Hospital Nossa Senhora da Assunção - Seia SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE DOENTES EM GRUPOS DE DIAGNÓSTICOS HOMOGÉNEOS (GDH) INFORMAÇÃO DE RETORNO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Hospital Nossa Senhora da Assunção - Seia SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE DOENTES EM GRUPOS DE DIAGNÓSTICOS HOMOGÉNEOS (GDH) INFORMAÇÃO DE RETORNO"

Transcrição

1 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização SISTEA DE LASSIFIAÇÃO DE DOENTES E GRUPOS DE DIAGNÓSTIOS HOOGÉNEOS () INFORAÇÃO DE RETORNO Hospital Nossa Senhora da Assunção - Seia ANO

2

3 Título: Sistema lassificação de Doentes em Grupos de Diagnósticos Homogéneos () Informação de Retorno Ano Autor: Administração entral do Sistema de Saúde, I.P. Avenida João risóstomo, nº - Lisboa Telefone: Fax: omposição: Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização

4 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno Índice Introdução... Resumo de Indicadores... Evolução a... Grelha de Avaliação da Qualidade dos Dados dos Hospitais... Anexo - Agrupamento dos Hospitais... Anexo - Explicitação de onceitos Utilizados... Grupo I Produção e Demora édia por omparação do Hospital com as édias do Grupo e Nacional... Evolução do Índice de ase-ix do Hospital Internamento... Evolução do Índice de ase-ix do Hospital Ambulatório... irurgias de Ambulatório... Ambulatório édico... Outros Episódios em Ambulatório... Grupo II Evolução das Demoras édias do Hospital, do Grupo e Nacional com aior Número de Doentes Saídos do Hospital... Evolução da Demora édia com aior Número de Doentes Saídos do Hospital... --

5 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno Evolução do Número de Doentes com aior Número de Doentes Saídos do Hospital... Evolução das Demoras édias do Hospital, do Grupo e Nacional com aior Número de Dias de Internamento... Evolução da Demora édia com aior Número de Dias de Internamento do Hospital... Evolução do Número de Dias com aior Número de Dias de Internamento do Hospital... Evolução das Demoras édias do Hospital, do Grupo e Nacional com aior Demora édia... Evolução da Demora édia com aior Demora édia do Hospital... Número de Doentes, por Tipo com aior Número de Doentes Saídos do Hospital... Número de Dias de Internamento, por Tipo com aior Número de Dias de Internamento... Grupo III Percentagem de Reinternamentos nos irúrgicos com aior Percentagem de Reinternamentos... com aior Número de Óbitos Doentes com Idade <= anos... com aior Número de Óbitos Doentes com Idade > anos... --

6 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno omplicações Relacionadas com Procedimentos irúrgicos... omplicações Relacionadas com o Parto e Puerpério... omplicações Relacionadas com Recém Nascidos... Úlcera de Decúbito como Diagnóstico Adicional... Grupo IV Número édio de Diagnósticos por Episódio... Número édio de Procedimentos por Episódio... Diagnóstico Principal Inaceitável linicamente... Diagnóstico Principal Questionável... Diagnóstico Principal Inespecífico... Internamento Prolongado Sem Assinaladas... --

7 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - INTRODUÇÃO A ASS centraliza os dados relativos aos episódios de internamento e de ambulatório (médico e cirúrgico) realizados nos hospitais do SNS, codificados segundo a lassificação Internacional de Doenças,.ª Revisão, odificação línica (ID-- ) e classificados em Grupos de Diagnósticos Homogéneos (). Estes dados são remetidos pelos hospitais, mensalmente, e reportam-se a todos os episódios codificados. Para efeitos de análise das cirurgias de ambulatório e ambulatório médico foi considerada a lista de que integra a tabela de preços do SNS da Portaria n.º - A de, de de Janeiro. omo vem sendo prática em anos anteriores, a ASS apresenta a informação de retorno a esse Hospital, relativa aos elementos dos que lhe são remetidos. O presente relatório contém um resumo de indicadores e permite a comparação com o grupo e com o nacional, a evolução nos últimos anos de um conjunto de indicadores, uma grelha de avaliação da qualidade dos dados do hospital e grupos de informação, cujo conteúdo se descreve seguidamente. omo anexos, constam os grupos em que os hospitais estão classificados para efeitos de financiamento e de comparação dos indicadores constantes neste relatório (anexo ) e a explicitação dos conceitos utilizados (anexo ). A folha resumo de indicadores apresenta o número de episódios de internamento, cirurgias de ambulatório, episódios de ambulatório médico e o número de outros episódios em ambulatório, a conversão dos episódios de internamento para equivalentes, a demora média, o I e a distribuição dos episódios de internamento por tipo de episódio. Para cada um destes indicadores é possível analisar o comportamento do hospital face ao grupo e ao nacional. A evolução dos últimos anos apresenta a tendência nos últimos anos do total de episódios codificados e dos principais indicadores do internamento e ambulatório. Apresenta também esta tendência separando a actividade do internamento e ambulatório em termos de médicos e cirúrgicos. É ainda apresentada a evolução de alguns alertas de qualidade. A grelha de avaliação da qualidade dos dados do hospital pondera aspectos ligados à codificação clínica e à coerência da base de dados de internamento, onde consta os valores dos últimos três anos do Hospital e o valor Nacional do ano em análise. --

8 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - O primeiro grupo apresenta, relativamente a, a produção e a demora média do Hospital, por, comparando-as com os valores correspondentes, do grupo e nacional. Inclui, também, a evolução do índice de case-mix do Hospital entre e, que se reporta, em cada ano, à produção existente na base de dados dos disponível na ASS, segundo os pesos relativos e os limiares de excepção dos publicados na Portaria n.º -A de, de de Janeiro. Este grupo apresenta ainda as irurgias de Ambulatório realizadas no hospital e a percentagem de cirurgias de ambulatório efectuadas em cada, os episódios de ambulatório médico e a sua percentagem em relação a cada, bem como outros episódios em ambulatório admissão igual à data de alta, excepto de cirurgia de ambulatório e ambulatório médico; destino após alta igual a falecido, transferido ou saída contra parecer médico e diagnóstico de procedimento não realizado (V.x). Os episódios com data de admissão e alta coincidente, dizem respeito essencialmente a situações de observação no Serviço de Urgência, de admissão para realização de exames, de pequenas cirurgias, de tratamentos em hospital de dia. O segundo grupo refere-se à informação comparativa da produção e demoras médias em e para os mais representativos do Hospital, em número de doentes, em número de dias de internamento e em termos de demora média. Esta informação é também apresentada em gráfico, para os com maior número de doentes e com maior número de dias de internamento. Inclui, também, para os com maior volume de doentes e com maior número de dias de internamento, a distribuição absoluta por tipo de episódio - normais, curta duração, evolução prolongada e transferidos, mantendo constantes os limiares de excepção publicados na Portaria n.º -A de, de de Janeiro. O terceiro grupo apresenta alguns indicadores de alerta para a existência de potenciais problemas de qualidade no Hospital. Embora os resultados não permitam concluir, definitivamente, sobre a existência de verdadeiros problemas, contribuem, certamente, para identificar áreas onde se observam desvios dos valores do hospital face aos do grupo/nacional. A sua interpretação deverá, no entanto, ser cuidadosa, uma vez que cada hospital conta com uma realidade específica que poderá influenciar o significado destes indicadores. É também de notar que, sendo os referidos indicadores construídos a partir das bases de dados dos hospitais, os resultados são fortemente condicionados pela fiabilidade daquelas, tornando-se, por isso, fundamental obter um crescente rigor da codificação da informação clínica. O quarto grupo contém informação relativa à avaliação da codificação dos registos clínicos do hospital segundo a lassificação Internacional de Doenças, ª Revisão, odificação línica (ID--), para os anos de e. Inclui a identificação de erros resultantes quer de uma deficiente codificação dos dados, quer do registo incorrecto dos mesmos. Inclui ainda indicadores de alerta para situações em que --

9 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - existe a probabilidade de ocorrência de problemas relacionados com a qualidade da informação clínica, sua recolha e tratamento. São ainda apresentados, em gráficos, o número médio de códigos de diagnóstico e de procedimento por registo, bem como a percentagem de diagnósticos principais inaceitáveis clinicamente, questionáveis, e inespecíficos e ainda de internamentos prolongados sem complicações ou comorbilidades assinaladas. Nota: Relatório realizado no sistema de informação SD/GF, co-financiado pelo Programa Operacional Saúde no âmbito do projecto: SONHO Sistema de lassificação de Doentes de apoio à Gestão e ao Financiamento. --

10 %D.Ev.Prol. Nº.Diag. Nº.Proc. Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - RESUO DE INDIADORES Ano: Hospital: Seia Grupo: Total de episódios Total de internamentos Ambulatório (irúrgico + édico) Hospital Grupo Nacional Distribuição dos episódios Outros episódios ambulatório Internamento Nº de doentes saídos (a) Nº de doentes equivalentes (b) b / a (%) () ,,, Demora média,,, Esperada em relação ao:,, Internamento Ambulatório O. Ep. Ambulatório Doentes excepcionais (%),,, I Hospital urta duração (%),,, I Internamento (irúrgico + édico), Evolução Prolongada (%),,, I Internamento édico, I Internamento irúrgico, Nº médio diagnósticos/registo,,, I Ambulatório édico, Nº médio procedimentos/registo,,, I Ambulatório irúrgico, Reinternamentos cirúrgicos (%),,, esarianas / total partos (%),,, Indicadores (eixo horizontal = Grupo) D.édia I % D.Excep. %D..Dur. %Read.ir. %esar. () Episódios com zero dias de internamento, excluindo os de cirurgia de ambulatório, doentes falecidos, transferidos ou com alta contra parecer médico e os episódios com diagnóstico de procedimento não realizado(v.x). --

11 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - RESUO INDIADORES - Evolução de a Seia TABELA - TOTAL DE EPISÓDIOS ODIFIADOS Internamento, irurgias de Ambulatório e Outros Episódios de Ambulatório Episódios de Internamento irurgias de Ambulatório..... Ambulatório édico Outros Episódios de Ambulatório Total de Episódios..... TABELA - EPISÓDIOS DE INTERNAENTO Doentes Saídos, Doentes Equivalentes, Demoras édias e I Nº de Doentes Saídos Nº de Doentes Equivalentes % Doentes Equivalentes/Doentes Saídos,%,%,%,%,% % de Episódios de urta Duração,%,%,%,%,% % de Episódios de Evolução Prolongada,%,%,%,%,% Demora édia,,,,, Índice de ase ix,,,,, TABELA - EPISÓDIOS DE INTERNAENTO ÉDIO Doentes Saídos, Doentes Equivalentes, Demoras édias e I Nº de Doentes Saídos Nº de Doentes Equivalentes % Doentes Equivalentes/Doentes Saídos Demora édia Índice de ase ix ,%,%,%,%,%,,,,,,,,,, TABELA - EPISÓDIOS DE INTERNAENTO IRÚRGIO Doentes Saídos, Doentes Equivalentes, Demoras édias e I Nº de Doentes Saídos Nº de Doentes Equivalentes % Doentes Equivalentes/Doentes Saídos Demora édia Índice de ase ix,%,%,%,%,%,,,,,,,,,, TABELA - ABULATÓRIO - IRÚRGIOS irurgias de Ambulatório, Internamentos irúrgicos e I do Ambulatório irúrgico irurgias de Ambulatório Episódios de Internamento irúrgico* % Ambulatório/Internamento Índice de ase ix do Ambulatório irúrgico * apenas são coniderados os epísódiso de internamento cirúrgico com admissão programada,%,%,%,%,%,,,,, --

12 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - RESUO INDIADORES - Evolução de a Seia TABELA - ABULATÓRIO - ÉDIOS Ambulatório - édicos (a) Índice de ase ix do Ambulatório édico - - -, - (a) Episódios classificados em édicos que apresentam preço para ambulatório, cujo procedimento efectuado consta da lista de procedimentos do Anexo II da Portaria -A de de de Janeiro TABELA - ALERTAS DE QUALIDADE Taxa de ortalidade Taxa de ortalidade em doentes com <= anos Taxa de ortalidade em doentes com > anos % de esarianas/total de Partos,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,% GRÁFIO nº - EVOLUÇÃO DA TAXA DE ORTALIDADE,%,%,%,%,%,%,% Taxa de ortalidade Taxa de ortalidade em doentes com <= anos Taxa de ortalidade em doentes com > anos GRÁFIO nº - EVOLUÇÃO DA PERENTAGE DE ESARIANAS NO TOTAL DE PARTOS % de esarianas/total de Partos,,,,,,,,,,, % de esarianas/total de Partos --

13 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Avaliação da Qualidade dos Dados do Hospital Ano: Hospital: Hospital Nossa Senhora da Assunção - Seia RITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Nacional ) Diagnóstico principal - inespecífico (),,,, ) Diagnóstico principal - inaceitável clinicamente (),,,, ) Diagnóstico principal - manifestação (),,,, ) Diagnóstico principal - efeito tardio (),,,, ) Diagnóstico principal - sintoma (),,,, ) Diagnóstico principal - admissão questionável (),,,, ) Procedimentos cirúrgicos inespecíficos (),,,, ) Internamentos prolongados sem complicações assinaladas (),,,, () % alculadas em relação ao total de registos codificados () % alculadas em relação ao total de códigos de procedimento () % alculadas em relação ao total de doentes com tempo de internamento superior ao limiar superior --

14 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - ANEXO AGRUPAENTO DOS HOSPITAIS PARA EFEITOS DE FINANIAENTO UTILIZADO NO SISTEA DE LASSIFIAÇÃO DE DOENTES E GRUPO Hospital urry abral Hospital Joaquim Urbano Hospital Pulido Valente, E.P.E. Instituto Gama Pinto Instituto Português Oncologia F. Gentil - entro, E.P.E. Instituto Português Oncologia F. Gentil - Lisboa, E.P.E. Instituto Português Oncologia F. Gentil - Porto, E.P.E. GRUPO entro Hospitalar de oimbra, E.P.E. entro Hospitalar de Lisboa entral, E.P.E. entro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho, E.P.E. entro Hospitalar Lisboa Ocidental, E.P.E. entro Hospitalar do Porto, E.P.E. entro Hospitalar de Trás-os-ontes e Alto Douro, E.P.E. Hospitais Universidade de oimbra Hospital Garcia da Orta, E.P.E. - Almada Hospital Professor Dr. Fernando da Fonseca - Amadora/Sintra Hospital S. arcos - Braga Hospital S. Teotónio, E.P.E. - Viseu Hospital Santa aria, E.P.E. Hospital São João E.P.E. Porto Hospital Distrital de Faro Hospital da Prelada GRUPO entro Hospitalar Póvoa do Varzim/Vila do onde Hospital Arcebispo João risóstomo - antanhede Hospital Bernardino Lopes de Oliviera - Alcobaça Hospital ândido de Figueiredo - Tondela Hospital Distrital de Pombal Hospital Dr. Francisco Zagalo - Ovar Hospital José Luciano de astro Anadia --

15 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Hospital Nossa Senhora da Assunção - Seia Hospital Nossa Senhora da onceição - Valongo Hospital S. Pedro Gonçalves Telmo - Peniche Hospital Visconde de Salreu - Estarreja Hospital do ontijo GRUPO entro Hospitalar do Alto Ave, E.P.E. entro Hospitalar Alto inho, E.P.E. entro Hospitalar Baixo Alentejo, E.P.E. entro Hospitalar Barlavento Algarvio, E.P.E. entro Hospitalar ova da Beira, E.P.E. entro Hospitalar do édio Ave, E.P.E. entro Hospitalar do édio Tejo, E.P.E. entro Hospitalar Nordeste, E.P.E. entro Hospitalar Setubal, E.P.E entro Hospitalar Tâmega e Sousa, E.P.E. entro Hospitalar das aldas da Rainha entro Hospitalar de ascais entro Hospitalar de Torres Vedras Hospital Amato Lusitano - astelo Branco Hospital Distrital da Figueira da Foz, E.P.E. Hospital Distrital de S. João da adeira Hospital Distrital de Santarém, E.P.E. Hospital Distrital de Águeda Hospital Infante D. Pedro, E.P.E. - Aveiro Hospital Nossa Senhora do Rosário, E.P.E. - Barreiro Hospital Reynaldo dos Santos - Vila Franca de Xira Hospital S. iguel - Oliveira de Azeméis Hospital S. Sebastião, E.P.E. - Vila da Feira Hospital Santa aria aior, E.P.E. - Barcelos Hospital Santo André, E.P.E. - Leiria Hospital Sousa artins Guarda Hospital do Litoral Alentejano - Santiago do acém Hospital do Espírito Santo - Évora aternidade Dr. Alfredo da osta Unidade Local de Saúde de atosinhos, E.P.E. Unidade Local de Saúde do Norte Alentejo E. P. E. --

16 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - ANEXO EXPLIITAÇÃO DE ONEITOS UTILIZADOS - Limiares de excepção (de curta e de evolução prolongada) (Grupo II) Definem, para cada, o intervalo de normalidade em termos de tempo de internamento e calculam-se de acordo com os intervalos inter-quartis das respectivas distribuições. - Doentes normais ou típicos (Grupo II) Episódio cujos tempos de internamento se situam entre o limiar inferior de excepção e o limiar máximo de excepção do a que pertencem. - Doentes excepcionais de curta duração (Grupo II) Episódios cujos tempos de internamento são iguais ou inferiores ao limiar inferior de excepção do respectivo. - Doentes excepcionais de evolução prolongada (Grupo II) Episódios cujos tempos de internamento são iguais ou superiores ao limiar máximo do respectivo. - Peso relativo do (Grupo I) oeficiente de ponderação que reflecte o custo esperado de tratar de um doente típico desse, expresso em termos relativos face ao custo médio do doente nacional, que tem, por definição, um coeficiente de ponderação de.. - Índice de ase-mix (Grupo I) oeficiente global de ponderação da produção, reflectindo a relatividade de um hospital face aos outros, em termos da sua maior ou menor proporção de doentes com patologias complexas e, consequentemente, mais consumidoras de recursos. O I determina-se calculando o rácio entre o número de doentes equivalentes ponderados pelos pesos relativos dos respectivos e o número total de doentes equivalentes. O I Nacional é, por definição, igual a, pelo que o I de cada hospital afastar-se-á para mais ou para menos desse valor de referência, conforme o --

17 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - hospital trate uma proporção maior ou menor de de elevado peso relativo, face ao padrão nacional. Doentes Equivalentes: Número total de episódios de internamento que se obtém, após a transformação dos dias de internamento dos episódios excepcionais e dos doentes transferidos de cada, em conjuntos equivalentes ao tempo médio de internamento dos episódios normais do respectivo. - Reinternamentos cirúrgicos (Grupo III) Foi considerado reinternamento qualquer episódio de internamento subsequente a outro episódio classificado num cirúrgico ( do º episódio), desde que ocorrido num período de tempo igual ou inferior a dias. Excluem-se desta definição, os casos em que o segundo episódio de internamento é classificado nos,,,,,,,, e. O do segundo episódio de internamento poderá ser diferente do do primeiro episódio. - ortalidade em seleccionados (Grupo III) Foram seleccionados os que, em geral, apresentam um maior número de doentes falecidos nos hospitais gerais. onsideram-se os grupos etários, <= anos e > anos, de forma a permitir uma leitura mais relevante deste indicador. - Indicadores de Alerta (Grupo IV). - Diagnóstico principal É a afecção ou a situação que, depois do estudo do doente, se considera ser a responsável pela sua admissão no hospital, para tratamento.. - Diagnóstico principal inaceitável clinicamente ódigos de diagnóstico que descrevem circunstâncias que influenciam o estado de saúde dos indivíduos, mas não são doenças ou lesões actuais, pelo que são considerados inaceitáveis como diagnóstico principal (ex: morte instantânea -., história pessoal de neoplasia - V.x, convalescença - V.x).. - Diagnóstico principal questionável ódigos que traduzem patologias, sintomas ou manifestações utilizados como diagnóstico principal e que não constituem justificação para internamento (ex.: --

18 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - diabetes mellitus em doente não insulino-dependente, doente portador de serologia positiva para o HIV).. - Diagnóstico principal ou secundário inespecífico ódigos utilizados em situações que poderiam ser clarificadas para uma melhor especificação dos diagnósticos responsáveis pela admissão e tratamento, em especial os descritos como não especificados de outro modo ou sem outra especificação (ex: neoplasia da mama -. em vez de neoplasia do quadrante superior interno da mama -.; catarata -. em vez de catarata senil -.).. - Procedimentos cirúrgicos inespecíficos ódigos de procedimento no bloco operatório, em especial os descritos como não especificados de outro modo ou sem outra especificação que traduzem situações que deveriam ser clarificadas para uma mais correcta atribuição do código (ex: cura de hérnia inguinal -. em vez de cura de hérnia inguinal directa -.). --

19 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatórios de Retorno - Grupo I Produção e Demora édia por omparação do Hospital com a édias do Grupo e Nacional Evolução do Índice de ase-ix do Hospital - Internamento Evolução do Índice de ase-ix do Hospital - Ambulatório irurgias de Ambulatório Ambulatório édico Outros Episódios de Ambulatório --

20 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Hospital: Seia Produção e Demora édia por omparação do Hospital com a édia do Grupo e Nacional Ano: Índice de ase-ix:, GD / Descrição Tipo de Hospital Nº de Doentes Demora édia Grupo Nacional Hospital Grupo Nacional Peso Relativo GD: (Pré- Grandes ategorias Diagnósticas) Procedimentos extensos, em bloco operatório, não relacionados com o diagnóstico principal Procedimentos não extensos, em bloco operatório, não relacionados com o diagnóstico principal.,,,,,,,, Total:. GD: Doenças e Perturbações do Sistema Nervoso Descompressão do túnel cárpico.,,,, Procedimentos nos nervos cranianos e periféricos e noutras estruturas nervosas, sem Perturbações e lesões traumáticas raquidianas.,,,,,,,, Neoplasias do sistema nervoso, com,,,, Neoplasias do sistema nervoso, sem,,,, Perturbações degenerativas do sistema nervoso.,,,, Acidente vascular cerebral com enfarte.,,,, Perturbações dos nervos cranianos e periféricos, sem,,,, onvulsões e cefaleias, idade > anos, sem.,,,, Outras perturbações do sistema nervoso, sem.,,,, Acidente isquémico transitório, oclusões pré-cerebrais, convulsões e cefaleias, com major Outros transtornos do sistema nervoso, excepto acidente isquémico transitório, convulsões e cefaleias, com major Estupor e coma traumático, coma de duração > hora..,,,,,,,,,,,, oncussão ou traumatismo intracraniano, com coma < hora ou sem coma, idade > anos, com oncussão ou traumatismo intracraniano, com coma < hora ou sem coma, idade > anos, sem Estupor e coma traumático, coma < hora, idade > anos, com,,,,,,,,,,,, Estupor e coma traumático, coma < hora, idade > anos, sem.,,,, --

21 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Produção e Demora édia por omparação do Hospital com a édia do Grupo e Nacional GD / Descrição Tipo de Hospital Nº de Doentes Demora édia Grupo Nacional Hospital Grupo Nacional Peso Relativo GD: Doenças e Perturbações do Sistema Nervoso Hemorragia intracraniana.,,,, Isquémia transitória.,,,, Total:.. GD: Doenças e Perturbações do Olho Procedimentos extra-oculares, excepto na órbita, idade > anos.,,,, Procedimentos extra-oculares, excepto na órbita, idade < anos,,,, Hifema,,,, Perturbações neurológicas do olho,,,, Outras perturbações do olho, idade > anos, sem,,,, Total:. GD: Doenças e Perturbações do Ouvido, Nariz, Boca e Garganta Procedimentos diversos no ouvido, nariz, boca e garganta.,,,, Amigdalectomia e/ou adenoidectomia, idade < anos.,,,, iringotomia com colocação de tubo, idade < anos.,,,, Outras procedimentos no ouvido, nariz, boca e garganta em bloco operatório.,,,, Doenças malignas do ouvido, nariz, boca e garganta.,,,, Desequilíbrio.,,,, Epistaxe,,,, Otite média e infecções das vias respiratórias superiores, idade > anos, com Procedimentos na boca, sem,,,,,,,, Transtornos do ouvido, nariz, boca e garganta, idade > anos, com major,,,, Total:. --

22 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Produção e Demora édia por omparação do Hospital com a édia do Grupo e Nacional GD / Descrição Tipo de Hospital Nº de Doentes Demora édia Grupo Nacional Hospital Grupo Nacional Peso Relativo GD: Doenças e Perturbações do Aparelho Respiratório Outros procedimentos no aparelho respiratório em bloco operatório, com,,,, Outros procedimentos no aparelho respiratório em bloco operatório, sem,,,, Embolia pulmonar.,,,, Infecções e inflamações respiratórias, idade > anos, com.,,,, Infecções e inflamações respiratórias, idade > anos, sem,,,, Neoplasias respiratórias.,,,, Derrame pleural, com,,,, Derrame pleural, sem,,,, Doença pulmonar obstrutiva crónica.,,,, Pneumonia e pleurisia simples, idade > anos, com.,,,, Pneumonia e pleurisia simples, idade > anos, sem.,,,, Doença pulmonar intersticial, com,,,, Doença pulmonar intersticial, sem,,,, Bronquite e asma, idade > anos, com.,,,, Bronquite e asma, idade > anos, sem.,,,, Outros diagnósticos do aparelho respiratório, com.,,,, Outros diagnósticos do aparelho respiratório, sem.,,,, Diagnósticos do aparelho respiratório com suporte ventilatório.,,,, Infecções e inflamações respiratórias, com major.,,,, Perturbações respiratórios, excepto infecções, bronquite ou asma, com major Bronquite e asma, com major..,,,,,,,, Tuberculose sem,,,, Total:.. --

23 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Produção e Demora édia por omparação do Hospital com a édia do Grupo e Nacional GD / Descrição Tipo de Hospital Nº de Doentes Demora édia Grupo Nacional Hospital Grupo Nacional Peso Relativo GD: Doenças e Perturbações do Aparelho irculatório Grandes procedimentos cardiovasculares, sem,,,, Amputação por perturbações circulatórias sistémicas, excepto do membro superior e de dedo do pé Laqueação venosa e flebo-extracção...,,,,,,,, Outros procedimentos, no aparelho circulatório, em bloco operatório,,,, Endocardite aguda e subaguda,,,, Insuficiência cardíaca e choque.,,,, Tromboflebite venosa profunda,,,, Perturbações vasculares periféricas, com.,,,, Perturbações vasculares periféricas, sem.,,,, Aterosclerose, sem,,,, Hipertensão.,,,, Arritmia e perturbações da condução cardíaca, com.,,,, Arritmia e perturbações da condução cardíaca, sem.,,,, Angina de peito.,,,, Dor torácica,,,, Outros diagnósticos do aparelho circulatório, com.,,,, Outros diagnósticos do aparelho circulatório, sem.,,, Perturbações circulatórias, excepto enfarte agudo do miocárdio, endocardite, insuficiência cardíaca congestiva e arritmia, com major Insuficiência cardíaca congestiva e arritmia cardíaca, com major..,,,,,,,, Total:.. GD: Doenças e Perturbações do Aparelho Digestivo Grandes procedimentos no intestino delgado e no intestino grosso, sem.,,,, Procedimentos no ânus e estomas, com,,,, Procedimentos no ânus e estomas, sem.,,,, --

24 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Produção e Demora édia por omparação do Hospital com a édia do Grupo e Nacional GD / Descrição Tipo de Hospital Nº de Doentes Demora édia Grupo Nacional Hospital Grupo Nacional Peso Relativo GD: Doenças e Perturbações do Aparelho Digestivo Procedimentos para hérnia excepto inguinal e femoral, idade > anos, com,,,, Procedimentos para hérnia excepto inguinal e femoral, idade > anos, sem.,,,, Procedimentos para hérnia inguinal e femoral, idade > anos com,,,, Procedimentos para hérnia inguinal e femoral, idade > anos, sem..,,,, Procedimentos para hérnia, idade < anos,,,, Apendicectomia com diagnóstico principal complicado, sem.,,,, Apendicectomia sem diagnóstico principal complicado, sem.,,,, Outras intervenções no aparelho digestivo, em bloco operatório, sem,,,, Doença digestiva maligna, com.,,,, Doença digestiva maligna, sem.,,,, Hemorragia gastrintestinal, com.,,,, Hemorragia gastrintestinal, sem.,,,, Úlcera péptica complicada,,,, Doença inflamatória do intestino.,,,, Oclusão gastrintestinal, com,,,, Oclusão gastrintestinal, sem.,,,, Esofagite, gastrenterite e perturbações digestivas diversas, idade > anos, com Esofagite, gastrenterite e perturbações digestivas diversas, idade > anos, sem Outros diagnósticos do aparelho digestivo, idade > anos, com...,,,,,,,,,,,, Outros diagnósticos do aparelho digestivo, idade > anos, sem.,,,, Esofagite, gastrenterite e úlceras não complicadas, com major.,,,, Transtornos do aparelho digestivo, excepto esofagite, gastrenterite e úlceras não complicadas, com major Intervenções por hérnia, idade < anos, com major.,,,,,,,, --

25 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Produção e Demora édia por omparação do Hospital com a édia do Grupo e Nacional GD / Descrição Tipo de Hospital Nº de Doentes Demora édia Grupo Nacional Hospital Grupo Nacional Peso Relativo GD: Doenças e Perturbações do Aparelho Digestivo Gastrenterites não bacterianas e dor abdominal, idade > anos, com.,,,, Gastrenterites não bacterianas e dor abdominal, idade > anos, sem.,,,, Total:.. GD: Doenças e Perturbações do Sistema Hepatobiliar e Pâncreas olecistectomia, sem exploração do colédoco, com,,,, olecistectomia, sem exploração do colédoco, sem.,,,, irrose e hepatite alcoólica.,,,, Doença maligna hepatobiliar ou pancreática.,,,, Perturbações do pancreas, excepto por doença malignas.,,,, Perturbações hepatobiliares, excepto por doença maligna, cirrose e hepatite alcoólica, com Perturbações hepatobiliares, excepto por doença maligna, cirrose e hepatite alcoólica, sem Perturbações das vias biliares, com...,,,,,,,,,,,, Perturbações das vias biliares, sem.,,,, olecistectomia laparoscópica, sem exploração do colédoco, com,,,, olecistectomia laparoscópica, sem exploração do colédoco, sem.,,,, olecistectomia e outros procedimentos hepatobiliares, com major,,,, Perturbações hepatobiliares e pancreáticas, com major.,,,, Total:.. GD: Doenças e Perturbações do Sistema úsculo- Esquelético e Tecido onjuntivo Amputação por perturbações osteomusculares e do tecido conjuntivo,,,, Procedimentos no pé.,,,, Procedimentos nos tecidos moles, sem.,,,, Procedimentos na mão ou no punho, excepto grandes procedimentos articulares, sem.,,,, --

26 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Produção e Demora édia por omparação do Hospital com a édia do Grupo e Nacional GD / Descrição Tipo de Hospital Nº de Doentes Demora édia Grupo Nacional Hospital Grupo Nacional Peso Relativo GD: Doenças e Perturbações do Sistema úsculo- Esquelético e Tecido onjuntivo Outros procedimentos no sistema osteomuscular e no tecido conjuntivo, em bloco operatório, sem Fracturas da anca e da bacia.,,,,,,,, Fracturas patológicas e doença maligna osteomuscular e do tecido conjuntivo,,,, Perturbações do tecido conjuntivo, com,,,, Perturbações do tecido conjuntivo, sem,,,, Problemas médicos dorso-lombares.,,,, Artropatias não específicas,,,, Tendinite, miosite e bursite,,,, Fractura, distensão, entorse e luxação do antebraço, da mão ou do pé, idade > anos, com Transtornos do sistema osteomuscular, excepto osteomielite, artrite séptica ou transtornos do tecido conjuntivo, com major Osteomielite, artrite séptica e transtornos do tecido conjuntivo, com major,,,,,,,,,,,, Excisão local e remoção de dispositivo de fixação interna, excepto da anca e fémur, sem.,,,, Total:. GD: Doenças e Perturbações da Pele, Tecido elular Subcutâneo e ama astectomia subtotal por doença maligna, sem.,,, Biópsia e excisão local da mama por doença não maligna.,,,, Enxerto cutâneo e/ou desbridamento, excepto por úlcera da pele ou fleimão, sem Procedimentos perianais e pilonidais..,,,,,,,, Procedimentos plásticos na pele, no tecido subcutâneo e na mama,,,, Outras intervenções na pele, no tecido subcutâneo e na mama, sem.,,,, Úlceras da pele,,,, Doenças não malignas da mama,,,, --

27 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Produção e Demora édia por omparação do Hospital com a édia do Grupo e Nacional GD / Descrição Tipo de Hospital Nº de Doentes Demora édia Grupo Nacional Hospital Grupo Nacional Peso Relativo GD: Doenças e Perturbações da Pele, Tecido elular Subcutâneo e ama elulite, idade > anos, com.,,,, elulite, idade > anos, sem.,,,, Traumatismos da pele, do tecido subcutâneo e da mama, idade > anos, com Traumatismos da pele, do tecido subcutâneo e da mama, idade > anos, sem Transtornos major da pele e da mama, com major,,,,,,,,,,,, Outras perturbações da pele, com major,,,, Procedimentos na pele e na mama, com major,,,, Total:. GD: Doenças e Perturbações Endócrinas Nutricionais e etabólicas Amputação de membro inferior por perturbações endócrinas, nutricionais e metabólicas Enxerto de pele e desbridamento de feridas por perturbações endócrinas, nutricionais e metabólicas Procedimentos na tiróide.,,,,,,,,,,,, Diabetes, idade > anos.,,,, Diabetes, idade < anos.,,,, Perturbações nutricionais e metabólicas diversas, idade > anos, com.,,,, Perturbações nutricionais e metabólicas diversas, idade > anos, sem.,,,, Perturbações endócrinas, sem.,,,, Perturbações endócrinas, nutricionais e metabólicas, excepto transtornos alimentares ou fibrose cística, com major.,,,, Total:. GD: Doenças e Perturbações do Rim e do Aparelho Urinário Insuficiência renal.,,,, Neoplasias dos rins e das vias urinárias, com,,,, --

28 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Produção e Demora édia por omparação do Hospital com a édia do Grupo e Nacional GD / Descrição Tipo de Hospital Nº de Doentes Demora édia Grupo Nacional Hospital Grupo Nacional Peso Relativo GD: Doenças e Perturbações do Rim e do Aparelho Urinário Infecções dos rins e das vias urinárias, idade > anos, com.,,,, Infecções dos rins e das vias urinárias, idade > anos, sem.,,,, álculos urinários, sem.,,,, Sintomas e sinais dos rins e das vias urinárias, idade > anos, com,,,, Sintomas e sinais dos rins e das vias urinárias, idade > anos, sem,,,, Outros diagnósticos dos rins e das vias urinárias, idade > anos, com.,,,, Outros diagnósticos dos rins e das vias urinárias, idade > anos, sem.,,,, Perturbações dos rins e das vias urinárias, excepto insuficiência renal, com major Disfunção, reacção e complicações de dispositivo/enxerto/transplante geniturinário.,,,,,,,, Total:. GD: Doenças e Perturbações do Aparelho Genital asculino Procedimentos nos testículos, por doença maligna,,,, Procedimentos nos testículos, por doença não maligna, idade > anos.,,,, Procedimentos nos testículos, por doença não maligna, idade < anos,,,, Procedimentos no pénis.,,,, ircuncisão, idade > anos,,,, ircuncisão, idade < anos,,,, Doença maligna do aparelho reprodutor masculino, com,,,, Doença maligna do aparelho reprodutor masculino, sem,,,, Hipertrofia prostática benigna, sem,,,, Perturbações do aparelho reprodutor masculino com major,,,, Total:. --

29 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Produção e Demora édia por omparação do Hospital com a édia do Grupo e Nacional GD / Descrição Tipo de Hospital Nº de Doentes Demora édia Grupo Nacional Hospital Grupo Nacional Peso Relativo GD: Doenças e Perturbações do Aparelho Genital Feminino Procedimentos reconstrutivos do aparelho reprodutor feminino.,,,, Procedimentos no útero e seus anexos, por carcinoma in situ e doença não maligna, com Procedimentos no útero e seus anexos, por carcinoma in situ e doença não maligna, sem Procedimentos na vagina, colo do útero e vulva...,,,,,,,,,,,, Laqueação de trompas, endoscópica.,,,, Dilatação e curetagem e conização, excepto por doença maligna.,,,, Doença maligna do aparelho reprodutor feminino, com,,,, Perturbações menstruais e outras perturbações do aparelho reprodutor feminino Perturbações do aparelho reprodutor feminino com major.,,,,,,,, Total:. GD: Doenças e Perturbações do Sangue/Órgãos Hematopoiéticos e Doenças Inumológicas Outros procedimentos em bloco operatório, nos órgãos do sangue e hematopoiéticos Perturbações dos eritrócitos, idade > anos.,,,,,,,, Perturbações da coagulação.,,,, Perturbações do sangue, dos órgãos hematopoiéticos e perturbações imunológicas, com major,,,, Total:. GD: Doenças e Perturbações ieloproliferativas e al diferenciadas Linfoma e leucemia não aguda, com.,,,, Linfoma e leucemia não aguda, sem.,,,, Quimioterapia.,,,, Linfoma e leucemia não aguda, com major,,,, Total:. --

30 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Produção e Demora édia por omparação do Hospital com a édia do Grupo e Nacional GD / Descrição Tipo de Hospital Nº de Doentes Demora édia Grupo Nacional Hospital Grupo Nacional Peso Relativo GD: Doenças Infecciosas e Parasitárias (Sistémicas ou Localização não Específica) Infecções pós-operatórias e pós-traumáticas.,,,, Doença viral, idade > anos,,,, Outros diagnósticos de doenças infecciosas e parasitárias.,,,, Total:. GD: Doenças e Perturbações entais Reacções agudas de adaptação e doenças de disfunção psico-social,,,, Neuroses depressivas.,,,, Perturbações orgânicas e atraso mental.,,,, Total:. GD: Uso de Álcool/Droga e Pertubações entais Orgânicas Induzidas por Álcool ou Droga Abuso ou dependência do álcool, com,,,, Abuso ou dependência do álcool, sem.,,,, Total:. GD: Traumatismos, Intoxicações e Efeitos Tóxicos de Drogas Enxertos cutâneos por lesão traumática,,,, Outros procedimentos no bloco operatório, por lesão traumática, com,,,, Outros procedimentos no bloco operatório, por lesão traumática, sem.,,,, Lesões traumáticas, de locais não especificados, ou múltiplos idade > anos, com Lesões traumáticas, de locais não especificados, ou múltiplos, idade > anos, sem Intoxicações e efeitos tóxicos de drogas, idade > anos, com,,,,,,,,,,,, Intoxicações e efeitos tóxicos de drogas, idade > anos, sem.,,,, omplicações de tratamento, com,,,, omplicações de tratamento, sem.,,,, --

31 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Produção e Demora édia por omparação do Hospital com a édia do Grupo e Nacional GD / Descrição Tipo de Hospital Nº de Doentes Demora édia Grupo Nacional Hospital Grupo Nacional Peso Relativo GD: Traumatismos, Intoxicações e Efeitos Tóxicos de Drogas Lesões traumáticas, excepto traumatismos múltiplos, com major,,,, Total:. GD: Queimaduras Queimaduras extensas, de º grau, sem enxerto de pele,,,, Queimadura da espessura total da pele, sem enxerto da pele ou lesão de inalação, sem major ou traumatismos significativos Queimaduras não extensas, sem lesão de inalação, ou traumatismos significativos,,,,,,,, Total:. GD: Factores com Influência no Estado de Saúde e Outros ontactos com os Serviços de Saúde ontinuação de cuidados, com história de doença maligna como diagnóstico adicional ontinuação de cuidados, sem história de doença maligna como diagnóstico adicional uidados terciários, idade superior ou igual a ano.,,,,,,,,,,,, Total:.. Total Geral:...,,, --

32 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Evolução do Índice de ase-ix do Hospital Internamento Hospital : Seia,,, I,,,,,,,,,,,,,,, ANO Global irúrgico édico --

33 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Evolução do Índice de ase-ix do Hospital Ambulatório Hospital : Seia,,, I,,,,,,,,,,, ANO irúrgico édico --

34 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Hospital: Seia Ano: irurgias de Ambulatório Nº Ordem () Descrição Nº Doentes () Nº de ir. Ambulatório % ir. Ambulatório Peso Relativo Outras intervenções na pele, no tecido subcutâneo e na mama, sem Descompressão do túnel cárpico ircuncisão, idade < anos Procedimentos na mão ou no punho, excepto grandes procedimentos articulares, sem Procedimentos nos tecidos moles, sem Enxerto cutâneo e/ou desbridamento, excepto por úlcera da pele ou fleimão, sem Procedimentos no pé ircuncisão, idade > anos Laqueação venosa e flebo-extracção Procedimentos extra-oculares, excepto na órbita, idade > anos Procedimentos no pénis Amigdalectomia e/ou adenoidectomia, idade < anos iringotomia com colocação de tubo, idade < anos Outros procedimentos no sistema osteomuscular e no tecido conjuntivo, em bloco operatório, sem Procedimentos perianais e pilonidais Procedimentos no ânus e estomas, sem Procedimentos na boca, sem Excisão local e remoção de dispositivo de fixação interna, excepto da anca e fémur, sem Procedimentos nos nervos cranianos e periféricos e noutras estruturas nervosas, sem Procedimentos na vagina, colo do útero e vulva Laqueação de trompas, endoscópica Outros procedimentos em bloco operatório, nos órgãos do sangue e hematopoiéticos Procedimentos plásticos na pele, no tecido subcutâneo e na mama Procedimentos nos testículos, por doença não maligna, idade < anos Procedimentos diversos no ouvido, nariz, boca e garganta Procedimentos extra-oculares, excepto na órbita, idade < anos Outros procedimentos, no aparelho circulatório, em bloco operatório Enxertos cutâneos por lesão traumática Dilatação e curetagem e conização, excepto por doença maligna,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,, Total :,, --

35 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Hospital: Seia Ano: irurgias de Ambulatório Nº Ordem () Descrição Nº Doentes () Nº de ir. Ambulatório % ir. Ambulatório Peso Relativo Total Hospital:..,, () Refere-se a todos os episódios de internamento, cirurgias de ambulatório, ambulatório médico e outros episódios em ambulatório. () Ordenação decrescente do número de cirurgias de ambulatório. --

36 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Hospital: Seia Ano: Ambulatório édico Nº Ordem () Descrição Nº Doentes () Nº Episódios em Amb. édico % Ep. Amb. édico Peso Relativo Total : Total Hospital:..,, () Refere-se a todos os episódios de internamento, cirurgias de ambulatório, ambulatório médico e outros episódios em ambulatório. () Ordenação decrescente do número de episódios em ambulatório médico. --

37 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Hospital: Seia Nº Ordem () Ano: Outros Episódios em Ambulatório() Descrição Perturbações das vias biliares, sem Procedimentos reconstrutivos do aparelho reprodutor feminino Outros diagnósticos do aparelho circulatório, sem Outros diagnósticos do aparelho digestivo, idade > anos, sem Procedimentos para hérnia inguinal e femoral, idade > anos com ontinuação de cuidados, sem história de doença maligna como diagnóstico adicional astectomia subtotal por doença maligna, sem Gastrenterites não bacterianas e dor abdominal, idade > anos, sem elulite, idade > anos, sem Diabetes, idade > anos Outros diagnósticos dos rins e das vias urinárias, idade > anos, sem Nº Doentes() Nº de Doentes ( Dias) % Doentes ( Dias),,,,,,,,,,,,,,,,,,,, Total :,, Total Hospital:..,, () Episódios com tempo de internamento inferior a horas, excluindo os de cirurgia de ambulatório, ambulatório médico, doentes falecidos, transferidos ou com alta contra parecer médico. () Ordenação decrescente do número de outros episódios em ambulatório. () Refere-se a todos os episódios de internamento, cirurgias de ambulatório, ambulatório médico e outros episódios em ambulatório. --

38 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatórios de Retorno - Grupo II Evolução das Demoras édias do Hospital, do Grupo e Nacional com aior Número de Doentes Saídos do Hospital Evolução da Demora édia com aior Número de Doentes Saídos do Hospital Evolução do Número de Doentes com aior Número de Doentes Saídos do Hospital Evolução das Demoras édias do Hospital, do Grupo e Nacional com aior Número de Dias de Internamento do Hospital Evolução da Demora édia com aior Número de Dias de Internamento do Hospital Evolução do Número de Dias com aior Número de Dias de Internamento do Hospital Evolução das Demoras édias do Hospital, do Grupo e Nacional com aior Demora édia Evolução da Demora édia com aior Demora édia do Hospital Número de Doentes, por Tipo com aior Número de Doentes Saídos do Hospital Número de Dias de Internamento, por Tipo com aior Número de Dias de Internamento --

39 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Evolução das Demoras édias do Hospital, do Grupo e Nacional - com aior Número de Doentes Saídos do Hospital Hospital: Seia Nº Ordem () Ano: Nº Doentes Demora édia do Hospital Demora édia Grupo Demora édia Nacional % Variação Diferença Diferença Diferença,, -,,,,,,, -, -,,,, -,, -,,, -,,,, -,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,, -, -, -, -,,, -,, -,,, -,,, -, -, -,,, -,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,, -, -, -, -,,,,, -, -, -,, -, -, -, -,, -,, -, -,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,, -,, -, -,,,, -, -,,,,, -, -,, -, -,, -, -,, -,,, Total :.., Total Geral:.. -, % /Geral:,, () Ordenação decrescente por nº de doentes --

40 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Hospital : Seia Evolução da Demora édia - com aior Número de Doentes Saídos do Hospital Demora édia (dias) --

41 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Hospital : Seia Evolução do Número de Doentes - com aior Número de Doentes Saídos do Hospital Nº de Doentes --

42 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Hospital: Nº Ordem () Evolução das Demoras édias do Hospital, do Grupo e Nacional - com aior Número de Dias de Internamento do Hospital Seia Ano:.. Nº Dias de Internamento % Variação Diferença Diferença... -,,, -,,,,,,,,,,,, -, -, -,,, -, -, -,, -, Total :.., Total Geral: % /Geral:..,, () Ordenação decrescente por nº de dias de internamento -, Demora édia do Hospital,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,, -,, -, -, -,,, -, -, -,,,, -,,, -, -, -,, -, -, -, -, -, Demora édia Grupo,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,, -, -, -, -, -,,,,,, -,,, -, -,, -,,,, -, -, -, -, -, Demora édia Nacional,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,, Diferença -,, -,,,,,, -,,,, -, -,,, -, -, -, -, -,, -,,, --

43 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Hospital : Seia Evolução da Demora édia - com aior Número de Dias de Internamento do Hospital Demora édia (dias) --

44 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Hospital : Seia Evolução do Número de Dias - com aior Número de Dias de Internamento do Hospital.... Nº de Dias de Internamento.. --

45 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Hospital: Seia Evolução das Demoras édias do Hospital, do Grupo e Nacional - com aior Demora édia Ano: Nº Ordem () Nº Dias de Internamento Demora édia do Hospital Demora édia Grupo Demora édia Nacional % Variação Diferença Diferença Diferença,,,.,,,.,.,,, -,,,, -, -,,,, -, -, -, -,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,, -,,,,,,,,,,,,,, -,,,, -, -,, -,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,, -,,,,, -, -, -,,,,, -, -,, -, -,,, -,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,, -, -,, -, -, -,, -, -,, -,, -, -,,, -, -, -, -, -, -,, Total :.., Total Geral:.. -, % /Geral:,, () Ordenação decrescente pela demora média do hospital --

46 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Hospital : Seia Evolução da Demora édia - com aior Demora édia do Hospital Demora édia (dias) --

47 Hospital: Seia Ano: Número de Doentes, por Tipo - com aior Número de Doentes Saídos do Hospital Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Nº Ordem () Nº Doentes Nº D. urta Duração Nº Doentes Normais Nº Evolução Prolongada Nº D. Transferidos Total :... Total Geral:.... % /Geral:,,,,,,,,,, () Ordenação decrescente por nº de doentes --

48 Hospital: Seia Número de Dias de Internamento, por Tipo - com aior Número de Dias de Internamento do Hospital Ano: Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Nº Ordem () Dias de Internamento Dias urta Duração Dias Doentes Normais Dias Evolução Prolongada Dias Transferidos Total : Total Geral: % /Geral:,,,,,,,,,, () Ordenação decrescente por nº de dias de internamento --

49 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Grupo III Percentagem de Reinternamentos nos irúrgicos com aior % de Reinternamentos com aior Número de Óbitos Doentes com Idade <= Anos com aior Número de Óbitos Doentes com Idade > Anos omplicações Relacionadas com Procedimentos irúrgicos omplicações Relacionadas com o Parto e Puerpério omplicações Relacionadas com Recém Nascidos Úlcera de Decúbito como Diagnóstico Secundário --

50 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatórios de Retorno - Hospital: Seia Ano: Percentagem de Reinternamentos nos irúrgicos com aior % de Reinternamentos () Nº Ordem () Descrição Número Total de Doentes () Número de Reinternamentos () () Hospital Percentagem Grupo Nacional olecistectomia laparoscópica, sem exploração do colédoco, sem Procedimentos para hérnia inguinal e femoral, idade > anos, sem,,,,,, Total : Total irúrgicos:,,,,,, () Apenas são apresentados resultados quando o número de casos por for igual ou superior a. () Ordenação decrescente por com maior % de reinternamentos. () Excluí produção de Ambulatório. () onsidera-se um reinternamento, qualquer episódio de internamento subsequente a outro episódio de internamento classificado num cirúrgico( primeiro episódio), desde que ocorrido num periodo de tempo igual ou inferior a dias. Excluem-se desta definição, os casos em que o segundo episódio de internamento é classificado nos,,,,,,,, e. () Os doentes reinternados não pertencem, necessariamente, ao mesmo do primeiro episódio. --

51 Unidade Operacional de Financiamento e ontratualização Relatório de Retorno - Hospital: Seia Ano: com aior Número de Óbitos Doentes com Idade <= Anos Nº Ordem () Descrição Número de Doentes Total Óbitos Percentagem Hospital () Grupo Nacional ontinuação de cuidados, sem história de doença maligna como diagnóstico adicional,,, Perturbações respiratórios, excepto infecções, bronquite ou asma, com major,,, irrose e hepatite alcoólica,,, Doença maligna hepatobiliar ou pancreática,,, Perturbações hepatobiliares, excepto por doença maligna, cirrose e hepatite alcoólica, com,,, Linfoma e leucemia não aguda, sem,,, Abuso ou dependência do álcool, com,,, Perturbações do aparelho reprodutor feminino com major,,, Transtornos do aparelho digestivo, excepto esofagite, gastrenterite e úlceras não complicadas, com major,,, Insuficiência cardíaca congestiva e arritmia cardíaca, com major,,, Total :,,, Total:,,, () Não são calculadas as percentagens quando o número de doentes for menor que () Ordenação decrescente por com maior número de óbitos. --

Ranking de eficiência energética e hídrica Hospitais do SNS

Ranking de eficiência energética e hídrica Hospitais do SNS Ranking de eficiência energética e hídrica Hospitais do SNS 2012 PEBC Plano Estratégico do Baixo Carbono ECO.AP Programa de Eficiência Energética na Administração Pública 28 de agosto de 2013 www.acss.min-saude.pt

Leia mais

Programa Nacional de Erradicação da Poliomielite - Plano de Ação Pós-Eliminação

Programa Nacional de Erradicação da Poliomielite - Plano de Ação Pós-Eliminação MODELO 4 - Norte : Região Unidades Hospitalares (15) MÊS NORTE J F M A M J J A S O N D CH Nordeste, EPE CH Trás-os-Montes e Alto Douro, EPE CH Alto Ave, EPE CH Médio Ave, EPE CH Tâmega e Sousa, EPE CH

Leia mais

Lista de Associados. > Hospital do Montijo + Hospital Nossa Senhora do Rosário, EPE CENTRO HOSPITALAR DE ENTRE O DOURO E VOUGA, EPE

Lista de Associados. > Hospital do Montijo + Hospital Nossa Senhora do Rosário, EPE CENTRO HOSPITALAR DE ENTRE O DOURO E VOUGA, EPE ADMINISTRAÇÃO CENTRAL DO SISTEMA DE SAÚDE (ACSS) ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO, IP ARS DO ALENTEJO, IP ARS DO ALGARVE, IP ARS DO CENTRO, IP ARS DO NORTE, IP CENTRO DE MEDICINA E REABILITAÇÃO DA REGIÃO CENTRO

Leia mais

- Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais -

- Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais - - Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais - A segurança do doente é uma preocupação crescente nos Hospitais Portugueses, tal como acontece noutros países da Europa e do resto do mundo.

Leia mais

DESPACHO N.º 187 / 2007

DESPACHO N.º 187 / 2007 DESPACHO N.º 187 / 2007 Os deveres de assiduidade e de pontualidade são basilares em qualquer relação de trabalho, pelo que a verificação do seu cumprimento tem de ser sempre encarada como uma medida imprescindível

Leia mais

Registo Oncológico Nacional 2008

Registo Oncológico Nacional 2008 Registo Oncológico Nacional 2008 Elaborado pelo Registo Oncológico Regional do Centro Editado pelo Instituto Português de Oncologia de Coimbra Francisco Gentil EPE 2 Registo Oncológico Nacional 2008 Elaborado

Leia mais

Mapa de Adesão à Greve - Ministério da Saude. Trabalhadores

Mapa de Adesão à Greve - Ministério da Saude. Trabalhadores Data da greve: 30-11-2007 Mapa de Adesão à Greve - Ministério da Saude Trabalhadores Serviços desconcentrados ou periféricos Serviços Total Total - Adesão à Greve Total Encerrados devido à Greve Administração

Leia mais

ISSN: 2183-0673. Portugal. em números 2013. Programa Nacional para as. Doenças Respiratórias. www.dgs.pt

ISSN: 2183-0673. Portugal. em números 2013. Programa Nacional para as. Doenças Respiratórias. www.dgs.pt ISSN: 2183-0673 Portugal em números 2013 Programa Nacional para as www.dgs.pt Portugal. Direcção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de Informação e Análise Portugal em números 2013 ISSN: 2183-0673 Periodicidade:

Leia mais

Data da greve: Trabalhadores Serviços desconcentrados ou periféricos. Total - Adesão à Greve

Data da greve: Trabalhadores Serviços desconcentrados ou periféricos. Total - Adesão à Greve Data da greve: 18-10-2007 Trabalhadores Serviços desconcentrados ou periféricos Serviços Total Total - Adesão à Greve Total Encerrados devido à Greve Administração Central do Sistema de Saúde, IP 24 Administração

Leia mais

Mapa de Vagas IM - 2011 A - FE

Mapa de Vagas IM - 2011 A - FE Mapa de IM - 2011 A - FE Anatomia Patológica Centro Hospitalar de São João, EPE 2 Centro Hospitalar de Trás os Montes e Alto Douro, EPE Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho, EPE 1 1 Centro Hospitalar

Leia mais

Boletim de Vigilância Epidemiológica da Gripe. Época 2014/2015 Semana 04 - de 19/01/2015 a 25/01/2015

Boletim de Vigilância Epidemiológica da Gripe. Época 2014/2015 Semana 04 - de 19/01/2015 a 25/01/2015 Resumo Parceiros Rede de hospitais para a vigilância clínica e laboratorial em Unidades de Cuidados Intensivos Contatos: Departamento de Epidemiologia do INSA, tel 217526488 Laboratório Nacional de Referência

Leia mais

Centro Nacional de Observação em Dor

Centro Nacional de Observação em Dor INQUÉRITO SOBRE AS CONDIÇÕES HOSPITALARES EXISTENTES PARA O TRATAMENTO DA: DOR CRÓNICA DOR AGUDA PÓS-OPERATÓRIA DOR DO PARTO Relatório Final Novembro de 2010 Índice Objectivos 2 Métodos e Participantes

Leia mais

Óbitos de menores de um ano 2000 2003 Porto Alegre

Óbitos de menores de um ano 2000 2003 Porto Alegre Óbitos de menores de um ano 2000 2003 Porto Alegre Tabela 1 - Distribuição dos óbitos infantis, segundo a classificação de evitabilidade, Porto Alegre, 1996/1999 ANOS ÓBITOS EVITÁVEIS 1996 1997 1998 1999

Leia mais

Consulta de Vagas disponíveis para o concurso IM 2009 - A Formação Específica. ANATOMIA PATOLÓGICA Hospitais Universidade de Coimbra - E.P.E.

Consulta de Vagas disponíveis para o concurso IM 2009 - A Formação Específica. ANATOMIA PATOLÓGICA Hospitais Universidade de Coimbra - E.P.E. Hospitais Universidade de Coimbra - E.P.E. Hospital Central de Faro - E.P.E. Instituto Português Oncologia de Lisboa Hospital Central do Funchal Hospital Central do Funchal Preferencial Hospital Curry

Leia mais

Resumo da Atividade dos Serviços Nacionais de Sangue e de Medicina Transfusional em 2011

Resumo da Atividade dos Serviços Nacionais de Sangue e de Medicina Transfusional em 2011 Resumo da Atividade dos Serviços Nacionais de Sangue e de Medicina Transfusional em 2011 Serviços de Sangue - Os Serviços de sangue são as estruturas ou organismos responsáveis pela colheita e análise

Leia mais

, de de Assinatura do Segurado Titular

, de de Assinatura do Segurado Titular Companhia Seguradora: Nome do Titular (preenchimento obrigatório) CNS (Carteira Nacional de Saúde) DNV (Declaração de nascido Vivo) RIC (Registro de Identificação Civil) Legendas 03. Inclusão de Dependente

Leia mais

Conforme os normativos da ANS, seguem as definições de Cobertura Parcial Temporária (CPT) e Agravo:

Conforme os normativos da ANS, seguem as definições de Cobertura Parcial Temporária (CPT) e Agravo: Solicitação de Inclusão de Dependentes / Agregado * Data Sucursal Cia Nº da Apólice Certificado (se SPG) Registro na ANS: 005711 Nome do Titular (preenchimento obrigatório) Legendas Sexo 1 - Masculino

Leia mais

Anexos do Relatório da Actividade Cirúrgica em Neoplasias Malignas em 2007

Anexos do Relatório da Actividade Cirúrgica em Neoplasias Malignas em 2007 Unidade Central de Gestão de Inscritos para Cirurgia Anexos do Relatório da Actividade Cirúrgica em Neoplasias Malignas em 2007 Página 1 de 93 Índice Introdução... 4 Conceitos e Fórmulas utilizadas no

Leia mais

Causas de morte 2013

Causas de morte 2013 Causas de morte 2013 26 de maio de 2015 Causas de morte 2013 Os tumores malignos e as doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de mais de metade dos óbitos ocorridos no país em 2013, representando

Leia mais

Codificação Clínica nos hospitais: Estudos/Indicadores que alimenta

Codificação Clínica nos hospitais: Estudos/Indicadores que alimenta 7º CONGRESSO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO DOS MÉDICOS AUDITORES E CODIFICADORES CLÍNICOS (AMACC) INOVAÇÃO E CIÊNCIA NA CODIFICAÇÃO CLÍNICA Codificação Clínica nos hospitais: Maria do Céu Valente Centro Hospitalar

Leia mais

Indicadores de Segurança do Paciente Prevenção e Controle de Infecção

Indicadores de Segurança do Paciente Prevenção e Controle de Infecção Indicadores de Segurança do Paciente Prevenção e Controle de Infecção Título Fonte Definição Nível Informação Dimensão da Qualidade Taxa de infecção de sítio cirúrgico incisional profunda/ órgão/ cavidade

Leia mais

Projectos candidatos ao Prémio de Boas Práticas sobre Eficiência (por ordem alfabética) Designação do Projecto Região Instituição Executora

Projectos candidatos ao Prémio de Boas Práticas sobre Eficiência (por ordem alfabética) Designação do Projecto Região Instituição Executora Projectos candidatos ao Prémio de Boas Práticas sobre Eficiência 1. Apoio Domiciliário e Voluntariado a Idosos e Centro de Saúde Soares dos Reis (V. N. Gaia) 2. Combate à Obesidade Infantil Pública da

Leia mais

CODIFICAÇÃO CLÍNICA E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO. Sandra Rodrigues Gil, Administradora Hospitalar

CODIFICAÇÃO CLÍNICA E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO. Sandra Rodrigues Gil, Administradora Hospitalar CODIFICAÇÃO CLÍNICA E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO Sandra Rodrigues Gil, Administradora Hospitalar ÌNDICE Externalidades da implementação dos GDH ao nível do SIH Impacto ao nível da avaliação do desempenho

Leia mais

Capítulo 8 (Ex-CAPÍTULO 9) DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO 9.1. CAPÍTULO 8 DA LISTA TABULAR DO VOLUME 1

Capítulo 8 (Ex-CAPÍTULO 9) DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO 9.1. CAPÍTULO 8 DA LISTA TABULAR DO VOLUME 1 Capítulo 8 (Ex-CAPÍTULO 9) DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO 9.1. CAPÍTULO 8 DA LISTA TABULAR DO VOLUME 1 No Índice da Lista Tabular da CID-9-MC, as Doenças do Aparelho Respiratório encontram-se referenciadas

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE

ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE ESTUDO SOBRE QUALIDADE DA CIRURGIA DE AMBULATÓRIO DEZEMBRO DE 2008 R u a S. J o ã o d e B r i t o, 6 2 1 L 3 2, 4 1 0 0 4 5 5 P O R T O e-mail: g e r a l @ e r s. p t telef.:

Leia mais

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Ortografia (escrita correta das palavras). Divisão silábica. Pontuação. Acentuação Gráfica. Flexão do substantivo

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Ortografia (escrita correta das palavras). Divisão silábica. Pontuação. Acentuação Gráfica. Flexão do substantivo ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EMPREGO: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE Ortografia (escrita correta das palavras). Divisão silábica. Pontuação. Acentuação Gráfica. Flexão do substantivo (gênero masculino e

Leia mais

IMPLEMENTAMOS PROJECTOS QUE ACRESCENTAM VALOR

IMPLEMENTAMOS PROJECTOS QUE ACRESCENTAM VALOR IMPLEMENTAMOS PROJECTOS QUE ACRESCENTAM VALOR Saúde do Produto para a Solução BIQ Consultores QUEM SOMOS E O QUE FAZEMOS 2011 Internacionalização 1998 Sistemas de Gestão e Organização 2010 Segurança dos

Leia mais

Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2013

Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2013 ISSN: 2183-0762 Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2013 Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo www.dgs.pt Portugal. Direção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de

Leia mais

Cardiologia Cardiologia Pediátrica Cirurgia Cardíaca Cirurgia Geral 1 Cirurgia Maxilofacial Cirurgia Pediátrica

Cardiologia Cardiologia Pediátrica Cirurgia Cardíaca Cirurgia Geral 1 Cirurgia Maxilofacial Cirurgia Pediátrica Anatomia Patológica Anestesiologia Angiologia e Cirurgia Cardiologia Cardiologia Pediátrica Cirurgia Cardíaca Cirurgia Geral Cirurgia Maxilofacial Cirurgia Pediátrica Cir. Plástica Cirurgia Torácica Dermatovenereologia

Leia mais

ANEXO I - ENPI DEFINIÇÕES DE MCGEER PARA AS INFEÇÕES EM UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS

ANEXO I - ENPI DEFINIÇÕES DE MCGEER PARA AS INFEÇÕES EM UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS ANXO I - NPI Nota: Dia 20 de Abril de 2012, após realização de todas as sessões de formação, foram introduzidas pequenas alterações neste protocolo que estão realçadas a sombreado. DFINIÇÕS D MCGR PARA

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE

ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE RELATÓRIO DOS PROCESSOS DE MONITORIZAÇÃO E ATUAÇÃO REGULATÓRIA FUTURA PARA A GARANTIA DO CUMPRIMENTO DOS TEMPOS MÁXIMOS DE RESPOSTA GARANTIDOS PMT/021/12 E PMT/022/12 AGOSTO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Gabinete do Secretário de Estado da Saúde

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Gabinete do Secretário de Estado da Saúde 21816-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 118 20 de junho de 2012 PARTE C MINISTÉRIO DA SAÚDE Gabinete do Secretário de Estado da Saúde Despacho n.º 8317-A/2012 Pelo despacho n.º 7702 -B/2012, publicado

Leia mais

ARS Norte. Identificação da Instituição Executora. Título. Responsável. Liga dos Amigos do Centro de Saúde Soares dos Reis

ARS Norte. Identificação da Instituição Executora. Título. Responsável. Liga dos Amigos do Centro de Saúde Soares dos Reis ARS Norte Apoio Domiciliário e Voluntário a Idosos e Dependentes Promoção da Prática de Cirurgia em Regime de Ambulatório em Portugal Normalização dos Ensinos/Personalizados do que ensinar Ajudar a Cuidar

Leia mais

Soraia Pinto Jornadas de Enfermagem em Urologia - 8 Março de 2014

Soraia Pinto Jornadas de Enfermagem em Urologia - 8 Março de 2014 Soraia Pinto Jornadas de Enfermagem em Urologia - 8 Março de 2014 Aumento n.º de doentes oncológicos Conhecimento da infertilidade associada a algumas patologias Diagnóstico precoce Terapêuticas mais eficazes

Leia mais

Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro?

Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro? Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro? José Carlos Caiado 26 de Outubro de 2011 Introdução Elaboração do orçamento da saúde Monitorização e divulgação de informação Melhoria do desempenho

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 3. Comparação do Número de Dadores na Europa, 2002... 4 2. SEGURANÇA E QUALIDADE EM TRANSPLANTAÇÃO... 4

1. INTRODUÇÃO... 3. Comparação do Número de Dadores na Europa, 2002... 4 2. SEGURANÇA E QUALIDADE EM TRANSPLANTAÇÃO... 4 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 Comparação do Número de Dadores na Europa, 2002... 4 2. SEGURANÇA E QUALIDADE EM TRANSPLANTAÇÃO... 4 3. CARTA NACIONAL DE COLHEITA DE ÓRGÃOS... 6 4. GESTÃO ESTRATÉGICA... 6 5.

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina MED222 Mecanismos Básicos do Processo Saúde-Doença II

Programa Analítico de Disciplina MED222 Mecanismos Básicos do Processo Saúde-Doença II Programa Analítico de Disciplina Departamento de Medicina e Enfermagem - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: 10 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal

Leia mais

A Requisitos das Unidades Hemodinâmicas (Recomendações Internacionais).46. B Pessoal Médico... 47. C Pessoal do Laboratório... 47

A Requisitos das Unidades Hemodinâmicas (Recomendações Internacionais).46. B Pessoal Médico... 47. C Pessoal do Laboratório... 47 Contents I - Enquadramento Legislativo e Histórico... 4 II Conceito de Rede de Referenciação... 9 III A Especialidade de Cardiologia... 0 IV Impacto Epidemiológico das Doenças Cardiológicas em Portugal...

Leia mais

MAPA V RECEITAS DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS, POR CLASSIFICAÇÃO ORGANICA, COM ESPECIFICAÇÃO DAS RECEITAS GLOBAIS DE CADA SERVIÇO E FUNDO

MAPA V RECEITAS DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS, POR CLASSIFICAÇÃO ORGANICA, COM ESPECIFICAÇÃO DAS RECEITAS GLOBAIS DE CADA SERVIÇO E FUNDO ANO ECONÓMICO DE 2011 Página 1 01 ENCARGOS GERAIS DO ESTADO ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COFRE PRIVATIVO DO TRIBUNAL DE CONTAS - SECÇÃO REGIONAL DA MADEIRA COFRE PRIVATIVO DO TRIBUNAL DE CONTAS - SECÇÃO REGIONAL

Leia mais

ALTERAÇÃO. Data EXCLUSÃO. Data CLIENTE / TOMADOR DE SEGURO. Nome: Plano (s): N.º Apólice

ALTERAÇÃO. Data EXCLUSÃO. Data CLIENTE / TOMADOR DE SEGURO. Nome: Plano (s): N.º Apólice DECLARAÇÃO INDIVIDUAL DATA DE ENTRADA SEGURO DE SAÚDE INCLUSÃO da Aprovação Visto ALTERAÇÃO EXCLUSÃO CLIENTE / TOMADOR DE SEGURO : Plano (s): Apólice PARTICIPANTE Pessoa Segura 1 ( PS1 ) Preencher apenas

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL Nº 05/2007 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL Nº 05/2007 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS FAURGS HCPA Edital 05/2007 1 HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL Nº 05/2007 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS PROCESSO SELETIVO 22 MÉDICO (Urologia) 01. A 11. B 02. C 12. A 03. B 13.

Leia mais

FUNECE Fundação Universidade Estadual do Ceará Comissão Executiva do Vestibular - CEV/UECE

FUNECE Fundação Universidade Estadual do Ceará Comissão Executiva do Vestibular - CEV/UECE Secretaria de Educação e Desporto Escolar FUNECE Fundação Universidade Estadual do Ceará Comissão Executiva do Vestibular - CEV/UECE Concurso Público para Professor da Rede Municipal de Ensino de Itapipoca

Leia mais

PREVENÇÃO DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PREVENIR É PRECISO MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS

PREVENÇÃO DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PREVENIR É PRECISO MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS PREVENÇÃO DAS DOENÇAS MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS design ASCOM-PMMC PREVENIR É PRECISO DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS No

Leia mais

ULS Alto Minho. Perfil Local de Saúde 2009. Aspectos a destacar

ULS Alto Minho. Perfil Local de Saúde 2009. Aspectos a destacar Perfil Local de Saúde 2009 Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência da

Leia mais

Data de admissão. Agência

Data de admissão. Agência PEDIDO DE INCLUSÃO SEGURO DE SAÚDE Indique se este é um novo pedido de inclusão ou alteração a um pedido já existente: Novo Alteração 1. TOMADOR DO SEGURO S T F P S N PESSOA SEGURA 1 - ASSOCIADO Completo

Leia mais

PROGRAMA ESPECÍFICO PARA MELHORIA DO ACESSO AO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE Documento de Suporte à Contratualização

PROGRAMA ESPECÍFICO PARA MELHORIA DO ACESSO AO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE Documento de Suporte à Contratualização 2009 Documento de Suporte à Contratualização do Programa Específico para melhoria do ACSS DGS PROGRAMA ESPECÍFICO PARA MELHORIA DO ACESSO AO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE Documento de Suporte

Leia mais

COORDENADORES. Fabíola Peixoto Ferreira La Torre Juliana Gamo Storni Luciana Andréa Digieri Chicuto Regina Grigolli Cesar Rogério Pecchini

COORDENADORES. Fabíola Peixoto Ferreira La Torre Juliana Gamo Storni Luciana Andréa Digieri Chicuto Regina Grigolli Cesar Rogério Pecchini COORDENADORES Fabíola Peixoto Ferreira La Torre Juliana Gamo Storni Luciana Andréa Digieri Chicuto Regina Grigolli Cesar Rogério Pecchini Sumário Prefácio...XXXVII Apresentação... XXXIX Parte 1 Estabilização

Leia mais

CAPELANIAS HOSPITALARES estimativa de despesas (mensais e anuais) do Estado com vencimentos dos capelães

CAPELANIAS HOSPITALARES estimativa de despesas (mensais e anuais) do Estado com vencimentos dos capelães Estimativa (por aproximação grosseira e por defeito) do custo mensal para o Estado de cada capelão em funções nos estabelecimentos de saúde civis (nota: capelães coordenadores auferem vencimentos mais

Leia mais

PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA GRUPO 35 SUBGRUPO

PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA GRUPO 35 SUBGRUPO PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA GRUPO 35 SUBGRUPO NOBEMBRO 2007 1 A TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC) CARACTERIZA-SE POR SER EXAME DE ALTA COMPLEXIDADE E CUSTO ELEVADO, PORTANTO

Leia mais

Sinais de alerta perante os quais deve recorrer à urgência:

Sinais de alerta perante os quais deve recorrer à urgência: Kit informativo Gripe Sazonal A gripe Sazonal é uma doença respiratória infeciosa aguda e contagiosa, provocada pelo vírus Influenza. É uma doença sazonal benigna e ocorre em todo o mundo, em especial,

Leia mais

RELATÓRIO DOS REGISTOS DAS INTERRUPÇÕES DA GRAVIDEZ AO ABRIGO DA LEI 16/2007 DE 17 DE ABRIL

RELATÓRIO DOS REGISTOS DAS INTERRUPÇÕES DA GRAVIDEZ AO ABRIGO DA LEI 16/2007 DE 17 DE ABRIL RELATÓRIO DOS REGISTOS DAS INTERRUPÇÕES DA GRAVIDEZ AO ABRIGO DA LEI 16/2007 DE 17 DE ABRIL Dados referentes ao período de Janeiro a Dezembro de 2008 Edição revista DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE DIVISÃO DE SAÚDE

Leia mais

Actilyse alteplase. APRESENTAÇÕES Pó liofilizado injetável frasco-ampola com 10 mg + diluente, ou 20 mg + diluente, ou 50 mg + diluente

Actilyse alteplase. APRESENTAÇÕES Pó liofilizado injetável frasco-ampola com 10 mg + diluente, ou 20 mg + diluente, ou 50 mg + diluente Actilyse alteplase APRESENTAÇÕES Pó liofilizado injetável frasco-ampola com 10 mg + diluente, ou 20 mg + diluente, ou 50 mg + diluente USO INTRAVENOSO USO ADULTO COMPOSIÇÃO ACTILYSE 10 mg/10 ml: cada frasco-ampola

Leia mais

Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA

Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA AUTORES: FT. GONÇALO SOARES FT. STELA FRAZÃO LISBOA, NOVEMBRO

Leia mais

Diagnóstico e Metodologia para o estudo dos efeitos das partículas finas na cidade de Lisboa

Diagnóstico e Metodologia para o estudo dos efeitos das partículas finas na cidade de Lisboa Diagnóstico e Metodologia para o estudo dos efeitos das partículas finas na cidade de Lisboa Equipa Departamento de Ciências e Engenharia do Ambiente Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova

Leia mais

RELATÓRIO DE QUALIDADE CLÍNICA 2013

RELATÓRIO DE QUALIDADE CLÍNICA 2013 RELATÓRIO DE QUALIDADE CLÍNICA 2013 ÍNDICE 1. Estratégia da Qualidade 3 Visão, Missão e Valores 4 Política da Qualidade 6 2. Estrutura 8 3. Qualidade Clínica 10 Avaliação da Qualidade Clínica 11 Segurança

Leia mais

1. CANDIDATURA A UM DESEJO

1. CANDIDATURA A UM DESEJO 1. CANDIDATURA A UM DESEJO Dados da criança: (dd/mmm/aaaa i.e. 01Jan2000) Nome: Sexo: Masculino Feminino Doença: Data de Nascimento: Telefone: Morada actual: Idade: Desejo da Criança: Língua-materna: Já

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: Vacinação contra a gripe sazonal em 2009/2010 Nº: 33/DSPCD DATA: 08/09/2009 Para: Contacto na DGS: Todos os médicos e enfermeiros Dr.ª Maria da Graça Freitas Destaques para a época da gripe 2009/2010:

Leia mais

DECLARAÇÃO PESSOAL DE SAÚDE

DECLARAÇÃO PESSOAL DE SAÚDE 1 A presente declaração, deverá ser preenchida de próprio punho, pelo proponente, de forma clara e objetiva, respondendo SIM ou NÃO, conforme o caso. MUITO IMPORTANTE Chamamos a atenção de V.S.a. para

Leia mais

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Orientação seguinte:

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Orientação seguinte: NÚMERO: 009/2015 DATA: 25/09/2015 ASSUNTO: Vacinação contra a gripe com a vacina trivalente para a época 2015/2016 PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Vacinação; Gripe Todos os médicos, farmacêuticos e enfermeiros

Leia mais

Planificação Disciplina de Saúde 2.º ano Módulos 3, 4, 5,6 Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde

Planificação Disciplina de Saúde 2.º ano Módulos 3, 4, 5,6 Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde Objetivos gerais: Planificação Disciplina de Saúde 2.º ano Módulos 3, 4, 5,6 Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde 2015/2016 Explicar que as tarefas que se integram no âmbito de intervenção do/a

Leia mais

As principais causas de morte em Portugal de 1990-1999

As principais causas de morte em Portugal de 1990-1999 As principais causas de morte em Portugal de 199-1999 Observatório Nacional de Saúde. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge Lisboa 3 1 Ficha Técnica Portugal. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo

Leia mais

Contratualização em contexto hospitalar

Contratualização em contexto hospitalar Contratualização em contexto hospitalar MARIA DO CÉU VALENTE Acompanhando a tendência europeia para atribuir maior autonomia e responsabilização aos hospitais, incentivando uma gestão empresarial e a inovação

Leia mais

Planificação anual de Saúde- 10ºano

Planificação anual de Saúde- 10ºano CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Turmas: 10ºI Professora: Ana Margarida Vargues Planificação anual de Saúde- 10ºano 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina de Saúde do Curso

Leia mais

Medicamentos que contêm dextropropoxifeno com Autorização de Introdução no Mercado na União Europeia. Romidon 75mg/2ml Solução injectável

Medicamentos que contêm dextropropoxifeno com Autorização de Introdução no Mercado na União Europeia. Romidon 75mg/2ml Solução injectável ANEXO I LISTA DAS DENOMINAÇÕES FORMAS FARMACÊUTICAS, DOSAGENS, VIA DE ADMINISTRAÇÃO DOS MEDICAMENTOS, DOS TITULARES DAS AUTORIZAÇÕES DE INTRODUÇÃO NO MERCADO NOS ESTADOS-MEMBROS 1 Medicamentos que contêm

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

Patologia por imagem Abdome. ProfºClaudio Souza

Patologia por imagem Abdome. ProfºClaudio Souza Patologia por imagem Abdome ProfºClaudio Souza Esplenomegalia Esplenomegalia ou megalosplenia é o aumento do volume do baço. O baço possui duas polpas que são constituídas por tecido mole, polpa branca

Leia mais

MEDICINA TRADICIONAL CHINESA, ACUPUNTURA E TERAPIAS AFINS INDICAÇÕES

MEDICINA TRADICIONAL CHINESA, ACUPUNTURA E TERAPIAS AFINS INDICAÇÕES MEDICINA TRADICIONAL CHINESA, ACUPUNTURA E TERAPIAS AFINS INDICAÇÕES www.shenqui.com.br Na década de 80, após 25 anos de pesquisas, em renomadas instituições do mundo, a OMS publicou o documento Acupuncture:

Leia mais

Pediatria Médica. Junho de 2005 Colégio de Pediatria pg 1 de 10

Pediatria Médica. Junho de 2005 Colégio de Pediatria pg 1 de 10 Pediatria Médica Idoneidade e de Serviços, para os s do Internato Complementar de Pediatria no ano 2006, atribuídas pela Direcção do Colégio de Especialidade de Pediatria Junho de 2005 Colégio de Pediatria

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA. ESTÁGIO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA 6º ANO Ano Lec vo 2014/2015

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA. ESTÁGIO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA 6º ANO Ano Lec vo 2014/2015 ÁREA ACADÉMICA UGC Unidade de Gestão Curricular FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA ESTÁGIO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA 6º ANO Ano Lec vo 2014/2015 Coordenadores:

Leia mais

fundação portuguesa de cardiologia Nº. 12 Dr. João Albuquerque e Castro REVISÃO CIENTÍFICA: [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL]

fundação portuguesa de cardiologia Nº. 12 Dr. João Albuquerque e Castro REVISÃO CIENTÍFICA: [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL] fundação portuguesa de cardiologia TUDO O QUE DEVE SABER SOBRE ANEURISMAS DA AORTA ABDOMINAL Nº. 12 REVISÃO CIENTÍFICA: Dr. João Albuquerque e Castro [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL]

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA. ESTÁGIO DE PEDIATRIA 6º ANO Ano Lec vo 2014/2015

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA. ESTÁGIO DE PEDIATRIA 6º ANO Ano Lec vo 2014/2015 ÁREA ACADÉMICA UGC Unidade de Gestão Curricular FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA ESTÁGIO DE PEDIATRIA 6º ANO Ano Lec vo 2014/2015 Coordenadores: Coordenador

Leia mais

Doenças Oncológicas em números 2014. Programa Nacional para as Doenças Oncológicas

Doenças Oncológicas em números 2014. Programa Nacional para as Doenças Oncológicas portugal Doenças Oncológicas em números 214 Programa Nacional para as Doenças Oncológicas portugal Doenças Oncológicas em números 214 Programa Nacional para as Doenças Oncológicas DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 143 26 de Julho de 2010 2845. só produz efeitos com a publicação da respectiva portaria:

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 143 26 de Julho de 2010 2845. só produz efeitos com a publicação da respectiva portaria: Diário da República, 1.ª série N.º 143 26 de Julho de 2010 2845 só produz efeitos com a publicação da respectiva portaria: Assim: Cumpridos os preceitos legais e com fundamento no disposto na alínea a)

Leia mais

Consulta de Vagas disponíveis para o concurso IM A Formação Específica

Consulta de Vagas disponíveis para o concurso IM A Formação Específica ANATOMIA PATOLÓGICA Centro Hospitalar Coimbra, E.P.E. Normal 1 ANATOMIA PATOLÓGICA Centro Hospitalar do Porto, E.P.E. Normal 1 ANATOMIA PATOLÓGICA Hospitais Universidade de Coimbra - E.P.E. Normal 1 ANATOMIA

Leia mais

Anexo II Sistema concetual Estatísticas da Saúde e Incapacidades

Anexo II Sistema concetual Estatísticas da Saúde e Incapacidades Anexo II Sistema concetual Estatísticas da Saúde e Incapacidades SAÚDE PÚBLICA ESTADO DE SAÚDE ACAMADO ANDAR ANOS DE VIDA SAUDÁVEL ATIVIDADE DE VIDA DIÁRIA ATIVIDADE INSTRUMENTAL DE VIDA DIÁRIA AUTO APRECIAÇÃO

Leia mais

Risco de Morrer em 2012

Risco de Morrer em 2012 Risco de morrer 2012 23 de maio de 2014 Risco de Morrer em 2012 As duas principais causas de morte em 2012 foram as doenças do aparelho circulatório, com 30,4% dos óbitos registados no país, e os tumores

Leia mais

DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRETIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE (VERSÃO NÃO CONFIDENCIAL)

DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRETIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE (VERSÃO NÃO CONFIDENCIAL) DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRETIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE (VERSÃO NÃO CONFIDENCIAL) Considerando as atribuições da Entidade Reguladora da Saúde conferidas pelo artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 127/2009,

Leia mais