Self management e monitorização à distância na Reabilitação Cardíaca. Lino Patrício H.S.Marta - Lisboa H. Espirito Santo - Évora

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Self management e monitorização à distância na Reabilitação Cardíaca. Lino Patrício H.S.Marta - Lisboa H. Espirito Santo - Évora"

Transcrição

1 Self management e monitorização à distância na Reabilitação Cardíaca Lino Patrício H.S.Marta - Lisboa H. Espirito Santo - Évora

2 Telemedicina Uma Paixão Platónica Comentários iniciais A telemedicina é como a paixão, mesmo sem a presença física ela está presente. As inovações de comunicação e a internet possibitaram novas relações à distância. Paixões de hoje são os casamentos de amanhã.

3 Tecnologias de Informação e Comunicação na Saúde

4 Tecnologias de Informação e Comunicação na Saúde

5 Tecnologias de Informação e Comunicação na Saúde A população europeia envelhece e requer mais cuidados de saúde, estimando-se que em 2015 cerca de 15% dela tenha mais de 65 anos. Uma pessoa cuja idade se situe entre os 65 e os 74 anos gasta quase o dobro de serviços de saúde que outra com idade entre os 45 e os 64 anos. A relação aumenta para três vezes se a idade se situar no intervalo anos. Os recursos escasseiam, mas a redução da qualidade dos serviços prestados não é opção.

6 Tecnologias de Informação e Comunicação na Saúde É imperativa a modernização tecnológica e de processos em termos de Tecnologias da Informação. As redes de informação abrem o caminho para a criação de registos nacionais, os quais permitirão aos profissionais de saúde o acesso à informação completa sobre os pacientes, reduzindo redundâncias de receitas e de exames e assegurando medicação, cirurgias, exames e terapias adequadas, e reduzindo o risco de erro.

7 Tecnologias de Informação e Comunicação na Saúde O estabelecimento de arquitecturas standard proporcionará a partilha de dados, possibilitando a interoperabilidade entre aplicações e conjuntos de dados, assim como a troca de informação entre hospitais e clínicas. Os instrumentos de segurança informática terão que obedecer a normas que garantam a protecção da privacidade dos pacientes. A mobilidade e as tecnologias sem fios proporcionarão melhores serviços, encurtando a recolha de informação e os tempos de acesso e, consequentemente, os tempos de espera do paciente pelo acto médico.

8 Telemedicina Definição Prestação de cuidados de saúde em situações em que a distância é um factor crítico, por qualquer profissional de saúde usando tecnologias de informação e de comunicações para o intercâmbio de informação relevante para o diagnóstico, o tratamento e a prevenção da doença e danos físicos, pesquisa e avaliação, e para a formação continuada dos prestadores, subordinada a objectivos de melhoria da saúde dos indivíduos e das comunidades. OMS -1990

9 Ètica Médica e Telemedicina Relação Médico- Doente Indispensável preservar -pode ser reforçado com a Telemedicina. Autorização na transmissão dos dados Aspectos médico-legais - consolidação da confinança Médico- Doente. Segurança Qualidade Confidencialidade dos Dados A informação electrónica pode ser mais segura e qualitativamente de maior confiança.

10 Reabilitação Cardíaca Home-based Considerações Iniciais A reabilitação cardíaca modifica o prognóstico da Doença Coronária O exercício é um dos componentes da reabilitação e deve ser monitorizado: 1. Monitorização electrocárdiografica (detecção de arritmias e alterações de ST) 2. Monitorização da quantidade de exercício efectuado ( FC máxima; tempo de exercício) 3. Monitorização da qualidade de exercício efectuado ( Exercício Isotónico; Exercício Isométrico)

11 Reabilitação Cardíaca Home-based Considerações Iniciais A reabilitação cardíaca modifica o prognóstico da Doença Coronária A modificação dos factores de risco é um dos componentes da reabilitação e deve ser monitorizado: 1. Monitorização da dieta, do estilo de vida e peso corporal 2. Monitorização dos parâmetros metabólicos com análises de sangue e Tensão Arterial 3. Monitorização da adesão à terapêutica

12 Reabilitação Cardíaca Home-based Meta-análise BMJ 2010;340:b5631

13 Reabilitação Cardíaca Home-based Meta-análise Metodologia Dalal, H. M et al. BMJ 2010;340:b5631

14 Reabilitação Cardíaca Home-based Meta-análise Estudos Incluídos Dalal, H. M et al. BMJ 2010;340:b5631

15 Reabilitação Cardíaca Home-based Meta-análise Estudos Incluídos Dalal, H. M et al. BMJ 2010;340:b5631

16 Reabilitação Cardíaca Home-based Meta-análise Capacidade de Exercício Dalal, H. M et al. BMJ 2010;340:b5631

17 Reabilitação Cardíaca Home-based Meta-análise Tensão Arterial Sistólica Dalal, H. M et al. BMJ 2010;340:b5631

18 Reabilitação Cardíaca Home-based Meta-análise Tensão Arterial Diastólica Dalal, H. M et al. BMJ 2010;340:b5631

19 Reabilitação Cardíaca Home-based Meta-análise Níveis de Colesterol 3-12 meses Dalal, H. M et al. BMJ 2010;340:b5631

20 Reabilitação Cardíaca Home-based Meta-análise Níveis de LDL e HDL 3-12 meses Dalal, H. M et al. BMJ 2010;340:b5631

21 Reabilitação Cardíaca Home-based Meta-análise Adesão à terapeutica Dalal, H. M et al. BMJ 2010;340:b5631

22 Reabilitação Cardíaca Home-based Meta-análise Risco relativo de Fumar Dalal, H. M et al. BMJ 2010;340:b5631

23 Reabilitação Cardíaca Home-based Meta-análise Mortalidade Dalal, H. M et al. BMJ 2010;340:b5631

24 Reabilitação Cardíaca Home-based Meta-análise Custos Dalal, H. M et al. BMJ 2010;340:b5631

25 Reabilitação Cardíaca Home-based Meta-análise The choice of participating in a more traditional supervised centre based or evidence based home based programme should reflect the preference of the individual patient. BMJ 2010;340:b5631

26 Telemedicina A importância da Internet A internet tem uma linguagem comum que facilita a uniformização (uniformização de linguagens médicas). Chega a todo o lugar onde exista um acesso e um computador ( democratização do acesso à medicina). Suporta textos, imagens, videos ( suporte dos registos médicos). Tem a possibilidade de estar quase online ( utilizável em situações de urgência médica). Tem baixos custos ( importante para a racionalização dos investimentos em medicina).

27 Reabilitação Cardíaca Home-based Considerações Iniciais A Reabilitação Cardíaca exige uma forte ligação entre a Equipa de Reabilitação e o Doente A intervenção Hospitalar, Consulta e Exercício, esgota-se em si mesmo A internet e rede GSM permite uma ligação rápida (quase on-line), permanente e biunívoca A internet tem baixos custos e pode atingir uma vasta população

28 Monitorizacão Comunicação e envio de ECGs Arquitectura da Solução Análise e Interpretação Centro Receptor de Datos Bluetooth GPRS/UMTS Internet Teléfono Móvil: JAVA Symbian Peso: 32 Gramos

29 Monitorizacão Comunicação e envio de ECGs HOLTER Implantable HOLTIN HOLTER Convencional " No Invasivo " Sin limitación de memoria " Portabilidad " Autonomía de la batería " Coste " Capacidad de programación " Accesibilidad y lectura de los datos û ü ü û ü û ü ü ü ü ü ü Fin batería (12 meses) o evento clínico. NO recargable Variable (7-30 días) ó evento clínico. Batería recargable horas ó evento clínico $$$ $ $ ü ü ü ü ü ü ü ü ü ü ü ü ü

30 Monitorizacão Comunicação e envio de ECGs Colocación del dispositivo (HOLTIN) Introducción de los datos del paciente Vinculación del HOLTIN y el teléfono móvil 4 Comprobación de la señal, programación y dar de alta el servicio. 5 Explicación al paciente del funcionamiento del servicio: Alarmas, Activar evento manual, etc. 6 Recepción y lectura de eventos en el Centro de Recepción de datos (Aplicación Visor-ECG)

31 Telemedicina Acessibilidade web a sinais biológicos Monitorização à distancia A monitorização de sinais biológicos ex: TA, ECG, Glicémia, Colesterol ; INR; Saturação O2, pode ser determinante para um bom controlo em situações de doenças crónicas como a HTA, Diabetes Mellitus, ACO, DCV, DPOC. Situações de doença crónica ou de terceira idade levantam problemas de custos, consumo de saúde ou mobilidade dos pacientes que a aceesibilidade web e monitorização de registos bilógicos pode obviar. O arquivo de registos biológicos permite a sua comparação temporal melhorando a eficiência e motivação no controlo.

32 . pilot Anderson study. MA, pilot study. Monitorização de ICC Dimensão do Problema Economic Benefits of e-technology in Managing Congestive Heart Failure A program of the American Association of Homes and Services for the Aging (AAHSA) Five million individuals are living with heart failure, and 53,000 are dying each year. In 2030, that figure is expected to double to an estimated 10 million people with CHF. Among Medicare recipients, 14 percent currently have CHF, and there are 500,000 new cases each year. USA spends nearly $27 billion in direct costs on caring for people with CHF, half of which goes for hospitalizations.* Medicare alone spends a staggering 43 percent of its expenditures solely on caring for CHF patients. * Anderson MA, Pena RA, Helms LB. Home care utilization by congestive heart failure patients: a pilot stud.

33 Monitorização de ICC Custos Actuais Economic Benefits of e-technology in Managing Congestive Heart Failure A program of the American Association of Homes and Services for the Aging (AAHSA) Physician office visits: In 2005, nearly $300 million was spent on CHF patients visits to their doctors. If no changes are made to the current system of caring for CHF patients, that number is expected to rise to $982 million by 2030 with the rapid aging of the U.S. population. Emergency room visits: In 2005, $350 million was spent on CHF patient trips to the emergency room. By 2030, if no changes are made, that number is estimated to be $1.5 billion.

34 Monitorização de ICC Custos Actuais Economic Benefits of e-technology in Managing Congestive Heart Failure A program of the American Association of Homes and Services for the Aging (AAHSA) Hospitalizations: Up to half of CHF patients are readmitted within six months of their initial discharge, and 15 percent are readmitted two or more times within that time.* With the average cost of one 5.8-day hospitalization for a CHF patient at $10,000, this adds up to nearly $10 billion in If no changes are made to the current system of caring for CHF patients, that number is expected to rise to $41.3 billion by Add to these numbers the estimated $142 billion in indirect CHF costs due to lost productivity from death, disability and caregiver time. * Anderson MA, Pena RA, Helms LB. Home care utilization by congestive heart failure patients: a pilot stud.

35 Monitorização de ICC Tele-medicina Economic Benefits of e-technology in Managing Congestive Heart Failure A program of the American Association of Homes and Services for the Aging (AAHSA) Telehealth patients receive a small box that plugs into their phone line. Each day, they log into the system and follow a series of directions. Voice prompts guide patients in adhering to their medication schedule, scheduling needed appointments and transmitting key vital signs to caregivers such as temperature, weight, blood pressure, blood oxygen, blood sugar, cardiac and lung sounds and electrocardiogram results. Immediately after this information is collected, it is sent automatically to the health care provider.

36 . Anderson MA, Pena RA, Helms LB. Home care utilization by congestive heart failure patients: a pilot study. Monitorização de ICC Tele-medicina Economic Benefits of e-technology in Managing Congestive Heart Failure A program of the American Association of Homes and Services for the Aging (AAHSA) At the provider s office, health care professionals can quickly scroll through and view their patients vitals. The software separates and color-codes the patients into categories such as normal (green), slightly abnormal (yellow) and abnormal (red). This allows the provider to focus immediately on those patients requiring assistance. If necessary, providers can adjust a patient s medication, schedule a home health visit or suggest lifestyle or behavioral changes that the patient can make immediately to keep the problem from worsening

37 Monitorização de ICC Redução de Custos Economic Benefits of e-technology in Managing Congestive Heart Failure A program of the American Association of Homes and Services for the Aging (AAHSA) Physician office visits: The average cost of a physician office visit is $60. Reducing these visits by 30 percent through the use of telehealth technology would cut CHF costs by $4.5 billion from Emergency room visits: Currently, visits to the emergency room comprise seven percent of health plan budgets, costing roughly six times that of the same treatment in a physician s office. Reducing these visits by 30 percent through telehealth adoption among CHF patients would save $6.2 billion by Hospitalizations: The average Medicare cost for a hospital stay by a CHF patient is now$10,000. Reducing hospitalizations by 30 percent through telehealth would save $171 billion by 2030.

38 Monitorização de ICC Vantagens Economic Benefits of e-technology in Managing Congestive Heart Failure A program of the American Association of Homes and Services for the Aging (AAHSA) Alleviates the nursing shortage by allowing nurses to monitor as many as 150 patients a day depending on the case mix, Allows providers to regularly and effectively monitor patients located in remote and rural locations. Reduces the need for costly and time-consuming home health or office visits by using daily, low-cost measurement capabilities, Improves patient compliance by giving patients concrete ways to manage their disease proactively and maintain their independence, Has the potential to drastically reduce the cost of caring for patients by reducing health care utilization.

39 Projecto Amatus Lusitanus Arquitectura da solução Interface do Utilizador Centro de Controlo RTC GPRS/ UMTS/ HSDPA LAN/ WIFI Recolha de dados de sensores biométricos de mercado, vía Bluetooth Agenda de Eventos personalizada (incumprimento terapêutico, questionários, visitas virtuais, ) Programas de reabilitação Comunicações on line (audio e/ ou vídeo) Envío de dados em tempo real. Alertas programados Actualização de firmware e programação do dispositivo do utilizador História Clínica Informatizada de Cuidados Domiciliários Alta e Gestão de Programas de Reabilitação Terapêuticos Aplicação Call Center Tele Consulta Ferramientas de Apoio ao Diagnóstico Integração com outros Sistemas de Informação

40 Projecto Amatus Lusitanus Funcionalidades do Equipamento para o Doente no Domicílio Agenda Mensagens Exercícios Monitorização dos sinais biológicos

41 CONNECT (Clinical Evaluation of Remote Notification to Reduce Time to Clinical Decision) Trial The Value of Wireless Remote Monitoring With Automatic Clinician Alerts J Am Coll Cardiol. 2011;57(10): Wireless remote monitoring with automatic clinician alerts as compared with standard in-office follow-up significantly reduced the time to a clinical decision in response to clinical events and was associated with a significant reduction in mean length of hospital stay. Clinics employing wireless remote monitoring may expect fewer total clinic visits per year while not increasing the rate of ED visits or cardiovascular hospitalizations for their patients.

42 Wireless Pressure Sensor for Monitoring Pulmonary Artery Pressure in Advanced Heart Failure: Initial Experience It has been suggested that implantable hemodynamic sensors may enable frequent monitoring of hemodynamic changes in HF patients and be used in tailoring vasodilator. We present the first human case of radio-frequency based, wireless pressure sensor for the monitoring of pulmonary artery pressure in patients with advanced HF. This sensor is delivered into the pulmonary artery via percutaneous venous access. The Journal of Heart and Lung Transplantation Volume 26, Issue 1, January 2007, Pages 85-88

43 Reabilitação Cardíaca Home-based Conclusões A reabilitação Cardíaca Home-based através da informação fornecida aos doentes, é pelo menos tão eficaz com a realizada num Centro A utilização da internet e da rede GSM são hoje uma realidade na vida quotidiana, mas podem aplicar-se de múltiplas formas à Reabilitação Cardíaca Home-based A Reabilitação Cardíaca Home-based baseada numa comunicação à distância pode reforçar a interacção entre a Equipa de reabilitação e os doentes A monitorização electrocárdiografica à distância já não é um problema irresolúvel e pode melhorar a performance de um programa de exercício,

44 Reabilitação Cardíaca Home-based Conclusões A reabilitação cardíaca Home-Based com comunicação por Telemedicina, tem baixos custos por doente e pode expandir o número de doentes em Reabilitação A utilização de uma base de dados de parâmetros de Exercício, Metabólicos e outros Sinais Biológicos, com comunicação à distância, ajuda a monitorizar a evolução e os resultados da Reabilitação Cardíaca e do Controlo da Insuficiência Cardíaca A medicina por wireless será uma revolução na medicina do século XXI

45 Telemedicina Uma Paixão Platónica Comentários Finais A telemedicina pode tornarse numa realidade apaixonante, modificando o nosso conceito de acessibilidade aos actos médicos A melhor forma de antever o futuro é inicia-lo no presente

Aplicação das Técnicas de Telemedicina à Reabilitação cardíaca Home-based. Lino Patrício H.S.Marta - Lisboa H. Espirito Santo - Évora

Aplicação das Técnicas de Telemedicina à Reabilitação cardíaca Home-based. Lino Patrício H.S.Marta - Lisboa H. Espirito Santo - Évora Aplicação das Técnicas de Telemedicina à Reabilitação cardíaca Home-based Lino Patrício H.S.Marta - Lisboa H. Espirito Santo - Évora Telemedicina Uma Paixão Platónica Comentários iniciais A telemedicina

Leia mais

SABADOR. Apresentadora: Renée Sarmento de Oliveira Membro da equipe de Cardiologia/Coronária HBD. Professora de Clínica Médica da UNIRIO

SABADOR. Apresentadora: Renée Sarmento de Oliveira Membro da equipe de Cardiologia/Coronária HBD. Professora de Clínica Médica da UNIRIO SABADOR Prevenção Primária: em quem devemos usar estatina e aspirina em 2015? Apresentadora: Renée Sarmento de Oliveira Membro da equipe de Cardiologia/Coronária HBD Professora de Clínica Médica da UNIRIO

Leia mais

Processo Clínico. O próximo passo

Processo Clínico. O próximo passo Processo Clínico Electrónico: O próximo passo Sumário 1. Saúde: Uma Realidade Complexa 2. Implementação de SI na Saúde 2.1. Uma estratégia conjunta 2.2. Benefícios, constrangimentos e, desafios 3. Processo

Leia mais

Inquérito mede o pulso à saúde em linha na Europa e receita uma maior utilização das TIC pela classe médica

Inquérito mede o pulso à saúde em linha na Europa e receita uma maior utilização das TIC pela classe médica IP/08/641 Bruxelas, 25 de Abril de 2008 Inquérito mede o pulso à saúde em linha na Europa e receita uma maior utilização das TIC pela classe médica A Comissão Europeia publicou hoje as conclusões de um

Leia mais

6º FÓRUM FEBRABAN DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SUSTENTABILIDADE NA GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL DUPONT DO BRASIL

6º FÓRUM FEBRABAN DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SUSTENTABILIDADE NA GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL DUPONT DO BRASIL 6º FÓRUM FEBRABAN DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SUSTENTABILIDADE NA GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL DUPONT DO BRASIL 21 DE OUTUBRO DE 2009 Drª Lorene Marciano - IHS 2 DUPONT NO BRASIL Presença

Leia mais

Visão Operacional do Gerenciamento de Doenças Crônicas. Dr. Carlos Suslik Diretor de Consultoria em Gestão de Saúde da PwC

Visão Operacional do Gerenciamento de Doenças Crônicas. Dr. Carlos Suslik Diretor de Consultoria em Gestão de Saúde da PwC 1 Visão Operacional do Gerenciamento de Doenças Crônicas Dr. Carlos Suslik Diretor de Consultoria em Gestão de Saúde da PwC 2 Conceito 3 Obesidade Estilo de vida inadequado #1 café-da-manhã nos EUA Cuidado!

Leia mais

Um Sistema Computacional Inteligente de Assistência Domiciliar à Saúde Sergio T. Carvalho, Alessandro Copetti, Orlando Loques Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense (UFF) Niterói, RJ {scarvalho,

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

Painel: Tecnologias e Mídias

Painel: Tecnologias e Mídias Painel: Tecnologias e Mídias Valter Roesler: roesler@inf.ufrgs.br I Jornada Educação e Envelhecimento Título do capítulo 31 de julho de 2014 Sumário Mecanismos de interação com a tecnologia Desafios da

Leia mais

As TIC e a Saúde no Portugal de 2012

As TIC e a Saúde no Portugal de 2012 As TIC e a Saúde no Portugal de 2012 11 de dezembro de 2012 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa Patrocinador Ouro Patrocinador Prata Patrocinador Bronze Apoios Patrocinadores Globais Soluções de Mobilidade

Leia mais

Tecnologias de Computadores. Trabalho elaborado por: João Christophe Batista nº 23043 Ricardo Monteiro nº 26455 Telmo Lopes nº 27656

Tecnologias de Computadores. Trabalho elaborado por: João Christophe Batista nº 23043 Ricardo Monteiro nº 26455 Telmo Lopes nº 27656 Tecnologias de Computadores Trabalho elaborado por: João Christophe Batista nº 23043 Ricardo Monteiro nº 26455 Telmo Lopes nº 27656 Este tema suscita interesse na medida em que a medicina é um dos principais

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA E ETIOLÓGICA DE PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E COMPLICAÇÕES RENAIS

ANÁLISE ECONÔMICA E ETIOLÓGICA DE PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E COMPLICAÇÕES RENAIS ANÁLISE ECONÔMICA E ETIOLÓGICA DE PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E COMPLICAÇÕES RENAIS MARTOS, Natália Martinez; HALBE, Ricardo natymm@gmail.com Centro de Pós-Graduação Oswaldo Cruz Resumo: O número

Leia mais

Estudo do Caso PT-SI: Dois passos em frente nos ambientes colaborativos. Carlos Pinhão Lisboa, 2 de Abril 2008

Estudo do Caso PT-SI: Dois passos em frente nos ambientes colaborativos. Carlos Pinhão Lisboa, 2 de Abril 2008 Estudo do Caso PT-SI: Dois passos em frente nos ambientes colaborativos Carlos Pinhão Lisboa, 2 de Abril 2008 Agenda O porquê da mudança Comunicações Conclusões 2 O porquê da mudança PT-SI conta com mais

Leia mais

Receituário eletrônico: uma mudança de paradigma

Receituário eletrônico: uma mudança de paradigma Inovação, Tecnologia e Operações Receituário eletrônico: uma mudança de paradigma Experiência publica e empresarial em Espanha Eduardo Figueiredo Pensar Global e Agir Local para a Excelência do Varejo

Leia mais

CONHEÇA O GOOGLE APPS

CONHEÇA O GOOGLE APPS CONHEÇA O GOOGLE APPS O QUE É GOOGLE APPS? É um serviço do Google baseada na internet (web), que utiliza o seu domínio de internet (Ex: empresa.com) em diversas aplicações tais como: Google mail Google

Leia mais

FATORES QUE INTERFEREM NA QUALIDADE DO SERVIÇO NA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA RENATO AUGUSTO PEDREIRA LEONNI EM SANTO AMARO DA PURIFICAÇÃO-BA.

FATORES QUE INTERFEREM NA QUALIDADE DO SERVIÇO NA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA RENATO AUGUSTO PEDREIRA LEONNI EM SANTO AMARO DA PURIFICAÇÃO-BA. UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MBA EXECUTIVO EM SAÚDE- GESTÃO HOSPITALAR KARLA MICHELLINE OLIVEIRA BOAVENTURA FATORES QUE INTERFEREM NA QUALIDADE DO

Leia mais

Escolha o tipo de entidade: Clínicas Consultórios Hospitais Privados Ordens e Misericórdias

Escolha o tipo de entidade: Clínicas Consultórios Hospitais Privados Ordens e Misericórdias Escolha o tipo de entidade: Clínicas Consultórios Hospitais Privados Ordens e Misericórdias ICare-EHR (ASP) ou Application Service Provider, é uma subscrição de Serviço online não necess ICare-EHR (Clássico)

Leia mais

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO Wilker Luiz Machado Barros¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil wilkermachado1@hotmail.com,

Leia mais

Qualidade de Serviço como Vantagem Competitiva

Qualidade de Serviço como Vantagem Competitiva Qualidade de Serviço como Vantagem Competitiva Como as novas tecnologias aplicadas a Excelência de Serviço criaram o negócio de Sucesso O Grupo S24 O S24 Group é um grupo empresarial de Serviços de Saúde

Leia mais

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS Ericeira, 11 de Fevereiro 2011 DEFINIÇÃO De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação Cardíaca é um conjunto De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação

Leia mais

Diogo Assunção HP C&I Lead Solution Consultant - Healthcare. Gestão Integrada do Processo Clínico

Diogo Assunção HP C&I Lead Solution Consultant - Healthcare. Gestão Integrada do Processo Clínico Diogo Assunção HP C&I Lead Solution Consultant - Healthcare Gestão Integrada do Processo Clínico A HP na Saúde O que a HP faz Technology for better business outcomes A nossa proposta de valor Fornecer

Leia mais

CONVERSAS DE FIM DE TARDE

CONVERSAS DE FIM DE TARDE CONVERSAS DE FIM DE TARDE Rogério Correia A estrutura organizacional do Serviço Missão do SRS Promoção da Saúde Prestação de, Hospitalares e Continuados Prestação de actividades no âmbito da Saúde Pública

Leia mais

Proposta de uma técnica de controle para o Monitoramento Remoto de Sinais vitais em sistemas embarcados

Proposta de uma técnica de controle para o Monitoramento Remoto de Sinais vitais em sistemas embarcados 317 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Proposta de uma técnica de controle para o Monitoramento Remoto de Sinais vitais em sistemas embarcados Poliana Francibele de Oliveira Pereira, Alexandre

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO FUNCIONALIDADES TÉCNICAS INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA OBJECTIVO Dispor de um sistema de informação, que articule

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

HEALTHCARE SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS MÉDICAS

HEALTHCARE SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS MÉDICAS HEALTHCARE SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS MÉDICAS OLIVEIRA, R. M.; SANTOS, A. B. RESUMO Diante da crescente expansão tecnológica e do aumento da demanda de software gerencial na área de atendimento

Leia mais

Centro de Saúde da Figueira da Foz

Centro de Saúde da Figueira da Foz Centro de Saúde da Figueira da Foz PT Prime e HIS implementam Solução integrada de Processo Clínico Electrónico, Gestão de Atendimento, Portal e Mobilidade. a experiência da utilização do sistema VITA

Leia mais

Insuficiência Cardíaca Aguda e Síndrome Coronária Aguda. Dois Espectros da Mesma Doença

Insuficiência Cardíaca Aguda e Síndrome Coronária Aguda. Dois Espectros da Mesma Doença Insuficiência Cardíaca Aguda e Síndrome Coronária Aguda Dois Espectros da Mesma Doença Carlos Aguiar Reunião Conjunta dos Grupos de Estudo de Insuficiência Cardíaca e Cuidados Intensivos Cardíacos Lisboa,

Leia mais

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal FO L H E TO F EC H A D O : FO R M ATO D L ( 2 2 0 x 1 1 0 m m ) FO L H E TO : C A PA Departamento de Epidemiologia Clínica, Medicina Preditiva e Saúde Pública Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Leia mais

7º Congresso Unidas de

7º Congresso Unidas de 7º Congresso Unidas de Gestão o de Assistência à Saúde Dra. Rozana Ciconelli Centro Paulista de Economia da Saúde Escola Paulista de Medicina A epidemia da obesidade Como as doenças crônicas afetam a gestão

Leia mais

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Joana Alexandre *, Alice Luís ** Resumo Analisaram-se as características

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

FUTURO DO EMPREENDEDORISMO MÉDICO COM RELEVÂNCIA NAS RADIOFREQUÊNCIAS APLICADAS À BIOTECNOLOGIA

FUTURO DO EMPREENDEDORISMO MÉDICO COM RELEVÂNCIA NAS RADIOFREQUÊNCIAS APLICADAS À BIOTECNOLOGIA FUTURO DO EMPREENDEDORISMO MÉDICO COM RELEVÂNCIA NAS RADIOFREQUÊNCIAS APLICADAS À BIOTECNOLOGIA Manuel Pais Clemente Organização: Introdução Empreendedorismo Médico Turismo de Saúde e Bem-estar Dispositivos

Leia mais

Suporte à Autogestão na Doença Crónica. SelfManagementSupport@ensp.unl.pt

Suporte à Autogestão na Doença Crónica. SelfManagementSupport@ensp.unl.pt Suporte à Autogestão na Doença Crónica SelfManagementSupport@ensp.unl.pt !" #$ # Tantos Doentes, Tão Pouco Tempo Distribuição de Necessidades em Saúde (Kaiser Permanente) COMUNIDADE SUPORTE AUTOGESTÃO

Leia mais

Avaliação do Desempenho dos Hospitais: Uma ferramenta de Benchmarking

Avaliação do Desempenho dos Hospitais: Uma ferramenta de Benchmarking Avaliação do Desempenho dos Hospitais: Uma ferramenta de Benchmarking Manuel Delgado 11 ou 12 de Novembro de 2010 (Consoante data da s/ intervenção) Nome da Apresentação (insira os dados no master/modelo

Leia mais

Tensão Arterial e Obesidade na comunidade assídua do mercado municipal de Portalegre

Tensão Arterial e Obesidade na comunidade assídua do mercado municipal de Portalegre Tensão Arterial e Obesidade na comunidade assídua do mercado municipal de Portalegre Blood Pressure and Obesity in the adult population who goes to the municipal market in Portalegre Andreia Costa António

Leia mais

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014 Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal Principais conclusões APIFARMA CEMD Outubro 2014 1 APIFARMA Valor do Sector do Diagnóstico in Vitro, em Portugal Agenda I Objectivos e metodologia II

Leia mais

O Programa Enfermeiros de Família. (Página intencionalmente deixada em branco)

O Programa Enfermeiros de Família. (Página intencionalmente deixada em branco) (Página intencionalmente deixada em branco) 2 Conteúdo A Saúde Quem Somos... O programa Enfermeiros de Família... O Enfermeiro de Família Saúde... O desafio de carreira... Principais competências e responsabilidades...

Leia mais

VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES

VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES APRESENTAÇÃO FUNCIONALIDADES VANTAGENS E CARACTERÍSTICAS MÓDULOS COMPLEMENTARES UNIDADES HOSPITALARES O VITA HIS CARE Unidades Hospitalares é um sistema de informação

Leia mais

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Desktop Virtual Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Tendo em conta que a Virtualização será um dos principais alvos de investimento para o ano 2009 (dados

Leia mais

TENDÊNCIAS DE PROJECTOS DE IT EM PORTUGAL

TENDÊNCIAS DE PROJECTOS DE IT EM PORTUGAL TENDÊNCIAS DE PROJECTOS DE IT EM PORTUGAL Estudo Infosistema 4º trimestre de 2014 OBJECTIVO DO ESTUDO Objectivo: Analisar as tendências de projectos de IT em Portugal Período em análise: 4º Trimestre de

Leia mais

Projecto E-Support. Agenda. Projectos de Investigação para Associações de PME. André Oliveira. Lisboa, 21 de Maio de 2008. Apresentação da TEKEVER

Projecto E-Support. Agenda. Projectos de Investigação para Associações de PME. André Oliveira. Lisboa, 21 de Maio de 2008. Apresentação da TEKEVER Projecto E-Support Projectos de Investigação para Associações de PME André Oliveira Lisboa, 21 de Maio de 2008 Agenda Apresentação da TEKEVER E-Support Questões Agenda Apresentação da TEKEVER Visão Quem

Leia mais

Qualihosp. T e c n o l o g i a e i n o v a ç ã o e m s a ú d e. Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais

Qualihosp. T e c n o l o g i a e i n o v a ç ã o e m s a ú d e. Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais Qualihosp T e c n o l o g i a e i n o v a ç ã o e m s a ú d e Estamos evoluindo para um mundo digital Número de dispositivos Em 2020, serão 10 dispositivos por pessoa, somando 50 bilhões de dispositivos

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

Modelos de gestão: eficiência, acessibilidade e clinical governance. Pedro Pita Barros

Modelos de gestão: eficiência, acessibilidade e clinical governance. Pedro Pita Barros Modelos de gestão: eficiência, acessibilidade e clinical governance Pedro Pita Barros Agenda Introdução Desafios à gestão hospitalar Um aspecto concreto: acordos de partilha de risco com a indústria farmacêutica

Leia mais

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Ponta Delgada, 26 de Novembro de 2008 6 Saúde A saúde é um factor essencial no desenvolvimento do bem-estar da população, e a qualidade neste sector aparece

Leia mais

Daniel M. Salgado. As três dimensões dos processos: Estratégica, operacional e tecnológica

Daniel M. Salgado. As três dimensões dos processos: Estratégica, operacional e tecnológica 12ª edição As três dimensões dos processos: Estratégica, operacional e tecnológica MooD: melhorar a eficácia da abordagem dos processos com ferramentas colaborativas Daniel M. Salgado daniel.m.salgado@sisconsult.com

Leia mais

NOVAS VANTAGENS NEW BENEFITS

NOVAS VANTAGENS NEW BENEFITS NOVO PREMIUM O SEU CARTÃO DE SAÚDE YOUR HPA HEALTH GROUP CARD NOVAS VANTAGENS BENEFITS Oferta de Check-Up Básico anual Oferta de Check-Up Dentário anual Descontos entre 10% e 30% nos serviços do Grupo

Leia mais

Melhore rapidamente a eficiência do seu consultório. INTRODUZINDO a família de produtos cardiopulmonares da Welch Allyn

Melhore rapidamente a eficiência do seu consultório. INTRODUZINDO a família de produtos cardiopulmonares da Welch Allyn Melhore rapidamente a eficiência do seu consultório INTRODUZINDO a família de produtos cardiopulmonares da Welch Allyn Uma família de equipamentos cardiopulmonares flex que permite optim Trabalhe mais

Leia mais

egovernment & ehealth 2007 O papel fundamental das tecnologias no bem estar do Cidadão

egovernment & ehealth 2007 O papel fundamental das tecnologias no bem estar do Cidadão egovernment & ehealth 2007 O papel fundamental das tecnologias no bem estar do Cidadão 01 02 03 Indra A Nossa Visão do Sector Público A Administração ao serviço do Cidadão Página 2 Quem Quiénes somos somos

Leia mais

Hélder Pereira Tecbra Europa

Hélder Pereira Tecbra Europa Conferência As TIC e a Saúde no Portugal de 2009 25 de Novembro de 2009 Auditório do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa Hélder Pereira Tecbra Europa Patrocínio: Patrocinadores Globais TeleSaúde e

Leia mais

A Internet facilitando tratamentos médicos

A Internet facilitando tratamentos médicos VIII WORKSHOP DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DO CENTRO PAULA SOUZA São Paulo, 9 e 10 de outubro de 2013 Sistemas produtivos: da inovação à sustentabilidade ISSN: 2175-1897 A Internet facilitando tratamentos

Leia mais

Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância?

Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância? Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância? por Manuel Neves-e-Castro,M.D. Clinica de Feminologia Holistica Website: http://neves-e-castro.pt Lisboa/Portugal Evento Cientifico Internacional

Leia mais

IDC Internet Security Governo na Web 4.0, CEGER, Alexandre Caldas

IDC Internet Security Governo na Web 4.0, CEGER, Alexandre Caldas Governo na Web 4.0 29 de Janeiro de 2008 Resumo da Apresentação O que é o Governo Electrónico? Definição de uma Visão Estratégica: A Governação Electrónica Obstáculos à Governação Electrónica; As Pirâmides

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

Pensamento. Não se envelhece, enquanto buscamos." (Jean Rostand)

Pensamento. Não se envelhece, enquanto buscamos. (Jean Rostand) Pensamento Não se envelhece, enquanto buscamos." (Jean Rostand) AGRADECIMENTOS Os meus primeiros agradecimentos, vão para a minha mãe por estar sempre presente e acreditar em mim, para o meu pai, pelas

Leia mais

Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications)

Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications) Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications) ANTUNES, M. S.¹, SILVA, R. E. S. 2 (orientadora) ¹ Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas RS (FATEC-PEL) Rua

Leia mais

Introdução à Informática Médica. Serviço de Bioestatística e Informática Médica Faculdade de Medicina Universidade do Porto

Introdução à Informática Médica. Serviço de Bioestatística e Informática Médica Faculdade de Medicina Universidade do Porto Serviço de Bioestatística e Informática Médica Faculdade de Medicina Universidade do Porto Registos Clínicos Electrónicos Novembro 2003 Registos Clínicos Electrónicos 1 Motivação mediclicks 2003 (C) Processo

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS 1. Introdução O papel do farmacêutico, em particular no contexto da Farmácia Comunitária tem vindo a evoluir no sentido de uma maior intervenção do Farmacêutico

Leia mais

Multicriteria Impact Assessment of the certified reference material for ethanol in water

Multicriteria Impact Assessment of the certified reference material for ethanol in water Multicriteria Impact Assessment of the certified reference material for ethanol in water André Rauen Leonardo Ribeiro Rodnei Fagundes Dias Taiana Fortunato Araujo Taynah Lopes de Souza Inmetro / Brasil

Leia mais

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE 18 MARÇO 2015 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa PATROCINDADORES Apoio Patrocinadores Globais APDSI APDSI Conferência As TIC e a Saúde no Portugal de Hoje SESSÃO

Leia mais

Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério Resultados Nacionais

Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério Resultados Nacionais Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério da Saúde Resultados Nacionais Dia 5 de Maio, Compromisso Mundial de Higienização das mãos Direcção-Geral da Saúde Campanha Nacional de Higiene das mãos Situação

Leia mais

Solutions. Adição de Ingredientes. TC=0.5m TC=2m TC=1m TC=3m TC=10m. O Tempo de Ciclo do Processo é determinado pelo TC da operação mais lenta.

Solutions. Adição de Ingredientes. TC=0.5m TC=2m TC=1m TC=3m TC=10m. O Tempo de Ciclo do Processo é determinado pelo TC da operação mais lenta. Operations Management Homework 1 Solutions Question 1 Encomenda Preparação da Massa Amassar Adição de Ingredientes Espera Forno Entrega TC=0.5m TC=2m TC=1m TC=3m TC=10m TC=1.5m (se mesmo operador) O Tempo

Leia mais

Simplificação nas PMEs

Simplificação nas PMEs Simplificação nas PMEs Aproveitamento das Novas Tecnologias DGITA Portal Declarações Electrónicas Dezembro 2007 Simplificação nas PMEs - Aproveitamento das Novas Tecnologias 1 Agenda O que é a DGITA? Estratégia

Leia mais

Types of Investments: Equity (9 companies) Convertible Notes (10 companies)

Types of Investments: Equity (9 companies) Convertible Notes (10 companies) IMPACT INVESTING WE STARTED... A Venture Capital Fund Focused on Impact Investing Suport: Financial TA Criterias to select a company: Social Impact Profitabilty Scalability Investment Thesis (Ed, HC,

Leia mais

Projecto AAL4ALL. Padrão de Cuidados Primários para Serviços AAL. Projeto âncora do AAL4ALL AAL4ALL

Projecto AAL4ALL. Padrão de Cuidados Primários para Serviços AAL. Projeto âncora do AAL4ALL AAL4ALL Projecto Padrão de Cuidados Primários para Serviços AAL 2 Sumário Mudança demográfica em Portugal Ambient Assisted Living (AAL) Porque é necessário? Quais as áreas de aplicação? Quais são os desafios?

Leia mais

Serviços - pressão de Inverno

Serviços - pressão de Inverno Serviços - pressão de Inverno Data: 11/08/2004 Autor: Cláudia Conceição (claudiac@esoterica.pt) Este documento procura mostrar, a partir de publicações que, pelo menos para alguns serviços, parece haver

Leia mais

Elevação dos custos do setor saúde

Elevação dos custos do setor saúde Elevação dos custos do setor saúde Envelhecimento da população: Diminuição da taxa de fecundidade Aumento da expectativa de vida Aumento da demanda por serviços de saúde. Transição epidemiológica: Aumento

Leia mais

Grupo de Estudo- Empresa Jr EPM Leticia de Oliveira Grassi

Grupo de Estudo- Empresa Jr EPM Leticia de Oliveira Grassi Grupo de Estudo- Empresa Jr EPM Leticia de Oliveira Grassi Basicamente o sistema norte americano consiste em: Convênio médico Particular Programas governamentais como Medicaid e Medicare 2 grandes grupos

Leia mais

Principais Vantagens

Principais Vantagens dotlogic-cardio O dotlogic-cardio é um sistema de informação de cardiologia (CIS). Utiliza protocolos standard como HL7, DICOM ou GDT para comunicar com os diversos sistemas de informação e equipamentos

Leia mais

A Modernização Tecnológica no Setor Público: a experiência de cooperação

A Modernização Tecnológica no Setor Público: a experiência de cooperação A Modernização Tecnológica no Setor Público: a experiência de cooperação Clarice Stella Porciuncula 1 Analista de Sistemas da PUC-RS Especialista em Sistemas de Informação e Telemática na UFRGS Analista

Leia mais

Braskem Máxio. Maio / May 2015

Braskem Máxio. Maio / May 2015 Maio / May 2015 Braskem Máxio Braskem Máxio Braskem Maxio é um selo que identifica resinas de PE, PP ou EVA dentro do portfólio da Braskem com menor impacto ambiental em suas aplicações. Esta exclusiva

Leia mais

A PROVA DE ESFORÇO É INDISPENSÁVEL NO ALGORITMO DIAGNÓSTICO DE ISQUEMIA Luís Martins Brízida Assistente Hospitalar Graduado de Cardiologia Serviço de

A PROVA DE ESFORÇO É INDISPENSÁVEL NO ALGORITMO DIAGNÓSTICO DE ISQUEMIA Luís Martins Brízida Assistente Hospitalar Graduado de Cardiologia Serviço de A PROVA DE ESFORÇO É INDISPENSÁVEL NO ALGORITMO DIAGNÓSTICO DE ISQUEMIA Luís Martins Brízida Assistente Hospitalar Graduado de Cardiologia Serviço de Cardiologia Hospital Fernando da Fonseca Amadora/Sintra

Leia mais

Benchmarking CEESIP. Enf. Esp. Carla Rocha Enf. Diana Cardoso Enf. Fátima Couto O.E. 17.10.2009

Benchmarking CEESIP. Enf. Esp. Carla Rocha Enf. Diana Cardoso Enf. Fátima Couto O.E. 17.10.2009 Benchmarking CEESIP Intervenção de Enfermagem para promover comportamentos de adaptação e melhorar níveis de adesão na Diabetes Mellitus tipo I em crianças e adolescentes. Enf. Esp. Carla Rocha Enf. Diana

Leia mais

Produtos ehealth. Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais

Produtos ehealth. Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais Produtos ehealth Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais 1 Participação da Telefônica Vivo nas Instituições de Saúde TIC TIC TIC TIC Telemedicina TIC Telemedicina Desenvolvimento de

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA GESTÃO DE PACIENTES CRÔNICOS NO IAMSPE

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA GESTÃO DE PACIENTES CRÔNICOS NO IAMSPE SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA GESTÃO DE PACIENTES CRÔNICOS NO IAMSPE Andrea Mathias Losacco 1, MarlyHatsuzoKajimoto 2, Mirian Matsura Shirassu 3, Neusa Nakao Sato 4 1. Mestre em Saúde Pública. Enfermeira

Leia mais

Integrated Network Operations Support System ISO 9001 Certified A Plataforma Integradora Integrated Platform O INOSS V2 é uma poderosa plataforma de operação e gestão centralizada de redes e serviços de

Leia mais

Accessing the contents of the Moodle Acessando o conteúdo do Moodle

Accessing the contents of the Moodle Acessando o conteúdo do Moodle Accessing the contents of the Moodle Acessando o conteúdo do Moodle So that all the available files in the Moodle can be opened without problems, we recommend some software that will have to be installed

Leia mais

Projeto AAL4ALL. Padrão de Cuidados Primários para Serviços AAL. Projeto âncora do AAL4ALL AAL4ALL

Projeto AAL4ALL. Padrão de Cuidados Primários para Serviços AAL. Projeto âncora do AAL4ALL AAL4ALL Projeto AAL4ALL Padrão de Cuidados Primários para Serviços AAL 2 Sumário Mudança demográfica em Portugal Ambient Assisted Living (AAL) Porque é necessário? Quais as áreas de aplicação? Quais são os desafios?

Leia mais

TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOIÉTICAS NO TRATAMENTO DA LEUCEMIA.

TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOIÉTICAS NO TRATAMENTO DA LEUCEMIA. UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ESPECIALIZAÇÃO EM BIOLOGIA MOLECULAR E CITOGÉNETICA HUMANA MÔNICA DE SOUSA PITA TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOIÉTICAS NO TRATAMENTO DA LEUCEMIA.

Leia mais

Gestão dos Níveis de Serviço

Gestão dos Níveis de Serviço A Gestão dos Níveis de Serviço (SLM) Os sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas empresas um papel cada vez mais importante evoluindo, hoje em dia, para níveis mais elevados de funcionamento

Leia mais

HMI Caracteristicas e extensões utilizando FT View ME v6.1 e PanelView Plus 6

HMI Caracteristicas e extensões utilizando FT View ME v6.1 e PanelView Plus 6 HMI Caracteristicas e extensões utilizando FT View ME v6.1 e PanelView Plus 6 Dangelo Ávila Gerente de Produto Email: dmavila@ra.rockwell.com Cel: (021) 98207-5700 PUBLIC PUBLIC - 5058-CO900H Agenda 1.

Leia mais

Programa Nacional de Diagnóstico Pré-Natal Contratualização Processo de Monitorização e Acompanhamento

Programa Nacional de Diagnóstico Pré-Natal Contratualização Processo de Monitorização e Acompanhamento Introdução A saúde materna e infantil em Portugal tem vindo a registar melhorias significativas nos últimos anos, verificando-se expressiva diminuição das taxas de mortalidade perinatal e infantil por

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Introdução à Medicina 1.º ano 2005/2006 Home monitoring for heart failure Systematic review Which type of monitoring (home monitoring/ health care system

Leia mais

O USO DA ONICOABRASÃO COMO MÉTODO DE AUXÍLIO NA OBTENÇÃO DE AMOSTRAS PARA O DIAGNÓSTICO DA ONICOMICOSE

O USO DA ONICOABRASÃO COMO MÉTODO DE AUXÍLIO NA OBTENÇÃO DE AMOSTRAS PARA O DIAGNÓSTICO DA ONICOMICOSE HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL DE SÃO PAULO O USO DA ONICOABRASÃO COMO MÉTODO DE AUXÍLIO NA OBTENÇÃO DE AMOSTRAS PARA O DIAGNÓSTICO DA ONICOMICOSE ANA FLÁVIA NOGUEIRA SALIBA São Paulo 2012 ANA

Leia mais

José Mendes Ribeiro Ciclo de Conferências ÁGORA: Ciência e Sociedade - 7ª Conferência Desafios e sustentabilidade do sistema de saúde

José Mendes Ribeiro Ciclo de Conferências ÁGORA: Ciência e Sociedade - 7ª Conferência Desafios e sustentabilidade do sistema de saúde Inclusivo, equitativo, sustentável José Mendes Ribeiro Ciclo de Conferências ÁGORA: Ciência e Sociedade - 7ª Conferência Desafios e sustentabilidade do sistema de saúde Auditório do Instituto para a Investigação

Leia mais

Apresentação da Solução. Divisão Área Saúde. Solução: Gestão de Camas

Apresentação da Solução. Divisão Área Saúde. Solução: Gestão de Camas Apresentação da Solução Solução: Gestão de Camas Unidade de negócio da C3im: a) Consultoria e desenvolvimento de de Projectos b) Unidade de Desenvolvimento Área da Saúde Rua dos Arneiros, 82-A, 1500-060

Leia mais

PHC Mensagens SMS. Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC

PHC Mensagens SMS. Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC PHCMensagens SMS DESCRITIVO O módulo PHC Mensagens SMS permite o envio de mensagens a múltiplos destinatários em simultâneo, sem ser necessário criar e enviar uma a uma. Comunique com mais sucesso: ganhe

Leia mais

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação A transcrição ou reprodução deste documento não é permitida sem a prévia autorização escrita do IGIF PRINCIPAIS MENSAGENS O IGIF, na vertente SI,

Leia mais

Auditoria ao Processo de Mudança de Comercializador. A. Enquadramento e Objectivos. Síntese do Relatório de Auditoria

Auditoria ao Processo de Mudança de Comercializador. A. Enquadramento e Objectivos. Síntese do Relatório de Auditoria A. Enquadramento e Objectivos A EDP Distribuição - Energia, S.A. (EDP Distribuição), empresa que exerce a actividade de Operador de Rede de Distribuição (ORD) de Energia Eléctrica em Média Tensão (MT)

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

MT BOOKING SYSTEM BACKOFFICE. manual for management

MT BOOKING SYSTEM BACKOFFICE. manual for management MT BOOKING SYSTEM BACKOFFICE manual for management BACKOFFICE BACKOFFICE Últimas Reservas Latest Bookings 8 7 6 3 2 2 Configurações Configuration - pag. 3 Barcos Boats - pag.8 Pessoal Staff - pag.0 Agentes

Leia mais

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças 5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças Refletir sobre as resposta de saúde e a inclusão da família Relembrar os objetivos das famílias Questionar as

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 5 Conclusões 133

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 5 Conclusões 133 Capítulo 5 Conclusões 133 CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES Neste capítulo são abordadas as conclusões traçadas no desenvolvimento e validação do SMD, e indicação de estudos futuros. Ressalta-se o atendimento aos

Leia mais

A TRANSFORMAÇÃO TECNOLÓGICA NA SAÚDE EM PORTUGAL - QUADRATURA DO CÍRCULO NO SNS

A TRANSFORMAÇÃO TECNOLÓGICA NA SAÚDE EM PORTUGAL - QUADRATURA DO CÍRCULO NO SNS A TRANSFORMAÇÃO TECNOLÓGICA NA SAÚDE EM PORTUGAL - QUADRATURA DO CÍRCULO NO SNS Moderador: Prof. Dr. Álvaro Rocha Dr. Ponciano Oliveira ARS Norte, IP Dr. Lúcio Meneses de Almeida ARS Centro, IP Dr. Cunha

Leia mais

reconfinance gestão e recuperação de activos, s.a.

reconfinance gestão e recuperação de activos, s.a. reconfinance gestão e recuperação de activos, s.a. QUEM SOMOS: Somos uma empresa jovem e dinâmica direccionada para a gestão e recuperação de crédito em mora. Prestamos aos nossos clientes um serviço inovador

Leia mais

MOBILE-HEALTH: O CONSULTÓRIO NO MEU BOLSO?

MOBILE-HEALTH: O CONSULTÓRIO NO MEU BOLSO? DESAFIOS EM E-HEALTH COMO APROXIMAR O CARDIOLOGISTA DO SEU DOENTE? MOBILE-HEALTH: O CONSULTÓRIO NO MEU BOLSO? JOSÉ FERREIRA SANTOS EM 2016 2-3 PESSOAS EM CADA 6 VÃO TER UM SMARTPHONE SMARTPHONE: UM

Leia mais

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento Pré diabetes Diagnóstico e Tratamento Zulmira Jorge Assistente Hospitalar Endocrinologia do Hospital Santa Maria Endocrinologista do NEDO e do Hospital Cuf Infante Santo Diabetes Mellitus Diagnóstico PTGO

Leia mais

SMAD-ECG, UM SOFTWARE PARA AUXÍLIO AO DIAGNÓSTICO ATRAVÉS DE ECG E PRONTUÁRIO

SMAD-ECG, UM SOFTWARE PARA AUXÍLIO AO DIAGNÓSTICO ATRAVÉS DE ECG E PRONTUÁRIO SMAD-ECG, UM SOFTWARE PARA AUXÍLIO AO DIAGNÓSTICO ATRAVÉS DE ECG E PRONTUÁRIO Robson Pequeno de Sousa Doutor em Engenharia Elétrica. Professor do curso de Computação do CCT da Universidade Estadual da

Leia mais