O Empowerment é uma afirmação de Liderança no sentido da responsabilização e da confiança recíprocas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Empowerment é uma afirmação de Liderança no sentido da responsabilização e da confiança recíprocas"

Transcrição

1 Junho 2009 ENTREVISTA O Empowerment é uma afirmação de Liderança no sentido da responsabilização e da confiança recíprocas O percurso profissional de Pedro Costa, em particular a responsabilidade assumida e a actividade desenvolvida na Faurecia onde teve a oportunidade de desenvolver e implementar empowerment, fazem dele perito nesta área. Nesta entrevista, ele partilha um pouco dos seus conhecimentos e experiência dando-nos a conhecer as vantagens deste tipo de solução de gestão. Indeve: Qual a sua opinião do Empowerment como metodologia organizacional? Pedro Costa: O Empowerment é, acima de tudo, uma filosofia organizacional que pode ser implementada em estruturas hierárquicas ou matriciais. Tem, como principal vantagem, o facto de alinhar a organização para a consecussão dos objectivos organizacionais e individuais dos membros da equipa e de melhorar o tempo de reacção no caso de desvios ao plano traçado. Obviamente, tudo isto pressupõe um conjunto de indicadores definidos a cada nível da organização que possa ser influenciados pelos membros que o utilizam. Indeve: Defende que este processo deve cingir-se à produção propriamente dita (directos) ou deve implementar-se em toda a organização? Pedro Costa: Claramente a toda a organização e em todos os sectores de actividade. Tudo depende da forma como são definidos os objectivos e os indicadores a seguir. Indeve: E deve seguir um método de execução, em termos hierárquicos, descendente (top-down) ou ascendente (bottom-top)? Pedro Costa: O método de execução é, simultaneamente, top-down e bottom-up querendo isto dizer que, no início do processo, tem de haver uma clara afirmação da Direcção definindo esta filosofia como aquela que a organização adoptará e fazendo com que a equipa comece a definir a sua organização, níveis de responsabilização e indicadores a utilizar. O próprio processo de definição do sistema é parte integrante do processo de Empowerment. Indeve: Enquanto Director de Fábrica de unidades de dois importantes players da indústria automóvel nacional e internacional, esteve envolvido num processo de implementação de Empowerment. O que levou o grupo a avançar com esta decisão em todas as suas fábricas no mundo? Pedro Costa: Na base da decisão estiveram três constatações: a) Os membros da equipa mais perto das questões têm um conhecimento empírico dos processos e das suas variáveis que, quando enquadrado com as ferramentas necessárias, se adapta melhor à resolução dos desvios operacionais; b) A velocidade de reacção a um desvio ao plano e à normalidade é a chave de sucesso para o normal desenvolvimento das operações e minimização de situações de fire-fighting; c) A cultura de empresa baseia-se num sistema de valores facilmente reconhecido e apropriado pelos membros da equipa, coerente com os objectivos a atingir, construído por todos. A influência na motivação é grande. EDITORIAL Há já algum tempo que vem germinando a ideia da criação de uma newsletter Indeve. Chegou, finalmente, o momento de apresentar aos nossos clientes e amigos o resultado deste processo. Com esta publicação pretende-se levar à comunidade Indeve temas, assuntos actuais e importantes que possam contribuir para o sucesso e competitvidade das organizações. Neste número inaugural levamos até vós o tema do Empowerment (ou como se tem ouvido recentemente nos mass media "empoderamento", neologismo ou tradução à letra do que pretende ser "ceder poder aos colaboradores"). Técnica de gestão que promove a melhoria do ambiente de trabalho, desenvolvendo as capacidades e competências dos recursos humanos, potenciando a inovação e a criatividade, o "empowerment" implica o (re)pensar da organização. Através da entrevista a Pedro Costa temos o testemunho da experiência de alguém que já implementou este modelo de gestão e que já beneficiou das suas características. Também neste número inaugural da newsletter Indeve, o leitor encontrará um artigo da autoria de Paulo Mesquita onde se faz uma breve resenha histórica deste modelo de gestão bem como o elencar dos principais benefícios para as organizações que o decidem adoptar. O artigo de Anabela Mesquita alerta-nos para a importância do desenvolvimento de competências relacionadas com a criatividade e inovação como forma de preparar os cidadãos para os desafios da sociedade do conhecimento e, em particular, para a responsabilidade do empowerment. O Nuno Florêncio traz-nos uma reflexão pessoal sobre a importância do empowerment destacando o papel da gestão e dos recursos humanos no processo da sua implementação. Em jeito de conclusão, gostaríamos de convidar os leitores e amigos a darem-nos o seu feedback sobre esta nossa nova forma de vos contactar bem como sobre o seu conteúdo, além de sugestões de temas que gostariam de ver abordados nas próximas edições que se pretende que sejam trimestrais. Até lá, desejo-vos boas leituras e sucessos. Artur Mascarenhas

2 Junho /6 Indeve: Quais os ganhos e vantagens que o Empowerment trouxe à organização? Pedro Costa: As organizações tornam-se mais escorreitas no sentido de haver menos níveis hierárquicos necessários, o tempo de reacção diminui consideravelmente e os objectivos tornam-se mais facilmente realizáveis porque as ferramentas de gestão estão ao alcance daqueles que directamente os influenciam. Indeve: Que resultados obtiveram? Foram quantificados? Atingiram os objectivos previamente fixados? E em comparação com as outras fábricas do grupo a nível mundial? Pedro Costa: Sem entrar no pormenor dos números posso dizer que, na sua grande maioria, os objectivos definidos nos orçamentos executados foram atingidos e, em alguns casos, mesmo ultrapassados. No contexto das organizações em que estávamos integrados tornámo-nos, em alguns aspectos, o modelo para best practices. Indeve: Existem vários autores e especialistas que advogam que a verdadeira vantagem competitiva neste início de século será a do Capital Humano pois é a mais difícil de conseguir ou copiar. Por outras palavras, quem possuir equipas de alto desempenho, extremamente motivadas, bem qualificadas e com elevada autonomia estará melhor posicionado para competir no mercado. Concorda com esta afirmação? Pedro Costa: Absolutamente. No entanto, para manter essa vantagem competitiva a organização e, sobretudo a equipa de gestão, terá de se manter sempre atenta às necessidades que os mercados impôem e fazer os ajustes necessários. Essa permanente análise permitirá aos DRH pôr à disposição da organização as qualificações necessárias para manter equipas de alto desempenho. Indeve: Por vezes a implementação de novas ferramentas e metodologias de gestão em empresas que não tiveram nenhum processo prévio de Empowerment, falham ou não atingem os resultados pretendidos na sua totalidade. Como explica isto? Será o Empowerment a "base da pirâmide"? Pedro Costa: Pessoalmente penso que qualquer ferramenta ou metodologia de gestão que se queira implementar nunca atingirá a plenitude do seu potencial quando no seu processo de implementação se alienam as pessoas e o seu conhecimento. Muito do sucesso depende da compreensão e consequente apropriação daquilo que é implementado. Essa apropriação é a base da pirâmide do Empowerment. Indeve: Aconselha a implementação do Empowerment, como modelo/sistema organizacional, ao tecido empresarial português? Pedro Costa: Acredito que as organizações de liderança autoritária são apenas aplicáveis a algumas actividades. Uma organização que tenha implementado Empowerment, tem, em minha opinião, dois comportamentos básicos: primeiro, as decisões são solidárias; segundo, não se procura o responsável de efeitos contrários aos pretendidos, mas sim a razão pela qual eles apareceram para que não se repitam. A verdeira Liderança começa pelos comportamentos exemplares para todos. O Empowerment é uma afirmação de Liderança no sentido da responsabilização e da confiança recíprocas. Num mundo em que o Capital Humano é fundamental existirá outra opção? Indeve: Que recomendações deixa a quem vai estar envolvido num processo de Empowerment? Pedro Costa: Espírito aberto, escuta activa, participação séria e honesta e muito envolvimento. Por vezes comparo as organizações "empowered" com os filhos, vão sempre crescendo, mas para evitar que saiam da nossa visão das coisas é preciso estar atento ao que se passa, manter os canais de comunicação abertos e ter o bom senso de, por vezes, dar um passo atrás para dar dois ou três para a frente. Equipas de Alto Desempenho Saiba mais em

3 Junho /6 DESTAQUE A Função dos Recursos Humanos e o Empowerment dos colaboradores Paulo Mesquita A palavra Empowerment tornou-se amplamente divulgada nos recentes anos. São já vários os especialistas que abordam o tema e o reclamam para o domínio das funções estratégicas de desenvolvimento dos colaboradores. Embora o tópico seja moderno ele possui raízes aplicacionais bem profundas, desde a fundação do Just- In-Time (JIT), posteriormente, nos anos 90, como Lean, até ao famoso Balanced Scorecard de Kaplan e Norton. Os princípios Lean contrastam com os princípios do modelo de produção em série de Henry Ford. Uma equipa de investigadores do MIT chegou mesmo a considerar o modelo JIT/Lean como a arma secreta do Japão. Ironia do destino, toda a base do sistema produtivo Japonês, completamente destruído após a segunda grande guerra, foi, com o patrocínio do general MacArthur, assistida por Edwards Deming o pai do Satistical Quality Control, destacado das hostes americanas, sem grande sucesso, para o Japão. Contrariamente ao tecido empresarial americano, os japoneses acolheram Deming com grande respeito e seriedade em todos os seus ensinamentos. Quatro anos foi o tempo que os Japoneses demoraram para iniciar a conquista de liderança do mercado. Em 1970 os americanos perdiam mais de 50% de quota de mercado e nos anos 70 reclamavamno como um "jogo" injusto. A diferença residia nos métodos de produção e nas motivações individuais. Por um lado o JIT/Lean (não descurando todo o desenvolvimento do Total Quality Management - TQM) versus o modelo de produção em massa e, por outro, o empowerment, raiz do processo de liderança, motivação e empreendedorismo da cultura japonesa, sendo um dos seus grandes embaixadores a Toyota, reconhecida pela sua cultura corporativa em Empowerment. Nos dias de hoje, metodologias como o Balanced Scorecard também possuem raízes no empowerment e, sem ele, arriscam-se a não passar de um modelo de medição da performance baseado em quatro perspectivas, não muito diferente dos Tableaux de Bord. O processo é bem descrito no primeiro livro de Kaplan e Norton, "The Balanced Scorecard", como a seguir se descreve (pág 136): "Motivação, Empowerment e Alinhamento - Mesmo os empregados mais competentes, dotados de um soberbo acesso à informação, não contribuirão para o sucesso da organização se não estiverem motivados para agir no melhor interesse da organização ou se não lhes for dada a liberdade para tomarem decisões e empreenderem acções ". Kaplan e Norton sabem a importância estratégica de possuírem os empregados alinhados com a estratégia da empresa, daí o mote "Strategy-Focus-Organization" e a importância que o empowerment possui no processo de desenho, implementação e perenidade de uma nova organização de excelência. Jack Welch, anterior CEO da GE e igualmente famoso pela sua persistência na implementação do modelo 6 Sigma, várias vezes se debateu com o mesmo assunto, o Empowerment. Acreditava que o desenvolvimento de um espaço colaborativo, em que todas as opiniões contavam, e a liberdade dos seus colaboradores, seria a melhor forma de obter o benefício deles face à melhoria da performance da organização. Jack Welch, aliou pois as duas metodologias, o 6 Sigma e o Empowerment. De uma forma mais radical pode ser citada a metodologia Beyond Budgeting. Sem entrar em detalhes, a teoria afirma que se deve passar de uma fase de comando e controlo (dos Management Control Systems - MCS) para uma fase de empowerment, sem os Orçamentos (Budegts). Algo ainda difícil de conceber mas, sem dúvida um objectivo, realístico, a ter em mente. Realistico? Sim! O Banco Svenska Handelbanken é considerado como um dos bancos mais rentáveis na Europa, ganhando sistematicamente aos seus concorrentes directos, como demonstrado pelos seus indicadores e, no entanto, não possui orçamentos desde Entre uma série de elementos que podem ser mencionados para tal sucesso incorre um com destaque, o Empowerment, na sua forma mais tradicional. Nos dias de hoje, são várias as motivações para que os profissionais dos Recursos Humanos enveredem por uma política de Empowerment. Destacam-se: a necessidade de reduzir quadros superiores, através de uma organização mais horizontal (o que não será o caso, em Portugal, para as nossas PME); criar vantagens competitivas, dificilmente imitáveis pela concorrência (caso do Japão

4 Junho /6 A Função dos Recursos Humanos e o Empowerment dos colaboradores (continuação) ou do banco Svenska Handelbanken) e capacitação do poder criativo e inovador da organização (muito adoptado pela GE, Ericsson, IKEA, ) Os profissionais dos Recursos Humanos, embora isentos da responsabilidade pelas capacidades produtivas de produtos ou serviços, estão implícitos na determinação das responsabilidades das causas de falta de produtividade, incumprimento de prazos ou fraca qualidade. Na sua missão estratégica e como elementos fulcrais para o entendimento das motivações individuais de cada um dos colaboradores, compete-lhes a enorme missão de tornar a empresa mais competitiva. Se na década de 90 o futuro, em termos competitivos diferenciadores, dependeu da implementação de sistemas de qualidade ISO e sistemas informáticos, dotados das mais poderosas bases de dados, então existentes, hoje, o futuro das organizações depende do desenvolvimento individual de cada colaborador, das suas capacidades e competências e da liberdade, ou autonomia condicionada, que possui para poder mudar a organização para excelente. Existe uma diferença significativa entre performance measurement e performance management. Num sistema ISO e com um ERP, podemos medir quase tudo. Se não for suficiente, podemos ainda adicionar um Business Inteligence (BI). Mesmo assim ainda faltarão elementos críticos de medição, no entanto, nada disso importa se a atitude de gerir, daí a performance management, não for o objecto pretendido. Como citado anteriormente, a implementação destes sistemas (ISO, ERP, BI, CRM, etc ) não significa que a organização vá ficar mais competitiva, pois a concorrência seguramente também já implementou os mesmos sistemas, mas, ao invés, é necessário decidir, rapidamente, o que necessita de ser mudado, gerir, com autonomia, no horizonte de cada colaborador, providenciado com a informação que lhe compete, frente a um cliente ou como responsável de um qualquer processo produtivo. Os Recursos Humanos das organizações desempenham um papel crucial em todo o processo e são eles os elementos motores destes já testados desenvolvimentos das organizações para o Empowerment, assegurando a sua implementação, de acordo com as necessidades dos colaboradores e gestores. Serão eles os elementos de destaque da competitividade e criatividade inovadora das organizações durante todo este novo século. O Empowerment caracteriza-se como um programa de mudança da cultura da organização, que requer tempo e recursos. Não possui especificidades sectoriais de aplicação, uma vez que é universal e fundamenta-se na criação de vantagens competitivas diferenciadoras para a organização. Identifica-se como uma estratégia para obter uma cultura organizacional de colaboradores de elevada performance. O Empowerment demonstrou ser um indutor de melhoria global da performance e da satisfação e motivação dos colaboradores. Uma organização modelizada no empowerment confere aos seus colaboradores uma sensação de apropriação e liderança das suas tarefas de trabalho e a percepção que podem gerir e controlar os seus destinos. O Empowerment também aumenta a eficiência dos níveis hierárquicos superiores para as tarefas de índole mais estratégico, por outras palavras, induz os executivos para a pró-actividade, em detrimento da reactividade do quotidiano, essa sim delegada, com confiança, para os colaboradores que diariamente lidam com as questões operacionais ou de produção/serviços ou de atendimento aos clientes. Assim sendo, o Empowerment pode definir-se como um processo de desenvolvimento individual dos colaboradores para uma gestão responsável e autónoma dos recursos e tarefas adstritas às suas fronteiras de actuação, com vista à melhoria pró-activa da performance no seu espaço de organização. Existem várias metodologias para determinar se uma organização deve, ou não, modelizar-se para o empowerment. A mais pertinente, começa com uma simples questão de descoberta das funções dos colaboradores, à pergunta "porque faz essa tarefa?" e se se ouvir um simples "não sei..." agravado por "eles é que sabem ", em alusão aos chefes, então a oportunidade de desenvolvimento da organização e dos seus colaboradores é enorme. Este facto é a "causa", e seguramente o "efeito" observa-se no sentimento de desorganização geral da empresa, no suspirar desesperado dos gestores de topo que dizem "já fiz tudo " e na falta de tempo para a gestão das questões importantes, circunscrevendose todas as actividades da gestão para o reactivo ou para as urgências operacionais, dito o vulgo "apagar fogos". Num mundo cada vez mais global, aos profissionais de recursos humanos compete a definição dos principais caminhos estratégicos a percorrer pela organização. Os factores chave de sucesso residem no desenvolvimento das competências dos colaboradores, de técnicos especialistas a gestores-técnicos competentes do seu espaço de trabalho, contrastando com as organizações tayloristas onde impera a burocracia e a criatividade é sufocada pela própria estrutura da organização, onde os colaboradores se sentem alienados e desmotivados. Globalização é a matriz de um novo mundo, bem diferente do da década de 90. A competição é intensa em praticamente todos os sectores industriais e serviços. O Rácio de mudança é tão elevado que as formulações estratégicas de hoje (2009) são absolutamente diferentes das pré-concebidas em O processo de Comando e Controlo, nunca deixará de existir mas é reactivo e, nos dias de hoje, isso é passado. As organizações necessitam de novos meios para poderem ser pró-activas. O Empowerment é a pró-actividade na verdadeira acepção da palavra, corresponde à nova ordem organizacional das empresas, onde a diferença competitiva e a capacidade de mudar serão as alavancas para um futuro sustentado de desenvolvimento e prosperidade diferenciadora da concorrência.

5 Junho /6 Criatividade e Inovação nas organizações será o Empowerment uma solução? Anabela Mesquita A importância do desenvolvimento de competências relacionadas com a criatividade e inovação tem adquirido uma importância cada vez maior. Exemplo disso foi a decisão da União Europeia de estabelecer 2009 como sendo o ano da "Criatividade e Inovação" [http://create2009. europe.eu/]. Tal decisão deriva do facto de se reconhecer que uma das preocupações da Sociedade do Conhecimento está relacionada com o enfrentar, por parte das organizações, de forma rápida, eficiente e eficaz as mudanças que estas enfrentam, enquanto permanecem competitivas. Isto significa que as organizações precisam de ser inovadoras, criar conhecimento e ter, de forma continuada, novas ideias. Como referem Chandler e Grzyb (2005:2), "If we are creative, if we are skilled at innovation, we can come up with new ways of approaching situations that have changed". Mas de que competências estamos a falar? E como se podem desenvolver? A própria União Europeia responde a esta questão estabelecendo como competências chave as seguintes: 1. Comunicação na língua materna, incluindo a habilidade para se expressar e interpretar conceitos, pensamentos, sentimentos, factos e opiniões na forma oral e escrita 2. Comunicação numa língua estrangeira 3. Competências básicas em matemática, ciências e tecnologias e que estão relacionadas com a capacidade de desenvolver e aplicar pensamento matemático para resolver problemas diários 4. Competência digital envolvendo o uso das tecnologias de informação 5. Aprender a aprender o que significa perseguir e insistir na aprendizagem de uma forma autónoma 6. Competências sociais e cívicas incluindo o trabalho em equipa, a colaboração, comunicação dentro do grupo e o ser capaz de trabalhar em ambientes multiculturais 7.Capacidade de iniciativa e empreendedorismo que se refere à habilidade de pôr em acção ideias, incluindo aqui a criatividade, inovação e assumpção do risco bem como a habilidade para planear e gerir projectos para se atingirem objectivos pré definidos 8. Reconhecimento cultural e expressão, incluindo o reconhecimento da herança cultural europeia É curioso notar que quando se fala no desenvolvimento da criatividade fala-se, igualmente numa série de competências associadas como sejam a curiosidade, a intuição, o pensamento crítico e lateral, a resolução de problemas, a experimentação, o não ter medo de assumir riscos, a capacidade de aprender a partir do erro, o uso da imaginação e o pensamento racional bem como o sentido de empreendedorismo. Do ponto de vista da gestão, é comum ouvir-se falar na importância de se "dar" mais poder aos colaboradores da organização. Tal "oferta" se, por um lado, confere mais autonomia, por outro, exige uma maior responsabilidade. Para além disso, coloca-se a questão de saber se esses indivíduos estão preparados, i.e., se desenvolveram as competências necessárias para poder assumir tal responsabilidade e autonomia. É possível que nem estejam. E a imputação de tal situação até poderá não ser-lhes atribuída na totalidade. Na verdade, o sistema e as instituições de ensino que preparam os cidadãos para a vida activa durante muito tempo privilegiaram a aquisição de conhecimentos técnicos relegando para segundo plano o desenvolvimento de competências mais soft como sejam as enunciadas na primeira parte deste artigo. E o mesmo se passou dentro das organizações. No entanto, alguns sinais de mudança dão-nos conta que esta situação deve sofrer alterações nos próximos tempos. Nas instituições de ensino as competências chave fazem já parte do currículo. São designadas por "competências transversais" e são estimuladas nas diferentes unidades curriculares bem como nas actividades desenvolvidas fora delas. Nas organizações, os gestores já deram conta da sua importância e estão a recorrer a profissionais para os ajudarem na prossecução deste objectivo. Como resultado final pretende-se um colaborador que seja capaz de assumir riscos de uma forma responsável, autónoma e consciente, que seja capaz de trabalhar em grupo, de colaborar, que seja capaz de assumir a liderança de um projecto e de o gerir. Enfim, que tenha o "empoderamento" suficiente que lhe permita ser competitivo num ambiente profissional altamente volátil e onde os conhecimentos de hoje rapidamente se tornam obsoletos. Como? Com formação, com vontade de aprender, exactamente as competências que ele tem de desenvolver. E não será isto um ciclo vicioso? Talvez. Mas cabe-nos a nós, gestores, formadores, educadores, empreendedores tornar este ciclo vicioso num ciclo virtuoso. E isso só será possível com formação, formação, formação. Palavras-chave: Aprender ao longo da vida. Vamos, então, meter mãos à obra!

6 Junho /6 OPINIÃO Empowerment - Compromisso e Acção Nuno Florêncio A primeira vez que ouvi o termo Empowerment, confesso que julgava estar perante mais um modismo da gestão. No primeiro raciocínio que construí mentalmente, abracei com entusiasmo as virtudes de tal filosofia. Contudo, não criei muitas expectativas de sucesso de tal modelo, pois advogava que não iria colher muitos adeptos no mundo empresarial. Estava, então, longe de pensar que passaria quase uma década de grande parte da minha vida profissional, a realizar projectos de desenvolvimento e implementação, envolvendo modelos de Empowerment e respectivas ferramentas. Acerca do que é o Empowerment, a sua história, surgimento e questões teóricas que o compreendem já muito foi escrito. Relativamente ao como, ou seja, forma de desenhar um modelo e implementá-lo, quedará para uma outra oportunidade. Os benefícios e consequências da adopção do modelo também são amplamente conhecidos. Optei, talvez fruto da minha experiência prática, debater-me sobre as condições necessárias para a sua implementação e obstáculos que poderão surgir no processo. O ponto mais importante e fundamental é, sem dúvida, o compromisso da gestão. A direcção da empresa tem, em primeiro lugar, de compreender, de facto, o conceito intrínseco de Empowerment como um modelo organizacional que preconiza a delegação do poder de decisão, a autonomia e a responsabilização e reconhecimento dos colaboradores da empresa. Tem, obrigatoriamente, de acreditar e rever-se nele. Se não acredita, este nunca resultará. De seguida, o programa ou proposta de modelo de Empowerment a ser adoptado tem de ser bem desenhado e adequado quer às especificidades da organização, quer ao nível das competências organizacionais que detém. Existem diversos tipos de organizações de naturezas distintas e com diferentes necessidades em diferentes estágios de evolução e organização, com processos mais ou menos evoluídos, com diferentes ferramentas implementadas e, sobretudo, com pessoas diferentes, com competências e skills distintos. Uma outra questão de relevo é a resistência à mudança. É comum acontecer que colaboradores, que detêm cargos de chefia, concordem com o modelo a ser implementado, mas, na prática, continuarem com o modelo tradicional de gestão, impondo o comando e o controlo do trabalho. Deve-se diagnosticar possíveis situações de resistência à mudança e sabotagem do trabalho a desenvolver, seja ela consciente ou inconsciente. Durante a implementação é importante acompanhar de perto as áreas ou as equipas onde haja indícios de que essa situação se comece a manifestar ou, em casos mais graves, já se encontre latente. Todavia, o poder de antecipação é a melhor arma. Finalmente as pessoas. É indesmentível que o capital humano é o verdadeiro motor das organizações. Ao entrarmos num processo de Empowerment, devemos assegurar-nos que, aos colaboradores, é ministrada a formação adequada e lhes é fornecida toda a informação necessária. É indispensável dotálos com as ferramentas associadas ao Empowerment e fazer com que as dominem no mais curto espaço de tempo. As pessoas têm de ser preparadas para a transformação dos hábitos e rotinas das chefias e dos colaboradores. Não nos podemos esquecer que estamos perante uma questão cultural que implica uma elevada mudança. Por isso, devemos centrarmo-nos em questões como a motivação, a comunicação e a liderança junto das equipas de trabalho para alavancar o impacto de tal transformação. Por outro lado, devem ser acompanhados de perto pelas equipas de implementação para suprimir eventuais situações de insegurança ou dúvida. É imperativo analisar se o poder está a ser usado correctamente (deve ser apropriado e exercido naturalmente) e tomar atenção a estados de isolamento. Muitas vezes inicia-se o processo em determinadas áreas ou sectores, com grupos piloto, e a disseminação não acontece, ou não é bem efectuada, levando a que a organização funcione de maneiras distintas, podendo originar graves desfasamentos com implicações nefastas. Se está convencido das vantagens deste modelo de gestão, vá em frente. Não devemos ter medo da mudança, mas sim aceitála como natural e saber tirar partido dela. Tenho poucas dúvidas ao afirmar que serão as organizações, que optem por este rumo e olhem para o seu capital humano não como um custo mas sim como um investimento e como uma vantagem competitiva decisiva (difícil de plagiar ao contrário dos factores tecnológicos e de produção), as que estarão em melhores condições de alcançar sucesso. Ainda tem dúvidas? De que é que está à espera? Contactos: Rua de S. Tomé, Porto Phone: Fax:

Em Entrevistas Profissionais

Em Entrevistas Profissionais Em Entrevistas Profissionais Amplie a sua performance na valorização das suas competências 2011 Paula Gonçalves [paula.goncalves@amrconsult.com] 1 Gestão de Comunicação e Relações Públicas As Entrevistas

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting Contactos: Isabel Fonseca Marketing VP Consulting Telefone: +351 22 605 37 10 Fax: +351 22 600 07 13 Email: info@vpconsulting.pt

Leia mais

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Dos contributos dos diferentes intervenientes do evento

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE Capítulo 7 Balanced Scorecard ÍNDICE 7.1 O que é o Balanced Scorecard 7.2 Indicadores de Ocorrência 7.3 O Método 7.4 Diagramas de Balanced Scorecard Capítulo 7 - BALANCED

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

Governação Hospitalar

Governação Hospitalar Aviso: Este projecto encontra-se em fase-piloto e, sem autorização, não pode ser usado para outros fins. Se necessário, contacte o coordenador do DUQuE através de duque@fadq.org Governação Hospitalar em

Leia mais

CONSULTORIA POSITIVA

CONSULTORIA POSITIVA O consultor é uma pessoa que, pela sua habilidade, postura e posição, tem o poder de influenciar as pessoas, grupos e organizações, mas não tem o poder directo para produzir mudanças ou programas de implementação.

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

AS DIFERENÇAS DO BSC NO SECTOR PRIVADO E NO SECTOR PÚBLICO... 7

AS DIFERENÇAS DO BSC NO SECTOR PRIVADO E NO SECTOR PÚBLICO... 7 Í N D I C E INTRODUÇÃO... 3 DEFINIÇÃO DO BALANCED SCORECARD - SECTOR PÚBLICO... 4 AS DIFERENÇAS DO BSC NO SECTOR PRIVADO E NO SECTOR PÚBLICO... 7 MISSÃO E ESTRATÉGIA... 7 PERSPECTIVA FINANCEIRA... 8 PERSPECTIVA

Leia mais

Curso Empreendedorismo Corporativo

Curso Empreendedorismo Corporativo Curso Empreendedorismo Corporativo Todos os fatores relevantes atuais mostram que a estamos em um ambiente cada vez mais competitivo, assim as pessoas e principalmente as organizações devem descobrir maneiras

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA NOTA EXPLICATIVA DA AQUISIÇÃO DE COMPETÊNCIAS NO ÂMBITO DO 1º CICLO DE ESTUDOS DO CURSO DE LICENCIATURA/MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITECTURA, CONDUCENTE AO GRAU DE LICENCIADO EM CIÊNCIAS DA ARQUITECTURA.

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

Business Intensive Program. Para uma Performance Empresarial mais Competitiva

Business Intensive Program. Para uma Performance Empresarial mais Competitiva Business Intensive Program Para uma Performance Empresarial mais Competitiva 02 BIP BUSINESS INTENSIVE PROGRAM Business Intensive Program Para uma Performance Empresarial mais Competitiva Em tempos de

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

Glossário. Competência para a acção. (questionário em competências para a acção e actividade)

Glossário. Competência para a acção. (questionário em competências para a acção e actividade) Conceito Competência para a acção Explicação Competência para a acção compreende todas as habilidades, competências e experiências de uma pessoa, que lhe possibilita auto-organizar-se para realizar correctamente

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

B U S I N E S S I M P R O V E M E N T

B U S I N E S S I M P R O V E M E N T BUSINESS IMPROVEMENT A I N D E V E QUEM É A Indeve é uma empresa especializada em Business Improvement, composta por consultores com uma vasta experiência e com um grande conhecimento do mundo empresarial

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor, 23 de Novembro de 2012 É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para

Leia mais

formação financiamento

formação financiamento INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «EMPREENDEDORISMO UMA SOLUÇÃO PARA A CRISE», A VISÃO DO EMPREENDEDORISMO EM PORTUGAL, NO CENTRO

Leia mais

Uma plataforma estratégica

Uma plataforma estratégica Publicado: Fevereiro 2007 Autor: Rui Loureiro Sénior Partner Implementar o Help Desk Quando simplesmente pensamos em implementar um Help Desk, isso pode significar uma solução fácil de realizar ou algo

Leia mais

LIFE - CYCLE, TARGET AND KAIZEN COSTING

LIFE - CYCLE, TARGET AND KAIZEN COSTING LIFE - CYCLE, TARGET AND KAIZEN COSTING NOVAS TENDÊNCIAS DE CONTABILIDADE DE GESTÃO MESTRADO CONTABILIDADE E FINANÇAS 2009/2010 1 Introdução Actualmente, com a transformação de uma economia localizada

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com Moçambique Agenda EVENTOS 2013 NEW!! Também in Company INSCREVA-SE EM inscrip@iirportugal.com VISITE www.iirportugal.com INOVAÇÃO Estimado cliente, Temos o prazer de lhe apresentar em exclusiva o novo

Leia mais

Health Management Future

Health Management Future 2012 Health Management Future COM O PATROCÍNIO DE O grupo BIAL tem como missão desenvolver, encontrar e fornecer novas soluções terapêuticas na área da Saúde. Fundado em 1924, ao longo dos anos BIAL conquistou

Leia mais

Guia de orientação Criação do Próprio Emprego

Guia de orientação Criação do Próprio Emprego B- Criação do próprio emprego pag. 57 Para quem deseja ter uma actividade independente, por conta própria, a criação do seu próprio emprego é uma via alternativa para ingressar no mundo do trabalho. Criar

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

Área Departamental de Engenharia Electrotécnica. 3º Ano (Bolonha) 1º Semestre Ano lectivo de 2007/2008 2008.01.25. Teste de.

Área Departamental de Engenharia Electrotécnica. 3º Ano (Bolonha) 1º Semestre Ano lectivo de 2007/2008 2008.01.25. Teste de. Área Departamental de Engenharia Electrotécnica 3º Ano (Bolonha) 1º Semestre Ano lectivo de 2007/2008 2008.01.25 Teste de Gestão 1. Defina organização e enuncie os seus princípios fundamentais. Podemos

Leia mais

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO Princípios orientadores O Ensino Secundário no Colégio Pedro Arrupe orienta-se de forma coerente para o desenvolvimento integral do aluno, promovendo um crescimento

Leia mais

A importância da Liderança no sucesso da implementação Lean

A importância da Liderança no sucesso da implementação Lean A importância da Liderança no sucesso da implementação Lean Paulo Cesar Brito Lauria Muitas empresas têm se lançado na jornada de implementar a filosofia lean nas últimas décadas. No entanto, parece que

Leia mais

1º edição. 20 empresas 200 participantes

1º edição. 20 empresas 200 participantes 1º edição 20 empresas 200 participantes O primeiro programa de Liderança interempresas, a realizar em Luanda, que desafia cada participante a explorar o seu potencial enquanto gestor de pessoas. Há diversos

Leia mais

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard P o r C a r l o s M a n u e l S o u s a R i b e i r o O Balanced Scorecard apresenta-se como alternativa viável aos tradicionais sistemas

Leia mais

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações Representado por: 1 OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS! Adquirir as 11 competências do coach de acordo com o referencial da ICF! Beneficiar

Leia mais

Gestão de Carreiras Escola Secundária de Emídio Navarro 2002/2003 Estruturas, Tratamento e Organização de Dados

Gestão de Carreiras Escola Secundária de Emídio Navarro 2002/2003 Estruturas, Tratamento e Organização de Dados Gestão de Carreiras Durante muito tempo, a gestão de carreiras não fez parte das preocupações dominantes dos gestores de pessoal. Nos últimos anos, porém, tem-se assistido a um crescendo de interesse relativamente

Leia mais

Coaching I Formação I Certificação

Coaching I Formação I Certificação Coaching I Formação I Certificação 2011 Business Consultants, Inc. Publicado por EHP, Elemento Humano Portugal. www.thehumanelement.com.pt 1 Uma solução integrada à problemática humana nas organizações

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

UWU CONSULTING - DESCUBRA 10 RAZÕES PORQUE O OUTSOURCING TORNA A SUA EMPRESA MAIS COMPETITIVA 2

UWU CONSULTING - DESCUBRA 10 RAZÕES PORQUE O OUTSOURCING TORNA A SUA EMPRESA MAIS COMPETITIVA 2 UWU CONSULTING - DESCUBRA 10 RAZÕES PORQUE O OUTSOURCING TORNA A SUA EMPRESA MAIS COMPETITIVA 2 INDICE 04 O que é o Outsourcing? 09 Como o implementá-lo na sua empresa 11 Vantagens e desvantagens 13 Conclusão

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY _ CURRICULUM Composta por uma equipa multidisciplinar, dinâmica e sólida, Sobre Nós A ilimitados - the marketing company é uma empresa de serviços na área do Marketing,

Leia mais

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia Gestão em Farmácia Marketing 3 Manuel João Oliveira Análise Externa Análise do Cliente Segmentação, comportamento do cliente, necessidades não-correspondidas Análise dos Concorrentes Grupos estratégicos,

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

Balanced Scorecard: Modernidade na Gestão dos Negócios

Balanced Scorecard: Modernidade na Gestão dos Negócios Workshop A Competitividade das Empresas & o Balanced Scorecard Balanced Scorecard: Modernidade na Gestão JAIME RAMOS GUERRA JLM CONSULTORES DE GESTÃO, SA () INSTITUTO POLITECNICO DE LEIRIA jaime.guerra@jlm.pt

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

E q n u q a u dr d a r me m n e t n o S st s e t m e a m d e d e Ge G s e t s ã t o d a d Q u Q a u lida d de

E q n u q a u dr d a r me m n e t n o S st s e t m e a m d e d e Ge G s e t s ã t o d a d Q u Q a u lida d de Sistema de Gestão e de Garantia da Qualidade Agenda Enquadramento Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Garantia da Qualidade 2 Enquadramento Estatutos da ESHTE Prossecução de objectivos de qualificação

Leia mais

Business Intelligence & Performance Management

Business Intelligence & Performance Management Como medir a evolução do meu negócio? Tenho informação para esta decisão? A medição da performance é uma dimensão fundamental para qualquer actividade de gestão. Recorrentemente, qualquer gestor vê-se

Leia mais

SUCESSÃO EM EMPRESAS FAMILIARES

SUCESSÃO EM EMPRESAS FAMILIARES DOSSIER SUCESSÃO EM EMPRESAS FAMILIARES 23 DOSSIER SUCESSÃO EM EMPRESAS FAMILIARES PROMOÇÃO DO DEBATE SOBRE ASSUNTO ESTÁ ENTRE AS MEDIDAS ESTRATÉGICAS DA NERLEI Em Portugal, estima-se que entre 70 a 80

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

Introdução ao controlo de gestão

Introdução ao controlo de gestão Introdução ao controlo de gestão Miguel Matias Instituto Superior Miguel Torga LICENCIATURA EM GESTÃO / 3ºANO 2ºSEM 2014/15 PROGRAMA 1. Introdução 2. Planeamento 3. Orçamentação 4. Controlo orçamental

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

Carta de Segurança da Informação

Carta de Segurança da Informação Estrutura Nacional de Segurança da Informação (ENSI) Fevereiro 2005 Versão 1.0 Público Confidencial O PRESENTE DOCUMENTO NÃO PRESTA QUALQUER GARANTIA, SEJA QUAL FOR A SUA NATUREZA. Todo e qualquer produto

Leia mais

indevereview & LAST PLANNER LEAN CONSTRUCTION Maio 2011

indevereview & LAST PLANNER LEAN CONSTRUCTION Maio 2011 Maio 2011 DESTAQUE LEAN CONSTRUCTION & LAST PLANNER Paulo Mesquita Suat Eman/ freedigitalphotos.net Barry B. LePatner publicou em 2007 um livro intitulado Broken Buildings Busted Budgets. Na sequência,

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA DE QUE FORMA OS GESTORES DE VENDAS ADICIONAM VALOR À SUA ORGANIZAÇÃO? Desenvolver Gestores de Vendas eficazes tem sido uma das grandes preocupações

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

Relatório Final da Acção de Formação

Relatório Final da Acção de Formação Acção de Formação: Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências Contexto: utilização da Web 2.0 aplicada à didáctica do ensino das Ciências Relatório Final da Acção de Formação Centro

Leia mais

1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão

1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão 1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão 1.2- História do Pensamento sobre a Gestão 1 GESTÃO 1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão 1.2- História do Pensamento sobre a Gestão 2 1.2-História

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

Ajudamos a (sua) empresa a crescer.

Ajudamos a (sua) empresa a crescer. CONSULTORIA Ajudamos a (sua) empresa a crescer. O QUE FAZEMOS SISTEMAS DE GESTÃO GESTÃO DA PRODUÇÃO E DAS PRODUÇÕES PRODUTIVIDADE E INOVAÇÃO INTERNACIONALIZAÇÃO PROJECOS DE INVESTIMENTO E INCENTIVOS

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações In partnership: 1 OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS! Adquirir as 11 competências do coach de acordo com o referencial da ICF! Beneficiar

Leia mais

Universidade do Algarve Escola Superior de Tecnologia Curso de Engenharia Eléctrica e Electrónica HUMANOS

Universidade do Algarve Escola Superior de Tecnologia Curso de Engenharia Eléctrica e Electrónica HUMANOS RECURSOS HUMANOS Disciplina: Gestão Docente responsável: Jaime Martins Autoras Ana Vieira, n.º 30367 Natacha Timóteo, n.º 30381 Faro, 20 de Novembro de 2007 ÍNDICE Introdução 3 Desenvolvimento 1. Recursos

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência)

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência) SEREI UM EMPREENDEDOR? Este questionário pretende estimular a sua reflexão sobre a sua chama empreendedora. A seguir encontrará algumas questões que poderão servir de parâmetro para a sua auto avaliação

Leia mais

Criatividade e Inovação em Turismo

Criatividade e Inovação em Turismo Alberto Marques Plataforma do Empreendedor AIP_ 27 de Abril 2010 O que éa criatividade? Como se distingue da inovação? Pode-se estimular a criatividade? Porquê inovar? Aprende-se com o insucesso? Háregras

Leia mais

ESTRATÉGIA e PROSPECTIVA 2009/2010

ESTRATÉGIA e PROSPECTIVA 2009/2010 ESTRATÉGIA e PROSPECTIVA 2009/2010 J. M Brandão de Brito Prof. Catedrático TRABALHO DE ESTRATÉGIA E PROSPECTIVA 1ª Parte (sobre Estratégia) 1. Explicação prévia Cada par de estudantes (grupo) escolhe,

Leia mais

INTRODUÇÃO objectivo

INTRODUÇÃO objectivo INTRODUÇÃO O tema central deste trabalho é o sistema de produção just-in-time ou JIT. Ao falarmos de just-in-time surge de imediato a ideia de produção sem stocks, inventários ao nível de zero, produção

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para se focalizar na concretização dos objectivos do serviço e garantir que

Leia mais

Contabilidade e Controlo de Gestão. 2. O ciclo de gestão. Contabilidade e Controlo de Gestão. 3º ano - Gestão Turística e Hoteleira - Ramo- GT

Contabilidade e Controlo de Gestão. 2. O ciclo de gestão. Contabilidade e Controlo de Gestão. 3º ano - Gestão Turística e Hoteleira - Ramo- GT Contabilidade e Controlo de Gestão Ano letivo 2013/2014 Gustavo Dias 5.º Semestre Ciclo de Gestão Planear Definir o rumo da empresa, ou seja, o que se pretende atingir (objectivos) e para tal o que fazer

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

Formação Gestão de Armazéns. Formação. Gestão de Armazéns. Página1. Logisformação Andreia Campos. Empresa acreditada por:

Formação Gestão de Armazéns. Formação. Gestão de Armazéns. Página1. Logisformação Andreia Campos. Empresa acreditada por: Página1 Formação Gestão de Armazéns Empresa acreditada por: Página2 A Logisformação A Logisformação é o resultado de 20 anos de experiência da Logistema Consultores de Logística S.A. no apoio ao desenvolvimento

Leia mais

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio João Pequito Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio Qualquer instituição tem hoje

Leia mais

A Normalização e a Gestão do Risco

A Normalização e a Gestão do Risco A Normalização e a Gestão do Risco ISO 26000 e a Gestão do Risco 22 de Maio 2014 João Simião Algumas reflexões para partilhar 2 Curiosidades sobre riscos Sabia que o termo risco (risk) é referido em 141

Leia mais

EBI de Angra do Heroísmo

EBI de Angra do Heroísmo EBI de Angra do Heroísmo ENQUADRAMENTO GERAL Estratégia intervenção Ministério Educação promover o empreendedorismo no ambiente escolar Consonância com linhas orientadoras da Comissão Europeia Projectos

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

Inscrições e pedido de informações: acege@acege.pt ou 217 941 323

Inscrições e pedido de informações: acege@acege.pt ou 217 941 323 Portugal tem futuro! Liderar com responsabilidade Introdução: A ACEGE em parceria com a CIP e o IAPMEI está a desenvolver o programa Liderar com Responsabilidade, que quer potenciar a acção dos líderes

Leia mais

Vantagens e dificuldades da implementação de um Sistema da Qualidade num laboratório de ensaio e /ou calibração

Vantagens e dificuldades da implementação de um Sistema da Qualidade num laboratório de ensaio e /ou calibração 34 Artigo Acreditação: Vantagens e dificuldades da implementação de um Sistema da Qualidade num laboratório de ensaio e /ou calibração J O Ã O A. S. D E A L M E I D A *, Â N G E L A D E C A R V A L H O

Leia mais

Perfil Profissional de Treinador

Perfil Profissional de Treinador Programa Nacional de FORMAÇÃO de Treinadores Grau4 Perfil Profissional de Treinador Perfil Profissional - GRAU IV A formação de Grau IV consubstancia o topo da hierarquia profissional da actividade de

Leia mais

Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento

Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento Viviane Maravieski Pereira (UTFPR) vivimaravieski@hotmail.com Isaura Alberton de Lima (UTFPR) alberton@cefetpr.br Resumo: Este artigo

Leia mais