ANDRÉA LÚCIA TEIXEIRA DE CARVALHO CARLOS ALBERTO SOARES PENHA NADJA MARIA DA ROCHA NETTO MELLO FILHA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANDRÉA LÚCIA TEIXEIRA DE CARVALHO CARLOS ALBERTO SOARES PENHA NADJA MARIA DA ROCHA NETTO MELLO FILHA"

Transcrição

1 C P A ANDRÉA LÚCIA TEIXEIRA DE CARVALHO CARLOS ALBERTO SOARES PENHA NADJA MARIA DA ROCHA NETTO MELLO FILHA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO X RELACIONAMENTO COM por O CLIENTE UM ESTUDO DE CASO DA MAXITEL S/A Relatório de Pesquisa

2 2 Andréa Lúcia Teixeira de Carvalho Carlos Alberto Soares Penha Nadja Maria da Rocha Netto Mello Filha TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO X RELACIONAMENTO COM O CLIENTE : UM ESTUDO DE CASO DA MAXITEL S/A Monografia apresentada ao Curso de Especialização em Administração de Serviços, da Universidade Federal da Bahia, como requisito para a obtenção do grau de Especialista em Administração. Orientador: Prof. Dr. Robinson Tenório Salvador 2001

3 3 Andréa Lúcia Teixeira de Carvalho Carlos Alberto Soares Penha Nadja Maria da Rocha Netto Mello Filha TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO X RELACIONAMENTO COM O CLIENTE : UM ESTUDO DE CASO DA MAXITEL S/A Monografia para obtenção do grau de Especialista em Administração de Serviços.

4 4 Como é meu intento escrever coisa útil para os que se interessarem, pareceu-me mais conveniente procurar a verdade pelo efeito das coisas, do que pelo que delas se possa imaginar. E muita gente imaginou repúblicas e principados que nunca se viram nem jamais foram reconhecidos como verdadeiros. Nicolau Maquiavel

5 5 RESUMO Este estudo de caso tem como objetivo verificar o grau de conexão entre a tecnologia da informação e ferramentas de relacionamento com o cliente na empresa de telecomunicações Maxitel S/A. Para tanto se adotou a metodologia de dividir o trabalho em três etapas. Inicialmente realizou-se a pesquisa sobre a tecnologia de informação, sua origem, evolução, situação atual e perspectivas. Concomitante a esta linha de estudo, observou-se as ferramentas utilizadas para o aprimoramento das relações com os clientes. Práticas de gestão, indicadores, metodologias e processos teoricamente ditos como armas da arena competitiva no mercado global atual. A partir deste arsenal teórico buscou-se a realidade da Maxitel diante destas abordagens. Foram realizadas pesquisas semi-abertas, em campo, com o corpo diretivo, em busca de informações estratégicas quanto à gestão tecnológica e de relacionamento. A partir deste momento pode-se explicitar pontos fortes e as oportunidades de melhoria, da empresa em referência. Muitas questões são positivas, pois a empresa tem uma postura agressiva quanto a adoção de novas tecnologias e processos que potencializem os ganhos no relacionamento máquina-cliente, a exemplo da adoção pioneira e, atualmente, avançada do CRM. Porém a gestão de alguns processos apresenta lacunas de qualidade, ao passo que se observa, ainda, elevando grau de reclamações em função de questões técnicas operativas. Pode-se concluir que quão mais forte seja este casamento tecnológico maior a chance de sucesso empresarial neste setor de serviços. Palavras-chave: Tecnologia da Informação; Evolução; Telecomunicações; Relacionamento com o cliente; CRM; Qualidade; Competitividade

6 6 ABSTRACT This case study has as objective to verify the connection degree between the technology of the information and relationship tools with the customer in the company of telecommunications Maxitel S/A. So much the methodology was adopted of dividing the work in three stages. Initially it took place the research on the technology of information, its origin, evolution, current situation and perspectives. Concomitant to this study line, the tools used for the improvement of the relationships with the customers were observed. Administration practices, indicators, methodologies and processes theoretically said as weapons of the competitive arena in the current global market. Starting from this theoretical arsenal the reality of Maxitel was looked for before these approach. Researches semi open, end field were accomplished, with the body directory, in search of strategic information as the technological administration and of relationship. Starting from this moment it cannot him explicit strong points and the improvement opportunities, of the company in reference. A lot of subjects are positive because the company has an aggressive posture as the adoption of new technologies and processes that potentiality the gains in the relationship machine-customer, to example of the pioneer adoption and, now, advanced of CRM. Even so the administration of some processes present quality empty, to the step that it is observed, still, elevating degree of complaints in function of operative technical subjects. It can be concluded that how much strong is the marriage with technology, better it is the chance of managerial success in this section of services. Word-key: Technology of the Information; Evolution; Telecommunications; Relationship with the customer; CRM; Quality; Competitiveness

7 7 SUMÁRIO PÁGINA LISTA DE FIGURAS 08 LISTA DE TABELAS INTRODUÇÃO FUNDAMENTOS TEÓRICOS Competitividade Qualidade nos Serviços Ferramentas de Relacionamento com o Cliente Evolução da Tecnologia de Informação QUESTÕES OPERACIONAIS METODOLOGIA Abordagem Local População/ Amostra Instrumento de Coleta Procedimento de Coleta Tratamento de Dados O ESTUDO DE CASO DA MAXITEL Um pouco sobre a Empresa O Sistema De Telefonia Celular Atualidades da Maxitel Competitividade Qualidade De Serviços Política Da Qualidade Ferramentas De Relacionamento com o Cliente X TI CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS 60 Instrumento de Coleta de Dados -Piloto 61 Instrumento de Coletas de Dados 62 Organograma 63

8 8 LISTA DE FIGURAS PÁGINA Figura 1 Logomarca da TIM 43 Figura 2 Logomarca do GRUPO VICUNHA 43 Figura 3 Logomarca do GRUPO GLOBO 43 Figura 4 Logomarca do GRUPO BRADESCO 44 Figura 5 Mapa dos Estados da BAHIA e SERGIPE 45 Figura 6 Mapa do Estado das MINAS GERAIS 46 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Alguns Números Da Internet 21 Tabela 2 Comercio Eletrônico 22 Tabela 3 Dados CRM 26 Tabela 4 Evolução do Processamento no Tempo 31

9 9 Introdução Dentro de um mercado globalizado, políticas e estratégias adequadas na área de tecnologia de informação são necessárias para produzir uma efetiva alavancagem dos negócios da organização. Os investimentos realizados em TI (Tecnologia da Informação) podem ser tão decisivos na lucratividade quanto o foco no próprio negócio coorporativo. Ao mesmo tempo, o marketing de relações é essencial ao desenvolvimento de liderança, fidelidade do consumidor e rápida aceitação de novos produtos e serviços no mercado. A criação de relações sólidas e duradouras é uma tarefa árdua, de difícil manutenção e sucesso. O uso eficaz de Tecnologia na criação de parcerias duradouras e próximas, permitindo aos clientes e fornecedores reduzirem custos e aprimorar a qualidade dos produtos adquiridos, podem afetar em muito a atratividades dos produtos e serviços. Neste contexto, o grande desafio das empresas é encontrar a combinação perfeita entre a fusão da tecnologia com a comunicação para gerar linhas de relacionamentos que satisfaçam e encantem o cliente. Do ponto de vista do cliente, as realizações da concorrência, dos avanços tecnológicos, dos lançamentos de novos produtos/ serviços etc., leva-o a ser cada vez mais exigente e estabelecer metas quanto ao nível de qualidade do produto/ serviço oferecido pelas Organizações excelentes que existem no mercado. O nosso objetivo neste trabalho de pesquisa é identificar como a Maxitel, empresa de Telecomunicação Móvel atuante nos estados da Bahia, Sergipe e Minas Gerais, utiliza a Tecnologia da Informação como ferramenta estratégica para o Relacionamento com o Cliente. Não tentaremos identificar o grau de eficácia do modelo existente mas sim o seu modelo de concepção e forma de aplicação.

10 10 2 Fundamentos Teóricos 2.1 Competitividade O ambiente empresarial, em nível mundial e nacional, tem passado por profundas mudanças nos últimos anos, as quais têm sido consideradas diretamente relacionadas com a Tecnologia de Informações (TI). As organizações têm buscado um uso cada vez mais intenso e amplo da Tecnologia de Informação (TI), utilizando a como uma poderosa ferramenta, que altera as bases de competitividade, estratégicas e operacionais das empresas. Atualmente, observa-se um crescente número de estudos a respeito de competitividade. No entanto, a definição de competitividade nem sempre tem o mesmo significado pelo diversos autores. Para Kupfer (1991:04), "a noção de competitividade não pode prescindir de fundamentos microeconômicos, que, por sua vez, são demarcados pela dinâmica do processo de concorrência, em particular, pela interação entre as condições estruturais que o direcionam e as condutas inovativas que o transformam". Kupfer (op. cit.) chega a conclusão que competitividade, tanto sob a ótica do desempenho quanto sob a da eficiência, "é função da adequação das estratégias das firmas individuais ao padrão de concorrência vigente no mercado. Em cada indústria vigoraria um dado padrão de concorrência definido a partir da integração entre estrutura e a conduta". Uma outra definição de competitividade encontra-se em Ferraz et al. (op. cit.): A competitividade foi definida como sendo a capacidade da empresa formular e implantar estratégias concorrenciais, que lhe permitam ampliar ou conservar, de forma duradoura, uma posição sustentável no mercado. Essa visão, como os próprios autores enfatizam, busca na dinâmica do processo de competição a sustentação empírica para a avaliação da competitividade.

11 11 Padrão de concorrência ou de competição "seria, portanto, um vetor particular, contendo uma ou mais das formas de concorrência, vetor este resultante da interação das forças concorrenciais presentes no espaço de competição" (Kupfer, 1991:19). Competitividade é, por conseguinte, um conceito multidimensional e dinâmico, dado que é determinados por diversos fatores, que podem sofrer alterações com o tempo e, conseqüentemente, o desempenho competitivo também se altera. Uma avaliação do desempenho competitivo não pode, então, ser voltada apenas para o passado. O monitoramento da competitividade é feito com a intenção, por parte das firmas, "de compreender as causas deste desempenho e de permitir análises prospectivas". As três dimensões da competitividade Os fatores internos às empresas, ou fatores empresariais, são aqueles que estão sob influência direta da empresa. Eles podem ser alterados e controlados através de uma postura ativa das empresas. Conforme Ferraz et al. (op.cit), estes fatores dizem respeito basicamente ao estoque de recursos acumulados pela empresa a às estratégias de ampliação desses recursos por elas adotadas, em termos de suas quatro áreas de: gestão (marketing,serviços pós-vendas, finanças, administração, planejamento, inovação, recursos humanos e produção), inovação (produto, processo, transferências de tecnologia), recursos humanos (produtividade, qualificação, flexibilização), produção (atualização de equipamentos, técnicas organizacionais, qualidade). Os fatores estruturais estão parcialmente sob controle das firmas e caracterizam o ambiente no qual estas atuam. Isto porque, a intervenção da firma na indústria é limitada pela intensidade da concorrência. Os fatores estruturais, diferentemente dos empresariais, estão diretamente relacionados com o padrão de concorrência vigente em uma determinada indústria. Os fatores estruturais abrangem não apenas a demanda e a oferta, mas também a influência de "instituições extra-mercado, públicas e não-públicas, que determinam o regime de incentivos e regulação da concorrência prevalecente" (Ferraz et al., 1995).

12 12 No que diz respeito ao mercado, os fatores estruturais relacionam-se com as taxas de crescimento, distribuição geográfica e por rendas, grau de sofisticação tecnológica, oportunidades de acesso ao mercado exterior. No que concerne à configuração da indústria, os fatores mais relevantes são: tendências do progresso técnico, intensidade de P&D e oportunidades tecnológicas, escalas de operação, níveis de concentração técnica e econômica da oferta, ao grau de verticalização e diversificação industrial, etc. Os fatores sistêmicos são aqueles totalmente externos às empresas. Em relação a estes fatores a empresa não detém alguma possibilidade de intervir, constituindo parâmetros que influenciam no processo decisório. Podem ser de natureza macroeconômica (taxa de câmbio, taxa de evolução do PIB, oferta de crédito e taxas de juros, política salarial, etc), político-institucionais (política tributária, política tarifária, etc), legais-regulatórios (políticas de proteção à propriedade industrial), infraestruturais (disponibilidade, qualidade e custo de energia, transportes, telecomunicações, insumos básicos e serviços tecnológicos), sócio-econômicos (sistema de qualificação da mão-de-obra, seguridade social), internacionais (tendências do comércio mundial, de investimentos de risco e de tecnologia, acordos internacionais). Os fatores empresariais e sistêmicos apresentam um caráter mais genérico no que tange às formas e intensidades com as quais influenciam a competitividade nas diversas indústrias. É importante lembrar que os fatores estruturais implicam um caráter setor-específico, conforme Ferraz et al. (op. cit.), dado que refletem mais diretamente as peculiaridades dos padrões de concorrência presentes em cada ramo ou em grupos de setores similares.

13 Qualidade de Serviços Para que haja competitividade torna-se condição sinequanon a incorporação de qualidade total aos produtos e serviços oferecidos aos clientes. Este estado de qualidade possui questões intangíveis quanto à percepção dos mesmos. Deve ser perseguido por todos na organização, tendo como foco a melhoria continua dos processos que este estado, por si só, exige. O conceito de Qualidade foi primeiramente associado à definição de conformidade às especificações. Posteriormente o conceito evoluiu para a visão de Satisfação do Cliente. Obviamente a satisfação do cliente não é resultado apenas e tão somente do grau de conformidade com as especificações técnicas, mas também de fatores como prazo e pontualidade de entrega, condições de pagamento, atendimento pré e pós-venda, flexibilidade, etc... Paralelamente a esta evolução do conceito de Qualidade, surgiu a visão de que o mesmo era fundamental no posicionamento estratégico da empresa perante o Mercado. Pouco tempo depois se percebeu que o planejamento estratégico da empresa enfatizando a Qualidade não era suficiente para seu sucesso. O conceito de satisfação do cliente foi então extendido para outras entidades envolvidas com as atividades da Empresa. O termo Qualidade Total representa a busca da satisfação, não só do cliente, mas de todos os "stakeholders" (entidades significativas na existência da empresa) e também da excelência organizacional da empresa. Considerando a Qualidade Total como o estado ótimo de eficiência e eficácia na ação de todos os elementos que constituem a existência da Empresa tem a necessidade de modelar sua organização e o contexto no qual ela existe. Ao resultado desse processo de modelagem damos o nome de Modelo Referencial para Gestão da Qualidade Total.

14 14 Levar os serviços aos clientes em sua plenitude" tem sido enfatizado como um meio de melhorar de uma forma global a qualidade do serviço, levando-se em conta todos os aspectos execução do serviço do ponto de vista do cliente. Isso pode ser descrito, considerando a experiência do cliente, como pré-compra, durante a compra e pós-compra. Serve também para ilustrar alguns componentes chaves nos estágios da compra os quais influenciarão na opinião do cliente sobre o produto/serviço e a própria empresa. Naturalmente, esses componentes podem variar de acordo com situação específica ou o tipo de serviço. Em outras palavras, podemos considerar que os clientes são os juízes definitivos do valor de um serviço, portanto, não se deve tentar vender os produtos simplesmente porque existe o mercado, mas deve-se tentar criar um novo mercado compreendendo exatamente as necessidades potenciais dos clientes e da sociedade. As avaliações dos clientes baseiam-se principalmente na comparação de suas expectativas em relação ao serviço desejado com as suas percepções a respeito do serviço prestado. As falhas decorrem exatamente quando as expectativas de um cliente não coincidem com suas percepções. Sempre medindo a qualidade do serviço Nas organizações em processo mais acelerado de melhoria, as pessoas medem quase tudo que possa lhes informar seu desempenho para com o supremo juiz de sua efetividade: o cliente. As empresas analisam os seus desempenho não apenas em relação ao próprio passado e aos desejos do cliente, mas também em relação ao desempenho de quem, em qualquer parte do mundo, esteja realizando uma tarefa semelhante. É possível medir bem, usando-se a medição para satisfazer ainda mais os desejos do cliente se a empresa souber o que esta medindo; deixar que os clientes informem o que deve ser medido; acompanhar os procedimentos internos que devem produzir os resultados desejados pelos clientes.

15 15 Toda medição é uma oportunidade de enfocar e atender as necessidades dos clientes, porém a maior parte das companhias não usa desse modo. Medir os desejos do cliente, e se estão sendo satisfeitos, força a uma disciplina que irá beneficiar a organização mesmo antes de constatados os resultados. Bons sistemas de medição fornecem informações confiáveis sobre o que está certo e errado na organização. O progresso em relação às medidas informa as pessoas o seu desempenho e ajuda-as a melhorarem. Elas sentem um orgulho justificável ao atingirem e excederem suas metas nessas medições. O sistema de medição serve de base para reconhecer os desempenhos excepcionais e dá as informações necessárias para ajudar a melhorar o desempenho dos mais fracos. (Whiteley, Richard pp 103) Uma vez detectado o que os clientes desejam, pode-se adquirir uma vantagem competitiva transformando os desejos dos clientes em padrões de desempenho da empresa em cada detalhe, da forma de cumprimentar os clientes até o modo de remeter as contas. Além disso, de modo a realizar os padrões que satisfaçam os desejos dos clientes são preciso também estabelecer índices de desempenho de processos para quem fornece os insumos às pessoas que servem o cliente. Mensurar e controlar o desempenho de processos pode ser tão importante como medir o desempenho da organização para seus clientes finais. É preciso estar consciente de que, qualquer que seja o cuidado dispensado à concepção do serviço no papel, o que será realmente fornecido pelos funcionários no local e a percepção que aí o cliente terá serão bem diferentes, o que pode dar lugar a desvios importantes. O processo de medição ira identificar estas variáveis no processo produtivo e minimizar os gaps da qualidade do serviço.

16 16 Tipos de desvio: 1. Desvio de concepção necessidades do consumidor x concepção do serviço 2. Desvio de entrega entrega do serviço pelos funcionários x especificação do serviço pode ser negativo ou positivo ao ponto que você pode superar a expectativa dos clientes 3. Desvio de percepção prestação do serviço efetiva x percepção dos clientes. Algumas formas de minimizar estes desvios consistem em: Instituir um sistema de comunicação clara; Demonstrar tangibilidade do serviço concretiza-lo em elementos materiais; Envolver os clientes na concepção ou controle do produto ou serviço; Ter funcionários acessíveis e com autonomia para resolução de problemas e adequação às reais necessidades do cliente no momento da verdade. (Whiteley, Richard pp 110) Primeiro Passo : Saiba por que você está medindo Toda medição é uma oportunidade de enfocar e atender as necessidades dos clientes, porém a maior parte das companhias não as usa desse modo. Muitos controles são elaborados de forma indireta e não confiáveis, não tendo como enfoque o cliente final. Muitos sistemas de pesquisa e monitoria são criados para atender questões publicitárias, legais, regulamentares ou para fins de relações públicas. Muitos resultados são manipulados para representarem os índices que os seus gerentes gostariam de obter e não o que realmente está acontecendo. Outro fator preocupante é a pesquisa de mercado que só envolve aspectos superficiais no relacionamento com o cliente. Procura-se normalmente saber apenas pelas características dos produtos, mas não envolvem questões relacionais e que envolvam todas as áreas da organização. Programas de medição deveriam estabelecer canais claros e quantitativos que comuniquem tudo que é importante ao cliente para toda a organização. Eles devem ser estruturados de modo à constantemente ajudarem todas as partes da organização a atenderem melhor o cliente.

17 17 É preciso que a organização, como um todo, acredite que os programas de medição bem projetados redundam em inúmeros benefícios com os que seguem: 1. É se levado a pensar sobre os fatores de sucesso críticos e os elementos principais para alcançar esses fatores. O pessoal da organização vê-se compelido a discutir o que é importante e a lidar com as discordâncias oriundas do levantamento de dados e situações. 2. Bons sistemas fornecem informações confiáveis sobre o que está certo e errado na organização. O progresso (ou a falta dele) em relação às medidas informa às pessoas o seu desempenho e ajuda-as a melhorarem. 3. Fornece uma estrutura consensual para as pessoas discutirem os procedimentos e problemas da organização. 4. Informam precisamente o que está sendo bem feito, permitindo a promoção honesta no mercado. 5. As pessoas sentem um orgulho justificável ao atingirem e excederem suas metas nessas medições. O sistema de medição pode servir de base para reconhecer os desempenhos excepcionais e dá informações necessárias para ajudar a melhorar o desempenho dos mais fracos. (Whiteley, Richard pp 125) É preciso deixar que o seu cliente lhe informe o que medir É definir o que importa para o seu cliente e, com base nisso instituir os índices a serem buscados. Por isso se torna tão importante saber: quais características de produtos e serviços são importantes para seus clientes, qual a importância relativa de cada um de seis desejos, que nível de desempenho em cada característica de serviço irá ao encontro das expectativas dos clientes.

18 18 Algumas técnicas que podem ser utilizadas para identificar tais aspectos são: 1. Criar grupos de enfoque reunir um pequeno grupo de clientes e perguntar-lhes sobre os seus problemas e suas expectativas 2. Investir nas queixas proporcionar um ambiente propício a queixas e listar os pontos sobre os quais se queixarem 3. Elaborar perguntas abertas em cartões de comentários de clientes e em entrevistas a clientes 4. Visitas a clientes acompanhar todo o processo de vendas, averiguar satisfações, falhas, oportunidades de melhoria, etc.. 5. Pesquisa sobre a reação de clientes às ofertas dos competidores (Whiteley, Richard pp 130) Uma análise estatística destes dados poderá revelar surpresa de notável utilidade e, a partir disto criar padrões de desempenho. É importante que estes padrões satisfaçam os critérios de mensurabilidade, exeqüibilidade, relevância para os clientes e controlabilidade. Após a criação dos procedimentos se faz necessário no máximo de um ano, a revisão destes critérios, pois os gostos e preferências dos clientes se alteram e, portanto a organização também tem que se adequar. Algumas outras referências são importantes para o acompanhamento dos seus índices de medição como: pesquisas setoriais, sistema de avaliação de fornecedores dos clientes, pesquisas de revendedores e fornecedores, a imprensa e órgãos governamentais. Medindo processos internos e comprometendo os colaboradores Não é necessário apenas medir a experiência do cliente diante do serviço, mas, companhias efetivas também associam a medição de processos internos em toda a organização com as necessidades manifestadas pelo cliente. Cada grupo dentro de uma organização pode melhorar seu desempenho medindo continuamente os procedimentos

19 19 importantes tanto para o cliente interno como para os externos. Este modelo pode-se traduzir nas seguintes ações: 1. Medindo e controlando as coisas certas; 2. Representando-as apropriadamente nos diagramas; 3. Fixando objetivos apropriados para a entidade mensurada e, 4. Fixando limites à ação apropriada graus de variação das normas permitindo, antes que a gerência tome providências. (Whiteley, Richard pp 143) É importante também contar as novidades para toda a companhia. Isto diz respeito à disseminação do conhecimento gerado internamente. A divulgação ampla dos fatos e principal acontecimentos demonstra que a gerência leva a sério a resolução dos problemas dando credibilidade ao sistema de medição e encoraja os grupos responsáveis pela maior parte do problema divulgado, a atacarem-no com vigor redobrado. Gerar o comprometimento dos funcionários e transformar a medição em uma forma de alterar comportamentos é um grande desafio. É preciso transformar os dados em uma arma competitiva e, a melhor forma de faze-lo é mostrar aos seus funcionários como fazer isto. Transformar problemas identificados e divulgados em planos de ação que tragam resultados factíveis e que impactem positivamente no cliente final. É preciso envolve-los em todas as informações geradas.

20 Ferramentas de Relacionamento com o Cliente No ambiente repleto de tecnologias e necessidades emergentes a cada segundo, com dimensões de qualidade cada vez mais exigentes, surge o maior desafio: integrar produção do cliente de forma rápida, prática, inovadora e eficaz. Com este objetivo, surgem ferramentas de relacionamento tecnológico com o cliente visando maximização de lucros e encantamento de consumidores. A tecnologia está transformando as escolhas e as escolhas estão transformando o mercado. Como conseqüência, estamos testemunhando o surgimento de um novo paradigma de marketing -não um marketing do faça mais, que simplesmente aumenta o volume dos discursos de vendas do passado, mas um marketing baseado na experiência e no conhecimento que representa a morte definitiva do vendedor. (McKenna, Regis pp 145) A tecnologia, hoje, é tão marcante que é praticamente inútil traçar distinções entre empresas e setores tecnológicos e não tecnológicos: existem apenas empresas de tecnologia. A tecnologia introduziu-se nos produtos, no local de trabalho e no mercado com uma velocidade e uma amplitude impressionantes. Há vinte anos, havia menos de computadores em uso; atualmente, são comprados mais de por dia. A Internet Neste contexto, de explosão tecnológica, é criada a Internet, que surgiu na década de 60 a partir de um experimento do Departamento de Defesa Americano, com o objetivo de interligar redes militares de pesquisa. Com uso restrito a Universidades, Centros de Pesquisas e Unidades Militares a Internet se desenvolveu como uma solução para interligar os diversos equipamentos disponibilizados pelos fabricantes de computadores, utilizando o protocolo de comunicação TCP/IP. Este cenário logo mudou e, na década de 90 a Internet já havia se transformado em uma verdadeira epidemia. O uso de correio eletrônico entre pessoas e a disponibilização de informações através de Home-Pages, ultrapassou os limites acadêmicos, alcançando as organizações e Instituições. Neste momento o mundo de negócios sofre uma reestruturação evolutiva

21 21 quanto à forma de realizar novos negócios radicalmente diferentes daqueles até então conhecidos dentro da Sociedade Industrial. A partir do momento que o processamento transacional foi possibilitado, as organizações passaram a se comunicar on-line com seus clientes e fornecedores através da criação de Extranets e funcionários com a aplicação das Intranets. A sua função evoluiu da troca de informações via correio eletrônico, disponibilização de informações internas para a troca comercial de informações. Este fenômeno transforma a Intranet em uma ferramenta poderosa de Relacionamento com o Cliente ao passo que fornece agilidade no atendimento, disponibilidade de informações dos produtos e condições de fornecimento, comodidade e segurança nas transações, redução de custos e agilidade na entrega. Pesquisa realizada pela Ernest & Young em maio de 1998 indicou que 87% dos 30 produtos pesquisados podiam ser comprados mais baratos na Internet. Enquanto isso, a Internet registrou em 1998 mais de 100 milhões de páginas de informações, com um crescimento de 6,3 milhões de compradores em 1996 para 10,3 milhões de compradores em Um maior detalhamento deste crescimento e sua proporção pode ser percebido na Tabela 1. Tabela 1. Alguns números da Internet Ano Dados relativos à Internet 1993 Mais de 10 milhões de novos membros aderiram a Internet entre outubro de 1993 a junho de milhões de usuários na Internet em junho. 4,8 milhões de computadores distribuídos por todo o planeta 24 mil sub-redes de computadores milhões de usuários na Internet milhões de usuários na Internet Mais de 150 países acessando a Internet 1997 US$ 8 bilhões no comércio de PC s via Internet 1,1 milhões de usuários da Internet no Brasil 321 provedores de acesso distribuídos por 348 cidades brasileiras, ficando: 28,1% em SP; 14,2% em MG; 8,9% no

22 22 brasileiras, ficando: 28,1% em SP; 14,2% em MG; 8,9% no RJ; 7,5% no Paraná; 6,5% na Bahia; 5,8% em Santa Catarina ,2 milhões de usuários da Internet no Brasil 2,1 milhões de usuários da Internet na Itália. 800 provedores de acesso à internet no Brasil 2,7 milhões de Imposto de Renda entregues via Internet no Brasil. O Brasil se torna o 3º País em volume de compras na Internet. 400 milhões de faturamento com o provimento de acesso à Internet no Brasil. A Volkswagen obtém 1,3 milhões de aceesso/ mês ao seu site. ( White Paper, Peppers and Rogers Group, pp 349) Este volume de contatos comerciais eletrônicos possibilita a criação de um complexo banco de dados contendo valiosas informações dos clientes que podem ser utilizadas como fortes aliados ao marketing one to one. Promoções podem ser focalizadas por segmentos bem específicos. Campanhas podem ser redirecionadas atingindo de maneira assertiva os seus clientes em potencial gerando novos negócios e ampliando receitas. Toda a cadeia logística pode ser focada nas reais necessidades. Pode-se visualizar na Tabela 2 algumas grandes empresas que já se utilizam destes instrumentos tecnológicos de relacionamento e seus ganhos Tabela 2. Comércio Eletrônico Exemplos de Sucesso: Empresa Dados relativos ao uso da Internet Dell Computadores Em fevereiro de 1998 a DELL faturava uma média de US$ 3 milhões por dia com vendas de computadores pela Internet Amazon Books Empreendendo de forma inovadora a venda de livros pela Internet, atinge o faturamento de US$ 132 milhões em 1997.

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI

AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI CUSTOMER SUCCESS STORY Março 2014 AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI PERFIL DO CLIENTE Indústria: Manufatura Empresa: AT&S Funcionários: 7.500 Faturamento: 542 milhões

Leia mais

Transforme. Transforme a TI. a empresa. Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico.

Transforme. Transforme a TI. a empresa. Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico. TECH DOSSIER Transforme a TI Transforme a empresa Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico. Consolidar para conduzir a visibilidade da empresa e a

Leia mais

Disciplina: Gestão Estratégica de TI Profº: João Carlos da Silva Junior

Disciplina: Gestão Estratégica de TI Profº: João Carlos da Silva Junior Disciplina: Gestão Estratégica de TI Profº: João Carlos da Silva Junior Conceitos Por que eu preciso deste curso? Não sou de TI Sou de TI conteúdo utilizado exclusivamente para fins didáticos 2 Não sou

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

Pós-Graduação Business Intelligence

Pós-Graduação Business Intelligence Pós-Graduação Business Intelligence Tendências de Mercado de Business Intelligence Aula 01 Negócios e Tecnologia da Informação Objetivos da Aprendizagem Discutir as pressões corporativas e as reações que

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente.

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. As interações com os clientes vão além de vários produtos, tecnologias

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce;

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce; Objetivos Administração Profª Natacha Pouget Módulo: Gestão de Inovação e Ativos Intangíveis Tema da Aula: E-Business e Tecnologia da Informação I Entender as definições de e-business e e- commerce; Conhecer

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS O PODER DA INFORMAÇÃO Tem PODER quem toma DECISÃO Toma DECISÃO correta quem tem SABEDORIA Tem SABEDORIA quem usa CONHECIMENTO Tem CONHECIMENTO quem possui INFORMAÇÃO (Sem

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT O resultado prático para as empresas que adotam esse conceito de software, baseado no uso da tecnologia é conseguir tirar proveito dos dados de que dispõem para conquistar

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

CONCLUSÃO das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex

CONCLUSÃO das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex 177 6 CONCLUSÃO A presente investigação das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex, atingiu seu objetivo de evidenciar

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução Gestão do Conteúdo 1. Introdução Ser capaz de fornecer informações a qualquer momento, lugar ou através de qualquer método e ser capaz de fazê-lo de uma forma econômica e rápida está se tornando uma exigência

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

Mais volume de negócios com clientes satisfeitos

Mais volume de negócios com clientes satisfeitos O DocuWare em vendas e distribuição Solution Info Mais volume de negócios com clientes satisfeitos Vendendo com sucesso em tempos difíceis: cada vez mais os clientes têm maiores expectativas quanto à velocidade

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Sistemas. ções Gerenciais

Sistemas. ções Gerenciais Sistemas Como elaborar seu currículo? de Informaçõ 04/2006 ções Gerenciais Um currículo bem feito não garante sua contratação mas um currículo mal elaborado elimina-o do processo seletivo. Novas Tecnologias...

Leia mais

Sistemas de e-business. Objetivos do Capítulo

Sistemas de e-business. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar cada um dos sistemas de e-business interfuncionais abaixo e dar exemplos de como eles podem fornecer significativo valor para uma empresa, seus clientes e parceiros de

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 11 Sistemas de E-business Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob licença Creative Commons

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular Material Cedido pelo Prof. Msc. Ângelo Luz Prof. Msc. André Luiz S. de Moraes 2 Materiais Mussum (187.7.106.14 ou 192.168.200.3) Plano de Ensino SISTEMAS

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Microsoft Nosso Comprometimento Mais de 9 bilhões em P&D/ano

Microsoft Nosso Comprometimento Mais de 9 bilhões em P&D/ano Microsoft Nosso Comprometimento Mais de 9 bilhões em P&D/ano Windows e Web Dynamics Comunicação e Produtividade Servidores Infraestrutura Empresarial Busca e Anúncios Mobilidade Entretenimento e TV PRODUTIVIDADE

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Identificar cada um dos sistemas de e-business interfuncionais abaixo e dar exemplos de como eles podem fornecer significativo valor para uma

Identificar cada um dos sistemas de e-business interfuncionais abaixo e dar exemplos de como eles podem fornecer significativo valor para uma 1 Identificar cada um dos sistemas de e-business interfuncionais abaixo e dar exemplos de como eles podem fornecer significativo valor para uma empresa, seus clientes e parceiros de negócios: de recursos

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET CONCEITOS, OBJETIVOS, BENEFÍCIOS E TENDÊNCIAS Renato Schumacher

Leia mais

POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER

POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER ÍNDICE Por que utilizar Business Intelligence no call center? Introdução Business Intelligence na área de saúde Por que usar Business Intelligence

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos Terceirização de Processos Empresariais da Capgemini Um componente da área de Serviços Públicos da Capgemini As concessionárias de serviços

Leia mais

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA Profa. Lérida Malagueta Estratégia competitiva Já conhecemos os conceitos sobre a teoria da decisão estratégica e de como competem e cooperam: Os decisores As empresas

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Capítulo 1 ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação Gerencial Capítulo 1 Administra,cão da Empresa Digital

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO WESLLEYMOURA@GMAIL.COM RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ANÁLISE DE SISTEMAS ERP (Enterprise Resource Planning) Em sua essência, ERP é um sistema de gestão empresarial. Imagine que você tenha

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais