Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas I Profa Cristiane Koehler Aula: Estudo de Caso Escritório de Advocacia 2011/2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas I Profa Cristiane Koehler Aula: Estudo de Caso Escritório de Advocacia 2011/2"

Transcrição

1 Imagine que você terá que informatizar um Escritório de Advocacia onde trabalham dois advogados que são sócios e mais dezoito advogados que são colaboradores. Considere o seguinte depoimento dos advogados. ESTUDO DO SISTEMA EXISTENTE ANTES DA AUDIÊNCIA Ao chegar no escritório, após uma breve conversa sobre o assunto do processo, o cliente preenche uma ficha cadastral. Grande parte dos clientes são encaminhados pelo sindicato do Mobiliário e da Construção Civil, sendo que para estes quem paga os honorários dos advogados é o Sindicato. Para isso o cliente leva uma autorização fornecida pelo Sindicato, que é chamado de Credencial. A ficha de inscrição contém os seguintes dados: Nome: nome do reclamante Endereço: endereço residencial do reclamante Fone: número do telefone de contato com o reclamante Estado Civil: estado civil do reclamante Função exercida: cargo que o reclamante exercia na empresa Profissão: nome da profissão do reclamante Reclamado: nome do reclamado (chefe/empresa) Endereço: endereço do reclamado (chefe/empresa) Admissão: data da admissão Demissão: data da demissão Horário de Trabalho: em que dias da semana, e em que horário trabalhava Sábados: se trabalhava aos sábados sim ou não Domingos: se trabalhava aos domingos sim ou não Feriados: se trabalhava aos feriados sim ou não Carteira de trabalho assinada: se tinha carteira assinada sim ou não Carteira de trabalho retida: responder sim ou não Salário recebido: valor do salário com todos os adicionais, gratificações... Motivo demissão: descrição sucinta do por quê foi demitido, quais os motivos que levaram o chefe a demiti-lo Recebia contra-cheque: sim ou não Acidente de trabalho: sim ou não Como foi: descrição sucinta de como ocorreu o acidente Período do benefício acidente: data de início e término do benefício acidente Outros direitos Adicional de insalubridade: informar o valor Adicional de risco: informar o valor Abono familiar: informar o valor Auxílio ferramenta: informar o valor Horas extras: informar o valor Aviso prévio: informar o valor Décimo terceiro: informar o valor Férias: informar o valor Periculosidade: informar o valor Piso salarial: informar o valor Outros: citar outros direitos que recebia 1

2 Como era o ambiente de trabalho e com o que lidava: descrição de como era o ambiente em que trabalhava e que tipo de tarefa realizava Chefe imediato: nome da pessoa a qual era chefe direto Pagamento: se semanal, quinzenal ou mensal Outras informações: algumas observações que o reclamante queira acrescentar É preenchida uma procuração onde o reclamante autoriza os dois advogados para que o representem em qualquer processo civil ou criminal em que o cliente for autor, réu, oponente ou que seja de seu interesse, e ainda, para cobrar, amigável ou judicialmente, os créditos a que tenha direito. Nesta procuração constam o nome do registro da OAB dos dois advogados, o endereço do escritório, o nome e os dados do reclamante. Esta procuração é um padrão, só mudando o cabeçalho com o nome e os dados do reclamante; a assinatura do mesmo é reconhecida em cartório. Após o preenchimento da ficha cadastral e da procuração, é criada uma pasta onde serão arquivados todos os dados referentes ao cliente. Esta pasta é do tipo pasta suspensa, e será guardada em um arquivo de aço, em ordem alfabética, contendo o nome do reclamante no canto superior esquerdo, para facilitar a procura. Cada processo dará origem a uma pasta; se um mesmo cliente entrar com vários processos, o advogado terá várias pastas e em cada uma delas será guardada uma nova ficha cadastral com os mesmos dados de identificação do cliente, mudando apenas as informações à respeito do processo. Sendo assim, há duplicidade de informações armazenadas sem necessidade. É acertado um percentual de 20% sobre o valor da ação, que são os honorários dos advogados. Se for uma causa de um trabalhador filiado ao sindicato, quem define o percentual é o juiz, sempre entre 15 e 20%. O início do processo dar-se-á com a elaboração de uma petição, isto é, um requerimento baseado nas formalidades legais e nos dados da ficha cadastral do cliente. Essa petição segue um modelo padrão, mudando apenas o histórico particular de cada caso, além dos dados do reclamante. A petição é levada em mãos à Distribuição que é um setor da Justiça do Trabalho que a função de distribuir o processo, para a 1 a ou 2 a JCJ - Junta de Conciliação e Julgamento. Com a petição são entregues todos os documentos do processo, como xerox de cartão-ponto, atestados médicos, declarações. A petição é sermpre feita em duas vias, uma fica na Junta, a outra fica com o advogado. O comprovante de entrega do processo é um carimbo feito na Distribuição, na via do advogado, que contém a data de entrada do processo, o número de registro no protocolo, o carimbo e a assinatura do Assistente Judiciário responsável pelo recebimento. Dentro de alguns dias a junta que recebeu o processo envia pelo correio uma notificação informando a data da 1 a audiência, sendo que o reclamante recebe a mesma notificação. Ao chegar o comunicado da data da audiência, esta é anotada em uma agenda que é utilizada somente para anotações das mesmas. Alguns dias antes da audiência, é preparada a defesa do reclamante, embasada no histórico do caso apresentado pelo cliente quando do recebimento da ficha cadastral, e nas leis e emendas trabalhistas ou civis. O embasamento legal é feito através de pesquisas em livros, tais como : Prática do Processo Trabalhista, Jurisprudência do Direito do Trabalho, além de revistas e publicações de Jurisprudência, entre outros. Devese ressaltar que estas pesquisas são bastantes trabalhosas e demoradas, pois a quantidade de livros, revistas e publicações é muito vasta, tornando o trabalho do advogado tedioso e lento. Geralmente as questões são de cunho trabalhista, portanto, é necessário que seja feito o cálculo dos direitos que o reclamante tem para receber. Este cálculo é feito manualmente, considerando: insalubridade, horas extras, décimo terceiro salário, FGTS, periculosidade, férias, aviso prévio, adicional noturno e vale transporte todos acrescidos de juros previstos em lei. 2

3 A AUDIÊNCIA A audiência é o encontro do Reclamante com o Reclamado, na presença de seus advogados, do Juiz Classista (trabalhador de uma determinada classe que acompanha os processos dos seus colegas de trabalho da mesma categoria), e do Juiz de Direito, na tentativa de fazer um acordo ou, caso contrário, o juiz decide a causa em favor de uma ou de outra parte, baseado nas provas apresentadas por ambos. Na data marcada para a audiência o advogado procura a pasta suspensa no arquivo de aço, e leva-a consigo, caso seja necessário fazer alguma consulta de última hora. A 1 a audiência é apenas para tentar conciliação, caso não ocorra, vai para uma 2 a audiência de instrução e depois é dada pelo juiz a sentença em 1 o grau, ou seja, uma sentença em Junta Local. Se esta sentença não satisfaz, mesmo que o reclamante tenha ganho, parte-se para o recurso, entregando as suas razões na 1 a ou 2 a junta, que são recebidos pelo juiz e enviados para o Tribunal Regional de Justiça de Florianópolis. O recurso pode ser: por embargo, recurso ordinário, recurso de revista ou agravo, sendo que o prazo para recorrer é de 8 dias. No final da audiência é feita uma ata descrevendo as decisões tomadas, o valor do acordo, as condições de pagamento. A ata é feita na junta e assinada pelo juiz, pelos juízes classistas, pelo reclamante e pelo reclamado. Na audiência é obrigatória a presença do reclamante e do reclamado; se o reclamante não comparece à audiência, o processo é arquivado. Se o reclamado não comparece, perde a ação. Isso chama-se de revelia e confissão, ou seja, entende-se que o reclamado reconhece que não tem argumentos suficientes para ganhar a ação. Se não compareceu por motivos de doença, precisa apresentar atestado e deveria alertar o juiz com antecedência; em casos excepcionais em que não se pode avisar antes, geralmente o juiz aceita, e é marcada uma nova audiência. APÓS A AUDIÊNCIA Ao voltar da audiência, serão tomadas diferentes providências, dependendo do resultado da mesma: a) se ocorreu acordo entre reclamado e reclamante: é anotado na ficha cadastral o valor fixado e a data dos pagamentos do acordo; os pagamentos das ações podem ser parcelados ou à vista, sendo que a data e o valor dos pagamentos são anotados na ficha cadastral do cliente e, numa agenda, usada somente para anotações de valores a pagar e a receber, são anotados os valores dos honorários do advogado correspondente àquela ação; conforme o pagamento das parcelas for ocorrendo, é anotado, num livro de Fluxo de Caixa, o valor e em que dia foram recebidos os honorários referentes ao processo; ao serem efetuados os pagamentos, é dado ao reclamante um recibo, informando o referente valor, de qual processo e quem era o reclamante; se o pagamento não for feito em dia, passa a correr juros e multa, chamada cláusula penal, que é estabelecida pelo juiz (normalmente de 30%). Se foram estabelecidos quatro prestações, por exemplo, só depois de vencida a última é que se pode executar, após a última o juiz determina a citação do devedor e penhora de seus bens, ou seja, antes de vencerem todas as parcelas não se pode fazer nada, porque o reclamado pode pagar todas elas juntas; o pagamento dos valores resultantes da ação é sempre feito para o advogado, sendo que, antes de passar para o cliente, já são descontados os seus honorários; a pasta suspensa com os dados do reclamante continua no arquivo por aproximadamente seis meses, sendo que após esse período, é passado para uma gaveta que contém processos encerrados. 3

4 b) se não ocorreu acordo: é permitido aos advogados no dia seguinte a 1 a audiência, que peguem a pasta do processo na junta para que possam examinar as provas apresentadas pela outra parte, sendo que a mesma deve ser devolvida numa prazo de dez dias; o prazo para anexação de provas contrariando as apresentadas pelo reclamado é de dez dias, contando a partir do dia seguinte da audiência, sendo que se o 10 o dia coincidir num final de semana ou feriado, fica transferida para o primeiro dia útil posterior; se for necessária a presença de testemunhas, o reclamante fornece o nome das mesmas. É marcado um encontro horas antes da audiência para uma entrevista, a fim de averiguar se são testemunhas coerentes no que dizem ou se estão apenas forçando provas; o advogado, baseado na ata realizada no final da audiência, anota na agenda de compromissos, a próxima data marcada. PARTE ADMINISTRATIVA DO ESCRITÓRIO Consiste em controlar diariamente os pagamentos e os recebimentos, contas bancárias e organização geral da empresa. Nas despesas inclui-se aluguel, luz, condomínio, telefone, material de expediente e custos do processo, como xerox e viagens. As despesas de aluguel, luz e condomínio, cada sócio paga o correspondente a sua sala. As demais despesas como : material de expediente, xerox, viagens e telefone são divididas em duas partes iguais. As receitas são os honorários provenientes das ações e são divididos entre os dois sócios, independente de quem tenha trabalhado na ação. PROBLEMAS DO SISTEMA EXISTENTENTE 1. falta de clareza no preenchimento da ficha cadastral, 2. demora na pesquisa de dados do cliente, 3. dificuldade na localização dos processos, 4. localização de leis e emendas muito demoradas (é feita manualmente livro a livro), 5. dificuldade na recuperação de dados antigos, 6. falta de exatidão e agilidade no controle de contas a pagar e a receber, 7. duplicidade de informações, 8. demora na elaboração do cálculo trabalhista, 9. ausência de um histórico completo e preciso de cada processo. ATIVIDADES PROPOSTAS: Para fazer a Análise e Projeto de um Sistema Computacional, inicialmente, precisamos fazer a Análise de Requisitos e a Modelagem de Dados do Sistema. Para isso, são utilizadas as seguintes ferramentas: 1. Lista de entidades e seus respectivos atributos 2. Modelo E-R - Modelo Entidade-Relacionamentos 3. DFD - Diagrama de Fluxo de Dados 4. DD - Dicionário de Dados 5. Especificação de Processos 6. Diagramas UML 4

5 Este Estudo de Caso será o exemplo que trabalharemos na disciplina para conhecer as ferramentas de projeto e modelagem de um Sistema Informatizado. Agora a proposta inicial é: Exercício 01. Identifique e liste as entidades envolvidas e seus respectivos atributos. Exercício 02. Identifique as entidades externas envolvidas. Exercício 03. Identifique os depósitos de dados necessários. Exercício 04. Identifique os processos que serão utilizados. Exercício 05. Inicie o DFD de nível mais geral, chamado de Diagrama de Contexto. 5

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Mediador - Extrato Instrumento Coletivo CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: ES000053/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/02/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR001382/2009 NÚMERO

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Federação)

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Federação) PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Federação) CLÁUSULAS PARA DISCUSSÃO CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º

Leia mais

EMPREGADO DOMÉSTICO (Aspectos Legais)

EMPREGADO DOMÉSTICO (Aspectos Legais) Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 EMPREGADOS EM SOCIEDADES DE FOMENTO MERCANTIL - FACTORING

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 EMPREGADOS EM SOCIEDADES DE FOMENTO MERCANTIL - FACTORING CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 EMPREGADOS EM SOCIEDADES DE FOMENTO MERCANTIL - FACTORING 1 - BENEFICIÁRIOS São beneficiários do presente instrumento todos os empregados em Sociedades de Fomento

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO E AUDITORIA

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO E AUDITORIA ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA A ELABORAÇÃO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS DOS DIRETÓRIOS PARTIDÁRIOS Tendo em vista a obrigação das agremiações partidárias de prestar contas até 30 de abril de 2014, referente ao exercício

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim)

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim) PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim) CLÁUSULAS PARA DISCUSSÃO CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º

Leia mais

Relação de Documentos para Análise. Constam os documentos PESSOA JURIDICA: SIM NÃO

Relação de Documentos para Análise. Constam os documentos PESSOA JURIDICA: SIM NÃO Nome da Empesa: CNPJ: Contato: Telefone: Relação de Documentos para Análise Constam os documentos PESSOA JURIDICA: SIM NÃO 1 Ficha cadastral e Autorização de Consulta de Restritivos assinada (Anexo); 2

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DOCUMENTOS PARA CONTABILIZAÇÃO

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DOCUMENTOS PARA CONTABILIZAÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DOCUMENTOS PARA CONTABILIZAÇÃO Através deste manual, a Tecnicont pretende orientar seus clientes e facilitar os procedimentos a serem realizados no envio de documentos

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA ENTREVISTA - PUCGO/TRT

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA ENTREVISTA - PUCGO/TRT PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PUC GOIÁS ENTREVISTA - PUCGO/TRT DATA: / / Estagiários/ Turma: l- DADOS DO CLIENTE ( ) RECLAMANTE ( ) RECLAMADO Nome: Estado Civil:_ Profissão: C.l: Órg. Exp.

Leia mais

Estabelecer a rotina, diretrizes e prazos para processamento da folha de pagamento do Grupo.

Estabelecer a rotina, diretrizes e prazos para processamento da folha de pagamento do Grupo. 1/8 1. OBJETIVO Estabelecer a rotina, diretrizes e prazos para processamento da folha de pagamento do Grupo. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO DHO Desenvolvimento Humano Organizacional; SISTEMA RUBI Sistema operacional

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL ediador - Extrato Convenção Coletiva 1 de 7 27/10/2015 11:23 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001167/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 08/07/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO:

Leia mais

PROBLEMAS TRABALHISTAS Roudou mondai

PROBLEMAS TRABALHISTAS Roudou mondai PROBLEMAS TRABALHISTAS 47 Formas para resolver problemas trabalhistas O primeiro passo para se solucionar um problema trabalhista é tentar um acordo com a empresa, apontando os fatos que contradigam a

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL 1 de 7 28/12/2015 17:24 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2016/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC003175/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/12/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR081080/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 47620.002006/2015-72

Leia mais

LEGALE RESPONDE DIREITO DO TRABALHO. Aula 2

LEGALE RESPONDE DIREITO DO TRABALHO. Aula 2 LEGALE RESPONDE DIREITO DO TRABALHO Aula 2 Mais que um curso prático, uma nova ferramenta que surge para auxiliar o operador do Direito! É o LEGALE mais uma vez preocupado com seu SUCESSO PROFISSIONAL!!

Leia mais

PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016. São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014:

PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016. São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014: PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016 CLÁUSULA 1ª - DO PISO SALARIAL São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014: a) Fica afixado o piso salarial da

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000529/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 04/04/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002949/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.003317/2014-97 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001437/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR018284/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.012545/2014-58 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MS000362/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 31/08/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR043879/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46312.003330/2015-29 DATA DO

Leia mais

CAPÍTULO I - VIGÊNCIA E ABRANGÊNCIA CAPÍTULO II - REMUNERAÇÃO E PAGAMENTO

CAPÍTULO I - VIGÊNCIA E ABRANGÊNCIA CAPÍTULO II - REMUNERAÇÃO E PAGAMENTO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, QUE ENTRE SI FAZEM, DE UM LADO O SINDICATO DOS CONDUTORES DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS E TRABALHADORES EM TRANSPORTES DE CARGAS EM GERAL E PASSAGEIROS NO MUNICÍPIO DO RIO DE

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP010023/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 09/09/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053435/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46261.004392/2015-09 DATA DO

Leia mais

EDITAL- Faculdade SATC n 035/2011 de 07.06.2011 APROVADOS NO PROCESSO SELETIVO 2011/2 (VESTIBULAR) PRIMEIRA CHAMADA

EDITAL- Faculdade SATC n 035/2011 de 07.06.2011 APROVADOS NO PROCESSO SELETIVO 2011/2 (VESTIBULAR) PRIMEIRA CHAMADA A Direção da Faculdade SATC, mantida pela Associação Beneficente da Indústria Carbonífera de Santa Catarina - SATC, credenciada pela Portaria Ministerial n. 3.556 de 26/11/2003, publicada no D.O.U., em

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho ATENDIMENTO IT. 14 13 1 / 20 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para o atendimento realizado pelo Crea GO ao profissional, empresa e público em geral. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Lei n 5.194 24 de dezembro

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001940/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR022033/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46238.000478/2015-41 DATA

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho ATENDIMENTO IT. 14 16 1 / 23 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para o atendimento realizado pelo Crea GO ao profissional, empresa e público em geral. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Lei n 5.194 24 de dezembro

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 Pelo presente instrumento, de um lado o SINDICATO DOS TRABALHADORES EM TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE SOROCABA E REGIÃO, com sede à Rua Augusto Franco, nº 159, em Sorocaba/SP,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2011/2012

CONVENÇÃO COLETIVA 2011/2012 CONVENÇÃO COLETIVA 2011/2012 Pelo presente instrumento particular, de um lado O Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Publicidade do Estado do Paraná, com sede em Curitiba, no estado do Paraná, na

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 1997 / 1998

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 1997 / 1998 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 1997 / 1998 A presente cópia foi registrada e arquivada na DRT/DF sob o n.º: 46206.006203/97-55 em 01/07/97 Sindicato Nacional dos Trabalhadores em Empresas Prestadoras de

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 1 Entre as partes, de um lado, representando a Categoria Profissional, o SINDICATO DOS EMPREGADOS DE AGENTES AUTONOMOS DO COMÉRCIO E EM EMPRESAS DE ASSESSORAMENTO,

Leia mais

5. JORNADA DE TRABALHO

5. JORNADA DE TRABALHO 5. JORNADA DE TRABALHO 5.1 DURAÇÃO DA JORNADA A duração normal do trabalho não pode ser superior a oito horas diárias e 44 semanais, sendo facultada a compensação de horários e a redução da jornada, mediante

Leia mais

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Teresópolis, Guapimirim e Magé

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Teresópolis, Guapimirim e Magé Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Teresópolis, Guapimirim e Magé Fundado em 01 de março de 1996 Entidade reconhecida no Arquivo de Entidades Sindicais do MTE sob o nº 46000-006947/96

Leia mais

REGULAMENTO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL

REGULAMENTO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL REGULAMENTO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL 1. Objetivos 1.1 - Desta normatização Estabelecer diretrizes e critérios que viabilizem os processos de recrutamento e seleção, atraindo profissionais com capacidade

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000748/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR023675/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.006375/2012-81 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PE000411/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/04/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR008475/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46213.006310/2013-66 DATA DO

Leia mais

REQUERIMENTO DE SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO - 2014

REQUERIMENTO DE SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO - 2014 REQUERIMENTO DE SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO - 2014 A Escola Técnica de Eletrônica Francisco Moreira da Costa acredita que, ao conceder uma bolsa de estudo, está investindo no aluno, na família e no

Leia mais

RESPOSTAS A PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DA SOCIEDADE (inciso VI do art. 8º da Lei nº 12.527/2011) SUMÁRIO. 1. Registro Profissional...

RESPOSTAS A PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DA SOCIEDADE (inciso VI do art. 8º da Lei nº 12.527/2011) SUMÁRIO. 1. Registro Profissional... SUMÁRIO 1. Registro Profissional... 2 2. Isenção de Anuidade... 3 3. Transferência de Regional... 4 4. Cancelamento de Registro (Pessoa Física)... 5 5. Reativação de Registro Profissional... 6 6. Parcelamento

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL EMPREGADOS

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL EMPREGADOS CONTRIBUIÇÃO SINDICAL EMPREGADOS INTRODUÇÃO Dispõe o Art. 578 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que a contribuição devida aos sindicatos pelos que participam das categorias econômicas ou profissionais

Leia mais

O Processo Trabalhista

O Processo Trabalhista Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Profa. Barbara Mourão O Processo Trabalhista Princípios gerais do processo Constituição Federal de 1988; Código de Processo Civil (CPC). Princípios

Leia mais

01. APRESENTAÇÃO 02. FUNCIONAMENTO. MANHÃ de 9 às 12h. NOITE de 18 às 20h

01. APRESENTAÇÃO 02. FUNCIONAMENTO. MANHÃ de 9 às 12h. NOITE de 18 às 20h NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Manual do Estagiário ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA GRATUITA 01. APRESENTAÇÃO O Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) é constituído pelo Escritório Modelo de Advocacia Gratuita EMAG

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 043/2010-CPJ

RESOLUÇÃO Nº 043/2010-CPJ RESOLUÇÃO Nº 043/2010-CPJ O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO, no uso de suas atribuições legais, tendo em vista o disposto no artigo 29-A da Lei nº 8.229, de 07 de dezembro de

Leia mais

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL OBRIGATORIEDADE

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL OBRIGATORIEDADE FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Os artigos 578 e 579 da CLT preveem que as contribuições devidas aos sindicatos, pelos que participem das categorias econômicas ou profissionais ou das profissões liberais representadas

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 Termo de CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que entre si fazem, o Sindicato dos Empregados em Edifícios e em Empresas de Compra, Venda Locação e Administração de Imóveis

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes, Assistidos

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000685/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 02/06/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR026595/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.007774/2010-05 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que fazem, na forma abaixo, de um lado, o SINDICATO DOS HOSPITAIS E ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA - SINDHOSBA e,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Taquara, CNPJ nº 97.764.179/0001-95, com endereço na Rua 17 de Junho nº 2428, Centro, Taquara/RS, representando neste ato os trabalhadores

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS001991/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/09/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR031479/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.011147/2014-94 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MS000120/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/04/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR016910/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46312.001354/2010-39 DATA DO

Leia mais

1º DIA FASE INTERNA DA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS

1º DIA FASE INTERNA DA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS 1º DIA FASE INTERNA DA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS 1. Qual a legislação básica que regula a prestação de serviços terceirizados? R. Constituição Federal, artigo 37, Decreto Lei 200/67, Decreto

Leia mais

RECOMENDAÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 13 DE JULHO DE 2012.

RECOMENDAÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 13 DE JULHO DE 2012. Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Osório RECOMENDAÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 13 DE JULHO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP013466/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/10/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR065787/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46262.004239/2014-82 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PE000408/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/04/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR013582/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46213.008124/2014-42 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000566/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/12/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR070788/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.014471/2010-70 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR070380/2015 DATA E HORÁRIO DA TRANSMISSÃO: 29/10/2015 ÀS 14:41 SINDICATO DE HOTEIS, RESTAURANTES, BARES E SIMILARES DE NOVO HAMBURGO, CNPJ

Leia mais

Instrumento Coletivo ainda não transmitido, passível de alteração. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

Instrumento Coletivo ainda não transmitido, passível de alteração. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 Instrumento Coletivo ainda não transmitido, passível de alteração. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR069914/2013 SINDICATO DOS TECNICOS INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS, CNPJ n.

Leia mais

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DE BENS, SERVIÇOS E TURISMO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DE BENS, SERVIÇOS E TURISMO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DE BENS, SERVIÇOS E TURISMO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO DA GRANDE VITÓRIA-ES (VITÓRIA, CARIACICA, SERRA, VILA VELHA E VIANA)

Leia mais

Gratificações, Adicionais, Auxílios e Outros. 13º Salário CLÁUSULA QUINTA - ANTECIPAÇÃO DO 13º SALÁRIO

Gratificações, Adicionais, Auxílios e Outros. 13º Salário CLÁUSULA QUINTA - ANTECIPAÇÃO DO 13º SALÁRIO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE000958/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 24/08/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR040357/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.016438/2011-75 DATA

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE. Av. Conselheiro Aguiar, nº 4635, salas 407/408, Boa Viagem, Recife/PE 81-3325.0725 81-8639.0762

MANUAL DO CLIENTE. Av. Conselheiro Aguiar, nº 4635, salas 407/408, Boa Viagem, Recife/PE 81-3325.0725 81-8639.0762 MANUAL DO CLIENTE Av. Conselheiro Aguiar, nº 4635, salas 407/408, Boa Viagem, Recife/PE 81-3325.0725 81-8639.0762 www.hvrcontabil.com.br contato@hvrcontabil.com.br INTRODUÇÃO Este manual tem como finalidade

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 005/2015

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 005/2015 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 005/2015 A Prefeitura Municipal de Campestre da Serra RS, através da Sra. Prefeita Municipal e da Comissão de Processo Seletivo, nomeada pela Portaria nº 2552/2015,

Leia mais

REGULAMENTO DO ESCRITÓRIO DE ASSISTÊNCIA JURÍDICA NÚCLEO DE PRÁTICA JURIDICA

REGULAMENTO DO ESCRITÓRIO DE ASSISTÊNCIA JURÍDICA NÚCLEO DE PRÁTICA JURIDICA REGULAMENTO DO ESCRITÓRIO DE ASSISTÊNCIA JURÍDICA NÚCLEO DE PRÁTICA JURIDICA REITOR Prof. Antonio Roberto Ezau dos Santos PRÓ-REITOR ACADÊMICO Prof. Ms. José Lazaro de Souza PRÓ-REITOR ADMINISTRATIVO E

Leia mais

A seguir, na íntegra, o teor das cláusulas que foram mantidas pelo acórdão:

A seguir, na íntegra, o teor das cláusulas que foram mantidas pelo acórdão: CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 01.07.2007 A 30.06.2009 (conforme decisão judicial em dissídio coletivo acórdão TRT 24ª Região no processo nº. 179/2007-000-24-00-9-DC.0 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO entre

Leia mais

Petições Trabalhistas 3.0

Petições Trabalhistas 3.0 Petições iniciais 1. Reclamação-trabalhista-relação-de-emprego-representação-comercialcomissão-pedido-pelo-espólio-inicial 2. Declaratória - incidental - data da admissão 3. Declaratória - incidental trabalhista

Leia mais

NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA FACULDADE CATHEDRAL ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICO FORENSE SUPERVISIONADO I E II EDITAL N 2015.1 NPJ, 30 DE JANEIRO DE 2015.

NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA FACULDADE CATHEDRAL ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICO FORENSE SUPERVISIONADO I E II EDITAL N 2015.1 NPJ, 30 DE JANEIRO DE 2015. NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA FACULDADE CATHEDRAL ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICO FORENSE SUPERVISIONADO I E II EDITAL N 2015.1 NPJ, 30 DE JANEIRO DE 2015. A Coordenação do Curso de Direito e a Coordenação do

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB XIII EXAME DE ORDEM C006 DIREITO TRIBUTÁRIO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB XIII EXAME DE ORDEM C006 DIREITO TRIBUTÁRIO C006 DIREITO TRIBUTÁRIO PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL C006042 Responsabilidade Tributária. Exceção de pré-executividade. Determinada pessoa jurídica declarou, em formulário próprio estadual, débito de ICMS.

Leia mais

RETIFIQUEM-SE A AUTUAÇÃO E DEMAIS REGISTROS PARA FAZER CONSTAR COMO RECLAMANTE EDINALDO DA SILVA SANTOS.

RETIFIQUEM-SE A AUTUAÇÃO E DEMAIS REGISTROS PARA FAZER CONSTAR COMO RECLAMANTE EDINALDO DA SILVA SANTOS. TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO 5ª VARA DO TRABALHO DE MACEIÓ/AL PROCESSO: 00270-2009-005-19-00-5 Aos 25 dias do mês de março do ano dois mil e nove, às 16:05 horas, estando aberta a audiência

Leia mais

SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO DE TRÊS RIOS, PARAÍBA DO SUL, COMENDADOR LEVY GASPARIAN E AREAL.

SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO DE TRÊS RIOS, PARAÍBA DO SUL, COMENDADOR LEVY GASPARIAN E AREAL. SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO DE TRÊS RIOS, PARAÍBA DO SUL, COMENDADOR LEVY GASPARIAN E AREAL. SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE TRÊS RIOS, PARAÍBA DO SUL, COMENDADOR LEVY GASPARIAN, AREAL E SAPUCAIA.

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: BA000213/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 09/06/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR028602/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46204.005460/2014-42 DATA

Leia mais

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01 Auxiliar Jurídico Módulo IV Aula 01 1 CÁLCULOS TRABALHISTAS Neste módulo você irá aprender a realizar os cálculos de verbas rescisórias e Liquidação de Sentença. I. VERBAS RESCISÓRIAS Podemos entender

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000224/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 24/04/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR016542/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.000650/2013-11 DATA

Leia mais

CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM A PEC DAS DOMÉSTICAS

CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM A PEC DAS DOMÉSTICAS DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DO EMPREGADOR DOMÉSTICO = MENOS DEMISSÕES E MAIS FORMALIDADE Dê seu voto em www.domesticalegal.org.br CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO EDUCRED

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO EDUCRED REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO EDUCRED OBJETO O financiamento concedido pela EDUCRED é um programa de crédito educativo suplementar aos programas do Governo Federal já existentes. Destina-se

Leia mais

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS 11. DIREITOS NA HORA DA DEMISSÃO É de fundamental importância saber quais os direitos dos trabalhadores na hora da rescisão do contrato de trabalho. Devese ter especial atenção no caso de demissões sem

Leia mais

e 63 do ProvimentoGeral Consolidadoda JustiçaFederalN

e 63 do ProvimentoGeral Consolidadoda JustiçaFederalN 48 Vara Federal - 198 Subseção Judiciária - Guarulhos/SP PORTARIA n 004/2006 o Dr. ALESSANDRO DIAFERIA, MM. Juiz Federal da 48 Vara de Guarulhos - 198 Subseção Judiciária do Estado de São Paulo, no uso

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SRH 001/2010

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SRH 001/2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SRH 001/2010 Versão: 02 Aprovação em: 20/10/2014 Unidade Responsável: Secretaria de Administração e Finanças - SAF SRH: Sistema Recursos

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 1999

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 1999 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 1999 O Sindicato dos Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Passo Fundo e Região e o Sindicato dos Trabalhadores em Hotéis, Bares, Restaurantes e Similares de Passo Fundo,

Leia mais

Emissão de Boletos de Locação - Sami ERP++

Emissão de Boletos de Locação - Sami ERP++ Emissão de Boletos de Locação - Sami ERP++ 1. Tabela de I.R.R.F. Acesse o módulo DIVERSOS/ CADASTROS/ TABELA DE I.R.R.F. Este programa destina-se ao cadastramento da tabela do Imposto de Renda na Fonte

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 32/14

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 32/14 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 32/14 Processo n o. 89/14. Pregão 48/14. ATA DE REGISTRO DE PREÇOS QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE SANTA ROSA DE VITERBO E A EMPRESA AIR LIQUIDE BRASIL LTDA. Aos 27 (vinte

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO SECRETARIA ORDEM DE SERVIÇO Nº 2/SEAOF.GDGSET, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO SECRETARIA ORDEM DE SERVIÇO Nº 2/SEAOF.GDGSET, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO SECRETARIA ORDEM DE SERVIÇO Nº 2/SEAOF.GDGSET, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010 Dispõe sobre os procedimentos de fiscalização dos contratos de terceirização de mão-de-obra. O DIRETOR-GERAL

Leia mais

Adiantamento: Informa o percentual de adiantamento porventura existente na empresa para os funcionários, valor será calculado sobre o salário base.

Adiantamento: Informa o percentual de adiantamento porventura existente na empresa para os funcionários, valor será calculado sobre o salário base. 20.1 Parâmetros Habilitação de Empresas 20. MANUAL DE SISTEMA DE FOLHA DE PAGAMENTO Rotina destinada a habilitar as empresas que vão utilizar o sistema, onde serão informados todos os dados necessários

Leia mais

ÍNDICE ALFABÉTICO REMISSIVO DAS DIRETRIZES DE AÇÃO USL

ÍNDICE ALFABÉTICO REMISSIVO DAS DIRETRIZES DE AÇÃO USL ÍNDICE ALFABÉTICO REMISSIVO DAS DIRETRIZES DE AÇÃO USL Acordo ou crédito - pagamento mediante autorização de DA42/USLRP10 depósito na conta bancária do autor, do procurador, do escritório de advocacia

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2.002/2.003 (Empregados em Empresas de Conservação de Elevadores)

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2.002/2.003 (Empregados em Empresas de Conservação de Elevadores) CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2.002/2.003 (Empregados em Empresas de Conservação de Elevadores) O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM TURISMO, HOSPITALIDADE E DE HOTÉIS, RESTAURANTES, BARES E SIMILARES DA

Leia mais

MÓDULO II CONTRATO DE TRABALHO TRANSFERÊNCIA DO EMPREGADO 2.3

MÓDULO II CONTRATO DE TRABALHO TRANSFERÊNCIA DO EMPREGADO 2.3 MÓDULO II CONTRATO DE TRABALHO 2.3 TRANSFERÊNCIA DO EMPREGADO SUMÁRIO ASSUNTO PÁGINA 2.3 TRANSFERÊNCIA DO EMPREGADO... 3 2.3.1. INTRODUÇÃO... 3 2.3.2. DEFINIÇÃO... 3 2.3.3. TRANSFERÊNCIA DENTRO DO MESMO

Leia mais

Comentários: (Gabarito Letra E). A questão abordou apenas os artigos 770 e 775 da CLT.

Comentários: (Gabarito Letra E). A questão abordou apenas os artigos 770 e 775 da CLT. Olá pessoal! Na aula de hoje comentarei a prova de Processo do Trabalho de Técnico Judiciário do TRT/Campinas que foi aplicada este ano, cuja banca organizadora foi a Fundação Carlos Chagas (FCC). Direito

Leia mais

ROTEIRO OPERACIONAL _ EXÉRCITO

ROTEIRO OPERACIONAL _ EXÉRCITO 1. PÚBLICO ALVO Tipos de Militares Categoria Indicativo Situação Elegível 1 Militar de carreira Sim 1 - ATIVOS 2 Militar temporário Não 1 Militar de reserva Sim 2 INATIVOS 2 Militar reformado Sim (PREC-CP

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010

PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010 INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010 Dispõe sobre o horário de funcionamento do Instituto Chico Mendes, jornada de trabalho e controle

Leia mais

Informativo 26/2015. SEGURO-DESEMPREGO PARA EMPREGADOS DOMÉSTICOS Resolução nº 754, de 26.08.15

Informativo 26/2015. SEGURO-DESEMPREGO PARA EMPREGADOS DOMÉSTICOS Resolução nº 754, de 26.08.15 Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 SEGURO- DESEMPREGO Resolução Nº 754, de 28.08.15 Informativo 26/2015 SEGURO-DESEMPREGO PARA EMPREGADOS DOMÉSTICOS Resolução nº 754, de 26.08.15 O Ministério

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2017 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR067405/2015 DATA E HORÁRIO DA TRANSMISSÃO: 13/10/2015 ÀS 16:29 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.016733/2015 14 DATA DO PROTOCOLO: 16/10/2015 SINDICATO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP000495/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/01/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR065582/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46472.007775/2013-83 DATA DO

Leia mais

Programa NOSSABOLSA. Manual. Procedimentos

Programa NOSSABOLSA. Manual. Procedimentos Programa NOSSABOLSA Manual de Procedimentos Instituições de Ensino Superior - IES - 1 1 - Adesão da Mantenedora ao Programa...4 1.1 - Informações preliminares...4 1.2 - Requerimento...4 1.2.1 - Para aderir

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA

MANUAL DE ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA MANUAL DE ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA O Curso de Graduação em Direito da Faculdade do Sudeste Goiano (FASUG) é oferecido em conformidade com as Diretrizes do Ministério da Educação (MEC), com observância

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA ENTRE O SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE CONGONHAS E A FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NO COMÉRCIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS, CONFORME AS SEGUINTES CLÁUSULAS E CONDIÇÕES:

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO

ACIDENTE DE TRABALHO 1 - DEFINIÇÃO 1.1 - Acidente de trabalho Qualquer prejuízo à saúde ou integridade física do trabalhador ocorrida no trabalho ou em decorrência do trabalho. 1.1.1 - Acidente Típico Acidente que ocorre numa

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR029594/2015 DATA E HORÁRIO DA TRANSMISSÃO: 21/05/2015 ÀS 15:50 SINDICATO DOS EMP NO COM DE CONSELHEIRO LAFAIETE, CNPJ n. 19.721.463/0001-70,

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001249/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/06/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR030888/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46304.001732/2014-15 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2007 / 2008 2008 / 2009. Enfermeiros

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2007 / 2008 2008 / 2009. Enfermeiros CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2007 / 2008 2008 / 2009 Enfermeiros O SINDICATO DOS ENFERMEIROS DO ESTADO DE MINAS GERAIS, CNPJ nº 21.854.005/0001-51, portador de Carta Sindical expedida pelo MTb (cópia

Leia mais

AÇÃO PROMOÇÃO POR ESCOLARIDADE ADICIONAL

AÇÃO PROMOÇÃO POR ESCOLARIDADE ADICIONAL AÇÃO PROMOÇÃO POR ESCOLARIDADE ADICIONAL Trata-se da ação visando obrigar a FHEMIG a conceder ao servidor a promoção por escolaridade adicional, com base em formação complementar ou superior àquela exigida

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR003231/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 31/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR046809/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.009204/2014-25 DATA DO

Leia mais