ASSENTAMENTOS 10 DE ABRIL E SERRA VERDE: EXPERIÊNCIAS DE REFORMA AGRÁRIA NO CARIRI - CEARÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASSENTAMENTOS 10 DE ABRIL E SERRA VERDE: EXPERIÊNCIAS DE REFORMA AGRÁRIA NO CARIRI - CEARÁ"

Transcrição

1 XIX ENCONTRO NACIONAL DE GEOGRAFIA AGRÁRIA, São Paulo, 2009, ASSENTAMENTOS 10 DE ABRIL E SERRA VERDE: EXPERIÊNCIAS DE REFORMA AGRÁRIA NO CARIRI - CEARÁ ASSENTAMENTO 10 DE ABRIL E SERRA VERDE: EXPERIENCES OF LAND REFORM IN CARIRI - CEARÁ Prof ª. Ms. Ana Roberta Duarte Piancó Universidade Regional do Cariri URCA Judson Jorge da Silva Mestrando em Geografia UFC Resumo: O presente trabalho tem como objetivo principal, fazer uma análise das experiências de Reforma Agrária no Cariri Cearense: Assentamento 10 de Abril, no município de Crato - CE e Serra Verde, no município de Caririaçu- CE. Podemos evidenciar que em ambos os assentamentos existiu reforma agrária parcial, limitando-se o governo a distribuir apenas a terra, mas não ofertando as condições necessárias para o desenvolvimento econômico e social dos assentados. Constatamos que os problemas estão presentes nos dois assentamentos, mas há uma diferenciação entre estes, especificamente no tocante ao nível de organização dos assentados e a prática do trabalho coletivo, constatado de maneira mais presente no Assentamento 10 de Abril, fato que tem possibilitado avanços mesmo que de forma gradativa nas conquistas estruturais e socais. Palavras Chaves: Reforma Agrária, Assentamento Rural, Organização, Movimentos Sociais. Abstract: The present study has as main objective to analyze the experiences of land reform in Cariri Cearense: Assentamento 10 de Abril, in the city of Crato-CE and Serra Verde, in the city of Caririaçu-CE. We can notice that in both the settlements there was a partial land reform, limiting the government itself only to distribute the land, but not offering the necessary conditions for the economic and social development of the settlers. We realized that the problems are present in both settlements, but there is a difference between them, specifically concerning to the level of organization of the settlers and the practice of collective work, noticed more present in the Assentamento 10 de Abril, fact which has made possible advances even in a gradual way on the structural and social conquests. Key words: land reform, rural settlement, organization, social movements

2 2 XIX ENGA, São Paulo, 2009 PIANCÓ, A. R. D. e SILVA, J. J. Introdução No final do século XX, o debate acerca da questão agrária apresentava antigos e novos elementos que tinham como referenciais as formas de resistência dos trabalhadores na luta pela terra e a implantação de assentamentos rurais, ao mesmo tempo em que há uma constante intensificação da concentração fundiária. Nesse sentido, concordamos com FERNANDES (2001, p.23) quando ele afirma que: Os problemas referentes à questão agrária estão relacionados, essencialmente, à propriedade da terra, conseqüentemente à concentração da estrutura fundiária; aos processos de expropriação, expulsão e exclusão dos trabalhadores rurais: Camponeses e assalariados: à luta pela terra, pela reforma agrária e pela resistência da terra; à violência extrema contra trabalhadores, à produção, abastecimento e segurança alimentar; aos modelos de desenvolvimento da agropecuária e seus padrões tecnológicos, às políticas agrícolas e ao mercado, ao campo e à cidade, à qualidade de vida e dignidade humana. Por tudo isso, a questão agrária compreende as dimensões econômica, social e política. Dialeticamente, quando o Estado atua no espaço agrário, o faz de modo a patrocinar a organização espacial em função da acumulação de capital dos grandes proprietários fundiários, do capital agroindustrial, comercial e financeiro, através da renda gerada pelo pequeno produtor familiar. Por ter suas ações vinculadas, sobretudo às necessidades de acumulação do capital e a conseqüente reprodução social, o Estado age espacialmente de modo desigual. Por isso, ao introduzir formas modernas de relações sociais, quando atua na organização social e econômica da grande exploração, cria novas formas de conflitos e de luta dos trabalhadores excluídos, para que consigam manter sua reprodução. Para os trabalhadores expropriados, que são a maior parte, e vivem na miséria e lutando contra a fome, só lhes resta lutar para mudar esse destino. É por essa razão que os camponeses se organizam (FERNANDES, 2001, p. 31). Podemos constatar que em sua reprodução ampliada o capital não pode assalariar a todos, excluindo sempre grande parte dos trabalhadores, tendo em vista a manutenção do exército de reserva, que é um meio de controle do desemprego. Outro problema é o interesse do capital em se apropriar da renda da terra, o que ocasiona a constituição de todas as formas de luta contra si mesmo. Nesse contexto, a mundialização da economia capitalista fez nascer novos sujeitos sociais e novas articulações políticas. Essas lutas aparecem revitalizadas,

3 Assentamentos 10 de Abril e Serra Verde: Experiências de Reforma Agrária no Cariri Ceará, pp redefinindo novas questões discursivas, inovando antigos desejos e estabelecendo um amplo debate na sociedade. (...) a racionalidade econômica e política dominante correspondem, no Brasil, a um verdadeiro pacto de classes que exclui da cena política os trabalhadores rurais, como meio de protelar uma transformação no direito de propriedade, que alteraria na raiz as bases de sustentação dos grandes latifundiários, das classes dominantes e da forma brutal que a exploração e a acumulação do capital assumem em nosso país. (Martins, 1984, p.17). Assim, conforme FERNANDES (2001), por meio da ocupação da terra os trabalhadores sem terra do campo e da cidade se (re) socializam, resistindo e se subordinando ao capital, porque ao conquistarem a terra, se (re) inserem no processo de diferenciação e podem novamente ser expropriados e outra vez se (re)socializarem. Desenvolvendo-se, assim, uma continua e intensa luta pela terra. Dessa forma, podemos afirmar que a luta pela terra é uma importante dimensão da questão agrária. Destas nascem diversas outras lutas, e o movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra MST é hoje, sem dúvida, uma importante organização dos trabalhadores rurais a praticá-la. Pois, somente a partir da organização e luta dos trabalhadores tem sido mantido na pauta política o debate da necessidade de realização da reforma agrária, bem como de diferentes políticas públicas para o campo. Acreditamos que a reforma agrária se constitui num instrumento fundamental para o desencadeamento de um verdadeiro processo de desenvolvimento nacional, com vistas à construção de uma sociedade mais justa e democrática. Assim, o presente trabalho, realizado com o financiamento da FUNCAP, teve como objetivo fazer uma análise comparativa da realidade sócio política e econômica de dois assentamentos agrários localizados na região do Cariri cearense, o 10 de Abril (desapropriação e assentamento executados pelo Governo Estadual), no município de Crato CE e o Serra Verde (desapropriação e assentamento executados pelo INCRA, órgão ligado ao Governo Federal), no município de Caririaçu CE. Optamos pela escolha de tipos distintos para que pudéssemos traçar os perfis de ambos, compararmos e compreendermos a realidade de cada um deles, verificando se estas diferentes instâncias (Federal/Estadual) são fatores que determinam ou contribuem de algum modo para diferenciar as condições de vida nesses assentamentos. Para isso, buscamos analisar a situação das comunidades, investigar o espaço político dos assentados, verificar a existência de programas de incentivo à produção,

4 4 XIX ENGA, São Paulo, 2009 PIANCÓ, A. R. D. e SILVA, J. J. comercialização e assistência técnica nos assentamentos que proporcionem meios para que estes se desenvolvam, além de detectarmos os principais problemas vivenciados pelos moradores na busca de formular propostas alternativas possíveis de corrigir distorções e problemas identificados no caso estudado. Nossa abordagem comparativa procura desenvolver uma compreensão do processo das mudanças de natureza econômica, social, política, cultural e ambiental que aconteceram e estão acontecendo nos assentamentos 10 de Abril e Serra Verde. Materiais e Métodos Para a execução do referido estudo foi realizado uma através pesquisa documental e bibliográfica visando à definição do quadro conceitual da pesquisa que envolveu organização espacial, estrutura agrária brasileira, agricultura camponesa, reforma agrária, movimentos sociais no campo. Após a consulta e revisão literária sobre o tema em apreço, iniciamos à pesquisa direta constando de aplicação de questionários e entrevistas envolvendo os moradores de ambos os assentados. Resultados e Discussões Assentamento 10 de Abril O Assentamento 10 de Abril está localizado no município de Crato CE, distrito de Monte Alverne, Micro Região do Cariri Cearense, distando 497 km de Fortaleza e 31 km de Crato. O Acesso à área a partir da cidade de Crato é feito pela CE 055, no sentido do distrito de Dom Quintino, sendo 12 km pela referida rodovia, e logo após entra-se à esquerda para a comunidade da Brea, seguindo por estrada carroçável 8 km até o imóvel. Conforme já mencionamos, a enorme concentração fundiária e a crescente acumulação de capitais nas mãos de poucos, ligadas a outros fatores, são causas que colocam a Reforma Agrária como necessidade e bandeira de luta dos trabalhadores rurais. Foi com esse objetivo que 96 famílias da Região do Cariri cearense resolveram lutar para que a reforma agrária fosse realizada de um jeito ou de outro, isto é, se não fosse possível executar nos termos da Constituição, que ocorresse, então, de forma

5 Assentamentos 10 de Abril e Serra Verde: Experiências de Reforma Agrária no Cariri Ceará, pp prevista pela necessidade e urgência da massa de trabalhadores. O sentido político da luta dos sem-terra vem da comum situação de excluídos do processo produtivo devido à estrutura agrária vigente e de exigirem do Estado medidas que lhes garantam o acesso à propriedade da terra e a sua reintegração econômica social como pequenos proprietários (GRZYBOWSKI apud GÖRGEN & STÉDILLE, 1991, p.20). O assentamento é fruto dos processos de conquista da terra através da luta de trabalhadores rurais dentro do campo de mobilização do MST. Todas as famílias residentes no local possuem pelo menos um membro que participou de todo o processo de conquista da terra, desde a articulação até ocupação da Fazenda Caldeirão em abril de 1991, que resultou na desapropriação não da terra ocupada, mas de duas propriedades vizinhas denominadas de Fazenda Carnaúba Gerais e Fazenda Gerais que deram origem ao Assentamento 10 de Abril. Dessa ocupação surgiu uma comunidade formada por 36 famílias, pois, no período de negociação entre os líderes do movimento e o Governo do Estado do Ceará para desapropriação da área ocupada, os outros ocupantes da Fazenda Caldeirão acabaram desistindo da luta por não estarem preparados para as pressões impostas pelo proprietário / polícia para deixarem a área, bem como para enfrentar a dura realidade da vida em acampamentos até a conquista definitiva do assentamento. A área em que o assentamento está localizado possui um relevo ondulado, que limita o uso do solo para fins agrícolas, mas propicia o desenvolvimento da pecuária. Nesse sentido, os assentados receberam orientação técnica do Movimento Sem Terra - MST, Associação Cristã de Base ACB, bem como do Governo (Instituto de Desenvolvimento Agrário do Ceará IDACE), para a necessidade da realização do trabalho em um regime coletivo, visando diminuir as limitações existentes, permitindo o alcance de uma maior produtividade e possibilitando a obtenção facilitada de crédito, na tentativa de criar condições para o assentamento produzir a custos baixos. Vale ressaltar que a consciência da necessidade do trabalho coletivo contribui para que os mesmos possam transpor as dificuldades, principalmente no tocante a qualidade da terra conquistada, que conforme PINHEIRO (1996) pertencem aos solos Litólicos e Podzólicos, que por sua natureza de formação são considerados pobres e sem condições de oferecer o sustento necessário para as culturas que neles se praticam. Além das limitações de produção existentes para agricultura, ainda é impraticável o uso de máquinas agrícolas devido à pedregosidade e a característica acidentada do relevo.

6 6 XIX ENGA, São Paulo, 2009 PIANCÓ, A. R. D. e SILVA, J. J. O assentamento 10 de Abril é formado por quatro distintas classes de solos, com diferentes fertilidades, as quais diferenciam quanto à capacidade de produção, por isso, concluímos que embora a força de trabalho seja suficiente para absorver às atividades exploradas, as terras do assentamento 10 de Abril não oferecem condições favoráveis que assegurem produtividades compensatórias (PINHEIRO, 1996, p.11). Toda mão-de-obra utilizada na área é do próprio assentamento. Para realizar as tarefas os assentados são divididos em grupos: de mulheres que tratam da horta comunitária, farmácia viva, plantio de coco, banana, amendoim, macaxeira, etc., bem como, criação de caprinos; de jovens pecuária e apicultura; de homens pecuária e agricultura (capim, Feijão, amendoim, macaxeira, batata, cenoura etc.), todos com suas atividades estabelecidas conforme as condições de trabalho e aptidão. Todas as atividades são realizadas de forma coletiva, com exceção dos roçados e pequenas criações para subsistência das famílias. Acreditamos que o êxito de uma organização depende da participação e ação coletiva de seus participantes, analisando situações, decidindo sobre os encaminhamentos e atuando sobre estes em conjunto. O trabalho coletivo é uma forma de juntar à grande riqueza, que é à força de trabalho. Quanto mais força de trabalho ajuntar, mais riqueza será acumulada. Por isso, existe aquele dizer popular para representar este pensamento: unidos somos fortes! (GÖRGER & STÉDILLE, 1991:158). Constatamos que os assentados conseguiram, em dezessete anos, uma estrutura considerável através da implantação de projetos importantes para o desenvolvimento do Assentamento 10 de Abril, onde atualmente são providos pela água de três açudes e de um poço profundo, possibilitando que os mesmos possam diversificar a produção e aproveitar melhor as potencialidades da propriedade, tendo em vista que devido às limitações que destacamos anteriormente, as famílias não teriam condição de sobreviver apenas do cultivo agrícola. Assim, os assentados do 10 de Abril, organizados em grupos, desenvolvem as atividades de caprinocultura, pecuária, cultivo em área irrigada (projeto em fase experimental que atualmente atende a cinco famílias e é realizado com suporte técnico da URCA) e apicultura, onde o resultado da produção do mel já esta sendo comercializada nos municípios vizinhos, complementando a renda das famílias. Na atualidade estão pretendendo implementar um projeto de piscicultura no assentamento contando com a orientação de uma ONG - Associação Cristã de Base (ACB) e da Universidade Regional do Cariri (URCA).

7 Assentamentos 10 de Abril e Serra Verde: Experiências de Reforma Agrária no Cariri Ceará, pp Com relação ao tipo de moradia, percebemos que o estado de conservação é atualmente bom, são todas casas de alvenaria construídas através do projeto moradia. Vale destacar que o referido projeto estava previsto para ser liberado no início do assentamento (1991), mas somente foi efetivado após cinco anos da conquista do assentamento, resultado da organização dos moradores em prol da sua concretização. Os assentados se organizaram de forma ordenada, as casas são bem próximas uma das outras o que, no nosso entendimento, permite a criação de laços de maior integração social, possibilitando o desenvolvimento de algumas atividades comunitárias e culturais. Os assentados do 10 de Abril desde o inicio estiveram preocupados com o nível educacional das crianças e dos moradores de uma forma geral, nesse sentido implementaram uma escola no assentamento que atende a Educação Infantil, Ensino Fundamental I (1º ao 4º ano )e Alfabetização de jovens e adultos - EJA, nos três turnos. No entanto, as aulas ocorrem em salas improvisadas, sem condições físicas para atender aos alunos adequadamente. Quanto aos professores, esses são em um número de sete, sendo moradores do próprio assentamento, postura essa geralmente adotada nos assentamentos conquistados por integrantes do MST. Quando a organização dos sem-terra, cria em sua estrutura um setor de educação deixa para trás a concepção ingênua de que a luta pela terra é apenas pela conquista de um pedaço de chão para produzir. Fica claro que está em jogo a questão mais ampla da cidadania do trabalhador sem terra, que entre tantas coisas inclui também o direito à educação e à escola (PIANCÓ apud GÖRGEN & STÉDILLE, 1991, p. 86). Acreditamos que para um melhor nível de desenvolvimento agrícola nos assentamentos é necessário que haja um aprimoramento de instrução do produtor, pois se este não o possuir torna-se difícil o desenvolvimento de práticas agrícolas mais exeqüíveis para a área a ser cultivada, bem como a implementação de novos projetos, etc. Vencidos estes objetivos e com o surgimento de outras oportunidades decorrentes da capacitação para se executar outras atividades, a economia ganha novos níveis e em conseqüência podem obter aumento da produtividade. Visando manter a organização do assentamento 10 de Abril, foi elaborado por seus moradores o Estatuto e Regimento Interno, os quais são norteados por regras que buscam respeitar os direitos e deveres da comunidade. Segundo os entrevistados, a articulação da associação do 10 de Abril, bem como o Sindicato dos Trabalhadores Rurais, MST e ONG S são de extrema importância para organização, conscientização e

8 8 XIX ENGA, São Paulo, 2009 PIANCÓ, A. R. D. e SILVA, J. J. orientação dos assentados. Observamos, inclusive, que existe no assentamento agricultores filiados a um partido político que manifestou apoio na época da ocupação, fato não comum em outras comunidades rurais. Torna-se relevante destacar que em virtude da formação obtida pelos agricultores na época da ocupação e pelo suporte prestado pelo MST e outras instituições que fornecem assistência ao assentamento, tais como a ACB, EMATERCE, IDACE e SEBRAE, os moradores desenvolveram uma consciência ambiental importante para a manutenção da propriedade, destacando-se entre outras atitudes a preservação da cobertura vegetal para a proteção do solo íngreme e propício a erosão, além da preocupação em queimar o lixo produzido pelas famílias para evitar contaminação dos reservatórios hídricos da propriedade. Porém, mesmo com todos esses avanços, ainda são inúmeros os problemas detectados no assentamento, tanto de ordem estrutural, quanto social. Podemos evidenciar, entre os mais preocupantes, a baixa renda dos moradores, a falta de assistência médica, a falta de um espaço adequado para o funcionamento da escola, a falta de áreas destinadas ao lazer da comunidade, a falta de água tratada e encanada, além da falta de apoio à produção e comercialização de seus produtos. Assentamento Serra Verde O Assentamento Serra Verde está localizado no Município de Caririaçu CE, entre as comunidades de Monte Pio e Lagoa de São Bento. O aceso à área se dá através da estrada do algodão CE 055, após o distrito de Dom Quintino percorre-se mais de 6 km pela mesma rodovia, dobra-se à direita e percorre-se 12 km em estrada carroçável até o imóvel. O assentamento também é resultado da conquista da terra através da luta travada com o apoio do MST. Porém, apesar desse ponto em comum o assentamento difere muito do 10 de Abril. A ocupação da Fazenda Serra Verde, também conhecida como Fazenda Boris, ocorreu na madrugada do dia 17 de setembro do ano de 1997, contando com a participação de 77 famílias. Os trabalhadores permaneceram acampados durante 11 meses até conquistarem um parecer favorável e a garantia de que seriam assentados no local. Dessa ocupação resultou a criação de duas agrovilas, a Lagoa de São Bento e o Serra Verde Cruz, sendo a última um dos assentamentos objetos de nossa pesquisa.

9 Assentamentos 10 de Abril e Serra Verde: Experiências de Reforma Agrária no Cariri Ceará, pp Após a ocupação da Fazenda Serra Verde pelos trabalhadores, a área foi desapropriada pelo Governo Federal, através do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária INCRA. Na ocasião da implantação do assentamento, os moradores que já residiam na propriedade como agregados também foram beneficiados, adquirindo o direito de permanecerem na terra como assentados. Em virtude do longo período em que permaneceram acampadas na espera pelo parecer favorável da desapropriação, várias famílias abandonaram a luta. Algumas porque não resistiram às constantes pressões e as difíceis condições de sobrevivência as quais foram submetidos durante os 11 meses de ocupação. Outros desistentes abandonaram o acampamento ao descobrirem que as terras ao serem desapropriadas não seriam repartidas em lotes individuais, o que impediria a venda da propriedade conquistada. Estes, conforme o senhor. Aucilon Domingo Alves, de 67 anos, morador do assentamento não tinham necessidade real de estarem participando da luta pela reforma agrária, pois muitos já possuíam suas propriedades. Estavam, na verdade, infiltrados entre os trabalhadores sem-terra para se beneficiarem da luta ( Informe Verbal). Essas últimas desistências comprovam a veracidade da afirmação de FERNANDES (2001), quando este diz que o engajamento, a participação e a resistência dos trabalhadores em todas as fases do processo de luta pela terra só ocorrem quando existe uma situação real de extrema necessidade de sobrevivência e busca por melhores condições de vida. Dessa forma, o Serra Verde Cruz é constituído por 40 famílias das quais apenas seis participaram da ocupação. Outras quatro famílias que participaram da conquista da terra preferiram ser assentadas na agrovila Lagoa de São Bento, totalizando, assim, apenas dez as famílias que resistiram a todo o processo que culminou na desapropriação da Fazenda Serra Verde e no assentamento desses trabalhadores. Portanto, em sua maior parte o assentamento é constituído por assentados que não passaram pelos processos de articulação, socialização de informações e experiências de ocupação e acampamento, que pensamos possibilitar a formação da conscientização política dos assentados, fator que se mostra fundamental para a organização e o desenvolvimento do trabalho em regime coletivista nos assentamentos. O Assentamento é formado por trabalhadores agrícolas que produziam apenas para subsistência. Constatamos que de todos os moradores da comunidade apenas

10 10 XIX ENGA, São Paulo, 2009 PIANCÓ, A. R. D. e SILVA, J. J. quatro possuíam pequenas criações antes de serem assentados e realizavam essa atividade escondida, pois os antigos patrões não permitiam que os agregados mantivessem essa prática em suas propriedades. Já as seis famílias que resistiram à ocupação e que hoje residem no local são originárias da cidade do Crato e possuíam terras arrendadas nas proximidades do açude Umari, onde por razões sanitárias a criação de animais também era proibida. Toda mão-de-obra utilizada no cultivo é do próprio assentamento, sendo basicamente familiar. Inexiste, assim, a prática de trabalho assalariado na propriedade. Porém, de forma contraditória, conforme afirma o senhor Marcelino Raimundo de Oliveira, de 61 anos, participante da ocupação, alguns moradores do assentamento em determinadas épocas, quando chamados para prestar serviço em alguma propriedade da vizinhança, realizam essas atividades para ganhar algum dinheiro ( Informe Verbal). Com base nos questionários aplicados verificamos que a utilização das terras se dá basicamente com a agricultura de subsistência (93% dos assentados) e que apenas 62% das famílias possuem pequenas criações para o consumo próprio. Consideramos que essas atividades ainda se apresentam muito reduzidas, principalmente em decorrência da vasta área do assentamento e do grande número de famílias assentadas, que poderiam estar se dedicando a outros tipos de produção. Conforme dados coletados, 38% dos assentados produzem unicamente para o sustento do lar, sem a intenção de comercializar a produção mesmo quando o inverno é favorável e conseguem uma boa safra que lhes gera excedentes. Existe resistência em vender o que produzem em decorrência da insegurança que alguns agricultores possuem em relação às condições climáticas do ano seguinte, que pela falta de projetos de irrigação e diversificação de atividades, ainda se configura como fator determinante para produzirem. Assim, ao invés de vender aquilo que produziram em excesso, preferem estocar os mantimentos para assegurar a alimentação familiar do ano seguinte, no caso de não chover o suficiente para colherem uma quantidade satisfatória de grãos. O restante, 62% das famílias, comercializa a produção só quando o inverno é bom. Acreditamos que se existisse no Serra Verde um projeto de irrigação a produção seria constante, já que os moradores afirmam que a qualidade da terra é muito boa para o plantio.

11 Assentamentos 10 de Abril e Serra Verde: Experiências de Reforma Agrária no Cariri Ceará, pp Conforme Correia, O grande traço de união da região sertaneja [...], é o clima, e no clima, é, sobretudo, o problema da seca que flagela periodicamente o sertão, o que constitui preocupação constante de sertanejo. Todo o Sertão possui clima quente com temperaturas médias anuais em torno de 25º C que varia de uma estação para outra e com uma amplitude térmica anual inferior a 5º C, como costuma acontecer nas regiões de baixa latitude. Quanto ao regime de chuvas, observa-se a existência de duas estações bem definidas: uma chuvosa, compreendendo os meses de verão e de outono, e outra, mais comprida, seca, que se estende pelos meses correspondentes ao inverno e à primavera. Assim, o sertanejo, previdente, guarda para os meses do estio parte dos alimentos que adquire durante a estação chuvosa e recorre como alimentação suplementar para o gado ao restolho das culturas de milho e do algodão, sobretudo, assim como utiliza também as cactáceas nativas o mandacaru, o facheiro, o xiquexique e a macambira, na alimentação de animais. Tudo ocorre normalmente, com uma estação de fartura e outra de privações, se não advém à seca. Esta surge quando, com o verão, não vêm às chuvas. O sertanejo está sempre preocupado com a possibilidade de uma seca, já que desde os tempos coloniais ela vem se repetindo, com maior ou menor intensidade, mas com periodicidade impressionante. (Correia, 2005, pp.57-58). Torna-se relevante destacar que no Assentamento Serra Verde, praticamente inexiste o trabalho coletivo mesmo tendo sido definido em reunião da associação local que um dia da semana seria destinado para o trabalho em conjunto. Constatamos através dos depoimentos colhidos que poucos cumprem essa decisão, embora recebam orientação periódica do MST e da ACB sobre a importância do trabalho coletivo para o desenvolvimento do assentamento e da conseqüente melhoria da qualidade de vida para todos. Quase todas as atividades funcionam apenas no núcleo familiar, na prática continua prevalecendo o individualismo. Concordamos com GÖRGEN & STÉDILLE (1991), quando afirmam que muitos trabalhadores ocupam terra e não querem nem ouvir falar no trabalho coletivo, preferem o trabalho individual, a propriedade individual, porque na sua origem está na pequena produção, são filhos de pequenos proprietários, meeiros, arrendatários, agregados, etc., ou seja, o modelo de desenvolvimento que fizeram parte foi sempre baseado no trabalho individual, por isso tendem a ter essa resistência ao trabalho coletivo. Essa forma de produzir é considerada a mais atrasada, pois tudo é realizado de forma tradicional e desgastante. Individualmente os assentados têm maiores dificuldades para obtenção de crédito, para o aumento da produtividade e para o

12 12 XIX ENGA, São Paulo, 2009 PIANCÓ, A. R. D. e SILVA, J. J. escoamento da produção. Tornando-se mais difícil sair da condição de produtores de subsistência, como se apresentam na atualidade. Constatamos que não há uma diversificação de produção nem de práticas econômicas no assentamento. Com a recente construção do açude dentro da área da propriedade, projetos como o de piscicultura poderiam ser implementados, mas a falta de organização entre os assentados tem impedido inclusive o inicio das discussões sobre projetos. A falta de organização se reflete em vários setores, fato confirmado nos depoimentos colhidos entre os entrevistados que reclamou que não houve um critério justo na hora de se dividir a área para plantio na vazante do açude, ocorrendo uma distribuição de maneira irregular. Quem chegou primeiro se apossou de maiores extensões, apenas 20,7% possuem área para esse cultivo, ficando 79,3% das famílias sem espaço para a realização deste plantio, que garante a produção de alguns gêneros alimentícios no período da estiagem. Trabalhamos com a hipótese de que as atuais condições do assentamento sejam conseqüência do processo de mudança súbita do status das famílias que já residiam nas terras do Serra Verde e que, repentinamente, saltaram da condição de simples agregados para proprietários do imóvel. Pensamos que essa alteração processada de maneira tão rápida não permitiu aos trabalhadores despertarem para uma consciência crítica, geralmente adquirida durante os trabalhos de articulação que preparam os agricultores expropriados para a ocupação da terra de trabalho e que são ampliadas na ocasião das próprias ocupações e da implementação do assentamento na área desapropriada (conquistada). Verificamos que as conseqüências dessa situação se refletem de inúmeras maneiras, mas em especial na dificuldade dos trabalhadores se organizarem, fato que retardou em sete anos a elaboração do PDA (Plano de Desenvolvimento Agrário), documento imprescindível para que possa haver a liberação de recursos do Governo para implementação de projetos no assentamento. Constatamos que a ausência da organização e a falta do consenso pela prática conjunta das atividades influencia diretamente na economia do lugar, pois com a união dos trabalhadores para realização do trabalho de maneira coletiva, áreas maiores poderiam ser cultivadas em menor quantidade de tempo e com custo bem menor, fato que aumentaria a produtividade e a lucratividade no ato da comercialização. Verificamos que nossa hipótese pôde ser confirmada através de relatório da Associação Cristã de Base ACB, ONG que presta assessoria ao Assentamento Serra Verde. Segundo relatório daquela instituição, os moradores faltam nos dias de trabalho

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG)

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) Arthur Rodrigues Lourenço¹ e Ana Rute do Vale² madrugarockets@hotmail.com, aruvale@bol.com.br ¹ discente do curso

Leia mais

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ESCADA, 2014 EXTENSÃO RURAL CONSTRUIR UM SONHO E LUTAR POR ELE Regional : Palmares PE Municipio: Escada Comunidades: Sitio

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Publicada no D.O.U. de 20/12/2001, Seção 1, Página 36 CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Dispõe sobre a aprovação do Programa Jovem Agricultor

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

AÇÕES PARA DINAMIZAR O FUNCIONAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES E COOPERATIVAS RURAIS

AÇÕES PARA DINAMIZAR O FUNCIONAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES E COOPERATIVAS RURAIS AÇÕES PARA DINAMIZAR O FUNCIONAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES E COOPERATIVAS RURAIS Objetivo Consolidar os resultados positivos alcançados pelas associações rurais, assistidas pela EMATER e dinamizar as suas ações,

Leia mais

MEU NEGÓCIO É RECICLAR A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS - BAHIA NO APOIO AO MOVIMENTO DE CATADORES DE RUA

MEU NEGÓCIO É RECICLAR A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS - BAHIA NO APOIO AO MOVIMENTO DE CATADORES DE RUA MEU NEGÓCIO É RECICLAR A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS - BAHIA NO APOIO AO MOVIMENTO DE CATADORES DE RUA Patrícia Cristina de Lima Moreira (1) Assistente Social (UNIT), Assistente Social do Serviço

Leia mais

DISSEMINAÇÃO DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS BARRAGINHAS E LAGO DE MÚLTIPLO USO PARA SEGURANÇA HÍDRICA DE LAVOURAS E ALIMENTAR DE COMUNIDADES

DISSEMINAÇÃO DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS BARRAGINHAS E LAGO DE MÚLTIPLO USO PARA SEGURANÇA HÍDRICA DE LAVOURAS E ALIMENTAR DE COMUNIDADES XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 DISSEMINAÇÃO DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS BARRAGINHAS E LAGO DE MÚLTIPLO USO PARA SEGURANÇA HÍDRICA DE LAVOURAS E ALIMENTAR

Leia mais

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe.

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe. O Brasil Melhorou 36 milhões de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos 42 milhões de brasileiros ascenderam de classe Fonte: SAE/PR O Brasil Melhorou O salário mínimo teve um aumento real de 70% Em 2003,

Leia mais

AGRICULTURA NA RÚSSIA SOCIALISTA E NA CHINA

AGRICULTURA NA RÚSSIA SOCIALISTA E NA CHINA Espaço Agrário Rússia/China 1 AGRICULTURA NA RÚSSIA SOCIALISTA E NA CHINA! Ambos os países passaram por uma revolução socialista, ou seja, com a revolução a Terra passa a ser propriedade do Estado (propriedade

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

O lema do grupo é sugestivo: Campo e Cidade se dando as mãos, que é também o título de um excelente documentário de autoria do cineasta

O lema do grupo é sugestivo: Campo e Cidade se dando as mãos, que é também o título de um excelente documentário de autoria do cineasta 13/12/2015 - Copyleft Ameaçado o primeiro Assentamento Agroecológico do Rio de Janeiro O mais grave é que o laudo do MPF nega a possibilidade de permanência das famílias e ignora a potencialidade ambiental

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR COMO FORMA DE PRODUÇÃO RURAL PARA ABASTECIMENTO DE GRANDES CENTROS URBANOS

AGRICULTURA FAMILIAR COMO FORMA DE PRODUÇÃO RURAL PARA ABASTECIMENTO DE GRANDES CENTROS URBANOS AGRICULTURA FAMILIAR COMO FORMA DE PRODUÇÃO RURAL PARA ABASTECIMENTO DE GRANDES CENTROS URBANOS Jaqueline Freitas dos Santos 692 jaquelineufmg_09@hotmail.com Klécia Gonçalves de Paiva Farias kleciagp@gmail.com

Leia mais

Categoria Voluntariado BB

Categoria Voluntariado BB Categoria Voluntariado BB Voluntário BB: Everaldo Costa Mapurunga Nome do Projeto: Sustentabilidade e Vida Entidade Apoiada: Centro Espírita O Pobre de Deus Localização: Viçosa do Ceará Ceará O Projeto

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA da ADA Projeto EIA-RIMA Nova Transnordestina - CFN

CARACTERIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA da ADA Projeto EIA-RIMA Nova Transnordestina - CFN CARACTERIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA da ADA Projeto EIA-RIMA Nova Transnordestina - CFN Data Entrevistador Resultado da visita (vide Quadro) Número do Questionário RESULTADO DA VISITA Residência... (a) Comércio...

Leia mais

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade.

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade. São as áreas protegidas da propriedade. Elas não podem ser desmatadas e por isso são consideradas Áreas de Preservação Permanente (APPs). São as faixas nas margens de rios, lagoas, nascentes, encostas

Leia mais

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará ações de cidadania Onde o sol nasce ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará O triste cenário já é um velho conhecido por

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG RECICLAGEM E CIDADANIA: UMA VISÃO SOCIO AMBIENTAL DOS CATADORES DE RESIDUOS SOLIDOS NO MUNICIPIO DE GARANHUNS

Leia mais

OS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DE TRABALHADORES RURAIS NO ESTADO DE SÃO PAULO ENÉAS RENTE FERREIRA ( 1 ) JOAO CLEPS JUNIOR ( 2 ) SILVIO CARLOS BRAY ( 3 )

OS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DE TRABALHADORES RURAIS NO ESTADO DE SÃO PAULO ENÉAS RENTE FERREIRA ( 1 ) JOAO CLEPS JUNIOR ( 2 ) SILVIO CARLOS BRAY ( 3 ) OS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DE TRABALHADORES RURAIS NO ESTADO DE SÃO PAULO ENÉAS RENTE FERREIRA ( 1 ) JOAO CLEPS JUNIOR ( 2 ) SILVIO CARLOS BRAY ( 3 ) RESUMO O presente trabalho procura analisar o processo

Leia mais

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS.

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. Carina da Silva UFPel, carinasg2013@gmail.com INTRODUÇÃO A atual sociedade capitalista tem como alicerce, que fundamenta sua manutenção,

Leia mais

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N 037/2014 Regulamenta aplicação das Instruções Normativas SDE Nº 01/2014 a 02/2014, que dispõem sobre as Rotinas e Procedimentos do Sistema de Desenvolvimento Econômico a serem observados no âmbito

Leia mais

Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas

Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas Rita de Cássia da Conceição Gomes Natal, 11/09/2011 As Desigualdades socioespacias em nossa agenda de pesquisa: Dialética apresentada Pesquisa

Leia mais

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003 Propostas de luta para tornar nossa vida melhor Maio de 2003 Companheiros e companheiras A s políticas capitalistas neoliberais, aplicadas com mais força no governo FHC, foram muito duras com os trabalhadores

Leia mais

RESISTÊNCIA CAMPONESA E ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL NA COMUNIDADE SERRA DAS PIAS/AL

RESISTÊNCIA CAMPONESA E ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL NA COMUNIDADE SERRA DAS PIAS/AL RESISTÊNCIA CAMPONESA E ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL NA COMUNIDADE SERRA DAS PIAS/AL Resumo Aparecida Marta Barbosa Costa Universidade Estadual de Alagoas UNEAL Marta_liz@hotmail.com Antônio Marcos Pontes

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 316

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 316 Página 316 ALGODÃO ORGÂNICO: DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE NO MUNICÍPIO DE REMÍGIO PB Luciana Gomes da Silva 1, Perla Joana Souza Gondim 2, Márcia Maria de Souza Gondim 2, Rosemare

Leia mais

Reforma Agrária e Assentamentos Rurais: caminhos para erradicação da pobreza e para a Segurança Alimentar

Reforma Agrária e Assentamentos Rurais: caminhos para erradicação da pobreza e para a Segurança Alimentar Reforma Agrária e Assentamentos Rurais: caminhos para erradicação da pobreza e para a Segurança Alimentar Sonia Maria Pessoa Pereira Bergamasco Feagri/UNICAMP Fórum: Combate à Pobreza e Segurança Alimentar

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) IMPLANTAÇÃO DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS: PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA INTEGRADA SUSTENTÁVEL- PAIS (HORTA MANDALA), CISTERNA E FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA COMO MEIO DE SUSTENTABILIDADE PARA AGRICULTURA FAMILIAR. Área

Leia mais

A INSERÇÃO ECÔNOMICA DOS AGRICULTORES FAMILIARES INSERIDOS NO ASSENTAMENTO ERNESTO CHE GUEVARA

A INSERÇÃO ECÔNOMICA DOS AGRICULTORES FAMILIARES INSERIDOS NO ASSENTAMENTO ERNESTO CHE GUEVARA A INSERÇÃO ECÔNOMICA DOS AGRICULTORES FAMILIARES INSERIDOS NO ASSENTAMENTO ERNESTO CHE GUEVARA Mercedes Ferreira 1 - mercedita4@hotmail.com Maria Inês Vidal 2 Orientador: Luiz Alexandre Gonçalves Cunha

Leia mais

Esta cartilha traz o primeiro diagnóstico

Esta cartilha traz o primeiro diagnóstico introdução A Armadilha do Crédito Fundiário do Banco Mundial Esta cartilha traz o primeiro diagnóstico abrangente sobre os programas do Banco Mundial para o campo no Brasil. O estudo foi realizado pela

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO

PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO PROMOVENDO A SUCESSÃO E O COMBATE A POBREZA NO CAMPO PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO 3 O QUE É CRÉDITO FUNDIÁRIO O Programa Nacional de Crédito Fundiário (PNCF)

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

Feiras livres da agricultura familiar

Feiras livres da agricultura familiar Feiras livres da agricultura familiar FEIRAS LIVRES DA AGRICULTURA FAMILIAR Tradicionalmente, a Emater MG tem participação efetiva na organização e implantação dessas feiras no Estado, desenvolvendo ações,

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES Luciana Borges Junqueira Mestranda Educação - UFSJ Écio Portes - Orientador RESUMO

Leia mais

GOVERNO QUE CUIDA DA CIDADE E DAS PESSOAS!

GOVERNO QUE CUIDA DA CIDADE E DAS PESSOAS! GOVERNO QUE CUIDA 8 DA CIDADE E DAS PESSOAS! EDUCAÇÃO Logo que Badel assumiu a Prefeitura de, se comprometeu em fortalecer a agricultura familiar do município, estimulando o pequeno produtor a diversificar

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN 1678-9644 Dezembro, 2007 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 213 Produção Comunitária de Sementes: Segurança

Leia mais

Título: O EMPREENDEDORISMO: GERAÇÃO DE EMPREGO, RENDA E EXERCÍCIO DE CIDADANIA PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM COMUNIDADES CARENTES NO SERTÃO

Título: O EMPREENDEDORISMO: GERAÇÃO DE EMPREGO, RENDA E EXERCÍCIO DE CIDADANIA PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM COMUNIDADES CARENTES NO SERTÃO Título: O EMPREENDEDORISMO: GERAÇÃO DE EMPREGO, RENDA E EXERCÍCIO DE CIDADANIA PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM COMUNIDADES CARENTES NO SERTÃO PARAIBANO Silva, Hellosman de Oliveira, Rodrigues, Tárcio

Leia mais

CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO

CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO Ana Claudia Silva Almeida Universidade Estadual de Maringá - UEM anaclaudia1985@yahoo.com.br Elpídio Serra Universidade Estadual de

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB

ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB Jackson Silva Nóbrega 1 ; Francisco de Assis da Silva 1 ; Marcio Santos da Silva 2 ; Maria Tatiane Leonardo Chaves

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE ASSESSORIA TÉCNICA A COOPERATIVA AGRÍCOLA MISTA DOS PRODUTORES RURAIS DO ASSENTAMENTO NOVA VIDA LTDA (COOPERVIDA), ATRAVES

EXPERIÊNCIA DE ASSESSORIA TÉCNICA A COOPERATIVA AGRÍCOLA MISTA DOS PRODUTORES RURAIS DO ASSENTAMENTO NOVA VIDA LTDA (COOPERVIDA), ATRAVES EXPERIÊNCIA DE ASSESSORIA TÉCNICA A COOPERATIVA AGRÍCOLA MISTA DOS PRODUTORES RURAIS DO ASSENTAMENTO NOVA VIDA LTDA (COOPERVIDA), ATRAVES DO PROGRAMA MAIS GESTÃO. Instituto de Assessoria a Cidadania e

Leia mais

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento da infra-estrutura de produção

Leia mais

ANÁLISE DO USO DAS CISTERNAS DE PLACAS NO MUNICÍPIO DE FRECHEIRINHA: O CONTEXTO DA PAISAGEM DE SUPERFÍCIE SERTANEJA NO SEMIÁRIDO CEARENSE

ANÁLISE DO USO DAS CISTERNAS DE PLACAS NO MUNICÍPIO DE FRECHEIRINHA: O CONTEXTO DA PAISAGEM DE SUPERFÍCIE SERTANEJA NO SEMIÁRIDO CEARENSE ANÁLISE DO USO DAS CISTERNAS DE PLACAS NO MUNICÍPIO DE FRECHEIRINHA: O CONTEXTO DA PAISAGEM DE SUPERFÍCIE SERTANEJA NO SEMIÁRIDO CEARENSE Carliana Lima Almeida (1); José Falcão Sobrinho (2); (1) Mestranda

Leia mais

O Banco da Terra e os beneficiários do programa em Lebon Regis

O Banco da Terra e os beneficiários do programa em Lebon Regis O Banco da Terra e os beneficiários do programa em Lebon Regis Hanen Sarkis Kanaan 1 Resumo: Este trabalho discute a implantação e a situação das famílias assentadas pelo programa de assentamento do Banco

Leia mais

CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA INTEGRADA AO TRABALHO DA PASTORAL DA CRIANÇA

CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA INTEGRADA AO TRABALHO DA PASTORAL DA CRIANÇA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA INTEGRADA AO TRABALHO DA PASTORAL DA CRIANÇA Maria de Fátima Lima, Coordenadora da Pastoral da Criança na Diocese de Patos, Gilberto Nunes de Sousa, Central das Associações do

Leia mais

DADOS DE INSCRIÇÃO. ENDEREÇO: Rua José de Alencar, 445, Bairro Pereiros - Telefax: (084) 3314-7328, CEP 59600-000- Mossoró-RN

DADOS DE INSCRIÇÃO. ENDEREÇO: Rua José de Alencar, 445, Bairro Pereiros - Telefax: (084) 3314-7328, CEP 59600-000- Mossoró-RN DADOS DE INSCRIÇÃO DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome: COOPERATIVA DE ASSESSORIA TÉCNICA E GERENCIAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR TERRA LIVRE - CNPJ: 04.023.765/0001-06 ENDEREÇO: Rua

Leia mais

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero Andrea Butto Ministério do Desenvolvimento Agrário Temas abordados Estados assumiram compromissos que

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

A ponte que atravessa o rio

A ponte que atravessa o rio A ponte que atravessa o rio Patrus Ananias, ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Falar do combate à fome no Brasil requer falar de combate à desigualdade social. Requer compreender que o

Leia mais

FORÇA FEMINISTA NA CHINA

FORÇA FEMINISTA NA CHINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA DO SECULO XX FORÇA FEMINISTA NA CHINA DÉBORAH PAULA DA SILVA RECIFE

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

Projeto Tempero de Mãe

Projeto Tempero de Mãe Projeto Tempero de Mãe Secretaria Municipal de Educação 1 Introdução A nutrição da população brasileira está cada vez mais afetada de más influências que vão da ignorância de uns até a superstição de outros,

Leia mais

Seu Alcides conta sua experiência com tecnologias de captação de água de chuva para a convivência com o semiárido

Seu Alcides conta sua experiência com tecnologias de captação de água de chuva para a convivência com o semiárido Seu Alcides conta sua experiência com tecnologias de captação de água de chuva para a convivência com o semiárido Introdução Alcides Peixinho Nascimento 1 Alaíde Régia Sena Nery de Oliveira 2 Fabrício

Leia mais

PAUTA UNITÁRIA DOS MOVIMENTOS SINDICAIS E SOCIAIS DO CAMPO

PAUTA UNITÁRIA DOS MOVIMENTOS SINDICAIS E SOCIAIS DO CAMPO PAUTA UNITÁRIA DOS MOVIMENTOS SINDICAIS E SOCIAIS DO CAMPO São Paulo, 12 de março de 2015. No consenso de nossas concepções, dos movimentos sociais do campo e das florestas, inclusive pactuadas no Encontro

Leia mais

CONVIVER - Associação Conviver no Sertão

CONVIVER - Associação Conviver no Sertão CONVIVER - Associação Conviver no Sertão Avenda de produtos à CONAB¹, via PAA: a experiência das mulheres de Mirandiba Mirandiba, localizada no semiárido pernambucano, é um município novo, criado em 1958

Leia mais

InfoReggae - Edição 33 Panorama das ONGs no Brasil 25 de abril de 2014. Coordenador Executivo José Júnior. Coordenador Editorial Marcelo Reis Garcia

InfoReggae - Edição 33 Panorama das ONGs no Brasil 25 de abril de 2014. Coordenador Executivo José Júnior. Coordenador Editorial Marcelo Reis Garcia O Grupo Cultural AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens das camadas populares.

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Os "fundos de confiança" como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa

Os fundos de confiança como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa Os "fundos de confiança" como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa César Jaramillo Avila - aurbana@quito.gov.ec Coordenador do Programa Municipal de Agricultura Urbana da

Leia mais

Obtenção de recursos para a agricultura urbana através do Orçamento Participativo municipal: a experiência de Porto Alegre

Obtenção de recursos para a agricultura urbana através do Orçamento Participativo municipal: a experiência de Porto Alegre Obtenção de recursos para a agricultura urbana através do Orçamento Participativo municipal: a experiência de Porto Alegre Saya Saulière - sayasauliere@hotmail.com IPES/PGU-AL Fotos: Saya Sauliére - 1:

Leia mais

PLATAFORMA OPERÁRIA E CAMPONESA DE ENERGIA

PLATAFORMA OPERÁRIA E CAMPONESA DE ENERGIA PLATAFORMA OPERÁRIA E CAMPONESA DE ENERGIA Brasília, 24 de Agosto de 2010. PLATAFORMA OPERÁRIA E CAMPONESA DE ENERGIA Ao Povo Brasileiro e às organizações do campo e da cidade A questão energética, na

Leia mais

Departamento de Geração de Renda e

Departamento de Geração de Renda e Departamento de Geração de Renda e Agregação de Valor - DGRAV ESTRUTURA DO MDA Gabinete do Ministro Secretaria Executiva Secretaria da Agricultura Familiar SAF Secretaria de Reordenamento Agrário - SRA

Leia mais

JUVENTUDE RURAL E INTERVIVÊNCIA UNIVERSITÁRIA: CAMINHOS DE UMA CONSTRUÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE

JUVENTUDE RURAL E INTERVIVÊNCIA UNIVERSITÁRIA: CAMINHOS DE UMA CONSTRUÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE JUVENTUDE RURAL E INTERVIVÊNCIA UNIVERSITÁRIA: CAMINHOS DE UMA CONSTRUÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE Ana Jéssica Soares Barbosa¹ Graduanda em Ciências Agrárias ajsbarbosa_lca@hotmail.com Centro de Ciências

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: RESUMO

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: RESUMO TÍTULO: HORTA COMUNITÁRIA NOS ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO PITIMBU/PB. AUTORES: Wedja S.da Silva; Marcelo R.da Silva; Macilene S.da Silva; Analice M. da Silva; Francisco B. Silva; Jaidenilson V.de

Leia mais

Entenda o Programa Fome Zero

Entenda o Programa Fome Zero Entenda o Programa Fome Zero 1. O que é o Programa Fome Zero? O Programa Fome Zero é um conjunto de ações que estão sendo implantadas gradativamente pelo Governo Federal. O objetivo é promover ações para

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS MARÇO DE 2014 JOB0402 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL Avaliar a atual administração do município de Acopiara. Acopiara

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS DE FAMÍLIAS ASSENTADAS EM SITUAÇÃO DE INSEGURANÇA ALIMENTAR

ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS DE FAMÍLIAS ASSENTADAS EM SITUAÇÃO DE INSEGURANÇA ALIMENTAR ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS DE FAMÍLIAS ASSENTADAS EM SITUAÇÃO DE INSEGURANÇA ALIMENTAR Ana Paula Pereira¹, Anselmo Cesário², Cinthia M. Liminides Silva³, Daiana Regina de Lima 3, Demes Nunes da Mota 4, Karina

Leia mais

Patrocínio Institucional Parcerias Apoio

Patrocínio Institucional Parcerias Apoio Patrocínio Institucional Parcerias Apoio O Grupo Cultural AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam

Leia mais

GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY. Oficina de Planejamento 2010-2012

GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY. Oficina de Planejamento 2010-2012 GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY Oficina de Planejamento 2010-2012 Paraty, agosto de 2010 Objetivo da oficina Elaborar o Direcionamento Estratégico da Gastronomia Sustentável de Paraty para os próximos

Leia mais

Cozinha Multiuso Comunitário de Produção CMCP denominado DE COZINHA COMUNITÁRIA a ser

Cozinha Multiuso Comunitário de Produção CMCP denominado DE COZINHA COMUNITÁRIA a ser Cozinha Multiuso Comunitário de Produção CMCP denominado DE COZINHA COMUNITÁRIA a ser Mostra Local de: Rio Branco do Sul (Municípios de Rio Branco do Sul, Almirante Tamandaré e Itaperuçu) Categoria do

Leia mais

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Janeiro - 2011 Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer

Leia mais

INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO CLIPPING ELETRÔNICO

INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO CLIPPING ELETRÔNICO INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO CLIPPING ELETRÔNICO De 30 de janeiro de 2014 Simpósio Riquezas e Problemas do Semiárido chega ao fim Na próxima sexta-feira, dia 31, chega ao

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA Resumo Na história da educação brasileira é perceptível que o direito à educação foi negado às classes menos favorecidas da população,

Leia mais

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1 Como a África pode adaptar-se às mudanças climáticas? Os Clubes de Agricultores de HPP alcançam dezenas de milhares ensinando sobre práticas agrícolas sustentáveis e rentáveis e de como se adaptar a uma

Leia mais

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS.

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. Graciela Rodrigues Trindade (1) Bacharel em Gestão Ambiental formada

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

A ABORDAGEM DO TEMA DA FOME DURANTE AS AULAS DE GEOGRAFIA NO ENSINO MÉDIO INTRODUÇÃO

A ABORDAGEM DO TEMA DA FOME DURANTE AS AULAS DE GEOGRAFIA NO ENSINO MÉDIO INTRODUÇÃO Autor: Joelder Maia Barbosa e-mail: joeldermb@yahoo.com.br Universidade Federal do Ceará (UFC) Orientador: José Levi Furtado Sampaio Pesquisa concluída em junho de 2010 A ABORDAGEM DO TEMA DA FOME DURANTE

Leia mais

TITULO A GENTE NA RUA UM OLHAR DIFERENCIADO NA POPULAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE SÃO PAULO

TITULO A GENTE NA RUA UM OLHAR DIFERENCIADO NA POPULAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE SÃO PAULO TITULO A GENTE NA RUA UM OLHAR DIFERENCIADO NA POPULAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE SÃO PAULO Breve Histórico da População de Rua na Cidade de São Paulo A população de rua da cidade de são Paulo, heterogenia

Leia mais

Visão integrada. da conservação

Visão integrada. da conservação para sempre Em busca do equilíbrio entre a produção econômica e a conservação do Pantanal, o WWF-Brasil atua na Bacia Hidrográfica do Alto Paraguai em uma perspectiva transfronteiriça e em articulação

Leia mais

A INFLUENCIA DA LOCALIZAÇÃO RESIDENCIAL NO DESEMPENHO DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA UNIJUÍ

A INFLUENCIA DA LOCALIZAÇÃO RESIDENCIAL NO DESEMPENHO DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA UNIJUÍ A INFLUENCIA DA LOCALIZAÇÃO RESIDENCIAL NO DESEMPENHO DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA UNIJUÍ Luciana L. Brandli brandli@detec.unijui.tche.br Cristina E. Pozzobon pozzobon@unijui.tche.br Universidade Regional

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE Vicente de Paula Queiroga 1, Robério Ferreira dos Santos 2 1Embrapa Algodão, queiroga@cnpa.embrapa.br,

Leia mais

A INVISIBILIDADE DO TRABALHO DA MULHER NA ORGANIZAÇÃO DOS ESTABELECIMETNOS AGROPECUÁRIOS: UM ESTUDO DO MUNICÍPIO DE MARMELEIRO (PR)

A INVISIBILIDADE DO TRABALHO DA MULHER NA ORGANIZAÇÃO DOS ESTABELECIMETNOS AGROPECUÁRIOS: UM ESTUDO DO MUNICÍPIO DE MARMELEIRO (PR) A INVISIBILIDADE DO TRABALHO DA MULHER NA ORGANIZAÇÃO DOS ESTABELECIMETNOS AGROPECUÁRIOS: UM ESTUDO DO MUNICÍPIO DE MARMELEIRO (PR) LUÍS CARLOS BRAGA UNESP Presdiente Prudente l.karlos2009@hotmail.com

Leia mais

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Objetivo da Apresentação Possibilitar a compreensão das políticas públicas relacionadas e/ou

Leia mais

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua. Título da experiência: Políticas públicas de apoio à população de rua Uma experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

Leia mais

Excelentíssima Presidenta do Brasil, Dilma Rousseff

Excelentíssima Presidenta do Brasil, Dilma Rousseff Semiárido Brasileiro, 24 de novembro de 2010 Excelentíssima Presidenta do Brasil, Dilma Rousseff O Semiárido Brasileiro atinge cerca de 975 mil quilômetros quadrados, compreendendo 1.133 municípios de

Leia mais

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 MARCO DE AÇÃO A Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil

Leia mais

Século XVIII e XIX / Europa

Século XVIII e XIX / Europa 1 I REVOLUÇÃO AGRÍCOLA Século XVIII e XIX / Europa! O crescimento populacional e a queda da fertilidade dos solos utilizados após anos de sucessivas culturas no continente europeu, causaram, entre outros

Leia mais

O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural

O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural Marcos Santos Figueiredo* Introdução A presença dos sindicatos de trabalhadores

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza OConselho da Comunidade Solidária foi criado em 1995 com base na constatação de que a sociedade civil contemporânea se apresenta como parceira indispensável

Leia mais