III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE"

Transcrição

1 III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE 1- Introdução Delminda Moura Universidade do Algarve e DPGA Zonas costeiras ou litorais, são zonas de interface entre as zonas continentais emersas e o oceano. Como tal, são actuadas simultaneamente pelos processos marinhos e pelos processos continentais o que lhes confere uma fragilidade particular. Os litorais podem dividir-se em litorais de acreção (p. ex., praias, sistemas de ilhas-barreira) e litorais de erosão - os litorais de arribas também designados litorais rochosos, como o que observaremos ao longo da presente visita de estudo. As paisagens litorais rochosas são, em parte, consequência de acontecimentos muito antigos que determinaram o tipo de suporte físico da zona costeira. As rochas expostas têm sido actuadas ao longo do tempo pelos processos da dinâmica externa, cuja intensidade depende do clima e da resistência mecânica e química do substrato. Incluem-se nos processos físicos da geodinâmica externa actuando nas zonas costeiras, a erosão hídrica, os movimentos de massa, a abrasão marinha e a haloclastia. Os processos químicos que mais contribuem para evolução dos litorais rochosos são a dissolução e a hidratação. Os organismos bentónicos que se fixam às rochas ou nelas desenvolvem a sua actividade, quer em profundidade, quer na superfície, têm um importante papel na evolução dos litorais, contribuindo para a meteorização química e física das rochas. Obviamente, o Homem e as suas diversas actividades são elementos que cada vez mais intervêm na evolução das zonas costeiras. Ainda, os movimentos crustais contribuem para a evolução dos extremamente complexos e frágeis ambientes litorais. Esta observação é particularmente pertinente no sector litoral visitado, onde, a combinação entre falhas e rochas mais resistentes são responsáveis por alguns dos aspectos morfológicos mais conspícuos. Podemos agrupar os mecanismos responsáveis pelo modelado e evolução das paisagens litorais em 6 classes conforme esquematizadas na figura 1. As rochas expostas no sector litoral que observaremos do mar ao longo da visita de estudo, expõe, de oeste para leste, rochas do, do Cretácico e do Miocénico. Se os ambientes geológicos deste passado longínquo tivessem sido diferentes, diferente seria também esta paisagem litoral.

2 Processos marinhos Processos continentais ondas marés correntes Processos físicos chuva vento água subterrânea Processos químicos Efeito martelo Dureza da rocha abrasão Processos inerentes ao substrato rochoso estratificação Litoral rochoso falhas e diaclases TEMPO Figura 1- Esquema dos mecanismos actuantes nos litorais rochosos haloclastia Processos biológicos protecção Processos Antrópicos erosão Variações do nível médio do mar Clima 2- Litoral entre Cabo de S. Vicente e Praia a Figueira O sector litoral entre o Cabo de S. Vicente e a Praia da Figueira é um litoral de arribas talhadas em rochas do, variando entre (das mais resistentes para as menos resistentes) dolomitos, calcários dolomíticos, calcários, calcários margosos, e margas (Figuras 2 e 3). Relativamente abrigadas das ondas predominantes de WSW (232º) pelas pontas (pequenos cabos avançados ao mar) surgem as enseadas com praias arenosas geralmente associadas à desembocadura de ribeiras (p.ex., Enseadas de Sagres e do Martinhal). As pontas, cabos e penínsulas correspondem às rochas mais resistentes ao ataque das ondas. Na Enseada da Baleeira, frente à Praia do Martinhal, os pequenos ilhotes e leixões desconectados do continente devido à acção marinha, são testemunhos do recuo da linha de costa ao longo do tempo. As falhas desempenham, neste sector litoral, um papel importante na definição deste jogo de pontas e baías. Na figura 3 está representada a coluna litostratigráfica correspondente a este sector litoral. Os dolomitos e os calcários dolomíticos de Espiche, com pelo menos 60m de espessura, são muito resistentes gerando relevos de dureza como é o caso do Cabo de S. Vicente. A dolomitização é secundária, precoce na zona do Cabo de S. Vicente e mais tardia na região mais a norte na zona de Vila do Bispo, neste último caso relacionada com a fracturação associada à instalação do Maciço de Monchique.

3 P Ponta Ruiva Praia da Figueira Cabo de S. Vicente Praia do telheiro Enseada do Belixe 3 Enseada da Baleeirea Ponta da Atalaia Praia da Mareta Ponta de Sagres Foz do Benaçoitão Ponta da Torre Direcção predominante das ondas Figura 2- Imagem satélite (GoogleEarth) de parte das zonas costeiras W e E do Algarve. P- Série turbidítica do Paleozóico; Inferior: 1-Dolomitos e calcários dolomíticos de Espiche; 2- Calcários, calcários dolomíticos com nódulos de sílex e calcários margosos; Médio: 3- Calcários oolíticos e corálicos e margas da Praia da Mareta; Superior: - Dolomitos, calcários e calcários margosos. Os calcários dolomíticos com nódulos de sílex do Beliche com 50 a 55m de espessura contêm entre outros fósseis as amonites Platypleuroceras sp., Metaderoceras sp. e Metaderoceras venarense, importantes para a posição cronostratigráfica desta unidade (Carixiano Inferior). A fauna das unidades litológicas atribuídas ao Inferior (Figuras 2 e 3) nesta região, de características mediterrânicas, expressa o facto de o mar epicontinental do sul da Meseta Ibérica não ter comunicação facilitada com o oceano a norte do rio Tejo. Este cenário com fauna mesogeana e boreal respectivamente a sul e a norte do rio Tejo manteve-se até ao Domeriano Inferior ( Médio). A Mesogea faz parte do domínio Tetis (actual Mediterrâneo).

4 Unidades litostratigráficas Cronostratigrafia Paleoambiente 7 6 Dolomitos de Sagres Calcários margosos e calcários compactos do Tonel Superior Desenvolvimento de uma barreira recifal separando dois domínios distintos: (1) lagunar a N da flexura Sagres- Querença, (2) transrecifal a S dessa flexura * 5 Calcários oolíticos e corálicos de Almadena e margas com Zoophycos da Mareta Calcários margosos e margas de Armação Nova Médio As amonites entram na bacia algarvia. Sedimentação francamente marinha. Abertura da comunicação entre as províncias mesogeana e boreal 3 2 Calcários cristalinos do Belixe Calcários dolomíticos do Belixe com nódulos de sílex Inferior Plataforma continental relativamente restrita com aumento progressivo da influência marinha na passagem para o Médio. Sem fauna de cefalópodes. Ausência de comunicação do domínio mesogeano com o domínio boreal a norte do Tejo Dolomitos e calcários dolomíticos de Espiche Figura 3- Coluna litostratigráfica simplificada do na orla meridional ocidental do Algarve. * A flexura E-W Sagres Querença, está relacionada com movimentos distensivos resultantes do afastamento dos continentes Europeu e Africano. 1 No médio, onde é presentemente a região de Sagres, um recife de corais separava uma zona de águas mais calmas- laguna de recife do oceano aberto com fauna pelágica, domínio oceânico esse que se prolongava até Loulé. As frequentes transgressões facilitaram a migração da fauna ao longo da plataforma continental e em consequência, diluiu-se a nítida separação entre fauna mesogeana e boreal. 3- Litoral Praia a Figueira e Porto de Mós O sector litoral entre as praias da Figueira e de Porto de Mós, expõe margas, arenitos, calcários e calcários margosos do Cretácico Inferior. Uma ampla regressão marcou a passagem do para o Cretácico, sendo as formações deste último período de carácter mais detrítico que as do

5 . Várias outras transgressões ocorreram ao longo do Cretácico separadas por períodos regressivos, pelo que, os ambientes sedimentares alternaram entre ambientes de plataforma continental com deposição de margas e calcários e meios muito litorais e mesmo pantanosos com formação de arenitos e argilitos. Os últimos depósitos sedimentares do Cretácico conhecidos no Algarve, são atribuídos ao Cenomaniano (base do Superior). Na Ponta das Ferrarias está exposto um aparelho vulcânico cuja instalação é contemporânea da do maciço de Monchique (85Ma) e que se relaciona com a rotação da Ibéria e a abertura do Golfo da Biscaia e/ou com uma das fases de abertura do Oceano Atlântico. - Litoral entre Porto de Mós e Lagos Desde Porto de Mós até Olhos de Água, o substrato físico do litoral é principalmente a Formação Carbonatada de Lagos-Portimão. Esta, é composta por camadas horizontais ou de inclinação suave (até 10º) de biocalcarenitos depositadas em discordância angular sobre as unidades cretácicas, a partir do Miocénico Médio. Na praia de Porto de Mós, pode observar-se o contacto entre as camadas do Cretácico e do Miocénico, que, é nesta região feito através de falha. Durante o Miocénico, o Algarve encontrava-se a latidude próxima dos 30º N, pelo que o clima era bem mais quente que o presente. Este facto está bem expresso na fauna fóssil contida nos sedimentos depositados no Algarve durante o Miocénico. Sendo as rochas do Miocénico relativamente brandas e as camadas horizontais a sub-horizontais, a morfologia litoral traduz estas características do suporte físico. A linha de costa é muito recortada sucedendo-se as baías e as praias encastradas às pontas mais salientes que as abrigam do ataque directo das ondas predominantes de WSW. O desenvolvimento de arcos e de grutas marinhas é favorecido pela ocorrência de fracturas que diminuem a resistência mecânica das rochas. Bibliografia -Moura, D., Albardeiro, L., Veiga-Pires, C., Tigano, E. (2006). Morphological features and processes in the central Algarve rocky coast (South Portugal). Geomorphology, 81, Pais, J.J.C., O Miocénico do litoral sul português. Ensaio de síntese, Universidade Nova de Lisboa, 7p. -Ramalho, M.M., milhões de anos de história do Algarve. Anais do Município de Faro, XVII, 57p. -Rocha, R.B., Estudo estratigráfico e paleontológico do do Algarve Ocidental. Universidade Nova de Lisboa (Ed.), 178p. -Terrinha, P.A.G., Structural Geology and tectonic evolution of the Algarve Basin, South Portugal. PhD thesis, University of London, 30p.

SISTEMA AQUÍFERO: COVÕES (M1)

SISTEMA AQUÍFERO: COVÕES (M1) SISTEMA AQUÍFERO: COVÕES (M1) Figura M1.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Covões Sistema Aquífero: Covões (M1) 438 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Meridional Bacia Hidrográfica:

Leia mais

I: PRAIA DE PORTO DE MÓS

I: PRAIA DE PORTO DE MÓS Índice: Atenção...2 O porquê do roteiro...3 Material necessário...3 Descrição geral da geologia da Bacia Algarvia...4 PARTE I: PRAIA DE PORTO DE MÓS...8 Localização geográfica do local da saída de campo...9

Leia mais

Universidade do Algarve Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente. Índice:

Universidade do Algarve Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente. Índice: Índice: Atenção...2 O porquê do roteiro...3 Material necessário...3 Descrição geral da geologia da Bacia Algarvia...4 Localização geográfica do local da saída de campo...7 Descrição geológica do local...8

Leia mais

A Geologia no litoral do Alentejo

A Geologia no litoral do Alentejo A Geologia no litoral do Alentejo Manuel Francisco Pereira (Prof. Auxiliar da Universidade de Évora) Carlos Ribeiro (Prof. Auxiliar da Universidade de Évora) Cristina Gama (Prof.ª Auxiliar da Universidade

Leia mais

(Ponto I) (Ponto II) 2. A lagoa encontra-se de facto poluída embora à primeira vista pareça um ecossistema saudável.

(Ponto I) (Ponto II) 2. A lagoa encontra-se de facto poluída embora à primeira vista pareça um ecossistema saudável. Soluções: Ficha 1º Ciclo (Ponto I) 2. F L A M I N G O A Q T S S F F S A G G A S A U T P A E O J P A S G A C I L R E C A R P F L A U F L L H A E C Z L T E O Q R I A Q E U O C A I M A O I R U E Ç T I I A

Leia mais

M O O MA M R AUTORES:

M O O MA M R AUTORES: CONTATO DA TERRA COM O MAR AUTORES: Tiago e Francisco 2010 Índice O QUE É A COSTA? FORMAS DE RELEVO DO LITORAL PRAIA DUNAS BAÍA ESTUÁRIO CABO ARRIBA OUTROS A COSTA PORTUGESA BIBLIOGRAFIA E NETGRAFIA O

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Geografia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 719/2.ª Fase 16 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Projecto financiado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia

Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Projecto financiado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Projecto financiado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia A Península Ibérica é essencialmente constituída por um fragmento

Leia mais

A importância das dunas frontais na avaliação da evolução da linha de costa- O caso da Praia da Manta Rota

A importância das dunas frontais na avaliação da evolução da linha de costa- O caso da Praia da Manta Rota A importância das dunas frontais na avaliação da evolução da linha de costa- O caso da Praia da Manta Rota Luís Pina Rebêlo; Pedro Oliveira Brito. Departamento de Geologia Marinha - INETI 1- Introdução

Leia mais

Evolução da Terra. Geografia Prof. Cristiano Amorim

Evolução da Terra. Geografia Prof. Cristiano Amorim Evolução da Terra Geografia Prof. Cristiano Amorim Estrutura interna da Terra A estrutura interna da Terra é composta de: Litosfera (50 a 60 km de espessura). Manto (4.600 km de espessura). Núcleo (1.700

Leia mais

OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS ARTIGO 9. Pelo Geólogo Josué Barroso

OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS ARTIGO 9. Pelo Geólogo Josué Barroso OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS 1 Origens dos Agentes Geológicos ARTIGO 9 Pelo Geólogo Josué Barroso Inicialmente, como base para

Leia mais

A história das pedras, do Guincho às abas da Serra de Sintra

A história das pedras, do Guincho às abas da Serra de Sintra A história das pedras, do Guincho às abas da Serra de Sintra Geologia no Verão 2012 Saída: 10.00 h no Restaurante Muchaxo, Guincho Regresso: +/- 16.00 h no mesmo local Ida e volta: aprox. 8 km 1/9 INTRODUÇÃO

Leia mais

ESTRUTURA GEOLÓGICA E RELEVO AULA 4

ESTRUTURA GEOLÓGICA E RELEVO AULA 4 ESTRUTURA GEOLÓGICA E RELEVO AULA 4 ESCALA DO TEMPO GEOLÓGICO Organiza os principais eventos ocorridos na história do planeta ERA PRÉ -CAMBRIANA DESAFIO (UEPG) ex. 1 p. 181 - A história e a evolução da

Leia mais

ESTUDO SEDIMENTOLÓGICO-AMBIENTAL DO MUNICÍPIO COSTEIRO DE BARRA DOS COQUEIROS

ESTUDO SEDIMENTOLÓGICO-AMBIENTAL DO MUNICÍPIO COSTEIRO DE BARRA DOS COQUEIROS ESTUDO SEDIMENTOLÓGICO-AMBIENTAL DO MUNICÍPIO COSTEIRO DE BARRA DOS COQUEIROS Aracy Losano Fontes¹; Aracy Losano Fontes Correia²; Neise Mare de Souza Alves³; Débora Barbosa da Silva 4 aracyfontes@yahoo.com.br

Leia mais

I Revisão do. Caracterização biofísica. Leiria

I Revisão do. Caracterização biofísica. Leiria I Revisão do Plano Director Municipal de Caracterização biofísica Leiria Volume II 2004 1. ECOZONAS Ao percorrer o concelho de Leiria de Norte para Sul e de Este para Oeste a paisagem varia. Uma imagem

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL CAPITANIA DO PORTO DE LAGOS EDITAL Nº 003/2015

S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL CAPITANIA DO PORTO DE LAGOS EDITAL Nº 003/2015 S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL CAPITANIA DO PORTO DE LAGOS EDITAL Nº 003/2015 FORMAÇÃO DE SURF CRITERIOS ATRIBUIÇÃO DE LICENÇAS Pedro Miguel Carvalho Pinto, Capitão-de-fragata,

Leia mais

ECOLOGIA DE AMBIENTES AQUÁTICOS

ECOLOGIA DE AMBIENTES AQUÁTICOS ECOLOGIA DE AMBIENTES AQUÁTICOS Ernest Haeckel (1834 1919) ECOLOGIA Estuda o conjunto de relações entre os seres vivos e o meio em que vivem. estudo da complexa teia de relações existentes entre os organismos

Leia mais

Rotas de aprendizagem - Projetos

Rotas de aprendizagem - Projetos Página1 Rotas de aprendizagem - Projetos Domínio - A Terra: Estudos e Representações Subdomínio: A e o Território 1/2 Quinzenas (Inicio: 1.º período) 1) Reconhecer a como a ciência que estuda os territórios

Leia mais

Hidrografia e Litoral

Hidrografia e Litoral Conferência Internacional ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL CONCEITOS E DELIMITAÇÃO Auditório da Torre do Tombo, 22 de Novembro de 2013 Hidrografia e Litoral João Silva Natália Cunha Ana Müller Lopes Manuela

Leia mais

Impactes do Turismo nas Zonas Costeiras

Impactes do Turismo nas Zonas Costeiras Impactes do Turismo nas Zonas Costeiras J. Alveirinho Dias Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Universidade do Algarve jdias@ualg.pt w3.ualg.pt/~jdias a As modificações costeiras, designadamente

Leia mais

Erosão e Inundação Costeiras:

Erosão e Inundação Costeiras: Erosão e Inundação Costeiras: Fenómenos e vulnerabilidades e um olhar sobre a costa continental Portuguesa Francisco Sancho fsancho@lnec.pt com contributos de: P. Freire, A. Fortunato, F.Oliveira, M. Clímaco

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6)

SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6) SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6) Figura A6.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Viana do Alentejo-Alvito (A6) 92 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica nas zonas costeiras e a subida do nível médio do mar

Avaliação Ambiental Estratégica nas zonas costeiras e a subida do nível médio do mar Avaliação Ambiental Estratégica nas zonas costeiras e a subida do nível médio do mar Pedro Bettencourt Coutinho, Sónia Alcobia, Carlos César Jesus, Pedro Fernandes, Cláudia Fulgêncio nemus@nemus.pt ÍNDICE

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA - 7.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA - 7.º ANO DE GEOGRAFIA - 7.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO Dentro do domínio da geografia e o território, o aluno deve compreender o objeto e o método da Geografia. No dominio da representação da superfície

Leia mais

Aula 5 PLANÍCIES E LAGUNAS COSTEIRAS. Aracy Losano Fontes

Aula 5 PLANÍCIES E LAGUNAS COSTEIRAS. Aracy Losano Fontes Aula 5 PLANÍCIES E LAGUNAS COSTEIRAS META Apresentar os conceitos relacionados às planícies e lagunas costeiras, fatores de formação e características principais. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno

Leia mais

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar Publicado no site em 13/11/2014 Euripedes Falcão Vieira*/** Na margem continental sul-brasileira a presença de dois estuários

Leia mais

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar A U A U L L A Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar o lugar em que vivemos na superfície da Terra. Vamos verificar que os lugares são agrupados em grandes conjuntos chamados de continentes,

Leia mais

Boletim meteorológico para a agricultura

Boletim meteorológico para a agricultura CONTEÚDOS Boletim meteorológico para a agricultura Nº 49, janeiro 2015 IPMA,I.P. 01 Resumo 02 Situação Sinóptica 03 Descrição Meteorológica 05 Informação Agrometeorológica 12 Previsão 12 Situação agrícola

Leia mais

Capítulo 5 A Geografia da União Europeia

Capítulo 5 A Geografia da União Europeia Capítulo 5 A Geografia da União Europeia A Europa é um Continente? América Do Norte EUROPA Ásia OCEANO ÁRTICO América Central África OCEANO PACÍFICO América do Sul OCEANO ATLÂNTICO OCEANO ÍNDICO Oceania

Leia mais

PEGADAS DE DINOSSÁURIOS NA PRAIA DA PAREDE (CASCAIS)

PEGADAS DE DINOSSÁURIOS NA PRAIA DA PAREDE (CASCAIS) PEGADAS DE DINOSSÁURIOS NA PRAIA DA PAREDE (CASCAIS) RELATÓRIO PRELIMINAR PARA INFORMAR SOBRE O INTERESSE CIENTÍFICO, PATRIMONIAL, PEDAGÓGICO E CULTURAL DA JAZIDA Vanda Faria dos Santos Lisboa Novembro

Leia mais

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA 1 - PRÓLOGO A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais - CPRM e a Fundação de Desenvolvimento da Região Metropolitana do Recife - FIDEM, entregam à comunidade o presente trabalho, que se constitui em

Leia mais

3 O LITORAL ENTRE ESPINHO E NAZARÉ

3 O LITORAL ENTRE ESPINHO E NAZARÉ 3 O LITORAL ENTRE ESPINHO E NAZARÉ 3.1. DIVISÃO EM SECTORES A costa entre Espinho e Nazaré é predominantemente do tipo arenoso. Embora as arribas inscritas em dunas sejam bastante frequentes em toda esta

Leia mais

DIVULGAÇÃO DO PATRIMÓNIO GEOLÓGICO DA ILHA DE SANTA MARIA

DIVULGAÇÃO DO PATRIMÓNIO GEOLÓGICO DA ILHA DE SANTA MARIA DIVULGAÇÃO DO PATRIMÓNIO GEOLÓGICO DA ILHA DE SANTA MARIA EVA A. LIMA, JOÃO C. NUNES & SARA MEDEIROS Departamento de Geociências da Universidade dos Açores LAGE - Laboratório de Geodiversidade dos Açores

Leia mais

Colégio Salesiano Dom Bosco GEOGRAFIA Prof. Daniel Fonseca 6 ANO. Capítulo 7 Formas, Relevos e solos da Terra

Colégio Salesiano Dom Bosco GEOGRAFIA Prof. Daniel Fonseca 6 ANO. Capítulo 7 Formas, Relevos e solos da Terra Colégio Salesiano Dom Bosco GEOGRAFIA Prof. Daniel Fonseca 6 ANO Capítulo 7 Formas, Relevos e solos da Terra O que é relevo? O relevo terrestre pode ser definido como as formas da superfície do planeta,

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal ISSN 2183-1076 Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental Março de 2015 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Tabela Resumo mensal 1 2 3 4 5 6 Figura 1 Desvios

Leia mais

Evoluçãomorfológicae sedimentar da zona costeira

Evoluçãomorfológicae sedimentar da zona costeira Evoluçãomorfológicae sedimentar da zona costeira Luís Ivens Portela Laboratório Nacional de Engenharia Civil, LNEC, Lisboa, Portugal V Seminário Nacional do Programa Bandeira Azul 25 Nov2015 -Setúbal Índice

Leia mais

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL 1. Posição e situação geográfica. O Rio Grande do Sul é o estado mais meridional do Brasil, localiza-se no extremo sul do país. Tem um território de 282.062 km 2, ou seja,

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24)

SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24) SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24) Figura O24.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Cesareda Sistema Aquífero: Cesareda (O24) 348 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Ocidental Bacia

Leia mais

Geologia da Bacia do Paraná. Antonio Liccardo

Geologia da Bacia do Paraná. Antonio Liccardo Geologia da Bacia do Paraná Antonio Liccardo A Bacia do Paraná Localização das bacias fanerozóicas no Brasil Bacia sedimentar Região recebe aporte de material por estar abaixo do nível regional, acumulando

Leia mais

Quanto à sua origem, podemos considerar três tipos básicos de rochas:

Quanto à sua origem, podemos considerar três tipos básicos de rochas: O que são rochas? Usamos rochas para tantos fins em nosso dia-a-dia sem nos preocupar com sua origem que esses materiais parecem ter sempre existido na natureza para atender as necessidades da humanidade.

Leia mais

Cap. 4 Paisagens Climatobotânicas

Cap. 4 Paisagens Climatobotânicas Cap. 4 Paisagens Climatobotânicas CLIMA X TEMPO Tempo: são as condições instantâneas, de momento, podem variar de um dia para o outro; Clima: é um estudo estatístico das médias de variações do tempo ao

Leia mais

Luciana Scur Felipe Gonzatti Eduardo Valduga Ronaldo Adelfo Wasum

Luciana Scur Felipe Gonzatti Eduardo Valduga Ronaldo Adelfo Wasum Luciana Scur Felipe Gonzatti Eduardo Valduga Ronaldo Adelfo Wasum Restinga é um termo bastante discutido, tanto por sua origem, se portuguesa, espanhola ou inglesa, quanto por seus conceitos. Várias definições

Leia mais

Problemas na Utilização da Água (poluição )

Problemas na Utilização da Água (poluição ) Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Problemas na Utilização da Água (poluição ) Disciplina: Geografia (módulo 3) Docente: Sandra Mendes Discente: Mariana Alfaiate 2007 2008 Índice Introdução

Leia mais

Geografia e Ecologia das salinas

Geografia e Ecologia das salinas Geografia e Ecologia das salinas Salinas litorais e salinas interiores; outras formas de obter o sal Distribuição das salinas na Europa Distribuição das salinas em Portugal Aqui houve sal salinas desaparecidas,

Leia mais

Depósitos marinhos do litoral da região do Porto: tectónica versus eustatismo

Depósitos marinhos do litoral da região do Porto: tectónica versus eustatismo Depósitos marinhos do litoral da região do Porto: tectónica versus eustatismo Maria da Assunção Araújo Departamento de Geografia, Faculdade de Letras Universidade do Porto Portugal e-mail: ass.geo.porto@mail.telepac.pt

Leia mais

Boletim climatológico mensal dezembro 2012

Boletim climatológico mensal dezembro 2012 Boletim climatológico mensal dezembro 2012 CONTEÚDOS IPMA,I.P. 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 06 Caracterização Climática Mensal 06 Temperatura do Ar 07 Precipitação Total 09 Insolação

Leia mais

A TERRA ONTEM, HOJE E AMANHÃ

A TERRA ONTEM, HOJE E AMANHÃ 8-6-2012 TEMA III A TERRA ONTEM, HOJE E AMANHÃ Ano Lectivo 2011/2012 Geologia Joana Pires nº15 12ºB Glaciares Os glaciares são massas de gelo que se originam á superfície terrestre devido à acumulação,

Leia mais

da ZONA PILOTO João Duarte Aurora Bizarro

da ZONA PILOTO João Duarte Aurora Bizarro Caracterização Ambiental da ZONA PILOTO João Duarte Aurora Bizarro Lisboa, 15/06/2009 Zona Piloto Decreto Lei 5/2008 de 8 de Janeiro Delimitação tendo em conta, nomeadamente, ausência de afloramentos rochosos

Leia mais

praiais estuarino manguezais

praiais estuarino manguezais 3.2.2 Ecossistemas Relevantes Um ecossistema pode ser definido como a interação de comunidades de espécies de animais, vegetais e microorganismos entre si e o seu habitat num grau de equilíbrio estável.

Leia mais

Planificação a longo prazo

Planificação a longo prazo A Terra: Estudos e Representações 1º Período / 2º Período Planificação a longo prazo Professores: Carlos Naré e Isabel Rodrigues Ano letivo: 2015-2016 Número de aulas previstas (3 x 45 minutos / semana)

Leia mais

ATLAS COSTEIRO DE PORTUGAL CONTINENTAL

ATLAS COSTEIRO DE PORTUGAL CONTINENTAL ATLAS COSTEIRO DE PORTUGAL CONTINENTAL Índice 1 Introdução 2 2 - Metodologia 2 3 Índice de Sensibilidade Ambiental (ISA) 3 3.1 Classificação inicial 5 3.2 Levantamento de campo 9 3.3 Critérios de classificação

Leia mais

Após muitos anos como Operadora de Turismo, o Clube Viajar começou a sua atividade como operador de Incoming sob o nome de PORTUGAL HOLIDAYS.

Após muitos anos como Operadora de Turismo, o Clube Viajar começou a sua atividade como operador de Incoming sob o nome de PORTUGAL HOLIDAYS. Após muitos anos como Operadora de Turismo, o Clube Viajar começou a sua atividade como operador de Incoming sob o nome de PORTUGAL HOLIDAYS. Assim, foram selecionados profissionais experientes nessa área

Leia mais

Nome: ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Nome: ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Disciplina: Geografia Ano / Série: 6ª ano Professor (a):gabriel Moreira Perona Data: / / 2014 Roteiro de Recuperação Nome: ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Instituto de Pesquisas Hidráulicas. IPH - UFRGS, Porto Alegre, RS, Brasil. Av. Bento Gonçalves 9500, 91509-900, Porto Alegre, RS, Brasil

Instituto de Pesquisas Hidráulicas. IPH - UFRGS, Porto Alegre, RS, Brasil. Av. Bento Gonçalves 9500, 91509-900, Porto Alegre, RS, Brasil IDENTIFICAÇÃO DE JAZIDAS POTENCIAIS DE AREIA NA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA PARA RECUPERAÇÃO DE PRAIAS URBANAS ENTRE AS CIDADES DE NITERÓI E MACAÉ RJ Julio F. de Oliveira 1 ; Dieter Muehe 2 ; Luiz E.

Leia mais

Figura 1: Localização da Praia de Panaquatira. Fonte: ZEE, Adaptado Souza, 2006.

Figura 1: Localização da Praia de Panaquatira. Fonte: ZEE, Adaptado Souza, 2006. CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLOGICA E PA COSTEIRA DE PANAQUATIRA, MUNICIPIO DE SÃO JOSÉ DE RIBAMAR-MA SOUZA, U.D.V¹ ¹NEPA/UFMA, e-mail: ulissesdenache@hotmail.com PEREIRA, M. R. O² ²UFMA, e-mail: mayrajany21@yahoo.com.br

Leia mais

Experiências Algarve Nature Week

Experiências Algarve Nature Week Experiências Algarve Nature Week Passeios todo-o-terreno Algarve Discovery Jeep Trip Low Cost Passeio de jipe até à Fóia, com visita ao Parque da Mina. Vistas maravilhosas, numa experiência inesquecível.

Leia mais

PRIMEIROS ANOS. GEOGRAFIA CONTEÚDO P2 2º TRI Água: superficiais, oceânicas e usos. Profº André Tomasini

PRIMEIROS ANOS. GEOGRAFIA CONTEÚDO P2 2º TRI Água: superficiais, oceânicas e usos. Profº André Tomasini PRIMEIROS ANOS GEOGRAFIA CONTEÚDO P2 2º TRI Água: superficiais, oceânicas e usos. Profº André Tomasini ÁGUAS CONTINENTAIS Os oceanos e mares cobrem 2/3 da superfície do planeta. Águas Oceânicas : Abrange

Leia mais

Avaliação de Risco no Litoral e Previsão de Impactes Ambientais: casos de estudo

Avaliação de Risco no Litoral e Previsão de Impactes Ambientais: casos de estudo Avaliação de Risco no Litoral e Previsão de Impactes Ambientais: casos de estudo Pedro Bettencourt Coutinho, Sónia Alcobia, Carlos César Jesus nemus@nemus.pt ÍNDICE 1. Introdução: alterações climáticas

Leia mais

CAPÍTULO VI MODELO DE CORRELAÇÃO SISMOSTRATIGRÁFICA ENTRE AS MARGENS CONTINENTAIS SUL E SUDOESTE PORTUGUESAS

CAPÍTULO VI MODELO DE CORRELAÇÃO SISMOSTRATIGRÁFICA ENTRE AS MARGENS CONTINENTAIS SUL E SUDOESTE PORTUGUESAS CAÍTULO VI MODELO DE CORRELAÇÃO SISMOSTRATIGRÁFICA ENTRE AS MARGENS CONTINENTAIS SUL E SUDOESTE ORTUGUESAS 263 VI.1. INTRODUÇÃO O modelo geral de correlação sismostratigráfica entre as Margens Continentais

Leia mais

Património Geológico Português importância científica, pedagógica e sócio-económica

Património Geológico Português importância científica, pedagógica e sócio-económica Associação portuguesa de geólogos Geonovas nº 18, pp. 5 a 12, 2004 Património Geológico Português importância científica, pedagógica e sócio-económica Investigador Coordenador do ex-instituto Geológico

Leia mais

Tipos de Depósitos de Algas Calcárias na Plataforma Continental Brasileira. Gilberto T. M. Dias UFF

Tipos de Depósitos de Algas Calcárias na Plataforma Continental Brasileira. Gilberto T. M. Dias UFF Tipos de Depósitos de Algas Calcárias na Plataforma Continental Brasileira Gilberto T. M. Dias UFF Itens abordados na apresentação: Algas calcarias como geradoras de depósitos sedimentares Relações com

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DOMINGOS JARDO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DOMINGOS JARDO Temas/Conteúdos Objetivos de Conceitos TEMA 1 - A TERRA: ESTUDOS E REPRESENTAÇÕES 0. A GEOGRAFIA - O que é a Geografia - Como investigar em Geografia - Conhecer a superfície terrestre 1. DESCRIÇÃO DA PAISAGEM

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal ISSN 2183-1076 Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental Janeiro de 2014 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Tabela Resumo mensal 1 2 3 4 7 8 Instituto Português

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal ISSN 2183-1076 Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental Novembro de 2015 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Monitorização da Seca Radiação Tabela Resumo mensal

Leia mais

FATORES CLIMÁTICOS ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS ALTERAM A DINÂMICA LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO

FATORES CLIMÁTICOS ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS ALTERAM A DINÂMICA LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO FATORES CLIMÁTICOS LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO ALTERAM A DINÂMICA ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS TEMPERATURA, UMIDADE,PRESSÃ O ATMOSFÉRICA Climas

Leia mais

Areias e Ambientes Sedimentares

Areias e Ambientes Sedimentares Areias e Ambientes Sedimentares As areias são formadas a partir de rochas. São constituídas por detritos desagregados de tamanhos compreendidos entre 0,063 e 2 milímetros. Areias: Ambiente fluvial As areias

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DOS AMBIENTES MARINHOS

CLASSIFICAÇÃO DOS AMBIENTES MARINHOS CLASSIFICAÇÃO DOS AMBIENTES MARINHOS Introdução Os oceanos ocupam cerca de 71% da superfície da Terra As partes mais profundas atingem quase 11000 metros Profundidade média dos oceanos é 3800 m. Volume

Leia mais

Este trabalho tem como objectivo mostrar alguns animais que se encontram em vias de extinção em Portugal.

Este trabalho tem como objectivo mostrar alguns animais que se encontram em vias de extinção em Portugal. Este trabalho tem como objectivo mostrar alguns animais que se encontram em vias de extinção em Portugal. Animais em vias de extinção Designam-se por espécies em vias de extinção aquelas cujo número de

Leia mais

ESTUDO DA MORFODINÂMICA E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS NO SEMIÁRIDO

ESTUDO DA MORFODINÂMICA E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS NO SEMIÁRIDO ESTUDO DA MORFODINÂMICA E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS NO SEMIÁRIDO Ana Karolina de Oliveira Sousa (1); Antônio Sávio Magalhaes de Sousa (2); Maria Losângela Martins de Sousa (3); Eder

Leia mais

TIPOLOGIA DE RIOS EM PORTUGAL CONTINENTAL NO ÂMBITO DA IMPLEMENTAÇÃO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA

TIPOLOGIA DE RIOS EM PORTUGAL CONTINENTAL NO ÂMBITO DA IMPLEMENTAÇÃO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA TIPOLOGIA DE RIOS EM PORTUGAL CONTINENTAL NO ÂMBITO DA IMPLEMENTAÇÃO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA I - Caracterização abiótica JANEIRO DE 2008 MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

saídas de campo Outras saídas serão divulgadas em breve...

saídas de campo Outras saídas serão divulgadas em breve... almograve saídas de campo SAÍDAS DE GEOLOGIA COM O CENTRO CIÊNCIA VIVA DE ESTREMOZ. PORQUE A GEOLOGIA SE APRENDE NO CAMPO! LEVE OS SEUS ALUNOS A OBSERVAR AQUILO QUE APRENDEM NAS AULAS. Ciente da importância

Leia mais

O MEIO AMBIENTE CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS

O MEIO AMBIENTE CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS 2011/2012 Geografia 7º Ano de escolaridade O MEIO AMBIENTE CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS Estado do tempo e clima Elementos e fatores do clima A ATMOSFERA: Invólucro gasoso (camada de ar) que envolve a Terra;

Leia mais

Potencial e estratégia de desenvolvimento da energia das ondas em Portugal

Potencial e estratégia de desenvolvimento da energia das ondas em Portugal WAVE ENERGY CENTRE Potencial e estratégia de desenvolvimento da energia das ondas em Portugal Versão 0.1 1 INDICE 11.. OO RREECCUURRSSOO EENNEERRGGÉÉTTIICCOO... 3 22.. AACCTTUUAAIISS PPRROOTTÓÓTTIIPPOOSS

Leia mais

Roteiro geológico do Cabo Mondego

Roteiro geológico do Cabo Mondego Roteiro geológico do Cabo Mondego Realizado por: Clara Sofia Carvalho Rosário Fernandes Maria Elizabete Ferraz Monteiro Maria José Mendes Ganhitas Batida do grande mar, tendo à direita a bonançosa baía

Leia mais

Trabalho de campo Biologia e Geologia. Visita ao Cabo Mondego Serra da Boa Viagem. Onde Vais?

Trabalho de campo Biologia e Geologia. Visita ao Cabo Mondego Serra da Boa Viagem. Onde Vais? Trabalho de campo Biologia e Geologia Visita ao Cabo Mondego Serra da Boa Viagem Onde Vais? Batida do grande mar, tendo à direita a bonançosa baía de Buarcos e à esquerda os rochedos em que assenta o castelo

Leia mais

INQUÉRITO ÀS ENTIDADES GESTORAS NORMA ISO 24510 1 OBJECTIVO DO INQUÉRITO 2 CONSTITUIÇÃO DO INQUÉRITO RELATÓRIO FINAL

INQUÉRITO ÀS ENTIDADES GESTORAS NORMA ISO 24510 1 OBJECTIVO DO INQUÉRITO 2 CONSTITUIÇÃO DO INQUÉRITO RELATÓRIO FINAL INQUÉRITO ÀS ENTIDADES GESTORAS NORMA ISO 24510 RELATÓRIO FINAL 1 OBJECTIVO DO INQUÉRITO A publicação das normas ISO 24500 (ISO 24510, ISO 24511 e ISO 24512), que constituem o primeiro conjunto de normas

Leia mais

CAPÍTULO VIII CONCLUSÕES

CAPÍTULO VIII CONCLUSÕES CAPÍTULO VIII CONCLUSÕES 287 288 VIII.1. TECTONOSTRATIGRAFIA Apresenta-se uma síntese dos principais aspectos sismostratigráficos e tectonostratigráficos obtidos neste trabalho para cada um dos seis domínios

Leia mais

Continente Europeu (prof. Padovani 8º ano) ASPECTOS NATURAIS (RELEVO, HIDROGRAFIA, CLIMA E VEGETAÇÃO)

Continente Europeu (prof. Padovani 8º ano) ASPECTOS NATURAIS (RELEVO, HIDROGRAFIA, CLIMA E VEGETAÇÃO) Continente Europeu (prof. Padovani 8º ano) ASPECTOS NATURAIS (RELEVO, HIDROGRAFIA, CLIMA E VEGETAÇÃO) Continente muito recortado Dentre as várias penínsulas, destacam-se: a Escandinava, onde se localizam

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - CAP. 04-7ºS ANOS

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - CAP. 04-7ºS ANOS EXERCÍCIOS DE REVISÃO - CAP. 04-7ºS ANOS LEIA AS INFORMAÇÕES, CONSULTE O LIVRO PARA ADQUIRIR MAIS CONHECIMENTO E RESPONDA OS EXERCÍCIOS EM SEU CADERNO. 1- Quente e frio: um país de extremos O Brasil é

Leia mais

Relevo GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Relevo GEOGRAFIA DAVI PAULINO Relevo GEOGRAFIA DAVI PAULINO Relevo É a forma da superfície terrestre, que apresenta variação de nível de um local para outro. Tem uma influência pesada em outros fenômenos, como a urbanização e as atividade

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO

COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO A DINÂMICA ATMOSFÉRICA CAPÍTULO 1 GEOGRAFIA 9º ANO Vanessa Andrade A atmosfera é essencial para a vida, porque além de conter o oxigênio que respiramos, ela mantém a Terra quente,

Leia mais

Ciência e Tecnologia de Defesa no 3.º Quartel do Séc. XX A cartografia Militar em PORTUGAL (1950-1975)

Ciência e Tecnologia de Defesa no 3.º Quartel do Séc. XX A cartografia Militar em PORTUGAL (1950-1975) Ciência e Tecnologia de Defesa no 3.º Quartel do Séc. XX A cartografia Militar em PORTUGAL (1950-1975) 1975) A cartografia Militar Resumo histórico do IGeoE Evolução das instalações Produção cartográfica

Leia mais

Morfologia do Terreno

Morfologia do Terreno Conferência Internacional ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL CONCEITOS E DELIMITAÇÃO Auditório da Torre do Tombo, 22 de Novembro de 2013 Morfologia do Terreno Natália Cunha Manuela Raposo Magalhães Maria Manuela

Leia mais

Nota do editor. Novos desafios, novos caminhos. Newsletter nº 6, Julho de 2011. Pontos de interesse: Nesta edição:

Nota do editor. Novos desafios, novos caminhos. Newsletter nº 6, Julho de 2011. Pontos de interesse: Nesta edição: Newsletter nº 6, Julho de 2011 Nota do editor Novos desafios, novos caminhos Pontos de interesse: Salinas de Rio Maior O Homem do Sal Qualquer caminho faz-se caminhando. A caminhada do ECOSAL ATLANTIS

Leia mais

PERGUNTA 2. Figura 2. Arade Alcantarilha Quarteira. 0m 5000m 10000m

PERGUNTA 2. Figura 2. Arade Alcantarilha Quarteira. 0m 5000m 10000m PERGUNTA 1 O aquífero de Escusa está localizado no pleno coração do Parque Natural da Serra de S. Mamede, na bacia hidrográfica do rio Tejo, tem uma extensão de cerca de 8 km 2 e é constituído por rochas

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA / 3 JOSÉ CARDOSO PIRES ST.º ANT.º CAVALEIROS - LOURES. TESTE DE AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA N.º 05 GEOGRAFIA A - 1º ANO (10º ano)

ESCOLA SECUNDÁRIA / 3 JOSÉ CARDOSO PIRES ST.º ANT.º CAVALEIROS - LOURES. TESTE DE AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA N.º 05 GEOGRAFIA A - 1º ANO (10º ano) ESCOLA SECUNDÁRIA / 3 JOSÉ CARDOSO PIRES ST.º ANT.º CAVALEIROS - LOURES TESTE DE AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA N.º 05 GEOGRAFIA A - 1º ANO (10º ano) 2007 / 2008 Professora: Dora Moraes Data: 20 Abril 2008 Aluno:

Leia mais

Prova Escrita de Geografia A

Prova Escrita de Geografia A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Geografia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 719/Época Especial 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

GEOLOGIA. Professor: Adilson Soares E- mail: adilson.soares@unifesp.br Site: www.geologia.tk

GEOLOGIA. Professor: Adilson Soares E- mail: adilson.soares@unifesp.br Site: www.geologia.tk GEOLOGIA Professor: Adilson Soares E- mail: adilson.soares@unifesp.br Site: www.geologia.tk Paisagens: interação da tectônica e do clima 1. Topografia 2. Forma de relevo 3. Interação dos geossistemas 4.

Leia mais

Disciplina: Geografia. Trabalho realizado por: Mónica Algares nº 17. Turma: B

Disciplina: Geografia. Trabalho realizado por: Mónica Algares nº 17. Turma: B Disciplina: Geografia Trabalho realizado por: Mónica Algares nº 17 Turma: B 1 Índice Introdução... 3 Principais fontes de poluição dos oceanos e mares... 4 Prejuízos irremediáveis... 5 As marés negras...

Leia mais

FICHA TÉCNICA Edição Textos e pesquisa Design Gráfico

FICHA TÉCNICA Edição Textos e pesquisa Design Gráfico FICHA TÉCNICA Edição Câmara Municipal de Óbidos Textos e pesquisa Dina Matias e Sérgio Pinheiro (Serviço de Arqueologia) João Pedro Tormenta (Arquivo Histórico) Design Gráfico Gabinete de Comunicação e

Leia mais

VERSÃO 2. Prova Escrita de Geografia A. 11.º Ano de Escolaridade. Prova 719/1.ª Fase EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

VERSÃO 2. Prova Escrita de Geografia A. 11.º Ano de Escolaridade. Prova 719/1.ª Fase EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Geografia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 719/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com BIOMAS É um conjunto de vários ecossistemas, que possuem certo nível de homogeneidade. Composto pelo fatores bióticos

Leia mais

Em que medida o conhecimento dos processos e dos materiais geológicos contribui para fazer um melhor ordenamento do território?

Em que medida o conhecimento dos processos e dos materiais geológicos contribui para fazer um melhor ordenamento do território? Escola Secundária de Estarreja Tema IV Geologia, problemas e materiais do quotidiano Biologia e Geologia 11ºAno Janeiro 2012 Guião de Exploração de Actividades 4 O conhecimento geológico é essencial para

Leia mais

GEOGRAFIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses, de cima para baixo.

GEOGRAFIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses, de cima para baixo. GEOGRAFIA 01 Um dos passos para o domínio das técnicas de orientação é o conhecimento da Rosa dos Ventos, que é constituída por pontos cardeais, colaterais, subcolaterais e intermediários. Observe a Rosa

Leia mais

EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO

EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO Ministério do Meio Ambiente EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO 1 organização Dieter Muehe 2006 Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministra do Meio Ambiente Marina Silva Secretário

Leia mais

PROJECTO NAZARÉ XXI. - Marina de recreio e Complexo Turístico de S. Gião

PROJECTO NAZARÉ XXI. - Marina de recreio e Complexo Turístico de S. Gião PROJECTO NAZARÉ XXI - Marina de recreio e Complexo Turístico de S. Gião Nazaré XXI é um projecto turístico de impacto regional, inserido na política de desenvolvimento económico que a Câmara Municipal

Leia mais

Plano de Pormenor da Margem Direita da Foz do Rio Jamor Programa de Execução e Plano de Financiamento Janeiro 2014

Plano de Pormenor da Margem Direita da Foz do Rio Jamor Programa de Execução e Plano de Financiamento Janeiro 2014 PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO DO PLANO PORMENOR DA MARGEM DIREITA DA FOZ DO RIO JAMOR - OEIRAS Câmara Municipal de Oeiras ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 2 2 OBJECTIVOS DO PP... 2 2.1 Objectivos

Leia mais

GEOGRAFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE GEOGRAFIA

GEOGRAFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE GEOGRAFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE GEOGRAFIA Ao observarmos, de forma rápida, a prova de Geografia da segunda fase da UFPR 2014, notamos abrangência nos assuntos abordados e o grau de dificuldade aguardado no concurso

Leia mais

O grau interior da Terra é medido através do grau geotérmico com média de 1ºc a cada 30-35m.

O grau interior da Terra é medido através do grau geotérmico com média de 1ºc a cada 30-35m. A FORMAÇÃO DA TERRA E SUA ESTRUTURA O planeta Terra se formou a cerca de 4,5 bilhões de anos, formado por vários materiais incandescentes que foram se resfriando ao longo do tempo, o material mais pesado

Leia mais