Secções Actividade Seguradora 10 Serviços APS 12 Novas Publicações 14 Formação 24 Escaparate 25 XI Encontro de Resseguros 27 Última hora 28

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Secções Actividade Seguradora 10 Serviços APS 12 Novas Publicações 14 Formação 24 Escaparate 25 XI Encontro de Resseguros 27 Última hora 28"

Transcrição

1 Outubro, Novembro e Dezembro Notícias Editorial 02 Assembleia Geral da APS aprova CÓDIGO DE CONDUTA 03 Prémio Associação Portuguesa de Seguradores 03 Europ Assistance com Nova Imagem 03 1º Encontro da Mútua dos Pescadores 04 PAGESE - Programa Avançado em Gestão de Seguradoras 05 Gan Portugal muda para Groupama Seguros 05 Encontro do CEA com o Presidente da Comissão Europeia 06 Mapfre adere ao IDS 06 Allianz Portugal ganha Troféu Call Center Audiência com o Secretário de Estado da Administração Interna 06 Artigos de Fundo Catástrofes em Evolução Previsível da Conjuntura 15 Novidades Fiscais - Orçamento de Estado para 2006 e Outra Legislação Relevante 16 Solvência II 19 Gestão do Risco - Uma nova preocupação das empresas? 22 Secções Actividade Seguradora 10 Serviços APS 12 Novas Publicações 14 Formação 24 Escaparate 25 XI Encontro de Resseguros 27 Última hora 28

2 editorial No lançamento das actividades da APS para o ano de 2006 gostaria de fazer alguns comentários sobre as grandes linhas de preocupação que presidiram ao nosso funcionamento em 2005 e que nos irão ainda caracterizar no futuro. Bem conscientes da total independência do nosso papel bem como da obrigação regulamentar e ética de não ingerência no funcionamento dos mercados, tem sido e irá continuar a ser determinante a nossa contribuição para a análise e acompanhamento gerais das diversas áreas técnicas do sector segurador. Trata-se de uma necessidade cada vez mais imposta por um mercado onde a natureza e dimensão dos riscos se vão alterando com enorme rapidez exigindo uma reflexão cuidada das suas implicações e da forma como as seguradoras poderão contribuir para a respectiva cobertura. É também uma área onde ainda mais se sente a necessidade de uma colaboração aberta, permanente e estreita entre o sector público e as entidades privadas de maneira a que se encontrem soluções conjuntas que melhor se ajustem aos legítimos interesses dos consumidores. Lembremo-nos, por exemplo, dos riscos catastróficos e nomeadamente do risco sísmico. A APS tem acompanhado também todas as evoluções e ajustamentos regulamentares que vêm surgindo quer no mercado nacional quer no internacional em aspectos tão importantes como a modernização dos sistemas de contabilidade e a implantação da Solvência II. Por outro lado tem sido objectivo da APS proporcionar às suas Associadas meios tecnológicos avançados e bem estruturados para fazer face às diversas necessidades que a evolução do mercado vai determinando. Nesse campo salientamos os ajustamentos que vêm sendo feitos à rede Segurnet bem como os projectos existentes para 2006 relativos à melhoria do tratamento dos riscos materiais automóvel (IDS e Condição Especial IDS) e ao Co-seguro. É justo sublinhar a contribuição das Comissões Técnicas e dos diversos Grupos de Trabalho em todas estas áreas. Sem a colaboração profissional e de altíssima qualidade técnica que os Presidentes e demais membros desses órgãos regularmente oferecem com total disponibilidade e dedicação seria impossível atingir os objectivos pretendidos. A Formação é uma segunda grande zona em que a APS tem procurado servir o mercado quer das suas Associadas, quer dos jovens que se pretendem dedicar a este sector quer ainda de terceiras entidades mediadores, associações industriais, universidades, seminários específicos, etc. Também nesta área iremos procurar modernizar os nossos meios técnicos e humanos com a intenção de fazer chegar esse serviço a zonas mais distantes e abrangentes do mercado. Por fim, tem sido nosso objectivo salientar a importância económica e social da actividade seguradora. Somos um sector que é não só o maior investidor institucional no mercado financeiro como ainda canaliza, em cada minuto que passa e apenas na regularização de sinistros da área não-vida, cerca de cinco mil euros de recursos para diversas áreas empresariais e económicas desde médicos e hospitais até às oficinas de reparação automóvel. Trata-se de uma questão muitas vezes esquecida mas cuja evidência deve ser sistematicamente sublinhada. A APS tem vindo a desenvolver um plano de comunicação para fazer chegar essa mensagem junto das variadas entidades interessadas, desde órgãos políticos e de media, até aos próprios consumidores. Trata-se de uma missão de esclarecimento e dignificação da nossa imagem mas que passa também e necessariamente por uma cada vez maior consciencialização das próprias seguradoras na alta qualidade e transparência dos seus serviços e do seu relacionamento com os Clientes e parceiros de negócio. Jaime Roque Pinho d Almeida Presidente da APS De facto, não temos dúvida de que a boa forma e substância do relacionamento de cada seguradora com os seus Clientes é o instrumento ideal para melhorar a nossa imagem e a nossa justa percepção pelo mercado. 02

3 notícias Assembleia Geral da APS aprova CÓDIGO DE CONDUTA Realizou-se no passado dia 20 de Dezembro a Assembleia Geral Ordinária da Associação Portuguesa de Seguradores, na qual foram aprovados, por unanimidade, o Programa de Actividades e Orçamento para o exercício de Também por unanimidade foi aprovado o Código de Conduta da APS que estabelece as regras a observar pelos membros dos órgãos sociais, órgãos de consulta e por todos os seus colaboradores no desempenho de funções profissionais ao serviço da Associação. Este Código tem como principais objectivos assegurar que, além do cumprimento das regras e deveres resultantes das disposições legais e regulamentares aplicáveis, a actividade da Associação seja prosseguida de acordo com rigorosos princípios deontológicos e sentido de responsabilidade social. Com este Código de Conduta, a APS visa a afirmação de uma imagem institucional de rigor, competência e idoneidade, e pretende que o mesmo constitua um padrão e referencial de conduta a observar pelos membros dos órgãos sociais e de consulta da Associação e seus colaboradores, quer no relacionamento interno quer externo. De acordo com Jaime d Almeida, presidente da APS, no mundo actual dos negócios reveste-se de particular relevância a ética pessoal e profissional de todos quantos colaboram numa empresa, respeitando, mediante uma adequada conduta, a deontologia do sector em que operam, e regendo a sua conduta por princípios que respeitem os valores que permitam uma correcta actuação da empresa na sociedade em que está inserida. As empresas em geral devem pois operar com políticas e procedimentos consistentes com os valores e os padrões de conduta que defendem e que determinam a sua orientação estratégica e o seu comportamento no mundo dos negócios. Prémio Associação Portuguesa de Seguradores A Associação Portuguesa de Seguradores atribuiu na Sessão Solene de Entrega de Prémios e Diplomas da Universidade Nova da Faculdade de Economia mais um Prémio Associação Portuguesa de Seguradores. Como habitualmente, a APS fez-se representar pelo seu Director Geral Adjunto Miguel Guimarães que entregou o alusivo prémio ao aluno Tiago Miguel Castanheira Correia Costa Pires que, em conformidade com o regulamento associado a este prémio, foi o melhor aluno na cadeira de Econometria II do ano lectivo 2004/2005. Europ Assistance com Nova Imagem A Europ Assistance apresenta as razões porque decidiu alterar a imagem institucional até agora usada. Há mais de 40 anos desde que fomos os pioneiros da assistência que temos vindo a inovar de forma constante, concebendo soluções de assistência mais humanas e mais orientadas, tanto em situações excepcionais como no dia-adia nos quatro cantos do mundo. A imagem da nova Marca constitui o instrumento chave que vai nos permitir suas necessidades de assistência. alcançar os objectivos que pretendemos Por outro lado, as pessoas representam atingir de liderança Mundial e elevar o seu sucesso. Para traduzir exactamente este conceito o novo logo exprime o padrão de qualidade dos serviços de assistência. mais emoção e movimento, reflexo da Com esta mudança quiseram ajustar assistência a Clientes em todo o globo, o posicionamento às necessidades do por isso, a sua forma redonda e o seu mercado dos serviços de assistência que volume, evocando a nossa dimensão à ajudamos a construir. escala mundial. O novo logotipo e o novo lettering procuram traduzir a constante evolução dos fortalecer a natureza contemporânea da O lettering foi redesenhado de modo a serviços e produtos direccionados para Marca preservando, ao mesmo tempo, todos os clientes, quer sejam institucionais ou particulares, que procuram a encarnado continuam mas, agora mais o factor localidade. As cores azuis e qualidade e a eficácia na resolução das quentes e amigáveis. 03

4 notícias 1º Encontro da Mútua dos Pescadores FUTURO DO COOPERATIVISMO EM REFLEXÃO Sob o lema Cooperativismo, Presente e Futuro, realizou-se, a 12 de Novembro em Monsaraz, nas margens do Alqueva, o 1º Encontro da Mútua dos Pescadores. Esta iniciativa da Mútua dos Pescadores, primeira cooperativa de utentes de seguros portuguesa, enquadra-se nas actividades associativas, sociais e culturais da seguradora e constituiu um momento de lazer, convívio e reflexão para os mais de 150 participantes no evento. Com a presença de Manuel Canaveira de Campos, Presidente do INSCOOP, João Andrade Santos, Presidente da Região de Turismo de Évora, José Calixto, Vice-presidente da Câmara Municipal de Reguengos de Monsaraz e Fernando Parreira, Dirigente da CONFECOOP, e moderado pelo Presidente da MÚTUA, João Lopes, contou com a participação de muitos outros dirigentes de cooperativas e demais instituições, o colóquio abordou temáticas como a evolução do cooperativismo e a sua importância no mundo, na Europa e em Portugal; o contributo do cooperativismo para o desenvolvimento da economia social; as novas formas de gestão cooperativa no contexto da globalização; e a divulgação do cooperativismo na educação cívica dos jovens. Numa calorosa e motivante palestra, Manuel Canaveira de Campos, salientou que o movimento cooperativo conta com mais de 150 anos de história, sendo que, actualmente, existem no mundo 800 milhões de pessoas que são membros de cooperativas, com o sector a dar trabalho a cerca de 100 milhões de pessoas em todo o globo. A nível europeu, existem cooperativas, com 140 milhões de pessoas como membros individuais e nas quais trabalham 2,3 milhões de pessoas. Em Portugal estão no activo cooperativas, com 2,4 milhões de associados e que dão emprego a mais de 50 mil pessoas. Contabilizando o volume de vendas dos 12 ramos do sector cooperativo português, Manuel Canaveira de Campos referiu que o valor apurado ronda os 85 milhões de euros, isto é 5% do nosso Produto Interno Bruto (PIB). Deixando uma mensagem de esperança para o sector, o Presidente do INSCO- OP realçou que as cooperativas estão presentes de uma forma generalizada no quotiano das pessoas, e que existe um espaço muito amplo para o surgimento de novas áreas para a formação de cooperativas, seja no consumo, serviços, turismo, cuidados de saúde, ensino ou cultura. Efectuando uma definição de cooperativa, o orador classificou estas estruturas como uma associação de pessoas que se juntam para a satisfação de necessidades comuns, através de uma empresa que é de todos e é gerida democraticamente. Por isso, nas cooperativas não há patrões e o objectivo não é a criação de lucro, mas sim a prestação de um serviço aos cooperadores. Reflectindo sobre a relevância do cooperativismo para o desenvolvimento da economia social, o orador sublinhou que este sector promove uma economia baseada na pessoa, é um factor de desenvolvimento duradouro, é uma escola da cidadania, promove a inclusão das pessoas e é uma forma de estruturação da sociedade, dando primazia ao social ao invés do económico. Além do seminário, o 1º Encontro da Mútua dos Pescadores incluiu um almoço de convívio animado por cantares regionais alentejanos e um passeio de barco pela Barragem do Alqueva. Sobre a Mútua A Mútua dos Pescadores é uma seguradora que iniciou a sua actividade em 1942, na pesca profissional, sendo hoje líder neste sector dos seguros em acidentes de trabalho, acidentes pessoais e marítimo. Em 2000 estendeu a sua acção às comunidades ribeirinhas, à pesca desportiva e às actividades náuticas de recreio onde já conquistou uma importante quota de mercado, conseguindo em apenas 5 anos uma adesão de embarcações. Com mais de Cooperadores, a Mútua tem hoje, no Continente e nas Ilhas, 100 dirigentes eleitos entre os Cooperadores, 60 trabalhadores, mais de 150 colaboradores e 14 dependências e balcões, alguns deles com serviços médicos, de enfermagem e fisioterapia próprios, formando uma equipa sempre empenhada numa cultura de qualidade, especialização e humanismo. Considerada em 2004, a 4ª melhor seguradora, no ranking da revista Exame é, simultaneamente, uma instituição com intervenção de reconhecida impor- 04

5 notícias tância no plano social e cultural, razões julgadas suficientes para que recebesse, no ano de 2000, das mãos do Ministro da Agricultura e Pescas, a única Medalha de Honra da Pesca já atribuída. Em 2004, os estatutos da Mútua dos Pescadores, foram adaptados à forma cooperativa, passando a ser a 1ª Cooperativa Portuguesa de Seguros. A Mútua dos Pescadores, Mútua de Seguros, C.R.L., faz uma aposta clara na prestação de um serviço de seguros, na pesca profissional, em todas as actividades náuticas, nas comunidades ribeirinhas e oferece ao Movimento Cooperativo uma plataforma de seguros, tendo em conta as melhores soluções para os seus riscos. Os seus produtos próprios pertencem aos ramos de Acidentes de Trabalho, Acidentes Pessoais, Marítimo, Incêndio e Multirrisco, mas oferece todos os outros seguros, seleccionados noutras seguradoras, nomeadamente o seguro Automóvel, em parcerias criteriosas e vantajosas para os seus Cooperadores e clientes. Mais informações: PAGESE - Programa Avançado em Gestão de Seguradoras - 2ª edição Decorreu no passado dia 14 de Dezembro, no Auditório Cardeal Medeiros da Universidade Católica Portuguesa, a Cerimónia de Entrega de Diplomas dos Programas para Executivos, em que foram entregues os Diplomas aos 11 gestores e quadros que terminaram a 2ª edição do Programa Avançado em Gestão de Seguradoras PAGESE. Na Sessão de Encerramento e Entrega de Diplomas estiveram presentes Alexandre João D Eça Vidal Pinheiro Colaço da Costa (BPI Seguros), António João dos Santos Ribeiro (Tranquilidade), Cristina João Gomes de Matos (Victoria Seguros), Emanuel Carlos Saraiva Duarte Silva (Allianz Portugal), Filipa Mascarenhas de Brito de Castro Monteiro (MDS Corretor de Seguros/Grupo SONAE), Guilherme Carlos Martins Henriques (Tranquilidade), João Carlos de Sousa Brito (Fidelidade Mundial), João Domingos Forte Pinto Sessão de Encerramento e Entrega de Diplomas Barreiros (Tranquilidade), Joaquim Manuel Simplício Anacleto (Mútua dos Pescadores), Manuel Luís Rovisco Banha (Allianz Portugal), Maria Helena Figueiredo Nunes Ribeiro (Fidelidade Mundial), Pedro Inês (APS). Esta 2ª edição do PAGESE, preparado pela Universidade Católica Portuguesa, em iniciativa conjunta com a Associação Portuguesa de Seguradores, decorreu de 8 de Abril a 18 de Novembro de 2005, às sextas feiras das 17h às 21h e aos Sábados das 9h às 13h. Para a APS, é particularmente gratificante registar o enorme êxito desta 2ª edição do PAGESE, para o qual muito contribuíram a excelência do corpo docente e, sobretudo, o entusiasmo e empenho deste conjunto de dirigentes e quadros de empresas do sector segurador, que investiram o seu tempo e energia na frequência deste curso. A 3ª edição do PAGESE terá início no próximo mês de Outubro, encontrando-se as candidaturas a decorrer na Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais da Universidade Católica Portuguesa. Para mais informações poderá contactar Catarina Paiva ou Sónia pt), pessoalmente, por , ou pelos telefones e , ou pelo fax Gan Portugal muda para Groupama Seguros No seguimento da estratégia internacional de fortalecimento da marca, a GAN Portugal mudou a sua designação para GROUPAMA SEGUROS, assumindo, assim a identidade da casa-mãe. Representando um investimento de 650 mil euros, a mudança em Portugal vem juntar-se aos processos de mudança de marca que aconteceram noutros países, como sejam, a Inglaterra, a Hungria e a Espanha e que têm tido impactos positivos nos respectivos mercados. Acreditando no melhor aproveitamento dos recursos e sinergias bem como no potenciar do know-how e da força multinacional do Grupo Groupama, esta mudança da marca em Portugal reflecte a aposta estratégica deste Grupo segurador no Sul da Europa, onde o mercado segurador evidencia perspectivas de crescimento atractivas. Groupama Seguros apresenta também uma nova assinatura A Vida Por Inteiro que reflecte os valores do Grupo como sejam a Responsabilidade, o Compromisso, a Autenticidade e a Confiança no Futuro cultivando uma visão muito positiva da actividade seguradora. 05

6 notícias Encontro do CEA com o Presidente da Comissão Europeia Mapfre adere ao IDS Na sequência de diligências da APS, uma delegação do CEA, formada pelo seu Presidente, pelo Secretário-Geral e pelo Presidente da APS, foi recebida pelo Presidente da Comissão Europeia. Neste encontro o CEA teve a oportunidade de apresentar à Comissão Europeia alguns dos dossiers que mais preocupam o sector segurador e de dar relevo à importância da actividade seguradora na economia e na sociedade em geral, salientando os contributos que este sector pode dar e evidenciando o mérito das parcerias público/privado. No dia 1 de Janeiro de 2006 a Associada da APS Mapfre Seguros Gerais aderiu ao Protocolo IDS Indemnização Directa ao Segurado. Com esta nova adesão o universo das seguradoras que subscreveram o referido protocolo eleva-se para 99,9%, em termos de prémios de seguro directo. Allianz Portugal ganha Troféu Call Center 2005 A Allianz Portugal ganhou o Troféu Call Center 2005 para a melhor empresa não especializada, assim como a Menção Honrosa para o melhor Call Center de Seguros, atribuídos pelo IFE Portugal International Faculty for Executives no passado dia 4 de Novembro. A avaliação dos serviços de atendimento telefónico foi feita pela multinacional suíça SGS (Sociedade Geral de Supervisão), reconhecida empresa de auditoria e certificação da Qualidade aplicada a empresas e serviços, numa parceria que o IFE desenvolveu para Os itens avaliados foram a Disponibilidade, Educação e Amabilidade, Expressão Oral, Aspectos Agradáveis, Tratamento da Chamada, Uso da Linguagem, Tipo de Discurso, Solução num único Telefonema, Conhecimentos e Profissionalismo do Operador, Adaptabilidade do Operador à situação e Acolhimento e Despedida. A avaliação foi elaborada com base em 20 chamadas mistério para cada empresa, baseadas em cenários reais. O grupo de Call Centers em avaliação foi composto, após triagem inicial, por 30 empresas dos seguintes sectores de actividade: Banca, Comércio/Distribuição, Outsourcer, Seguros, Serviços, Telecom, Transportes/Logística. O Call Center da Allianz Portugal esteve excelente (percentagens acima de 90%) em praticamente todos os aspectos: Disponibilidade 53,60 Educação e Amabilidade 87,80 Expressão Oral 99,00 Aspectos Agradáveis 52,50 Tratamento da Chamada 97,50 Uso da Linguagem 100,00 Tipo de Discurso 96,00 Solução num único Telefonema 90,50 Conh. e Profissionalismo do Op. 95,13 Adaptabilidade do Op. à situação 97,75 Acolhimento e Despedida 91,25 Os galardões, que foram entregues no decurso do salão profissional Expo Call Center e CRM Solutions, que decorreu de 2 a 4 de Novembro na Culturgest, foram atribuídos este ano pela quinta vez. Audiência com o Secretário de Estado da Administração Interna A 11 de Janeiro de 2006, o Presidente do Conselho de Direcção da APS Jaime d Almeida reuniu com o Secretário de Estado da Administração Interna Ascenso Simões para abordar e analisar um conjunto de assuntos, entre os quais se destacam a Lei de Bases da Protecção Civil, a partilha de informação entre a APS e a DGV, o novo enquadramento da PRP Prevenção Rodoviária Portuguesa e o Modelo de Cobertura dos Riscos Sísmicos. 06

7 artigo de fundo Catástrofes em 2005 Cálculos provisórios de perdas catastróficas, elaborados pela sigma da Swiss Re: Sinistros graves e record de perdas seguras avaliados em 80 mil milhões de dólares Segundo as primeiras estimativas, em 2005, mais de pessoas, em todo o mundo, perderam a vida em consequência de catástrofes naturais e técnicas. Estas catástrofes representam um prejuízo económico total de cerca de 225 mil milhões de dólares, dos quais cerca de 80 mil milhões são danos cobertos pelo seguro. Assim, 2005 foi o ano de maiores custos de sempre para as companhias de seguros mortos no sismo do Paquistão Em 2005, os tremores de terra causaram mais de mortos. No dia 8 de Outubro, um sismo de grau 7,6 da escala de magnitude sísmica abalou a região de Muzaffarabad, no norte do Paquistão. A derrocada de edifícios e o frio que se seguiram causaram mais de mortes no Paquistão e em regiões vizinhas da Índia. Em 28 de Março, um tremor de terra de magnitude 8,7 provavelmente uma réplica do de 26 de Dezembro de 2004 abalou o norte da ilha de Sumatra, causando mais de vítimas. Em 22 de Fevereiro, também o Irão foi atingido por um sismo de magnitude 6,4, que custou mais de 600 vidas. A elevada percentagem de mortes causadas por estes eventos é devida não só à alta actividade sísmica, mas também aos baixos níveis de qualidade de construção existentes nas regiões afectadas. As tempestades e as inundações fizeram aumentar o número de vítimas: em Fevereiro, os deslizamentos de lamas provocados pelas chuvas diluvianas no Paquistão levaram à morte mais de pessoas. Mais de pessoas morreram quando o furacão Stan varreu a América Central, no princípio de Outubro; o furacão Katrina levou vidas nos Estados Unidos, no fim de Agosto. E em Julho, as inundações na Índia afogaram pessoas. Foi na Ásia que mais de 90% das vítimas de catástrofes ocorridas em todo o mundo perderam a vida. As perdas totais elevaram-se a 225 mil milhões de dólares As catástrofes naturais e técnicas de 2005 causaram mil milhões de dólares de perdas directas em edifícios, infra-estruturas e veículos. O Katrina causou uma enorme devastação, em consequência de inundações e tempestades. As perdas económicas foram avaliadas, nas primeiras estatísticas da sigma da SwissRe, em 135 mil milhões de dólares, a que se seguem o Rita e o Wilma, acrescentando cada um deles 15 mil milhões de dólares. Os danos causados pelo terrível terramoto no Paquistão foram da ordem dos 5 mil milhões de dólares, embora em Dezembro não se tenha ainda podido avaliar os danos causados pelo enorme incêndio num depósito de petróleo, próximo de Londres. Dentre as perdas totais à escala mundial, um terço estavam cobertas pelo seguro. Os danos seguros atingiram 80 mil milhões de dólares O montante atingido pelos danos seguros 80 mil milhões de dólares foi o mais elevado de sempre. Quase 90% deste montante foi devido a tempestades e a inundações relacionadas com tempestades. O furacão Katrina, por si só, deve custar às seguradoras 45 mil milhões de dólares. Antes de 2005, o furacão Andrew (1992) tinha sido a catástrofe mais dispendiosa, que foi avaliada em 22 mil milhões de dólares, seguida do ataque terrorista de 11 de Setembro de 2001, com menos de 21 mil milhões de dólares (a preços de 2005). Nos Estados Unidos, foram registadas perdas de 70 mil milhões de dólares, ou seja, 88% de todas as perdas catastróficas de No Golfo do México, os danos causados pelos furacões em plataformas petrolíferas e perfuradoras ocasionaram sinistros de elevado valor. Além disso, 6 mil milhões de dólares, ou seja, 8% dos danos seguros, dizem respeito à Europa: fortes chuvas na Suíça, na Alemanha e na Áustria causaram inundações e deslizamentos de terras em Agosto, tendo originado danos materiais e quebras de exploração no montante de 1,9 mil milhões de dólares. Em Janeiro, a tempestade de inverno Erwin, custou 1,5 mil milhões de dólares, principalmente na Dinamarca, na Suécia e no Reino Unido. O balanço das catástrofes de 2005 não está ainda completo, mas a tendência para perdas muito elevadas parece continuar. O motivo está, pelo menos em parte, no aumento de densidade das populações, na elevada concentração de valores seguros, e no facto de a indústria da construção se estar a expandir em áreas de altos riscos naturais. A subida de temperaturas que se tem feito sentir desde os anos 90 e a elevada frequência de furacões dão pouca esperança de que esta tendência seja em breve reversível. 07

8 artigo de fundo AS MAIS GRAVES CATÁSTROFES EM TERMOS DE VÍTIMAS Vitímas Data Evento País (mortos e desaparecidos) (ínicio) Sismo (Mw 7,6): Paquistão, Índia, réplicas, deslizamentos de terras Afeganistão Sismo (Mw 8,7): Indonésia várias réplicas Chuva, Paquistão deslizamentos de lamas, avalanches, rebentamento de 3 diques Furacão Stan; México, Guatemala, fortes chuvas, inundações deslizamento de terras El Salvador, Honduras, Nicarágua, Costa Rica Furacão Katrina; EUA, Golfo do México, rebentamento de diques, inundações, danos em perfuradoras de petróleo Inundações Índia deslizamentos de terras, nomeadamente em Mumbai Bahamas Sinistros 1970/ Catástrofes Técnicas Catástrofes Naturais Milhares de milhões de dólares a preços de

9 Catástrofes em 2005 OS SINISTROS DE MAIS ELEVADOS CUSTOS Danos seguros Vítimas Data Evento País / região (Milhares de (mortos e (início) milhões USD) desaparecidos) Furacão Katrina; EUA, Golfo do rebentamento de diques; inundações; danos em perfuradoras de petróleo México, Bahamas Furacão Rita; inundações; EUA, Golfo do danos em perfuradoras de petróleo México, Cuba Furacão Wilma; chuvas EUA, México, torrenciais, inundações Jamaica, Haiti, Cuba Furacão Dennis EUA, Caraíbas, Cuba, Haiti et al. 1, Inundações e deslizamentos Suíça, Alemanha, de terras, causados por chuvas torrenciais Áustria et al. 1, Tempestade de inverno Erwin Dinamarca, Suécia, Reino Unido, Noruega, Alemanha, et al. DEFINIÇÕES E CRITÉRIOS DE SELECÇÃO DAS ESTATÍSTICAS DA SIGMA RELATIVAS A CATÁSTROFES Catástrofes naturais Catástrofes técnicas Perdas totais Sinistros materiais Danos causados por forças da Natureza Danos relacionados com actividades humanas Perdas com impacto económico directo Parte de perda total coberta pelo seguro de bens NÚMEROS MÍNIMOS DOS CRITÉRIOS DE SELECÇÃO Perda total 78 mil milhões de dólares Ou: danos seguros Marítimo: 16 mil milhões de dólares Aviação: 34 mil milhões de dólares Outros: 38 mil milhões de dólares Ou: Vítimas Mortos ou desaparecidos: 20 Feridos: 50 Desalojados:

10 actividade seguradora Evolução da Produção de Seguro Directo Janeiro a Novembro de 2005 Em Novembro último, o volume acumulado de prémios de seguro directo ascendia, para uma amostra de 96,6% do mercado, a 11,7 mil milhões de euros, registando uma taxa de crescimento de 34,7% face ao período homólogo de O segmento Vida, que atingiu, para esta amostra, uma produção total de quase 8 mil milhões de euros, continua a apresentar um elevado nível de crescimento (58,6%), tendo sido os produtos de perfil financeiro aqueles que mais contribuíram para esta evolução. Observe-se que esta taxa de crescimento, alcançada, genericamente, a partir do início do 2º semestre, é quase 42 pontos percentuais superior à registada em igual período do ano anterior. Já o crescimento do segmento Não Vida (2,4%) continua moderado, o que, aliás, Prémios de Seguro Directo Valores acumulados Novembro 05 AUTOMÓVEL ACIDENTES DE TRABALHO RISCOS MULTI. DOENÇA RESTANTES NÃO VIDA Novembro 04 Novembro 05 PRODUTOS FINANCEIROS PRODUTOS TRADICIONAIS PPRs OP. CAP. VIDA Novembro Unidade: Mil Milhões de Euros 10

11 actividade seguradora se constata em relação a todos os seus grandes ramos, exceptuando o Doença, que cresceu 8,3% e, em sentido oposto, o de Responsabilidade Civil Geral, que conheceu mesmo um decréscimo de 3,2%. Na análise da evolução ao longo do ano das taxas de crescimento homólogas, é evidente a influência do comportamento do segmento Vida na expansão global da actividade, enquanto que o segmento Não Vida apresenta um padrão semelhante ao da taxa de inflação, sobretudo desde Agosto de Taxas de Crescimento Mensais Acumulados 65% 60% 55% 50% 45% 40% 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0 JAN. FEV. MAR. ABR. MAI. JUN. JUL. AGO. SET. OUT. NOV. Vida Total Não Vida Taxa de Inflação homóloga 11

12 serviços aps CRS Convenção de Regularização de Sinistros CRS Convenção de Regularização de Sinistros (Processos CRS) 2004/ % 96,1% 95,5% 80 % 60 % 40 % 20 % 0 % DANOS PRÓPRIOS E TERCEIROS PASSIVOS 0,2% 0,2% DESPESAS HOSPITALARES 3,7% 4,3% ACIDENTES DE TRABALHO E AUTOMÓVEL Processos abertos até 31 de Dezembro FNM Ficheiro Nacional de Matrículas Nº de Matrículas em Vigor por Ano de Abertura das Apólices Ano Nº de Matrículas Freq. Relativas Freq. Absol ,1% 20,1% ,7% 39,8% ,2% 51,0% ,6% 61,6% ,1% 68,8% ,0% 74,8% [1990;1999] ,3% 93,0% [1980;1989] ,8% 97,8% [1970;1979] ,8% 99,6% [1960;1969] ,4% 100,0% [1950;1959] ,0% 100,0% [1940;1949] 372 0,0% 100,0% [1930;1939] 9 0,0% 100,0% [1920;1929] 0 0,0% 100,0% [1910;1919] 1 0,0% 100,0% ,0% 100,0% < ,0% 100,0% Total: Total [<1902;2005] ,0% Nº de Matrículas em Vigor por Categoria ISP Categoria ISP Nº Matrículas Estrutura CICLOMOTORES ,0% MOTOCICLOS ,7% LIGEIROS (Particular) ,5% MISTO ,5% PESADO* ,4% Restantes ,8% Total ,0% * caminheta, camião, autocarro e articulados Nº de Matrículas de Apólices Novas por Ano Ano Nº Matrículas Total:

13 serviços aps Evolução da Convenção IDS Segurnet - Número de Utilizadores Evolução do Número de Utilizadores da Segurnet Fev. Mar. Abr. Mai. Jun. Jul. Ago. Set. Out. Nov. Dez. Segurnet - Número de Logins Evolução do Número de Logins da Segurnet Fev. Mar. Abr. Mai. Jun. Jul. Ago. Set. Out. Nov. Dez. 13

14 novas publicações Indicadores Estatísticos 3º trimestre 2004 e 2005 BREVES CONCLUSÕES A evolução da actividade seguradora no 3º trimestre de 2005 continua marcada pelo excepcional crescimento da produção do ramo Vida (58,2%), que se acentuou ainda em relação ao registado no final do primeiro semestre (54,1%). A expansão deste segmento decorre da aposta que alguns grupos financeiros têm feito na comercialização de produtos de capitalização das seguradoras, ao que acresce o impacto da nova Directiva da Poupança, que acentuou o investimento neste tipo de produtos de poupanças de não residentes antes aplicadas noutros instrumentos financeiros. Em contraste, o segmento Não Vida evolui a um ritmo historicamente moderado (1,6%), aliás mais moderado agora do que no final do primeiro semestre, o que se associa a uma conjuntura macroeconómica pouco favorável à expansão da massa segura. Em compensação, e em parte pelas mesmas razões, os custos com sinistros estão também relativamente estagnados neste segmento, do que resulta uma evolução meramente marginal da taxa de sinistralidade entre os períodos homólogos de 2004 e Em Vida, todas as modalidades em que se decompõe esta estatística (excepto a dos seguros de nupcialidade e natalidade) continuam a revelar um forte dinamismo neste ano de A partir de outras estatísticas da APS com informação mais detalhada, pode constatarse adicionalmente que são os produtos e operações de capitalização que mais crescem neste contexto, juntamente com os seguros de rendas vitalícias, embora estes com uma expressão bem mais limitada. Neste ramo Vida, os montantes pagos (e o total dos custos com sinistros) crescem a um ritmo relativamente moderado, do que se presume que este substancial acréscimo da produção nova não está a ser suportado pelo reinvestimento de resgates ou vencimentos de produtos de seguros anteriores. Relativamente ao segmento Não Vida, constata-se, por um lado, que é relativamente homogénea a estagnação da actividade em todos os seus grandes ramos (alguns deles com evoluções mesmo negativas) e, por outro, que houve ainda uma desaceleração da produção entre o final do primeiro semestre e o deste terceiro trimestre de Embora menos homogénea entre os diversos ramos, a evolução dos custos com sinistros globais de Não Vida mantémse também muito moderada em 2005, não gerando, assim, um agravamento da taxa de sinistralidade. No entanto, alguns progressos que este indicador vinha registando no final do primeiro trimestre e do primeiro semestre, comparativamente com os períodos homólogos do ano anterior, estão agora praticamente anulados, não diferindo senão marginalmente as taxas registadas em 2005 e Entre os ramos Não Vida de maior dimensão, importa salientar o agravamento dos custos com sinistros e da taxa de sinistralidade do de Acidentes e Doença, que é comum aos sub-ramos de Acidentes de Trabalho e de Doença, e que comprova uma preocupante inflação dos custos nesta área da saúde, não inteiramente acompanhada pelo crescimento da receita de prémios. Já no ramo Automóvel, a taxa de sinistralidade, fruto de uma contenção dos custos com sinistros, mantém-se abaixo da do período homólogo do ano anterior (em 2 pontos percentuais), ainda que bem acima da taxa média do segmento Não Vida e da de todos os restantes ramos, excepto Acidentes e Doença. Relativamente aos valores de resseguro aceite e de resseguro cedido, importa ressalvar que a evolução entre os dois períodos em análise está distorcida por alterações de natureza administrativa operadas com a venda de algumas companhias de um dos grupos seguradores do mercado, concretamente quanto ao seu relacionamento na prestação de determinados serviços. A referida reorganização determinou um aumento substancial dos montantes registados como prémios e custos de resseguro aceite e cedido nos ramos de Acidentes de Trabalho e de Automóvel. Agregados Prémios Emitidos Custos com Sinistros Taxas de Sinistralidade Var 05/ Var 05/ Var 05/04 TOTAL GERAL ,0% ,5% 46,4% 60,1% -13,7 RAMO VIDA ,2% ,1% 39,1% 58,9% -19,8 RAMOS NÃO VIDA ,6% ,5% 61,6% 61,7% -0,1 ACIDENTES E DOENÇA ,6% ,1% 69,1% 66,8% 2,3 INCÊNDIO E OUTROS DANOS ,8% ,2% 35,9% 35,1% 0,8 AUTOMÓVEL ,1% ,8% 68,9% 70,9% -2,0 MARÍTIMO E TRANSPORTES ,8% ,1% 55,9% 27,9% 28,1 AÉREO ,3% ,7% 12,5% 14,9% -2,4 MERCADORIAS TRANSPORTADAS ,5% ,6% 44,3% 34,1% 10,3 RESPONSABILIDADE CIVIL GERAL ,7% ,2% 50,8% 49,8% 1,0 DIVERSOS ,9% ,1% 22,4% 31,1% -8,7 U: Milhares de Euros Nota: Dados acumulados, obtidos a partir da estatística trimestral imposta pelo ISP. Concretamente, são totais não extrapolados dos dados de um conjunto de seguradoras que representam 97% do mercado, em termos de prémios de seguro directo, e que correspondem basicamente ao conjunto de companhias que se encontra sob supervisão do ISP. 14

15 artigo de fundo Evolução Previsível da Conjuntura FACTOS RELATIVOS AO SECTOR Os indicadores disponíveis sobre o comportamento da actividade seguradora em 2005 evidenciam, por um lado, uma singular expansão do ramo Vida e, por outro, uma estagnação dos custos com sinistros do conjunto dos ramos Não Vida. Quanto à evolução do ramo Vida (que em Setembro ascendia a quase 60%), ela resulta de uma aposta que alguns grupos financeiros têm feito na comercialização de produtos de capitalização sob a forma de seguros, ao que acresce o impacto da entrada em vigor da nova Directiva da Poupança, que desviou para este tipo de produtos aplicações feitas em Portugal por não residentes, em especial emigrantes. Já a estagnação dos custos com sinistros de Não Vida se explicará fundamentalmente pelas dificuldades de recuperação da actividade económica e do rendimento, que tendem a reduzir a exposição ao risco das empresas e das famílias. Mas não pode ignorar-se a influência de factores estruturais, como a melhoria da qualidade de gestão das seguradoras, nomeadamente na regularização de sinistros e no controlo de fraudes, e o incremento da segurança rodoviária e da segurança laboral, decorrentes de uma longa acção das autoridades competentes. O impacto desta estagnação dos custos na contenção da taxa de sinistralidade será, no entanto, mais moderado do que no ano anterior, uma vez que a referida conjuntura macroeconómica tem condicionado também o crescimento da receita de prémios deste segmento Não Vida, crescimento que pouco se deverá afastar da taxa de inflação (2,6% em Setembro). De qualquer forma, e com o apoio adicional da recuperação dos mercados de capitais, são condições genericamente favoráveis à exploração económica desta actividade, podendo, por isso, perspectivar-se uma nova melhoria dos resultados do sector em Com as limitações sempre inerentes a este tipo de exercícios, podem perspectivar-se para 2006 algumas evoluções neste quadro conjuntural da actividade seguradora, assim como alterações de natureza político-legislativa ou projectos sectoriais que o influenciarão a curto ou médio prazo. Desde logo, mesmo que a reposição de benefícios fiscais nos PPR contribua para estimular a procura destes produtos, não parece sustentável o ritmo de crescimento que o ramo Vida tem registado em 2005, dado que factores, como os referidos, que suportaram então parte significativa da produção deste segmento dificilmente terão o mesmo impacto em Já no segmento Não Vida, não há razões para perspectivar grandes alterações no perfil evolutivo de prémios ou indemnizações. A recuperação da economia, segundo se estima, será relativamente lenta, daí decorrendo uma previsível estagnação da massa segura em 2006, mas também uma certa moderação dos custos da sinistralidade, como vem sucedendo em De qualquer modo, e até pelo natural ajustamento concorrencial das tarifas, não é certo que prossiga, como nestes últimos anos, a tendência decrescente da taxa de sinistralidade. Em especial na exploração deste segmento, irão ter já impactos concretos os novos regimes jurídicos do pagamento de prémios e da mediação de seguros, aprovados (ou a aprovar previsivelmente) em finais de Quer um, quer outro, exigirão das seguradoras esforços de adaptação consideráveis numa primeira fase, embora se acredite que contribuirão a prazo para disciplinar e tornar mais eficientes os processos de distribuição e cobrança dos produtos de seguros. Mas 2006 poderá ser ainda um ano de importantes desenvolvimentos noutros projectos legislativos directamente relacionadas com a actividade seguradora, embora não necessariamente com efeitos imediatos. Desenvolvimentos, por exemplo, no regime jurídico dos Acidentes de Trabalho, aos quais o Código de Trabalho dedica um capítulo específico ainda por regulamentar, ou no regime jurídico da actividade de promoção de edifícios, que prevê um seguro de construção obrigatório para danos estruturais detectados. No ramo Automóvel, mais do que de iniciativas legislativas, espera-se o impacto do arranque de um projecto em desenvolvimento no seio da APS, neste caso um impacto bem salutar, quer na carga administrativa das seguradoras, quer na qualidade do serviço prestado aos tomadores de seguros e segurados. O projecto passa pelo alargamento a muitos outros processos dos princípios de gestão da actual Convenção de Indemnização Directa aos Segurados, através do qual se acelerará consideravelmente o prazo médio de regularização destes sinistros. Outro projecto sectorial, também desenvolvido no seio da APS, que deverá ficar operacional em 2006, é um sistema para gestão das relações entre seguradoras no âmbito de contratos de co-seguro. Com ele, pretende a APS estimular soluções de partilha de riscos no sector e aumentar assim a sua capacidade de aceitação de negócios, contando para tal com a simplificação de todo um processo administrativo tipicamente complexo neste tipo de contratos. Em matéria regulamentar, o ano poderá ficar marcado pela adopção de normativos contabilísticos visando uma adaptação parcial do actual plano de contas do sector às IAS/IFRS. Para uma primeira fase, embora não necessariamente para vigorar já em 2006, está prevista a regulamentação do tratamento dos investimentos das empresas de seguros e dos benefícios pós-emprego. Mas há que contar ainda com evoluções nos requisitos regulamentares relativos à própria gestão das seguradoras, nomeadamente em matérias como o controlo interno, gestão de riscos, corporate governance ou branqueamento de capitais. Todas elas, aliás, se podem enquadrar num conjunto de objectivos prudenciais a que as supervisões dedicam actualmente grande importância, estando já lançadas ou em fase de lançamento iniciativas muito concretas visando o reforço das competências e capacidades das seguradoras na gestão da sua actividade corrente. Ou seja, o sector segurador deve estar preparado para uma fase muito exigente em matéria de investimentos nas organizações, que culminará possivelmente com a adopção de um quadro prudencial significativamente distinto do actual, decorrente do projecto Solvência II. 15

16 artigo de fundo 16

17 17

18 Novidades Fiscais Harmonização Comunitária É aditada uma subsecção ao CIRC referente às regras fiscais relativas às Transferências de Sede para o Estrangeiro e à cessão de actividade de entidades não residentes. Incentivos excepcionais para o descongestionamento das Pendências Judiciais A desistência, até , de acções cíveis declarativas e executivas que tenham sido propostas até implica que os valores destas sejam considerados dedutíveis para efeitos fiscais. Sistema de incentivos fiscais em Investigação e Desenvolvimento (SIFIDE) A Lei 40/2005 criou o SIFIDE que prevê a dedução à colecta das despesas de investigação e desenvolvimento realizadas em 2006, numa dupla percentagem: a) Taxa de base 20% das despesas realizadas naquele período; b) Taxa incremental 50% do acréscimo das despesas realizadas naquele período em relação à média aritmética simples dos dois exercícios anteriores, até ao limite de De realçar que este benefício fiscal não conta para efeitos da aplicação da regra dos 60% (colecta mínima) prevista no Artº 86º do CIRC. IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE TRANSMISSÕES Benefícios Fiscais Foi revogada a isenção concedida aos Fundos Poupança Reforma (FPR) e Fundos Poupança Reforma/Educação (FPR/E). No entanto, continuam em vigor os benefícios fiscais para Fundos de Pensões (Artº 14º EBF) e para Fundos de Investimento Imobiliário (Legislação própria). Assim, aparentemente, apenas foi revogada a isenção concedida aos FPR e FPR/E constituídos sob forma de fundo autónomo de Seguro de Vida. 18 IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO Facturação Electrónica Apesar de a actividade seguradora se tratar de uma actividade isenta de IVA, as Companhias de Seguros são sujeitos passivos de IVA e obrigadas ao cumprimento de algumas das regras deste imposto nomeadamente as relativas aos requisitos dos documentos fiscalmente relevantes. O Orçamento de Estado para 2006 estabelece regras específicas para os sujeitos passivos que processem documentos fiscalmente relevantes através de sistemas informáticos. Os sujeitos passivos nestas condições devem, nos termos desta nova regulamentação, assegurar a integridade operacional, a integridade da informação arquivada electronicamente e a disponibilidade da documentação técnica relevante. Relacionado com este tópico, são instituídas coimas que variam entre 500 e para quem criar programas e para quem viciar os dados ou suportes informáticos com o intuito de obter vantagens patrimoniais susceptíveis de causar diminuição das receitas tributárias. IMPOSTO DE SELO Operações de Concentração Empresarial Ficam isentas de Imposto de Selo a constituição e o aumento do capital resultante da entrega por uma ou mais sociedades de capitais da totalidade do respectivo património ou de um ou vários ramos da sua actividade a uma ou mais sociedades de capitais em vias de constituição ou já existentes. Constituição de Garantias a Favor do Estado ou das Instituições de Segurança Social É renovada, para 2006, a Isenção de Imposto de Selo nas garantias constituídas (p.e. Seguro-caução) a favor do Estado ou de Instituições de Segurança Social no âmbito de Processos de Execução Fiscal. GARANTIAS DOS CONTRIBUINTES Prazo para a Apresentação de Reclamação O prazo para a apresentação de Reclamações Graciosas é alargado de 90 para 120 dias. É, no entanto, revogado o prazo de 1 ano que era dado quando o fundamento consistia em preterição de formalidades essenciais ou na inexistência, total ou parcial, do facto tributário. Dever de Confidencialidade A divulgação de listas de contribuintes, quer por parte da DGCI quer por parte da Segurança Social, cuja situação contributiva perante a segurança social não se encontre regularizada, designadamente listas hierarquizadas em função do montante em dívida, deixa de ser considerada como uma violação do dever de confidencialidade previsto na lei. Outros Assuntos De acordo com o Artº 10º da Lei do Orçamento, os institutos públicos dotados de um estatuto de independência decorrente da sua integração nas áreas da supervisão do sistema financeiro, onde se inclui o Instituto de Seguros de Portugal, não estão sujeitos às normas relativas à transição e utilização dos saldos de gerência, sem prejuízo do cumprimento da regra do equilíbrio, às cativações de verbas e ao regime duodecimal, constantes da legislação orçamental e de contabilidade pública.

19 artigo de fundo Solvência II 1.Introdução Numa definição simples, o capital corresponde à diferença entre os activos e os passivos de determinada companhia. Activo Figura 1- Balanço Capital Próprio Passivo Para a generalidade das empresas, a função clássica do capital é a protecção dos credores e daí a existência de capitais mínimos para a constituição de sociedades definidos no Código das Sociedades Comerciais e em outros diplomas avulso para determinados sectores de actividade. Também na actividade seguradora o Capital das Companhias assume um papel importante na protecção dos seus credores que são, em grande medida, os seus Tomadores de Seguro. A importância assumida pelo sistema financeiro em geral, e do sector segurador em particular, faz com que exista a necessidade de assegurar a sua estabilidade e credibilidade junto dos diversos agentes económicos (quer internos, quer externos). Isto reflecte-se nos elevados requisitos de capital inicial exigidos às Companhias de Seguros e na existência, por razões de prudência, de requisitos adicionais de capital sujeitos a um estrito controlo supervisional. A protecção dos Tomadores de Seguro é, sem dúvida, a principal justificação dada para a existência de Requisitos de Capital Regulamentares. Esta protecção depende, necessariamente, das responsabilidades assumidas pela companhia de seguros e, como tal, é função do tipo de produtos oferecidos, ou seja, não são comparáveis as garantias oferecidas ao abrigo de contratos tipicamente de curto prazo (p.e., Property & Casualty) com as garantias oferecidas (e, consequentemente, a protecção necessária) ao abrigo de contratos tipicamente de longo prazo (p.e., Life and Health). Torna-se, então, evidente a necessidade de decomposição do negócio segurador em classes de risco/responsabilidade uniformes através da agregação de produtos com riscos comparáveis. Esta agregação dos produtos por Lines of Business (LoB) está ainda em discussão sendo também de extrema importância a identificação dos factores de risco inerentes a cada uma delas. A identificação e modelização destes riscos (designados por Risco de Subscrição / Underwriting Risk) é, e sempre foi, um dos grandes desafios do sector segurador e representa a verdadeira essência deste negócio. Existem, no entanto, outros riscos com que o sector se defronta que são comuns a outros sectores, principalmente a outras instituições financeiras, como são o Risco de Mercado, Risco de Crédito e Risco Operacional. Estes riscos devem também ser reflectidos nos requisitos de capital uma vez que influenciam também a capacidade das Companhias cumprirem os seus compromissos. Por princípio, assim como a existência de riscos contribui para maiores exigências de capital, também a preocupação com a sua mitigação/diversificação através de uma gestão adequada destes deverá ser um factor a ter em conta para uma redução daqueles requisitos. A implementação de medidas eficazes de controlo e gestão de riscos, a existência de políticas de investimento adequadas e de programas de gestão de activos/passivos eficazes são, sem dúvida, factores a ter em conta pelo supervisor aquando da definição dos requisitos de capital. Assim sendo, quando bem definidos, os requisitos de capital devem servir vários objectivos, nomeadamente: 1. ser um fundo de segurança em situações adversas, ou seja, garantir a existência de meios para cobrir as responsabilidades; 2. incentivar a companhia a evitar níveis de risco indesejáveis (do ponto de vista do Tomador de Seguro); 3. promover a mensuração e gestão de riscos dentro das companhias (na medida em que estes requisitos sejam função dos reais riscos económicos assumidos); 4. fornecer aos supervisores um instrumento de controlo e avaliação de companhias em risco de insolvência; 5. alertar os supervisores para as tendências do mercado; 6. também do ponto de vista super - visional, assegurar, com elevado grau de certeza, que as responsabilidades resultantes do portfolio de seguros de um segurador em risco pode ser transferido para outro segurador activo. É consensual que no desenvolvimento dos requisitos de capital para os seguradores devem ser definidos dois patamares: a) requisitos de Capital de Solvência (Solvency Capital Requirements/ SCR):que representa o nível de capital apropriado tendo em consideração os riscos assumidos pelo Segurador e que corresponde ao capital exigido pelo supervisor para ser concedida a autorização de iniciar ou continuar a exercer a actividade seguradora numa dada jurisdição; b) requisitos de Capital Mínimos (Minimum Capital Requirements/MCR): que corresponderá ao patamar mínimo de capital a partir do qual serão tomadas medidas supervisionais extremas e, eventualmente, exigido o encerramento da empresa. O capital para além do SCR representa, na ausência de outras restrições legais, o capital livre e que, como tal, estará, 19

20 artigo de fundo por exemplo, à disposição dos accionistas para efeitos de distribuição de lucros. Capital Livre Necessidade de intervenções ligeiras por parte do Supervisor Intervenção Extrema por parte do Supervisor / Encerramento Capital Próprio Figura 2 - Capital Próprio para efeitos de Solvência Requisito de Capital de Solvência (SCR) Requisito Mínimo de Capital (MCR) Mas apesar de toda esta preocupação com a solvência das Companhias de Seguros, o certo é que não se pode tentar garantir a protecção do tomador de Seguro com 100% de certeza sob pena de não ser possível exigir um requisito de capital finito. A força do requisito de capital pode ser vista como a probabilidade existente de os activos afectos às responsabilidades, juntamente com os activos afectos ao SCR, serem suficientes, num determinado ponto no futuro, para cobrir as responsabilidades existentes para com os Tomadores de Seguro. Esta probabilidade representa o nível de confiança. Apresentam-se como factos consensuais que: 1. o horizonte temporal a ter em conta deverá ser 1 ano (aceite com período suficiente para, se necessário, o su - pervisor tomar as medidas consideradas adequadas); 2. o nível de confiança exigido deverá rondar os 99,5% (isto é, a probabilidade de 1 falência/insolvência em cada 200 cenários possíveis). 2. Avaliação dos Activos e Passivos de uma Companhia de Seguros para efeitos de Solvência Até aqui falámos da importância e dos objectivos do Capital de solvência mas deixámos de lado a forma de avaliação deste que, pela sua própria definição, está estritamente ligada à forma de avaliação dos activos e dos passivos das Companhias de Seguros. Uma das hipóteses é a utilização dos valores contabilísticos dos activos e passivos. Apesar dos esforços que estão a ser desenvolvidos a nível do IASB e da CE para a uniformização dos standards contabilísticos, esta hipótese é, por princípio, colocada de lado, uma vez que a existência de sistemas contabilísticos não uniformizados poderia fazer com que os requisitos de capital fossem diferentes de jurisdição para jurisdição. A posição do CEA, do CRO Forum e do IAA relativamente a esta matéria é de que além da inexistência de suficiente harmonização a nível contabilístico, mesmo que esta exista poderá não ser a forma adequada para avaliação dos activos e passivos para efeitos da determinação do capital de solvência. Estas entidades defendem uma abordagem económica à avaliação dos activos e responsabilidades das Companhias de Seguros. Esta abordagem económica passa pela a avaliação de todos os activos e todos os passivos a valores de mercado quando existam ou, quando estes não existam, em projecções realista de cash-flows utilizando técnicas consistentes com o mercado. Assim sendo, o capital disponível para efeitos de solvência deverá ser definido como a diferença entre o Valor de Mercado dos Activos e o Valor de Mercado das Responsabilidades. Total de Activos ao Valor de Mercado Disponível para SCR/MCR Destinado a cobrir as Resp. Activo Figura 3 - Abordagem Económica Passivo Capital Livre Requisitos Mínimos de Capital (MCR) Margem de Mercado (MVM) Best estimate Requisitos de Capital (SCR) Responsabilidades ao Valor de Mercado (MVL) Fonte: CEA Enquanto que o valor de mercado dos Activos poderá ser apurado com relativa facilidade, o mesmo já não acontece, por diversas razões, com o valor de mercado das responsabilidades. A solução defendida pelo CEA para a valorização das responsabilidades emergentes dos contratos de seguros passa por adicionar uma Margem de Mercado (Market Value Margin / MVM) ao valor da Best Estimate 1 das responsabilidades. A MVM não é mais que o custo do risco, ou seja, neste caso, o valor que um agente racional está disposto a aceitar receber, além da Best Estimate, para suportar o risco inerente ao facto de o valor a pagar poder ser diferente do valor da Best Estimate (eventualmente capitalizada pelo período em risco). O Valor de Mercado das Responsabilidade (Market Value of Liabilities / MVL) poderá ser apurado de uma de três formas, a saber: 1. Responsabilidade com Preço de Mercado facilmente observável: Avaliadas ao seu Valor de Mercado (p.e. Responsabilidades já Securitizadas); 2. Responsabilidades com Preço de Mercado implícito: Avaliadas através de modelos detalhados e precisos; 3. Responsabilidades sem Preço de Mercado: Nestes casos a MVM deve ser estimada. Para os casos em que não existe preço de mercado para as responsabilidades, o CEA propõe que o Custo de Capital (Cost of Capital / CoC) seja utilizado para estimar a MVM Prudência incluída nas Responsabilidades Req. Capital 30 Prudência 10 Provisões Técnicas 110 Responsabilidades baseadas em regras contabilísticas MCR 15 Figura 4 - Avaliação de Responsabilidades Prudência incluída no Capital SCR 40 Prudência 10 MVM Provisões Técnicas (Valor de Mercado) 100 Responsabilidades baseadas no balanço económico Fonte: CEA 1 Representa a média aritmética da distribuição de perdas ajustada pela mais recente informação de carácter financeiro e actuarial (da responsabilidade do Actuário). 20

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010 7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações 15 de Outubro de 2010 Sessão Solene de Abertura Gostaria de começar por felicitar a APROSE pela

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CÁLCULO E REPORTE DAS PROVISÕES TÉCNICAS COM BASE EM PRINCÍPIOS ECONÓMICOS

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CÁLCULO E REPORTE DAS PROVISÕES TÉCNICAS COM BASE EM PRINCÍPIOS ECONÓMICOS PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CÁLCULO E REPORTE DAS PROVISÕES TÉCNICAS COM BASE EM PRINCÍPIOS ECONÓMICOS Com a presente Norma Regulamentar estabelece-se o regime de cálculo das provisões técnicas segundo

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ASSUNTO PÁGINA EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA EM STP 1. ENQUADRAMENTO

Leia mais

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA 1 A regulação e a supervisão prudencial são um dos pilares essenciais para a criação de um clima

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Boas práticas no sector segurador - A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Eduardo Farinha Pereira eduardo.pereira@isp.pt Sumário Enquadramento

Leia mais

capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões

capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões 147 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões 7.1 Considerações gerais Com vista a fomentar e facilitar

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2006 ECONOMIA PORTUGUESA Após o fraco crescimento da economia observado em 2005 (0.4 por cento) estima-se que o Produto Interno

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Instituto Português de Corporate Governance Auditório Victoria 27 de novembro 2013 Ana de Sá Leal economista Abordagem 1. Responsabilidade Social 2. Dimensão 3. Criar Valor 4. Outro

Leia mais

RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Banco de Cabo Verde

RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Banco de Cabo Verde RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA 2012 Banco de Cabo Verde Índice 1. Introdução... 4 2. Os seguros e a sociedade... 6 3. O Resseguro Cedido... 8 4. Sinistralidade Global... 10 5. Quota de mercado e comparação

Leia mais

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal Ficha Técnica Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões Título Fundos de Pensões Edição Instituto de Seguros de Portugal Coordenação editorial Direcção de Comunicação e Relações com os Consumidores

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (Declaração de Rendimentos

Leia mais

Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235

Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235 Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235 Contabilidade das sociedades e fundos de capital de risco A alteração do Decreto-Lei n.º 319/2002, de 28 de Dezembro, pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n.º 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Maio, relativa à aproximação das legislações dos Estados membros respeitantes ao seguro

Leia mais

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL Ana Rita Ramos 1 Cristina Silva 2 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 2 Departamento de Estatística e Controlo de Informação do ISP As opiniões

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS GAN PORTUGAL SEGUROS 2004

RELATÓRIO E CONTAS GAN PORTUGAL SEGUROS 2004 Relatório sobre a Fiscalização Exmos. Senhores, Introdução 1 O presente Relatório é emitido nos termos do nº 2 do artº 451º do Código das Sociedades Comerciais e da alínea a) do nº 1 do artº 52º do Decreto-Lei

Leia mais

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 FISCAL N.º 4/2009 OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 INCENTIVOS FISCAIS A PROJECTOS DE INVESTIMENTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO No passado mês de Setembro foram publicados dois decretos-lei que completaram e alteraram o

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

Regime dos Planos de Poupança em Acções

Regime dos Planos de Poupança em Acções Decreto-Lei n.º 204/95 de 5 de Agosto * A constituição de planos individuais de poupança em acções, além de procurar estimular a canalização dos recursos das famílias para a poupança de longo prazo, visa

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012 Alterações Fiscais Relevantes 1. Introdução O passado mês de Agosto foram publicados vários diplomas legais com impacto na vida das empresas e das organizações em geral.

Leia mais

Relatório & C o n t a s de

Relatório & C o n t a s de Relatório & C o n t a s de 2010 Garantia Seguros Relatório & Contas de 2010 2 RELATÓRIO & CONTAS DE 2010 GARANTIA SEGUROS - RELATÓRIO & CONTAS DE 2010 3 Senhores Accionistas, No cumprimento dos preceitos

Leia mais

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Mestrado: Empresarial Disciplina: DIREITO DOS SEGUROS Docente: PAULO CÂMARA Ano letivo: 2013/2014 Semestre: 2.º semestre 1. Programa da disciplina: 1.º Introdução CAPÍTULO I INTRODUÇÃO 1. Delimitação 2.

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada;

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada; Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 3/2006 Considerando que todas as instituições de crédito e sociedades financeiras, bem como os grupos financeiros, devem possuir um sistema de controlo interno adaptado

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2007 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, embora em 2007 tenha

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL JUNHO DE 2010 Ministério da Economia, da Inovação e

Leia mais

- Aviso n.º 14/2009-AMCM -

- Aviso n.º 14/2009-AMCM - - Aviso n.º 14/2009-AMCM - ASSUNTO: SUPERVISÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA GUIA PARA AS INSTITUIÇÕES SEGURADORAS AUTORIZADAS REFERENTE AO TRATAMENTO DE QUEIXAS DE TOMADORES DOS SEGUROS/CLIENTES/TERCEIROS

Leia mais

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010 Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo Data de Apresentação:14 de Abril de2010 1 Agenda 1 SIFIDE 2 Internacionalização 3 Investimento Produtivo 2 Incentivos Fiscais SIFIDE

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA

BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA 2010 Banco de Cabo Verde 2 INDICE 1. Introdução... 3 2. Caracterização do Sector 3 3 Índice de penetração e indicador de densidade dos seguros. 4 4 Comparação internacional.

Leia mais

Por outro lado, estabelece ainda o referido preceito a susceptibilidade da Norma Regulamentar emitida se aplicar igualmente aos mediadores de seguros.

Por outro lado, estabelece ainda o referido preceito a susceptibilidade da Norma Regulamentar emitida se aplicar igualmente aos mediadores de seguros. Não dispensa a consulta da Norma Regulamentar publicada em Diário da República NORMA REGULAMENTAR N.º 03/2010-R, DE 18 DE MARÇO DE 2010 Publicidade Pelo Decreto-Lei n.º 8-A/2002, de 11 de Janeiro, foram

Leia mais

Gabinete de Apoio ao Consumidor. Relatório Anual do Fundo de Garantia Automóvel Ano de 2014. Banco de Cabo Verde

Gabinete de Apoio ao Consumidor. Relatório Anual do Fundo de Garantia Automóvel Ano de 2014. Banco de Cabo Verde Gabinete de Apoio ao Consumidor Relatório Anual do Fundo de Garantia Automóvel Ano de 2014 Banco de Cabo Verde ÍNDICE pág. 1. Âmbito e atribuições do FGA...3 2. Actividades desenvolvidas pelo FGA em 2014...4

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: al.g) do n.º 27.º do art. 9.º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: al.g) do n.º 27.º do art. 9.º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA al.g) do n.º 27.º do art. 9.º. Enquadramento - Prestação de serviços de gestão administrativa e actuariais, realizadas a Sociedades Gestoras de Fundos de

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Notas 1. Portugal tem uma estrutura legal e regulatória muito evoluída, apesar da reduzida dimensão do seu

Leia mais

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise?

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? O sector empresarial sente a crise como está a sentir a restante sociedade. A elevada taxa de desemprego de 12,3% traduz bem o drama social

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

ORA newsletter. Nº 62 MARÇO/2012 (circulação limitada) Assuntos LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL FEVEREIRO DE 2012

ORA newsletter. Nº 62 MARÇO/2012 (circulação limitada) Assuntos LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL FEVEREIRO DE 2012 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Fevereiro de 2012 1 As Instituições Particulares de Solidariedade Social: Regime Contabilístico e Novo Quadro Normativo (Parte II) 2 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9, nº 28. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9, nº 28. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9, nº 28 Seguros enquadramento da actividade de call center na prestação de serviços a empresas seguradoras e correctoras de seguros - despacho do SDG dos

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, S.A. RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, S.A. RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, S.A. RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2005 ECONOMIA PORTUGUESA A desaceleração da economia portuguesa em 2005 resultou de uma diminuição acentuada do contributo da

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Impacto fiscal das normas IAS/IFRS Especial ênfase no sector não financeiro e não segurador. Domingos Cravo GETOC ISCA UA Out2007

Impacto fiscal das normas IAS/IFRS Especial ênfase no sector não financeiro e não segurador. Domingos Cravo GETOC ISCA UA Out2007 Impacto fiscal das normas IAS/IFRS Especial ênfase no sector não financeiro e não segurador Domingos Cravo GETOC ISCA UA Out2007 1 2 Plano da Apresentação 1. As IAS/IFRS no ordenamento contabilístico Comunitário

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA SUMÁRIO No primeiro trimestre de, a produção de seguro directo, relativa à actividade em Portugal das empresas de seguros sob a supervisão do ISP, apresentou, em termos globais, uma quebra de 29,8% face

Leia mais

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Considerando fundamental, para alcançar o desenvolvimento sustentável, o estabelecimento de uma relação equilibrada

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014

Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014 Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014 REGIMES DE BENEFÍCIOS AO INVESTIMENTO E À CAPITALIZAÇÃO No dia 31 de outubro foi publicado o Decreto-Lei n.º 162/2014, que tem como objetivo promover a revisão global

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP 16.12.2010 REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO

NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO Lei nº 13/VIII/2012 De 11 de Julho Por mandato do povo, a Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea b) do artigo 175º da Constituição, o seguinte: CAPÍTULO I Considerações

Leia mais

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A. - Sede Social: - 1099-090 Lisboa - Portugal - CRCL / Pes. Col. 504 917 692 Capital Social 7.500.000 Euro Data início de comercialização: 2000/04/13 por tempo

Leia mais

III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES. Sessão de Abertura

III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES. Sessão de Abertura III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES Sessão de Abertura A regulação e supervisão da actividade seguradora e de fundos de pensões Balanço, objectivos e estratégias futuras É com

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA. Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA. Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro A Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 17 de Junho, publicada em 26 de Julho, que aprovou o PPCE - Programa

Leia mais

Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013

Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013 Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013 19 de novembro de 2014 Índice Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 1 Atividade regulatória

Leia mais

Criamos. valor à sua empresa

Criamos. valor à sua empresa Criamos valor à sua empresa ORGANIZAÇÃO Somos o que fazemos repetidamente. Então, a excelência não é um acto isolado, mas sim um hábito. Aristóteles Compromisso A FISCOSEGUR é uma organização que presta

Leia mais

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 3 III Jurisprudência Europeia 5 IV Jurisprudência Nacional 6 V Outras informações 7 NEWSLETTER

Leia mais

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2013 2 Contabilização dos Subsídios do Governo e Divulgação de Apoios do Governo 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO

Leia mais

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 UNIÓN EUROPEA 1 de junio de 2011 3. SUMÁRIO EXECUTIVO A avaliação do Plano de

Leia mais

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS A CULPA É DO TEMPO? Porque o clima já não é o que era e os desastres naturais se sucedem com maior frequência e severidade, muitos deles agravados pela mão humana, a indústria de seguros e resseguros debate-se

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÓMICOS, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL PARECER

COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÓMICOS, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL PARECER COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÓMICOS, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL PARECER PROPOSTA DE LEI N.º 162/X/3ª ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2008 PARTE I - CONSIDERANDOS 1. Nota Introdutória O Governo apresentou

Leia mais

Da aplicação do artº 73º do OE 2000, em particular nas instituições de crédito

Da aplicação do artº 73º do OE 2000, em particular nas instituições de crédito Da aplicação do artº 73º do OE 2000, em particular nas instituições de crédito 1. Introdução. Natureza e finalidade da norma. Intervenção legislativa de carácter marcadamente pragmático, excepcional e

Leia mais

ACE BUSINESS CLASS PLUS SEGURO DE VIAGEM CORPORATE INTERNACIONAL

ACE BUSINESS CLASS PLUS SEGURO DE VIAGEM CORPORATE INTERNACIONAL ACE BUSINESS CLASS PLUS SEGURO DE VIAGEM CORPORATE INTERNACIONAL Apesar das sequelas da crise financeira global e da ressaca de uma recessão em vários países, os analistas esperam que a procura de viagens

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

PROJECTO. Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

PROJECTO. Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro PROJECTO NORMA REGULAMENTAR N.º X/2007-R, de Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro A Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro, regulamentou o Decreto-Lei

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

Documento de Divulgação. Introdução

Documento de Divulgação. Introdução Abbott Laboratórios, Lda. Estrada de Alf ragide, 67 Alf rapark Edif icio D 2610-008 Amadora Portugal Contribuinte nº 500 006 148 Reg. C.R.C. Amadora Capital Social: 3.396.850 Tel. (351) 214 727 100 Fax.

Leia mais

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE V EUROSAI/OLACEFS CONFERENCE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A V Conferência EUROSAI/OLACEFS reuniu, em Lisboa, nos dias 10 e 11 de Maio de

Leia mais

PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO. (Denominação)

PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO. (Denominação) PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO (Denominação) O Agrupamento adopta a denominação de Monte - Desenvolvimento Alentejo Central,

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

Quais as principais diferenças entre um seguro de vida individual e um seguro de vida de grupo?

Quais as principais diferenças entre um seguro de vida individual e um seguro de vida de grupo? SEGURO VIDA Que tipo de seguros são explorados no ramo vida? A actividade do ramo Vida consiste na exploração dos seguintes seguros e operações: Seguro de Vida, Seguro de Nupcialidade /Natalidade, Seguro

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Contabilidade Normas Internacionais Futura Normalização Contabilística. 1 de Março de 2007

Contabilidade Normas Internacionais Futura Normalização Contabilística. 1 de Março de 2007 Contabilidade Normas Internacionais 1 de Março de 2007 O pessimista queixa-se do vento, o optimista espera que ele mude e o realista ajusta as velas (William George Ward) 1. Influência do meio envolvente

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA

GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2006 ECONOMIA PORTUGUESA Após o fraco crescimento da economia observado em 2005 (0.4 por cento) estima-se que o Produto Interno

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

PRAIE PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO

PRAIE PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO 1) O Programa de Apoio ao Investimento Empresarial, adiante designado

Leia mais

Impostos Diferidos e o SNC

Impostos Diferidos e o SNC Impostos Diferidos e o SNC Na vigência do anterior Plano Oficial de Contabilidade (POC) a Directriz Contabilistica (DC) nº 28, da Comissão de Normalização Contabilística (CNC) veio, em tempo, estabelecer

Leia mais

Colóquio: As Empresas de Serviços Energéticos em Portugal

Colóquio: As Empresas de Serviços Energéticos em Portugal Colóquio: As Empresas de Serviços Energéticos em Portugal Lisboa, 30 de Dezembro Miguel Matias Presidente da APESE Vice-Presidente Self Energy A Eficiência Energética na Cidade oportunidade na Reabilitação

Leia mais

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões 4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões O número total de empresas de seguros a operar no mercado nacional manteve-se estável em 212, sem alterações significativas à sua estrutura. Neste

Leia mais

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Março, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Março, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Março, 2014 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 3 III Jurisprudência Europeia 5 IV Jurisprudência Nacional 7 V Outras informações 8 NEWSLETTER

Leia mais

Versão Pública. DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO

Versão Pública. DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO 1. Em 8 de Agosto de 2005, foi notificada à Autoridade da Concorrência, nos termos dos artigos 9.º e 31.º da

Leia mais

Mudanças a fundo Directiva dos GFIA

Mudanças a fundo Directiva dos GFIA www.pwc.com/pt/tax/ma Mudanças a fundo Directiva dos GFIA O que vai mudar nos Fundos de Investimento Alternativos? Junho 2011 Introdução A Proposta de Directiva o que é? Em resposta à crise que afectou

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 18º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 18º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 18º Prestação de Serviços de telemarketing Processo: nº 3109, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2012-05-18. Conteúdo:

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais