HSPA: Conceitos Básicos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HSPA: Conceitos Básicos"

Transcrição

1 HSPA: Conceitos Básicos Este tutorial apresenta a tecnologia contida no padrão HSPA (High Speed Packet Access) para as redes celulares de 3ª geração (3G) baseada no conjunto de padrões WCDMA (Wideband Code Division Multiple Access) do 3GPP (Third Generation Partnership Project). O HSPA representa uma parte importante para a evolução WCDMA, e permite ao usuário desfrutar de uma nova experiência, mais aperfeiçoada e com maiores possibilidades, ao acessar serviços de banda larga através das redes celulares com uma melhor relação custo benefício. Este tutorial foi produzido a partir do White Paper BASIC CONCEPTS OF HSPA, de Fevereiro de 2007, elaborado pela Ericsson. Categoria: Telefonia Celular Nível: Introdutório Enfoque: Técnico Duração: 15 minutos Publicado em: 23/04/2007 1

2 HSPA: Introdução Um dos aspectos mais importantes dos celulares de terceira geração (3G) é o acesso aos serviços de dados através de uma rede de pacotes aperfeiçoada (enhanced data packet access). O padrão WCDMA 3GPP Release 99 permite oferecer taxa de dados de 384 kbit/s para redes de com grande cobertura. No entanto, quando se aumenta o uso dos serviços de dados e novos serviços são introduzidos, torna-se necessário fornecer maiores taxas de dados e maior capacidade de rede, com custos competitivos. O padrão WDCMA 3GPP Release 5 apresenta, entre outras novidades, um novo canal de transporte de downlink, entre a Base Station (BS) e o equipamento do usuário (user equipment UE), que melhora o suporte a aplicações de alto desempenho para rede de pacotes. O custo do bit trafegado é reduzido, já que o canal de downlink melhorado permite um aumento considerável da capacidade de transporte, quando comparado com o Release 99. Também reduz de forma significativa a latência e possibilita picos de transmissão de dados de até 14 Mbit/s. Essa implementação, que tem como sigla o HSDPA (High Speed Downlink Packet Access), é o primeiro passo na evolução do desempenho do WCDMA. Embora grande parte do tráfego ocorra no sentido downlink, ainda há um número considerável de aplicações que serão beneficiadas pela existência de um canal de uplink de melhor qualidade, entre elas as aplicações que fazem o envio por de grandes arquivos anexados, figuras, vídeo clips, blogs, etc. O padrão WCDMA 3GPP Release 6 apresenta, entre outras melhorias, um canal de transporte de uplink aperfeiçoado (Enhanced Uplink). Esse canal de uplink, também conhecido como HSUPA (High Speed Uplink Packet Access), disponibiliza taxas de transmissão de dados maiores, latência reduzida e maior capacidade de transporte de dados, possibilitando picos de transmissão de dados de até 5,8 Mbit/s. Juntos os padrões HSDPA e Enhanced Uplink são conhecidos como HSPA (High Speed Packet Access). A seção a seguir descreve os benefícios que os novos padrões podem oferecer aos usuários e às operadoras. As demais seções descrevem os princípios básicos do HSDPA e do Enhanced Uplink. 2

3 HSPA: Benefícios O maior benefício do padrão HSPA é a possibilidade de oferece uma experiência melhorada para o usuário. Na prática isto significa tempo menor de download e upload com altas taxas de transmissão de dados e latência reduzida, quando comparado com o WCDMA 3GPP Release 99. O HSPA também beneficia as operadoras reduzindo o custo do bit trafegado através de um sistema com maior capacidade. Em outras palavras, mais usuários podem ser atendidos com altas taxas de dados, e com um custo do bit trafegado menor. Experiência do Usuário Como qualquer tecnologia em telecomunicações, o desempenho para o usuário com o uso do HSPA depende do tipo de serviço ofertado e do comportamento dos demais protocolos envolvidos na aplicação em uso. Por exemplo, o TCP (Transmission Control Protocol), que é o protocolo mais utilizado para os serviços de transporte de dados, foi originalmente projetado para redes com fios e possui mecanismos de inicialização lentos (slow start) e de controle de congestionamento (congestion-avoidance) que influenciam fortemente no desempenho. Uma avaliação completa do desempenho total de um serviço deve incluir esses mecanismos. Para serviços de navegação na Internet (web browsing), por exemplo, as taxas de dados são frequentemente limitadas pelo protocolo TCP e não pelas interfaces da rede sem fio (rede celular). A transmissão TCP ocorre através de rajadas de dados repentinas (bursts) seguidas por períodos de inatividade relativamente longos. Desta forma, a capacidade de rede exigida por um usuário que está navegando na Internet é relativamente baixa. Para o usuário, o principal benefício oferecido pelo HSPA é que, para aplicações que transportam pequenas quantidades de dados através do TCP, o tempo de ida e volta dos dados é reduzido, graças ao mecanismo híbrido de requisição e repetição automática (fast hybrid-arq - Automatic Repeat request) e ao intervalo de tempo de transmissão reduzido (short TTI Transmission Time Interval). 3

4 Figura 1: Fatores que influenciam a experiência do usuário no WCDMA Release 99 Ao contrário do que acontece durante a navegação na Internet, o mecanismo de inicialização lento (slow start) do TCP tem pouco ou nenhum impacto no tempo de download de um arquivo grande. No entanto, o desempenho para o usuário é em grande parte determinado pela capacidade de transporte do rádio enlace, como ilustrado na figura 1. Um único usuário fazendo download de um arquivo grande pode ocupar uma parte significativa da capacidade total da Base Station (BS). Consequentemente, o uso acentuado da capacidade de transporte do sistema tem um impacto substancial no desempenho percebido pelo usuário quando ele estiver fazendo o download de arquivos grandes. Simulações mostram que, em um sistema com uso moderado da capacidade de transporte de dados, o HSPA pode reduzir para 1/20 o tempo de download de arquivos grandes e para 1/10 o tempo de upload de arquivos grandes. A latência fim-a-fim, que é o tempo médio de ida e volta para um pacote IP pequeno que trafega de um equipamento do usuário (user equipment UE) através do sistema HSDPA até um servidor na Internet, é um componente crítico que afeta a percepção do usuário para as aplicações baseadas no protocolo TCP/IP. A latência tem sido medida em várias redes HSDPA que se encontram em operação comercial. A latência fim-a-fim média em uma rede comercial implantada com equipamentos de rede e rádio enlaces da Ericsson, por exemplo, ficou abaixo de 70 ms. Com a introdução total da tecnologia Enhanced Uplink nessa rede, a Ericsson prevê que essa latência será reduzida para menos de 50 ms. Capacidade da Rede Um benefício adicional do HSPA é o aumento da capacidade da rede (throughput). Para a operadora, isto significa a redução do custo do bit trafegado. O HSPA aumenta a capacidade da rede de várias formas: Canal de transmissão compartilhado, o que resulta em um uso eficiente dos recursos de codificação e potência do WCDMA. Intervalo de tempo de transmissão reduzido (short TTI Transmission Time Interval), o que diminui o tempo total de ida e volta da informação e melhora o rastreamento de variações rápidas dos canais. Enlace adaptativo (link adaptation), o que maximiza o uso do canal e permite que a Base Station (BS) opere próxima de sua potência máxima. Despacho rápido (fast scheduling), o que prioriza usuários que tenham as condições de canal mais favoráveis. Retransmissão rápida e combinação suave (soft-combining), o que aumenta a capacidade do sistema. Modulação 16QAM (Quadrature Amplitude Modulation), o que proporciona altas taxas de transmissão de dados. Dependendo da rede implantada, a capacidade final, comparada com o padrão WCDMA 3GPP Release 99, é 5 (cinco) vezes maior no downlink e 2 (duas) vezes maior no uplink. Parte Integral do WCDMA Outro benefício do padrão HSPA é que ele é parte integral do WCDMA. A cobertura de grandes áreas pela rede celular pode ser implantada com o HSPA sem necessidade adicional de espectro de freqüências ou de portadoras. 4

5 Atualmente uma rede WCDMA pode oferecer simultaneamente os serviços de Voz e dados (multisserviços) para usuários através de uma mesma portadora. Isso também se aplica a uma rede com a tecnologia HSPA, o que significa que o espectro pode ser usado de forma eficiente. 5

6 HSPA: Características do HSPA No WCDMA 3GPP Release 5, o HSDPA adiciona um novo canal de transporte para o WCDMA, o HS-DSCH (High Speed Downlink Shared Channel), que fornece suporte para aplicações de alto desempenho para rede de pacotes no downlink. A transmissão HSDPA facilita a adoção de novas funcionalidades, e para suportá-las com um mínimo de impacto na arquitetura existente do protocolo da interface rádio, uma nova subcamada MAC (MAC-hs) foi adicionada. O MAC-hs permite uma separação funcional entre as camadas e nós dos Releases 99 e 4 do WCDMA 3GPP. Como o novo padrão foi desenvolvido introduzindo poucas mudanças na arquitetura, pode-se fazer uma transição suave para o HSDPA. Isso possibilita a operação do HSDPA mesmo em ambientes onde nem todas as células possuem a funcionalidade instalada. No WCDMA, ambos os serviços de Voz e dados podem usar simultaneamente a mesma portadora. Da mesma forma, os serviços baseados no HSDPA também podem usar a mesma freqüência de portadora. O HSDPA utiliza um canal compartilhado de transmissão. Suas principais características são: Transmissão através de canal compartilhado e multi-código; Modulação de alta ordem; Intervalo de tempo de transmissão reduzido (short Transmission Time Interval - TTI); Enlace adaptativo de alto desempenho (fast link adaptation); Despacho rápido (fast scheduling); Mecanismo híbrido de requisição e repetição automática (fast hybrid Automatic Repeat request ARQ). Os princípios gerais que suportam essas funcionalidades são descritos a seguir. Os conceitos do HSDPA Canal Compartilhado e Transmissão multi-código HSDPA é baseado na transmissão através de canais compartilhados, o que significa que alguns códigos de canal e a potência de transmissão da célula são usados como recursos comuns que são dinamicamente compartilhados entre os usuários nos domínios de tempo e de códigos. A transmissão através de canais compartilhados tem como resultado o uso mais eficiente tanto dos códigos de canal como da potência disponível do WCDMA, se comparado com o uso de canais dedicados do WCDMA 3GPP Release 99. O conjunto de códigos compartilhados que pode ser usado para mapear o HS-DSCH é composto por até 15 códigos. O número de códigos usados vai depender do número de códigos suportados pelo terminal ou sistema de usuário, da configuração adotada pela operadora e da capacidade de sistema da rede. Pode ser configurado um valor fixo ou podem ser usados algoritmos de comportamento dinâmico para maximizar o uso de códigos de canal numa portadora compartilhada entre o Release 99 e o HSDPA. A figura 2 mostra um exemplo de como os códigos são dinamicamente alocados por TTI para um ou mais 6

7 usuários. Modulação de alta ordem Figura 2: Estruturas de tempo e código do HS-DSCH O WDCMA 3GPP Release 99 usa a modulação Quadrature Phase Shift Keying (QPSK) para transmissão no downlink. Além do QPSK, o HSDPA também pode usar o 16 Quadrature Amplitude Modulation (16QAM) para fornecer taxa alta transmissão de dados. Como o 16QAM tem capacidade de pico de transmissão de dados 2 (duas) vezes maior que o QPSK, o seu uso da largura de banda é mais eficiente. O QPSK utiliza 2 (dois) bits por símbolo e 16QAM utiliza 4 (quatro) bits por símbolo, como ilustra a figura 3. Figura 3: Esquemas de modulação usados no HSDPA 7

8 Intervalo de Tempo de Transmissão reduzido (short Transmission Time Interval - TTI) O WCDMA 3GPP Release 99 utiliza TTI de 10 ms, 20 ms ou 40ms no downlink. Com o HSDPA, o TTI é reduzido para 2ms no downlink. Códigos de canal provenientes do recurso de códigos de canais compartilhados são dinamicamente alocados a cada 2ms, ou 500 vezes por segundo. Um TTI reduzido diminui o tempo de ida e volta dos dados (origem-destino) e aprimora o rastreamento de variações de canal, características essa que é utilizada pelo enlace adaptativo (link adaptation) e pelo despacho dependente dos canais. Embora o tempo seja a primeira forma de compartilhar o recurso de canais entre os usuários, também é possível compartilhar recursos no domínio de códigos usando diferentes subconjuntos do total disponível de códigos de canal do HS-DSCH, como ilustra a figura 2. Enlace Adaptativo (fast link adaptation) As condições de propagação dos canais de rádio enlace encontradas em diferentes comunicações de downlink variam significantemente, tanto no tempo como entre posições diferentes na célula. Cada terminal de usuário que utiliza serviços com altas taxa de dados transmite informações regulares sobre a qualidade dos canais para a Base Station (BS). A funcionalidade de enlace adaptativo ajusta instantaneamente os parâmetros de transmissão de acordo com as informações enviadas pelo terminal de usuário e, quando as condições de propagação do canal permitem, habilita o uso de modulação de alta ordem. O WCDMA utiliza o controle de potência para compensar as diferenças e variações nas condições de propagação instantâneas dos canais de rádio do downlink. Em princípio, o controle de potência dá aos canais dos enlaces de comunicação com condições ruins de propagação uma parte maior da potência disponível da célula (BS). Isso assegura uma qualidade de serviço similar para todos os enlaces de comunicação, apesar das diferentes condições de propagação dos canais de rádio. Uma desvantagem desse mecanismo de controle é que a potência disponível nem sempre é totalmente usada. Parte da potência deve ser reservada para uso nos casos em que as conexões em andamento necessitem de maior potência quando da deterioração das condições de propagação dos canais de rádio. A potência da saída adicional disponível não pode ser usada para aumentar a capacidade de transporte do sistema. Conseqüentemente, quando se considera a capacidade total do sistema, o controle de potência não é o mecanismo mais eficiente para alocar os recursos disponíveis. 8

9 Figura 4: A taxa de dados é ajustada de acordo com as condições de propagação do rádio enlace Ao invés de usar o controle de potência para compensar as rápidas variações das condições de propagação do rádio enlace no downlink, o HSDPA utiliza o ajuste da taxa de bit, ou seja, a potência de transmissão não varia (é mantida constante) e o sistema apenas ajusta a taxa de transmissão de dados. Conhecido como enlace adaptativo (link adaptation) ou taxa de transmissão adaptativa (rate adaptation), esse mecanismo é mais eficiente que o controle de potência para os serviços que toleram variações de curta duração na taxa de dados. Adicionalmente, para aumentar as taxas de dados de pico em condições de propagação de canal favoráveis, o HSDPA pode utilizar a modulação 16QAM, que faz uso eficiente do espectro, como ilustrado na figura 4. Despacho Rápido (fast scheduling) A funcionalidade de agendamento ou despacho rápido determina, num dado instante, qual canal de transmissão compartilhado deve ser direcionado ao equipamento do usuário (UE). O objetivo é oferecer aos usuários as condições mais favoráveis de propagação do rádio enlace para maximizar a taxa de transmissão de dados, como mostra a figura 5. O mecanismo de despacho (scheduler) estima instantaneamente as condições de propagação do rádio enlace desde o canal de downlink até o terminal ou equipamento do usuário (UE). Cada terminal que usa serviços de dados com altas taxas transmite para a base station (BS) relatórios periódicos informando a qualidade do canal, e o mecanismo de despacho atua no sentido de fornecer o melhor desempenho total do HSDPA. Para cada TTI, o mecanismo de despacho decide quais usuários deverão usar os canais disponíveis do HSDSCH, e em conjunto com o mecanismo de enlace adaptativo determina qual a modulação e o número de códigos a serem utilizados. Esse conjunto de ações define a taxa de dados a ser alcançada. Ao invés de alocar sequencialmente os recursos de rádio entre os usuários (round-robin scheduling), a capacidade do sistema pode ser significativamente aumentada usando o agendamento ou despacho dependente do canal. 9

10 O objetivo desse mecanismo é transmitir os dados para os usuários nas condições de propagação de canal mais favoráveis, o que permite obter uma vantagem conhecida como a diversidade multi-usuário. Figura 5: Despacho de usuários com as condições de propagação mais favoráveis Outro tipo de mecanismo de agendamento ou despacho dependente do canal atua de forma que usuários com condições favoráveis nos canais de rádio utilizem todos os recursos de rádio atribuídos a eles e os usuários com condições desfavoráveis nos canais de rádio utilizem poucos ou quase nenhum dos recursos de rádio atribuídos a eles. Embora esse tipo de mecanismo maximize a capacidade de rede do sistema, seria desejável adotar um procedimento de agendamento mais justo, ou seja, um mecanismo de agendamento ou despacho proporcional que aproveite melhor as condições do canal e assegure que todos os usuários recebam uma parte justa da capacidade de rede do sistema. Quanto maior for o uso da capacidade da célula (BS), maior será o número de usuários enfileirados para despacho. Desta forma, a probabilidade de agendar ou despachar usuários com boa qualidade de canal também aumenta. Isto resulta numa relação portadora / interferência (carrier-to-interference) elevada para o usuário alocado. As prioridades de tráfego também podem ser levadas em consideração. Por exemplo, os serviços de streaming (áudio, vídeo, etc.), que demandam maior disponibilidade de canal em tempo real, podem ser priorizados em relação aos outros serviços (navegação web, , erc.), que demandam menos disponibilidade de canal. Uma estratégia prática de agendamento ou despacho geralmente aproveita as variações das condições de propagação de canal de curto prazo ao mesmo tempo que mantém algum grau de proporcionalidade entre usuários ao longo do tempo. As diferenças entre essas várias estratégias de agendamento ou despacho são mais relevantes quando a carga de sistema é alta. Os canais dedicados de uplink e downlink do Release 99 utilizam o procedimento de soft handover, que não é aplicável para o HS-DSCH. Implementar o soft handover (que pela definição implica em utilizar base stations múltiplas) para os canais de taxa alta de transmissão de dados não é praticável, já que o mecanismo de agendamento ou despacho rápido dependente do canal é sempre executado por uma única base station (BS). Mecanismo Híbrido de Repetição Automática (fast hybrid automatic repeat request) 10

11 O equipamento de usuário (UE) pode rapidamente pedir a retransmissão de dados perdidos e combinar a informação da transmissão original com informação retransmitida, antes de tentar decodificar a mensagem. Esta estratégia, denominada combinação suave (soft-combining), melhora o desempenho e deixa o sistema mais robusto. Uma resposta de mensagem não reconhecida (NACK) é enviada quando faltam dados nas mensagens recebidas. Uma resposta de mensagem reconhecida (ACK) é enviada quando os dados recebidos estão corretos. Anteriormente, as retransmissões eram manipuladas somente pelo controlador de rádio (Radio Node Controller RNC), mas com a introdução do HSDPA uma parte desta funcionalidade foi transferida para a base station (BS). Isto faz com que a funcionalidade esteja mais perto da interface rádio, diminuindo assim a latência. Categorias de terminal HSDPA Figura 6: O UE pede rapidamente a retransmissão dos dados faltantes O uso do HSDPA requer novos terminais ou equipamentos de usuário (UE). Um UE compatível com o HSDPA deve ter capacidade suficiente para processar os mecanismos de repetição automática (fast hybrid ARQ), os diversos códigos e etc. Doze diferentes categorias de terminais foram definidas para acomodar desde os modelos mais simples até os mais sofisticados, como mostra a tabela 1. Os diferenciais entre as várias categorias de terminais incluem, por exemplo, o suporte aos esquemas de modulação QPSK e/ou 16QAM. As categorias 6 e 12 suportam 3,6 Mbit/s e 1,8 Mbit/s respectivamente, com cinco códigos para o HS-DSCH. Outro diferencial é o número de códigos suportados pelo terminal. Por exemplo, um terminal que suporte dez códigos pode alcançar taxas de até 7,2 Mbit/s, ao passo que um terminal com 15 códigos pode chegar até 14 Mbit/s. Os primeiros dispositivos HSDPA foram baseados na categoria 12 e alcançam uma taxa máxima na camada 1 de 1,8 Mbit/s. Já os novos cartões de dados para computadores e os dispositivos handheld (pdas, etc.) da Categoria 6 apresentados ao mercado aumentam a taxa máxima para 3,6 Mbit/s. Os dispositivos da Categoria 8, oferecidos a partir do primeiro trimestre de 2007, devem alcançar picos de taxas transmissão de dados de 7,2 Mbit/s. Tabela 1: Categorias de terminais HSDPA. 11

12 Categoria UE Número Máximo de códigos HS-DSCH Pico de taxa de dados na Camada 1 (Mbit/s) Intervalo Mínimo inter-tti QPSK / 16QAM Categoria 1 5 1,2 3 Ambos Categoria 2 5 1,2 3 Ambos Categoria 3 5 1,8 2 Ambos Categoria 4 5 1,8 2 Ambos Categoria 5 5 3,6 1 Ambos Categoria 6 5 3,6 1 Ambos Categoria ,2 1 Ambos Categoria ,2 1 Ambos Categoria ,2 1 Ambos Categoria ,4 1 Ambos Categoria ,9 2 QPSK Categoria ,8 1 QPSK 12

13 HSPA: A Tecnologia Enhanced Uplink Introduzido a partir do WCDMA 3GPP Release 6, o Enhanced Uplink adiciona um novo canal de transporte para o WCDMA denominado canal dedicado expandido (Enhanced Dedicated Channel E-DCH). O Enhanced Uplink melhora o desempenho do uplink reduzindo a latência, aumentando as taxas transmissão de dados e a capacidade do enlace, e faz desta nova tecnologia um complemento natural para o HSDPA (introduzido a partir do Release 5) para aplicações baseadas em redes de pacotes de alto desempenho. O Enhanced Uplink apresenta diversas características novas. Como com o HSDPA, implementar essas novas características tem impacto mínimo na arquitetura do protocolo da interface rádio. As novas entidades MAC também são implementadas junto com as entidades MAC existentes nos equipamentos de usuário, nas base stations e no RNC. Taxas altas de transmissão de dados para o uplink são desejáveis tanto para rede como para os equipamentos de usuário. É também muito importante que uma taxa de transmissão de dados relativamente elevada seja suportada onde quer que o usuário esteja localizado, ou seja, a cobertura de uma determinada taxa de transmissão de dados deve ser ampla quanto possível. Da mesma forma que o HSDPA, o Enhanced Uplink pode usar a mesma freqüência de portadora que o Release 99. Para atingir todos esses objetivos, o Enhanced Uplink possui diversas características novas: Transmissão multi-códigos; Intervalo de tempo de transmissão reduzido (short Transmission Time Interval - TTI); Mecanismo híbrido de requisição e repetição automática (fast hybrid Automatic Repeat request ARQ); Despacho rápido (fast scheduling). Apesar do uso de técnicas similares no HSDPA, há algumas diferenças fundamentais entre o uplink e o downlink. O recurso compartilhado no uplink é a interferência (potência total recebida) na base station, que depende do recurso de potência descentralizada de cada UE. No downlink, o recurso compartilhado é composto pela potência de transmissão e pelos códigos de canal, recurso esse centralizado na base station. Essa diferença tem implicações no projeto do mecanismo de despacho ou agendamento. O Conceito de Enhanced Uplink Transmissão Multi-código Diferente do HSDPA, o novo canal uplink introduzido pelo Enhanced Uplink não é compartilhado entre usuários, e sim dedicado a um único usuário. Até quatro códigos podem ser usados para aumentar a taxa de transmissão de dados do uplink, como ilustrado na tabela 2. Intervalo de Tempo de Transmissão reduzido (short Transmission Time Interval - TTI) O WCDMA 3GPP Release 99 utiliza um TTI de 10 ms, 20 ms ou de 40 ms no uplink. O Enhanced Uplink opera com um TTI de 2 ms ou 10 ms. Um TTI reduzido permite uma redução significativa na latência total e fornece os meios para que as outras funcionalidades se adaptem rapidamente. Mecanismo Híbrido de Repetição Automática (fast hybrid automatic repeat request) 13

14 O protocolo do mecanismo híbrido de repetição automática (fast hybrid ARQ) usado é similar ao do HSDPA. A base station pode rapidamente pedir a retransmissão dos dados recebidos com erros, o que torna o canal mais robusto e permite latências de retransmissão mais baixas. O mecanismo de soft(er) handover pode ser usado com o Enhanced Uplink. Para um soft(er) handover, todas as base stations e setores envolvidos na comunicação com o UE tentam decodificar os dados. Se uma mensagem ACK for recebida de pelo menos um deles, o UE considera que os dados foram recebidos com sucesso. O uso conjunto do mecanismo híbrido de repetição automática (fast hybrid ARQ) e do mecanismo de combinação suave (soft-combining) pode ser feito para tornar o sistema mais robusto com relação às interferências imprevisíveis, e também para melhorar a eficiência do rádio enlace. Despacho Rápido (fast scheduling) No uplink, o recurso comum compartilhado entre os terminais é a quantidade de interferência tolerável, ou seja, a potência total recebida na base station. A quantidade de recursos comuns no uplink que um terminal usa depende da taxa transmissão de dados utilizada. Geralmente, quanto mais elevada a taxa transmissão de dados, maior será a potência de transmissão necessária e maior será o consumo dos recursos comuns. O despacho ou agendamento rápido permite a rápida realocação de recursos entre UE's, o que permite aproveitar o tráfego em rajadas nas transmissões de pacote de dados. Também permite que o sistema admita um número maior de usuários com taxas altas de transmissão de dados operando com rápida adaptação às variações de interferência, o que resulta num aumento da capacidade e da probabilidade de um usuário experimentar taxas de dados elevadas. O algoritmo de despacho ou agendamento não é padronizado e diversas estratégias de agendamento podem ser implementadas. Esta flexibilidade é útil, já que ambientes e tipos de tráfego distintos podem ter exigências diferenciadas na estratégia de agendamento. Um equipamento de usuário (UE) pode, por exemplo, ser despachado ou agendado por apenas uma base station ou por várias ao mesmo tempo. No segundo caso, o mecanismo de soft handover deve ser suportado pelo Enhanced Uplink. O UE não é somente informado sobre o nível de interferência na própria célula (base station), mas também sobre níveis de interferência em células (base stations )vizinhas. A potência de saída do UE pode ser reduzida se o nível da interferência for elevado em células vizinhas. O suporte do mecanismo de soft handover no uplink também fornece um macro ganho de diversidade de 1,5 db. Categorias de terminal Enhanced Uplink O Enhanced Uplink requer novos UE's, que devem ter capacidade de processamento para suportar as novas funcionalidades descrita acima. Seis diferentes categorias de terminais foram definidas para acomodar desde os modelos mais simples até os mais sofisticados, como mostra a tabela 2. Tabela 2: Categorias de terminais Enhanced Uplink. 14

15 Categoria UE Códigos x Spreading TTI 10 ou 2 ms Pico de taxa de dados - Camada 1 (TTI = 10 ms) Categoria 1 1 x SF4 10 ms 0,73 Mbit/s - Pico de taxa de dados - Camada 1 (TTI = 2 ms) Categoria 2 2 x SF4 Ambos 1,46 Mbit/s 1,46 Mbit/s Categoria 3 2 x SF4 10 ms 1,46 Mbit/s - Categoria 4 2 x SF2 Ambos 2,0 Mbit/s 2,92 Mbit/s Categoria 5 2 x SF2 10 ms 2,0 Mbit/s - Categoria 6 2 x SF2 + 2 x SF4 Ambos 2,0 Mbit/s 5,76 Mbit/s 15

16 HSPA: Considerações Finais Evolução do HSPA O HSPA continua evoluindo ao longo do tempo. Novas melhorias estão sendo introduzidas em diferentes Releases do 3GPP. Nas novas versões do HSPA, podem ser alcançadas taxas de transmissão de dados maiores com a adoção de novos padrões de modulação, tanto no uplink (16QAM) como no downlink (64QAM). A modulação 16QAM permite picos de taxas transmissão de dados de até 12 Mbit/s no uplink, enquanto a modulação 64QAM permite picos de taxas transmissão de dados de até 21 Mbit/s no downlink. Além disso, as novas versões do HSPA já suportam o mecanismo de múltipla entrada e múltipla saída MIMO 2x2 (Multiple Input Multiple Output). Esse mecanismo utiliza duas antenas para dobrar o pico da taxa de transmissão de dados no downlink, ou seja, permite alcançar picos de taxa de transmissão de dados de até 28 Mbit/s. Quando o mecanismo MIMO 2x2 é combinado com a modulação 64QAM, pode-se alcançar picos de taxa de transmissão de dados de até 42 Mbit/s no downlink. Da mesma forma, a latência também será reduzida nas novas versões do HSPA. Conclusão O WCDMA está evoluindo, e o primeiro passo dessa evolução é expandir o downlink utilizando o HSDPA. Essa implementação melhora a experiência do usuário final aumentando as taxas de transmissão de dados para até 14 Mbit/s no downlink, reduzindo a latência e aumentando a capacidade do sistema em até cinco vezes. Algumas melhorias adicionais podem ser feitas com a introdução do Enhanced Uplink. Essa implementação aumenta as taxas de transmissão de dados no uplink para até 5,8 Mbit/s, reduzindo a latência e aumentando a capacidade do sistema em até duas vezes. Atualmente, o WCDMA pode fornecer serviços de voz e dados simultaneamente na mesma portadora. Nenhum espectro ou portadora adicionais são necessários para implementar o HSPA na rede. Com as vantagens do HSPA, o WCDMA permitirá que as operadoras ofereçam aos seus usuários aplicações mais avançadas de banda larga móvel sem fio (wireless), com maior cobertura e mobilidade. 16

17 HSPA: Teste seu Entendimento 1. Assinale a alternativa que representa uma vantagem do HSPA (High Speed Packet Access): Apresenta um novo canal de transporte de downlink, entre a Base Station (BS) e o equipamento do usuário (user equipment UE) com maior taxa de transmissão de dados. Apresenta um canal de transporte de uplink aperfeiçoado (Enhanced Uplink) com maior taxa de transmissão de dados. O custo do bit trafegado é reduzido. Reduz de forma significativa a latência no downlink e no uplink. Todas as alternativas anteriores. 2. Assinale a alternativa que não representa uma característica do HSDPA (High Speed Downlink Packet Access): Maior alcance do enlace rádio com redução de potência refletida. Transmissão através de canal compartilhado e multi-código. Intervalo de tempo de transmissão reduzido (short Transmission Time Interval - TTI). Mecanismo híbrido de requisição e repetição automática (fast hybrid Automatic Repeat request ARQ). Despacho rápido (fast scheduling). 3. Assinale a alternativa que não representa uma característica do Enhanced Uplink ou HSUPA (High Speed Uplink Packet Access): Despacho rápido (fast scheduling). Intervalo de tempo de transmissão reduzido (short Transmission Time Interval - TTI). Menor tamanho da antena do rádio enlace. Mecanismo híbrido de requisição e repetição automática (fast hybrid Automatic Repeat request ARQ). Transmissão multi-códigos. 17

HSDPA: A Banda Larga do UMTS

HSDPA: A Banda Larga do UMTS HSDPA: A Banda Larga do UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do High Speed Downlink Packet Access (HSDPA), extensão do WCDMA para implementação de um enlace de descida banda larga no UMTS.

Leia mais

Tecnologias de banda larga móvel, UMTS e WiMax

Tecnologias de banda larga móvel, UMTS e WiMax Tecnologias de banda larga móvel, UMTS e WiMax Alex Rodrigo de Oliveira - 06/30403 Danilo Gaby Andersen Trindade - 06/82039 Pedro Rogério Vieira Dias - 06/93472 28 de junho de 2009 Resumo Trabalho final

Leia mais

HSPA+: Evolução do Release 7 Para Banda Larga Móvel

HSPA+: Evolução do Release 7 Para Banda Larga Móvel HSPA+: Evolução do Release 7 Para Banda Larga Móvel As operadoras UMTS estão lançando rapidamente o High Speed Packet Access (HSPA) para capitalizar a capacidade de banda larga móvel e a alta capacidade

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

HSDPA: Transmissão de Dados em Telefonia Móvel

HSDPA: Transmissão de Dados em Telefonia Móvel HSDPA: Transmissão de Dados em Telefonia Móvel O conteúdo deste tutorial foi obtido do artigo de autoria do Anderson Clayton de Oliveira para a etapa de classificação do II Concurso Teleco de Trabalhos

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. Roteiro de Estudo: Telefonia Celular - Tecnologias Básicas I O Portal Teleco passa a apresentar periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam

Leia mais

Subcamada MAC. O Controle de Acesso ao Meio

Subcamada MAC. O Controle de Acesso ao Meio Subcamada MAC O Controle de Acesso ao Meio Métodos de Acesso ao Meio As implementações mais correntes de redes locais utilizam um meio de transmissão que é compartilhado por todos os nós. Quando um nó

Leia mais

Redes sem Fio 2016.1. WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber

Redes sem Fio 2016.1. WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber Redes sem Fio 2016.1 WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.5M Redes sem Fio Onde Estamos? Sistemas de comunicação wireless Redes locais wireless

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. Roteiro de Estudo: Telefonia Celular - Tecnologias Básicas III O Portal Teleco passa a apresentar periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Sistemas de Telefonia Celular Evolução dos Sistemas Celulares WMAN WiMAX Arquitetura

Leia mais

Gerenciamento de redes

Gerenciamento de redes Gerenciamento de redes Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de QoS (Qualidade de serviço) slide 1 Qualidade de serviços: aplicações de multimídia: áudio e vídeo de rede ( mídia contínua ) QoS rede oferece

Leia mais

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS 1 III.2. CABLE MODEMS III.2.1. DEFINIÇÃO Cable modems são dispositivos que permitem o acesso em alta velocidade à Internet, através de um cabo de distribuição de sinais de TV, num sistema de TV a cabo.

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras Tópicos O que é GPSR Arquitetura do Sistema Estados Operacionais do Celular GPRS Classes do Celular GSM/ GPRS Protocolos do GPRS Transmitindo Pacotes

Leia mais

Análise de Desempenho do Sistema UMTS/HSDPA Utilizando Escalonador de Dados Híbrido

Análise de Desempenho do Sistema UMTS/HSDPA Utilizando Escalonador de Dados Híbrido Análise de Desempenho do Sistema UMTS/HSDPA Utilizando Escalonador de Dados Híbrido Leandro Bento Sena Marques Venturus Centro de Inovação Tecnológica Project Office Av. Norte Sul, 900 Campinas, Brasil

Leia mais

Atualmente ocupa o cargo de Especialista de RF III na Alcatel-Lucent, onde é responsável pela Otimização de Redes de Telefonia Celular 3G/2G.

Atualmente ocupa o cargo de Especialista de RF III na Alcatel-Lucent, onde é responsável pela Otimização de Redes de Telefonia Celular 3G/2G. Interoperabilidade UMTS-to-GSM (IRAT Inter-Radio Access Technology) Este tutorial apresenta os conceitos básicos do processo de Interoperabilidade entre os sistemas UMTS e GSM (IRAT Inter-Radio Access

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do processo de Handover na rede UMTS.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do processo de Handover na rede UMTS. Redes 3G: Handover na rede UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do processo de Handover na rede UMTS. Cesar Nunes Engenheiro de Telecomunicações pela Universidade Estácio de Sá, com formação

Leia mais

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede Nível de Enlace Enlace: caminho lógico entre estações. Permite comunicação eficiente e confiável entre dois computadores. Funções: fornecer uma interface de serviço à camada de rede; determinar como os

Leia mais

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs UERJ-FEN-DETEL Técnicas de Acesso Múltiplo na Comunicação sem Fio Vários esquemas de acesso múltiplo tem sido utilizados para permitir que vários

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Prof. Marcelo de Sá Barbosa REDE DE COMPUTADORES

Prof. Marcelo de Sá Barbosa REDE DE COMPUTADORES Prof. Marcelo de Sá Barbosa REDE DE COMPUTADORES MODELO TCP/IP DE 5 CAMADAS MODELO OSI MODELO TCP IP NUMERO DA CAMADA CAMADA NUMERO DA CAMADA CAMADA 7 APLICAÇÃO 6 APRESENTAÇÃO 5 APLICAÇÃO 5 SESSÃO 4 TRANSPORTE

Leia mais

6 de Julho de 2015. Exercício 23 Para que servem portas na camada de transporte?

6 de Julho de 2015. Exercício 23 Para que servem portas na camada de transporte? Lista de Exercícios Camada de Transporte GBC-056 Arquitetura de Redes de Computadores Bacharelado em Ciência da Computação Universidade Federal de Uberlândia 6 de Julho de 2015 Exercício 1 Para que serve

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

3 Gerenciamento de Mobilidade

3 Gerenciamento de Mobilidade Gerenciamento de Mobilidade 38 3 Gerenciamento de Mobilidade A Internet não foi originalmente projetada para suportar a mobilidade de dispositivos. A infra-estrutura existente e o conjunto dos principais

Leia mais

LONWORKS VISÃO DO PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO

LONWORKS VISÃO DO PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO LONWORKS VISÃO DO PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO Aldo Ventura da Silva * RESUMO O presente trabalho teve como objetivo principal apresentar a tecnologia LonWorks, passando por alguns atributos da tecnologia,

Leia mais

Redes de computadores. Redes para Internet

Redes de computadores. Redes para Internet Redes de computadores Redes para Internet Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações distribuídas Enlaces de comunicação fibra, cobre, rádio, satélite

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

Integrated Services Digital Network

Integrated Services Digital Network Integrated Services Digital Network Visão Geral ISDN é uma rede que fornece conectividade digital fim-a-fim, oferecendo suporte a uma ampla gama de serviços, como voz e dados. O ISDN permite que vários

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Comunicação de Dados Aula 6 Agenda Projeto da camada de enlace de dados Detecção e correção de erros Protocolos

Leia mais

IPv6: Introdução. Escrito por Paul Stalvig Gerente Técnico de Marketing

IPv6: Introdução. Escrito por Paul Stalvig Gerente Técnico de Marketing IPv6: Introdução Assim como outras pessoas, eu acredito que algumas complicam demais a vida. Talvez seja a segurança do emprego, o efeito "Chicken Little" ou o fato de que isso dá ao mundo de TI uma plataforma

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores

Fundamentos de Redes de Computadores Fundamentos de Redes de Computadores Princípios de Comunicação de Dados Prof. Alexandre Dezem Bertozzi Divinópolis, fevereiro de 2003 1 Por que redes? É praticamente impossível não pensar em redes quando

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II UDP Prof: Ricardo Luís R. Peres Tem como objetivo prover uma comunicação entre dois processos de uma mesma sessão que estejam rodando em computadores dentro da mesma rede ou não.

Leia mais

WWAN DE BANDA LARGA: VANTAGENS PARA O PROFISSIONAL MÓVEL

WWAN DE BANDA LARGA: VANTAGENS PARA O PROFISSIONAL MÓVEL ARTIGO WWAN DE BANDA LARGA WWAN DE BANDA LARGA: VANTAGENS PARA O PROFISSIONAL MÓVEL Cada vez mais, a conectividade imediata de alta-velocidade é essencial para o sucesso dos negócios bem como para a eficiência

Leia mais

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA 2 Camadas NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática Aplicação Transporte

Leia mais

Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito

Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito Tabela de endereçamento da rede IP da rede: Mascara Broadcast 192.168.1.0 255.255.255.192 192.168.1.63 Distribuição de IP S na rede Hosts IP Configuração

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

Capa. Redes de Acesso à Internet Móvel. Perspectiva dos operadores FWA

Capa. Redes de Acesso à Internet Móvel. Perspectiva dos operadores FWA Capa Redes de Acesso à Internet Móvel Perspectiva dos operadores FWA Sonaecom Engenharia de Acesso Rádio Tecnologias Wireless Leiria, 3 de Maio de 2006 Sonaecom EAR / TW I David Antunes I 03/Maio/2006

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS

TRANSMISSÃO DE DADOS TRANSMISSÃO DE DADOS Aula 5: Comutação Notas de aula do livro: FOROUZAN, B. A., Comunicação de Dados e Redes de Computadores, MCGraw Hill, 4ª edição Prof. Ulisses Cotta Cavalca

Leia mais

6 Trabalhos Relacionados

6 Trabalhos Relacionados 6 Trabalhos Relacionados 55 6 Trabalhos Relacionados Para avaliar o desempenho da arquitetura DiffServ em prover qualidade de serviços em redes IP, uma série de experimentos tem sido realizados por vários

Leia mais

2 Tecnologia LTE. 2.1. Arquitetura da Rede. 2.1.1. Enhanced Base Stations

2 Tecnologia LTE. 2.1. Arquitetura da Rede. 2.1.1. Enhanced Base Stations 2 Tecnologia LTE 2.1. Arquitetura da Rede Existe há alguns anos uma tendência para que as redes migrem os serviços que utilizam circuit switch (CS) para uma rede baseada totalmente em IP, packet switch

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Controle de Congestionamento

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Controle de Congestionamento Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Controle de Congestionamento Professor Rene - UNIP 1 Revisão... Segmento A unidade de dados trocada entre as entidades de transporte é denominada

Leia mais

2. Tecnologia LTE (Long Term Evolution)

2. Tecnologia LTE (Long Term Evolution) 23 2. Tecnologia LTE (Long Term Evolution) O LTE (Long Term Evolution) surge como uma evolução das redes 2G (GSM) e 3G (UMTS) existentes. Espera-se que o LTE seja capaz de absorver, eficientemente o crescente

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Comunicação de Dados Aula 1 Agenda Apresentação da Disciplina Introdução Tipos de Redes Arquiteturas de Redes Nivelamento

Leia mais

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos O conceito de rede segundo Tanenbaum é: um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações

Leia mais

2 Controle de Congestionamento do TCP

2 Controle de Congestionamento do TCP 2 Controle de Congestionamento do TCP 17 2 Controle de Congestionamento do TCP A principal causa de descarte de pacotes na rede é o congestionamento. Um estudo detalhado dos mecanismos de controle de congestionamento

Leia mais

Roteador Sem Fio. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Roteador Sem Fio. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Roteador Sem Fio Prof. Marciano dos Santos Dionizio Roteador Sem Fio Um roteador wireless é um dispositivo de redes que executa a função de um roteador mas também inclui as funções de um access point.

Leia mais

Evolução Telefonia Móvel

Evolução Telefonia Móvel 1 Evolução Telefonia Móvel RESUMO De modo geral o artigo visa esclarecer formas de comunicações utilizadas no passado e atualmente em celulares, tablets, modens portáteis entre outras aparelhos de comunicação

Leia mais

Desempenho de Redes Móveis M 3.5G

Desempenho de Redes Móveis M 3.5G 1 Desempenho de Redes Móveis M 3.5G André Afonso Dias, Ricardo Franco Nuno Cota, António Rodrigues 1.º Seminário do Comité Português da URSI Radiocomunicações Novos paradigmas e impacto na saúde Lisboa,

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

Capítulo 4 Gerência do Processador. O que sabemos é uma gota, o que ignoramos é um oceano. Isaac Newton

Capítulo 4 Gerência do Processador. O que sabemos é uma gota, o que ignoramos é um oceano. Isaac Newton Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Instituto de Engenharia de Sistemas e Tecnologias da Informação IESTI CCO 004 Sistemas Operacionais Prof. Edmilson Marmo Moreira 4.1 Introdução Capítulo 4 Gerência

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA APLICAÇÃO: 14/9/2014

PADRÃO DE RESPOSTA APLICAÇÃO: 14/9/2014 DISSERTAÇÃO Espera-se que o candidato redija texto dissertativo acerca da evolução das redes de comunicação e da infraestrutura destinada para a provisão de novos serviços, abordando, necessariamente,

Leia mais

LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced

LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced Hartur Barreto Brito - hbb@ecomp.poli.br Felipe Jorge Pereira - fjp@ecomp.poli.br 2014.2 1 Introdução O LTE (Long Term Evolution) é a nova geração

Leia mais

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE 1/5 PROTOCOLOS DE O Modelo OSI O OSI é um modelo usado para entender como os protocolos de rede funcionam. Para facilitar a interconexão de sistemas de computadores, a ISO (International Standards Organization)

Leia mais

Cartilha Explicativa sobre o Software de Medição de Qualidade de Conexão (Serviço de Comunicação Multimídia)

Cartilha Explicativa sobre o Software de Medição de Qualidade de Conexão (Serviço de Comunicação Multimídia) Cartilha Explicativa sobre o Software de Medição de Qualidade de Conexão (Serviço de Comunicação Multimídia) Cartilha disponibilizada em atendimento ao disposto na Resolução Anatel n.º 574/2011 Página

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações Enlaces de comunicação: fibra, cobre, rádio,

Leia mais

Mobilidade em Redes 802.11

Mobilidade em Redes 802.11 Mobilidade em Redes 802.11 Prof. Rafael Guimarães Redes sem Fio Aula 14 Aula 14 Rafael Guimarães 1 / 37 Sumário Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 O protocolo MAC 802.11 3 Quadro 802.11 4 802.11: Mobilidade

Leia mais

Capítulo 1: Redes de computadores e a Internet. Capítulo1. Redes de. computadores. computador. e a Internet. es e a Internet

Capítulo 1: Redes de computadores e a Internet. Capítulo1. Redes de. computadores. computador. e a Internet. es e a Internet Redes de computadores e a Internet Capítulo : Capítulo Redes de Redes de computadores computador e a Internet es e a Internet O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros

Leia mais

NETCOM 2007 PALESTRA:

NETCOM 2007 PALESTRA: NETCOM 2007 PALESTRA: SOLUÇÕES DE COBERTURA INDOOR PARA APLICAÇÕES WIMAX Marcelo Yamaguchi RFS Radio Frequency Systems Página 1 de (6) INTRODUÇÃO A demanda cada vez maior por portabilidade, mobilidade,

Leia mais

Treze razões pelas quais uma rede wireless é lenta

Treze razões pelas quais uma rede wireless é lenta Treze razões pelas quais uma rede wireless é lenta April 29, 2008 No meu último ano de graduação tenho estudado redes sem fio. Confesso que não gostava muito desse assunto mas, passando a conhecê-lo um

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Frame Relay. Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06. José Ruela. Serviços de Suporte em Modo Trama

Frame Relay. Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06. José Ruela. Serviços de Suporte em Modo Trama Frame Relay Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06 José Ruela Serviços de Suporte em Modo Trama A expressão Frame Relay é habitualmente usada, em sentido lato, para designar serviços baseados

Leia mais

Como medir a velocidade da Internet?

Como medir a velocidade da Internet? Link Original: http://www.techtudo.com.br/artigos/noticia/2012/05/como-medir-velocidade-da-suainternet.html Como medir a velocidade da Internet? Pedro Pisa Para o TechTudo O Velocímetro TechTudo é uma

Leia mais

4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170

4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170 4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído Objetivo: Método: Ao final desta Tarefa você: Estará familiarizado com o conceito de ruído. Será capaz de descrever o efeito do Ruído em um sistema de comunicações digitais.

Leia mais

Módulo 16 Redes sem Fio (Wireless)

Módulo 16 Redes sem Fio (Wireless) Módulo 16 Redes sem Fio (Wireless) A comunicação sem o uso de cabo já existe a milhares de anos, como exemplo mais antigo temos a fala e a comunicação através de gestos. No mundo computacional o conceito

Leia mais

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia O Sistema Operacional que você usa é multitasking? Por multitasking, entende-se a capacidade do SO de ter mais de um processos em execução ao mesmo tempo. É claro que, num dado instante, o número de processos

Leia mais

Sistemas de Telecomunicações I

Sistemas de Telecomunicações I Introdução aos Sistemas de Telecomunicações José Cabral Departamento de Electrónica Industrial Introdução aos Sistemas de Telecomunicações 1-16 Introdução aos Sistemas de Telecomunicações Tópicos: Redes

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Bruno Silvério Costa

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Bruno Silvério Costa Subcamada de Controle de Acesso ao Meio Bruno Silvério Costa 1. O Problema de Alocação do Canal Alocação estática de canais em LANs e MANs Alocação dinâmica de canais em LANs e MANs 1.1 Alocação dinâmica

Leia mais

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long 16 1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long Term Evolution) e WiMAX [11]. A tecnologia LTE é um

Leia mais

Comunicando através da rede

Comunicando através da rede Comunicando através da rede Fundamentos de Rede Capítulo 2 1 Estrutura de Rede Elementos de comunicação Três elementos comuns de comunicação origem da mensagem o canal destino da mensagem Podemos definir

Leia mais

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço.

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. O que se deve considerar no planejamento de uma rede multi-serviço? Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. Jorge Moreira de Souza Doutor em Informática

Leia mais

Protocolos de Redes Revisão para AV I

Protocolos de Redes Revisão para AV I Protocolos de Redes Revisão para AV I 01 Aula Fundamentos de Protocolos Conceituar protocolo de rede; Objetivos Compreender a necessidade de um protocolo de rede em uma arquitetura de transmissão entre

Leia mais

REPLICACÃO DE BASE DE DADOS

REPLICACÃO DE BASE DE DADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO - NPGE REPLICACÃO DE BASE DE DADOS BRUNO VIEIRA DE MENEZES ARACAJU Março, 2011 2 FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

Cobertura de RF em Redes WI-FI

Cobertura de RF em Redes WI-FI Cobertura de RF em Redes WI-FI Este tutorial apresenta as alternativas para estender a área de cobertura de redes locais sem fio com ênfase na utilização de cabos irradiantes. Marcelo Yamaguchi Pós-graduado

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 7 Na minha opinião o telemovél na sociedade tem uma boa vantagem porque com tem uma grande mobilidade (pode-se levar para todo o lado), através dele podemos entrar em contacto com amigos ou familiares

Leia mais

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Instrumentação Eletrônica Professor: Luciano Cavalcanti MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Este

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Nível Físico (1)

Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Nível Físico (1) Modelo de Referência OSI OSI (Open Systems Interconnection) Criado pela ISO (International Standards Organization) É um modelo abstrato que relaciona funções e serviços de comunicações em sete camadas.

Leia mais

PEL/FEN Redes de Computadores 2015/1 Primeira Lista de Exercícios Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein

PEL/FEN Redes de Computadores 2015/1 Primeira Lista de Exercícios Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein PEL/FEN Redes de Computadores 2015/1 Primeira Lista de Exercícios Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein 1) Descreva os tipos de topologias utilizadas em redes de computadores, destacando suas principais vantagens

Leia mais

Rádio Troncalizado Terrestrial Trunked Radio (TETRA): Fatores Relevantes na Integração entre Redes

Rádio Troncalizado Terrestrial Trunked Radio (TETRA): Fatores Relevantes na Integração entre Redes Rádio Troncalizado Terrestrial Trunked Radio (TETRA): Fatores Relevantes na Integração entre Redes Este tutorial apresenta o padrão de rádio troncalizado TETRA (Terrestrial Trunked Radio), desenvolvido

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Capa. Redes de Acesso à Internet Móvel. Perspectiva dos operadores móveis

Capa. Redes de Acesso à Internet Móvel. Perspectiva dos operadores móveis Capa Redes de Acesso à Internet Móvel Perspectiva dos operadores móveis Sonaecom Engenharia de Acesso Rádio Tecnologias Wireless Leiria, 3 de Maio de 2006 Sonaecom EAR / TW I David Antunes I 03/Maio/2006

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF-108 Segurança da Informação Segurança em Redes Sem Fio Prof. João Henrique Kleinschmidt Redes sem fio modo de infraestrutura estação-base conecta hospedeiros móveis à rede com fio infraestrutura de

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com ARQUITETURA ISDN (Integrated Services Digital Network)

Leia mais

Redes de Computadores_Marcelo Furtado Pratica 2- Qualidade de serviços

Redes de Computadores_Marcelo Furtado Pratica 2- Qualidade de serviços Redes de Computadores_Marcelo Furtado Pratica 2- Qualidade de serviços Tarefas: 1) Explicar os seguintes mecanismos e conceitos do protocolo TCP: 1. Slow Start Slow start é um mecanismo do TCP desenvolvido

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 3-1. A CAMADA DE REDE (Parte 1) A camada de Rede está relacionada à transferência de pacotes da origem para o destino. No entanto, chegar ao destino pode envolver vários saltos em roteadores intermediários.

Leia mais

ATM. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

ATM. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Orientado à conexão Modo assíncrono* Comutação por Células ATM Aplicações que requerem classes de qualidade de serviço diferenciadas Pacotes de tamanho fixo

Leia mais