UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ ALAN UTZIG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ ALAN UTZIG"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ ALAN UTZIG COMPARATIVO ENTRE OS SISTEMAS DE INFORMAÇÕES E NECESSIDADES DE RELACIONAMENTO COM OS CLIENTES: UM ESTUDO NA LOJA SIBARA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Balneário Camboriú 2007

2 ALAN UTZIG COMPARATIVO ENTRE OS SISTEMAS DE INFORMAÇÕES E NECESSIDADES DE RELACIONAMENTO COM OS CLIENTES: UM ESTUDO NA LOJA SIBARA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Monografia apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Administração com Habilitação em Marketing, na Universidade do Vale do Itajaí, Centro de Educação Balneário Camboriú. Orientador: Prof. Erwin T. Steigleder, MSc Balneário Camboriú 2007

3 ALAN UTZIG COMPARATIVO ENTRE OS SISTEMAS DE INFORMAÇÕES E NECESSIDADES DE RELACIONAMENTO COM OS CLIENTES: UM ESTUDO NA LOJA SIBARA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Esta Monografia foi julgada adequada para a obtenção do título de Bacharel em Administração e aprovada pelo Curso de Administração - Marketing, da Universidade do Vale do Itajaí, Centro de Educação de Balneário Camboriú. Área de Concentração: Marketing Balneário Camboriú, 28 de novembro de Prof. Erwin T. Steigleder, MSc Orientador Prof. Márcio Daniel Kiesel, MSc. Avaliador(a) Prof. Ademar José da Silva, MSc. Avaliador(a)

4 EQUIPE TÉCNICA Estagiário: Alan Utzig Área de Estágio: Marketing Professora Responsável pelos Estágios: Lorena Schröder Supervisor da empresa: Adelar Wichoski Professor Orientador: Erwin T. Steigleder, MSc

5 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Praiamar Loja de Departamentos Ltda. Endereço: Rua 901, n. 400, Balneário Camboriú Setor de desenvolvimento do Estágio: Marketing Duração do estágio: 240 horas Nome e Cargo do Supervisor da Empresa: Adelar Wichoski Supervisor das lojas Carimbo e CNPJ da Empresa:

6 AUTORIZAÇÃO DA EMPRESA Balneário Camboriú, de de A Empresa Loja Sibara, pelo presente instrumento, autoriza a Universidade do Valedo Itajaí UNIVALI, a divulgar os dados do Relatório de Conclusão de Estágio executado durante o Estágio Curricular Obrigatório, pelo acadêmico ALAN UTZIG.. Sr. Denis Boeng Gerente Comercial

7 RESUMO O assunto do presente trabalho trata do sistema de informação de relacionamento com o cliente e pretende diagnosticar as necessidades de informação da Loja Sibara de Balneário Camboriú adequados à questão do relacionamento com clientes. O método de pesquisa foi do tipo descritivo em um estudo de caso. O delineamento da pesquisa teve um caráter quantitativo e qualitativo. A população da pesquisa foram os colaboradores internos das Lojas Sibara de Balneário Camboriú, que trabalham no setor de marketing e vendas da empresa, bem como clientes e o gerente Sr. Denis Boeng. Os dados foram coletados através de fontes primárias e secundárias. Ao gerente foi aplicada uma entrevista direta e subjetiva. Os dados objetivos foram definidos probabilisticamente e ilustrados em gráficos percentuais, enquanto que a entrevista subjetiva foi analisada conforme os objetivos propostos. Os dados mostram que os clientes da loja apresentam perfis que não constam no sistema database da loja e que muitos poderiam ser informados e convidados a participar de promoções que fossem ao encontro do perfil apresentado no sistema. O foco do comércio é a conquista da clientela e garantia de fidelidade, porém, estes objetivos somente serão atingidos a partir do momento em que o cliente sentir-se satisfeito ao encontrar o que procura no estabelecimento, sendo assim, constata-se certa carência nesta oferta, comprovando a necessidade de se adotar um sistema eficaz que traduza para os administradores como atender de forma ampla e adequada. Os objetivos da proposta foram alcançados, visto que foram levantadas as informações necessárias ao sistema de database de marketing da loja para atender de forma personalizada estes clientes, sendo necessárias informações relativas aos familiares que representam os clientes em potencial, bem como seus interesses peculiares em determinados produtos não disponibilizados na loja, alcançando assim uma maior gama de clientes. A importância deste estudo se faz a medida que oferece recursos avançados on line dentro de um sistema de marketing de relacionamento que pode favorecer a fidelidade dos clientes já cadastrados e o aumento do número de clientes em potencial. Sugere-se a ampliação deste estudo em futuras investigações relacionadas ao marketing de relacionamento entre lojas e clientes. Além de um possível aprimoramento do database, pode-se estudar segmentos como telemarketing, treinamentos específicos para vendedores e correspondências. Palavras-chaves: marketing de relacionamento e database

8 ABSTRACT The subject of the present work deals with the system of information of relationship with the customer and intends to diagnosis the necessities of information of the Store Sibara de adequate Balneário Camboriú to the question of the relationship with customers. The research method was of the descriptive type in a case study. The delineation of the research had a quantitative and qualitative character. The population of the research had been the internal collaborators of the Store Sibara de Balneário Camboriú, that work in the sector of marketing and vendas of the company, as well as customers and controlling Mr. Denis Boeng. The data had been collected through primary and secondary sources. To the manager a direct and subjective interview was applied. The objective data had been defined probabilist and illustrated in percentile graphs, where as the subjective interview was analyzed in agreement the considered objectives. The data show that the customers of the store present profiles that do not consist in the system database of the store and that many could be informed and guests to participate of promotions that were to the meeting of the profile presented in the system. The focus of the commerce is the conquest of the clientele and allegiance guarantee, however, these objectives will only be reached to leave of the moment where the customer to feel itself satisfied when finding what she looks for in the establishment, being thus, evidences certain lack in this offers, proving the necessity of if adopting an efficient system that translates into the administrators as to take care of ample and adequate form. The objectives of the proposal had been reached, since the information necessary to the system of database of marketing of the store had been raised to take care of personalized form these customers, being necessary relative information to the familiar ones that they represent the customers in potential, as well as its peculiar interests in determined products available in the store, thus not reaching a bigger gamma of customers. The importance of this study if makes the measure that offers advanced resources on line inside of a system of relationship marketing that can favor the allegiance of the registered in cadastre customers already and the increase of the number of customers in potential. It is suggested magnifying of this study in future inquiries related to the marketing of relationship between store and customers. Beyond a possible improvement of database, it can be studied segments as telemarketing, specific training for salesmen and correspondences. Keywords: marketing of relationship and database

9 LISTA DE QUADROS Quadro 1: Exemplos das vantagens e aplicações de um sistema informativo de marketing Quadro 2: Variáveis de segmentação e dimensões... 37

10 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Ação administrativa Figura 2: Papel do SIG Figura 3: Os 4P s do mix de marketing Figura 04: As Lojas Sibara oferecem treinamento aos seus funcionários de Técnicas de Vendas? Figura 05: Quais os dois principais atributos que dificultam a venda? Figura 06: Aponte os dois principais atributos que o cliente retorne a comprar nas Lojas Sibara Figura 07: Você já fez compras pela internet? Figura 08: Você acredita que os clientes da loja Sibara fariam compras pelo site da empresa? Figura 09: Sexo Figura 10: Estado Civil Figura 11: Escolaridade Figura 12: Faixa Etária Figura 13: Cidade de Residência Figura 14: Quantidade de vezes que costuma visitar a cidade de Balneário Camboriú Figura 15: Quantas vezes por ano costuma realizar compras nas Lojas Sibara? Figura 16: Tem acesso à Internet? Figura 17: Caso sim, sua Internet é Figura 18: Qual a periodicidade com que entra na Internet? Figura 19: Quantas vezes comprou algo pela Internet? Figura 20: Selecione todos os tipos de artigos que você já comprou pela 71 internet?... Figura 21: Tem filhos? Figura 22: Quantos meninos e meninas? Figura 23: Qual faixa etária de seu(s) filho(s)? Figura 24: Qual faixa etária de sua(s) filha(s)? Figura 25: Aponte dois dos principais atributos que o fez visitar a loja? Figura 26: Sugestões para a loja... 77

11 LISTA DE TABELAS Tabela 01: As Lojas Sibara oferecem treinamento aos seus funcionários de Técnicas de Vendas? Tabela 02: Quais os dois principais atributos que dificultam a venda? Tabela 03. Aponte os dois principais atributos que o cliente retorne a comprar nas Lojas Sibara? Tabela 04: Você já fez compras pela internet? Tabela 05: Você acredita que os clientes da loja Sibara fariam compras pelo site da empresa? Tabela 06: Sexo Tabela 07: Estado Civil Tabela 08: Escolaridade Tabela 09: Faixa Etária Tabela 10: Cidade de Residência Tabela 11: Profissão Tabela 12: Quantidade de vezes que costuma visitar a cidade de Balneário Camboriú Tabela 13: Quantas vezes por ano costuma realizar compras nas Lojas Sibara? Tabela 14: Tem acesso à Internet? Tabela 15: Caso sim, sua Internet é Tabela 16: Qual a periodicidade com que entra na Internet? Tabela 17: Quantas vezes comprou algo pela Internet? Tabela 18: Selecione todos os tipos de artigos que você já comprou pela internet? Tabela 19: Tem filhos? Tabela 20: Quantos meninos e meninas? Tabela 21: Qual faixa etária de seu(s) filho(s)? Tabela 22: Qual faixa etária de sua(s) filha(s)? Tabela 23: Aponte dois dos principais atributos que o fez visitar a loja? Tabela 24: Sugestões para a loja... 77

12 SUMÁRIO RESUMO... vi 1. INTRODUÇÃO Tema Problema de pesquisa Objetivos do trabalho Justificativa da pesquisa Contextualização do ambiente de estágio FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Administração Sistema Sistema de Informações Gerenciais (SIG) Marketing Composto de marketing Sistema de Informações de Marketing (SIM) Marketing de relacionamento Segmentação CRM Database Marketing METODOLOGIA DA PESQUISA Tipologia de pesquisa Sujeito da pesquisa Instrumentos de pesquisa Análise e apresentação dos dados Limitações da Pesquisa RESULTADOS ESPERADOS Questionário Aplicado ao Gerente da Loja Sibara de Balneário Camboriú, 51 Sr. Denis Boeng Questionário Aplicado aos Vendedores Questionário Aplicado aos Clientes Análise dos resultados da entrevista com o Gerente Sr. Denis Boeng das Lojas Sibara de Balneário Camboriú Análise do questionário aplicado aos vendedores da Loja Sibara de 79 Balneário Camboriú Análise do questionário aplicado aos clientes da Loja Sibara de Balneário Camboriú Análise dos dados pessoais dos clientes das lojas Sibara registrados no 82 database com o sistema de marketing de relacionamento sugerido CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS... 85

13 1 INTRODUÇÃO Nas organizações, manter clientes após a realização da primeira venda tem se tornado cada vez mais importante e desafiante; visto que a competição entre empresas tem feito com que muitos clientes passem a ser ao mesmo tempo mais exigentes e menos leais. À medida que os produtos e clientes vão ficando mais sofisticados, as empresas competem em serviço e qualidade, bem como em termos de características, preços e prazos de entrega do produto. A diferenciação das organizações está em satisfazer o consumidor da forma mais eficiente que o concorrente, pois o mercado está cada vez mais exigente, complexo e concorrido. O marketing de relacionamento é essencial ao desenvolvimento da liderança no mercado, à rápida aceitação de novos produtos ou serviços e à consecução da fidelidade do consumidor. A criação de relações sólidas e duradouras é tarefa árdua, de difícil manutenção. Afirma McKenna (1993), que em um mundo em que o cliente tem tantas opções, mesmo em segmentos limitados, uma relação pessoal é a única forma de manter a fidelidade do cliente. O relacionamento significa desenvolver ferramentas e meios que permitam um contato direto com o cliente, procurando desenvolver uma psicologia de fidelidade com o consumidor. Está intrínseco no conceito de marketing de relacionamento, desde ações de marketing direto, gerenciamento de sistemas de database e data warehouse, criação e confecção de peças, até ferramentas como telemarketing ativo, call center, pontode-venda e atendimento pessoal. Tudo deve ser sincronizado sob uma estratégia de encantamento, em um conceito de processo permanente. Ou seja, o próprio relacionamento e a interação com o cliente passa a ser a idéia central da estratégia, em torno da qual orbitarão todas as táticas e ações de marketing, tendo como foco o incremento do nível de conhecimento do cliente, suas preferências e aspirações, criando um mecanismo de feedback, capaz de retroalimentar a relação com a entrega de produtos e serviços adequados às suas aspirações e, conseqüentemente, elevando o seu grau de satisfação e nível de fidelidade ao produto.

14 13 Assim, conforme Gonçalves, Jamil e Tavares (2002), o database marketing completa o círculo de evolução do marketing. As vendas, que começaram com uma comunicação de um para um atrás de um balcão ou na porta de casa, prosseguem com a comunicação onde o relacionamento entre o vendedor e o cliente fornecia a honestidade da marca, a confiança e segurança que o comprador necessitava para adquirir um novo produto ou serviço. Praticar a gestão do relacionamento com o cliente gera automaticamente benefícios mais palpáveis para o consumidor e, naturalmente, o aumento da participação interna da organização. Os funcionários ficam motivados também. Portanto, pode-se dizer que, quando o cliente é o centro da empresa, os benefícios tornam-se uma conseqüência. Neste sentido, através de um programa de marketing de relacionamento é possível desenvolver um programa de relacionamento com os clientes, resultado do provimento de informações do database marketing. 1.1 Tema Sistema de informação de relacionamento com o cliente. 1.2 Problema de Pesquisa Quais as informações que as Lojas Sibara dispõem ou precisam desenvolver para estabelecer um sistema de relacionamento com o cliente? 1.3 Objetivos do Trabalho Objetivo Geral Diagnosticar as necessidades de informação da Loja Sibara de Balneário Camboriú adequados à questão do relacionamento com clientes.

15 14 Objetivos Específicos Identificar as informações que o programa de database marketing da Loja Sibara disponibiliza atualmente. Definir quais informações seriam necessárias para melhorar o relacionamento com o cliente. Comparar as informações disponíveis de database com as necessidades para o relacionamento com os clientes. Avaliar as necessidades de adaptação e desenvolvimento destas informações. 1.4 Justificativa da Pesquisa O foco nas estratégias empresariais a fim de gerar valor para o cliente é um bom negócio, mas exige que as empresas e seus colaboradores estejam prontos para aproveitar as oportunidades dessa nova orientação e evitar determinadas ameaças incontroláveis que acontecem neste ambiente de mudanças. Uma das mais importantes é a distância que as empresas criam com seus clientes. Destacam Cobra e Ribeiro (2000), que o marketing está assumindo uma nova tarefa que é integrar o cliente a elaboração do produto e desenvolver um processo sistemático de interação que dá firmeza à relação. Um posicionamento forte da organização é construído por relacionamentos duradouros, que se refere não somente às relações com os clientes, mas também com toda a infra-estrutura, todos aqueles aspectos que possam influenciar a opinião do consumidor: revendedores, distribuidores, analistas financeiros, fabricantes e outros. A importância deste trabalho é analisar as informações geradas pelo sistema de informações das Lojas Sibara, que beneficiem o marketing de relacionamento da empresa com os clientes. A originalidade do trabalho em possibilitar, nas Lojas Sibara, uma nova visão administrativa voltada para o marketing de relacionamento, que procurou analisar o database marketing da empresa e as reais necessidades da empresa e dos clientes. A viabilidade será comprovada na medida que as Lojas Sibara estarão disponibilizando todas as informações necessárias para o andamento da pesquisa.

16 Contextualização do Ambiente de Estágio Desde 1976, quando iniciou suas atividades no Vale do Itajaí, Estado de Santa Catarina, as Lojas Sibara não medem esforços para atender aos seus clientes com os melhores preços, produtos e marcas de qualidade, que há 31 anos vem sendo elogiada e apreciada pelos seus clientes. O surgimento das Lojas Sibara foi a junção de três sócios portugueses, que compraram uma loja que já existia e um terreno para ampliar esta loja. Os sócios das Lojas Sibara são o Sr. Simão, Basílio e Ramiro, daí o surgimento do nome Sibara com as primeiras sílabas de cada um dos nomes dos sócios proprietários. Com o passar do tempo, a empresa foi adquirida pelos sócios Orácio Figueiredo e Gean Testoni, atuais sócios. O Sr. Gean Testoni que desempenha as atividades da parte administrativa e o Sr. Orácio faz a análise de relatórios e as decisões estratégicas da empresa. As Lojas Sibara, localizada na Avenida Brasil, nº 1.500, será o local onde o estágio será realizado, e conta atualmente com 38 colaboradores. Oferece aos seus clientes os seguintes produtos e serviços: confecções; calçados; perfumaria; brinquedos; cortinas; tecidos; cama/mesa/banho. Conta atualmente com 5 lojas, sendo localizada no centro de Itajaí e outra no bairro São Vicente; uma loja em Itapema; uma loja em Balneário Camboriú; uma em Joinville.

17 16 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O foco da presente fundamentação estará mais voltado ao cliente externo, e não ao cliente interno. Por isso, não será focado o endomarketing e o clima organizacional. 2.1 Administração Entende-se que a organização é uma combinação de esforços individuais que tem por finalidade realizar propósitos coletivos. A organização de coisas e de pessoas é essencial para um trabalho coordenado. Administrar é interpretar os objetivos propostos pela empresa e transformálos em ação empresarial através do planejamento da organização, da direção e do controle de todos os esforços realizados em todas as áreas e em todos os níveis da empresa, a fim de atingir os objetivos (CHIAVENATO, 1999, p.06). Destaca Chiavenato (1993) que a palavra administração vem do latim ad (direção, tendência para) e minister (subordinação ou obediência), isto é, aquele que realiza uma função abaixo do comando de outro ou aquele que presta um serviço a outro. A finalidade da administração é estabelecer e alcançar o objetivo, ou objetivos que a organização tenha traçado. Ao fazê-lo, desempenham-se funções de administrador a planejador e manipulam-se recursos humanos, recursos financeiros e recursos materiais, entre outros, tais como o tempo, a logística e o fluxo de produção de bens ou serviços. Destaca Pereira (2004) que a administração é o ato de realizar as coisas por intermédio das pessoas. O esforço grupal organizado e cooperativo na realização das tarefas, em todas as áreas e em todos os níveis da organização, deve ser orientado a fim de que os objetivos propostos sejam alcançados. Chiavenato (1994) define que a administração precisa mapear o ambiente externo e dar condições de eficiência à tecnologia utilizada através da estratégia empresarial, integrando os recursos e os esforços em todas as áreas e níveis da empresa.

18 17 A tarefa da administração envolve a interpretação de objetivos a fim de transformá-los em ação organizacional por meio de planejamento, da organização, da direção e do controle, conforme Figura 1. Planejamento Organização Administração Objetivos Ação Organizacional Interpreta Transforma Desempenha Direção Controle Figura 1: Ação administrativa. Fonte: Adaptado de Pereira (2004). Conforme Pereira (2004), a administração é o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar os esforços realizados pelos membros da organização, utilizando todos os outros recursos organizacionais para alcançar objetivos estabelecidos. Estas funções são: planejar: significa pensar antecipadamente em objetivos, ação e atos com base em algum método, plano ou lógica. O planejamento produz planos onde se determinam estratégias, diretrizes, táticas ou procedimentos de modo racional, a fim de que os objetivos sejam alcançados; organizar: significa alocar (distribuir) o trabalho (tarefas/atividades), a autoridade (estabelecendo relações hierárquicas e coordenativas) e os recursos na organização, criando a estrutura organizacional, composta pelo conjunto de unidades organizacionais e relações funcionais. Ao organizar, o administrador reúne os recursos necessários para alcançar um objetivo determinado, agrupando e coordenando as tarefas a serem executadas; dirigir: significa determinar às pessoas o que fazer e conseguir que elas o façam da melhor maneira possível; para isso, o administrador precisa comunicar, liderar e motivar de modo a estimular o alto desempenho;

19 18 controlar: significa verificar se os atos realizados estão de acordo com os planos, ou seja, se os atos, individuais ou coletivos, levam realmente a ação organizacional em direção aos objetivos alcançados. Os principais elementos do controle são: a) estabelecer padrões de desempenho (baseados nos planos); b) medir o desempenho atual; c) comparar os dois (padrões e desempenho); d) executar ações corretivas, caso sejam detectados desvios. Percebe-se, portanto, que as funções administrativas funcionam interligadas, ou seja, caso as funções planejar, dirigir, controlar e organizar não funcionem de maneira eficiente, todas as demais serão impactadas, visto que para a ação organizacional atingir aos objetivos da administração, as quatro funções devem ser exercidas. Para Chiavenato (1994, p.35), os recursos empresariais são os meios pelos quais a empresa procura realizar suas atividades para atingir seus objetivos. Estes recursos são: recursos materiais: correspondem aos prédios, edifícios, máquinas, equipamentos, instalações, matérias-primas etc., ou seja, todos os meios materiais ou físicos de produção; recursos financeiros: são os meios que permitem financiar as operações da empresa, como o próprio capital, fluxo de caixa, o faturamento, os investimentos da empresa etc.; recursos humanos: são os únicos recursos vivos e inteligentes da empresa e, por tanto, aqueles que operam e dinamizam os demais recursos empresariais; recursos mercadológicos: são os meios pelos quais a empresa entra em contato com o seu ambiente externo, principalmente com a parcela do ambiente que constitui o seu mercado; recursos administrativos: constituem o esquema administrativo da empresa como a direção, a gerência e a supervisão. Sua finalidade é integrar e coordenar todos os demais recursos empresariais.

20 19 As empresas visam a produção de alguma coisa mediante a reunião de quatro fatores de produção: a natureza, o capital, o trabalho e a tecnologia, seja para uma organização de produtos ou para organizações prestadoras de serviços. 2.2 Sistema Na visão de Chiavenato (1999), sistema é a idéia de um conjunto de elementos interligados para formar um todo, que apresenta propriedades e características próprias, que não são encontradas em nenhum dos elementos isolados. Conforme Mattar (1996), um sistema se inicia com a determinação de quais dados se fazem necessários. Em uma segunda etapa, é proporcionada a geração ou reunião dessas informações. As informações são, a seguir, processadas com o auxílio da análise estatística, da estruturação de um modelo, além de outras técnicas analíticas quantitativas. Por fim, há um dispositivo de armazenagem dos dados e posterior consulta das informações desejadas. Assim, um sistema é um coletor de dados e processador de informações, seja ela de qualquer natureza. Destaca Chiavenato (1999, p.111) que o sistema é um conjunto de unidades reciprocamente relacionadas, decorrendo dois conceitos: o de propósito (ou objetivo) e o de globalismo (ou totalidade). Esses dois conceitos retratam duas características básicas dos sistemas: propósito ou objetivo: todo sistema tem um ou alguns propósitos ou objetivos. As unidades ou elementos (ou objetos), bem como os relacionamentos, definem um arranjo que sempre visa alcançar um objetivo; globalismo ou totalidade: todo sistema tem uma natureza orgânica, pela qual uma ação que produza mudança em uma das unidades do sistema com muita probabilidade deverá produzir mudanças em todas as outras suas unidades. Em outros termos, qualquer estimulação em qualquer unidade do sistema afetará as demais unidades, devido ao relacionamento existente entre elas. O efeito total dessas mudanças ou alterações apresenta-se como um ajustamento de todo o sistema. O sistema sempre reagirá globalmente a qualquer estímulo produzido em qualquer parte ou unidade. Há uma relação entre as diferentes partes do sistema. Sempre que há uma mudança no sistema, ocorre um ajustamento sistemático.

21 20 Ainda conforme Chiavenato (1999, p.117), os parâmetros dos sistemas são: entradas: são também chamadas de insumos ou impulsos que o sistema recebe de fora. Constituem os pontos de contato do sistema com o ambiente externo, pelos quais o sistema importa recursos, materiais, energia ou informação. São os locais por meio dos quais o sistema recebe suprimento ou alimentação do ambiente ou importa recursos; saídas: são também chamadas de resultados ou produtos que o sistema coloca para fora. Constituem também os pontos de contato do sistema com o ambiente externo, pelos quais o sistema exporta recursos, materiais, energia ou informação. São os locais por meio dos quais o sistema coloca os resultados de suas operações no ambiente ou exporta o produto de seu trabalho. Da mesma forma que acontece com as entradas, as saídas também dependem da permeabilidade das fronteiras do sistema; processamento: constitui a operação interna do sistema; fica entre as entradas e as saídas, pois transforma e processa os insumos e proporciona as saídas. É também denominado processador, transformação ou operação. À medida que as entradas são diversificadas, o processamento sofre uma divisão de trabalho e uma diferenciação de atividades desdobrando-se em várias partes do sistema (subsistemas) que precisam trabalhar integralmente para assegurar coesão e estado firme do sistema; retroação: é também chamada de retroalimentação ou retroinformação ou ainda alimentação de retorno. Constitui a função do sistema que compara a saída com um padrão ou critério previamente estabelecido. A retroação tem por objetivo manter o sistema sujeito a um monitor. Monitor representa uma função de guia e de acompanhamento, de controle. Assim, a retroação é um subsistema que sente a saída, registrando a sua intensidade ou qualidade e comparando-a com um padrão ou critério preestabelecido, que procura mantê-la controlada dentro daquele padrão ou critério, evitando os desvios; ambiente: é o meio que envolve o sistema. O sistema aberto recebe entradas do ambiente, processa-as e efetua saídas novamente para o ambiente, de tal forma que existe entre ambos sistema e ambiente uma constante interação. O sistema e o ambiente encontram-se, pois, inter-relacionados e interdependentes. O sistema recebe influências do ambiente por meio de suas saídas. Todavia, à medida que

22 21 ocorrem essas influências, a própria influência do sistema sobre o ambiente retorna ao sistema pela retroação. Para que o sistema seja viável e sobreviva, ele deve adaptar-se ao ambiente por meio de uma constante interação e ajustamento. Assim, verifica-se que as funções principais de um sistema são: a entrada de dados, o processamento de informações, a saída da informação, a retroalimentação desta informação e o ambiente que envolve o sistema. 2.3 Sistema de Informações Gerenciais (SIG) As interações que ocorrem dentro das organizações dependem de informações que nascem de um sistema. Para Oliveira (1996), o sistema de informações gerenciais é um sistema voltado para a coleta, armazenagem, recuperação e processamento de informação que é usada ou desejada, por um ou mais executivos no desempenho de suas atividades. Destaca Cruz (1998) que os sistemas de informações gerenciais são o conjunto de tecnologias que disponibiliza os meios necessários à operação do processo decisório em qualquer organização por meio do processamento dos dados disponíveis. Há o objetivo de coletar, armazenar, recuperar e processar estas informações para que sejam utilizadas por executivos no desempenho de suas atividades. Os sistemas de informação da empresa devem ser configurados de forma a atender eficientemente às necessidades informativas de seus usuários, bem como incorporar conceitos, políticas e procedimentos que motivem e estimulem o gestor a tomar as melhores decisões para a empresa (GUERREIRO apud MOSIMANN; FISCH, 1999, p.24). Batista (2004) destaca que o sistema de informações gerenciais (SIG) oferece um conjunto de relatórios resumidos sobre o desempenho da empresa, os quais são utilizados para a realimentação do planejamento operacional. Conforme Mosimann e Fisch (1999, p.26), os SIG são desenvolvidos com base no conhecimento específico do negócio, chamado de método de trabalho. E, como uma metodologia adequada para selecionar informações estratégicas e atividades críticas da empresa, os sistemas de informação gerencial usam ferramentas que permitem uma visão analítica dos dados/processos, gerando uma

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o DATABASE MARKETING No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o empresário obter sucesso em seu negócio é

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING DESAFIOS PARA O SÉC. XXI A globalização, que obrigará a empresa a comparar-se com o que há de melhor no mundo. A necessidade de educar, treinar, motivar e liderar talentos.

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

TRANSFORME INFORMAÇÕES EM RESULTADOS

TRANSFORME INFORMAÇÕES EM RESULTADOS TRANSFORME INFORMAÇÕES EM RESULTADOS Hoje, mais do que nunca, o conhecimento é o maior diferencial de uma organização, mas somente quando administrado e integrado com eficácia. Para melhor atender os seus

Leia mais

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini SI- Sistemas de Informação Professora: Mariana A. Fuini INTRODUÇÃO A informação é tudo na administração de uma organização. Mas para uma boa informação é necessário existir um conjunto de características

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas.

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Transformação do call center Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Lucre com a atenção exclusiva de seus clientes. Agora,

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso 1. Muitas organizações estão utilizando tecnologia da informação para desenvolver sistemas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT O resultado prático para as empresas que adotam esse conceito de software, baseado no uso da tecnologia é conseguir tirar proveito dos dados de que dispõem para conquistar

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais:

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

AULA 5 O E-BUSINESS E OS SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES E DE INFORMAÇÃO EXECUTIVA

AULA 5 O E-BUSINESS E OS SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES E DE INFORMAÇÃO EXECUTIVA AULA 5 O E-BUSINESS E OS SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES E DE INFORMAÇÃO EXECUTIVA APOIO ÀS DECISÕES DE E-BUSINESS E SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES Conceito O conceito básico de e-business é simples: negócios

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Pesquisa de Marketing

Pesquisa de Marketing Pesquisa de Marketing CONCEITOS INICIAIS Prof. Daciane de Oliveira Silva Fonte: MALHORTA, Naresh K. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. 4 ed. Porto Alegre: Bookman, 2006. MATTAR, Fauze Najib.

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente.

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. As interações com os clientes vão além de vários produtos, tecnologias

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Controle ou Acompanhamento Estratégico

Controle ou Acompanhamento Estratégico 1 Universidade Paulista UNIP ICSC Instituto de Ciências Sociais e Comunicação Cursos de Administração Apostila 9 Controle ou Acompanhamento Estratégico A implementação bem sucedida da estratégia requer

Leia mais

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA 1) Quais são os componentes de um moderno sistema de informações de marketing? 2) Como as empresas podem coletar informações de marketing? 3) O que constitui

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS O PODER DA INFORMAÇÃO Tem PODER quem toma DECISÃO Toma DECISÃO correta quem tem SABEDORIA Tem SABEDORIA quem usa CONHECIMENTO Tem CONHECIMENTO quem possui INFORMAÇÃO (Sem

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais

Sistemas de Informação Gerenciais Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Terceira aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com Maio -2013 Governança

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Circular de Oferta 5102/ sto Ago

Circular de Oferta 5102/ sto Ago Circular de Oferta Agosto / 2015 Índice Introdução 03 Quem Somos 04 Como funciona o negócio 05 Vantagens de ser constituir uma agência 06 Produtos e serviços 07 Ferramentas de apoio 08 Atividades desempenhadas

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Introdução Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DE MÃO DE OBRA MÓVEL DA MOTOROLA UMA ESTRUTURA IDEAL PARA GERENCIAMENTO DE TAREFAS AUTOMATIZADO E INTELIGENTE EM TEMPO REAL

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DE MÃO DE OBRA MÓVEL DA MOTOROLA UMA ESTRUTURA IDEAL PARA GERENCIAMENTO DE TAREFAS AUTOMATIZADO E INTELIGENTE EM TEMPO REAL SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DE MÃO DE OBRA MÓVEL DA MOTOROLA UMA ESTRUTURA IDEAL PARA GERENCIAMENTO DE TAREFAS AUTOMATIZADO E INTELIGENTE EM TEMPO REAL MANTENHA SUA MÃO DE OBRA, UM DOS CUSTOS MAIS ONEROSOS

Leia mais

Resultados da Pesquisa

Resultados da Pesquisa Resultados da Pesquisa 1. Estratégia de Mensuração 01 As organizações devem ter uma estratégia de mensuração formal e garantir que a mesma esteja alinhada com os objetivos da empresa. Assim, as iniciativas

Leia mais

PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES

PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES ALUNO RA: ASSINATURA: DATA: / / AS RESPOSTAS DEVERRÃO SER TOTALMENTE MANUSCRITAS Prof. Claudio Benossi Questionário: 1. Defina o que é Marketing? 2. Quais são

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções.

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções. Revisão 1 Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento Coletar informação; e Identificar as direções. Precisa; Clara; Econômica; Flexível; Confiável; Dirigida; Simples; Rápida;

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais