CURSO ON-LINE PROFESSOR: EDVALDO NILO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO ON-LINE PROFESSOR: EDVALDO NILO"

Transcrição

1 Aula 10 Tributos de Competência dos Estados. Tributos de Competência dos Municípios. Simples Nacional. Repartição das Receitas Tributárias. Olá, prezados (as), Ressalto que ainda teremos mais duas aulas extras nas seguintes datas: Aula extra 1 (questões das aulas 1 a 5) 25/01; Aula extra 2 (questões das aulas 5 a 10) 01/02. Saliento também que não temos questões atuais da ESAF sobre Simples Nacional e Repartição das Receitas Tributárias. Assim, colocamos questões de outras bancas nestes pontos e também algumas questões de outras bancas nos outros pontos também. Então, vamos lá para a aula de hoje. 1. Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte (Lei Complementar federal nº 123/06) 1.1 Considerações iniciais Questão 1.2 Da Definição de Microempresa (ME) e Empresa de Pequeno Porte (EPP) 1.3 Faixas especiais para Estados, Distrito Federal e Municípios 1.4 O Microempreendedor Individual 1.5 Da Instituição e Abrangência do Simples Nacional 1.6 Das vedações aos benefícios da LC 123/06 e ao ingresso no Simples Nacional 1.7 Dos Créditos e Incentivos Fiscais 1.8 Das Obrigações Fiscais Acessórias 1.9 Da Exclusão do Simples Nacional 1.10 Da Fiscalização 1.11 Da Omissão de Receita e dos Acréscimos Legais 1.12 Do Processo Administrativo Fiscal 1.13 Do Processo Judicial 1.14 Questões 2. Imposto Sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) 2.1 Critério material, temporal e pessoal (respectivamente, fato gerador, momento da ocorrência e sujeito ativo e passivo) 2.2 Critério quantitativo (base de cálculo e alíquota) 2.3 Não exigência. 1

2 2.4 Do Pagamento 3. Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação, de quaisquer bens ou direitos (ITCMD) 3.1 Regras constitucionais e resolução do Senado Federal Critério material (Fato gerador) 3.3 Sujeito Passivo 3.4 Critério quantitativo (base de cálculo e alíquota) 3.5 Do Lançamento 4. ICMS 1.1 Características gerais 1.2 Hipótese de incidência (fato gerador) Circulação de mercadorias Circulação de mercadorias versus prestação de serviços municipais Circulação de mercadorias cumulada com prestação de serviços municipais Prestação de serviços de transporte interestadual e intermunicipal Prestação de serviços de comunicação Incidência do ICMS sobre a importação de mercadoria ou bem Incidência do ICMS sobre as cooperativas de consumo Incidência do ICMS sobre energia elétrica, derivados de petróleo, lubrificantes, combustíveis e minerais 1.3 Não incidência QUESTÕES 1.4 Momento da ocorrência do fato gerador e sujeito ativo da relação tributária QUESTÕES 1.5 Sujeito Passivo QUESTÕES 1.6 Base de cálculo QUESTÕES 1.7 Alíquotas QUESTÃO 1.8 Não-cumulatividade QUESTÕES 1. Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte (Lei Complementar federal nº 123/06) 1.1 Considerações iniciais - O texto constitucional de 1988 desde o seu nascimento impõe como objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil a garantia do desenvolvimento nacional e a redução das desigualdades sociais e regionais (art. 3, II e III). 2

3 1.1.1 Neste contexto, a ordem econômica e financeira tem como princípio constitucional o tratamento favorecido para as empresas de pequeno porte constituídas sob as leis brasileiras e que tenham sua sede e administração no País (art. 170, IX) e como dever jurídico da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios o de dispensar às microempresas (ME) e às empresas de pequeno porte (EPP) tratamento jurídico diferenciado, visando a incentivá-las pela simplificação de suas obrigações administrativas, tributárias, previdenciárias e creditícias, ou pela eliminação ou redução destas por meio de lei (art. 179) A premissa básica deste pensamento constitucional é de que o desenvolvimento das microempresas e das empresas de pequeno porte é fundamental para o crescimento econômico e social do País. E, logicamente, tais espécies empresariais não têm a mesma capacidade econômico-tributária de uma empresa de médio ou grande porte Logo, deve existir um tratamento jurídico mais generoso para às micro e pequenas empresas, com a necessidade pujante de simplificação e eliminação de diversas obrigações e procedimentos legais desnecessários para esse tipo de empreendimento No direito tributário, a partir da Emenda Constitucional n 42/2003, duas novas regras constitucionais são importantes para dar concretude ao regime jurídico diferenciado e favorecido Primeiro, a previsão da possibilidade da atuação conjunta e integrada das administrações tributárias da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, inclusive com o compartilhamento de cadastros e de informações fiscais (art. 37, XXII) Segundo, o papel da lei complementar de definir o tratamento diferenciado e favorecido para as microempresas e para as empresas de pequeno porte, podendo instituir um regime único de arrecadação dos impostos e contribuições da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios (art. 146, d e parágrafo único) De acordo com a CF/88, tal norma geral em matéria de legislação tributária deverá observar obrigatoriamente as seguintes proposições: (a) será opcional para o contribuinte; (b) poderão ser estabelecidas condições de enquadramento diferenciadas por Estado; (c) o recolhimento será unificado e centralizado e a distribuição da parcela de recursos pertencentes aos respectivos 3

4 entes federados será imediata, vedada qualquer retenção ou condicionamento; (d) a arrecadação, a fiscalização e a cobrança poderão ser compartilhadas pelos entes federados, adotado cadastro nacional único de contribuintes (art. 146, parágrafo único) Assim sendo, surgiu a Lei Complementar n 123/2006 (LC 123/2006), que instituiu o Estatuto Nacional da ME e da EPP e revogou, a partir de 1 de julho de 2007, a Lei n 9.317/96 (regime tributário das ME e EPP Simples da União), a Lei n 9.841/99 (Estatuto da ME e EPP) e os regimes especiais de tributação para ME e EPP próprios dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios (art. 94 do ADCT) A LC 123/2006 tratou de normas jurídicas de diversas espécies, tais como tributárias, empresariais, trabalhistas, administrativas, previdenciárias, processuais, dentre outras. Isto é, a nova lei tem alcance politemático, sobretudo no que se refere: (i) à apuração e recolhimento dos impostos e contribuições da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, mediante regime único de arrecadação, inclusive obrigações acessórias; (ii) ao cumprimento de obrigações trabalhistas e previdenciárias, inclusive obrigações acessórias; (iii) ao acesso a crédito e ao mercado, inclusive quanto à preferência nas aquisições de bens e serviços pelos Poderes Públicos, à tecnologia, ao associativismo e às regras de inclusão Desde logo, é relevante deixarmos claro que a LC 123/2006 instituiu um Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas ME e EPP, denominado de Simples Nacional ou Super Simples Em outras palavras, o Simples Nacional não criou nenhum novo tributo ou o chamado imposto único, bem como não pode ser considerado como mera espécie de benefício, renúncia, isenção, anistia ou remissão tributária O Simples Nacional estabeleceu sim, em regra, uma única base de cálculo receita bruta para a cobrança de oito tributos diferentes, a saber: (i) Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ), salvo em relação aos rendimentos ou ganhos líquidos auferidos em aplicações de renda fixa ou variável, aos ganhos de capital auferidos na alienação de bens do ativo permanente e pagamentos ou créditos efetuados pela pessoa jurídica a pessoas físicas; (ii) Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), salvo o 4

5 incidente na importação de bens e serviços; (iii) Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), salvo o incidente na importação de bens e serviços; (iv) Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS); (v) Contribuição para o PIS/PASEP, salvo o incidente na importação de bens e serviços; (vi) Contribuição Patronal Previdenciária (CPP) para a Seguridade Social, a cargo da pessoa jurídica, de que trata o art. 22 da Lei n o 8.212/1991(contribuição sobre o total das remunerações pagas, devidas ou creditadas a qualquer título a pessoas físicas e sobre o valor bruto da nota fiscal ou fatura de prestação de serviços de cooperados por intermédio de cooperativas de trabalho), salvo no caso das ME e EPP que se dediquem às seguintes atividades: (a) construção de imóveis e obras de engenharia em geral, inclusive sob a forma de subempreitada, execução de projetos e serviços de paisagismo, bem como decoração de interiores; (b) serviço de vigilância, limpeza ou conservação; (vii) Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e Sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS), salvos em relação a diversas hipóteses estabelecidas na própria LC 123/06 1 ; (viii) Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS), salvos em relação aos serviços sujeitos à substituição tributária ou retenção na fonte e na importação de serviços O Simples Nacional tem status de norma geral de direito tributário e pode ser caracterizado como regime especial de fiscalização e arrecadação obrigatório para a União, os Estados, o 1 (a) nas operações ou prestações sujeitas ao regime de substituição tributária; (b) por terceiro, a que o contribuinte se ache obrigado, por força da legislação estadual ou distrital vigente; (c) na entrada, no território do Estado ou do Distrito Federal, de petróleo, inclusive lubrificantes e combustíveis líquidos e gasosos dele derivados, bem como energia elétrica, quando não destinados à comercialização ou industrialização; d) por ocasião do desembaraço aduaneiro; (e) na aquisição ou manutenção em estoque de mercadoria desacobertada de documento fiscal; (f) na operação ou prestação desacobertada de documento fiscal; (g) nas operações com bens ou mercadorias sujeitas ao regime de antecipação do recolhimento do imposto, nas aquisições em outros Estados e Distrito Federal: 1. com encerramento da tributação, observado; 2. sem encerramento da tributação, hipótese em que será cobrada a diferença entre a alíquota interna e a interestadual, sendo vedada a agregação de qualquer valor; (h) nas aquisições em outros Estados e no Distrito Federal de bens ou mercadorias, não sujeitas ao regime de antecipação do recolhimento do imposto, relativo à diferença entre a alíquota interna e a interestadual. 5

6 Distrito Federal e os Municípios Porém, é opcional para a ME e a EPP, que podem escolher entre o regime de tributação comum e geral aplicável às demais pessoas jurídicas ou o regime unificado, diferenciado e favorecido do Simples Nacional Nesse ínterim, o tratamento diferenciado e favorecido a ser dispensado às ME e EPP será gerido pelas seguintes instâncias (art. 2 da LC 123/06): (i) Comitê Gestor do Simples Nacional, vinculado ao Ministério da Fazenda, composto por 4 (quatro) representantes da Secretaria da Receita Federal do Brasil, como representantes da União, 2 (dois) dos Estados e do Distrito Federal e 2 (dois) dos Municípios, para tratar dos aspectos tributários; (ii) Comitê para Gestão da Rede Nacional para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios, vinculado ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, composto por representantes da União, dos Estados e do Distrito Federal, dos Municípios e demais órgãos de apoio e de registro empresarial, na forma definida pelo Poder Executivo, para tratar do processo de registro e de legalização de empresários e de pessoas jurídicas; (iii) Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, com a participação dos órgãos federais competentes e das entidades vinculadas ao setor, para tratar dos demais aspectos O Comitê Gestor do Simples Nacional (Comitê Gestor) e o Comitê para Gestão da Rede Nacional para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios (Comitê para Gestão da Rede Nacional) serão presididos e coordenados por representantes da União e os seus membros serão designados, respectivamente, pelos Ministros de Estado da Fazenda e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, mediante indicação dos órgãos e entidades vinculados Já os representantes dos Estados e do Distrito Federal no Comitê Gestor e no Comitê para Gestão da Rede Nacional serão indicados pelo Conselho Nacional de Política Fazendária CONFAZ e os dos Municípios serão indicados, um pela entidade representativa das Secretarias de Finanças das Capitais e outro pelas entidades de 6

7 representação nacional dos Municípios brasileiros Ao Comitê Gestor compete a relevante função de regulamentar a opção, exclusão, tributação, fiscalização, arrecadação, cobrança, dívida ativa, recolhimento e demais itens relativos ao regime do Simples Nacional, tal como apreciar a necessidade de revisão dos valores expressos em moeda na LC 123/ Ao Comitê para Gestão da Rede Nacional compete regulamentar a inscrição, cadastro, abertura, alvará, arquivamento, licenças, permissão, autorização, registros e demais itens relativos à abertura, legalização e funcionamento de empresários e de pessoas jurídicas de qualquer porte, atividade econômica ou composição societária Por outro lado, o Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Fórum Permanente) tem por finalidade orientar e assessorar a formulação e coordenação da política nacional de desenvolvimento das ME e EPP, bem como acompanhar e avaliar a sua implantação, sendo presidido e coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Questão 1. (FGV/FRE/AP/2010) A Constituição Federal de 1988, no seu artigo 179 (Título VII Da Ordem Econômica e Financeira) impõe, de forma expressa, que o legislador infraconstitucional conceda tratamento jurídico diferenciado às micro e pequenas empresas. A respeito do preceito constitucional citado é correto afirmar que: (A) a obrigação de dispensar tratamento jurídico diferenciado às micro e pequenas empresas recai exclusivamente sobre a União e, consequentemente, envolve apenas os tributos sob sua competência. (B) o tratamento jurídico diferenciado exigido pelo texto constitucional se manifestará principalmente por meio da simplificação de obrigações administrativas, tributárias, previdenciárias e creditícias, podendo ocorrer até mesmo efetiva eliminação de algumas destas obrigações. (C) o artigo 179 confere imunidade tributária às micro e pequenas empresas. (D) o Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de 7

8 Pequeno Porte, conhecido como Simples Nacional, não tem qualquer relação com o artigo 179 da Constituição Federal. (E) o artigo 179 estabelece um tratamento discriminatório ao impor tratamento mais benéfico às micro e pequenas empresas, violação já reconhecida pelo próprio Supremo Tribunal Federal. De acordo com o art. 179 da CF, a resposta é a letra b. 1.2 Da Definição de Microempresa (ME) e Empresa de Pequeno Porte (EPP) Consideram-se ME ou EPP a sociedade empresária, a sociedade simples e o empresário 2, devidamente registrados no Registro de Empresas Mercantis ou no Registro Civil de Pessoas Jurídicas, conforme o caso, desde que: (i) no caso da ME, o empresário, a pessoa jurídica, ou a ela equiparada, aufira, em cada ano-calendário, receita bruta igual ou inferior a R$ ,00 (duzentos e quarenta mil reais); (ii) no caso da EPP, o empresário, a pessoa jurídica, ou a ela equiparada, aufira, em cada anocalendário, receita bruta superior a R$ ,00 (duzentos e quarenta mil reais) e igual ou inferior a R$ ,00 (dois milhões e quatrocentos mil reais) Considera-se receita bruta, para fins da LC 123/06, o produto da venda de bens e serviços nas operações de conta própria, o preço dos serviços prestados e o resultado nas operações em conta alheia, não incluídas as vendas canceladas e os descontos incondicionais concedidos Na hipótese de início de atividade empresarial no próprio anocalendário, o limite da receita bruta será proporcional ao número de meses em que a ME ou a EPP houver exercido atividade, inclusive as frações de meses No caso de início de atividades, a ME que, no ano-calendário, exceder o limite de receita bruta anual de R$ ,00 passa, no ano-calendário seguinte, à condição de EPP, observado também o limite anual de R$ ,00. 2 Empresário, de acordo com o art. 966 do Código Civil (CC), é quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens ou de serviços. Nos termos do parágrafo único do art. 966 do CC, não se considera empresário quem exerce profissão intelectual, de natureza científica, literária ou artística, ainda com o concurso de auxiliares ou colaboradores, salvo se o exercício da profissão constituir elemento de empresa. 8

9 Do mesmo modo, no caso de início de atividades, a EPP que, no ano-calendário, não ultrapassar o limite de receita bruta anual de R$ ,00 passa, no ano-calendário seguinte, à condição de ME Por sua vez, logicamente, a empresa enquadrada como ME ou EPP, que, no ano-calendário, exceder o limite da receita bruta anual de R$ ,00, fica excluída, no ano-calendário seguinte, do regime diferenciado e favorecido da LC 123/ Decerto, a ME e a EPP que no decurso do ano-calendário de início de suas atividades ultrapassarem o limite de R$ ,00 multiplicados pelo número de meses de funcionamento nesse período também estarão excluídas do regime diferenciado e favorecido da LC 123/06, com efeitos retroativos ao início de suas atividades Contudo, esta exclusão do regime da LC 123/06 não retroagirá ao início das atividades se o excesso verificado em relação à receita bruta não for superior a 20% (vinte por cento) do respectivo limite, hipótese em que os efeitos da exclusão dar-se-ão no anocalendário subsequente Por exemplo, a empresa X enquadrada inicialmente como EPP, inicia as suas atividades no dia 01 de agosto de 2010 e aufere neste ano uma receita bruta anual de R$ ,00 (um milhão e seiscentos mil reais) Por conseguinte, X deverá ser excluída do regime da LC 123/06, uma vez que não poderia ter auferido receita bruta anual superior a R$ ,00 (R$ ,00 x 5 meses) A exclusão igualmente retroagirá ao início das suas atividades (01/08/2010), pois o excesso verificado em relação à receita bruta foi superior a 20% do respectivo limite (20% de R$ ,00 = R$ ,00 < R$ ,00) Por fim, destaca-se que o enquadramento do empresário ou da sociedade simples ou empresária como ME ou EPP como o seu desenquadramento não implicarão alteração, denúncia ou qualquer restrição em relação a contratos por elas anteriormente firmados ( 3 do art. 3 ). 1.3 Faixas especiais para Estados, Distrito Federal e Municípios Em obediência a diretriz constitucional de que poderão ser estabelecidas condições de enquadramento diferenciadas por Estado (art. 146, parágrafo único, inc. II), a LC 123/06 dispõe que os 9

10 Estados e o Distrito Federal têm a faculdade de adotar faixas menores ou especiais ( subtetos ) de receita bruta anual, de acordo com a sua participação no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, para fins de definição da ME ou da EPP. 1.3 Tal peculiaridade visa a adaptar a LC 123/06 às diferentes capacidades dos entes federativos e favorecer os Estados de pouca expressividade econômica, pois o limite da receita bruta anual de R$ ,00 poderia em determinada localidade talvez abranger a totalidade das empresas Assim sendo, conforme regulamentado pelo Comitê Gestor, os Estados e o DF poderão optar pela aplicação, para efeito de recolhimento do ICMS na forma do Simples Nacional em seus respectivos territórios, da seguinte forma: (i) os Estados cuja participação no PIB seja de até 1% poderão optar pela aplicação, em seus respectivos territórios, das faixas de receita bruta anual até R$ ,00; (ii) os Estados cuja participação no PIB seja de mais de 1% e de menos de 5% poderão optar pela aplicação, em seus respectivos territórios, das faixas de receita bruta anual até R$ ,00; e (iii) os Estados cuja participação no PIB seja igual ou superior a 5% ficam obrigados a adotar todas as faixas normais de receita bruta anual A participação no PIB será apurada levando em conta o último resultado divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) ou outro órgão que o substitua A opção do Estado pela sistemática especial surtirá efeitos somente para o ano-calendário subsequente Neste sentido, a opção pelos Estados também importará adoção do mesmo limite de receita bruta anual para efeito de recolhimento na forma do ISS dos Municípios nele localizados, bem como para o do ISS devido no Distrito Federal. Logo, a faixa especial também tem valor para o ISS Decerto, a ME ou a EPP que ultrapassar o limite da receita bruta anual estará automaticamente impedida de recolher o ICMS e o ISS na forma do Simples Nacional no ano-calendário subsequente ao que tiver ocorrido o excesso. 10

11 Tal regra não se aplica no caso de o Estado ou de o Distrito Federal adotarem, compulsoriamente ou por opção, a aplicação de faixa de receita bruta superior à que vinha sendo utilizada no anocalendário em que ocorreu o excesso da receita bruta Deve-se também informar da obrigatoriedade da observância da regra da receita brutal proporcional, para a hipótese do anocalendário de início da atividade empresarial Ou seja, caso a receita bruta auferida durante o anocalendário de início de atividade ultrapasse o limite de R$ ,00 ou R$ ,00, respectivamente, multiplicados pelo número de meses de funcionamento nesse período, a empresa estará excluída do regime tributário favorecido em relação ao pagamento dos tributos estaduais e municipais, com efeitos retroativos ao início de suas atividades Esta exclusão não retroagirá ao início das atividades se o excesso verificado em relação à receita bruta proporcional não for superior a 20% dos respectivos limites, hipótese em que os efeitos da exclusão dar-se-ão no ano-calendário subsequente Em resumo, simplificando as faixas especiais de enquadramento são as seguintes: Faixas Máximas de Receita Condições Bruta Anual R$ ,00 Estados com participação no PIB de até 1% R$ ,00 Estados com participação no PIB de mais de 1% e de menos de 5% Faixa normal da LC 123/06 (R$ Estados com participação no PIB ,00) igual ou superior a 5% Faixas máximas de Receita Bruta Proporcional (anocalendário de início da atividade) R$ ,00 X n de meses em funcionamento R$ ,00 X n de meses em funcionamento Faixa normal da LC 123/06 (R$ ,00 X n de meses em Condições Estados com participação no PIB de até 1% Estados com participação no PIB de mais de 1% e de menos de 5% Estados com participação no PIB igual ou superior a 5% 11

12 funcionamento) Por fim, salienta-se que se o competente Estado fizer a opção pela sistemática especial da faixa de receita bruta anual menor e a empresa extrapole tal subteto, mas não ultrapasse a faixa normal da LC 123/06, acontecerá à exclusão do Simples Nacional para fins de pagamento do ICMS e do ISS, mas não dos tributos federais Por exemplo, o estado de Rondônia tem participação no PIB de até 1% e faz a opção pela faixa máxima de receita bruta anual de R$ , Assim, determinada EPP extrapola o limite especial de R$ ,00, mas não ultrapassa faixa normal da LC 123/06 de R$ ,00. Logo, a EPP não está excluída do Simples Nacional para fins de pagamento unificado do IRPJ, IPI, CSLL, PIS/PASEB, COFINS e CPP (tributos federais), mas tão somente do ICMS e do ISS. 1.4 O Microempreendedor Individual A partir de 1 o de julho de 2009, passou a existir a figura do Microempreendedor Individual (MEI), que poderá optar pelo recolhimento dos impostos e contribuições abrangidos pelo Simples Nacional em valores fixos mensais, independentemente da receita bruta por ele auferida no mês (art. 18 -A) Assim, a LC 123/06 adota regras peculiares para o MEI, que é o empresário individual que tenha auferido receita bruta, no ano-calendário anterior, de até R$ ,00 (trinta e seis mil reais), optante regular do Simples Nacional Na hipótese de início de atividades, o limite máximo será de R$ 3.000,00 (três mil reais) multiplicados pelo número de meses compreendido entre o início da atividade e o final do respectivo anocalendário, consideradas as frações de meses como um mês inteiro Na vigência da opção pelo Simples Nacional ao MEI: (a) não se aplica o disposto no 18 do art ; (b) não se aplica a redução 3 Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, no âmbito de suas respectivas competências, poderão estabelecer, na forma definida pelo Comitê Gestor, independentemente da receita bruta recebida no mês pelo contribuinte, valores fixos mensais para o recolhimento do ICMS e do ISS devido por microempresa que aufira receita bruta, no ano-calendário anterior, de até R$ ,00 (cento e vinte mil reais), ficando a microempresa sujeita a esses valores durante todo o ano-calendário. 12

13 prevista no 20 do art ou qualquer dedução na base de cálculo; (c) não se aplicam as isenções específicas para as microempresas e empresas de pequeno porte concedidas pelo Estado, Município ou Distrito Federal a partir de 1 o de julho de 2007 que abranjam integralmente a faixa de receita bruta anual de até R$ ,00 (trinta e seis mil reais) Por outro lado, a opção pelo enquadramento como MEI importa opção pelo recolhimento da Contribuição para a Seguridade Social, relativa à pessoa do empresário, na qualidade de contribuinte individual, na forma prevista no 2 o do art. 21 da Lei n o 8.212/ Destarte, o MEI recolherá, na forma regulamentada pelo Comitê Gestor, valor fixo mensal correspondente à soma das seguintes parcelas: (a) R$ 45,65 (quarenta e cinco reais e sessenta e cinco centavos), a título da Contribuição para a Seguridade Social, relativa à pessoa do empresário, na qualidade de contribuinte individual; (b) R$ 1,00 (um real), a título de ICMS, caso seja contribuinte deste imposto; e (c) R$ 5,00 (cinco reais), a título de ISS, caso seja contribuinte deste imposto; Portanto, o MEI não estará sujeito à incidência dos seguintes tributos: (i) Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ), salvo em relação aos rendimentos ou ganhos líquidos auferidos em aplicações de renda fixa ou variável, aos ganhos de capital auferidos na alienação de bens do ativo permanente e pagamentos ou créditos efetuados pela pessoa jurídica a pessoas físicas; (ii) Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), salvo o incidente na importação de bens e serviços; (iii) Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), salvo o incidente na importação de bens e serviços; 4 Na hipótese em que o Estado, o Município ou o Distrito Federal concedam isenção ou redução do ICMS ou do ISS devido por microempresa ou empresa de pequeno porte, ou ainda determine recolhimento de valor fixo para esses tributos, na forma do 18 deste artigo, será realizada redução proporcional ou ajuste do valor a ser recolhido, na forma definida em resolução do Comitê Gestor. 5 É de 11% (onze por cento) sobre o valor correspondente ao limite mínimo mensal do salário-de-contribuição a alíquota de contribuição do segurado contribuinte individual que trabalhe por conta própria, sem relação de trabalho com empresa ou equiparado, e do segurado facultativo que optarem pela exclusão do direito ao benefício de aposentadoria por tempo de contribuição. 13

14 (iv) Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social - COFINS; (v) Contribuição para o PIS/PASEP, salvo o incidente na importação de bens e serviços; (vi) Contribuição Patronal Previdenciária (CPP) para a Seguridade Social, a cargo da pessoa jurídica, de que trata o art. 22 da Lei n o 8.212/1991(contribuição sobre o total das remunerações pagas, devidas ou creditadas a qualquer título a pessoas físicas e sobre o valor bruto da nota fiscal ou fatura de prestação de serviços de cooperados por intermédio de cooperativas de trabalho), salvo no caso das ME e EPP que se dediquem às seguintes atividades: (a) construção de imóveis e obras de engenharia em geral, inclusive sob a forma de subempreitada, execução de projetos e serviços de paisagismo, bem como decoração de interiores; (b) serviço de vigilância, limpeza ou conservação Nesse rumo, não poderá optar pela sistemática de recolhimento do Simples Nacional o MEI: (i) cuja atividade seja tributada pelos Anexos IV ou V (serviços diversos) da LC 123/06, salvo autorização relativa a exercício de atividade isolada na forma regulamentada pelo Comitê Gestor; (ii) que possua mais de um estabelecimento; (iii) que participe de outra empresa como titular, sócio ou administrador; ou (iv) que contrate empregado, exceto um único empregado que receba exclusivamente um salário mínimo ou o piso salarial da categoria profissional A opção formal pelo recolhimento em valor fixo mensal na sistemática de MEI dar-se-á na forma a ser estabelecida em ato do Comitê Gestor, observando-se que: (i) será irretratável para todo o ano-calendário; (ii) deverá ser realizada no início do ano-calendário, na forma disciplinada pelo Comitê Gestor, produzindo efeitos a partir do primeiro dia do ano-calendário da opção, ressalvado o disposto no próximo item; (iii) produzirá efeitos a partir da data do início de atividade desde que exercida nos termos, prazo e condições a serem estabelecidos em ato do Comitê Gestor Por sua vez, o desenquadramento desta sistemática será realizado de ofício ou mediante comunicação do MEI à Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB), que, dar-se-á: (i) por opção, devendo ser efetuada no início do anocalendário, na forma disciplinada pelo Comitê Gestor, produzindo efeitos a partir de 1 o de janeiro do ano-calendário da comunicação; 14

15 (ii) obrigatoriamente, quando o MEI incorrer em alguma das situações impeditivas da opção pelo sistema de recolhimento em valor fixo mensal, devendo a comunicação ser efetuada até o último dia útil do mês subseqüente àquele em que ocorrida a situação de vedação, produzindo efeitos a partir do mês subseqüente ao da ocorrência da situação impeditiva; (iii) obrigatoriamente, quando o MEI exceder, no anocalendário, o limite de receita bruta de até R$ ,00, devendo a comunicação ser efetuada até o último dia útil do mês subseqüente àquele em que ocorrido o excesso, produzindo efeitos: (a) a partir de 1 o de janeiro do anocalendário subsequente ao da ocorrência do excesso, na hipótese de não ter ultrapassado o referido limite em mais de 20% (vinte por cento); (b) retroativamente a 1 o de janeiro do ano-calendário da ocorrência do excesso, na hipótese de ter ultrapassado o referido limite em mais de 20% (vinte por cento); (iv) obrigatoriamente, no caso de início das atividades, quando o MEI exceder o limite de receita bruta proporcional, devendo a comunicação ser efetuada até o último dia útil do mês subseqüente àquele em que ocorrido o excesso, produzindo efeitos: (a) a partir de 1 o de janeiro do anocalendário subsequente ao da ocorrência do excesso, na hipótese de não ter ultrapassado o referido limite em mais de 20% (vinte por cento); (b) retroativamente ao início de atividade, na hipótese de ter ultrapassado o referido limite em mais de 20% (vinte por cento) Dar-se-á o desenquadramento de ofício quando verificada a falta de comunicação formal, podendo o empresário individual vir a recolher os tributos devidos pela regra geral do Simples Nacional a partir da data de início dos efeitos do desenquadramento Por fim, realça-se que poderá se enquadrar como MEI o empresário individual que possua um único empregado que receba exclusivamente 1 (um) salário mínimo ou o piso salarial da categoria profissional, sendo que este: (i) deverá reter e recolher a contribuição previdenciária relativa ao segurado a seu serviço na forma da lei, observados prazo e condições estabelecidos pela Secretaria da Receita Federal do Brasil; (ii) fica obrigado a prestar informações relativas ao segurado a seu serviço, na forma estabelecida pelo Comitê Gestor; 15

16 (iii) está sujeito ao recolhimento da contribuição patronal previdenciária (CPP) para a Seguridade Social, a cargo da pessoa jurídica, de que trata o art. 22 da Lei nº 8.212/1991, calculada à alíquota de 3% (três por cento) sobre o salário de contribuição. 1.5 Da Instituição e Abrangência do Simples Nacional O Simples Nacional é um microssistema jurídico de substituição parcial do sistema comum de pagamento dos tributos Isto quer dizer que o Simples Nacional é um sistema unificado de recolhimento não abrangente da totalidade dos tributos existentes no sistema jurídico nacional, mas sim de apenas alguns poucos impostos e contribuições que a LC 123/06 enumera taxativamente Ressalta-se que mesmo dentro destes impostos e contribuições selecionados pela LC 123/06 a incidência do chamado Super Simples é restrita Decerto, a regra geral do Simples Nacional implica o recolhimento mensal, mediante documento único de arrecadação, dos seguintes tributos: (i) Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ), salvo em relação aos rendimentos ou ganhos líquidos auferidos em aplicações de renda fixa ou variável, aos ganhos de capital auferidos na alienação de bens do ativo permanente e pagamentos ou créditos efetuados pela pessoa jurídica a pessoas físicas; (ii) Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), salvo o incidente na importação de bens e serviços; (iii) Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), salvo o incidente na importação de bens e serviços; (iv) Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social - COFINS; (v) Contribuição para o PIS/PASEP, salvo o incidente na importação de bens e serviços; (vi) Contribuição Patronal Previdenciária (CPP) para a Seguridade Social, a cargo da pessoa jurídica, de que trata o art. 22 da Lei n o 8.212/1991(contribuição sobre o total das remunerações pagas, devidas ou creditadas a qualquer título a pessoas físicas e sobre o valor bruto da nota fiscal ou fatura de prestação de serviços de cooperados por intermédio de cooperativas de trabalho), salvo no caso das ME e EPP que se dediquem às seguintes atividades: (a) construção de imóveis e 16

17 obras de engenharia em geral, inclusive sob a forma de subempreitada, execução de projetos e serviços de paisagismo, bem como decoração de interiores; (b) serviço de vigilância, limpeza ou conservação; (vii) Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e Sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS), salvos em relação a diversas hipóteses estabelecidas ainda neste item; (viii) Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS), salvos em relação aos serviços sujeitos à substituição tributária ou retenção na fonte e na importação de serviços Outrossim, a regra geral do recolhimento unificado não exclui a incidência dos seguintes impostos ou contribuições, devidos na qualidade de contribuinte ou responsável, em relação aos quais será observada a legislação aplicável às demais pessoas jurídicas: (i) Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou Relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF); (ii) Imposto sobre a Importação de Produtos Estrangeiros (II); (iii) Imposto sobre a Exportação, para o Exterior, de Produtos Nacionais ou Nacionalizados (IE); (iii) Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (ITR); (v) Imposto de Renda (IR), relativo aos rendimentos ou ganhos líquidos auferidos em aplicações de renda fixa ou variável; (vi) Imposto de Renda (IR) relativo aos ganhos de capital auferidos na alienação de bens do ativo permanente; (vii) Contribuição para o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS); (viii) Contribuição para manutenção da Seguridade Social, relativa ao trabalhador; (ix) Contribuição para a Seguridade Social, relativa à pessoa do empresário, na qualidade de contribuinte individual; (x) Imposto de Renda (IR) relativo aos pagamentos ou créditos efetuados pela pessoa jurídica a pessoas físicas; (xi) Contribuição para o PIS/Pasep, Cofins e IPI incidentes na importação de bens e serviços; (xii) ICMS devido: (a) nas operações ou prestações sujeitas ao regime de substituição tributária; (b) por terceiro, a que o contribuinte se ache obrigado, por força da legislação estadual ou distrital vigente; 17

18 (c) na entrada, no território do Estado ou do Distrito Federal, de petróleo, inclusive lubrificantes e combustíveis líquidos e gasosos dele derivados, bem como energia elétrica, quando não destinados à comercialização ou industrialização; (d) por ocasião do desembaraço aduaneiro; (e) na aquisição ou manutenção em estoque de mercadoria desacobertada de documento fiscal; (f) na operação ou prestação desacobertada de documento fiscal; (g) nas operações com bens ou mercadorias sujeitas ao regime de antecipação do recolhimento do imposto, nas aquisições em outros Estados e Distrito Federal: 1. com encerramento da tributação; 2. sem encerramento da tributação, hipótese em que será cobrada a diferença entre a alíquota interna e a interestadual, sendo vedada a agregação de qualquer valor; (h) nas aquisições em outros Estados e no Distrito Federal de bens ou mercadorias, não sujeitas ao regime de antecipação do recolhimento do imposto, relativo à diferença entre a alíquota interna e a interestadual; (xiii) ISS devido: (a) em relação aos serviços sujeitos à substituição tributária ou retenção na fonte; (b) na importação de serviços; (xiv) demais tributos de competência da União, dos Estados, do Distrito Federal ou dos Municípios, não relacionados nos itens anteriores As ME e EPP optantes pelo Simples Nacional, entretanto, ficam dispensadas do pagamento das demais contribuições instituídas pela União, inclusive as contribuições para as entidades privadas de serviço social e de formação profissional vinculadas ao sistema sindical, de que trata o art. 240 da CF/88, e demais entidades de serviço social autônomo (sistema S ) Noutro ponto, o Comitê Gestor do Simples Nacional: (i) disciplinará a forma e as condições em que será atribuída à microempresa ou empresa de pequeno porte optante pelo Simples Nacional a qualidade de substituta tributária; e (ii) poderá disciplinar a forma e as condições em que será estabelecido o regime do ICMS nas operações com bens ou mercadorias sujeitas a antecipação do recolhimento do imposto, nas aquisições em outros Estados e Distrito Federal. 18

19 1.5.7 Nessa linha, a opção pelo Simples Nacional da pessoa jurídica enquadrada na condição de ME e EPP dar-se-á na forma a ser estabelecida em ato do Comitê Gestor, sendo irretratável para todo o ano-calendário A referida opção deverá ser realizada no mês de janeiro, até o seu último dia útil, produzindo efeitos a partir do primeiro dia do ano-calendário da opção. Contudo, a opção produzirá efeitos a partir da data do início de atividade, desde que exercida nos termos, prazo e condições a serem estabelecidos no ato do Comitê Gestor Em razão da transição dos sistemas, serão consideradas inscritas no Simples Nacional, em 1 o de julho de 2007, as ME e EPP regularmente optantes pelo antigo regime tributário do Simples da União, salvo as que estiverem impedidas de optar por alguma vedação imposta pela LC 123/ O indeferimento da opção pelo Simples Nacional será formalizado mediante ato da Administração Tributária segundo regulamentação do Comitê Gestor Para concluir este item, anota-se que são isentos do IR, na fonte e na declaração de ajuste do beneficiário, os valores efetivamente pagos ou distribuídos ao titular ou sócio da ME ou EPP optante pelo Simples Nacional, salvo os que corresponderem a prólabore, aluguéis ou serviços prestados A isenção é limitada ao valor resultante da aplicação de percentuais estabelecidos em lei ordinária, sobre a receita bruta mensal, no caso de antecipação de fonte, ou da receita bruta total anual, tratando-se de declaração de ajuste, subtraído do valor devido na forma do Simples Nacional no período. Não se aplica tal regra na hipótese de a pessoa jurídica manter escrituração contábil e evidenciar lucro superior àquele limite. 1.6 Das vedações aos benefícios da LC 123/06 e ao ingresso no Simples Nacional O intérprete e aplicador do Estatuto Nacional da ME e da EPP (LC 123/06) deve entender que são fixados requisitos diversos para enquadrar determinada pessoa jurídica como ME ou EPP e para que esta mesma pessoa possa optar pelo regime tributário diferenciado e favorecido do Simples Nacional Em outros termos, nem toda ME ou EPP poderá fazer a opção pelo sistema de arrecadação unificado do Simples Nacional. 19

20 Isto fica claro quando a LC 123/06 distingue as pessoas jurídicas que não se sujeitam aos benefícios da LC 123/06, para nenhum efeito legal (trabalhista, empresarial, administrativo, tributário etc.), e as pessoas jurídicas que não poderão adotar apenas a sistemática do Simples Nacional (fins tributários) Neste sentido, não poderá se beneficiar do tratamento jurídico diferenciado previsto na LC 123/06, para nenhum efeito legal, a pessoa jurídica ( 4 do art. 3 ): (i) de cujo capital participe outra pessoa jurídica; (ii) que seja filial, sucursal, agência ou representação, no País, de pessoa jurídica com sede no exterior; (iii) de cujo capital participe pessoa física que seja inscrita como empresário ou seja sócia de outra empresa que receba tratamento jurídico diferenciado nos termos da LC 123/06, desde que a receita bruta global ultrapasse o limite de R$ ,00; (iv) cujo titular ou sócio participe com mais de 10% (dez por cento) do capital de outra empresa não beneficiada pela LC 123/06, desde que a receita bruta global ultrapasse o limite de R$ ,00; (v) cujo sócio ou titular seja administrador ou equiparado de outra pessoa jurídica com fins lucrativos, desde que a receita bruta global ultrapasse o limite de R$ ,00; (vi) constituída sob a forma de cooperativas, salvo as de consumo; (vii) que participe do capital de outra pessoa jurídica; (viii) que exerça atividade de banco comercial, de investimentos e de desenvolvimento, de caixa econômica, de sociedade de crédito, financiamento e investimento ou de crédito imobiliário, de corretora ou de distribuidora de títulos, valores mobiliários e câmbio, de empresa de arrendamento mercantil, de seguros privados e de capitalização ou de previdência complementar; (ix) resultante ou remanescente de cisão ou qualquer outra forma de desmembramento de pessoa jurídica que tenha ocorrido em um dos 5 (cinco) anos-calendário anteriores; (x) constituída sob a forma de sociedade por ações Na hipótese de a microempresa ou empresa de pequeno porte incorrer em alguma das situações impeditivas acima, será excluída do regime jurídico da LC 123/06, com efeitos a partir do mês seguinte ao que incorrida a situação impeditiva. 20

21 Realça-se, todavia, que o disposto nos referidos itens (iv) e (vii) não se aplica às seguintes participações: (a) no capital de cooperativas de crédito; (b) em centrais de compras e bolsas de subcontratação; (c) nos consórcios para acesso a serviços especializados em segurança e medicina do trabalho; (d) em sociedade, de propósito específico, com finalidade de realizar operações de compras para revenda às ME e EPP que sejam suas sócias e/ou operações de venda de bens adquiridos das ME e EPP que sejam suas sócias para pessoas jurídicas que não sejam suas sócias, ou em associações assemelhadas; (e) em sociedades de interesse econômico, sociedades de garantia solidária e outros tipos de sociedade, que tenham como objetivo social a defesa exclusiva dos interesses econômicos das ME e EPP Por sua vez, não poderão recolher os tributos na forma unificada e integrada do Simples Nacional (regime tributário) a ME ou EPP (art. 17): (i) que explore atividade de prestação cumulativa e contínua de serviços de assessoria creditícia, gestão de crédito, seleção e riscos, administração de contas a pagar e a receber, gerenciamento de ativos (asset management), compras de direitos creditórios resultantes de vendas mercantis a prazo ou de prestação de serviços (factoring); (ii) que tenha sócio domiciliado no exterior; (iii) de cujo capital participe entidade da administração pública, direta ou indireta, federal, estadual ou municipal; (iv) que possua débito com o Instituto Nacional do Seguro Social - INSS, ou com as Fazendas Públicas Federal, Estadual ou Municipal, cuja exigibilidade não esteja suspensa; (v) que preste serviço de transporte intermunicipal e interestadual de passageiros; (vi) que seja geradora, transmissora, distribuidora ou comercializadora de energia elétrica; (vii) que exerça atividade de importação ou fabricação de automóveis e motocicletas; (viii) que exerça atividade de importação de combustíveis; (ix) que exerça atividade de produção ou venda no atacado de: (a) cigarros, cigarrilhas, charutos, filtros para cigarros, armas de fogo, munições e pólvoras, explosivos e detonantes; 21

22 (b) bebidas a seguir descritas: 1 alcoólicas; 2 refrigerantes, inclusive águas saborizadas gaseificadas; 3 preparações compostas, não alcoólicas (extratos concentrados ou sabores concentrados), para elaboração de bebida refrigerante, com capacidade de diluição de até 10 (dez) partes da bebida para cada parte do concentrado; 4 cervejas sem álcool; (x) que tenha por finalidade a prestação de serviços decorrentes do exercício de atividade intelectual, de natureza técnica, científica, desportiva, artística ou cultural, que constitua profissão regulamentada ou não, bem como a que preste serviços de instrutor, de corretor, de despachante ou de qualquer tipo de intermediação de negócios; (xi) que realize cessão ou locação de mão-de-obra; (xii) que realize atividade de consultoria; (xiii) que se dedique ao loteamento e à incorporação de imóveis. (xiv) que realize atividade de locação de imóveis próprios, exceto quando se referir a prestação de serviços tributados pelo ISS Porém, as vedações do art. 17 não se aplicam às pessoas jurídicas que exerçam exclusivamente, ou em conjunto com outras que não tenham sido objeto de vedação, às seguintes atividades ( 1 do art. 17): (a) creche, pré-escola e estabelecimento de ensino fundamental, escolas técnicas, profissionais e de ensino médio, de línguas estrangeiras, de artes, cursos técnicos de pilotagem, preparatórios para concursos, gerenciais e escolas livres, inclusive academias de dança, de capoeira, de ioga e de artes marciais e academias de atividades físicas, desportivas, de natação e escolas de esportes; (b) agência terceirizada de correios; (c) agência de viagem e turismo; (d) centro de formação de condutores de veículos automotores de transporte terrestre de passageiros e de carga; (e) agência lotérica; (f) serviços de instalação, de reparos e de manutenção em geral, bem como de usinagem, solda, tratamento e revestimento em metais; (g) transporte municipal de passageiros; (h) escritórios de serviços contábeis, que atendam a determinadas condições, estabelecidas nos 22-B e 22-C do 22

23 art. 18 da LC nº 123/ ; (i) construção de imóveis e obras de engenharia em geral, inclusive sob a forma de subempreitada, execução de projetos e serviços de paisagismo, bem como decoração de interiores 7 ; (j) serviço de vigilância, limpeza ou conservação 8 ; (k) cumulativamente administração e locação de imóveis de terceiros; (l) elaboração de programas de computadores, inclusive jogos eletrônicos, desde que desenvolvidos em estabelecimento do optante; (m) licenciamento ou cessão de direito de uso de programas de computação; (n) planejamento, confecção, manutenção e atualização de páginas eletrônicas, desde que realizados em estabelecimento do optante; (o) empresas montadoras de estandes para feiras; (p) produção cultural e artística; (q) produção cinematográfica e de artes cênicas; (r) laboratórios de análises clínicas ou de patologia clínica; (s) serviços de tomografia, diagnósticos médicos por imagem, registros gráficos e métodos óticos, bem como ressonância magnética; (t) serviços de prótese em geral; (u) serviços de comunicação; (v) serviços de transportes interestadual e intermunicipal de cargas B. Os escritórios de serviços contábeis, individualmente ou por meio de suas entidades representativas de classe, deverão: I promover atendimento gratuito relativo à inscrição, à opção de que trata o art. 18-A desta Lei Complementar (Microempreendedor Individual) e à primeira declaração anual simplificada da microempresa individual, podendo, para tanto, por meio de suas entidades representativas de classe, firmar convênios e acordos com a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, por intermédio dos seus órgãos vinculados; II fornecer, na forma estabelecida pelo Comitê Gestor, resultados de pesquisas quantitativas e qualitativas relativas às microempresas e empresas de pequeno porte optantes pelo Simples Nacional por eles atendidas; III promover eventos de orientação fiscal, contábil e tributária para as microempresas e empresas de pequeno porte optantes pelo Simples Nacional por eles atendidas. 22-C. Na hipótese de descumprimento das obrigações de que trata o 22-B deste artigo, o escritório será excluído do Simples Nacional, com efeitos a partir do mês subseqüente ao do descumprimento, na forma regulamentada pelo Comitê Gestor. 7 Não se aplica aqui proibição de que a ME ou a EPP realize cessão ou locação de mão-de-obra (art. 18, 5º-H). 8 Não se aplica aqui proibição de que a ME ou a EPP realize cessão ou locação de mão-de-obra (art. 18, 5º-H). 23

SIMPLES NACIONAL. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte.

SIMPLES NACIONAL. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. SIMPLES NACIONAL Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno

Leia mais

http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334

http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334 http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334 (Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara') Agência Câmara Tel. (61) 3216.1851/3216.1852 Fax. (61) 3216.1856

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO TERMO DE EXCLUSÃO DO SIMPLES NACIONAL

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO TERMO DE EXCLUSÃO DO SIMPLES NACIONAL MANUAL DE PREENCHIMENTO DO TERMO DE EXCLUSÃO DO SIMPLES NACIONAL A pessoa jurídica, optante pelo Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas

Leia mais

SIMPLES NACIONAL: DISPOSIÇÕES DO COMITÊ GESTOR APLICÁVEIS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2012

SIMPLES NACIONAL: DISPOSIÇÕES DO COMITÊ GESTOR APLICÁVEIS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2012 IMPOSTO DE RENDA CADERNO nº 1 SIMPLES NACIONAL: DISPOSIÇÕES DO COMITÊ GESTOR APLICÁVEIS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2012 RESOLUÇÃO CGSN Nº 94, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2011 O COMITÊ GESTOR DO SIMPLES NACIONAL

Leia mais

Ano CXLVI N o - 21-B Brasília - DF, sábado, 31 de janeiro de 2009

Ano CXLVI N o - 21-B Brasília - DF, sábado, 31 de janeiro de 2009 EDIÇÃO EXTRA ISSN 1677-7042 Ano CXLVI N o - 21-B Brasília - DF, sábado, 31 de janeiro de 2009. Sumário PÁGINA Atos do Poder Legislativo... 1 Atos do Poder Executivo... 13. Atos do Poder Legislativo LEI

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO LEI COMPLEMENTAR 123/2006 SIMPLES NACIONAL SUPERSIMPLES

BOLETIM INFORMATIVO LEI COMPLEMENTAR 123/2006 SIMPLES NACIONAL SUPERSIMPLES BOLETIM INFORMATIVO LEI COMPLEMENTAR 123/2006 SIMPLES NACIONAL SUPERSIMPLES O Simples Nacional é o regime de apuração instituído pela Lei Complementar nº 123 de 2006, destinado às empresas enquadradas

Leia mais

Lei Complementar 123, de 14 de Dezembro de 2006. Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. DRF/Cuiabá/MT

Lei Complementar 123, de 14 de Dezembro de 2006. Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. DRF/Cuiabá/MT Lei Complementar 123, de 14 de Dezembro de 2006. Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte DRF/Cuiabá/MT Características principais do Regime do Simples Nacional: 1. Abrange a participação

Leia mais

Palavras Chave: Simples Nacional, Simples Federal, Tributação.

Palavras Chave: Simples Nacional, Simples Federal, Tributação. SIMPLES FEDERAL x SIMPLES NACIONAL: Um estudo sobre as mudanças ocorridas no regime especial de tributação das microempresas e as empresas de pequeno porte. Adriano Sellis Márcio Fernando da Silveira Andrade

Leia mais

RESOLUÇÃO CGSN 04, DE 30 DE MAIO DE 2007 (DOU DE 01.06.2007)

RESOLUÇÃO CGSN 04, DE 30 DE MAIO DE 2007 (DOU DE 01.06.2007) RESOLUÇÃO CGSN 04, DE 30 DE MAIO DE 2007 (DOU DE 01.06.2007) Dispõe sobre a opção pelo Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno

Leia mais

Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa

Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa A Constituição Federal e o Estatuto Os artigos 146, 170, 179 da Constituição de 1988 contêm os marcos legais que fundamentam as medidas e ações de apoio às

Leia mais

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 Informativo 19 - Página 285 - Ano 2009 ORIENTAÇÃO MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Opção pelo SIMEI Conheça as condições para recolhimento

Leia mais

Lei Complementar nº 123, de 14.12.2006 DOU 1 de 15.12.2006 - Rep. DOU 1 de 31.01.2009 - Rep. DOU 1 de 31.01.2012

Lei Complementar nº 123, de 14.12.2006 DOU 1 de 15.12.2006 - Rep. DOU 1 de 31.01.2009 - Rep. DOU 1 de 31.01.2012 Lei Complementar nº 123, de 14.12.2006 DOU 1 de 15.12.2006 - Rep. DOU 1 de 31.01.2009 - Rep. DOU 1 de 31.01.2012 *(Republicação em atendimento ao disposto no art. 5º da Lei Complementar nº 139, de 10 de

Leia mais

Direito Previdenciário. rio. Prof. Gláucio Diniz de Souza (Aula 3 e 4)

Direito Previdenciário. rio. Prof. Gláucio Diniz de Souza (Aula 3 e 4) Direito Previdenciário rio Prof. Gláucio Diniz de Souza (Aula 3 e 4) Financiamento da Previdência Social Empregado, Trabalhador Avulso e Empregado Doméstico Contribuição Progressiva Salário rio-de-contribuição

Leia mais

RMS Software S.A. - Uma empresa TOTVS. 11 2699-0008 www.rms.com.br

RMS Software S.A. - Uma empresa TOTVS. 11 2699-0008 www.rms.com.br SIMPLES NACIONAL RMS Software S.A. - Uma Empresa TOTVS Todos os direitos reservados. A RMS Software é a maior fornecedora nacional de software de gestão corporativa para o mercado de comércio e varejo.

Leia mais

Regime Tributário Unificado e Simplificado

Regime Tributário Unificado e Simplificado SUPER SIMPLES, uma abordagem para escolas de idiomas A partir de 1/7/07, estará em funcionamento o regime único de tributação, instituído pela Lei Complementar nº123, conhecida também como Super Simples

Leia mais

ICMS relativo ao Diferencial de Alíquotas. Implementação da Emenda Constitucional nº 87/2015 em Minas Gerais

ICMS relativo ao Diferencial de Alíquotas. Implementação da Emenda Constitucional nº 87/2015 em Minas Gerais ICMS relativo ao Diferencial de Alíquotas Implementação da Emenda Constitucional nº 87/2015 em Minas Gerais Emenda Constitucional 87/2015 CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988 "Art. 155 (...) 2º (...) VII - nas operações

Leia mais

1. Registro: 1) O ato ou efeito de escrever certos fatos ou atos para dar-lhes autenticidade, publicidade e eficácia.

1. Registro: 1) O ato ou efeito de escrever certos fatos ou atos para dar-lhes autenticidade, publicidade e eficácia. 1 DIREITO EMPRESARIAL PONTO 1: Registro PONTO 2: Proteção ao nome PONTO 3: Microempresas e Empresas de Pequeno Porte PONTO 4: Títulos de Crédito 1. Registro: Conceito de registro: A palavra registro apresenta

Leia mais

Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006

Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006 Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006 Baião & Filippin Advogados Associados Adv.: João Paulo de Mello Filippin Lei Complementar n.º 123/2006 Desburocratização;

Leia mais

em nome próprio, responde com a totalidade de seu patrimônio e é apenas equiparado a pessoa jurídica.

em nome próprio, responde com a totalidade de seu patrimônio e é apenas equiparado a pessoa jurídica. EIRELI A EIRELI é uma empresa individual de responsabilidade limitada. Com a publicação da Lei nº 12.441 de 11 de julho de 2011, foi alterado o Código Civil, com a finalidade de autorizar a criação das

Leia mais

SIMPLES NACIONAL - PROCEDIMENTOS PÓS-EXCLUSÃO. atualizado em 27/05/2016 alterados os itens 1.1, 2.2.2, 3.1 e 3.2, 3.3

SIMPLES NACIONAL - PROCEDIMENTOS PÓS-EXCLUSÃO. atualizado em 27/05/2016 alterados os itens 1.1, 2.2.2, 3.1 e 3.2, 3.3 SIMPLES NACIONAL - PROCEDIMENTOS PÓS-EXCLUSÃO atualizado em 27/05/2016 alterados os itens 1.1, 2.2.2, 3.1 e 3.2, 3.3 HISTÓRICO DE ATUALIZAÇÕES DATA ATUALIZAÇÃO ITENS ALTERADOS 01/04/2016 alterado: 3.1

Leia mais

Lei Complementar 123/2006

Lei Complementar 123/2006 Lei Complementar 123/2006 Art. 18-A. O Microempreendedor Individual - MEI poderá optar pelo recolhimento dos impostos e contribuições abrangidos pelo Simples Nacional em valores fixos mensais, independentemente

Leia mais

Leonardo de Medeiros Garcia. Coordenador da Coleção. Edvaldo Nilo de Almeida

Leonardo de Medeiros Garcia. Coordenador da Coleção. Edvaldo Nilo de Almeida Leonardo de Medeiros Garcia Coordenador da Coleção Edvaldo Nilo de Almeida Prof. de Direito Tributário e Direito Financeiro em cursos preparatórios para concursos públicos. Prof. Titular do site www.pontodosconcursos.com.br.

Leia mais

MANUAL DO PGDAS. O Simples Nacional implica o recolhimento mensal mediante DAS dos seguintes impostos e contribuições:

MANUAL DO PGDAS. O Simples Nacional implica o recolhimento mensal mediante DAS dos seguintes impostos e contribuições: Versão 7 MANUAL DO PGDAS 1 Introdução 1.1 Apresentação do Programa O Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional (PGDAS) é um sistema eletrônico para a realização do cálculo do Simples

Leia mais

Palestrante Profº. Affonso d Anzicourt Professor e Palestrante da Escola Nacional de Seguros, Contador, Perito Judicial Federal por Nomeação,

Palestrante Profº. Affonso d Anzicourt Professor e Palestrante da Escola Nacional de Seguros, Contador, Perito Judicial Federal por Nomeação, 1 Palestrante Profº. Affonso d Anzicourt Professor e Palestrante da Escola Nacional de Seguros, Contador, Perito Judicial Federal por Nomeação, Advogado Especializado em Direito Tributário e Societário.

Leia mais

Simples Nacional versus Lucro Presumido: Uma análise da tributação nas Empresas Prestadoras de Serviços

Simples Nacional versus Lucro Presumido: Uma análise da tributação nas Empresas Prestadoras de Serviços Simples Nacional versus Lucro Presumido: Uma análise da tributação nas Empresas Prestadoras de Serviços Resumo O objetivo deste trabalho é comparar o custo tributário no Simples Nacional com o custo tributário

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado. Clique e veja o compromisso do dia. 6 7 8. Clique e veja o compromisso do dia.

Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado. Clique e veja o compromisso do dia. 6 7 8. Clique e veja o compromisso do dia. Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA à SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

ATUALIZADO EM 01.07.14 DECRETO Nº 35.123/14, DE 27.06.14 PUBLICADO NO DOE DE 28.06.14

ATUALIZADO EM 01.07.14 DECRETO Nº 35.123/14, DE 27.06.14 PUBLICADO NO DOE DE 28.06.14 ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ ATUALIZADO EM 01.07.14 DECRETO Nº 35.123/14, DE 27.06.14 PUBLICADO NO DOE DE 28.06.14 DECRETO Nº 28.576, DE 14 DE SETEMBRO DE 2007. PUBLICADO NO

Leia mais

SIMPLES NACIONAL LC 128/08 VALDIR DONIZETE SEGATO

SIMPLES NACIONAL LC 128/08 VALDIR DONIZETE SEGATO SIMPLES NACIONAL LC 128/08 VALDIR DONIZETE SEGATO 1 Empresário Contábil, MBA em Contabilidade Empresarial pela PUC-SP, Delegado Regional do CRC-SP em Jundiai, Professor Universitário e de Pós-Graduação.

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Regime tributário das microempresas e empresas de pequeno porte* Renata Guedes Barreiros Sumário Introdução 3 Desenvolvimento Capítulo 1- Tratamento Tributário das ME e EPP 5 1.1-

Leia mais

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária Lei Complementar 128 Alterações na Legislação Previdenciária Microempreendedor Individual MEI Conceito: É o empresário individual, referido no art. 966 do Novo Código Civil, que tenha auferido receita

Leia mais

GOVERNO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GETRI GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO

GOVERNO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GETRI GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO Assunto : Consulta Simples Nacional e Combustíveis - Operações diversas. EMENTA: CONSULTA SIMPLES NACIONAL E COMBUSTÍVEIS OPERAÇÕES DIVERSAS. 1. RELATÓRIO: O contribuinte acima qualificado solicita orientação

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. A partir de 01/07/2007 deixa de existir o Simples que conhecemos atualmente (Lei 9.317/96) e passa a Existir o Simples Nacional.

SIMPLES NACIONAL. A partir de 01/07/2007 deixa de existir o Simples que conhecemos atualmente (Lei 9.317/96) e passa a Existir o Simples Nacional. SIMPLES NACIONAL Visando um esclarecimento a todos os nossos clientes, elaboramos a presente cartilha com o máximo de informações para auxiliar no entendimento do novo sistema de recolhimento de impostos.

Leia mais

Receita.fazenda.gov.br (05/01/2009)

Receita.fazenda.gov.br (05/01/2009) Instrução Normativa RFB nº 903, de 30 de dezembro de 2008 Dispõe sobre a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF). O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL SUBSTITUTO, no uso da atribuição

Leia mais

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1.1. O que é O Simples Nacional é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido previsto na Lei Complementar nº 123, de 2006, aplicável

Leia mais

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI?

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI? FAQ -MEI 1. Qual o significado da sigla MEI? R: MEI é a sigla utilizada para Micro Empreendedor Individual 2. Qual é a definição de MEI? R: O MEI é o empresário individual a que se refere o art. 966 do

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI Nº 6.559, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2004 Publicada no DOE em 31 de dezembro de 2004 DISPÕE SOBRE A MICROEMPRESA SOCIAL, ESTABELECENDO TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO,

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 27 - Data 5 de novembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL ATIVIDADES DE USINAGEM. ALÍQUOTAS. Em tese, as

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2015

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2015 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2015 Até dia Obrigação 4 IRRF Histórico Recolhimento do Imposto de Renda Retido na Fonte correspondente a fatos geradores ocorridos no período de 21 a 31.01.2015,

Leia mais

LEI Nº 3434, DE 21 DE JULHO DE 1998.

LEI Nº 3434, DE 21 DE JULHO DE 1998. LEI Nº 3434, DE 21 DE JULHO DE 1998. Concede Benefício Fiscal às Micro Empresas e dá outras providências. A Câmara Municipal de Itabira, por seus Vereadores aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

Dispõe sobre a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF).

Dispõe sobre a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF). INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF Nº 974, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF). O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL, no uso das atribuições

Leia mais

É expressamente proibida cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização

É expressamente proibida cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização É expressamente proibida cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização dos autores conforme legislação vigente. Março/2011

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO ATUALIZAÇÃO LEGISLATIVA Nº 1285 01.01.2012/31.01.2012 Publicação de responsabilidade da Vice-Corregedoria, por delegação da Corregedoria do Tribunal Regional do Trabalho da 4.ª Região (Portaria nº 43,

Leia mais

PESSOAL CONTRIBUIÇÃO SINDICAL PATRONAL

PESSOAL CONTRIBUIÇÃO SINDICAL PATRONAL PESSOAL CONTRIBUIÇÃO SINDICAL PATRONAL Não somente os empregados, mas também os empregadores e empresas, sejam urbanos ou rurais, estão obrigados a contribuir anualmente para o sindicato representativo

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2011

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2011 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2011 Até dia Obrigação Histórico 3 IRRF Recolhimento do Imposto de Renda Retido na Fonte correspondente a fatos geradores ocorridos no período de 21 a 31.01.2011,

Leia mais

Coordenação Geral de Tributação

Coordenação Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta nº 95 Data 3 de abril de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL IMUNIDADE. ISENÇÃO. ALÍQUOTA ZERO. SIMPLES NACIONAL. A

Leia mais

Calendário Mensal das Obrigações Fiscais, Trabalhistas e Previdenciárias Outubro de 2015

Calendário Mensal das Obrigações Fiscais, Trabalhistas e Previdenciárias Outubro de 2015 Calendário Mensal das Obrigações Fiscais, Trabalhistas e Previdenciárias Outubro de 2015 Nota: Os dias de vencimentos apresentados são de nível nacional e respeitando os referidos feriados, caso for feriado

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS ABRIL/2014. Pagamento do IOF apurado no 3º decêndio de Março/2014:

AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS ABRIL/2014. Pagamento do IOF apurado no 3º decêndio de Março/2014: AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS ABRIL/2014 03/Abril. 5ª Feira. IOF - Imposto sobre Operações Financeiras. Pagamento do IOF apurado no 3º decêndio de Março/2014: - Operações

Leia mais

Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira

Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira 1. Introdução O dia 7 de agosto do corrente ano entrou para a história como uma das mais importantes datas para a possível concretização da reforma

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências.

Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências. DECRETO N o 3.474, DE 19 DE MAIO DE 2000. Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 303, DE 29 DE JUNHO DE 2006. Sem eficácia Texto para impressão Dispõe sobre parcelamento de débitos junto à Secretaria

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA SETEMBRO DE 2015

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA SETEMBRO DE 2015 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA SETEMBRO DE 2015 Até dia Obrigação 3 IRRF Salário de Agosto de 2015 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.08.2015, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra

Leia mais

Agenda de Obrigações Federal - Abril/2015

Agenda de Obrigações Federal - Abril/2015 Agenda de Obrigações Federal - Abril/2015 Até: Segunda-feira, dia 6 IOF Pagamento do IOF apurado no 3º decêndio de março/2015: - Operações de crédito - Pessoa Jurídica - Cód. Darf 1150 - Operações de crédito

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

OBRIGAÇÕES EMPRESARIAIS (FISCAIS,TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS) MARÇO DE 2010

OBRIGAÇÕES EMPRESARIAIS (FISCAIS,TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS) MARÇO DE 2010 OBRIGAÇÕES EMPRESARIAIS (FISCAIS,TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS) MARÇO DE 2010 03.03 (4ª feira) Último dia para recolhimento do Imposto de Renda na Fonte referente a juros sobre o capital próprio, aplicações

Leia mais

Normas Sistema Gestão da Informação

Normas Sistema Gestão da Informação Normas Sistema Gestão da Informação Visão Anotada INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1599, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2015 (Publicado(a) no DOU de 14/12/2015, seção 1, pág. 32) Dispõe sobre a Declaração de Débitos e

Leia mais

Gestão Financeira de Entidades Sindicais

Gestão Financeira de Entidades Sindicais Gestão Financeira de Entidades Sindicais Constituição Federal Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

Leia mais

Agenda de Obrigações Federal - Maio/2015

Agenda de Obrigações Federal - Maio/2015 Agenda de Obrigações Federal - Maio/2015 Até: Quarta-feira, dia 6 IOF Pagamento do IOF apurado no 3º decêndio de abril/2015: - Operações de crédito - Pessoa Jurídica - Cód. Darf 1150 - Operações de crédito

Leia mais

AGENDA - Janeiro de 2016

AGENDA - Janeiro de 2016 OBRIGAÇÕES FISCAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS PARA O MÊS DE JANEIRO.: (ÂMBITO FEDERAL) :. AGENDA - Janeiro de 2016 PRAZO NATUREZA DISCRIMINAÇÃO 04.01 08.01 GPS SALÁRIOS CAGED GFIP FGTS SIMPLES DOMÉSTICO

Leia mais

LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA LC 123/2006 SIMPLES NACIONAL (SUPER SIMPLES)

LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA LC 123/2006 SIMPLES NACIONAL (SUPER SIMPLES) A s s e s s o r i a C o n t á b i l Av. Maruípe, 2.260, 2º andar - Itararé - Vitória/ES. Cep: 29.047-475 Em frente ao Supermercado Pontes Telefax: (27) 3315-1599 - e-mail: adrianofigueiredo@terra.com.br

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES FISCAIS. Período de 01.01 a 31.01.2016

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES FISCAIS. Período de 01.01 a 31.01.2016 033 18/12/2015 1 de 14 DIA 04 1.ICMS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Recolhimento do ICMS/ Substituição Tributária correspondente a fatos geradores ocorridos no mês de outubro/2015 pelas empresas cujas autopeças,

Leia mais

Alexandre Marques Andrade Lemos. es ao. de Contratos e Convênios. Revista, ampliada e atualizada até maio de 2015

Alexandre Marques Andrade Lemos. es ao. de Contratos e Convênios. Revista, ampliada e atualizada até maio de 2015 Alexandre Marques Andrade Lemos r1 11111 es ao.,. u ar1a de Contratos e Convênios Retenções e encargos incidentes na contratação de pessoas ffsicas e jurídicas (INSS, IRRF, CSLL, PIS, COFINS e ISS) Revista,

Leia mais

Palestra. Créditos Fiscais (ICMS/ IPI/ PIS e COFINS) Julho 2012. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga

Palestra. Créditos Fiscais (ICMS/ IPI/ PIS e COFINS) Julho 2012. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

SIMPLES NACIONAL 2015

SIMPLES NACIONAL 2015 SIMPLES NACIONAL 2015 Salvo novas Resoluções do Comitê Gestor do Simples Nacional segue: TABELAS DE INCIDÊNCIA E NOVAS ATIVIDADES PERMITIDAS AO SIMPLES NACIONAL Atividades Permitidas Anexo I Empresa Comercial

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIAS EIRELI X MEI ALUNA: Karen Lorena Guzmán Rodriguez 3º ano de Ciências Contábeis 2012 EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LTDA DEFINIÇÃO A Definição do Empresário Individual

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA NOVEMBRO DE 2015

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA NOVEMBRO DE 2015 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA NOVEMBRO DE 2015 Até dia Obrigação 5 IRRF Histórico Recolhimento do Imposto de Renda Retido na Fonte correspondente a fatos geradores ocorridos no período de 21 a 31.10.2015,

Leia mais

Assunto: Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais - DCTF

Assunto: Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais - DCTF NOTA TÉCNICA n. 003/2008/GECON Vitória, 20 de abril de 2008. Assunto: Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais - DCTF Prezados (as) Senhores (as), Trata-se de orientação quanto à obrigatoriedade

Leia mais

001 O que é o Simples?

001 O que é o Simples? 001 O que é o Simples? O Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte (Simples) é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido,

Leia mais

Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015. Lucro Real. Outros Modelos de Tributação. Compreender como funciona o SIMPLES

Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015. Lucro Real. Outros Modelos de Tributação. Compreender como funciona o SIMPLES Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015 Vicente Sevilha Junior setembro/2014 Compreender como funciona o SIMPLES Entender quais atividades podem ou não optar pelo SIMPLES Analisar as tabelas e percentuais do SIMPLES

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina A empresa DS MANUTENÇÃO DE AR CONDICIONADO Ltda. apresentou, tempestivamente, às 16h54min de 30 de janeiro de 2012, por meio de mensagem eletrônica, impugnação

Leia mais

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR)

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) Pontos Lei Geral Como é hoje 1 Alcance da Lei A lei do Simples está voltada para os tributos federais. Os sistemas de tributação

Leia mais

III - de cujo capital participe entidade da administração pública, direta ou indireta, federal, estadual ou municipal;

III - de cujo capital participe entidade da administração pública, direta ou indireta, federal, estadual ou municipal; Guia do Supersimples ENQUADRAMENTO E RESTRIÇÕES I - Enquadramento e Restrições OSupersimples ou Simples Nacional, instituído pela Lei Complementar 123/06, que entrou em vigor no dia 1º de julho de 2007,

Leia mais

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa):

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Pesquisa Industrial Anual Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Aluguéis e arrendamentos Despesas com

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO ICMS SP/2006 PARTE I

EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO ICMS SP/2006 PARTE I EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO ICMS SP/2006 PARTE I Olá pessoal, com o intuito de auxiliá-los para a prova de AUDITOR do ICMS-SP/2006, seguem abaixo algumas questões que selecionei dos últimos concursos

Leia mais

AULA 11 MICROEMPRESA - CARACTERÍSTICAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL

AULA 11 MICROEMPRESA - CARACTERÍSTICAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL AULA 11 MICROEMPRESA - CARACTERÍSTICAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL A Lei Complementar 123/2006 estabelece normas gerais relativas ao tratamento diferenciado e favorecido a ser dispensado

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO REGIME DE TRIBUTAÇÃO UNIFICADA

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO REGIME DE TRIBUTAÇÃO UNIFICADA PROJETO DE LEI Institui o Regime de Tributação Unificada - RTU na importação, por via terrestre, de mercadorias procedentes do Paraguai. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DO REGIME DE TRIBUTAÇÃO

Leia mais

Agenda de Obrigações Tributárias, Trabalhistas e Previdenciárias

Agenda de Obrigações Tributárias, Trabalhistas e Previdenciárias Agenda de Obrigações Tributárias, Trabalhistas e Previdenciárias Fevereiro de 2016 Tipo Dia Obrigação 01/02-2ª Feira 03/02-4ª Feira INSS GPS - Fixação no Quadro de Horário O art. 225, VI do Decreto n 3.048/1999,

Leia mais

REVISÃO 1.º SEMESTRE SISTEMA CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO CONCEITO DE TRIBUTO

REVISÃO 1.º SEMESTRE SISTEMA CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO CONCEITO DE TRIBUTO REVISÃO 1.º SEMESTRE SISTEMA CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO CONCEITO DE TRIBUTO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1.988 ACABA POR NÃO CONCEITUAR O QUE SEJA TRIBUTO. ENTRETANTO, LEVA EM CONSIDERAÇÃO, IMPLICITAMENTE,

Leia mais

AGENDA DE CONTRIBUIÇÕES, TRIBUTOS E OBRIGAÇÕES

AGENDA DE CONTRIBUIÇÕES, TRIBUTOS E OBRIGAÇÕES Sinduscon Ceará - Agosto / 2014 DIAS OBRIGAÇÕES DESCRIÇÃO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL 05 (terça-feira) IRRF RETIDO NA FONTE Recolher até o 3º dia útil após o último decêndio do mês anterior, os fatos gerados a

Leia mais

QUADRO DE PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO DA LEI GERAL DAS MPE (LC 123/2006)

QUADRO DE PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO DA LEI GERAL DAS MPE (LC 123/2006) Universalização do Simples Nacional Não podem optar pelo Simples as empresas prestadoras de serviços decorrentes do exercício de atividade intelectual, de natureza técnica, científica, desportiva, artística

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPOÁ CHEFIA DE GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPOÁ CHEFIA DE GABINETE DO PREFEITO DECRETO MUNICIPAL Nº 1388/2011 Data: 27 de outubro de 2011 INSTITUI A NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS - NF-E NO MUNICÍPIO DE ITAPOÁ. ERVINO SPERANDIO, Prefeito Municipal de Itapoá (SC),

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. Microempresa (ME) e Empresa de Pequeno Porte (EPP) Microempreendedor Individual (MEI)

SIMPLES NACIONAL. Microempresa (ME) e Empresa de Pequeno Porte (EPP) Microempreendedor Individual (MEI) SIMPLES NACIONAL Microempresa (ME) e Empresa de Pequeno Porte (EPP) Microempreendedor Individual (MEI) CLEÔNIMO DOS SANTOS é bacharel em Ciências Contábeis, com MBA em Controladoria Estratégica. Professor

Leia mais

IOB Setorial JURÍDICO. Sociedade de advogados - Aspectos tributários 6. EMPRESAS EM LIQUIDAÇÃO 7. EMPRESAS EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL 1.

IOB Setorial JURÍDICO. Sociedade de advogados - Aspectos tributários 6. EMPRESAS EM LIQUIDAÇÃO 7. EMPRESAS EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL 1. 6. EMPRESAS EM LIQUIDAÇÃO Segundo o art. 16 da Instrução Normativa DNRC em tela, ao final dos nomes dos empresários e das sociedades empresárias que estiverem em processo de liquidação, após a anotação

Leia mais

DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples

DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples Wagner Mendes Contador, Pós-Graduado em Controladoria, Auditoria e Tributos, Consultor Tributário, Especialista em Tributos Federais, Contabilidade e Legislação

Leia mais

Sumário. Prefácio, XIX 2 FONTES DO DIREITO TRIBUTÁRIO, 19

Sumário. Prefácio, XIX 2 FONTES DO DIREITO TRIBUTÁRIO, 19 STJ00090468 Sumário Prefácio, XIX PARTE GERAL - FUNDAMENTOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO TRIBUTÁRIO, 1 1 INTRODUÇÃO AO DIREITO TRIBUTÁRIO, 3 1.1 Introdução, 3 1.1.1 Sistema jurídico-tributário, 3 1.2 Finalidade

Leia mais

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de comunicação - ICMS BASE CONSTITUCIONAL E LEGAL Artigo 155,

Leia mais

PARTE GERAL FUNDAMENTOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO TRIBUTÁRIO, 1

PARTE GERAL FUNDAMENTOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO TRIBUTÁRIO, 1 PARTE GERAL FUNDAMENTOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO TRIBUTÁRIO, 1 1 INTRODUÇÃO AO DIREITO TRIBUTÁRIO, 3 1.1 Introdução, 3 1.1.1 Sistema jurídico-tributário, 3 1.2 Finalidade do Estado, 5 1.3 Atividade financeira

Leia mais

QUAIS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS IMPOSTOS MAIS IMPORTANTES - PARTE IIl

QUAIS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS IMPOSTOS MAIS IMPORTANTES - PARTE IIl QUAIS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS IMPOSTOS MAIS IMPORTANTES - PARTE IIl! ICMS! ISS! RECUPERAÇÃO DE IMPOSTOS! SIMPLES Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2011 (ÂMBITO FEDERAL)

OBRIGAÇÕES FISCAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2011 (ÂMBITO FEDERAL) OBRIGAÇÕES FISCAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2011 (ÂMBITO FEDERAL) 04.05 (4ª feira) IOF Imposto Sobre Operações Financeiras Último dia para o recolhimento do IOF referente ao

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: Simples nacional versus lucro presumido

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: Simples nacional versus lucro presumido PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: Simples nacional versus lucro presumido Aline de Melo Silva Discente do 4 ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Karen Cássia de Souza Discente

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica A REFORMULAÇÃO DO FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO COMÉRCIO DE BENS, SERVIÇOS E

Leia mais

SIMPLES NACIONAL: INGRESSO E DESENQUADRAMENTO

SIMPLES NACIONAL: INGRESSO E DESENQUADRAMENTO Introdução. A) Sujeitos, Modos, Condições e Efeitos. B) Exclusões ou Impedimentos. C) Vedações. II) Desenquadramento. A) Modos. B) Causas. C) Efeitos. Conclusão. Introdução questionamentos. Quem pode ingressar?

Leia mais

São José do Rio Preto, 06 de março de 2015

São José do Rio Preto, 06 de março de 2015 São José do Rio Preto, 06 de março de 2015 Considerando-se os questionamentos feitos na assembleia do dia 31 de março de 2015, relacionados à proposta da criação de uma Associação Educacional que terá

Leia mais

ESTADO DO ACRE LEI N. 1.358 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2000.

ESTADO DO ACRE LEI N. 1.358 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI N. 1.358 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2000.. Publicado no D.O.E n 7.942 de 09 de janeiro de 2001.. Alterada pela Lei nº 2.956, de 9 de abril de 2015 Institui o Programa de Incentivo Tributário para Empresas,

Leia mais

DECRETO Nº 4.524, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2002

DECRETO Nº 4.524, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2002 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação DECRETO Nº 4.524, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2002 Regulamenta a Contribuição para o PIS/Pasep e a Cofins devidas pelas pessoas jurídicas em geral. O PRESIDENTE

Leia mais

Competência Tributária.

Competência Tributária. Competência Tributária. PONTO 1 RESUMO FUNDAMENTAL 1. A competência tributária é o poder conferido à União, aos Estados-membros, ao Distrito Federal e aos Municípios de instituir tributos por meio do processo

Leia mais

DICIONÁRIO DE TRIBUTOS

DICIONÁRIO DE TRIBUTOS DICIONÁRIO DE TRIBUTOS CGC/MF - Cadastro Geral de Contribuintes do Ministério da Fazenda. Substituído pelo CNPJ (Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica), da Receita Federal, identifica cada pessoa jurídica

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR 14/11 DE 07/12/2011

LEI COMPLEMENTAR 14/11 DE 07/12/2011 LEI COMPLEMENTAR 14/11 DE 07/12/2011 Regulamenta no Município de João Ramalho o tratamento diferenciado e favorecido ao micro empreendedor individual, às microempresas e empresas de pequeno porte de que

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 127, DE 14 DE AGOSTO DE 2007 Mensagem de veto Altera a Lei Complementar n o 123, de 14 de dezembro de 2006. O PRESIDENTE

Leia mais

IR Retido na Fonte - Apurado no Período do Fato Gerador - 21 a 31 de agosto de 2012.

IR Retido na Fonte - Apurado no Período do Fato Gerador - 21 a 31 de agosto de 2012. 05/09(4ª. Feira) IR Retido na Fonte - Apurado no Período do Fato Gerador - 21 a 31 de agosto de 2012. IRRF - Juros sobre Capital Próprio e Aplicações Financeiras, Prêmios e outros rendimentos de Capital

Leia mais