Validade e Eficácia da Isenção Tributária Outorgada sem a Observância dos Requisitos Normativos.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Validade e Eficácia da Isenção Tributária Outorgada sem a Observância dos Requisitos Normativos."

Transcrição

1 XI Salão de Iniciação Científica PUCRS Validade e Eficácia da Isenção Tributária Outorgada sem a Observância dos Requisitos Normativos. Gabriel da Silva Danieli, Igor Danilevicz (orientador) Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Resumo Em acordo celebrado entre o governo do Estado da Bahia e a empresa Ford, foi isentada esta do ICMS, entre outras isenções e incentivos para que a empresa se instalasse no estado, conforme a Lei 9.440/97, que concedia diversos incentivos fiscais inclusive isenção de ICMS - a empresas automobilísticas que se instalassem nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste do país, e respeitando o protocolo de intenções. Entretanto, com a observância da legalidade tributária, para que seja concedida isenção de ICMS, deve ser respeitado o disposto nos arts. 150, parágrafo 6, e o disposto no art. 155, parágrafo 2, XII, g, todos da Constituição Federal de Conforme o estipulado, a Lei Complementar correspondente é a 24/1975. Analisando-se a forma como se deu a isenção de ICMS, conclui-se que os requisitos para a concessão não foram respeitados, de modo que a invalidade da lei que isentou a empresa deva provocar a ineficácia do contrato assinado entre essa e o Estado da Bahia. Dessa forma, tendo a Ford se estabelecido na Bahia motivada pelos benefícios fiscais, sem os quais não se instalaria, bem como, com vistas à manutenção de seu funcionamento e, principalmente, com vistas à continuidade do cumprimento do contrato de intenções firmado entre a empresa e o Estado, beneficiando, assim, toda a população da região, surge a seguinte indagação: Deve esta pagar a tributação relativa ao ICMS, onerando de forma não prevista seu negócio, ou deve ser respeitado o acordo, ainda que realizado sem preencher os requisitos legais? 2392

2 De uma forma objetiva, mesmo sendo inválida a lei que isentou a Ford, deve ter eficácia o contrato assinado entre a empresa e o Estado da Bahia, haja vista ter sido assinado com boa-fé e já estar produzindo efeitos desde o momento da instalação da montadora? Introdução Para que seja analisada a questão, deve-se ter em vista, primeiramente, os arts. 150, parágrafo 6, e 155, parágrafo 2, 155, XII, g, da Constituição da República Federativa do Brasil, arts. 97, VI, 175, II, 176 e 178, do Código Tributário Nacional, arts. 1, 2 e 8, da Lei Complementar 24/1975, e Lei 9.440/1997. Conforme os artigos citados acima, chega-se à conclusão de que é necessária a edição de lei específica para a concessão de isenção de tributos, sendo que, quando se tratar de isenção de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços, é necessária a edição de Lei Complementar reguladora. Tal lei é a LC 24/1975, sendo esta conforme a Constituição Federal e devendo ser observada por qualquer lei que intente a isenção referida. No caso apresentado, a regularidade formal não foi devidamente observada, razão pela qual, sem serem analisadas as suas peculiaridades, deve ser pago ICMS pela empresa Ford ao estado da Bahia. Entretanto, não obstante tenha sido irregular a maneira como se deu a isenção, devem ser observados os princípios do direito brasileiro, de maneira que estes devam servir de norte às leis, por fazerem parte da própria legalidade tributária. Alguns destes princípios são: o princípio da segurança jurídica, o princípio da boa-fé da administração, o princípio da função social do contrato, além de princípios estritamente tributários que devem ser ponderados e, eventualmente, preferidos para chegar-se ao objetivo de Estado de Direito, quais sejam, por exemplo, princípio da anterioridade da lei tributária, princípio da transparência dos impostos, entre outros. Portanto, como se percebe, não se está dizendo que a legalidade deve ser deixada de lado, ou que apenas os princípios, sem leis que os definam, devem ser observados. O que se está querendo asseverar é que, em casos concretos, isolados, onde estejam em jogo mais do que a oneração da pessoa jurídica e o crédito do Fisco, devem ser analisadas todas as circunstâncias, de modo que seja mais benéfica à população como um todo a solução, sendo observados tanto os princípios constitucionais quanto as leis. Metodologia 2393

3 Primeiramente, foi analisado um caso concreto onde houve um acordo de incentivos fiscais, celebrado entre o governo da Bahia e a empresa Ford, com respaldo da Fazenda do Estado na Bahia e baseado na Lei 9.440/97, a qual oferecia incentivos fiscais a empresas automobilísticas que se instalassem nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste do país, estando inclusa a isenção de ICMS. Após, analisou-se a legalidade do acordo, bem como quais seriam os requisitos necessários para a correta isenção de ICMS, seja qual for o motivo, sem levar-se em conta o caso em tela. Posteriormente, comparou-se o modo como se deu a isenção no caso concreto com a maneira em que deveria se dar, caso se houvesse primado pela legalidade da situação. Feito isto, passou-se à análise de princípios norteadores do Estado de Direito brasileiro, de tal maneira que fosse debatido o referido caso e a sua solução, comparando-se as leis e os princípios, tanto gerais quanto estritamente tributários, com vistas a chegar-se a uma conclusão. Esta conclusão deveria ser a melhor possível para a população do estado da Bahia. Através da ponderação de princípios é que se chegou ao resultado desejado. Realizou-se, ainda, uma ampla pesquisa jurisprudencial em busca de casos semelhantes, em que o Estado esteja, com seu poder, agindo em prol de si mesmo, sem levar em conta a maneira que está agindo, ou casos em que haja irregularidades formais na edição de leis que concedam isenção. Resultados e Discussão Após análises criteriosas às leis e princípios envolvidos no presente caso, chegou-se à conclusão de que a melhor solução seria o não-pagamento de ICMS pela empresa Ford ao Estado da Bahia. Tal resultado está respaldado no fato de que as pessoas não podem ficar à mercê das vontades estatais. O objetivo do princípio da legalidade tributária é justamente evitar a arbitrariedade do Estado para com seus administrados. Se assim é, como pode o Estado conceder um incentivo fiscal a uma pessoa jurídica, fazendo-a assinar um protocolo de intenções as quais foram cumpridas da maneira como acordado, ou seja, conseguindo tudo o que desejava e, posteriormente, tributar esta mesma pessoa jurídica por algo que estaria esta isenta, conforme as negociações? É certo que não foi respeitada a regularidade formal quando da isenção de ICMS à empresa, no ato de negociação de seu estabelecimento no Estado da Bahia. Porém, houve boa- 2394

4 fé, houve cumprimento de sua parte no trato, ocorreu o sinalagma requerido pelo Estado quando no momento da confecção do contrato. Em assim sendo, por que não deve ser conferido à empresa o acordado? Portanto, neste caso, e em casos semelhantes a este, deve-se verificar todas as circunstâncias, sendo que o melhor resultado será o melhor para a população, e não apenas o melhor para os cofres públicos. Conclusão As pessoas não podem ficar à mercê de seus governantes, do mesmo modo que não podem os responsáveis pelo Estado arbitrarem a maneira, o momento e o motivo de suas ações. Ainda que casos como o apresentado não tenham tanta freqüência, a inconstância do mercado financeiro mundial é real, e acordos de incentivos fiscais são realizados a todo momento. Imagine-se o que aconteceria se, após o governo conceder isenção a IPI na compra de veículos, chegasse à conclusão de que a maneira em que se conferiu o benefício foi ilegal e começasse a tributar a população. Sem dúvidas, grande parte desta não teria comprado os veículos se não houvesse o abatimento no preço referente à não tributação. Não seria uma total injustiça ter que se pagar por algo que, no momento da aquisição, não era cobrado? E, ainda, não seria injusto arcar com um ônus que se fosse existente quando da compra, nem se teria se posto, o comprador, na condição de devedor? Esculpidos na própria legalidade estão os princípios fundamentais, os quais têm aplicação imediata e ilimitada senão quando se oponham. Estes princípios têm como fundamento principal a civilidade nas relações sociais e o bom andamento da própria sociedade, de maneira que devem ser seguidos para que os objetivos constitucionais sejam atingidos. Deve, então, ser observada e respeitada a segurança jurídica. Sobremaneira quanto aos Estados, os quais devem respeitar acordos firmados com vistas a angariar bons resultados econômicos para seus cofres e, também, com vistas a beneficiar sua população. Referências Amaro, Luciano. Direito Tributário Brasileiro, 13 ed. revisada. São Paulo: Saraiva Ataliba, Geraldo. Hipótese de Incidência Tributária, 6 ed.. São Paulo: Malheiros

5 Ávila, Humberto Bergmann. Sistema Constitucional Tributário: de acordo com a Emenda Constitucional n. 51, de 14/02/2006. São Paulo: Saraiva Ávila, Humberto Bergmann Ávila. Teoria dos Princípios: da definição e aplicação dos princípios jurídicos, 4 ed. São Paulo: Malheiros Bahia, Governo do Estado. Assessoria Geral de Comunicação Social. Disponível em: Acesso em: 29 abr Carraza, Roque Antonio. Curso de Direito Constitucional Tributário, 22 ed.. São Paulo: Malheiros Carraza, Roque Antonio. ICMS, 10 ed.. São Paulo: Malheiros Caso Ford, em Defesa do Interesse Público. Revista da procuradoria Geral do Estado do Rio Grande do Sul. V Disponível em: nteudo=1265. Acesso em: 12 abr Caso Ford, em Defesa do Interesse Público. Revista da procuradoria Geral do Estado do Rio Grande do Sul. V Disponível em: Acesso em 10 abr Carvalho, Paulo de Barros. Curso de Direito Tributário, 22 ed.. São Paulo: Saraiva Coêlho, Sacha Calmon Navarro. Evasão e Elisão Fiscal: o parágrafo único do art. 116, do CTN, e o direito comparado. Rio e Janeiro: Forense Dworkin. Ronald. A Matter Principle. Harvard University Press Incentivos Fiscais Favorecem a Indústria Automobilística, diz César Borges. JusBrasil Política. Disponível em: Acesso em 16 abr Isenções Tributárias, 2 ed. São Paulo (3 ed., com o título Teoria Geral da Isenção Tributária. São Paulo: Malheiros Kelsen, Hans. Teoria Pura do Direito, 2 ed., vol. II, trad. João Baptista Machado. Coimbra: Arménio Amando Editor Machado, Hugo de Brito Machado. Curso de Direito Tributário, 27 ed.. São Paulo: Malheiros Martins, Ives Gandra da Silva, coordenador. Comentários ao Código Tributário Nacional, 3 ed.. São Paulo: Saraiva

6 Martins, Ives Gandra da Silva. Uma Teoria do Tributo. São Paulo: Quartier Latin Mello, Celso Antônio Bandeira de. Curso de Direito Administrativo, 22 ed.. São Paulo: Malheiros Melo, José Eduardo Soares de. ICMS: teoria e prática, 8 ed.. São Paulo: Dialética Nassif, Luis. O Caso Ford-Bahia. Disponível em: Acesso em: 18 abr Najberg, Sheila; Puga, Fernando Pimentel. Condomínio Industrial: O Caso do Complexo Ford Nordeste Disponível em: pdf. Acesso em: 16 abr Siraque, Vanderlei. O princípio da Federação e o ICMS. Dissertação (Mestrado em Direito) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Tôrres, Heleno Taveira; Pires, Adilson Rodrigues. (organizadores). Princípios de direito financeiro e tributário Estudos em homenagem ao Professor Ricardo Lobo Torres. Rio de Janeiro: Renovar Vasconcelos, Fredi. Caso Ford, a Verdade Começa a Aparecer. Revista Fórum. Ed. 7. Out Disponível em: Acesso em: 18 abr Weissheimer, Marco Aurélio. RS Urgente. Disponível em: Acesso em: 22 abr Xavier, Alberto Pinheiro. Os Princípios da Legalidade e da Tipicidade da Tributação. São Paulo

Direito Tributário Constitucional

Direito Tributário Constitucional Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Tributário Direito Tributário Constitucional Carga Horária: 32 h/a 1- Ementa Repartição

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação.

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2013/1 DISCIPLINA: DIREITO TRIBUTÁRIO I PROFESSOR: JOÃO CLAUDIO GONÇALVES LEAL TURMA: 5º A INTEGRAL

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 1) Identificação. Código JUR 1056 12 Direito Diurno

PLANO DE ENSINO. 1) Identificação. Código JUR 1056 12 Direito Diurno PLANO DE ENSINO 1) Identificação Disciplina Direito Tributário Código JUR 1056 Turma 12 Direito Diurno Carga horária total 60 horas/aula Atividades teóricas Atividades práticas Semestre letivo 2015/1 Professor

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIREITO TRIBUTÁRIO MÓDULO I TEORIA GERAL DO DIREITO TRIBUTÁRIO 2014 1ª SEMESTRE

CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIREITO TRIBUTÁRIO MÓDULO I TEORIA GERAL DO DIREITO TRIBUTÁRIO 2014 1ª SEMESTRE INSTITUTO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO Av. Brig. Luiz Antonio, 290-7º conj. 71/72 01318-902 - São Paulo - SP Fone/fax: (11) 3105-8206 - (11) 3241-5348 Expediente das 9 às 18h E-mail: ibdt@ibdt.com.br

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIREITO TRIBUTÁRIO MÓDULO I TEORIA GERAL DO DIREITO TRIBUTÁRIO 2014 1ª SEMESTRE

CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIREITO TRIBUTÁRIO MÓDULO I TEORIA GERAL DO DIREITO TRIBUTÁRIO 2014 1ª SEMESTRE INSTITUTO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO Av. Brig. Luiz Antonio, 290-7º conj. 71/72 01318-902 - São Paulo - SP Fone/fax: (11) 3105-8206 - (11) 3241-5348 Expediente das 9 às 18h E-mail: ibdt@ibdt.com.br

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO

INSTITUTO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO INSTITUTO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO Av. Brig. Luiz Antonio, 290 7º conjs. 71/72 01318-902 São Paulo SP Fone/fax: 3105-8206 Expediente das 13 às 18h E-mail: ibdt@ibdt.com.br DIREITO TRIBUTÁRIO Curso

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Tributário II PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Tributário II PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Tributário II Código: DIR_569 Pré-requisito: Direito Tributário I Período Letivo:

Leia mais

INTRODUÇÃO José Horácio Halfeld rezende ribeiro 5. celso lafer 7. APRESENTAÇÃO DA OBRA raquel elita alves preto 13

INTRODUÇÃO José Horácio Halfeld rezende ribeiro 5. celso lafer 7. APRESENTAÇÃO DA OBRA raquel elita alves preto 13 SUMÁRIO INTRODUÇÃO José Horácio Halfeld rezende ribeiro 5 prefácio celso lafer 7 APRESENTAÇÃO DA OBRA raquel elita alves preto 13 DIRETORIA DO IASP 19 PARTE I DIREITO FINANCEIRO, DIREITO ECONÔMICO E TRIBUTAÇÃO:

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Tributário I PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Tributário I PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Tributário I Código: DIR -563 Pré-requisito: ------ Período Letivo: 2015.2 Professor:

Leia mais

Tratados internacionais para evitar a bitributação no Direito Brasileiro

Tratados internacionais para evitar a bitributação no Direito Brasileiro Page 1 of 7 DireitoNet - Artigo www.direitonet.com.br Link deste Artigo: http://www.direitonet.com.br/artigos/x/45/37/4537/ Impresso em 19/09/2008 Tratados internacionais para evitar a bitributação no

Leia mais

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA DOS TEMPLOS DE QUALQUER CULTO SOB O PRISMA DA LIBERDADE DE CRENÇA

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA DOS TEMPLOS DE QUALQUER CULTO SOB O PRISMA DA LIBERDADE DE CRENÇA 1 IMUNIDADE TRIBUTÁRIA DOS TEMPLOS DE QUALQUER CULTO SOB O PRISMA DA LIBERDADE DE CRENÇA Claudiney Anchieta de Carvalho 1 Me. Rafael Alem Mello Ferreira 2 RESUMO O presente trabalho busca analisar a imunidade

Leia mais

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CÓDIGO: CIS151 DISCIPLINA: DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO I CARGA HORÁRIA: 60h

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A identificação do sujeito passivo na relação jurídica tributária brasileira Elizabete Rosa de Mello* Introdução O poder de tributar no Estado Democrático de Direito é exercido pelo

Leia mais

Marilene Talarico Martins Rodrigues

Marilene Talarico Martins Rodrigues Marilene Talarico Martins Rodrigues Formação Acadêmica Pós-Graduação na PUC - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (créditos concluídos), nas áreas de concentração em (a) Direito Constitucional

Leia mais

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s)

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s) Programa de DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO II 9º Período: 4h/s Aula : Teórica EMENTA Garantias e Privilégios do Crédito Tributário. Administração Tributária. Ilícitos e sanções tributários. Processo administrativo-fiscal

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Tributário I PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Tributário I PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Tributário I Código: DIR -563 Pré-requisito: ------ Período Letivo: 2015.2 Professor:

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO ESCOLA DE DIREITO E RELAÇÕES INTERNACIONAIS COORDENAÇÃO DO CURSO DE DIREITO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO ESCOLA DE DIREITO E RELAÇÕES INTERNACIONAIS COORDENAÇÃO DO CURSO DE DIREITO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO ESCOLA DE DIREITO E RELAÇÕES INTERNACIONAIS COORDENAÇÃO DO CURSO DE DIREITO Disciplina: Direito Tributário II JUR 3412 Prof.: Luiz Fernando

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO: TRIBUTAÇÃO, GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FISCALIZAÇÃO. Professora responsável: Profª. Dra. Nélida Cristina dos Santos

DIREITO TRIBUTÁRIO: TRIBUTAÇÃO, GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FISCALIZAÇÃO. Professora responsável: Profª. Dra. Nélida Cristina dos Santos DIREITO TRIBUTÁRIO: TRIBUTAÇÃO, GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FISCALIZAÇÃO Professora responsável: Profª. Dra. Nélida Cristina dos Santos Carga Horária: 52 horas Ementa: O fenômeno da tributação é das mais relevantes

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 8.429, DE 2 DE JUNHO DE 1992. Dispõe sobre as sanções aplicáveis aos agentes públicos nos casos de enriquecimento

Leia mais

PIRATARIA É CRIME!?! ANÁLISE DA QUESTÃO SOB UM PRISMA PRINCIPIOLÓGICO.

PIRATARIA É CRIME!?! ANÁLISE DA QUESTÃO SOB UM PRISMA PRINCIPIOLÓGICO. PIRATARIA É CRIME!?! ANÁLISE DA QUESTÃO SOB UM PRISMA PRINCIPIOLÓGICO. THALES PONTES BATISTA Advogado-sócio da Paulo Albuquerque Advogados Associados, especialista em Direito do Consumidor, Direito Imobiliário,

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO DE DIREITO TRIBUTÁRIO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO DE DIREITO TRIBUTÁRIO INSTITUTO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO Av. Brig. Luiz Antonio, 290-7º conj. 71/72 01318-902 - São Paulo - SP Fone/fax: 3105-8206/3241-5348 Expediente das 9 às 18h E-mail: ibdt@ibdt.com.br CURSO DE

Leia mais

Direito Processual Tributário

Direito Processual Tributário Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Tributário Direito Processual Tributário Carga Horária: 36 h/a 1- Ementa Direito

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO DE DIREITO TRIBUTÁRIO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO DE DIREITO TRIBUTÁRIO INSTITUTO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO Av. Brig. Luiz Antonio, 290-7º conj. 71/72 01318-902 - São Paulo - SP Fone/fax: 3105-8206/3241-5348 Expediente das 9 às 18h E-mail: ibdt@ibdt.com.br CURSO DE

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: DIREITO TRIBUTÁRIO Código: CTB-262 Pré-requisito: ---------- Período Letivo: 2013.1 Professor:

Leia mais

Discente do curso de Ciências Contábeis do Centro Universitário Internacional (UNINTER). E-mail: lsgustavo92@ig.com.br.

Discente do curso de Ciências Contábeis do Centro Universitário Internacional (UNINTER). E-mail: lsgustavo92@ig.com.br. 559 ASPECTOS GERAIS SOBRE OS PRINCÍPIOS GERAIS DA CONTABILIDADE E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E O PAPEL PREPONDERANTE DA CONTABILIDADE PÚBLICA NA PROBIDADE ADMINISTRATIVA Luis Gustavo Esse Discente do curso

Leia mais

Coordenação Geral de Tributação

Coordenação Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta nº 4 Data 20 de agosto de 2012 Processo 15504.722162/2011 60 Interessado ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PROVEDORES DE INTERNET E OPERADORES DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

2. A DECADÊNCIA E A PRESCRIÇÃO NO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

2. A DECADÊNCIA E A PRESCRIÇÃO NO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO 1 DECADÊNCIA E PRESCRIÇÃO NO DIREITO CIVIL EM CONFRONTO COM O DIREITO TRIBUTÁRIO Indaga-se: aplicam-se os institutos da decadência e da prescrição no Direito Tributário da mesma forma que são aplicados

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 22 21 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 206 - Data 11 de julho de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF REFORMA A SOLUÇÃO DE

Leia mais

CH total: 72h SEMESTRE DE ESTUDO: 7º Semestre

CH total: 72h SEMESTRE DE ESTUDO: 7º Semestre DISCIPLINA: Direito Tributário I CH total: 72h SEMESTRE DE ESTUDO: 7º Semestre TURNO: Matutino / Noturno CÓDIGO: DIR133 1. EMENTA: Direito tributário. O tributo. Teoria da norma tributária. Espécies tributárias.

Leia mais

COMPENSAÇÃO NO DIREITO TRIBUTÁRIO

COMPENSAÇÃO NO DIREITO TRIBUTÁRIO COMPENSAÇÃO NO DIREITO TRIBUTÁRIO Rafael da Rocha Guazelli de Jesus * Sumário: 1. Introdução 2. O Instituto da Compensação 3. Algumas legislações que tratam da compensação 4. Restrições impostas pela Fazenda

Leia mais

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS FERNANDA CURY DE FARIA 1 RESUMO O presente artigo objetiva abordar as questões concernentes aos princípios constitucionais tributários, princípios estes previstos

Leia mais

PRINCÍPIOS DO DIREITO TRIBUTÁRIO

PRINCÍPIOS DO DIREITO TRIBUTÁRIO PRINCÍPIOS DO DIREITO TRIBUTÁRIO Marco Aurélio M. ALEGRE 1 José Maria ZANUTO 2 RESUMO : O presente trabalho irá tratar dos princípios constitucionais do Direito Tributário, onde tratam dos elementos genéricos

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO

INSTITUTO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO INSTITUTO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO Av. Brig. Luiz Antonio, 290 7º conjs. 71/72 01318-902 São Paulo SP Fone/fax: 3105-8206 Expediente das 13 às 18h E-mail: ibdt@ibdt.com.br DIREITO TRIBUTÁRIO Curso

Leia mais

AULA 1 08/02/2010 CRÉDITO TRIBUTÁRIO LANÇAMENTO

AULA 1 08/02/2010 CRÉDITO TRIBUTÁRIO LANÇAMENTO AULA 1 08/02/2010 CRÉDITO TRIBUTÁRIO LANÇAMENTO Direito Tributário Ramo do Direito que se ocupa das relações entre o fisco e as pessoas sujeitas a imposições tributárias de qualquer espécie, limitando

Leia mais

TRIBUTOS EM ESPÉCIE AUTORA: MELINA DE SOUZA ROCHA LUKIC COLABORADOR: MATTHEUS REIS E MONTENEGRO GRADUAÇÃO 2014.1

TRIBUTOS EM ESPÉCIE AUTORA: MELINA DE SOUZA ROCHA LUKIC COLABORADOR: MATTHEUS REIS E MONTENEGRO GRADUAÇÃO 2014.1 AUTORA: MELINA DE SOUZA ROCHA LUKIC COLABORADOR: MATTHEUS REIS E MONTENEGRO GRADUAÇÃO 2014.1 Sumário Tributos em Espécie INTRODUÇÃO... 3 AULA 01. CONCEITO DE TRIBUTO... 5 AULA 02. ESPÉCIES TRIBUTÁRIAS:

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 893.145 - PB (2006/0218478-3) RELATORA : MINISTRA ELIANA CALMON PROCURADORES : MARIA CLÁUDIA GONDIM CAMPELLO E OUTRO(S) EMENTA TRIBUTÁRIO - IMPOSTO SOBRE A RENDA - REDUÇÃO DE 50% DO

Leia mais

Tributo e espécies tributárias

Tributo e espécies tributárias Tributo e espécies tributárias Alexsander Roberto Alves Valadão* Conceito de tributo O conceito de tributo está previsto no artigo 3.º do Código Tributário Nacional (CTN), que estabelece de modo adequado

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 19.708/12/2ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000172336-99 Impugnação: 40.

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 19.708/12/2ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000172336-99 Impugnação: 40. Acórdão: 19.708/12/2ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000172336-99 Impugnação: 40.010131187-81 Impugnante: Proc. S. Passivo: Origem: EMENTA Transportadora R C Ltda IE: 625788240.00-50 Gustavo de Freitas DF/Barbacena

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Imposto Sobre Circulação De Mercadorias E Serviços * Vanessa Pavani Mello O critério material do ICMS O ICMS está previsto na CF no artigo 155, inciso II, e inserido na competência

Leia mais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais QSP Informe Reservado Nº 42 Janeiro/2005 ISO/IEC 17050-1 Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais Tradução livre especialmente preparada para os Associados

Leia mais

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL: REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE INCENTIVOS TRIBUTÁRIOS

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL: REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE INCENTIVOS TRIBUTÁRIOS LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL: REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE INCENTIVOS TRIBUTÁRIOS Kiyoshi Harada SUMÁRIO: 1 Introdução. 2 Requisitos para Concessão de Incentivos Tributários. 3 Diversas Modalidades de

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 PLANO DE CURSO

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 PLANO DE CURSO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: DIREITO TRIBUTÁRIO Código: CTB-262 Pré-requisito: ---------- Período Letivo: 2015.2 Professor:

Leia mais

DIREITO FUNDAMENTAL NÃO-CUMULATIVIDADE NOS TRIBUTOS SOBRE CONSUMO. Túlio Marcantônio Ramos Filho, Paulo Caliendo Velloso da Silveira.

DIREITO FUNDAMENTAL NÃO-CUMULATIVIDADE NOS TRIBUTOS SOBRE CONSUMO. Túlio Marcantônio Ramos Filho, Paulo Caliendo Velloso da Silveira. DIREITO FUNDAMENTAL NÃO-CUMULATIVIDADE NOS TRIBUTOS SOBRE CONSUMO Túlio Marcantônio Ramos Filho, Paulo Caliendo Velloso da Silveira. Mestrando em Direito, Faculdade de Direito, PUC/RS. Introdução Trata-se

Leia mais

Curso de especialização em direito tributário e processo tributário. Indicação de leitura complementar

Curso de especialização em direito tributário e processo tributário. Indicação de leitura complementar Curso de especialização em direito tributário e processo tributário Indicação de leitura complementar Cursos e manuais AMARO, Luciano. Direito tributário brasileiro. 20 ed. São Paulo: Saraiva, 2014 CARRAZZA,

Leia mais

LEI Nº 2.176, DE 17 DE JULHO DE 2005. (ATUALIZADA ATÉ A LEI Nº 2.666, DE 20 DE AGOSTO DE 2010)

LEI Nº 2.176, DE 17 DE JULHO DE 2005. (ATUALIZADA ATÉ A LEI Nº 2.666, DE 20 DE AGOSTO DE 2010) LEI Nº 2.176, DE 17 DE JULHO DE 2005. (ATUALIZADA ATÉ A LEI Nº 2.666, DE 20 DE AGOSTO DE 2010) Institui o Programa de Incentivo e Desenvolvimento Industrial de Morrinhos e estabelece normas gerais de incentivos

Leia mais

COMUNICADO. Fonte de Consulta. BARROSO, Luís Roberto. Curso de direito constitucional contemporâneo. 2ª edição. São Paulo: Saraiva, 2010.

COMUNICADO. Fonte de Consulta. BARROSO, Luís Roberto. Curso de direito constitucional contemporâneo. 2ª edição. São Paulo: Saraiva, 2010. ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESPÍRITO SANTO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO COMUNICADO A MESA DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

Leia mais

PRAZO DE DECADÊNCIA PARA TRIBUTOS SUJEITOS A LANÇAMENTO DE OFÍCIO, POR HOMOLOGAÇÃO E POR DECLARAÇÃO

PRAZO DE DECADÊNCIA PARA TRIBUTOS SUJEITOS A LANÇAMENTO DE OFÍCIO, POR HOMOLOGAÇÃO E POR DECLARAÇÃO PRAZO DE DECADÊNCIA PARA TRIBUTOS SUJEITOS A LANÇAMENTO DE OFÍCIO, POR HOMOLOGAÇÃO E POR DECLARAÇÃO Celso Duarte de MEDEIROS Júnior 1 Claudete Martins dos SANTOS 2 João Aparecido de FREITA 3 PRAZO DE DECADÊNCIA

Leia mais

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s).

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s). Programa de DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO I 8º Período: 4h/s Aula : Teórica EMENTA Noções preliminares de Ciência das Finanças, Direito Financeiro e Direito Tributário. Receita Pública. Despesa Pública.

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO DE DIREITO TRIBUTÁRIO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO DE DIREITO TRIBUTÁRIO INSTITUTO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO Av. Brig. Luiz Antonio, 290-7º conj. 71/72 01318-902 - São Paulo - SP Fone/fax: 3105-8206/3241-5348 Expediente das 9 às 18h E-mail: ibdt@ibdt.com.br CURSO DE

Leia mais

Conceito de Direito Financeiro. Receita Pública. Conceito de Direito Tributário. Autonomia Didática do Direito Tributário.

Conceito de Direito Financeiro. Receita Pública. Conceito de Direito Tributário. Autonomia Didática do Direito Tributário. 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D. 39 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 PERÍODO: 6, 7º NOME DA DISCIPLINA: DIREITO TRIBUTÁRIO I NOME DO CURSO: CIÊNCIAS ECONÔMICAS

Leia mais

GUERRA FISCAL: SÃO PAULO E ESPÍRITO SANTO ICMS - IMPORTAÇÃO

GUERRA FISCAL: SÃO PAULO E ESPÍRITO SANTO ICMS - IMPORTAÇÃO GUERRA FISCAL: SÃO PAULO E ESPÍRITO SANTO ICMS - IMPORTAÇÃO Fábio Tadeu Ramos Fernandes ftramos@almeidalaw.com.br Ana Cândida Piccino Sgavioli acsgavioli@almeidalaw.com.br I INTRODUÇÃO Desde a década de

Leia mais

3. (OAB/CESPE 2007.3.PR)

3. (OAB/CESPE 2007.3.PR) 1. (OAB/CESPE 2007.3) Entre as seguinte vedações, não tem exceção expressa no texto constitucional A a instituição de tributo sem lei que o estabeleça. B a majoração de tributo sem lei que o estabeleça.

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 Disciplina: Direito Tributário Departamento: Direito Público Docente Responsável: Prof. MS. Oswaldo Luiz Soares Carga Horária Anual: 100 horas/aula Tipo: Anual

Leia mais

O prazo de decadência, nos tributos sujeitos ao lançamento por homologação, na existência ou não de pagamento antecipado

O prazo de decadência, nos tributos sujeitos ao lançamento por homologação, na existência ou não de pagamento antecipado 1 de 7 13/11/2014 13:24 Este texto foi publicado no site Jus Navigandi no endereço http://jus.com.br/artigos/23786 Para ver outras publicações como esta, acesse http://jus.com.br O prazo de decadência,

Leia mais

Importação por Conta e Ordem e Importação por Encomenda (LUCIANO - 15/05/2006)

Importação por Conta e Ordem e Importação por Encomenda (LUCIANO - 15/05/2006) Importação por Conta e Ordem e Importação por Encomenda (LUCIANO - 15/05/2006) Cada vez mais e por diversos motivos, as organizações vêm optando por focar-se no objeto principal do seu próprio negócio

Leia mais

ARMAZENS GERAIS BREVE ESTUDO

ARMAZENS GERAIS BREVE ESTUDO ARMAZENS GERAIS BREVE ESTUDO Considera-se armazém geral o estabelecimento destinado à recepção, manutenção e guarda de mercadorias ou bens de terceiros, mediante o pagamento de uma tarifa préfixada ou

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Base de cálculo do diferencial de alíquota EC87/2015 - MG

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Base de cálculo do diferencial de alíquota EC87/2015 - MG Segmentos Base 20/01/2016 Título do documento Sumário 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1 Orientação Tributária DOLT/SUTRI nº 002/2016... 6 4. Conclusão...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EMENTA E CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. EMENTA (Síntese do Conteúdo) OBJETIVOS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EMENTA E CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. EMENTA (Síntese do Conteúdo) OBJETIVOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EMENTA E CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Código: EASD026 Pág/Pág: 01/05 CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MODALIDADE A DISTÂNCIA

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO ICMS SP/2006 PARTE I

EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO ICMS SP/2006 PARTE I EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO ICMS SP/2006 PARTE I Olá pessoal, com o intuito de auxiliá-los para a prova de AUDITOR do ICMS-SP/2006, seguem abaixo algumas questões que selecionei dos últimos concursos

Leia mais

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERNACIONAL DE CARGAS E O APROVEITAMENTO DE CRÉDITOS DE ICMS DESTA ATIVIDADE POR SE TRATAR DE EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERNACIONAL DE CARGAS E O APROVEITAMENTO DE CRÉDITOS DE ICMS DESTA ATIVIDADE POR SE TRATAR DE EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS O TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERNACIONAL DE CARGAS E O APROVEITAMENTO DE CRÉDITOS DE ICMS DESTA ATIVIDADE POR SE TRATAR DE EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS INTRODUÇÃO O conhecimento e a correta utilização das regras

Leia mais

PRINCÍPIO DA PROGRESSIVIDADE * PRINCIPLE OF PROGRESSIVE

PRINCÍPIO DA PROGRESSIVIDADE * PRINCIPLE OF PROGRESSIVE Revista Jurídica PRINCÍPIO DA PROGRESSIVIDADE * PRINCIPLE OF PROGRESSIVE Marcelo Seger ** Resumo: O objetivo principal deste artigo cientifico é tratar do princípio da progressividade, sua aplicabilidade

Leia mais

LEI N 3.818, DE 20 DE MARÇO DE 1967

LEI N 3.818, DE 20 DE MARÇO DE 1967 LEI N 3.818, DE 20 DE MARÇO DE 1967 Publicada no DOE (Pa) de 31.03.67. Alterada pela Lei 4.313/69. Vide Lei 5.002/81, que fixa alíquotas para o Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis e de Direitos

Leia mais

- GUIA DO EMPRESÁRIO -

- GUIA DO EMPRESÁRIO - - GUIA DO EMPRESÁRIO - LEGISLAÇÃO TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA CONTROLE DA JORNADA DE TRABALHO ROTEIRO Planeta Contábil 2008 Todos os Direitos Reservados (www.planetacontabil.com.br)

Leia mais

3 aulas - Aula expositiva

3 aulas - Aula expositiva Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2013/01 DISCIPLINA: DIREITO TRIBUTÁRIO I PROFESSOR: JOÃO CLAUDIO GONÇALVES LEAL TURMA: 8º EN UNIDADE

Leia mais

FUNDAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DE DIREITO TRIBUTÁRIO GUILHERME GOLDSCHMIDT INCLUSÃO NO SIMPLES NACIONAL DE EMPRESAS COM DÉBITOS PENDENTES

FUNDAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DE DIREITO TRIBUTÁRIO GUILHERME GOLDSCHMIDT INCLUSÃO NO SIMPLES NACIONAL DE EMPRESAS COM DÉBITOS PENDENTES FUNDAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DE DIREITO TRIBUTÁRIO GUILHERME GOLDSCHMIDT INCLUSÃO NO SIMPLES NACIONAL DE EMPRESAS COM DÉBITOS PENDENTES (Artigo 17 da Lei Complementar 126/03) PORTO ALEGRE 2008 1 INCLUSÃO NO

Leia mais

Robson Maia Lins Doutor e professor PUC/SP e IBET

Robson Maia Lins Doutor e professor PUC/SP e IBET O critério espacial e a sujeição ativa do ICMS nos serviços de telecomunicação Robson Maia Lins Doutor e professor PUC/SP e IBET A controvérsia O ICMS incidente sobre o serviço de telecomunicação de TV

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Reconhecimento renovado pela portaria MEC nº 608 de 19.11.13, DOU de 20.11.13 PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Reconhecimento renovado pela portaria MEC nº 608 de 19.11.13, DOU de 20.11.13 PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Reconhecimento renovado pela portaria MEC nº 608 de 19.11.13, DOU de 20.11.13 Componente Curricular: Direito Tributário I Código: DIR -569 Pré-requisito: ------ Período Letivo:

Leia mais

IVES GANDRA DA SILVA MARTINS MARCELO MAGALHÃES PEIXOTO (Coordenadores)

IVES GANDRA DA SILVA MARTINS MARCELO MAGALHÃES PEIXOTO (Coordenadores) IVES GANDRA DA SILVA MARTINS MARCELO MAGALHÃES PEIXOTO (Coordenadores) IMPOSTO SOBRE A RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA Questões pontuais do curso da APET MP Editora São Paulo, 2006 CATALOGAÇÃO NA

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... V PROGRAMAÇÃO... XIII ANA CAROLINA PAPACOSTA CONTE DE CARVALHO DIAS TRIBUTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL...

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... V PROGRAMAÇÃO... XIII ANA CAROLINA PAPACOSTA CONTE DE CARVALHO DIAS TRIBUTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL... ÍNDICE APRESENTAÇÃO... V PROGRAMAÇÃO... XIII ANA CAROLINA PAPACOSTA CONTE DE CARVALHO DIAS TRIBUTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL... 1 ANDRÉA MEDRADO DARZÉ PRECLUSÃO DA PROVA NO PROCESSO ADMINISTRATIVO

Leia mais

O Processo de Exportação e Suas Etapas (até Contrato de Câmbio)

O Processo de Exportação e Suas Etapas (até Contrato de Câmbio) O Processo de Exportação e Suas Etapas (até Contrato de CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo, Atlas,

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 250 - Data 12 de setembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: NORMAS GERAIS DE DIREITO TRIBUTÁRIO RETENÇÃO NA FONTE. PAGAMENTOS

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO DE DIREITO TRIBUTÁRIO MÓDULO II

CURSO DE ATUALIZAÇÃO DE DIREITO TRIBUTÁRIO MÓDULO II CURSO DE ATUALIZAÇÃO DE DIREITO TRIBUTÁRIO MÓDULO II 2012. 2 o SEMESTRE Curso de atualização promovido pelo INSTITUTO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO, aos sábados, das 8:45 às 12 horas, no auditório XI

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES RECURSO Nº - 32.931 (26.189) ACÓRDÃO Nº 8.591 RECORRENTE TRANSOCEAN SEDCO FOREX BRASIL LTDA.

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES RECURSO Nº - 32.931 (26.189) ACÓRDÃO Nº 8.591 RECORRENTE TRANSOCEAN SEDCO FOREX BRASIL LTDA. PUBLICADA A DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. de 13/08/2010 Fls. 04 SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 15 de julho de 2010 TERCEIRA CÂMARA RECURSO Nº - 32.931 (26.189) ACÓRDÃO

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 563, DE 03.04.2012 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO DE PREÇOS DE TRANSFERÊNCIA Data 11/04/2012

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 563, DE 03.04.2012 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO DE PREÇOS DE TRANSFERÊNCIA Data 11/04/2012 M E M O R A N D O A O S C L I E N T E S MEDIDA PROVISÓRIA Nº 563, DE 03.04.2012 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO DE PREÇOS DE TRANSFERÊNCIA Data 11/04/2012 Foi publicada em 04.04.12, a Medida Provisória nº 563

Leia mais

Naquele artigo, de maneira elucidativa, como de costume, o Vale ministrou que:

Naquele artigo, de maneira elucidativa, como de costume, o Vale ministrou que: Olá, meus amigos. Como estão? Sejam bem-vindos ao Estratégia Concursos. Hoje, aproveitaremos o gancho do artigo postado pelo mestre Ricardo Vale (link a seguir), e falaremos sobre a incidência do IPI sobre

Leia mais

REVOGAÇÃO DE BENEFÍCIO FISCAL DO PIS E DA COFINS PELA MP N 690/2015 REFERENTE AO PROGRAMA DE INCLUSÃO DIGITAL. INCONSTITUCIONALIDADE.

REVOGAÇÃO DE BENEFÍCIO FISCAL DO PIS E DA COFINS PELA MP N 690/2015 REFERENTE AO PROGRAMA DE INCLUSÃO DIGITAL. INCONSTITUCIONALIDADE. REVOGAÇÃO DE BENEFÍCIO FISCAL DO PIS E DA COFINS PELA MP N 690/2015 REFERENTE AO PROGRAMA DE INCLUSÃO DIGITAL. INCONSTITUCIONALIDADE. Frederico de Moura Theophilo 1 I - Circunscrição do tema. II - A isenção

Leia mais

A seletividade do ICMS e os parâmetros delineados pelo Direito Ambiental um estudo de caso do setor de energia elétrica

A seletividade do ICMS e os parâmetros delineados pelo Direito Ambiental um estudo de caso do setor de energia elétrica A seletividade do ICMS e os parâmetros delineados pelo Direito Ambiental um estudo de caso do setor de energia elétrica Melissa Guimarães Castello 1 Resumo O presente artigo pretende analisar o modelo

Leia mais

Do Programa de Redução de Litígios Tributários (PRORELIT)

Do Programa de Redução de Litígios Tributários (PRORELIT) 11/15 MP nº. 685/15: Programa de Redução de Litígios Tributários (PRORELIT) e outras alterações na legislação tributária federal Prezados Senhores, No último dia 22 de julho fora publicada no Diário Oficial

Leia mais

REVISÃO 1.º SEMESTRE SISTEMA CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO CONCEITO DE TRIBUTO

REVISÃO 1.º SEMESTRE SISTEMA CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO CONCEITO DE TRIBUTO REVISÃO 1.º SEMESTRE SISTEMA CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO CONCEITO DE TRIBUTO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1.988 ACABA POR NÃO CONCEITUAR O QUE SEJA TRIBUTO. ENTRETANTO, LEVA EM CONSIDERAÇÃO, IMPLICITAMENTE,

Leia mais

ISS E A EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS: NOVA VISÃO DOS TRIBUNAIS

ISS E A EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS: NOVA VISÃO DOS TRIBUNAIS International Standard Serial Number: ISSN 2357-9293 ISS E A EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS: NOVA VISÃO DOS TRIBUNAIS por Gustavo Goiabeira de Oliveira Sócio de Motta, Fernandes Rocha Advogados formado pela Universidade

Leia mais

GUERRA FISCAL DE ICMS: Posição Atual e Perspectivas para 2015

GUERRA FISCAL DE ICMS: Posição Atual e Perspectivas para 2015 GUERRA FISCAL DE ICMS: Posição Atual e Perspectivas para 2015 Segundo Seminário Alterações Fiscais 2014 Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil 11 de novembro de 2014 Agenda I. Guerra Fiscal:

Leia mais

ACADEMIA BRASILEIRA DE DIREITO CONSTITUCIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO E PROCESSO TRIBUTÁRIO

ACADEMIA BRASILEIRA DE DIREITO CONSTITUCIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO E PROCESSO TRIBUTÁRIO Ementa aula 08 de outubro de 2013. ACADEMIA BRASILEIRA DE DIREITO CONSTITUCIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO E PROCESSO TRIBUTÁRIO Professor: André Parmo Folloni Doutor em Direito pela UFPR; Mestre em Direito

Leia mais

2ª VARA DO TRABALHO DE BRASÍLIA - DF TERMO DE AUDIÊNCIA. Processo nº 0000307-61.2011.5.10.0002

2ª VARA DO TRABALHO DE BRASÍLIA - DF TERMO DE AUDIÊNCIA. Processo nº 0000307-61.2011.5.10.0002 2ª VARA DO TRABALHO DE BRASÍLIA - DF TERMO DE AUDIÊNCIA Processo nº 0000307-61.2011.5.10.0002 Aos seis dias do mês de maio do ano de 2.011, às 17h10min, na sala de audiências desta Vara, por ordem da MMª.

Leia mais

COMPENSAÇÃO DE TRIBUTOS PAGOS INDEVIDAMENTE VIA MANDADO DE SEGURANÇA

COMPENSAÇÃO DE TRIBUTOS PAGOS INDEVIDAMENTE VIA MANDADO DE SEGURANÇA COMPENSAÇÃO DE TRIBUTOS PAGOS INDEVIDAMENTE VIA MANDADO DE SEGURANÇA Alisson Murilo Matos Advogado OAB/SC 19.737 * A garantia constitucional da via do mandado de segurança esta ligada diretamente à idéia

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 123 - Data 28 de maio de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA JURÍDICA - IRPJ LUCRO PRESUMIDO. VENDA

Leia mais

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Direito nas organizações Promover uma visão jurídica global do Sistema Tributário Nacional, contribuindo para a formação do

Leia mais

Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Tributário.

Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Tributário. Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Tributário Tributos Federais Carga Horária: 56 h/a 1- Ementa Repartição de competência

Leia mais

RESOLUÇÃO CONFE No 87, de 26 de dezembro de 1977.

RESOLUÇÃO CONFE No 87, de 26 de dezembro de 1977. RESOLUÇÃO CONFE No 87, de 26 de dezembro de 1977. DÁ NOVA REDAÇÃO À RESOLUÇÃO N o 18, DE 10.02.72, DO CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA, PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL DE 27.03.72. CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA

Leia mais

Direito Tributário Nacional: Princípios Constitucionais Tributários. Fontes do Direito

Direito Tributário Nacional: Princípios Constitucionais Tributários. Fontes do Direito PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professor: Leandro Chiarello de Souza E-MAIL: leandrosouza@conection.com.br Período/ Fase: 5ª

Leia mais

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque Disciplina: Contabilidade Comercial I Período: 2º Tipo: I Professor: Evaldo Modesto de Ávila Curso: Ciências Contábeis Assunto: Texto Semestre: 2º Nome: Nº: Apostila : Turma: ÚNICA Turno: NOITE Data: 002

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 491, DE 2010

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 491, DE 2010 MEDIDA PROVISÓRIA Nº 491, DE 2010 NOTA DESCRITIVA JULHO/2010 Nota Descritiva 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3 2. PRAZOS PARA APRECIAÇÃO...4 3. REGIME ESPECIAL DE TRIBUTAÇÃO PARA DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE

Leia mais

A Lei Complementar em Matéria Tributária

A Lei Complementar em Matéria Tributária A Lei Complementar em Matéria Tributária Artur Alves da Motta Procurador da Fazenda Nacional Especialista em Direito Tributário pela UFRGS Membro instituidor da Fundação Escola Superior de Direito Tributário

Leia mais

A Emenda Constitucional 87/2015 alcança as operações presenciais?

A Emenda Constitucional 87/2015 alcança as operações presenciais? Emenda Constitucional 87/2015 - PERGUNTAS FREQUENTES Observação: Material produzido em conformidade com a legislação paulista. No que couber, deve ser observada a legislação específica de cada Unidade

Leia mais

Plataforma IPEA de Pesquisa em Rede

Plataforma IPEA de Pesquisa em Rede Plataforma IPEA de Pesquisa em Rede PESQUISA: MATRIZ INSUMO-PRODUTO REGIONAL TERMO DE REFERÊNCIA 1. Título da Pesquisa/Projeto: Matriz Insumo-Produto Regional 2. Unidade Responsável no IPEA: Responsável

Leia mais

A DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE ANÔNIMA E A RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA DE SEUS ADMINISTRADORES

A DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE ANÔNIMA E A RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA DE SEUS ADMINISTRADORES A DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE ANÔNIMA E A RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA DE SEUS ADMINISTRADORES Rafael Leonardo Momm 1 Tarcísio Vilton Meneghetti 2 SUMÁRIO:. Introdução; 1 A Sociedade Anônima; 1.1

Leia mais

ORIENTAÇÃO BÁSICA PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS DE ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR

ORIENTAÇÃO BÁSICA PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS DE ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR MINISTÉRIO PÚBLICO DE PERNAMBUCO Procuradoria Geral de Justiça Secretaria Geral do Ministério Público Coordenadoria Ministerial de Apoio Técnico e Infraestrutura Gerência Ministerial de Contabilidade ORIENTAÇÃO

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 62 - Data 30 de dezembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA FÍSICA - IRPF RENDIMENTOS DO TRABALHO

Leia mais

A Nova Relação de Estágio

A Nova Relação de Estágio 1 A Nova Relação de Estágio *Rúbia Zanotelli de Alvarenga Sumário: 1. Do contrato de estágio; 2. Da parte concedente; 3. Do termo de compromisso; 4. Dos tipos de estágio; 5. Da limitação de estagiários;

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Juros e multa da dívida ativa tributária e a sua inclusão na base de cálculo do repasse ao legislativo municipal Alberto Jatene I - Relatório Trata-se de questionamento acerca da

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do Pará

Tribunal de Contas do Estado do Pará A C Ó R D Ã O Nº 43.099 (Processo nº 2005/53339-0) Assunto: Prestação de Contas relativa ao Convênio nº 027/2005, firmado entre a FEDERAÇÃO PARAENSE DE VOLEIBOL e a SEEL. Responsável: Sr. CARLOS GETÚLIO

Leia mais