DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL"

Transcrição

1 CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA EVENTO: Audiência Pública N : 1593/07 DATA: 25/09/2007 INÍCIO: 10h16min TÉRMINO: 12h27min DURAÇÃO: 02h11min TEMPO DE GRAVAÇÃO: 02h11min PÁGINAS: 46 QUARTOS: 27 DEPOENTE/CONVIDADO - QUALIFICAÇÃO PAULO CORRÊA Presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito sobre a ENERSUL da Assembléia Legislativa do Estado de Mato Grosso do Sul. ANTÔNIO EDUARDO DA SILVA OLIVA Diretor-Presidente da ENERSUL. ROMEU DONIZETE RUFINO Diretor-Geral-Substituto da Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. PATRÍCIA GALDINO DE FARIA BARROS Coordenadora-Geral de Políticas e Relações de Consumo do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor, do Ministério da Justiça. WILLIAM DOUGLAS DE SOUZA BRITO Representante do PROCON. RONALDO SCHUCK Secretário de Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia. PAULO DUARTE Vice-Presidente da CPI da ENERSUL. SUMÁRIO: Discussão acerca das tarifas de energia elétrica na área de concessão da Empresa Energética do Mato Grosso do Sul ENERSUL. Houve exibição de imagens. OBSERVAÇÕES

2 O SR. PRESIDENTE (Deputado José Otávio Germano) - Declaro abertos os trabalhos da presente reunião de audiência pública da Comissão de Minas e Energia, destinada a discutir as tarifas de energia elétrica na área de concessão da Empresa Energética do Mato Grosso do Sul ENERSUL, em atendimento ao Requerimento nº 102, de 2007, do eminente Deputado e amigo Vander Loubet, aprovado em 1º de agosto de Convido para fazer parte da Mesa o eminente Deputado Paulo Corrêa, que preside a Comissão Parlamentar de Inquérito sobre a ENERSUL, no âmbito da Assembléia Legislativa do Estado do Mato Grosso do Sul; o Dr. Antônio Eduardo da Silva Oliva, Diretor-Presidente da ENERSUL; o Dr. Romeu Donizete Rufino, Diretor- Geral Substituto da Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Registro a presença da Dra. Joísa Campanher Dutra Saraiva e do Dr. Edvaldo Alves de Santana, Diretores da ANEEL, além de Superintendentes e outros servidores da Agência, cujo comparecimento concede a esta audiência pública a importância devida. Agradeço a todos da ANEEL que se fazem presentes. Convido para integrar a Mesa o Dr. Ronaldo Schuck, Secretário de Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia, e a Dra. Patrícia Galdino de Faria Barros, Coordenadora-Geral de Políticas e Relações de Consumo, do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor, do Ministério da Justiça. Registro a presença do Superintendente do PROCON do Estado de Mato Grosso do Sul, que dividirá o tempo com a Dra. Patrícia. Registro ainda a presença do Deputado Paulo Duarte, Vice-Presidente da CPI da ENERSUL, de Mato Grosso do Sul. Esta Comissão tem a honra de receber S.Exa., bem como o Deputado Paulo Corrêa, que preside a CPI. Registro ainda a presença do Deputado Marcio Junqueira, meu querido e fraterno amigo, irmão de todas as horas, Parlamentar do Democratas de Roraima, que, na qualidade de membro desta Comissão, auxilia este Presidente e lhe oferece companhia. Inicialmente cumprimento os presentes, em especial todos os que foram convidados. Saúdo os senhores assessores, jornalistas, assistentes, enfim, todos aqueles que, de uma maneira ou de outra, estando aqui, fazem que este debate, 1

3 que trata de assunto tão importante, no âmbito de um Estado tão importante, como o Mato Grosso do Sul, ocorra da melhor maneira possível. Cumprimento especialmente o eminente Deputado Vander Loubet pela iniciativa e pela disposição de debater, na Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados, tema que seguramente diz respeito, de maneira muito presente e intensa, a todos os nossos conterrâneos sul-mato-grossenses. Informo que a lista de inscrição para os debates está aberta. O Deputado que desejar questionar os senhores expositores deverá dirigir-se primeiramente à Mesa. Informo ainda que é praxe desta Comissão determinar que os convidados não sejam interrompidos no decorrer de suas exposições. Após encerradas as mesmas, os Deputados poderão fazer seus questionamentos, tendo cada um o prazo de 3 minutos, e o interpelado igual tempo para responder. Tendo em vista a presença de tantos convidados, estipulamos o prazo de 5 minutos para a abordagem inicial. É claro que, no curso do debate, os convidados haverão de se manifestar e, em conseqüência disso, terão mais tempo. Mas uma primeira rodada de 5 minutos me parece importante para que possamos ouvir todos, e a partir daí os debates acontecerem. Antes de passar a palavra ao Deputado Paulo Corrêa, que preside a Comissão Parlamentar de Inquérito da ENERSUL, da Assembléia Legislativa do Estado de Mato Grosso do Sul, faço questão de ouvir o Deputado Vander Loubet, requerente desta audiência pública. Deputado Vander Loubet, V.Exa. tem a palavra assegurada. O SR. DEPUTADO VANDER LOUBET - Obrigado, Sr. Presidente. Deputado José Otávio Germano, agradeço a presença a todos os pares da Comissão e aos convidados, principalmente aos 2 Deputados, Paulo Corrêa e Paulo Duarte, Presidente e Vice-Presidente, respectivamente, da CPI da ENERSUL. Com certeza, Presidente José Otávio Germano, esta audiência pública terá um desdobramento muito importante, inclusive para outros Estados brasileiros. Tarifa é um ponto muito questionado. Depois de aprovado o requerimento para realização desta reunião, vários Deputados já me procuraram. O problema ocorre em praticamente todos os outros Estados. 2

4 Considero que a CPI do Mato Grosso do Sul já apresentou resultado concreto. No entanto, mais do que isso, cumpre observar que ela não só buscou os holofotes da mídia. Os trabalhos se deram numa relação muito respeitosa com a concessionária. A CPI pôde fazer seu trabalho e avançou muito. Ela foi fruto de toda uma demanda de movimentos sociais, tanto de empresários do setor produtivo, quanto dos próprios usuários, os mais simples, pela revisão do preço da tarifa que pagamos em nosso Estado, até então a mais cara do Brasil. A CPI foi criada no dia 23 de maio de 2007 com a finalidade de investigar os motivos que fazem que a tarifa da energia elétrica fornecida pela ENERSUL seja uma das mais altas do País. Não achamos que o vilão seja a ENERSUL. Houve várias audiências públicas no Estado convocadas pela CPI; a empresa e os consumidores participaram. Fruto do trabalho da CPI, os usuários já obtiveram um resultado concreto, redução de 3,014% no preço da tarifa que vinham pagando. Quando a Comissão me procurou a mim na condição de membro da Comissão de Minas e Energia e propôs trazermos para cá esse debate foi exatamente porque o papel da CPI no Estado praticamente chegou no teto, se esgotou. Precisamos envolver ainda mais a agência reguladora, que tem o papel e a missão de promover o equilíbrio entre a concessionária e o usuário. E temos o entendimento creio que teremos a oportunidade de debater isso aqui de que alguns pontos são obscuros, principalmente com relação à revisão tarifária de Nesta Comissão, da forma mais tranqüila e equilibrada, devemos debater a questão tarifária de 2003 a ANEEL já entrou. Eu acredito que é possível avançarmos e, com isso, reduzir ainda mais as tarifas. O nosso objetivo é esse. Nosso Estado é novo, já faz sacrifícios, visto que temos uma lei de incentivo para atrair algumas empresas e agregar valores, principalmente no que se refere àquilo que lá produzimos. A tarifa de energia tem espantado algumas empresas em razão do seu alto preço. Reunimos todas as condições, junto com a ANEEL, com os órgãos competentes, para buscar o equilíbrio da forma mais tranqüila e pacífica, de modo a 3

5 chegarmos a um resultado que atenda aos usuários e que não prejudique a concessionária. Por essa razão, solicitamos a realização desta audiência pública. Estamos convencidos de que a CPI da Assembléia Legislativa do Estado de Mato do Sul poderá servir de parâmetro e como modelo para outros Estados, no sentido de obter resultados. Historicamente, vemos que as CPIs produzem poucos resultados. E a CPI a que me referi está de parabéns. Com o Deputado Paulo Corrêa na Presidência, a Comissão tem produzido resultados concretos. Entendemos que isso é o mais importante. Na qualidade de Deputado da base do Governo e do partido do Presidente da República, nosso objetivo não é tumultuar. Ao contrário, é encontrar caminhos, saídas, fazendo com que, a partir desta audiência pública, tenhamos desdobramentos com resultados concretos, e que tanto os empresários quanto a população de baixa renda obtenham bom êxito. Com isso, quem ganha é a comunidade, a população. Nós, na condição de representantes do povo, estamos fazendo a nossa parte. É com esse objetivo que solicitamos a realização desta audiência pública. Sr. Presidente, agradecemos a V.Exa. o esforço e a consideração pelo Estado de Mato Grosso do Sul. Muito obrigado. O SR. PRESIDENTE (Deputado José Otávio Germano) - Agradeço ao Deputado Vander Loubet. Com a palavra o Deputado Paulo Corrêa, Presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito da ENERSUL, da Assembléia Legislativa do Estado do Mato Grosso do Sul, por 5 minutos, para fazer a sua exposição. O SR. PAULO CORRÊA - Sr. Presidente, em nome do Estado de Mato Grosso do Sul e do Presidente da Assembléia Legislativa, Deputado Jerson Domingos, agradeço a V.Exa., a pedido do nobre Deputado Vander Loubet, a gentileza de nos convidar para aqui estarmos reunidos a fim de discutir questão tão preocupante para o nosso Estado, que é o valor da energia elétrica. Portanto, agradeço a V.Exa. a sensibilidade. 4

6 O Estado de Mato Grosso do Sul sente-se muito honrado por aqui estar, na presença de V.Exa., do Deputado Vander Loubet, autor do requerimento, e dos demais Deputados, no coroamento de uma conversa que tivemos em agosto, quando foi feita a solicitação pelo Deputado Vander Loubet para discutirmos um processo do qual efetivamente o Estado de Mato Grosso do Sul não participou. Se o fez, não contemplou a Assembléia Legislativa e o seu povo, da forma como nós gostaríamos. Estamos exercitando, até porque as agências de regulação no País foram criadas exatamente para manter o equilíbrio. A partir do momento em que a Assembléia se deteve diante da revisão tarifária de 2003 da ENERSUL, começamos a querer participar do processo. O Deputado Vander Loubet nos perguntou quem gostaria que aqui estivesse presente. Solicitamos, então, a presença de um membro do Ministério de Minas e Energia, porque temos assuntos comuns a discutir. Fomos muito bem recebidos no Ministério V.Exa. estava presente, assim como a bancada federal e o Governador do Estado, quando do começo da nossa preocupação, antes de a nossa CPI ser implantada. Graças a Deus e ao trabalho desta Comissão, pudemos nos reunir. A empresa concessionária, ENERSUL, agradece ao Sr. Antônio Oliva e aos demais membros a presença. Não está presente o Dr. Jerson Kelman, da ANEEL. Mas, em determinado momento, foi importante a nossa ligação, fazendo com que o Presidente da ANEEL pudesse ter conhecimento do que aconteceu na gestão anterior. Portanto, creio que conseguimos fazer com que a ANEEL olhasse um pouco para trás e visse o que foi feito na gestão do então Presidente Mário Abdo, na revisão de Dessa forma, pudemos apontar as nossas razões e o motivo de estarmos aqui presentes. A energia mais cara do País, até o dia em que assinamos o termo de acordo na Assembléia Legislativa, era de Mato Grosso do Sul. Agora somos a terceira energia mais cara do Brasil. Gostaríamos de ficar pelo menos na décima quinta posição, se for possível. 5

7 Estamos discutindo alguns pontos. Estou encaminhando ofícios a V.Exa., com a participação da nossa Comissão, ao Ministro Nelson Hubner. Nós pedimos o retorno do ponto de medição da linhas de 138 KV de Jupiá para Campo Grande. Era em Campo Grande, levou-se para Jupiá. Foi dito pela diretoria da empresa, na oitiva realizada na Assembléia Legislativa, que, caso retornássemos o ponto de medição, ganharíamos praticamente 5%, e se a concessionária ENERSUL deixasse de pagar para a ELETROSUL a receita agregada permitida referente à utilização de 3 circuitos de 138 KV. Cinco aqui em cima e cinco aqui embaixo são dez, o que representa uma substancial redução. Há que ter vontade política por parte do Governo Federal. E aí entra o Ministério de Minas e Energia. Sr. Presidente, V.Exa. está nos permitindo fazer essa interface, junto com o Deputado Vander Loubet. Gostaríamos de também discutir com o Ministério o Programa Luz para Todos, que impacta na tarifa cerca de 3%. O Estado de Mato Grosso do Sul é extremamente prejudicado. Enquanto o Estado do Rio Grande do Sul tem sem demérito, Sr. Presidente 65% de subsídio, temos apenas 40%. Na época, o Ministério deu a seguinte explicação para a ENERSUL: há os indicadores sociais. Temos grande admiração pelo Estado do Presidente José Otávio Germano. Com certeza, os indicadores sociais do Rio Grande do Sul são superiores aos indicadores sociais do Mato Grosso do Sul. Vários gaúchos nos visitam no Mato Grosso do Sul, assim como nós os visitamos. Portanto, creio que poderíamos estar encaminhado algo nesse sentido. Depois entregarei a documentação ao Deputado Vander Loubet. Estamos encaminhando ao Dr. Jerson Kelman solicitação no sentido de que o Estado de Mato Grosso do Sul a Assembléia e os Poderes constituídos não fique à margem das discussões da revisão tarifária. Hoje, o assunto mais comentado no Estado é a CPI. Portanto, queremos participar ativamente da revisão tarifária de 2008, do começo até o fim. Sr. Presidente, convido V.Exa. a também participar. Com certeza o Deputado Vander vai estar conosco. Isso vai acontecer em abril, está previsto para terminar em abril. Existe um dia certo para se fazer uma audiência pública. 6

8 Gostaríamos de solicitar, na Comissão de Minas e Energia, que tem poder, que tem cunho político, que pode encontrar uma forma de encaminharmos isso em conjunto, que fosse lá na Assembléia Legislativa, que não fosse mais com nenhum Estado. Mato Grosso do Sul não quer discutir o aumento em Rondônia. Ele tem que ser discutido em Rondônia. Não queremos saber de Rondônia e de Acre no Mato Grosso do Sul. Nós queremos saber de Mato Grosso do Sul. Então, essa é a nossa solicitação. É a mesma que estamos fazendo para o ilustre Ministro e para o Dr. Jerson Kelman também, no sentido de que envidem esforços nesse sentido. Temos alguns questionamentos. Eu e o Deputado Paulo Duarte estamos aqui representando a CPI. Somos mais 3 membros. O Relator é o Deputado Marquinhos Trad e também há os Deputados Yossif Domingos e Dione Hashioka, que mandam um grande abraço. Resolvemos que fosse um dia de trabalho. Por meio do trabalho da CPI, conseguimos que a ENERSUL sentasse à mesa e conversasse conosco. Conseguimos um avanço: a ENERSUL concedeu num momento difícil do nosso Estado. Só para entender, Sr. Presidente, o aumento deste ano foi de Quando a ENERSUL volta a significa que ela praticamente abre mão do aumento deste ano. Nós achamos que houve sensibilidade da empresa diante do momento difícil por que passa o Estado de Mato Grosso do Sul. Mas nós queremos avançar mais. E aí nós só podemos avançar com a colaboração da ANEEL, do Ministério, da Comissão de Minas e Energia, com a qual com certeza vamos poder contar. Sr. Presidente, no momento oportuno, quando me for permitido, farei meus questionamentos. Basicamente o que queremos é colaboração para que possamos reduzir a tarifa de energia elétrica do Mato Grosso do Sul substancialmente. Obrigado. O SR. PRESIDENTE (Deputado José Otávio Germano) - Muito obrigado ao Deputado Paulo Corrêa. Passo imediatamente a palavra ao Sr. Antônio Eduardo da Silva Oliva, Diretor-Presidente da ENERSUL, por 5 minutos, para fazer a sua exposição. 7

9 O SR. ANTÔNIO EDUARDO DA SILVA OLIVA - Muito obrigado, Sr. Presidente. Estou com alguma dificuldade, porque eu trouxe uma apresentação e não sabia quanto tempo me iria ser permitido. Mas o fato é que 5 minutos não dão para fazer essa apresentação. Portanto, eu vou pular grande parte dessa apresentação. O SR. PRESIDENTE (Deputado José Otávio Germano) - Quantos minutos o senhor precisa? O SR. ANTÔNIO EDUARDO DA SILVA OLIVA - Eu tinha apontado entre 15 e 20 minutos, mas já percebi que é demais. Mas eu posso pular todo um conjunto da primeira parte e ir direto ao fim. Se não forem 5 minutos serão 7 minutos. O SR. PRESIDENTE (Deputado José Otávio Germano) - Certo. Não tem problema. O senhor fique à vontade. Cinco, sete, oito minutos, não tem problema. O SR. ANTÔNIO EDUARDO DA SILVA OLIVA - Sr. Presidente, eu agradeço. V.Exa. quase está me dando tempo para apresentar tudo. Mas eu não vou gastar o tempo todo. Vou rapidamente passar a parte que penso ser mais importante. Sr. Presidente, ilustres membros que compõem a Mesa, Srs. Deputados, minhas senhoras e meus senhores, vamos passar rapidamente estes slides. (Segue-se exibição de imagens.) Essa é uma caracterização. Evolução do número de clientes. Portanto, isso me dá uma média de 10,4% ao ano. Segmentação do mercado. Como o mercado está dividido em termos de consumo de energia e também em termos de faturação. Isso mostra a diferenciação de tarifas entre as várias classes de clientes. Esse é o número de clientes. Oitenta e um por cento dos clientes são residenciais isso é um número muito expressivo e apenas 0,6 são industriais. Ou seja, é um Estado que tem pouca indústria. O que é curioso é que 31% desses 81% são clientes de baixa renda. Isso também é um dado importante, mostra a estrutura existente na segmentação do mercado. 8

10 Número de clientes por quilômetro quadrado. A Light, 346; Bandeirante, que é uma empresa-grupo, 142; Excelsa, 26; ENERSUL, 2. Vejam bem a diferença. Isso quer dizer que o território da ENERSUL é quase 30 vezes o território da Light. A Light tem 3 milhões e 800 mil clientes, e a ENERSUL tem 690 mil. Portanto, há nitidamente aqui características completamente diferentes entre as várias concessões. Evolução do mercado. O único ponto mais importante é que os 2 últimos anos têm tido um crescimento muito pequeno. Em 2005: 2,6; em 2006: 0,6. Praticamente o mercado, em 2006, estagnou, por razões várias, particularmente por economia do Estado. Felizmente, 2007 está a apresentar uma melhoria. Evolução das perdas. Estamos preocupados sobretudo com o que aconteceu em Foram perdas muito altas. São perdas, o que se entende por furtos, por gatos. É o que estamos falando aqui. Chamo a atenção para aquela linha vermelha, que é o máximo que a entidade reguladora permite que passe para a tarifa. Tudo da linha vermelha para cima é prejuízo da companhia. E estamos com um problema grave de investimentos com a questão dos furtos. Temos falado em qualidade de serviço. O DEC é um dos parâmetros que indicam, que medem a qualidade de serviço. Pus aqui as 4 empresas concessionárias que operam energia no Centro-Oeste. Como se vê, a ENERSUL está muito comparada à CEB, que opera no Distrito Federal. Depois temos a CELG, em Goiás, e a CEMAT, com diferenças bastante acentuadas na qualidade do serviço. O FEC é outro parâmetro também. O mesmo comportamento da ENERSUL, até melhor que a CEB e bastante distante da CELG e da CEMAT. O investimento evoluiu. Ressalta no tratamento de 2005 e Por quê? É que exatamente aqui é que começa o impacto da chamada universalização urbana e rural. Aqui está incluído o Luz para Todos. E a ENERSUL, efetivamente, tem vindo a investir muito nesse programa, embora parte desse investimento não vá para a tarifa, porque 40% é do Estado Federal e 10% para o Estado de Mato Grosso do Sul. 9

11 Programa Luz para Todos. Esta é a evolução que tem acontecido. Este é o acumulado. Vai acumulando. Portanto, em 2006, já tínhamos feito 19 mil investimentos. Previstos para 2007 é o que aí está e também para As metas para 2008 e os financiamentos ainda vão ser renegociados. Pode chegar então à parte da tarifa. Eu ia fazer um breve histórico, muito rápido, da base de conversão prorrogatória. Por quê? Porque isso, de fato, tem um grande peso na determinação da tarifa nomeada em O processo começa em outubro e novembro de 2002, quando assinamos um contrato com a empresa Advanced, uma empresa independente credenciada pela ANEEL, para prestação de serviços de reavaliação dos ativos da ENERSUL. Isso era obrigatório. Não era a ENERSUL que olhava os seus ativos. Tinha de ser uma empresa independente e credenciada pela ANEEL. No dia 31 de janeiro, o laudo feito por essa empresa foi apresentado à ANEEL e, depois, em abril, foi estabelecido um valor provisório para base de conversão. Admite-se que não tenha havido tempo sequer para se analisar aquele laudo, fazer as respectivas fiscalizações. Então, foi fixado um valor provisório. Entretanto, até março de 2005, decorreram várias reuniões, fiscalizações e ajustes nesse mesmo laudo. Em março de 2005 é que foi aprovado o valor da base de conversão definitivo. De resto, foi blindado em Foram incluídos 2 anos numa base provisória. Fomos agora recentemente apresentar um termo de unificação da ANEEL, indicando uma ruptura da tal base de conversão relativa a Isso é um processo que se encontra neste momento em fase de análise. Nos tínhamos um período para apresentar nossa manifestação, e foi apresentada sextafeira passada. Trata-se de assunto sobre o qual não gostaria de me pronunciar neste momento, na medida em que está exatamente em processo de análise. Tudo indica que irá haver uma ruptura da base de conversão. De quanto? Ainda não posso dizer, porque não saiu. Isso já é conhecido. Foi o que aconteceu em Portanto, o posicionamento era de 50% e 81%; foi aplicado 32% e 59%. E a diferença foi definida em 4 anos, embora em 2007 não tenhamos conseguido essa parcial. E foi aqui que começou, de fato, o problema: em Esse é o histórico ao longo dos últimos 4 anos. Já é conhecido. 10

12 Gostaria de mostrar para onde vão os recursos. Esse é um exemplo do consumidor residencial. Para cada 100 reais pagos por esse tipo de consumidor, 60,6% vão para geração, transmissão, encargos e tributos. Sobra para a empresa 39,4%, com os quais a ENERSUL paga operação e manutenção pessoal, materiais etc., reposição dos ativos e remuneração. E a remuneração de quem? Do capital próprio, do capital de terceiros, imposto de renda e contribuição social. É o que sobra. E para onde vão aqueles 60,6% que não são receita da ENERSUL? Destinam-se, em 29,8%, a encargos e tributos; 27,4%, à geração, compra de energia; à transmissão, 3,4%. Isso mostra claramente o peso grande que os encargos e tributos têm na composição das tarifas. Já se disse aqui sobre os estudos sobre a composição tarifária na seqüência dos trabalhos da CPI da ENERSUL, onde chegamos a um entendimento que já foi anunciado. Deixamos de ter a tarifa mais alta. Apesar da tarifa para energia industrial não ser a mais alta, achou-se que também seria importante que a ENERSUL também contribuísse com o Estado, promovendo aquele desconto de 5% para os clientes que aderissem à condição de interruptibilidade. A ENERSUL tem uma tarifa elevada. Neste ponto estamos todos de acordo. Costumo dizer: quem nos dera que a tarifa baixasse mesmo, pois seria bom para todos, inclusive para a ENERSUL. Porque aí se reduziriam os furtos etc. Enfim, acho que estamos todos de acordo nesse ponto. Algumas causas. Elevada extensão territorial, como já mostrei; baixa densidade de clientes, 2 clientes por quilômetro quadrado; e baixa densidade de carga. Isso implica elevado investimento para expansão dos serviços e, para atender com a qualidade definida pelo regulador, elevados custos de operação e manutenção. Outro aspecto importante é a ausência de malha adequada de rede básica. O suprimento está muito distante dos centros de descarga. Isso traz perdas elevadas. Portanto, é um aspecto que muito nos preocupa: a falta de rede básica adequada. Então, não há investimentos, e as perdas técnicas também ocorrem nesse nível e são suportadas por clientes da ENERSUL. 11

13 O tal marco regulatório prevê que os custos de concessão sejam rateados pelo seu mercado, sem injeção externa de recursos. E isso começa a partir de 1993, quando este marco foi introduzido. As tarifas das diversas operadoras começaram a, lentamente, distanciar-se uma das outras, em função das características próprias. Claramente, as concessões com menos densidade e mais periféricas, se assim podemos chamá-las, começaram a ser prejudicadas. E é por aí que se chega àquela revisão de Foi a primeira revisão tarifária da ENERSUL, que vinha apresentando resultados abaixo de equilíbrio econômico-financeiro, o que resultou naquele valor enorme que apareceu em Algumas sugestões para diminuir o valor da tarifa apenas sugestões: avaliar a possibilidade de redução de encargos definidos em lei pelo Governo Federal; outra hipótese é avaliar a possibilidade de redução de tributos que também poderia contribuir para isso; calibrar o nível de qualidade exigido em função do nível tarifário que se pretende. Esse aspecto é importante e, por isso, mostrei a qualidade dos nossos serviços. Em nível de Centro-Oeste, temos a melhor qualidade de serviços. Honestamente, posso afirmar isso. E quem seria contra a ENERSUL, se os clientes querem esta qualidade? Não pode haver uma variação de nível de qualidade, aproximando-se a ENERSUL, por exemplo, da CEMAT? É uma questão. Quer dizer, temos que pensar qual é a qualidade que queremos, em função da tarifa que temos. Isso é um assunto delicado. Diria que essa decisão é política, mas se isso viesse a acontecer, teríamos, obviamente, que repactuar com a ANEEL as metas fixadas. Caso contrário, iríamos sofrer penas muito grandes, da ordem de alguns milhões. Portanto, é um assunto que pode e deve ser estudado. Já se falou aqui na estrutura da rede básica. Por último, é uma hipótese possível criar-se, de alguma forma, um subsídio nacional às concessões periféricas. Não estou pedindo isso apenas para a ENERSUL; evidentemente, há outros Estados em condições idênticas. Agora, poder-se-ia escolher ou estudar um parâmetro, qualquer que fosse, que definisse para esses Estados uma condição especial. Não sei qual é, mas acho que valeria a pena estudar a recriação de um subsídio, por exemplo, para operação 12

14 e manutenção que pudesse ser utilizado por todos. Vai ter um peso muito grande na tarifa. Aumentar a subvenção é outra hipótese, como já foi dito aqui pelos Deputados. Ou poderíamos criar outros tipos de subsídios para essas concessões que, realmente, têm essas peculiaridades e que levam, queiramos ou não, as tarifas para os seus valores mais altos. Muito obrigado pela atenção. O SR. PRESIDENTE (Deputado José Otávio Germano) - Muito obrigado ao Dr. Antônio Eduardo da Silva Oliva, Presidente da ENERSUL. Registro a presença do Deputado Geraldo Resende, do PMDB do Mato Grosso do Sul, e do eminente Deputado José Carlos Aleluia, do Democratas da Bahia, que sempre dignificam e abrilhantam com suas presenças esta Comissão. Em seguida, passo a palavra ao Dr. Romeu Donizete Rufino, Diretor-Geral Substituto da ANEEL, por 5 minutos. O SR. ROMEU DONIZETE RUFINO - Bom-dia a todos. Sr. Presidente, Deputado José Otávio Germano, Parlamentares, senhoras e senhores, vou pedir permissão para exceder um pouco o tempo de 5 minutos para fazer minha apresentação sobre o processo tarifário, de modo geral, com particular foco para o caso da ENERSUL. O primeiro aspecto que acho relevante ressaltar é que o processo tarifário observa o dispositivo legal e o contrato de concessão. Então, a margem que a ANEEL tem para aplicar o processo tarifário limita-se ao que estabelece o contrato de concessão. Então, por ocasião da privatização da ENERSUL, em 1997, foi também assinado um contrato de concessão. Assim como ocorreu com a ENERSUL e todas as demais empresas, por ocasião da privatização do controle societário e assinatura do contrato, não foi concebido um processo tarifário para aferir se a concessão obedecia ao equilíbrio econômico-financeiro. Isso foi verificado por ocasião da primeira revisão tarifária, o que, no caso da ENERSUL, ocorreu em Portanto, em 1997, quando da assinatura do contrato, não se tinha certeza se a concessão estava ou não em equilíbrio, porque não foi feita essa aferição. Em 2003, isso foi feito. 13

15 Então, são estas as principais características do contrato de concessão: definição do nível tarifário a ser praticado, quer dizer, a tarifa faz parte da definição do contrato; estabelecimento do padrão de qualidade, como disse o Presidente da ENERSUL, pois, de fato, o nível tarifário tem a ver com a qualidade exigida; fixação de obrigações e direitos da concessionária, pois é um contrato de longo prazo, 30 anos. Portanto, estão bem caracterizados os direitos e as obrigações de cada concessionária. A ação da ANEEL está pautada na Lei Geral de Concessões, Lei nº 8.987; na lei que criou a ANEEL e no contrato de concessão. De maneira resumida, o processo tarifário de qualquer concessionária, a exemplo da ENERSUL, tem 3 possibilidades de alteração na tarifa: a primeira, o reajuste tarifário, que ocorre anualmente quando do aniversário de cada concessão; segunda, a revisão tarifária periódica, também contratual, com prazo estabelecido para sua ocorrência; terceira, a revisão tarifária extraordinária, sem previsão de data. Esta pode acontecer se, de fato, ocorrer algo extraordinário que desequilibre o contrato de concessão. O reajuste, como já se disse, segue uma fórmula estabelecida no contrato, complementada por regulamentos, e visa preservar o equilíbrio econômicofinanceiro da concessão. Por sua vez, a revisão tarifária redefine o equilíbrio econômico-financeiro. Então, em cada revisão discute-se o nível tarifário, quer dizer, o nível de receita, e os custos da concessionária, além de reposicionar a tarifa com o objetivo de buscar o equilíbrio econômico-financeiro. No caso da ENERSUL, dado como exemplo, o contrato foi assinado em Em seguida, de 1998 a 2002, houve sucessivos reajustes. Houve também uma revisão em 2003, a qual irei depois aprofundar um pouco mais. Houve reajustes de 2004 a 2007 e a próxima revisão ocorrerá em abril de Como comentei, no processo de revisão tarifária, justamente na fase de revisão, a tarifa pode ser alterada. A estrutura dos custos das concessionárias, o mercado daquela distribuidora, o nível de tarifa observado em empresas similares, como determina a lei e o contrato de concessão, os estímulos à eficiência e a motricidade tarifária são revisados. (Segue-se exibição de imagens.) 14

16 Além disso, serão estabelecidos os valores do fator X, aquele percentual a ser deduzido ou acrescido à variação do IGPM nos reajustes que se seguem após a revisão. Portanto, na revisão, analisamos os custos operacionais eficientes e a remuneração adequada sobre os investimentos prudentes. O resultado dessa revisão pode reposicionar a tarifa para menos ou para mais. Vai depender daquela receita requerida. O processo de revisão indica qual a receita requerida para manter o equilíbrio, compara com a receita verificada, a receita auferida, e se estiver percebendo uma receita maior do que a necessária, a tarifa é reposicionada para menos. Se ocorre o contrário, ou seja, se estiver percebendo receita menor do que a necessária, a tarifa é reposicionada para mais. Já houve, naturalmente, reposições para ambos os lados, para mais e para menos. Como se processa a revisão? Há um primeiro bloco chamado de Parcela A, uma parte dos custos da concessionária sobre os quais ela não tem gerência. É o caso da energia comprada para revenda, que, em grande parte, é comprada por contrato regulado mediante leilão de compra de energia. A concessionária não tem gestão sobre esses contratos; ela tem apenas a obrigação de contratar o mercado necessário. Então, identifica-se o mercado necessário para atender seus consumidores cativos, o nível de perda aceito a ser repassado à tarifa e se encontra o requisito de energia. Depois, aplicado os preços contratados, chegase ao valor do custo da energia a ser computado na tarifa. O mesmo ocorre com o custo da transmissão, utilizada a mesma lógica, e com os encargos setoriais todos estabelecidos por lei: CCC, CDE, PROIN, RGR e outros sobre os quais a concessionária não tem margem de gerência. (Segue-se exibição de imagens.) No segundo bloco, chamado de Parcela B, a concessionária tem de fato um grau maior de ação. Aqui consta o laudo de avaliação, como já dito, que encontra a base de remuneração. Esse laudo é bastante importante, porque ele determina o valor da remuneração e a quota de depreciação, talvez os 2 principais itens que compõem a 15

17 Parcela B. Consta também a empresa de referência, ou seja, todos os gastos necessários para a empresa gerir a concessão. Define-se também o fator X, como já expliquei. Daí, com todos esses fatores, calcula-se o valor da tarifa. O Presidente da ENERSUL já fez referência a esse ponto, mas, no que se refere ao valor de uma determinada conta de energia, sabe-se qual a parcela a ser destinada a cada segmento. No caso do segmento de geração, a parte da energia comprada para revenda, os custos de transmissão e da distribuição, que chamei de Parcela B, aquele sobre o qual a concessionária tem de fato a gestão, os encargos e aquela outra parcela formada pelos tributos, os quais têm uma forma de cálculo diferente, por dentro, correspondente a 23,81. Na verdade, como a sua margem de cálculo é diferenciada, ele representa um percentual de 31% no preço final da energia. ICMS e PIS/COFINS são os tributos acrescidos ao valor da tarifa e que fazem parte do preço final da energia. No processo de revisão tarifária periódica da ENERSUL, em 2003, o primeiro, o reposicionamento tarifário definitivo, apesar de ter havido algumas resoluções que estabeleceram percentual provisório, foi de 50,81%. Assim, tendo em vista aquele comando legal e o contrato, para atender ao princípio da motricidade tarifária concomitante com a condição de equilíbrio econômico-financeiro da concessão, foi diferida a aplicação dos 50,81%. Naquela oportunidade, foram aplicados 32,59% e a diferença foi acrescida ao valor dos reajustes de 2004 até 2007, sendo que o último parcelamento daquele diferencial do diferimento, o de 2007, não foi aplicado este ano; ele será analisado na revisão de (Segue-se exibição de imagens.) Aqui um resumo do ocorrido desde Na primeira coluna, o que chamamos de Índice de Reajuste Tarifário. O reposicionamento, no caso da revisão, que, em 2003, era de 50,81%, mas com o efeito diferido de menos 18%, ficou em 32,59%. A partir de 2004, os 18% diferidos foram acrescidos ao valor do IRT propriamente dito. A última coluna mostra o valor percebido pelo consumidor. Quer dizer, o IRT, com o critério, o cálculo, a fórmula do contrato de concessão, acrescido ao valor que ficou pendente na revisão, até chegar ao valor percebido pelo consumidor. 16

18 Vejam que, em 2007, não incluímos a última parcela. Está em zero o efeito de diferimento, porque, como expliquei, ele foi postergado e será analisado em Aqui, neste gráfico, outra comparação, vamos dizer assim, das características da concessão da ENERSUL e outras concessionárias. O Presidente da ENERSUL já fez referência e nós trouxemos outras comparações, como as de área por quilômetro quadrado da concessão, número de consumidores, mercado em megawatt/hora. Neste quadro, a mesma comparação para o DEC/FEC; aquilo que, resumidamente, mede a qualidade exigida no contrato e nos regulamentos. De fato, a ENERSUL ocupa uma posição intermediária, vamos dizer assim e é claro que aqui não nos referimos a todas as concessionárias; nossa intenção é mostrar que existem concessionárias com padrão de qualidade exigido no contrato de concessão, padrão mais rigoroso do que o da ENERSUL, sendo que há outras concessionárias com padrão de qualidade superior. Como disse o Presidente, e eu concordo, a qualidade tem a ver com o preço da energia. Então, a revisão tarifária, evidentemente, é uma oportunidade para repactuar, se for o caso, o nível de qualidade, porque ele causa impacto na tarifa. Em função da revisão realizada em 2003, como expliquei e já mostramos de maneira resumida as ações de fiscalização da ANEEL desde 1998; em dezembro de 1997 foi assinado o contrato de concessão, houve 3 processos de fiscalização, 3 superintendências compostas de serviço de eletricidade, fiscalização econômico-financeira e fiscalização da geração. Fizemos, realmente, inúmeras fiscalizações na ENERSUL, como fazemos em todas as concessionárias, e emitimos notificações e autos de infração. Ou seja, algumas sanções foram aplicadas pelo fato de não ter sido cumprido algum procedimento, conforme rezava o contrato ou os regulamentos. Vejam aqui a base de remuneração regulatória uma questão relevante. Na verdade, no reajuste tarifário de 2007, o Diretor-Relator, Sr. Edvaldo, propôs, e o colegiado da ANEEL concordou, que as áreas diretamente envolvidas no processo revisassem o tema na medida em que havia indícios e preocupações até em função da abertura do segundo ciclo. E aí a massa crítica se expandiu em termos de comparação; isto é, pudemos comparar todas as concessionárias. 17

19 Assim, foi determinado pela diretoria colegiada, naquela reunião realizada em 11 de abril de 2007, que se verificasse o processo tarifário realizado em 2003, em particular a base de remuneração. Esse trabalho foi realizado pela ANEEL, com apoio de consultores independentes contratados pela Agência. Identificou-se um possível erro material na base de remuneração utilizada para o processo de Então o laudo de avaliação, depois de preparado por uma empresa especializada contratada pela ENERSUL entre várias credenciadas pela ANEEL para essa finalidade, foi feito, e, na nossa análise, nós identificamos uma possível falha, um erro material. Foi então encaminhado à ENERSUL um termo de notificação no processo de fiscalização, e a empresa teve prazo até 21 de setembro de 2007 para fazer sua manifestação. Ela fez. Sexta-feira foi entregue a manifestação. O processo se encontra agora em fase de análise da manifestação. Esse é o processo da ANEEL, que tem de obedecer, evidentemente, ao processo legal de ampla defesa e do contraditório. Nós estamos nessa fase de análise. Isso, evidentemente, não configura uma reabertura do processo de revisão tarifária de A bem da verdade, esse é um dever de qualquer ente público. Se ele encontra erro, ele tem a obrigação de corrigi-lo. É o que nós estamos fazendo. Por fim, a questão da próxima revisão tarifária, que será feita em abril de Ela foi divulgada com a devida antecedência, e temos um resumo do cronograma das diversas atividades. O processo tarifário da ANEEL, em geral, e em particular as revisões, é bastante participativo. Ele é público, é aberto. Como está mostrado aí em tela, existe a fase em que a ANEEL encaminha ofício solicitando informações à ENERSUL. Depois de apresentadas pela ENERSUL, essas informações são analisadas pela ANEEL. Faz-se então uma reunião de trabalho com a própria concessionária, para discussão do processo; depois, uma reunião com o Conselho de Consumidores da ENERSUL, na ANEEL. Toda concessionária tem um conselho de consumidores. Esse conselho tem a oportunidade de emitir as suas considerações sobre o processo. Depois vem a manifestação da ENERSUL sobre o aprimoramento. E então, como está previsto ali para 30 de janeiro de 2008, a ANEEL apresenta na Internet, em forma de consulta pública, a proposta de reposicionamento tarifário e a respectiva análise. Nessa oportunidade, é disponibilizada uma nota técnica que trata de maneira exaustiva do 18

20 processo tarifário. Os interessados podem acessar esse material e estudá-lo. No dia 7 de março haverá uma audiência pública presencial na cidade de Campo Grande. Esse procedimento é o mesmo para todas as concessionárias. Normalmente, marcamos audiência na principal cidade da área de concessão. No caso, será em Campo Grande. Finalmente, como o processo decisório é da ANEEL, em reunião pública a ser realizada no dia 8 de abril será deliberado sobre o resultado da revisão tarifária. É isso. Muito obrigado. O SR. PRESIDENTE (Deputado José Otávio Germano) - Muito obrigado, Dr. Romeu Rufino. Passo a palavra à Sra. Patrícia Galdino de Faria Barros, Coordenadora-Geral de Políticas e Relações de Consumo do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor, do Ministério da Justiça. A SRA. PATRÍCIA GALDINO DE FARIA BARROS - Sr. Presidente, Deputado José Otávio Germano, na pessoa de quem cumprimento a Mesa, antes de mais nada, eu gostaria de agradecer, em nome do Ministério da Justiça, a participação do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor nesta audiência pública. Agradeço-lhe também a oportunidade de dividir o meu tempo com o Superintendente do PROCON do Mato Grosso do Sul. O Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor é o órgão que coordena o Sistema Nacional de Defesa do Consumidor, do qual o PROCON faz parte. Então, nada mais justo do que ouvirmos também o Superintendente do PROCON do Mato Grosso do Sul sobre os principais problemas que enfrentam. E o PROCON, enquanto órgão de defesa do consumidor, é o que está lá na ponta, atendendo diretamente o consumidor. Minha apresentação será breve. Nós temos o SINDEC, que é o Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor. Eu trouxe algumas informações do SINDEC geradas no PROCON. Se não me falha a memória, ouvi o Sr. Antônio Eduardo dizer que 81% dos consumidores nós chamamos de consumidores e não de clientes são residenciais e que, desses 81%, 30% são de baixa renda. Eu não gostaria de focar na questão tarifária, Srs. Deputados, até porque o nobre colega da ANEEL já deu essa explicação há pouco. Mas os colegas da ANEEL presentes sabem que não é 19

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Audiência Pública nº47 Data: 27/08/2015 Concessão: Bandeirante Cidade: São José dos Campos/SP AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL PRINCIPAIS COMPETÊNCIAS SOMOS RESPONSÁVEIS PELA... Regulação Mediação

Leia mais

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por:

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por: A Tarifa de Energia O que é a tarifa de energia? Simplificadamente, a tarifa de energia é o preço cobrado por unidade de energia (R$/kWh). Em essência, é de se esperar que o preço da energia elétrica seja

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TARIFAS DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TARIFAS DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TARIFAS DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TARIFAS DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA Brasília, DF 2007 Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador

Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador XVIII ENCONSEL Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador Canela-RS Novembro de 2002 José Mário Miranda Abdo Diretor-Geral Aspectos Econômico-financeiros do Setor Elétrico Visão

Leia mais

Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas

Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre o marco institucional das Concessões Vincendas de Energia Elétrica Setembro

Leia mais

Dep. Fabio Garcia PSB/MT. O Preço da Energia No Brasil

Dep. Fabio Garcia PSB/MT. O Preço da Energia No Brasil Dep. Fabio Garcia PSB/MT O Preço da Energia No Brasil Entenda a sua fatura de energia elétrica - Tarifa para Consumidor Residencial (tarifa B1) Parcela A Custos não gerenciáveis, ou seja, que não dependem

Leia mais

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D (Em milhões de reais, exceto se indicado de outra forma) --------- Lucro do Período A Cemig Distribuição apresentou, no exercício de 2008, um lucro líquido de R$709

Leia mais

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO 1. APRESENTAÇÃO O Grupo Genergia, em total sinergia com o pensamento mundial, aliando

Leia mais

Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final

Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final NOTA TÉCNICA Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final Aplicação: Distribuidoras de Gás do Estado de São Paulo Fevereiro 2012

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REVISÃO DE COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REVISÃO DE COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REVISÃO DE COMISSÕES TEXTO COMISSÃO ESPECIAL - PL 203/91 - POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS EVENTO: Reunião Ordinária N : 000638/01

Leia mais

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Conceitos Básicos: Os consumidores de energia elétrica pagam um valor correspondente à quantidade de energia elétrica consumida, no mês anterior, estabelecida

Leia mais

VOTO. RESPONSÁVEIS: Superintendência de Regulação de Mercado SRM e Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD.

VOTO. RESPONSÁVEIS: Superintendência de Regulação de Mercado SRM e Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD. VOTO PROCESSOS: 48500.000865/2014-75 INTERESSADOS: Mineração Caraíba S/A - MCSA. RELATOR: Diretor Reive Barros dos Santos RESPONSÁVEIS: Superintendência de Regulação de Mercado SRM e Superintendência de

Leia mais

POR DENTRO DA CONTA DE ENERGIA. Informação de utilidade pública

POR DENTRO DA CONTA DE ENERGIA. Informação de utilidade pública POR DENTRO DA CONTA DE ENERGIA Informação de utilidade pública POR DENTRO DA CONTA DE ENERGIA Informação de utilidade pública Agência Nacional de Energia Elétrica Aneel Diretoria Nelson José Hübner Moreira

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.512, DE 16 DE ABRIL DE 2013.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.512, DE 16 DE ABRIL DE 2013. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.512, DE 16 DE ABRIL DE 2013. Homologa o resultado da terceira Revisão Tarifária Periódica RTP da Companhia Energética do Rio Grande

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 496-A, DE 2015 (Do Sr. Mário Negromonte Jr.)

PROJETO DE LEI N.º 496-A, DE 2015 (Do Sr. Mário Negromonte Jr.) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 496-A, DE 2015 (Do Sr. Mário Negromonte Jr.) Dispõe sobre a exclusão dos custos de transmissão de energia elétrica da base de cálculo da tarifa de energia elétrica

Leia mais

SEMINÁRIO CRESCE BRASIL ENERGIA

SEMINÁRIO CRESCE BRASIL ENERGIA FEDERAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS SEMINÁRIO CRESCE BRASIL ENERGIA Cesar de Barros Pinto NOVEMBRO/2012 CONTRATOS DE CONCESSÃO TRANSMISSÃO Celebrados em 2001 retroagindo a 1995 Primeira concessão de transmissão

Leia mais

Audiência Pública AP 039/2004 SRE ANEEL SULGIPE

Audiência Pública AP 039/2004 SRE ANEEL SULGIPE Primeira Revisão Tarifária Periódica Companhia Sul Sergipana de Eletricidade SULGIPE Audiência Pública AP 039/2004 SRE ANEEL SULGIPE Manifestação da SULGIPE relativa a Proposta de Revisão Tarifária Periódica

Leia mais

O QUE ESTÁ ACONTECENDO?

O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? MINHA CONTA AUMENTOU! Todos os anos ocorrem reajustes nas tarifas de energia elétrica. Esse aumento é autorizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL e no caso de Goiás

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999 Estabelece os Valores Normativos que limitam o repasse, para as tarifas de fornecimento, dos preços livremente negociados

Leia mais

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009 4.7 - FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás é a responsável pela gestão de recursos setoriais que atendem às diversas áreas do Setor Elétrico, representados pelos

Leia mais

Contribuição à Audiência 065/2008

Contribuição à Audiência 065/2008 Contribuição à Audiência 065/2008 Revisão da Resolução Normativa n 57/2004, que trata das metas e condições de atendimento das centrais de teleatendimento (CTA) 09/02/2009 APRESENTAÇÃO 1. O SINERGIA CUT

Leia mais

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Carlos Alberto Mattar Superintendente - SRD 13 de março de 2014 Rio de Janeiro - RJ Sumário I. Balanço 2013 II. Pautas para GTDC - 2014 III. Principais audiências

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador JOSÉ PIMENTEL

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador JOSÉ PIMENTEL PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 132, de 2008 Complementar (Projeto de Lei Complementar nº 182, de 2004, na origem), do Deputado José Carlos Aleluia,

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. S u b m ó d u l o 10. 2

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. S u b m ó d u l o 10. 2 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 10: Ordem e Condições de Realização dos Processos Tarifários e Requisitos de Informações e Obrigações Periódicas S u b m ó d u l o

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.505, DE 5 DE ABRIL DE 2013

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.505, DE 5 DE ABRIL DE 2013 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.505, DE 5 DE ABRIL DE 2013 Homologa o resultado da terceira Revisão Tarifária Periódica RTP da Empresa Energética de Mato Grosso

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS. Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS. Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais SUMÁRIO Demonstrações Contábeis Regulatórias Balanços Patrimoniais Regulatórios...3

Leia mais

ANEEL e perspectivas para o

ANEEL e perspectivas para o ANEEL e perspectivas para o setor Elétrico no Brasil BRITCHAM BRASIL Rio de Janeiro, julho de 9 Nelson Hubner Diretor-Geral Missão da ANEEL: Promover o equilíbrio entre consumidores, agentes regulados

Leia mais

A Resolução Normativa nº 414 estabelece um cronograma a ser cumprido pelas distribuidoras, cujos prazos já estão sendo vencidos.

A Resolução Normativa nº 414 estabelece um cronograma a ser cumprido pelas distribuidoras, cujos prazos já estão sendo vencidos. Informação nº. 0046/2011/JURÍDICO/CNM Interessados: Municípios Brasileiros Assunto: Resolução Normativa nº. 414/2010 - ANEEL Sabe-se que a Resolução Normativa nº. 414 da Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro

ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro Seminário - ABDIB ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro Romeu Donizete Rufino Diretor da ANEEL 8 de dezembro de 2010 São Paulo - SP 1997 1998 1999 2000 2001 2002 Início das atividades,

Leia mais

Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003

Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003 Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003 Assunto: Reajuste das Tarifas de uso dos sistemas de distribuição da empresa Boa Vista Energia S/A - Boa Vista. I DO OBJETIVO Esta nota técnica

Leia mais

QUEM É A RIO GRANDE ENERGIA S/A (RGE)?

QUEM É A RIO GRANDE ENERGIA S/A (RGE)? RGE QUEM É A RIO GRANDE ENERGIA S/A (RGE)? A distribuidora Rio Grande Energia S/A (RGE) resulta da cisão da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), controlada pelo Governo do Estado do Rio Grande

Leia mais

Experiência de Regulação no Setor Elétrico Brasileiro

Experiência de Regulação no Setor Elétrico Brasileiro Experiência de Regulação no Setor Elétrico Brasileiro Edvaldo Santana Diretor da ANEEL Lisboa, 29 de maio de 2008 Sumário Descrição dos objetivos Considerações iniciais i i i Regulação e Tarifas: evolução

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.815, DE 29 DE OUTUBRO DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.815, DE 29 DE OUTUBRO DE 2014 AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.815, DE 29 DE OUTUBRO DE 2014 Voto Homologa o resultado do Reajuste Tarifário Anual de 2014 e fixa as Tarifas de Energia TEs e as Tarifas

Leia mais

Tipo/Nº do Documento: Data: Origem: Vigência: Resolução Homologatória nº1576 30/07/2013 ANEEL 07/08/2013

Tipo/Nº do Documento: Data: Origem: Vigência: Resolução Homologatória nº1576 30/07/2013 ANEEL 07/08/2013 LEGISLAÇÃO COMERCIAL Assunto: Homologa o resultado da sexta Revisão Tarifária Periódica RTP da Escelsa. Tipo/Nº do Documento: Data: Origem: Vigência: Resolução Homologatória nº1576 30/07/2013 ANEEL 07/08/2013

Leia mais

Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia

Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia Nelson Leite Presidente da ABRADEE 1 Porto Alegre, 18 de junho de 2015 1 Agenda 1 - Panorama do setor de distribuição de E. Elétrica 2 - Perspectivas

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica LEI N o 8.631, DE 4 DE MARÇO DE 1993. Dispõe sobre a fixação dos níveis das tarifas para o serviço público de energia elétrica, extingue o regime de remuneração

Leia mais

unidades consumidoras com o mesmo CGC, independentemente de sua localização, desde que integrante do SIN

unidades consumidoras com o mesmo CGC, independentemente de sua localização, desde que integrante do SIN Campinas/SP, 08 de abril de 2004 Ao senhor José Mario Miranda Abdo M.D. Diretor Geral da Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL Ref.: Aviso de Audiência Pública nº 011/2004 Senhor Diretor Geral,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.879, DE 14 DE ABRIL DE 2015

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.879, DE 14 DE ABRIL DE 2015 AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.879, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Homologa o resultado do Reajuste Tarifário Anual de 2015, as Tarifas de Energia TE e as Tarifas de Uso do

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.713, DE 15 DE ABRIL DE 2014.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.713, DE 15 DE ABRIL DE 2014. AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.713, DE 15 DE ABRIL DE 2014. Homologa as Tarifas de Energia TEs e as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição TUSDs referentes à Companhia

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N o 615, DE 6 NOVEMBRO DE 2002 (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. Aprova o modelo do Contrato de Prestação de Serviço Público de Energia

Leia mais

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA COPEL

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA COPEL POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA COPEL Quem é a Companhia Paranaense de Energia (COPEL)? A distribuidora Companhia Paranaense de Energia (COPEL), criada em 1954, tem 2,68 milhões de unidades consumidoras

Leia mais

Por dentro da conta de luz da COMPANHIA ESTADUAL DE ENERGIA ELÉTRICA DO RIO GRANDE DO SUL

Por dentro da conta de luz da COMPANHIA ESTADUAL DE ENERGIA ELÉTRICA DO RIO GRANDE DO SUL Por dentro da conta de luz da COMPANHIA ESTADUAL DE ENERGIA ELÉTRICA DO RIO GRANDE DO SUL APRESENTAÇÃO DA DISTRIBUIDORA A Companhia Estadual de Energia Elétrica do Rio Grande do Sul (CEEE), criada há 60

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 9: Concessionárias de Transmissão. S u b m ó d u l o 9. 8

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 9: Concessionárias de Transmissão. S u b m ó d u l o 9. 8 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 9: Concessionárias de Transmissão S u b m ó d u l o 9. 8 M e t o d o l o g i a d e c á l c u l o de p r e ç o t e t o d a R e c e

Leia mais

Manifesto em Defesa da Renovação das Concessões do Setor de Energia Elétrica Já!

Manifesto em Defesa da Renovação das Concessões do Setor de Energia Elétrica Já! Nosso país possui um dos mais invejáveis sistemas elétricos do mundo, de dimensões continentais. Formado majoritariamente por usinas hidrelétricas, constituise numa das matrizes energéticas mais limpas

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica LEI N o 5.899, DE 5 DE JULHO DE 1973. Dispõe sobre a aquisição dos serviços de eletricidade da ITAIPU e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA ENERGISA BORBOREMA

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA ENERGISA BORBOREMA POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA ENERGISA BORBOREMA Quem é a Energisa Borborema S/A? A distribuidora Energisa Borborema S/A é a antiga Companhia Energética da Borborema (CELB). Criada em 1963, foi privatizada

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição S u b m ó d u l o 7. 1 P R O C E D I M E N T O S G E R A I S Revisão 1.0

Leia mais

QUEM É A COMPANHIA ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO NORTE (COSERN)?

QUEM É A COMPANHIA ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO NORTE (COSERN)? COSERN QUEM É A COMPANHIA ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO NORTE (COSERN)? A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (COSERN), criada em agosto de 1962, atende 917,7 mil unidades consumidoras. Atualmente,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.447, DE 24 DE JANEIRO DE 2013.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.447, DE 24 DE JANEIRO DE 2013. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.447, DE 24 DE JANEIRO DE 2013. Nota Técnica n.º 15/2013-SRE/ANEEL Voto Anexos Homologa as Tarifas de Energia s e as Tarifas de Uso

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Dívida enfraquece caixa das empresas

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Dívida enfraquece caixa das empresas Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Dívida enfraquece caixa das empresas A legítima demanda dos consumidores pela contínua melhoria da qualidade dos serviços prestados pelas distribuidoras

Leia mais

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA COELBA

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA COELBA POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA COELBA MISSÃO DA ANEEL PROPORCIONAR CONDIÇÕES FAVORÁVEIS PARA QUE O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA SE DESENVOLVA COM EQUILÍBRIO ENTRE OS AGENTES E EM BENEFÍCIO DA SOCIEDADE.

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.428, DE 24 DE JANEIRO DE 2013.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.428, DE 24 DE JANEIRO DE 2013. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.428, DE 24 DE JANEIRO DE 2013. Nota Técnica n.º 15/2013-SRE/ANEEL Voto Anexos Homologa as Tarifas de Energia s e as Tarifas de Uso

Leia mais

Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador

Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador 4º Congreso Internacional de Supervisión del Servicio Eléctrico Romeu Donizete Rufino Diretor-Geral da ANEEL 27 de novembro de 2014

Leia mais

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA AMPLA. 2ª Edição

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA AMPLA. 2ª Edição POR DENTRO DA CONTA DE LUZ DA AMPLA 2ª Edição Quem é a AMPLA? A distribuidora Ampla Energia e Serviços S/A foi criada em setembro de 2004, em substituição à Companhia de Eletricidade do Rio de Janeiro

Leia mais

I. DO OBJETIVO II. DOS FATOS. Nota Técnica nº 472/2013-SRE/ANEEL. Em 24 de outubro de 2013. Processo: 48500.006123/2013-72

I. DO OBJETIVO II. DOS FATOS. Nota Técnica nº 472/2013-SRE/ANEEL. Em 24 de outubro de 2013. Processo: 48500.006123/2013-72 Nota Técnica nº 472/2013-SRE/ANEEL Em 24 de outubro de 2013. Processo: 48500.006123/2013-72 Assunto: Critérios e procedimentos para cálculo do custo de capital a ser utilizado na definição da receita teto

Leia mais

RELATÓRIO DE CONJUNTURA: REGULAÇÃO

RELATÓRIO DE CONJUNTURA: REGULAÇÃO RELATÓRIO DE CONJUNTURA: REGULAÇÃO Novembro de 2009 Nivalde J. de Castro Danilo Delgado PROJETO PROVEDOR DE INFORMAÇÕES ECONÔMICAS FINANCEIRAS DO SETOR ELÉTRICO PROJETO PROVEDOR DE INFORMAÇÕES SOBRE O

Leia mais

Entenda a Indústria de Energia Elétrica

Entenda a Indústria de Energia Elétrica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISTRIBUIDORES DE ENERGIA ELÉTRICA Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 4 transmissão Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 4 5 O transporte da energia elétrica:

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.774, DE 12 DE AGOSTO DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.774, DE 12 DE AGOSTO DE 2014 AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.774, DE 12 DE AGOSTO DE 2014 Nota Técnica n 253/2014-SRE/ANEEL Homologa o resultado do Reajuste Tarifário Anual de 2014 e fixa as Tarifas

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.463, DE 24 DE JANEIRO DE 2013.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.463, DE 24 DE JANEIRO DE 2013. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.463, DE 24 DE JANEIRO DE 2013. Nota Técnica n.º 15/2013-SRE/ANEEL Voto Anexos Homologa as Tarifas de Energia s e as Tarifas de Uso

Leia mais

de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias.

de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias. Agora, a sua conta de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias. Agora, em todo o país, as bandeiras tarifárias vêm impressas na conta de luz. E, para saber se o valor da sua conta irá

Leia mais

Entrevista: Duke passa de alvo de aquisições para investidora

Entrevista: Duke passa de alvo de aquisições para investidora Entrevista: Duke passa de alvo de aquisições para investidora Wellington Bahnemann São Paulo Mickey Peters, presidente da Duke Energy no Brasil, demonstra entusiasmo ao falar das perspectivas da companhia

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO TÉCNICA OCPC 08

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO TÉCNICA OCPC 08 COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO TÉCNICA OCPC 08 Reconhecimento de Determinados Ativos ou Passivos nos relatórios Contábil-Financeiros de Propósito Geral das Distribuidoras de Energia Elétrica

Leia mais

Gerenciamento de Energia

Gerenciamento de Energia Gerenciamento de Energia Mapa do Cenário Brasileiro Capacidade total de quase 88.500MW; Geração de 82.000MW; Transmissão de 80.000Km maiores que 230kV; mais de 530 usinas e subestações; 47 milhões de consumidores.

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar mais

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.432, DE 24 DE JANEIRO DE 2013.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.432, DE 24 DE JANEIRO DE 2013. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.432, DE 24 DE JANEIRO DE 2013. Nota Técnica n.º 15/2013-SRE/ANEEL Voto Anexos Homologa as Tarifas de Energia s e as Tarifas de Uso

Leia mais

VOTO PROCESSO: 48500.003850/2012-05.

VOTO PROCESSO: 48500.003850/2012-05. VOTO PROCESSO: 48500.003850/2012-05. INTERESSADOS: Edifício Master Tower Ibirapuera, Eletropaulo Metropolitana Eletricidade de São Paulo S.A. - AES Eletropaulo, Agência Reguladora de Saneamento e Energia

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS MUNICIPIOS TRANSFERÊNCIA DE ATIVOS DE I. P. APLICAÇÃO DA NOVA RESOLUÇÃO DA ANEEL

ORIENTAÇÕES AOS MUNICIPIOS TRANSFERÊNCIA DE ATIVOS DE I. P. APLICAÇÃO DA NOVA RESOLUÇÃO DA ANEEL ORIENTAÇÕES AOS MUNICIPIOS TRANSFERÊNCIA DE ATIVOS DE I. P. APLICAÇÃO DA NOVA RESOLUÇÃO DA ANEEL 17/12/2013 É preciso se atentar que a nova resolução aprovada pela ANEEL não apenas prorrogou o prazo limite

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Mudanças aumentam atratividade

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Mudanças aumentam atratividade Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Mudanças aumentam atratividade Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar

Leia mais

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Aluno: Bruna dos Guaranys Martins Orientador: Delberis Araújo Lima Projeto: 1011 Introdução No Brasil, existem diferentes tipos de

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 003/2007 (ap003_2007@aneel.gov.br) Contribuições da TRACTEBEL ENERGIA S.A.

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 003/2007 (ap003_2007@aneel.gov.br) Contribuições da TRACTEBEL ENERGIA S.A. Introdução AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 003/2007 (ap003_2007@aneel.gov.br) Contribuições da TRACTEBEL ENERGIA S.A. A Tractebel Energia, isoladamente ou por meio da APINE, vem estudando e discutindo o tema

Leia mais

SÚMULA DA ATA AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2004, DE 28/04/2004.

SÚMULA DA ATA AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2004, DE 28/04/2004. SÚMULA DA ATA AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2004, DE 28/04/2004. Aos 28 (vinte e oito) dias do mês de abril de 2004, às 10h00 (dez horas), no auditório da Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT, situado

Leia mais

Saiba o que vai mudar no seu bolso com as novas medidas econômicas do governo

Saiba o que vai mudar no seu bolso com as novas medidas econômicas do governo Cliente: Trade Energy Veículo: Portal R7 Assunto: Saiba o que vai mudar no seu bolso com as novas medidas Data: 21/01/2015 http://noticias.r7.com/economia/saiba-o-que-vai-mudar-no-seu-bolso-com-as-novas-medidaseconomicas-do-governo-21012015

Leia mais

Cadernos Temáticos ANEEL Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica

Cadernos Temáticos ANEEL Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Agência Nacional de Energia Elétrica 4 Cadernos Temáticos ANEEL Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Brasília DF Abril 2005 Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL Diretoria Diretor-Geral Jerson

Leia mais

Por. dentro. da de. conta. luz. informação de utilidade pública

Por. dentro. da de. conta. luz. informação de utilidade pública Por dentro da de conta luz informação de utilidade pública Por dentro da de conta luz informação de utilidade pública Fonte: Cartilha pordentro da conta de luz ANEEL http://www.aneel.gov.br/area. cfm?idarea=532

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.809, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.809, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014 AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.809, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014 Homologa o resultado do Reajuste Tarifário Anual de 2014 e fixa as Tarifas de Energia TEs e as Tarifas

Leia mais

VOTO. INTERESSADO: Companhia Marumbi Transmissora de Energia S.A. RESPONSÁVEL: Superintendência de Regulação dos Serviços de Transmissão SRT.

VOTO. INTERESSADO: Companhia Marumbi Transmissora de Energia S.A. RESPONSÁVEL: Superintendência de Regulação dos Serviços de Transmissão SRT. VOTO PROCESSOS: 48500.002320/2014-01. INTERESSADO: Companhia Marumbi Transmissora de Energia S.A. RELATOR: Diretor Reive Barros dos Santos. RESPONSÁVEL: Superintendência de Regulação dos Serviços de Transmissão

Leia mais

Contribuição Eletropaulo Metropolitana S/A Expositor Antoninho Borghi

Contribuição Eletropaulo Metropolitana S/A Expositor Antoninho Borghi Audiência Pública ANEEL 027/2003 Estabelece as condições de atendimento por meio de Central de Teleatendimento (CTA) das concessionárias ou permissionárias, critérios de classificação de serviços e metas

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.718, DE 16 DE ABRIL DE 2014.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.718, DE 16 DE ABRIL DE 2014. AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.718, DE 16 DE ABRIL DE 2014. Homologa as Tarifas de Energia TEs e as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição TUSDs referentes à AES

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais de Energia Elétrica

Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais de Energia Elétrica Encontro do Conselho de Consumidores da AES Eletropaulo (Conselpa) e Conselho Coordenador das Associações Amigos de Bairros, Vilas e Cidades de SP (Consabesp). Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO PORTARIA Nº 2.588, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo

Leia mais

1. Critério de alocação

1. Critério de alocação 1. Critério de alocação 1.1. A Equatorial Energia apresenta abaixo sua análise sobre a proposta dessa D.ANEEL descrita na Nota Técnica nº 375/2014-SRE/ANEEL em relação ao critério transitório a ser utilizado

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO NORMATIVA

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO NORMATIVA PROPOSTA DE RESOLUÇÃO NORMATIVA Estabelece a metodologia para o cálculo de reajuste tarifário dos serviços públicos de abastecimento de água e de esgotamento sanitário sujeitos à regulação pela Agência

Leia mais

ATA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA 001/99, REALIZADA EM 14 DE MAIO DE 1999.

ATA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA 001/99, REALIZADA EM 14 DE MAIO DE 1999. ATA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA 001/99, REALIZADA EM 14 DE MAIO DE 1999. Aos quatorze dias do mês de maio de mil novecentos e noventa e nove, às quatorze horas e trinta minutos, no Auditório da Agência Nacional

Leia mais

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº XX, DE XX DE XX DE 2015

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº XX, DE XX DE XX DE 2015 RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº XX, DE XX DE XX DE 2015 Estabelece os procedimentos e a metodologia de cálculo das tarifas a serem observados pelos prestadores dos serviços públicos de abastecimento de água e de

Leia mais

FL. 1 de 6 VOTO PROCESSO: 48500.000092/2014-27. INTERESSADO: Copel Distribuição S.A. - Copel Dis. RELATOR: Diretor André Pepitone da Nóbrega

FL. 1 de 6 VOTO PROCESSO: 48500.000092/2014-27. INTERESSADO: Copel Distribuição S.A. - Copel Dis. RELATOR: Diretor André Pepitone da Nóbrega FL. 1 de 6 VOTO PROCESSO: 48500.000092/2014-27 INTERESSADO: Copel Distribuição S.A. - Copel Dis RELATOR: Diretor André Pepitone da Nóbrega RESPONSÁVEL: DIRETORIA DIR ASSUNTO: Recurso Administrativo interposto

Leia mais

Não Aceita 4. Contribuições Recebidas Contribuição: ABRADEE Justificativa Avaliação ANEEL: Parcialmente Aceita Art. 1º

Não Aceita 4. Contribuições Recebidas Contribuição: ABRADEE Justificativa Avaliação ANEEL: Parcialmente Aceita Art. 1º COMPLEMENTO AO Anexo I da Nota Técnica n o Nota Técnica no 077/2015-SRM-SRD-SRG-SGT-SFF-SCG/ANEEL de 08/05/2015 (Análise de contribuições que não constaram do RAC Minuta de Resolução, Anexo I da NT 08/05/2015)

Leia mais

Vitória, 22 de abril de 2008. Mensagem n º 84 / 2008. Senhor Presidente:

Vitória, 22 de abril de 2008. Mensagem n º 84 / 2008. Senhor Presidente: Vitória, 22 de abril de 2008. Mensagem n º 84 / 2008 Senhor Presidente: Comunico a V. Exa. que, amparado nos artigos 66, 2 e 9, IV da Constituição Estadual, decidi vetar totalmente por inconstitucionalidade

Leia mais

ANEXO III. Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 21 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO III. Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 21 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO III Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 2 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO III Nota Técnica n o 250/2007 SRE/ANEEL Em 2 de agosto de 2007. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012 (Do Sr. Vaz de Lima) Altera os Anexos da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006, para permitir o abatimento de parcela dedutível do valor devido mensalmente

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 249, DE 6 DE MAIO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 249, DE 6 DE MAIO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 249, DE 6 DE MAIO DE 2002 Estabelece critérios e procedimentos para a definição de encargos tarifários relativos à aquisição de energia elétrica

Leia mais

GUIA INFORMATIVO - CARTÕES DE CRÉDITO

GUIA INFORMATIVO - CARTÕES DE CRÉDITO 2013 GUIA INFORMATIVO - CARTÕES DE CRÉDITO CARTÕES DE CRÉDITO Definição Cartão de crédito é modalidade de pagamento à vista, objeto de um contrato de adesão entre o consumidor e uma administradora de cartões,

Leia mais

Manual de Orientação dos Trabalhos de Auditoria de Relatório de Controle Patrimonial - RCP. Regulado pela Resolução ANEEL 367/2009

Manual de Orientação dos Trabalhos de Auditoria de Relatório de Controle Patrimonial - RCP. Regulado pela Resolução ANEEL 367/2009 Manual de Orientação dos Trabalhos de Auditoria de Relatório de Controle Patrimonial - RCP Regulado pela Resolução ANEEL 367/2009 Superintendência de Fiscalização Econômica e Financeira SFF Versão: 04/2012

Leia mais

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Fiscalização Econômica e Fincaneira - SFF.

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Fiscalização Econômica e Fincaneira - SFF. VOTO PROCESSO: 48500.003761/2012-51. INTERESSADO: Companhia Energética Itumirim. RELATOR: Diretor Edvaldo Alves de Santana. RESPONSÁVEL: Superintendência de Fiscalização Econômica e Fincaneira - SFF. ASSUNTO:

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 014/2011

CONTRIBUIÇÃO DA ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 014/2011 CONTRIBUIÇÃO DA ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 014/2011 A ELETROSUL analisou a proposta da ANEEL para a regulamentação das instalações destinadas a interligações internacionais,

Leia mais

Pesquisa de Avaliação do Portal da ANEEL na Internet

Pesquisa de Avaliação do Portal da ANEEL na Internet Pesquisa de Avaliação do Portal da ANEEL na Internet Período de pesquisa: 03/11/2004 a 30/12/2004 Abril 2005 1/13 Índice Página 1.0 INTRODUÇÃO...03 2.0 Análise das respostas de múltipla escolha...04 3.0

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.425, DE 24 DE JANEIRO DE 2013.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.425, DE 24 DE JANEIRO DE 2013. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.425, DE 24 DE JANEIRO DE 2013. Nota Técnica n.º 15/2013-SRE/ANEEL Voto Anexos Homologa as Tarifas de Energia s e as Tarifas de Uso

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.287, DE 8 DE MAIO DE 2012.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.287, DE 8 DE MAIO DE 2012. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.287, DE 8 DE MAIO DE 2012. (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. Homologa o resultado da terceira Revisão Tarifária

Leia mais