Regulamento de Formação AIP

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento de Formação AIP"

Transcrição

1 Regulamento de Formação AIP Introdução Considerando que: Primeiro: A AIP Associação Industrial Portuguesa - Câmara de Comércio e Indústria é uma organização de utilidade pública sem fins lucrativos que tem por finalidade promover o desenvolvimento das actividades económicas portuguesas e, em especial, dos seus associados, nos domínios técnico, económico, comercial, associativo, cultural e social (artº 3º dos Estatutos). Segundo: Atendendo à necessidade de concretizar os seus objectivos estratégicos e de articular as áreas de associativismo e serviço às empresas, foi criada a Direcção de Associativismo e Competitividade Empresarial (DACE). Terceiro: A DACE tem como objectivo o desenvolvimento de actividades e projectos que conduzam ao aumento do número das empresas e associações filiadas e apoiar a articulação da AIP com estas estruturas. Quarto: No âmbito das suas actividades a DACE utilizará como instrumentos o desenvolvimento e oferta integrada de serviços próprios entre as quais a Formação Profissional através do seu Departamento de Formação. Este documento regula o funcionamento geral das acções de formação ministradas pela AIP, definindo direitos e obrigações das partes envolvidas. 1. Natureza e Conteúdo do Regulamento 1.1. O presente regulamento estabelece as normas consideradas como fundamentais pela AIP; 1.2. Deverá ser aceite antes do início da acção, pelos envolvidos no processo de formação: Empresa prestadora de Serviços de Formação, Formador, Formando e/ou Empresa Cliente e Parceiros. Imp 09-36_B0_Rev.1 Pág. 1 de 14

2 2. Conceito de Formação Entende-se por formação o processo através do qual as pessoas se preparam para o exercício de uma actividade profissional, pela aquisição e desenvolvimento de capacidades ou competências cujos resultados possibilitam a adopção de comportamentos adequados ao desempenho profissional e à valorização pessoal e profissional. 3. Âmbito das Intervenções Formativas A Formação Profissional desenvolvida pela AIP visa, fundamentalmente, contribuir para a eficiência, eficácia das Organizações suas Associadas e/ou Clientes, através da melhoria das qualificações dos seus Recursos Humanos, assumindo fundamentalmente as seguintes vertentes organizativas: - Inter Empresas (mediante catálogo); - Intra Empresas (à medida); - Projectos de Formação-Acção; - Formação Interna da AIP - Blended Learning. 4. Recursos Humanos 4.1. Internos Para todos os domínios do ciclo formativo: Diagnóstico, Planeamento, Concepção, Organização e Promoção, Desenvolvimento, Acompanhamento e Avaliação, a AIP dispõe de uma Equipa de Recursos Humanos devidamente qualificada e dimensionada para o efeito, que actuará sempre em conformidade com o presente regulamento Externos A AIP assegurará em qualquer intervenção formativa que os Recursos Humanos envolvidos, nomeadamente Formadores e Formadores/Consultores, Coordenadores Pedagógicos têm as competências adequadas e comprovadas pela experiência e/ou formação pedagógica. Imp 09-36_B0_Rev.1 Pág. 2 de 14

3 5. Condições de Funcionamento da Formação 5.1. Acções a decorrer nas Instalações da AIP A AIP assegura o apoio logístico permanente às acções de formação, bem como os equipamentos e materiais pedagógicos de apoio ao desenvolvimento das intervenções Acções a decorrer fora das Instalações da AIP Caso as acções de formação sejam realizadas nas instalações do Cliente, este obriga-se a proporcionar locais adequados bem como os equipamentos previstos e necessários à boa realização da acção de formação. Se a AIP transferir quaisquer dos seus bens para as instalações do Cliente tendo em vista a prestação da acção de formação, este assumirá total responsabilidade sobre os mesmos devendo devolvê-los no prazo estipulado e em perfeito estado de funcionamento. A quebra desta obrigação levará a empresa Cliente a pagar à AIP os equipamentos pelo seu valor de compra no mercado Material Pedagógico A AIP distribuirá documentação de acompanhamento e apoio a cada um dos cursos. A Informação contida na documentação disponibilizada encontra-se protegida pelos direitos de autor e destina-se unicamente a apoiar a formação a ministrar pela AIP não podendo ser dado qualquer outro uso senão o referido, nomeadamente não poderá ser reproduzido, distribuído, divulgado, publicado ou utilizado para qualquer outro fim que não para utilização na acção de formação respectiva Alterações A AIP reserva-se o direito de proceder a alteração de formadores ou local da acção, desde que isso não inviabilize os objectivos da acção, ou não conflitue com o contratualizado com o Cliente, expresso em Proposta específica, comprometendo-se nestes casos a comunicar as alterações ocorridas com a antecedência possível. Imp 09-36_B0_Rev.1 Pág. 3 de 14

4 5.5. Sub-contratação A AIP reserva-se o direito de subcontratar a terceiros os serviços de formação a prestar, de acordo com as regras de cada projecto em curso. 6. Formação Inter empresas 6.1. Inscrições As inscrições nas acções de formação pretendidas devem ser efectuadas por escrito, através do preenchimento da Ficha de Inscrição. No acto de inscrição dever-se-ão ter em conta os campos de preenchimento obrigatório que constituem uma informação indispensável para a gestão do processo de formação, sem a qual a inscrição não será considerada. As inscrições deverão preenchidas on line e/ou ser enviadas por , correio ou fax através da ficha disponibilizada para o efeito. A inscrição torna-se definitiva após o pagamento da mesma e com a confirmação, por escrito, por parte da organização 6.2. Prazo para a recepção de inscrições e desistências A recepção de inscrições deverá ser feita até 2 dias úteis antes do início de cada acção de formação. Considera-se o prazo até 3 dias úteis antes para a formalização de desistências não passíveis de penalização Desistências, não comparências ou cancelamentos O formando poderá anular/cancelar a sua inscrição até 3 dias úteis antes da data de início do curso, sem encargos para o mesmo. A AIP reserva-se o direito de facturar 50% do valor nos cancelamentos efectuados após o 3º dia útil antes do início previsto da acção de formação. Os cancelamentos recebidos após esta data ou a não comparência na acção, serão facturados na totalidade. Imp 09-36_B0_Rev.1 Pág. 4 de 14

5 Toda e qualquer desistência deve ser formalizada e devidamente justificada por escrito ao Departamento de Formação da AIP, de forma a serem identificadas as situações passíveis de penalização. No caso de impossibilidade de participar na acção, o formando inscrito poderá, mediante formalização prévia, fazer-se substituir por outro participante Cancelamentos por parte da AIP A AIP reserva-se o direito de adiar ou cancelar qualquer acção programada até 3 dias úteis antes da data prevista para o seu início, entre outros motivos por verificar que não tem o nº minímo de participantes ou por qualquer outro motivo de gestão, sem que tal confira direito a qualquer indemnização por esse facto. Nessa situação a AIP, notificará por escrito os inscritos com a antecedência possível informando do adiamento e da nova data da acção ou, caso seja cancelada, reembolso da inscrição quando a mesma tenha ocorrido. Caso o formando, após ter recebido notificação do adiamento, não possa frequentar a acção, deverá formalizar por escrito a sua desistência de forma a ser reembolsada o valor da inscrição Preços, Pagamentos e Condições de Participação O preço de inscrição é indicado em cada acção de formação O preço de inscrição inclui certificado de participação, documentação e "coffee breaks" sempre que justificável O preço de inscrição é isento de IVA, ao abrigo do artigo 9 do nº 11 do respectivo código Número mínimo de formandos necessário à realização das acções de formação As acções de formação só se realizarão se para elas estiver inscrito um número mínimo de 8 formandos. Por outro lado, será considerado para cada edição, um Imp 09-36_B0_Rev.1 Pág. 5 de 14

6 número máximo de 15 formandos, cujas inscrições serão registadas pela sua ordem de chegada. Todas as inscrições que ultrapassem este número serão colocadas em lista de espera, podendo vir a ser consideradas caso, até ao início da acção de formação, ocorram desistências. Excepcionalmente e sempre que os objectivos e metodologias do curso o permita, o nº mínimo e máximo de participantes pode ser alterado Critérios de selecção Será efectuada selecção de participantes sempre que existam pré-requisitos explícitos, como sejam: conhecimentos prévios de determinados domínios, níveis de qualificação, entre outros Horário de funcionamento O horário normal de funcionamento dos serviços de formação é das 09,00h às 13,00h e das 14,00h às 18,00h, de 2ª a 6ª feira excluindo feriados. Estes horários poderão ser alterados de acordo com necessidade de cada acção ou quando as necessidades do cliente forem diferentes. A formação poderá ainda ser realizada em horário pós-laboral (das 18,00h às 22,00h) e ao sábado. O formando terá conhecimento antecipado do horário previsto à prestação dos serviços e de eventuais alterações que possam surgir. 7. Formação Intra-empresa A Formação Intra-empresas é realizada mediante solicitação e especificações do Cliente, sendo expressas as condições de prestação de serviço na Proposta de Formação. O conteúdo da Proposta de Formação terá que ser elaborado de acordo com as disposições gerais do presente regulamento. Imp 09-36_B0_Rev.1 Pág. 6 de 14

7 7.1. Adjudicação da Proposta de Formação A Proposta de Formação deverá ser adjudicada pela Entidade Cliente, por escrito, no prazo máximo de 60 dias. Após esta data, a AIP reserva-se o direito de alterar os termos constantes na mesma Nº máximo de Participantes O nº máximo de participantes por acção de formação presencial é de 15 formandos. Caso a Entidade Cliente, sem acordo prévio da AIP, constitua um grupo acima dos 15 formandos e até a um número máximo de 18 formandos, será aplicada uma taxa adicional por participante de 5% do preço global da acção. Na eventualidade do acréscimo do número de formandos, inviabilizar o cumprimento dos Objectivos Pedagógicos definidos ou a Metodologia da Acção, a AIP reserva-se o direito de cancelar o fornecimento, havendo por parte do Cliente o pagamento integral da Acção de Formação. Excepcionalmente e sempre que os objectivos e metodologias do curso o permita, o nº máximo de participantes pode ser alterado. 8. Outras vertentes de organização da formação 8.1. Condições de Funcionamento: Formação-Acção As várias intervenções de Formação Acção desenvolvidas pela AIP, terão regulamentos próprios de acordo com os critérios definidos pelo financiador, não podendo, contudo, conflituar com as disposições gerais do presente regulamento Formação Interna A Formação Interna da AIP é organizada de acordo com especificidades definidas no Procedimento interno de Gestão de Recursos Humanos e no caso de ser sujeita a co-financiamento rege-se pelas normas nacionais e comunitárias aplicáveis. A organização da Formação Interna não poderá conflituar com as disposições gerais do presente regulamento. Imp 09-36_B0_Rev.1 Pág. 7 de 14

8 9. Avaliação da Formação A avaliação constitui elemento integrante e fundamental da formação fazendo parte do dossier técnico - pedagógico e englobando tanto a avaliação da satisfação/reacção dos formandos, como em determinadas acções e sempre que previamente estabelecido a avaliação de conhecimentos adquiridos. 9.1 Avaliação da Satisfação/Reacção dos Formandos A avaliação da satisfação/reacção da acção de formação, em particular no que se refere à consecução dos objectivos propostos e ao nível técnico pedagógico evidenciado, será efectuada através de questionário respondido pelo formando no final de cada acção de formação. 9.2 A Avaliação dos Conhecimentos / Aprendizagem A avaliação de Conhecimentos será realizada de acordo com os objectivos específicos de cada acção, podendo para o efeito, ser utilizados diferentes instrumentos de avaliação, nomeadamente provas de conhecimento, metodologias de dinâmicas de grupo, estudo de casos, entre outros. Relativamente à avaliação do processo de ensino / aprendizagem, deverão os formandos ter em atenção o seguinte: É obrigatória a presença no momento da avaliação, cuja não realização implica o NÃO APROVEITAMENTO no curso frequentado. O resultado obtido nesta avaliação assumirá a forma de: COM APROVEITAMENTO / SEM APROVEITAMENTO. Imp 09-36_B0_Rev.1 Pág. 8 de 14

9 10. Certificação 10.1 Certificados de Formação A AIP emite dois Modelos de Certificados de Formação: Modelo de Certificado de Frequência de Formação Profissional (Decreto Regulamentar nº 35/2002) A AIP emite Certificados de Frequência de Formação, nos casos em que as acções, pelas suas características, não tenham Sistema de Avaliação de Conhecimentos/Aprendizagem dos formandos. No caso de o formando ultrapassar o limite de faltas definido (assiduidade mínima de 80%), é emitida uma Declaração de Frequência com o número de horas efectivamente frequentadas. Modelo de Certificado de Formação Profissional (Portaria n.º 473/2010 de 8 de Julho) A AIP emite Certificados de Formação Profissional, nos casos em que as acções, têm um modelo de avaliação de conhecimentos/aprendizagem dos formandos. Para efeitos de certificação, todos os formandos terão que ter aproveitamento superior a 50% (sempre que exista avaliação de conhecimentos) e, cumulativamente, uma assiduidade de 80%. Exceptua-se, cursos com certificação específica como seja a Formação Pedagógica Inicial de Formadores cuja a assiduidade exigível é de 95%. (ver regulamento IEFP e regulamentos específicos de cada curso); Serão analisadas, caso a caso, as situações excepcionais em que, sem prejuízo do aproveitamento, seja ultrapassado os limites de falta dos formandos Para apreciação das situações previstas no número anterior será considerado o parecer do respectivo Formador e Coordenador Pedagógico da Acção. Imp 09-36_B0_Rev.1 Pág. 9 de 14

10 10.3 Aos formandos que não obtenham aproveitamento na avaliação do processo de ensino/aprendizagem, mas que não tenham excedido o limite de faltas previsto, será atribuído certificado de frequência Não será emitido certificado sempre que o formando exceder o limite de faltas previsto e que não se submeta à avaliação Desde que preenchidas todas as condições anteriormente referenciadas a AIP, deverá emitir o respectivo certificado ou declaração de frequência de formação até 15 dias úteis após o fecho da acção de formação. 11. Assiduidade e Pontualidade 11.1 A assiduidade e pontualidade constituem factores indispensáveis ao bom funcionamento das sessões de formação e ao global aproveitamento dos conteúdos ministrados Os formadores como os formandos estão obrigados à assiduidade e pontualidade. 12. Formadores 12.1 Entende-se por formador o indivíduo que, reunindo os requisitos científicos, técnicos, profissionais e pedagógicos necessários, está apto a desenvolver e conduzir acções pedagógicas conducentes à melhoria dos conhecimentos e nível técnico dos formandos, de acordo com os objectivos e programa previamente definidos 12.2 São deveres do Formador / Entidade prestadora de Serviços de Formação: % Entregar cópia de todos os documentos exigidos para abertura do processo como formador na AIP e renovar os documentos sempre que existam alterações antes do início da acção a ministrar. Imp 09-36_B0_Rev.1 Pág. 10 de 14

11 % Assinar contrato e proceder ao pagamento do selo respectivo, sempre que a tipologia de curso/acção o exija. % Comprovar estar habilitado com o Certificado de Aptidão Profissional (CAP), devidamente validado e reconhecido pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), sempre que o curso/acção exija; e/ou Acreditação emitida pela DGERT, no caso das entidades prestadoras de serviços de formação. % A Aplicação dos objectivos gerais e específicos da acção de formação e elaboração dos planos das sessões respectivos; % A Monitoria das Acções/ módulos; % Deverá preencher o sumário e confirmar as presenças e ausências, anotando todas as ocorrências pertinentes e proceder à avaliação dos formandos; % O formador deverá apresentar-se no local onde decorrem as sessões formativas a tempo de verificar se estão reunidas as condições necessárias, designadamente em termos de equipamentos, materiais de apoio e pedagógicos; % Execução da avaliação qualitativa e quantitativa dos resultados da aprendizagem dos formandos, elaborando e aplicando os adequados instrumentos para o efeito; % Selecção, produção e disponibilização dos materiais pedagógicos de suporte à acção de formação, quando previsto O Formador fica obrigado a guardar sigilo sobre todos os dados obtidos durante o processo de formação no âmbito do projecto em curso, não transmitindo, nem fazendo uso das informações sobre Gestão e Procedimentos do Programa, bem como de informações e dados da AIP/DACE ou da Entidade Cliente, de que venha a tomar conhecimento por ocasião de realização das actividades contratadas É expressamente vedada a subcontratação pelo Formador ou entidade contratada a terceiras entidades salvo autorização prévia e escrita da AIP. Imp 09-36_B0_Rev.1 Pág. 11 de 14

12 13. Formandos 13.1 Formandos são os indivíduos que frequentam uma acção de Formação Profissional, durante determinado período de tempo, adquirem os conhecimentos, aptidões e atitudes requeridas para o exercício de uma profissão ou grupo de profissões Os formandos terão os seguintes direitos e deveres: % Receber a formação com qualidade e de acordo com os objectivos, programa metodologia e calendário estabelecidos para a respectiva acção de formação; % Ter acesso aos recursos didácticos e equipamento necessário à frequência da acção de formação; 13.3 O controle da assiduidade é registado em folha de presença específica de cada acção formativa referenciada a cada uma das sessões. O controlo das presenças é feito pelo formador Para efeito de confirmação de falta será considerada uma tolerância de 15 minutos Para que o formando tenha direito a certificado de frequência não poderá ultrapassar 20 % de faltas sob o número total de horas previstas no conjunto da acção formativa, não ultrapassando 50% do número de horas de cada um dos módulos, quando a formação estiver organizadas por módulos de formação São excepções ao ponto anterior as acções de Formação Pedagógica de Formadores (ver regulamento IEFP) e outros cursos com regulamentos próprios, em termos de assiduidade Só são aceites justificações por motivos de força maior, que sejam entregues ao formador no dia de regresso à acção de formação ou directamente ao Departamento de Formação. As justificações são registadas e averbadas no processo formativo. Imp 09-36_B0_Rev.1 Pág. 12 de 14

13 14. Procedimento relativo a queixas e reclamações Qualquer reclamação deverá ser formalizada por escrito, apresentando as razões do descontentamento e enviada no prazo até 48 horas após o fecho da acção, ao cuidado do Coordenador Pedagógico, que deverá informar superiormente a reclamação A AIP compromete-se a responder por escrito no prazo máximo de 15 dias úteis após a recepção da queixa ou reclamação sempre que o seu objecto seja da sua responsabilidade directa. Este prazo poderá ser prorrogado quando, fundamentadamente, a recolha de elementos o justifique. Compromete-se ainda a enviar para outro departamento da AIP e dar seguimento da reclamação ou queixa sempre que o seu objecto não seja da responsabilidade directa do Departamento de Formação. 15. Deveres e Responsabilidades do Departamento de Formação A AIP garante os serviços prestados aos seus clientes conforme as normas estabelecidas pela DGERT, abrangendo esta garantia a capacidade técnica e pedagógica dos seus consultores e/ou formadores A AIP responderá apenas pelos prejuízos directos causados ao formando em consequência da conduta dolosa das pessoas por si utilizadas na execução dos serviços de formação. Independentemente da causa e do montante dos prejuízos sofridos pelo formando a AIP não poderá ser obrigada a indemnizá-lo por valor superior à quantia paga pela formação. 16. Confidencialidade e Privacidade Os dados pessoais, tais como o nome do formando e /ou empresa, morada, data de nascimento, contactos, nº de contribuinte, B.I., recolhidos no registo de inscrição são considerados necessários para que o utilizador possa participar nos cursos de formação, e serão inseridos numa base de dados que permitirá a AIP processar os pagamentos e respectiva cobrança e emitir os certificados ou declarações de frequência. A informação prestada poderá Imp 09-36_B0_Rev.1 Pág. 13 de 14

14 ainda ser utilizada para o envio de informação de novos cursos e outros eventos que a AIP considere ser de interesse divulgar A AIP é responsável pelo tratamento dos dados pessoais contidos na base de dados. Os dados não serão comunicados a terceiros, excepto se tal resultar de ordem judicial. 17. Disposições Finais As dúvidas e casos omissos neste regulamento serão objecto de decisão por parte da Direcção da AIP, exceptuando-se os casos de natureza jurídico - legal que terão de ser submetidos a apreciação por parte de Gabinete Jurídico da AIP. Imp 09-36_B0_Rev.1 Pág. 14 de 14

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT Conteúdo Artigo 1º... 3 OBJECTIVO... 3 Artigo 2º... 3 CONCEITO DE ENCONTRO DE SABEDORIA... 3 Artigo 3º... 3 ÂMBITO

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO FORMANDO E-LEARNING PQ.11.01/B 2014/03/31 Página 1 de 9

REGULAMENTO INTERNO DO FORMANDO E-LEARNING PQ.11.01/B 2014/03/31 Página 1 de 9 Página 1 de 9 1. APRESENTAÇÃO da ENTIDADE FORMADORA Fundado em 1996, o começou por ensinar informática a crianças e jovens, como franchisado da FUTUREKIDS em Vila Nova de Gaia, dando aulas no seu Centro

Leia mais

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE FORMATIVA

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE FORMATIVA A CadSolid tem como missão contribuir para a modernização da indústria portuguesa, mediante o desenvolvimento e comercialização de produtos e serviços inovadores, personalizados e concebidos para satisfazer

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DA FORMAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJECTO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO DO REGULAMENTO DA FORMAÇÃO... 3 3. POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 4. FORMAS E MÉTODOS DE SELECÇÃO... 4 4.1. Selecção

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA FORMAÇÃO DA NHK, LDA ÍNDICE

REGULAMENTO INTERNO DA FORMAÇÃO DA NHK, LDA ÍNDICE REGULAMENTO INTERNO DA FORMAÇÃO DA NHK, LDA ÍNDICE CAPITULO 01- Requisitos de Acesso e Formas de Inscrição.... 02 CAPITULO 02 - Critérios e Métodos de Seleção dos Formandos e Novos Formadores...03 2.1

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19 REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA Pág.1/19 Índice DISPOSIÇÕES GERAIS 3 1. Localização 3 2. Âmbito 3 3. Política e Estratégia de Actuação 3 4. Inscrições

Leia mais

Regulamento de Formação da B-Training, Consulting

Regulamento de Formação da B-Training, Consulting Regulamento de Formação da B-Training, Consulting Desde já seja bem-vindo à B-Training, Consulting! Agradecemos a sua preferência e desejamos que o Curso corresponda às suas expectativas e que obtenha

Leia mais

Procedimento de Contratação. (artº 5º do CCP Contratação Excluída) Procedimento 5/2013

Procedimento de Contratação. (artº 5º do CCP Contratação Excluída) Procedimento 5/2013 Procedimento de Contratação (artº 5º do CCP Contratação Excluída) Procedimento 5/2013 Aquisição de Serviços de Consultores-formadores de Ligação e Especialistas para a execução do Projecto nº 084749/2012/831

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Artigo 2.º Definições De

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

Regulamento Geral da Formação

Regulamento Geral da Formação Regulamento Geral da Formação Índice 1.APRESENTAÇÃO... 4 1.1 OBJETIVO... 4 1.2. ÂMBITO... 4 1.3. APRESENTAÇÃO... 4 1.4. PÚBLICO-ALVO... 4 1.5. HORÁRIO ATENDIMENTO... 4 1.6. MODALIDADES DE FORMAÇÃO... 4

Leia mais

Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.)

Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) É atribuição do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) no sector da

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE

GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE 1/17 Índice 1. Introdução... 3 2. Formação... 4 2.1 Objectivos gerais do curso... 4 2.2. Conteúdos programáticos... 4 2.3. Equipa formativa...

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE TREINADORES NÍVEL I

REGULAMENTO DO CURSO DE TREINADORES NÍVEL I FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BASQUETEBOL ESCOLA NACIONAL DO BASQUETEBOL REGULAMENTO DO CURSO DE TREINADORES NÍVEL I O presente regulamento, aprovado pelo Conselho Nacional de Formação de Treinadores, rege a

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO A BOLSAS DE QUALIFICAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO ARTÍSTICA 2016. Preâmbulo

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO A BOLSAS DE QUALIFICAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO ARTÍSTICA 2016. Preâmbulo REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO A BOLSAS DE QUALIFICAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO ARTÍSTICA 2016 Preâmbulo O departamento de Acção Cultural da Fundação GDA, através do programa de Apoio a Bolsas de Qualificação

Leia mais

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior DESPACHO CONJUNTO Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior Considerando a Decisão da Comissão nº C (2004) 5735,

Leia mais

Licença Especial Ciclomotores. 14 15 anos

Licença Especial Ciclomotores. 14 15 anos Licença Especial Ciclomotores 14 15 anos Licença Especial 50c.c. Destina-se a jovens com 14 ou 15 anos Destina-se a jovens com 14 ou 15 anos já feitos, com aptidão física e mental, com frequência mínima

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA

CIRCULAR INFORMATIVA CIRCULAR INFORMATIVA Nº. 47 Data: 2013/12/04 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento de Formação Contínua. Para os devidos efeitos, informa-se a comunidade

Leia mais

CAPÍTULO I. Objectivos e Definição. Artigo 1º. Objectivos

CAPÍTULO I. Objectivos e Definição. Artigo 1º. Objectivos REGULAMENTO DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO INTEGRADO EM CONTABILIDADE LICENCIATURA EM GESTÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR CAPÍTULO I Objectivos e Definição Artigo 1º

Leia mais

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior Preâmbulo O desenvolvimento das sociedades democráticas exige cada vez mais políticas educativas que promovam uma efectiva

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR Entre O Primeiro Outorgante, A Administração Regional de Saúde de. IP, adiante

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA. Nota justificativa

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA. Nota justificativa REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA Nota justificativa A prossecução do interesse público municipal concretizado, designadamente através de políticas de desenvolvimento cultural,

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de dezembro, alterado pelos Decretos

Leia mais

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º.

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º. Legislação Portaria n.º 542/2007, de 30 de Abril Publicado no D.R., n.º 83, I Série, de 30 de Abril de 2007 SUMÁRIO: Aprova os Estatutos do Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P.. TEXTO: O Decreto-Lei

Leia mais

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ OLIMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ OLIMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ OLIMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto 1. O Presente Regulamento estabelece as condições

Leia mais

Direção Nacional Unidade Orgânica de Logística e Finanças Departamento de Logística. Caderno de Encargos

Direção Nacional Unidade Orgânica de Logística e Finanças Departamento de Logística. Caderno de Encargos Direção Nacional Unidade Orgânica de Logística e Finanças Departamento de Logística Caderno de Encargos Caderno de Encargos Cláusula 1.ª Objeto 1. O presente caderno de encargos compreende as cláusulas

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA FOR.CET Centro de Formação para Cursos de Especialização Tecnológica Regulamento de Funcionamento dos CET Capítulo I Acesso e Frequência Artigo 1º (Acesso e Frequência)

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 O Programa Estagiar, nas suas vertentes L, T e U, dirigido a recém-licenciados e mestres, recém-formados

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DENTÁRIA CONCURSO PÚBLICO N.º 3.09 CADERNO DE ENCARGOS

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DENTÁRIA CONCURSO PÚBLICO N.º 3.09 CADERNO DE ENCARGOS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DENTÁRIA CONCURSO PÚBLICO N.º 3.09 CADERNO DE ENCARGOS (Conforme art.42º do Decreto Leinº18/2008 de 29 de Janeiro de 2008) Cláusula 1.ª Objecto 1. O presente

Leia mais

CÓDIGOS REGIME JURÍDICO DO CONTRATO DE LOCAÇÃO FINANCEIRA TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO

CÓDIGOS REGIME JURÍDICO DO CONTRATO DE LOCAÇÃO FINANCEIRA TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO CÓDIGOS REGIME JURÍDICO DO CONTRATO DE LOCAÇÃO FINANCEIRA TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A selecção dos textos legislativos disponibilizados no sitio Home Page Jurídica (www.euricosantos.pt)

Leia mais

REGULAMENTO CURSO DE TREINADORES Grau I Porto/Coimbra/Lisboa

REGULAMENTO CURSO DE TREINADORES Grau I Porto/Coimbra/Lisboa REGULAMENTO CURSO DE TREINADORES Grau I Porto/Coimbra/Lisboa O presente regulamento, aprovado pelo, rege a organização dos Cursos de Treinadores de Grau I e do curso em epígrafe (Porto/Coimbra/Lisboa)

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA Março de 2015 4ª Edição Índice 1 O DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO... 3 1.1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA... 3 1.2. ESTRUTURA... 3 2 CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA

Leia mais

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com Prime Soluções Empresariais SEDE: Rua de Entrecampos, 28, 1749-076 Lisboa Nº de Pessoa Colectiva 502 M 757 - N' de Matricula 08537 C.R.C.L Capital Social de EUR.; 30 000 000. I/ -I- CONTRATO DE PRESTAÇÃO

Leia mais

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 11/10 - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna pública que, por deliberação deste órgão autárquico na

Leia mais

DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM TAT

DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM TAT Instituto Nacional de Emergência Médica, I.P. DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM TAT Maio de 2012 Departamento de Formação em Emergência Médica Rua Almirante Barroso, n.º 36, 4º Piso 1000-013 Lisboa

Leia mais

Regulamento Geral de Funcionamento da Formação IT 015-3 1. POLITICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 2. ÂMBITO DAS INTERVENÇÕES FORMATIVAS...

Regulamento Geral de Funcionamento da Formação IT 015-3 1. POLITICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 2. ÂMBITO DAS INTERVENÇÕES FORMATIVAS... ÍNDICE 1. POLITICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 2. ÂMBITO DAS INTERVENÇÕES FORMATIVAS... 3 3. FORMAS E MÉTODOS DE INSCRIÇÃO E SELECÇÃO... 3 4. FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO... 5 5. DEVERES E DIREITOS DOS

Leia mais

Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC" Programa Operacional Sociedade do Conhecimento

Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC Programa Operacional Sociedade do Conhecimento Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC" Programa Operacional Sociedade do Conhecimento PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor

Leia mais

ACADEMIA PIONEIROS Férias

ACADEMIA PIONEIROS Férias sempre a mexer (regime OCUPAÇÃO ABERTA) Regulamento Interno Férias 2013 Art.º 1 - Informações Gerais 1. As Férias Academia decorrem nas instalações da Academia Pioneiros e seus parceiros, em regime fechado;

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade desportiva no concelho

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho O n.º 1 do artigo 117.º do Código da Estrada, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 114/94, de 3 de Maio, na última redacção que lhe foi

Leia mais

Regulamento Interno Academia Pioneiros

Regulamento Interno Academia Pioneiros Regulamento Interno Academia Pioneiros Art.º 1 - Informações Gerais 1. A Academia Pioneiros decorre nas suas próprias instalações, em regime fechado; 2. Cabe à Direção dos Pioneiros de Bragança Futsal

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE. CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho)

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE. CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho) ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho) Âmbito e Definição Artigo 1º 1. O presente documento regula

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Artigo 9.º Artigo 9.º Desemprego involuntário Desemprego involuntário 1 - O desemprego considera-se involuntário sempre que a cessação do

Leia mais

FORMAÇÃO - LEIRILIS. Calendário e Programas

FORMAÇÃO - LEIRILIS. Calendário e Programas FORMAÇÃO - LEIRILIS Calendário e Programas O Plano de Formação da Leirilis e os cursos que integram o programa, garantem à oficina os conhecimentos técnicos e práticos necessários para dominar o diagnóstico

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito de aplicação do regulamento O presente regulamento estabelece as condições de acesso e as regras gerais de atribuição de co-financiamento comunitário do Fundo

Leia mais

Rua de Belos Ares, nº 160 4100-108 Porto T: 22 600 5219 F: 22 600 9621 e.mail: igap@igap.pt

Rua de Belos Ares, nº 160 4100-108 Porto T: 22 600 5219 F: 22 600 9621 e.mail: igap@igap.pt REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO Disponível em www.igap.pt Rua de Belos Ares, nº 160 4100-108 Porto T: 22 600 5219 F: 22 600 9621 e.mail: igap@igap.pt Í N D I C E Capítulo Pág. I Política e Estratégia

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11 MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11 PREÂMBULO Compete ao município promover acções de interesse municipal, de âmbito cultural, social, recreativo e outros, e exercer um papel dinamizador junto

Leia mais

DESPACHO. N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente

DESPACHO. N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente DESPACHO N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente ASSUNTO: Regulamento de Cursos de Especialização Tecnológica da ESTeSL. No âmbito da sua missão e objectivos

Leia mais

Município do Funchal

Município do Funchal Concurso público para a aquisição de 1485 sinais de trânsito retroreflectorizados e 40 cones como dispositivos complementares para o Município do Funchal. CADERNO DE ENCARGOS - 1 - CADERNO DE ENCARGOS

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE QUALIFICAÇÃO

REGULAMENTO INTERNO DE QUALIFICAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DE QUALIFICAÇÃO Preâmbulo A qualificação dos farmacêuticos é um requisito fundamental para a sua adequada intervenção no Sistema de Saúde. A maximização da qualidade desta intervenção

Leia mais

Regulamento de funcionamento da Formação

Regulamento de funcionamento da Formação 1 Regulamento de funcionamento da Formação O presente Regulamento define as regras aplicáveis ao desenvolvimento da actividade formativa. FITI - Federação das Instituições de Terceira Idade 4ª Versão Outubro

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS. Nota justificativa

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS. Nota justificativa PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS Nota justificativa A prossecução do interesse público municipal nas áreas da cultura, da acção social, das actividades

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO Índice 1. Âmbito de Aplicação 2. Competência Organizativa 3. Política e Estratégia da Entidade 4. Responsabilidades

Leia mais

CIRCULAR. N.Refª: 98/2015 Data: 02/12/15. ASSUNTO: ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 2/2015 Projetos de Formação-Ação Modalidade Projetos Conjuntos

CIRCULAR. N.Refª: 98/2015 Data: 02/12/15. ASSUNTO: ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 2/2015 Projetos de Formação-Ação Modalidade Projetos Conjuntos CIRCULAR N.Refª: 98/2015 Data: 02/12/15 ASSUNTO: ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 2/2015 Projetos de Formação-Ação Modalidade Projetos Conjuntos Exmos. Senhores, No seguimento da publicação do Aviso 34/SI/2015 e

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I Princípios Gerais. Artigo Primeiro Objecto

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I Princípios Gerais. Artigo Primeiro Objecto REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Princípios Gerais Artigo Primeiro Objecto O presente Regulamento define o regime de funcionamento interno do Centro de Formação Ciência Viva reconhecido pelo Ministério da

Leia mais

!!!!!!!! Escola!Profissional!Amar!Terra!Verde!!!!! REGULAMENTO!DA!FORMAÇÃO!PROFISSIONAL!!!!!!!!

!!!!!!!! Escola!Profissional!Amar!Terra!Verde!!!!! REGULAMENTO!DA!FORMAÇÃO!PROFISSIONAL!!!!!!!! EscolaProfissionalAmarTerraVerde REGULAMENTODAFORMAÇÃOPROFISSIONAL ÍNDICE 1. Âmbito... 4 2. PolíticaeEstratégiadaEntidade... 4 3. EstruturadosCursosdeFormaçãoProfissional... 7 3.1.FormaçãoSócioOCultural(BASE)...7

Leia mais

REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci

REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci Tendo a Coordenação em colaboração com o DGA RI, elaborado e submetido uma candidatura ao Programa Leonardo da Vinci, foi esta aprovada pela Agência

Leia mais

8500-(38) Diário da República, 1. a série N. o 242 19 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

8500-(38) Diário da República, 1. a série N. o 242 19 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA 8500-(38) Diário da República, 1. a série N. o 242 19 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Portaria n. o 1416-A/2006 de 19 de Dezembro O Decreto-Lei n. o 76-A/2006, de 29 de Março, aprovou um vasto

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira FORMULÁRIO DE CANDIDATURA PROGRAMA DE APOIO ÀS PESSOAS COLECTIVAS

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA - Formação Interempresa (formação externa) -

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA - Formação Interempresa (formação externa) - REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA - Formação Interempresa (formação externa) - CAPÍTULO I ENQUADRAMENTO 1. O presente Regulamento é aplicável às Acções de Formação promovidas pela SIPRP

Leia mais

REGULAMENTO. Preâmbulo

REGULAMENTO. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo O espírito de iniciativa, a criatividade, a capacidade de detectar e aproveitar oportunidades, de assumir o risco e formar decisões, constituem premissas essenciais para o sucesso

Leia mais

ACORDO DE PRÉ-ADESÃO Candidatura Sistema de Incentivos COMPETE 2020 Projetos Conjuntos - Formação-ação (aviso 07/SI/2016)

ACORDO DE PRÉ-ADESÃO Candidatura Sistema de Incentivos COMPETE 2020 Projetos Conjuntos - Formação-ação (aviso 07/SI/2016) ACORDO DE PRÉ-ADESÃO Candidatura Sistema de Incentivos COMPETE 2020 Projetos Conjuntos - Formação-ação (aviso 07/SI/2016) O presente acordo define os termos de manifestação de interesse das empresas na

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO NORMA JUSTIFICATIVA

PROJETO DE REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO NORMA JUSTIFICATIVA PROJETO DE REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO NORMA JUSTIFICATIVA O Pavilhão Gimnodesportivo Municipal, constituído pelo recinto de jogos principal, ginásio e sala de musculação, é propriedade da

Leia mais

Tipologia de Intervenção Formação Acção para PME Programa de Candidatura

Tipologia de Intervenção Formação Acção para PME Programa de Candidatura Tipologia de Intervenção Formação Acção para PME Programa de Candidatura 1. Enquadramento legal do Projecto Dinamizar Considerando o contrato de delegação de competências da Comissão Directiva do POPH

Leia mais

Atelier de Saúde REGULAMENTO INTERNO

Atelier de Saúde REGULAMENTO INTERNO Serviços de Saúde e Bem-estar Atelier de Saúde REGULAMENTO INTERNO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO EUZINHO ATELIER DE SAÚDE ARTIGO 1º Denominação e Natureza 1. O EUzinho Atelier de Saúde é um programa

Leia mais

Portaria 560/2004, de 26 de Maio

Portaria 560/2004, de 26 de Maio Portaria 560/2004, de 26 de Maio Aprova o Regulamento Específico da Medida «Apoio à Internacionalização da Economia A Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 17 de Junho, publicada em 26 de

Leia mais

Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A.

Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Novembro de 2011 CÓDIGO DE CONDUTA DE PROMOTORES O objectivo deste documento é o de fixar um código de conduta e um

Leia mais

FICHA DE CURSO DESIGNAÇÃO. DURAÇÃO 128 Horas + 3 horas de exame. ÁREA TEMÁTICA DA FORMAÇÃO 862 Segurança e Higiene no Trabalho

FICHA DE CURSO DESIGNAÇÃO. DURAÇÃO 128 Horas + 3 horas de exame. ÁREA TEMÁTICA DA FORMAÇÃO 862 Segurança e Higiene no Trabalho FICHA DE CURSO Neste documento poderá encontrar as principais informações sobre o curso pretendido, nomeadamente a duração, área temática, destinatários, objetivo geral e objetivos específicos, estrutura

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA O principal objectivo deste Regulamento é salvaguardar o interesse comum de todos os utentes e permitir que a Biblioteca execute as suas funções de forma eficiente e eficaz. Desta

Leia mais

Regime jurídico do contrato de locação financeira

Regime jurídico do contrato de locação financeira Regime jurídico do contrato de locação financeira www.odireitodigital.com REGIME JURÍDICO DO CONTRATO DE LOCAÇÃO FINANCEIRA Decreto-Lei n.º 149/95 de 24 de Junho. - Altera o regime jurídico do contrato

Leia mais

Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres)

Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres) Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres) Regulamento A. T. L. Capítulo I Âmbito de Aplicação e Objectivos Art.º 1º 1- O presente regulamento visa definir

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 964/2009 de 25 de Agosto

Versão Consolidada. Portaria n.º 964/2009 de 25 de Agosto Portaria n.º 964/2009 de 25 de Agosto O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER),

Leia mais

Ministérios das Finanças e da Economia. Portaria n.º 37/2002 de 10 de Janeiro

Ministérios das Finanças e da Economia. Portaria n.º 37/2002 de 10 de Janeiro Ministérios das Finanças e da Economia Portaria n.º 37/2002 de 10 de Janeiro O Decreto-Lei n.º 70-B/2000, de 5 de Maio, aprovou o enquadramento das medidas de política económica para o desenvolvimento

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Nº4724/2005 Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000,

Leia mais

EXECUÇÃO DE TRABALHOS DE DEMOLIÇÃO, ESCAVAÇÃO E CONTENÇÃO PERIFÉRICA

EXECUÇÃO DE TRABALHOS DE DEMOLIÇÃO, ESCAVAÇÃO E CONTENÇÃO PERIFÉRICA Registo nº. Exmº. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Cascais Data: / / O Funcionário EXECUÇÃO DE TRABALHOS DE DEMOLIÇÃO, ESCAVAÇÃO E CONTENÇÃO PERIFÉRICA IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE (Preencher com letra

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto e âmbito O presente regulamento

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Objecto

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Objecto CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece as condições de acesso das operações a apoiar no âmbito da Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos, para:

Leia mais

TERMO DE ACEITAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO

TERMO DE ACEITAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO Entidade Beneficiária Principal: Acrónimo e Designação do Projecto: Referência PAD 2003-2006: Considerando que, por despacho do Ministro Adjunto do Primeiro-Ministro, foi aprovada

Leia mais

Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I

Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL CAPÍTULO I GRAU DE MESTRE Artigo 1.º Criação A ESAP Guimarães confere o grau de Mestre em Animação Digital. O ciclo de estudos

Leia mais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais A Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro, revê o Código do Trabalho, mas mantém em vigor disposições assinaladas do anterior Código do Trabalho de 2003, e da sua regulamentação, até que seja publicado diploma

Leia mais

REGULAMENTO DA BOLSA DE AUDITORES

REGULAMENTO DA BOLSA DE AUDITORES Preâmbulo Tendo por objecto a salvaguarda da qualidade das auditorias executadas sobre actividades ou exercício farmacêuticos, a Ordem dos Farmacêuticos veio criar o presente regulamento da Bolsa de Auditores.

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Formação

Regulamento do Núcleo de Formação Regulamento do Núcleo de Formação 2013 1.Nota Introdutória Qualquer processo de formação com qualidade exige medidas e instrumentos de normalização e controlo, que permitam garantir desempenhos de excelência

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL

REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL O Centro Social Paroquial de São João das Lampas, adiante também designado por Centro Social ou simplesmente Centro, é uma Instituição

Leia mais

Programa Incentivo. Normas de execução financeira. 1. Âmbito do financiamento

Programa Incentivo. Normas de execução financeira. 1. Âmbito do financiamento Programa Incentivo Normas de execução financeira 1. Âmbito do financiamento As verbas atribuídas destinam-se a financiar o funcionamento da instituição de investigação científica e desenvolvimento tecnológico,

Leia mais

Junta de Freguesia de Ançã

Junta de Freguesia de Ançã REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE SUBSÍDIOS ÀS ACTIVIDADES DAS ASSOCIAÇÕES DESPORTIVAS, RECREATIVAS E CULTURAIS DA FREGUESIA DE ANÇÃ A importância do associativismo para o desenvolvimento harmonioso da freguesia

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Escola Nacional de Saúde Pública REGULAMENTO E PLANO DE ESTUDOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Escola Nacional de Saúde Pública REGULAMENTO E PLANO DE ESTUDOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO E PLANO DE ESTUDOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA JULHO DE 2015 ÍNDICE CHAVE DE SIGLAS 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESTINATÁRIOS... 4 3. FINALIDADE... 4 4. OBJECTIVOS GERAIS... 4 5. PLANO

Leia mais

Notas: I - A presente portaria encontra-se atualizada de acordo com os seguintes diplomas:

Notas: I - A presente portaria encontra-se atualizada de acordo com os seguintes diplomas: (Não dispensa a consulta do Diário da República) Notas: I - A presente portaria encontra-se atualizada de acordo com os seguintes diplomas: - Portaria nº 562/2007, de 30 de abril; - Portaria nº 1256/2009,

Leia mais

Regulamento. Projeto Gouveia StartUp

Regulamento. Projeto Gouveia StartUp Regulamento Projeto Gouveia StartUp Projeto Gouveia StartUp Índice Preâmbulo 2 Capitulo I - Disposições Gerais 3 Leis Habilitantes 3 Âmbito Geográfico 3 Objeto 3 Candidatos 3 Capítulo II Gestão e Condições

Leia mais

EIXO 1 Adaptabilidade e Aprendizagem ao Longo da Vida NOTA TÉCNICA

EIXO 1 Adaptabilidade e Aprendizagem ao Longo da Vida NOTA TÉCNICA EIXO 1 Adaptabilidade e Aprendizagem ao Longo da Vida NOTA TÉCNICA NATUREZA E LIMITES MÁXIMOS DOS CUSTOS ELEGÍVEIS (Decreto - Regulamentar 84-A/2007, Despachos Conjuntos das Secretarias Regionais da Educação

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E-LEARNING

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E-LEARNING REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E-LEARNING AMETSIS CONSULTORES, UNIPESSOAL LDA Elaborado: Aprovado: Pg. 1 de 9 ÍNDICE 1.ENQUADRAMENTO... 3 2.UTILIZAÇÃO ÚNICA E INDIVIDUAL... 3 3.PUBLICITAÇÃO DOS CURSOS... 3 4.INSCRIÇÕES...

Leia mais

Prestação de Serviços Capítulo I. Disposições Gerais. Cláusula 1ª (Objecto)

Prestação de Serviços Capítulo I. Disposições Gerais. Cláusula 1ª (Objecto) Prestação de Serviços Capítulo I Disposições Gerais Cláusula 1ª (Objecto) O presente Caderno de Encargos compreende as cláusulas que têm por objecto principal a Prestação de Serviços de Fiscal Único. Cláusula

Leia mais

Regulamento Interno do Voluntariado. Aprovado em 20 de Maio de 2002

Regulamento Interno do Voluntariado. Aprovado em 20 de Maio de 2002 Aprovado em 20 de Maio de 2002 www.faad.online.pt 1/1 CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E DEFINIÇÃO ARTIGO 1º 1. A Fundação de Aurélio Amaro Diniz é uma Instituição Particular de Solidariedade Social registada

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 26/2007/A de 19 de Novembro de 2007 Regulamenta o Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento da Qualidade e Inovação O Decreto Legislativo Regional

Leia mais