UMA ABORDAGEM PARA APOIAR O GERENCIAMENTO DE RISCOS EM METODOLOGIAS ÁGEIS BASEADA NAS PRÁTICAS DO PMBOK

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA ABORDAGEM PARA APOIAR O GERENCIAMENTO DE RISCOS EM METODOLOGIAS ÁGEIS BASEADA NAS PRÁTICAS DO PMBOK"

Transcrição

1 UMA ABORDAGEM PARA APOIAR O GERENCIAMENTO DE RISCOS EM METODOLOGIAS ÁGEIS BASEADA NAS PRÁTICAS DO PMBOK Gustavo Henrique de Carvalho Costa Recife, 15 de Fevereiro de 2012

2 Plano de Dissertação de Mestrado Programa de Pós-Graduação, Centro de Informática - UFPE UMA ABORDAGEM PARA APOIAR O GERENCIAMENTO DE RISCOS EM METODOLOGIAS ÁGEIS BASEADA NAS PRÁTICAS DO PMBOK Mestrando: Gustavo Henrique de Carvalho Costa Orientador: Silvio Romero de Lemos Meira

3 Sumário 1. Justificativa Objetivos... 7 Objetivo Geral... 7 Objetivos Específicos Revisão da Literatura Riscos Gestão de Riscos Processo de Gerenciamento de Riscos segundo o PMBOK Processo de Gerenciamento de Riscos segundo o SCRUM Metodologia Cronograma Referências Bibliográficas Centro de Informática - UFPE Plano de Trabalho Gustavo Henrique de Carvalho Costa Page 3/18

4 1. Justificativa No mundo atual, para se manterem competitivas, as empresas precisam rever, periodicamente, suas estratégias de negócio, sob pena de perderem mercado. E isso implica em mudanças permanentes dos produtos e serviços que as empresas oferecem, assim como de seus processos de negócio, de forma a permitir que elas consigam se manter à frente dos concorrentes. Como toda mudança é, na verdade, um projeto que precisa ser executado, as empresas precisam ser eficientes tanto na seleção como na execução dos seus projetos. Em decorrência, a escolha e a gestão eficiente de projetos acabaram por se tornar fatores críticos de sucesso. Em projeto de desenvolvimento de software, a situação não é diferente. O desenvolvimento de software é uma atividade complexa, envolvendo inúmeros fatores que, não raro, são imprevisíveis e de difícil controle, como inovações tecnológicas e mudanças constantes nos requisitos do cliente. Essa complexidade faz com que grande parte dos projetos de desenvolvimento de software exceda o prazo e o orçamento previstos, além de não atender as expectativas dos clientes em termos de funcionalidades e qualidade (ROCHA e BELCHIOR, 2004). Segundo pesquisas realizadas pela THE STANDISH GROUP (2009) existe um grande insucesso na conclusão dos projetos de software. Somente 32% dos projetos terminaram dentro do prazo e custo, com todas as funcionalidades especificadas. Além disso, aproximadamente 44% dos projetos sofreram alteração de escopo, o que gerou prazos e custo maiores do que o estabelecido e outros 24% dos projetos falharam, sendo cancelados antes da conclusão, ou entregues, mas nunca utilizados. Em vista dos resultados abaixo do esperado obtidos com o uso dos métodos tradicionais de desenvolvimento, gerenciados de acordo com os princípios do gerenciamento clássico de projetos, foi criado, no final da década de 90, a Aliança Ágil e estabelecido o Manifesto Ágil para Desenvolvimento de Software (BECK, BEEDLE, et al., 2001). A partir daí, surgiram várias metodologias que seguem estes valores e princípios. Algumas abordam a questão da Gerência de Projetos como é o caso do Scrum (SCHWABER e BEEDLE, 2008). As metodologias ágeis têm recebido atenção especial, ultimamente, pois propõem monitoramento e inspeção constante, encorajando o trabalho em equipe, com entregas rápidas e o Centro de Informática - UFPE Plano de Trabalho Gustavo Henrique de Carvalho Costa Page 4/18

5 alinhamento das necessidades do cliente com os objetivos do produto, além de serem relativamente fáceis de aplicar e compreender. Contudo, somente um bom planejamento não é suficiente para o sucesso de um projeto. Também é necessária a identificação de todas as incertezas, o planejamento de como elas serão monitoradas e as contramedidas a serem tomadas caso elas se concretizem. O desenvolvimento de software é uma atividade que envolve riscos, e esses riscos fazem com que seja necessária uma doutrina de gerenciamento cujo objetivo é reduzir a probabilidade de acontecimento dos eventos negativos, aumentando a probabilidade e o impacto dos eventos positivos (PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE, 2008). Gestão de riscos tem sido reconhecida como uma das melhores práticas no desenvolvimento de software. Riscos controlados melhoram consideravelmente as principais características do desenvolvimento de software, como a qualidade do produto, a precisão no planejamento e o custo-benefício. Por isso, a inclusão da gestão de risco no desenvolvimento de software é um fator importante quando se deseja alcançar o sucesso de um projeto. No entanto, nem todas as organizações aplicam sistematicamente métodos de gestão de risco (ROPPONEN e LYYTINEN, 2000). As metodologias ágeis não abordam explicitamente a gestão de riscos, apesar delas se propuserem a ser dirigidas ao risco. Elas afirmam que sua abordagem iterativa permite uma atenção contínua aos riscos e que estes podem ser reduzidos através de práticas como a integração contínua e a antecipação aos testes de software. No Scrum, a gestão de risco é descrita como uma parte da fase de planejamento, onde é afirmado que os riscos devem ser identificados e avaliados, definindo ações para controlar os riscos identificados (ADVANCED DEVELOPMENT METHODS, 2003). No entanto, não está explicito como essas tarefas de gerenciamento de riscos devem ser realizadas, ou seja, não existem práticas explícitas definidas para planejamento do gerenciamento, identificação, análise, monitoramento e controle dos riscos, práticas essas amplamente discutidas na disciplina de Gerenciamento de Riscos, do PMBOK. Enquanto há uma extensa literatura sobre gestão de riscos em geral, a pesquisa sobre gestão de riscos em projetos ágeis é praticamente inexistente. Muitos trabalhos sobre métodos ágeis "tem muito pouco a dizer sobre como uma equipe de desenvolvimento determina os riscos Centro de Informática - UFPE Plano de Trabalho Gustavo Henrique de Carvalho Costa Page 5/18

6 enfrentados, priorizando-os e tomando medidas para anular seus efeitos" (SMITH e PICHLER, 2005). Diante desse cenário, justifica-se esta pesquisa que se propõe a definir uma abordagem para o gerenciamento de riscos na metodologia ágil SCRUM que esteja alinhada com as práticas do modelo tradicional proposto pelo PMBOK e que ao mesmo tempo não venha a ferir os princípios ágeis. Centro de Informática - UFPE Plano de Trabalho Gustavo Henrique de Carvalho Costa Page 6/18

7 2. Objetivos Objetivo Geral Propor a definição de uma abordagem para o gerenciamento de riscos na metodologia ágil SCRUM que esteja alinhada com as práticas do modelo tradicional proposto pelo PMBOK e que ao mesmo tempo não venha a ferir os princípios ágeis. Objetivos Específicos Apresentar os conceitos básicos da metodologia ágil SCRUM, do PMBOK e de gerenciamento de riscos. Analisar como é feito o gerenciamento de riscos proposto pelo PMBOK. Analisar como é feito o gerenciamento de risco na metodologia ágil SCRUM. Realizar uma analise comparativa entre o Gerenciamento de Riscos tradicionais propostos pelo PMBOK e o Gerenciamento de Riscos da metodologia ágil SCRUM. Delinear melhorias no gerenciamento de riscos utilizados na metodologia ágil SCRUM alinhado com as práticas do PMBOK. Realizar um estudo de caso referente à utilização das melhorias indicadas. Centro de Informática - UFPE Plano de Trabalho Gustavo Henrique de Carvalho Costa Page 7/18

8 3. Revisão da Literatura 3.1 Riscos Risco é um evento ou uma condição incerta que, se ocorrer, tem um efeito em pelo menos um objetivo do projeto. Os objetivos podem incluir escopo, cronograma, custo e qualidade. Um risco pode ter uma ou mais causas e, se ocorrer, pode ter um ou mais impactos. (PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE, 2008) Originalmente, a palavra risco vem do italiano antigo riscare, que quer dizer ousar, e, no sentido de incerteza, é derivada do latim risicu e riscu. Nesse contexto, a palavra risco deve ser interpretada como um conjunto de incertezas encontradas quando ousamos fazer algo, e não apenas como problemas. (SALLES, CORRÊA, et al., 2010) Segundo Hillson (2002), existem duas opções para a definição de risco. Em primeiro lugar, o risco é definido como um termo guarda-chuva, que consiste de dois elementos, onde o risco com efeitos positivos é conhecido como oportunidade, enquanto o risco com efeitos negativos é conhecido como ameaça. Em segundo lugar, o risco pode ser expresso pela palavra "incerteza", um termo abrangente que representa apenas os efeitos negativos ou ameaças, porém refere-se algumas vezes em ser uma incerteza que tem efeitos positivos. Observa-se que esta opção parece ser a tendência atual utilizada por muitos profissionais e pesquisadores de gestão de risco. De acordo com Heldman (2005), muitos de nós tendemos a pensar o risco em termos de consequências negativas. Apesar de serem eventos que causam ameaças a projetos, eles também podem ser oportunidades em potenciais. O risco é um obstáculo que impede, positiva ou negativamente, que um projeto seja entregue com base nas metas definidas. A incerteza contrasta com a perspectiva de ver o risco como um evento que resulta em um efeito positivo ou negativo sobre a meta de um projeto. Como mencionado por Jaafari (2001), a incerteza foi definida como uma probabilidade desconhecida de ocorrência de um evento que se origina de três principais fontes: fatores externos, mudanças de estratégias de negócios e métodos mal definidos para a realização do projeto. A probabilidade de impacto desconhecida, além de Centro de Informática - UFPE Plano de Trabalho Gustavo Henrique de Carvalho Costa Page 8/18

9 várias variáveis com vários níveis de incertezas, dentro do contexto de mudanças rápidas, cria um ambiente de complexidade para gerir o projeto. Uma visão um pouco diferente foi desenvolvida por Chapman (1997), onde o risco é mais o efeito incerto do que a causa desse efeito sobre o desempenho de um projeto, tais como custo, tempo e qualidade. Assim, o termo incerteza, enquanto risco, inclui "variabilidade" em termos de medidas de desempenho e ambigüidade, que está intimamente ligada com a falta de clareza devido a vários fatores. Para Atkinson, Crawford e Ward (2006) as três principais áreas de incerteza estão associadas com as estimativas, as partes do projeto e as fases do ciclo de vida do projeto. Em contraste com várias perspectivas de risco ilustradas acima, Dowie (1999) argumentou persuasivamente a abandonar o termo "risco". Ele ilustrou que a palavra contém em si o múltiplo uso que consistentemente cria confusão e ambigüidade, a fim de realizar a identificação e avaliação dos dados disponíveis que suportem a tomada de decisão, bem como extrair e processar julgamentos de qualidade. Assim, torna-se difícil integrar os dois tipos distintos de insumos de uma forma lógica e transparente. De acordo com Sommerville (2010), Você precisa prever os riscos, compreender os impactos desses riscos no projeto, no produto e nos negócios, e tomar providencias para evitar esses riscos. Ele relaciona os riscos em três categorias: riscos que podem afetar o próprio projeto; riscos do produto e riscos de negócio. No entanto, essas três categorias podem se sobrepor dependendo do ponto de vista da equipe. Para se prevenir de ocorrências futuras é preciso tentar prevê-las. A previsão deve ser feita sobre os eventos que detemos informações parciais, pois isso caracteriza uma incerteza. Quando detemos todas as informações sobre um evento, ou quando não temos nenhuma informação sobre o mesmo, ou seja, o total desconhecimento, não podemos classificá-lo como risco. De acordo com Hillson (2002), não importa como o termo "risco" é classificado desde que a decisão leve em consideração as oportunidades e ameaças, que são elementos igualmente importantes que influenciam o sucesso do projeto. Assim, ambas necessitam ser geridas de forma proativa e eficaz através de uma abordagem de gestão de riscos. Centro de Informática - UFPE Plano de Trabalho Gustavo Henrique de Carvalho Costa Page 9/18

10 3.2 Gestão de Riscos Gerenciar riscos é de suma importância, visto que, estamos lidando com incertezas e precisamos tentar controlá-las. Cada evento não deve ser interpretado como sorte ou azar, pois, assim, o gerenciamento de riscos não teria sentido, e analisar tendências menos ainda. O que caracteriza a incerteza é a de que não dispomos de toda informação necessária para a tomada de decisões. Segundo Vargas (2007), o gerenciamento de riscos do projeto possibilita a oportunidade de compreender melhor a natureza do projeto, envolvendo os membros da equipe com intuito de identificar e responder aos possíveis riscos que podem ocorrer geralmente associados ao tempo, custo, e qualidade. Figura 1: Processo de gerenciamento de riscos (Sommerville, 2010) 3.3 Processo de Gerenciamento de Riscos segundo o PMBOK De acordo com o PMBOK (2008), o gerenciamento de riscos objetiva principalmente aumentar probabilidade de acontecer eventos positivos, e minimizar a probabilidade de ocorrer eventos negativos no projeto. Ou seja, define uma maneira previsível para lidar com as incertezas, fazendo com que os possíveis cenários futuros fiquem dentro de uma faixa de variabilidade aceitável. Centro de Informática - UFPE Plano de Trabalho Gustavo Henrique de Carvalho Costa Page 10/18

11 O PMBOK subdivide o gerenciamento de riscos em seis processos, conforme a figura 2: Figura 2. Mapeamento do Gerenciamento de Riscos (VARGAS, Ricardo. 2007) Planejamento do gerenciamento de riscos é o processo de como abordar e executar as atividades no planejamento de risco. Este deve ser acordado e terminado logo no início do planejamento do projeto. Este processo é importante para o projeto porque cada projeto possui características diferentes e é justamente por isso que deve ser adotado o plano de risco que melhor se adeque ao projeto. (PMBOK, 2004). Identificação de riscos envolve em determinar quais os riscos podem afetar o projeto e documentar as características de cada risco. Informações históricas possuem um papel fundamental para esse processo, uma vez que no baseamento das lições aprendidas de projetos passados podem-se ter novas identificações de risco (PMBOK, 2004). Análise qualitativa de riscos avaliar o impacto e a probabilidade de riscos identificados e priorizar os riscos de acordo com seu efeito potencial nos objetivos do projeto. Sendo assim, o PMBOK define que a análise qualitativa de risco é um modo de determinar a importância de se endereçar riscos específicos e guiar respostas de risco. A análise qualitativa de risco requer que a probabilidade e consequências dos riscos sejam avaliadas usando métodos e ferramentas de análise qualitativa estabelecidos. Tendências nos resultados quando a análise qualitativa é repetida pode indicar a necessidade de mais ou menos ação da gerência de risco. Centro de Informática - UFPE Plano de Trabalho Gustavo Henrique de Carvalho Costa Page 11/18

12 Planejamento de respostas aos riscos é o processo de desenvolvimento de opções e determinação das ações para melhorar oportunidades e reduzir ameaças para os objetivos do projeto. Ele inclui a identificação e designação de indivíduos ou partes, com a responsabilidade para cada acordo de resposta ao risco. Este processo assegura que riscos identificados são devidamente endereçados. A eficácia do planejamento de resposta determinará diretamente se o risco do projeto cresce ou diminui. O plano de resposta ao risco deve ser apropriado para a severidade do risco, estimando um custo real, o tempo necessário para ser bem sucedido, dentro de um contexto realístico, acordado por todas as partes envolvidas e designado um responsável (PMI, 2008). Monitoramento e controle de riscos é processo de implementação de planos de respostas aos riscos, acompanhamento dos riscos identificados, monitoramento dos riscos residuais, identificação de novos riscos e avaliação da eficácia dos processos de tratamento dos riscos durante todo o projeto. O gerenciamento, desde seu planejamento até o desenvolvimento das respostas aos riscos, deve ser feito na concepção do projeto, no momento de seu planejamento inicial, antes de tomarmos a decisão final se devemos prosseguir ou não com o projeto. 3.4 Processo de Gerenciamento de Riscos segundo o SCRUM Schwaber e Beedle (2008) afirmam que a metodologia ágil Scrum é orientada ao risco por que se baseia em uma abordagem iterativa e incremental, permitindo assim feedbacks rápidos e freqüentes, tornando possível identificar e reduzir o risco. No Scrum, a gestão de risco é descrita como uma parte da fase de planejamento, onde é afirmado que os riscos devem ser identificados e avaliados, definindo ações para controlar os riscos identificados (ADVANCED DEVELOPMENT METHODS, 2003). No entanto, não está explicito como essas tarefas de gerenciamento de riscos devem ser realizadas, ou seja, não existem práticas explícitas para definir fontes, parâmetros e categorias de riscos que devem ser usados para analisar, categorizar bem como controlar o esforço do gerenciamento dos riscos. Centro de Informática - UFPE Plano de Trabalho Gustavo Henrique de Carvalho Costa Page 12/18

13 Também não há uma estratégia para o gerenciamento dos riscos, nem mesmo um plano de mitigação para os riscos mais importantes e uso de bases históricas. Assim sendo, a avaliação, categorização e priorização dos riscos ficam comprometidas (MARÇAL, FREITAS, et al., 2007). Centro de Informática - UFPE Plano de Trabalho Gustavo Henrique de Carvalho Costa Page 13/18

14 4. Metodologia A pesquisa em Engenharia de Software pode ser conduzida através de quatro métodos: o científico, o de engenharia, o experimental e o analítico (WOHLIN, HÖST, et al., 2000). Os métodos são descritos da seguinte maneira: o método científico foca na observação de um ambiente e na tentativa de extrair dele algum modelo ou teoria que possa explicar o fenômeno estudado. O método de engenharia, por sua vez, é baseado na observação de soluções existentes, na identificação de problemas nessas soluções e na sugestão de abordagens para melhorar as soluções analisadas. Já o método experimental pretende fornecer um modelo novo para solução de um problema e tenta estudar o impacto desse modelo. Por fim, o método analítico oferece uma base analítica (ou matemática) para o desenvolvimento de modelos. (TRAVASSOS, GUROV e DO AMARAL, 2002). Este trabalho de pesquisa segue o método de engenharia. Inicialmente foi feito uma revisão bibliográfica dos principais trabalhos sobre gestão de riscos na metodologia ágil Scrum, bem como a revisão da gestão de riscos proposto pelo PMBOK, fazendo um comparativo entre elas. Esses trabalhos serviram para levantar os principais problemas no uso da gestão de riscos no SCRUM, a fim de sugerir melhorias no seu processo baseado nas práticas do PMBOK. Por fim, como forma de avaliar o trabalho, realizaremos um estudo de caso como meio de validação das melhorias sugeridas. As seguintes atividades estão definidas para a finalização dos objetivos desse projeto: 1. Pesquisa do Estado da Arte do PMBOK, com foco na área de conhecimento de gerenciamento de riscos; 2. Pesquisa do Estado da Arte da metodologia de desenvolvimento ágil Scrum; 3. Pesquisa sobre o uso da gestão de riscos na metodologia ágil Scrum; 4. Identificar e comparar as práticas de gerenciamentos de riscos do PMBOK e Scrum; 5. Levantamento dos principais problemas no gerenciamento de riscos na metodologia Scrum; Centro de Informática - UFPE Plano de Trabalho Gustavo Henrique de Carvalho Costa Page 14/18

15 6. Sugestão de melhorias no processo de gerenciamento de riscos do Scrum baseado nas práticas do PMBOK; 7. Realizar um estudo de caso referente à utilização das melhorias indicadas; 8. Escrita e elaboração da dissertação de mestrado sobre o tema proposto; 9. Entregar e defender a dissertação de mestrado. Centro de Informática - UFPE Plano de Trabalho Gustavo Henrique de Carvalho Costa Page 15/18

16 5. Cronograma Atividades Legenda Realizado Planejado Centro de Informática - UFPE Plano de Trabalho Gustavo Henrique de Carvalho Costa Page 16/18

17 6. Referências Bibliográficas ADVANCED DEVELOPMENT METHODS. Scrum Methodology: Incremental, Iterative Software Development from Agile Processes. [S.l.]: [s.n.], ATKINSON, R.; CRAWFORD, L.; WARD, S. Fundamental Uncertainties in Projects and the Scope of Project Management. International Journal of Project Management, BECK, K. et al. Manifesto for Agile Software Development, Disponivel em: <http://www.agilemanifesto.org>. Acesso em: 15 dez BOEHM, B.; TURNER, R. Management Challenges to Implementing Agile Processes in Traditional Software Organizations. IEEE Software, Vol. 22, CHAPMAN, C.; WARD, S. Project Risk Management: Processes, Techniques and Insights. 2ª Edição. ed. [S.l.]: John Wiley & Sons, CHIN, G. Agile Project Management: How to Succeed in the Face of Changing Project Requirements. [S.l.]: AMACOM, COHN, M. Desenvolvimento de software com Scrum: Aplicando métodos ágeis com sucesso. 1ª Edição. ed. Porto Alegre: Bookman, DEMARCO, T.; LISTER, T. Waltzing with Bears: Managing Risk on Software Projects. Nova Iorque: Dorset House, DOWIE, J. Against Risk, Risk Decision and Policy, IV, HELDMAN, K. Project Manager's Spotlight on Risk Management. [S.l.]: John Wiley & Sons, HELDMAN, K. Gerencia de projetos: Um guia para o exame oficial do PMI. 5ª Edição. ed. Rio de Janeiro: Elsevier Ltda, HILLSON, D. What is risk? Towards a Common Definition. InfoRM -Journal of the UK Institute of Risk Management, JAAFARI, A. Management of risks, uncertainties and opportunities on projects: time for a fundamental shift. International Journal of Project Management, KOSCIANSKI, A.; SOARES, M. D. S. Qualidade de software. 2ª Edição. ed. São Paulo: Novatec, MARÇAL, A. S. C. et al. Estendendo o SCRUM segundo as Áreas de Processo de Gerenciamento de Projetos do CMMI. XXXIII Conferencia Latinoamericana de Informática, San Jose, Costa Rica, NOGUEIRA, M. Engenharia de software: um framework para a gestão de riscos em projetos de software. 1ª Edição. ed. Rio de Janeiro: Ciência Moderna Ltda, PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. Um guia do conhecimento em gerenciamento de projetos: Guia PMBOK. 4ª Edição. ed. [S.l.]: Newtown Saquare, ROCHA, P. C.; BELCHIOR, A. D. Mapeamento do Gerenciamento de Riscos no PMBOK, CMMI-SW e RUP. VI Simpósio Internacional de Melhoria de Processos de Software, São Paulo, ROPPONEN, J.; LYYTINEN, K. Components of software development risk: how to address them? A project manager survey. IEEE Transactions on Software Engineering, SALLES, J. et al. Gerenciamento de riscos em projetos. 2ª Edição. ed. Rio de Janeiro: FGV, Centro de Informática - UFPE Plano de Trabalho Gustavo Henrique de Carvalho Costa Page 17/18

18 SCHMITZ, E. A.; JUAREZ, A. A.; BADINI, C. V. Modelo qualitativo de análise de risco: para projetos de tecnologia da informação. 1ª Edição. ed. Rio de Janeiro: [s.n.], SCHWABER, K.; BEEDLE, M. Agile Software Development with Scrum. [S.l.]: Pearson Education International, SMITH, P.; MERRIT, G. Proactive Risk Management: Controlling Uncertainty in Product Development. [S.l.]: Productivity Press, SMITH, P.; PICHLER, R. Agile Risks/Agile Rewards. Software Development, SOMMERVILLE, I. Engenharia de software. 8ª Edição. ed. São Paulo: Addison-Wesley, THE STANDISH GROUP. Chaos Report, Acesso em: 14 dez TRAVASSOS, G. H.; GUROV, D.; DO AMARAL, E. A. G. Introdução à Engenharia de Software Experimental. COPPE/UFRJ. Rio de Janeiro VARGAS, R. Manual prático do plano do projeto. 3ª Edição. ed. Rio de Janeiro: Brasport, WOHLIN, C. et al. Experimentation in software engineering. [S.l.]: Springer, v. VI, Centro de Informática - UFPE Plano de Trabalho Gustavo Henrique de Carvalho Costa Page 18/18

Gestão de Riscos em Projetos de Software

Gestão de Riscos em Projetos de Software Gestão de Riscos em Projetos de Software Júlio Venâncio jvmj@cin.ufpe.br 2 Roteiro Conceitos Iniciais Abordagens de Gestão de Riscos PMBOK CMMI RUP 3 Risco - Definição Evento ou condição incerta que, se

Leia mais

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos 11. Gerenciamento de riscos do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos

Leia mais

UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA GESTÃO DE RISCOS

UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA GESTÃO DE RISCOS WAMPS 2013 IX Workshop Anual do MPS Campinas-SP, 28 a 30 de Outubro de 2013 RISAGI: UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA GESTÃO DE RISCOS EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Apresentador: Espc. Kleoson Bruno

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Análise de Ferramentas e Metodologias para Gerência de Riscos em Projetos

Análise de Ferramentas e Metodologias para Gerência de Riscos em Projetos Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística Curso de Sistemas de Informação Análise de Ferramentas e Metodologias para Gerência de Riscos em Projetos RAFAEL MOREIRA

Leia mais

AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br JAIR OTT UNIPAR jairott@gmail.com PABLO A. MICHEL UNIPAR pamichel@unipar.br

AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br JAIR OTT UNIPAR jairott@gmail.com PABLO A. MICHEL UNIPAR pamichel@unipar.br A importância da aplicação de técnicas de gerenciamento de riscos em projetos de desenvolvimento de software: estudo de caso do sistema de controle de veículos AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS MÓDULO 11

ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS MÓDULO 11 ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS MÓDULO 11 Índice 1. Gerenciamento de riscos do projeto...3 2. Gerenciamento de aquisições do projeto...4 Referências bibliográficas...5 2 1. GERENCIAMENTO DE RISCOS DO

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Msc. Fernando Simon AFS SOLUTIONS

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Msc. Fernando Simon AFS SOLUTIONS Gerenciamento de Riscos em Projetos Apresentação Fernando Simon fsimonbr@gmail.com.br Sócio proprietário da AFS Solutions www.afssolutions.com.br Consultor em Gerenciamento de Riscos em Projetos Docente

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos MBA em EXCELÊNCIA EM GESTÃO DE PROJETOS E PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Planejamento e Gestão de Projetos Prof. Msc Maria C. Lage Prof. Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Riscos 1 Introdução Gerenciamento

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK

Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK 180 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK Thiago Roberto Sarturi1, Evandro Preuss2 1 Pós-Graduação em Gestão de TI Universidade

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O E A -31000 Maildo Barros da Silva 1 e Fco.Rodrigo P. Cavalcanti 2 1 Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza-CE, Brasil phone: +55(85) 96193248,

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB

VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB Rogério Fernandes da Costa Professor especialista Faculdade Sumaré rogerio.fernandes@sumare.edu.br Resumo: O presente estudo tem como objetivo abordar

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis

Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis Abstract. Resumo. 1. Introdução Vinicius A. C. de Abreu 1 Departamento de Ciência da Computação - DCC Universidade

Leia mais

Unidade III GERENCIAMENTO DE. Profa. Celia Corigliano

Unidade III GERENCIAMENTO DE. Profa. Celia Corigliano Unidade III GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO Departamento: Disciplina: Pré-Requisitos: - I D E N T I F I C A Ç Ã O Sistemas de Informação Gerência de Projetos (GEP) CH: 72 h/a Curso: Bacharelado em Sistemas de Informação Semestre: 2011/1 Fase: 8ª

Leia mais

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Uma introdução ao SCRUM Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Agenda Projetos de Software O que é Scrum Scrum framework Estrutura do Scrum Sprints Ferramentas Projetos de software Chaos Report Standish

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Fevereiro/2014 AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão

Leia mais

GERÊNCIA DE RISCOS E ESCOPO EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GERÊNCIA DE RISCOS E ESCOPO EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GERÊNCIA DE RISCOS E ESCOPO EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Viviana Regina Weber 1 Anderson Yanzer Cabral 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo apresentar uma pesquisa, em desenvolvimento,

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA

ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Assegure melhores resultados em seus projetos com uma estrutura de comunicação simples, efetiva,

Leia mais

Boas Práticas em Gerenciamento de Projetos Material utilizado nas aulas de Pós-graduação do Centro de Informática 2010.2

Boas Práticas em Gerenciamento de Projetos Material utilizado nas aulas de Pós-graduação do Centro de Informática 2010.2 O que é um? s: Tradicional e/ou Ágil? Cristine Gusmão, PhD Tem início e fim bem determinados Things are not always what they seem. Phaedrus, Escritor e fabulista Romano O projeto é uma sequência única,

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

Um modelo para o gerenciamento de múltiplos projetos de software aderente ao CMMI

Um modelo para o gerenciamento de múltiplos projetos de software aderente ao CMMI Universidade Federal de Pernambuco Graduação em Ciência da Computação Centro de Informática Um modelo para o gerenciamento de múltiplos projetos de software aderente ao CMMI PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais Tecnologia e Mídias Digitais PUC SP Prof. Eduardo Savino Gomes 1 Afinal, o que vem a ser Gestão? 2 Gestão/Gerir/Gerenciar Gerenciar, administrar, coordenar

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Web. Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.

Gerenciamento de Projetos Web. Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu. Gerenciamento de Projetos Web Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/frufrek Possui Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados pela

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: GERÊNCIA DE

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Planejamento e Gerenciamento Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Pessoas, Produto, Processo e Projeto; Gerência de

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Disciplina: INF5008 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 8. Metodologias

Leia mais

SCRUM. Otimizando projetos. Adilson Taub Júnior tecproit.com.br

SCRUM. Otimizando projetos. Adilson Taub Júnior tecproit.com.br SCRUM Otimizando projetos Adilson Taub Júnior tecproit.com.br Sobre mim Adilson Taub Júnior Gerente de Processos Certified ScrumMaster; ITIL Certified; Cobit Certified; 8+ anos experiência com TI Especialista

Leia mais

PMI Project Management Institute

PMI Project Management Institute PMP - Project Management Professional desde 1998 Presidente do Project Management Institute RS 00/04 Coordenador Latino-Americano do PMI-ISSIG por Projetos na Abordagem PMI Vice-Presidente da SUCESU-RS

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Apresentação Apresentação Professor Alunos Representante de Sala Frequência e Avaliação Modelos das aulas

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

Aula Nº 06 Determinação do Orçamento

Aula Nº 06 Determinação do Orçamento Aula Nº 06 Determinação do Orçamento Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar os processos aplicados que possibilitem identificar os recursos necessários para se conduzir

Leia mais

Investigando aspectos da geração de novos produtos de software. Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br)

Investigando aspectos da geração de novos produtos de software. Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br) Investigando aspectos da geração de novos produtos de software Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br) Estrutura Parte1. Inovação é igual em software? Parte 2. Processo de Desenvolvimento de Novos Produtos

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Riscos

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Riscos Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Riscos Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Análise dos Riscos Atividades Princípios da Análise Especificação

Leia mais

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br Gerenciamento de projetos cynaracarvalho@yahoo.com.br Projeto 3URMHWR é um empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma seqüência clara e lógica de eventos, com início, meio e fim, que se destina

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE FERRAMENTAS DE GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROCESSOS INDUSTRIAIS

ANÁLISE COMPARATIVA DE FERRAMENTAS DE GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROCESSOS INDUSTRIAIS ANÁLISE COMPARATIVA DE FERRAMENTAS DE GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROCESSOS INDUSTRIAIS Fernando Simon (UNISC) fsimonbr@gmail.com Rejane Frozza (UNISC) frozza@unisc.br Joao Carlos Furtado (UNISC) jcarlosf@unisc.br

Leia mais

[6.46] RiskFree: Uma Ferramenta para Gerência de Risco em Projetos de Software em conformidade com o nível 3 do modelo CMMI

[6.46] RiskFree: Uma Ferramenta para Gerência de Risco em Projetos de Software em conformidade com o nível 3 do modelo CMMI [6.46] RiskFree: Uma Ferramenta para Gerência de Risco em Projetos de Software em conformidade com o nível 3 do modelo CMMI Flávio Franco Knob, Filipi Pereira da Silveira, Afonso Inácio Orth, Rafael Prikladnicki

Leia mais

FATTO CONSULTORIA E SISTEMAS

FATTO CONSULTORIA E SISTEMAS Gestão de Riscos Como lidar com as incertezas do Projeto? Thomaz Ottoni da Fonseca 04/11/2015 FATTO CONSULTORIA E SISTEMAS 2015 FATTO Consultoria e Sistemas www.fattocs.com 1 ORIENTAÇÕES INICIAIS Dê preferência

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Francisco Xavier Freire Neto 1 ; Aristides Novelli Filho 2 Centro Estadual de Educação Tecnológica

Leia mais

COACHING E MENTORING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA

COACHING E MENTORING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA COACHING E MENTORING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Assegure resultados superiores do seu time de projetos e dos executivos com o coaching e mentoring exclusivo da Macrosolutions.

Leia mais

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain.

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain. Scrum Guia Prático Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum Solutions www.domain.com Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master 1 Gráfico de Utilização de Funcionalidades Utilização

Leia mais

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE Requisitos de Software Teresa Maciel DEINFO/UFRPE 1 Requisito de Software Características que o produto de software deverá apresentar para atender às necessidades e expectativas do cliente. 2 Requisito

Leia mais

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Minimize os impactos de um projeto em crise com a expertise de quem realmente conhece o assunto. A Macrosolutions

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Risk Tecnologia Coleção Risk Tecnologia SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Aplicável às Atuais e Futuras Normas ISO 9001, ISO 14001,

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

Gerência de Projetos Prof. Késsia Rita da Costa Marchi 3ª Série kessia@unipar.br

Gerência de Projetos Prof. Késsia Rita da Costa Marchi 3ª Série kessia@unipar.br Gerência de Projetos Prof. Késsia Rita da Costa Marchi 3ª Série kessia@unipar.br Motivações Gerenciamento de projetos, vem sendo desenvolvido como disciplina desde a década de 60; Nasceu na indústria bélica

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação cynaracarvalho@yahoo.com.br

Leia mais

PRIMAVERA RISK ANALYSIS

PRIMAVERA RISK ANALYSIS PRIMAVERA RISK ANALYSIS PRINCIPAIS RECURSOS Guia de análise de risco Verificação de programação Risco rápido em modelo Assistente de registro de riscos Registro de riscos Análise de riscos PRINCIPAIS BENEFÍCIOS

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO PMBOK EM ORGANIZAÇÕES DE SOFTWARE PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO PMBOK EM ORGANIZAÇÕES DE SOFTWARE PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO PMBOK EM ORGANIZAÇÕES DE SOFTWARE PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno: Marcus

Leia mais

Análise de Riscos em Teste de Software

Análise de Riscos em Teste de Software Análise de Riscos em Teste de Software Emerson Rios Diretor do Instituto de Teste de Software - iteste Presidente da Associação Latino Americana de Teste de Software - ALATS emersonrios@alats.org.br Abstract.

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS CMMI E METODOLOGIAS ÁGEIS Os métodos de desenvolvimento Ágeis e

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS Atualizado em 31/12/2015 GESTÃO DE PROJETOS PROJETO Para o PMBOK, projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Leia mais

Renata Miranda Pires Boente

Renata Miranda Pires Boente Uso do Modelo Qualitativo de Análise de Risco (Karolak) na Gestão de Projetos de TI: Um estudo de caso na Justiça Federal de Primeiro Grau Seção Judiciária do Rio de Janeiro Renata Miranda Pires Boente

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK Cleber Lecheta Franchini 1 Resumo:

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES Marcelo Augusto Lima Painka¹, Késsia Rita da Costa Marchi¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SEGUNDO O PMBOK. Faculdade PITÁGORAS Unidade Raja Prof. Valéria E-mail: valeriapitagoras@gmail.

PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SEGUNDO O PMBOK. Faculdade PITÁGORAS Unidade Raja Prof. Valéria E-mail: valeriapitagoras@gmail. PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SEGUNDO O PMBOK Faculdade PITÁGORAS Unidade Raja Prof. Valéria E-mail: valeriapitagoras@gmail.com 1 Processos Processos, em um projeto, é um conjunto de ações e atividades

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

Introdução. AULA 2 A Organização empresarial e a gestão de projetos. Tema relevante em diversas áreas

Introdução. AULA 2 A Organização empresarial e a gestão de projetos. Tema relevante em diversas áreas Universidade do Sagrado Coração Introdução a Gestão de Projetos Paulo Cesar Chagas Rodrigues AULA 2 A Organização empresarial e a gestão de projetos Iniciação 30/set/2008 Engenharia de Produto 2 2 Introdução

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Criando o Termo de Abertura III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Criando o Termo de Abertura III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Criando o Termo de Abertura III Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Termo de Abertura do Projeto. Identificando as Partes Interessadas

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Processo de software I Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + O que é Engenharia de Software n Definição dada pela IEEE [IEE93]: n Aplicação de uma abordagem sistemática,

Leia mais

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam tratar da identificação bem como do estabelecimento de uma estrutura organizacional apropriada ao

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Mapeamento do Gerenciamento de Riscos no PMBOK, CMMI-SW e RUP

Mapeamento do Gerenciamento de Riscos no PMBOK, CMMI-SW e RUP Mapeamento do Gerenciamento de Riscos no PMBOK, CMMI-SW e RUP Pascale Correia Rocha, Arnaldo Dias Belchior Universidade de Fortaleza - Mestrado de Informática Aplicada (UNIFOR) Av. Washington Soares, 1321

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 RESUMO Diversos profissionais relatam dificuldades em coordenar adequadamente projetos sob sua responsabilidade. Muitos fatores que influenciam

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

Aula Nº 13 Fechamento do projeto

Aula Nº 13 Fechamento do projeto Aula Nº 13 Fechamento do projeto Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam apresentar como se encerra o ciclo de vida de um projeto. Para tal, pretende-se verificar as derradeiras providências que

Leia mais

Maturidade Organizacional: Melhorando a Qualidade do Gerenciamento de Projetos Leonardo Luiz Barbosa Vieira Cruciol

Maturidade Organizacional: Melhorando a Qualidade do Gerenciamento de Projetos Leonardo Luiz Barbosa Vieira Cruciol Maturidade Organizacional: Melhorando a Qualidade do Gerenciamento de Projetos Leonardo Luiz Barbosa Vieira Cruciol Resumo. O gerenciamento de projetos tem se tornado, durante os últimos anos, alvo de

Leia mais

3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos

3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos 3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos A complexidade que caracteriza a implantação de um sistema ERP é uma das maiores preocupações das organizações que pretendem desenvolver projetos desta natureza.

Leia mais

10º ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA

10º ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA 10º ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA JOINVILLE/SC - BRASIL - 4 a 7 de outubro de 2005 Local: Centreventos Cau Hansen PADRÕES INTERNACIONAIS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS APLICADOS À CONSERVAÇÃO

Leia mais

Engenharia de Negócios 1. Gestão de Sistemas Complexos. Introdução

Engenharia de Negócios 1. Gestão de Sistemas Complexos. Introdução Engenharia de Negócios 1 Gestão de Introdução Objetivos do Curso Examinar a questão dos sistemas complexos através das práticas de controle sobre projetos Complexidade da arquitetura corporativa e dos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Como realizar inúmeros projetos potenciais com recursos limitados? Nós lhe mostraremos a solução para este e outros

Leia mais

Método Aldeia de Projetos

Método Aldeia de Projetos MAP Método Aldeia de Projetos Como surgiu o MAP? Em mais de 15 anos de atuação experimentamos distintas linhas de pensamento para inspirar nosso processo e diversas metodologias para organizar nossa forma

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

PLANO DE GERÊNCIAMENTO DE RISCOS

PLANO DE GERÊNCIAMENTO DE RISCOS 1 PLANO DE GERÊNCIAMENTO DE RISCOS Versão 1.1 Rua Pedro Ribeiro, 85 - Matriz, Vitória de Santo Antão - PE, 55612-275 Pernambuco Brasil (81) 3523-0012 www.qualistec.com.br suporte@qualistec.com.br 2 Histórico

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CJF-POR-2014/00093 de 20 de fevereiro de 2014

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CJF-POR-2014/00093 de 20 de fevereiro de 2014 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL PORTARIA Nº CJF-POR-2014/00093 de 20 de fevereiro de 2014 Dispõe sobre a aprovação do Documento Acessório Comum Política de Gestão de Riscos,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo...

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo... 1 ÍNDICE ANALÍTICO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3 2.1. Objetivos... 3 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5 3.1. Objetivo... 5 3.1.1. Negociação para comercialização e

Leia mais