Comunicação Sem Fio e Computação Móvel: Tecnologias, Desafios e Oportunidades

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comunicação Sem Fio e Computação Móvel: Tecnologias, Desafios e Oportunidades"

Transcrição

1 Comunicação Sem Fio e Computação Móvel: Tecnologias, Desafios e Oportunidades Antonio A.F. Loureiro, UFMG Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Áreas de pesquisa Diversos aspectos ligados a Computação móvel Redes de sensores Redes de computadores Redes de telecomunicações Sistemas de computação Sistemas distribuídos Existem diferentes tipos de tecnologias que implementam essas redes Várias oportunidades de pesquisa 1 2 Exemplo Computação móvel: Novo paradigma computacional que deve predominar cada vez mais no futuro Fatos: Já começa a estar presente na América do Norte, Europa e Japão E no Brasil? Iremos ter oportunidade de competir nesse mercado? Motivação Observação importante: A tecnologia não é suficiente É importante ter serviços e aplicações interessantes Serviços e aplicações são projetadas por pessoas e desenvolvidas por ferramentas que, na maior parte dos casos, não existem ou estão sendo projetadas atualmente Mais ainda, para desenvolver essas ferramentas e outras soluções de software não é necessário ter em larga escala as tecnologias de comunicação sem fio Motivação 4 Motivação 6 Motivação Computação Móvel: Tendência Sim, temos oportunidade de competir nesse segmento! Talvez seja a nossa única oportunidade! Logo, mãos a obra e agarrem as oportunidades! (milhões) 1, Fixa Móvel Internet (Fixa + Móvel) Motivação 7 8

2 Computação Móvel: Tendência Fatores que facilitam a utilização do paradigma móvel 9 10 Motivação Objetivos do minicurso: Perguntas? Apresentar algumas das tecnologias de comunicação sem fio e computação móvel Discutir desafios e oportunidades 13 Computação móvel: Definição O que é Computação Móvel? Acesso a informação a qualquer lugar, a qualquer momento 14 15

3 Acesso a qualquer lugar, a qualquer momento Acesso a qualquer lugar, a qualquer momento Acesso a qualquer lugar, a qualquer momento Acesso a qualquer lugar, a qualquer momento O que você pode fazer a qualquer momento Computação móvel: Uma definição mais técnica Processamento + Mobilidade + Comunicação sem fio Tripé 20 21

4 Processamento Mobilidade Não importa onde você esteja! Idealmente, na prática... g Dispositivo de processamento portátil e tipos variados g Pode ser levado para qualquer lugar Não deve depender de energia de tomada Mobilidade ou A libertação do computador Comunicação sem fio Comunicação sem fio Dois termos relacionados Existem vários tipos de redes sem fio: WLAN Wireless Local Area Network WWAN Wireless Wide Area Network WPAN Wireless Personal Area Network WSN Wireless Sensor Network MANET Mobile Ad Hoc Network Existem diferentes tipos de tecnologias que implementam essas redes: Wi-Fi, Bluetooth, 2.xG, 3G, IEEE 802.{11,15,16},... Redes com características diferentes Mobile Computing x Mobile Computation 26 27

5 Mobile Computing Mobile Computation Traduzido por Computação Móvel Traduzido também por Computação Móvel Diz respeito a: Dispositivos portáteis Diz respeito apenas à computação (processamento) que é móvel Com capacidade de processamento local E comunicação sem fio com outros dispositivos Atualmente, vários desses sistemas são baseados em agentes móveis O processamento móvel pode se dar numa rede fixa e/ou rede sem fio Mobile Computation Comentários Exemplos: Applets em Java Migração de processos em sistemas operacionais distribuídos Pacotes que suportam migração de agentes O cenário mais amplo é aquele que suporta mobile computation num ambiente de mobile computing Como tudo na vida, para se fazer bem, é necessário ter um bom conhecimento! Corolário: invista na sua formação (já era esperado) principalmente nesta área Procure acompanhar sites especializados da área que divulgam informações relacionadas Na minha página pessoal existe uma lista Comentários Comentários É um paradigma computacional que pode envolver todas as áreas de Ciência da Computação A combinação de dispositivo (processamento) perfil de mobilidade Corolário: aprecie o seu sabor; pode ser guloso e apreciar mais de um Pode envolver (e tipicamente envolve) mais de uma área rede de comunicação sem fio é parte determinante no sucesso de uma solução adequada em computação móvel 32 33

6 Comentários Comentários Oportunidades em Mobile Computing e Mobile Computation: tendem a ser distintas no entanto, podem ser usadas de forma complementar Oportunidades em Mobile Computing: Algumas discutidas neste curso Oportunidades em Mobile Computation: Veja trabalhos relacionados com agentes móveis Comentários Mobilidade x Comunicação Oportunidades conjuntas em Mobile Computing e Mobile Computation: Alguma idéia? Possível estratégia: Pense em situações/locais em que pessoas vão/gostariam de estar temporariamente/ permanentemente esperando um evento e/ou executar uma ação e exista/possa existir uma infra-estrutura de CSF Projete uma aplicação/serviço quando a pessoa está nessa situação/ local Exemplos? Sem Mobilidade Com Mobilidade Comunicação Com Fio Rede Tradicional Laptop numa LAN estrangeira Comunicação Sem Fio Rede Local Sem Fio Computação Móvel Mobilidade x Comunicação Observações importantes Existem oportunidades em todos os quadrantes Em particular, na parte de CSF, móvel ou não Hoje, talvez mais na parte fixa Por que? Sem Mobilidade Com Mobilidade Comunicação Com Fio Rede Tradicional Laptop numa LAN estrangeira Comunicação Sem Fio Rede Local Sem Fio Computação Móvel Perspectivas em Computação Móvel 38 39

7 Computação Móvel: Tendência Computação Móvel: Tendência Japan Latin America North America (millions) Asia Pacific Europe, Mid. East & Africa , Computação Móvel: Tendência Fixa Computação Móvel: Tendência (milhões) Móvel Internet (Fixa + Móvel) Fatores que facilitam a utilização do paradigma móvel Computação Móvel: Tendência? O que vocês acham? 44 45

8 TI é realmente importante? Tecnologia da Informação x Serviços e Aplicações Artigo polêmico: IT Doesn t Matter, Harvard Business Review, Maio de 2003 e seu comentário na Info Online 46 TI x Serviços/Aplicações 47 TI é realmente importante? TI é realmente importante? Na visão do autor, TI se tornou um fator de produção como outro qualquer Custo obrigatório que não garante vantagem competitiva TI passou a ser um lugar comum Soluções tecnológicas que dão vantagem competitiva, como American Airlines com o sistema de reservas Sabre FedExpress com o acompanhamento online das encomendas Mobil Oil com seu sistema de pagamento automático são cada vez mais improváveis São exceções que comprovariam a regra da comoditização de TI O principal risco não é investir pouco, é gastar demais Dell e Wal-Mart como exemplo de empresas espertas em TI, que não fazem experiências com tecnologia de ponta, esperando que padrões e as melhores práticas se solidifiquem. Autor menciona uma pesquisa da consultoria Alinean que comparou os resultados financeiros com os gastos em TI de 7500 grandes empresas americanas As 25 companhias top investiram 0,8% de seu faturamento em TI, contra 3,7% das outras empresas TI x Serviços/Aplicações 48 TI x Serviços/Aplicações 49 TI é realmente importante? TI é realmente importante? Conclusão do autor: A maioria das companhias investe demais em TI e tem muito pouco em retorno Comentários: Posição polêmica TI é o meio e não o fim em si Usuários de TI esperam utilizar aplicações e serviços Em computação móvel: A própria tecnologia ainda não é dominada, já que tem estado em freqüente evolução Desenvolver aplicações e serviços para essa área impõe novos desafios Comentários: Que desafios? Que aplicações e serviços? TI x Serviços/Aplicações 50 TI x Serviços/Aplicações 51

9 WAP Forum O Caso WAP Consórcio estabelecido em 1997 com mais de 90 empresas (IBM, Microsoft, Intel, HP, Lucent, Nokia...) Tentativa de estabelecer um padrão de facto para a computação móvel Estão presentes: Operadoras Fabricantes de dispositivos móveis Empresas de software Empresas responsáveis pela infra-estrutura Internet x WAP Killer Applications previstas para o padrão WAP Internet HTML JavaScript Wireless Application Environment (WAE) Other Services and Applications Serviços baseados em localização Relatórios de tráfego em tempo real HTTP Session Layer (WSP) Transaction Layer (WTP) Recomendação de eventos, restaurantes, etc Serviços personalizados TLS - SSL Security Layer (WTLS) TCP/IP UDP/IP Transport Layer (WDP) Bearers: SMS USSD CSD IS-136 CDMA CDPD PDC-P Etc Killer Applications previstas para o padrão WAP Killer Applications previstas para o padrão WAP Soluções corporativas Serviços financeiros Acesso a correio eletrônico Acesso a banco de dados Intranet global Bancários Pagamento de contas Mercado de ações Atualização de informações enviada para dispositivos WAP Transferências de fundos Serviços de viagem Reservas Mudanças 56 57

10 Killer Applications previstas para o padrão WAP Perspectivas em 1999/2000 Jogos e entretenimento Jogos online, em tempo real e com vários jogadores Horóscopos, dicas, etc M-Commerce Compras interativas Ofertas e vendas baseadas em localização Motorola anuncia que todos os seus telefones irão ter WAP até o final de 2000 Ao final de 2002, mais pessoas terão acesso a Internet via comunicação sem fio que conexões tradicionais (IDC, May 2000) Pesquisa Yankelovich diz que 70% de 1000 respondentes irão usar comunicação sem fio para Perspectivas do WAP em 1999/2000 Perspectivas do WAP em 1999/2000 Reino Unido Serviços WAP: Anúncio de leilão através de telefones WAP França (Paris) Schlumberger & Webraska desenvolvem aplicação para disponibilizar informação de estacionamento em tempo real Jogos em tempo real via WAP oferecidos pela Digital Bridges Começaram com as empresas testando produtos de terceiros Janeiro de 2000: Empresa independente contratada para fazer teste Março de 2000: Lançado o certificado WAP Perspectivas do WAP em 1999/2000 Perspectivas do WAP em 1999/2000 Sure, your company is on the Web, but is it WAPed? ABC News is. So are Yahoo and Bloomberg. These companies are early movers in what will soon be a stampede of Web content providers wanting to make sure their information remains intelligible when squeezed onto the small screens of mobile phones, PDAs and other wireless devices. A sua empresa está na Web, mas é WAPed? ABC News, Yahoo and Bloomberg são. Estas empresas estão entre as primeiras que proveêm conteúdo e desejam que a informação seja disponibilizada de forma apropriada em telas pequenas de telefones móveis, PDAs e outros dispositivos sem fio. Computerworld, Dezembro Newsweek, 17 de Janeiro de

11 Perspectivas do WAP em 1999/2000 Perspectivas do WAP em 1999/2000 Webheads are now able to safely stay connected when they re away from their keyboards and they can thank something called the Wireless Application Protocol, or WAP. That s the wireless industry s technology for bridging the small-screen world of cell phones and the content-rich Net. Webheads podem agora ficar conectados de forma segura quando estiverem longe de seus terminais e isso graças ao WAP. Essa é a tecnologia da indústria sem fio para interconectar o mundo dos dispositivos pequenos a rede tradicional. Newsweek, 17 de Janeiro de 2000 The WAP protocols are network-independent it doesn't matter if you have a GSM, CDMA or TDMA phone; it doesn't matter if you're in the analog 800 MHz, digital 800 MHz or digital 1.9 GHz bands; nor does it matter where in the world you are. O pradrão WAP é independente da rede não importa se você tem um celular GSM, CDMA ou TDMA; não importa se você usa um celular analógico, digital (.8 ou 1.9 GHz), nem importa onde no mundo você se encontra. Etown.com, Janeiro Perspectivas do WAP em 1999/2000 Perspectivas do WAP em 1999/2000 More than 52 million WAP handsets and other devices will be available in the United States by Mais de 52 milhões de aparelhos WAP serão usados nos EUA em 2004 The Yankee Group At present, few deliverable commercial products on the market support WAP. However, there will be many announcements during 2000 with commercial products appearing in quantity by mid-year. Atualmente, poucos produtos comerciais no mercado suportam WAP. No entanto, haverão muitos anúncios em 2000 com novos produtos comerciais WAP aparecendo em quantidade a partir do meio do ano. EMC s Insight Report on WAP Perspectivas do WAP em 1999/2000 Perspectivas do WAP em 1999/2000 If 1999 saw the introduction of some very early WAP offerings, the year 2000 will be a confluence of a ton of these devices. Se 1999 viu a introdução de alguns produtos WAP, no ano de 2000 irá aparecer uma tonelada desses dispositivos. Bob Egan, GartnerGroup WAP services on the Internet will grow from a few hundred today to thousands within the next six months. The next three months will bring more enterprise-ready services such as , contact synchronization and scheduling. Serviços WAP na Internet irão crescer de umas poucas centenas hoje para milhares nos próximos seis meses. Nos próximos três meses irão aparecer mais serviços para organizações como , sincronização e escalonamento. 68 David Hayden, Mobile Insights 69

12 Perspectivas do WAP em 1999/2000 Perspectivas do WAP em 1999/2000 Established Web sites need to prepare for the Wireless Application Protocol (WAP), the emerging standard for wireless access from a cellular phone. For any company that has a consumer-based Web site (where) consumers get any kind of information, it definitely makes sense to make this Web site WAP-friendly. I think 2000 will be the year for WAP. Initially, services such as banking, stock quotes and even trading, traffic information, news, and are expected to be among the standard offerings from WAP portal providers. Sites Web existentes precisam se preparar para o WAP, o padrão emergente para acesso sem fio através de um celular. Para qualquer empresa que tem um site onde consumidores podem obter informações, faz sentido desenvolver o servidor de tal forma a suportar o padrão WAP. Elliott Hamilton, The Strategis Group Eu acho que 2000 será o ano para o WAP. Serviços de banco, cotações da bolsa e mesmo negociação, informação de tráfego, notícias, e devem estar entre as ofertas através de portais WAP. Declan Lonergan, Strategy Analytics Comentários O que deu errado? Expectativas não se concretizaram principalmente do ponto de vista dos usuários leigos Inexistência de serviços adequados Por que deu errado? Propaganda enganosa Falta de planejamento para desenvolvimento de serviços interessantes Preço do serviço e dispositivo Era possível prever isso? Bom, depois que passa... Perspectivas em Computação Móvel Computação Móvel: Formas de uso Computação Móvel: Formas de uso Que tipo de interface irá predominar? Teremos ambientes parecidos aos PCs? Como usaremos os dispositivos portáteis? Que aplicações serão úteis? Pontos extremamente importantes 74 75

13 Computação Móvel: Formas de uso Comentários Pessoas diferentes em situações diferentes possivelmente terão necessidades diferentes Turista em Paris ou Roma Turista em Belém ou Rio de Janeiro Turista no Pantanal Vendedor em São Paulo Estudante em Belo Horizonte Uma solução não é adequada para todos os cenários Pessoas diferentes em situações diferentes possivelmente terão necessidades diferentes Turistas em... Que características devem ser consideradas no desenvolvimento de aplicações para computação móvel? Os quatro paradigmas da computação Fonte: Networked Batch Time- Desktop Network Sharing computing in the Decade 1960s 1970s 1980s 1990s 1990s. Technology Medium scale Large scale Very large Ultra large L.G. Tesler, integration integration scale scale Scientific American, Location Computer Terminal Desktop Mobile room room 265(3):54-61, Users Experts Specialists Individuals Groups Sept User Status Subservience Dependence Independence Freedom Data Alphanumeric Text Fonts, Graphs Script, Voice Objective Calculate Access Present Communic ate User Activity Punch & try (submit) Remember & type See & point (drive) Ask & tell (delegate) (interact) Operation Process Edit Layout Orchestrate Interconnect Peripherals Terminals Desktops Palmtops Applications Custom Standard Generic Component s Languages Cobol, PL/I, Basic Pascal, C Object Fortran Oriented 78 Visão de aplicações em computação móvel 79 What will the Internet be like 20 years from now? Visão do Vinton Cerf apresentada na TIME Latin American Edition 18 de junho de Internet se tornará ubíqua Os acessos serão feitos através de enlaces de alta velocidade e baixa potência Diferentes dispositivos computacionais terão Internet embutida e conversarão entre si

14 ... Teremos dispositivos computacionais com mútiplas funções Um nome interessante para esse dispositivo seria WIDGET Em 2020, possivelmente teremos mais coisas online ( aparelhos, veículos, prédios, etc) que pessoas Dispostivos programáveis serão tão baratos que serão embutidos em caixas, etc Destaques do artigo Computação Móvel e outras áreas da Ciência da Computação Computação ubíqüa Possivelmente baseada numa infraestruturacelular e satélite Redes móveis ad-hoc Internet embutida Computação Móvel define um novo paradigma computacional Nova forma de utilizar recursos computacionais através de dispositivos portáteis Ao contrário de paradigmas anteriores a Computação Móvel interage com todas as áreas de Ciência da Computação O mínimo que se deve fazer é verificar se a solução existente pode ser aplicada à Computação Móvel Exemplos de interação entre CM e outras áreas Projeto de: Interfaces (IHM) Software (Engenharia de Software) Circuitos Integrados Sistemas Operacionais Compiladores/Geração de código Bancos de Dados Protocolos de Comunicação Aplicações, etc que levem em consideração restrições e características desse paradigma 86 Desenvolvendo Aplicações e Serviços para CM 87

15 Desenvolvendo aplicações e serviços para CM Exemplo de uma aplicação que segue esse princípio Solução tradicional : Empresa disponibiliza versão de uma aplicação a partir da versão/site disponível para a rede fixa Exemplo de aplicações típicas dessa solução: Informações de vôos e bolsa de valores Correio eletrônico Agenda eletrônica Possivelmente, usuário terá que executar mais de uma aplicação seqüencialmente, lembrando e/ou cortando/colando dados de uma aplicação para outra Leonardo combinou com Giselle de buscá-la no aeroporto Giselle enviou uma mensagem eletrônica para Leonardo com informações sobre o seu vôo, que foram armazenadas na agenda eletrônica do Leonardo O vôo está marcado para chegar às 17:21 da próxima quarta-feira e, normalmente, Leonardo gasta 45 min para ir de seu local de trabalho até o aeroporto Desenvolvendo S&A em CM 88 Desenvolvendo S&A em CM 89 Exemplo de uma aplicação que segue esse princípio Exemplo de uma aplicação que segue esse princípio Leonardo marca o evento na sua agenda eletrônica para às 16:15 permitindo, assim, tempo para avaliar a situação antes de sair Nesse dia, Leonardo não está no escritório e precisa de algumas informações: Acesso a sua agenda eletrônica Informação do vôo Condições de tráfego O que Leonardo deve fazer às 16:15: 1. Receber uma notificação de sua agenda eletrônica sobre essa entrada 2. Guardar informações sobre companhia aérea, vôo e horário, que podem ser anotadas no PDA 3. Acessar o servidor Web do aeroporto ou da companhia aérea para saber informações sobre o vôo (este passo, provavelmente, irá exigir alguma navegação) 4. Navegar pela página de informção do vôo informando número do vôo, data, etc Desenvolvendo S&A em CM 90 Desenvolvendo S&A em CM 91 Exemplo de uma aplicação que segue esse princípio Exemplo de uma aplicação que segue esse princípio O que Leonardo deve fazer às 16:15 (cont.): 5. Verificar se o vôo está no horário ou não 6. Se o vôo não estiver no horário, estimar quando os passos 1 a 5 serão repetidos 7. Acessar o servidor Web de informação de tráfego (este passo, provavelmente, irá exigir alguma navegação) 8. Determinar a hora em que ele terá que ir para o aeroporto Todos os passos, exceto o 1, exigem atenção da pessoa que está usando o dispositivo Se a pessoa estivesse usando um desktop, poderia fazer tarefas típicas desse ambiente Num handheld é pouco provável que a pessoa vá executar mais de uma aplicação simultaneamente e sua atenção deve ser maior para a tarefa sendo executada Desenvolvendo S&A em CM 92 Desenvolvendo S&A em CM 93

16 Exemplo de uma aplicação que segue esse princípio Exemplo de uma aplicação que segue esse princípio Seja um projeto dessa aplicação, que usa uma abordagem baseada em tarefa Suponha que exista um serviço agregador de conteúdo de informação de vôo usando essa abordagem Neste caso, após Leonardo combinar com Giselle de buscá-la no aeroporto, ele contacta o serviço agregador e passa a informação sobre o vôo Desenvolvendo S&A em CM 94 Nova versão: 1. O serviço monitora o status do vôo da Giselle 2. Se o vôo está atrasado, Leonardo é notificado 3. O serviço monitora a localização do Leonardo na cidade e o tempo esperado para chegar ao aeroporto baseado nas condições de tráfego daquele momento onde se encontra 4. Leonardo recebe uma notificação de quando ele precisa ir para o aeroporto baseado nas informações do vôo e tráfego 5. A notificação pode ser feita enviando uma mensagem para o PDA ou através de SMS (Short Message Service) Desenvolvendo S&A em CM 95 Exemplo de uma aplicação que segue esse princípio Características do paradigma móvel Segunda solução mais fácil para o usuário Serviço funciona como seu assistente A primeira solução é uma minituarização de uma aplicação para o ambiente de CM, feita a partir de uma versão da rede fixa Trata o ambiente móvel e a tecnologia associada como um subconjunto do ambiente tradicional Não é o caso esperado em CM O dispositivo móvel está sempre com o usuário e sempre/quase sempre ligado Não é comum um computador desktop ficar com o usuário Um laptop tende a ser ligado e conectado apenas quando o usuário está parado Outros dispositivos como PDA e celulares tendem a ficar ligados sempre Desenvolvendo S&A em CM 96 Desenvolvendo S&A em CM 97 Estratégia para desenvolver uma aplicação para CM Características do paradigma móvel Identifique uma aplicação num dispositivo móvel relacionada, por exemplo, com: Agenda eletrônica ou escalonamento de tarefas; Localização física do usuário e/ou do servidor; Perfil do usuário, dado um cenário (compras, deslocamento, viagem, entretenimento, etc)... que seja possível fazer deduções a partir do contexto do usuário Killer application Lado fixo da aplicação deve ter como foco enviar informações relacionadas com o contexto e com a atividade que está sendo executada Contexto e atividade podem assumir diferentes aspectos como localização física do usuário, condições físicas de comunicação, características físicas do dispositivo portátil, e prioridade para acessar/ter um dado Desenvolvendo S&A em CM 98 Desenvolvendo S&A em CM 99

17 Características do paradigma móvel Características do paradigma móvel Tecnologias de CSF, como Bluetooth, são capazes de criar redes pessoais sem que o usuário perceba que isso está ocorrendo Obviamente, o usuário de um dispositivo móvel com Bluetooth deve programar o seu dispositivo para que isso ocorra da forma desejada Tecnologia push é possivelmente a forma de comunicação mais apropriada para comunicar com o usuário Pode ser feita em janelas de tempo mais apropriadas de: comunicação (quando o canal experimenta uma qualidade melhor), e atenção do usuário (que pode estar voltada para outra atividade) Desenvolvendo S&A em CM 100 Desenvolvendo S&A em CM 101 Comentários Novos/atuais processos de engenharia de software devem ser definidos/reavaliados Algumas ferramentas identificadas: Disponibilização de conteúdo de forma apropriada para o ambiente de CSF Ferramentas para agregração de conteúdo Serviços baseados na localização Atividades baseadas na localização Tecnologias de Comunicação Sem Fio Desenvolvendo S&A em CM i-mode e WAP

18 Bluetooth: Motivação inicial Bluetooth: piconets e scatternets Bluetooth: Modelos de uso Exemplo de utilização: Bluetooth no escritório Você chega no escritório e coloca sua pasta na mesa, perto do seu computador pessoal PC Enquanto isso, seu PDA sincroniza automaticamente as atividades executadas no assistente com seu PC e transfere arquivos, s e outras informações Bluetooth na viagem Exemplo de utilização: Bluetooth na viagem Você chega ao aeroporto e existe uma longa fila para fazer o check-in Usando o seu PDA, você apresenta um bilhete eletrônico e automaticamente seleciona o assento A sala de embarque possui interfaces Internet via Bluetooth Você e outros passageiros usam dispositivos portáteis, como laptops, PDAs, celulares com Bluetooth, para acessar o escritório, etc, através do servidor da empresa ou para fazer chamadas telefônicas

19 Objetivos do padrão Bluetooh Objetivos do padrão Bluetooh Prover comunicação sem fio entre pequenos dispositivos móveis Mercado alvo: laptop, PDA, telefone e outros dispositivos Mercado representado pelas empresas que formaram o consórcio: Intel, 3COM, Ericsson, IBM, Motorola, Nokia, Toshiba, e +2 mil outras empresas Não compete com as WLANs existentes WLAN: projetada para conectar eficientemente grupos de usuários Bluetooth: projetado para conectar dispositivos portáteis usando uma conexão pessoal privativa Substitui cabos usados na comunicação entre periféricos Objetivos do padrão Bluetooh Objetivos do padrão Bluetooh Tecnologia deve ser segura (suporta autorização, autenticação e criptografia) Custo deve ser, no futuro, em torno de US$5 Deve conectar diferentes dispositivos, num total de sete simultâneos, a uma taxa de +1Mbps por piconet (nova versão) Deve permitir a existência de centenas de piconets vizinhas Deve suportar voz e dados Deve consumir pouca energia Deve ser implementado de forma compacta para suportar os dispositivos portáteis nos quais serão integrados Tecnologia projetada para ser global Empresas se comprometem a não cobrar royalties no desenvolvimento da tecnologia RFID RFID Radio Frequency Identification Etiqueta RFIP é formada por um microchip conectado a uma antena e possui um identificador único Existem diferentes tipos de etiquetas Custo depende da etiqueta Classificação das etiquetas RFID: Ativas, passivas ou semi-passivas Leitura-escrita ou somente de leitura

20 IEEE IEEE b (Wi-Fi) IEEE a Algumas tecnologias de CSF IEEE Dispositivos móveis celulares Celulares 2G CDMA 1G Transmissão de dados analógia (AMPS) Taxa: 9600 bps 2G Transmissão de dados digital (TDMA, CDMA, GSM) Taxa: a bps Objetivo é suportar o padrão WAP 2.5G Disponibilizar aplicações pré 3G 122 Hedy Lamarr e George Antheil propuseram o CDMA Os padrões CDMA e GSM devem ser/serão usados também no padrão 3G 123

21 Celulares 2G GSM Nokia Communicator Celulares 2G WAP Motorola L+ Series Ericsson R320 Nokia 7110 Alcatel One Touch View NeoPoint 1000 outros Mercado está crescendo e em expansão Motorola anunciou que a partir de 2000 os seus celulares teriam WAP Celulares 2.5G Solução intermediária para os celulares de terceira geração Baseados em protocolos como o GPRS (General Packet Radio Service) que permitirão velocidades de até 150 kbps Celulares 3G Objetivo: Transmissão de dados multimídia Taxas: 140 kbps a mais de 120 km/h 400s kbps a menos de 120 km/h 2000s kbps parado, 10 km/h Protótipos de celulares 3G Nokia Outros protótipos de celulares 3G Ericsson Communicator Plataform Motorola Concept Handheld Siemens SX45 Axess Terminal Concept I Terminal Concept II Terminal Concept III

22 Serviços previstos para os sistemas 3G Telefones celulares e Infra-estrutura Vídeo sob demanda Acesso a dados multimídia Acesso à Internet Execução de aplicações diversas Interoperabilidade entre ambientes (com e sem fio) num ambiente possivelmente mundial Comunicação 4G Telefonia celular 3G e 4G Eliminação de comutação por circuito Transmissão de dados multimídia em redes baseadas em pacotes Tudo sobre IP Serviços previstos: Localização inteligente de serviços Siga-me Disseminação de informação push-based Algumas tecnologias de CSF 3G/4G Depois de várias tentativas ligando para seu celular

23 Suporte às tecnologias de CSF IP Móvel Suporte às tecnologias de CSF IP Móvel Foreign agent care-of address Home agent Internet Foreign agent Home agent Internet Foreign agent Registration Request Collocated care-of address Home link Home agent Internet Foreign Agent Foreign link Home agent Internet Foreign agent Registration Reply Dispositivos computacionais Dispositivos Usados em Computação Móvel Existem vários, mas os seguintes segmentos podem ser identificados: Laptop, palmtop PDAs (Personal Digital Assistants) Telefones celulares Sensores Segmentos com características diferentes 138 Dispositivos usados em CM 139 Características desses segmentos O tamanho do dispositivo é importante Laptop CPU PC Energia Memória PC Tela E/S padrão horas PDA Celular Sensor +lenta +lenta ++lenta PC PC «PC 10 a 15 cm Até 10 cm inexistente padrão limitada só o sensor dias dias meses Dispositivos usados em CM 140 Dispositivos usados em CM 141

24 O tamanho do dispositivo é importante Segmento: Laptops, Palmtops Dispositivos usados em CM 142 Dispositivos usados em CM 143 Segmento: PDAs PDAs Humor: Palmtop com fio Dispositivos usados em CM 144 Dispositivos usados em CM 145 PDAs PDAs Dispositivos usados em CM 146 Dispositivos usados em CM 147

25 PDA Industriais PDAs industriais Referência: Características: 240x320mm (display), WindowsCE, CPU 150MHz, 32 MB (RAM) + 14 MB (ROM), RS232, IrDA, bateria (15 hs) Referência: Características: 186x134mm, 700g, ¼ VGA display, a prova de poeira e água, RS232, bateria (14 hs), WinCE, 16 MB + 8 MB Flash Dispositivos usados em CM 148 Dispositivos usados em CM 149 PDA PalmVII PDA PalmVII Cobertura do estado de NY Veja Ref: Agosto 2002 Dispositivos usados em CM 150 Dispositivos usados em CM 151 Tendência? Tendência: PDA e Celular Combo Dispositivos usados em CM 152 HP Jornada 928 WDA Pocket PC Phone Edition Dispositivos usados em CM Sendo Z100 Stinger 153

Comunicação Sem Fio e Computação Móvel: Tecnologias, Desafios e Oportunidades. Áreas de pesquisa. Motivação. Antonio A.F. Loureiro, UFMG.

Comunicação Sem Fio e Computação Móvel: Tecnologias, Desafios e Oportunidades. Áreas de pesquisa. Motivação. Antonio A.F. Loureiro, UFMG. Comunicação Sem Fio e Computação Móvel: Tecnologias, Desafios e Oportunidades Antonio A.F. Loureiro, UFMG Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais loureiro@dcc.ufmg.br

Leia mais

Redes Sem Fio e Móveis

Redes Sem Fio e Móveis Telecomunicação Redes Sem Fio e Móveis Geraldo Robson. Mateus Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Belo Horizonte - MG Tecnologia de comunicação à distância que possibilita

Leia mais

Wireless. Crescimento da Rede Wireless. Sistemas de Informação Rui Silva. Rui Silva. Jan 08

Wireless. Crescimento da Rede Wireless. Sistemas de Informação Rui Silva. Rui Silva. Jan 08 Wireless Sistemas de Informação Crescimento da Rede Wireless 1 Caso de Estudo: Intel, etc. Tempo dispendido por ligação em média m 5 minutos para cada nova ligação; Independência do local de trabalho dentro

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME Java para Dispositivos Móveis Desenvolvendo Aplicações com J2ME Thienne M. Johnson Novatec Capítulo 1 Introdução à computação móvel 1.1 Computação móvel definições Computação móvel está na moda. Operadoras

Leia mais

Introdução à Computação Móvel. Carlos Maurício Seródio Figueiredo

Introdução à Computação Móvel. Carlos Maurício Seródio Figueiredo Introdução à Computação Móvel Carlos Maurício Seródio Figueiredo Sumário Visão da Computação Móvel Oportunidades de Pesquisa Alguns Interesses de Pesquisas Futuras Visão da Computação Móvel O que é Computação

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Computação Aula 01-02: Introdução 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Agenda da Apresentação Definição e surgimento de Sistemas Distribuídos Principais aspectos de Sistemas Distribuídos

Leia mais

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel BGAN Transmissão global de voz e dados em banda larga Banda larga para um planeta móvel Broadband Global Area Network (BGAN) O firm das distâncias O serviço da Rede Global de Banda Larga da Inmarsat (BGAN)

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO Capítulo 9 A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 9.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação (IT) para empresas? Por que a conectividade

Leia mais

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução Formalmente, o IP Multimedia Subsystem (IMS) é definido como:... um novo 'domínio' principal da rede (ou

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Convergência tecnológica em sistemas de informação

Convergência tecnológica em sistemas de informação OUT. NOV. DEZ. l 2006 l ANO XII, Nº 47 l 333-338 INTEGRAÇÃO 333 Convergência tecnológica em sistemas de informação ANA PAULA GONÇALVES SERRA* Resumo l Atualmente vivemos em uma sociedade na qual o foco

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs

Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs Pergunta O que é o teste de velocidade? Quem é o público alvo? O que oferece? Como funciona? Por onde é o acesso? Resposta Um teste de qualidade de banda

Leia mais

Fundamentos da Computação Móvel

Fundamentos da Computação Móvel Fundamentos da Computação Móvel (Sistemas Computacionais Móveis) Programação de Dispositivos Móveis Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto

Leia mais

Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless

Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless Este tutorial apresenta uma visão geral da arquitetura para implantação de aplicações móveis wireless. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

Série SV8000 UNIVERGE 360. UNIVERGE 360 - Unificando as Comunicações Empresariais

Série SV8000 UNIVERGE 360. UNIVERGE 360 - Unificando as Comunicações Empresariais Série SV8000 UNIVERGE 360 UNIVERGE 360 - Unificando as Comunicações Empresariais Tudo a ver com mudança E estar preparado para ela Com UNIVERGE360 você estabelece a direção. O ambiente de trabalho está

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. O que é a nova infra-estrutura informação (TI) para empresas? Por que a conectividade é tão importante nessa infra-estrutura

Leia mais

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos)

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Guia do Usuário Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registradas da Microsoft Corporation nos

Leia mais

3 INTEFACES E PROTOCOLOS PARA REDES DE SENSORES INTELIGENTES SEM FIOS

3 INTEFACES E PROTOCOLOS PARA REDES DE SENSORES INTELIGENTES SEM FIOS Capítulo 3 Interfaces e Protocolos para Redes de Sensores Inteligentes sem Fios 36 3 INTEFACES E PROTOCOLOS PARA REDES DE SENSORES INTELIGENTES SEM FIOS A tecnologia sem fios vem sendo comumente utilizada

Leia mais

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS INTRODUÇÃO: Entende-se por Mobilidade a possibilidade de poder se comunicar em qualquer momento e de qualquer lugar. Ela é possível graças às redes wireless, que podem

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Exemplos de Sistemas Distribuídos Compartilhamento de Recursos e a Web Principais Desafios para a Implementação

Leia mais

I N T R O D U Ç Ã O W A P desbloqueio,

I N T R O D U Ç Ã O W A P desbloqueio, INTRODUÇÃO Para que o Guia Médico de seu Plano de Saúde esteja disponível em seu celular, antes de mais nada, sua OPERADORA DE SAÚDE terá de aderir ao projeto. Após a adesão, você será autorizado a instalar

Leia mais

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf.

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação Cap. 1 Introdução Prof. Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br Material Base: Marcelo Moreno Dep. Ciência da Computação 1 Computação Móvel Computação

Leia mais

The Battle for the Home. Jesper Rhode Andersen Ericsson - Brasil

The Battle for the Home. Jesper Rhode Andersen Ericsson - Brasil The Battle for the Home Jesper Rhode Andersen Ericsson - Brasil 1 The Interconnected World Telecom Industry Broadband Services Wi-Fi (Home, Public, Enterprise) Wireless Internet The Interconnected World

Leia mais

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Abertos Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Caracterização de Sistemas Distribuídos Coulouris, Dollimore and Kindberg. Distributed Systems: Concepts and

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Faculdades SENAC Análise e Desenvolvimento de Sistemas 12 de agosto de 2010 Um sistema no qual componentes localizados em redes, se comunicam e coordenam suas ações somente por passagem de mensagens. Características:

Leia mais

Conexão Sem Fio Guia do Usuário

Conexão Sem Fio Guia do Usuário Conexão Sem Fio Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. Bluetooth é marca comercial dos respectivos

Leia mais

Pagamento Móvel. Autor: Eduardo Feijó edufeijo@ime.usp.br 11.06.2013. Computação Móvel - IME - USP Prof. Alfredo Goldman

Pagamento Móvel. Autor: Eduardo Feijó edufeijo@ime.usp.br 11.06.2013. Computação Móvel - IME - USP Prof. Alfredo Goldman Pagamento Móvel Autor: Eduardo Feijó edufeijo@ime.usp.br 11.06.2013 Computação Móvel - IME - USP Prof. Alfredo Goldman 1/11 Índice 1.Introdução - 3 2.Definição de pagamento móvel - 4 3.Sistemas legados

Leia mais

Tecnologias, Desafios e Oportunidades 1

Tecnologias, Desafios e Oportunidades 1 Capítulo 5 Comunicação Sem Fio e Computação Móvel: Tecnologias, Desafios e Oportunidades 1 Antonio A.F. Loureiro, Djamel F.H. Sadok, Geraldo R. Mateus, José Marcos S. Nogueira, Judith Kelner Abstract Mobile

Leia mais

Guia das Cidades Digitais

Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 4: Tecnologia Wi-Fi INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 Este módulo trata da tecnologia de acesso sem fio mais amplamente

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 9 OBJETIVOS OBJETIVOS A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware 1. A nova infra-estrutura de tecnologia de informação Conectividade Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos Sistemas abertos Sistemas de software Operam em diferentes plataformas

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução

Sistemas Distribuídos. Introdução Sistemas Distribuídos Introdução Definição Processos Um sistema distribuído é um conjunto de computadores independentes, interligados por uma rede de conexão, executando um software distribuído. Executados

Leia mais

Comércio Eletrônico AULA 18. Sistemas para Internet. Professora Ms Karen Reis

Comércio Eletrônico AULA 18. Sistemas para Internet. Professora Ms Karen Reis Comércio Eletrônico AULA 18 Professora Ms Karen Reis 2011 Sistemas para Internet 1 REFLEXÃO Faça uma busca na internet por certificados digitais. Escreva quatro ou cinco parágrafos sobre como usar os certificados

Leia mais

Dispositivos de entrada sem fio 1 INTRODUÇÃO

Dispositivos de entrada sem fio 1 INTRODUÇÃO Dispositivos de entrada sem fio 1 INTRODUÇÃO Nosso seminário vai apresentar uma tecnologia de entrada de dados sem fio, ou seja, os dados de entrada vao ser transmitidos sem a necessidade de meios fisicos

Leia mais

A mobilidade da HP em suas mãos

A mobilidade da HP em suas mãos Pocket PCs HP ipaq e Smartphones A mobilidade da HP em suas mãos A mobilidade em suas mãos Hoje em dia, os negócios exigem que você fique o tempo todo conectado. Mas não basta ficar conectado, é preciso

Leia mais

Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos)

Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos) Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos) Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos.

Leia mais

Wireless Application Protocol (WAP) Este tutorial apresenta os conceitos básicos do WAP, suas características e aplicações.

Wireless Application Protocol (WAP) Este tutorial apresenta os conceitos básicos do WAP, suas características e aplicações. Wireless Application Protocol (WAP) Este tutorial apresenta os conceitos básicos do WAP, suas características e aplicações. Huber Bernal Filho Engenheiro de Teleco (MAUÁ 79), tendo atuado nas áreas de

Leia mais

Introdução a Computação Móvel

Introdução a Computação Móvel Introdução a Computação Móvel Computação Móvel Prof. Me. Adauto Mendes adauto.inatel@gmail.com Histórico Em 1947 alguns engenheiros resolveram mudar o rumo da história da telefonia. Pensando em uma maneira

Leia mais

TEORIA GERAL DE SISTEMAS

TEORIA GERAL DE SISTEMAS TEORIA GERAL DE SISTEMAS A Internet global A World Wide Web Máquinas de busca Surgiram no início da década de 1990 como programas de software relativamente simples que usavam índices de palavras-chave.

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos Introdução Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br SUMÁRIO Definições Características Desafios Vantagens Desvantagens 2 Definições DEFINIÇÕES Um sistema distribuído é uma coleção

Leia mais

Symantec Backup Exec.cloud

Symantec Backup Exec.cloud Proteção automática, contínua e segura que faz o backup dos dados na nuvem ou usando uma abordagem híbrida, combinando backups na nuvem e no local. Data Sheet: Symantec.cloud Somente 2% das PMEs têm confiança

Leia mais

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Henrique Tinelli Engenheiro de Marketing Técnico NI Nesta apresentação, iremos explorar: Plataforma NI CompactDAQ Distribuída Sistemas de Medição

Leia mais

4G no Brasil: Demanda dos Usuários e Exemplos de Aplicações. Alexandre Jann FIESP. Marketing & Strategy General Manager NEC Latin America

4G no Brasil: Demanda dos Usuários e Exemplos de Aplicações. Alexandre Jann FIESP. Marketing & Strategy General Manager NEC Latin America 5º Encontro de Telecomunicações Respeito ao Consumidor 4G no Brasil: FIESP Demanda dos Usuários e Exemplos de Aplicações Alexandre Jann Marketing & Strategy General Manager NEC Latin America Tópicos Perfil

Leia mais

Integração de uma aplicação WAP com o PHP

Integração de uma aplicação WAP com o PHP Integração de uma aplicação WAP com o PHP Jacques Schreiber 1, Janice Inês Deters 2 1 Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC) - Departamento de Informática CEP: 96815-900 Santa Cruz do Sul RS- Brazil

Leia mais

Tecnologia de redes celular GSM X CDMA

Tecnologia de redes celular GSM X CDMA Tecnologia de redes celular GSM X CDMA GSM (Global Standard Mobile) GSM (Global Standard Mobile) Também baseado na divisão de tempo do TDMA, o GSM foi adotado como único sistema europeu em 1992, e se espalhou

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES MEMÓRIAS DE AULA AULA 1 APRESENTAÇÃO DO CURSO, HISTÓRIA, EQUIPAMENTOS E TIPOS DE REDES Prof. José Wagner Bungart CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Definição de Redes de Computadores e Conceitos

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Referências Caracterização de Sistemas Distribuídos Sistemas operacionais modernos Andrew S. TANENBAUM Prentice-Hall, 1995 Capítulo 9 Seções 9.1 a 9.3 Distributed Systems: concept

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 09

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 09 FACULDADE CAMÕES PORTARIA 4.059 PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE DISCIPLINAS AO AMBIENTE ON-LINE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL DOCENTE: ANTONIO SIEMSEN MUNHOZ, MSC. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: FEVEREIRO DE 2007. Internet,

Leia mais

Entenda o resultado da medição

Entenda o resultado da medição Entenda o resultado da medição Lembre-se que fatores externos podem influenciar na medição. As velocidades contratadas são velocidades nominais máximas de acesso, sendo que estão sujeitas a variações decorrentes

Leia mais

Aplicações. www.alcatel-lucent.com

Aplicações. www.alcatel-lucent.com Aplicações 4289196 - BR - 08/2008 - Alcatel, Lucent, Alcatel-Lucent e a logomarca Alcatel-Lucent são marcas registradas da Alcatel-Lucent. Todas as outras marcas comerciais são propriedade de seus respectivos

Leia mais

Informática. Aula 9. A Internet e seu Uso nas Organizações

Informática. Aula 9. A Internet e seu Uso nas Organizações Informática Aula 9 A Internet e seu Uso nas Organizações Curso de Comunicação Empresarial 2º Ano O Que é a Internet? A Internet permite a comunicação entre milhões de computadores ligados através do mundo

Leia mais

Sem fios (somente em alguns modelos)

Sem fios (somente em alguns modelos) Sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registadas da Microsoft Corporation nos EUA. Bluetooth

Leia mais

GUIA DE RECURSOS SMART

GUIA DE RECURSOS SMART GUIA DE RECURSOS SMART Características dos aplicativos da SMART TV 1.Android 4.2 dual-core smart TV 2.Conexão de rede (com fio/sem fio/pppoe/wlan HP) 3. Sync-View (opcional) 4. Multi-screen Interativa

Leia mais

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS EM WINDOWS MOBILE. PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno:

Leia mais

Programação para Dispositivos Móveis. Prof. Wallace Borges Cristo

Programação para Dispositivos Móveis. Prof. Wallace Borges Cristo Programação para Dispositivos Móveis Prof. Wallace Borges Cristo Acesso a informação Notícias, Ringtones, Vídeos Messenger/Chat Jogos Acesso a instituições financeiras M-commerce (Mobile Commerce) Aplicações

Leia mais

Comparativo de soluções para comunicação unificada

Comparativo de soluções para comunicação unificada Comparativo de soluções para comunicação unificada Bruno Mathies Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 Resumo Este artigo tem com objetivo

Leia mais

BIG DATA Armazenamento e Gerenciamento de grandes volumes de dados

BIG DATA Armazenamento e Gerenciamento de grandes volumes de dados BIG DATA Armazenamento e Gerenciamento de grandes volumes de dados Carlos Marques Business Development Manager, Data Connectivity and Integration Latin America & Caribbean Market (CALA) O que veremos hoje?

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Tanenbaum, Redes de Computadores, Cap. 1.2 AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.3 Escravo é um

Leia mais

Aplicações e Serviços Baseados em Localização

Aplicações e Serviços Baseados em Localização Aplicações e Serviços Baseados em Localização Introdução à Computação Móvel Adolfo Correia Sumário Introdução Taxonomia de Aplicações Arquitetura Técnicas de Localização Conclusão Introdução Integram a

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

WPAN ZigBee & Bluetooth SDIC Cap6. Redes Sem Fios

WPAN ZigBee & Bluetooth SDIC Cap6. Redes Sem Fios Redes Sem Fios As recomendações do IEEE (Institute of Electrical and Eletronics Engineers), particularmente as recomendações da série IEEE 802.11, são os exemplos mais conhecidos para os padrões de redes

Leia mais

Iniciativa para Identificação de Oportunidades Tecnológicas para o Desenvolvimento da Internet do Futuro. Tania Regina Tronco

Iniciativa para Identificação de Oportunidades Tecnológicas para o Desenvolvimento da Internet do Futuro. Tania Regina Tronco Iniciativa para Identificação de Oportunidades Tecnológicas para o Desenvolvimento da Internet do Futuro Tania Regina Tronco Data: 15/04/2009 Motivadores A evolução da Internet causará um forte impacto

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

INTRODUÇÃO A REDES SEM FIO

INTRODUÇÃO A REDES SEM FIO INTRODUÇÃO A REDES SEM FIO Alternativas aos tradicionais meios para transmissão de dados Maior flexibilidade de recursos Mobilidade dos computadores na empresa Saída para os problemas de comunicação ocasionados

Leia mais

Computação Móvel e Comunicação Sem Fio Visão Geral

Computação Móvel e Comunicação Sem Fio Visão Geral Computação Móvel e Comunicação Sem Fio Visão Geral Oportunidades m-business, m-government, m-life Aplicações em Ambientes Móveis Tecnologias Redes sem Fio Redes de Telefonia Celular: de 1G a 5G Wireless

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - WPAN: Bluetooth www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Bluetooth (IEEE 802.15.1) O Bluetooth é o nome comercial que faz referência ao Padrão IEEE 802.15.1

Leia mais

Wireless: aplicação na automação industrial

Wireless: aplicação na automação industrial Artigos Técnicos Wireless: aplicação na automação industrial Ricardo Jacobina Silva, Diretor Técnico da Autocon Automação e Controle Ltda. Introdução Este artigo busca apresentar, essencialmente, a utilização

Leia mais

SUMÁRIO. Informática Informação X Comunicação Sistemas de Informação Tipos de computadores

SUMÁRIO. Informática Informação X Comunicação Sistemas de Informação Tipos de computadores A ERA DA COMPUTAÇÃO SISTEMAS DE COMPUTADOR Wagner de Oliveira SUMÁRIO Informática Informação X Comunicação Sistemas de Informação Tipos de computadores Computadores de grande porte Computadores de médio

Leia mais

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas:

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes Sem Fio Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes sem fio fixa são extremamente bem adequado para implantar rapidamente uma conexão de banda larga, para

Leia mais

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registada da Microsoft Corporation nos E.U.A. Bluetooth

Leia mais

M-Learning. Tendências da educação com o uso de dispositivos móveis.

M-Learning. Tendências da educação com o uso de dispositivos móveis. M-Learning Tendências da educação com o uso de dispositivos móveis. Mauro Faccioni Filho, Dr.Eng. Fazion Sistemas mauro@fazion.com.br Unisul Virtual mauro.faccioni@unisul.br Novembro/2008 www.fazion.com.br

Leia mais

www.smartptt.com.br e-mail: info@smartptt.com.br O SOFTWARE MOTORBO Suporte: e-mail: suporte@smartptt.com.br Suporte: Fone: +55 11 2914-3040

www.smartptt.com.br e-mail: info@smartptt.com.br O SOFTWARE MOTORBO Suporte: e-mail: suporte@smartptt.com.br Suporte: Fone: +55 11 2914-3040 O SOFTWARE MOTORBO Um sistema de controle de comunicações moderno não é composto apenas de hardware. Atualmente, software tem papel primordial. Com ele, é possível extrair todo o potencial disponibilizado

Leia mais

Der. CryptoPhone IP UltraSecNet

Der. CryptoPhone IP UltraSecNet 0 Der CryptoPhone IP UltraSecNet 1 Solução - GSMK como seu parceiro de comunicação segura Fundada em 2003, a GSMK é líder global em criptografia de voz e mensagem Fundada em 2003 após dois anos de pesquisa

Leia mais

Kit de Demonstração MatchPort Início Rápido

Kit de Demonstração MatchPort Início Rápido Kit de Demonstração MatchPort Início Rápido Número de peça 900-486 Revisão F Maio 2010 Índice Introdução...3 Conteúdo do kit de demonstração...3 O que você precisa saber...3 Endereço de hardware... 3 Endereço

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA. Curso: Redes de Computadores e Telecomunicações

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA. Curso: Redes de Computadores e Telecomunicações UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA Curso: Redes de Computadores Módulo 2 - Conceitos e Fundamentos Evolução das Redes d LAN, MAN e WAN Material de Apoio 2011 / sem2 Prof. Luiz Shigueru Seo CONCEITOS e FUNDAMENTOS

Leia mais

A EMPRESA SOLUÇÕES CORPORATIVAS SOLUÇÕES PARA OPERADORAS. Wholesale. Servidores SIP. Flat Fixo Brasil em CLI. IPBX Segurança e economia

A EMPRESA SOLUÇÕES CORPORATIVAS SOLUÇÕES PARA OPERADORAS. Wholesale. Servidores SIP. Flat Fixo Brasil em CLI. IPBX Segurança e economia A EMPRESA A ROTA BRASIL atua no mercado de Tecnologia nos setores de TI e Telecom, buscando sempre proporcionar às melhores e mais adequadas soluções aos seus Clientes. A nossa missão é ser a melhor aliada

Leia mais

DIMETRA IP Compact. uma solução TETRA completa e compacta

DIMETRA IP Compact. uma solução TETRA completa e compacta DIMETRA IP Compact uma solução TETRA completa e compacta MOTOROLA - SEU PARCEIRO DE TECNOLOGIA CONFIÁVEL E ATUANTE Uma herança que dá orgulho As soluções TETRA da Motorola alavancam mais de 75 anos de

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Introdução Infraestrutura móvel Características dos dispositivos móveis Desenvolvendo aplicações

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Brasil Junho de 2013 Preparado para Copyright IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved. Agenda Introdução Descrição do projeto Resultados

Leia mais

Ameaças e Segurança da Informação para dispositivos Móveis. gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br

Ameaças e Segurança da Informação para dispositivos Móveis. gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br Ameaças e Segurança da Informação para dispositivos Móveis gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br Ameaças e Vulnerabilidades em Dispositivos Móveis gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras Tópicos O que é GPSR Arquitetura do Sistema Estados Operacionais do Celular GPRS Classes do Celular GSM/ GPRS Protocolos do GPRS Transmitindo Pacotes

Leia mais

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS Vimos em nossas aulas anteriores: COMPUTADOR Tipos de computadores Hardware Hardware Processadores (CPU) Memória e armazenamento Dispositivos de E/S

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO: MERCADOS DIGITAIS, MERCADORIAS DIGITAIS. Capítulo 9 L&L Paulo C. Masiero 2º. Semestre 2011

COMÉRCIO ELETRÔNICO: MERCADOS DIGITAIS, MERCADORIAS DIGITAIS. Capítulo 9 L&L Paulo C. Masiero 2º. Semestre 2011 COMÉRCIO ELETRÔNICO: MERCADOS DIGITAIS, MERCADORIAS DIGITAIS Capítulo 9 L&L Paulo C. Masiero 2º. Semestre 2011 UM BANHO DE LOJA NOS SITES DA GAP Problema: Concorrência pesada, site difícil de usar (excesso

Leia mais

Estudo do Caso PT-SI: Dois passos em frente nos ambientes colaborativos. Carlos Pinhão Lisboa, 2 de Abril 2008

Estudo do Caso PT-SI: Dois passos em frente nos ambientes colaborativos. Carlos Pinhão Lisboa, 2 de Abril 2008 Estudo do Caso PT-SI: Dois passos em frente nos ambientes colaborativos Carlos Pinhão Lisboa, 2 de Abril 2008 Agenda O porquê da mudança Comunicações Conclusões 2 O porquê da mudança PT-SI conta com mais

Leia mais

Mobile Banking: o banco sempre presente. Angelo R. Fernandes CIAB São Paulo SP 23 de junho de 2006

Mobile Banking: o banco sempre presente. Angelo R. Fernandes CIAB São Paulo SP 23 de junho de 2006 Mobile Banking: o banco sempre presente Angelo R. Fernandes CIAB São Paulo SP 23 de junho de 2006 Por que desenvolver um conjunto de soluções de mobilidade? Tempo escasso x agenda complexa Precisa ser

Leia mais

Tel (21) 3287-2509 ou 8809-5779

Tel (21) 3287-2509 ou 8809-5779 1) Susana é produtora de eventos no Rio de Janeiro-RJ e não está conseguindo enviar as suas propostas comerciais via e-mail, através do Outlook. Sabendo que ela consegue baixar as suas mensagens, podemos

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

Telefonia Móvel Celular

Telefonia Móvel Celular Redes Pessoais Sem Fio Bluetooth Prof. Francisco José da Silva e Silva Prof. Rafael Fernandes Lopes Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação (PPGCC) Universidade Federal do Maranhão (UFMA) Telefonia

Leia mais

Mobile Commerce. e-mail: wilson.cunha@viewit.com.br

Mobile Commerce. e-mail: wilson.cunha@viewit.com.br Mobile Commerce Wilson Cunha 30 anos de experiência em negócios. Formado em Tecnologia da Informação; E-commerce, Marketing Digital,. Há 06 anos em mobile commerce. Premiado no e-show 2013, melhor aplicativo

Leia mais