária diferenciada em caso de estágio de imersão. 6.1 Do período de realização O estágio curricular obrigatório será iniciado no 3 (terceiro) semestre podendo, de acordo com o conhecimento apresentado pelo Acadêmico, ser iniciado a partir do 1 (primeiro) semestre, respeitado, contudo, o prazo final que será até o 8º (oitavo) semestre. O estágio estará concluído na data em que a carga horária de 357 horas tenha sido cumprida. 7 ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E DIDÁTICA O Estágio curricular em Administração obedecerá a seguinte organização: - Núcleo Geral de Estágios e Práticas de Ensino da Pró-Reitoria de Graduação; - Faculdade de Administração. 8 - ATRIBUIÇÕES 8.1. Compete ao Núcleo Geral de Estágio e Práticas de Ensino da Pró-Reitoria de Graduação: I - manter serviços de assessoria aos estagiários, cuja organização administrativa e didático-pedagógica deve atender às necessidades emergentes dos diversos cursos; II - encaminhar as questões de organização dos estágios às instâncias universitárias competentes; III - participar, quando necessário, de reunião de avaliação dos estágios; IV - receber os relatórios circunstanciados e tomar as providências cabíveis quanto às possíveis irregularidades; V -formalizar e firmar convênios e/ou acordos de cooperação, mediante delegação, entre a Universidade e as unidades concedentes de estágio, visando o estabelecimento de campos de estágio; VI - manter cadastro das unidades que constituam campo de estágio a partir de convênios e/ou acordos de cooperação celebrados com a Universidade, na forma exigida pela legislação vigente; VII - estabelecer controle de vigência dos convênios, analisando-os periodicamente e verificando a necessidade ou não de sua renovação; VIII - promover o intercâmbio entre os Coordenadores de Estágio, visando solucionar problemas e uniformizar procedimentos; IX - promover, juntamente com os Coordenadores de Estágio, intercâmbio com outras instituições; X - dar assessoria aos Coordenadores de Estágio na elaboração, tramitação e divulgação dos regulamentos específicos dos estágios; XI - emitir certificado de Estágio Curricular não obrigatório, mediante requerimento do aluno e apresentação de relatório final; XII - assinar Certificados de Estágio Curricular não Obrigatório; 5

6 XIII - assinar, pela Universidade, mediante delegação, os Termos de Compromisso a ser firmados entre os estudantes e concedentes de estágios; XIV - manter cadastro atualizado de todos os estudantes que estejam realizando estágio curricular não obrigatório Compete a Faculdade de Administração: I - prover apoio logístico e recursos humanos para a formalização e realização dos estágios; II - verificar se o aluno está regularmente matriculado na na Faculdade de Administração. 9 ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA 9.1. Da organização didática dos estágios participam: - Conselho da Faculdade - Coordenador de Estágio ATRIBUIÇÕES Compete ao Conselho da Faculdade de Administração: I - estabelecer diretrizes para o Estágio Curricular Obrigatório e não Obrigatório; II - aprovar o manual de estágio e encaminha-lo ao Núcleo Geral e Estágios e Práticas de Ensino; III - aprovar a programação dos estágios Curriculares Obrigatórios; IV - zelar pelo cumprimento das normas estabelecidas para os estágios Compete ao Coordenador de Estágio I - elaborar o Manual de Estágio, encaminhando-o ao Conselho da Faculdade para aprovação; II - definir, em conjunto com o Núcleo Geral de Estágios e Práticas de Ensino, as diferentes possibilidades de campos de estágio, a fim de que sejam formalizados os convênios e/ou acordos de cooperação para o desenvolvimento de estágios, mantendo um banco de dados atualizados; III - identificar os campos de estágio e providenciar a inserção dos estudantes nos mesmos; IV- coordenar o planejamento, a execução e a avaliação das atividades pertinentes aos estágios, com os Professores Orientadores; V orientar os estudantes na escolha da área e campo de estágio; VI - convocar, sempre que necessário, os Professores Orientadores de Estágio, para discutir questões relativas ao planejamento, organização, funcionamento, avaliação e controle de atividades de estágio e análise de critérios, métodos e instrumentos necessários ao seu desenvolvimento; VII - organizar, a cada período de estágio obrigatório, os campos e os grupos de estagiários e distribuí-los entre os Professores Orientadores de acordo com os campos existentes; VIII - encaminhar ao Conselho da Faculdade a programação, o sistema de organização e desenvolvimento de Estágios Curriculares Obrigatórios para a aprovação, conforme previsto no subitem 10.1 deste Regulamento; IX - avaliar os relatórios circunstanciados com notícia de indício de desvirtuamento do estágio emitidos pelos Professores Orientadores e encaminhar ao Núcleo Geral de Estágios e Práticas de Ensino, após análise do Conselho da Faculdade; 6

7 X - decidir sobre a aceitação ou não dos pedidos de desistência do professor orientador e do estagiário; XI - divulgar os critérios estabelecidos neste documento para os professores orientadores; XII - prover os mecanismos operacionais necessários à execução do Estágio Curricular; XIII - substituir, ou indicar substituto, para o professor orientador, nos termos deste documento, quando estiver impedido por motivo de afastamento de suas atividades por um período considerado prejudicial à supervisão do estágio; XIV - estabelecer, de comum acordo com o professor orientador, os horários para a orientação dos estagiários. XV divulgar oportunamente a relação dos professores orientadores e respectivas áreas de orientação; XVI - substituir o professor orientador nos termos previstos neste documento; XVII - encaminhar oficialmente à Diretoria da Faculdade de Administração as dificuldades e impasses eventualmente surgidos no decurso das atividades previstas, inclusive no que tange à relação orientador/estagiário. XVIII - entregar, aos departamentos competentes, para fins de arquivo, cópias do relatório final de estágio e das fichas de freqüência e avaliação; XIV - manter-se ciente sobre a posição dos estagiários Indicação do Coordenador O Coordenador do Núcleo de Estágio, será 1 (um) professor, indicado pelo Conselho da Faculdade de Administração. 11 PROGRAMAÇÃO E PLANO DOS ESTÁGIOS A programação dos Estágios Curriculares Obrigatórios deve ser elaborada pelo Coordenador, até o final do semestre letivo anterior ao início do estágio e encaminha-la ao Núcleo Geral de Estágios e Práticas de Ensino, devendo dela constar: A estimativa provável de estagiários para o período; B áreas de atuação; C período de realização. 12 ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO E ATRIBUIÇÕES PERTINENTES A orientação do estágio compreende o acompanhamento do estudante no decorrer de suas atividades de estágio, de forma a permitir o melhor desempenho de ações pertinentes à realidade da profissão Orientador Somente poderão ser Orientadores de Estágio, os Docentes da FESURV Universidade de Rio Verde respeitada as suas áreas de formação e experiência Profissional, bem como as peculiaridades do campo de trabalho em que se realizará o estágio Modalidades de orientação - Orientação direta acompanhamento do acadêmico pelo Professor Orientador, por meio de observação contínua e direta das atividades desenvolvidas no campo de estágio, ao longo de todo o processo, podendo se complementar com entrevistas, reuniões e seminários. - Orientação indireta - acompanhamento do estágio por meio de contatos esporádicos com o estagiário e com o Supervisor de Campo, relatórios e, sempre que possível, visitas ao campo do estágio. 7

8 12.3. Ao Professor Orientador, compete: I - participar das reuniões convocadas pelo Coordenador do Estágio, para elaboração do manual de estágio ou qualquer outro assunto pertinente;. II - definir junto com o estagiário as atividades que serão desenvolvidas durante o período de trabalho, de acordo com as solicitações da unidade concedente e com o exigido pela Faculdade de Administração, conforme Ficha Roteiro de Estágio, (anexo I); III - orientar e avaliar, periodicamente, de conformidade com o cronograma de atividades, o trabalho efetuado pelo estagiário, emitindo conceito referente à sua avaliação, de acordo com o calendário da instituição; IV - manter contato, sempre que se fizer necessário, com a unidade concedente do estágio, para acompanhar sua realização, por meio de mecanismos que atendam aos interesses das partes envolvidas; V - observar as orientações e solicitações da Coordenação do Núcleo de Estágio; VI - orientar o estagiário no cumprimento do presente Regulamento; VII - comparecer ao local e horários estabelecidos para atendimento ao estagiário; VIII - solicitar à Coordenação do Núcleo de Estágio, quando julgar necessário, o afastamento da orientação de determinado estagiário, desde que justifique por escrito suas razões; IX - emitir relatório circunstanciado quando houver indício de desvirtuamento do estágio e encaminhar ao Coordenador do Estágio Ao Supervisor Campo, compete: I - designar atividades correlatas à formação profissional do estagiário; II - orientar o estagiário no desenvolvimento das atividades previstas no plano de estágio; III - supervisionar internamente os trabalhos do estagiário na empresa, procedendo a sua avaliação nos aspectos humano e profissional; IV - manter relacionamento com a Coordenação da Área de Estágio e com o Professor Orientador através de seus representantes; V - solicitar reuniões com o Professor Orientador quando se fizerem necessárias; VI - preencher mensalmente a Ficha de Avaliação do Desempenho do Estagiário, anexo III Ao Estagiário, compete: I - elaborar o plano de estágio juntamente com o Professor Orientador; II - executar as atividades previstas em seu plano de estágio; III - apresentar mensalmente relatórios ou outros documentos avaliativos ou de controle do Professor Orientador; IV - solicitar, por sua iniciativa, mudança de orientador, desde que sejam aceitas pela Coordenação do Núcleo de Estágio, suas razões apresentadas por escrito; V - apresentar, mensalmente, ao seu Professor Orientador, a ficha de avaliação de desempenho (Anexo II), devidamente preenchida e assinada pelo Orientador de Campo; VI - respeitar o sigilo da Instituição ou Unidade Concedente do Estágio e obedecer às normas por eles estabelecidas; VII - aceitar determinações do Professor Orientador e/ou do Supervisor de Campo, bem como as normas e regulamentos do estágio A Unidade Concedente compete: I - participar, (por intermédio de um supervisor interno - 8

9 supervisor técnico) do trabalho do estagiário, orientando-o na sua realização; II - firmar com o estagiário um contrato de estágio, estabelecendo os compromissos mútuos, de acordo com a legislação vigente (Anexo I) DA CARGA-HORÁRIA DO PROFESSOR ORIENTADOR A - A carga-horária atribuída para cada professor orientador será de uma hora aula/estagiário/semana O acadêmico poderá estagiar na própria Empresa ou Instituição em que trabalha desde que: a. receba da unidade concedente (empresa) a necessária aprovação para fazê-lo; b. a unidade concedente de estágio lhe ofereça condições de trabalho necessárias e lhe permita desenvolver um programa de acordo com o exigido pela Faculdade de Administração DOS CAMPOS DE ESTÁGIO Constitui campo de estágio as unidades de direito privado, os órgãos da administração pública, as instituições de ensino e/ou pesquisa, as próprias unidades da FERSURV Universidade de Rio Verde, desde que apresentem condições para: a- planejamento e execução das atividades de estágio; b- aprofundamento dos conhecimentos teórico-práticos do campo específico de trabalho; c- vivência efetiva de situações reais da vida e trabalho em uma área profissional específica; d- avaliação das atividades de estágio O Estágio Curricular poderá ser desenvolvido: a. na própria empresa, quando o estagiário for proprietário de qualquer tipo de iniciativa privada ou quando este for titular de cargo executivo de qualquer tipo de instituição, privada ou pública; b. o acadêmico não sendo proprietário e/ou titular de cargo executivo pode realizar o Estágio Curricular em qualquer tipo de organização; DOS CONVÊNIOS COM EMPRESAS Condições necessárias para a realização de Convênio Para que uma empresa possa oferecer estágio supervisionado ao acadêmico, a mesma deverá realizar convênio com FESUV Universidade de Rio Verde, por intermédio do Núcleo Geral de Estágios e Práticas de Ensino Para o estabelecimento de convênio e/ou acordo de cooperação de estágio, será considerado pela FESURV Universidade de Rio Verde, em relação à concedente do estágio, o que abaixo segue: - existência e disponibilização de infra-estruturas física, de material e de recursos humanos; - aceitação das condições de orientação e avaliação da FESURV Universidade de Rio Verde; - anuência e acatamento às normas de estágio da FESURV Universidade de Rio Verde; 9

10 - existência dos instrumentos jurídicos previstos nos artigos 10, 11 e 12 da Portaria da Portaria nº 15, da Pró-Reitoria de Graduação da FESURV Universidade de Rio Verde, datada e 27/11/2007, que estabelecem: 2º É pressuposta de validade do Plano de Estágio a descrição sucinta de todas as atividades a serem desempenhadas pelo estudante. Art. 10. Os estágios devem ser formalizados por instrumentos jurídicos, celebrados entre a Universidade, a concedente do estágio e o estudante. Art. 11. A relação entre a Universidade e as unidades concedentes de campo de estágio se estabelecerá através de convênio e/ou acordo de cooperação firmado diretamente entre as partes, com o objetivo de estabelecer campo de estágio para estudantes da Universidade. Art. 12. A realização do estágio dar-se-á mediante termo de compromisso celebrado entre o estudante e a parte concedente com interveniência obrigatória da Universidade, no qual serão definidas as condições para a realização do estágio, constando menção expressa ao convênio e/ou acordo de cooperação respectivo. 1º Quando se tratar de estágio curricular não obrigatório, o Termo de compromisso deverá ser instruído com: I-número de apólice de seguro de acidentes pessoais a ser feita pela concedente e/ou pela FESURV Universidade de Rio Verde, cujo número deverá estar expresso no termo de compromisso; II quando a concedente for unidade da FESURV Universidade de Rio Verde, ficará dispensada a exigência prevista no inciso I deste artigo; III Plano de estágio elaborado pelo estudante juntamente com seu Professor Orientador, com a participação da concedente, através do Supervisor no Campo de Estágio DA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO Procedimentos Iniciais O acadêmico, devidamente matriculado na Faculdade de Administração, após receber, no início do período letivo, as orientações da Coordenação do Núcleo de Estágio, em sala de aula, deverá procurar o Núcleo Geral de Estágios e Práticas e de Ensino da IES, para a verificação da existência ou não de convênio e/ou acordo de cooperação entre a empresa onde pretende estagiar e a FESURV Universidade de Rio Verde. Em não existindo, será de competência do Núcleo Geral de Estágio procurar a empresa para a devida formalização documental Dos demais procedimentos - Após a observância do exposto no Título 11, o acadêmico deverá procurar o Coordenador do Núcleo de Estágio da Faculdade de Administração, para o recebimento o e preenchimento dos documentos necessários ao atendimento dos aspectos legais do estágio. - Concomitantemente ao preenchimento dos documentos acima citados, o acadêmico deverá procurar um Professor da área em que pretende estagiar, acordar com o mesmo o acompanhamento e orientação, expondo-lhe o tema escolhido. 1

11 - Aprovada a área de estágio, o tema e o Professor Orientador, acadêmico e Orientador deverão preencher o formulário anexo I. - Concluído o preenchimento do anexo I, o acadêmico deverá assinalo e coletar a assinatura da empresa concedente do estágio, inclusive nos documentos legais, restituindo-os ao Coordenador, o qual os encaminhará para o Núcleo Geral de Estágios Práticas e de Ensino da IES para que também os assine. O estágio iniciar-se-á efetivamente na data de assinatura do Acordo de Cooperação e TCE pela empresa concedente Da disponibilidade dos professores orientadores: a) todos os docentes da Faculdade de Administração estarão aptos a orientar estágio, dentro das áreas de seu domínio; b) poderá haver recusa na orientação de estágio por parte do docente, desde que haja inadequação da área pretendida pelo acadêmico com a área de atuação do Professor Orientador; c) em qualquer caso de recusa, caberá ao Coordenador do Núcleo de Estágio, Indicar outro docente, garantindo a realização da atividade de orientação. Além dos contatos iniciais mantidos com os acadêmicos estagiários, o professor orientador estará também a disposição destes, em data e horário previamente fixados para orientação e acompanhamento DA AVALIAÇÃO a avaliação é dos relatórios será de responsabilidade dos orientadores, cabendo 70% da nota ao professor orientador e 30% ao supervisor de campo DISPOSIÇÕES FINAIS a) todo aluno terá uma pasta de arquivo contendo Termo de Compromisso de Estágio (TCE) e relatório das atividades desenvolvidas; b) para cômputo das horas de estágio, serão consideradas as despendidas na empresa; c) as horas de permanência do estagiário na empresa, devidamente comprovadas pelo Supervisor de Campo; d) o estagiário que não entregar por três meses consecutivos o relatório de estágio ao seu Professor Orientador, sem justificativa, estará automaticamente reprovado; f) os casos omissos serão resolvidos pela Coordenação do Núcleo de Estágio, no âmbito de sua competência; g) o presente Regulamento entrará em vigor na data de sua aprovação, revogadas as disposições em contrário Entrega dos relatórios a) mensalmente o acadêmico estagiário deverá entregar ao Professor Orientador um relatório parcial das atividades desenvolvidas (conforme anexo III) durante o período, o qual será por ele lido e avaliado e corrigido se necessário. b) em caso de transgressão dos prazos, a Coordenação de Estágio tomará ciência do fato e determinará as medidas cabíveis; 1

12 ANEXO I FICHA ROTEIRO DE ESTÁGIO - FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO Curso: Período: Previsão para Término do Curso: Contratante: Endereço: Telefone: CEP: ANEXOS Estagiário (a): Endereço: Telefone: CEP: Área de Estágio: Orientador: Data de Início: Data de Término: Horas Semanais: O Estagiário deverá realizar as seguintes atividades: Obs: de acordo com a lei de 07/12/77(modificada pela Lei de 29/03/94) e Decreto Lei de 18/08/82 (modificado pelo Decreto de 21/03/94), somente poderão estagiar os alunos regularmente matriculados e que venham freqüentando efetivamente as aulas. 1

13 Ass. Empresa Ass. Escola Ass. Estagiário(a) mc/2004 ANEXO II Ficha de Avaliação do Desempenho do Estagiário Acadêmico: Empresa: Supervisor de Campo: Período: Horas cumpridas: Local e Data: OBSERVAÇÕES A avaliação é de responsabilidade dos orientadores, cabendo 70% da nota ao Professor Orientador e 30% ao Orientador de Campo, considerando-se, que o valor total da avaliação será de 10(dez) pontos. Assinatura do Supervisor de Campo Fatores para avaliação 70% 30% total Qualidade do Trabalho Conhecimentos técnicos Iniciativa Cumprimentos de tarefas Organização/ Disciplina Responsabilidade Cooperação e Sociabilidade Total 1 ANEXO III RELATÓRIO MENSAL DE ESTÁGIO Nº DATA / / EMPRESA: ESTAGIÁRIO: AREA DO ESTÁGIO: ORIENTADOR DE CAMPO: N DE

14 HORAS: HORAS TOTAIS: TÓPICOS VIVENCIADOS: - AÇÕES EMPREENDIDAS Assinatura do Estagiário: Assinatura do Orientador de Campo: Assinatura do Prof. Orientador: 1

RESOLUÇÃO. Bragança Paulista, 16 de dezembro de José Antonio Cruz Duarte, OFM Vice-Reitor no exercício da Presidência

RESOLUÇÃO. Bragança Paulista, 16 de dezembro de José Antonio Cruz Duarte, OFM Vice-Reitor no exercício da Presidência RESOLUÇÃO CONSEPE 98/2009 APROVA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ARQUITETURA E URBANISMO, DO CAMPUS DE ITATIBA DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Vice-Reitor da Universidade São Francisco, no

Leia mais

DIAGRAMA DE LEITURA DO FLUXOGRAMA DAS ATIVIDADES DE ESTÁGIO

DIAGRAMA DE LEITURA DO FLUXOGRAMA DAS ATIVIDADES DE ESTÁGIO DIAGRAMA DE LEITURA DO FLUXOGRAMA DAS ATIVIDADES DE LEGENDA, COM CORES, PARA IDENTIFICAR AS AÇÕES NO FLUXOGRAMA NÚMERO DA PÁGINA ONDE SE ENCONTRA O PROCEDIMENTO Mnnnnnnnnnnnnnnnnnn Zccccccccccc AÇÕES VINCULADAS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE Aprova Normas Específicas do Estágio Curricular

Leia mais

EDITAL Nº 13, DE 01 DE JULHO DE REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA NA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DO CAMPUS VACARIA DO IFRS

EDITAL Nº 13, DE 01 DE JULHO DE REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA NA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DO CAMPUS VACARIA DO IFRS EDITAL Nº 13, DE 01 DE JULHO DE 2016. REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA NA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DO CAMPUS VACARIA DO IFRS A Comissão Eleitoral Permanente, nomeada pela portaria 14/2016

Leia mais

RESOLUÇÃO N 008/2013

RESOLUÇÃO N 008/2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA (UNILA) CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 008/2013 Regulamenta as Atividades Acadêmicas Complementares nos cursos de graduação

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSUNI nº 54/16

RESOLUÇÃO CONSUNI nº 54/16 Conselho Universitário - CONSUNI RESOLUÇÃO CONSUNI nº 54/16 Aprova o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Engenharia Mecânica. O Vice-Reitor, no exercício da Presidência do Conselho

Leia mais

NORMAS REFERENTES ÀS ATIVIDADES FORMATIVAS DO CURSO DE NUTRIÇÃO

NORMAS REFERENTES ÀS ATIVIDADES FORMATIVAS DO CURSO DE NUTRIÇÃO NORMAS REFERENTES ÀS ATIVIDADES FORMATIVAS DO CURSO DE NUTRIÇÃO Componente curricular Atividades Formativas obrigatórias do Curso de Nutrição, da Universidade Federal do Paraná. Art. 1º. As Atividades

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Este Regulamento tem por

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 025/2003-CEPE

RESOLUÇÃO Nº 025/2003-CEPE RESOLUÇÃO Nº 025/2003-CEPE Aprova Regulamento de Atividades Acadêmicas Complementares. Considerando o contido na Resolução nº 003/2003-CEPE, de 30 de janeiro de 2003, que Aprova as Diretrizes do Ensino

Leia mais

RESOLUÇÃO N 43/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE no uso de suas atribuições legais e;

RESOLUÇÃO N 43/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE no uso de suas atribuições legais e; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 43/2009/CONEPE Aprova Normas de Estágio Curricular Obrigatório do

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Pró-Reitoria de Graduação Coordenação de Estágio, Monitoria e Egressos

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Pró-Reitoria de Graduação Coordenação de Estágio, Monitoria e Egressos TERMO DE COMPROMISSO PARA ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO DA LEGISLAÇÃO DE REGÊNCIA, DA CONCEITUAÇÃO E DOS PRÉ-REQUISITOS LEGAIS. 1. O presente TCE é regido pela Lei n.º 11.788, de 25 de setembro de 2008 e, no

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 42/2011, DE 26 DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 42/2011, DE 26 DE AGOSTO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 42/2011, DE 26 DE AGOSTO DE 2011 Aprova o Regulamento de Estágio do Curso de Engenharia de Produção, na forma do Anexo. O Reitor da Fundação Universidade Regional de Blumenau FURB, no uso

Leia mais

Manual de Afastamento de Docentes

Manual de Afastamento de Docentes Manual de Afastamento de Docentes Resolução Unesp nº 19, de 07 de Março de 1997 Campus Experimental de Tupã Área de Recursos Humanos 1ª Edição AGOSTO/2011 INTRODUÇÃO Considera-se afastamento, o período

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 151/2010/CONEPE

RESOLUÇÃO Nº 151/2010/CONEPE SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 151/2010/CONEPE Aprova Normas de Estágio Curricular Obrigatório

Leia mais

Minuta de Normas de Estágio DCOS

Minuta de Normas de Estágio DCOS Minuta de Normas de Estágio DCOS O Colegiado do Curso de Comunicação Social, no uso de suas atribuições, Considerando a vigência da Lei11.788, de 25/09/2008, que dispõe sobre o estágio de estudantes; Considerando

Leia mais

1. PROCESSO DE PREPARAÇÃO PARA DEFESA DE DISSERTAÇÃO OU TESE

1. PROCESSO DE PREPARAÇÃO PARA DEFESA DE DISSERTAÇÃO OU TESE PROCEDIMENTOS PARA DEFESA DE DISSERTAÇÃO/TESE E DIPLOMAÇÃO STRICTO SENSU 1. PROCESSO DE PREPARAÇÃO PARA DEFESA DE DISSERTAÇÃO OU TESE Aluno: Após integralizar os requisitos necessários para obtenção do

Leia mais

PORTARIA Nº 13, DE 17 DE JANEIRO DE ANEXO II SUGESTÃO DE ESTRUTURA PARA PROPOSTA DE TRABALHO A SER DESENVOLVIDA POR SERVIDORES READAPTADOS

PORTARIA Nº 13, DE 17 DE JANEIRO DE ANEXO II SUGESTÃO DE ESTRUTURA PARA PROPOSTA DE TRABALHO A SER DESENVOLVIDA POR SERVIDORES READAPTADOS PORTARIA Nº 13, DE 17 DE JANEIRO DE 2017. Acrescenta os anexos II, III e IV à Portaria nº12, de 13 de janeiro de 2017. O SECRETÁRIO DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL, no uso de suas atribuições

Leia mais

Coordenação do Curso de Geografia - PCO

Coordenação do Curso de Geografia - PCO RESOLUÇÃO DO COLEGIADO DE COORDENAÇÃO DIDÁTICA DO CURSO DE GEOGRAFIA PUC MINAS EM CONTAGEM N. 01/2007 Regulamenta os estágios curriculares obrigatórios e não obrigatórios, no âmbito do Curso de Geografia

Leia mais

MINUTA DE REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO DA FCHS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

MINUTA DE REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO DA FCHS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MINUTA DE REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO DA FCHS Aprovado pela Congregação em 01/03/2011 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este regulamento normatiza o cumprimento

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DO CAMPUS DE COXIM DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DO CAMPUS DE COXIM DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL RESOLUÇÃO Nº 5, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2015. O COLEGIADO DE CURSO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DO CÂMPUS DE COXIM da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso Do Sul, no uso de suas atribuições

Leia mais

EDITAL N 06, DE 14 DE MARÇO DE ABERTURA DE PROCESSO ELEITORAL PARA O PREENCHIMENTO DE VAGAS DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CAMPUS RESTINGA

EDITAL N 06, DE 14 DE MARÇO DE ABERTURA DE PROCESSO ELEITORAL PARA O PREENCHIMENTO DE VAGAS DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CAMPUS RESTINGA EDITAL N 06, DE 14 DE MARÇO DE 2016. ABERTURA DE PROCESSO ELEITORAL PARA O PREENCHIMENTO DE VAGAS DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CAMPUS RESTINGA O Diretor-Geral do do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

ANEXO I DECLARAÇÃO DE NÃO TER CURSADO ENSINO MÉDIO EM ESCOLA PRIVADA

ANEXO I DECLARAÇÃO DE NÃO TER CURSADO ENSINO MÉDIO EM ESCOLA PRIVADA ANEXO I DECLARAÇÃO DE NÃO TER CURSADO ENSINO MÉDIO EM ESCOLA PRIVADA Eu,, nacionalidade, estado civil, CPF e RG, declaro, para os fins de reserva de vagas no PROCESSO SELETIVO PARA PROVIMENTO DE VAGAS

Leia mais

Estágio Curricular. Profa. Dra. Tatiana Renata Garcia Coordenação de estágios

Estágio Curricular. Profa. Dra. Tatiana Renata Garcia Coordenação de estágios Estágio Curricular Profa. Dra. Tatiana Renata Garcia Coordenação de estágios Normas gerais Estágio obrigatório: é aquele definido como tal no projeto do curso, cuja carga horária é requisito para aprovação

Leia mais

DIRETRIZES CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO UTFPR

DIRETRIZES CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES PARA OS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DA UTFPR Resolução

Leia mais

Faculdade São Miguel Curso de Nutrição MANUAL DE ESTAGIO CURRICULAR DO CURSO DE NUTRIÇÃO

Faculdade São Miguel Curso de Nutrição MANUAL DE ESTAGIO CURRICULAR DO CURSO DE NUTRIÇÃO MANUAL DE ESTAGIO CURRICULAR DO CURSO DE NUTRIÇÃO 1. APRESENTAÇÃO A formação do Nutricionista deve garantir o desenvolvimento de estágios curriculares, sob supervisão docente, contando com a participação

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 203/2015

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 203/2015 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 203/2015 Fixa o Calendário Escolar dos cursos de graduação em regimes seriado anual e seriado semestral, da Universidade de Taubaté, para o ano letivo de 2016. O CONSELHO DE ENSINO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Conselho Universitário - CONSU

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Conselho Universitário - CONSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Conselho Universitário - CONSU RESOLUÇÃO N.º XXX CONSU, DE XXX DE XXX DE 2014. RESOLVE: Estabelece o Regimento Interno e

Leia mais

TERMO DE SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIO PARA A ASSESSORIA DE INFRAESTRUTURA

TERMO DE SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIO PARA A ASSESSORIA DE INFRAESTRUTURA TERMO DE SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIO PARA A ASSESSORIA DE INFRAESTRUTURA Com base na Lei 11.788/2008, que dispõe sobre o estágio de estudantes, a Assessoria de Infraestrutura (INFRA) torna público a presente

Leia mais

REGULAMENTO DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ECONOMIA DOMÉSTICA/BACHARELADO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO. CAPÍTULO I Dos conceitos

REGULAMENTO DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ECONOMIA DOMÉSTICA/BACHARELADO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO. CAPÍTULO I Dos conceitos REGULAMENTO DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ECONOMIA DOMÉSTICA/BACHARELADO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO CAPÍTULO I Dos conceitos Art. 1º Este Regulamento normatiza o funcionamento da atividade

Leia mais

ANEXO I FILME. Nome do(a) aluno(a) Curso Semestre Data / / Título do filme. Crédito (direção, ano e produção)

ANEXO I FILME. Nome do(a) aluno(a) Curso Semestre Data / / Título do filme. Crédito (direção, ano e produção) ANEXO I FILME Curso Semestre Data / / Título do filme Crédito (direção, ano e produção) Duração do filme Resumo (aspectos históricos, políticos, econômicos); Aspectos pedagógicos (relação ensino/aprendizagem

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Núcleo de Prática Jurídica e do Estágio Supervisionado no Curso de Direito da Faculdade

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL Pró-Reitoria de Graduação Diretoria do Curso de Direito COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL Pró-Reitoria de Graduação Diretoria do Curso de Direito COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA - SAJULBRA - REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA JURÍDICA GRATUITA DA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL - SAJULBRA DOS

Leia mais

Regimento do Estágio Supervisionado do Curso de Sistemas de Informação

Regimento do Estágio Supervisionado do Curso de Sistemas de Informação Regimento do Estágio Supervisionado do Curso de Sistemas de Informação Regimento do Estágio Supervisionado do Curso de Sistemas de Informação da Universidade do Estado de Minas Gerais Campus de Frutal/MG

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO RESOLUÇÃO N 4.056, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO RESOLUÇÃO N 4.056, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO RESOLUÇÃO N 4.056, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2013 Dispõe sobre as NORMAS DO PROCESSO DE CONSULTA À COMUNIDADE DA UNIRIO PARA INDICAÇÃO DE DIRIGENTES

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAMETRO

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAMETRO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAMETRO CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1º - As Atividades Complementares se constituem em parte integrante o currículo dos cursos

Leia mais

Comissão do Estágio Curricular Obrigatório do Curso de Agronomia CECOA

Comissão do Estágio Curricular Obrigatório do Curso de Agronomia CECOA 1 Comissão do Estágio Curricular Obrigatório do Curso de Agronomia CECOA REGULAMENTO GERAL APRESENTAÇÃO O Estágio Curricular Obrigatório do Curso de Agronomia tem como objetivo principal proporcionar ao

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 142-CONSELHO SUPERIOR, de 26 de setembro de 2013.

RESOLUÇÃO Nº 142-CONSELHO SUPERIOR, de 26 de setembro de 2013. RESOLUÇÃO Nº 142-CONSELHO SUPERIOR, de 26 de setembro de 2013. ALTERA A RESOLUÇÃO Nº 040- CONSELHO SUPERIOR QUE ESTABELECE OS PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO E ADEQUAÇÃO CURRICULAR DOS PLANOS DOS CURSOS

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS 2 CAPITULO II 2 DO COLEGIADO DOS CURSOS 2 CAPITULO III 3 MANDATOS DO COLEGIADO DO CURSO 3 CAPÍTULO

Leia mais

Art. 1º Aprovar a nova política do Estágio Curricular Supervisionado na UNIVILLE, estabelecendo as diretrizes para sua regulamentação.

Art. 1º Aprovar a nova política do Estágio Curricular Supervisionado na UNIVILLE, estabelecendo as diretrizes para sua regulamentação. UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE - UNIVILLE CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 11/01 Aprova diretrizes para regulamentação dos Estágios Curriculares Supervisionados. A Presidente do

Leia mais

Av. Sport Clube do Recife, Madalena

Av. Sport Clube do Recife, Madalena APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Faculdade de Ciências de Administração de Pernambuco FCAP, como entidade de Ensino Superior integrante da UPE, criada pela Lei 2622 de 30 de novembro de 1956, comunga das

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 065/2014, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 065/2014, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 065/2014, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o Regulamento do Estágio Obrigatório do Curso de Engenharia Civil, da Fundação Universidade Regional de Blumenau - FURB. O Reitor da Fundação Educacional

Leia mais

Capítulo I Das Disposições Gerais. Capítulo II Do Estágio Supervisionado

Capítulo I Das Disposições Gerais. Capítulo II Do Estágio Supervisionado 17. REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Capítulo I Das Disposições Gerais Art. 1º. Este Regulamento dispõe sobre o Estágio Supervisionado do Curso de Graduação em Medicina Veterinária do Centro Universitário

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO- ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS CURSO DE PEDAGOGIA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTO Anápolis, 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA RESOLUÇÃO Nº 140/2006/CONEP Aprova Normas Específicas do Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

Bacharelado em Teologia. Regulamento do Estágio Supervisionado Obrigatório FUNDAMENTOS LEGAIS E REGULAMENTAÇÃO

Bacharelado em Teologia. Regulamento do Estágio Supervisionado Obrigatório FUNDAMENTOS LEGAIS E REGULAMENTAÇÃO Página 1 de 7 Bacharelado em Teologia Regulamento do Estágio Supervisionado Obrigatório FUNDAMENTOS LEGAIS E REGULAMENTAÇÃO Art. 1º. O estágio supervisionado obrigatório do curso de graduação em Teologia

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAIMI/UNIESP

REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAIMI/UNIESP REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAIMI/UNIESP Mirassol/SP 2014 REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAIMI/UNIESP CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

RESOLUÇÃO TGT Nº 06/2015

RESOLUÇÃO TGT Nº 06/2015 ANO XLV N. 098 14/07/2015 SEÇÃO IV PÁG. 076 RESOLUÇÃO TGT Nº 06/2015 Niterói, 24 de junho de 2015 O Colegiado do Curso de Graduação em Engenharia de Telecomunicações, em reunião ordinária de 24/06/2015,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE NUTRIÇÃO COORDENAÇÃO DO CURSO DE NUTRIÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO - TCC

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE NUTRIÇÃO COORDENAÇÃO DO CURSO DE NUTRIÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO - TCC REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO - TCC Goiânia 2015 Das Finalidades: REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO - TCC Art. 1º - A elaboração do TCC, conforme estabelecido pelas Diretrizes

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE TÉCNICOS EM RADIOLOGIA Serviço Público Federal. Minuta de Resolução CONTER Radiologia Industrial

CONSELHO NACIONAL DE TÉCNICOS EM RADIOLOGIA Serviço Público Federal. Minuta de Resolução CONTER Radiologia Industrial Minuta de Resolução CONTER Radiologia Industrial EMENTA: Institui e normatiza as atribuições, competências e funções dos técnicos e tecnólogos em Radiologia no setor Industrial, revoga as Resoluções CONTER

Leia mais

RESOLUÇÃO 035/2011 CEPE/UENP

RESOLUÇÃO 035/2011 CEPE/UENP RESOLUÇÃO 035/2011 CEPE/UENP Súmula Aprova o Regulamento das Atividades Complementares nos cursos de graduação da UENP. CONSIDERANDO a necessidade de regulamentar as Atividades Complementares no âmbito

Leia mais

EDITAL Nº 01/ IFSul/ Câmpus Sapucaia do Sul PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO. Manhã: das 8 h às 12 h. Tarde: das 14 h às 18 h

EDITAL Nº 01/ IFSul/ Câmpus Sapucaia do Sul PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO. Manhã: das 8 h às 12 h. Tarde: das 14 h às 18 h Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-Rio-Grandense Câmpus Sapucaia do Sul EDITAL Nº /27 - IFSul/ Câmpus Sapucaia

Leia mais

Ficha de Inscrição para o Processo Seletivo Simplificado para Professor Substituto do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico Área: Informática

Ficha de Inscrição para o Processo Seletivo Simplificado para Professor Substituto do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico Área: Informática Ficha de Inscrição para o Processo Seletivo Simplificado para Professor Substituto do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico Área: Informática EDITAL Nº 004, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2015 Dados Pessoais: Nome

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO

APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Faculdade de Ciências de Administração de Pernambuco FCAP, como entidade de Ensino Superior integrante da UPE, criada pela Lei 2622 de 30 de novembro de 1956, comunga das

Leia mais

ESTADO-MAIOR DA AERONÁUTICA PORTARIA Nº 782/GC3, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2010.

ESTADO-MAIOR DA AERONÁUTICA PORTARIA Nº 782/GC3, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2010. ESTADO-MAIOR DA AERONÁUTICA PORTARIA Nº 782/GC3, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2010. Aprova a regulamentação da sistemática de apuração de transgressão disciplinar e da aplicação da punição disciplinar. O COMANDANTE

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CAMPUS DE RIO PARANAÍBA COORDENAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Campus Universitário - Caixa Postal 22 - Rio Paranaíba - MG - 38810-000 REGULAMENTO N. 1, DE 8 DE AGOSTO

Leia mais

EDITAL Nº 15/2016, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2016.

EDITAL Nº 15/2016, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2016. EDITAL Nº 15/2016, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2016. Dispõe sobre o Processo Seletivo de candidatos para ingresso no Curso Técnico de Nível Médio em Informática, na modalidade Concomitante/Subsequente. O DIRETOR

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO

CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO CAPÍTULO I - DA DEFINIÇÃO DO ESTÁGIO Artigo 01 - O Estágio Supervisionado constitui disciplina obrigatória do Currículo dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

EDITAL PROCESSO SIMPLIFICADO DE SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIO DE NÍVEL SUPERIOR

EDITAL PROCESSO SIMPLIFICADO DE SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIO DE NÍVEL SUPERIOR EDITAL PROCESSO SIMPLIFICADO DE SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIO DE NÍVEL SUPERIOR A Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional e Infraestrutura PRODIN, do Instituto Federal da Bahia - IFBA, em atendimento ao

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO PÚBLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO PÚBLICA RESOLUÇÃO CSTGP Nº 02/2015 Regulamenta o Estágio Supervisionado obrigatório do Curso

Leia mais

CONSELHO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA COMISSÃO DE ESTÁGIO REGULAMENTO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

CONSELHO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA COMISSÃO DE ESTÁGIO REGULAMENTO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA REGULAMENTO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES ARTIGO 1º - Considera-se Estágio Curricular, o conjunto de atividades de aprendizagem social, profissional

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DO GAMA. (minuta)

RESOLUÇÃO DO CONSELHO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DO GAMA. (minuta) RESOLUÇÃO DO CONSELHO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DO GAMA. (minuta) Estabelece normas para a realização de estágios obrigatórios e não obrigatórios no âmbito dos cursos de graduação da Faculdade

Leia mais

Portaria Nº 12, de 03 de abril de 2017.

Portaria Nº 12, de 03 de abril de 2017. Portaria Nº 12, de 03 de abril de 2017. Regulamenta o Estágio Supervisionado Obrigatório dos alunos do Curso de Graduação em Engenharia Agronômica da Faculdade de Ciências Agrárias e Tecnológicas da Unesp

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 26/16, de 06/07/16. CAPÍTULO I DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1º O presente regulamento disciplina

Leia mais

FATEC-CARAPICUÍBA. Doc. 1 REGIMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

FATEC-CARAPICUÍBA. Doc. 1 REGIMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO FATEC-CARAPICUÍBA Doc. 1 REGIMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO ASTI (Jogos, Segurança, Bacharel, SI) CURSO ADS (Análise e Desenvolvimento de Sistemas) 2 1. DA NATUREZA DO ESTÁGIO 1.1 O estágio curricular

Leia mais

Curso de Psicologia. Roteiro para Estágios

Curso de Psicologia. Roteiro para Estágios UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SAPSI-COORDENADORIA DE ESTÁGIOS Curso de Psicologia Roteiro para Estágios A ESTÁGIOS OBRIGATÓRIOS B ESTÁGIOS NÃO OBRIGATÓRIOS COORDENAÇÃO

Leia mais

Resolução n 225, de 21 de junho R E S O L V E: Art. 1º - Alterar a redação do parágrafo 2º artigo 12 do Regimento Geral da Universidade:

Resolução n 225, de 21 de junho R E S O L V E: Art. 1º - Alterar a redação do parágrafo 2º artigo 12 do Regimento Geral da Universidade: Resolução n 225, de 21 de junho 2016. Aprova emendas ao Regimento Geral da Universidade, cria setores e dá outras providências. O Conselho Universitário CONSUNI, da Universidade do Planalto Catarinense

Leia mais

Quarta-feira, 18 de Dezembro de 2013 Edição n 015

Quarta-feira, 18 de Dezembro de 2013 Edição n 015 LEI N 827 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. Autoriza a doação e permuta de lotes reincorporados pela municipalidade e dá outras providências. O POVO DO MUNICÍPIO DE COMENDADOR LEVY GASPARIAN, por seus representantes,

Leia mais

Edital Pós-Doutorado. Bolsa CAPES/PNPD

Edital Pós-Doutorado. Bolsa CAPES/PNPD Edital Pós-Doutorado Bolsa CAPES/PNPD Dezembro/2015 EDITAL PARA SELEÇÃO DE BOLSISTA DE PÓS-DOUTORADO A ESPM, por meio da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação stricto sensu e do Programa de Mestrado

Leia mais

1- Estabelecer as normas e procedimentos para a Manutenção de Vínculo no IFRJ.

1- Estabelecer as normas e procedimentos para a Manutenção de Vínculo no IFRJ. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2016/PROGRAD, DE 13 DE MAIO DE 2016. A Pró-Reitora de Ensino de Graduação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro - IFRJ, no uso de suas atribuições

Leia mais

Parágrafo 1º. A opção para o turno desejado, quando possível, deverá ser realizada no momento da inscrição.

Parágrafo 1º. A opção para o turno desejado, quando possível, deverá ser realizada no momento da inscrição. RESOLUÇÃO 2/2016 - TRANSFERÊNCIA PARA O 1º SEMESTRE DE 2016 VAGAS REMANESCENTES Fixa as condições para o recebimento de transferências para a Faculdade de Direito do Sul de Minas, e dispõe sobre aproveitamento

Leia mais

MINISTERIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 128, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011.

MINISTERIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 128, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011. Dispõe sobre a instituição e definição das atribuições do Comitê de Extensão Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba. O Presidente do DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE RIBEIRÃO PRETO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE RIBEIRÃO PRETO NORMAS QUE REGULARIZAM O PROGRAMA DE TUTORIA OFERECIDO AOS ALUNOS DE GRADUAÇÃO DA FORP-USP CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Artigo 1º - Os objetivos do Programa de Tutoria são: I Gerais: Contribuir

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 084/2015 CONSU/IFAC.

RESOLUÇÃO Nº 084/2015 CONSU/IFAC. RESOLUÇÃO Nº 084/2015 CONSU/IFAC. Dispõe sobre o Regulamento das Atribuições da Coordenação Técnico Pedagógica COTEP do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre IFAC. O PRESIDENTE SUBSTITUTO

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO IFNMG

REGULAMENTO DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO IFNMG Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Norte de Minas Gerais REGULAMENTO DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO IFNMG (APROVADO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO -PPGE PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA DE PÓS-DOUTORADO - PNPD/CAPES

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento visa orientar os alunos referente aos objetivos, critérios, procedimentos e mecanismos de

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (ATO DE APROVAÇÃO: Resolução do Reitor

Leia mais

REGIMENTO DE DEPENDÊNCIA E/OU ADAPTAÇÃO Faculdade Metropolitana São Carlos - FAMESC

REGIMENTO DE DEPENDÊNCIA E/OU ADAPTAÇÃO Faculdade Metropolitana São Carlos - FAMESC REGIMENTO DE DEPENDÊNCIA E/OU ADAPTAÇÃO Faculdade Metropolitana São Carlos - FAMESC Bom Jesus do Itabapoana Atualizado em 2017 REGIMENTO DE DEPENDÊNCIA E/OU ADAPTAÇÃO Art. 1º - O presente Regimento tem

Leia mais

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ATIVIDADES COMPLEMENTARES RESOLUÇÃO Nº117, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2015. O COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA FACULDADE DE ENGENHARIAS, ARQUITETURA E URBANISMO E GEOGRAFIA da Fundação Universidade Federal de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 63/CONSUP/IFRO, DE 15 DE JULHO DE 2016.

RESOLUÇÃO Nº 63/CONSUP/IFRO, DE 15 DE JULHO DE 2016. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 63/CONSUP/IFRO, DE 15 DE JULHO DE

Leia mais

P O R T A R I A. Curitiba, 22 de janeiro de André Luís Gontijo Resende Pró-Reitor de Ensino, Pesquisa e Extensão FAE CENTRO UNIVERSITÁRIO

P O R T A R I A. Curitiba, 22 de janeiro de André Luís Gontijo Resende Pró-Reitor de Ensino, Pesquisa e Extensão FAE CENTRO UNIVERSITÁRIO PORTARIA PROEPE N.º 31/2014 APROVA O REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO, BACHARELADO, MATRIZ CURRICULAR 2013, DA FAE CENTRO UNIVERSITÁRIO. O Pró-Reitor de Ensino, Pesquisa

Leia mais

ANEXO I ANEXO II RELATÓRIO ANUAL DE PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS ANEXO III

ANEXO I ANEXO II RELATÓRIO ANUAL DE PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS ANEXO III * Saldo = produção do ano - (comercializada + plantio próprio + outros destinos) ANEXO I Produtor: RELATÓRIO ANUAL DE PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE SEMENTES DE ESPÉCIES FLORE S TA I S Ano de produção:

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE FAMETRO

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE FAMETRO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE FAMETRO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O presente Regulamento fixa diretrizes e normas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Escola de Engenharia Civil RESOLUÇÃO N 01/2008

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Escola de Engenharia Civil RESOLUÇÃO N 01/2008 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Escola de Engenharia Civil RESOLUÇÃO N 01/2008 Regulamenta as atividades de Estágio Curricular Obrigatório e Não-obrigatório do Curso de Graduação da Escola de Engenharia

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS - IFNMG CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

REGIMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS - IFNMG CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA REGIMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO - IFNMG CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) é o órgão responsável por gerir a política de propriedade

Leia mais

VALORES DE REQUERIMENTOS

VALORES DE REQUERIMENTOS oferecido Assinatura de Termo de Compromisso Estágio Antecipação de pagamento do curso ou do semestre Aproveitamento de estudos Externo Aproveitamento de Estudos Interno Boletim de notas Autenticado Cancelamento

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM PROCESSOS GERENCIAIS

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM PROCESSOS GERENCIAIS REGULAMENTO DO ESTÁGIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM PROCESSOS GERENCIAIS EMENTA: Estabelece normas para o funcionamento do Estágio do Curso de Graduação Tecnológica em Processos Gerenciais. O Colegiado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR EM SAÚDE - CAMPUS ANÍSIO TEIXEIRA COLEGIADO DE NUTRIÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA 02/2011

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR EM SAÚDE - CAMPUS ANÍSIO TEIXEIRA COLEGIADO DE NUTRIÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA 02/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR EM SAÚDE - CAMPUS ANÍSIO TEIXEIRA COLEGIADO DE NUTRIÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA 02/2011 Revoga a Instrução Normativa 03/2008 e estabelece as normas

Leia mais

FACULDADE DE PRESIDENTE VENCESLAU

FACULDADE DE PRESIDENTE VENCESLAU REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO I Das Disposições Legais Art.1º - O estágio deve propiciar a complementação do ensino e da aprendizagem e ser planejado, executado, acompanhado e avaliado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 171/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais e,

RESOLUÇÃO Nº 171/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais e, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 171/2009/CONEPE Aprova alteração nas Normas de Estágio do Curso

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Baseando-se no Regulamento dos Cursos de Graduação da UFF e na Instrução de Serviço PROAC n.º 02, o Colegiado do Curso de Ciências

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CAMPUS FLORESTAL INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Rodovia LMG 818, km 06, Florestal MG, 35.690-000. Tel: (31) 3536-3300 COORDENAÇÃO DO CURSO DE AGRONOMIA Regulamento das Atividades

Leia mais

PRÓ-REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - BACHARELADOS DO UNILASALLE NORMAS DE FUNCIONAMENTO

PRÓ-REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - BACHARELADOS DO UNILASALLE NORMAS DE FUNCIONAMENTO PRÓ-REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - BACHARELADOS DO UNILASALLE NORMAS DE FUNCIONAMENTO Disciplinas de Estágio Supervisionado Art. 1º De acordo

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS CURITIBA PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO COORDENAÇÃO

FACULDADES INTEGRADAS CURITIBA PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO COORDENAÇÃO FACULDADES INTEGRADAS CURITIBA PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO COORDENAÇÃO Convocação da 4ª Reunião do Colegiado de Curso Ficam convocados os Professores do Programa de Mestrado em Direito para comparecer

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 36/2002, DE 13 DE JUNHO DE 2002

RESOLUÇÃO Nº 36/2002, DE 13 DE JUNHO DE 2002 RESOLUÇÃO Nº 36/2002, DE 13 DE JUNHO DE 2002 Altera o Regulamento do Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia - Habilitação Formação do Psicólogo, na forma do Anexo. O REITOR DA UNIVERSIDADE REGIONAL

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 138/2009/CONEPE Aprova Normas Específicas do Trabalho de Conclusão

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES DO ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES DO ESTÁGIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Considerando o significado e a importância do Estágio como parte fundamental da formação profissional, define-se

Leia mais

3. Requisitos do coorientador estrangeiro (compreendido segundo regulamento CAPES como coorientador no exterior):

3. Requisitos do coorientador estrangeiro (compreendido segundo regulamento CAPES como coorientador no exterior): Edital para Candidaturas às Bolsas PPGH/UFF-PDSE/CAPES - 2017 EMENTA: Normatiza os procedimentos para inscrição e seleção de alunos do PPGH-UFF interessados na candidatura à Bolsa do Programa Institucional

Leia mais

CONSIDERANDO o parecer do Relator, Consº RUY BELÉM DE ARAUJO, ao analisar o processo nº /09-47;

CONSIDERANDO o parecer do Relator, Consº RUY BELÉM DE ARAUJO, ao analisar o processo nº /09-47; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 133/2010/CONEPE Aprova Normas Específicas do Estágio Curricular

Leia mais