PATRÍCIA DOS ANJOS BRAGA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PATRÍCIA DOS ANJOS BRAGA"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO CENTRO DE ANÁLISE, PESQUISA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR FUCAPI - CESF COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM AGENTE DE INOVAÇÃO E DIFUSÃO TECNOLÓGICA PATRÍCIA DOS ANJOS BRAGA DIAGNÓSTICO DA INTRODUÇÃO DE NOVAS TECNOLOGIAS NO AMBIENTE ACADÊMICO: ESTUDO DE CASO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO NO ESTADO DO AMAZONAS. MANAUS 2004

2 1 PATRÍCIA DOS ANJOS BRAGA DIAGNÓSTICO DA INTRODUÇÃO DE NOVAS TECNOLOGIAS NO AMBIENTE ACADÊMICO: ESTUDO DE CASO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO NO ESTADO DO AMAZONAS. Trabalho apresentado à Coordenação de Pós-Graduação do Instituto de Ensino Superior FUCAPI - CESF como requisito a especialização lato sensu em Agente de Inovação e Difusão Tecnológica. Orientadora: Cinthia Mendes, MSc. MANAUS 2004

3 2 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS RESUMO ABSTRACT INTRODUÇÃO OBJETIVOS JUSTIFICATIVA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA INTRODUÇÃO DE TECNOLOGIA NO AMBIENTE EDUCACIONAL DO BRASIL A Tecnologia no Ensino Superior TECNOLOGIA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Gestão Tecnológica Tecnologia da Informação GESTÃO ESTRATÉGICA Contextualizando a Gestão Estratégica Apresentação da Metodologia SWOT METODOLOGIA POPULAÇÃO E AMOSTRA COLETA DE DADOS TRATAMENTO DOS DADOS LIMITAÇÕES DO ESTUDO IDENTIFICAÇÃO DAS TECNOLOGIAS EMPREGADAS NA INSTITUIÇÃO APRESENTAÇÃO DA IES TECNOLOGIAS IDENTIFICADAS NA IES Tecnologias Aplicadas no Processo Didático Tecnologias Aplicadas no Processo Administrativo ANÁLISE SWOT DAS TECNOLOGIAS EMPREGADAS NA IES CONCLUSÃO CONCLUSÕES RECOMENDAÇÕES REFERÊNCIAS ANEXO... APÊNDICE

4 3 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Formulação da Estratégia SWOT... Figura 2 A Matriz SWOT... Figura 3 Equipamentos utilizados no processo didático... Figura 4 Aplicativos utilizados no processo didático... Figura 5 Equipamentos utilizados no processo administrativo... Figura 6 Aplicativos utilizados no processo administrativo... Figura 7 Quadro SWOT das tecnologias utilizadas na UEA Ambiente Interno.... Figura 8 Quadro SWOT das tecnologias utilizadas na UEA Ambiente Externo

5 4 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS C&T CNPq CPD EDUCOM FAAP IES MCT MEC NUTEC OCDE P&D PC PROFORMAR PRONTEL SWOT TI UEA UFAM Ciência e Tecnologia Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Central de Processamento de Dados Educação por Computador Fundação Armando Álvares Penteado Instituição de Ensino Superior Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Educação e Cultura Núcleo de Tecnologia Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico Pesquisa e Desenvolvimento Personal Computer (computador pessoal) Programa de Formação e Valorização de Professores Programa Nacional de Teleducação Strength, Weakness, Opportunities and Threats (forças, fraquezas, oportunidades e ameaças) Tecnologia da Informação Universidade do Estado do Amazonas Universidade Federal do Amazonas

6 5 RESUMO Este trabalho tem como objetivo geral realizar um diagnóstico sobre a introdução de novas tecnologias no âmbito da educação acadêmica, caracterizando-se como um trabalho exploratório descritivo, através de um estudo de caso de uma Instituição de Ensino Superior Público do Estado do Amazonas, a Universidade do Estado do Amazonas - UEA. A metodologia SWOT (Strength, Weakness, Opportunities and Threats forças, fraquezas, oportunidades e ameaças), foi utilizada para orientar a análise dos dados. Esta metodologia tem como pressuposto a análise do ambiente interno e externo da organização, com a finalidade de nortear o processo de tomada de decisões, fornecendo dados para elaboração de ações estratégicas que contribuam para empresa alcançar sua missão. Com base nesta metodologia foram elaborados quadros que representam os pontos fortes, pontos fracos, oportunidades e ameaças relacionadas às tecnologias identificadas na instituição pesquisada. Uma vez que o objetivo do trabalho limitava-se à realização de um diagnóstico sobre a introdução de novas tecnologias no ambiente acadêmico, a última etapa da técnica SWOT, que contempla a validação e definição de um plano de ações para a organização, não foi realizada. A partir dos dados levantados e nos resultados obtidos na matriz SWOT foram elaboradas conclusões que contribuirão para a discussão do tema, bem como um melhor conhecimento sobre a Instituição pesquisada. Por tratar-se de um estudo de caso, é importante destacar que as conclusões obtidas neste trabalho limitam-se à IES alvo da pesquisa, não devendose generalizá-las, ao ambiente do ensino superior público como um todo. Palavras-chave: gestão acadêmica, metodologia SWOT, gestão tecnológica, instituição de ensino superior.

7 6 ABSTRACT The main objective of this research is to accomplish a diagnosis about the introduction of new technologies in the academic education, being characterized as a descriptive exploratory work, through a case of a Institution of Public higher education of the State of Amazonas, the Universidade do Estado do Amazonas - UEA. The methodology SWOT (Strength, Weakness, Opportunities and Threats), was used to guide the analysis of the data. This methodology has as presupposition the analysis of the internal and external atmosphere of the organization, with the purpose of helpping the process of taking decisions, supplying data for elaboration of strategic actions that contribute to company to reach its mission. Based on this methodology pictures were elaborated to represent the Strength, Weakness, Opportunities and Threats related to the technologies identified in the researched institution. Once the objective of the work was limited to the accomplishment of a diagnosis about the introduction of new technologies in the academic atmosphere, the last stage of technical SWOT, that contemplates the validation and definition of a plan of actions for the organization, it was not accomplished. Starting from the lifted up data and in the results obtained in the head office SWOT there were elaborated conclusions that will contribute to the discussion of the theme, as well as a better knowledge about the researched Institution. For being a case, it is important to highlight that the conclusions obtained in this work are limited to the research organization, its conclusions must not be generalized to the atmosphere of the public higher education as a whole. Key words: academic administration, SWOT methodology, technological administration, higher education institution.

8 7 1. INTRODUÇÃO Nas últimas décadas do século XX, a sociedade tem sido testemunha de uma crescente evolução tecnológica, principalmente, com o desenvolvimento da microeletrônica e avanços na área das telecomunicações. Estes eventos resultaram em grandes modificações nos processos produtivos e relações de trabalho e poder, que culminaram no fim da era industrial e deram início a uma nova economia baseada na informação e no conhecimento. Desta forma, as pessoas e organizações depararam-se com mudanças radicais nos paradigmas vigentes e viram-se expostas à uma nova realidade na qual o volume de informações disponível é cada vez maior. Tais mudanças de paradigmas e a crescente necessidade de adaptação das pessoas e organizações à absorção e processamento de informações trouxeram, como conseqüências, variadas modificações nas relações de trabalho e, em virtude disso, o processo educativo também sofreu mudanças, no sentido de adaptar-se às novas necessidades de preparação do indivíduo para o mercado de trabalho e para a vida. Novas tecnologias foram introduzidas em diversos aspectos do cotidiano. No âmbito da educação vários aparatos tecnológicos foram desenvolvidos com o intuito de aproximar o ambiente acadêmico do indivíduo, como exemplo a educação à distância. Inicialmente, essa revolução no ambiente de ensino ocorreu com a utilização do rádio e televisão e, posteriormente, com o surgimento da Internet. Com efeito, essas tecnologias têm forte impacto sobre a estrutura do ensino, que necessita, assim como as demais áreas do conhecimento, acompanhar o acelerado processo de evolução tecnológica. Tais tecnologias, não vieram substituir o conhecimento tradicional. As mesmas são ferramentas que servem de suporte, quando bem aproveitadas, para melhorar o desempenho dos profissionais, fornecendo base para uma atuação mais satisfatória e meios para fazer a informação atingir a um número mais significativo de pessoas. Neste trabalho, apresenta-se uma pesquisa sobre o impacto das novas tecnologias sobre a estrutura do ensino superior público, através de um estudo de caso de uma instituição estadual. Desse segmento, foram identificados dados e realizada a organização dos mesmos. Tais dados foram utilizados para traçar um diagnóstico da instituição, fornecendo subsídios para uma melhor compreensão sobre o uso de novas tecnologias no ambiente acadêmico.

9 OBJETIVOS O objetivo geral deste trabalho é realizar um diagnóstico sobre a introdução de novas tecnologias no ambiente acadêmico, através de um estudo de caso de uma instituição de ensino superior público do Estado do Amazonas. Em termos específicos, apresentam-se os seguintes objetivos: identificar as tecnologias que foram introduzidas na instituição desde o início de suas atividades; investigar como as tecnologias estão sendo empregadas no ambiente do ensino superior público do Estado do Amazonas; estabelecer uma matriz SWOT das tecnologias identificadas como suporte à gestão acadêmica. 1.2 JUSTIFICATIVA A introdução de aparatos tecnológicos na vida cotidiana cresceu notoriamente nas últimas décadas. Em todas as áreas de atuação do ser humano foram desenvolvidas tecnologias para tornar possível um maior armazenamento de dados, precisão na execução de tarefas específicas e facilitar a comunicação. No ambiente educacional, especialmente no ensino superior, a introdução de recursos multimídia e a utilização da Internet, como ferramenta para educação à distância e para disponibilização de conteúdos, são alguns exemplos de modificações que ocorreram na forma de ensinar. Desta forma, torna-se relevante analisar como a educação está se adaptando a este processo de evolução tecnológica, fazendo-se necessário estudar que tecnologias foram introduzidas no ambiente do ensino superior público do Estado do Amazonas. A Instituição de Ensino Superior (IES) pública pesquisada iniciou suas atividades em 2001, apresentando uma proposta de ensino inovadora ao oferecer uma grande quantidade de vagas através de vestibular gratuito, além de elevado investimento em tecnologia aplicada no ambiente acadêmico da esfera pública. Por estes aspectos, a instituição pesquisada apresenta-se como um universo que oferece um grande potencial para o estudo do processo de introdução e difusão tecnológica aplicada à educação. E ainda, como contribuição, realiza-se um

10 9 estudo sobre uma instituição local, este, tão escasso e necessário, torna possível uma melhor compreensão sobre a realidade do ensino superior público no Estado do Amazonas. Portanto, sua contribuição teórico-prática está em incentivar a discussão sobre o tema, apresentando uma metodologia para suporte à gestão acadêmica. 1.3 ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Considerando-se o tema pesquisado e os objetivos a que o estudo se propõe, o trabalho foi estruturado em seis capítulos, permitindo assim, uma organização seqüencial dos assuntos. Para uma melhor compreensão deste trabalho, apresentase, a seguir, a forma como os temas estão distribuídos em cada capítulo. No primeiro capítulo encontra-se a introdução do trabalho. Neste, apresentase uma visão geral sobre o tema educação e desenvolvimento tecnológico, comentando-se, ainda, sobre a IES sujeito do estudo de caso. Ainda neste capítulo, encontram-se os objetivos e as justificativas do estudo, tornando possível, desta forma, compreender a contribuição de pesquisar o processo de introdução de inovação e difusão tecnológica no âmbito do ensino acadêmico. O segundo capítulo é dedicado à fundamentação teórica. Apresenta-se neste segmento, um histórico sobre a introdução de novas tecnologias na área educacional no Brasil, uma perspectiva sobre a utilização desses recursos no ensino superior, além de conceitos sobre tecnologia, inovação tecnológica, gestão tecnológica e tecnologia da informação que serão necessárias à compreensão do universo do gerenciamento de tecnologias. Ainda neste capítulo, descreve-se os principais aspectos da metodologia SWOT que será referencial para a análise dos pontos fortes e fracos dos recursos tecnológicos da instituição. O terceiro capítulo aborda a metodologia utilizada no estudo. Neste item, apresentam-se os métodos utilizados para a realização de cada etapa da pesquisa, definindo-se a população e amostra, no caso, a instituição de ensino superior público no Estado do Amazonas, descrevendo-se a forma de levantamento de dados, fontes da pesquisa e métodos utilizados para o tratamento e análise dos dados, bem como as limitações do estudo realizado. No decorrer do quarto capítulo apresenta-se a IES pesquisada e relacionamse as tecnologias utilizadas na instituição, classificadas em dois segmentos:

11 10 tecnologias aplicadas no processo didático e tecnologias aplicadas no processo administrativo. Aborda-se ao longo do quinto capítulo, a análise das tecnologias identificadas no capítulo anterior. Com base na metodologia SWOT são relacionados, em uma matriz, os pontos fortes e pontos fracos, e ainda, as oportunidades e ameaças relativas às tecnologias identificadas na IES. O sexto capítulo dedica-se à conclusão, onde apresentam-se os comentários finais acerca do resultado do estudo e as recomendações para trabalhos futuros.

12 11 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Neste capítulo apresenta-se o contexto da introdução de tecnologia no Brasil. A da abordagem dos momentos históricos e políticas mais relevantes que incentivaram a utilização e evolução da tecnologia no âmbito da educação no país, permite uma melhor compreensão do atual panorama de desenvolvimento tecnológico e sua relação com o ensino superior brasileiro. 2.1 INTRODUÇÃO DE TECNOLOGIA NO AMBIENTE EDUCACIONAL DO BRASIL Para compreender a relação entre educação e novas tecnologias e seu vínculo histórico-cultural apresenta-se aqui um breve conceito sobre ambas. Segundo Kawamura (1990, p.43): tecnologia compreende um conjunto de conhecimentos científicos avançados aplicados ao processo produtivo, (...) educação compreende o conjunto de instituições, processos formais de elaboração, organização de idéias valores e atitudes. Através destes conceitos, observa-se que ambas as áreas, a da tecnologia e da educação, dizem respeito ao conhecimento em função da sociedade, sendo relevante, portanto, compreender a relação entre elas. Historicamente, a posse do conhecimento permanece na classe dominante da sociedade, vindo desde o início dos tempos, uma separação entre o saber e o fazer, permanecendo a parte intelectual do trabalho nas classes dominantes e a tarefa a ser executada na classe menos favorecidas. Ainda de acordo com Kawamura (1990), no Brasil, o esforço pela industrialização remonta aos anos trinta, e se consolida após 1964, com o processo de internacionalização do mercado interno, da cultura e da política, principalmente com a chegada das multinacionais, com seus equipamentos e aparelhos sofisticados. Durante esta fase ocorre uma reorientação da economia e surgem as exigências de trabalho com modernos aparatos tecnológicos. A crescente instalação de empresas estrangeiras no país, desde o governo de Jucelino Kubitschek, determinou o predomínio das grandes organizações industriais. A partir de 1964 as políticas continuaram orientadas para a consolidação desta situação, entretanto, o Estado começa a preocupar-se com a necessidade de trabalhadores operadores dos complexos tecnológicos e não geradores de ciência e tecnologia, pois isso já

13 12 existia no pais de origem do capital. O que se queria era atividade de adaptação da tecnologia estrangeira às condições locais. Esta visão fazia parte de uma concepção economicista da educação, onde o homem é considerado como parte do capital. Entre o fim da década de sessenta e início da década de setenta, como descreve Kawamura (1990), o Brasil vivia uma fase de excepcional crescimento econômico conhecida como o Milagre Brasileiro, que teve na indústria a automobilística o seu carro-chefe. Em seis anos de milagre (de 1967 a 1973), a produção de veículos mais que triplicou, subindo de 225 mil para 709 mil unidades. Assistiu-se também à explosão da indústria eletroeletrônica e, com ela, o aumento da produção e do consumo de aparelhos eletrônicos, sobretudo do televisor. No que se referia ao processamento de dados, entretanto, o país era dependente da tecnologia produzida em outros países. Neste cenário, os setores nacionalistas das forças armadas uniram-se às universidades brasileiras para desenvolver tecnologia, motivados, principalmente, pelo interesse do meio acadêmico em pesquisas. Foi nesse contexto que começaram a surgir as primeiras iniciativas de informatização na esfera governamental. De fato, para implementar mudanças significativas em negócios deve-se atuar de forma coordenada sobre as variáveis que influenciam os processos empresariais, a saber: informação, tecnologia, organização, pessoas, materiais e infra-estrutura. Na direção oposta ao processo modernizador, aumentam as contradições sociais, fome, doenças, analfabetismo, etc. Levando à questão sobre a relação entre inserção de tecnologia e o processo de exclusão. Tal discussão começa a ocorrer, pois a automação industrial acaba influenciando na extinção de vários postos de trabalho, levando a um aumento no desemprego no país e aumentando a necessidade de programas de qualificação de mão-de-obra. Além disso, assim como nos dias atuais, os aparatos tecnológicos têm elevado custo e são, em sua maioria, inacessíveis à grande parcela da população. Neste contexto, observa-se a inserção de novas tecnologias e atividades cujo acesso restringe-se a determinadas camadas da população em detrimento de outras, consolidando assim seu papel como fator de exclusão social. Desse modo, Kawamura (1990, p.52 ) afirma: Entender a situação das novas tecnologias na educação, significa observar o modo como estão sendo inseridas no aparato escolar, órgãos

14 13 educacionais e meios formais e informais de educação (...) significa buscar entender os vínculos entre a inserção delas no processo produtivo, o caráter que assumem e suas implicações na sociedade. (...) a ciência e tecnologia hoje assumiram o papel de verdadeiras forças produtivas, sem as quais as quais o crescimento econômico dentro do capitalismo não poderiam ser mantidas (...) ao mesmo tempo que ela proporciona tal crescimento econômico, ela encontra uma nova forma de legitimação. Ainda no mesmo período, fortes pressões populares levaram ao surgimento de campanhas ligadas à educação popular, momento em que se começou a buscar novas alternativas em face das propostas tradicionais de ensino, a fim de beneficiar grandes camadas da população, neste momento ocorre uma articulação de vários setores da sociedade no sentido de reorientar este processo de modo a amenizar as contradições sociais. O lema do governo agora é educação para todos. Meios de comunicação em massa, como a televisão e rádio, se apresentam como alternativas importantes para alcançar esse objetivo. Contudo, Em face da rapidez nas mudanças no processo de trabalho frente às inovações tecnológicas, a qualificação encontra limites estruturais no sistema educacional brasileiro. De acordo com Lima (2003), o PRONTEL (Programa Nacional de Teleeducação) criado em 1972, demonstra que mesmo antes da explosão da era da informática no Brasil, já eram trabalhadas novas tecnologias em benefício da grande massa, desmistificando assim o conceito de que os avanços tecnológicos apenas agravavam o processo de exclusão social. Sua missão era integrar atividades didáticas e educativas empregando rádio televisão e outros meios de comunicação na política nacional de educação. Conforme Nevado (2003) no campo da tecnologia, a década de setenta foi marcada pelas discussões sobre o desenvolvimento da informática - à época conhecida como Processamento de Dados, e o seu caráter estratégico para as empresas, porque eram as empresas que constituíam o principal, senão o único, público consumidor de computadores. Vale lembrar que o computador pessoal (PC) só seria lançado em Dez anos antes, a expressão micro não correspondia nem ao tamanho de um computador, nem ao seu preço. Ainda de acordo com Nevado (2003) no início da década de oitenta o governo explicita o seu interesse na relação entre novas tecnologias e educação, tendo sido realizado em 1982, o I Seminário de Informática na Educação, promovido pelo MEC (Ministério da Educação e cultura) e CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico). A expansão da indústria cultural, a presença de novas

15 14 tecnologias e importação de modelos pedagógicos colocaram nos debates as propostas de tecnologias educacionais. Ainda na década de oitenta, organiza-se a política nacional de informática, onde o uso de computadores foi proposto nas escolas. Foi lançado o EDUCOM (Educação por Computador Projeto Brasileiro de Informática na Educação). A tecnologia de sala de aula, antes intocável, passou a ser comparada com outras alternativas que foram testadas como substitutos ou complementos do processo de instrução. Neste início de século, a realidade é de grandes mudanças e adaptações. Após a era industrial começa a ocorrer um processo de modificação de paradigmas produtivos e econômicos, era onde a ênfase está na informação, conhecimento, serviços e tecnologias. Segundo Maria Aranha (1996, p.12): (...) é preciso detectar com urgência os sintomas do mundo que emerge, o que não é fácil, considerando que, mergulhados neste turbilhão, nem sempre temos clareza para compreender a mudança (...) no âmbito dos negócios foi desencadeada a globalização da economia, profundas modificações do trabalho e, consequentemente na educação (...) o mundo pós-industrial se distancia da rigidez do Taylorismo/Fordismo, pois as atividades mecânicas e repetitivas vão se tornando função das máquinas, levando à exigência de um trabalhador polivalente, de maior capacidade intelectual e criativa e adaptação rápida às mudanças. Partindo deste contexto histórico da educação e novas tecnologias no Brasil, é de grande relevância pensar sobre os passos que deverão ser tomados na educação para o terceiro milênio. Torna-se necessária a melhor compreensão das formas utilização da tecnologia, no sentido de utilizá-la para aprimorar a difusão de conhecimento A Tecnologia no Ensino Superior O crescimento dos conhecimentos científicos e técnicos tornaram-se cada vez mais ágeis, até o meio empresarial vem se preocupando com a qualificação educacional dos seus funcionários, devido a mudanças no contexto sócioeconômico. O conhecimento tem se mostrado uma importante alavanca econômica e de rápida expansão. Assim, para sobrevivência no mercado, as empresas necessitam acompanhar as mudanças, investindo nos recursos humanos, no

16 15 desenvolvimento e capacitação de seu pessoal, utilizando-se para isso, novos mecanismos tecnológicos como ferramentas para educação. Diante destes fatores, especialmente o ensino superior enfrenta desafios ainda maiores que outros setores do ensino, uma vez que cabe a ele a preparação da dos indivíduos para atuarem nas diferentes áreas do conhecimento, além de responsável pela formação da massa intelectual e produção científica do país. A informação tem dominado o mundo e seus processos e a universidade não pode distanciar-se desta realidade. Alguns processos aos que os docentes do ensino superior estavam habituados, muitas vezes tornam-se ultrapassados ou desapareceram. Dentre os avanços tecnológicos mais significativos introduzidos nos últimos anos, destaca-se o desenvolvimento de programas no ensino à distância, online, onde através dos computadores, ocorre uma comunicação do professor com o aluno, as classes virtuais formam cada vez mais alunos no ensino não presencial. De acordo com Papadopoulos (2003, s.p.): A tecnologia já tem um enorme impacto ao permitir a formação de comunidades de pesquisa distribuídas, isto alterará fundamentalmente a educação. Até recentemente, os pesquisadores de Universidades interagiam principalmente com pesquisadores do corpo docente e discente. Certamente, eles freqüentam as conferências para se manterem em contato com seus pares - mas o trabalho diário era realizado dentro da Universidade. No entanto, a Internet permitiu colaborar com pesquisadores que compartilham a mesma opinião em qualquer lugar do mundo. Projetos científicos internacionais de porte ficaram mais fáceis de gerenciar. O perfil do aluno também muda dentro desta realidade, ao invés do ensino da memorização da informação, os estudantes devem ser ensinados a busca e ao uso devido da mesma. É provável que a Tecnologia da Informação modifique a forma de realizar a pesquisa na universidade, transformando sua forma de organização e financiamento, e também o conteúdo da instrução. Greves, sucateamento de laboratórios, aumento no número de instituições privadas e cursos superiores aquém das condições mínimas de funcionamento, são fatores que resultam no aumento de matrículas no ensino privado três vezes superior ao ensino público. Os poucos recursos que foram destinados para produção de C&T (Ciência e Tecnologia) nas Universidades foram provenientes dos fundos setoriais e estes alocados no MCT (Ministério de Ci6encia e tecnologia). O CNPq, que é subordinado ao MEC, durante a última década, sofreu os maiores cortes de orçamento desde sua fundação.

17 16 Segundo Sampaio (2000), no período de 1920 a 1980, as universidades publicas predominam no ensino acadêmico, após esta data, cresce expressivamente a quantidade de instituições de ensino superior privado, fato este que se deve basicamente a dois fatores: a existência da demanda reprimida (os excedentes do sistema público e provenientes do aumento da taxa de conclusão do segundo grau; e a opção do setor público para a criação de universidades que aliassem o ensino à pesquisa, o que implicou no aumento progressivo do custo do ensino público, limitando-lhe a expansão e abrindo, ao setor privado a chance de atender à demanda que o Estado não conseguia absorver. De acordo com Tachizawa (2001), as organizações, entre elas as instituições de ensino superior IES, não podem mais sentir-se excessivamente seguras com as posições e fatias de mercado conquistadas, uma vez que a concorrência pode surgir de forma inesperada a qualquer momento, ou seja, empresas que não são de um mesmo ramo de atividades podem começar a oferecer serviços que indiretamente podem atingir e enfraquecer o seu negócio. Para as IES que estão encarando este tipo de problema, a melhoria da qualidade do processo ensinoaprendizagem e outros fatores como diminuição de custos operacionais representam questões de grande importância para sua sobrevivência. De uma maneira geral, no âmbito do ensino superior público em comparação ao privado, no que diz respeito a adaptação à evolução tecnológica, ainda existem muitos obstáculos a serem vencidos para que se chegue a um patamar ideal. Uma das maiores barreiras existentes é, sem dúvida, a questão política. 2.2 TECNOLOGIA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Para melhor compreensão do contexto da evolução tecnológica é importante familiarizar-se com conceitos relacionados a esta temática e que surgirão ao longo do estudo. Segundo Sáenz e García (2002, p.47) Tecnologia é o conjunto de conhecimentos científicos e empíricos, de habilidades, experiências e organização requeridos para produzir, distribuir, comercializar e utilizar bens e serviços. Inclui tanto conhecimentos práticos, físicos, know how, métodos e procedimentos produtivos, gerenciais e organizacionais, entre outros.

18 17 Os conhecimentos científicos diferem dos tecnológicos por serem mais complexos, surgindo de observações e análises que oferecem conceitos sobre fenômenos. Já os conhecimentos tecnológicos são relativos a procedimentos que permitem o alcance de objetivos práticos. As tecnologias podem ser consideradas como integradas por um conjunto de outras tecnologias, as quais, por sua vez, são tecnologias em si mesmas. A este conjunto se denomina pacote tecnológico. Para Sáenz e García (2002, p.49) pacote tecnológico:... é um conjunto de tecnologias, integradas ou encadeadas sistematicamente à tecnologia principal, sem as quais a inovação se dificultaria grandemente ou não se produziria. Este conceito modifica o critério de considerar as tecnologias como produtos isolados, uma nova tecnologia para ser bem empregada tem que inserir-se eficazmente em um conjunto bem mais amplo de tecnologias que já estão em uso na sociedade. As tecnologias são bens perecíveis, após algum tempo ficam obsoletas e desaparecem. Este ciclo ocorre devido a fatores como: diminuição na novidade do produto e aparecimento de novas tecnologias, mudança no preço dos insumos que fazem parte da produção, a restrição do tempo de proteção das patentes, entre outros. Por esta razão toda tecnologia possui um ciclo de vida que invariavelmente chega à crise, com variações é claro no tempo deste ciclo. O Manual Frascati (OCDE - Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) apud Sáenz e García (2002) considera inovação tecnológica como: A transformação de uma idéia em produto novo ou melhorado que se introduz no mercado, ou em novos sistemas de produção, e em sua difusão, comercialização e utilização. Entende-se também por inovação tecnológica, a melhoria substancial de produtos ou processos já existentes. A inovação tecnológica afeta um ou vários setores da economia, pois como observado no conceito acima, só se concretiza dentro do mercado, por vezes as mudanças trazidas por ela podem chegar a afetar até a economia como um todo, como foi o caso do advento da informática. A inovação combina necessidades sociais e demandas do mercado como meios científicos e tecnológicos para tentar resolvê-las.

19 18 De acordo com Sáenz e García (2002), classificam-se as inovações em: a) Inovações básicas ou radicais: originam mudança histórica no modo de fazer as coisas, baseando-se em um conceito totalmente novo em relação ao que estava vigente, abrindo novos mercados, campos de atividade e comportamento. Exemplo: a substituição das válvulas por transistores nos circuitos eletrônicos. b) Inovações incrementais ou de melhorias: São aquelas que trazem uma melhoria a uma tecnologia já existente. Exemplo: O aperfeiçoamento dos transistores nos circuitos eletrônicos. c) Inovações menores: Apresentam pequenas melhorias em algo já existente, mas não trazem alterações significativas em nível tecnológico. Exemplo: novo design de um produto, mudança na cor e forma de um objeto, formatos organizacionais simples para incrementar serviços já oferecidos. As inovações podem ser classificadas de acordo com a forma como surgiram: a) Empurradas pela ciência (science pushed): geralmente são as radicais, originam-se de novos conhecimentos obtidos em pesquisas, que permitem identificar novas soluções para necessidades existentes, é de caráter ofertista. Geralmente produzem grande saltos qualitativos no patamar tecnológico. b) Puxadas pela demanda: geralmente são as inovações incrementais e as menores, neste caso as inovações surgem de um necessidade social ou produtiva, explícita e vinculada a um demanda que urge por uma solução. Ainda conforme Sáenz e García (2002), as tecnologias podem também ser classificadas segundo a fase ou momento em que são aplicadas: a) Tecnologia de produto: normas e especificações relativas à composição, configuração, propriedades ou desenho mecânico, assim como dos requisitos de qualidade de um bem e serviço; b) Tecnologia de processo: condições, procedimentos e detalhes necessários para combinar insumos e meios básicos para a produção de um bem ou

20 19 serviço; inclui manuais de processos, de planta, de manutenção, de controle de qualidade, balanços de matéria e energia, entre outros; c) Tecnologia de distribuição: normas, procedimentos e especificações sobre condições de embalagem, armazenamento, transporte e comercialização. d) Tecnologia de consumo: instruções sobre forma ou processo de utilização de um bem ou serviço, visando a compatibilidade entre requisitos próprios do produto e os hábitos e tradições dos usuários, entre outros fatores; e) Tecnologia de gerência ou gestão: normas e procedimentos sobre as formas específicas de dirigir uma atividade empresarial, incluindo, entre outros, os processos de inovação tecnológica, o processo de produção, distribuição e comercialização de um bem ou serviço, a organização da força de trabalho e procedimentos administrativos. Através desta classificação é possível identificar e destacar a fase específica em que a tecnologia está sendo aplicada, Gestão Tecnológica O termo gestão tecnológica surgiu há vários anos na literatura iberoamericana, suas definições são muito variadas, contudo a palavra gestão tem sido freqüentemente usada como sinônimo de do termo gerência, ou seja, ação de direção de processos complexos para o desenvolvimento eficiente dos mesmos. p. 120): Para este trabalho adotaremos o seguinte conceito de Sáenz e García (2002, A Gestão tecnológica é a gerência sistemática de todas as atividades no interior da empresa com relação à geração, aquisição, início da produção, aperfeiçoamento, assimilação e das tecnologias requeridas pela empresa, incluindo a cooperação e alianças com outras instituições; abrange também o desenho, promoção e administração de práticas e ferramentas para captação e produção de informações que permitam melhoria continuada e sistemática da qualidade e produtividade Em resumo, Gestão tecnológica é a utilização de técnicas gerenciais a fim de que a variável tecnológica seja utilizada no máximo de sua potencialidade como apoio aos objetivos da organização. Em sua teoria e prática se entrelaçam

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 3.544 de 13 de dezembro de 2002, publicada no DOU em 16 de dezembro de 2002. Diretor da Faculdade: José Carlos

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC BLUMENAU

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC BLUMENAU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC BLUMENAU PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 1.325 de 18 de maio de 2004, publicada no DOU em 20 de maio de 2004. Diretor da Faculdade: Elita Grosch Maba Diretor

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA 01. Partindo do princípio de que a estratégia é a definição do melhor futuro para a sua equipe ou organização, o mapeamento da rota para alcançá-lo e a sua clara comunicação,

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 010/2006

RESOLUÇÃO Nº 010/2006 Confere com o original RESOLUÇÃO Nº 010/2006 CRIA o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu de Educação Ambiental, em nível de Especialização. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS e PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Tecnologia e Inovação

Tecnologia e Inovação Painel 1 Tecnologia e Inovação Tadeu Pissinati Sant Anna Rio de Janeiro, 24 de agosto de 2010 Sumário I. Conceitos de Tecnologia e Inovação II. A inovação tecnológica no Brasil I. Conceitos 1) Tecnologia

Leia mais

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA W.L.MOURA 1 ; L.FILIPETTO 2 ; C.SOAVE 3 RESUMO O assunto sobre inovação

Leia mais

Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 2012 2015 Controle de Revisão Ver. Natureza Data Elaborador Revisor

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS 1 PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS Porto Alegre RS Março 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Disciplina: Recursos e Tecnologia Prof.: Sidney

Disciplina: Recursos e Tecnologia Prof.: Sidney Disciplina: Recursos e Tecnologia Prof.: Sidney 1 A inovação pode ocorrer em diferentes modalidades: A introdução de novos produtos ou de melhorias substanciais em produtos existentes na produção de bens

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Certificação Profissional na Construção Civil por Competências

Certificação Profissional na Construção Civil por Competências Extraído da Dissertação de Mestrado em Habitação de autoria de Orivaldo Predolin Júnior 2005, Predolin, O.J. A partir da idéia de que, para a melhoria da qualidade do produto final da construção civil

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1

PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1 PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1 Elaine Turk Faria 1 O site do Ministério de Educação (MEC) informa quantas instituições já estão credenciadas para a Educação

Leia mais

Processo de Planejamento Estratégico

Processo de Planejamento Estratégico Processo de Planejamento Estratégico conduzimos o nosso negócio? Onde estamos? Definição do do Negócio Missão Visão Análise do do Ambiente Externo e Interno Onde queremos Chegar? poderemos chegar lá? saberemos

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada Wesley Antônio Gonçalves 1 RESUMO O MEC, ao apontar padrões de qualidade da função de coordenador de

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Resumo 1 Discente do Curso de Serviço Social da Faculdade Novos Horizontes MG 2 Discente do Curso de Serviço

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO 18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO Autor(es) ALINE MOREIRA Orientador(es) ARSÊNIO FIRMINO DE NOVAES NETTO Apoio

Leia mais

O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Missão Capacitar Administradores, propiciando uma base técnico-científica que lhes permita um aprendizado hábil a absorver, processar e adequar informações

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

Inteligência Competitiva

Inteligência Competitiva Inteligência Competitiva Prof. Patricia Silva psilva@univercidade.br Aula 6 Objetivos da aula 6 n Análise SWOT n Bibliografia: Estratégia de Marketing O C. Ferrell Cap. 4 Strenghts (forças), Weaknesses

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico.

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Resumo A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Edwin Aldrin Januário da Silva (UFRN) aldrin@sebraern.com.br Neste trabalho, iremos descrever sinteticamente o modelo de Porte sobre

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO NÚCLEO DE PÓS - GRADUAÇÃO NPGA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL AVANÇADA - CPA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática Rosangela Ferreira Prestes Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões DECET 1 / GEMEP

Leia mais

SISTEMAS DE SUGESTÕES: uma estratégia de gestão empresarial

SISTEMAS DE SUGESTÕES: uma estratégia de gestão empresarial SISTEMAS DE SUGESTÕES: uma estratégia de gestão empresarial Rosângela de Fátima Stankowitz Penteado-(UTFPR) zanza2007@gmail.com João Luiz Kovaleski - (UTFPR) kovaleski@utfpr.edu.br Resumo: O presente trabalho

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

Gestão do Conhecimento Case Documentar

Gestão do Conhecimento Case Documentar Gestão do Conhecimento Case Documentar GESTÃO DO CONHECIMENTO CASE DOCUMENTAR Empresa: Documentar Tecnologia e Informação Localização: R. Barão de Macaúbas 460 20º Andar Santo Antônio BH/MG Segmento: Tecnologia,

Leia mais

INT VIDEO INSTITUCIONAL

INT VIDEO INSTITUCIONAL INT VIDEO INSTITUCIONAL Carlos Alberto Teixeira 16 de Fevereiro de 2011 Investimentos e Incentivos Fiscais - Projetos de Inovação em Ciência e Tecnologia Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

Figura 1 - Processo de transformação de dados em informação. Fonte: (STAIR e REYNOLDS, 2008, p. 6, adaptado).

Figura 1 - Processo de transformação de dados em informação. Fonte: (STAIR e REYNOLDS, 2008, p. 6, adaptado). Tecnologia da Informação (TI) A tecnologia é o meio, o modo pelo qual os dados são transformados e organizados para a sua utilização (LAUDON; LAUDON, 1999). Os dados podem ser considerados como fatos básicos,

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior CONAES Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva

A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva Sandely Fernandes de Araújo (UFRN) sandely.araujo@pep.ufrn.br Anatália Saraiva Martins Ramos (UFRN) anatalia@pep.ufrn.br Resumo

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

CBA PERFIL DO ALUNO. Certification in Business Administration

CBA PERFIL DO ALUNO. Certification in Business Administration CBA Pós - Graduação QUEM SOMOS PARA PESSOAS QUE TÊM COMO OBJETIVO DE VIDA ATUAR LOCAL E GLOBALMENTE, SER EMPREENDEDORAS, CONECTADAS E BEM POSICIONADAS NO MERCADO, PROPORCIONAMOS UMA FORMAÇÃO DE EXCELÊNCIA,

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: Grupo Gestor. Organização Para Cópias

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: Grupo Gestor. Organização Para Cópias Referência: CPA-002-2006 Versão: 2.0 Status: Ativo Data: 24/maio/2006 Natureza: Aberto Número de páginas: 26 Origem: Revisado por: Aprovado por: GEOPI Grupo Gestor xxx Título: Orientações gerais aos Grupos

Leia mais

Sistema de Gestão pela Qualidade Total. Administração por Políticas Planejamento Estratégico

Sistema de Gestão pela Qualidade Total. Administração por Políticas Planejamento Estratégico Sistema de Gestão pela Qualidade Total Administração por Políticas Planejamento Estratégico Márcia Elisa Garcia de Grandi megrandi@usp.br Rosa Maria Fischi rmfzani@usp.br Políticas As Políticas são as

Leia mais

FATEGÍDIO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

FATEGÍDIO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FATEGÍDIO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL T. OTONI, DEZEMBRO DE 2010 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 4 2 METODOLOGIA DA PESQUISA... 9 3 FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO...12 4 CONCLUSÃO...

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

2- Planejamento Estratégico Empresarial e de Negócios

2- Planejamento Estratégico Empresarial e de Negócios SERVIÇOS 1- Diagóstico Corporativo Processo voltado à identificação e avaliação dos pontos fortes e fracos da empresa, obtidos através de entrevista dirigida de seus colaboradores internos, em todos os

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração Formulário de Roteiro do Diagnóstico Organizacional Seqüência das partes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior- Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 5 Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04 ESTUDO DE CASO A construção do BSC na ESPM do Rio de Janeiro Alexandre Mathias Diretor da ESPM do Rio de Janeiro INDICE Introdução 02 A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03 A Definição do Negócio 03 Imagem

Leia mais

Planejamento Estratégico em Unidades de Informação. Profa. Dra. Maria do Rocio F. Teixeira UFRGS/FABICO/DCI Gramado, 2012 XVII SNBU

Planejamento Estratégico em Unidades de Informação. Profa. Dra. Maria do Rocio F. Teixeira UFRGS/FABICO/DCI Gramado, 2012 XVII SNBU Planejamento Estratégico em Unidades de Informação Profa. Dra. Maria do Rocio F. Teixeira UFRGS/FABICO/DCI Gramado, 2012 XVII SNBU No atual ambiente social em que as bibliotecas ou serviços de informação

Leia mais