OSIRIS Framework: construindo sistemas de monitoramento com redes de sensores sem fio para compartilhar dados

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OSIRIS Framework: construindo sistemas de monitoramento com redes de sensores sem fio para compartilhar dados"

Transcrição

1 OSIRIS Framework: construindo sistemas de monitoramento com redes de sensores sem fio para compartilhar dados Felipe Santos, Raphael Guerra 1 Laboratório Tempo Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói/RJ, Brasil Abstract. Physical components of wireless sensor networks (WSNs) are highly heterogeneous, suffer damage, are replaced, data is generated massively and must be managed, stored and made available to other systems. In this paper, we propose the OSIRIS, which provides resources for monitoring the WSN, collecting, processing, and storing data, and an interface for providing data to other applications and/or systems. OSIRIS uses a set of abstractions to offer flexibility for the creation of various monitoring systems and to decouple network physical sensors from data consuming applications. We used OSIRIS to build a thermal monitoring system for datacenters. Resumo. Componentes físicos de redes de sensores sem fio são altamente heterogêneos, sofrem avaria, são substituídos, dados são gerados massivamente e devem ser gerenciados, armazenados e compartilhados com outros sistemas. Neste trabalho, propomos o framework OSIRIS, o qual oferece recursos para coletar, processar, armazenar e disponibilização dados da rede sensora para outras aplicações e/ou sistemas, além de monitorar a própria rede sensora. O diferencial do OSIRIS é a flexibilidade na criação de sistemas de monitoramento diversos e o desacoplamento entre a rede de sensores físicos e a aplicação final, que é obtido a partir de um conjunto de abstrações definidos no framework. Nós utilizamos o OSIRIS para construir um sistema de monitoramento térmico em centros de processamento de dados. 1. Introdução Redes de sensores sem fio consistem de pequenos sensores com limitados recursos computacionais que trabalham em grupo de forma inteligente para atingir seus objetivos. A utilização destas redes em aplicações práticas tem como maior desafio a limitação energética e a baixa capacidade de processamento dos nós [Yick et al. 2008]. Diversas aplicações destas redes já foram propostas na literatura [Suzuki et al. 2007, Wang et al. 2011, Zanatta et al. 2014], inclusive para ambientes inteligentes e Internet das Coisas [Piyare and Lee 2013, Kelly et al. 2013, Zhong et al. 2014]. O compartilhamento de dados coletados com outras aplicações representa um desafio adicional à implantação de sistemas baseados em redes de sensores sem fio. Dentre os desafios para esta interoperabilidade, podemos citar a natureza altamente heterogênea das redes de sensores sem fio e a conectividade volátil dos nós. Além disso, o tráfego gerado em cada requisição de dados aumenta o consumo de energia da rede. Estes dados muitas vezes ainda precisam ser processados antes de utilizados para oferecer uma

2 visão mais completa e robusta do ambiente monitorado, técnica conhecida como fusão de dados [Durrant-Whyte and Henderson 2008]. Neste contexto, faz-se necessário uma infraestrutura capaz de coletar, processar, armazenar e compartilhar entre várias aplicações concorrentes dados provenientes de diferentes fontes de maneira padronizada e flexível, além de gerenciar a rede coletora ao mesmo tempo em que esconde detalhes intrínsecos da forma como os dados são obtidos. Construir esta infraestrutura do zero para cada sistema de monitoramento é uma tarefa custosa. Em nossa revisão bibliográfica, o SenseWeb [Kansal et al. 2007] é a proposta de uma infraestrutura para compartilhamento de dados sensoriais que mais se assemelha ao nosso trabalho. Como podemos ver na Figura 1, ele define 4 componentes principais: sense gateway, mobile proxy, coordinator e data transformer. O sense gateway e o mobile proxy provêm uma interface uniforme para a comunicação com os sensores. O coordinator armazena dados em cache para minimizar o fluxo de dados proveniente diretamente dos sensores e gerencia as necessidades de sensoriamento de cada aplicação para localizar os sensores apropriados. Finalmente, o data transformers manipula os dados coletados antes de repassá-los para as aplicações, seja para melhor visualização, conversão de unidade ou filtragem. Observamos que não há cache ou armazenamento persistente de dados provenientes de data transformers. Logo, dados crus que precisam ser manipulados antes de repassados às aplicações devem ser processados a cada solicitação. Aplicações também precisam estar cientes da necessidade de realizar estas transformações. Além disso, se duas aplicações distintas solicitam dados da mesma rede sensora, haverá tráfego de dados na rede para cada solicitação, o que aumenta o consumo energético. Notamos também que o coordinator é um elemento centralizador, o que compromete a escalabilidade. Finalmente, o SenseWeb não oferece um elemento para gerenciar o funcionamento das redes de sensores sem fio, como consumo de energia, estado da árvore de roteamento, etc. Nossa proposta é o OSIRIS Framework (veja a Figura 2). Ele consiste de 4 módulos principais: Collector, SensorNet, VirtualSensorNet e DBManager. O Collec- Sensores Sensores Virtuais... SensorNet VirtualSensorNet DBManager Camada de comunicação Collectors Applications Figura 1. Arquitetura do SenseWeb. Figura 2. Arquitetura do OSIRIS.

3 tor é o gateway que extrai dados da rede sensora e os transfere para o OSIRIS, podendo haver vários deles para uma mesma rede. O SensorNet é a representação em software do estado atual da rede física e de seus sensores, armazenando dados e metadados como nível de bateria, leitura atual de cada sensor, grafo de roteamento de dados, etc. O VirtualSensorNet é a entidade gerenciadora dos VirtualSensors, a abstração de um sensor do ponto de vista das aplicações. O VirtualSensor esconde da aplicação a fonte dos dados, podendo a fonte ser um sensor físico diretamente ou um processamento de dados proveniente de vários sensores (para tolerância a falhas, fusão de dados, entre outros). O DBManager recebe requisições do SensorNet e do VirtualSensorNet para armazenar e retornar dados. Todos estes módulos são distribuídos e se comunicam por meio de uma Camada de Comunicação. O SensorNet e o VirtualSensorNet evitam que sucessivas consultas aos dados de uma mesmo sensor gere tráfego extra na rede sensora física, economizando energia. Além disso, o VirtualSensorNet permite que dados processados da rede física sejam armazenados e disponibilizados como se fossem provenientes diretamente de sensores. Esta abstração reduz a carga de processamento no framework e o acoplamento entre as aplicações e a natureza original dos dados como obtidos diretamente da rede física. O posicionamento estratégico dos Collectors oferece tolerância a falhas e reduz o tráfego dentro da rede por oferecer várias opções de rota de saída para os dados coletados. O DBManager permite a consulta de históricos sempre que necessário. O resto deste documento está estruturado da seguinte forma. A Seção 2 descreve a camada de comunicação, e a Seção 3, os módulos do OSIRIS. Em seguida, apresentamos na Seção 4 uma implementação de um sistema de monitoramento térmico sobre o OSIRIS. Esta implementação será demonstrada no evento. Finalmente, a Seção 5 traz as conclusões e propostas de trabalhos futuros. 2. Camada de comunicação do OSIRIS No OSIRIS, os módulos podem se comunicar de maneira síncrona ou assíncrona para efetuar requisições, retornar repostas e difundir mensagens de eventos. Os módulos que requerem respostas às suas requisições comunicam-se de forma síncrona como uma transação atômica. Ou o cliente recebe a resposta à requisição enviada, ou a ação solicitada não é efetuada no servidor. Há também módulos que necessitam apenas divulgar mensagens sobre um determinado estado de seus recursos para um número indeterminado de interessados seguindo o padrão publish-subscribe. Estes módulos realizam uma comunicação assíncrona com garantia de entrega, mas sem confirmação de recebimento. O OSIRIS define grupos de mensagens para o envio de mensagens assíncronas. Qualquer módulo interessado nas mensagens de um grupo deve subscrever-se no respectivo grupo. O OSIRIS já define alguns grupos de mensagens padrões, que serão discutidos na Seção 3, e o desenvolvedor que estende o OSIRIS pode criar novos grupos conforme julgar necessário para a sua aplicação de monitoramento. A troca de mensagens é feita usando o OMCP - OSIRIS module communication protocol - um protocolo de comunicação de baixo acoplamento desenvolvido para a comunicação entre os módulos do OSIRIS. Baseado no estilo arquitetural REST [Fielding 2000], o OMCP define 5 métodos: GET, POST, PUT, DELETE e NO- TIFY. Os quatro primeiros métodos são chamadas RPC síncronas e bloqueantes que ne-

4 cessitam de retorno obrigatório. Se o recebimento da mensagem de resposta não for confirmado, a ação não é executada no servidor. O GET recupera informações de um recurso, o POST cria um novo recurso, o PUT atualiza um recurso e o DELETE apaga um recurso existente. Já o NOTIFY é um método sem retorno não-bloqueante utilizado notificação assíncrona (publish-subscribe). 3. Módulos do OSIRIS O OSIRIS consiste de um conjunto de módulos especializados que cooperam entre si. Temos para a coleta de dados o módulo Collector, para o processamento e disponibilização de dados o módulo VirtualSensorNet, para o a persistência de dados o DBManager e para o monitoramento da rede sensora o módulo SensorNet. As próximas seções descrevem estes módulos com mais detalhes Collector O Collector é o módulo que conecta o framework à rede de sensores, capturando passivamente (sumidouro) dados provenientes da rede de sensores para alimentar os outros módulos do OSIRIS. O Collector empacota os dados adquiridos para repassá-los ao framework, atribuindo-lhes propriedades de rastreabilidade como a qual rede, coletor e sensor o dado pertence. É no Collector que os dados devem ser estritamente tratados, descritos em detalhes, com identificações sobre o valor, o nome do campo (temperatura, pressão, luminosidade, etc.), o tipo do valor do dado no ambiente computacional (integer, bool, real, text, etc.), a unidade de medida do valor (Celsius, volt, ampere, entre outros) e o símbolo da unidade de medida (Hz, V, A, entre outros). Por exemplo, uma amostra de temperatura teria para a tupla <valor, campo, tipo, unidade, símbolo> os valores <30.5, temperatura, real, Celsius, C>. Cada instância em execução do Collector deve possuir um identificador para si e um outro para qual rede ele pertence. Se todos os sensores enviam os dados para uma determinada base, o Collector deve fazer parte desta base para receber os dados e repassálos ao OSIRIS por meio do grupo de mensagens dedicado as mensagens do Colletor, chamado de omcp://collector.messagegroup.osiris/ SensorNet O SensorNet é o módulo responsável por monitorar a rede física e emitir notificações quando alterações ocorrem na rede. Ele mapeia os dados e metadados da rede de sensores para o ambiente computacional, organizando os dados logicamente utilizando os seguintes recursos: Networks Mapeamento para armazenar dados sobre todas as redes de sensores monitoradas com o SensorNet. Collectors Em cada rede monitorada, um ou mais coletores devem existir, sendo estes alocados neste recurso. Sensors Os sensores são alocados neste recurso, que é parte constituinte dos recursos Collectors e Networks. O SensorNet funciona da seguinte maneira. As mensagens de captura enviadas pelos Collectors são capturadas pelo SensorNet. Para tanto,

5 ele se inscreve no grupo de mensagens de divulgação de dados do coletor, omcp://collector.messagegroup.osiris/. Os dados coletados são utilizados para atualizar os respectivos recursos, caso sejam dados de um recurso já existente, ou para instruir o módulo a criar novos recursos. Como a rede sensora sem fio pode enviar dados replicados ou fora de ordem, o SensorNet requer a especificação de um campo identificador nos dados coletados para não atualizar o estado de um sensor com informação antiga nem repassar informação replicada. O SensorNet também verifica periodicamente se seus recursos estão sendo atualizados. Caso não estejam, o SensorNet altera o estado deste sensor para desativado e emite uma notificação para o sistema informando que o determinado recurso está inativo. A notificação é enviada para o grupo de mensagens omcp://notification.messagegroup.osiris/. Uma posterior atualização muda o estado do recurso para ativo novamente. Um sensor também pode estar no estado atualizado (se acabou de receber uma atualização de dados), novo (se acabou de ser criado), reativado (se estava inativo e voltou a funcionar) ou malfuncionamento (se alguns de seus dados não são atualizados ou recebem valores estranhos). Logo, este módulo evita que consultas sobre a rede de sensores sejam repassadas diretamente para a rede física, o que reduz o tráfego na rede, economiza energia e abstrai a alta heterogeneidade intrínseca de redes de sensores sem fio VirtualSensorNet O VirtualSensorNet é o módulo responsável por desacoplar os dados coletados dos dispositivos físicos (fontes geradoras) existentes na rede de sensores. Sendo assim, ele é uma abstração entre as aplicações e as fontes geradoras. O VirtualSensorNet pode ainda tratar os dados obtidos antes de disponibilizá-los para as aplicações. Desta forma, alterações nas fontes geradoras são invisíveis para as aplicações consumidoras de dados. O VirtualSensorNet utiliza os sensores virtuais, que são unidades sensoras de software. Existem 3 tipos de sensores virtuais: Link, Composite e Blending. Os sensores virtuais do tipo Link podem vincular-se a um sensor físico e armazenar seus dados. Ele permite também a ampliação ou a substituição dos dispositivos físicos, pois pode alterar a sua fonte de dados mesmo depois de criado. Os sensores virtuais do tipo Composite são capazes de compor um novo sensor virtual a partir da seleção de campos de diversos sensores virtuais existentes. A composição roteia os dados já armazenados para o novo sensor virtual, sem duplicação de dados. Os sensores virtuais do tipo Blending são a especialização projetada para realizar o processamento de dados sobre um conjunto de sensores virtuais. O sensor virtual do tipo Blending contém um conjunto de sensores virtuais e uma função para o processamento. As funções atuam como módulos do OSIRIS e recebem como parâmetro os sensores virtuais selecionados para processar o conjunto de dados. Ao termino da operação, as funções enviam o resultado para o Blending, para que o valor seja adicionado como um dado de leitura deste sensor. Com Blendings podemos implementar fusões de dados, conversões métricas, tolerância a falhas, entre outros. Similar ao SensorNet, o VirtualSensorNet emite notificações sobre mudanças de estados de seus sensores virtuais para as aplicações interessadas. As notificações

6 são enviadas para o mesmo grupo de mensagens utilizado pelo SensorNet, o grupo omcp://notification.messagegroup.osiris/ DBManager O DBManager é módulo projetado para o armazenamento de dados do OSIRIS e trabalha diretamente com a persistência de dados do SensorNet e do VirtualSensorNet. Sua tarefa é o armazenamento os dados de maneira inteligente, gerando o mínimo possível de duplicação dos dados compartilhados entre o SensorNet e o VirtualSensorNet. Outra característica do DBManager é otimizar as operações de busca e armazenamento de dados. O DBManager não possui nenhum grupo de mensagens, e as comunicações com ele são sempre realizadas por meio de métodos síncronos. 4. Implementação de um Sistema de Monitoramento Térmico Qualquer sistema de monitoramento e controle térmico deve, essencialmente, coletar dados sensoriais da temperatura do ambiente e agir sobre o ambiente monitorado de modo a manter a temperatura dentro do patamar desejado. Na demonstração que apresentaremos no evento, utilizamos o OSIRIS para construir o TMON, um sistema de monitoramento térmico para centros de processamento de dados. Seu código fonte e documentação da instalação estão disponíveis no link https://github.com/labtempo/tmon/, onde o menu WiKi contém o manual de instalação e uso. Nossa implementação assume a existência de uma camada de coleta de dados com redes de sensores sem fio. Neste trabalho, usamos a mesma rede sensora proposta por Zanatta et al [Zanatta et al. 2014]. O TMON apresenta gráficos com as leituras de temperatura de cada sensor, cálculo da média de temperatura na sala, e o monitoramento do estado da rede sensora, tudo disponibilizado para o usuário por meio de uma interface de visualização Web. O monitoramento do funcionamento da rede de sensores sem fio é realizado com informações sobre a atividade dos sensores, a topologia da rede e o nível de bateria de cada nó. Nós usamos o módulo SensorNet para realizar o monitoramento da rede de sensores sem fio. Com os dados obtidos do SensorNet (sensor, network, collector), foi possível a construção do grafo da rede sensora. Parâmetros de informação adicionais foram utilizados para declarar o parentesco dos sensores e o papel de atuação (sensor e/ou roteador). A Figura 3 mostra um grafo da topologia de roteamento de dados da rede sensora na nossa interface Web. Nesta figura, é possível visualizar a organização da rede sensora em forma de árvore, formada pela relação pai-filho entre os nós. As cores dos nós indicam se estão ativos ou inativos (verde ou vermelho); o nó azul é a estação base. Também vemos os números identificadores de cada nó. A Figura 4 apresenta o nível de energia de um nó. Todos os nós da rede possuem bateria, mesmo que não estejam realizando a função de captura. Para o monitoramento do ambiente, a Figura 5 apresenta o mapa térmico do CPD, com a temperatura capturada sobre cada ponto da sala em um dado instante. Já a Figura 6 apresenta um gráfico, na parte superior, com a temperatura média da sala do CPD. Dados de temperatura de cada sensor e da temperatura média da sala do CPD foram implementadas com o OSIRIS utilizando os sensores virtuais. Os sensores virtuais são capazes de

7 Figura 3. Grafo da rede sensora. Figura 4. Consumo de energia. Figura 5. Leitura de temperatura de cada sensor. Figura 6. Cálculo da temperatura média da sala. operar sobre um conjunto de sensores virtuais, processando a informação de temperatura média do ambiente e atribuindo este resultado como uma nova medida de um sensor virtual. A fonte dos dados (sensor físico ou processamento) é completamente indiferente para a aplicação de visualização, que enxerga tudo como sendo um dado de sensor. 5. Conclusão O compartilhamento de dados coletados com outras aplicações representa um desafio adicional à implantação de sistemas baseados em redes de sensores sem fio. Neste trabalho, apresentamos o OSIRIS, uma infraestrutura capaz de coletar, processar, armazenar e compartilhar entre várias aplicações concorrentes dados provenientes de diferentes fontes de maneira padronizada e flexível, além de gerenciar a rede coletora ao mesmo tempo em que esconde detalhes intrínsecos da forma como os dados são obtidos. O OSIRIS ainda oferece abstrações para representar em software o estado atual dos sensores físicos (o SensorNet) e para abstrair das aplicações consumidoras de dados quem são as fontes geradoras de dados (o SensorNet). Neste trabalho, demonstramos uma aplicação deste framework para construir um sistema de monitoramento térmico. Vimos que o pequeno conjunto de abstrações de-

8 finidos pelo OSIRIS é capaz de expressar os mais diversos requisitos de um sistema de monitoramento que precisa processar dados coletados e disponibilizá-los para outras aplicações. Dentre os trabalhos futuros, destacamos a necessidade de descentralizar o SensorNet e o VirtualSensorNet. Além disso, a inclusão de um localizador de dados, como no SenseWeb [Kansal et al. 2007], automatizaria a tarefa de encontrar sensores virtuais que atendam aos interesses das aplicações e de vincular sensores virtuais a sensores do SensorNet. Referências Durrant-Whyte, H. and Henderson, T. (2008). Multisensor data fusion. In Siciliano, B. and Khatib, O., editors, Springer Handbook of Robotics, pages Springer Berlin Heidelberg. Fielding, R. T. (2000). Architectural Styles and the Design of Network-based Software Architectures. PhD thesis. AAI Kansal, A., Nath, S., Liu, J., and Zhao, F. (2007). SenseWeb: an infrastructure for shared sensing. IEEE MultiMedia, 14(4):8 13. Kelly, S., Suryadevara, N., and Mukhopadhyay, S. (2013). Towards the implementation of iot for environmental condition monitoring in homes. Sensors Journal, IEEE, 13(10): Piyare, R. and Lee, S. R. (2013). Towards internet of things (iots): Integration of wireless sensor network to cloud services for data collection and sharing. CoRR, abs/ Suzuki, M., Saruwatari, S., Kurata, N., and Morikawa, H. (2007). A high-density earthquake monitoring system using wireless sensor networks. In Proceedings of the 5th International Conference on Embedded Networked Sensor Systems, SenSys 07, pages , New York, NY, USA. ACM. Wang, B., Guo, X., Chen, Z., and Shuai, Z. (2011). Application of wireless sensor network in farmland data acquisition system. In Zhang, J., editor, Applied Informatics and Communication, volume 226 of Communications in Computer and Information Science, pages Springer Berlin Heidelberg. Yick, J., Mukherjee, B., and Ghosal, D. (2008). Wireless sensor network survey. Computer Networks, 52(12): Zanatta, G., Bottari, G. D., Guerra, R., and Leite, J. C. B. (2014). Building a WSN infrastructure with COTS components for the thermal monitoring of datacenters. In Symposium on Applied Computing, SAC 2014, Gyeongju, Republic of Korea - March 24-28, 2014, pages Zhong, D., Lv, H., Han, J., and Wei, Q. (2014). A practical application combining wireless sensor networks and internet of things: Safety management system for tower crane groups. Sensors, 14(8):

For-All - Uma Plataforma para Sistemas Pervasivos Orientados a Serviço

For-All - Uma Plataforma para Sistemas Pervasivos Orientados a Serviço For-All - Uma Plataforma para Sistemas Pervasivos Orientados a Serviço Elenilson Vieira da S. Filho 1, Ângelo L. Vidal de Negreiros 1, Alisson V. Brito 2 1 Departamento de Informática Universidade Federal

Leia mais

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1 1 / 58 - Parte 1 Erick Nilsen Pereira de Souza T017 - Arquitetura e Design de Aplicações Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 11 de fevereiro de 2015 2 / 58 Agenda Tópicos

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

O Padrão Arquitetural Auto-Adaptável

O Padrão Arquitetural Auto-Adaptável MAC5715 - Tópicos Avançados em POO O Padrão Arquitetural Auto-Adaptável Raphael Y. de Camargo e Carlos Alexandre Queiroz 30 de outubro de 2003 1 Intenção O padrão auto-adaptável permite o desenvolvimento

Leia mais

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Modelos de Arquiteturas Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Arquitetura de Sistemas Distribuídos Clientes e Servidores Peer-to-Peer Variações Vários Servidores Proxy Código Móvel

Leia mais

3 Arquitetura do Sistema

3 Arquitetura do Sistema 3 Arquitetura do Sistema Este capítulo irá descrever a arquitetura geral do sistema, justificando as decisões de implementação tomadas. Na primeira seção iremos considerar um conjunto de nós interagindo

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução

Sistemas Distribuídos. Introdução Sistemas Distribuídos Introdução Definição Processos Um sistema distribuído é um conjunto de computadores independentes, interligados por uma rede de conexão, executando um software distribuído. Executados

Leia mais

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Computação Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Principais questões no projeto de um sistema distribuído (SD) Questão de acesso (como sist. será acessado)

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 MC714 Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 Virtualização - motivação Consolidação de servidores. Consolidação de aplicações. Sandboxing. Múltiplos ambientes de execução. Hardware virtual. Executar múltiplos

Leia mais

Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos. Development of a File Distribution Network

Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos. Development of a File Distribution Network Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos Development of a File Distribution Network Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos Development of a File Distribution Network Talles

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

Modelos e Arquiteturas de Sistemas Computacionais

Modelos e Arquiteturas de Sistemas Computacionais Modelos e Arquiteturas de Sistemas Computacionais Prof. Ricardo J. Rabelo UFSC Universidade Federal de Santa Catarina DAS Departamento de Automação e Sistemas SUMÁRIO Importância da definição da Arquitetura

Leia mais

NanoDataCenters. Aline Kaori Takechi 317055

NanoDataCenters. Aline Kaori Takechi 317055 NanoDataCenters Aline Kaori Takechi 317055 INTRODUÇÃO Introdução Projeto Europeu: NICTA National ICT Australia FP7 7th Framework Program Rede formada por Home Gateways Objetivo: distribuir conteúdo Dispositivos

Leia mais

Projetos I Resumo de TCC. Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5

Projetos I Resumo de TCC. Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5 Projetos I Resumo de TCC Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5 MAD RSSF: Uma Infra estrutura de Monitoração Integrando Redes de Sensores Ad Hoc e uma Configuração de Cluster Computacional (Denise

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Desenvolvimento de Sistemas Cliente Servidor Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Ciclo de Vida Clássico Aonde estamos? Page 2 Análise O que fizemos

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

Transferindo a carga da autenticação remota dos servidores

Transferindo a carga da autenticação remota dos servidores Transferindo a carga da autenticação remota dos servidores Visão Geral Há três etapas usadas pela maioria dos computadores para proteger o acesso a operações, aplicativos e dados sensíveis: A identificação

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Arquiteturas Capítulo 2 Agenda Estilos Arquitetônicos Arquiteturas de Sistemas Arquiteturas Centralizadas Arquiteturas Descentralizadas Arquiteturas

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

3 Trabalhos Relacionados

3 Trabalhos Relacionados 35 3 Trabalhos Relacionados Alguns trabalhos se relacionam com o aqui proposto sob duas visões, uma sobre a visão de implementação e arquitetura, com a utilização de informações de contexto em SMA, outra

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Introdução a computação móvel Monografia: Middlewares para Rede de Sensores sem Fio Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Adriano Branco Agenda Objetivo do trabalho O que é uma WSN Middlewares

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM INTRODUÇÃO, INFRA-ESTRUTURA E MAPEAMENTO DE ESQUEMAS AGENDA Data Management System Peer Data Management System P2P Infra-estrutura Funcionamento do PDMS Mapeamento de Esquemas

Leia mais

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer lugar e independente da plataforma, bastando para isso

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Padrões de Projeto Implementados em Infraestrturas de Componentes

Padrões de Projeto Implementados em Infraestrturas de Componentes Padrões de Projeto Implementados em Infraestrturas de Componentes Paulo Pires paulopires@nce.ufrj.br http//genesis.nce.ufrj.br/dataware/hp/pires 1 distribuídas baseadas em componentes Comunicação transparente,

Leia mais

CAPÍTULO 12 CONCLUSÃO

CAPÍTULO 12 CONCLUSÃO CAPÍTULO 12 CONCLUSÃO Existe somente um avanço. A hora mais escura da noite é o prenúncio do alvorecer. Nos dias sombrios de inverno, prosseguem incessantemente os preparativos para a primavera. Tudo que

Leia mais

Definição de Padrões. Padrões Arquiteturais. Padrões Arquiteturais. Arquiteturas de Referência. Da arquitetura a implementação. Elementos de um Padrão

Definição de Padrões. Padrões Arquiteturais. Padrões Arquiteturais. Arquiteturas de Referência. Da arquitetura a implementação. Elementos de um Padrão DCC / ICEx / UFMG Definição de Padrões Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo Um padrão é uma descrição do problema e a essência da sua solução Documenta boas soluções para problemas recorrentes

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Capítulo 9. Gerenciamento de rede

Capítulo 9. Gerenciamento de rede 1 Capítulo 9 Gerenciamento de rede 2 Redes de computadores I Prof.: Leandro Soares de Sousa E-mail: leandro.uff.puro@gmail.com Site: http://www.ic.uff.br/~lsousa Não deixem a matéria acumular!!! Datas

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos Aula II Prof. Rosemary Silveira F. Melo Arquitetura de Sistemas Distribuídos Conceito de Arquitetura de Software Principais elementos arquiteturais

Leia mais

The Eucalyptus Open-source Cloud-computing System

The Eucalyptus Open-source Cloud-computing System The Eucalyptus Open-source Cloud-computing System O sistema Open Source de nuvens computacionais Eucalyptus Daniel Nurmi, Rich Wolski, Chris Grzegorczyk, Graziano Obertelli, Sunil Soman, Lamia Youseff,

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

MODELAGEM DE PROCESSOS USANDO BPMN (BUSINESS PROCESS MODEL AND NOTATION) E IOT (INTERNET DAS COISAS)

MODELAGEM DE PROCESSOS USANDO BPMN (BUSINESS PROCESS MODEL AND NOTATION) E IOT (INTERNET DAS COISAS) WHITE PAPPER Rafael Fazzi Bortolini Diretor, Cryo Technologies Orquestra BPMS rafael@cryo.com.br Internet das Coisas e Gerenciamento de Processos de Negócio (BPM) são duas disciplinas ou tendências à primeira

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais

Engenharia de Sistemas Computacionais

Engenharia de Sistemas Computacionais Engenharia de Sistemas Detalhes no planejamento UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Curso de Ciência da Computação Engenharia de Software I Prof. Rômulo Nunes de Oliveira Introdução Na aplicação de um sistema

Leia mais

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial 1 of 14 27/01/2014 17:33 Sistema de Paginação de Esportes Universitários Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Histórico da Revisão Data 30 de novembro de 1999 Versão Descrição Autor 1.0 Versão

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Curso: Sistemas de Informação Arquitetura de Software Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 4 Estilos Arquitetônicos Estilos Arquiteturais Dataflow

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva Sumário Introdução Trabalhos Correlatos Eucalyptus Design Conclusões Visão Geral Introdução:

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Questões Em uma rede de sobreposição (overlay), mensagens são roteadas de acordo com a topologia da sobreposição. Qual uma importante desvantagem

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Segurança e Escalabilidade em WebLab no Domínio de Redes de Computadores

Segurança e Escalabilidade em WebLab no Domínio de Redes de Computadores Segurança e Escalabilidade em WebLab no Domínio de Redes de Computadores Autor: Daniel Vieira de Souza 1, Orientador: Luís Fernando Faina 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade

Leia mais

Metas de um Sistema Distribuído

Metas de um Sistema Distribuído Metas de um Sistema Distribuído Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do

Leia mais

Arquitetura de Software e Atributos de Qualidade

Arquitetura de Software e Atributos de Qualidade Arquitetura de Software e Atributos de Qualidade Jair C Leite Requisitos e atributos de qualidade Requisitos Características, atributos, propriedades e restrições associadas ao software. Requisitos funcionais

Leia mais

Gerência de Redes. Arquitetura de Gerenciamento. filipe.raulino@ifrn.edu.br

Gerência de Redes. Arquitetura de Gerenciamento. filipe.raulino@ifrn.edu.br Gerência de Redes Arquitetura de Gerenciamento filipe.raulino@ifrn.edu.br Sistema de Gerência Conjunto de ferramentas integradas para o monitoramento e controle. Possui uma interface única e que traz informações

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS

MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Quando falamos em arquitetura, normalmente utilizamos esse termo para referenciar a forma como os aplicativos computacionais são estruturados e os hardwares

Leia mais

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke Ninguém melhor que os OptiView Solução de Análise de Rede Total integração Total controle Total Network SuperVision Engenheiros de Rede e a Fluke Networks para saber o valor de uma solução integrada. Nossa

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Computação Aula 01-02: Introdução 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Agenda da Apresentação Definição e surgimento de Sistemas Distribuídos Principais aspectos de Sistemas Distribuídos

Leia mais

DESEMPENHO DE REDES. Fundamentos de desempenho e otimização de redes. Prof. Ulisses Cotta Cavalca

DESEMPENHO DE REDES. Fundamentos de desempenho e otimização de redes. Prof. Ulisses Cotta Cavalca <ulisses.cotta@gmail.com> DESEMPENHO DE REDES Fundamentos de desempenho e otimização de redes Prof. Ulisses Cotta Cavalca Belo Horizonte/MG 2015 Sumário 1. Introdução 2. Gerência de redes 3. Fundamentos

Leia mais

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância 5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância O capítulo anterior apresentou uma discussão sobre a inclusão dos chamados learning services no processo

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Projeto OBAA. Relatório Técnico RT-OBAA-07 Grupo Agentes e Ontologias. Proposta de Federação de Repositórios de Objetos Educacionais.

Projeto OBAA. Relatório Técnico RT-OBAA-07 Grupo Agentes e Ontologias. Proposta de Federação de Repositórios de Objetos Educacionais. Edital MCT/FINEP/MC/FUNTTEL Plataformas para Conteúdos Digitais 01/2007 Projeto OBAA Relatório Técnico RT-OBAA-07 Grupo Agentes e Ontologias Proposta de Federação de Repositórios de Objetos Educacionais

Leia mais

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas administrativos da empresa. Nessa configuração, o PC é a

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos 1 de 9 Sistemas Distribuídos O que é um sistema distribuído? Um conjunto de computadores autonomos a) interligados por rede b) usando um software para produzir uma facilidade de computação integrada. Qual

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS

Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS 1 INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação/ IFTI 1402 Turma 25 09 de abril de 2015 Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS Raphael Henrique Duarte

Leia mais

Service Oriented Architecture SOA

Service Oriented Architecture SOA Service Oriented Architecture SOA Arquitetura orientada aos serviços Definição: Arquitetura de sistemas distribuídos em que a funcionalidade é disponibilizada sob a forma de serviços (bem definidos e independentes)

Leia mais

3. Comunicação em Sistemas Distribuídos

3. Comunicação em Sistemas Distribuídos 3. Comunicação em 3.1.Troca de mensagens As mensagens são objetos de dados cuja estrutura e aplicação são definidas pelas próprias aplicações que a usarão. Sendo a troca de mensagens feita através de primitivas

Leia mais

BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1. Visão geral técnica e dos recursos

BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1. Visão geral técnica e dos recursos BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1 Visão geral técnica e dos recursos SWD-1031491-1025120324-012 Conteúdo 1 Visão geral... 3 2 Recursos... 4 Recursos para gerenciar contas de usuário

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos

Tipos de Sistemas Distribuídos (Sistemas de Informação Distribuída e Pervasivos) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA RESUMO Ricardo Della Libera Marzochi A introdução ao Service Component Architecture (SCA) diz respeito ao estudo dos principais fundamentos

Leia mais

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros Em geral sistemas seguem um estilo, ou padrão, de organização estrutural Os estilos diferem: nos tipos de componentes que usa na maneira como os componentes interagem com os outros (regras de interação)

Leia mais

5 Estudo de caso: utilizando o sistema para requisição de material

5 Estudo de caso: utilizando o sistema para requisição de material 61 5 Estudo de caso: utilizando o sistema para requisição de material A fim de avaliar as características da arquitetura proposta e a corretude da implementação, realizamos experiências com cenários de

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

Utilização da Internet das Coisas para o desenvolvimento de miniestação de baixo custo para monitoramento de condições do tempo em áreas agrícolas

Utilização da Internet das Coisas para o desenvolvimento de miniestação de baixo custo para monitoramento de condições do tempo em áreas agrícolas Utilização da Internet das Coisas para o desenvolvimento de miniestação de baixo custo para monitoramento de condições do tempo em áreas agrícolas Bruno Silva Afonso 1, Roberto Benedito de O. Pereira 1,

Leia mais

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Outubro de 2007 Resumo Este white paper explica a função do Forefront Server

Leia mais

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com SUMÁRIO Introdução... 4 Nuvem pública: quando ela é ideal... 9 Nuvem privada: quando utilizá-la... 12 Alternativas de sistemas

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

Como manter uma rede com qualidade de serviço? Gerência de Rede. Visão Geral da Gerência de Redes. Importância de gerência de Redes. Cont.

Como manter uma rede com qualidade de serviço? Gerência de Rede. Visão Geral da Gerência de Redes. Importância de gerência de Redes. Cont. Gerência de Rede A importância estratégica crescente das redes envolve: Aplicações indispensáveis à organização Quanto mais complexo o ambiente maior o risco de coisas erradas acontecerem. Como manter

Leia mais

Distributed Systems Principles and Paradigms

Distributed Systems Principles and Paradigms Distributed Systems Principles and Paradigms Maarten van Steen VU Amsterdam, Dept. Computer Science (Tradução e Adaptação Ricardo Anido - IC/Unicamp) Capítulo 04: Comunicação Versão: 20 de março de 2014

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Comunicação Inter-Processos Sockets e Portas Introdução Sistemas distribuídos consistem da comunicação entre processos

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Redes definidas por software e Computação em Nuvem Prof. Rodrigo de Souza Couto PARTE 1 REDES DEFINIDAS POR SOFTWARE (SDN) 2 Bibliografia Esta aula é baseada

Leia mais

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral da solução Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral À medida que tecnologias como nuvem, mobilidade, mídias sociais e vídeo assumem papéis

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Sistemas distribuídos:comunicação

Sistemas distribuídos:comunicação M. G. Santos marcela@estacio.edu.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 16 de abril de 2010 Formas de comunicação Produtor-consumidor: comunicação uni-direccional, com o produtor entregando ao consumidor.

Leia mais

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais

Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce

Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Facilitando Negócios Conectando softwares com Magento Plataforma de E-Commerce Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Este documento

Leia mais

Teleprocessamento e Redes

Teleprocessamento e Redes Teleprocessamento e Redes Aula 21: 06 de julho de 2010 1 2 3 (RFC 959) Sumário Aplicação de transferência de arquivos de/para um host remoto O usuário deve prover login/senha O usa duas conexões TCP em

Leia mais

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20 Guia de utilização Índice Introdução... 3 O que é o sistema BlueTalk... 3 Quem vai utilizar?... 3 A utilização do BlueTalk pelo estagiário do Programa Acessa Escola... 5 A arquitetura do sistema BlueTalk...

Leia mais