INDÚSTRIAS NUCLEARES DO BRASIL. ---e Carvalho. rlgues. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INDÚSTRIAS NUCLEARES DO BRASIL. ---e Carvalho. rlgues. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação"

Transcrição

1 INDÚSTRIAS NUCLEARES DO BRASIL ---e Carvalho rlgues Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação GOVERNO FEDERAL

2 Projeto da Mina Subterrânea Encontra-se em fase de licenciamento da Mina Subterrânea da INB INB possui 500 m de Rampa de Acesso da Mina Subterrânea já desenvolvida Foi elaborado Projeto do Sistema de Ventilação Principal por empresa externa especializada (PROVENTE Ventilação Subterrânea). Tal projeto considerou os diversos riscos não radiológicos. É necessário estimar as concentrações de radônio e filhos para verificar os níveis de exposição dos IOEs Foram elaboradas duas modelagens para previsão das concentrações de radônio e filhos em função das características do projeto da Mina Subterrânea (vazão de ar dos Ventiladores de Exaustão)

3 Projeto da Mina Subterrânea Rampa de Acesso, Subníveis e Travessas Rampa de Acesso

4 Ventilador de Varação na I Superfície t Sistema de Ventilação Principal SISTEMA DE VENTILAÇÃO PRINCIPAL Varação na Superficie I,,-.;-- -, t Ventilador de \ Varação na Superficie Extremidade do Subnível / C onve rgenclêl ó os Fluxos de Ar - \ Bifurcação do Fluxo de Ar t Extremidade do Subnivel Um único Subnível

5 Sistema de Ventilação Principal CIRCUITO PRINCIPAL DE VENTILAÇÃO t Mina Caetité DEZEMBRO 2012 Nível 712 Nível 693 Nível 674 Nível 665 Nlvel650 Emboque m 3 /s Nível 631 Nível 612 Nível 593 LEGENDA "'Circuito de Adução de Ar... Circuito de Exaustão de Ar D Portão regulador de ventilação Exaustores: Vazão Unitária m 3 /s P. estática unitária mmca Motor cv 10 Subníveis

6 Primeiro Subnível =,.WlO IPAINEL 1 - SUBNlvEl ,,& I t ::: I m1 -p IV o _N r.1.li..i I br Q il 4 401': - -.J 14040, ;:, i/p!j400n. I G t 3 t - 'L H 8 ll F -.- \\'-""..!: l --. E 4 r _D -- - t- U6lIti. 2m 2,5 m :132QI<I 12eON t 2m 2 m 2,5m 2,5 m...- l.--::::.-4 2,5 m 2,5 m I 32'DN t( V B D Porta0 Regula( or Dire rão do Flu o de Ar w w... w w w I!!I... w w w w g C> co l!!i C> ;e C>... <>..,..,... :s lu lu.., M..... Ul Setores e Suas Características Setor AR BC CD OE EF FG GH OI HI JL L.M FM MN NO OP PQ QR MIE E E E 1.1 E E M E E E E E E M'1 E M E R/GID R u "" G G t 't G G u "" D u "" G G G t G G Vz[m 3 /s) l r fi/43 1:6,43 IBrLt 113 r Lt 113"l2 59 1r 7 j 591,79 5,3.. tl ' J'L. '1 r -' I 2"1 u,3, In m 5m R lj _140DH..!28 GN

7 Modelo de Compartimentos Baseado no modelo de Jacobi W. (1972) 222Rn 21.P O 14Pb Cada setor corresponde a um compartimento Equações de Bateman no Regime Estacionário, x Xy Y! ) ) Setor XV Dinâmica do Rn-222: 3,8235d 3,10min 26,8 min 214Bi I 19.9lmin 214p o _ 0._,..,l ltpb 164,3 JIs 22,3 a Radionuclídeo de J\!Ieia-Vida Longa D R adionuclídeo de Meia-Vida Curta dn XY (t) JXYA XY/)'" (...n.xy/, -rxy)n XY (t) + (...n.xy/, 7x)N x _ Rn =.,.. ;,.Rn q.r.l.. Rn q.r Rn-222 (t). dt Dinâmica do Po-218:.. ry dn Po-2Ui; t - Â, -121N RB- '.2 t. - "'.0-_1 I - dt +,

8 Modelo de Compartimentos Regime Estacionário:... Rn , t _. O dt " dn - Po-llS(t = O dt Rn-222: Po-218:

9 Modelo Contínuo Convecção e Decaimento Concentrações variam dentro de cada setor Equações de Transporte no Regime Estacionário Dinâmica do Rn-222:, x xv y! ) ) Setor XV " C:\.Rn-2,22 1 X t = JXYpXV -,ry _ XY:Rn_222 x.t I t1t sxy x 3,8235d 3,10 min 218pO 214Pb 164,3 fls 22,3 a R adionuclídeo de l\feia -Vida Longa D R adionuclídeo de M eia -Vida Curta Dinâmica do Po-218: OC:XYpO_21S(X,t ) = ÂPO-2lSCXYRn-222(X,t ) - ÂPO-2lSCXYpO-2lS(X,t ) - '\IT XY oc:x'ypo_2ls(x,t ) ot OX

10 Concentração de Energia Potencial Alfa e Nível de Registro Concentração de Energia Potencial Alfa: Nível de Registro: E. = 0,,20 111Sv/111ês x (12 11lês/allo) I (2000 h/ano) = 1,2 JlSv/h NRpAEC = J / 111 3

11 Modulação da Concentração com a Ventilação Vazões de ar no setores variam linearmente com a vazão de ar dos Ventiladores de Exaustão: (J)XY = \ zxy cp cp SETOR AB BC CD DE EF FG GH CH HI JL MIE E E E M E E M E E E RlGID R G G G G G G G G D LM E G FM E G MN NO OP E M E G G G PQ M G QR E G Vz(m 3 /h) 166,43 166,43 113,22 113,22 113,22 59,79 59,79 53, ,27 59,57 53, Exemplo: (J)FG = ' lzfg (J) = 59,79 (J) = 0,5291 ep epn 113,00

12 Dados de Entrada dos Modelos Dimensões dos Setores: L = Comprimento, P = Perímetro da Seção Reta, A = pxl = Área das Superfícies Rochosas, S = Área da Seção Reta e V = SxL = Volume Exalação em superfícies mineralizadas (3030 ppm) e não mineralizadas (150 ppm), considerando o equilíbrio radioativo: U 3 0 S - I I. q/ ) (Regulatory Guide 3.59) J l\t = 31,9 Bq/(1l1 2 S) e.j E = 1,6 Bq/(1l1 2 S).

13 Dados de Entrada dos Modelos Concentrações de Radônio e Filhos no Emboque e Chaminé de Adução: 'CRn-2 l2 = 60 Bq/m 3 Co-218 = 20 Bq/ln J CPb-214 = 5 Bq/ 1I1 3 C ' Bi-214 = - B.. q I 1113

14 CPAEC(nJ/m 3 )

15 Resultados e Discussões - Modelo Contínuo Concentração no ponto mais crítico do primeiro subnível (ponto H do setor GH): !PA.INEL 1 - SUBNlVEl 145,

16 200 Resultados e Discussões ircuito AB DE G Modelo Contínuo r-. M V = '-' U 100 U «> r---"" x w ij ij ij g "8QN! ;] ---?> li:,,,..,;'!, '" IPAINEl ' - SU BNiVEL 745,51 A I I I 1 fi"d7. R! 'QN I I ntilgjf(... J Q 1«" I I ---?> L G L... I l P I <E- li r141 fl <E- F ---?> M - o I.-,... I t - I to,\\ '= I I I I L -... p- -+.>- '= D E.""'",m,," 1"",," t I t( B D Portão Regula or I ---::-- I =---- Direção do Flu o de Ar I.I l'il I N N, $.""'"

17 Resultados e Discussões - Modelo de Compartimentos..,...., :::',«I C '--' u "" '" u o: CiI'cuito ABCDEF1VINOPQR,.. /,.., / I / ---- / / /.. f C ii'cuito JLMNOPQR i - I o I.- I ;1 200 «JO 600 lilo l x - PAINI'õL 1 _ SUBNIvF...L ffi- F "" M.d o o 200 «lo «lo IlOO ! i:i '" x.l R - "" 1 nr-,; (-lil' "it Q I - ---'>- d p - G.kJIl--. _-- ç ::--4'i!L- '-';r - o li '"'. r -. ti L 1 '--_ff r E t t1r?...,. :::;;..- n.- fo D PonAo R egula or I >" Direfão do Flu ' 0 de Ar..! --

18 Conclusões Modelo Contínuo é mais realista e menos conservativo que o Modelo de Compartimentos O Modelo do Compartimentos equivale a uma retenção do radônio em cada setor por maior tempo (homegeinização), que corresponderia a uma formação maior de filhos do radônio. A situação mais realista corresponde à convecção, com o arraste contínuo de radônio e filhos contribuindo somente nos pontos à jusante. O Modelo de Compartimentos já está sendo empregado no licenciamento Ambos demonstram que o projeto do Sistema de Ventilação está adequado para garantir a Proteção Radiológica dos IOEs em relação à exposição a radônio e filhos

19 Leonardo Bernardino de Carvalho SUlpervisQir de Rad'ioprolteção g lne

MÓDULO 25. Geometria Plana I. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA

MÓDULO 25. Geometria Plana I. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA MÓDULO 5 Geometria Plana I. Mostre que o ângulo inscrito em uma circunferência é a metade do ângulo central correspondente. 1. (MAM-Mathematical

Leia mais

36 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase

36 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase 36 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase Problema 1 Turbo, o caracol, está participando de uma corrida Nos últimos 1000 mm, Turbo, que está a 1 mm por hora, se motiva e

Leia mais

(A Themistocles Machado)

(A Themistocles Machado) (A Th Mh) BRAZL á 58 Hh Dg Bh fô gv g Bz v F Hh Pg ê h F f 598 A 585 gv L B A< Pb F Bb v v ãó f z v Phyb vz vzg f fz N v x h P Ch S; Aç h b fv T ffê fz á J? 4 REVSTA bb hb g j çõ fz v h b z ç gv g Dg Bh

Leia mais

Aula 4 Ângulos em uma Circunferência

Aula 4 Ângulos em uma Circunferência MODULO 1 - AULA 4 Aula 4 Ângulos em uma Circunferência Circunferência Definição: Circunferência é o conjunto de todos os pontos de um plano cuja distância a um ponto fixo desse plano é uma constante positiva.

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

!!" "!#! " $ %"&!!$$# &! "! $$ & $ '!$# $' & &# & #$ & &' &$$ $' ' (" ' &!&& & ' & " $' $$ " $' $ "# )! * && ' $ " &+ $! "+ $$ $$ $! ' "$# $$ &#, -. /0 -,,.0 10, 02, 3,3,. /0-3,2 1/ - 3 3 3 / 00//, - /

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

DIMENSIONAMENTO. Versão 2014 Data: Março / 2014

DIMENSIONAMENTO. Versão 2014 Data: Março / 2014 5 DIMENSIONAMENTO Versão 2014 Data: Março / 2014 5.1. Parâmetros para o dimensionamento... 5.3 5.1.1. Escolha de parâmetros... 5.3 5.1.2. Tipologia construtiva da instalação predial... 5.3 5.1.3. Pressão

Leia mais

CONTADORIA MUNICIPAL

CONTADORIA MUNICIPAL ESTAD DA BANIA EXERCÍCI DE 2015 CNTADRIA MUNICIPAL PRCESS DE PAGT N 138 N Empenho. 41 Data Empenho : 01/04/2015 Órgão : 1 Unidade : 1 Camara Municipal de Tucano Camara Municipal de Tucano Projeto Atividade

Leia mais

%&'& ( &! / 0 1! & 2

%&'& ( &! / 0 1! & 2 ! " # " $ %&'& ( &! )! * +(,,,-. / 0 1! & 2 34!$ 1 2 3 4 5 6 Misto, de 18 a 25 anos, classe BC todas regiões Masculino, de 30 a 45 anos, classe CD zona leste e norte Feminino, de 30 a 45 anos, classe CD

Leia mais

Sobre a obra: Sobre nós:

Sobre a obra: Sobre nós: Sobre a obra: A presente obra é disponibilizada pela equipe do ebook espírita com o objetivo de oferecer conteúdo para uso parcial em pesquisas e estudos, bem como o simples teste da qualidade da obra,

Leia mais

i _y 1. PARTE ENGENHARIA AERONÁUTICA NÃO DESTACAR A PARTE INFERIOR INSTRUÇÕES GERAIS MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA 000 A 100

i _y 1. PARTE ENGENHARIA AERONÁUTICA NÃO DESTACAR A PARTE INFERIOR INSTRUÇÕES GERAIS MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA 000 A 100 - PROCESSO - MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO CORPO DE ENGENHEIROS DA MARINHA (PS-EngNav/2008) ENGENHARIA AERONÁUTICA 1. PARTE INSTRUÇÕES GERAIS 1- A

Leia mais

Lista 1 com respostas

Lista 1 com respostas Lista 1 com respostas Professora Nataliia Goloshchapova MAT0105/MAT0112-1 semestre de 2015 Exercício 1. Verifique se é verdadeira ou falsa cada afirmação e justifique sua resposta: (a) (A, B) (C, D) AB

Leia mais

! " # $% & & ' ( & & ) * + ) & % % ',

!  # $% & & ' ( & & ) * + ) & % % ', 1! " # $ & & ' ( & & ) * + ) & ', 2 1 -. - & / 0 1 2& 3 - ' 45 - & & " 27 8 9*:27 ;2 ?@ 5A3451 Com as alterações introduzidas pelo art.º 34º da Lei OE/2009, pelo art.º 34º da Lei OE/2011 e pelo

Leia mais

Sociedade Espírita Allan Kardec

Sociedade Espírita Allan Kardec Sociedade Espírita Allan Kardec Apresenta: Equipe responsável: Eurípedes Kühl João F. Calabrese Nilson J. Guiselini Fernando Neres 1 !" # $ % & $ ' ($') $'%' * $+) $%'$''' $,$""- & $./' "! 0 ) '.. "-,.

Leia mais

NOME :... NÚMERO :... TURMA :...

NOME :... NÚMERO :... TURMA :... 1 TERCEIRA SÉRIE ENSINO MÉDIO INTEGRADO Relações métricas envolvendo a circunferência Prof. Rogério Rodrigues NOME :... NÚMERO :... TURMA :... X - RELAÇÕES MÉTRICAS NO DISCO (Potência de Ponto) X.1) Relação

Leia mais

! "# $% &!!'()* +,-.'+/! $ ;! * & <& = * &0> & 3?@* ;' ;'7 ;'; )'!"* * ;'&* * 7 ;! ' * 13? 3 ( B * C * =

! # $% &!!'()* +,-.'+/! $ ;! * & <& = * &0> & 3?@* ;' ;'7 ;'; )'!* * ;'&* * 7 ;! ' * 13? 3 ( B * C * = Página 1 de 51! "# $% &!!'() +,-.'+/! "0# +)1 23"4& 5267 89 :$ $ ;! & & 3?@ ;' ;'7 ;'; )'!" ;'& 7 ;! ' 13? A 3 ( B C =!"# $%&!"'() ; ;>> 7 ;! D, $ ; $ ;) &7 ;) &!& D& 1? +,-.'+ /! "0 # + ) 1 2

Leia mais

Politiska riktlinjer, avsnitt 2 En stنndigt f rنnderlig vنrld

Politiska riktlinjer, avsnitt 2 En stنndigt f rنnderlig vنrld Politiska riktlinjer, avsnitt 2 En stنndigt f rنnderlig vنrld i~éé هê pلا o~ا cêëن~ضëëي نن~êة aلëيêلâي vêâ~هاة cêةاê~ض~هاةë êâ~هاة M m~êيلëي êةنëةه _لر~ننيلننâ~éليةنOلêلâينلهàةêه~ T OT _لر~نن _لر~نن نêا~ضOEâ~éليةنOFKاçإ

Leia mais

! "#" $ %&& ' ( )%*)&&&& "+,)-. )/00*&&& 1+,)-. )/00*&2) (5 (6 7 36 " #89 : /&*&

! # $ %&& ' ( )%*)&&&& +,)-. )/00*&&& 1+,)-. )/00*&2) (5 (6 7 36  #89 : /&*& ! "#" %&& ' )%*)&&&& "+,)-. )/00*&&& 1+,)-. )/00*&2) 3 4 5 6 7 36 " #89 : /&*& #" + " ;9" 9 E" " """

Leia mais

12345678797255445677655672542776742526 7!"#7# "$ %7& 7!"#7' "($ % )"(*+77"& " 7 ""$ 7!"#7# "$ %7.!,& 7!"#7' "($ % " "(*+7+7,- "& 1/7,77"07!"77",7%1223&07"," 77',7%1224& 123456787973553676656426747376253743733653762

Leia mais

91/enloria áo' engenhelro áe csouia!l.janáetra

91/enloria áo' engenhelro áe csouia!l.janáetra &xttlt 91/li á ghl á Si!lJát tjll Czi O t içõ t t Ftz lv á git lõ: I O vi t i é fit i i l t gi t fix :;:ã;"4 l ll 1tlt xit á fi " """" t i t j it z 1 t A gitçã Iti ttt v i á g l vt bt l é itt q gã i fiíi

Leia mais

Estudo de alternativas para a remoção dos metais pesados em águas no semiárido

Estudo de alternativas para a remoção dos metais pesados em águas no semiárido XVI Semana de Iniciação Científica e II Semana de Extensão de 21 a 26 de outubro de 2013 ISSN: 1983-8174 Universidade Regional do Cariri - URCA - Crato, Ceará Estudo de alternativas para a remoção dos

Leia mais

CPV especializado na ESPM ESPM Resolvida Prova E 10/novembro/2013

CPV especializado na ESPM ESPM Resolvida Prova E 10/novembro/2013 CPV especializado na ESPM ESPM Resolvida Prova E 0/novembro/03 Matemática. As soluções da equação x + 3 x = 3x + são dois números: x + 3 a) primos b) positivos c) negativos d) pares e) ímpares x + 3 x

Leia mais

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA 1 2 3 4 5 6 7 1 1 1, 00 2 3 4 Li Be 6, 94 9, 01 11 12 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 K Ca 39, 10 40, 08 37 38 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 Cs Ba 132, 91 137, 33 87 88 Fr Ra 223,

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

e R 2 , salta no ar, atingindo sua altura máxima no ponto médio entre A e B, antes de alcançar a rampa R 2

e R 2 , salta no ar, atingindo sua altura máxima no ponto médio entre A e B, antes de alcançar a rampa R 2 FÍSICA 1 Uma pista de skate, para esporte radical, é montada a partir de duas rampas R 1 e R 2, separadas entre A e B por uma distância D, com as alturas e ângulos indicados na figura. A pista foi projetada

Leia mais

ESTUDO GRÁFICO DOS MOVIMENTOS. Gráfico posição x tempo (x x t)

ESTUDO GRÁFICO DOS MOVIMENTOS. Gráfico posição x tempo (x x t) ESTUDO GRÁFICO DOS MOVIMENTOS No estudo do movimento é bastante útil o emprego de gráficos. A descrição de um movimento a partir da utilização dos gráficos (posição x tempo; velocidade x tempo e aceleração

Leia mais

E j = w i b ij i=1 n E * j = w i b * ij i=1 L j =[B j /n]/b m L i =[B i /n]/b m 1 1 GRÁFICO 1- NÚMERO DE EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO, SEGUNDO AS REGIÕES GEOGRÁFICAS DO BRASIL - 2003 Sudeste 58.267 Norte 5.649

Leia mais

= + + = = + = = + 0 AB

= + + = = + = = + 0 AB FÍSIC aceleração da gravidade na Terra, g 0 m/s densidade da água, a qualquer temperatura, r 000 kg/m 3 g/cm 3 velocidade da luz no vácuo 3,0 x 0 8 m/s calor específico da água @ 4 J/(ºC g) caloria @ 4

Leia mais

RELATÓRIO DE MANUTENÇÃO. Ass: fo4~-rtç Jú:,CeL; JJo. Ass: [nata:?n.i!::l~ [lnlcío: <J.l : J!f!_ CORRETIVA. Maquina: P (IÍ? (Ç A.Do':R.

RELATÓRIO DE MANUTENÇÃO. Ass: fo4~-rtç Jú:,CeL; JJo. Ass: [nata:?n.i!::l~ [lnlcío: <J.l : J!f!_ CORRETIVA. Maquina: P (IÍ? (Ç A.Do':R. ~ RELATÓRIO DE MANUTENÇÃO 17.b~ U4.~-eIO Nome: 159- LOja: ~ Ass: fo4~-rtç Jú:,CeL; JJo Ass: [nata:?n.i!::l~ [lnlcío:

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

REH Regulamento dos Edifícios de Habitação

REH Regulamento dos Edifícios de Habitação Questão 6 Considere as peças desenhadas anexas correspondentes ao projeto de uma moradia a construir no concelho de Alcochete, a uma altitude de 22 m. Todos os vãos envidraçados serão constituídos por:

Leia mais

FUNÇÃO. Exemplo: Dado os conjuntos A = { -2, -1, 0, 1, 2} e B = {0, 1, 2, 3, 4, 5} São funções de A em B as relações a) R 1 = {(x,y) AXB/ y = x + 2}

FUNÇÃO. Exemplo: Dado os conjuntos A = { -2, -1, 0, 1, 2} e B = {0, 1, 2, 3, 4, 5} São funções de A em B as relações a) R 1 = {(x,y) AXB/ y = x + 2} Sistemas de Informação e Tecnologia em Proc. de Dados Matemática Ms. Carlos Roberto da Silva/ Ms. Lourival Pereira Martins FUNÇÃO Definição: Dados dois conjuntos e define-se como função de em a toda relação

Leia mais

Por que escolher a CWC?

Por que escolher a CWC? P q lh CWC? t õ ç t 1. I i l ã à t t N it, l it, l ti á g l f E g i. t lê g I ívl t é á ti, tblh lh it h l. z i lh i iglê 4. V i Ativ Of i vi g tivi lt t i ii t. E tiv t v i ã t it çã tbé t t, xõ til lt

Leia mais

PRODUÇÃO AUDIOVISUAL EM EAD: AUTORIA ENQUANTO SUBSÍDIO PARA A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOCENTE

PRODUÇÃO AUDIOVISUAL EM EAD: AUTORIA ENQUANTO SUBSÍDIO PARA A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOCENTE PROUÇÃO AUIOVISUAL EM EA: AUTORIA ENQUANTO SUBSÍIO PARA A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO OCENTE 2 PROUÇÃO AUIOVISUAL EM EA: AUTORIA ENQUANTO SUBSÍIO gpara A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO OCENTE Slv BA Abl 2013 g -NTE/IAT/SEC/BA-7@gl.

Leia mais

Comprimentos de Curvas e Coordenadas Polares Aula 38

Comprimentos de Curvas e Coordenadas Polares Aula 38 Comprimentos de Curvas e Coordenadas Polares Aula 38 Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil 12 de Junho de 2014 Primeiro Semestre de 2014 Turma 2014106 - Engenharia

Leia mais

ESTEREOSCOPIA INTRODUÇÃO. Conversão de um par de imagens (a)-(b) em um mapa de profundidade (c)

ESTEREOSCOPIA INTRODUÇÃO. Conversão de um par de imagens (a)-(b) em um mapa de profundidade (c) ESTEREOSCOPIA INTRODUÇÃO Visão estereoscópica se refere à habilidade de inferir informações da estrutura 3-D e de distâncias da cena de duas ou mais imagens tomadas de posições diferentes. Conversão de

Leia mais

Undécima lista de exercícios. Função exponencial e função logarítmica.

Undécima lista de exercícios. Função exponencial e função logarítmica. MA091 Matemática básica Verão de 01 Undécima lista de exercícios Função exponencial e função logarítmica 1 Você pegou um empréstimo bancário de R$ 500,00, a uma taxa de 5% ao mês a) Escreva a função que

Leia mais

CAMARA MUNICIPAL DE SW PAULO ASSESSORIA TECNICA DA. MESA - SISTEMA DE APOIO AO PROCESSO LEGISLATIVO.

CAMARA MUNICIPAL DE SW PAULO ASSESSORIA TECNICA DA. MESA - SISTEMA DE APOIO AO PROCESSO LEGISLATIVO. s Ne, CAMARA MUNICIPAL DE SW PAULO ASSESSORIA TECNICA DA. MESA - SISTEMA DE APOIO AO PROCESSO LEGISLATIVO. 1 ppoirro DE LEI : -061634S92 DE i9#2. IMATREZA::.PL 1 øt-345/2--2 St tviefee ;,,.."._...." $

Leia mais

GABARITO COMENTADO SIMULADO PRE VESTIBULAR INTENSIVO

GABARITO COMENTADO SIMULADO PRE VESTIBULAR INTENSIVO GABARITO COMENTADO SIMULADO PRE VESTIBULAR INTENSIVO Resposta da questão 1: Como 900 360 180, segue que o atleta girou duas voltas e meia. Resposta da questão : O ângulo percorrido pelo ponteiro das horas

Leia mais

QUESTÃO 16 Na figura, temos os gráficos das funções f e g, de em. O valor de gof(4) + fog(1) é:

QUESTÃO 16 Na figura, temos os gráficos das funções f e g, de em. O valor de gof(4) + fog(1) é: Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA A ạ SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM 4 Disciplina: MaTeMÁTiCa Prova: desafio nota: QUESTÃO 6 Na figura, temos os gráficos das funções f e g,

Leia mais

)5 ))/*+ 6 7 0)!, -.),) ( 3! 6 7 ),!089( :/.+,;.

)5 ))/*+ 6 7 0)!, -.),) ( 3! 6 7 ),!089( :/.+,;. ! "!"#$"%$%&"' ()*+ ( (,)-.)/)..0)./)..!0/. 11!2.,),. -)). )5 ))/*+ 6 7 0)!, -.),) (! 6 7 ),!089( :/.+,;..# $%&'()%*%)%$%!(+'%$#+,#-%"0))(/(,,;).)( (-.?!0 11!2.657@,),. -)).6 7@ )0)6 )0)@,,., *.,,.,,

Leia mais

Teste Intermédio de Matemática A Matemática A Versão 2 10.º Ano de Escolaridade

Teste Intermédio de Matemática A Matemática A Versão 2 10.º Ano de Escolaridade Teste Intermédio de Matemática A Versão 2 Teste Intermédio Matemática A Versão 2 Duração do Teste: 90 minutos 06.05.2009 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Na sua folha de

Leia mais

NOTAÇÕES. +... + a n. , sendo n inteiro não negativo k =1. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares.

NOTAÇÕES. +... + a n. , sendo n inteiro não negativo k =1. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares. MATEMÁTICA NOTAÇÕES : conjunto dos números reais : conjunto dos números complexos i: unidade imaginária, i = z: módulo do número z Re(z): parte real do número z Im(z): parte imaginária do número z det

Leia mais

-H = fte Æ 20 Eg -2013 + s H r.r E

-H = fte Æ 20 Eg -2013 + s H r.r E i4 f 1 f+ E I ft [fr E L\ fe -H = fte Æ 20 Eg -2013 + s H r.r E Ì4tr,try&Ë È tf.ffiæffiu tzo0aeñ11wñâô*6é! rffl lt+ffe) ffi+ai#ffi-+ +-) rêztfr.ë' A: -=+E,E +fl E Ìi#EËlãts{fUäft " +++JLtr -+ Effi =+ ffiffi

Leia mais

André Silva Franco ASF EOQ Escola Olímpica de Química Julho de 2011

André Silva Franco ASF EOQ Escola Olímpica de Química Julho de 2011 André Silva Franco ASF EOQ Escola Olímpica de Química Julho de O que é Cinética Química? Ramo da físico-química que estuda a velocidade das reações; Velocidade na química: variação de uma grandeza no x

Leia mais

Problemas C><:=: -- ~-+-~ -- o número de pontos Indica a dificulclade do problema. r+~------i -------I------I-- ,J-I----I ~~----+------~

Problemas C><:=: -- ~-+-~ -- o número de pontos Indica a dificulclade do problema. r+~------i -------I------I-- ,J-I----I ~~----+------~ Campos Magnéticos Produzidos por Correntes 239 o- 9-29 mostra quatro arranjos nos quais fios longos, paraigualmente espaçados conduzem correntes iguais para dentro fora do papel Coloque os arranjos na

Leia mais

2 4 < < "!# $ %!'&( )'*,+(' *./!0&1 )' 3 )/ 56 7 8 0)# :9; $!! 1 7 $ # * =! 7 #)/>!!$?;* > @ $ A& 8 7,+( 7 2CB 3/,D. )/>0(7 +('( E A ( F,>! 9 G 56 $IHJ J K o o o o o o o o X %!'&( )'L. $ 0MN 8OP /Q /OP

Leia mais

Métodos Numéricos. A. Ismael F. Vaz. Departamento de Produção e Sistemas Escola de Engenharia Universidade do Minho aivaz@dps.uminho.

Métodos Numéricos. A. Ismael F. Vaz. Departamento de Produção e Sistemas Escola de Engenharia Universidade do Minho aivaz@dps.uminho. Métodos Numéricos A. Ismael F. Vaz Departamento de Produção e Sistemas Escola de Engenharia Universidade do Minho aivaz@dps.uminho.pt Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Ano lectivo 2007/2008 A.

Leia mais

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL. Raciocínio Incerto

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL. Raciocínio Incerto INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL Raciocínio Incerto!"#$ $ % & $ '()* +, -.. /0*1!"#2 -.. $!%!"#" Raciocínio Incerto!&"'!(#"!")#"*#"#'")+!),*- 3-4- '5516 7-1' 48, - '1 9() - 1. '9': ' ;- '*1'1) Raciocínio Incerto

Leia mais

!"#!$% %" & ' ( )*+,)-. / 0123144 56789 :;667

Leia mais

MA.01. 4. Sejam a e b esses números naturais: (a + b) 3 (a 3 + b 3 ) = a 3 + 3a 2 b + 3ab 2 + b 3 a 3 b 3 = = 3a 2 b + 3ab 2 = 3ab (a + b)

MA.01. 4. Sejam a e b esses números naturais: (a + b) 3 (a 3 + b 3 ) = a 3 + 3a 2 b + 3ab 2 + b 3 a 3 b 3 = = 3a 2 b + 3ab 2 = 3ab (a + b) Reformulação Pré-Vestibular matemática Cad. 1 Mega OP 1 OP MA.01 1.. 3. 4. Sejam a e b esses números naturais: (a + b) 3 (a 3 + b 3 ) a 3 + 3a b + 3ab + b 3 a 3 b 3 3a b + 3ab 3ab (a + b) Reformulação

Leia mais

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº10 Prof. Daniel Szente

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº10 Prof. Daniel Szente Nome: Ano: º Ano do E.M. Escola: Data: / / 3º Ano do Ensino Médio Aula nº10 Prof. Daniel Szente Assunto: Função exponencial e logarítmica 1. Potenciação e suas propriedades Definição: Potenciação é a operação

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

04 Simplificação de funções lógicas. v0.1

04 Simplificação de funções lógicas. v0.1 4 Simplificação de funções lógicas v. Introdução Funções lógicas podem ter muitas variáveis e assim ser muito complexas Podemos simplificá-las analiticamente mas poderá não ser uma tarefa fácil Existem

Leia mais

Messinki PUSERRUSLIITIN EM 10 MM PUSERRUSLIITIN EM 12 MM PUSERRUSLIITIN EM 15 MM PUSERRUSLIITIN EM 18 MM PUSERRUSLIITIN EM 22 MM

Messinki PUSERRUSLIITIN EM 10 MM PUSERRUSLIITIN EM 12 MM PUSERRUSLIITIN EM 15 MM PUSERRUSLIITIN EM 18 MM PUSERRUSLIITIN EM 22 MM Messinki Tuote LVI-numero Pikakoodi PUSERRUSLIITIN EM 1551002 XV87 PUSERRUSLIITIN EM PUSERRUSLIITIN EM PUSERRUSLIITIN EM PUSERRUSLIITIN EM PUSERRUSLIITIN EM PUSERRUSLIITIN EM PUSERRUSLIITIN EM 35 MM 10X

Leia mais

2. APLICAÇÃO Ignição por centelhamento elétricos em queimadores de gás, ou combustíveis líquidos leves como óleo diesel, álcool, querosene, etc..

2. APLICAÇÃO Ignição por centelhamento elétricos em queimadores de gás, ou combustíveis líquidos leves como óleo diesel, álcool, querosene, etc.. PRODUTO: ACS-TE-1-C6 FOLHA TÉCNICA 1/11 1. CERTIFICAÇÕES DA SELCON 2. APLICAÇÃO Ignição por centelhamento elétricos em queimadores de gás, ou combustíveis líquidos leves como óleo diesel, álcool, querosene,

Leia mais

Deliberação Normativa COPAM nº 154, de 25 de agosto de 2010. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 04/09/2010)

Deliberação Normativa COPAM nº 154, de 25 de agosto de 2010. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 04/09/2010) Page 1 of 8 Deliberação Normativa COPAM nº 154, de 25 de agosto de 2010. Dispõe sobre o Coprocessamento de resíduos em fornos de clínquer. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 04/09/2010) O CONSELHO

Leia mais

Intercâmbio de informações operativas relativas ao Sistema de Medição para Faturamento SMF

Intercâmbio de informações operativas relativas ao Sistema de Medição para Faturamento SMF SCDE Sistema De Coleta De Dados De Energia FATQEE Base Histórica de Faturamento e Qualidade de Energia Anexo IV ao Acordo Operacional entre o ONS e CCEE Intercâmbio de informações operativas relativas

Leia mais

Projeção Perspectiva. Desenho Técnico I Profº Msc. Edgar Nogueira Demarqui

Projeção Perspectiva. Desenho Técnico I Profº Msc. Edgar Nogueira Demarqui Projeção Perspectiva Desenho Técnico I Profº Msc. Edgar Nogueira Demarqui Definição Quando olhamos para um objeto, temos a sensação de profundidade e relevo; O desenho, para transmitir essa mesma idéia,

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (CONCURSO PUBLICO PARA INGRESSO NO CORPO DE ENGENHEIROS DA MARINHA / CP-CEM/2013.

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (CONCURSO PUBLICO PARA INGRESSO NO CORPO DE ENGENHEIROS DA MARINHA / CP-CEM/2013. MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (CONCURSO PUBLICO PARA INGRESSO NO CORPO DE ENGENHEIROS DA MARINHA / CP-CEM/2013.2) É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA PADRÃO NÃO CIENTÍFICA PROVA ESCRITA

Leia mais

< ()& : 555>?

< ()& : 555>? P Ú s Pr s t Pr t Pr r str Pr ss t át P q çõ s r ç s çõ s s é s r r t r Pr r sé rt r P Ú s Pr s t Pr t Pr r str Pr ss t át P q çõ s r ç s çõ s s é s r ss rt çã r s t rt s r q s t s r t çã tít str t r r

Leia mais

!" "! # $ % & '!! % #(! % ) #**! + (, - - #. % %! % % - #+ / $ 0% % 1 1 * 2 & #

! ! # $ % & '!! % #(! % ) #**! + (, - - #. % %! % % - #+ / $ 0% % 1 1 * 2 & # " " # $ % & ' % #( % ) #** + (, - - #. % % % % - #+ ' % & # / $ 0% % 1 1 * 2 & # 0 +& 3$.41(5$6# 7 3$(25$6 # 2 % / #$ ( 8 19(# ) $ 4%0 0 #+&$ 3$.41(5$6#0 3$. 41( 5$6# 7 3:*; 5$6# $ 9. < 1 = + 2 # Revista

Leia mais

PROGRAMA - DE ORDENAMENTO DO MUNICIPIO DE CONCEIÇAO DO CASTELO GOVERNO DO ESTADO DO ESPIRITO

PROGRAMA - DE ORDENAMENTO DO MUNICIPIO DE CONCEIÇAO DO CASTELO GOVERNO DO ESTADO DO ESPIRITO GOVENO DO ESADO DO ESPIIO - SANO SECEAIA DE ESADO DO PLANEJAMENO PEFEIUA MUNICIPAL DE CONCEIÇAO DO CASELO POGAMA - DE ODENAMENO - UBANO DO MUNICIPIO DE CONCEIÇAO DO CASELO CADASO - IMOBILIAIO UBANO Vali

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na fgv

CPV O cursinho que mais aprova na fgv QUÍMIA O cursinho que mais aprova na fgv FGV economia 1 a Fase 30/novembro/2008 106. Na figura, é representado o espectro de massa dos isótopos naturais do elemento gálio. 107. O gráfico mostra a radioatividade

Leia mais

Otimização de Funções de Duas Variáveis

Otimização de Funções de Duas Variáveis Cálculo de Várias Variáveis 471 S E CÃO 7.3 Otimização de Funções de Duas Variáveis Suponha que um fabricante produza dois modelos de pvd player, o modelo de luxo e o modelo padrão, e que o custo total

Leia mais

12 ru e d e R ib e a u v illé. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : Ed it é le 13 /05/2016 à 17 :23 Page : 1 / 12

12 ru e d e R ib e a u v illé. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : Ed it é le 13 /05/2016 à 17 :23 Page : 1 / 12 R A M F A R A N D O L E 12 ru e d e R ib e a u v illé 6 7 7 3 0 C H A T E N O IS R e s p o n s a b le s d u R e la is : B ie g e l H. - R o e s c h C. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : * * * * * * * * *

Leia mais

PROVA DO VESTIBULAR ESAMC-2003-1 RESOLUÇÃO E COMENTÁRIO DA PROFA. MARIA ANTÔNIA GOUVEIA M A T E M Á T I C A

PROVA DO VESTIBULAR ESAMC-2003-1 RESOLUÇÃO E COMENTÁRIO DA PROFA. MARIA ANTÔNIA GOUVEIA M A T E M Á T I C A PROVA DO VESTIBULAR ESAMC-- RESOLUÇÃO E COMENTÁRIO DA PROFA. MARIA ANTÔNIA GOUVEIA M A T E M Á T I C A Q. O valor da epressão para = é : A, B, C, D, E, ( (,..., ( ( RESPOSTA: Alternativa A. Q. Sejam A

Leia mais

P3 da 2ª Etapa/2013 Valor: 3,0 pontos. Atividades usando o GEOGEBRA.

P3 da 2ª Etapa/2013 Valor: 3,0 pontos. Atividades usando o GEOGEBRA. ROTEIRO COMPONENTE CURRICULAR: Matemática 2 PROF.(A): Fabiano Maciel DATA: 9º An o EFII ALUNO(A): Nº: TURMA: P3 da 2ª Etapa/2013 Valor: 3,0 pontos Atividades usando o GEOGEBRA. As atividades deverão ser

Leia mais

SOLUÇÕES EM AR MEDICINAL, VÁCUO CLÍNICO E OXIGÊNIO PARA SEU HOSPITAL

SOLUÇÕES EM AR MEDICINAL, VÁCUO CLÍNICO E OXIGÊNIO PARA SEU HOSPITAL SOLUÇÕES EM AR MEDICINAL, VÁCUO CLÍNICO E OXIGÊNIO PARA SEU HOSPITAL ATLAS COPCO: SOLUÇÃO TOTAL PARA SEU HOSPITAL 1 SISTEMA DE GERAÇÃO E PURIFICAÇÃO DE AR Conforme RDC ANVISA 50 de 02 (RDC307 de 02) &

Leia mais

MUNICÍPIO DE ÉVORA PLANO DIRECTOR MUNICIPAL RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO DA DISCUSSÃO PÚBLICA DO PLANO NOVEMBRO 2007

MUNICÍPIO DE ÉVORA PLANO DIRECTOR MUNICIPAL RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO DA DISCUSSÃO PÚBLICA DO PLANO NOVEMBRO 2007 MUNICÍPIO DE ÉVORA PLANO DIRECTOR MUNICIPAL RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO DA DISCUSSÃO PÚBLICA DO PLANO NOVEMBRO 2007 ANEXO D PARECERES DE ENTIDADES EXTERNAS À CTA - ) ) c. M.ÉVORA ENTRADA,«k f~ ~rav~ dt,ml~wl«jd«k.

Leia mais

CANCELLI, MACEDO, GUERREIRO & BAUERMANN a b c d e f g h i j k l m n o p r s t q Figura1: Grãos de pólen da família Asteraceae: a-b. Achyrocline satureioides a. VP; b. VE; c-d. Aspilia montevidensis c.

Leia mais

%./ Z.W;E[\]^C_` B H H

%./ Z.W;E[\]^C_` B H H 1 3 1 7 1 7 1 7 1 7 1 7 1 7 1 7 1 7 1 7 1 7! 1 7! 1 7" 1 7 1 7 1 7! 1 7 1 7 1 7 1 7 1 7 1 7 1 7!"# $%&' 1 7 1 7' 1 7 1 7 1 7 1 7( 1 7) 1 7!!" 1 7 1 7 1 7 1 7 *+,-./# $%&' 1 7 1 701' 1 7 1 7 1 7"#) 1 7!!!!

Leia mais

A trigonometria do triângulo retângulo

A trigonometria do triângulo retângulo A UA UL LA A trigonometria do triângulo retângulo Introdução Hoje vamos voltar a estudar os triângulos retângulos. Você já sabe que triângulo retângulo é qualquer triângulo que possua um ângulo reto e

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E MEMORIAL DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRO

MEMORIAL DESCRITIVO E MEMORIAL DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRO MEMORIAL DESCRITIVO E MEMORIAL DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRO CONSTRUÇÃO AC SÃO PAULO DE OLIVENÇA / AM TIRADENTES, S/Nº- CENTRO CEP 69.600-000 SÃO PAULO DE OLIVENÇA/AM GEREN/DR/AM MANAUS mal/smds MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Semestre de Inverno 2010/2011. Cálculo I. Caderno de exercícios 2

Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Semestre de Inverno 2010/2011. Cálculo I. Caderno de exercícios 2 Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Semestre de Inverno 2010/2011 Cálculo I Caderno de exercícios 2 Paulo Corte-Real Ernesto Freitas Claudia Alves David Antunes Silvia Guerra 1 0 12,+,3,456)

Leia mais

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B.

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. I- CONCEITOS INICIAIS - Distância entre dois pontos na reta E) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. d(a,b) = b a E: Dados os pontos A e B de coordenadas

Leia mais

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe A H,0 Li 7,0 Na 2,0 9 K 9,0 7 Rb 85,5 55 Cs,0 87 Fr (22) 2 2A Be 9,0 2 Mg 2,0 20 Ca 0,0 8 Sr 88,0 56 Ba 7,0 88 Ra (226) Elementos de Transição B B 5B 6B 7B 8B B 2B 5 6 7 A A 5A 6A 7A 78,5 8,0 8,0 86,0

Leia mais

2 UKWELI % &' (! $ ' ')#&' &'!* 2-../ 1! '2344&567839:;&3...7< 8(==>?3@.A-.:-B.;;9 !7$9.>:B:?>3:3>3 6822 3, F &I &5

2 UKWELI % &' (! $ ' ')#&' &'!* 2-../ 1! '2344&567839:;&3...7< 8(==>?3@.A-.:-B.;;9 !7$9.>:B:?>3:3>3 6822 3, F &I &5 2 UKWELI!" #$ % ' (! $ ' ')#' '!*!"#$ %' (+,-./ 1!)* +,,# $ %-... "/- 2-../ 1! '2344567839:;3...7< 5178 8(==>?3@.A-.:-B.;;9 >(CDC E(FFFC!7$9.>:B:?>3:3>3 G (+CH (IF7!F2 5 (EJ2 6822 3, F I 5 Índice 4 5!"#7

Leia mais

t " u _A ~ _t-º-!):_~_ª _

t  u _A ~ _t-º-!):_~_ª _ 0 0,_,_,, 0.0 _ 0.0. _. _ ' ASSUNTO CÂMARA DOS DEPUTADOS (' 1J?l J77 f3,4 ) t " u _A ~ _t-º-!):_~_ª _ uºu._ $ _~~_h? _~.P _~p~ t:_a9 C? u!l.ªq _~E.1a._~u_ªe. u _B.?:! :"fg s._ Xt. _~ _b-º-_ u_ªu up.9._~_t.j.

Leia mais

valdivinomat@yahoo.com.br Rua 13 de junho, 1882-3043-0109

valdivinomat@yahoo.com.br Rua 13 de junho, 1882-3043-0109 LISTA 17 RELAÇÕES MÉTRICAS 1. (Uerj 01) Um modelo de macaco, ferramenta utilizada para levantar carros, consiste em uma estrutura composta por dois triângulos isósceles congruentes, AMN e BMN, e por um

Leia mais

PEA 2400 - MÁQUINAS ELÉTRICAS I 60 CARACTERIZAÇÃO DAS PERDAS E RENDIMENTO NO TRANSFORMADOR EM CARGA: PERDAS NO FERRO (HISTERÉTICA E FOUCAULT)

PEA 2400 - MÁQUINAS ELÉTRICAS I 60 CARACTERIZAÇÃO DAS PERDAS E RENDIMENTO NO TRANSFORMADOR EM CARGA: PERDAS NO FERRO (HISTERÉTICA E FOUCAULT) PEA 400 - MÁQUINAS ELÉTRICAS I 60 CARACTERIZAÇÃO DAS PERDAS E RENDIMENTO NO TRANSFORMADOR EM CARGA: PERDAS NO FERRO (HISTERÉTICA E FOUCAULT) PERDAS CONSTANTES: p C INDEPENDENTES DA CARGA EFEITO DO CAMPO

Leia mais

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) Prof.: João Arruda e Henriette Righi. Atenção: Semana de prova S1 15/06 até 30/06

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) Prof.: João Arruda e Henriette Righi. Atenção: Semana de prova S1 15/06 até 30/06 Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) Prof.: João Arruda e Henriette Righi Maio/2015 Atenção: Semana de prova S1 15/06 até 30/06 LISTA DE EXERCÍCIOS # 2 1) Um corpo de 2,5 kg está

Leia mais

$ " ( % . &/0.1 (+ 2 / */ & 4*"53 7==78&9 +! :% 5 333A 3B4 3 >! % :3 (C!4"3 .?*9E=;F;#F=#<<F#"FE 3& &>! 4 3 C43 3%;3#%<=30.!

$  ( % . &/0.1 (+ 2 / */ & 4*53 7==78&9 +! :% 5 333A 3B4 3 >! % :3 (C!43 .?*9E=;F;#F=#<<F#FE 3& &>! 4 3 C43 3%;3#%<=30.! ! " $ " %!' ( % )*!+ %),-+. /0.1 (+ 2 / */ 2-3-2 4*"53 7==789 +! :% 5 333A 3B4 3 >! % :3 (C!4"3

Leia mais

FÍSICA. Questões de 01 a 06

FÍSICA. Questões de 01 a 06 FIS. 1 FÍSICA Questões de 01 a 06 01. Um estudante de Física executou um experimento de Mecânica, colocando um bloco de massa m = 2kg sobre um plano homogêneo de inclinação regulável, conforme a figura

Leia mais

Energia Eólica. A ATMG oferece Soluções Eólicas de baixo custo específicas para cada capacidade de consumo.

Energia Eólica. A ATMG oferece Soluções Eólicas de baixo custo específicas para cada capacidade de consumo. Energia Renovável Energia Limpa Com a crescente preocupação em torno das questões ambientais e devido aos impactos causados pelas formas tradicionais de geração de energia, vários países vêm investindo

Leia mais

6% (" ) ( ( 7 (- +/011-

6% ( ) ( ( 7 (- +/011- !" #$% & & '#$ (()) ""*) )*()+,!"#$#%&"'"("!)()*"! ) +!"!)",(,("- ((-.),(/( *(. 0(( )(($ 0(( 1) "#!)")()*.& "%&""")()*").""" 2 */3445 6% (" ) ( ( 7 (- (( ( "((*((. "("(89 +/011- $ 2!#!#&)%).%$3%2 $&)#"#)"4"#)""2

Leia mais

APOSTILA DE FÍSICA II BIMESTRE

APOSTILA DE FÍSICA II BIMESTRE LICEU DE ESUDOS INEGRADOS Aluno:... Data:... Série: º ano do ENSINO MÉDIO Professor: Marcos Antônio APOSILA DE FÍSICA II BIMESRE ERMODINÂMICA É a ciência que estuda as relações entre o calor o trabalho,

Leia mais

Lógica de Predicados

Lógica de Predicados Lógica de Predicados Conteúdo Correção Exercícios Operações Lógicas sobre Predicados Condicional Quantificador de Unicidade (Rosen 37) Quantificadores com Restrição (Rosen 38) Tradução Português-Lógica

Leia mais

#)*389)+63+/*$0)/*$' Página 3/34

#)*389)+63+/*$0)/*$' Página 3/34 ! " Página 1/34 $%')*+,))-*).$/+.0$+1$2 $0 3/4)*$5'$6*)$*+*+30+$7/++89) 0-$6+/7)0*+*)'$/+1)'+:;)+6)*$,),$++$7$,7+89)5$6*)'*).3-/7+*+ *$ 6)1) + $7/++89) 0-$6+/ 7)0./$+;.$'$6$ $7/++89) *+ < +.0$+ *$7/++89)

Leia mais

Levantamento. Levantamento altimétrico:

Levantamento. Levantamento altimétrico: Levantamento planimétrico trico: projeção plana que não traz informações acerca do relevo do terreno levantado; somente acerca de informações relativas à medições feitas na horizontal. Levantamento altimétrico:

Leia mais

DISCIPLINA TOPOGRAFIA B NIVELAMENTO TRIGONOMÉTRICO

DISCIPLINA TOPOGRAFIA B NIVELAMENTO TRIGONOMÉTRICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA TERRA DEPARTAMENTO DE GEOMÁTICA DISCIPLINA TOPOGRAFIA B NIVELAMENTO TRIGONOMÉTRICO DR. CARLOS AURÉLIO NADAL PROFESSOR TITULAR Equipe do USGS - 1902 Equipe

Leia mais

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe 27,0 28,1 31,0 32,1 35,5 39,9 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7.

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe 27,0 28,1 31,0 32,1 35,5 39,9 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7. PRVA DE QUÍMICA º 2º 3º 4º 5º 6º 7º TABELA PERIÓDICA DS ELEMENTS (IA),0 3 Li 6,9 Na 23,0 9 K 39, 2 (IIA) 4 Be 9,0 2 Mg 24,3 3 (III B) 4 5 6 7 8 9 0 2 20 2 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Ca Sc Ti V Cr Mn Fe

Leia mais

Design de aplicativos moveis

Design de aplicativos moveis Design de aplicativos moveis Os dispositivos móveis mais comuns : S m a r t p h o n e ; P D A ; Te l e m ó v e l ( pt) / C e l u l a r ( br); C o n s o l e p o r t á t i l ; U l t r a M o b i l e P C ;

Leia mais

PLANO DE TRABALHO PARA INICIAÇÃO CIENTÍFICA

PLANO DE TRABALHO PARA INICIAÇÃO CIENTÍFICA PLANO DE TRABALHO PARA INICIAÇÃO CIENTÍFICA Candidato(a): Orientador(a): Nivaldo Carlos da Silva Título do Plano de Trabalho: Determinação do potencial de radônio geogênico - GEORP no município de Poços

Leia mais

* +,,- 5%67. 5%5%8 # ! " #$ %& ' %( ) .

* +,,- 5%67.  5%5%8 # !  #$ %& ' %( ) . http://indicadores.ethos.org.br/relatorioexternodiagnostico.aspx?id=1,2,,4,&ano=2007&questionari... Página 1 de 2 " # & ' "# * +,,-. * ' * //0 /1 2 &* '4/*5 / * / 1& &'56 ' &* 4/ &'*5 * 4 /*1 4' '4' &

Leia mais

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS FACULDADES UNIFICADAS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 REGULAMENTO DO NÚ CLEO DE PRÁ TICA JURÍ DICA DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE

Leia mais

24/Abril/2013 Aula 19. Equação de Schrödinger. Aplicações: 1º partícula numa caixa de potencial. 22/Abr/2013 Aula 18

24/Abril/2013 Aula 19. Equação de Schrödinger. Aplicações: 1º partícula numa caixa de potencial. 22/Abr/2013 Aula 18 /Abr/013 Aula 18 Princípio de Incerteza de Heisenberg. Probabilidade de encontrar uma partícula numa certa região. Posição média de uma partícula. Partícula numa caixa de potencial: funções de onda e níveis

Leia mais