INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS"

Transcrição

1 [Digite texto] INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS LEVANTAMENTO DOS VALORES CEFALOMÉTRICOS CONSULTADOS POR PROFESSORES DE ORTODONTIA PARA ESCLARECER O DIAGNÓSTICO E O PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO ORTODÔNTICO um estudo piloto MARCELO RODRIGUES GONÇALVES Contagem 2013

2 [Digite texto] INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS LEVANTAMENTO DOS VALORES CEFALOMÉTRICOS CONSULTADOS POR PROFESSORES DE ORTODONTIA PARA ESCLARECER O DIAGNÓSTICO E O PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO ORTODÔNTICO um estudo piloto MARCELO RODRIGUES GONÇALVES Monografia apresentada ao Programa de Especialização em Ortodontia do ICS FUNORTE/SOEBRÁS - NÚCLEO CONTAGEM, como parte dos requisitos para obtenção do titulo de Especialista em Ortodontia. ORIENTADOR: Ms. Renato Gomes Andrade Contagem 2013

3 [Digite texto] MARCELO RODRIGUES GONÇALVES LEVANTAMENTO DOS VALORES CEFALOMÉTRICOS CONSULTADOS POR PROFESSORES DE ORTODONTIA PARA ESCLARECER O DIAGNÓSTICO E O PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO ORTODÔNTICO um estudo piloto Monografia apresentada ao programa de especialização em Ortodontia do ICS Funorte- Soebrás - Núcleo Contagem, como parte dos requisitos para obtenção do título de Especialista. Aprovado em 22 de novembro de BANCA EXAMINADORA Ms. Renato Gomes Andrade Ms. Ana Beatriz Maia Esper Prof. Rafael José Borelli

4 [Digite texto] Dedico este trabalho às flores do Campo (Silvana) e às dos rincões mais distantes do Oriente (Lícia), pela esperança de que a cada dia uma NOVA Renascerá (Renata).

5 [Digite texto] AGRADECIMENTOS Agradeço à minha Família, Silvana, Renata e Lícia, por toda a compreensão e carinho nesta trajetória profissional e existencial. À minha mãe, por todo amor, mesmo em minha ausência nesta fase de vida. Ao meu Orientador, Prof. Renato Andrade, pela confiança e pela dúvida, mas essencialmente pelo respeito e apoio nos momentos certos. À todos os Professores pelo ensino e dedicação. À meus pacientes e clientes pela troca honesta e responsável. À todos os colaboradores do GAPO pela educação e presteza. Aos colegas de curso pelo convívio agradável e enriquecedor.

6 [Digite texto]... nada do que foi será, de novo do jeito que já foi um dia, tudo passa, tudo sempre passará.... (Lulu Santos)

7 [Digite texto] RESUMO Este estudo piloto teve como objetivo realizar o levantamento das grandezas cefalométricas mais consultadas por professores de Ortodontia durante o processo de diagnóstico e planejamento do tratamento ortodôntico. Para tal, 5 examinadores avaliaram a documentação ortodôntica de 5 pacientes, sendo que cada um apresentava-se com um padrão facial (I, II, III, Face Curta e Face Longa). Após os dados serem coletados e avaliados pôde-se concluir que: as grandezas esqueléticas mais consultadas foram os ângulos ANB, SN.GoMe, profundidade facial, ângulo do eixo facial, profundidade da maxila e A-NPerp, seguidos pelo SN.Gn, SN.Ocl e FMA; as grandezas dentárias mais utilizadas foram a relação molar, o IMPA, a inclinação dos incisivos inferior e superior, a protrusão dos incisivos inferior e superior, o ângulo 1/.NA e a linha 1/-NA; e a grandeza estética H.NB e H-Nariz foi a mais utilizada, porém em baixa frequência em relação ao total de possibilidades. Palavras-chave: Ortodontia. Cefalometria. Diagnóstico. Face.

8 [Digite texto] ABSTRACT This pilot study aimed to survey cephalometric most consulted by teachers during orthodontic diagnosis and orthodontic treatment planning. To this end, 5 examiners reviewed the orthodontic records of 5 patients, each presented with a facial pattern (I, II, III, Face Short and Long Face). After the data is collected and evaluated it was concluded that: the most consulted skeletal magnitudes were the ANB, SN.GoMe, facial depth, angle of facial axis, and the depth of the jaw-nperp angles, followed by SN.Gn, SN. Ocl and FMA; dental magnitudes were the most applied molar ratio, IMPA, the slope of the upper and lower incisors, protrusion of the upper and lower incisors, angle and line 1/.NA 1/-NA, and aesthetic greatness H.NB and H-Nose was the most used, but at low frequency relative to the total of possibilities. Keywords: Orthodontics. Cephalometry. Diagnosis. Face.

9 [Digite texto] SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA Considerações gerais sobre a cefalometria Análises cefalométricas Análise de Ricketts Análise de Byork-Jarabak Análise de McNamara Análise da USP PROPOSIÇÃO MATERIAL E MÉTODO Sujeitos dos estudo Seleção da documentação dos pacientes Documentação ortodôntica utilizada Realização dos exames de diagnóstico e planejamento do tratamento ortodôntico Organização dos dados levantados RESULTADOS E DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE... 64

10 8 1 INTRODUÇÃO A Ortodontia é a especialidade odontológica que, independentemente das técnicas utilizadas, possui como meta proporcionar a harmônica relação das estruturas dentárias, bases ósseas e estruturas adjacentes de forma a obter uma estética facial aceitável e assegurar as funções do sistema estomatognático equilibradas e satisfatórias. Neste amplo contexto, o diagnóstico é o primeiro passo para o sucesso de todo o processo de planejamento e tratamento ortodôntico. Portanto, só saberemos onde queremos chegar, e como será este caminho, se soubermos onde estamos e em quais condições nos encontramos. Ao longo das décadas de evolução da Odontologia e Ortodontia, vários instrumentos e procedimentos diagnósticos foram idealizados, estudados e aplicados. Dentre eles, temos as análises: facial, clínica intrabucal, de modelos, radiográficas (teleradiografia, panorâmica, periapicais) e tomográficas digitais. Considerando-se que o sistema estomatognático é um conjunto de estruturas inter-relacionadas, as quais possuem relevância no diagnóstico e planejamento ortodôntico, parece razoável aceitar a importância da associação de dados e informações na avaliação ortodôntica dos pacientes. Todavia, embora todos os métodos tivessem sido utilizados ao longo do tempo, houve um período em que a radiografia lateral da face, especificamente a teleradiografia, e a resultante de sua análise, a cefalometria, ditava de forma quase preponderante as metas do tratamento ortodôntico. Após a evidência deste equívoco, alguns questionamentos foram levantados no que se refere à relatividade dos valores cefalométricos na avaliação diagnóstica dos pacientes, levando, inclusive, a valorizar essencialmente a análise facial. Isto ocorreu devido á necessidade da individualização no diagnóstico e tratamento ortodôntico, pois embora em atraso, constatou-se que mais importante do que inserir as metas terapêuticas em um pacote de valores numéricos, dever-seia avaliar os aspectos morfogenéticos. Contudo, mesmo com as limitações e controvérsias do uso indiscriminado dos valores cefalométricos no diagnóstico e planejamento ortodôntico, não há dúvidas de

11 9 que o apoio deste instrumento é esclarecedor em algumas hipóteses diagnósticas e propostas terapêuticas. Todavia, faz-se necessária uma síntese, ou seleção, das grandezas cefalométricas essenciais para o correto e seguro diagnóstico e plano de tratamento ortodôntico dos pacientes. Portanto, considerando-se a ausência de relatos na literatura sobre a relação entre os padrões faciais e os valores cefalométricos mais consultados por profissionais durante o processo de diagnóstico e tratamento ortodôntico, o presente estudo piloto foi desenvolvido.

12 10 2 REVISÃO DE LITERATURA 2.1 Considerações gerais sobre a Cefalometria A cefalometria, ou traçado cefalométrico, é um método auxiliar no diagnóstico ortodôntico e ortopédico dos maxilares desenvolvido a partir de inúmeros trabalhos científicos desde 1931 (BROADBENT, 1937). Por meio da obtenção da radiografia lateral da face, foram definidos pontos anatômicos, linhas, planos cefalométricos e medidas angulares que pudessem levantar informações importantes sobre o crescimento facial e as posições dentárias. Neste sentido, mesmo considerando-se as diferenças étnicas e individuais do ser humano, alguns pesquisadores realizaram estudos na intenção de encontrar valores cefalométricos que pudessem representar uma norma, ou padrão, para os indivíduos considerados facialmente harmônicos (DOWNS, 1952; MCNAMARA, 1984; RICKETTS, 1960; INTERLANDI, 1999, RODRIGUES, 2007). Se por um lado, estas pesquisas mostraram que alguns valores cefalométricos são muito importantes para o diagnóstico do padrão de crescimento facial, para a avaliação das relações das bases ósseas com a face e com os elementos dentários e para o estabelecimento do subsequente plano de tratamento; por outro, algumas inconsistências encontradas entre as grandezas cefalométricas e o diagnóstico e plano de tratamento ortodôntico criaram espaço para uma visão mais crítica sobre a real efetividade e relevância deste método (CAPELOZZA-FILHO, 2004; 2011). Independentemente dos aspectos polemizadores, as análises cefalométricas continuaram a ser utilizadas, tanto na prática clínica quanto em pesquisas científicas. Na clínica, a intensidade e a profundidade de seu uso para o diagnóstico ortodôntico têm sido vinculadas à experiência de cada profissional; e no campo da pesquisa, além de servirem de parâmetros para avaliação de crescimento e efeitos terapêuticos, também se prestaram de base para a criação de novos padrões de traçados cefalométricos (SILVEIRA et al., 2003; GANDINI et al., 2005).

13 Análises Cefalométricas Ao longo dos anos, várias análises cefalométricas foram desenvolvidas, algumas por meio de estudos científicos e clínicos sistemáticos, enquanto que outras a partir das medidas e grandezas cefalométricas criadas e estabelecidas inicialmente por outros pesquisadores (GANDINI et al., 2005). Neste sentido, a seguir serão expostas as análises mais citadas pelas Instituições de Ensino Brasileiras, abordando especificamente as medidas e campos de avaliação do crânio e da face propostos pelas mesmas por se tratar do foco principal deste trabalho de pesquisa (SILVEIRA et al., 2003) Análise de Ricketts Esta análise foi desenvolvida por Robert Murray Ricketts por meio de inúmeros estudos, os quais foram realizados de 1959 a 1974, divididos em fases de levantamento de dados e avaliações (GREGORET et al., 2007). É considerada como uma das análises cefalométricas mais completas, pois abrange medidas de 32 fatores, divididos em 6 (seis) campos do crânio e da face (RICKETTS, 1960; GREGORET et al., 2007; NOBUYASU, et al., 2007; AZENHA & MACLUF-FILHO, 2008) : Campo I Problemas Dentários Campo II Problemas Esqueléticos Campo III Problemas Estéticos Campo IV Dentadura em Relação ao Esqueleto Campo V Relação Crânio Facial Campo VI Estruturas Esqueléticas Internas

14 12 O primeiro campo (problemas dentários) mostra a relação entre os dentes superiores e inferiores, considerando-se as relações dos molares, dos caninos, os trespasses horizontal e vertical entre os incisivos, a extrusão incisiva inferior e o ângulo interincisal. Estas medidas podem denotar alguma alteração do que é considerado normal, sendo que este desvio pode ser devido a problemas unicamente dentários ou dento-esqueléticos (Figura 1). Figura 1: Traçado do campo dos problemas dentários No campo dos problemas esqueléticos (Campo II), as grandezas cefalométricas propostas são a Convexidade do Ponto A e a Altura Facial Inferior (Figura 2).

15 13 Figura 2: Traçado do campo dos Problemas Esqueléticos Os problemas estéticos (Campo III) são avaliados considerando-se 3 medidas: a protrusão labial inferior em relação ao perfil facial (linha estética de Ricketts), o comprimento do lábio superior e a estética do sorriso (Figura 3). Figura 3: Traçado do campo dos problemas estéticos

16 14 As relações da dentadura com o esqueleto são expostos no Campo IV (Figura 4), no qual são avaliadas: a posição do molar superior em relação a face posterior da maxila a protrusão e inclinação dos incisivos superior e inferior em relação ao plano inferior da face a inclinação do plano oclusal e sua relação com o centro do ramo da mandíbula Figura 4: Traçado do campo da relação da dentadura com o esqueleto

17 15 O quinto campo contempla a relação crânio-facial, a qual estabelece as relações de crescimento da maxila e mandíbula, além da direção de crescimento mandibular e da magnitude do crescimento maxilar (Figura 5). Por meio da medida da altura maxilar se pode chegar ao diagnóstico da mordida aberta esquelética, da mordida profunda e do sorriso gengival. Figura 5: Traçado do campo da relação crânio facial

18 16 As estruturas esqueléticas internas são expostas no sexto campo da análise cefalométrica de Ricketts, as quais indicam os fatores ósseos internos que participam ou interferem no padrão de crescimento da face (Figura 6). Estas informações são obtidas por meio da medida da deflexão craniana, do comprimento anterior do crânio, da altura da face posterior, da posição do ramo, da localização do Pório, do arco mandibular e do comprimento do corpo da mandíbula. Figura 6: Traçado do campo das estruturas esqueléticas internas A análise de Ricketts possibilita, também, a definição do tipo facial do paciente (braquicefálico, dólicocefálico ou mesocefálico) por meio de grandezas que avaliam a mandíbula, a saber: eixo facial, profundidade facial, arco mandibular, plano mandibular e altura facial anterior inferior (AFAI).

19 Análise de Byork-Jarabak A análise de Jarabak (1972) foi elaborada a partir dos estudos de Byork (1969) e tem como grande proposta a avaliação da direção e potencial de crescimento da mandíbula por meio da medição e visualização do traçado de um polígono (RODRIGUES, 2007; AZENHA & MACLUF-FILHO, 2008). Em essência, essa análise identifica, a partir de medidas angulares e de comprimento das estruturas ósseas craniofaciais, os fatores que estejam determinando ou predispondo o indivíduo a apresentar Classe II ou III e mordida aberta ou profunda esqueléticas (AZENHA & MACLUF-FILHO, 2008). Todas as grandezas cefalométricas da análise de Jarabak são esqueléticas e para maior facilidade de interpretação são avaliados da seguinte forma (RODRIGUES, 2007): a) Fatores de Classe II: corpo mandibular curto, base anterior do crânio longa, maxila protruída, base posterior do crânio diminuída, altura do ramo mandibular diminuída. b) Fatores de Classe III: corpo mandibular aumentado, base anterior do crânio curta, maxila retruída, base posterior do crânio aumentada, altura do ramo mandibular aumentada. c) Fatores de Classe II e mordida aberta: ângulo sela aumentado, ramo mandibular curto e ângulo goníaco aberto, ângulo articular aumentado, excesso de crescimento vertical da maxila, excesso de crescimento posterior da maxila (inclinação plano palatal), excesso de crescimento dos processos alveolares. d) Fatores de Classe III e mordida profunda: ângulo sela diminuído, ramo mandibular longo e ângulo goníaco fechado, ângulo articular diminuído, deficiência de crescimento vertical da maxila, deficiência de crescimento posterior da maxila (inclinação do plano palatal), deficiência de crescimento dos processos alveolares.

20 18 e) Sentido horário de crescimento facial: soma dos ângulos sela, articular e goníaco aumentada, percentual da relação entre a altura da face posterior e a altura da face anterior diminuído (percentual de Jarabak). f) Sentido anti-horário de crescimento facial: soma dos ângulos sela, articular e goníaco diminuída, percentual da relação entre a altura da face posterior e a altura da face anterior aumentado (percentual de Jarabak). A análise cefalométrica de Byork-Jarabak foi modificada por Roth (AZENHA & MACLUF-FILHO, 2008), acrescentando algumas medidas angulares esqueléticas que pudessem ratificar a posição e as características da mandíbula, além de esclarecer a posição da maxila em relação à face e à mandíbula (Figuras 7 e 8). Figura 7: Traçado do Polígono de Byork

21 19 Figura 8: Traçado de Jarabak Análise de McNamara A análise cefalométrica proposta por McNamara Jr. é simplificada e objetiva, sendo de grande utilidade para a área da cirurgia ortognática e terapia funcional, nas quais as alterações dentárias e ósseas são pouco possíveis (MCNAMARA, 1984; GREGORET et al., 2007). Foi desenvolvida a partir da avaliação de grupos distintos, porém com boa harmonia entre dentes, ossos e tecidos moles. Também foram utilizadas medidas cefalométricas advindas de outras análises, como Ricketts e Harvold (MCNAMARA, 1984).. O autor também propõe a divisão da análise em campos, nos quais procura diferenciar os componentes esqueléticos e dento alveolares, acrescentando, inclusive, os dados das vias aéreas (MCNAMARA, 1984) :

22 20 Campo I Relação da maxila com a base do crânio Campo II Relação da mandíbula com a base do crânio Campo III Relação entre maxila e mandíbula Campo IV Relações dento-maxilares Campo V Análise das vias aéreas A relação da maxila com a base do crânio é exposta no Campo I por meio da avaliação dos tecidos duros, utilizando-se a medição linear que vai do ponto A à linha N-Perp. Neste campo também se realiza a avaliação dos tecidos moles determinando-se o ângulo nasolabial e a inclinação do lábio superior (Figura 9). No campo II é avaliada a relação da mandíbula com a base do crânio, no qual a linha N-Perp também é a referência para a medição, porém a medida é realizada a partir do ponto P (Pogônio) (Figura 9). A direção de crescimento (vertical ou horizontal) da mandíbula é determinada pelo ângulo do eixo facial, o qual é medido a partir das linhas N-Ba e Ptm-Gn. Figura 9: Traçado da relação da maxila e mandíbula com a base do crânio

23 21 Figura 10: Traçado da Relação entre maxila e mandíbula Para avaliação da relação entre a maxila e a mandíbula (Campo III) são medidos o comprimento efetivo da maxila e da mandíbula, o ângulo do plano mandibular e a altura facial anteroinferior (Figura 10). O campo IV expõe as relações dento-maxilares por meio da medida anteroposterior dos incisivos superiores com a maxila e, verticalmente, destes dentes com o lábio superior. No caso dos incisivos inferiores, a relação anteroposterior é definida tendo a linha A-P como referência e, para a relação vertical, o plano oclusal funcional de Ricketts é o referencial para a medição (Figura 11).

24 22 Figura 11: Traçado das relações Dento-maxilares O grande diferencial da análise cefalométrica de McNamara em relação às outras é a medição das vias aéreas superiores (nasofaringe) e inferiores (orofaringe). Segundo Tenan (2011), é uma medida muito importante por indicar uma possível hipertrofia da adenoide e consequente estabelecimento da respiração bucal com todas as suas repercussões no crescimento facial e na posição dentária (Figura 12). Figura 12: Traçado das Vias Aéreas

25 Análise USP Essa análise foi a primeira desenvolvida por uma Instituição Brasileira, em 1968, e se tornou o padrão a ser utilizado no curso de pós-graduação em Ortodontia da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo (INTERLANDI, 1999). Segundo Barreto (1999), assim como outras análises, a padrão USP se utilizou de medidas estabelecidas por outros pesquisadores além de criar suas próprias grandezas. São divididas em grupos de medições: Grupo I Relação das bases apicais Grupo II Padrão do esqueleto cefálico Grupo III Relação entre arcos dentais e bases apicais Grupo IV Relação entre perfil ósseo e perfil mole O primeiro grupo de medidas definem o posicionamento da maxila e mandíbula em relação à base anterior do crânio e a relação existente entre ambas. São utilizados os ângulos FNP, NAP, SNA, SNB, ANB e SND (Figura 13). Figura 13: Traçado do grupo das medidas da relação das bases apicas

26 24 O padrão do esqueleto cefálico é exposto nas medidas do Grupo II, as quais definem o tipo facial e a tendência de crescimento. Os ângulos avaliados são: NS.Gn, NS.GoM, NS.Plo e GoGn. Plo (Figura 14). Figura 14: Traçado do grupo das medidas do padrão do esqueleto cefálico O Grupo III determina a relação entre os arcos dentais e as bases apicais, nas quais as medidas angulares indicam a inclinação dos dentes, para vestibular ou lingual, e as medidas lineares indicam se os dentes estão protruídos (Figura 15). Figura 15: Traçado do grupo das medidas da relação entre arcos dentais e bases apicais

27 25 A relação entre o perfil ósseo e o perfil mole é definida pelas medidas do Grupo IV, as quais são: H.NB, H-Nariz, P-NB e Eminência Mentoniana. Figura 15: Traçado do grupo das medidas da relação entre perfil ósseo e perfil mole

28 26 3 PROPOSIÇÃO A proposta do presente estudo foi realizar um levantamento dos valores cefalométricos consultados, por professores mestres em Ortodontia, associadas a tomada radiográfica panorâmica, às fotografias clínicas e aos modelos de estudo no diagnóstico e planejamento do tratamento ortopédico e/ou ortodôntico de indivíduos adultos portadores das seguintes características faciais e dentais: padrão facial I (CAPELOZZA-FILHO, 2004) Classe I de Angle; padrão facial II (CAPELOZZA-FILHO, 2004) Classe II de Angle; padrão facial III (CAPELOZZA-FILHO, 2004) Classe III de Angle; padrão facial Face Curta (CAPELOZZA-FILHO, 2004) Classe II de Angle; padrão facial Face Longa (CAPELOZZA-FILHO, 2004) Classe I de Angle.

29 27 4 MATERIAL E MÉTODO O presente estudo piloto possuiu um delineamento de pesquisa descritiva, de campo, do tipo levantamento, o qual favoreceu a evidenciação de informações sobre o tema proposto (CAMPOS, 2001; BARROS, LEHFELD, 2000). Por se tratar de um estudo piloto, o projeto de pesquisa não foi encaminhado ao Comitê de Ética em Pesquisa da FUNORTE para avaliação e emissão de parecer Sujeitos do estudo Após convite a 42 professores dos cursos de especialização em Ortodontia da FUNORTE, apenas 5 (cinco) aceitaram a participar do estudo e foram aqui denominados examinadores. Como pré-requisito para se integrar ao grupo de examinadores, todos os professores deveriam possuir, ao menos, o título de Mestre em Ortodontia. Após a seleção dos examinadores, os procedimentos de pesquisa desenvolveram conforme o exposto a seguir: 4.2. Seleção da documentação dos pacientes Para a realização da avaliação, pelos examinadores, foram selecionadas as documentações ortodônticas de indivíduos adultos, pacientes particulares dos pesquisadores, portadores das seguintes características faciais e dentais: padrão facial I (CAPELOZZA-FILHO, 2004) Classe I de Angle padrão facial II (CAPELOZZA-FILHO, 2004) Classe II de Angle

30 28 padrão facial III (CAPELOZZA-FILHO, 2004) Classe III de Angle padrão facial Face Curta (CAPELOZZA-FILHO, 2004) Classe II de Angle padrão facial Face Longa (CAPELOZZA-FILHO, 2004) Classe I de Angle Para cada tipo de padrão facial foi selecionado um indivíduo, os quais não tiveram qualquer contato com os examinadores, pois os exames diagnósticos ortodônticos foram feitos por meio da documentação digitalizada dos pacientes. A mesma foi realizada por centros especializados em radiologia odontológica, salvo os traçados cefalométricos, os quais foram efetivados por apenas uma Clínica Documentação ortodôntica utilizada Para o exame de diagnóstico ortodôntico, foi utilizada a seguinte documentação de cada paciente (Figuras 16) : Fotos extrabucais: frente e perfil direito Fotos intrabucais: frontal e laterais (direita e esquerda) Fotos dos modelos de estudo: frontal, oclusais (superior e inferior) e laterais (direita e esquerda) Foto digital da tomada radiográfica panorâmica Foto digital da radiografia lateral direita da face Valores cefalométricos nos seguintes padrões: Jarabak, Ricketts, McNamara e USP/Unicamp (Apêndice A).

31 29 Toda esta documentação foi digitalizada e enviada em arquivo, via , para todos os examinadores participantes do estudo. Figura 16: Fotos da documentação ortodôntica do Paciente A (Padrão Facial I)

32 Figura 17: Fotos da documentação ortodôntica do Paciente B (Padrão Facial II) 30

33 Figura 18: Fotos da documentação ortodôntica do Paciente C (Padrão Face Longa) 31

34 Figura 19: Fotos da documentação ortodôntica do Paciente D (Padrão Face Curta) 32

35 Figura 20: Fotos da documentação ortodôntica do Paciente E (Padrão Facial III) 33

36 Realização dos exames de diagnóstico e planejamento do tratamento ortodôntico Juntamente aos arquivos da documentação enviada, foi encaminhada uma relação de informações e recomendações aos examinadores sobre alguns critérios relativos às análises documentais (Apêndice B). Dentre estas orientações, ênfase foi dada para que os examinadores realizassem o exame e avaliação da forma mais natural possível, utilizando-se o método habitual adotado na prática clínica de cada um. Durante a avaliação da documentação ortodôntica, especificamente ao que se refere aos valores cefalométricos, os examinadores deveriam marcar com um X os dados consultados para esclarecer o diagnóstico e plano de tratamento ortodôntico. Ao final de cada avaliação documental, os examinadores marcaram o diagnóstico em relação ao padrão de crescimento, tipo facial e relação dentária dos pacientes, além da opção do plano de tratamento que mais se adequassem a sua decisão (Apêndice C). 4.5 Organização dos dados levantados Todos os dados coletados foram organizados e distribuídos em frequências para avaliar a tendência de consulta das grandezas cefalométricas pelos examinadores para esclarecer o diagnóstico e planejamento do tratamento ortodôntico.

37 35 5 RESULTADOS E DISCUSSÃO O presente estudo utilizou o método de levantamento por se objetivar, nesta primeira pesquisa exploratória, conhecer quais são as grandezas cefalométricas mais consultadas por um grupo de professores de ortodontia (BARROS & LEHFELD, 2000; CAMPOS, 2001). Pelo pequeno número de examinadores que aceitaram participar do referido, os resultados não podem ser extrapolados ou ser representativos de um grande grupo de professores ou ortodontistas. Porém, não deixam de ser uma diretriz ou um ponto de partida de reflexão sobre os valores cefalométricos que podem participar da essência do processo de diagnóstico ortodôntico. Para que a avaliação da documentação pudesse se aproximar do contexto clínico, os examinadores foram orientados a realizar toda a sequência diagnóstica até a indicação da terapêutica ortodôntica. Embora o ambiente tenha sido o digital, os resultados podem ser confiáveis para o que se propôs, principalmente por ser tratar de profissionais experientes na prática clínica da Ortodontia. Embora a análise cefalométrica possa não ser essencial ou importante no diagnóstico ortodôntico para aqueles profissionais que dominam a análise cefalomórfica, ela continua a ser amplamente utilizada já que está inserida há décadas no processo diagnóstico, representando uma sistemática auxiliar para remissão de dúvidas e/ou confirmação das características esqueléticas, dentárias e estéticas dos pacientes (BROADBENT, 1931; CAPELOZZA-FILHO, 2004; GANDINI et al., 2005; PINZAN, 2006). Ao longo do tempo, várias análises cefalométricas foram publicadas, nas quais, cada autor, por meio da determinação de medidas lineares e angulares, procurou reproduzir as posições dentárias e esqueléticas na intenção de interpretar e definir as características dos pacientes. Entretanto, no presente estudo utilizaramse as análises de USP, Ricketts, McNamara e Roth-Jarabak, uma vez que a primeira é muito solicitada pelos cirurgiões dentistas brasileiros e as demais são mundialmente conhecidas (SILVEIRA et al., 2003; GANDINI et al., 2005; AZENHA & MACLUF-FILHO, 2008).

38 36 A Tabela 1 mostra a frequência das grandezas cefalométricas esqueléticas consultadas pelos examinadores, conforme o tipo de análise, considerando-se a avaliação da documentação de todos os pacientes, ou seja, todos os padrões faciais. Pôde-se observar que houve a consulta de todas as análises, muito embora isto não tenha sido realizado por todos os examinadores, ou seja, alguns privilegiaram determinadas análises em detrimento de outras. Isto é muito interessante, pois, apesar do pequeno número de examinadores, proporciona um caráter heterogêneo aos dados tornando-se mais rica a investigação. As grandezas esqueléticas mais consultadas, no geral, foram os ângulos ANB e o (S-N).(Go-Me), ambos presentes na USP, com 10 indicações cada, seguidas da A-NPerp (McNamara), com 9 consultas (Tabela1). As de menor frequência foram o ângulo SND (USP); a altura facial total, a altura maxilar e o ângulo do plano mandibular, da análise de Ricketts; e o ângulo (Ba-N).(Ptm-Gn), de McNamara. As demais grandezas esqueléticas obtiveram uma frequência de consulta que variou de 3 a 7 indicações. É importante observar e relatar sobre as consultas das grandezas esqueléticas que, para todos os quatro tipos de análises, os examinadores que as elegeram consultaram as medidas que caracterizam o posicionamento maxilar e mandibular, a sua relação craniofacial e o sentido de crescimento mandibular. Isto nos leva a inferir que, independentemente da formação profissional e/ou preferência por algum tipo de análise cefalométrica, no processo diagnóstico esquelético ocorre uma busca pelos mesmos aspectos que caracterizam o desenvolvimento craniofacial do paciente. Ao comparar os dados do presente estudo com as grandezas utilizadas por pesquisadores que também buscaram a otimização do processo de análise cefalométrica (SILVEIRA et al., 2003; GANDINI et al., 2005; AZENHA & MACLUF- FILHO, 2008), pôde-se observar grande semelhança. Entretanto, Silveira et al. (2003), da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), e Gandini et al. (2005), da Universidade Estadual Paulista (Unesp), privilegiaram algumas medidas dos padrões USP, Ricketts e McNamara; enquanto que Azenha & Macluf-Filho (2008) priorizou os padrões de Ricketts e Jarabak, complementando com USP, porém sem abordar qualquer medida de McNamara.

39 37 Tabela 1: Distribuição da frequência das grandezas cefalométricas esqueléticas consultadas pelos examinadores, de acordo com o tipo de análise cefalométrica, considerando-se a avaliação da documentação de todos os pacientes ANÁLISES GRANDEZAS RICKETTS JARABAK McNAMARA USP CEFALOMÉTRICAS ESQUELÉTICAS S-N.A 6 S-N.B 6 ANB 10 N-A.Pog 4 S-N.D 1 S-N.Gn 6 S-N.Ocl 6 (Go.Gn).Ocl 5 (S-N).(Go-Me) 10 FMA 6 Altura Facial Inferior 6 Convexidade do Ponto A 6 Profundidade Facial 7 Ângulo do Eixo Facial 7 Profundidade da Maxila 7 Altura Facial Total 1 Altura Maxilar 1 Ângulo do Plano Mandibular 1 Âng. da Sela (S-N)Ar 5 Âng. Articular (S-Ar).Go 5 Base Cran Ant. (S-N) 6 Pl. Sup. Âng. Gon. (Ar-Go).N 5 Altura do Ramo (Go-Ar) 5 Corpo Mandib. (Go-Me) 5 S-Go % N-Me 4 A-N Perp 9 Co-Gn 4

40 38 Tabela 1: Distribuição da frequência das grandezas cefalométricas esqueléticas consultadas pelos examinadores, de acordo com o tipo de análise cefalométrica, considerando-se a avaliação da documentação de todos os pacientes (continuação) ANÁLISES GRANDEZAS RICKETTS JARABAK McNAMARA USP CEFALOMÉTRICAS ESQUELÉTICAS Co-A 4 Diferença Mx Md 4 Ena-Me 4 (Ba-N).(Ptm-Gn) 1 Pog-N Perp 6 A frequência das grandezas cefalométricas dentárias consultadas pelos examinadores, considerando-se a documentação de todos os pacientes está exposta na Tabela 2. Pôde-se verificar que as medidas de Ricketts foram as mais utilizadas sendo as de maior indicação a relação molar, com 7 consultas, e a inclinação do incisivo inferior e superior, com 6. Duas medidas se destacaram no padrão USP, o IMPA e o 1/.NA, com 6 e 5 consultas, respectivamente. Evidentemente, a análise de Jarabak não foi utilizada para a avaliação dentária, pois suas grandezas se referem aos aspectos esqueléticos do crânio e da face (RODRIGUES, 2007). Apesar da frequência das grandezas dentárias da análise USP ser menor no presente estudo, o próprio fato delas estarem inseridas no ensino da análise cefalométrica em cursos de formação de Ortodontistas, como na própria USP, Unicamp, Unesp, UFRGS e muitos outros; já demonstra que elas são amplamente utilizadas. Assim como ocorre com as grandezas esqueléticas, algumas medidas dentárias de análises cefalométricas diferentes são similares no que se refere à caracterização do posicionamento e inclinação dos dentes, podendo, desta forma, serem escolhidas conforme a preferência do Ortodontista para utilização na prática clínica.

41 39 Ao se realizar um paralelo entre os achados desta pesquisa e outras da literatura, verificou-se que Silveira et al. (2003) e Gandini et al. (2005) definiram como sistemática a utilização de medidas do padrão USP, enquanto que Azenha & Macluf-Filho (2008) optaram pelas medidas dentárias de Ricketts, conforme a tendência exposta na Tabela 2. Tabela 2: Distribuição da frequência das grandezas cefalométricas dentárias consultadas pelos examinadores, de acordo com o tipo de análise cefalométrica, considerando-se a avaliação da documentação de todos os pacientes ANÁLISES GRANDEZAS RICKETTS JARABAK McNAMARA USP CEFALOMÉTRICAS DENTÁRIAS Protrusão Incisivo Inferior 5 Protrusão Incisivo Superior 5 Inclinação Incisivo Inferior 6 Inclinação Incisivo Superior 6 Pl. Oclusal / Ramo Mand. Xi 1 Inclinação Plano Oclusal 1 1/./1 1 1/.NS 1 /1-Orbita 1 1/.NA 5 1/-NA 3 /1.NB 1 /1-NB 1 FMIA 1 IMPA 6 Relação Molar 7 Extrusão Incisiva Inferior 1 Posição Molar Superior 2 Relação Canina 1

42 40 A Tabela 3 mostra a frequência das grandezas cefalométricas estéticas e dos tecidos moles consultadas pelos examinadores ao examinarem a documentação de todos os pacientes. Em relação ao aspecto estético, as medidas mais consultadas foram H.(N-B) e H-Nariz, da análise USP, com 5 indicações, seguidas do ângulo nasolabial, Pn.(Sn-Ls), de McNamara, com 3 consultas. As grandezas de Ricketts (Protrusão labial inferior, Comprimento do lábio superior e Comissura Labial / P. Oclusal) foram consultadas apenas 2 vezes. As informações sobre as vias aéreas (Nfa-Nfp e Bfa-Bfp), advindas da análise de McNamara, foram consultadas apenas 4 vezes. Estas grandezas estéticas consultadas são semelhantes àquelas padronizadas por Silveira et al. (2003), Gandini et al. (2005) e Azenha & Macluf-Filho (2008) em seus estudos. Como acréscimo, os primeiros autores utilizam o ângulo N - Sn.Sn-Pog juntamente com o H.(NB) e com o ângulo nasolabial; e os segundos autores consultam o ângulo Z e a linha S em conjunto com a linha H-Nariz e o ângulo nasolabial. Tabela 3: Distribuição da frequência das grandezas cefalométricas estéticas e dos tecidos moles consultadas pelos examinadores, de acordo com o tipo de análise cefalométrica, considerando-se a avaliação da documentação de todos os pacientes ANÁLISES GRANDEZAS RICKETTS JARABAK McNAMARA USP CEFALOMÉTRICAS ESTÉTICAS / TECIDOS MOLES H.(N-B) 5 H-Nariz 5 Prn.(Sn-Ls) 3 Protrusão Labial Inferior 2 Comprimento Lábio Superior 2 Comissura Labial / P. Oclusal 2 Nfa-Nfp 4 Bfa-Bfp 4

43 41 Embora as grandezas referentes às vias aéreas (Tabela 3) terem sido pouco consultadas, talvez pela ausência do aspecto facial de respirador bucal de quase todos os pacientes, é sempre um aspecto importante a ser avaliado na intenção de diagnosticar precocemente as alterações respiratórias, como a hipertrofia das adenoides. Na sequência, está exposta a frequência das grandezas cefalométricas esqueléticas consultadas durante a avaliação da documentação do paciente de Padrão Facial I (Tabela 4). Considerando-se a existência de 5 examinadores, pôdese observar uma distribuição equilibrada entre os 4 tipos de análises, sendo que a USP foi contemplada por uma leve preferência. Segundo Capelozza-Filho (2004), espera-se que nos indivíduos Padrão I as bases ósseas estejam equilibradas, apesar da existência de uma maloclusão. Embora o autor considere os números cefalométricos com certas limitações quando se tenta definir a forma facial, se avaliados com certa flexibilidade eles podem estar próximos dos valores considerados como normais. Isto vale, principalmente, para os indivíduos Padrão I mesocéfalos no que se refere ao desenvolvimento sagital (anteroposterior) e vertical, mas para os braquifaciais e os dolicofaciais, as medidas poderão fugir da média, tendendo a apresentar um valor para menos ou para mais sem que descaracterize o Padrão Facial I. As grandezas cefalométricas esqueléticas utilizadas por Capelozza-Filho (2004), apesar de considerá-las de uso limitado para o Padrão I, envolvem as propostas das análises da USP, de McNamara e de Ricketts, as quais são: NAP, SNA, SNB, ANB, Co-A, Co-Gn, Diferença Max./Mand., AFAI, NS.Ocl, NS.GoGn e Eixo Facial. Em comparação aos dados de nosso estudo, pôde-se constatar que o referido pesquisador não utiliza a análise de Jarabak e apenas 2 medidas de Ricketts (AFAI e Eixo Facial). Evidentemente, com o desenvolvimento da experiência profissional no diagnóstico cefalomórfico, a consulta às grandezas cefalométricas vai se tornando menos frequente e necessária. Porém, para os casos de dúvida e no diagnóstico diferencial, elas devem contemplar informações sobre o desenvolvimento craniofacial nos sentidos sagital (anteroposterior) e vertical, independentemente dos tipos de análises cefalométricas utilizadas.

44 42 Tabela 4: Distribuição da frequência das grandezas cefalométricas esqueléticas consultadas pelos examinadores, de acordo com o tipo de análise cefalométrica, considerando-se a avaliação da documentação do paciente de Padrão Facial I ANÁLISES GRANDEZAS RICKETTS JARABAK McNAMARA USP CEFALOMÉTRICAS ESQUELÉTICAS S-N.A 2 S-N.B 2 ANB 3 N-A.Pog 1 S-N.D 1 S-N.Gn 2 S-N.Ocl 2 (Go.Gn).Ocl 2 (S-N).(Go-Me) 2 FMA 2 Altura Facial Inferior 1 Convexidade do Ponto A 1 Profundidade Facial 2 Ângulo do Eixo Facial 2 Profundidade da Maxila 2 Altura Maxilar 1 Ângulo do Plano Mandibular 1 Âng. da Sela (S-N)Ar 1 Âng. Articular (S-Ar).Go 1 Base Cran Ant. (S-N) 1 Pl. Sup. Âng. Gon. (Ar-Go).N 1 Altura do Ramo (Go-Ar) 1 Corpo Mandib. (Go-Me) 1 S-Go % N-Me 1 A-N Perp 2 Co-Gn 1 Co-A 1 Diferença Mx Md 1 Ena-Me 1 Pog-N Perp 1

45 43 A Tabela 5 expõe a frequência das grandezas cefalométricas dentárias consultadas considerando-se, também, a avaliação da documentação do paciente de Padrão Facial I. As análises indicadas pelos examinadores foram as de Ricketts e USP, e da mesma forma que as grandezas esqueléticas, a distribuição foi similar entre ambas. A frequência de consulta foi pequena, talvez porque nos indivíduos Padrão I os incisivos superiores e inferiores geralmente estejam bem posicionados axialmente nas bases ósseas, o que pode ser mais bem observado clinicamente e nos modelos de estudo. Tabela 5: Distribuição da frequência das grandezas cefalométricas dentárias consultadas pelos examinadores, de acordo com o tipo de análise cefalométrica, considerando-se a avaliação da documentação do paciente de Padrão Facial I ANÁLISES GRANDEZAS RICKETTS JARABAK McNAMARA USP CEFALOMÉTRICAS DENTÁRIAS Protrusão Incisivo Inferior 1 Protrusão Incisivo Superior 1 Inclinação Incisivo Inferior 2 Inclinação Incisivo Superior 2 1/./1 1 1/.NS 1 /1-Orbita 1 1/.NA 2 1/-NA 2 /1.NB 1 /1-NB 1 FMIA 1 IMPA 2 Relação Molar 2 Extrusão Incisiva Inferior 1 Posição Molar Superior 2

46 44 Em comparação à sistemática utilizada por Capelozza-Filho (2004), o qual adota as grandezas dentárias unicamente da análise da USP, no presente estudo não foram consultadas as medidas 1.PP, P-NB e 1-NB P-NB. Também em pequena frequência, ocorreram 2 indicações de consulta para a relação molar e a posição do molar superior. Em relação às grandezas cefalométricas estéticas, dos 5 examinadores, apenas 1 consultou as medidas H.(N-B) e H-Nariz, a qual se refere à análise da USP (Tabela 6). Vale relatar que Capelozza-Filho (2004) não inclui em sua avaliação cefalométrica qualquer grandeza estética, pois ele prioriza a análise clínica da morfologia facial. Considero que, mesmo que o diagnóstico do paciente Padrão Facial I seja mais fácil, a consulta de uma grandeza cefalométrica estética proporciona a confirmação do diagnóstico. Tabela 6: Distribuição da frequência das grandezas cefalométricas estéticas e dos tecidos moles consultadas pelos examinadores, de acordo com o tipo de análise cefalométrica, considerando-se a avaliação da documentação do paciente de Padrão Facial I ANÁLISES GRANDEZAS CEFALOMÉTRICAS ESTÉTICAS / TECIDOS MOLES RICKETTS JARABAK McNAMARA USP H.(N-B) 1 H-Nariz 1 A Tabela 7 demonstra a frequência das grandezas cefalométricas esqueléticas consultadas pelos examinadores considerando-se a avaliação da documentação do paciente de Padrão Facial II. Pôde-se observar que as análises de Ricketts e da USP foram as mais utilizadas em comparação às outras. Embora consultadas apenas 1 vez, as análises de Jarabak e McNamara também se mostram adequadas para o diagnóstico esquelético do Padrão de Face II, confirmando a existência de opções de análises para avaliação do paciente. Neste processo de diagnóstico do Padrão II é de grande importância avaliar se este quadro é devido à protrusão maxilar ou deficiência mandibular, não só

47 45 devido à definição do plano de tratamento, mas também para a correta avaliação da posição dos incisivos superiores e inferiores. Tabela 7: Distribuição da frequência das grandezas cefalométricas esqueléticas consultadas pelos examinadores, de acordo com o tipo de análise cefalométrica, considerando-se a avaliação da documentação do paciente de Padrão Facial II ANÁLISES GRANDEZAS RICKETTS JARABAK McNAMARA USP CEFALOMÉTRICAS ESQUELÉTICAS S-N.A 2 S-N.B 2 ANB 3 N-A.Pog 1 S-N.D 1 S-N.Gn 2 S-N.Ocl 2 (Go.Gn).Ocl 2 (S-N).(Go-Me) 3 FMA 2 Altura Facial Inferior 2 Convexidade do Ponto A 2 Profundidade Facial 2 Ângulo do Eixo Facial 2 Cone Facial 1 Profundidade da Maxila 2 Altura Facial Total 1 Ângulo do Plano Mandibular 1 Âng. da Sela (S-N)Ar 1 Âng. Articular (S-Ar).Go 1 Base Cran Ant. (S-N) 1 Pl. Sup. Âng. Gon. (Ar-Go).N 1 Altura do Ramo (Go-Ar) 1

48 46 Tabela 7: Distribuição da frequência das grandezas cefalométricas esqueléticas consultadas pelos examinadores, de acordo com o tipo de análise cefalométrica, considerando-se a avaliação da documentação do paciente de Padrão Facial II (Continuação) ANÁLISES GRANDEZAS RICKETTS JARABAK McNAMARA USP CEFALOMÉTRICAS ESQUELÉTICAS Corpo Mandib. (Go-Me) 1 S-Go % N-Me 1 A-N Perp 1 Co-Gn 1 Co-A 1 Diferença Mx Md 1 Ena-Me 1 Pog-N Perp 1 De forma semelhante ao que foi observado nas grandezas cefalométricas dentárias do Padrão I, a Tabela 8 mostra que, para o Padrão Facial II, as análises indicadas pelos examinadores foram as de Ricketts e USP, com uma distribuição semelhante entre as duas. Muito embora a inclinação dos incisivos superiores e inferiores possam ser observadas nos modelos de estudo, as grandezas cefalométricas referentes a estes dentes são muito elucidativas das compensações dentárias presentes no paciente Padrão II.

49 47 Tabela 8: Distribuição da frequência das grandezas cefalométricas dentárias consultadas pelos examinadores, de acordo com o tipo de análise cefalométrica, considerando-se a avaliação da documentação do paciente de Padrão Facial II ANÁLISES GRANDEZAS RICKETTS JARABAK McNAMARA USP CEFALOMÉTRICAS DENTÁRIAS Protrusão Incisivo Inferior 2 Protrusão Incisivo Superior 2 Inclinação Incisivo Inferior 2 Inclinação Incisivo Superior 2 1/./1 1 1/.NS 1 /1-Orbita 1/.NA 2 1/-NA 1 /1.NB 1 /1-NB 1 FMIA 1 IMPA 2 Relação Molar 1 Como comentado anteriormente, as grandezas cefalométricas estéticas se prestam muito bem na confirmação ou remissão de dúvidas quanto ao diagnóstico. Porém, a pouca frequência de consulta destas medidas no presente estudo para o Padrão Facial II confirma os relatos de Capelozza-Filho (2004), o qual privilegia a análise morfológica da face (Tabela 9).

50 48 Tabela 9: Distribuição da frequência das grandezas cefalométricas estéticas e dos tecidos moles consultadas pelos examinadores, de acordo com o tipo de análise cefalométrica, considerando-se a avaliação da documentação do paciente de Padrão Facial II GRANDEZAS CEFALOMÉTRICAS ESTÉTICAS / FUNCIONAIS ANÁLISES RICKETTS JARABAK McNAMARA USP H.(N-B) 1 H-Nariz 1 Prn.(Sn-Ls) 1 Nfa-Nfp 1 Bfa-Bfp 1 A Tabela 10 mostra a frequência das grandezas cefalométricas esqueléticas consultadas na avaliação da documentação do paciente de Padrão Facial III. Da mesma forma, como tem se caracterizada a tendência dos examinadores, as análises mais consultadas foram as da USP e de Ricketts. As grandezas mais indicadas foram o ângulo ANB e o (SN).(GoMe), referentes à primeira; e a profundidade facial, o ângulo do eixo facial e a profundidade da maxila advindas da segunda. Os dados do presente estudo coincidem com os relatos de Capelozza-Filho (2004), o qual aponta como principais grandezas a serem observadas os ângulos GoGn.SN, Gn.SN, Ocl.SN, para avaliação do sentido de crescimento; e os ângulos SNA, SNB e ANB, para verificação da relação das bases ósseas. O mesmo autor também indica a análise da AFAI e da proporção entre o corpo e ramo da mandíbula, as quais se mostram aumentadas nos prognatas.

51 49 Tabela 10: Distribuição da frequência das grandezas cefalométricas esqueléticas consultadas pelos examinadores, de acordo com o tipo de análise cefalométrica, considerando-se a avaliação da documentação do paciente de Padrão Facial III ANÁLISES GRANDEZAS RICKETTS JARABAK McNAMARA USP CEFALOMÉTRICAS ESQUELÉTICAS S-N.A 2 S-N.B 2 ANB 3 N-A.Pog 2 S-N.D 1 S-N.Gn 2 S-N.Ocl 2 (Go.Gn).Ocl 1 (S-N).(Go-Me) 3 FMA 2 Altura Facial Inferior 1 Convexidade do Ponto A 2 Profundidade Facial 3 Ângulo do Eixo Facial 3 Cone Facial 1 Profundidade da Maxila 3 Altura Facial Total 2 Altura Maxilar 1 Ângulo do Plano Mandibular 1 Arco Mandibular 1 Âng. da Sela (S-N)Ar 1 Âng. Articular (S-Ar).Go 1 Base Cran Ant. (S-N) 2 Pl. Sup. Âng. Gon. (Ar-Go).N 1 Altura do Ramo (Go-Ar) 1 Corpo Mandib. (Go-Me) 1 A-N Perp 2 Co-Gn 1

52 50 Tabela 10: Distribuição da frequência das grandezas cefalométricas esqueléticas consultadas pelos examinadores, de acordo com o tipo de análise cefalométrica, considerando-se a avaliação da documentação do paciente de Padrão Facial III (Continuação) ANÁLISES GRANDEZAS RICKETTS JARABAK McNAMARA USP CEFALOMÉTRICAS ESQUELÉTICAS Co-A 1 Diferença Mx Md 1 Ena-Me 1 Pog-N Perp 1 A frequência da consulta das grandezas cefalométricas do paciente de Padrão Facial III está exposta na Tabela 11. As medidas mais indicadas, com 2 consultas cada, foram aquelas relacionadas ao posicionamento e inclinação dos incisivos, na análise de Ricketts; e as da inclinação dos incisivos superiores (1/.NA) e inferiores (IMPA), na análise da USP. De acordo com Capelozza-Filho (2004), Os incisivos superiores tendem a estar inclinados para vestibular e os inferiores, como regra, inclinados para lingual, em um processo de compensação ao erro esquelético..

53 51 Tabela 11: Distribuição da frequência das grandezas cefalométricas dentárias consultadas pelos examinadores, de acordo com o tipo de análise cefalométrica, considerando-se a avaliação da documentação do paciente de Padrão Facial III ANÁLISES GRANDEZAS RICKETTS JARABAK McNAMARA USP CEFALOMÉTRICAS DENTÁRIAS Protrusão Incisivo Inferior 2 Protrusão Incisivo Superior 2 Inclinação Incisivo Inferior 2 Inclinação Incisivo Superior 2 Pl. Oclusal / Ramo Mand. Xi 1 Inclinação Plano Oclusal 1 1/./1 1 1/.NS 1 /1-Orbita 1/.NA 2 1/-NA 1 /1.NB 1 /1-NB 1 FMIA 1 IMPA 2 Relação Molar 2 Relação Canina 1 A Tabela 12 expõe a frequência das grandezas cefalométricas estéticas e dos tecidos moles consultadas durante a avaliação da documentação do paciente de Padrão Facial III. Os examinadores indicaram 3 grandezas de grande utilidade na avaliação do perfil tegumentar do paciente, os quais são a linha H-Nariz (USP), a Protrusão labial inferior ou Linha Estética de Ricketts (Ricketts) e o ângulo Prn.(Sn- Ls) ou ângulo nasolabial (McNamara). Capelozza-Filho (2004) salienta que os indivíduos Padrão III, devido à excessiva inclinação vestibular dos incisivos superiores, apresentam o ângulo nasolabial agudo, o qual se mostra inadequado esteticamente.

54 52 Tabela 12: Distribuição da frequência das grandezas cefalométricas estéticas e dos tecidos moles consultada pelos examinadores, de acordo com o tipo de análise cefalométrica, considerando-se a avaliação da documentação do paciente de Padrão Facial III ANÁLISES GRANDEZAS RICKETTS JARABAK McNAMARA USP CEFALOMÉTRICAS ESTÉTICAS / FUNCIONAIS H.(N-B) 1 H-Nariz 1 Prn.(Sn-Ls) 1 Nfa-Nfp 1 Bfa-Bfp 1 Protrusão Labial Inferior 1 Comprimento Lábio Superior 1 Comissura Labial / P. Oclusal 1 A frequência das grandezas cefalométricas esqueléticas consultada pelos examinadores, considerando-se a avaliação da documentação do paciente de Padrão Face Curta está mostrada na Tabela 13. Pôde-se observar que as grandezas mais indicadas foram o ângulo ANB e o (S-N).(Go-Me), da análise USP; e a AFAI, Profundidade Facial, Ângulo do Eixo Facial e Profundidade da Maxila, da análise de Ricketts. Como nos indivíduos de Face Curta a principal característica facial é uma diminuição da altura inferior da face, a análise de Jarabak também oferece uma medida auxiliar no diagnóstico deste Padrão, a qual se denomina de Percentual de Jarabak (S-Go % N-Me). Embora Capelozza-Filho (2004) insista no discurso de que a radiografia lateral da face em essência permite a visualização da estrutura esquelética e da posição dos dentes e suas relações com as respectivas bases ósseas, o mesmo relata aspectos esqueléticos característicos do Padrão Face Curta, os quais podem ser consultados numericamente na cefalometria em diferentes análises. O autor descreve o aspecto quadrado da face, resultante dos planos horizontais pouco

55 53 divergentes, da altura posterior da face normal ou aumentada, da AFAI diminuída e ângulo goníaco fechado. Tabela 13: Distribuição da frequência das grandezas cefalométricas esqueléticas consultadas pelos examinadores, de acordo com o tipo de análise cefalométrica, considerando-se a avaliação da documentação do paciente de Padrão Face Curta ANÁLISES GRANDEZAS RICKETTS JARABAK McNAMARA USP CEFALOMÉTRICAS ESQUELÉTICAS S-N.A 2 S-N.B 2 ANB 3 N-A.Pog 1 S-N.Gn 2 S-N.Ocl 2 (Go.Gn).Ocl 2 (S-N).(Go-Me) 3 FMA 2 Altura Facial Inferior 2 Convexidade do Ponto A 1 Profundidade Facial 2 Ângulo do Eixo Facial 2 Profundidade da Maxila 2 Altura Maxilar 1 Ângulo do Plano Mandibular 1 Âng. da Sela (S-N)Ar 1 Âng. Articular (S-Ar).Go 1 Base Cran Ant. (S-N) 1 Pl. Sup. Âng. Gon. (Ar-Go).N 1 Altura do Ramo (Go-Ar) 1 Corpo Mandib. (Go-Me) 1 S-Go % N-Me 1 A-N Perp 1 Pog-N Perp 1

Breve Panorama Histórico

Breve Panorama Histórico Análise Facial Breve Panorama Histórico Norman Kingsley Kingsley (final do séc.xix): s a articulação dos dentes secundária à aparência facial. Breve Panorama Histórico Edward Angle (in (início séc. s XX)

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL Montagem das Pastas As pastas devem estar organizadas na seguinte ordem: I- Externo Página Título: colocar na capa frontal da pasta (a capa tem um envelope plástico para esta finalidade). BOARD BRASILEIRO

Leia mais

Extração Seriada, uma Alternativa

Extração Seriada, uma Alternativa Artigo de Divulgação Extração Seriada, uma Alternativa Serial Extraction, an Alternative Procedure Evandro Bronzi Resumo A extração seriada é um procedimento ortodôntico que visa harmonizar

Leia mais

TRATAMENTO DE UMA CLASSE II COM IMPACTAÇÃO DE CANINO E DE PRÉ-MOLAR

TRATAMENTO DE UMA CLASSE II COM IMPACTAÇÃO DE CANINO E DE PRÉ-MOLAR Miguel da Nóbrega Médico Especialista em Estomatologia DUO Faculdade de Cirurgia Dentária Universidade Toulouse miguel.nobrega@ortofunchal.com TRATAMENTO DE UMA CLASSE II COM IMPACTAÇÃO DE CANINO E DE

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA Data: Nome do Paciente: Orientador(es): Nome do Aluno: QUALIFICAÇÃO Nacionalidade: Naturalidade: Etnia: Gênero: Data Nascimento: IDADE: Anos: Meses: Endereço: Bairro:

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias A escolha dos casos a serem apresentados deverá seguir

Leia mais

Solicitação de Exames

Solicitação de Exames Solicitação de Exames Dr. Fábio Eduardo Maiello Monteiro Alves CROSP: 85.833 Paciente: Data: / / Solicito os exames assinalados com a finalidade de: Entregar no consultório Enviar por E-mail Atualizar

Leia mais

Padrões cefalométricos de Ricketts aplicados a indivíduos brasileiros com oclusão excelente

Padrões cefalométricos de Ricketts aplicados a indivíduos brasileiros com oclusão excelente T ÓPICO ESPECIAL Padrões cefalométricos de Ricketts aplicados a indivíduos brasileiros com oclusão excelente Masato Nobuyasu**, Minol Myahara***, Tieo Takahashi****, Adélqui Attizzani****, Hiroshi Maruo*****,

Leia mais

Tratamento Ortodôntico da Classe III, Subdivisão: Apresentação de um Caso Clínico (Parte 1)

Tratamento Ortodôntico da Classe III, Subdivisão: Apresentação de um Caso Clínico (Parte 1) Artigo de Divulgação Tratamento Ortodôntico da Classe III, Subdivisão: Apresentação de um Caso Clínico (Parte 1) Treatment of a Class III, Subdivision Malocclusion: A Case Report (Part 1) Guilherme R.

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO E APOIO À QUALIDADE DO ENSINO A DISTÂNCIA

SISTEMA DE AVALIAÇÃO E APOIO À QUALIDADE DO ENSINO A DISTÂNCIA 1 SISTEMA DE AVALIAÇÃO E APOIO À QUALIDADE DO ENSINO A DISTÂNCIA Renato Cislaghi, UFSC, cislaghi@inf.ufsc.br Silvia Modesto Nassar, UFSC, silvia@inf.ufsc.br Beatriz Wilges, UFSC, beaw@inf.ufsc.br Introdução

Leia mais

Rodrigo Passoni Cléber Bidegain Pereira

Rodrigo Passoni Cléber Bidegain Pereira CUSTO BIOLÓGICO DA BOA INFORMAÇÃO Rodrigo Passoni Cléber Bidegain Pereira O custo-benefício das imagens em 3D é um dos pontos principais do SROOF-2012 e tema de justificado interesse da Odontologia. A

Leia mais

www.grancursosonline.com.br

www.grancursosonline.com.br ARGUMENTAÇÃO PARA RECURSO PROFESSOR MARCELO ARAGÃO PROVA DE AUDITORIA AFT 2013 COMENTADA PROF. MARCELO ARAGÃO Prezados (as) alunos (s), Após examinar a prova de auditoria do concurso de Auditor Fiscal

Leia mais

COMPARAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RADIOGRÁFICO DE ANÁLISES CEFALOMÉTRICAS DISTINTAS *Luciano Sampaio Marques; **Luiz Fernando Eto

COMPARAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RADIOGRÁFICO DE ANÁLISES CEFALOMÉTRICAS DISTINTAS *Luciano Sampaio Marques; **Luiz Fernando Eto 1 COMPARAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RADIOGRÁFICO DE ANÁLISES CEFALOMÉTRICAS DISTINTAS *Luciano Sampaio Marques; **Luiz Fernando Eto Resumo da monografia apresentada no curso de especilização em Ortodontia da Universidade

Leia mais

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa 3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa Escolher o tipo de pesquisa a ser utilizado é um passo fundamental para se chegar a conclusões claras e responder os objetivos do trabalho. Como existem vários tipos

Leia mais

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada?

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? A avaliação da estética facial, bem como sua relação com a comunicação e expressão da emoção, é parte importante no

Leia mais

INTERPRETANDO A GEOMETRIA DE RODAS DE UM CARRO: UMA EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMÁTICA

INTERPRETANDO A GEOMETRIA DE RODAS DE UM CARRO: UMA EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMÁTICA INTERPRETANDO A GEOMETRIA DE RODAS DE UM CARRO: UMA EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMÁTICA Marcos Leomar Calson Mestrando em Educação em Ciências e Matemática, PUCRS Helena Noronha Cury Doutora em Educação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie 1 INTRODUÇÃO 1.1 ORGANIZAÇÃO E PROCESSOS A administração está diretamente ligada às organizações e aos processos existentes nas mesmas. Portanto, para a melhor compreensão da Administração e sua importância

Leia mais

1Ò&/(2'(('8&$d 2$',67Æ1&,$1($' PROCEDIMENTOS PARA DISCIPLINAS A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO

1Ò&/(2'(('8&$d 2$',67Æ1&,$1($' PROCEDIMENTOS PARA DISCIPLINAS A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO 1Ò&/(2'(('8&$d 2$',67Æ1&,$1($' PROCEDIMENTOS PARA DISCIPLINAS A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 03 2 PROCEDIMENTOS PARA MATRÍCULA...04 3. PARTICIPAÇÃO NAS DISCIPLINAS EAD...04 4 AVALIAÇÃO

Leia mais

Linha 1: Resposta biológica nas terapias em Odontologia.

Linha 1: Resposta biológica nas terapias em Odontologia. Linha 1: Resposta biológica nas terapias em Odontologia. Descrição. O entendimento dos processos fisiológicos, celulares e moleculares associados com o uso de diversos materiais, medicamentos e demais

Leia mais

Proposta para a Padronização das Tomadas Fotográficas Intrabucais, com Finalidade Ortodôntica

Proposta para a Padronização das Tomadas Fotográficas Intrabucais, com Finalidade Ortodôntica Artigo Inédito Relatos clínicos e de técnicas, investigações científicas e revisões literárias Proposta para a Padronização das Tomadas Fotográficas Intrabucais, com Finalidade Ortodôntica A fotografia

Leia mais

Desenvolvimento de uma Etapa

Desenvolvimento de uma Etapa Desenvolvimento de uma Etapa A Fase Evolutiva do desenvolvimento de um sistema compreende uma sucessão de etapas de trabalho. Cada etapa configura-se na forma de um mini-ciclo que abrange as atividades

Leia mais

AVALIAÇÃO DO POSICIONAMENTO DO PONTO CEFALOMÉTRICO NÁSIO EM PACIENTES PADRÃO III COM DEFICIÊNCIA HORIZONTAL DA MAXILA

AVALIAÇÃO DO POSICIONAMENTO DO PONTO CEFALOMÉTRICO NÁSIO EM PACIENTES PADRÃO III COM DEFICIÊNCIA HORIZONTAL DA MAXILA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DE SAÚDE FUNORTE Higo Keynes Brito AVALIAÇÃO DO POSICIONAMENTO DO PONTO CEFALOMÉTRICO NÁSIO EM PACIENTES PADRÃO III COM DEFICIÊNCIA HORIZONTAL DA MAXILA Salvador (BA) 2011 Higo Keynes

Leia mais

Plataforma Sucupira. Ficha de Recomendação. Cursos. Nome Nível Situação

Plataforma Sucupira. Ficha de Recomendação. Cursos. Nome Nível Situação Instituição de Ensino: Programa: EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO (UNIVASF) Educação Física Número/Ano: 1217/2014 Modalidade: Área de Avaliação: Período de Avaliação: ACADÊMICO

Leia mais

Q-Acadêmico. Módulo CIEE - Estágio. Revisão 01

Q-Acadêmico. Módulo CIEE - Estágio. Revisão 01 Q-Acadêmico Módulo CIEE - Estágio Revisão 01 SUMÁRIO 1. VISÃO GERAL DO MÓDULO... 2 1.1 PRÉ-REQUISITOS... 2 2. ORDEM DE CADASTROS PARA UTILIZAÇÃO DO MÓDULO CIEE... 3 2.1 CADASTRANDO EMPRESAS... 3 2.1.1

Leia mais

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ?

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ? Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO 1- Como aderir à proposta AMQ? A adesão é realizada através do preenchimento e envio do Formulário de Cadastramento Municipal no site do projeto. O gestor municipal da saúde

Leia mais

BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53

BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53 CAPÍTULO6 BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53 Aspectos de gênero O Programa Bolsa Família privilegia como titulares as mulheres-mães (ou provedoras de cuidados), público que aflui às políticas de assistência

Leia mais

DIFUSÃO E DIVULGAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL NO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES RJ

DIFUSÃO E DIVULGAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL NO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES RJ DIFUSÃO E DIVULGAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL NO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES RJ Vanessa de Souza Rodrigues 1 ; Luís André Poiares Fulgêncio 1 ; Aline Martins de Vita 1

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRRETOS - UNIFEB PROJETO INTEGRADO

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRRETOS - UNIFEB PROJETO INTEGRADO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRRETOS - UNIFEB PROJETO INTEGRADO BARRETOS, MARÇO DE 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRRETOS - UNIFEB PROJETOS INTERDISCIPLINARES

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Projetos V 1.01 MANUAL DO COORDENADOR

Sistema de Gerenciamento de Projetos V 1.01 MANUAL DO COORDENADOR Roteiro para utilização do GEP Versão de referência: GEP V1.00 Índice analítico I Apresentação... 2 I.1 Controles básicos do sistema;... 2 I.2 Primeiro acesso... 2 I.3 Para trocar a senha:... 3 I.4 Áreas

Leia mais

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados 1. Introdução O governo é um dos maiores detentores de recursos da informação. Consequentemente, tem sido o responsável por assegurar que tais recursos estejam agregando valor para os cidadãos, as empresas,

Leia mais

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística Aula 4 Conceitos básicos de estatística A Estatística é a ciência de aprendizagem a partir de dados. Trata-se de uma disciplina estratégica, que coleta, analisa

Leia mais

CAPÍTULO 25 COERÊNCIA REGULATÓRIA

CAPÍTULO 25 COERÊNCIA REGULATÓRIA CAPÍTULO 25 COERÊNCIA REGULATÓRIA Artigo 25.1: Definições Para efeito deste Capítulo: medida regulatória coberta significa a medida regulatória determinada por cada Parte a ser objeto deste Capítulo nos

Leia mais

Perfil Cursos & Eventos INTRODUÇÃO

Perfil Cursos & Eventos INTRODUÇÃO CEFALOMETRIA RADIOGRÁFICA INTRODUÇÃO Desde os primórdios da Ortodontia, esta especialidade da Odontologia era mais mutilante do que reabilitadora, uma vez que o tratamento resumiase na extração pura, muitas

Leia mais

Como a palavra mesmo sugere, osteointegração é fazer parte de, ou harmônico com os tecidos biológicos.

Como a palavra mesmo sugere, osteointegração é fazer parte de, ou harmônico com os tecidos biológicos. PRINCIPAIS PERGUNTAS SOBRE IMPLANTES DENTÁRIOS. O que são implantes osseointegrados? É uma nova geração de implantes, introduzidos a partir da década de 60, mas que só agora atingem um grau de aceitabilidade

Leia mais

FECHAMENTO DE ESPAÇOS

FECHAMENTO DE ESPAÇOS FECHAMENTO DE ESPAÇOS Rua 144, n 77 - Setor Marista - Goiânia (GO) - CEP 74170-030 - PABX: (62) 278-4123 - 1 - Introdução Podemos definir essa etapa do tratamento ortodôntico como aquela onde o principal

Leia mais

Válvulas de Controle-"Case"- Copesul. Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2

Válvulas de Controle-Case- Copesul. Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2 Válvulas de Controle-"Case"- Copesul Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2 RESUMO Visando rever conceitos, procedimentos, estratégias e tecnologias voltadas para a manutenção de válvulas, partimos

Leia mais

Aula 4 Estatística Conceitos básicos

Aula 4 Estatística Conceitos básicos Aula 4 Estatística Conceitos básicos Plano de Aula Amostra e universo Média Variância / desvio-padrão / erro-padrão Intervalo de confiança Teste de hipótese Amostra e Universo A estatística nos ajuda a

Leia mais

O PSICÓLOGO (A) E A INSTITUIÇÃO ESCOLAR ¹ RESUMO

O PSICÓLOGO (A) E A INSTITUIÇÃO ESCOLAR ¹ RESUMO O PSICÓLOGO (A) E A INSTITUIÇÃO ESCOLAR ¹ CORRÊA, D. M. W²; SILVEIRA, J. F²; ABAID, J. L. W³ 1 Trabalho de Pesquisa_UNIFRA 2 Psicóloga, graduada no Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria,

Leia mais

Indicamos inicialmente os números de cada item do questionário e, em seguida, apresentamos os dados com os comentários dos alunos.

Indicamos inicialmente os números de cada item do questionário e, em seguida, apresentamos os dados com os comentários dos alunos. Os dados e resultados abaixo se referem ao preenchimento do questionário Das Práticas de Ensino na percepção de estudantes de Licenciaturas da UFSJ por dez estudantes do curso de Licenciatura Plena em

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. Produtos: Saúde Pró Faturamento Saúde Pró Upload. Versão: 20130408-01

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. Produtos: Saúde Pró Faturamento Saúde Pró Upload. Versão: 20130408-01 Produtos: Saúde Pró Upload Versão: 20130408-01 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 LOGIN... 4 3 VALIDADOR TISS... 7 4 CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA... 10 4.1 DADOS CADASTRAIS MATRIZ E FILIAL... 11 4.2 CADASTRO DE

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 A LDB, no Titulo VI, trata dos Profissionais da Educação, considerando sob essa categoria não só os professores, que são responsáveis pela gestão da sala de aula, mas

Leia mais

Curso: Diagnóstico Comunitário Participativo.

Curso: Diagnóstico Comunitário Participativo. Curso: Diagnóstico Comunitário Participativo. Material referente ao texto do Módulo 3: Ações Básicas de Mobilização. O conhecimento da realidade é a base fundamental ao desenvolvimento social, que visa

Leia mais

Gráfico 1 Jovens matriculados no ProJovem Urbano - Edição 2012. Fatia 3;

Gráfico 1 Jovens matriculados no ProJovem Urbano - Edição 2012. Fatia 3; COMO ESTUDAR SE NÃO TENHO COM QUEM DEIXAR MEUS FILHOS? UM ESTUDO SOBRE AS SALAS DE ACOLHIMENTO DO PROJOVEM URBANO Rosilaine Gonçalves da Fonseca Ferreira UNIRIO Direcionado ao atendimento de parcela significativa

Leia mais

Manual do Usuário - ProJuris Web - Biblioteca Jurídica Página 1 de 20

Manual do Usuário - ProJuris Web - Biblioteca Jurídica Página 1 de 20 As informações contidas neste documento estão sujeitas a alterações sem o prévio aviso, o que não representa um compromisso da Virtuem Informática. As pessoas, organizações ou empresas e eventos de exemplos

Leia mais

"SISTEMAS DE COTAGEM"

SISTEMAS DE COTAGEM AULA 6T "SISTEMAS DE COTAGEM" Embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. A cotagem do desenho técnico deve tornar

Leia mais

O tipo facial e a morfologia do arco dentário no planejamento ortodôntico

O tipo facial e a morfologia do arco dentário no planejamento ortodôntico Caso Clínico O tipo facial e a morfologia do arco dentário no planejamento ortodôntico Alexandre de Almeida Ribeiro* Resumo A morfologia do arco dentário está relacionada diretamente com as demais partes

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais 5.1. Conclusões A presente dissertação teve o objetivo principal de investigar a visão dos alunos que se formam em Administração sobre RSC e o seu ensino. Para alcançar esse objetivo,

Leia mais

Educação Patrimonial Centro de Memória

Educação Patrimonial Centro de Memória Educação Patrimonial Centro de Memória O que é história? Para que serve? Ambas perguntas são aparentemente simples, mas carregam uma grande complexidade. É sobre isso que falarei agora. A primeira questão

Leia mais

Palavras-chave: Ambiente de aprendizagem. Sala de aula. Percepção dos acadêmicos.

Palavras-chave: Ambiente de aprendizagem. Sala de aula. Percepção dos acadêmicos. PERCEPÇÃO DE ACADÊMICOS DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UENP, EM RELAÇÃO AOS ASPECTOS QUE CARACTERIZAM UM AMBIENTE FAVORECEDOR DA APRENDIZAGEM RESUMO Maria Cristina SIMEONI 1 Este resumo

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PS-AM-GQ-004 01/08/2014

CONTROLE DE COPIA: PS-AM-GQ-004 01/08/2014 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática para planejamento, execução e registrosdas auditorias internas da Qualidade, determinar formas de monitoramento das ações corretivas,verificando o atendimento aos

Leia mais

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DAS FICHAS

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DAS FICHAS MANUAL PARA PREENCHIMENTO DAS FICHAS OBJETIVO Este manual foi elaborado para orientar o usuário quanto ao preenchimento das fichas de Coleta de Dados Simplificados (CDS). Esse documento visa descrever

Leia mais

Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento;

Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento; 1 MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS INTEGRADORES CURSO SUPERIORES DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA (LOGÍSTICA) SÃO PAULO 2009 2 Introdução A prática pedagógica dos Cursos Superiores de Graduação

Leia mais

CURSO: Orientações. MÓDULOS: Orientações/Calendário/Links. Curso 3/3 2009. Contato com o suporte: Nome.: Empresa.: Data.: / / E-mail.

CURSO: Orientações. MÓDULOS: Orientações/Calendário/Links. Curso 3/3 2009. Contato com o suporte: Nome.: Empresa.: Data.: / / E-mail. CURSO: Orientações MÓDULOS: Orientações/Calendário/Links Curso 3/3 2009 Contato com o suporte: Tel.:11-3857-9007 ramal 4 Fax.: 11-3857-9007 ramal 211 Cellular: 11-9333-21 E-mail.: suporte@webcontabil.com.br

Leia mais

Em atenção aos questionamentos ao Concorrência nº 07/2015:

Em atenção aos questionamentos ao Concorrência nº 07/2015: Florianópolis, 10 de fevereiro de 2015. Em atenção aos questionamentos ao Concorrência nº 07/2015: Para que todos tenham o mesmo entendimento, abaixo, os questionamentos formulados por interessados nesta

Leia mais

CASTILHO, Grazielle (Acadêmica); Curso de graduação da Faculdade de Educação Física da Universidade Federal de Goiás (FEF/UFG).

CASTILHO, Grazielle (Acadêmica); Curso de graduação da Faculdade de Educação Física da Universidade Federal de Goiás (FEF/UFG). ANÁLISE DAS CONCEPÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL E EDUCAÇÃO FÍSICA PRESENTES EM UMA INSTITUIÇÃO FILÁNTROPICA E MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA CIDADE DE GOIÂNIA/GO CASTILHO, Grazielle (Acadêmica); Curso de

Leia mais

Palavras-chave: Metodologia da pesquisa. Produção Científica. Educação a Distância.

Palavras-chave: Metodologia da pesquisa. Produção Científica. Educação a Distância. XV ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - ENID Universidade Federal da Paraíba De 26 a 28 de novembro de 2013 A PRODUÇÃO CIENTÍFICA NO CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA DA UFPB: UMA ANÁLISE DOS RESUMOS DAS MONOGRAFIAS

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para

Leia mais

Recomendada. A coleção apresenta eficiência e adequação. Ciências adequados a cada faixa etária, além de

Recomendada. A coleção apresenta eficiência e adequação. Ciências adequados a cada faixa etária, além de Recomendada Por quê? A coleção apresenta eficiência e adequação metodológica, com os principais temas relacionados a Ciências adequados a cada faixa etária, além de conceitos em geral corretos. Constitui

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Contextualização do problema e questão-problema

1. Introdução. 1.1 Contextualização do problema e questão-problema 1. Introdução 1.1 Contextualização do problema e questão-problema A indústria de seguros no mundo é considerada uma das mais importantes tanto do ponto de vista econômico como do ponto de vista social.

Leia mais

A Propaganda de Medicamentos no Brasil

A Propaganda de Medicamentos no Brasil A Propaganda de Medicamentos no Brasil As principais propagandas de medicamentos no Brasil tiveram início ainda na década de 80 do século XIX. Desde então, o que se constatou foi um crescimento contínuo

Leia mais

ANÁLISE DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: REFLEXÕES INICIAIS ACERCA DA PRODUÇÃO DE 2006 A 2014

ANÁLISE DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: REFLEXÕES INICIAIS ACERCA DA PRODUÇÃO DE 2006 A 2014 ANÁLISE DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: REFLEXÕES INICIAIS ACERCA DA PRODUÇÃO DE 2006 A 2014 Jéssica Lino Borges 1 geminhas_lin@hotmail.com Ana Lúcia Cardoso 2 anc@unesc.net

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar I e II

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar I e II UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar I e II Manual de orientações - PIM Cursos superiores de Tecnologia em: Gestão Ambiental, Marketing, Processos Gerenciais

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna 025 1/8 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6. Formulários 7. Anexo A 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos

Leia mais

Tutorial 7 Fóruns no Moodle

Tutorial 7 Fóruns no Moodle Tutorial 7 Fóruns no Moodle O Fórum é uma atividade do Moodle que permite uma comunicação assíncrona entre os participantes de uma comunidade virtual. A comunicação assíncrona estabelecida em fóruns acontece

Leia mais

UNIDADE III Análise Teórico-Prática: Projeto-intervenção

UNIDADE III Análise Teórico-Prática: Projeto-intervenção UNIDADE III Análise Teórico-Prática: Projeto-intervenção Nesta unidade, abordaremos, de forma introdutória, alguns aspectos relacionados ao Projeto-intervenção e ao Trabalho de Conclusão do Curso. Aqui,

Leia mais

GUIA DE BOAS PRÁTICAS

GUIA DE BOAS PRÁTICAS GUIA DE BOAS PRÁTICAS A RODADA DE NEGÓCIOS A RODADA DE NEGÓCIOS É UM EVENTO EMPRESARIAL ORGANIZADO PARA PROMOVER NEGÓCIOS E PARCERIAS. Em um mesmo local estão empresas convidadas com interesse em comprar,

Leia mais

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR Data: 6 de Dezembro de 2011 Horário: 13:00 às 17:00 horas (hora de Brasília) Nome: e-mail: Nota: INSTRUÇÕES Você deve responder a todas as questões. O total máximo de pontos da prova é de 100 pontos (100%),

Leia mais

Análise cefalométrica Padrão Unesp Araraquara

Análise cefalométrica Padrão Unesp Araraquara T ÓPICO ESPECIAL Análise cefalométrica Padrão Unesp Araraquara Luiz G. Gandini Jr.*, Ary dos Santos-Pinto**, Dirceu Barnabé Raveli**, Maurício Tatsuei Sakima*, Lidia Parsekian Martins*, Tatsuko Sakima***,

Leia mais

MANUAL DA SECRETARIA

MANUAL DA SECRETARIA MANUAL DA SECRETARIA Conteúdo Tela de acesso... 2 Liberação de acesso ao sistema... 3 Funcionários... 3 Secretaria... 5 Tutores... 7 Autores... 8 Configuração dos cursos da Instituição de Ensino... 9 Novo

Leia mais

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA 1 ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA INTRODUÇÃO O período da dentição mista inicia-se por volta dos 6 anos de idade com a erupção dos primeiros molares permanentes, e termina ao redor dos 12 anos de idade, com

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO.

AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO. AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO. Autor: José Marcos da Silva Instituição: UFF/CMIDS E-mail: mzosilva@yahoo.com.br RESUMO A presente pesquisa tem como proposta investigar a visão

Leia mais

CARTILHA SOBRE DIREITO À APOSENTADORIA ESPECIAL APÓS A DECISÃO DO STF NO MANDADO DE INJUNÇÃO Nº 880 ORIENTAÇÕES DA ASSESSORIA JURIDICA DA FENASPS

CARTILHA SOBRE DIREITO À APOSENTADORIA ESPECIAL APÓS A DECISÃO DO STF NO MANDADO DE INJUNÇÃO Nº 880 ORIENTAÇÕES DA ASSESSORIA JURIDICA DA FENASPS CARTILHA SOBRE DIREITO À APOSENTADORIA ESPECIAL APÓS A DECISÃO DO STF NO MANDADO DE INJUNÇÃO Nº 880 ORIENTAÇÕES DA ASSESSORIA JURIDICA DA FENASPS 1. Que entidades conseguiram no Supremo Tribunal Federal

Leia mais

3 Qualidade de Software

3 Qualidade de Software 3 Qualidade de Software Este capítulo tem como objetivo esclarecer conceitos relacionados à qualidade de software; conceitos estes muito importantes para o entendimento do presente trabalho, cujo objetivo

Leia mais

Monitoria como instrumento para a melhoria da qualidade do ensino em Farmacotécnica

Monitoria como instrumento para a melhoria da qualidade do ensino em Farmacotécnica Monitoria como instrumento para a melhoria da qualidade do ensino em Farmacotécnica MORAIS, W. A. 1 ; SOARES, D. S. 2 ; BARBOZA, I. R. 3 ; CARDOSO, K. O. A 4 ; MORAES, D. A. 5 ; SOUZA, F. V. A 6. Resumo

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES PROGRAMAS COM CURSOS ACADÊMICO E PROFISSIONAL... 2 PROPOSTA DE PROGRAMA... 2 COMO COPIAR E COLAR... 2 INSTALAÇÃO DAS VERSÕES ANTERIORES DO COLETA DE DADOS:... 2 EXCLUSÃO DE UMA

Leia mais

SÍNDROME DE DOWN E A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA

SÍNDROME DE DOWN E A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA SÍNDROME DE DOWN E A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA Bárbara Lea Guahyba 1 Mara Regina Nieckel da Costa 2 RESUMO O artigo aqui apresentado tem como tema a inclusão social de pessoas portadoras de síndrome de

Leia mais

A SEGUIR ALGUMAS DICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM PROJETO CIENTÍFICO

A SEGUIR ALGUMAS DICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM PROJETO CIENTÍFICO A SEGUIR ALGUMAS DICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM PROJETO CIENTÍFICO DESENVOLVENDO UM PROJETO 1. Pense em um tema de seu interesse ou um problema que você gostaria de resolver. 2. Obtenha um caderno

Leia mais

Série Aparelhos Ortodônticos

Série Aparelhos Ortodônticos Série Aparelhos Ortodônticos Em geral, o protocolo de tratamento nos casos de Classe III, principalmente naqueles com deficiência maxilar, tem sido a disjunção, seguida pela protração da ma-xila. De acordo

Leia mais

Cotagem de dimensões básicas

Cotagem de dimensões básicas Cotagem de dimensões básicas Introdução Observe as vistas ortográficas a seguir. Com toda certeza, você já sabe interpretar as formas da peça representada neste desenho. E, você já deve ser capaz de imaginar

Leia mais

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos.

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. 9.1 Explicações iniciais A avaliação é algo que faz parte de nossas vidas, mesmo antes de nascermos, se não

Leia mais

COMPORTAMENTO ÉTICO NA PROFISSÃO CONTÁBIL

COMPORTAMENTO ÉTICO NA PROFISSÃO CONTÁBIL COMPORTAMENTO ÉTICO NA PROFISSÃO CONTÁBIL Osvaldo Américo de Oliveira Sobrinho Professor Universitário osvaldo.sobrinho@hotmail.com Ida Pereira Bernardo Rondon Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

ROTEIRO DE ENTREVISTA SEMOI-ESTRUTURADA PARA CARACTERIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE APOIO NO MUNICÍPIO

ROTEIRO DE ENTREVISTA SEMOI-ESTRUTURADA PARA CARACTERIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE APOIO NO MUNICÍPIO Prezada (nome) Estamos realizando um estudo em rede nacional sobre os Serviços de Apoio de Educação Especial ofertados no Brasil que têm sido organizados para favorecer a escolarização de estudantes com

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ATIVIDADE DE MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDOS MATEMÁTICOS NO ENSINO FUNDAMENTAL I

UMA PROPOSTA DE ATIVIDADE DE MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDOS MATEMÁTICOS NO ENSINO FUNDAMENTAL I UMA PROPOSTA DE ATIVIDADE DE MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDOS MATEMÁTICOS NO ENSINO FUNDAMENTAL I Gislaine Ferreira Gomes Universidade Estadual de Londrina gis.fg@ibest.com.br Karina

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Promoção de saúde, paciente infantil, extensão

PALAVRAS CHAVE: Promoção de saúde, paciente infantil, extensão TÍTULO:PROGRAMA DE ATENÇÃO ODONTOLÓGICA À CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA AUTORES: Mesquita, M. F, Menezes, V. A*., Maciel, A. E.**, Barros, E.S INSTITUIÇÃO:Faculdade de Odontologia de Pernambuco. FOP/UPE

Leia mais

7 Conclusões e caminhos futuros

7 Conclusões e caminhos futuros 7 Conclusões e caminhos futuros Esta pesquisa teve como objetivo estudar a interação em um fórum de discussão online de um curso híbrido de formação de professores de inglês, com ensino presencial e a

Leia mais

Estudo dos Recursos Humanos na Administração Pública: motivação dos funcionários do Horto Florestal de São Vicente um estudo de caso.

Estudo dos Recursos Humanos na Administração Pública: motivação dos funcionários do Horto Florestal de São Vicente um estudo de caso. II SEMINÁRIO SOBRE GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO GERENCIAL Palestrante: Selma Serrano Amaral Graduada em Turismo; Pós-graduada em Administração Turística, em Gestão Universitária

Leia mais

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum 1. O direito constitucional à educação é concretizado, primeiramente, com uma trajetória regular do estudante, isto é, acesso das crianças e jovens a

Leia mais

Edital para Seleção de Trabalhos para o II Seminário de Boas Práticas na Gestão de Unidades de Conservação

Edital para Seleção de Trabalhos para o II Seminário de Boas Práticas na Gestão de Unidades de Conservação MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Edital para Seleção de Trabalhos para o II Seminário de Boas Práticas na Gestão de Unidades de Conservação 1. APRESENTAÇÃO

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 GESTÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR EM MATEMÁTICA RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PROGRAMA GESTAR II Sidnei Luís da Silva Escola Municipal Vereador Benedito Batista Congatem - MG sidneiluisdasilva@yahoo.com.br Camila

Leia mais

RESULTADOS E DISCUSSÃO

RESULTADOS E DISCUSSÃO FATORES QUE INFLUENCIAM O IDEB DE DUAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE ANANINDEUA PA Elane da Silva Almeida¹, Erian de Almeida Santos¹ ¹Universidade Federal do Pará Eixo IV Qualidade da Educação

Leia mais

Vilma Aparecida Gomes

Vilma Aparecida Gomes Leitura e interdisciplinaridade: tecendo redes nos projetos da escola Vilma Aparecida Gomes Mestre em Lingüística pela Universidade Federal de Uberlândia. Professora de Língua Portuguesa da Escola de Educação

Leia mais

Conceito e Processo do Planejamento Estratégico

Conceito e Processo do Planejamento Estratégico ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Estratégia de Negócios em TI (Parte 2) Conceito e Processo do Planejamento Prof. Me. Walteno Martins Parreira Jr Vídeo: Os três porquinhos http://www.youtube.com/watch?v=eo4msbm113g

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES AO CREDENCIADO

GUIA DE ORIENTAÇÕES AO CREDENCIADO GUIA DE ORIENTAÇÕES AO CREDENCIADO Com o objetivo de tornar o processo de autorização, faturamento e pagamento dos atendimentos odontológicos mais eficiente, recomendamos a leitura completa e minuciosa

Leia mais

DE ARTIGO CIENTÍFICO

DE ARTIGO CIENTÍFICO CURSOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, TURISMO, DIREITO E PÓS-GRADUAÇÃO Maria Paulina Gomes Maria Paulina Gomes Manual elaborado para orientar os alunos que estão realizando a disciplina Trabalho de Conclusão

Leia mais

COORDENAÇÃO DE EAD MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO. Versão 1.0

COORDENAÇÃO DE EAD MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO. Versão 1.0 COORDENAÇÃO DE EAD MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2015 SUMÁRIO 1. O MOODLE 3 2. Acesso à Plataforma 3 2.1. Cadastrar-se em uma disciplina 4 2.2. Página Inicial do Curso 5 3.

Leia mais

6. Pronunciamento Técnico CPC 23 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro

6. Pronunciamento Técnico CPC 23 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 6. Pronunciamento Técnico CPC 23 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro 1. Aplicação 1- As instituições

Leia mais

Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I

Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I Seqüência das partes Capa (obrigatório) Lombada (opcional) Folha de rosto (obrigatório) ERRATA (opcional) TERMO DE AROVAÇÃO (obrigatório) Dedicatória(s) (opcional)

Leia mais

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota 1 UMC Engenharia Mecânica Expressão Gráfica 2 Prof.: Jorge Luis Bazan. Desenho Básico Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Em desenho técnico damos o nome de cota ao conjunto de elementos gráficos introduzidos

Leia mais