Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1

2 RELATÓRIO E CONTAS REPORT AND ACCOUNTS

3 ÍNDICE NOTA ÓRGÃOS SOCIAIS MENSAGEM DO PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E DO PRESIDENTE DA COMISSÃO EXECUTIVA DIAGRAMA DE PARTICIPAÇÕES EM ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1. CONJUNTURA INTERNACIONAL 2. CONJUNTURA NACIONAL 3. SISTEMA FINANCEIRO 02 ACTIVIDADE DO BANIF BANCO INTERNACIONAL DO FUNCHAL, SA EM NEGÓCIO NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2. NEGÓCIO NO CONTINENTE 3. COMUNICAÇÃO E IMAGEM 4. MARKETING ESTRATÉGICO 5. RECUPERAÇÃO DE CRÉDITO VENCIDO E EM CONTENCIOSO 6. RECURSOS HUMANOS 7. SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO 8. CONTROLO DOS RISCOS DE ACTIVIDADE 9. COMPLIANCE E AUDITORIA 10. ACTIVIDADE FINANCEIRA 11. ACTIVIDADE INTERNACIONAL 12. PROVEDORIA DO CLIENTE 03 ANÁLISE ÀS CONTAS 04 APLICAÇÃO DE RESULTADOS 05 NOTA FINAL Relatório e Contas Report and Accounts 06 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1. BALANÇO INDIVIDUAL 2. DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 3. DEMONSTRAÇÃO DE VARIAÇÕES EM CAPITAIS PRÓPRIOS 4. DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 07 INFORMAÇÕES ADICIONAIS 1. INFORMAÇÃO NOS TERMOS DO ARTº 448º DO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS 2. ACÇÕES PRÓPRIAS E PARTICIPAÇÕES SOCIAIS QUALIFICADAS 3. RELATÓRIO E PARECER DO CONSELHO FISCAL 4. CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS E RELATÓRIO DE AUDITORIA 08 ANEXOS

4 CONTENTS NOTE BOARD OF DIRECTORS AND OFFICERS MESSAGE FROM THE CHAIRMAN OF THE BOARD OF DIRECTORS AND THE CHAIRMAN OF THE EXECUTIVE COMMITTEE DIAGRAM OF BANIF GROUP HOLDINGS AS AT ECONOMIC BACKGROUND 1. THE INTERNACIONAL ECONOMY 2. THE PORTUGUESE ECONOMY 3. THE FINANCIAL SYSTEM 02 BANIF BANCO INTERNACIONAL DO FUNCHAL, SA OPERATIONS IN BUSINESS IN MADEIRA 2. BUSINESS IN MAINLAND PORTUGAL 3. COMMUNICATION AND IMAGE 4. STRATEGIC MARKETING 5. CREDIT RECOVERY AND LEGAL 6. HUMAN RESOURCES 7. INFORMATION SYSTEMS AND TECHNOLOGY 8. CONTROL OF OPERATING RISKS 9. COMPLIANCE AND AUDITING 10. FINANCIAL OPERATIONS 11. INTERNATIONAL OPERATIONS 12. CLIENT SUPPORT OFFICE 03 ANALYSIS OF FINANCIAL STATEMENTS 04 ALLOCATION OF PROFITS 05 CLOSING REMARKS AND ACKNOWLEDGMENTS FINANCIAL STATEMENTS 1. INDIVIDUAL BALANCE SHEET 2. INCOME STATEMENT 3. STATEMENT OF CHANGES IN SHAREHOLDERS FUNDS 4. CASH FLOW STATEMENT 07 ADDITIONAL DISCLOSURES 1. DISCLOSURE UNDER ART. 448 OF THE COMPANIES CODE 2. OWN SHARES AND QUALIFIED HOLDINGS 3. REPORT AND OPINION OF THE AUDIT BOARD 4. LEGAL ACCOUNTS CERTIFICATE AND AUDIT BOARD 08 ANNEXES Relatório e Contas Report and Accounts

5 ÓRGÃOS SOCIAIS NOTA NOTE NOTA NOTE Esta publicação contém uma versão sintetizada do Relatório e Contas de 2005 da sociedade Banif SA, nela se incluindo os elementos que foram considerados de maior interesse informativo para o público em geral. A versão integral dos referidos documentos, além de publicada, nos termos legais, consta ainda de um CD ROM promocional editado pela Banif SA, para além de se encontrar disponibilizada no site bem como no site da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. This publication contains an abridged version of the Report and Accounts for 2005 of the company Banif SA, including the information considered to be of greatest interest to the general public. The full version of the said documents is published, in accordance with the law, and is also contained in the promotional CD ROM published by Banif SA, as well as being available online at and at the internet site of the Portuguese Securities Market Commission. The CD ROM also contains an abridged English language version of the Report and Accounts for 2005 of Banif SGPS, SA. 4 Relatório e Contas Report and Accounts

6 ÓRGÃOS SOCIAIS BOARD OF DIRECTORS AND OFFICERS ASSEMBLEIA GERAL GENERAL MEETING Presidente Chairman Prof. Doutor António Soares Pinto Barbosa Secretários Secretaries Comendador Jorge de Sá Dr. José Lino Tranquada Gomes CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO BOARD OF DIRECTORS Presidente Chairman Comendador Horácio da Silva Roque VicePresidentes Vice Chairmen Dr. Joaquim Filipe Marques dos Santos Dr. Carlos David Duarte de Almeida Administradores Directors Dr. Artur Manuel Pires Chambel Dr. António Manuel Rocha Moreira Dr. Manuel Isidoro Martins Vaz Dr. Rui Manuel Silva Gomes do Amaral Dr. Artur de Jesus Marques Dr. José Marques de Almeida COMISSÃO EXECUTIVA EXECUTIVE BOARD Presidente Chairman Dr. Joaquim Filipe Marques dos Santos Dr. Carlos David Duarte de Almeida Dr. Artur Manuel Pires Chambel Dr. António Manuel Rocha Moreira Dr. Manuel Isidoro Martins Vaz Dr. Rui Manuel Silva Gomes do Amaral Dr. José Marques de Almeida CONSELHO FISCAL SUPERVISION BOARD Presidente Chairman Prof. Doutor Fernando Mário Teixeira de Almeida Vogais Full Members Ernst & Young Audit & Associados Sociedade de Revisores Oficiais de Contas, SA representada por: represented by: Dr. Alfredo Guilherme da Silva Gândara Dr. José Luís Pereira de Macedo Vogais Suplentes Alternate Full Members Dr. José Pedro Lopes Trindade Dr. João Carlos Miguel Alves (ROC nº 896) Secretário da Sociedade Company Secretary Dr. Carlos Oliveira Auditores Auditors Ernst & Young Audit & Associados SROC, SA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO BOARD OF DIRECTORS Dr. Artur Marques, Dr. Manuel Vaz, Dr. Rocha Moreira, Dr. Marques dos Santos, Comendador Horácio Roque, Dr. Duarte de Almeida, Dr. Marques de Almeida, Dr. Artur Chambel, Dr. Rui Amaral 5 Relatório e Contas Report and Accounts

7 MENSAGEM DO PRESIDENTE MESSAGE FROM THE CHAIRMAN 6 Relatório e Contas Report and Accounts MENSAGEM DO PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E DO PRESIDENTE DA COMISSÃO EXECUTIVA O ano de 2005 constituiu para o Banif Banco Internacional do Funchal, SA um período de novos e decisivos avanços no sentido da sua expansão e crescente afirmação no âmbito do sistema financeiro português e, também, no desenvolvimento da sua actividade internacional. Não obstante a persistência de um quadro macroeconómico menos favorável, evidenciando reduzidos níveis de crescimento da actividade, o Banco registou, em 2005, um desempenho que consideramos muito positivo. Apurados de acordo com as Normas de Contabilidade Ajustadas, o Cash Flow alcançou 80,1 milhões de Euros, enquanto o Resultado Líquido se situou em 26,1 milhões de Euros, representando, relativamente ao ano anterior, aumentos de 24,3% e de 51,8%, respectivamente. A expansão global do Banco e das suas actividades foi prosseguida e suportada através do desenvolvimento de diversos projectos estruturantes de que se destacam o crescimento da rede de Agências e da base de Clientes, a implantação de novas soluções tecnológicas de suporte ao negócio, o aumento de notoriedade da Instituição, o Projecto Basileia II e a implementação das IAS, a adopção de nova estrutura organizativa e o aumento da qualidade dos recursos humanos. No que respeita à expansão da rede de Agências do Banco, verificouse, em 2005, a inauguração de 9 novos balcões, no Madeira Fórum, Telheiras (Lisboa), Olhão, Bairro do Liceu (Setúbal), Arcos de Valdevez, Leça da Palmeira, Campo de Ourique (Lisboa), Valença e Brito (Guimarães), e, já no corrente ano, Mangualde e Cartaxo, passando o Banif a contar com um total de 167 Agências no Continente e Região Autónoma da Madeira. Por outro lado, efectuaramse 23 alterações de lay out de agências, contribuindo para a melhoria da qualidade de acolhimento e serviço das mesmas. Igualmente de referir a abertura no Funchal, em parceria com o Banif Banco de Investimento, SA, do Centro Banif Privado, especialmente vocacionado para responder às necessidades dos segmentos altos do mercado, em termos de serviços e produtos financeiros. MESSAGE FROM THE CHAIRMAN OF THE BOARD OF DIRECTORS AND THE CHAIR MAN OF THE EXECUTIVE COMMITTEE The financial year of 2005 was a period of new and decisive progress by Banif Banco Internacional do Funchal, SA towards its goals of expanding its business, furthering its standing within the Portuguese financial system, and developing its international operations. Despite an economic climate which remains gloomy, with low levels of growth, the Bank recorded performance in 2005 which we may regard as very positive: cash flow rose to 80.1 million Euros, whilst net profits stood at 26.1 million Euros, representing increases over 2004 of 24.3% and 51.8% respectively. The expansion in the Bank and its operations has been achieved and supported by means of a number of structural projects including growth in the branch network and client base, the implementation of new technological business support systems, a higher public profile for the Bank, the Basle II Project and implementation of the IAS, the adoption of a new organizational structure and improved quality in human resources. In terms of expansion of the branch network, 9 new branches opened their doors for the first time in 2005, in Madeira Forum, Telheiras (Lisbon), Olhão, Bairro do Liceu (Setúbal), Arcos de Valdevez, Leça da Palmeira, Campo de Ourique (Lisbon), Valença e Brito (Guimarães), joined in early 2006 by new branches in Mangualde and Cartaxo, giving Banif a total of 167 branches in Mainland Portugal and Madeira. In addition to this, 23 existing branches were redesigned with new layouts, helping to improve the quality of service offered to our customers. A Banif Privado Centre has also been opened in Madeira in cooperation with Banif Banco de Investimento, SA. The new centre is especially geared to the needs of higher segments of the market, in terms of financial services and products. Following on from the programme to bring in 50,000 new customers (the 50,000

8 Na sequência do programa com o objectivo de captar novos Clientes ( Programa ), que em 2004 foi levado a cabo com sucesso, um novo e mais ambicioso programa ( Programa ) foi desenvolvido em 2005, tendo sido atingido e ultrapassado o objectivo de conquistar novos Clientes. Estas acções, que irão ter continuidade, têm assegurado um contributo muito relevante para o crescimento da base de Clientes do Banco e para a expansão do seu potencial de negócio. O desenvolvimento e implantação de soluções tecnológicas das mais avançadas do mercado tem, igualmente, constituído uma área prioritária da actuação do Banco, com tradução directa na qualidade e competitividade do serviço prestado aos Clientes. Salientamse, neste domínio, o Banifast, sistema de banca electrónica com ampla aceitação e penetração junto de Clientes particulares e empresas, o Banif Self, solução proprietária de ATM s com funcionalidades alargadas, já disponível em diversas agências do Banif e do Banco Comercial dos Açores (BCA), e a designada Nova Solução de Balcões MultiCanal, que deu continuidade à integração e normalização aplicacional entre o Banif e o BCA, com significativos ganhos de eficiência e produtividade, sendo ainda de referir o desenvolvimento de diversos outros projectos estruturantes de suporte ao negócio. Prosseguiu e reforçouse o aumento de notoriedade espontânea do Banco no mercado, com um número muito significativo de pessoas a designar o Banif como um dos Bancos de referência, evolução que decorre, naturalmente, para além do próprio crescimento da Instituição, de todo um conjunto de iniciativas de comunicação externa, nomeadamente, a Campanha Banif Solidário, o Prémio Zarco e os apoios concedidos na área do desporto, em particular os patrocínios ao Marítimo da Madeira Futebol, SAD, ao Clube Desportivo Nacional e à Federação Portuguesa de Basquetebol. Elemento chave da estratégia de desenvolvimento do Banif, a qualidade dos recursos humanos tem sido objecto de uma atenção permanente, sendo de referir, a título ilustrativo, a elevada percentagem de licenciados (43%) entre a população do Banco, a baixa idade média Programme ) which was successfully undertaken in 2004, a new and more ambitious programme (the 60,000 Programme ) was implemented in 2005, with results which exceeded the target of bringing in 60,000 new customers. This work will continue, and has made a very important contribution to growth in the Bank s client base and to expansion of its business potential. Another of the Bank s prime concerns has been to develop and implement the most advanced technology in the market, with a direct impact on the quality and competitiveness of the service offered to our clients. This has included Banifaast, our ebanking system which has proved popular with our private and corporate clients, Banif Self, a proprietary ATM system with a wide range of functions, already available at various branches of Banif and Banco Comercial dos Açores (BCA), and the new MultiChannel Branch Software, which has further integrated and standardized the software used by Banif and BCA, with significant efficiency and productivity gains. A number of other structural projects have also helped to underpin the Bank s business operations. Further progress has been made in raising Banif s profile and recognition rate in the market, with a significant number of individuals spontaneously naming Banif as one of the leading banks, thanks to the expansion of the bank itself, and to a wide range of media and communication initiatives, including the Banif Solidário Campaign, the Zarco prize, and support for sports organizations, including sponsorship deals with Marítimo da Madeira Futebol, SAD, Clube Desportivo Nacional and the Portuguese Basketball Federation. As a key element in Banif s development strategy, continuing attention has been paid to human resources. The quality of these resources is illustrated by the large proportion of graduate employees (43%), the low average age (37 years) and the average number of training hours per employee in 2005 (24). 7 Relatório e Contas Report and Accounts

9 MENSAGEM DO PRESIDENTE MESSAGE FROM THE CHAIRMAN 8 Relatório e Contas Report and Accounts desta (37 anos) e o número médio de horas de formação (24), por Colaborador, em Em coerência com o decisivo empenhamento assumido na obtenção de elevados níveis de qualidade em diferentes áreas de actividade, encontrase em curso um projecto de Certificação de Qualidade do Banco, desde já no âmbito da Banca Electrónica, do Call Center e da Provedoria do Cliente, o qual deverá, posteriormente, ser estendido a outros sectores. De referir, a propósito, ter o Call Center do Banco visto reconhecido o mérito do seu trabalho, ao ser distinguido, no âmbito do Troféu Call Center 2005, como o melhor do sector financeiro. No âmbito da actividade internacional, o ano de 2005 registou também desenvolvimentos significativos, sendo de destacar a abertura, com particular dignidade e forte impacto mediático, em Setembro, e em parceria com o Banif Banco de Investimento, SA, do Escritório de Representação em Londres, o qual permite assegurar o apoio aos negócios do Banco e do Banif Grupo Financeiro com entidades residentes no Reino Unido, incrementar os contactos com a comunidade portuguesa ali residente e prestar informações sobre os produtos e serviços do Banco e do Grupo. As notações de rating de Baa1 e BBB+ de longo prazo e P2 e F2 de curto prazo, inicialmente atribuídas ao Banif pelas Agências Moody s e Fitch em 2003, foram de novo confirmadas em 2005, comprovando a estabilidade do Banco e contribuindo para que este conheça uma aceitação cada vez maior nos mercados de capitais internacionais. O processo de expansão e modernização do Banif conheceu assim, em 2005, desenvolvimentos muito significativos, que asseguram à nossa Instituição um posicionamento cada vez mais relevante nos mercados em que exerce a sua actividade. Entre os factores decisivos para que tal pudesse verificarse, cabe salientar a competência, dedicação e empenhamento dos Colaboradores do Banco, a quem queremos manifestar o nosso reconhecimento. Constituindo natural motivo de satisfação para quantos contribuíram para a sua concretização, os resultados In line with the Bank s commitment to achieving high standards of quality in its various areas of operation, a quality certification project is currently underway for the Bank as a whole, starting with the ebanking service, the call centre and the Customer Support Office. This process will then be extended to other sectors. The quality of the service provided by the call centre was confirmed by the award to the Bank of the Call Center 2005 Trophy for the financial sector. In its international business, the Bank recorded significant developments in 2005, including the official opening in September to a media fanfare of a branch in London, in collaboration with Banif Banco de Investimento, SA. The new office will prove support for the operations of the Bank and the Banif Financial Group with UK residents, and increase the level of contact with the Portuguese community in the country, providing information on the products and services offered by the Bank and the Group. The long term scores of Baa1 and BBB+ and short term scores of P2 and F2 initially assigned to Banif by the Moody s and Fitch rating agencies in 2003 were once more confirmed in 2005, demonstrating the Bank s stability and helping it to achieve growing acceptance on the international capital markets. Significant progress was made in 2005 in modernizing Banif, placing the Bank in an increasingly advantageous position in the markets in which it operates. The decisive factors for achieving this included the skill, dedication and commitment of the Bank s employees, whom we wish to thank for their valuable work in The results achieved in the different sectors naturally give those who contributed to them grounds for satisfaction, as well as increasing the responsibility, incumbent on all of us, to follow through the path mapped out almost twenty years ago, and which has so far been travelled with undisputed success. We therefore need to continue

10 alcançados nas diferentes áreas não deixam, por outro lado, de representar, para todos nós, responsabilidades acrescidas no sentido de prosseguir o percurso iniciado há quase vinte anos e cujo sucesso se apresenta incontroverso. Devemos pois continuar, incessantemente, a contribuir para que o Banif seja, cada vez mais, em todos os domínios, um Banco de referência e como tal seja percebido pelos nossos Clientes; estamos certos de que tal se encontra ao nosso alcance. É pois com grande confiança nos destinos da nossa Instituição que concluímos o balanço de mais um ano de actividade, manifestando a quantos têm acompanhado a nossa acção, e em particular as autoridades de supervisão e o Governo Regional da Madeira, o nosso reconhecimento, e assegurando aos nossos Clientes, que nos honram com a sua confiança, que tudo faremos para continuar a merecer essa distinção. to invest our best efforts in ensuring that Banif is increasingly seen as a leading bank in all fields, and that this perception is shared by our customers. We are confident that this is within our grasp. It is therefore with full confidence in the future of the Bank that we close another year of operations, expressing our thanks to all those who have cooperated with us in the course of the year, notably the regulatory authorities and the Regional Government of Madeira, and assuring our Customers that we will make every effort to continue to be worthy of the confidence they have placed in us. JOAQUIM FILIPE MARQUES DOS SANTOS Chairman of the Executive Board HORÁCIO DA SILVA ROQUE Chairman of the Board of Directors JOAQUIM FILIPE MARQUES DOS SANTOS Presidente da Comissão Executiva HORÁCIO DA SILVA ROQUE Presidente do Conselho de Administração 9 Relatório e Contas Report and Accounts

11 DIAGRAMA DE PARTICIPAÇÕES EM DIAGRAM OF BANIF GROUP HOLDINGS AS AT DIAGRAMA DE PARTICIPAÇÕES EM DIAGRAM OF BANIF GROUP HOLDINGS AS AT Banif Imobiliária Cap. Social / Share C: % 100% Soc. Imobiliária Piedade Cap. Social / Share C: ,80% Banif Comercial SGPS, SA Cap. Social / Share C: ,20% 100% Banif Banco Internacional do Funchal, SA Cap. Social / Share C: % 100% Banif [Açores] SGPS, SA Cap. Social / Share C: Banif Finance, Ltd Cap. Social / Share C: c) 14,07% 33,62% Companhia de Seguros Açoreana, SA Cap. Social / Share C: % Banco Comercial dos Açores, SA Cap. Social / Share C: % 100% Banif & Comercial Açores, Inc San José b) Cap. Social / Share C: USD Banif & Comercial Açores, Inc Fall River Cap. Social / Share C: USD % Banif Leasing, SA Cap. Social / Share C: Banif Primus Banco de Investimento Cap. Social / Share C: R$ Relatório e Contas Report and Accounts 100% 70% 100% Banif CréditoSFAC, SA Cap. Social / Share C: Banif Rent, SA Cap. Social / Share C: Banif Banco Internacional do Funchal [Brasil], SA Cap. Social / Share C: R $ % 20% 100% 100% Beta Securitizadora Cap. Social / Share C: R $ Banif Primus Corretora Tit. Valores Mob. Câmbio Cap. Social / Share C: R $ Banif Primus Asset Management Cap. Social / Share C: R $

12 Banif SGPS, SA Cap. Social / Share C: BanifServ a) 100% Banif Investimentos SGPS, SA Cap. Social / Share C: % Banif Banco de Investimento Cap. Social / Share C: % Banif [Cayman], Ltd d) Cap. Social / Share C: USD % Banif Financial Services Inc Cap. Social / Share C: USD % Banif Gestão de Activos Cap. Social / Share C: % Banif International Holdings, Ltd Cap. Social / Share C: USD % Banif Mortgage Company Cap. Social / Share C: USD ,19% 47,57% 10,81% Banif Açor Pensões Cap. Social / Share C: % FINAB Cap. Social / Share C: USD % Banif Forfaiting Company Cap. Social / Share C: USD % 100% Newcapital Cap. Social / Share C: Banif International Asset Management Cap. Social / Share C: USD % Banif Multi Fund e) Cap. Social / Share C: USD % 0,1% 100% 80% 99,9% Banif Securities Holdings, Ltd Cap. Social / Share C: USD Banif [Brasil], Ltd Cap. Social / Share C: R $ Banif International Bank, Ltd Cap. Social / Share C: Em virtude de ser um ACE, a sua localização no diagrama pode ser reequacionada face à legislação dos ACE. Capital Social Realizado USD 100. A percentagem de controlo de capital votante é de 100%, sendo o capital social constituído por: acções ordinárias de valor nominal unitário de USD 1 e acções preferenciais sem voto de valor nominal unitário de EUR 0,01. A percentagem de controlo de capital votante é de 100%, sendo o capital social constituído por: de acções ordinárias de valor nominal USD 1 e de acções preferenciais sem voto, de valor nominal de USD 1. Capital Social Realizado USD 100. a) b) c) d) e) 100% 100% 99% Banif Securities Inc Cap. Social / Share C: USD Econofinance, SA Cap. Social / Share C: BRL: Banif Investimento México Cap. Social / Share C: Pesos Due to being an ACE ("Complementary Company Grouping"), its position in the diagram may have to be reviewed in the light of the relevant legislation. Paid up share capital USD % control of voting stock, the share capital comprising: 1,000 ordinary shares with a nominal value of USD 1 and 75,000 nonvoting preference shares with a nominal value of EUR 0, % control of voting stock, the share capital comprising: 26,000,000 ordinary shares with a nominal value of USD 1 and 16,000,000 nonvoting preference shares with a nominal value of USD 1. Paid up share capital USD Relatório e Contas Report and Accounts

13

14 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO ECONOMIC BACKGROUND UM MUNDO DE EMOÇÕES A WORLD OF EMOTIONS

15 01 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO ECONOMIC BACKGROUND 1 CONJUNTURA INTERNACIONAL 1 THE INTERNATIONAL ECONOMY 14 Relatório e Contas Report and Accounts O ano de 2005 ficou marcado por uma desaceleração do crescimento económico mundial o Fundo Monetário Internacional estima que a economia global tenha crescido 4,3% contra 5,0% em 2004 num contexto de elevados preços do petróleo e de subida de taxas de juro: o preço do petróleo atingiu um novo máximo histórico a 69,81 dólares, a Reserva Federal Americana subiu a taxa de referência em 2,25% para 4,25% e o Banco Central Europeu iniciou também um ciclo de subida de taxas assinala igualmente a rejeição do Tratado Constitucional pela França e pela Holanda, com implicações negativas ao nível do câmbio e dos indicadores de confiança; o anúncio da progressiva flexibilização do Renminbi, indiciando maior variedade na composição das reservas cambiais dos países asiáticos; o acentuar dos movimentos terroristas, com os ataques bombistas de Londres, e uma sequência anormal de catástrofes naturais. Uma das grandes surpresas de 2005 foi o facto de a subida/manutenção do preço do petróleo em níveis historicamente elevados ter tido um impacto mitigado sobre o crescimento e a inflação. Estimase que a taxa de inflação, excluindo os preços dos bens alimentares e energéticos, ao nível do G4 (EUA, Europa dos 12, Reino Unido e Japão) se tenha mantido num intervalo estável, em torno de 1,2 1,7%, cerca de 1% abaixo da taxa de inflação que incorpora estes dois efeitos, um patamar confortável do ponto de vista dos bancos centrais. A maior mobilidade laboral entre economias, propiciada pelo efeito globalização, impediu que a subida do preço do petróleo se repercutisse noutros indicadores de inflação mais relevantes, nomeadamente ao nível do mercado laboral. A normalização da política monetária constituíu outro dos grandes temas de 2005, com a Reserva Federal Americana a subir a sua taxa de referência em 225 pontos base (pb), de 2,00% para 4,25%, enquanto que o Banco Central Europeu, no final do ano, elevou a sua taxa de referência em 25 pb para 2,25%, depois de mais de dois anos e meio de estabilidade. A subida das taxas ficou a deverse mais à necessidade de reduzir o grau acomodatício da política monetária do que a qualquer tipo de pressões inflacionistas, já que os índices de The financial year of 2005 witnessed a slowdown in world economic growth the International Monetary Fund estimates that the global economy grew by 4.3%, as against 5.0% in 2004 in a context of high oil prices and rising interest rates: the price of oil reached a new historical high of dollars, the US Federal Reserve increased its reference rate by 2.25% to 4.25% and the European Central Bank also embarked on a series of interest rate hikes. Other leading developments in 2005 were the rejection of the Constitutional Treaty by France and Holland, with negative repercussions for exchange rates and confidence indexes, the announcement of a gradually more flexible policy for the Renminbi, pointing to a more variable composition for the foreign exchange reserves of Asian nations, the upsurge in terrorist activity, with the bomb attacks in London, and a freak sequence of natural disasters. One of the major surprises of 2005 was that the historic highs reached and maintained by oil prices had only a limited effect on growth and inflation. The inflation rate in the G4 nations (USA, the Euro Zone, United Kingdom and Japan), excluding food and energy, is estimated to have stayed within a stable band of between 1.2% 1.7%, approximately 1% below the inflation rate including the same two effects, which is a comfortable level from the point of view of the central banks. Increased labour mobility between economies, made possible by globalization, prevented the rise in the oil price from hitting other more relevant indicators of inflation, especially in the labour market. The standardization of monetary policy was another prominent theme in 2005, with the American Federal reserve increasing its reference rate by 225 basis points (BP), from 2.00% to 4.25%, whilst the European Central Bank increased its reference rate by 25 bp at the end of the year to 2.25%, after more than two and half years of stability. The hike in rates was due more to the need to reduce the degree of monetary policy accommodation

16 inflação subjacente, que mede a evolução dos preços excluindo factores mais voláteis e que as autoridades monetárias seguem com mais atenção, se mantiveram dentro de um intervalo relativamente confortável. Estimase que a economia americana tenha crescido 3,6% em 2005, acima do seu ritmo potencial, num período em que a alta do preço do petróleo não inibiu a Reserva Federal de prosseguir o processo de normalização das taxas de juro. Depois de um crescimento do 3,6% no primeiro semestre, foramse avolumando sinais de abrandamento económico, fruto principalmente do fraco desempenho do mercado de trabalho, e principalmente à medida que a Reserva Federal se mostrava inflexível no seu esforço de eliminação do excesso de liquidez existente. No entanto, a economia conseguiu manter o mesmo ritmo de crescimento no terceiro trimestre, impulsionada essencialmente pelo investimento e pelo consumo privado, componentes que cresceram 5,7% e 3,9%, respectivamente. No que respeita ao comportamento da inflação, a subida do petróleo afectou naturalmente a taxa de inflação corrente mas as taxas subjacentes sofreram em menor escala, tendo oscilado dentro do intervalo de 1,1% a 2,2%, um patamar mais confortável do ponto de vista da Reserva Federal. O ritmo de crescimento da economia acima do potencial, a par de um nível de inflação controlado e de taxas de obrigações de longo prazo a níveis historicamente baixos, viria a suscitar amplos debates entre os investidores sobre a sustentabilidade das actuais condições dos mercados financeiros. A Zona Euro terá apresentado em 2005 um abrandamento do ritmo de crescimento, com o produto a crescer cerca de 1,4% face a 1,8% em 2004 e abaixo das estimativas avançadas no início do ano. No primeiro semestre, o efeito da apreciação do Euro, com impacto negativo no sector exportador, e a rejeição do Tratado Constitucional Europeu, com reflexos na deterioração dos principais índices de confiança, quer empresariais, quer individuais, juntamente com a precariedade da situação orçamental, conduziu a um cenário de quase estagnação económica, com o PIB comunitário a crescer apenas 1,2%. Este factor, aliado ao nível de inflação controlado (1,5%, excluindo o contributo dos bens alimentares e energéticos) than to any type of inflationary pressures, as the underlying inflation indexes, which measure the evolution of prices whilst excluding the more volatile factors, and which the monetary authorities follow more closely, remained within a relatively comfortable band. The US economy is estimated to have recorded abovepotential growth of 3.6% in 2005, over a period when the high level of oil prices failed to prevent the Federal Reserve from standardizing interest rates. After growth of 3.6% in the first half, signs started to appear of an economic slowdown, due principally to the poor performance of the labour market, and principally because the Federal Reserve stuck to a hard line in its efforts to eliminate surplus liquidity. Nonetheless, the economy managed to maintain the same rate of growth in the third quarter, driven essentially by investment and consumer spending, which grew by 5.7% and 3.9% respectively. Rising oil prices naturally affected the current inflation rate, but the underlying rates were less badly hit, staying within a band of 1.1% to 2.2%, which is a more comfortable level from the point of view of the Federal Reserve. With abovepotential growth in the economy, combined with a controlled level of inflation and long term bond rates at historically low levels, investors were left wondering about the sustainability of the current conditions in the financial markets. The Euro Zone is expected to have recorded a drop in the growth rate in 2005, with output up by approximately 1.4%, as against 1.8% in 2004, falling short of the estimates advanced at the start of the year. In the first half, the effect of the strong Euro, with its negative impact on exports, and the rejection of the European Constitutional Treaty, which helped to erode leading confidence indexes, for both business and consumers, led to a scenario of near economic stagnation, with community GDP growing by only 1.2%. This factor, combined with inflation at 15 Relatório e Contas Report and Accounts

17 01 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO ECONOMIC BACKGROUND 16 Relatório e Contas Report and Accounts e à permanência de uma taxa de desemprego elevada (acima de 8,5%), gerou frequentes especulações sobre um possível corte de taxas por parte do BCE. A partir do terceiro trimestre, a generalidade dos índices de confiança apresentou melhorias consideráveis, reflectindo a tendência de depreciação do Euro, o que aliado a uma taxa de inflação ligeiramente acima do objectivo de 2%, motivou a subida de taxas por parte do BCE, interrompendo um ciclo de manutenção que se prolongava há dois anos e meio. Estimase que o Japão tenha apresentado em 2005 uma ligeira desaceleração do ritmo de crescimento, com o produto ainda assim a subir cerca de 2,5%, estimulado essencialmente pela procura externa e, em particular, pela China. O mercado de trabalho evidenciou algumas melhorias, com a taxa de desemprego a registar uma ligeira queda de 4,7% para 4,3%, em consonância com uma subida generalizada dos indicadores de confiança empresarial. Apesar do forte crescimento económico, a economia japonesa não se conseguiu dissociar do processo de deflação que a tem afectado nos últimos anos: a inflação homóloga terá voltado a registar variações negativas, em torno de 1,2%, em linha com o verificado no ano anterior. As principais economias asiáticas mantiveram um ritmo de crescimento em linha com o observado em 2004 cerca de 7,8% em resultado do forte dinamismo das respectivas procuras internas, o que tem por sua vez ajudado a incrementar significativamente o volume de trocas comerciais a nível global. O vigor da economia chinesa, cujas estimativas apontam para um crescimento em torno de 9,5%, continuou a suportar a procura mundial. Estimase que a América Latina tenha sofrido uma desaceleração do crescimento económico dos fulgurantes 5,9% em 2004 para 3,9% em 2005, com a taxa de inflação a diminuir de 6,6% para 5,7%, no mesmo período. O crescimento da economia americana e o estímulo da procura externa da China, assim como o comportamento favorável dos preços das matérias primas, beneficiaram o sector exportador do bloco latinoamericano. controlled levels (1.5%, excluding food and energy) and the continued high level of unemployment (over 8.5%), generated frequent speculation as to a possible cut in interest rates by the ECB. From the third quarter onwards, most confidence indexes improved considerably, reflecting a weaker Euro, which combined with an inflation rate slightly above the target of 2% caused the ECB to increase its rates, putting an end to a period of stability lasting two and a half years. Growth in the Japanese economy is estimated to have slowed slightly in 2005, with output rising by approximately 2.5%, driven essentially by external demand, especially from China. The labour market improved somewhat, with the unemployment rate falling from 4.7% to 4.3%, as a result of a general rise in business confidence indicators. Despite strong economic growth, the Japanese economy has not managed to shake off the deflation which has affected it in recent years: yearonyear inflation is thought to have been negative again, at around 1.2%, in line with the previous year. The principal Asian economies maintained a similar pace of growth to that in 2004 at approximately 7.8% thanks to vigorous internal demand, which has in turn contributed significantly to the increase in global trade. Strong growth in the Chinese economy, estimated at around 9.5%, has continued to underpin global demand. In Latin America, economic growth is estimated to have dropped from the boom rate of 5.9% in 2004 to 3.9% in 2005, with the inflation rate falling from 6.6% to 5.7% over the same period. Growth in the US economy and the stimulus of external demand from China, combined with favourable trends in raw material prices, have benefited the export sector of the Latin American block. Brazil recorded a slower rate of growth, accompanied by a drop in inflation and

18 O Brasil terá apresentado uma desaceleração do ritmo de crescimento, acompanhada da redução da inflação e da diminuição da taxa de desemprego. Estimase que o PIB tenha crescido 2,3% face a 4,9% no ano anterior, com a inflação homóloga a diminuir dois pontos percentuais para 5,6% e a taxa de desemprego a reduzir se de 11,5% para 10,1%. Merece igualmente referência a ligeira deterioração do défice orçamental, de 2,7% para 3,4% do PIB, devido ao peso acrescido das despesas, em resultado de taxas de juro mais elevadas. Estima se que a política de subida de taxas por parte do Banco Central, iniciada em Setembro de 2004, tenha tido um impacto superior ao esperado na economia real. O último aumento aconteceu em Maio, quando a taxa atingiu 19,75%. Nas três reuniões seguintes, o Banco Central manteve a taxa de referência inalterada e, em Setembro, iniciou o ciclo de descida, com um corte de 25 pb, a que se seguiram cortes de 50 pb nas reuniões de Outubro, Novembro e Dezembro, com a taxa a fechar o ano em 18%. A actuação do Banco Central teve também repercussões na apreciação do Real face ao Dólar (cerca de 12% no ano, para 2,33 Reais/Dólar) e num estreitamento do spread do principal referencial de risco Brasil (o índice EMBI+) para um nível historicamente baixo 311 pb face a 382 pb no final de lower unemployment. Growth in GDP is estimated at 2.3%, as compared with 4.9% in the previous year, with yearonyear inflation down two percentage points to 5.6% and unemployment down from 11.5% to 10.1%. The budget deficit increased slightly, from 2.7% to 3.4% of GDP, due to the added weight of public spending, resulting from higher interest rates. It is estimated that the policy of interest rate hikes which the Central Bank started to implement in September 2004 has had a greater than expected impact on the real economy. The second increase took place in May, when the rate was raised to 19.75%. At its three subsequent meetings, the Central Bank maintained the reference rate as it stood, and in September started to bring it down, with a cut of 25 bp, followed by further cuts of 50 bp at the meetings in October, November and December, with the rate ending the year at 18%. The Central Bank s action also caused the Real to rise against the dollar (by approximately 12% over the year, to 2.33 Reais/Dollar), and a narrowing in the spread of the main Brazil risk index (the EMBI+ index) down to a historic low 311 bp as against 382 bp at the end of CONJUNTURA NACIONAL 2 THE PORTUGUESE ECONOMY A economia portuguesa registou em 2005 uma desaceleração no seu ritmo de crescimento, estimandose que tenha crescido cerca de 0,3% face a 1,3% no ano transacto, bastante abaixo das expectativas iniciais, e implicando quatro anos consecutivos de divergência real face à Zona Euro. De facto, o ambiente económico mantevese bastante deprimido, sobretudo durante a primeira metade do ano, altura em que o tópico da estabilidade das finanças públicas ganhou novo relevo na sequência das eleições legislativas antecipadas. A reavaliação das contas públicas colocou o valor do défice em 6,83% para 2005, The Portuguese economy recorded slower growth in 2003, with GDP up by approximately 0.3%, as compared to growth of 1.3% in the previous year. This was significantly lower than expected, and has meant four consecutive years of real divergence in relation to the Euro Zone. The economic environment remained fairly depressed, especially during the first half of the year, when the question of the stability of public finance returned to the top of the political agenda in the wake of an early general election. Reassessment 17 Relatório e Contas Report and Accounts

19 01 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO ECONOMIC BACKGROUND 18 Relatório e Contas Report and Accounts forçando a adopção de várias medidas de contenção, entre as quais se contam a subida da taxa normal do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) de 19% para 21% bem como de outras taxas específicas de imposto. Ainda decorrente dessa reavaliação, a República Portuguesa viu a sua notação de crédito reduzida pela agência Standard & Poors de AA para AA. Uma análise mais atenta às principais componentes do PIB revela que o consumo privado continua a ser o principal sustentáculo da economia, devido essencialmente ao estímulo de taxas de juro historicamente baixas e apesar da contenção salarial e da subida da taxa de desemprego para máximos históricos (7,7%). Assim, a despesa dos consumidores terá crescido cerca de 1,8% em 2005, uma ligeiríssima desaceleração face a Inversamente, o investimento foi a componente com pior desempenho, estimandose que tenha caído cerca de 3,1% durante o ano, bastante abaixo das expectativas iniciais. Do lado da procura externa, as tendências de perda de competitividade e de quota de mercado no exterior mantiveramse mas foram surgindo sinais mais encorajadores ao longo do segundo semestre, estimando se mesmo que a procura externa líquida tenha tido um contributo positivo para o crescimento nesse período, compensando o abrandamento da procura interna. Em termos de finanças públicas, os gastos do Estado terão aumentado cerca de 1,1% em termos reais, ainda assim abaixo da taxa de 2,6% registada em No que diz respeito à inflação, a conjuntura económica mais deprimida acabaria por compensar o efeito inflacionista decorrente da subida dos preços do petróleo, levando o Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) a desacelerar face a 2004, de 2,5% para cerca de 2,1%. A permanência de um padrão de crescimento essencialmente assente no consumo privado acabou por agravar em 2005 o desequilíbrio das contas externas portuguesas. Assim, a Balança de Transacções Correntes voltou a deteriorarse, prevendose que o seu défice conjunto com a Balança de Capital tenha atingido cerca de 8,2% do PIB face a 5,9% no ano anterior. of public accounts pointed to a deficit of 6.83% for 2005, forcing the authorities to adopt various containment measures, including an increase in the normal VAT (Value Added Tax) rate from 19% to 21%, as well as increases in some of the specific rates for this tax. Also as a result of this reassessment, the Portuguese Republic s credit rating was reduced by Standard & Poors from AA to AA. A more detailed analysis of the main components of GDP reveal that consumer spending continued to provide the main prop for the economy, due to the stimulus of historically low interest rates, and despite containment of pay settlements and a rise in the unemployment rate to a historic high (7.7%). Consumer spending is estimated to have risen by approximately 1.8% in 2005, representing slightly slower growth than in At the other end of the scale, investment was the worst performing component, down by 3.1% over the year, well below initial expectations. On the external demand side, there was a continued trend towards reduced competitiveness and a loss of market share abroad, but more encouraging signs appeared over the course of the second half, and net external demand is thought to have made a positive contribution to growth over this period, offsetting the drop in internal demand. In terms of public finance, government spending is estimated to have risen by approximately 1.1% in real terms, which is nonetheless down from the rate of 2.6% recorded in In terms of inflation, the depressed economic situation offset the inflationary effect of rising oil prices, causing the Harmonized Retail Price Index (HRPI) to slow in relation to 2004, down from 2.5% to approximately 2.1%. The continued existence of a pattern of growth based essentially on consumer spending further exacerbated the imbalance in Portugal s external accounts in The Balance of Payments on Current Account worsened again, and the joint deficit with the Capital Balance is expected to have reached approximately 8.2% of GDP, as against 5.9% in the previous year.

20 3 SISTEMA FINANCEIRO 3 THE FINANCIAL SYSTEM 3.1 Situação Global 3.1 Overview O ano de 2005 ficou marcado pela introdução formal das novas regras contabilísticas impostas pelas Normas Internacionais de Contabilidade (NICs), que produziram algumas alterações importantes do ponto de vista regulamentar, já que o Banco de Portugal aproveitou para proceder a alguns ajustamentos nos cálculos dos requisitos de capital. Uma das questões mais prementes neste âmbito prendese com o tópico dos fundos de pensões, nomeadamente com a maior frequência nos ajustes de pressupostos actuariais, que poderá originar volatilidade acrescida na definição das contribuições, agravando o já difícil contexto que decorre do envelhecimento da população e da maior esperança de vida das populações. Nesse sentido, começaram a verificarse algumas movimentações por parte dos principais bancos no sentido de proceder à transferência dos fundos de pensões para o sistema geral. Do ponto de vista operacional, o ano caracterizouse pela manutenção das margens de intermediação a mínimos históricos, apenas mitigada no final do ano pela subida da taxa de referência do Banco Central Europeu em 25 pb, que se reflectiu num movimento paralelo da curva de rendimentos do mercado monetário. As margens foram igualmente pressionadas pelo ambiente muito competitivo do mercado, sobretudo nos segmentos de crédito hipotecário e a grandes empresas, o que motivou alguns bancos a orientarem as suas estratégias de crescimento para o segmento de PMEs. Apesar disso e da conjuntura macroeconómica pouco favorável, a persistência de baixas taxas de juro em termos absolutos continuou a estimular o crescimento dos volumes, permitindo por isso uma subida da margem financeira em termos homólogos. Com efeito, invertendo a tendência do ano anterior, o volume de crédito global aumentou cerca de 8% face a 2004 (dados até Novembro de 2005), com o segmento de particulares a crescer cerca de 10,8% e o empresarial 5%. Neste último, vale a pena destacar o facto de o crescimento mais expressivo 17,4% ter sido observado nos créditos concedidos a prazos superiores a cinco anos. Do lado dos particulares, o crédito hipotecário continua a absorver a maior fatia do The financial year of 2005 saw the formal introduction of new accounting rules imposed by the International Financial Reporting Standards (IFRS), which resulted in a number of major changes to regulations, as the Bank of Portugal took the opportunity to make a number of adjustments to the calculation of capital requirements. One of the most pressing issues in this area has to do with the question of pension funds, namely with the increased frequency of adjustments to actuarial assumptions, which may lead to added volatility in the definition of contributions, adding further to the difficulties created by the ageing of the population and the increase in life expectancy. In view of this, the major banks have started to make moves to transfer pension funds to the general system. From an operational point of view, the main feature of the year was that brokerage margins remained at historic lows, only mitigated at the end of the year by the rise in the European Central Bank s reference rate by 25 bp, which was reflected in a parallel trend in the yield curve of the money market. Margins were also subjected to pressure from the highly competitive market environment, especially in mortgage lending and major corporations, leading some banks to focus their growth strategy on the small and medium business sector. Despite this, and the unfavourable economic situation, the fact that interest rates remained at low levels in absolute terms continued to stimulate growth in volume, helping to push up the financial margin in comparison with the previous year. In a turnaround in the trend recorded in 2004, total lending was up by approximately 8% over the year (figures for November 2005), with the private clients sector growing by 10.8% and the business sector by 5%. We should stress that the best growth in the business sector 17.4% was recorded in lending over periods in 19 Relatório e Contas Report and Accounts

Banif - Banco Internacional do Funchal, SA

Banif - Banco Internacional do Funchal, SA RELATÓRIO DE GESTÃO E CONTAS 2005 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA Banif - Banco Internacional do Funchal, SA Sede Social: Rua de João Tavira, 30-9 000 Funchal Capital Social: 240.000.000 Euros

Leia mais

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 14/2014

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 14/2014 TEXTO Brazil Leads Decline Among World's Biggest Companies THE losses OF São Paulo's stock market AND THE decline OF Brazil's real made Brazilian companies THE biggest losers among THE world's major companies,

Leia mais

106 BANCO DE PORTUGAL Boletim Estatístico

106 BANCO DE PORTUGAL Boletim Estatístico 106 BANCO DE PORTUGAL Boletim Estatístico B.7.1.1 Taxas de juro sobre novas operações de empréstimos (1) concedidos por instituições financeiras monetárias a residentes na área do euro (a) Interest rates

Leia mais

1. THE ANGOLAN ECONOMY

1. THE ANGOLAN ECONOMY BPC IN BRIEF ÍNDICE 1. THE ANGOLAN ECONOMY 2. EVOLUTION OF THE BANK SECTOR 3. SHAREHOLDERS 4. BPC MARKET RANKING 5. FINANCIAL INDICATORES 6. PROJECTS FINANCE 7. GERMAN CORRESPONDENTS 1. THE ANGOLAN ECONOMY

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL DE 30 DE MARÇO DE 2007. Alínea b) do nº 1 do Artº 289º do CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL DE 30 DE MARÇO DE 2007. Alínea b) do nº 1 do Artº 289º do CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS 1 BANIF - SGPS, SA Sociedade aberta * Sede Social: Rua de João Tavira, 30 9004-509 Funchal Capital Social: 250.000.000 Euros Número único de matrícula e Pessoa Colectiva nº 511 029 730 ASSEMBLEIA GERAL

Leia mais

Banif SGPS, SA e Banif - Grupo Financeiro Consolidado

Banif SGPS, SA e Banif - Grupo Financeiro Consolidado RELATÓRIO DE GESTÃO E CONTAS 2005 Banif SGPS, SA e Banif - Grupo Financeiro Consolidado Banif SGPS, SA Sociedade com o capital aberto ao investimento do público Sede Social: Rua de João Tavira, 30-9 000

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

SAP fecha 2008 com Crescimento de Dois Dígitos

SAP fecha 2008 com Crescimento de Dois Dígitos SAP fecha 2008 com Crescimento de Dois Dígitos A SAP aumenta a um ritmo de 14% as receitas de software e de serviços relacionados com software em 2008 e apresenta um crescimento nas receitas totais de

Leia mais

MESA DA ASSEMBLEIA GERAL

MESA DA ASSEMBLEIA GERAL BANIF - SGPS, S.A. Sociedade Aberta Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Funchal Sede Social: Rua de João Tavira, 30 9004 509 Funchal Capital Social: 350.000.000 Euros * Número único de

Leia mais

SAP anuncia resultados do Segundo Trimestre de 2009

SAP anuncia resultados do Segundo Trimestre de 2009 SAP anuncia resultados do Segundo Trimestre de 2009 A SAP continua a demonstrar um forte crescimento das suas margens, aumentando a previsão, para o ano de 2009, referente à sua margem operacional Non-GAAP

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS REPORT AND ACCOUNTS

RELATÓRIO E CONTAS REPORT AND ACCOUNTS RELATÓRIO E CONTAS REPORT AND ACCOUNTS RELATÓRIO E CONTAS REPORT AND ACCOUNTS ÍNDICE 2 Relatório e Contas Report and Accounts ÓRGÃOS SOCIAIS 4 NOTA 6 ASSEMBLEIA GERAL ANUAL CONVOCATÓRIA 7 MENSAGEM AOS

Leia mais

1 do Art.º º 289.º º do CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS MESA DA ASSEMBLEIA GERAL. Presidente: Prof. Doutor LUÍS MANUEL MOREIRA DE CAMPOS E CUNHA

1 do Art.º º 289.º º do CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS MESA DA ASSEMBLEIA GERAL. Presidente: Prof. Doutor LUÍS MANUEL MOREIRA DE CAMPOS E CUNHA BANIF - SGPS S.A. Sociedade Aberta Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Funchal Sede Social: Rua de João Tavira, 30 9004 509 Funchal Capital Social: 570.000.000 Euros * Número único de

Leia mais

COSEC. Valorização do Real e Mercado Futuro de Câmbio

COSEC. Valorização do Real e Mercado Futuro de Câmbio COSEC 8 de Agosto de 2011 Valorização do Real e Mercado Futuro de Câmbio Roberto Giannetti da Fonseca Diretor Titular Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Mitos e Mistérios do Mercado

Leia mais

As Novas Formas de Financiamento da Economia

As Novas Formas de Financiamento da Economia As Novas Formas de Financiamento da Economia Francisco Fonseca Vice-Presidente ANJE 2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS - LISBOA O que são? Formas alternativas de financiamento incluem

Leia mais

2. HUMAN RESOURCES 2. RECURSOS HUMANOS 1 RECRUTAMENTO E SELECÇÃO 1 RECRUITMENT AND SELECTION 2 QUALIFICAÇÃO DOS TRABALHADORES

2. HUMAN RESOURCES 2. RECURSOS HUMANOS 1 RECRUTAMENTO E SELECÇÃO 1 RECRUITMENT AND SELECTION 2 QUALIFICAÇÃO DOS TRABALHADORES RECURSOS HUMANOS HUMAN RESOURCES . RECURSOS HUMANOS RECRUTAMENTO E SELECÇÃO. HUMAN RESOURCES RECRUITMENT AND SELECTION O recrutamento e a situação contratual, no ano em análise, e face ao anterior, caracterizaram-se

Leia mais

Governação Novo Código e Exigências da Função Auditoria

Governação Novo Código e Exigências da Função Auditoria Novo Código e Exigências da Função Auditoria Fórum de Auditoria Interna - IPAI 19 de Junho de 2014 Direito societário e auditoria interna fontes legais 1. CSC artigo 420,º, n.º 1, i) - fiscalizar a eficácia

Leia mais

Parte 1 Part 1. Mercado das Comunicações. na Economia Nacional (2006-2010)

Parte 1 Part 1. Mercado das Comunicações. na Economia Nacional (2006-2010) Parte 1 Part 1 Mercado das Comunicações na Economia Nacional (2006-2010) Communications Market in National Economy (2006/2010) Parte 1 Mercado das Comunicações na Economia Nacional (2006-2010) / Part 1

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

BANIF - SGPS S.A. ASSEMBLEIA GERAL DE 14 DE OUTUBRO DE 2011 Alínea b) do n.º 1 do Art.º 289.º do CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS

BANIF - SGPS S.A. ASSEMBLEIA GERAL DE 14 DE OUTUBRO DE 2011 Alínea b) do n.º 1 do Art.º 289.º do CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS BANIF - SGPS S.A. Sociedade Aberta Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Funchal Sede Social: Rua de João Tavira, 30 9004 509 Funchal Capital Social: 570.000.000 Euros * Número único de

Leia mais

CARLA ALEXANDRA SEVES DE ANDRADE CANOTILHO

CARLA ALEXANDRA SEVES DE ANDRADE CANOTILHO Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico da Guarda R E L AT Ó R I O D E AT I V I D A D E P R O F I S S I O N A L N A J. V A R G A S - G A B I N E T E T É C N I C O D E G E S T Ã O E

Leia mais

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS THE CAPITAL STRUCTURE: AN ANALYSE ON INSURANCE COMPANIES FREDERIKE MONIKA BUDINER METTE MARCO ANTÔNIO DOS SANTOS MARTINS PAULA FERNANDA BUTZEN

Leia mais

A Importância da Informação Contabilística e do Relato Financeiro

A Importância da Informação Contabilística e do Relato Financeiro A Importância da Informação Contabilística e do Relato Financeiro Pedro Silva Ferreira Diretor do Departamento de Contabilidade e Controlo do Banco de Portugal 7 outubro 0 Lisboa XIII Conferência sobre

Leia mais

A. Situação / Situation

A. Situação / Situation A. Situação / Situation A Assembleia Mundial da Saúde (OMS) aprova em 1969 o Regulamento Sanitário Internacional, revisto pela quarta vez em 2005. Esta última versão entrou em vigor no plano internacional

Leia mais

O Sistema Expectativas de Mercado: Ferramenta de Suporte à Política Monetária

O Sistema Expectativas de Mercado: Ferramenta de Suporte à Política Monetária O Sistema Expectativas de Mercado: Ferramenta de Suporte à Política Monetária André Marques Março de 2015 I. Histórico II. Características Principais III. Relatórios IV. Uso no Processo de Política Monetária

Leia mais

Definição de competitividade

Definição de competitividade TRIBUTAÇÃO E COMPETITIVIDADE VII Jornadas do IPCA 25.11.2006 Claudia Dias Soares Universidade Católica Portuguesa Definição de competitividade EC 2004: a sustained rise in the standards of living of a

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA e Grupo Banif Consolidado INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA Sociedade

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

Rating soberano do Brasil

Rating soberano do Brasil Rating soberano do Brasil Regina Nunes Presidente Standard & Poor s no Brasil Outubro 2014 Permission to reprint or distribute any content from this presentation requires the prior written approval of

Leia mais

BANIF SGPS, SA RELATÓRIO SOBRE O GOVERNO DA SOCIEDADE

BANIF SGPS, SA RELATÓRIO SOBRE O GOVERNO DA SOCIEDADE BANIF SGPS, SA RELATÓRIO SOBRE O GOVERNO DA SOCIEDADE A informação que segue, relativa ao Governo da Sociedade, integra-se no disposto no Regulamento nº7/2001 da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Leia mais

Banif SGPS, SA e Grupo Banif Consolidado

Banif SGPS, SA e Grupo Banif Consolidado RELATÓRIO DE GESTÃO E CONTAS Banif SGPS, SA e Grupo Banif Consolidado Banif SGPS, SA Sociedade com o capital aberto ao investimento do público Sede Social: Rua de João Tavira, 30-9 000 Funchal Capital

Leia mais

COMUNICADO. Bank Millennium na Polónia apresenta Resultados de 2005

COMUNICADO. Bank Millennium na Polónia apresenta Resultados de 2005 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.588.331.338 Euros COMUNICADO Bank Millennium na

Leia mais

and work, with work having a multiplication factor double). Relacionamento Comercial Internacional International Commercial Relationship

and work, with work having a multiplication factor double). Relacionamento Comercial Internacional International Commercial Relationship Sucesso é a união de três elementos: confiança, reciprocidade e trabalho, tendo o trabalho um fator duplo de multiplicação (success is basically the union of three elements: trust, reciprocity and work,

Leia mais

Conference Call 2Q13 and 1H13 Results

Conference Call 2Q13 and 1H13 Results Conference Call 2Q13 and 1H13 Results 2 Performance in the Negócios Internacionais Negócios domestic Nacionais and USA,Europa e international markets Exportações Márcio Utsch Net Revenue 3 Net revenue

Leia mais

Miguel Coelho Universidade Lusíada de Lisboa

Miguel Coelho Universidade Lusíada de Lisboa Demasiado tarde para ser perdoada? Uma análise sintética sobre o impacto de uma renegociação da dívida pública Miguel Coelho Universidade Lusíada de Lisboa Lusíada. Economia & Empresa. Lisboa, n.º 16/2013

Leia mais

The Brazil United States Consumer Product Safety Conference Brazil United States Joint Press Statement June 10, 2011 Rio de Janeiro, Brazil Common Interests Ensuring a high level of consumer product safety

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA. A Reputação e a Responsabilidade Social na BP Portugal: A importância da Comunicação. Por. Ana Margarida Nisa Vintém

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA. A Reputação e a Responsabilidade Social na BP Portugal: A importância da Comunicação. Por. Ana Margarida Nisa Vintém UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA A Reputação e a Responsabilidade Social na BP Portugal: A importância da Comunicação Relatório de estágio apresentado à Universidade Católica Portuguesa para obtenção do

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

ADJUSTMENTS IN BRAZIL S ECONOMIC POLICY IN 2015 WILL LIKELY PRODUCE MORE SUSTAINABLE GDP GROWTH RATES GOING FORWARD

ADJUSTMENTS IN BRAZIL S ECONOMIC POLICY IN 2015 WILL LIKELY PRODUCE MORE SUSTAINABLE GDP GROWTH RATES GOING FORWARD PRESENTATION APIMEC BRASÍLIA ADJUSTMENTS IN BRAZIL S ECONOMIC POLICY IN 2015 WILL LIKELY PRODUCE MORE SUSTAINABLE GDP GROWTH RATES GOING FORWARD 1 1 Brasília, February, 5th 2015 Ellen Regina Steter WORLD

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

VII Encontro Empresarial Ibero-Americano

VII Encontro Empresarial Ibero-Americano VII Encontro Empresarial Ibero-Americano A gestão dos riscos: Os preços das matérias primas, a inflação e os movimentos de capital FIT FOR A NEW ERA 27 de Outubro de 2011 Estrutura da apresentação 1 Uma

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS REPORT AND ACCOUNTS

RELATÓRIO E CONTAS REPORT AND ACCOUNTS 2006 RELATÓRIO E CONTAS REPORT AND ACCOUNTS 2006 RELATÓRIO E CONTAS REPORT AND ACCOUNTS ÍNDICE 2 Relatório e Contas Report and Accounts ÓRGÃOS SOCIAIS 4 NOTA 6 ASSEMBLEIA GERAL ANUAL CONVOCATÓRIA 7 MENSAGEM

Leia mais

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007 26 de Outubro de 2010 Actividade do Bank Millennium (Polónia) no 3º Trimestre de 2010 O Banco Comercial Português, S.A. informa que o Bank Millennium S.A. com sede em Varsóvia, Polónia, entidade na qual

Leia mais

75, 8.º DTO 1250-068 LISBOA

75, 8.º DTO 1250-068 LISBOA EAbrief: Medida de incentivo ao emprego mediante o reembolso da taxa social única EAbrief: Employment incentive measure through the unique social rate reimbursement Portaria n.º 229/2012, de 03 de Agosto

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Fonte / Source: Banco Central Europeu / European Central Bank. Depósitos com pré-aviso até 3 meses. equiparados até 2 anos (1)

Fonte / Source: Banco Central Europeu / European Central Bank. Depósitos com pré-aviso até 3 meses. equiparados até 2 anos (1) B.0.1 AGREGADOS MONETÁRIOS DA ÁREA DO EURO (a) EURO AREA MONETARY AGGREGATES (a) Saldos em fim de mês End-of-month figures Fonte / Source: Banco Central Europeu / European Central Bank M3 Circulação monetária

Leia mais

Erasmus Student Work Placement

Erasmus Student Work Placement Erasmus Student Work Placement EMPLOYER INFORMATION Name of organisation Address Post code Country SPORT LISBOA E BENFICA AV. GENERAL NORTON DE MATOS, 1500-313 LISBOA PORTUGAL Telephone 21 721 95 09 Fax

Leia mais

BUSINESS TO WORLD COMPANHIA GLOBAL DO VAREJO

BUSINESS TO WORLD COMPANHIA GLOBAL DO VAREJO BUSINESS TO WORLD COMPANHIA GLOBAL DO VAREJO 4Q08 Results Conference Call Friday: March 13, 2008 Time: 12:00 p.m (Brazil) 11:00 a.m (US EDT) Phone: +1 (888) 700.0802 (USA) +1 (786) 924.6977 (other countries)

Leia mais

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas II Situação Económico-Financeira Balanço e Contas Esta parte do Relatório respeita à situação económico-financeira da Instituição, através da publicação dos respectivos Balanço e Contas e do Relatório

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks Intellectual Property IFAC Formatting Guidelines Translated Handbooks AUTHORIZED TRANSLATIONS OF HANDBOOKS PUBLISHED BY IFAC Formatting Guidelines for Use of Trademarks/Logos and Related Acknowledgements

Leia mais

PRESS RELEASE. Mecanismos fiscais aos Business Angels sucedem-se um pouco por todo o mundo

PRESS RELEASE. Mecanismos fiscais aos Business Angels sucedem-se um pouco por todo o mundo PRESS RELEASE 8 de Dezembro de 2009 Mecanismos fiscais aos Business Angels sucedem-se um pouco por todo o mundo FNABA representou Portugal, em Pequim (China), na First Global Conference da World Business

Leia mais

Qualquer similaridade é mera coincidência? a. Venda doméstica de automóveis na Coréia (y-o-y, %)

Qualquer similaridade é mera coincidência? a. Venda doméstica de automóveis na Coréia (y-o-y, %) Brasil e Coréia: Qualquer similaridade é mera coincidência? a Faz algum tempo que argumentamos sobre as lições importantes que a Coréia oferece ao Brasil. O país possui grau de investimento há muitos anos,

Leia mais

Relatório e Contas 2005 Banif - Banco de Investimento. Report and Accounts 2005 Banif - Banco de Investimento

Relatório e Contas 2005 Banif - Banco de Investimento. Report and Accounts 2005 Banif - Banco de Investimento 05 Relatório e Contas 2005 Banif Banco de Investimento Report and Accounts 2005 Banif Banco de Investimento 05 Relatório e Contas Banif Banco de Investimento Report and Accounts Banif Banco de Investimento

Leia mais

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS SANDRA MARIA MORAIS VALENTE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Área de

Leia mais

Enterprise Europe - Portugal

Enterprise Europe - Portugal Enterprise Europe - Portugal Oportunidades de Cooperação Internacional Agência de Inovação Bibiana Dantas Lisboa, 5-Jun-2012 Enterprise Europe Portugal Jun 2012 2 A União Europeia é um mercado de oportunidades!

Leia mais

Relatório e Contas. Report and Accounts

Relatório e Contas. Report and Accounts 04 Relatório e Contas Report and Accounts 04 Relatório e Contas Report and Accounts Índice 5 7 11 12 13 18 20 28 35 37 41 42 47 48 49 50 54 58 60 64 65 81 190 191 221 221 221 223 224 225 227 Órgãos Sociais

Leia mais

SOLVÊNCIA II Principais Desafios

SOLVÊNCIA II Principais Desafios Maio 2008 SOLVÊNCIA II Principais Desafios Índice Porquê regulamentar a solvência? Solvência II Estruturas e princípios Pilar II Principais exigências e desafios Solvência I vs Solvência II Conclusões

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DE 30 DE MAIO DE 2014 Alínea b) do n.º 1 do Art.º 289.º do CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS MESA DA ASSEMBLEIA GERAL

ASSEMBLEIA GERAL DE 30 DE MAIO DE 2014 Alínea b) do n.º 1 do Art.º 289.º do CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS MESA DA ASSEMBLEIA GERAL BANIF BANCO INTERNACIONAL DO FUNCHAL, S.A. Sociedade Aberta Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Funchal Sede social: Rua de João Tavira, n.º 30, 9004-509, Funchal Capital social: 1.582.195.220,43

Leia mais

Banca examinadora: Professor Paulo N. Figueiredo, Professora Fátima Bayma de Oliveira e Professor Joaquim Rubens Fontes Filho

Banca examinadora: Professor Paulo N. Figueiredo, Professora Fátima Bayma de Oliveira e Professor Joaquim Rubens Fontes Filho Título: Direção e Taxa (Velocidade) de Acumulação de Capacidades Tecnológicas: Evidências de uma Pequena Amostra de Empresas de Software no Rio de Janeiro, 2004 Autor(a): Eduardo Coelho da Paz Miranda

Leia mais

Conceito de tributação efectiva de lucros distribuídos

Conceito de tributação efectiva de lucros distribuídos 15 de Novembro de 2011 Tax Alert Conceito de tributação efectiva de lucros distribuídos For additional information, please contact: António Neves antonio.neves@pt.ey.com Carlos Lobo carlos.lobo@pt.ey.com

Leia mais

International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica

International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica dossiers Economic Outlook Conjuntura Económica International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China Last Update Última Actualização: 10-02-2015 Prepared

Leia mais

Em Agosto de 2014, o indicador de sentimento económico diminuiu na União Europeia (-1.2 pontos) e na Área Euro (-1.5 pontos).

Em Agosto de 2014, o indicador de sentimento económico diminuiu na União Europeia (-1.2 pontos) e na Área Euro (-1.5 pontos). Ago-04 Ago-05 Ago-06 Ago-07 Ago-08 Ago-09 Ago-10 Ago-11 Ago-12 Ago-13 Ago-14 Análise de Conjuntura Setembro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Agosto de 2014, o indicador de sentimento económico

Leia mais

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores Tese de Mestrado em Gestão Integrada de Qualidade, Ambiente e Segurança Carlos Fernando Lopes Gomes INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS Fevereiro

Leia mais

FACTO RELEVANTE INFORMAÇÃO PRÉVIA RELATIVA À ACTIVIDADE E RESULTADOS OBTIDOS PELO GRUPO BANIF NO EXERCÍCIO DE 2005

FACTO RELEVANTE INFORMAÇÃO PRÉVIA RELATIVA À ACTIVIDADE E RESULTADOS OBTIDOS PELO GRUPO BANIF NO EXERCÍCIO DE 2005 BANIF S G P S, S.A. Sociedade com o capital aberto ao investimento do público Sede Social: Rua de João Tavira, 30 - Funchal Capital Social: 200.000.000 Euros Matrícula Nº 3658 Conservatória do Registo

Leia mais

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada.

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada. Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 2015 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 7 de Agosto de 2015 Informação não auditada. RESULTADOS CONSOLIDADOS: Janeiro

Leia mais

ELEnA European Local ENergy Assistance

ELEnA European Local ENergy Assistance ECO.AP Programa de Eficiência Energética na Administração Pública ELEnA European Local ENergy Assistance Lisboa, 6/03/2015 Desafios 1 Conhecimento: a) Edifícios/equipamentos; b) Capacidade técnica; c)

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq.

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Frenkel, R. (2002). Capital Market Liberalization and Economic Performance in Latin America As reformas financeiras da América

Leia mais

Fundo Petrolífero de Timor-Leste

Fundo Petrolífero de Timor-Leste VOLUME 11 NÚMERO XXX Fundo Petrolífero de Timor-Leste Relatório Trimestral 30 de Setembro de 2015 Neste relatório 1. Introdução 1 Sumário Executivo 2 Mandato de Investimento 2 Tendências do mercado 4 Gestão

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

Cenários para os países desenvolvidos, sua inter-relação com a China e os demais emergentes

Cenários para os países desenvolvidos, sua inter-relação com a China e os demais emergentes Cenários para os países desenvolvidos, sua inter-relação com a China e os demais emergentes Samuel Pessoa Tendências Consultoria 14 de abril, Hotel Unique ROTEIRO 1. Guerra cambial? 2. Desequilíbrio macroeconômico

Leia mais

The Portuguese Economy in Angola

The Portuguese Economy in Angola Luanda via Lisbon Parcerias luso-alemãs para uma presença mais forte em Angola The Portuguese Economy in Angola João Luís Traça Member of the Executive Board WHO ARE WE? The Portugal-Angola Chamber of

Leia mais

CAIXAGEST SELECÇÃO ORIENTE 2008

CAIXAGEST SELECÇÃO ORIENTE 2008 CAIXAGEST SELECÇÃO ORIENTE 2008 Fundo Especial de Investimento Fechado RELATÓRIO & CONTAS 1º Semestre 2008 ÍNDICE AMBIENTE MACRO ECONÓMICO E MERCADOS FINANCEIROS 2 A EVOLUÇÃO DO MERCADO DE FIM EM PORTUGAL

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª Financiar o investimento para dever menos Em Março de 2009 o do PCP apresentou o Projeto de Resolução nº 438/X Medidas de combate à crise económica e social que, entre

Leia mais

Informações preparatórias para a Assembleia Geral, nos termos da alínea b) do n.º 1 do artigo 289.º do Código das Sociedades Comerciais

Informações preparatórias para a Assembleia Geral, nos termos da alínea b) do n.º 1 do artigo 289.º do Código das Sociedades Comerciais Informações preparatórias para a Assembleia Geral, nos termos da alínea b) do n.º 1 do artigo 289.º do Código das Sociedades Comerciais Mesa da Assembleia Geral Dr. Eduardo da Silva Vieira (Presidente)

Leia mais

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER 1ª SEMANA DE MARÇO O Press Release divulgado pela SD&PRESS Consultoria, que aborda os números do setor de distribuição de aços planos em fevereiro, recebeu destaque

Leia mais

Banif - Investimentos - SGPS, S.A. SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS

Banif - Investimentos - SGPS, S.A. SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2006 1 Í N D I C E 1. ÓRGÃOS SOCIAIS 2. GRUPO BANIF - INVESTIMENTOS - SGPS, S.A. 3. RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Enquadramento Macroeconómico Actividade da

Leia mais

Jerónimo Martins SGPS, S.A. Resultados do Ano 2010

Jerónimo Martins SGPS, S.A. Resultados do Ano 2010 Jerónimo Martins SGPS, S.A. Resultados do Ano 2010 Lisboa, 18 de Fevereiro de 2011 Fortes resultados numa envolvente marcada pelos desafios. Vendas consolidadas atingem 8,7 mil milhões de euros (crescimento

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA SUMÁRIO No primeiro trimestre de, a produção de seguro directo, relativa à actividade em Portugal das empresas de seguros sob a supervisão do ISP, apresentou, em termos globais, uma quebra de 29,8% face

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

&RQWH[WRHFRQyPLFRHGHVHPSHQKRGRHPSUHJR. Bruxelas, 6 de Setembro de 2002

&RQWH[WRHFRQyPLFRHGHVHPSHQKRGRHPSUHJR. Bruxelas, 6 de Setembro de 2002 ,3 Bruxelas, 6 de Setembro de 2002 &RPLVVmR DILUPD TXH DV PHWDV GH HPSUHJR GH /LVERDVmRDLQGDUHDOL]iYHLVVHRV(VWDGRV0HPEURV GHUHP SULRULGDGH jv UHJL}HV SUREOHPiWLFDV H D HPSUHJRVSDUDDVPXOKHUHVHRVWUDEDOKDGRUHVPDLV

Leia mais

Banco Santander Totta, S.A.

Banco Santander Totta, S.A. NINTH SUPPLEMENT (dated 26 October 2011) to the BASE PROSPECTUS (dated 4 April 2008) Banco Santander Totta, S.A. (incorporated with limited liability in Portugal) 5,000,000,000 (increased to 12,500,000,000)

Leia mais

>Relatório e Contas. >Annual Report and Accounts

>Relatório e Contas. >Annual Report and Accounts >Relatório e Contas 22 >Annual Report and Accounts >Relatório e Contas 22 >Annual Report and Accounts >Contents 5 > Governing Bodies 8 > Message from the Chairman of the Board of Directors and from the

Leia mais

Multicriteria Impact Assessment of the certified reference material for ethanol in water

Multicriteria Impact Assessment of the certified reference material for ethanol in water Multicriteria Impact Assessment of the certified reference material for ethanol in water André Rauen Leonardo Ribeiro Rodnei Fagundes Dias Taiana Fortunato Araujo Taynah Lopes de Souza Inmetro / Brasil

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO Capital Garantido Brasil 2015 Notes ( Brasil 2015 Notes ) a emitir pelo Espirito Santo Investment p.l.c. ao abrigo do seu 2,500,000,000 Euro Medium Term

Leia mais

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida

Leia mais

COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO

COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO 1. A economia cabo-verdiana é fortemente influenciada pela dinâmica da economia internacional, mormente da Zona Euro. 2. Neste contexto, a persistente

Leia mais

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 67/2013

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 67/2013 PASSO A PASSO DO DYNO Ao final desse passo a passo você terá o texto quase todo traduzido. Passo 1 Marque no texto as palavras abaixo. (decore essas palavras, pois elas aparecem com muita frequência nos

Leia mais

Informações preparatórias para a Assembleia Geral, nos termos da alínea b) do n.º 1 do artigo 289.º do Código das Sociedades Comerciais

Informações preparatórias para a Assembleia Geral, nos termos da alínea b) do n.º 1 do artigo 289.º do Código das Sociedades Comerciais Informações preparatórias para a Assembleia Geral, nos termos da alínea b) do n.º 1 do artigo 289.º do Código das Sociedades Comerciais Mesa da Assembleia Geral Dr. José Eduardo Vera Cruz Jardim (Presidente)

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Problemas de Mensuração na Presença de Inflação Alta e Variável:

Problemas de Mensuração na Presença de Inflação Alta e Variável: Curso Bem-Estar Social Marcelo Neri www.fgv.br/cps Problemas de Mensuração na Presença de Inflação Alta e Variável: 1) A alta instabilidade de renda superestima as medidas de desigualdade. Mudanças na

Leia mais

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO Comunicado de Imprensa n.º 14/110 Fundo Monetário Internacional PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA 700 19 th Street, NW 19 de Março de 2014 Washington, D.C.

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS Angola Capítulo II II.1.1. Síntese 25 revelou-se como um ano de referência no comportamento da economia angolana: o produto interno bruto registou um crescimento real superior a 2% (um dos mais elevados

Leia mais