Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Diretor-Presidente Diretor Técnico Diretor de Administração e Finanças

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Diretor-Presidente Diretor Técnico Diretor de Administração e Finanças"

Transcrição

1 Loja de artesanato

2 Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Adelmir Santana Diretor-Presidente Paulo Tarciso Okamotto Diretor Técnico Luiz Carlos Barboza Diretor de Administração e Finanças Carlos Alberto dos Santos Gerente da Unidade de Capacitação Empresarial Mirela Malvestiti Coordenação Nidia Santana Caldas Autor Paulo César Borges de Sousa Projeto Gráfico Staff Art Marketing e Comunicação Ltda.

3 Apresentação do Negócio O comércio de artesanato surgiu nas chamadas feiras hippies e era visto com preconceito pela sociedade, principalmente pelos integrantes das classes sociais A e B, fato que de certa forma inibia o crescimento deste negócio. Felizmente, o artesanato por grande parte da sociedade. Isso é um fator motivante para o surgimento de pequenos empreendimentos que comercializam artesanatos. Muitas vezes o próprio artesão comercializa seus produtos mas ressalta-se que se esta atividade não for bem gerida poderá implicar em dificuldades.pode ser que o artesão não tenha a mesma habilidade na comercialização como tem na criação das suas peças.sendo assim, as lojas de artesanato surgem como uma alternativa para facilitar a chegada de peças artesanais nos centros comerciais mais desenvolvidos e até mesmo no exterior. O empreendedor de loja de artesanato tem,além da função comercial,uma função social, já que suas pesquisas para localização de artesãos em todo o Brasil também estarão possibilitando a sobrevivência do artesanato. Mercado O Brasil possui artesãos altamente criativos e nos mais diversos rincões brasileiros,.além de contar com os artesãos os, empresários podem contar ainda com o artesanato indígena. O empreendedor que tenha interesse em atuar nesse mercado deve escolher criteriosamente seus fornecedores, pois o que garante o sucesso deste mercado é a qualidade e a individualidade do produto que será comercializado Idéias de Negócios - loja-de-artesanato 3

4 em seu estabelecimento. O mercado de loja de artesanatos oferece possibilidade de ingresso de novos empreendedores.no entanto tais empreendedores devem ingressar com disposição e muito profissionalismo, pois normalmente os aventureiros têm vida curta, ou seja, o mercado tem espaço para empresários com visão comercial baseada em qualidade e atendimento diferenciado. Localização A definição da localização da loja de artesanato, juntamente com a definição de seus fornecedores, são os dois principais pontos para este nicho de comércio. Por isso a definição do ponto que será instalado a referida loja de artesanato terá que ser embasada numa boa pesquisa de mercado. Aliado a está pesquisa o empreendedor deverá ter em mente qual o público que será atendido majoritariamente em seu comércio? Qual a classe social de seus clientes?a cidade onde pretende instalar a loja recebe muitos turistas? Se o público-alvo for os integrantes das classes sociais A e B, o endereço da loja de artesanato deverá ser direcionado para shopping centers freqüentados por este público, aeroportos, hotéis de luxo, resorts, bairros de classe média alta, dentre outras opções. Se a cidade for turística, a instalação de tal loja poderá ocorrer em mercados tradicionais, centros culturais, feiras de artesanato (principalmente as que funcionam no final de tarde), etc.. É necessário verificar junto a Prefeitura Municipal da cidade que se planeja instalar a loja, para ver se seu comércio não é conflitante com o Plano Diretor Urbano - PDU do município, já que o PDU define as áreas específicas para instalação de tipos de comércio e outras orientações. 4 Idéias de Negócios - loja-de-artesanato

5 Assim a localização do empreendimento, como dito acima, irá depender da opção do empreendedor, mais nunca perca de vista o público-alvo de seu negócio, levando em consideração hábitos, costumes e poder aquisitivo deste referido público. Exigências legais específicas O empreendedor deverá cumprir algumas exigências iniciais e somente poderá se estabelecer depois de cumpridas, quais sejam: Etapas do Registro 1ª Etapa: a) Registro da empresa nos seguintes órgãos: - Junta Comercial; - Secretaria da Receita Federal (CNPJ); - Secretaria Estadual de Fazenda; - Prefeitura do Município para obter o alvará de funcionamento; - Enquadramento na Entidade Sindical Patronal (empresa ficará obrigada a recolher por ocasião da constituição e até o dia 31 de janeiro de cada ano, a Contribuição Sindical Patronal); - Cadastramento junto à Caixa Econômica Federal no sistema Conectividade Social INSS/FGTS. - Corpo de Bombeiros Militar. b) Visita a prefeitura da cidade onde pretende montar a sua loja para fazer a consulta de local e emissão das certidões de Uso do Solo e Número Oficial. Estrutura Idéias de Negócios - loja-de-artesanato 5

6 O tamanho da estrutura varia segundo o interesse e expectativa do empreendedor, que também deverá ficar atento a disponibilização de espaços específicos para a comercialização,atividades administrativas e estoque.o ambiente reservado para a comercialização deve ser agradável, bem iluminado e de fácil movimentação. Os espaços indicados acima devem ser dotados de lay-out adequado, visando facilitar a movimentação, conforme segue: a) Administrativa(opcional) este espaço deverá ser dotado de mobiliário (mesas, cadeiras), microcomputadores, dentre outros.eles devem estar dispostos de forma organizada, possibilitando o desenvolvimento das atividades de escritório. b) Vendas (obrigatório) este espaço deverá ser dotada de vitrines com vidros amplos e sempre limpos.é ideal que esta área tenha estantes em vidro, para que os clientes possam visualizar todas as peças de artesanato que a empresa comercializa. A área física da empresa varia conforme o local, ou seja, se for shopping center, aeroportos ou hotéis o empresário poderá ter sua loja montada em um córner, quiosque ou mesmo um espaço maior.tudo isso irá depender do capital que o empreendedor disponha para bancar o aluguel mensal e ainda o que estiver disponível nesses locais. Assim a referida área física poderá variar de 6m² (corner ou quiosque) a 50m². Pessoal Apresentamos abaixo um quadro mínimo para o início das atividades: a) 2 empregados na área de vendas podendo executar o serviço de caixa, ou seja, vender e receber ; 6 Idéias de Negócios - loja-de-artesanato

7 b) 1 empregado na área administrativa.o próprio empresário poderá executar estas tarefas.. O proprietário deverá estar presente em todos os momentos e atividades da empresa, principalmente as relacionadas a área administrativa, sem contudo esquecer a área de vendas. Deve-se atentar também ao Caixa.Foi sugerido a que as próprias vendedoras atuem nesse setor no início dessa atividadessional. Equipamentos Os principais equipamentos para iniciar uma loja de artesanato são os seguintes: a) Balcão e vitrine; b) Prateleiras; c) Embalagens comuns e para presentes; d) Telefone; e) Máquina de calcular; f) Máquina de ECF; g) Mesas, cadeiras, microcomputadores, impressora e telefone. Matéria Prima / Mercadoria Este tipo de estabelecimento trabalha com peças prontas e podem oferecer peças que representem as mais variadas formas de manifestações culturais e artísticas das diversas regiões brasileiras, lista alguns exemplos: a) Aromas; b) Bijuterias e adereços de enfeites pessoais; c) Bolsas e mochilas customizadas artesanalmente; Idéias de Negócios - loja-de-artesanato 7

8 d) Cerâmicas; e) Peças de enfeites natalinos; f) Esculturas em pedra sabão, bronze, madeira e metais variados; g) Mobiliário rústicos; h) Painéis e pinturas rupestres; i) Rendas; j) Tapetes; k) Xilogravura; l) Forros e caminhos de mesas; m) Peso de portas; n) Dentre outros vários itens. Pode surgir uma grande variedade de outros itens desejados pelos consumidores, por isso mesmo o empresário deverá estar disponível para adquirir aquilo que o cliente busca e não apenas aquilo que lhe agrade. Organização do processo produtivo Para que mantenha seu estabelecimento organizado e atenda a demanda dos clientes é necessário ficar atento a algumas tarefas: -organizar e expor dos produtos, dividindo as peças por seções; - montar espaços com sugestões de decorações, fazendo surgir necessidades de consumo nos clientes; -colocar os preços em cada peça de forma bem visível. O empresário deverá controlar o estoque para que não falte nenhum item dos produtos além de manter a fachada da loja sempre bem limpa e por último efetuar a limpeza do ambiente. O ambiente da loja de artesanato deve ser um espaço agradável, limpo, 8 Idéias de Negócios - loja-de-artesanato

9 arejado/climatizado, bem iluminado, com as vitrines dispostas de forma a possibilitar facilidade para que o cliente possa visualizar as peças que são comercializadas. Automação O nível de automação é relativamente baixo, já que tipo de empreendimento envolve a área de vendas, controle de estoques e administrativo-financeiro o ideal é adquirir um software para auxiliar na gestão, mas empreendedor pode deixar esta opção para um segundo momento.no entanto, é necessário que eles sejam executados pelo menos em planilhas eletrônicas. Inicialmente com um microcomputador será possível viabilizar uma gestão automatizada. O ideal é que o empreendedor procure o apoio de profissionais qualificados para prestar uma assessoria na definição de um software amigável e de fácil manuseio para tirar o máximo de produtividade de tal ferramenta. Canais de distribuição Não se aplica, já que a forma de vendas é direta, ou seja, o cliente procura a loja para proceder suas compras. Investimentos O volume de recursos a ser investido dependerá do empreendedor, bem como do espaço disponível para montagem da loja de artesanato. Visando dar uma idéia de tais investimentos segue uma exposição de itens e quantidades entendidas como necessárias para se ter estruturada uma loja de artesanatos de médio porte. Idéias de Negócios - loja-de-artesanato 9

10 a. Balcão - 2 unidades x R$ 360,00 = R$ 720,00 b. Vitrine 2 unidades x R$ 430,00 = R$ 860,00 c. Prateleiras 6 unidades x R$ 175,00 = R$ 1.050,00 d. Embalagens comuns e para presentes várias R$ 800,00 e. Telefone 1 unidade x R$ 40,00 = R$ 40,00 f. Máquina de calcular 2 unidades x R$ 60,00 = R$ 120,00 g. Máquina de ECF 1 unidade x R$ 1.215,00 = R$ 1.215,00 h. Mesas 2 unidades x R$ 300,00 = R$ 600,00 i. Cadeiras 6 unidades x R$ 120,00 = R$ 720,00 j. Microcomputadores 2 unidades x R$ 1.300,00 = R$ 2.600,00 k. Impressora 1 unidade x R$ 500,00 = R$ 500,00 Total dos equipamentos e acessórios R$ 9.225,00 A estimativa de investimento para aquisição de mercadorias estará situado entre R$ ,00 a R$ ,00, distribuídos entre os mais diversos itens que são necessários para comercialização na loja de artesanatos. Ressalta-se que neste segmento de mercado normalmente a compra de mercadorias (artesanatos) dificilmente ocorre a prazo, ou seja, normalmente os artesãos somente vendem as peças produzidas à vista. Assim praticamente não existem negócios a prazo na aquisição de peças de artesanatos, isto porque a produção feita pelos artesãos tem a finalidade primordial de prover seus familiares. O montante a ser investido na reformado imóvel e adequação às necessidades da empresa é variável, pois dependerá do material de construção que será empregado, bem como o espaço a ser utilizado.no entanto como deve ser uma estrutura com um visual bastante chamativo o investimento nesta área irá girar em torno de R$ ,00. Capital de giro 10 Idéias de Negócios - loja-de-artesanato

11 Capital de giro é um montante de recursos financeiros que a empresa precisa manter para garantir a dinâmica do seu processo de negócio. O capital de giro precisa de controle permanente, pois tem a função de minimizar o impacto das mudanças no ambiente de negócios onde a empresa atua. O desafio da gestão do capital de giro deve-se, principalmente, à ocorrência dos fatores a seguir: - Variação dos diversos custos absorvidos pela empresa; - Aumento de despesas financeiras, em decorrência das instabilidades desse mercado; - Baixo volume de vendas; - Aumento dos índices de inadimplência; - Altos níveis de estoques. O empreendedor deverá ter um controle orçamentário rígido de forma a não consumir recursos sem previsão. O empresário deve evitar a retirada de valores além do pró-labore estipulado, pois no início todo o recurso que entrar na empresa nela deverá permanecer, possibilitando o crescimento e a expansão do negócio. Dessa forma a empresa poderá alcançar mais rapidamente sua auto-sustentação, reduzindo as necessidades de capital de giro e agregando maior valor ao novo negócio. O nível de Capital de Giro para este segmento deverá ser em montante suficiente para suportar a movimentação operacional em torno de 18 meses, sendo este montante elaborado em relação aos desembolsos que compõe o início da empresa. Custos Idéias de Negócios - loja-de-artesanato 11

12 São todos os gastos realizados na produção de um bem ou serviço e que serão incorporados posteriormente no preço dos produtos ou serviços prestados, como: aluguel, água, luz, salários, honorários profissionais, despesas de vendas, matéria-prima e insumos consumidos no processo de produção. O cuidado na administração e redução de todos os custos envolvidos na compra, produção e venda de produtos ou serviços que compõem o negócio, indica que o empreendedor poderá ter sucesso ou insucesso, na medida em que encarar como ponto fundamental a redução de desperdícios, a compra pelo melhor preço e o controle de todas as despesas internas. Quanto menores os custos, maior a chance de ganhar no resultado final do negócio. Os custos para uma abrir uma loja de artesanato devem ser estimados considerando os itens abaixo: 1. Salários, comissões e encargos; 2. Tributos, impostos, contribuições e taxas; 3. Aluguel, taxa de condomínio, segurança; 4. Água, Luz, Telefone e acesso a internet; 5. Produtos para higiene e limpeza da empresa e funcionários; 6. Recursos para manutenções corretivas; 7. Assessoria contábil; 8. Propaganda e Publicidade da empresa; 9. Aquisição de mercadorias; 10. Despesas com vendas; 11. Despesas com estocagem e transporte. Um ponto fundamental a ser observado pelo empresário de loja de artesanato e que difere um pouco dos demais negócios que a questão de comprar pelo menor preço. Dependendo da forma de negociação com o artesão poderá ocasionar a extinção de tal profissional.as aquisições de artesanatos em valores insuficientes para que o artesão 12 Idéias de Negócios - loja-de-artesanato

13 tenha condições de manter suas necessidades básicas poderá fazer com que tal profissional abandone seu sonho que é o de ser um artista do artesanato, levando o buscar outras fontes de ganhos financeiros. E sem sombra de dúvida esta decisão por parte do artesão, estará sendo corroborada fortemente pelo empresário que atua de forma inescrupulosa com seus fornecedores, além da questão de estar contribuindo para a eliminação de possíveis profissionais qualificados deste mercado estará também auto-eliminando aos poucos o seu comércio. Claro que o empresário poderá entender que sempre irá aparecer novos artesãos, no entanto esta máxima poderá se tornar inverídica. Diversificação / Agregação de valor Nesse segmento de mercado diversificar é o diferencial que o tornará um empresário comum ou de sucesso. Apresente peças inovadoras, produzidas exclusivamente por um artesão para serem comercializadas em sua loja, pois são estas inovações manterão a empresa em constante evidência junto ao consumidor. As peças comercializadas podem servir para a decoração do lar, adorno pessoal (bijuterias) e para consumo próprio como bebidas e doces artesanais. O empreendedor deverá estar sempre atento ao surgimento dos anseios de consumo e as expectativas dos consumidores. Isto porque sempre surgem novos artesãos. Ressalta-se que o empresário deverá buscar manter em sua linha de produtos comercializados a maior variedade possível de peças de Idéias de Negócios - loja-de-artesanato 13

14 artesanatos para ter em sua loja, visando atender vários tipos de cliente. Divulgação Por se tratar de um negóciode relacionado também ao ramo de decoração, tem que haver um forte processo de divulgação da loja pois consumidor buscará as peças de artesanato que mais vezes estiverem em contato com seus olhos e seu subconsciente. A divulgação deverá ser fewia em rádio, outdoor, revistas, jornais, panfletos,dentre outros. As peças publicitárias deverão ser bem produzidas, por isso mesmo o empreendedor deverá buscar auxílio de profissionais qualificados. Uma outra forma de divulgação é fornecer suas peças empréstadas para decoração de ambientes comerciais, imóveis (exemplo: apartamentos em estágio de exposição para venda) direcionados ao seu público-alvo. Informações Fiscais e Tributárias O segmento de loja de artesanato, assim entendido o comércio varejista de artigos de artesanatos, poderá optar pelo SIMPLES Nacional - Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, instituído pela Lei Complementar nº 123/2006, caso a receita bruta de sua atividade não ultrapassar R$ ,00 (microempresa) ou R$ ,00 (empresa de pequeno porte) e respeitando os demais requisitos previstos na Lei. 14 Idéias de Negócios - loja-de-artesanato

15 O segmento poderá optar pelo SIMPLES NACIONAL - Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, desde que a receita bruta anual de sua atividade não ultrapasse a R$ ,00 (microempresa) ou R$ ,00 (empresa de pequeno porte) e respeitando os demais requisitos previstos na Lei. Nesse regime, o empreendedor poderá recolher os seguintes tributos e contribuições, por meio de apenas um documento fiscal o DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional): IRPJ (imposto de renda da pessoa jurídica); CSLL (contribuição social sobre o lucro); PIS (programa de integração social); COFINS (contribuição para o financiamento da seguridade social); ICMS (imposto sobre circulação de mercadorias e serviços); INSS - Contribuição para a Seguridade Social relativa a parte da empresa (Contribuição Patronal Previdenciária CPP) Conforme a Lei Complementar nº 128/2008, as alíquotas do SIMPLES Nacional, para esse ramo de atividade, vão de 4% até 11,61%, dependendo da receita bruta auferida pelo negócio. No caso de início de atividade no próprio ano-calendário da opção pelo SIMPLES Nacional, para efeito de determinação da alíquota no primeiro mês de atividade, o empreendedor utilizará, como receita bruta total acumulada, a receita do próprio mês de apuração multiplicada por 12 (doze). Se o Estado em que o empreendedor estiver exercendo a atividade conceder benefícios de isenção e/ou substituição tributária para o ICMS, a alíquota poderá ser reduzida conforme o caso. Na esfera Federal poderá ocorrer redução quando se tratar de PIS e/ou COFINS. Microempreendedor Individual - entra em vigor a partir de julho de 2009 Idéias de Negócios - loja-de-artesanato 15

16 Se a receita bruta anual não ultrapassar a R$ ,00, o empreendedor poderá se enquadrar como Microempreendedor Individual MEI, ou seja, sem sócio. Neste caso, os recolhimentos dos tributos e contribuições serão efetuados em valores fixos mensais conforme abaixo: O empresário não precisa recolher os tributos acima (nem pelo sistema unificado), exceto: ISS valor fixo de R$ 5,00 (cinco reais) independente do faturamento e ICMS valor fixo de R$1,00 (um real), independente do faturamento I) Sem empregado R$ 51,15 mensais para o INSS relativa à contribuição previdenciária do empreendedor; R$ 5,00 mensais de ISS Imposto sobre serviços de qualquer natureza. II) Com um empregado Neste caso o empreendedor recolherá mensalmente, além dos valores acima, os seguintes percentuais: Retém do empregado 8% de INSS sobre a remuneração; Desembolsa 3% de INSS patronal sobre a remuneração do empregado. Essa opção de tributação poderá ser amplamente vantajosa para o segmento de loja de artesanato, motivo pelo qual sugerimos uma avaliação cuidadosa do regime de tributação apresentado. Orienta-se ao empreendedor que atente ao tópico Exigências legais especificas, que inclui as normas e regulamentos que devem ser atendidos para operacionalização dessa atividade. 16 Idéias de Negócios - loja-de-artesanato

17 O empreendedor deverá avaliar bem essa opção, pois ela poderá ser bem interessante para o seu segmento de negócio, da mesma forma que, dependendo do nível de faturamento, aliado ao volume de seus custos mais despesas, talvez essa opção não venha a ser interessante. Dessa forma, o ideal é buscar um profissional da área contábil para assessorá-lo nos cálculos de identificação da melhor opção tributária para o seu estabelecimento comercial. Isso porque não existe modelo sistemático para assegurar essa decisão, pois o que é bom para uma empresa que tem características similares a sua poderá não se aplicar ao seu empreendimento e vice-versa. Ressalta-se também que as peças de artesanatos que são adquiridas diretamente dos artesãos, que efetivamente se enquadram nesta categoria de profissional não se confunde com a empresa que irá comercializar as referidas peças de artesanatos. Isto porque o Decreto nº de 26/12/2002 define em seu Artigo 7º o seguinte: Art. 7º Para os efeitos do art. 5º: I no caso do seu inciso III, produto de artesanato é o proveniente de trabalho manual realizado por pessoa natural, nas seguintes condições: a) quando o trabalho não conte com o auxílio ou participação de terceiros assalariados; e b) quando o produto seja vendido a consumidor, diretamente ou por intermédio de entidade de que o artesão faça parte ou seja assistido. Com isto o empresário ao buscar adquirir as peças de artesanato deverá se revestir de todo o procedimento legal, visando não incorrer em aquisições ilegais, para isto caso o artesão que seja seu fornecedor não esteja vinculado a uma entidade que o assista, necessário se faz que tal artesão emita NF ou não a tendo (o que é muito comum) faça o mediante a emissão de NF avulsa junto a Secretaria da Fazenda de cada Estado. Idéias de Negócios - loja-de-artesanato 17

18 Eventos HOBBYART BRASIL Feira Internacional de Hobby Criativo, Artes e Artesanato, o maior e mais importante encontro do mercado na América Latina. MEGA ARTESANAL Feira no segmento de artes e artesanato. O empresário de loja de artesanato deverá estar sempre atento aos eventos nesta área regionalmente, nos diversos estados brasileiros, por isso deve estar sempre acessando a internet e buscando manter-se informado sobre tais eventos. Entidades em Geral Sites interessantes: local para se informar sobre os diversos eventos pelo Brasil relacionados a artes e artesanato. site importante para pesquisa sobre eventos na área de artesanato e também sobre idéias variadas. site de uma comunidade virtual voltada exclusivamente para pessoas que se interessa por artesanato. 18 Idéias de Negócios - loja-de-artesanato

19 Normas Técnicas Não existem normas técnicas específicas que regulamentem este segmento empresarial. Glossário Não se aplica a esse perfil, não havendo, portanto, palavras desconhecidas ou diferentes. Dicas do Negócio O candidato a empresário na área de loja de artesanato deve entrar neste negócio consciente de que terá que estar presente tempo integral, principalmente no início das atividades do novo empreendimento, tanto na parte comercial, quanto operacional e na gestão financeira do negócio. O empreendedor deve estar muito atento ao que acontece no mercado de artesanato.é importante acompanhar o desenvolvimento dos produtos, identificar novos artesãose tendências. Este segmento requerer inovações contínuas, seja na oferta de novas e inovadoras peças de artesanato ou na forma de comercializar seus produtos. O empreendedor deverá estar disposto a se dedicar integralmente a loja de artesanato, pois terá que viajar pelas mais diversas regiões do país procurando identificar novos artesãos e possíveis fornecedores exclusivos.durante sua ausência deverá contar com outro um gestor que pelo menos consiga cumprir suas ordens. Idéias de Negócios - loja-de-artesanato 19

20 Características específicas do empreendedor O empreendedor que tender a iniciar uma loja de artesanato, deve ter algumas características básicas, tais como: 1. Ter conhecimento específico sobre artesanato e suas diversas variações étnicas, culturais, etc.. Este conhecimento pode ser adquirido com a participação em cursos e eventos sobre artes e artesanato; 2. Habilidades para analisar uma peça de artesanato, conhecer a história de cada região produtora de artesanato bem como do artesão; 3. Sr capaz de elaborar mostruário que desperte a atenção dos clientes, apresentar sugestões de utilização das peças de artesanato; 4.. Ter habilidade no tratamento com pessoas tanto com seus colaboradores quanto com clientes, fornecedores/artesãos, enfim com todos que de forma direta ou indireta tenha ligação com a empresa; 6. Ser empreendedor antecipando as tendências, ter visão de futuro no que tange o interesse de consumo, além de estar sempre antenado com as inovações de mercado; 7. Ser humilde o suficiente para entender que o que vende é o gosto do cliente e não o seu, por isso deverá adquirir peças de artesanato que atenda os anseios da clientela e não apenas tentar impor o seu próprio gosto. Bibliografia Complementar SEBRAE/MG SEBRAE/SC 20 Idéias de Negócios - loja-de-artesanato

21 SEBRAE/ES Idéias de Negócios - loja-de-artesanato 21

Agência de viagens e turismo

Agência de viagens e turismo Agência de viagens e turismo Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Adelmir Santana Diretor-Presidente Paulo Tarciso Okamotto Diretor Técnico Luiz Carlos Barboza Diretor de Administração e Finanças

Leia mais

UNIVERSIDADE GUARULHOS - UnG ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: PLANO DE NEGÓCIOS

UNIVERSIDADE GUARULHOS - UnG ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: PLANO DE NEGÓCIOS UNIVERSIDADE GUARULHOS - UnG ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: PLANO DE NEGÓCIOS MATERIAL COMPLEMENTAR PARTE 2 IDEIAS DE NEGÓCIOS PROFª MAISA ALVES masantos@prof.ung.br Fevereiro, 2014 PLANO DE NEGÓCIOS...

Leia mais

SEBRAE Estúdio Fotográfico

SEBRAE Estúdio Fotográfico SEBRAE Estúdio Fotográfico Apresentação do Negócio Estúdio fotográfico é um negócio que está relacionado a experiências divertidas, eterniza a integração, estimula a criatividade, ativa as fantasias e

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Diretor-Presidente Diretor Técnico Diretor de Administração e Finanças

Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Diretor-Presidente Diretor Técnico Diretor de Administração e Finanças Loja de calçados Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Adelmir Santana Diretor-Presidente Paulo Tarciso Okamotto Diretor Técnico Luiz Carlos Barboza Diretor de Administração e Finanças Carlos

Leia mais

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO No Modelo de Plano de Negócio, disponível no seu ambiente do Concurso você terá um passo a passo para elaborar o seu Plano, bem como todo o conteúdo necessário

Leia mais

Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Diretor-Presidente Diretor Técnico Diretor de Administração e Finanças

Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Diretor-Presidente Diretor Técnico Diretor de Administração e Finanças Empresa de mudanças Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Adelmir Santana Diretor-Presidente Paulo Tarciso Okamotto Diretor Técnico Luiz Carlos Barboza Diretor de Administração e Finanças Carlos

Leia mais

Escola de dança de salão

Escola de dança de salão Escola de dança de salão Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Adelmir Santana Diretor-Presidente Paulo Tarciso Okamotto Diretor Técnico Luiz Carlos Barboza Diretor de Administração e Finanças

Leia mais

Guia de Abertura de um Hotel em Pernambuco (Brasil) Zeta Advisors

Guia de Abertura de um Hotel em Pernambuco (Brasil) Zeta Advisors Guia de Abertura de um Hotel em Pernambuco (Brasil) Zeta Advisors 1 The way to get started is to quit talking and begin doing. Walt Disney Company ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Licenciamento e Legislação...

Leia mais

FACÇÃO TECIDO PLANO. 1 - Introdução. 2- Mercado

FACÇÃO TECIDO PLANO. 1 - Introdução. 2- Mercado FACÇÃO TECIDO PLANO 1 - Introdução Nesta apresentação o empreendedor encontra indicações dos conhecimentos que aumentam e melhoram suas chances de sucesso, desde a identificação da oportunidade, riscos

Leia mais

Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Diretor-Presidente Diretor Técnico Diretor de Administração e Finanças

Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Diretor-Presidente Diretor Técnico Diretor de Administração e Finanças Estudio fotográfico Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Adelmir Santana Diretor-Presidente Paulo Tarciso Okamotto Diretor Técnico Luiz Carlos Barboza Diretor de Administração e Finanças Carlos

Leia mais

PizzarIFSC - Pizzaria IFSC. Pizzaria IFSC. Elaborado por: Edson Watanabe. Data criação: 25/04/2011 21:04 Data Modificação: 07/12/2011 11:40

PizzarIFSC - Pizzaria IFSC. Pizzaria IFSC. Elaborado por: Edson Watanabe. Data criação: 25/04/2011 21:04 Data Modificação: 07/12/2011 11:40 PizzarIFSC - Pizzaria IFSC Pizzaria IFSC Elaborado por: Edson Watanabe Data criação: 25/04/2011 21:04 Data Modificação: 07/12/2011 11:40 Tipo Empresa: Empresa nascente 1 - Sumário Executivo 1.1 - Resumo

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 6 Plano de Negócios Empreendedorismo de Negócios com Informática - Plano de Negócios 1 Conteúdo Sumário Executivo Apresentação da Empresa Plano de Marketing

Leia mais

ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO

ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO Nome da Empresa: Sapatos e Bolsas BACANAS. Razão Social: Sócios: Endereço: Fone/Fax: Pessoa para Contato: CEP: ETAPA 2 DESCRIÇÃO GERAL DO NEGÓCIO O que a empresa

Leia mais

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria Importância da formação do preço. A intensificação da concorrência entre as marcenarias, indústria de móveis em série e lojas de móveis modulares exige, por parte dos Marceneiros, a apuração eficaz das

Leia mais

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 Informativo 19 - Página 285 - Ano 2009 ORIENTAÇÃO MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Opção pelo SIMEI Conheça as condições para recolhimento

Leia mais

Loja de roupas infantis e infanto-juvenis

Loja de roupas infantis e infanto-juvenis Loja de roupas infantis e infanto-juvenis Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Adelmir Santana Diretor-Presidente Paulo Tarciso Okamotto Diretor Técnico Luiz Carlos Barboza Diretor de Administração

Leia mais

Para ser Franqueado. É essencial:

Para ser Franqueado. É essencial: Para ser Franqueado É essencial: Estar em busca de sucesso empresarial; Ter disposição pessoal para estudar, ensinar e trabalhar para manter um negócio seguro e rentável; Possuir espírito empreendedor;

Leia mais

Etapas para a preparação de um plano de negócios

Etapas para a preparação de um plano de negócios 1 Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: EMPREENDEDORISMO Turma: 5 ADN Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: O PLANO DE NEGÓCIO A necessidade de um plano de negócio

Leia mais

Maria Tereza da Silva Santos. Confecção - Exemplo. Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos

Maria Tereza da Silva Santos. Confecção - Exemplo. Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos Maria Tereza da Silva Santos Confecção - Exemplo Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos Data criação: 09/01/2014 14:36 Data Modificação: 21/02/2014 14:36 Tipo Empresa: Empresa nascente 1 - Sumário

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre o responsável pela proposta. Nome : Identidade: Órgão Emissor: CPF: Endereço: Bairro: Cidade: Estado: CEP: Telefone: FAX: E-mail Formação Profissional: Atribuições

Leia mais

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO COMO ABRIR SEU NEGÓCIO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Reflexão Qual o principal motivo para buscar a formalização de seu negócio? É importante lembrarmos que: Para desenvolver suas

Leia mais

www.icert.com.br / www.gestortotal.com.br

www.icert.com.br / www.gestortotal.com.br Empreendedorismo Pequeno empreendedor: Saiba como começar sua empresa 1. Como financiar um negócio 2. O MEI Microempreendedor Individual 3. Benefícios em formalizar sua empresa 4. Local para se formalizar

Leia mais

PREÇO DE VENDA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO

PREÇO DE VENDA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO PREÇO DE VENDA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO Estabelecer o preço de venda é um dos mais importantes momentos nas decisões a serem implantadas na empresa. A simples questão Por quanto devem ser vendidos os serviços

Leia mais

Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a Empresa

Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a Empresa Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a! Principais passos! O efeito da depreciação! Outros fatores que geram obrigações ou direitos para a empresa Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

VENDAS DIRETAS Fortaleza - CE 2013

VENDAS DIRETAS Fortaleza - CE 2013 VENDAS DIRETAS Fortaleza - CE 2013 2013. Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Ceará - SEBRAE/CE. Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação, no todo

Leia mais

em nome próprio, responde com a totalidade de seu patrimônio e é apenas equiparado a pessoa jurídica.

em nome próprio, responde com a totalidade de seu patrimônio e é apenas equiparado a pessoa jurídica. EIRELI A EIRELI é uma empresa individual de responsabilidade limitada. Com a publicação da Lei nº 12.441 de 11 de julho de 2011, foi alterado o Código Civil, com a finalidade de autorizar a criação das

Leia mais

1. Fluxo de documentação

1. Fluxo de documentação 1. Fluxo de documentação É de fundamental importância o envio de toda documentação financeira para atender as exigências impostas pelo fisco e evitar problemas futuros à empresa. Prazo de envio: É ideal

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa

Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa A Constituição Federal e o Estatuto Os artigos 146, 170, 179 da Constituição de 1988 contêm os marcos legais que fundamentam as medidas e ações de apoio às

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 SIDNEY SOARES DE LIMA 05010004401 TURMA: 01030 TURNO: NOITE PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS

Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS DISCIPLINA: Constituição de novos empreendimentos Aula 5 Assunto: Continuando O Plano de Negócios ( segundo o modelo do SEBRAE) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão

Leia mais

BALANCETES E RELATÓRIOS

BALANCETES E RELATÓRIOS Matéria - Contabilidade SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Balancetes NBC T 2.7 3. Modelos de Balancetes 4. Relatórios 4.1. Relatórios por área de responsabilidade BALANCETES E RELATÓRIOS 5. Balancetes

Leia mais

ASPECTOS JURÍDICOS ESSENCIAIS PARA LOJAS VIRTUAIS

ASPECTOS JURÍDICOS ESSENCIAIS PARA LOJAS VIRTUAIS ASPECTOS JURÍDICOS ESSENCIAIS PARA LOJAS VIRTUAIS Introdução Defina o tipo de empresa Capítulo 1 Registre a sua marca e o seu domínio Capítulo 2 Prepare-se para os impostos Capítulo 3 O direito do e-consumidor

Leia mais

PESSOAL CONTRIBUIÇÃO SINDICAL PATRONAL

PESSOAL CONTRIBUIÇÃO SINDICAL PATRONAL PESSOAL CONTRIBUIÇÃO SINDICAL PATRONAL Não somente os empregados, mas também os empregadores e empresas, sejam urbanos ou rurais, estão obrigados a contribuir anualmente para o sindicato representativo

Leia mais

Capítulo 3. Focalizando o novo negócio

Capítulo 3. Focalizando o novo negócio O QUE É UMA EMPRESA? De acordo com Santos (1982), a empresa é comumente definida pelos economistas como uma unidade básica do sistema econômico, cuja principal função é produzir bens e serviços. Os objetivos

Leia mais

Plano de Negócio (Projeto de Viabilidade Econômica) Loja de Roupas Femininas na cidade de Marialva

Plano de Negócio (Projeto de Viabilidade Econômica) Loja de Roupas Femininas na cidade de Marialva Plano de Negócio (Projeto de Viabilidade Econômica) Loja de Roupas Femininas na cidade de Marialva Caracterização do Empreendimento Trata o presente de análise de viabilidade de mercado e de viabilidade

Leia mais

http://www.portaldecontabilidade.com.br/guia/clientes/comercial/imobi... ATIVO IMOBILIZADO

http://www.portaldecontabilidade.com.br/guia/clientes/comercial/imobi... ATIVO IMOBILIZADO 1 de 6 31/01/2015 14:40 ATIVO IMOBILIZADO O Ativo Imobilizado é formado pelo conjunto de bens e direitos necessários à manutenção das atividades da empresa, caracterizados por apresentar-se na forma tangível

Leia mais

A Multimex é mais do que uma Empresa de Comércio Exterior, é um portal de negócios internacionais.

A Multimex é mais do que uma Empresa de Comércio Exterior, é um portal de negócios internacionais. A Multimex é mais do que uma Empresa de Comércio Exterior, é um portal de negócios internacionais. Entre outras vantagens, oferece importantes benefícios fiscais que visam diminuir o custo de seus clientes.

Leia mais

COMO ABRIR UMA EMPRESA!!!

COMO ABRIR UMA EMPRESA!!! COMO ABRIR UMA EMPRESA!!! P R O F M S K E I L L A L O P E S M E S T R E E M A D M I N I S T R A Ç Ã O P E L A U F B A E S P E C I A L I S T A E M G E S T Ã O E M P R E S A R I A L P E L A U E F S G R A

Leia mais

Como montar um escritório de contabilidade

Como montar um escritório de contabilidade Como montar um escritório de contabilidade EMPREENDEDORISMO Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Robson Braga de Andrade Presidente

Leia mais

Formação do Preço de Venda

Formação do Preço de Venda CURSO DE ADM - 5º PERÍODO - FASF Objetivo Refletir sobre a importância de se conhecer e identificar a FORMAÇÃO DE PREÇO, como fator determinante para a sobrevivência da exploração da atividade da empresa.

Leia mais

Orientações sobre Bonificações e Despesas Indiretas (BDI)

Orientações sobre Bonificações e Despesas Indiretas (BDI) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS 11ª INSPETORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS DO EXÉRCITO Orientações sobre Bonificações e Despesas Indiretas (BDI) Ref: - Acórdão

Leia mais

o GUIA definitivo do Microempreendedor Individual

o GUIA definitivo do Microempreendedor Individual o GUIA definitivo do Microempreendedor Individual sumário >> Introdução... 3 >> Você sabe o que é MEI?... 5 >> Quais as vantagens em ser um MEI?... 11 >> Quais as responsabilidades do MEI?... 14 >> Como

Leia mais

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR)

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) Pontos Lei Geral Como é hoje 1 Alcance da Lei A lei do Simples está voltada para os tributos federais. Os sistemas de tributação

Leia mais

MODIFICAÇÕES DO NACIONAL

MODIFICAÇÕES DO NACIONAL Fecomércio MG Jurídico MODIFICAÇÕES DO NACIONAL Outubro de 2014 www.fecomerciomg.org.br S umário O que é o Simples Nacional... 3 Quem pode optar pelo Simples Nacional... 4 Modificações...5 Principais modificações

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados Curso Online 1 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 1 O Que é Fluxo de Caixa _Fatores que Afetam o Fluxo de Caixa (Internos e Externos) _Desequilíbrio Financeiro

Leia mais

DICAS DE ECONOMIA TRIBUTÁRIA - PJ Por Júlio César Zanluca Verifique se as dicas se aplicam ou não a sua empresa, pois pode haver restrições quanto a

DICAS DE ECONOMIA TRIBUTÁRIA - PJ Por Júlio César Zanluca Verifique se as dicas se aplicam ou não a sua empresa, pois pode haver restrições quanto a DICAS DE ECONOMIA TRIBUTÁRIA - PJ Por Júlio César Zanluca Verifique se as dicas se aplicam ou não a sua empresa, pois pode haver restrições quanto a aplicabilidade, de acordo com a forma de tributação

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS 1) O desembolso à vista ou a prazo para obtenção de bens ou serviços, independentemente de sua destinação dentro da empresa, denomina-se : a) gasto b) investimento

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Agência de Propaganda

Agência de Propaganda Agência de Propaganda RIO DE JANEIRO, 2010 APRESENTAÇÃO O SEBRAE/RJ Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Estado do Rio de Janeiro apóia o desenvolvimento da atividade empresarial de pequeno

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte.

SIMPLES NACIONAL. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. SIMPLES NACIONAL Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno

Leia mais

Como montar uma agência de marketing digital

Como montar uma agência de marketing digital Como montar uma agência de marketing digital EMPREENDEDORISMO Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Robson Braga de Andrade Presidente

Leia mais

Como montar uma agência de empregos

Como montar uma agência de empregos Como montar uma agência de empregos EMPREENDEDORISMO Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Robson Braga de Andrade Presidente

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

AGENDA DE CONTRIBUIÇÕES, TRIBUTOS E OBRIGAÇÕES

AGENDA DE CONTRIBUIÇÕES, TRIBUTOS E OBRIGAÇÕES Sinduscon Ceará - Agosto / 2014 DIAS OBRIGAÇÕES DESCRIÇÃO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL 05 (terça-feira) IRRF RETIDO NA FONTE Recolher até o 3º dia útil após o último decêndio do mês anterior, os fatos gerados a

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DOCUMENTOS PARA CONTABILIZAÇÃO

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DOCUMENTOS PARA CONTABILIZAÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DOCUMENTOS PARA CONTABILIZAÇÃO Através deste manual, a Tecnicont pretende orientar seus clientes e facilitar os procedimentos a serem realizados no envio de documentos

Leia mais

COMO ABRIR UMA EMPRESA!!!

COMO ABRIR UMA EMPRESA!!! COMO ABRIR UMA EMPRESA!!! P R O F M S K E I L L A L O P E S M E S T R E E M A D M I N I S T R A Ç Ã O P E L A U F B A E S P E C I A L I S T A E M G E S T Ã O E M P R E S A R I A L P E L A U E F S G R A

Leia mais

Palestrante Profº. Affonso d Anzicourt Professor e Palestrante da Escola Nacional de Seguros, Contador, Perito Judicial Federal por Nomeação,

Palestrante Profº. Affonso d Anzicourt Professor e Palestrante da Escola Nacional de Seguros, Contador, Perito Judicial Federal por Nomeação, 1 Palestrante Profº. Affonso d Anzicourt Professor e Palestrante da Escola Nacional de Seguros, Contador, Perito Judicial Federal por Nomeação, Advogado Especializado em Direito Tributário e Societário.

Leia mais

Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Diretor-Presidente Diretor Técnico Diretor de Administração e Finanças

Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Diretor-Presidente Diretor Técnico Diretor de Administração e Finanças Ateliê de costura Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Adelmir Santana Diretor-Presidente Paulo Tarciso Okamotto Diretor Técnico Luiz Carlos Barboza Diretor de Administração e Finanças Carlos

Leia mais

Sobre a Feira D Beleza

Sobre a Feira D Beleza Sobre a Feira D Beleza A Feira D Beleza de Diadema está em sua terceira edição. Ela é fruto de uma parceria entre a prefeitura de Diadema, através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho,

Leia mais

APP - Interatividade

APP - Interatividade APP - Interatividade "não compartilhe o seu tempo livre - viva-o" APP - Interatividade Elaborado por: Alexandre Nogueira Cunha Data criação: 24/02/2015 00:43 Data Modificação: 01/03/2015 19:13 Tipo Empresa:

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRIBUTOS RECOM Regulamentação Orientador Empresarial DECRETO nº 7.319/2010 DOU: 29.09.2010 Regulamenta a aplicação do Regime Especial de Tributação

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Como montar uma creche

Como montar uma creche Como montar uma creche EMPREENDEDORISMO Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Robson Braga de Andrade Presidente do CDN Diretor-Presidente

Leia mais

JANEIRO 2016 PROVIDÊNCIAS PARA O MÊS OBRIGAÇÕES DE ROTINA

JANEIRO 2016 PROVIDÊNCIAS PARA O MÊS OBRIGAÇÕES DE ROTINA JANEIRO 2016 PROVIDÊNCIAS PARA O MÊS OBRIGAÇÕES DE ROTINA PROVIDÊNCIAS PARA O MÊS DE JANEIRO/2016 I OBRIGAÇÕES DE ROTINA P.I.S. Fazer cadastramento dos empregados admitidos no mês de DEZ/2015 que ainda

Leia mais

Análise Econômica. Nívea Cordeiro

Análise Econômica. Nívea Cordeiro Análise Econômica Nívea Cordeiro 1 2011 Análise Econômica Permite levantar o montante que será gasto no empreendimento e se este dará lucro ou prejuízo. A análise econômica trabalha por competência, permitindo

Leia mais

Universidade Federal do Pará. Centro Sócio Econômico. Curso Ciências Contábeis. Disciplina: Administração Financeira. Professor: Héber Lavor Moreira.

Universidade Federal do Pará. Centro Sócio Econômico. Curso Ciências Contábeis. Disciplina: Administração Financeira. Professor: Héber Lavor Moreira. Universidade Federal do Pará. Centro Sócio Econômico. Curso Ciências Contábeis. Disciplina: Administração Financeira. Professor: Héber Lavor Moreira. Silvanda de Jesus Aleixo Ferreira 0201002501 Belém-PA

Leia mais

Como. elaborar COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS. plano um de. negócios. Especialistas em pequenos negócios

Como. elaborar COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS. plano um de. negócios. Especialistas em pequenos negócios Como elaborar plano um de negócios 1 Especialistas em pequenos negócios BRASÍLIA 2013 Sebrae NA Presidente do Conselho Deliberativo Roberto Simões Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Eduardo Pereira Barretto

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI Nº 6.559, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2004 Publicada no DOE em 31 de dezembro de 2004 DISPÕE SOBRE A MICROEMPRESA SOCIAL, ESTABELECENDO TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO,

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências.

Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências. DECRETO N o 3.474, DE 19 DE MAIO DE 2000. Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

Sejam bem-vindos. Como Elaborar um Plano de Negócios. Educação Sebrae. Unidade de Educação e Desenvolvimento da Cultura Empreendedora 1

Sejam bem-vindos. Como Elaborar um Plano de Negócios. Educação Sebrae. Unidade de Educação e Desenvolvimento da Cultura Empreendedora 1 Sejam bem-vindos Unidade de Educação e Desenvolvimento da Cultura Empreendedora 1 Curso 5 dias 1º 2º 3º 4º 5º Curso 10 dias OBJETIVOS 1º Apresentação do curso, empreendedorismo e CCE's 2º Cenário macroeconômico,

Leia mais

Viabilidade de Negócios. Serviço

Viabilidade de Negócios. Serviço Viabilidade de Negócios Serviço SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ANALISANDO A VIABILIDADE DO NEGÓCIO... 12 3. INVESTIMENTOS FIXOS... 17 4. GASTOS FIXOS MENSAIS... 23 5. CAPITAL DE GIRO INICIAL... 38 6. INVESTIMENTO

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2011 (ÂMBITO FEDERAL)

OBRIGAÇÕES FISCAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2011 (ÂMBITO FEDERAL) OBRIGAÇÕES FISCAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2011 (ÂMBITO FEDERAL) 04.05 (4ª feira) IOF Imposto Sobre Operações Financeiras Último dia para o recolhimento do IOF referente ao

Leia mais

Instituto Odeon - Filial Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório de revisão dos auditores independentes

Instituto Odeon - Filial Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório de revisão dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de e relatório de revisão dos auditores independentes Relatório de revisão dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores

Leia mais

ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2)

ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Deliberação CVM nº 640, de 7 de outubro de 2010 (Pág. 57) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02(R2) do Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC sobre efeitos das mudanças

Leia mais

O Prefeito do Município de João Pessoa, Estado da Paraíba, faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte lei:

O Prefeito do Município de João Pessoa, Estado da Paraíba, faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte lei: www.leismunicipais.com.br LEI Nº 12.211, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA POPULAR EMPREENDEDORA E SOLIDÁRIA DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA

Leia mais

Demo - Centro de Estética Como Montar

Demo - Centro de Estética Como Montar 1 Centro de Estética Como Montar 2 Editora: Intercriar - Projetos de Inovação Empresarial. Copyright 2013 by Isa Pacheco Albuquerque. Todos os direitos desta edição são reservados a Intercriar. Dados Internacionais

Leia mais

Manual de Abertura da Franquia

Manual de Abertura da Franquia Versão 2 Manual de Abertura da Franquia www.autobrasilfranquias.com.br Procedimentos para Abertura de Unidade CONSIDERAÇÕES INICIAIS Aproveitamos esta oportunidade para desejar a você as mais sinceras

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS

REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA I ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS Prof. Emanoel Truta ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Os Elementos das Demonstrações Contábeis

Leia mais

MANUAL DO EMPRESÁRIO

MANUAL DO EMPRESÁRIO MANUAL DO EMPRESÁRIO ÍNDICE GERAL Pagina CAPITULO I VOCÊ, COMO EMPRESÁRIO E SUA EMPRESA 012 PARTE I TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER 012 ITEM I O QUE VOCÊ DEVE SER E TER 012 PARTE II O PLANEJAMENTO DA SUA

Leia mais

Pessoa para Contato: João Barbosa. Rua Ceará, 1254. Belo Horizonte MG.

Pessoa para Contato: João Barbosa. Rua Ceará, 1254. Belo Horizonte MG. PLANO DE NEGÓCIO EMPRESA DO RAMO DE SERVIÇOS ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO Nome da Empresa: Brilhante Serviços de Limpeza Razão Social: Barbosa e Rodrigues ME Sócios: João Barbosa e Jerônimo

Leia mais

Table of Contents. Sobre o material. Geo Studio. Apresentação. Mercado de Rastreadores. Mercado de Rastreadores. Equipamentos. Estrutura.

Table of Contents. Sobre o material. Geo Studio. Apresentação. Mercado de Rastreadores. Mercado de Rastreadores. Equipamentos. Estrutura. Table of Contents Sobre o material Geo Studio Apresentação Mercado de Rastreadores Mercado de Rastreadores Equipamentos Estrutura Estrutrua Localização Pessoal Mercadoria Produtividade da Empresa Automação

Leia mais

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras EletrosSaúde Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Em 31 de dezembro de 2011 e de 2010 Em milhares de reais 1 Contexto Operacional A Fundação Eletrobrás de Seguridade Social ELETROS é uma entidade

Leia mais

Como montar um serviço de aluguel de mesas e utensílios para

Como montar um serviço de aluguel de mesas e utensílios para Como montar um serviço de aluguel de mesas e utensílios para EMPREENDEDORISMO Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Robson Braga

Leia mais

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a Gestão Financeira Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIO PARA EMPREENDER NO SEGMENTO DE PAPELARIA

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIO PARA EMPREENDER NO SEGMENTO DE PAPELARIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISAS EM ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ESTRATÉGICA ADRIANA MARA PAIVA DE MATOS GONÇALVES

Leia mais

http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334

http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334 http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334 (Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara') Agência Câmara Tel. (61) 3216.1851/3216.1852 Fax. (61) 3216.1856

Leia mais

Como montar uma agência de publicidade

Como montar uma agência de publicidade Como montar uma agência de publicidade EMPREENDEDORISMO Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Robson Braga de Andrade Presidente

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIAS EIRELI X MEI ALUNA: Karen Lorena Guzmán Rodriguez 3º ano de Ciências Contábeis 2012 EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LTDA DEFINIÇÃO A Definição do Empresário Individual

Leia mais

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa):

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Pesquisa Industrial Anual Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Aluguéis e arrendamentos Despesas com

Leia mais

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL - REGRAS APLICÁVEIS PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL - REGRAS APLICÁVEIS PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL - REGRAS APLICÁVEIS PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE Matéria Elaborada com Base na Legislação Vigente em: 26/12/2012. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - ALCANCE DA ITG 1000 3

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE. Av. Conselheiro Aguiar, nº 4635, salas 407/408, Boa Viagem, Recife/PE 81-3325.0725 81-8639.0762

MANUAL DO CLIENTE. Av. Conselheiro Aguiar, nº 4635, salas 407/408, Boa Viagem, Recife/PE 81-3325.0725 81-8639.0762 MANUAL DO CLIENTE Av. Conselheiro Aguiar, nº 4635, salas 407/408, Boa Viagem, Recife/PE 81-3325.0725 81-8639.0762 www.hvrcontabil.com.br contato@hvrcontabil.com.br INTRODUÇÃO Este manual tem como finalidade

Leia mais

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aos Diretores e Mantenedores da FUNDAÇÃO PRÓ RIM JOINVILLE SC Examinamos as demonstrações financeiras da Fundação Pró Rim, que compreendem

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE

ESTUDO DE VIABILIDADE ESTUDO DE VIABILIDADE REDE LOCAL / ARRANJO PRODUTIVO LOCAL / CADEIA PRODUTIVA NOME: SIGLA: ESTADO: 1º Parte - Viabilidade Econômica e Ambiental Esta é a dimensão mais importante do estudo de viabilidade

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS 1) INTRODUÇÃO 2) DADOS CADASTRAIS PESSOA FISICA 3) DADOS CADASTRAIS PESSOA JURÍDICA

PLANO DE NEGÓCIOS 1) INTRODUÇÃO 2) DADOS CADASTRAIS PESSOA FISICA 3) DADOS CADASTRAIS PESSOA JURÍDICA PLANO DE NEGÓCIOS CÓDIGO: DATA: 1) INTRODUÇÃO O plano de negócio é um instrumento que visa estruturar as principais concepções e alternativas para uma análise correta de viabilidade do negócio pretendido,

Leia mais

Soluções estratégicas em economia

Soluções estratégicas em economia Soluções estratégicas em economia Ampliação e aperfeiçoamento dos mecanismos de desoneração tributária dos sistemas de logística reversa e estudo de impacto econômico da desoneração Estudo preparado para

Leia mais