Relatório de Sustentabilidade da AXA Portugal 2008

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Sustentabilidade da AXA Portugal 2008"

Transcrição

1 Relatório de Sustentabilidade da AXA Portugal 2008 redefinimos standards

2 página sumário Mensagem do Presidente da AXA Portugal 01. Quem somos 1.1. A identidade da AXA O que fazemos A nossa ambição e os nossos valores O que nos diferencia 1.2. A AXA envolve-se 02. O retrato da sustentabilidade em Desempenho da AXA Portugal: visão geral Factos marcantes Reconhecimento e prémios Evolução dos principais indicadores de desempenho Os nossos compromissos pela sustentabilidade 2.2. A estratégia de desenvolvimento sustentável Os eixos da estratégia A sustentabilidade num ano difícil As partes interessadas da AXA Portugal Envolvimento com as partes interessadas 03. O contexto económico: continuar a ser uma empresa sólida e responsável 3.1. A AXA no contexto de crise económica A gestão de risco: ferramenta base da solidez e sustentabilidade 3.2. Desempenho económico Desempenho do sector segurador Resultados da AXA Gestão de activos Os impactos económicos indirectos da nossa actividade Colaboradores participam no capital da AXA 04. A excelência do serviço como uma prioridade 4.1. Pensar e agir Cliente A conjuntura de mercado A nossa resposta: Virar a Empresa para o Cliente O envolvimento dos Agentes 4.2. O novo espírito AXA: redefenimos standards O contexto que leva ao reposicionamento A estratégia de prova e a redefinição da identidade AXA 4.3. Os resultados: padrões de serviço mais elevados Principais medidas introduzidas 4.4. Agimos quando é preciso Gabinete de Crise Projecto Grandes Incapacitados 4.5. A nossa política com os Fornecedores Código Deontológico Cláusula de responsabilidade social nos contratos Projecto-piloto de avaliaçãode fornecedores: ECOVADIS

3 Manter a confiança de quem trabalha connosco 5.1. Investimos na formação e na valorização de competências Formámos os Colaboradores para Virar a Empresa para o Cliente Formámos 64 Especialistas em Sistemas Privados de Reforma A AXA certificada em Formação RVCC Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências Sensibilização para o Desenvolvimento Sustentável 5.2. Escutamos para sermos o empregador preferido Scope Colaborador 5.3. Pela diversidade e o equilíbrio da vida profissional e pessoal Projecto Diversidade e Inclusão Mais equilíbrio e bem-estar na vida dos Colaboradores Comunicação interna - partilha e envolvimento 06. O nosso contributo para a comunidade 6.1. Estudamos as problemáticas da sociedade Especializamo-nos na problemática da reforma Fomentamos a prevenção rodoviária Apoiamos a reflexão sobre a problemática da saúde no futuro Outras iniciativas de partilha de conhecimento 6.2. O apoio social e cultural da AXA Fundação AXA Corações em Acção: 10 anos a oferecer tempo a quem mais precisa Mecenato e patrocínios 07. O nosso contributo para um ambiente melhor 7.1. Compromissos com entidades para a protecção ambiental 7.2. Um sistema de gestão ambiental para diminuir os impactos da nossa actividade AXA Verde Novas iniciativas Boas práticas que prevalecem 7.3. Mais sustentabilidade ambiental através da oferta de produtos 08. Informação complementar 8.1. Perfil da empresa 8.2. Governo da empresa 8.3. Política de Recursos Humanos Equilíbrio entre a vida profissional e pessoal Formação, desenvolvimento e incentivo à aprendizagem Benefícios sociais Zelar pela saúde e bem-estar no local de trabalho Outros indicadores de desempenho 09. Sobre este relatório 9.1. Determinação de relevância 9.2. Grupos-alvo do relatório 9.3. Metodologia usada 9.4. Carta de verificação independente 10. Indicadores e sumário GRI As imagens usadas nos separadores deste relatório representam uma selecção de fotografias enviadas pelos Colaboradores da AXA para o Concurso de fotografia interno sobre sustentabilidade Eu faço a diferença.

4 4 RELATÓRIO DE ACORDO COM AS DIRECTRIZES DA GRI Considerámos que o presente Relatório de Sustentabilidade está em conformidade com o nível A+ das directrizes para a elaboração dos relatórios de Sustentabilidade da Global Reporting Initiative (GRI/G3). Esta auto-avaliação foi validada pela GRI e pela PricewaterhouseCoopers, responsável pela verificação independente deste relatório. NÍVEIS DE APLICAÇÃO C C+ B B+ A A+ Auto-declaração Validado pela entidade externa Validado pela GRI Título: Relatório de Sustentabilidade da AXA Portugal 2008 Responsável da edição: AXA Portugal, Companhia de Seguros, SA. Concepção e coordenação: Inspire, Comunicação para o Desenvolvimento Sustentável Paginação: Vvork Design new media design Edição: Junho 2009 Para todos os esclarecimentos relativos a este relatório, contacte: Luciana Silva Responsável pelo Desenvolvimento Sustentável Telefone:

5 João LEANDRO Presidente do Conselho Executivo 5

6 6 Para os próximos anos, o grande desafio é a perenidade, é agir no presente sem com isso hipotecar o futuro. Queremos actuar de forma responsável em todas as vertentes do nosso desempenho, mas principalmente fazer a diferença no nosso core business, continuando com políticas de rigoroso controlo dos riscos e de investimentos bem ponderados. RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE // 2008 // MENSAGEM Oano 2008 ficou marcado por uma conjuntura económica e financeira difícil, a nível global. O sector segurador não esteve, no entanto, na génese ou no centro da crise, nem foi o mais afectado. A AXA Portugal prossegue, assim, de forma consecutiva e estruturada, o seu objectivo central, no âmbito do que normalmente designamos como Ambição 2012: ganhar a preferência de Clientes, Distribuidores e Colaboradores. Aceitamos com transparência que haverá impactos económicos e financeiros a curto e médio prazo a que ninguém, incluindo nós próprios, pode escapar. Mas estamos certos de que com a recuperação a que se assistirá mais cedo ou mais tarde, estaremos no pelotão da frente, porventura mais fortes, mais capazes, mais reconhecidos. Somos seguradores e investidores responsáveis. A ausência de problemas significativos, quer na AXA Portugal, quer no Grupo AXA, derivou de políticas tarifárias e de subscrição adequadas, de políticas de investimento seguras, de políticas de gestão de risco efectivas que não foram obra do acaso. Estamos certos que continuando e aprofundando as políticas atrás referidas, os nossos Clientes terão todas as razões para continuar a confiar em nós. Através de um estudo recente, levado a cabo pelo Grupo AXA a nível internacional sobre a falta de confiança e credibilidade dos consumidores no mercado segurador, retirámos múltiplas e interessantes conclusões, mas que não constituem propriamente novidade. Todos percebemos que existe ainda um longo caminho a percorrer para que o Cliente não percepcione uma diferença tão grande entre o que se promete no momento da contratação e o que se cumpre nos diferentes momentos da verdade da relação. Confesso que sou hoje bem mais optimista do que já fui nesta matéria, sendo constatável uma melhoria sensível na relação com os Clientes, seja por efeito de quadros legais mais exigentes e impositivos, seja por força da acção dos órgãos de defesa dos consumidores, seja ainda por iniciativa das próprias empresas, como é o nosso caso. A este respeito, temos um conjunto de iniciativas que vão no sentido de assumirmos um conjunto de compromissos com os nossos Clientes e Distribuidores e, assim, passarmos do terreno das promessas para o terreno da prova. Ter o Cliente de forma permanente no centro das nossas atenções, estarmos sempre disponíveis e procurarmos ser sempre dedicados e fiáveis será fundamental para vencermos a desconfiança e ganharmos credibilidade. Esta nossa estratégia está, obviamente, aliada a uma estratégia de sustentabilidade. O último relatório, que foi também o nosso primeiro, permitiu- -nos ter uma visão integrada de tudo o que estamos a fazer na AXA em matéria de desenvolvimento sustentável. Entretanto, estamos a explorar novos caminhos. No seguimento do que já havíamos feito com o AXA Barómetro Reforma - para melhor compreendermos e estarmos habilitados a dar resposta aos problemas da sustentabilidade dos regimes públicos de reforma e, também, aos que decorrem do aumento da esperança de vida da população - criámos o AXA Barómetro Prevenção Rodoviária. Trata-se de um estudo exaustivo que nos permite participar na discussão sobre a sinistralidade rodoviária e contribuir para a formulação de políticas de prevenção e segurança nas estradas. O micro seguro é outro dos temas a que estamos particularmente atentos. Para os próximos anos, o grande desafio é a perenidade, é agir no presente sem com isso hipotecar o futuro. Queremos actuar de forma responsável em todas as vertentes do nosso desempenho, mas principalmente fazer a diferença no nosso core business, continuando com políticas de rigoroso controlo dos riscos e de investimentos bem ponderados.

7 Somos 942 pessoas comprometidas em proteger os riscos financeiros de Clientes. Somos uma equipa de mãos dadas para nos tornarmos a seguradora preferida, guiada por uma actuação responsável e empenhada no desenvolvimento sustentável. 01. quem somos Fotografia vencedora do 3.º prémio do concurso Eu faço a diferença. Pedro Carvalho Oliveira & Amigos

8 RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE // 2008 // QUEM SOMOS A identidade da AXA O que FAZEMOS Aactividade da AXA consiste na protecção dos riscos financeiros dos seus Clientes. Isso implica desenvolver produtos e serviços de seguros, previdência, poupança e transmissão de património, que lhes permitam prosseguir os seus objectivos de vida e abraçar desafios com mais tranquilidade, contando com a garantia de que se acontecer algum infortúnio, a sua seguradora ajudará a compensar ou a minimizar os danos. Pela natureza do nosso negócio, estabelecemos relações de longo prazo com os nossos Clientes. A sustentabilidade é, naturalmente, inerente à nossa actividade. SOLUÇÕES DA AXA PORTUGAL CLIENTES TOTAL CLIENTES Particulares Empresas SOLUÇÕES Vida Saúde Acidentes pessoais Responsabilidade civil Animais domésticos Construção Comércio Energias Renováveis Património Trabalho Investimentos Reforma Desporto Lazer Indústria Transportes Clientes particulares e empresas confiam nos produtos e serviços da AXA Portugal 942 Colaboradores estão mobilizados para oferecer o melhor serviço e oferta adaptados aos nossos Clientes participações em acções de voluntariado 579,6 milhões de euros de volume de negócios 37,9 milhões de euros de resultado líquido 78,2 milhões de euros de resultado operacional

9 10 A nossa AMBIÇÃO e os nossos VALORES PROFISSIONALISMO RESPEITO PELA PALAVRA A nossa Ambição Todos juntos, prosseguimos a realização de uma ambição comum: ser a referência no nosso negócio a Protecção Financeira pela qualidade dos nossos produtos e serviços e pelo nosso desempenho. INOVAÇÃO ESPÍRITO DE EQUIPA REALISMO Disponível ATITUDES-CHAVE Estamos disponíveis quando os nossos Clientes precisam de nós e ouvimo-los, verdadeiramente. Fiável Dedicado Dizemos o que fazemos e fazemos o que dizemos, concretizamos as nossas promessas e mantemos os nossos Clientes informados, para que possam confiar em nós. Tratamos os nossos Clientes com compreensão e consideração, oferecemos aconselhamento personalizado em cada etapa da sua vida e recompensamos a sua lealdade.

10 RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE // 2008 // QUEM SOMOS 11 O que nos DIFERENCIA A RESPONSABILIDADE empresarial Exercemos a nossa actividade de forma responsável, respeitando valores e compromissos para com os nossos parceiros. A nossa acção passa por uma gestão de riscos rigorosa, pela luta contra o branquamento de capitais, pela actuação no domínio da prevenção, mas também pela acção social e ambiental. A SOLIDEZ financeira Uma política de investimento e uma gestão de risco criteriosa permitem-nos atravessar com estabilidade financeira este contexto de crise económica. Sinal disso é o facto de 57,8% dos Colaboradores terem investido, em 2008, na compra de acções do Grupo AXA, num valor que ascendeu a euros. Uma cultura de promoção do BEM-ESTAR dos Colaboradores Investimos numa política de conciliação entre o trabalho e a vida pessoal. Medidas como o Horário Flexível, a Semana Sénior (com apenas quatro dias de trabalho para os Colaboradores com mais de 57 anos, mantendo-se o total da remuneração) e outros benefícios traduziram-se, uma vez mais, em dois prémios relativos à política de apoio familiar aos Colaboradores. A aposta na CREDIBILIDADE Os consumidores exigem maior credibilidade e eficiência e mais provas que promessas. O projecto transversal Virar a Empresa para o Cliente, no âmbito do qual estamos a aperfeiçoar os nossos serviços, visa isso mesmo. Dispomos também, desde 2001, muito antes de tal ser regulado, de uma provedoria de Cliente interna para resolver qualquer reclamação com a máxima atenção e rapidez. Uma cultura de comunicação horizontal A comunicação interna é a chave para a consolidação da cultura de empresa e do espírito de equipa. Destacamos o Vídeo Vai Quem Quer, um encontro mensal de reflexão e debate entre os membros do Conselho Executivo e os Colaboradores e o contacto directo com o Presidente do Conselho Executivo no Porta Aberta à Conversa com o Presidente. A PRESERVAÇÃO do meio ambiente Para os seus Clientes, a AXA adapta a sua organização e política de subscrição com o objectivo de responder às necessidades de protecção do risco ambiental. A nível interno, a empresa coloca progressivamente em prática os meios para assegurar o seu próprio equilíbrio ecológico. Um compromisso com a SOLIDARIEDADE Agimos junto da comunidade para ajudar a um desenvolvimento mais próspero. Com a criação da Fundação AXA Corações em Acção em 1998, a AXA orgulha- -se de ser uma empresa interventora e cidadã.

11 A AXA envolve-se Aselecção e integração do Grupo AXA em índices financeiros ou empresariais que se baseiam em critérios de sustentabilidade são aspectos fundamentais para avaliar o desempenho da AXA no âmbito do desenvolvimento sustentável. O Grupo AXA está integrado desde 2007 neste índice bolsista, que selecciona as empresas com melhor desempenho no campo da sustentabilidade em todo o mundo. O Grupo AXA mantém-se neste índice bolsista desde 2003, o qual mede o desempenho das empresas de acordo com critérios de responsabilidade social. O ASPI Eurozone Advanced Sustainable Performance Índex, que o Grupo AXA integra, lista 120 empresas da zona Euro com o melhor desempenho sustentável. Estas empresas são cotadas pela agência francesa Vigeo, de acordo com seis critérios de responsabilidade social. A AXA Portugal e o Grupo AXA estão ainda comprometidos na defesa e promoção do desenvolvimento sustentável, através da adesão a instituições e da participação em projectos que se dedicam à reflexão dos desafios e oportunidades que se colocam neste âmbito ao mundo empresarial em geral e, em particular, ao sector dos serviços financeiros. AXA Portugal A AXA Portugal faz parte do BCSD Portugal, desde 2006, a rede local da maior organização empresarial mundial para a promoção do Desenvolvimento Sustentável nas empresas. A AXA Portugal é membro fundador da rede RSO, uma plataforma nacional constituída por associações, empresas, universidades, instituições particulares de solidariedade social (IPSS) e organizações não-governamentais (ONG), que tem como missão desenvolver, operacionalizar e incorporar as ferramentas de responsabilidade social nas organizações. Grupo AXA Apoiada pelo Pacto Mundial, ao qual o Grupo AXA aderiu em 2002, a iniciativa Caring for Climate: The Business Leadership Platform é uma rede de empresas à qual a AXA se juntou em 2008, que pretende liderar o debate e acção em torno da problemática das alterações climáticas. Esta plataforma conta ainda com o apoio do WBCSD (World Business Council for Sustainable Development) e do UNEP (United Nations Environmental Programme). A AXA Investment Managers aderiu em 2007 aos Princípios de Investimento Responsável, uma iniciativa lançada sobre a égide das Nações Unidas para promover junto dos investidores a inclusão de critérios de ordem social, ética e ambiental nas suas decisões de investimento. Desde 2002, o Grupo AXA faz parte do UNEP FI Iniciativa do Programa das Nações Unidas e do Sector Financeiro e Segurador para a Sustentabilidade e está activamente envolvida na reflexão sobre o contributo do sector segurador para a sustentabilidade do planeta. O Carbon Disclosure Project é uma organização sem fins lucrativos, independente, cujo objectivo é facilitar o diálogo entre investidores e empresas sobre as implicações das alterações climáticas, a partir do qual possa emergir uma resposta fundamentada a estas problemáticas. Para a AXA, enquanto investidora, a participação nesta iniciativa revela-se importante nas suas decisões de investimento e na avaliação dos riscos e oportunidades que constituem os impactos das emissões de carbono.

12 Iniciar uma estratégia de desenvolvimento sustentável é estar a caminho, numa perspectiva de melhoria contínua, com renovados desafios e compromissos. 02. Retrato da sustentabilidade em 2008 Fotografia: Áurea Soares

13 RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE // 2008 // O RETRATO DA SUSTENTABILIDADE EM Desempenho da AXA Portugal: visão geral Factos MARCANTES A AXA Portugal ocupa a segunda posição no ranking de seguros Não Vida no mercado português. A marca AXA reposiciona-se no mercado, com a criação de uma nova assinatura redefinimos standards cujas atitudes-chave são a disponibilidade, a fiabilidade e a dedicação para com os Clientes. A AXA torna-se na segunda seguradora certificada em Formação, em Portugal. A AXA Portugal é a única seguradora: - A participar na cooperação transnacional Equal Pro(E)Quality, fruto da parceria com o CITE, ISCTE, CESIS, entre outras entidades, no projecto Diálogo Social e Igualdade nas Empresas, promovido pelo Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social; - A assinar o contrato de fundação da RSO, rede de Responsabilidade Social das Organizações, com o apoio da EQUAL e do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social; - A assinar o Código de Conduta Empresas e VIH, promovido pela Plataforma Laboral Luta Contra a Sida.

14 16 Reconhecimento e PRéMIOS Prémio Melhor Empresa para Trabalhar, pelo terceiro ano consecutivo, atribuído pela Exame e a Heidrick&Struggles. Top 21 dos best players em práticas de sustentabilidade de acordo com o Estudo de Sustentabilidade 2008 da Heidrick&Struggles. 1.º Prémio Empresa Mais Familiarmente Responsável 2008, atribuído pela Deloitte e AESE Escola de Direcção e Negócios, na 4.ª edição desta iniciativa. Uma das três nomeadas para o Prémio Desenvolvimento Sustentável, no âmbito do Prémio CCILF Desenvolvimento Institucional, da Câmara do Comércio Luso-Francesa. Duas nomeações para os Green Project Awards na Categoria Relatório de Sustentabilidade e Projectos Redução de Consumo. Prémio Empresa Mais Familiarmente Responsável º Prémio Mind Leaders Awards promovido pela AIP-CE (Associação Industrial Portuguesa Confederação Empresarial), na categoria Gestão de Seguros. Este prémio tem como objectivo conhecer o nível de percepção e recordação relativamente às marcas organizacionais que prestam serviços e/ou vendem produtos, tendo sido realizado junto de profissionais que actuam na área de Recursos Humanos das organizações. Prémio Desenvolvimento Sustentável da Câmara do Comércio Luso-Francesa

15 RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE // 2008 // O RETRATO DA SUSTENTABILIDADE EM 2008 Evolução dos principais indicadores de DESEMPENHO 17 INDICADORES ECONÓMICOS * Prémios Emitidos (1) Resultado Operacional (2) Resultado Líquido SOCIAIS N.º Colaboradores Contratos sem termo 909 (95%) 905 (96%) Mulheres em cargos de direcção 29% 33% Horas formação direcção e quadros superiores Horas formação quadros médios, profissionais altamente qualificados e semi-qualificados Pacote benefícios sociais * Horas de voluntariado Donativos à comunidade * 463,4 343 AMBIENTAIS Consumo papel (ton) 90,19 91,72 Consumo papel reciclado (ton) 52,42 59,59 Separação de papel (ton) 43,68 65,28 Consumo energia (Kwh) Consumo água (m 3 ) (1) Seguro Directo e Resseguro Aceite (2) Resultado antes de mais e menos valias, bruto de imposto *Unidade: Milhares de Euros INFORMAÇÃO COMPLETA INDICADORES GRI PáG. 122

16 18 Os nossos compromissos pela SUSTENTABILIDADE COMPROMISSOS DE 2007 DIMENSÃO PARTE INTERESSADA ESTADO SITUAÇÃO CONCRETIZAÇÃO Divulgar relatório das reclamações ao Provedor do Cliente Económica Clientes Este compromisso necessitou de ser adiado dada a nova legislação relativa à figura do Provedor do Cliente Externo. A provedoria de cliente interna da AXA deverá, assim, sofrer uma reformulação enquanto canal de diálogo privilegiado com o Cliente, por questões de uniformização de comunicação. Em todo o caso, neste relatório divulgamos as informações mais relevantes do relatório do Provedor do Cliente. 1.º Semestre 2009 Divulgar os inquéritos de satisfação Económica Clientes Os conteúdos já estão preparados e serão colocados no site. 1.º Semestre 2009 Reformular os contratos de seguros e validar a sua inteligibilidade Económica Clientes A reformulação já foi concluída. Os contratos encontram-se neste momento em fase de teste para averiguar a clareza e compreensão da informação. 1.º Semestre 2009 Identificar as partes interessadas Económica, ambiental e social Partes interessadas/ geral Uma vez que a identificação já tinha sido realizada com base em critérios de influência e dependência por parte do Grupo AXA partimos dessa base e mediante um desdobramento para o contexto português, identificámos claramente em cada grupo quem eram as partes interessadas prioritárias da AXA Portugal Consultar as partes interessadas e reportar as suas expectativas Económica, ambiental e social Partes interessadas/ geral Foram consultados para este relatório Clientes sinistrados, Colaboradores e entidades da comunidade. São igualmente divulgadas as conclusões dos diagnósticos de satisfação regulares a Colaboradores, Clientes e Distribuidores. 2008/2009 Sensibilizar para as temáticas da sustentabilidade Económica, ambiental e social Colaboradores Foram realizadas diversas formações externas organizadas por entidades como o BCSD, acções de sensibilização internas e um concurso de fotografia aberto a toda a empresa sobre o tema. As fotografias resultantes desse concurso, na qual participaram 35 Colaboradores, são divulgadadas neste relatório Criar um grupo de trabalho interno para estudar a temática e a criação de novos produtos ligados à sustentabilidade Económica, ambiental e social Clientes/ sociedade Foi já criado um grupo de trabalho composto pelos Alfas e será realizada mais uma acção de formação Criar um documento sobre os desafios do sector Económica, ambiental e social Colaboradores Pretendemos desenvolver um documento mais ambicioso que tenha, para além dos desafios e riscos, um resumo da reflexão e das conclusões obtidas do trabalho desenvolvido pelos Alfas Criar um site de aconselhamento relativo às questões da reforma Económica e social Clientes/ sociedade Os conteúdos já estão preparados e vão ser colocados no site Promover o diálogo em torno de questões relativas ao risco sísmico Económica e social Sociedade Este diálogo está a ser mantido no âmbito da Associação Portuguesa de Seguradores Não concretizado Em fase de concretização Concretizado

17 RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE // 2008 // O RETRATO DA SUSTENTABILIDADE EM COMPROMISSOS DE 2007 DIMENSÃO PARTE INTERESSADA ESTADO SITUAÇÃO CONCRETIZAÇÃO Promover o diálogo relativo à questão dos resíduos dos salvados Ambiental Sociedade Este diálogo está a ser mantido no âmbito da Associação Portuguesa de Seguradores (APS) Reduzir em 5% o consumo energético Económica e ambiental Sociedade/ ambiente Entre 2006 e 2008 reduzimos em 7,9% o consumo de energia (por FTE *) Reduzir em 2,5% o consumo de papel Económica e ambiental Sociedade/ ambiente Entre 2006 e 2008 verificámos uma grande redução de consumo de papel (45%), a qual pretendemos continuar durante 2009, para alcançar a redução de mais de 2,5% Reduzir em 6% o consumo de água Económica e ambiental Sociedade/ ambiente Entre 2006 e 2008 aumentámos ligeiramente o consumo de água em 0,2% (por FTE*). Pretendemos inverter esta tendência em 2009, para alcançar o objectivo de reduzir o consumo em 6% Adoptar medidas para promover o uso racional da água nas instalações Económica e ambiental Sociedade/ ambiente Sempre que é necessária a substituição de torneiras, são colocados modelos com temporizador ou com sensor de movimento. Nos urinóis foram introduzidos fluxómetros automáticos. Realizamos inspecções periódicas às instalações para verificação de fugas de água, nas quais se prevê uma actuação imediata, em caso de problema Reduzir o consumo eléctrico Económica e ambiental Sociedade/ ambiente Para além do "Apagão" (fecho automático das luzes dos edifícios a partir de determinada hora, iniciativa que já realizávamos), estamos a substituir as lâmpadas incandescentes por lâmpadas de baixo consumo em diversos locais, como por exemplo nas escadas dos nossos edifícios. Introduzimos também detectores de movimento nas casas de banho Reduzir as emissões de CO 2 Social e ambiental Sociedade/ ambiente Anualmente, os Colaboradores do Grupo AXA respondem a um inquérito de transportes. Em 2008, verificou-se na AXA Portugal uma diminuição de 8% de CO 2 emitido nas deslocações casa-trabalho Não concretizado Em fase de concretização Concretizado * Número de Colaboradores + número de pessoal externo (inclui todas as pessoas que trabalham nas instalações, medido full time equivalent (FTE), que entra em linha de conta com o absentismo e carga horária. COMPROMISSOS DE 2008 DIMENSÃO PARTE INTERESSADA CONCRETIZAÇÃO Desenvolver um projecto escolar de prevenção rodoviária relacionado com o regresso das férias. Social Clientes/Comunidade 2009 Tornar o site da AXA acessível para pessoas cegas. Social Clientes/público em geral 2009 Desenvolver um espaço no site dedicado à prevenção rodoviária. Desenvolver um espaço no site para a Fundação AXA Corações em Acção, dedicado ao Banco de Tempo para Voluntários externos. Económica e social Clientes 2009 Social Comunidade 2009

18 A estratégia de desenvolvimento SUSTENTáVEL Os eixos da ESTRATéGIA N a AXA, entendemos o desenvolvimento sustentável como um ingrediente estratégico do negócio que passa pela reputação da marca, pela diferenciação e pelo envolvimento empenhado na comunidade. Na definição da estratégia de desenvolvimento sustentável tivemos em linha de conta diversos vectores: São vários os desafios, os riscos e as oportunidades que se colocam ao sector segurador no âmbito da sustentabilidade, de acordo com as conclusões e recomendações do UNEP FI: As alterações climáticas, das quais o aquecimento global é uma das consequências mais graves, constituem um problema que o sector segurador está a estudar para medir e gerir os riscos financeiros que daí advêm e que necessitam de protecção; A adequação de produtos e serviços a segmentos socioeconómicos mais desfavorecidos, tais como o micro seguro ou outros; O envelhecimento da população, por um lado, e a baixa natalidade, por outro, que está a gerar um desequilíbrio do ponto de vista da sustentabilidade financeira dos sistemas de segurança social; Ao nível da saúde, enfrentam-se hoje novos riscos e ameaças relacionadas com os problemas da obesidade, cancro, stress ou outros cujas implicações ainda não se conseguem calcular; A evolução da actividade humana nos diversos domínios da tecnologia, da indústria, da alimentação ou da técnica, trazem também novos riscos que são difíceis de mensurar e, como tal, de proteger do ponto de vista financeiro; A responsabilidade civil e ambiental também tem vindo a ser repensada, devido à crescente consciência em torno do desenvolvimento sustentável e da necessidade de se criar um contexto legal mais exigente que permita prevenir e reparar eventuais danos ambientais de forma mais rigorosa e eficaz; O dever da protecção dos recursos naturais obriga também a que se passe a encarar este bem do ponto de vista do risco financeiro e do estímulo a iniciativas e práticas mais sustentáveis; A transparência e o branqueamento de capitais são problemas que exigem uma particular atenção por parte da AXA enquanto entidade financeira. A orientação global para o desenvolvimento sustentável do Grupo AXA; As expectativas expressas pelas nossas partes interessadas; Os nossos objectivos de negócio enquadrados no contexto socioeconómico local, onde se desenham algumas problemáticas específicas. Neste quadro, os eixos prioritários da estratégia da empresa para 2009 são: O reforço da carteira de serviços e produtos com uma oferta inovadora que promova a sustentabilidade; O fortalecimento de uma qualidade de serviço baseada na confiança e credibilidade; A responsabilidade ambiental e social, através de uma estratégia de minimização do impacto ambiental das suas actividades e através de acções de mecenato; A partilha do seu know-how com a comunidade, nomeadamente ao nível da prevenção rodoviária. A SUSTENTABILIDADE num ano difícil Em 2008, a crise financeira, o disparo dos preços do petróleo e dos produtos alimentares de primeira necessidade, conjugados com uma visão do desempenho de curto prazo vieram demonstrar o que é o risco sistémico. Neste panorama, para a AXA, assim como para muitas outras empresas que partilham da mesma filosofia, fica claro que a adopção de uma estratégia de desenvolvimento sustentável e a procura de um desempenho perene formam o único caminho possível para garantir o nosso futuro.

19 RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE // 2008 // O RETRATO DA SUSTENTABILIDADE EM luciana Silva apresenta um ponto da situação do contributo da AXA para a sustentabilidade, desde o lançamento do primeiro relatório de desenvolvimento sustentável em luciana Silva Responsável pelo Desenvolvimento Sustentável O relatório de sustentabilidade da AXA, publicado em 2008, foi o primeiro do sector em Portugal. Como foi recebido? Foi muito bem recebido. Teve uma grande visibilidade, pois se no sector bancário já existem alguns exemplos nesta matéria, no sector segurador tratou-se de uma verdadeira inovação. Queremos diferenciar-nos, ser uma referência. O Relatório de Sustentabilidade foi a forma certa de nos revelarmos e mostrar o que fazemos, tendo em conta todo o trabalho que já havia sido desenvolvido na AXA em cada uma das três vertentes do desenvolvimento sustentável: a ambiental, a económica e a social. Quais foram os aspectos mais valorizados da vossa política de responsabilidade social e quais são os que representam oportunidades de melhoria? Os aspectos mais valorizados foram sem dúvida os ambientais, como o nosso Projecto AXA Verde que vem sendo desenvolvido desde 2003, e os ligados aos Recursos Humanos, pois acreditamos que só com as pessoas conseguiremos fazer a diferença. A par destes aspectos privilegiamos sempre a nossa intervenção social através da Fundação AXA Corações em Acção. Nos desafios do sector, elegemos o problema do envelhecimento da população, a que tentamos dar resposta com o nosso AXA Barómetro Reforma. As oportunidades de melhoria estão a surgir essencialmente através de parcerias com outras entidades que nos permitem ir um pouco mais longe, quer a nível de Produtos (como é o caso do micro seguro), quer de Formação. Os convites para a adesão a Códigos de Conduta, como o da Comissão Nacional de Luta Contra a Sida, e iniciativas como a Rede Social das Organizações, de que fomos membros fundadores, também nos ajudam a crescer. Um outro exemplo muito bem sucedido foi o projecto Dialógo Social e Igualdade nas Empresas, em que participámos com outras oito grandes empresas dos mais diversos sectores do panorama nacional, e cuja partilha e consequente aprendizagem foi muito interessante. Quais são no seu entender os próximos desafios que a AXA Portugal enfrenta do ponto de vista da sustentabilidade o que tem planeado? Os desafios são muitos, estamos constantemente alerta para novas oportunidades. Temos a sorte de fazer parte de um Grupo que tem inúmeras iniciativas e nos desafia a ir sempre mais longe. Neste momento, uma das nossas preocupações passa por formar os líderes de amanhã, também nestas temáticas. O combate à iliteracia financeira, através da formação e da disponibilização de informação no nosso site que ajude a auto-aprendizagem, dada a realidade actual, é outra das nossas preocupações. num período económico particularmente difícil como este, estabeleceram prioridades na vossa estratégia de desenvolvimento sustentável? Claro que sim, a prioridade é fazer a diferença através da forma de actuação no nosso core business. A AXA quer ser reconhecida como disponível, fiável e dedicada. Cumpridora de tudo a que se compromete. Que não faz promessas vãs, que apresenta provas da sua forma de estar, dando segurança e satisfação a quem em si confia. Os desafios são muitos, estamos constantemente alerta para novas oportunidades. temos a sorte de fazer parte de um Grupo que tem inúmeras iniciativas e nos desafia a ir sempre mais longe.

20 22 As partes interessadas da AXA PORTUGAL AAXA Portugal tomou como partes interessadas principais as definidas pelo Grupo AXA a nível internacional, que abrangem as entidades sobre as quais a organização exerce controlo e/ou influência significativa. Para cada uma delas, existem objectivos específicos. Considerando o contexto português e tendo em conta a estratégia de negócio da empresa, nomeadamente os objectivos da Ambição 2012, realizámos um desdobramento destes grupos e identificámos, dentro de cada um, partes interessadas que consideramos prioritárias: ACCIONISTAS O nosso objectivo é situarmo-nos entre as melhores performances operacionais do sector para dar aos nossos Accionistas perspectivas de valorização do seu património a longo prazo e fornecer-lhes uma informação completa e transparente. CLIENTES Queremos construir com os nossos Clientes uma relação de confiança duradoura e oferecer-lhes um serviço de proximidade eficaz e soluções adaptadas às suas necessidades, no quadro de uma deontologia profissional rigorosa. Grupo AXA Clientes particulares Clientes empresariais Sinistrados Sinistrados terceiros MEIO AMBIENTE Participamos na preservação do meio ambiente através da nossa expertise em riscos ambientais e da melhoria das nossas práticas no seio das nossas empresas. ONG de ambiente Portugal SOCIEDADE CIVIL Comprometemo-nos a agir como uma empresa cidadã, quer disponibilizando a nossa expertise (ensino, acções de prevenção,...), quer sob a forma de inovação social ou ainda de mecenato. Instituto de Seguros de Portugal Associação Portuguesa de Seguradores ONG - Deco ONG - Saúde Jornalistas/Media Concorrência COLABORADORES Desejamos assegurar o desenvolvimento da vida profissional e motivação de cada um dos nossos Colaboradores, através de um ambiente de trabalho respeitador da pessoa humana e de um estilo de gestão responsável, orientado para o desenvolvimento das suas competências. Colaboradores Agentes Gerais Exclusivos Agentes Multimarca/Corretores Potenciais parceiros de negócio Associações e Ordens Profissionais FORNECEDORES Procuramos desenvolver uma relação de qualidade baseada numa deontologia de compra rigorosa e num diálogo contínuo com os nossos Fornecedores. Fornecedores com dependência total Peritos Call Center IPA Fornecedores regulares Advance Care Medis

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação I. CÓDIGO DE ÉTICA 1. Âmbito de Aplicação O presente Código de Ética define os princípios e as regras a observar pela N Seguros, S.A. sem prejuízo de outras disposições legais ou regulamentares aplicáveis

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Instituto Português de Corporate Governance Auditório Victoria 27 de novembro 2013 Ana de Sá Leal economista Abordagem 1. Responsabilidade Social 2. Dimensão 3. Criar Valor 4. Outro

Leia mais

Turismo de Portugal é pioneiro na sustentabilidade

Turismo de Portugal é pioneiro na sustentabilidade Divulgação do primeiro relatório Turismo de Portugal é pioneiro na sustentabilidade O Turismo de Portugal apresentou ontem o seu Relatório de Sustentabilidade, tornando-se no primeiro Instituto Público

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

Corporate Governance e responsabilidade social das empresas

Corporate Governance e responsabilidade social das empresas Corporate Governance e responsabilidade social das empresas Fernando Teixeira dos Santos Presidente da CMVM 1 - Os recentes escândalos financeiros e falências de importantes empresas cotadas chocaram os

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Case study. Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL

Case study. Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL Case study 2009 Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESA A Caixa Seguros e Saúde é a holding do Grupo Caixa Geral de Depósitos e Gente com Ideias é o programa de Responsabilidade

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

Aspectos a Abordar. Como Comunicar na Área dos Resíduos Paula Mendes (LIPOR) paula.mendes@lipor.pt. Porquê Comunicar? Estratégia de Comunicação

Aspectos a Abordar. Como Comunicar na Área dos Resíduos Paula Mendes (LIPOR) paula.mendes@lipor.pt. Porquê Comunicar? Estratégia de Comunicação Como Comunicar na Área dos Resíduos Paula Mendes (LIPOR) paula.mendes@lipor.pt Conferência Gestão e Comunicação na Área dos Resíduos Estoril, 22 de Setembro de 2009 1 Aspectos a Abordar Porquê Comunicar?

Leia mais

Projeto de reflexão, investigação e debate: O investimento das empresas na comunidade

Projeto de reflexão, investigação e debate: O investimento das empresas na comunidade Projeto de reflexão, investigação e debate: O investimento das empresas na comunidade Edição 2011 Uma iniciativa desenvolvida com o apoio da Caixa Geral de Depósitos, da Fidelidade Mundial e da Império

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES. Sessão de Abertura

III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES. Sessão de Abertura III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES Sessão de Abertura A regulação e supervisão da actividade seguradora e de fundos de pensões Balanço, objectivos e estratégias futuras É com

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum

O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum Working Draft Last Modified 30/01/2007 18:09:06 GMT Standard Time O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum Conferência Mercado Laboral: A responsabilidade social das empresas em tempo de crise OJE

Leia mais

Reportar o desempenho de sustentabilidade de uma empresa: O caso EDP

Reportar o desempenho de sustentabilidade de uma empresa: O caso EDP 12 de Outubro 2005 Reportar o desempenho de sustentabilidade de uma empresa: O caso EDP Neves de Carvalho EDP Energias de Portugal SA Existe globalmente uma crise de credibilidade nas instituições que

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT 1 Janeiro de 2014 a 31 de Dezembro de 2014 Construir um mundo melhor começa num Sonho. Quem sonha, partilha o sonho e envolve os outros para agirem. E como diz o poeta a obra nasce! 2 Índice 1. Introdução

Leia mais

Descubra A NOSSA AMBIÇÃO HÁ MAIS DE 25 ANOS: MUDAR A IMAGEM DOS SEGUROS. A RSE, um compromisso e actuação. Os nossos colaboradores

Descubra A NOSSA AMBIÇÃO HÁ MAIS DE 25 ANOS: MUDAR A IMAGEM DOS SEGUROS. A RSE, um compromisso e actuação. Os nossos colaboradores Descubra A NOSSA AMBIÇÃO HÁ MAIS DE 25 ANOS: MUDAR A IMAGEM DOS SEGUROS APRIL, um grupo sólido Grupo Internacional de Serviços de Seguro Bruno ROUSSET Presidente, CEO e fundador do grupo APRIL 6 Cotada

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA

CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA 1. Introdução A materialização da Missão, Visão e Valores de uma Empresa traduz-se na actuação quotidiana dos seus colaboradores, de acordo com práticas éticas consensuais

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

Política de Responsabilidade Social

Política de Responsabilidade Social Política de Responsabilidade Social e Programa 2015 I. ENQUADRAMENTO A criação da Fábrica do Chocolate materializa por si só o sentido de responsabilidade social da empresa e das pessoas envolvidas na

Leia mais

O que é a Responsabilidade Social Empresarial?

O que é a Responsabilidade Social Empresarial? O que é a Responsabilidade Social Empresarial? 1.5. Campos de acção da RSE Resumo O mundo dos negócios é extremamente heterogéneo. Assim as diferentes abordagens e estratégias sobre responsabilidade compromisso

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

Grupo APRIL. APRIL Portugal. Modelo de negócio. Oferta& Serviço. Distribuição. Descubra A NOSSA AMBIÇÃO HÁ MAIS DE 25 ANOS: MUDAR A IMAGEM DOS SEGUROS

Grupo APRIL. APRIL Portugal. Modelo de negócio. Oferta& Serviço. Distribuição. Descubra A NOSSA AMBIÇÃO HÁ MAIS DE 25 ANOS: MUDAR A IMAGEM DOS SEGUROS Descubra A NOSSA AMBIÇÃO HÁ MAIS DE 25 ANOS: MUDAR A IMAGEM DOS SEGUROS , um grupo sólido Grupo Internacional de de Seguro Bruno ROUSSET Presidente, CEO e fundador do grupo 6 Cotada Fundada em 1988 milhões

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS

CÓDIGO DE CONDUTA DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS CÓDIGO DE CONDUTA DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS MENSAGEM DO PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Caros Colaboradores, A missão de Jerónimo Martins é promover a eficiência em todas as suas áreas de negócio,

Leia mais

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Notas 1. Portugal tem uma estrutura legal e regulatória muito evoluída, apesar da reduzida dimensão do seu

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR Programa da lista candidata à eleição para os órgãos regionais do Norte da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas Triénio 2011-2013 25 de

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt 30 27 Evolução do Preço CO2 Jan 06 - Fev 07 Spot Price Powernext Carbon Jan de 2006 a Fev 2007 Spot CO2 (30/01/07) Preço Δ Mensal 2,30-64.50% 2007 2,35-64,4% 2008 15.30-16,16% Futuro Dez 2009 2010 15.85

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013 Política de Responsabilidade Corporativa Março 2013 Ao serviço do cliente Dedicamos os nossos esforços a conhecer e satisfazer as necessidades dos nossos clientes. Queremos ter a capacidade de dar uma

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

Criamos. valor à sua empresa

Criamos. valor à sua empresa Criamos valor à sua empresa ORGANIZAÇÃO Somos o que fazemos repetidamente. Então, a excelência não é um acto isolado, mas sim um hábito. Aristóteles Compromisso A FISCOSEGUR é uma organização que presta

Leia mais

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Este guia foi produzido como parte da Campanha de Consciencialização Pan-Europeia sobre RSE, uma iniciativa da Comissão Europeia, Directoria

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

Recomendações da CMVM sobre o Governo das Sociedades Cotadas

Recomendações da CMVM sobre o Governo das Sociedades Cotadas Recomendações da CMVM sobre o Governo das Sociedades Cotadas Introdução O desenvolvimento dos mercados de valores mobiliários tem conduzido a uma intensa reflexão sobre a estrutura e o controlo das sociedades

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

Sustentabilidade e mercado de capitais. Luís d Eça Pinheiro Direcção de Relações com Investidores, Comunicação e Sustentabilidade

Sustentabilidade e mercado de capitais. Luís d Eça Pinheiro Direcção de Relações com Investidores, Comunicação e Sustentabilidade Sustentabilidade e mercado de capitais Luís d Eça Pinheiro Direcção de Relações com Investidores, Comunicação e Sustentabilidade Brisa e mercado de capitais Título Brisa 2000-2004 Dividendo por acção Cêntimos

Leia mais

7ª Edição da Semana da Responsabilidade Social

7ª Edição da Semana da Responsabilidade Social 7ª Edição da Semana da Responsabilidade Social Mudança e inovação para novos estilos de vida Exemplos da aplicação dos 10 princípios pelos membros do GCNP - O caso do Ritz Four Seasons Hotel Lisboa - Menú

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

A EMPRESA. A DRIVE Consultoria e Investimento, S.A. (DRIVE CI) dedica-se à prestação de serviços de gestão, em especial em

A EMPRESA. A DRIVE Consultoria e Investimento, S.A. (DRIVE CI) dedica-se à prestação de serviços de gestão, em especial em A EMPRESA A DRIVE Consultoria e Investimento, S.A. (DRIVE CI) dedica-se à prestação de serviços de gestão, em especial em áreas onde apresenta factores diferenciadores, como a representação em conselhos

Leia mais

Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores

Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores Introdução Considerando que nos Açores, são já muitas as empresas e organizações que assumem convictamente

Leia mais

DESCUBRA A NOSSA AMBIÇÃO HÁ MAIS DE 25 ANOS: MUDAR A IMAGEM DOS SEGUROS PELA SUA SIMPLIFICAÇÃO GRUPO APRIL APRIL PORTUGAL MODELO DE NEGÓCIO

DESCUBRA A NOSSA AMBIÇÃO HÁ MAIS DE 25 ANOS: MUDAR A IMAGEM DOS SEGUROS PELA SUA SIMPLIFICAÇÃO GRUPO APRIL APRIL PORTUGAL MODELO DE NEGÓCIO DESCUBRA A NOSSA AMBIÇÃO HÁ MAIS DE 25 ANOS: MUDAR A IMAGEM DOS SEGUROS PELA SUA SIMPLIFICAÇÃO , UM GRUPO INTERNACIONAL DE S EM SEGUROS PRESENÇA EM 34 20 % DE MARGEM BRUTA REALIZADA FORA DE FRANÇA 20.000

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 MENSAGEM DE ANO NOVO Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 Portugueses No primeiro dia deste Novo Ano, quero dirigir a todos uma saudação amiga e votos de boa saúde e prosperidade. Penso especialmente

Leia mais

Conferência Internacional Os Regimes Cambiais face aos Desafios da Economia de Cabo Verde

Conferência Internacional Os Regimes Cambiais face aos Desafios da Economia de Cabo Verde Conferência Internacional Os Regimes Cambiais face aos Desafios da Economia de Cabo Verde (No Âmbito das Comemorações dos 10 Anos da Assinatura do Acordo de Cooperação Cambial) SESSÃO DE ABERTURA Intervenção

Leia mais

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhores representantes das associações

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

Versão Pública. DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO

Versão Pública. DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO 1. Em 8 de Agosto de 2005, foi notificada à Autoridade da Concorrência, nos termos dos artigos 9.º e 31.º da

Leia mais

As melhores prá ticas adoptadas pelas ISC. na á rea de auditoria

As melhores prá ticas adoptadas pelas ISC. na á rea de auditoria As melhores prá ticas adoptadas pelas ISC na á rea de auditoria Cabo Verde, 24-26 de Outubro de 2012 VII Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução 2. Mudanças nos contextos societais e de governação

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Inscrições e pedido de informações: acege@acege.pt ou 217 941 323

Inscrições e pedido de informações: acege@acege.pt ou 217 941 323 Portugal tem futuro! Liderar com responsabilidade Introdução: A ACEGE em parceria com a CIP e o IAPMEI está a desenvolver o programa Liderar com Responsabilidade, que quer potenciar a acção dos líderes

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

5ª EDIÇÃO MARÇO 2015 NEWSLETTER MCS. Ficha Técnica. Direcção Geral: José Prata Coordenação: Sázia Bachu e Suzete Machel

5ª EDIÇÃO MARÇO 2015 NEWSLETTER MCS. Ficha Técnica. Direcção Geral: José Prata Coordenação: Sázia Bachu e Suzete Machel 5ª EDIÇÃO MARÇO 2015 NEWSLETTER MCS Ficha Técnica Direcção Geral: José Prata Coordenação: Sázia Bachu e Suzete Machel 1 Reunião de Quadros Kruger Park / 2015: Mensagem Dr. Fernando Dias Nogueira Presidente

Leia mais

A ALD Automotive no mundo

A ALD Automotive no mundo DOSSIER DE IMPRENSA A ALD Automotive no mundo A ALD Automotive é uma empresa de Aluguer Operacional e Gestão de Frotas que integra o Grupo Société Générale, um dos grupos líderes em serviços financeiros

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita Sendo a STCP uma sociedade anónima, rege-se pelo previsto nos seus estatutos, aprovados pelo Decreto-Lei 202/94,

Leia mais

Introdução. O Júri seleccionará cinco organizações para cada uma das seguintes categorias:

Introdução. O Júri seleccionará cinco organizações para cada uma das seguintes categorias: REGULAMENTO Introdução O Prémio Healthy Workplaces - Locais de Trabalho Saudáveis pretende reconhecer e distinguir as organizações portuguesas com contributos notáveis e inovadores para a segurança, o

Leia mais

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros.

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros. Âmbito de aplicação O presente Código de Conduta aplica-se a toda a estrutura GUARDIAN Sociedade de Mediação de Seguros, Lda., seguidamente designada por GUARDIAN, sem prejuízo das disposições legais ou

Leia mais

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas the world leading fleet and vehicle management company LeasePlan Portugal Lagoas Park - Edifício 6-2740-244 Porto Salvo Ed. Cristal Douro - R. do Campo Alegre, nº 830 - sala 35-4150-171 Porto Tel.: 707

Leia mais

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Dos contributos dos diferentes intervenientes do evento

Leia mais

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise?

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? O sector empresarial sente a crise como está a sentir a restante sociedade. A elevada taxa de desemprego de 12,3% traduz bem o drama social

Leia mais

Comemoração dos 30 Anos APAF Análise Financeira: alicerce do mercado de capitais e do crescimento económico Intervenção de boas vindas

Comemoração dos 30 Anos APAF Análise Financeira: alicerce do mercado de capitais e do crescimento económico Intervenção de boas vindas Comemoração dos 30 Anos APAF Análise Financeira: alicerce do mercado de capitais e do crescimento económico Intervenção de boas vindas Exm.ªs Senhoras, Exm.ºs Senhores É com prazer que, em meu nome e em

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010 7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações 15 de Outubro de 2010 Sessão Solene de Abertura Gostaria de começar por felicitar a APROSE pela

Leia mais

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS (Aberto a todos os Cidadãos) 1. O QUE É: O concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade é uma iniciativa da Câmara Municipal de

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO ESPAÇO RESERVADO AO TI: PROPOSTA Nº DATA DA ENTRADA: / / RECEBIDO POR: I. IDENTIFICAÇÃO DO PROMOTOR NOME: Nº DE SÓCIO: MORADA: CÓDIGO POSTAL - LOCALIDADE: CONCELHO: TELEFONE:

Leia mais

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 UNIÓN EUROPEA 1 de junio de 2011 3. SUMÁRIO EXECUTIVO A avaliação do Plano de

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO?

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? O mundo sindical tem tido várias reacções a este conceito, nem sempre favoráveis, sendo certo que deve haver consciência de que uma certa medida

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO

Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO 1. PRINCIPAIS CONCLUSÕES Há um entendimento razoável das vantagens da prática do comércio electrónico no seio das PME

Leia mais

ENCONTRO Juventude e Igualdade entre Mulheres e Homens

ENCONTRO Juventude e Igualdade entre Mulheres e Homens ENCONTRO Juventude e Igualdade entre Mulheres e Homens RESOLUÇÃO LUTAR CONTRA AS DISCRIMINAÇÕES CONSTRUIR A IGUALDADE Marinha Grande 15 de Maio de 2015 RESOLUÇÃO Lutar contra as discriminações Construir

Leia mais

Objectivos desta publicação

Objectivos desta publicação Objectivos desta publicação UM PRIMEIRO EXERCÍCIO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS As seguradoras do Grupo CGD iniciaram, em 2007, um trabalho de reflexão sobre o desenvolvimento sustentável, que o levou a um diagnóstico

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais