O que é SAN - Vantagens e desvantagens da adoção de uma SAN em comparação a soluções NAS ou DAS por Diego Salim De Oliveira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O que é SAN - Vantagens e desvantagens da adoção de uma SAN em comparação a soluções NAS ou DAS por Diego Salim De Oliveira"

Transcrição

1 O que é SAN - Vantagens e desvantagens da adoção de uma SAN em comparação a soluções NAS ou DAS por Diego Salim De Oliveira Tecnologia da Informação é uma área onde o que não faltam são siglas. Aliás, os próprios profissionais da área tendem a chamá-la de TI. Esta predileção por siglas faz de TI uma verdadeira sopa de letrinhas. LAN, SAN, WAN, NAS, DAS, DRP, BCP, RPO, RTO, TCP, IP, SCSI, iscsi, FCP, FCoE, FCIP, PoE, entre outras inúmeras siglas, isto falando apenas no que podemos chamar de termos comuns e padrões de mercado. Há ainda uma infinidade de outras siglas, incluindo as utilizadas pelos fabricantes para nomear seus produtos e tecnologias proprietárias, e confundir o mercado. Diante disto, alguns profissionais acabam se confundindo diante de tantas siglas, principalmente, não entendendo exatamente o que são e para que servem as tecnologias e conceitos expressos por estas siglas. E com SAN não é diferente, mesmo profissionais de Infraestrutura de TI, com anos de experiência, mas com vivência em empresas de pequeno e médio porte, onde nunca tiveram a oportunidade de trabalhar com esta tecnologia, acabam tendo dúvidas a respeito da diferença entre as siglas LAN, NAS, SAN, etc. Não que a SAN seja proibitiva para pequenas e médias empresas, mas, como tudo em TI, nem sempre é a opção ideal, isto porque apesar de tecnicamente ser a melhor opção, é financeiramente mais cara, portanto, para muitas empresas, independentemente de seu porte, seus benefícios justificam o investimento, já para outras, não. Além disto, a SAN serve para um único e exclusivo fim, não atendendo a toda e qualquer necessidade. Depende muito das necessidades, objetivos, estratégia e visão de cada companhia. Assim sendo, optamos por desenvolver este artigo de opinião na esperança de lançar luz sobre o assunto, auxiliando aqueles que por ventura tenham dúvidas. Primeiramente, para contextualizar e não deixar espaço para dúvidas, falaremos de maneira breve sobre o conceito de DAS e NAS. DAS DAS significa Direct Attached Storage, ou, em português, Armazenamento Diretamente Atachado. Ou seja, DAS a conexão direta de um storage externo (dispositivo de armazenamento externo ao servidor, ou seja, um tape drive externo ou um disk storage externo) a um ou mais servidores, através de cabos paralelos ATA ou SCSI (já obsoletos), ou cabos seriais SATA, SAS ou USB, ou mesmo através de cabeamento ethernet ou fibre channel (desde que utilizado para conexão direta, sem passar por nenhum tipo de switch ou outro equipamento intermediário).

2 Abaixo dois exemplos de DAS: Neste exemplo mostra-se a conexão direta de um tape drive a um servidor. Servidores em cluster, utilizando-se de um storage conectado diretamente a eles. O DAS foi a primeira modalidade criada de storages externos (os quais passaremos a tratar apenas como storages a partir de agora, apenas para simplificar o artigo). Tem como vantagens o maior desempenho e menor custo. Maior desempenho em virtude da conexão direta, desta forma, o tráfego entre o servidor e o storage não concorre com outros tráfegos entre outros equipamentos, como ocorreria em uma rede, de forma que se é capaz de se alcançar a taxa de transferência máxima da solução. Outro bônus é que como não há uma rede, não há outros equipamentos no meio do caminho, de modo que a latência tende a ser baixíssima. Adicionalmente, é importante citar que em geral, o acesso aos dados é block level. Porém, podem haver exceções, por exemplo, quando um equipamento desenvolvido para trabalhar como NAS, disponibilizando armazenamento file level através de TCP/IP é conectado diretamente ao servidor através de cabeamento ethernet, desta forma, ele conceitualmente é um DAS, pois está conectado diretamente ao servidor, porém, fornece apenas acesso file level.

3 E menor custo, pois em geral, os ambientes que utilizam DAS, tendem a ser ambientes menores, as vezes críticos, mas com um, dois, três, quando muito quatro servidores, isto em razão da limitação de número de portas dos storages low entry que gira em torno de 04 portas (o que permite a conexão de até 04 servidores, ou, no cenário mais comum, 02 servidores com caminhos redundantes) e dos storages mid-range que gira em torno de 08 portas (permitindo até 08 servidores, ou, no cenário mais comum, 04 servidores com caminhos redundantes), desta forma, na maioria dos casos, utilizam-se servidores low entry, ou, em alguns casos, mid-range. Porém, há de se fazer justiça, e mencionar que em casos de grandes ambientes os quais necessitam de altíssimo desempenho e disponibilidade, também é comum se utilizar DAS, mas, nestes casos, utilizando-se storages high-end, equipamentos que além de possuírem altíssima disponibilidade e desempenho, possuem inúmeras portas para conexão direta (alguns casos, superando 256 portas). Mas, claro, a um custo muito superior aos equipamentos low entry e mid-range. NAS NAS significa Network Attached Storage, ou, em português, Armazenamento Atachado à Rede. Neste caso, rede significa LAN (Local Area Network), ou seja, rede local, baseada em TCP/IP sobre cabeamento ethernet, onde o tráfego entre o storage e o servidor concorre com todo o tráfego comum de rede. Além disto, o NAS disponibiliza acesso file level aos dados. Abaixo exemplo de NAS: Pode-se observar que o storage está conectado à LAN, sendo esta o meio de acesso ao storage. Desta forma, todo storage ao qual os servidores se conectam através de uma rede local (LAN), baseada em TCP/IP sobre cabeamento ethernet, com acesso file level, é um NAS. Contudo, é importante citar que alguns equipamentos vendidos pelos próprios fabricantes como NAS, também oferecem acesso block level através do uso do protocolo iscsi. Agora que já falamos sobre DAS e NAS, daremos continuidade tratando a respeito do conceito de SAN, bem como seus diferenciais perante as demais modalidades. SAN e seus diferenciais SAN, por definição, significa Storage Area Network, ou, em português, em tradução não literal, Rede de Armazenamento. Desta forma, baseando-se apenas em sua definição básica, qualquer rede utilizada com a finalidade exclusiva de armazenamento de dados, seria uma SAN. Entretanto, não é exatamente isto. A SAN nasceu como uma rede com a finalidade exclusiva de armazenar dados, em disk storages ou libraries de backup (também conhecidas como bibliotecas de backup, robôs de backup, ou, fitotecas).

4 Tratando-se de uma rede local otimizada para o armazenamento de dados, com altíssimo desempenho e segurança. Abaixo exemplo de um ambiente de armazenamento utilizando SAN: Inúmeros servidores, disk storages e tape libraries podem se comunicar através de uma rede dedicada, estável, segura e de altíssimo desempenho. Para isto, criou-se um novo padrão de comunicação block level entre dispositivos computacionais, o protocolo FCP (Fibre Channel Protocol), mais conhecido no Brasil como FC. E justamente este nome também causa mais dúvidas, já que muitos acabam acreditando que o protocolo só funciona com cabos de fibra ótica, o que atualmente não é verdade. O FCP (Fibre Channel Protocol) é um protocolo completo, o qual não segue o modelo OSI (Open Systems Interconnect), mas que para fins didáticos, podemos dizer que possui funcionalidades equivalentes a protocolos das camadas 1 (física), 2 (enlace de dados), 3 (rede) e 4 (transporte). O FCP foi criado para possibilitar a utilização eficiente e compartilhada de dispositivos de armazenamento, servindo como uma forma de transportar blocos de dados e comandos SCSI através de uma rede dedicada para comunicação entre servidor e dispositivo de armazenamento ou de dispositivo de armazenamento para outro dispositivo de armazenamento.

5 Desta forma, um mesmo disk storage poderia ser acessado por inúmeros servidores, o que não só traria otimizações de custo e maior flexibilidade na distribuição e utilização dos recursos de armazenamento, como também a possibilidade de se compartilhar volumes entre diversos servidores para a criação de Clusters de HA (High Availability, ou, em português, Alta Disponibilidade). Da mesma forma, diversos servidores poderiam utilizar um mesmo tape storage, compartilhando e centralizando os recursos de backup, obtendo reduções de custo, maior flexibilidade, bem como maior facilidade na administração e capacidade de automação dos backups e restores. E o principal, realizar estes acessos a nível de bloco (block level), em virtude da utilização dos comandos SCSI. O acesso block level é fundamental para o desempenho, bem como para diversos usos e funcionalidades computacionais, no que diz respeito a armazenamento de dados. Basicamente, existem duas formas de acesso a dados, o block level e o file level. Os protocolos block level (incluindo o SCSI e o FCP, o qual empacota comandos SCSI), são protocolos os quais tratam do armazenamento e transferência de dados, usados para que o sistema operacional possa se comunicar com os discos internos do equipamento, bem como acessar seus dados. Permitem que o sistema operacional administre diretamente os discos rígidos, particionando e formatando o mesmo, criando os blocos para armazenamento de dados (blocos de 32KB a 4MB, a depender do sistema operacional utilizado e da opção escolhida pelo administrador). Uma vez criados os blocos, o sistema operacional utiliza o SCSI para preenchê-los, armazenando dados nestes blocos, assim como para acessar posteriormente os dados contidos nestes blocos. O sistema operacional tem total controle da utilização física dos discos. Quando necessita acessar um dado contido em um bloco específico, através da LBA (Logical Block Addressing, ou seja, da tabela de Endereçamento Lógico de Blocos), o sistema operacional identifica onde exatamente estão armazenados os dados que deseja e ordena ao disco que leia e lhe transmita somente aqueles dados. Isto garante um desempenho muito superior, já que o disco só irá ler e transmitir os dados contidos nos blocos especificados pelo sistema operacional, não tendo o trabalho de ler blocos desnecessários (reduzindo o I/O) e não transmitindo dados desnecessários para o sistema operacional (evitando não apenas o uso desnecessário do bus de comunicação, como também o uso desnecessário de memória RAM por parte do sistema operacional). Por exemplo, digamos que você tenha uma apresentação em.ppt (PowerPoint) de 60MB. Para abrir a apresentação, o PowerPoint solicitará ao sistema operacional que leia todo o arquivo, ou seja, leia em disco todos os 60MB daquela apresentação. Digamos que seu volume (sua partição) esteja formatado em blocos de 256KB. O sistema operacional irá checar na LBA quais os blocos que contém dados referentes a sua apresentação (partes de seu arquivo) e irá solicitar ao disco que leia e lhe transmita apenas o conteúdo destes blocos (ou seja, somente o arquivo necessário, nenhum dado a mais ou a menos). O disco irá ler e transmitir ao sistema operacional apenas o conteúdo dos 240 blocos de 256KB cada, os quais formam o seu arquivo de 60MB. Após abrir o arquivo, suponhamos que você altere uma única linha e clique em Salvar, modificando apenas 80KB de dados (número não exato, apenas para ilustrar a situação). Neste momento, o PowerPoint fará a solicitação para seu sistema operacional, o qual irá identificar qual bloco foi modificado, transmitir o novo conteúdo do bloco (256KB totais do bloco, incluindo os 80KB modificados por você) e ordenar ao disco que sobrescreva o conteúdo anterior do bloco com o novo conteúdo. Ou seja, ao invés de gravar novamente 60MB, você estará gravando apenas 256KB (somente o conteúdo do bloco que sofreu modificação), reduzindo drasticamente o I/O e a utilização do bus de comunicação.

6 Quando você acessa um dado em um storage através de um protocolo block level, como o FCP ou o iscsi, é exatamente isto que acontece, com a única diferença de que os discos não estão internos ao servidor, não são exclusivos dele, nem mesmo estão conectados diretamente a ele (e sim, através de uma rede de armazenamento). Ou seja, se você precisa acessar parte de uma base de dados de 2TB em um storage através de FCP, você acessará apenas a parte que necessita, não os 2TB totais, se você modificar algo nesta base, a gravação de sua modificação envolverá apenas os blocos que continham dados os quais foram modificados. Mais do que isto, no caso de um storage compartilhado via SAN, o sistema operacional de seu servidor estará acessando uma área em disco sobre a qual ele não terá controle físico direto (uma vez que neste caso, este controle caberá às controladoras do storage, o que fará com que o sistema operacional do servidor tenha acesso apenas as unidades lógicas a ele apresentadas e as quais ele têm permissão de acesso), mas, sobre a qual ele acredita ter total controle (havendo abstração dos discos físicos, assim como ocorre na virtualização), assim, o sistema operacional irá crer que aquele volume lógico é na realidade um disco físico que lhe pertence, utilizando o mesmo como se um disco interno fosse, podendo criar volumes (partições), formatando e aplicando seu sistema de alocação de arquivos, tendo sua própria LBA e sendo o único a efetivamente controlar os dados presentes nos blocos de suas unidades lógicas. Na realidade, o protocolo FCP possui inclusive um sistema de endereçamento de rede, onde cada componente como HBA (Host Bus Adapter, a placa de comunicação utilizada), SAN Switch e Storage Controller (Controladora do Storage), possui um endereço único, chamado de WWN (World Wide Name) ou WWID (World Wide Identifier), para que todos os dispositivos possam se comunicar através da rede SAN. Já para acesso as unidades lógicas (as quais o sistema operacional vê como discos físicos, mas que na realidade podem ser diversos discos físicos unidos em uma única unidade lógica), o FCP utiliza-se do conceito de LUN (Logical Unit Number), ou seja, cada unidade lógica recebe um número de identificação. Quando deseja acessar um determinado bloco, o servidor envia pacotes FCP, contendo o endereçamento do dispositivo a ser acessado (por exemplo, WWN da controladora + LUN da unidade lógica) e contendo também, no interior dos pacotes, os dados e/ou comandos SCSI envolvidos na operação. As ilustrações abaixo demonstram o funcionamento da comunicação block level:

7

8 Já no caso de protocolos de acesso file level, ou seja, a nível de arquivo, utilizados em soluções de NAS (Network Attached Storage, ou, em português, Armazenamento Atachado a Rede), seja em equipamentos de NAS específicos ou no compartilhamento via rede de arquivos, diretórios (pastas) e volumes (por exemplo, o compartilhamento em rede do próprio Windows), todo o acesso se dará a nível de arquivo. Isto porque o sistema operacional do servidor não estará acessando um disco ou unidade lógica de sua propriedade, mas sim um arquivo, diretório ou volume pertencente a outro servidor e portanto, gerido por outro sistema operacional, com seu próprio file system (sistema de arquivos) e LBA. Desta maneira, o sistema operacional do servidor que necessita ler ou escrever/sobrescrever o arquivo, irá se comunicar com o outro servidor via rede local (LAN), através de TCP/IP, e solicitar acesso ao arquivo. O servidor ou equipamento de armazenamento, neste caso, irá ler e transmitir via LAN todo o arquivo, por exemplo, seu.ppt de 60MB, de forma que seu servidor tenha acesso ao mesmo. Quando você modificar a linha desejada, modificando 80KB de dados do arquivo, o sistema operacional de seu servidor não terá como informar ao sistema operacional do dispositivo de armazenamento qual bloco deve ser modificado, uma vez que ele não possui a gestão deste disco. Por isto, ele irá enviar para o dispositivo de armazenamento a nova versão do arquivo, via LAN, fazendo com que todo o arquivo de 60MB trafegue pela rede e seja completamente gravado no disco do dispositivo de armazenamento (sobrescrevendo a versão anterior), o que irá gerar um tráfego de rede absurdamente maior, bem como um I/O absurdamente maior no dispositivo de armazenamento.

9 Na realidade, qualquer equipamento ou solução puramente NAS, mesmo que desenvolvidos exclusivamente com este intuito, nada mais é do que um servidor de arquivos (file server). Uma opção a qual em geral é extremamente barata, porém, com seríssimas limitações de desempenho (podendo inclusive impactar no desempenho de toda a rede local de computadores).

10 Por estas razões, o acesso a arquivos, diretórios ou volumes através de protocolos block level (utilizado na SAN) é do ponto de vista técnico infinitamente superior ao acesso file level (utilizado em NAS). Além disto, o FCP foi desenvolvido para ser utilizado em redes locais de armazenamento (SANs). Enquanto o TCP/IP foi desenvolvido décadas antes para transmitir dados (mensagens de texto) entre unidades militares em qualquer lugar do mundo, através de um meio físico nada confiável (ondas de rádio, sujeitas a todo tipo de problemas e interferências), o FCP foi desenvolvido para acesso a dados armazenados em dispositivos de armazenamento localizados a poucos metros de distância (atualmente, o limite de uma SAN é de 10KM, podendo ser extendida através da utilização de soluções e equipamentos especiais). Ou seja, enquanto o TCP/IP foi criado para trabalhar nas situações mais inóspitas possíveis, o FCP foi concebido para atuar em ambientes altamente controlados. Desta forma, atuando em um ambiente controlado, através de um meio físico confiável, o FCP pôde abrir mão das excessivas validações presentes na pilha TCP/IP (necessárias para assegurar a entrega dos pacotes através de meios físicos não confiáveis). Isto torna o processo de transmissão de dados via FCP muito mais simples e rápido. Atualmente, estamos falando em redes locais (LAN) de 10Gb, já sendo realidade em alguns países as LANs de 40Gb, enquanto no que diz respeito a SAN, no momento falamos de SANs de 16Gb, com expectativa de novos lançamentos em breve. Mas, de fato, apesar das redes ethernet (LAN) possuírem maior largura de banda, isto não se reflete diretamente em ganhos de desempenho sobre a SAN, isto justamente porque a maior eficiência do protocolo FCP o possibilita ter maior desempenho em ambientes de armazenamento de dados do que os protocolos da família TCP/IP, ou seja, mesmo com maior largura de banda, as soluções NAS, que utilizam TCP/IP, possuem desempenho inferior as SANs que utilizam protocolo FCP, em razão das características próprias de cada protocolo. Outra vantagem das SANs está no meio físico utilizado. Apesar de ter sido criado inicialmente para uso exclusivo em redes com cabos de fibra ótica (fibre channel), o protocolo FCP atualmente suporta cabos de cobre (não cabos tradicionais Ethernet, mas sim cabos específicos, muitas vezes utilizados no back-end dos storages para comunicação entre as controladoras e as gavetas de discos). Todavia, apesar de muito mais baratos, o uso dos cabos de cobre é extremamente limitado, justamente por preocupações relativas ao desempenho. Comuns nas LANs, os cabos de cobre estão sujeito as mais variadas agressões ambientais. Oscilações de temperatura e campos eletromagnéticos (mesmo que fracos ou temporários) interferem na condução interna dos sinais elétricos, fazendo com que diversos pacotes se percam ou sejam danificados, exigindo a sua retransmissão, o que não apenas aumenta tráfego na rede, como também gera enorme delay. As oscilações de temperatura, por exemplo, de quando um cabo de cobre passa por uma área quente do Data Center (por trás de equipamentos e corredores quentes), e em seguida por uma área fria (corredores frios ou próximo das saídas de ar), geram dilatações ou retrações nos cabos e interferência na resistência elétrica imposta pelo cobre, tudo isto impacta na transmissão dos sinais elétricos, podendo modificar estes sinais, criando a perda ou danificação de pacotes (as quais posteriormente serão identificadas através da validação, o que obrigará a retransmissão dos pacotes envolvidos). Já os campos eletromagnéticos são ainda mais difíceis de se controlar, pois estão presentes por todas as partes em nosso universo, sendo emitidos por cabos de energia, motores, equipamentos elétricos, tempestades e até ondas de rádio. Um gerador, máquina ou equipamento elétrico, mesmo que a metros de distância do cabeamento de cobre, pode gerar um campo eletromagnético capaz de interferir no campo eletromagnético do cabo, gerado pelos sinais elétricos que por ele trafegam, e modificar estes sinais elétricos. A proximidade de torres (caixas d água ou de celular), onde em situações de chuva caiam raios, podem gerar problemas temporários, já que os raios geram enormes pulsos eletromagnéticos, os quais apesar de muito breves, são capazes de interferir fortemente nos sinais da rede.

11 Ondas de rádio, presentes em todos os lugares neste nosso mundo contemporâneo, repleto de sinais de rádio, televisão, celular, etc, também interferem no campo eletromagnético dos cabos e nos sinais por eles transmitidos, já que as ondas de rádio (incluindo televisão e celular), nada mais são do que ondas eletromagnéticas. Por isto, inclusive, os cabos de cobre possuem limites tão pequenos quanto a suas extensões (por exemplo, 90 metros no caso de Ethernet Categoria 5 ou 6), justamente porque se muito longos, os cabos de cobre se transformam literalmente em antenas de rádio. Já os cabos de fibra ótica, os quais também podem ser utilizados em redes Ethernet mas não o são em larga escala em razão dos elevados custos, transmitem feixes de luz e não sinais elétricos em seu interior. Desta forma, não estão sujeitos a nenhum dos problemas citados acima, apenas a atenuação do sinal (mesmo assim, suportando distâncias muito superiores). Desta forma, mesmo com toda tecnologia atual e por mais que sejam tomados os cuidados básicos, as redes Ethernet, as quais via de regra usam cabeamento de cobre, estão muito mais suscetíveis a problemas ligados ao ambiente físico. Outro ponto o qual interfere diretamente no desempenho e na disponibilidade das redes Ethernet é justamente a importância dada pelas empresa, principalmente pelas próprias equipes de TI, à rede ethernet. Apesar de vitais para qualquer empresa, visto que nos dias de hoje até mesmo micro empresas dependem da disponibilidade e desempenho de suas LANs para funcionarem, as redes ethernet, até mesmo em virtude de sua simples implantação e gestão, bem como de seus baixos custos, são, em geral, negligenciadas. É fato comum na maioria das empresas, os estagiários ou profissionais em início de carreira, ou mesmo profissionais da manutenção (sem conhecimentos específicos de TI), ficarem encarregados da implantação e manutenção do cabeamento ethernet. A implantação é simples, qualquer pessoa que possua a sua disposição os cabos, conectores e alicate de crimpagem, pode rapidamente se informar a respeito ou assistir um rápido vídeo orientativo no Youtube, e sair passando cabos ethernet pela empresa. Como todos os materiais envolvidos são baratos, e mesmo a mão-de-obra utilizada é de menor custo/hora, as empresas em geral dão pouca importância ao cabeamento. Se algum cabo não funcionar, é só fazer de novo. Quando muito, utilizam-se equipamentos para testar os cabos, que fazem apenas testes simples de conectividade, ou mesmo, se conectam os cabos diretamente ao Ethernet Switch para verificar se há link. Porém, estes profissionais, por mais competentes, bem intencionados e motivados que sejam, em geral não possuem conhecimento dos problemas aos quais o cabeamento ethernet está exposto (conforme já tratado acima), não tendo condições de realizar uma análise correta e um projeto minucioso para o cabeamento. Adicionalmente, existe o fato de que nas redes LAN, em muitos casos, analistas iniciantes, com pouco ou nenhum conhecimento teórico e prático, são utilizados pelas empresas para monitorar e administrar suas redes. Já no caso da SAN, o cenário é totalmente oposto. Começando pelo alto custo dos equipamentos e materiais envolvidos, o qual por si só, obriga que as empresas controlem melhor sua utilização, evitando desperdícios. O cabeamento de fibra, em geral, fica restrito ao interior do Data Center, e em alguns casos, utilizado em dutos para conectar prédios e instalações separadas da mesma empresa, não sendo passadas fibras por todos os setores da empresa, de forma indiscriminada, como acontece com o cabeamento ethernet. Ou seja, além de não sofrer com interferências externas, o cabeamento de fibra ainda tem a vantagem de ser utilizado em um ambiente mais controlado.

12 Ainda devemos considerar o fato de que o cabeamento de fibra necessita de equipamentos especiais e profissionais com conhecimentos específicos para sua fusão (diferentemente do cabeamento ethernet onde basicamente se corta o cabo no comprimento desejado, descasca-se as pontas e realiza-se a crimpagem dos conectores). Equipamentos e profissionais estes os quais, em geral, as companhias não possuem internamente. O que faz com que os cabos já sejam adquiridos prontos (fornecidos pelos próprios fabricantes dos equipamentos como switches e storages), ou, com que sejam contratadas empresas especializadas para implantarem e realizarem eventuais manutenções no cabeamento de fibra. Por fim, devemos considerar que em razão dos maiores valores envolvidos e do fato de que as SANs tendem a ser utilizadas apenas pelas aplicações mais críticas, os gestores de TI, de forma inconsciente, acabam se preocupando muito mais com a capacitação e experiência da equipe envolvida na administração da SAN. Profissionais mais bem preparados e mais experientes, por razões óbvias, tendem a tornar o ambiente mais seguro e estável, o que se reflete em maior disponibilidade e desempenho. Todos estes fatores podem parecer simples e até muitas vezes desprezíveis, mas quando somados, demonstram que as redes LAN baseadas em TCP/IP sobre cabeamento ethernet, possuem naturalmente menor desempenho e disponibilidade do que as redes SAN baseadas em FCP. Vale lembrar que diversos estudos apontam que em média, 70% dos problemas de TI são causados por problemas na rede LAN baseada em TCP/IP sobre cabeamento ethernet. Porém, recebe apenas 5% dos investimentos de TI. Na última década, surgiu uma nova versão de SAN. Impulsionada pela criação e sucesso do protocolo iscsi, as SANs iscsi passaram a se difundir. O iscsi é um protocolo de transporte, que assim como o FCP, empacota blocos de dados e comandos SCSI, permitindo acesso block level aos dados, mas, com o diferencial de utilizar para isto redes IP tradicionais, baseadas em cabeamento ethernet. Desta forma, passou a ser possível se compartilhar recursos de armazenamento e backup via redes ethernet, a um custo bastante reduzido, porém, com todas as vantagens e funcionalidades do acesso block level, bem como um desempenho muito superior as soluções que utilizam acesso file level. Inicialmente, muitas empresas misturavam o tráfego TCP/IP e iscsi, o que gera diversos problemas de desempenho. Posteriormente, começou-se a pregar a criação de uma rede ethernet fisicamente isolada da LAN, para a criação da SAN iscsi. Atualmente, com a evolução dos switches Ethernet, os quais possuem desempenho muito superior e funcionalidades de gerenciamento tais como VLANs disponíveis para a maioria dos modelos, mesmo os modelos de menor custo, passou a ser consenso que a SAN iscsi pode sim conviver fisicamente com a LAN, utilizando- -se dos mesmos switches ethernet, desde que ocorra a segmentação lógica da rede, sendo todo o tráfego iscsi segregado em VLANs exclusivas para este fim. Desta forma, atualmente, as empresas podem usufruir de soluções de entrada (low entry) e intermediárias (mid-range), com desempenho e estabilidade satisfatórios, a custos otimizados. Mas, vale lembrar que além do desempenho das SANs iscsi não se equiparar ao desempenho das SANs tradicionais (tratadas pelo mercado simplesmente como SANs), por utilizar o IP como protocolo de rede e basear-se em redes ethernet, as SANs iscsi estão expostas aos mesmos problemas das LANs, sendo importante os gestores de TI se atentarem quanto aos cuidados básicos para implantação e manutenção da rede física e lógica, bem como com a devida capacitação de sua equipe.

13 Conclusão Podemos então concluir que não há solução ideal. Embora tecnicamente as SANs possuem inúmeras vantagens as quais lhes proporcionam maior disponibilidade e desempenho, envolvem custos maiores. Já as soluções NAS, apesar do baixíssimo custo, sofrem com diversos problemas de disponibilidade e um desempenho extremamente limitado. E as soluções baseadas em SANs iscsi constituem um meio-termo, gozando de desempenho muito superior as soluções NAS, a custos bastante acessíveis, entretanto, ainda assim, menos disponíveis e com desempenho inferior as SANs baseadas em FCP. Ou seja, como tudo em TI, depende. É importante que se analise a criticidade do ambiente, verificando a disponibilidade demandada pelo negócio, bem como o perfil de I/O do ambiente e o desempenho necessário, assim como a capacidade de investimentos da empresa, para que se analise não apenas o custo x benefício das opções envolvidas, de forma a se optar pela solução que melhor atenda as necessidades e melhor se adapte às realidades da companhia, como também se analise a viabilidade financeira das soluções. Por fim, vale ressaltar que LAN e SAN não são conceitos ou tecnologias de redes concorrentes, mas sim, complementares. As LANs (Redes Locais) baseadas em TCP/IP sobre cabeamento ethernet são o padrão mundial para comunicação e tráfego de dados em geral. Já as SANs (Redes de Armazenamento), baseadas em FCP sobre cabeamento de fibra ótica ou baseadeas em iscsi+ip sobre cabeamento ethernet, são opções de maior desempenho única e exclusivamente para o armazenamento de dados. A seguir, como exemplo, a ilustração simplificada de um possível cenário de utilização de SAN:

14 Observações sobre a imagem: App Server = Servidor de Aplicação DB Server = Servidor de Banco de Dados

15 A Global Technologies A Global Technologies atua com Consultoria e Integração de Soluções em TI, especializada em projetos personalizados e desenhados especificamente para as necessidades, estratégias e realidades de seus clientes. Nossa empresa difere-se dos demais players do mercado brasileiro por sua forma de atuação, sempre focada no cliente. Tendo como objetivo primário unir as melhores tecnologias e processos do mercado, porém, sem estar focada em fabricantes ou produtos, e sim visando sempre o entendimento e atendimento das necessidades de nossos clientes, exercendo o verdadeiro papel de um Parceiro de Tecnologia e Negócios, o qual busca incessantemente apoiar seus clientes na melhoria e crescimento contínuos de seus Negócios e Eficiência Operacional através da Tecnologia. Podemos dizer que temos este perfil de Parceria, Consultoria e Integração em nosso DNA. A Global Technologies nasceu da união de forças de executivos brasileiros, com décadas de experiência agregada no segmento de Tecnologia da Informação e com uma visão em comum de que o mercado precisa de novas lideranças, as quais sejam capazes de atender de forma personalizada as crescentes necessidades de um mercado em ebolição, para o qual TI não é mais apenas uma área de apoio para o negócio e sim um pilar essencial para a sustentação e operacionalização da empresa. Um mercado no qual as companhias necessitam de parceiros que entendam seus negócios, suas estratégias e consigam fazer a ponte com as suas áreas de TI e auxiliar tecnologicamente na sustentação e ampliação dos negócios. Assim, naceu a Global Technologies, para ocupar esta posição de liderança a qual o mercado necessitava. Orientada pela qualidade, com experiência acumulada de décadas, dezenas de certificações e metodologia de trabalho própria, focada na solução dos desafios de nossos clientes. A Global Technologies atua em diversas frentes, como: Staffing (Locação de Mão-de-Obra especializada) e Head Hunting (Recrutamento e Seleção de profissionais especializados); Serviços Consultivos (Global Services, para o planejamento, implantação, sustentação de ambientes, além de serviços especializados); Soluções em Nuvem (Global Cloud Solutions); Continuidade de Negócios (Business Continuity); Data Center Container e Data Center Modular; Servidores e Soluções de Processamento; Storages e Soluções de Armazenamento (Disk Storage, Tape Storage, SAN, replicação de dados); Bancos de Dados; Segurança da Informação e Auditoria de Ambientes Computacionais; Archiving; SOs e Hypervisors (incluindo desenho, implantação e sustentação de soluções de virtualização); Clients e Computação Pessoal (incluindo Virtualização de Desktops e Workstations); Redes; Um completo portfólio de soluções reais e flexíveis para apoiar na evolução dos negócios de nossos clientes.

16 Adicionalmente, em 2013 foi criada a Global Store, braço de atuação da Global Technologies, com foco em produtos de consumo de TI e Automação, a qual conta com estrutura própria e dedicada ao atendimento das necessidades cotidianas de nossos clientes, tais como: Servidores de entrada, Desktops, Notebooks, Ultrabooks, Netbooks, Tablets, Thin Clients; Monitores, Televisores e Projetores; Impressoras (incluindo Plotters, Matriciais, Laser e Jato de Tinta), Scanners e Multifuncionais; Softwares (Antivírus, Microsoft Windows, Microsoft Office, Softwares de Backup, entre outros); Redes (Switches de borda, roteadores, access points, firewalls, entre outros); Storages de entrada e médio porte (novos, expansões e discos); Tape drives e cartuchos de fita; Racks e opcionais; Câmeras e Vigilância IP; Automação (Leitores de Código de Barras, Registradoras, Balanças, Relógios de Ponto); Nobreaks e baterias; Suprimentos em geral; Responsabilidade Ambiental e TI Verde (Green IT) A Global Technologies não apenas possui profundo conhecimento e experiência em soluções verdes (TI Verde / Green IT), como defende e aplica esta tendência na prática. Nossos servidores web, de s e outras ferramentas corporativas, por exemplo, possuem créditos de energia renovável (energia eólica), de forma que não apenas toda impacto ambiental é compensado, como também revertido (visto que o fator de compensação é superior aos impactos causados, tendo não 0% de impacto, mas sim um índice inferior a 0% de impactos ambientais). E isto se reflete em toda a nossa organização, a qual de diferentes formas, sempre busca minimizar, compensar e sempre que possível reverter quaisquer possíveis impactos ambientais. Sinta-se a vontade para contatar nosso time de atendentes e especialistas! O Grupo Global Technologies está a sua disposição para lhe apoiar na solução dos desafios de seus Negócios através da Tecnologia! Contatos: Telefones: +55 (11) / +55 (11) Endereço: Av. Paulista, 777, 15 andar São Paulo/SP Brasil CEP: Site:

Replicação de dados Qual modo escolher? Síncrono ou assíncrono? por Diego Salim De Oliveira

Replicação de dados Qual modo escolher? Síncrono ou assíncrono? por Diego Salim De Oliveira Replicação de dados Qual modo escolher? Síncrono ou assíncrono? por Diego Salim De Oliveira A replicação síncrona de dados é, sem sombra de dúvida, o sonho de muitos gestores de TI, de Negócios, e principalmente

Leia mais

Artigo: Virtualização de Storages

Artigo: Virtualização de Storages Artigo: Virtualização de Storages por Diego Salim De Oliveira Primeiramente, é importante separar Storages com Características de Virtualização, de Virtualização de Storages. Storages com características

Leia mais

RAID Uma visão geral sobre RAID e seus principais níveis, incluindo os níveis mais recentes por Diego Salim De Oliveira

RAID Uma visão geral sobre RAID e seus principais níveis, incluindo os níveis mais recentes por Diego Salim De Oliveira RAID Uma visão geral sobre RAID e seus principais níveis, incluindo os níveis mais recentes por Diego Salim De Oliveira A intenção deste artigo é tratar dos principais níveis de RAID utilizados no mercado

Leia mais

Oracle Golden Gate O Portão Mágico entre os Bancos de Dados (replicação de dados entre diferentes Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados)

Oracle Golden Gate O Portão Mágico entre os Bancos de Dados (replicação de dados entre diferentes Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados) Oracle Golden Gate O Portão Mágico entre os Bancos de Dados (replicação de dados entre diferentes Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados) por Diego Salim De Oliveira Eis mais uma incrível solução de

Leia mais

Blades Uma visão geral sobre as soluções em lâminas por Diego Salim De Oliveira

Blades Uma visão geral sobre as soluções em lâminas por Diego Salim De Oliveira Blades Uma visão geral sobre as soluções em lâminas por Diego Salim De Oliveira A quase uma década, muito se fala blades. Na realidade, inúmeras empresas em todo o mundo, desde gigantes multinacionais

Leia mais

Artigo: ILM, HSM e Archiving

Artigo: ILM, HSM e Archiving Artigo: ILM, HSM e Archiving por Diego Salim De Oliveira Este artigo tem o intuito de lançar luz sobre os conceitos e tecnologias que envolvem o Gerenciamento do Ciclo de Vida da Informação. ILM e HSM,

Leia mais

Data Centers Modulares

Data Centers Modulares Data Centers Modulares por Diego Salim De Oliveira O artigo em questão objetiva explicar a respeito deste novo conceito, o qual vem fazendo grande sucesso fora do Brasil (EUA, Europa, China, Japão, e até

Leia mais

Data Center Container - Tenha seu próprio Data Center Tier 3 ou Tier 4 em poucas semanas por Diego Salim De Oliveira

Data Center Container - Tenha seu próprio Data Center Tier 3 ou Tier 4 em poucas semanas por Diego Salim De Oliveira Data Center Container - Tenha seu próprio Data Center Tier 3 ou Tier 4 em poucas semanas por Diego Salim De Oliveira Um Data Center Tier 3 ou mesmo Tier 4, modular, móvel, disponível para uso em poucas

Leia mais

NEVOA BACKUP SYSTEM. 2009 Nevoa Networks Ltda. All Rights Reserved.

NEVOA BACKUP SYSTEM. 2009 Nevoa Networks Ltda. All Rights Reserved. NEVOA BACKUP SYSTEM Com o Nevoa Backup System você garante não só o mais eficiente sistema de backup para seus dados, mas também a solução mais escalável do mercado, afinal, se sua empresa cresce, seus

Leia mais

DELL POWERVAULT SÉRIE MD ARMAZENAMENTO DE DADOS MODULAR ARMAZENAMENTO DE DADOS DELL POWERVAULT SÉRIE MD

DELL POWERVAULT SÉRIE MD ARMAZENAMENTO DE DADOS MODULAR ARMAZENAMENTO DE DADOS DELL POWERVAULT SÉRIE MD ARMAZENAMENTO DE DADOS MODULAR ARMAZENAMENTO DE DADOS DELL POWERVAULT SÉRIE MD Simplificação da TI O Dell série MD pode simplificar a TI, otimizando sua arquitetura de armazenamento de dados e garantindo

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

O relacionamento direto com o cliente, respeito mútuo, responsabilidade, flexibilidade e adaptabilidade são os principais valores da Infolux.

O relacionamento direto com o cliente, respeito mútuo, responsabilidade, flexibilidade e adaptabilidade são os principais valores da Infolux. A NOSSA HISTÓRIA A Infolux Informática possui seu foco de atuação voltado para o mercado corporativo, auxiliando micro, pequenas e médias empresas na tarefa de extrair o máximo de benefícios com investimentos

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

Computador. Principais Características

Computador. Principais Características Computador Principais Características DISCO RÍGIDO HD SISTEMAS DE ARQUIVOS - WINDOWS IBM 305 RAMAC Ano 1956 Primeiro HD Um disco rígido ou HD, é um dispositivo composto por uma ou várias lâminas rígidas

Leia mais

TSE 2012 em Exercícios Tecnologias de Datacenter Backup e Armazenamento de Dados. Thiago Fagury

TSE 2012 em Exercícios Tecnologias de Datacenter Backup e Armazenamento de Dados. Thiago Fagury TSE 2012 em Exercícios Tecnologias de Datacenter Backup e Armazenamento de Dados Thiago Fagury Memória Secundária (Introdução) Usada para gravar grande quantidade de dados, que não são perdidos com o desligamento

Leia mais

NEVOA STORAGE SYSTEM. 2009 Nevoa Networks Ltda. All Rights Reserved.

NEVOA STORAGE SYSTEM. 2009 Nevoa Networks Ltda. All Rights Reserved. NEVOA STORAGE SYSTEM Com o Nevoa Storage System você garante não só o mais eficiente sistema de gerenciamento para seus dados, mas também a solução mais escalável do mercado, afinal, se sua empresa cresce,

Leia mais

Conhecimento e Inovação. em TI para a Sustentabilidade

Conhecimento e Inovação. em TI para a Sustentabilidade Conhecimento e Inovação em TI para a Sustentabilidade A DRIVE A é especializada na continuidade de negócios em ambientes de missão crítica e no fornecimento de hardware, software e serviços para organizações

Leia mais

REDES. A Evolução do Cabeamento

REDES. A Evolução do Cabeamento REDES A Evolução do Cabeamento Até o final dos anos 80, todos os sistemas de cabeamento serviam apenas a uma aplicação, isto é, eram sistemas dedicados. Estes sistemas eram sempre associados à um grande

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

ARQUITETURA TRADICIONAL

ARQUITETURA TRADICIONAL INTRODUÇÃO Atualmente no universo corporativo, a necessidade constante de gestores de tomar decisões cruciais para os bons negócios das empresas, faz da informação seu bem mais precioso. Nos dias de hoje,

Leia mais

É PARA VOCÊ QUE FAZEMOS O MELHOR. Somos feitos de gente + serviços + tecnologia Existimos para te servir.

É PARA VOCÊ QUE FAZEMOS O MELHOR. Somos feitos de gente + serviços + tecnologia Existimos para te servir. É PARA VOCÊ QUE FAZEMOS O MELHOR Somos feitos de gente + serviços + tecnologia Existimos para te servir. 03 GENESES TI QUEM SOMOS QUEREMOS FALAR UM POUCO DE NÓS PARA VOCÊ. Temos a qualidade para garantir

Leia mais

A consolidação de servidores traz uma séria de vantagens, como por exemplo:

A consolidação de servidores traz uma séria de vantagens, como por exemplo: INFRAESTRUTURA Para que as empresas alcancem os seus objetivos de negócio, torna-se cada vez mais preponderante o papel da área de tecnologia da informação (TI). Desempenho e disponibilidade são importantes

Leia mais

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE)

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) Possuir capacidade instalada, livre para uso, de pelo menos 5.2 (cinco ponto dois) TB líquidos em discos SAS/FC de no máximo 600GB 15.000RPM utilizando RAID 5 (com no

Leia mais

REDES INTRODUÇÃO À REDES

REDES INTRODUÇÃO À REDES REDES INTRODUÇÃO À REDES Simplificando ao extremo, uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Ex: Se interligarmos

Leia mais

Avaliação do sistema de armazenamento EMC CLARiiON AX4

Avaliação do sistema de armazenamento EMC CLARiiON AX4 Avaliação do sistema de armazenamento EMC CLARiiON AX4 Relatório elaborado sob contrato com a EMC Corporation Introdução A EMC Corporation contratou a Demartek para realizar uma avaliação prática do novo

Leia mais

PROPOSIÇÃO DE VALOR:

PROPOSIÇÃO DE VALOR: Caro Cliente, Na economia atual, você não pode permitir ineficiências ou sobreprovisionamento de nenhum recurso - recursos inativos custam dinheiro, recursos mal utilizados custam oportunidades. Você precisa

Leia mais

GRUPO ALLMAQ IT SOLUTIONS

GRUPO ALLMAQ IT SOLUTIONS GRUPO ALLMAQ IT SOLUTIONS O Grupo ALLMAQ IT Solutions é uma empresa voltada à soluções corporativas na área da Tecnologia da Informação. Oferecemos soluções inovadoras, conciliando infraestrutura, software

Leia mais

Administração de Sistemas (ASIST)

Administração de Sistemas (ASIST) Administração de Sistemas (ASIST) Virtualização de Storage SAN Storage Area Network Fibre Channel e iscsi Outubro de 2012 1 Um servidor tradicional contém os seu próprio sistema de armazenamento periférico

Leia mais

Soluções corporativas personalizadas com o Microsoft Exchange 2010 e o Cisco Unified Computing System (UCS)

Soluções corporativas personalizadas com o Microsoft Exchange 2010 e o Cisco Unified Computing System (UCS) Soluções corporativas personalizadas com o Microsoft Exchange 2010 e o Cisco Unified Computing System (UCS) Hoje é fundamental para as empresas poder contar com recursos de comunicação, mobilidade, flexibilidade

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Anéis Ópticos em Backbone www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em 1980 foi formado o grupo de trabalho ANSI X3T9.5 com a finalidade de desenvolver

Leia mais

HP StorageWorks P2000 G3 Modular Smart Array

HP StorageWorks P2000 G3 Modular Smart Array HP StorageWorks P2000 G3 Modular Smart Array Crescimento do Armazenamento Empresas de pequeno e médio porte estão enfrentando diversos problemas relacionados a armazenamento, pois a capacidade interna

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Conceito de Redes Redes de computadores são estruturas físicas (equipamentos) e lógicas (programas, protocolos) que permitem que dois ou mais computadores

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

Compartilhamento de Dados em Storage de Alta Disponibilidade

Compartilhamento de Dados em Storage de Alta Disponibilidade Compartilhamento de Dados em Storage de Alta Disponibilidade Leonardo Antônio dos Santos¹ Orientadora Prof. Esp. Sabrina Vitório Oliveira Sencioles¹ Co-orientador M.Sc. Pedro Eugênio Rocha² ¹Faculdades

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 02. Prof. Gabriel Silva

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 02. Prof. Gabriel Silva FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 02 Prof. Gabriel Silva Temas da Aula de Hoje: Revisão da Aula 1. Redes LAN e WAN. Aprofundamento nos Serviços de

Leia mais

Projetos de Infraestrutura e Soluções Tecnológicas www.msitelecom.com.br

Projetos de Infraestrutura e Soluções Tecnológicas www.msitelecom.com.br Projetos de Infraestrutura e Soluções Tecnológicas www.msitelecom.com.br Índice 1. MSI Telecom 2. Soluções e Serviços 3. Parceiros 4. Principais Clientes 5. Alguns de nossos Projetos A MSI Telecom A MSI

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

Cloud. Tudo o que um CEO precisa saber, mas o TI não teve paciência para explicar. {/} CLOUD SOLUTIONS

Cloud. Tudo o que um CEO precisa saber, mas o TI não teve paciência para explicar. {/} CLOUD SOLUTIONS Cloud Tudo o que um CEO precisa saber, mas o TI não teve paciência para explicar. {/} CLOUD SOLUTIONS Cloud Computing: O que é. O que faz. As vantagens. E tudo o que um CEO precisa saber, mas o TI não

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Hardware de Computadores

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Hardware de Computadores Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Hardware de Computadores 1 O disco rígido, é um sistema de armazenamento de alta

Leia mais

ATIVIDADE 1. Redes Windows. 1.1 Histórico do SMB

ATIVIDADE 1. Redes Windows. 1.1 Histórico do SMB ATIVIDADE 1 Redes Windows Falar sobre Samba e redes mistas Windows / Linux, sem antes explicar o conceito básico de uma rede não parece correto e ao mesmo tempo, perder páginas e mais páginas explicando

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro Introdução às Redes de Computadores Por José Luís Carneiro Portes de computadores Grande Porte Super Computadores e Mainframes Médio Porte Super Minicomputadores e Minicomputadores Pequeno Porte Super

Leia mais

ATA de Registro de Preço. Chip & Cia. Visão Resumida

ATA de Registro de Preço. Chip & Cia. Visão Resumida ATA de Registro de Preço Chip & Cia Visão Resumida Critérios Básicos para Adesão Para que sejam aceitos pedidos de adesão os critérios mínimos abaixo deverão ser respeitados: 1. Deverão ser observados

Leia mais

Sistemas de Armazenamento

Sistemas de Armazenamento M. Sc. isacfernando@gmail.com Especialização em Administração de Banco de Dados ESTÁCIO FIR Tipo de Não importa quanta memória seu smartphone tenha, ele nunca terá o bastante para guardar todas as suas

Leia mais

Avaliação da plataforma de armazenamento multiprotocolo EMC Celerra NS20

Avaliação da plataforma de armazenamento multiprotocolo EMC Celerra NS20 Avaliação da plataforma de armazenamento multiprotocolo EMC Celerra NS20 Relatório elaborado sob contrato com a EMC Corporation Introdução A EMC Corporation contratou a Demartek para realizar uma avaliação

Leia mais

Introdução à redes de computadores

Introdução à redes de computadores 1/8 Introdução à redes de computadores Faz todo o sentido ligar os computadores em rede. Você não precisa ter uma impressora, um HD de grande capacidade, um gravador de DVDs e conexão via ADSL para cada

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO MANUAL DE CONFIGURAÇÃO CONTMATIC PHOENIX SUMÁRIO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO DO ACESSO REMOTO... 3 1.1 O que é o ACESSO REMOTO... 3 1.2 Como utilizar o ACESSO REMOTO... 3 1.3 Quais as vantagens em usar o PHOENIX

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas MISSÃO CRÍTICA: CONCEITOS BÁSICOS José Vitor Nogueira Santos FT2-0749 Mealhada, 2009 Introdução Já imaginou o que

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Euber Chaia Cotta e Silva

Tecnologia da Informação e Comunicação. Euber Chaia Cotta e Silva Tecnologia da Informação e Comunicação Euber Chaia Cotta e Silva Redes e a Internet Conceitos Básicos 01 Para que você possa entender o que é e como funciona a Internet é necessário primeiro compreender...

Leia mais

VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs

VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs Rogers Rodrigues Garcia 1, Júlio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavai PR Brasil rogersgarcia@live.com, juliocesarp@unipar.br Resumo:

Leia mais

Modelos de Redes em Camadas

Modelos de Redes em Camadas Modelos de Redes em Camadas Prof. Gil Pinheiro 1 1. Arquitetura de Sistemas de Automação Sistemas Centralizados Sistemas Distribuídos Sistemas Baseados em Redes Arquitetura Cliente-Servidor 2 Sistemas

Leia mais

Monitoramento de Rede de Nuvens Privadas

Monitoramento de Rede de Nuvens Privadas Monitoramento de Rede de Nuvens Privadas White Paper Autores: Dirk Paessler, CEO da Paessler AG Gerald Schoch, Redator Técnico na Paessler AG Primeira Publicação: Maio de 2011 Edição: Fevereiro de 2015

Leia mais

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Redes Locais Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof. Eduardo M. de Araujo Site: www.professoreduardoaraujo.com Ementa 1 Apresentação da disciplina. Objetivos.

Leia mais

Um guia para soluções de rede CLARiSUITE TM

Um guia para soluções de rede CLARiSUITE TM Perguntas Técnicas Frequentes Segurança do Código CLARiSUITE Um guia para soluções de rede CLARiSUITE TM Visão geral Segurança, integridade e estabilidade da infraestrutura de TI são as principais preocupações

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E Prof. Luís Rodolfo Unidade I REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO C Redes de computadores e telecomunicação Objetivo: apresentar os conceitos iniciais e fundamentais com relação às redes de computadores

Leia mais

Monitoramento de Rede de Nuvens Privadas

Monitoramento de Rede de Nuvens Privadas Monitoramento de Rede de Nuvens Privadas White Paper Autores: Dirk Paessler, CEO da Paessler AG Dorte Winkler, Redatora Técnica na Paessler AG Primeira Publicação: Maio de 2011 Edição: Fevereiro de 2013

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas SISTEMAS DE ARQUIVOS FAT E FAT32 José Vitor Nogueira Santos FT2-0749 Mealhada, 2009 Introdução Muitos usuários

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Empresa GÊNIO INFORMÁTICA

Empresa GÊNIO INFORMÁTICA 0 Empresa Com mais de 15 anos de experiência no mercado, GÊNIO INFORMÁTICA é líder em seu segmento e se destaca na prestação de serviços em redes de computadores e instalação de CFTV (Câmeras de segurança).

Leia mais

UNIFIED. A nova geração de arquitetura para proteger seus dados D TA. em ambientes físicos ou virtuais de forma unificada PROTECTION

UNIFIED. A nova geração de arquitetura para proteger seus dados D TA. em ambientes físicos ou virtuais de forma unificada PROTECTION UNIFIED A nova geração de arquitetura para proteger seus dados D TA em ambientes físicos ou virtuais de forma unificada PROTECTION RESUMO DA SOLUÇÃO UNIFIED DATA PROTECTION Incentivadas pelo crescimento

Leia mais

Rede Wireless ou rede cabeada?

Rede Wireless ou rede cabeada? Rede Wireless ou rede cabeada? Rede Wireless ou rede Cabeada? Página 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Desenvolvimento... 4 2.1. Avaliando seu ambiente... 4 2.2. Custos e necessidades... 5 2.3. Redes mistas...

Leia mais

PROPOSTA COMERCIAL CLOUD SERVER

PROPOSTA COMERCIAL CLOUD SERVER PROPOSTA COMERCIAL CLOUD SERVER Sobre a AbsamHost A AbsamHost atua no mercado de hosting desde 2008, fornecendo infraestrutura de data center a diversas empresas no Brasil e no mundo. Focada em servidores

Leia mais

Plano de Recuperação de Desastre em TI

Plano de Recuperação de Desastre em TI Plano de Recuperação de Desastre em TI Edgar T. Monteiro The LatAm Healthcare IT Summit - 2014 >> AGENDA Blue Solutions na Saúde Ameaças para a TI em HeathCare Disaster Recovery >> Blue Solutions 10 anos

Leia mais

Guia de vendas Windows Server 2012 R2

Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Por que Windows Server 2012 R2? O que é um servidor? Mais do que um computador que gerencia programas ou sistemas de uma empresa, o papel de um servidor é fazer com

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

REDES COMPONENTES DE UMA REDE

REDES COMPONENTES DE UMA REDE REDES TIPOS DE REDE LAN (local area network) é uma rede que une os micros de um escritório, prédio, ou mesmo um conjunto de prédios próximos, usando cabos ou ondas de rádio. WAN (wide area network) interliga

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

Planejamento Estratégico para as PMEs. Tecnologia da Informação a Serviço das PMEs

Planejamento Estratégico para as PMEs. Tecnologia da Informação a Serviço das PMEs Planejamento Estratégico para as PMEs Tecnologia da Informação a Serviço das PMEs Maio/2007 Rio Quente- Goiás Nivaldo Cleto Na era da tecnologia da informação, o mercado exige um empresário dinamicamente

Leia mais

STORAGE AREA NETWORKING FUNDAMENTOS. Valdir Adorni Serviços a Clientes valdir.adorni@compwire.com.br

STORAGE AREA NETWORKING FUNDAMENTOS. Valdir Adorni Serviços a Clientes valdir.adorni@compwire.com.br STORAGE AREA NETWORKING FUNDAMENTOS Valdir Adorni Serviços a Clientes valdir.adorni@compwire.com.br 22 de Abril de 2010 Storage Area Network? Storage Area Network (SAN) é qualquer rede de alto desempenho,

Leia mais

Disciplina : Transmissão de Dados

Disciplina : Transmissão de Dados Disciplina : Transmissão de Dados Paulo Henrique Teixeira Overwiew Conceitos Básicos de Rede Visão geral do modelo OSI Visão geral do conjunto de protocolos TCP/IP 1 Conceitos básicos de Rede A largura

Leia mais

Sistemas de arquivos FAT e FAT32

Sistemas de arquivos FAT e FAT32 Introdução Sistemas de arquivos FAT e FAT32 Muitos usuários de Windows já ouviram falar em partições FAT ou FAT32 sem saber ao certo o que isso significa. Essas são siglas de sistemas de arquivos para

Leia mais

Qual servidor é o mais adequado para você?

Qual servidor é o mais adequado para você? Qual servidor é o mais adequado para você? Proteção de dados Tenho medo de perder dados se e o meu computador travar Preciso proteger dados confidenciais Preciso de acesso restrito a dados Acesso a dados

Leia mais

O DATA CENTER ONDE VOCÊ ENCONTRA A CONFIANÇA QUE EXIGE E A FLEXIBILIDADE QUE PRECISA

O DATA CENTER ONDE VOCÊ ENCONTRA A CONFIANÇA QUE EXIGE E A FLEXIBILIDADE QUE PRECISA O DATA CENTER ONDE VOCÊ ENCONTRA A CONFIANÇA QUE EXIGE E A FLEXIBILIDADE QUE PRECISA A ALOG A ALOG provê e gerencia ambientes de colocation, hosting e cloud computing de alta complexidade e é o primeiro

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 6: Switching Uma rede corporativa

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos RCO2 Redes Locais (LANs): Características e requisitos 1 Aplicações de LANs LANs para computadores pessoais Baixo custo Taxas de transmissão limitadas Redes de conexão Interconexão de sistemas maiores

Leia mais

Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP

Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP Phil Maynard UNIDADE DE SOLUÇÕES DE GERENCIAMENTO DE DADOS PARA O CLIENTE FEVEREIRO DE 2012 Introdução Em todos os lugares, o volume de

Leia mais

Família Dell PowerVault MD. Armazenamento. modular. A família de storage Dell PowerVault MD

Família Dell PowerVault MD. Armazenamento. modular. A família de storage Dell PowerVault MD Família Dell PowerVault MD Armazenamento modular A família de storage Dell PowerVault MD Família Dell PowerVault MD A escolha acessível A família Dell PowerVault MD é uma escolha de armazenamento acessível

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Equipamentos de Rede

Equipamentos de Rede Equipamentos de Rede Professor Carlos Gouvêa SENAIPR - Pinhais 2 Introdução Objetivos Finalidade dos equipamentos Equipamentos e descrição Nomenclatura de desenho técnico para redes Exercício de orientação

Leia mais

Desmistificando a desduplicação de dados para backup com o Dell DR4000

Desmistificando a desduplicação de dados para backup com o Dell DR4000 Desmistificando a desduplicação de dados para backup com o Dell DR4000 Este informe oficial técnico da Dell explica como a desduplicação de dados com o DR4000 pode ajudar a sua organização a economizar

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

UNIFIED DATA PROTECTION RESUMO DA SOLUÇÃO

UNIFIED DATA PROTECTION RESUMO DA SOLUÇÃO UNIFIED DATA PROTECTION RESUMO DA SOLUÇÃO arcserve UDP Impulsionadas pelo aumento no volume dos dados e os avanços da tecnologia como a virtualização, as arquiteturas atuais para proteção dos dados deixam

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer lugar e independente da plataforma, bastando para isso

Leia mais

BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica

BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica 1. Arquitetura da Aplicação 1.1. O Banco Postal utiliza uma arquitetura cliente/servidor WEB em n camadas: 1.1.1. Camada de Apresentação estações de atendimento, nas

Leia mais

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa.

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa. CLUSTERS Pode-se pegar uma certa quantidade de servidores e juntá-los para formar um cluster. O serviço então é distribuído entre esses servidores como se eles fossem uma máquina só. Um cluster de servidores

Leia mais

ESTRUTURA E ASPECTOS. 3S Networks. Tecnologia alinhada ao seu negócio

ESTRUTURA E ASPECTOS. 3S Networks. Tecnologia alinhada ao seu negócio ESTRUTURA E ASPECTOS 3S Networks. Tecnologia alinhada ao seu negócio A 3S Networks surgiu com a proposta de oferecer as mais avançadas soluções tecnológicas a empresas dos setores privado e público, atuamos

Leia mais

Storage Mid-Range IBM Storwize V7000

Storage Mid-Range IBM Storwize V7000 Storage Mid-Range IBM Storwize V7000 O Storage Mid-Range mais inovador, avançado e fácil de usar do mercado Destaques Benefícios e funcionalidades sofisticadas de Storages High-End em um Storage Mid-Range:

Leia mais

PROPOSIÇÃO DE VALOR:

PROPOSIÇÃO DE VALOR: Caro Cliente, Na economia atual, você não pode permitir ineficiências ou sobreprovisionamento de nenhum recurso - recursos inativos custam dinheiro, recursos mal utilizados custam oportunidades. Você precisa

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO Artigo Científico Curso de Pós-Graduação em Redes e Segurança de Sistemas Instituto

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais