FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$!

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$!"

Transcrição

1 FOZDOIGUAÇU,2015! XXVIENANGRAD A LOGÍSTICA DENTRO DA CONSTRUÇÃO ENXUTA: ESTUDO DE CASO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA. LARISSE OLIVEIRA COSTA Andriele Pinto de Amorim

2 ÁreaTemática GESTÃODEOPERAÇÕESELOGÍSTICA GOL ALOGÍSTICANACONSTRUÇÃOENXUTA:ESTUDODECASOEMUMACONSTRUTORA DEFORTALEZA.

3 RESUMO Dentrodaabordagemdagestãodecadeiadesuprimentos,esteartigoabordaráatravésdeum estudodecasosobreumaconstrutoradefortaleza,comofilosofiascomoojustintimepode estarcorrelacionadocomaeficiêncialogísticaemempresasdediversossetores.oobjetivodo trabalho é identificar a influência da filosofia do Just In Time na atividade de produção da construção civil? Para responder a pergunta em questões foram abordadas algumas teorias comoaprodução,alogisticaeafilosofiadojustintimeekanban.pormeiodadescriçãode práticasrelacionadasàimplantaçãodeferramentasderacionalizaçãodeestoqueeotimização deprocessosconstrutivosficaevidentecomoasempresastemobtidoresultadosdamigração do pensamento tradicional para um novo olhar sobre as atividades produtivas, inclusive a logística. PalavrasEchaves:Construçãocivil.Logística.Just0in0time. ABSTRACT Withinthesupplychainmanagementapproach,thisarticlewilladdressthroughacasestudyof a construction of Fortaleza, as philosophies such as Just in time can be correlated with the logisticsefficiencyinvarioussectors.theobjectiveistoidentifytheinfluenceofthephilosophy ofjustintimeintheconstructionproductionactivity?toanswerthequestioninissueshave beenaddressedsometheoriesasproduction,logisticsandthephilosophyofjustintimeand kanban.bydescribingpracticesrelatedtodeployinginventoryrationalizationandoptimization toolsofconstructionprocessesitisevidentascompanieshaveobtainedresultsofthemigration ofthetraditionalthinkingforanewlookonproductiveactivities,includinglogistics. Keywords:Construction.Logistics.Just[in[time.

4 INTRODUÇÃO Atualmenteasempresastêmapresentadodeváriasformasasuapreocupaçãocoma intensa concorrência, característica do mercado contemporâneo. Assim, diminuir custos por meio da otimização de atividades produtiva é um grande desafio para empresas de vários setores. A produção atividade em que se transformam[se matérias primas por meio da utilização de mão de obra e diversos outros insumos em bens e serviços fora aos poucos sendorepensadasafimdetrazeremmelhoresretornos. Na medida em que os processos produtivos evoluem, com intensa influencia de filosofias que se tornaram bastantes conhecidas em todo o mundo, houve também a preocupação de se repensar à gestão de outras atividades ligadas a produção, como por exemplo,alogística.noentanto,paraquehouvesseaefetivaçãodefilosofiascomoojustin time,coubeasetorescomoaconstruçãocivil,migrardeumpensamentotradicionalparauma novamentalidade. A construção civil fora há muito tempo reconhecida por seu baixo nível de planejamento e improviso que redundava em resultados negativos como o desperdício, por exemplo.assimapósapercepçãodasvantagensdainserçãodafilosofiadaproduçãolimpae depoisdeintensosestudossobreaaplicabilidadedeferramentasleannosetorconstrutivouma nova filosofia surge: a construção enxuta. Esta pratica que tem por objetivo a redução de desperdícios na construção por meio da implantação de ferramentas como kanbans, dentre outros,temtragodiversosbenefícios. Indaga[se por meio deste estudo, qual a influência da filosofia do Just In Time na atividadedeproduçãodaconstruçãocivil? Tendoemvistaaimportânciadareduçãodedesperdícioseaotimizaçãodeprocessos produtivosdaconstruçãocivilestetrabalhopretendedemostrarpormeiodeumestudodecaso em uma construtora situada na cidade de Fortaleza à importância do Just in time para a logística. De forma especifica pretende[se reconhecer as várias práticas ligadas à produção enxutanaempresa. 1. REFERENCIALTEÓRICO 1.1.GESTÃODAPRODUÇÃOELOGÍSTICA Aadministraçãodasempresasésubdivididaemdiversasfunçõesenelaseencontraa gestão ou administração da produção. Conceitua[se Administração da Produção como o campo do conhecimento que cuida do planejamento, da organização e do controle da produção industrial e da prestação de serviço. Pode[se entender a produção, como um sistemaondeelementosfísicosedeinformaçãointeragementresicomoobjetivodegerarum bemouserviço(moreira,2012,p.16). Por estarem presentes em um ambiente competitivo, as operações produtivas são impactadas e diversos outros processos vão se tornando estratégico para a eficiência em produção das organizações. Tratando[se da gestão da produção a logística é uma área extremamente importante para a correta efetivação de seu sistema. Assim, fala[se em racionalização das atividades logísticas que propõe como as empresas podem aperfeiçoar recursos de suprimento, estoques e distribuição de produtos ao planejarem, organizarem e controlarem suas atividades, objetivando proporcionar níveis adequados de serviços a seus clientes,ondealogísticaenvolvedesdeachegadadematériaprimaatéadisposiçãofinalpara ousoouconsumodebens(pozo,2010). Tendo em consideração diversas características da dinâmica mercadológica, que colocamasempresasemsituaçõesdedeclínioeconômicoequeaslevamavoltarem[seao Governo, chama[se a atenção para o fato de que, se as empresas buscassem tornarem[se maiseficientesnamanutençãodaqualidadedesuasoperaçõesseriapossívelque aspolíticas adotadasparasobrevivênciaalevassemaocrescimento.(dias,2010).paraoautor,umdos

5 fatores relevantes nesse processo de melhoria são a inclusão e dinamização do sistema logístico.assimdiversossetorescomo,porexemplo,aconstruçãocivildeveavançarnabusca porumamelhoreficiênciaprodutivamelhorandoseusprocessoslogísticos. A indústria da construção fora por muito tempo associada a desperdício e falta de inovaçõesdadoaumlongoperíododepoucaconcorrência,resultandoempoucaimportância dadaàlogística.noentanto,nocenárioatualdeintensaconcorrêncianosetor,alogísticavem recebendo maior atenção e se tornando uma atividade essencial para a sobrevivência de empresasdosetor(barbosammunizmsantos,2008). Para esses autores, a aplicação da logística na construção civil pode ser feita de maneirasemelhanteaousopelasindústriasmanufatureiras,ondeocanteirodeobraspodeser identificadocomoumaunidadeprodutivaporabrangeremtodaasuacadeiadesuprimentos diversasatividadesquevãodesdemanuseiosáarmazenagem. Dadaà realidademercadológica, alogísticaestáassociadaao esforçoporpartedos gestores,naprocurade umavantagemcompetitivasustentáveledefensável.dessaformaa gestãodacadeiadesuprimentospropõeauniãodasdiversasenergiaspresentesemtodaa cadeia produtiva, pretendendo dentre outras coisas a redução de custos, por meio da agregação de valor aos produtos finais por meio da: 1.redução de volume de transações de informaçõesm2.custosdetransporteeestocagemem3.diminuiçãodavariabilidadedademanda deprodutoseserviçosfinais(pozo,2010). 1.2.Evoluçãodosprocessosprodutivos:JustInTime Existem diversos tipos de produção que apresentam diversas características, dentre elas o volume e variação dos tipos de produtos. Dessa forma são sistemas de produção: sistema de produção por projetom de produção intermitente e de produção contínua. Todos esses processos são conhecidos como sistemas clássicos de produção, característico do século XX. No entanto, com o passar do tempo a gestão da produção recebeu diversas contribuições quando atividades como desperdício, eram vistos como uma conseqüência normal da ação produtiva. Dessa forma, uma nova filosofia surge com o pensamento de racionalizarosprocessosprodutivosojustintime.(moreira,2012) No decorrer da evolução do pensamento produtivo esse conceito influenciou as empresasnabuscaporummelhordesempenhoemsuasoperaçõeslogísticaseareduçãode desperdíciosemdiversossetorescomoéocasodaconstruçãocivil.estafilosofiadeprodução baseia[se na eliminação de todo desperdício e na melhoria contínua da produtividade (ARNOLD,1999). AsindústriasdeveículosforampioneirascomousuáriasdoJustintimeemsuaslinhas de montagem depois do seu surgimento no Japão na década de 70 e expandido para o ocidenteumadécadadepois,ondeametado zeroestoque propiciouaagregaçãodetrês elementos primordiais a produção japonesa: redução de tempo, alta qualidade e preços competitivos(dias,2010). Um dos princípios fundamentais da produção enxuta é a ideia de agregar valor, segundo Arnold (1999), muitas atividades aumentam custos sem adicionar valor e, tanto quantoforpossível,essas atividadedevesereliminada.essasatividadesquenãoagregam valorpodemestarpresentesemdiversasetapassejanoprocesso,movimentação,eestoque porexemplo. AfimdeseatingirasmetasdosistemaJIT,diversasferramentasforamcriadasafim detornaraidéiaemprática.okanbanéreconhecidocomoumadastécnicasmaisutilizadas onde este pode ser definido como um instrumento que interpreta de forma prática os as filosofiasdessesistema.pormeiodokanbanoucartão,pode[seidentificar,entendereajustar os processos produtivos, sem todavia interromper fluxo de trabalho. Associado ao planejamento de produção, programa[mestre e etc o kanban dentro do sistema JIT pode promoverintensasmelhoriaseminimizaçãodedesperdícios(dias,2010).

6 Com a evolução do pensamento da produção enxuta, e sua ampla aplicação, percebeu[se ao longo do tempo que esta poderia também ser aplicada à construção civil, apesar das diversas diferenças entre o canteiro de obras e uma linha de produção. Lauri Koskela,pesquisadorfinlândesfoioresponsávelporfundamentarumateoriaqueaplicasseos conceitosdoleanproductionàconstrução,seriaoleanconstruction(koskela,1992citado pormourãomvalente,2013). A eliminação de desperdício é possível graças à três componentes básicos segundo Pozo,(2010)quedevemserestabelecidos: Balanceamentosincronizadoefluxonoprocessodeproduçãom Açãoemrelaçãoàqualidadepriorizandoaidéiade fazercertodaprimeiravez. em Envolvimentodetodososfuncionários. A atividade construtiva envolve diversas particularidades que puderam ser interpretadas em diversos princípios, peculiares à construção enxuta. Primeiramente, reconhece que algumas atividades não agregam valor ao processo, devendo estas serem reduzidasm em seguida, reconhece[se que agrega[se valor ao produto ao considerar as necessidadesdosclientesmtambémasvariabilidadesdosprocessosdevemserreduzidas,bem como o tempo do ciclo de produção globalm enfatiza[se também que, partes do processo podemserreduzidasobjetivandoumaracionalizaçãodoprocesso,aumentandoaflexibilidade e saída do produto e ainda a transparência dos processosm deve haver um foco no controle global do processo, introduzindo melhoria contínua do processo. E, tudo isso deve ser motivado pela busca pelo equilíbrio entre a melhoria de atividades de fluxo de conversão e considera[sequeaempresadevaprezarpelarealizaçãodebenchmarking(issatoet.al,2000 apudmourãomvalente,2013) 2METODOLOGIA O estudo foi realizado em uma empresa do setor da construção civil, sediada em Fortaleza/CE que atua há mais de três décadas com foco na construção de edifícios residenciaisparaclassesaeb,apresentandocomofilosofiadegestãoa evoluçãocontínua de seus processos por meio da continuidade e aprimoramento da qualidade de suas edificaçõeseinovaçãoabsorvendoaspráticasmaismodernasdeconstruçãocomoaprodução enxutaeconstruçãosustentável. Emrelaçãoàclassificaçãoestapesquisaéqualitativa.Apesquisaqualitativaéusada quandonãosetornapossívelquantificarasinformaçõesobtidas.poressarazãoaanálisedos dados será feita de forma indutiva (MATIAS, 2012). Esta pesquisa é classificada como qualitativa pelo fato de se buscar uma visão ampla e compreensão do tema em questão de formasubjetiva. Existem diferentes tipos de pesquisa, sendo estas classificadas segundo alguns critérios. Vergara (2013) classifica as pesquisas quanto aos fins e quanto aos meios. Na classificação quanto aos fins pode ser a) exploratóriam b) descritivam c) explicativam d) metodológicam e) aplicada e f) metodológica. Quanto aos meios: a) pesquisa de campom b) pesquisa de laboratóriom c) documentalm d) bibliográficam e) experimentalm f) ex post factom g) participantemh)pesquisaaçãoei)estudodecaso. Estapesquisasegundoaclassificaçãoacimaéquantoaosfinsdescritivaequantoaos meios,bibliográficaeestudodecaso.comopesquisadescritivatemporobjetivodescreveras informaçõessobreaorganização.segundocollis(2005)apesquisadescritivaestárelacionada aumfenômenoondeestabuscadescrevercomoestesecomportaetememseucontextoum problemaouquestãousadaparaaidentificaçãoeobtençãodeinformaçõesdeste. Emsegundolugarapesquisaébibliográfica,poisseutilizoudemateriaispublicados anteriormente em catálogos e endereços eletrônicos disponíveis pela a empresa. Rodrigues (2007, p.44) conceitua esse tipo de pesquisa pesquisa bibliográfica é a pesquisa limitada á buscadeinformaçõesemlivroseoutrosmeiosdepublicação.

7 Esta pesquisa ainda classifica[se como estudo de caso, pois descreve as características da empresa de forma descritiva. Segundo Cooper (2011, p.186) o estudo de caso é uma metodologia de pesquisa poderosa que combina entrevistas individuais e (ás vezes)emgrupocomanálisederegistroseobservação.oprocessorelacionadoácoletade dados foi realizado por meio de consulta à material bibliográfico publicado e cedido pela empresaqueapresentadiversaspráticasdaconstrutoraeexperiênciasdousodafilosofialean ebemcomoabordaváriosexemplosdepráticasdeconstruçãosustentável. 3ESTUDODECASO O entendimento da filosofia de produção enxuta como modelo de gestão para a construtora estudada iniciou[se ainda em 2004 quando a empresa teve a oportunidade de participardeumtreinamentopromovidopelainovacon,programadeinovaçãodaindústria daconstruçãocivildoestadodoceará.percebeu[sequeosprincípiosdaconstruçãoenxuta através da proposta de agregar valor aos clientes e busca pela melhoria contínua eram compatíveiscomamentalidadedaculturadaconstrutoraqueéaevoluçãocontínua.entãoá partirdoaprofundamentodessafilosofiaoprocessodeimplementaçãodoleanconstruction noscanteirosdeobrasiniciou[se(mourãomvalente,2013). Afilosofiadaproduçãoenxutaconferiuaempresaànecessidadedeadaptaçãocom exemplo,podesercitadodeaprimoramentodeseuplanejamentoadotandoápartirdeentãoa metodologiadeplanejamentoecontroledaproduçãohierarquizado,ondeosplanejamentosde longo, médio e curto prazo são claramente definidos. A partir disso, diversas ferramentas e práticas foram adotadas para que fosse implementado a nova filosofia de construção. (MOURÃOmVALENTE,2013) Nesse processo diversas atividades logísticas foram influenciadas e melhoradas por meiodousodekanbansdeestoqueeargamassa,defluxodemateriais,supermercadosnos almoxarifadosdentreoutros. 4Resultadosdapesquisa Aseguirsão apresentadosadescriçãodealgumaspráticasreferenteàaplicaçãode ferramentas da filosofia lean na empresa estudada. Ressalva[se aqui que o texto a seguir encontra[se tal qual está escrito no material cedido pela empresa, seguidos de suas respectivaspáginasparaconsultasposteriores. 4.1Gerenciadordekanbansdeargamassa Ogerenciadordekanbansdeargamassaéumaferramentaqueseencontrabastante consolidada na C.Rolim Engenharia. Trata[se de um painel que possibilita organizar a produçãodeargamassaportempoequantidade. Os funcionários colocam em um cartão informações relacionados a quantidade de traços,tipodetraço,localdeentregadesejadoenomedaequipe.emseguidaoinseremem um quadro com demarcações de horários, pra que horas do dia anterior seja necessária a utilizaçãodestetraço,afimdequeobetoneiroresponsáveljátenhaemmãospelamanhãas primeirassolicitaçõesenãohajaentregadostraços.asolicitaçãodekanbansnoquadrode gerenciamento possibilita ao betoneiro o nivelamento de sua produção diária, garantindo abastecimentouniformeatodasasequipesdaprodução. Ao longo do dia referente ao período, o betoneiro carrega as giricas e as indentifica com argolas correspondentes ao tipo de argamassa e placas referentes ao pavimento onde serádeixadoomaterial,conformeinformaçõesfornecidasaokanban.dessaformaofluxode informaçõesindependedacomunicaçãooral,poisoresponsávelpelotransporteverticaldestas giricastemconhecimentodeondedeixa[lassemmesmotrocarumapalavracomobetoneiro queaspreencheucomostraços.estacomunicaçãoéclaraeevitaquaisquermalentendidos. Apartirdestaferramenta,foigeradaumanovaorganizaçãonofluxodeinformaçõese gerenciamento dos pedidos de argamassa, provocando a diminuição de desperdícios antes

8 cometidos pela falta de identificação e má comunicação. Logo a diminuição no tempo de produçãodepedidosfoinotadaemenosmaterialfoiconsumido.quantomenoramargemde erro,menosdesperdícios. 4.2Kanbansdeestoquemínimo OKanban de estoque mínimo é uma sinalização de cor. Este deve ser devidamente calculadoparaosprincipaisinsumosdaobra,aquelesdeusofrequente,comotijolos,cimento, areia grossa, areia fina e brita, de modo a garantir um abastecimento de até dois dias de consumonaobra,nocasointernodaempresa,afimdequeosresponsáveispelaaquisição dessesmatériaistenhamtemposuficienteparaentraremcontatocomofornecedorereceber novoestoque,impedindoasquebrasdeatividadesdaobra. Seu funcionamento é simples: se o estoque atual da obra é superior ao estoque mínimocalculado,okanbanutilizadoparaoinsumoédecorverde,significandoabastecimento satisfatório.seoestoqueatualdaobraéinferioraoestoquemínimocalculado,ocolaborador que se utiliza deste material sinalizará ao seu colaborador fornecedor de material que o estoque está baixo e necessita de reabastecimento através de um kambam de coloração vermelha. 4.3Kanbandemateriais O kanban de materiais é uma ferramenta lean implementada recentemente pela empresa.suaideiapartiudeumaevoluçãodekanbandeargamassa,afimdeabrangeroutros materiais de grande importância na obra e que possuem fluxo vertical constante para os pavimentosemprodução,como,porexemplo,porcelanato,cerâmicasedivisóriasdegesso. Similarmenteaopapeldegerenciamentodekanbansnacentraldeargamassa,háum paineldegerenciamentodoskanbansdematerial,ondeestessãodepositadosnatardedodia anterioroupelamanhã,pelasequipesdeprodução,eoresponsávelpelofluxodemateriaisna obragerenciaestepaineleodevidoabastecimentonospavimentos. 4.4Organizaçãoetransparênciadeestoque Ocontrolevisualdeestoquesfacilitamuitoasatividadesnaobra,poisgarantequeo conhecimentodasquantidadeselocalizaçãodosmateriaisnãofiquecentralizadonopapeldo almoxarife, ou seja, descentraliza[se o conhecimento e a atividade não fica completamente dependentedeumfuncionário. A fim de estabelecer um padrão de organização para os almoxarifados da C.Rolim Engenhariaforamadotadasasseguintespráticas: Organizaçãodomatricialdosmateriais,comouma batalhanaval sobreasprateleiras, onde cada material recebe uma letra e um número correspondente a uma linha e colunanaprateleira.oalmoxarifadopossuiummanualdelocalizaçãodemateriais queinformaocódigo(letra+número)decadamaterial,depossedoalmoxarifeeseus auxiliaresm Leitorópticonosalmoxarifadosparafacilitaraentradaesaída(nosistemadecontrole) dos20insumosdemaiorfluxodentrodaobram Quadro de Ferramentas e Funcionários que torna bastante transparente que equipamentos estão sendo utilizados por quais funcionários e em que quantidade diariamentem Identificação dos estoques de materiais ao longo da obra (que não podem ser armazenadosdentrodosalmoxarifados). 4.5Just0in0timenoCanteirodeObras Normalmente,nahoradenegociarcertoprodutocomofornecedor,atenta[sebastante paraoseguintetripé:preço,prazoequalidadedoproduto.aformadeentregadoprodutonão éconsideradarelevantenomomentodenegociação.destaforma,ofornecedorentregarásua

9 mercadorianocanteirodeobrascomoacharconveniente,oque,diversasvezes,nãoéomais convenienteàobra. Istosedáporqueaobrapossuiumespaçolimitadoeinsatisfatórioparaestoquese, quantomaisestoquesdeprodutos,menosfrentedetrabalhoemaisprobabilidadedeavarias destematerial.alémdisso,comopreconizaafilosofialean,éprecisoreduzirosestoquesnos canteiros,paraquesepossamperceberosdiversosdesperdíciosinerentesàsatividades. O just0in0time é o principal pilar do Sistema Toyota de Produção e é um sistema de administração da produção que determina que nada deve ser produzido, transportado o compradoantesdahoracerta.defato,otermojust0in0timesignifica,eminglêsnahoracerta. Com este sistema, o produto ou matéria prima chega ao local de utilização ou produção somente no momento exato em que se fizer necessário, ou seja, os produtos somentesãofabricadosouentreguesatempodeseremvendidosoumontados.oidealéque não exista estoque parado. O próprio conceito do termo é relacionado à produção por demanda,ondeprimeiramentevende[seoprodutoparadepoiscompraramatériaprimaesó depoisfabricá[looumontá[lo. Por conta de todas as variabilidades inerentes à indústria da construção, é bastante difícil reduzir os estoques a hora de produção ou até segmentar uma grande compra em diversas pequenas compras (principalmente por conta da flutuação dos preços). Entretanto, umagrandecomprapodesersegmentadaemdiversaspequenasentregas,demodoatentar reduzir os volumes de estoques no canteiro, mas mantendo a produção satisfatoriamente abastecidaparaquaisquerproblemasdevariabilidades. AGerênciadeSuprimentoseLogísticaliderouumprocessodemelhoriasnaentrega detubulaçõesdepvcnaobralummi,comoprojetopilotoparaimplantaçãodojust0in0time.os objetivos envolvem, posteriormente, a evolução deste projeto para implantação do Milk Run, inclusive.osestudosseiniciaramcomomapeamentodofluxodevalordestematerialparao estado atual, dede a realização de seu quantitativo, devida solicitação junto ao fornecedor e entregadaobra. Emseguidafoiutilizada,umasoluçãoparaoestadofuturodestefluxodeatividades.A gerênciadesuprimentoselogística,aliadaàgerênciadobra,propôsacriaçãodeummaster Planparaasinstalaçõeseadefiniçãodelotesdeserviço,demodoquefossepossívelseparar o pedido dos diversos tipos de tubulação de acordo com a necessidade de execução no canteiro.alémdisso,foramdefinidasfrequênciasdeentregaqueatendessemàdeprodução daobra.estasfrequênciasforamacordadascomofornecedornoatodocontrato,demodoque ele pudesse entregar a mesma quantidade total de material com o mesmo preço de venda, masemperiódicasentregasprogramadas(enãotudodeumavez). Algunsbenefíciosjásãvisíveis,comoareduçãodeestoquesdetubulaçõesemPVC nocanteirodeobras,oqueébastantesignificativo,jáqueessematerialocupamuitoespaço. Aliberaçãodestaáreadeestoquerepresentamaisumafrentedeataqueparaprodução.Além disso, o controle e o cuidado deste material na obra também melhoraram, pois os grandes estoquesmascaravamodesperdíciodematerialeafaltadezelo. Algumas considerações, porém, são importantes de ressaltar para que o processo possafluircomoplanejadoepropiciarmelhoriasaindamaioresmexecutarapartamentomodelo conformeprojetoparaidentificarincompatibilidadesantesdasaquisiçõesparaoutasunidades privativasmfocarnasliberaçõesdosprojetosdeapartamentosdeapartamentoscustomizados juntoaosclientes,possibilitandoumavisãodelongoprazomaisrealistaeumaprogramação de demanda com variação menorm escolher os fornecedores certos (parceiros de materiais e serviços,incluindotambémprojetistas)medefinirumlídernaobraparacontroledoprojetojust0 in0time.

10 5CONCLUSÃO Nestetrabalhoprocurou[sepormeiodeumestudodecasoidentificarqualarelação entre a logística e os processos relacionados a processos construtivos, considerando a evoluçãodaimportânciadadaaossistemaslogísticosultimamente. Pode[se compreender por meio da análise de práticas da construtora que há a integração entre sistemas de produção e a otimização de sistemas logísticos por meio de filosofias como o Just0in0time. A interpretação da filosofia lean expressa pelo uso de várias ferramentascomokanbansetransparênciadeestoques. Portanto, pode[se perceber que o avanço de políticas de qualidade ligadas a várias ferramentas estratégicas que tem trago resultados consideráveis para a empresa como a reduçãodecustosemelhorgestãodocanteirodeobras.logo,considerandoaimportânciado tema em questão atualmente, recomenda[se que para os estudos posteriores uma maior explanaçãosobreotemaeusodeoutrasferramentasdepesquisacomoentrevistacomgestor de cadeia de suprimentos e se possível acesso a dados quantitativos e ainda a relação o levantamentodeinformaçõessobrelogísticareversa. REFERENCIAS ARNOLD,J.R.Administraçãodemateriais:umaintrodução.SãoPaulo:Atlas,1999. BARBOSA, AmMUNIZ,JmSANTOS,A. Contribuição da logística na indústria da construção civil brasileira. Revista de Ciências exatas[universidade de Taubaté. V.2, n.1, Disponívelem:< COLLIS,J.HUSSEY,R.PesquisaemAdministração.2.Ed.PortoAlegre:Bookman,2005. COOPER, D.Sm P.S. S Método de pesquisa em administração. 10. Ed. Porto Alegre: Bookman,2011. DIAS, M.A.P. Administração de materiais: uma abordagem logística. 5.ed. São Paulo: Atlas,2010. MATIAS.P.J.Manualdemetodologiadapesquisacientífica.3.Ed.SãoPaulo:Atlas,2012. MOREIRA,D.Administraçãodaproduçãoeoperações.SãoPaulo:Saraiva,2012. MOURÃO, C.Am VALENTE, C.P. Coletânea Lean & Green. Fortaleza: C.Rolim Engenharia, POZO, Hamilton. Administração de recursos materiais e patrimoniais: uma abordagem logística.6.ed.sãopaulo:atlas,2010. RODRIGUES,R.M.Pesquisaacadêmicacomofacilitaroprocessodepreparaçãodesuas etapas.sãopaulo:atlas,2007. VERGARA S.C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 14. ed. São Paulo: Atlas,2013,p.61.

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

Melhorias nos processos construtivos baseado no estudo dos fluxos físicos no canteiro de obra em uma empresa de Fortaleza

Melhorias nos processos construtivos baseado no estudo dos fluxos físicos no canteiro de obra em uma empresa de Fortaleza Melhorias nos processos construtivos baseado no estudo dos fluxos físicos no canteiro de obra em uma empresa de Fortaleza Alessandra Luize Fontes Sales (Engª. Civil) luize.sales@ig.com.br José de Paula

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 Rogério Carlos Tavares 1, José Luis Gomes da Silva² 1 Universidade de

Leia mais

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa 3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa Escolher o tipo de pesquisa a ser utilizado é um passo fundamental para se chegar a conclusões claras e responder os objetivos do trabalho. Como existem vários tipos

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP Índice 1. As quatro fases do PCP...3 1.1. Projeto de produção... 3 1.2. Coleta de informações... 5 1.3. Relação despesas/vendas...

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas Departamento de Administração Curso de Administração Av. Fernando Ferrari, 514 - Campus Universitário - Goiabeiras CEP.

Leia mais

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL MOREIRA, Fabiano Greter (FANOVA) BORGHI, Wagner (FANOVA) INTRODUÇÃO Quando pensamos em produtos para consumo ou matéria prima para industrialização, não importando sua

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO NAS ÁREAS DE QUALIDADE, MEIO AMBIENTE E DE SEGURANÇA DO TRABALHO EM EMPRESAS CONSTRUTORAS ALEMÃS

INTEGRAÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO NAS ÁREAS DE QUALIDADE, MEIO AMBIENTE E DE SEGURANÇA DO TRABALHO EM EMPRESAS CONSTRUTORAS ALEMÃS INTEGRAÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO NAS ÁREAS DE QUALIDADE, MEIO AMBIENTE E DE SEGURANÇA DO TRABALHO EM EMPRESAS CONSTRUTORAS ALEMÃS Kátia Regina Alves Nunes Engenheira Civil pela Universidade do Estado

Leia mais

2 METODOLOGIA DA PESQUISA

2 METODOLOGIA DA PESQUISA 2 METODOLOGIA DA PESQUISA A pesquisa, como toda atividade racional e sistemática, exige que as ações desenvolvidas ao longo de seu processo sejam efetivamente planejadas. Para Gil (1991), o conhecimento

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT Antonio Evangelino de Carvalho Soares Cintia Silvia Victor dos Santos Claudinei Candido Vieira Érica Natália Martins Silva Kátia Ribeiro dos Santos Marco Túlio

Leia mais

PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO

PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO 1 PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO Aline Silva SANTOS 1 RGM 088607 Andressa Faustino da SILVA¹ RGM 089712 Diego Dias dos SANTOS¹ RGM 087266 Tatiane Gomes dos SANTOS¹ RGM 089204 Viviane Regina

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA Daiane Milioli Dagostin 1 Wagner Blauth 2 RESUMO Atualmente as empresas

Leia mais

Logística e Valor para o Cliente 1

Logística e Valor para o Cliente 1 1 Objetivo da aula Esta aula se propõe a atingir os seguintes objetivos: 1. Discutir a importância do gerenciamento da interface entre marketing e logística. 2. Reconhecer a necessidade de entender os

Leia mais

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ABSTRACT

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ABSTRACT ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ANALYSIS OF APPLICATION OF PHILOSOPHY IN LEAN CONSTRUCTION COMPANIES

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE Atualizado em 03/12/2015 GESTÃO DA QUALIDADE As ideias principais que baseiam o significado atual da qualidade são, basicamente, as seguintes: Atender às expectativas,

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN Oportunidade ideal para gerar resultados reais na sua carreira e empresa. Capacitação com implementação prática de projeto KPO Fevereiro 2016 Informações

Leia mais

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11]

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Introdução Rogério Bañolas ProLean Logística Enxuta No artigo anterior, vimos uma seqüência recomendada para implementação, bem como uma explicação sucinta de como

Leia mais

Eixo Anhanguera-Bandeirantes virou polo lean, diz especialista

Eixo Anhanguera-Bandeirantes virou polo lean, diz especialista Eixo Anhanguera-Bandeirantes virou polo lean, diz especialista Robson Gouveia, gerente de projetos do Lean Institute Brasil, detalha como vem evoluindo a gestão em empresas da região O eixo Anhanguera

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

Logística Lean: exemplos apresentados no Lean Summit 2010

Logística Lean: exemplos apresentados no Lean Summit 2010 Logística Lean: exemplos apresentados no Lean Summit 2010 Autor: José Roberto Ferro Novembro de 2010 Ao adotar conceitos do Sistema Lean na logística, como Sistema Puxado, Milk Run e Rotas de Abastecimento,

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

Principais desafios do administrador de materiais na empresa atual Problema de manutenção do estoque:

Principais desafios do administrador de materiais na empresa atual Problema de manutenção do estoque: ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS A logística e a administração de materiais Logística é uma operação integrada para cuidar de suprimentos e distribuição de produtos de forma racionalizada, o que significa planejar,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Noções de Administração Pública 31. Processo pode ser conceituado como um conjunto de meios articulados de forma organizada para alcançar os resultados pretendidos e, nesse contexto,

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA COMPRA PRÓ-ATIVA NA FUNÇÃO DE COMPRAS DE EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

IMPLANTAÇÃO DA COMPRA PRÓ-ATIVA NA FUNÇÃO DE COMPRAS DE EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL IMPLANTAÇÃO DA COMPRA PRÓ-ATIVA NA FUNÇÃO DE COMPRAS DE EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Profa. Dra. Adriana de Paula Lacerda Santos - UFPR Prof. Dr. Antônio Edésio Jungles - UFSC Prof. Dr. Sérgio S Scheer

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS GESTÃO GESTÃO DE ESTOQUES (Parte 2) DEMANDA & CONSUMO Definição de Demanda: Demanda representa a vontade do consumidor em comprar ou requisitar um produto necessário na fabricação de um outro componente. Essa

Leia mais

Título do Slide Máximo de 2 linhas

Título do Slide Máximo de 2 linhas Título do Slide 13ª Seminário Internacional de Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de projetos na construção civil predial - uma proposta de modelo de gestão integrada GIULLIANO POLITO 19/09/2013 Título

Leia mais

O presente capítulo descreve a metodologia utilizada pela pesquisa e aborda os seguintes pontos:

O presente capítulo descreve a metodologia utilizada pela pesquisa e aborda os seguintes pontos: 3 Metodologia O presente capítulo descreve a metodologia utilizada pela pesquisa e aborda os seguintes pontos: A questão da pesquisa O tipo da pesquisa e metodologia utilizada A coleta dos dados e tratamento

Leia mais

Como o Manual de Planejamento e Avaliação de Projetos Sociais (FDC/POS) pode se integrar com o Guia do PMD-PRO 1?

Como o Manual de Planejamento e Avaliação de Projetos Sociais (FDC/POS) pode se integrar com o Guia do PMD-PRO 1? Como o Manual de Planejamento e Avaliação de Projetos Sociais (FDC/POS) pode se integrar com o Guia do PMD-PRO 1? Esse artigo corresponde ao Anexo 5 do Manual de Planejamento e Avaliação de Projetos Sociais

Leia mais

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MOTIVAÇÃO HUMANA - UM ESTUDO NA EMPRESA MAHRRY CONFECÇÕES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

Método: aulas expositivas, transparências e Estudo de Casos. Exercícios estruturados; Provas e trabalhos em grupo.

Método: aulas expositivas, transparências e Estudo de Casos. Exercícios estruturados; Provas e trabalhos em grupo. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CCJE Departamento de Administração Prof. Marcos Paulo Valadares de Oliveira marcos.p.oliveira@ufes.br ADM 2179 - Administração de Materiais - Programa 1 Semestre

Leia mais

Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história.

Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história. SISTEMA DE QUALIDADE EAD MÓDULO XIX - RESUMO Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história. Posteriormente, ocorreu a Revolução Industrial, em que a subsistência

Leia mais

Padronização de Fundo Fixo de Materiais para Parceiros do STC

Padronização de Fundo Fixo de Materiais para Parceiros do STC XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Padronização de Fundo Fixo de Materiais para Parceiros do STC André Luiz Mello de

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Áreas de decisão Instalações Capacidade de Produção Tecnologia Integração Vertical Organização Recursos Humanos Qualidade Planejamento e

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO SISTEMA CONSTRUTIVO DE GESSO ACARTONADO,"DRYWALL"

GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO SISTEMA CONSTRUTIVO DE GESSO ACARTONADO,DRYWALL GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO SISTEMA CONSTRUTIVO DE GESSO ACARTONADO,"DRYWALL" Maria de Fátima Gouvêa POUBEL Arquiteta, Professora de Edificações, Mestranda em Engenharia de Produção, pela Universidade Federal

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção

Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção Conceitos básicos Aula 09 Conteúdo do Módulo Aula 1 (30/04): Conceitos básicos Importância do Planejamento Lean Construction: conceitos e exemplos práticos Aula 2 (05/05):

Leia mais

Para que o trabalho no canteiro de obras flua, a conexão com a área de suprimentos é fundamental. Veja como é possível fazer gestão de suprimentos

Para que o trabalho no canteiro de obras flua, a conexão com a área de suprimentos é fundamental. Veja como é possível fazer gestão de suprimentos Para que o trabalho no canteiro de obras flua, a conexão com a área de suprimentos é fundamental. Veja como é possível fazer gestão de suprimentos estratégica e conectada ao canteiro na construção civil.

Leia mais

REGULAMENTO 5º PRÊMIO APEX-BRASIL DE EXCELÊNCIA EM EXPORTAÇÃO O BRASIL QUE INSPIRA O MUNDO

REGULAMENTO 5º PRÊMIO APEX-BRASIL DE EXCELÊNCIA EM EXPORTAÇÃO O BRASIL QUE INSPIRA O MUNDO REGULAMENTO 5º PRÊMIO APEX-BRASIL DE EXCELÊNCIA EM EXPORTAÇÃO O BRASIL QUE INSPIRA O MUNDO 1 DO PRÊMIO 1.1 Fica estabelecido o 5º Prêmio Apex-Brasil de Excelência em Exportação O Brasil que inspira o mundo,

Leia mais

Gestão como estratégia na formação de grupos artísticos

Gestão como estratégia na formação de grupos artísticos Gestão como estratégia na formação de grupos artísticos Aldo Valentim IA UNICAMP UNICAMP Mestrando em Artes Programa de Pós Graduação em Artes Consultor em Gestão Cultural Resumo: O presente artigo discorrerá

Leia mais

Planejamento Estratégico da Produção: Uma análise teóricoconceitual

Planejamento Estratégico da Produção: Uma análise teóricoconceitual Planejamento Estratégico da Produção: Uma análise teóricoconceitual Raphaela Fernandes de Almeida 1 (EPA, FECILCAM) rapha_bela@hotmail.com Caroline Oliveira de Souza 2 (EPA, FECILCAM) carol_souza_16@hotmail.com

Leia mais

ASPECTOS EXECUTIVOS, SURGIMENTO DE ANOMALIAS E QUALIDADE DAS ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO

ASPECTOS EXECUTIVOS, SURGIMENTO DE ANOMALIAS E QUALIDADE DAS ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA ASPECTOS EXECUTIVOS, SURGIMENTO DE ANOMALIAS E QUALIDADE DAS ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO Adrianderson Pereira

Leia mais

A NECESSIDADE DE UMA NOVA VISÃO DO PROJETO NOS CURSOS DE ENGENHARIA CIVIL, FRENTE À NOVA REALIDADE DO SETOR EM BUSCA DA QUALIDADE

A NECESSIDADE DE UMA NOVA VISÃO DO PROJETO NOS CURSOS DE ENGENHARIA CIVIL, FRENTE À NOVA REALIDADE DO SETOR EM BUSCA DA QUALIDADE A NECESSIDADE DE UMA NOVA VISÃO DO PROJETO NOS CURSOS DE ENGENHARIA CIVIL, FRENTE À NOVA REALIDADE DO SETOR EM BUSCA DA QUALIDADE ULRICH, Helen Departamento de Engenharia de Produção - Escola de Engenharia

Leia mais

FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO

FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO Douglas Lima 1 Lucas Rocco 2 Stefano Batista 3 Professor Orientador: André Rodrigues da Silva 4 Professor Orientador: Fábio Fernandes 5 Resumo A tendência

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA FERRAMENTA LINHA DE BALANÇO EM UMA OBRA INDUSTRIAL

IMPLANTAÇÃO DA FERRAMENTA LINHA DE BALANÇO EM UMA OBRA INDUSTRIAL IMPLANTAÇÃO DA FERRAMENTA LINHA DE BALANÇO EM UMA OBRA INDUSTRIAL Vanessa Lira Angelim (1); Luiz Fernando Mählmann Heineck (2) (1) Integral Engenharia e-mail: angelim.vanessa@gmail.com (2) Departamento

Leia mais

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola.

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola. Implicações da Expansão do cultivo da cana-deaçúcar sobre o município de Goiatuba Washington Pereira Campos8 Márcio Caliari9 Marina Aparecida da Silveira10 Resumo: A partir de 2004, ocorreu um aumento

Leia mais

Estratégias para a confecção de moda do futuro

Estratégias para a confecção de moda do futuro Anne Anicet Ruthschilling 1 Érica Arrué Dias 2 - SEPesq Estratégias para a confecção de moda do futuro 1. Introdução O design do século XXI aponta para a integração do design, tecnologia, inovação e sustentabilidade.

Leia mais

GTAE. Caderno. PDC Programa de Desenvolvimento de Construtoras. Alvenaria Estrutural com Blocos de Concreto BELO HORIZONTE

GTAE. Caderno. PDC Programa de Desenvolvimento de Construtoras. Alvenaria Estrutural com Blocos de Concreto BELO HORIZONTE 2 0 1 2 PDC Programa de Desenvolvimento de Construtoras Caderno de Ativos GTAE 5ºCiclo Alvenaria Estrutural com Blocos de Concreto BELO HORIZONTE GTAE Caderno de Ativos 5ºCiclo 1 Ficha Técnica: Gestão

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA DE PLANO DE CONTINGÊNCIA

A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA DE PLANO DE CONTINGÊNCIA A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA DE PLANO DE CONTINGÊNCIA Mariélle Fernanda Rosa da SILVEIRA 1 Mário Augusto Andreta CARVALHO² RESUMO: Este artigo discorre sobre a importância da Auditoria de Plano de Contingência

Leia mais

Gestão de Estoques em Materiais de uso Hospitalar: Análise de Modelo utilizado num Hospital Universitário Público (Estudo de Caso)

Gestão de Estoques em Materiais de uso Hospitalar: Análise de Modelo utilizado num Hospital Universitário Público (Estudo de Caso) Gestão de Estoques em Materiais de uso Hospitalar: Análise de Modelo utilizado num Hospital Universitário Público (Estudo de Caso) Edimar Alves Barbosa (UFCG) eab@cct.ufcg.edu.br Luciano Gomes de Azevedo

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA Redução de estoques em processos na linha de terminais móveis de pagamento eletrônico Renata da Silva Alves (Eng. De Produção - FAJ) alvesresilva@gmail.com Prof. Me. Eduardo Guilherme Satolo (Eng. De Produção

Leia mais

Sumário AS LIÇÕES DA HISTÓRIA 13. O que é a Ciência da Fábrica? 1 PARTE I. 1 A Indústria Norte-Americana 15

Sumário AS LIÇÕES DA HISTÓRIA 13. O que é a Ciência da Fábrica? 1 PARTE I. 1 A Indústria Norte-Americana 15 O que é a Ciência da Fábrica? 1 0.1 Uma resposta simples (A resposta curta) 1 0.2 Uma resposta mais elaborada (A resposta longa) 1 0.2.1 Foco: a gestão da produção 1 0.2.2 O escopo: as operações 3 0.2.3

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Gestão de Estoque Primárias Apoio 1 2 3 4 Conceitulizando Estoque ESTOQUES são grandes volumes de matérias

Leia mais

ANÁLISE DA SITUAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DO ESTADO DO CEARÁ QUANTO À IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DA QUALIDADE.

ANÁLISE DA SITUAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DO ESTADO DO CEARÁ QUANTO À IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DA QUALIDADE. ANÁLISE DA SITUAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DO ESTADO DO CEARÁ QUANTO À IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DA QUALIDADE. João Adriano Ponciano NOBRE Graduando de Eng.º Civil, Universidade Federal do Ceará, Rua Waldery

Leia mais

CENAIC Centro Nacional Integrado de Cursos

CENAIC Centro Nacional Integrado de Cursos Nome: Data: / /. Dia da Semana: Horário de Aula das : ás :. Nome do Professor: Carlos Roberto Mettitier Esta avaliação teórica tem o peso de 10 pontos. Instruções para realização da avaliação: 1. A avaliação

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO. Técnico em Logística, Pronatec- Anhanguera

SISTEMAS DE PRODUÇÃO. Técnico em Logística, Pronatec- Anhanguera SISTEMAS DE PRODUÇÃO Técnico em Logística, Pronatec- Anhanguera James Watt foi um matemático e engenheiro escocês. Construtor de instrumentos científicos, destacou-se pelos melhoramentos que introduziu

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial

Sistemas de Informação Gerencial Sistemas de Informação Gerencial Ao longo da historia da administração ocorreram muitas fases. Sendo que, seus princípios sempre foram semelhantes, mudando apenas o enfoque conforme a visão do pesquisador.

Leia mais

ESTUDO SOBRE A EVOLUÇÃO DOS PROCESSOS LOGÍSTICOS NO BRASIL

ESTUDO SOBRE A EVOLUÇÃO DOS PROCESSOS LOGÍSTICOS NO BRASIL ESTUDO SOBRE A EVOLUÇÃO DOS PROCESSOS LOGÍSTICOS NO BRASIL JOSÉ EDUARDO DO COUTO BARBOSA 1 SARAH GABRIELA CARDOSO DE LIMA 2 EVERTON LUIZ DA CHAGAS 3 Resumo A logística brasileira foi fortemente marcada

Leia mais

Otimizada para Crescimento:

Otimizada para Crescimento: Quinta Pesquisa Anual de Mudança na Cadeia de Suprimentos RESUMO REGIONAL: AMÉRICA LATINA Otimizada para Crescimento: Executivos de alta tecnologia se adaptam para se adequar às demandas mundiais INTRODUÇÃO

Leia mais

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução A Melhoria da Qualidade é uma atividade que deve estar presente nas rotinas de toda a empresa. Isto significa que

Leia mais

APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta

APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta RESUMO Danieli Tavares Rates da Silva 1 Rogério de Souza 2 Anderson da Silva 3 Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE (Concepções de Ciência, Professores de Química, Educação Integrada)

PALAVRAS-CHAVE (Concepções de Ciência, Professores de Química, Educação Integrada) CONCEPÇÕES SOBRE CIÊNCIA DOS PROFESSORES DE QUÍMICA DO ENSINO MÉDIO DO IFG CAMPUS GOIÂNIA: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO INTEGRADA. Layla Karoline Tito ALVES, Instituto de Química,layla.quimica@gmail.com.

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2

TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2 TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2 Alan Kardec Pinto A abordagem desta importante ferramenta estratégica será feita em cinco partes, de modo a torná-la bem abrangente e, ao mesmo tempo,

Leia mais

3 Metodologia da pesquisa

3 Metodologia da pesquisa 3 Metodologia da pesquisa Neste capítulo será abordada a caracterização da pesquisa abrangendo o tipo de pesquisa escolhido, critérios para seleção dos entrevistados, os procedimentos adotados para a coleta

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

Departamento de Produção

Departamento de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Produção Administração e Finanças para Engenharia Alunos: Adão Gonzaga de Castro Danilo Braz da Silva Wemerson Dias Júnior Professor: Luiz Guilherme

Leia mais

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão FACULDADES INTEGRADAS DO TAPAJÓS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR: JOSÉ DE JESUS PINHEIRO NETO ASSUNTO: REVISÃO CONCEITUAL EM CONTABILIDADE DE CUSTOS ASPECTOS CONCEITUAIS A Contabilidade de

Leia mais

SUCESSO JAPONÊS E GESTÃO DO CONHECIMENTO: COMO AS FORMAS DO CONHECIMENTO EXPLÍCITO SE TRADUZEM ATRAVÉS DAS FERRAMENTAS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO

SUCESSO JAPONÊS E GESTÃO DO CONHECIMENTO: COMO AS FORMAS DO CONHECIMENTO EXPLÍCITO SE TRADUZEM ATRAVÉS DAS FERRAMENTAS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO SUCESSO JAPONÊS E GESTÃO DO CONHECIMENTO: COMO AS FORMAS DO CONHECIMENTO EXPLÍCITO SE TRADUZEM ATRAVÉS DAS FERRAMENTAS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO Liliane Dolores Fagundes (UNIS) engenhariadeproducao@unis.edu.br

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação O aumento da competitividade global, trouxe consigo a grande desenvolvimento da Tecnologia da informação. Os processos enxutos e sem erros, os grandes estoques, as decisões que

Leia mais

Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas

Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas Jonas Alves de Paiva (UFPB) jonas@ct.ufpb.br Thiago Miranda de Vasconcelos

Leia mais

DEPS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEAN

DEPS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEAN DEPS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEAN Prof a Carla R. Pereira SURGIMENTO DA PRODUÇÃO LEAN Novas ideias vem em resposta a problemas concretos (Dennis, 2008, p.19)

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR?

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? Maria Rafaela de Oliveira FECLESC-UECE Renata Leite Moura FECLESC-UECE RESUMO Este trabalho apresenta algumas reflexões acerca da Educação Escolar e dos desafios

Leia mais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido 27/05/2015 Decisões de Estoque Quanto Pedir Custos de estoques Lote econômico Quando Pedir Revisões

Leia mais

$,03257Æ1&,$'$/2*Ë67,&$1$25*$1,=$d 2'26 6,67(0$6'(352'8d 2'((',)Ë&,26

$,03257Æ1&,$'$/2*Ë67,&$1$25*$1,=$d 2'26 6,67(0$6'(352'8d 2'((',)Ë&,26 $,03257Æ1&,$'$/2*Ë67,&$1$25*$1,=$d 2'26 6,67(0$6'(352'8d 2'((',)Ë&,26 6,/9$)UHG%RUJHVGD&$5'262)UDQFLVFR)HUUHLUD ( 1 ) Engenheiro Civil, Mestrando do Departamento Engª de Construção Civil - EPUSP. Bolsista

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( x ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA Apresentador 1 Merylin Ricieli

Leia mais

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO Nos dias atuais, uma das áreas que mais se desenvolvem dentro das organizações sem dúvida é a Gestão dos Estoques,

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Planejamento e Controle da Produção

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção 1 Por que planejamento é importante? Eliminação de problemas relacionados à incidência de perdas e baixa produtividade Aumento da transparência dos processos (possibilidade

Leia mais

A Comunicação Estratégica. no âmbito da Mudança Organizacional

A Comunicação Estratégica. no âmbito da Mudança Organizacional A Comunicação Estratégica no âmbito da Mudança Organizacional Entrevista 1 Organização A Caracterização da Organização e Entrevistado Tipo ORGANIZAÇÃO - A Instituição Particular de Solidariedade Social,

Leia mais

IMPACTOS DO USO X PERFIL DAS EMPRESAS E ANALISAR SEUS PROCESSOS DE GESTÃO DE PROJETOS

IMPACTOS DO USO X PERFIL DAS EMPRESAS E ANALISAR SEUS PROCESSOS DE GESTÃO DE PROJETOS IMPACTOS DO USO X PERFIL DAS EMPRESAS E ANALISAR SEUS PROCESSOS DE GESTÃO DE PROJETOS Vinicius Coutinho dos Santos BARBOSA (1); Michele Tereza Marques CARVALHO (2) (1) Campus Universitário Darcy Ribeiro

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS 98 MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS Roberta Ferreira dos Santos Graduando em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil roberta.santos94@yahoo.com.br Leandro

Leia mais

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS ANACLETO G. 1 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem a finalidade de apuração dos resultados aplicados pelos

Leia mais

FILOSOFIA DO SERVIÇO DE PÓS-VENDA TOYOTA

FILOSOFIA DO SERVIÇO DE PÓS-VENDA TOYOTA FILOSOFIA DO SERVIÇO DE PÓS-VENDA TOYOTA Toyota do Brasil Pós-venda Capítulo 1 - O que o Cliente espera do Serviço de Pós-Venda Capítulo 2 - A Filosofia do Serviço de Pós-Venda Toyota Definindo a Filosofia

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

XVII Semana do Administrador do Sudoeste da Bahia ISSN: 2358-6397 O Administrador da Contemporaneidade: desafios e perspectivas

XVII Semana do Administrador do Sudoeste da Bahia ISSN: 2358-6397 O Administrador da Contemporaneidade: desafios e perspectivas XVII Semana do Administrador do Sudoeste da Bahia ISSN: 2358-6397 O Administrador da Contemporaneidade: desafios e perspectivas Aplicabilidade do Planejamento Estratégico na Coopercicli - Cooperativa de

Leia mais

5. Teoria Geral de Sistemas x Sistemas de Informações Empresariais

5. Teoria Geral de Sistemas x Sistemas de Informações Empresariais 5. Teoria Geral de Sistemas x Sistemas de Informações Empresariais Texto-5 Profº Braulio TEORIA GERAL DE SISTEMAS Surgiu com Ludwig von Bertalanffy 1950/1968 A TGS afirma que se deve estudar os sistemas

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS

OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS Eng. Civil Leonardo Roncetti da Silva, TECHCON Engenharia e Consultoria Ltda. Resumo Estuda-se a otimização

Leia mais

ESADE ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO, DIREITO E ECONOMIA. CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

ESADE ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO, DIREITO E ECONOMIA. CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ESADE ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO, DIREITO E ECONOMIA. CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I RODRIGO TEIXEIRA STEPHANOU Porto Alegre, dezembro de 2010. RODRIGO TEIXEIRA

Leia mais

ABORDAGEM DA RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO ÂMBITO DAS ADMINSTRAÇÕES PÚBLICA E PRIVADA

ABORDAGEM DA RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO ÂMBITO DAS ADMINSTRAÇÕES PÚBLICA E PRIVADA ABORDAGEM DA RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO ÂMBITO DAS ADMINSTRAÇÕES PÚBLICA E PRIVADA Alvaro YANAGUI 1 RESUMO: O presente artigo integra assuntos da responsabilidade social e ambiental no que tange

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO Índice 1. Pesquisa de mercado...3 1.1. Diferenças entre a pesquisa de mercado e a análise de mercado... 3 1.2. Técnicas de

Leia mais