REGULAMENTO TÉCNICO REGRAS TÉCNICAS GERAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO TÉCNICO REGRAS TÉCNICAS GERAIS"

Transcrição

1 REGULAMENTO TÉCNICO O presente Regulamento Técnico faz parte integrante e indissociável do Regulamento Geral da 2ª SUBIDA DA MONTANHA DE CAMPO LARGO 07 / 08 de dezembro de Os veículos inscritos serão divididos em 6 (seis) categorias, cujos requisitos mínimos e normas técnicas estão discriminados no presente Regulamento Técnico. Todos os veículos deverão submeter-se à vistoria prévia descrita no item 5 do Regulamento Geral. O veículo será analisado pelo Inspetor Técnico que poderá adequar a categoria correta ou recusar a participação do mesmo, perdendo assim o direito de participar da prova bem como de receber o valor da inscrição eventualmente paga. É expressamente proibida a reprodução parcial ou total, distribuição, publicação e divulgação deste Regulamento, sem a autorização prévia da CWB MOTORING detentora de seus direitos autorais. REGRAS TÉCNICAS GERAIS PNEUS Para que a prova tenha um alto nível de dificuldade a escolha dos pneus irá influenciar diretamente o desempenho e resultado final obtido. Por isso a escolha dos mesmos irá separar os veículos em suas determinadas categorias, conforme regras abaixo: A) RADIAL: permitido para todas as categorias Os pneus radiais compreendem ainda os de alta performance que estão disponíveis na maioria das revendas (ex: Yokohama S Drive; ADVAN Neova;.Pirelli P-ZERO; Goodyear Eagle F1; Toyo Proxes 4; etc.). B) SEMI-SLICK: permitido exclusivamente para as categorias PRO-MOD, SUPER, VINTAGE, ULTRA Ex: Yokohama A048; Pirelli P-Zero C, P-Zero Corsa, Toyo Proxes RA-1, Proxes R888, Trampio R881; Nitto NT01; Hankook Ventus Z221; Kumho Ecsta V700, V70A, etc... C) SLICK: permitido somente para a categoria ULTRA Ex: Yokohama A005, Pirelli Slick, etc A utilização do tipo do pneu no modo descendente é facultativa como, por exemplo, a categoria ULTRA poderá usar pneus Semi-Slick s, a Categoria PRO-MOD poderá usar pneus radiais e assim por diante. NOTA: Lembramos aos pilotos que optarem por utilizar os pneus SLICK S, estarão sujeitos a competir com veículos de diferentes tipos de preparação, estrutura e conceito. No entanto o tipo de piso da prova não favorece o alto desempenho deste tipo de pneu, vide a concepção em que a estrada é construída (blocos de concretos irregulares).

2 APARÊNCIA Todos os veículos inscritos deverão apresentar-se com uma boa aparência. Veículos com excesso de danos na carroceria, sem pintura em algumas partes do veículo, etc, não serão permitidos. COFRE DO MOTOR Não deverá haver vazamentos de óleo do motor. Deverá haver um respiro com retorno de óleo para o motor ou um reservatório de óleo com pelo menos 1L (um litro) de capacidade que deverá ser utilizado. Todas as mangueiras que transportam líquidos devem estar em boas condições sem fissuras ou outros danos. BATERIA A bateria deverá estar solidamente fixada ao veículo. O uso de cordas ou cabos de borracha, para fixação da bateria ao veículo, será proibido. Um material não condutor deve cobrir o terminal positivo da bateria. Qualquer bateria localizada no interior do compartimento do condutor deverá estar totalmente coberta e firmemente fixada ao chassi ou gaiola. TAMPAS DE COMBUSTÍVEL Todos os veículos deverão utilizar uma tampa de combustível para que não haja vazamento do tanque durante uma pilotagem agressiva. Tampas do estilo MONZA não serão permitidas. (Na dúvida, pesquisar por: monza style gas cap) FIOS EXPOSTOS Não deverá haver fios expostos no interior do habitáculo que possam interferir na condução segura do veículo. Nenhum fio de energia poderá ficar exposto (desencapado) em qualquer parte do veículo. BANCOS A utilização de um banco HOMOLOGADO para corridas no lugar do banco original de fábrica OEM, não é obrigatória, mas é altamente recomendada para todas as categorias presentes neste regulamento. Os bancos (tanto originais quanto esportivos) devem estar solidamente fixados à estrutura do veículo de tal forma que sejam suficientemente fortes para resistir a um grande impacto. Se substituído, o banco deve estar instalado de acordo com as instruções do fabricante. Grandes arruelas e abraçadeiras reforçadas são altamente recomendadas. Assentos feitos de plástico, PVC, ABS, ou outros polímeros similares são estritamente proibidos. Se os bancos originais forem utilizados com uma gaiola instalada, devem ser tomados cuidados redobrados para evitar que o banco não engate em nenhuma parte da gaiola. Deve-se ter o cuidado também para evitar que o piloto bata a cabeça nas barras / gaiolas implantadas (ver mais detalhes no tópico Barras de Rolamento, abaixo). Especificações: (baseadas no Regulamento Técnico de Turismo 2013 FPRA, seguindo-se Art. 253 do Anexo J do CDI/FIA) Exemplo: Os suportes dos bancos deverão ser fixados às ancoragens para fixação dos bancos, com um mínimo de quatro pontos e quatro parafusos de 8 mm de diâmetro (mínimo).

3 A superfície mínima de contato entre suporte, assoalho e placa de reforço é de 40 cm2 por ponto de fixação. A espessura mínima dos suportes e das placas de reforço (contra placas) é de 3 mm para o aço e de 5 mm para os materiais em ligas leves. A dimensão longitudinal mínima de cada suporte deverá ser de 6 cm. OBJETOS SOLTOS Todos os objetos soltos dentro ou fora do veículo deverão ser removidos. Tapetes, pneu sobressalente, roupas, ferramentas, etc devem ser removidos. PROTEÇÃO NAS LANTERNAS Recomenda-se, porém não é exigido, que todas as lentes expostas (faróis e piscas) sejam protegidas com fita adesiva, com exceção das lanternas de freio. ILUMINAÇÃO Deverá haver pelo menos 2 (duas) luzes de freio funcionando e que sejam visíveis a uma distância de pelo menos 100 (cem) metros. BARRAS DE ROLAMENTO (ROLL-CAGE, GAIOLA, SANTO-ANTÔNIO OU ARCO DE SEGURANÇA) A utilização dos chamados Santo-Antonios não é obrigatória, mas é altamente recomendada à todas categorias que participarem da prova. Entretanto será requerida nos veículos totalmente conversíveis* (independente da categoria), *(Entende-se como veículos conversíveis aqueles que não utilizam capotas e não tem arco de segurança). A gaiola deverá ser capaz de suportar as forças de compressão envolvidas quando tiver apoiado todo o peso do carro e deve ser capaz de permitir o fácil acesso e a saída do piloto. O arco principal da gaiola deve ser da largura interna do carro (exceto alguns carros que tenham sido aprovados pela CWB MOTORING), preferencialmente deverá ser uma peça contínua com curvas suaves e sem evidência de trincas ou falhas. Toda e qualquer solda empregada deve ser da melhor qualidade possível e executada com plena penetração Nos casos em que a cabeça do condutor entrar em contato com a barra, deve-se deixar o encosto original do banco e adicionar um encosto/acolchoamento preso com braçadeiras. Todos os carros com gaiolas devem estar em conformidade com as exigências aplicáveis encontradas nas especificações descritas abaixo: Especificações: (baseadas no Regulamento Técnico de Turismo 2013 FPRA, seguindo-se Art. 253 do Anexo J do CDI/FIA) Exemplos: A gaiola deve possuir um mínimo de 6 (seis) pontos de apoio sendo ele fabricado em tubos de Aço-Carbono. As dimensões mínimas dos tubos deverão ser as seguintes (diâmetro milímetro X espessura milímetro): 38 (trinta e oito) X 2,5 (dois e meio) ou 40 (quarenta) X 2 (dois). Na base de cada montante deverá ser instalada uma placa de fixação fabricada em chapas de aço, com espessura mínima igual ao da parede do tubo eventualmente usado. Deverão ser instalados reforços nos pontos de apoio da gaiola sendo estes fabricados em chapas de aço de no mínimo 2 (dois) mm., de espessura e 35,0 (trinta e cinco) cm2., de área, solidamente fixados à Carroceria por solda ou parafusos no mínimo de 8 mm., de diâmetro (M8 8.8, qualidade 8.8 conforme norma ISO), em número mínimo de 3 (três) fixações por placa de apoio. Deverá haver uma Barra Transversal abaixo do painel de instrumentos e também de Barras Laterais nas portas. A Barra Transversal abaixo do painel de instrumentos, as Barras Laterais e os reforços, se houverem,

4 deverão seguir a dimensão mínima de 2,0 (dois) mm., de parede dos Tubos. Todas as barras do Arco de Segurança deverão ter um furo não passante, com diâmetro de 6,0 (seis) mm., para verificação de espessura mínima especificada. CINTOS DE SEGURANÇA Os cintos deverão estar em bom estado, intactos e ter a configuração original de fábrica. Qualquer sistema de amarra, além dos que já saem originalmente de fábrica, deverá obedecer ao que estiver disposto nas especificações descritas abaixo, em todos os aspectos, exceto se estiver expirado o prazo para regulamentação. Cintos de competição utilizados em corridas oficiais e que por ventura estiverem com data expirada poderão ser utilizados desde que, pelo menos, estejam em muito bom estado. A utilização de um cinto subabdominal, sem qualquer proteção de ombro não será permitida. * ATENÇÃO: Todos os veículos que utilizarem bancos homologados deverão utilizar cintos de competição de 5,6, ou 7 pontos no lugar dos cintos de segurança originais do veículo (OEM). Especificações: (baseadas no Regulamento Técnico de Turismo 2013 FPRA, seguindo-se Art. 253 do Anexo J do CDI/FIA) Exemplos: Quando o veículo for modificado para uso de cintos de competição estes devem possuir largura mínima de 75 (setenta e cinco) milímetros, sendo que sua fixação poderá ser feita na gaiola ou no assoalho. A fixação deverá ser feita através de parafusos, no mínimo, M (12 mm de diâmetro, qualidade 8.8 conforme norma ISO) e arruelas ou chapas de no mínimo 40 (quarenta) milímetros de diâmetro por dentro e por fora do assoalho. É proibida a fixação dos cintos no assento do veículo. SISTEMA DE INCÊNDIO A instalação de um sistema de incêndio mais elaborado com acionamento externo, não é obrigatória, mas é altamente recomendada para todas as categorias presentes neste regulamento. Especificações: (baseadas no Regulamento Técnico de Turismo 2013 FPRA, seguindo-se Art. 253 do Anexo J do CDI/FIA) Exemplo: Os veículos que optarem por este tipo de sistema deverão estar equipados com extintor de incêndio de produto químico, completo e dentro do prazo de validade, com capacidade mínima de 4 (quatro) kg. ou de 2 (dois) kg. de gás Halon, rigidamente fixados à estrutura do Habitáculo por uma alça externa e deverão ser acionáveis pelo piloto, quando este estiver sentado em seu banco com o cinto atado. A fixação do Extintor de Incêndio deve ser rígida e resistente, e deve permitir fácil visualização do manômetro de carga pelo Inspetor Técnico. O acionamento externo deverá ser feito por meio de um sistema de cabos de comprovada eficiência, provido de uma argola ou puxador com uma bitola de 50 (cinqüenta) milímetros, do lado de fora do Veículo. Este sistema deverá ser sinalizado pela letra E na cor vermelha dentro de um círculo branco de 10 cm de diâmetro, com borda vermelha e estar localizado próximo à base lateral direita do pára-brisa dianteiro. MANGUEIRAS DENTRO DO COCKPIT Todas as mangueiras ou tubulações que transportam líquidos ou quaisquer gases que passam pela cabine, deverão ser metálicas ou de aço trançado. Todas as mangueiras ou tubulações que transportam a água fria,

5 como fluido de lavagem dos vidros, etc estão isentos desta regra. Mangueiras de borracha revestidas de aço trançado são aceitáveis. OLHAL OU ENGATE PARA REBOQUE (TOW HOOK) É altamente recomendável que todos os veículos tenham pelo menos 2 (dois) olhais facilmente acessíveis (e utilizáveis) sendo um dianteiro e um traseiro. Eles não devem sobressair perigosamente do veículo, e devem ser acessíveis sem que as equipes de resgate necessitem manipular a carroceria e/ou os parachoques. Devem ser suficientemente fortes para suportar o peso do carro. Se os olhais não tiverem disponíveis, a equipe de resgate irá rebocar com ganchos ou outras coisas que poderão causar danos para o veículo. Mesmo tendo o maior cuidado possível, a equipe de resgate não se responsabiliza por quaisquer danos. ESCAPAMENTO A concepção do escapamento é livre tanto em seu dimensionamento quanto posição de saída. No entanto, para que não ocasione ferimentos aos participantes e/ou membros de equipe, devido ao excesso de cano no perímetro do veículo, segue-se o exemplo para confecção; Especificações: (baseadas no Regulamento Técnico de Turismo 2013 FPRA) Exemplo: Após o coletor de escape, os tubos do escapamento são livres quanto às dimensões e conceito. Será permitida a saída de escapamento tanto para trás quanto pela lateral. A saída do cano de escapamento não poderá exceder em mais de 10 centímetros o perímetro do carro. Nenhuma parte do sistema de escapamento pode tocar o solo quando um pneu estiver totalmente vazio. ADESIVOS COM NUMERAÇÃO Os adesivos com os números de inscrição serão entregues na secretaria de prova. Os veículos deverão exibir em ambos os lados (portas) seu número de inscrição e deverão permanecer com eles durante todo o tempo em que estiver ocorrendo a competição. Nenhum número deverá estar nos vidros laterais. Os números poderão ser colocados também nos vidros dianteiros e traseiros, mas não é obrigatório. Números metálicos, refletivos ou fluorescentes são proibidos. ESPELHOS RETROVISORES O veículo deverá ter, ao menos, um espelho retrovisor bem fixado para que o condutor tenha uma boa visibilidade traseira. CAMERAS DE VÍDEO Câmeras de vídeo devem ser aprovadas pelo Inspetor Técnico antes de entrar para a pista em todos os eventos. As câmeras deverão ser utilizadas com ventosas profissionais (ex: GO-PRO) ou conter pelo menos um (1) parafuso para prendê-las e pelo menos uma cinta plástica deve ser utilizada para fixá-las. VEÍCULOS ADAPTADOS Todos os carros com comando manual (ou seja, para deficientes), serão sujeitos a um exame rigoroso pela equipe técnica e pelo Diretor de Prova, por razões de segurança. Estes controles de aceleração e freio são feitos adequadamente para uso nas ruas, porém eles podem ser mal concebidos para corridas ou condução de alta performance.

6 CATEGORIAS 1. REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA STREET ASPRO (STR-A) NORMAS TÉCNICAS: A categoria STREET ASPRO deve seguir as normas técnicas constantes nesse regulamento específico DEFINIÇÃO: Participam dessa categoria veículos de turismo, de grande produção em série, coupé, sedan ou pick-up de pequeno porte, de 2, 3, 4 ou 5 portas, fabricados à partir do ano de 1981 conforme conste no certificado de registro do veículo. Os motores deverão ser naturalmente aspirados, e sua preparação mecânica será livre conforme item PESO É permitido o alivio de peso, desde que esteja de acordo com os itens mencionados permitidos. Habitáculo: É permitida a retirada de peças do seu interior, como banco do passageiro, banco traseiro, forração de teto, forração do assoalho, painel e etc... O volante de direção e manopla de cambio poderão ser substituídos por modelos esportivos - exceto volante de madeira, ou outro material que não forneça segurança. É permitida a substituição dos bancos originais por bancos de competição, sendo acompanhados também dos cintos de segurança de competição de no mínimo 4 (quatro) pontos. É permitida a retirada do estepe, macaco, chave de rodas, triângulo de segurança, tapetes e sistema de som. Carroceria e Chassis: É proibida qualquer alteração na carroceria ou chassi / monobloco do veículo. Não é permitida a retirada dos faróis, lanternas e retrovisores, pois os mesmos devem estar em perfeito estado de funcionamento. É proibida a substituição de partes da carroceria como portas, paralamas, capô e vidros, por outras de material mais leve (fibra de vidro, fibra de carbono, policarbonato, etc...), a fim de diminuir o peso do veículo. a) - Fica permitido o uso de outros materiais apenas em veículos que possuam esses itens originalmente. b) - Qualquer outro tipo de alteração será avaliada pelo Inspetor Técnico, podendo aprovar ou recusar sua participação MOTOR e CAIXA DE CAMBIO: É permitida a substituição do motor por outro da mesma marca do veículo, desde que o mesmo possua as mesmas características do original, como quantidade e posição de cilindros. (4cil. em linha GM por 4cil. em linha GM, 4 cil boxer VW por 4 cil boxer VW, etc). A preparação mecânica é livre. A ordem e posição de montagem de fábrica do conjunto motor, caixa de câmbio e diferencial não poderá ser alterada. É proibido qualquer tipo de dispositivo de superalimentação ( turbo, blower, supercharger, entre outros). É proibido o uso de Óxido Nitroso. O combustível é livre, independente do que esteja registrado no documento, exceto o uso de METANOL e NITROMETANO. O tipo de acionamento da caixa de câmbio deverá ser semelhante ao original do veículo (ex. acionamento original do tipo H, em caso de troca, deverá usar o mesmo sistema não sendo permitida a troca por sistema automático ou seqüencial).

7 1.5 - DIREÇÃO E SUSPENSÃO: Deverão ser verificadas as condições gerais do mecanismo de direção e da suspensão. Os rolamentos dianteiros e traseiros dos cubos das rodas devem estar bem apertados e rodar livremente. Nenhuma folga na suspensão e no mecanismo de direção poderá existir. Os amortecedores são livres, contanto que seu número, tipo (telescópico, braço, etc.) e pontos de fixação originais sejam conservados. Permitido o uso de suspensão regulável (rosca). Não é permitida a utilização de suspensão à ar e molas cortadas/esquentadas RODAS E PNEUS: A condição geral do conjunto aro/pneu deve ser boa. Não deverá haver fissuras ou outros danos ao aro. Todos os parafusos ou porcas deverão estar presentes e prendendo firmemente o conjunto aro/pneu. Não deverá haver calotas, sobre-aros ou quaisquer outros acessórios nas rodas. As rodas são livres quanto a seu material e diâmetro, desde que ofereçam segurança e estejam em bom estado de uso mantendo-se a fixação original, não sendo permitido o uso de rodas refuradas/adaptadas. Os pneus deverão obrigatoriamente possuir o selo do INMETRO, estar em bom estado de conservação e ter no mínimo 2mm de sulco na superfície de contato com o solo medido a partir do TWI (TWI 1,6mm+2mm= 3,6mm mínimo). Não deverá haver tiras de borracha expostas, bolhas, ou outros danos visíveis no pneu. É proibido o uso de pneus do tipo semi-slick (Yokohama A048, Toyo R888, etc...), slicks (Pirelli Slick, Yokohama A005, etc...), bem como pneus re-frisados, recapados, remoldados ou similares SEGURANÇA: É obrigatório o uso de capacete aberto ou fechado desde que apresentem as normas padrões do INMETRO ou sejam homologados para competição. É obrigatório o uso de sapatilhas de competição (ou tênis de amarrar), macacão e balaclava. É obrigatório o uso de extintor de incêndio carregado, válido e fixado em seu suporte. NOTA: é altamente recomendado que todo o vestuário seja de material anti-chamas (NOMEX) 1.8 FREIOS: Os freios devem estar em boas condições de funcionamento e deve ser capaz de parar o veículo em uma distância razoável, e de uma forma controlada e segura. A pressão do pedal deve ser adequada. O nível do fluido deve estar acima do limite mínimo especificado pelo fabricante. As mangueiras da linha de freio devem estar em bom estado e não devem apresentar rachaduras ou vazamentos. O sistema de freios deverá estar adequado ao tipo de preparação mecânica empregada e será avaliado pelo Inspetor Técnico, podendo aprovar ou recusar a participação do veículo. É permitido o uso de dutos flexíveis para refrigeração do sistema de freios, desde que bem fixados à carroceria do veículo. 2. REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA STREET TURBO (STR-B) NORMAS TÉCNICAS: A categoria STREET TURBO deve seguir as normas técnicas constantes nesse regulamento específico DEFINIÇÃO:

8 Participam dessa categoria veículos de turismo, de grande produção em série, coupé, sedan ou pick-up de pequeno porte, de 2, 3, 4 ou 5 portas, fabricados à partir do ano de 1981 conforme conste no certificado de registro do veículo. Os motores deverão ser sobre-alimentados (que utilizem indução de ar forçada. Ex: Turbo, Supercharger, etc) e sua preparação mecânica será livre conforme item PESO É permitido o alivio de peso, desde que esteja de acordo com os itens mencionados permitidos. Habitáculo: É permitida a retirada de peças do seu interior, como banco do passageiro, banco traseiro, forração de teto, forração do assoalho, painel e etc... O volante de direção e manopla de cambio poderão ser substituídos por modelos esportivos - exceto volante de madeira, ou outro material que não forneça segurança. É permitida a substituição dos bancos originais por bancos de competição, sendo acompanhados também dos cintos de segurança de competição de no mínimo 4 (quatro) pontos. É permitida a retirada do estepe, macaco, chave de rodas, triângulo de segurança, tapetes e sistema de som. Carroceria e Chassis: É proibida qualquer alteração na carroceria ou chassi / monobloco do veículo. Não é permitida a retirada dos faróis, lanternas e retrovisores, pois os mesmos devem estar em perfeito estado de funcionamento. É proibida a substituição de partes da carroceria como portas, paralamas, capô e vidros, por outras de material mais leve (fibra de vidro, fibra de carbono, policarbonato, etc...), a fim de diminuir o peso do veículo. a) - Fica permitido o uso de outros materiais apenas em veículos que possuam esses itens originalmente. b) - Qualquer outro tipo de alteração será avaliada pelo Inspetor Técnico, podendo aprovar ou recusar sua participação MOTOR e CAIXA DE CAMBIO: É permitida a substituição do motor por outro da mesma marca do veículo, desde que o mesmo possua as mesmas características do original, como quantidade e posição de cilindros. (4cil. em linha GM por 4cil. em linha GM, 4 cil boxer VW por 4 cil boxer VW, etc). A preparação mecânica é livre. A ordem e posição de montagem de fábrica do conjunto motor, caixa de cambio e diferencial não poderá ser alterada. É proibido o uso de Óxido Nitroso. O combustível é livre, independente do que esteja registrado no documento, exceto o uso de METANOL e NITROMETANO. O tipo de acionamento da caixa de câmbio deverá ser semelhante ao original do veículo (ex. acionamento original do tipo H, em caso de troca, deverá usar o mesmo sistema não sendo permitida a troca por sistema automático ou seqüencial) DIREÇÃO E SUSPENSÃO: Deverão ser verificadas as condições gerais do mecanismo de direção e da suspensão. Os rolamentos dianteiros e traseiros dos cubos das rodas devem estar bem apertados e rodar livremente. Nenhuma folga na suspensão e no mecanismo de direção poderá existir. Os amortecedores são livres, contanto que seu número, tipo (telescópico, braço, etc.) e pontos de fixação originais sejam conservados. Permitido o uso de suspensão regulável (rosca). Não é permitida a utilização de suspensão a ar e molas cortadas/esquentadas.

9 2.6 - RODAS E PNEUS: A condição geral do conjunto aro/pneu deve ser boa. Não deverá haver fissuras ou outros danos ao aro. Todos os parafusos ou porcas deverão estar presentes e prendendo firmemente o conjunto aro/pneu. Não deverá haver calotas, sobre-aros ou quaisquer outros acessórios nas rodas. As rodas são livres quanto a seu material e diâmetro, desde que ofereçam segurança e estejam em bom estado de uso mantendo-se a fixação original, não sendo permitido o uso de rodas refuradas/adaptadas. Os pneus deverão obrigatoriamente possuir o selo do INMETRO, estar em bom estado de conservação e ter no mínimo 2mm de sulco na superfície de contato com o solo medido a partir do TWI (TWI 1,6mm+2mm= 3,6mm mínimo). Não deverá haver tiras de borracha expostas, bolhas, ou outros danos visíveis no pneu. É proibido o uso de pneus do tipo semi-slick (Yokohama A048, Toyo R888, etc...), slicks (Pirelli Slick, Yokohama A005, etc...), bem como pneus re-frisados, recapados, remoldados ou similares SEGURANÇA: É obrigatório o uso de capacete aberto ou fechado desde que apresentem as normas padrões do INMETRO ou sejam homologados para competição. É obrigatório o uso de sapatilhas de competição (ou tênis de amarrar), macacão e balaclava. É obrigatório o uso de extintor de incêndio carregado, válido e fixado em seu suporte. NOTA: é altamente recomendado que todo o vestuário seja de material anti-chamas (NOMEX) 2.8- FREIOS: Os freios devem estar em boas condições de funcionamento e deve ser capaz de parar o veículo em uma distância razoável, e de uma forma controlada e segura. A pressão do pedal deve ser adequada. O nível do fluido deve estar acima do limite mínimo especificado pelo fabricante. As mangueiras da linha de freio devem estar em bom estado e não devem apresentar rachaduras ou vazamentos O sistema de freios deverá estar adequado ao tipo de preparação mecânica empregada e será avaliado pelo Inspetor Técnico, podendo aprovar ou recusar a participação do veículo. É permitido o uso de dutos flexíveis para refrigeração do sistema de freios, desde que bem fixados à carroceria do veículo. 3. REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA PRO-MOD (PRO) NORMAS TÉCNICAS: A categoria PRO-MOD deve seguir as normas técnicas constantes nesse regulamento específico DEFINIÇÃO: Participam dessa categoria veículos de turismo, de grande produção em série, coupé, sedan ou pick-up de pequeno porte, de 2, 3, 4 ou 5 portas, fabricados à partir do ano de 1981 conforme conste no certificado de registro do veículo. Sua preparação mecânica será livre conforme item PESO É permitido o alivio de peso, desde que esteja de acordo com os itens mencionados permitidos. Habitáculo: É permitida a retirada de peças do seu interior, como banco do passageiro, banco traseiro, forração de teto, forração do assoalho, painel e etc... O volante de direção e manopla de cambio poderão ser substituídos por modelos esportivos - exceto volante de madeira ou outro material que não forneça segurança.

10 O banco do motorista deverá ser substituído por um banco de competição, do tipo concha com cinto de segurança de no mínimo 4 (quatro) pontos. É permitida a retirada do estepe, macaco, chave de rodas, triângulo de segurança e sistema de som. Carroceria e Chassis: É permitida alteração na estrutura da carroceria desde que fique semelhante ao visual original do veículo. É proibida qualquer alteração no chassi / monobloco do veículo. Não é permitida a retirada dos faróis, lanternas e retrovisores, pois os mesmos devem estar em perfeito estado de funcionamento. É permitida a substituição de partes da carroceria como portas, pára-lamas, capô e vidros, por outras de material mais leve (fibra de vidro, fibra de carbono, policarbonato, etc...), a fim de diminuir o peso do veículo MOTOR e CAIXA DE CAMBIO: É permitida a substituição do motor original por motores de outra marca desde que o mesmo possua a quantidade de cilindros original do veiculo. (ex. 4cil. GM substituído por 4cil. VW). A ordem e posição de montagem de fábrica do conjunto motor, caixa de cambio e diferencial é livre, bem como o tipo de preparação e também o sistema de acionamento do cambio. É proibido o uso de Óxido Nitroso. O combustível é livre, independente do que esteja registrado no documento, exceto o uso de METANOL e NITROMETANO DIREÇÃO E SUSPENSÃO: Deverão ser verificadas as condições gerais do mecanismo de direção e da suspensão. Os rolamentos dianteiros e traseiros dos cubos das rodas devem estar bem apertados e rodar livremente. Nenhuma folga na suspensão e no mecanismo de direção poderá existir. Os amortecedores são livres, contanto que seu número, tipo (telescópico, braço, etc.) e pontos de fixação originais sejam conservados. Permitido o uso de suspensão regulável (rosca). Não é permitida a utilização de suspensão a ar e molas cortadas e/ou esquentadas RODAS E PNEUS: A condição geral do conjunto aro/pneu deve ser boa. Não deverá haver fissuras ou outros danos ao aro. Todos os parafusos ou porcas deverão estar presentes e prendendo firmemente o conjunto aro/pneu. Não deverá haver calotas, sobre-aros ou quaisquer outros acessórios nas rodas. As rodas são livres quanto a seu material e diâmetro, desde que ofereçam segurança e estejam em bom estado de uso mantendo-se a fixação original, não sendo permitido o uso de rodas refuradas/adaptadas. Os pneus deverão obrigatoriamente possuir o selo do INMETRO, estar em bom estado de conservação e ter no mínimo 2mm de sulco na superfície de contato com o solo medido a partir do TWI (TWI 1,6mm+2mm= 3,6mm mínimo). Não deverá haver tiras de borracha expostas, bolhas, ou outros danos visíveis no pneu. É permitido o uso de pneus do tipo semi-slick (Yokohama A048, Toyo R888, etc...) Proibido o uso de pneus totalmente slicks (Pirelli Corsa, Yokohama A005, etc...), bem como pneus refrisados, recapados, remoldados ou similares SEGURANÇA: É obrigatório o uso de capacete aberto ou fechado desde que apresentem as normas padrões do INMETRO ou sejam homologados para competição. É obrigatório o uso de sapatilhas de competição (ou tênis de amarrar), macacão e balaclava.

11 É obrigatório o uso de extintor de incêndio carregado, válido e fixado em seu suporte. NOTA: é altamente recomendado que todo o vestuário seja de material anti-chamas (NOMEX) 3.8 FREIOS: Os freios devem estar em boas condições de funcionamento e deve ser capaz de parar o veículo em uma distância razoável, e de uma forma controlada e segura. A pressão do pedal deve ser adequada. O nível do fluido deve estar acima do limite mínimo especificado pelo fabricante. As mangueiras da linha de freio devem estar em bom estado e não devem apresentar rachaduras ou vazamentos. O sistema de freio deverá estar adequado ao tipo de preparação mecânica empregada e será avaliado pelo Inspetor Técnico, podendo aprovar ou recusar a participação do veículo. É permitido o uso de dutos flexíveis para refrigeração do sistema de freios, desde que bem fixados à carroceria do veículo. 4. REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA SUPER (SUP) NORMAS TÉCNICAS: A categoria SUPER deve seguir as normas técnicas constantes nesse regulamento específico DEFINIÇÃO: Participam desta categoria todo e qualquer veículo que entenda-se como esportivo ou super-esportivo., incluindo ainda suas réplicas. Aqueles que utilizem o sistema de suspensão chamado push-rod, ou ainda aqueles que tenham mais de 400cv declarados originalmente, fabricados a partir de 1981 (inclusive) conforme conste no certificado de registro do veículo (Ex: Ferrari 348/355/360/430 etc, Porsche Boxter/911, Audi R8, Mercedes AMG, BMW M3, Audi RS6, Lotus Elise, Lotus Exige, Lotus Seven Réplica, etc). Sua preparação mecânica será livre conforme item 4.4 NOTA: As réplicas enquadradas nesta categoria passarão por uma vistoria rigorosa afim de que possa ser aprovada a sua participação. Lembrando que réplicas conversíveis deverão estar em conformidade com o Item BARRAS DE ROLAMENTO PESO É permitido o alivio de peso, desde que esteja de acordo com os itens mencionados permitidos. Habitáculo: É permitida a retirada de peças do seu interior, como banco do passageiro, banco traseiro, forração de teto, forração do assoalho, painel e etc... O volante de direção e manopla de cambio poderão ser substituídos por modelos esportivos - exceto volante de madeira, ou outro material que não forneça segurança. É permitida a substituição dos bancos originais por bancos de competição, sendo acompanhados também dos cintos de segurança de competição de no mínimo 4 (quatro) pontos. É permitida a retirada do estepe, macaco, chave de rodas, triângulo de segurança, tapetes e sistema de som. Carroceria e Chassis: É proibida qualquer alteração na carroceria ou chassi / monobloco do veículo. Não é permitida a retirada dos faróis, lanternas e retrovisores, pois os mesmo devem estar em perfeito estado de funcionamento. É proibida a substituição de partes da carroceria como portas, pára-lamas, capô e vidros, por outras de material mais leve (fibra de vidro, fibra de carbono, policarbonato, etc...), a fim de diminuir o peso do veículo. a) - Fica permitido o uso de outros materiais apenas em veículos que possuam esses itens originalmente.

12 b) - Qualquer outro tipo de alteração será avaliada pelo Inspetor Técnico, podendo aprovar ou recusar sua participação MOTOR e CAIXA DE CAMBIO: O tipo de motor, preparação e acionamento da caixa de cambio é livre, bem como a ordem de montagem do conjunto motor, cambio e diferencial. É proibido o uso de Óxido Nitroso. O combustível é livre, independente do que esteja registrado no documento, exceto o uso de METANOL e NITROMETANO DIREÇÃO E SUSPENSÃO: Deverão ser verificadas as condições gerais do mecanismo de direção e da suspensão. Os rolamentos dianteiros e traseiros dos cubos das rodas devem estar bem apertados e rodar livremente. Nenhuma folga na suspensão e no mecanismo de direção poderá existir. Os amortecedores são livres, contanto que seu número, tipo (telescópico, braço, etc.) e pontos de fixação originais sejam conservados. Permitido o uso de suspensão regulável (rosca). Não é permitida a utilização de suspensão a ar e molas cortadas e/ou esquentadas RODAS E PNEUS: A condição geral do conjunto aro/pneu deve ser boa. Não deverá haver fissuras ou outros danos ao aro. Todos os parafusos ou porcas deverão estar presentes e prendendo firmemente o conjunto aro/pneu. Não deverá haver calotas, sobre-aros ou quaisquer outros acessórios nas rodas. As rodas são livres quanto a seu material e diâmetro, desde que ofereçam segurança e estejam em bom estado de uso mantendo-se a fixação original, não sendo permitido o uso de rodas refuradas/adaptadas. Os pneus deverão obrigatoriamente possuir o selo DOT e/ou INMETRO, estar em bom estado de conservação e ter no mínimo 2mm de sulco na superfície de contato com o solo medido a partir do TWI (TWI 1,6mm+2mm= 3,6mm mínimo). Não deverá haver tiras de borracha expostas, bolhas, ou outros danos visíveis no pneu. É permitido o uso de pneus do tipo semi-slick (Yokohama A048, Toyo R888, etc...) Proibido o uso de pneus totalmente slicks (Pirelli Corsa, Yokohama A005, etc...), bem como pneus refrisados, recapados, remoldados ou similares SEGURANÇA: É obrigatório o uso de capacete aberto ou fechado desde que apresentem as normas padrões do INMETRO ou sejam homologados para competição. É obrigatório o uso de sapatilhas de competição (ou tênis de amarrar), macacão e balaclava. É obrigatório o uso de extintor de incêndio carregado, válido e fixado em seu suporte. NOTA: é altamente recomendado que todo o vestuário seja de material anti-chamas (NOMEX) 4.8 FREIOS: Os freios devem estar em boas condições de funcionamento e deve ser capaz de parar o veículo em uma distância razoável, e de uma forma controlada e segura. A pressão do pedal deve ser adequada. O nível do fluido deve estar acima do limite mínimo especificado pelo fabricante. As mangueiras da linha de freio devem estar em bom estado e não devem apresentar rachaduras ou vazamentos

13 O sistema de freios deverá estar adequado ao tipo de preparação mecânica empregada e será avaliado pelo Inspetor Técnico, podendo aprovar ou recusar a participação do veículo. É permitido o uso de dutos flexíveis para refrigeração do sistema de freios, desde que bem fixados à carroceria do veículo. 5. REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ULTRA (ULT) NORMAS TÉCNICAS: A categoria ULTRA deve seguir as normas técnicas constantes nesse regulamento específico DEFINIÇÃO: Participam desta categoria veículos de turismo, estruturados, tubulares carenados e os homologados para competições (ex: Protótipo Aldee, Aldee Spyder, Moro MRX, etc) PESO Habitáculo: É permitida a retirada de peças do seu interior, como banco do passageiro, banco traseiro, forração de teto, forração do assoalho, painel e etc... O volante de direção e manopla de cambio poderão ser substituídos por modelos esportivos - exceto volante de madeira, ou outro material que não forneça segurança. O banco do motorista deverá ser substituído por um banco de competição HOMOLOGADO, do tipo concha com cinto de segurança de no mínimo 5 (cinco) pontos. É permitida a retirada do estepe, macaco, chave de rodas, triângulo de segurança e sistema de som. Carroceria e Chassis: É permitida qualquer alteração na carroceria ou chassi / monobloco do veículo, inclusive chassis tubulares. É permitida a substituição de partes da carroceria como portas, pára-lamas, capô e vidros, por outras de material mais leve (fibra de vidro, fibra de carbono, policarbonato, etc...), a fim de diminuir o peso do veículo MOTOR e CAIXA DE CAMBIO: O tipo de motor, preparação e acionamento da caixa de cambio é livre, bem como a ordem de montagem do conjunto motor, cambio e diferencial. É proibido o uso de Óxido Nitroso. O combustível é livre, independente do que esteja registrado no documento, exceto o uso de METANOL e NITROMETANO DIREÇÃO E SUSPENSÃO: Deverão ser verificadas as condições gerais do mecanismo de direção e da suspensão. Os rolamentos dianteiros e traseiros dos cubos das rodas devem estar bem apertados e rodar livremente. Nenhuma folga na suspensão e no mecanismo de direção poderá existir. A montagem do conjunto mola e amortecedor é livre, sendo permitido o uso de suspensão regulável (rosca). Não é permitida a utilização de suspensão a ar e molas cortadas e/ou esquentadas RODAS E PNEUS: A condição geral do conjunto aro/pneu deve ser boa. Não deverá haver fissuras ou outros danos ao aro. Todos os parafusos ou porcas deverão estar presentes e prendendo firmemente o conjunto aro/pneu. Não deverá haver calotas, sobre-aros ou quaisquer outros acessórios nas rodas. As rodas são livres quanto a seu material, largura e diâmetro, desde que ofereçam segurança e estejam em bom estado de uso mantendo-se a fixação original, não sendo permitido o uso de rodas refuradas/adaptadas. Os pneus deverão obrigatoriamente possuir o selo do INMETRO ou DOT, estar em bom estado de conservação e ter no mínimo 2mm de sulco na superfície de contato com o solo medido a partir do TWI. (TWI 1,6mm+2mm= 3,6mm mínimo). Não deverá haver tiras de borracha expostas, bolhas, ou outros danos visíveis no pneu. Liberado o uso de pneus e slicks (Pirelli Corsa, Yokohama A005, etc...).(ver item Pneus, Nota )

14 É proibido o uso de pneus refrisados, recapados, remoldados ou similares SEGURANÇA: É obrigatório o uso de capacete aberto ou fechado desde que apresentem as normas padrões do INMETRO ou sejam homologados para competição. É obrigatório o uso de sapatilhas de competição (ou tênis de amarrar), macacão e balaclava. É obrigatório o uso de extintor de incêndio carregado, válido e fixado em seu suporte. NOTA: é altamente recomendado que todo o vestuário seja de material anti-chamas (NOMEX) 5.8 FREIOS: Os freios devem estar em boas condições de funcionamento e deve ser capaz de parar o veículo em uma distância razoável, e de uma forma controlada e segura. A pressão do pedal deve ser adequada. O nível do fluido deve estar acima do limite mínimo especificado pelo fabricante. As mangueiras da linha de freio devem estar em bom estado e não devem apresentar rachaduras ou vazamentos O sistema de freios deverá estar adequado ao tipo de preparação mecânica empregada e será avaliado pelo Inspetor Técnico, podendo aprovar ou recusar a participação do veículo. É permitido o uso de dutos flexíveis para refrigeração do sistema de freios, desde que bem fixados à carroceria do veículo. 6. REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA VINTAGE (VTG) NORMAS TÉCNICAS: A categoria VINTAGE deve seguir as normas técnicas constantes nesse regulamento específico DEFINIÇÃO: Participam dessa categoria veículos de turismo, de grande produção em série, coupé, sedan ou pick-up de pequeno porte, de 2, 3, 4 ou 5 portas, fabricados até o ano de 1980 (inclusive) conforme conste no certificado de registro do veículo. Sua preparação mecânica será livre conforme item PESO É permitido o alivio de peso, desde que esteja de acordo com os itens mencionados permitidos. Habitáculo: É permitida a retirada de peças do seu interior, como banco do passageiro, banco traseiro, forração de teto, forração do assoalho, painel e etc... O volante de direção e manopla de cambio poderão ser substituídos por modelos esportivos - exceto volante de madeira, ou outro material que não forneça segurança. É permitida a substituição dos bancos originais por bancos de competição, sendo acompanhados também dos cintos de segurança de competição de no mínimo 4 (quatro) pontos. É permitida a retirada do estepe, macaco, chave de rodas, triângulo de segurança, tapetes e sistema de som. Carroceria e Chassis: É proibida qualquer alteração na carroceria ou chassi / monobloco do veículo. Não é permitida a retirada dos faróis, lanternas e retrovisores, pois os mesmos devem estar em perfeito estado de funcionamento. É proibida a substituição de partes da carroceria como portas, paralamas, capô e vidros, por outras de material mais leve (fibra de vidro, fibra de carbono, policarbonato, etc...), a fim de diminuir o peso do veículo. a) - Fica permitido o uso de outros materiais apenas em veículos que possuam esses itens originalmente. b) - Qualquer outro tipo de alteração será avaliada pelo Inspetor Técnico, podendo aprovar ou recusar sua participação.

15 6.4 - MOTOR e CAIXA DE CAMBIO: O tipo de motor, preparação e acionamento da caixa de cambio é livre, bem como a ordem de montagem do conjunto motor, cambio e diferencial. É proibido o uso de Óxido Nitroso. O combustível é livre, independente do que esteja registrado no documento, exceto o uso de METANOL e NITROMETANO DIREÇÃO E SUSPENSÃO: Deverão ser verificadas as condições gerais do mecanismo de direção e da suspensão. Os rolamentos dianteiros e traseiros dos cubos das rodas devem estar bem apertados e rodar livremente. Nenhuma folga na suspensão e no mecanismo de direção poderá existir. Os amortecedores são livres, contanto que seu número, tipo (telescópico, braço, etc.) e pontos de fixação originais sejam conservados. Permitido o uso de suspensão regulável (rosca). Não é permitida a utilização de suspensão a ar e molas cortadas e/ou esquentadas RODAS E PNEUS: A condição geral do conjunto aro/pneu deve ser boa. Não deverá haver fissuras ou outros danos ao aro. Todos os parafusos ou porcas deverão estar presentes e prendendo firmemente o conjunto aro/pneu. Não deverá haver calotas, sobre-aros ou quaisquer outros acessórios nas rodas. As rodas são livres quanto a seu material e diâmetro, desde que ofereçam segurança e estejam em bom estado de uso mantendo-se a fixação original, não sendo permitido o uso de rodas refuradas/adaptadas. Os pneus deverão obrigatoriamente possuir o selo DOT e/ou INMETRO, estar em bom estado de conservação e ter no mínimo 2mm de sulco na superfície de contato com o solo medido a partir do TWI (TWI 1,6mm+2mm= 3,6mm mínimo).não deverá haver tiras de borracha expostas, bolhas, ou outros danos visíveis no pneu. É permitido o uso de pneus do tipo semi-slick (Yokohama A048, Toyo R888, etc...) Proibido o uso de pneus totalmente slicks (Pirelli Corsa, Yokohama A005, etc...), bem como pneus refrisados, recapados, remoldados ou similares SEGURANÇA: É obrigatório o uso de capacete aberto ou fechado desde que apresentem as normas padrões do INMETRO ou sejam homologados para competição. É obrigatório o uso de sapatilhas de competição (ou tênis de amarrar), macacão e balaclava. É obrigatório o uso de extintor de incêndio carregado, válido e fixado em seu suporte. NOTA: é altamente recomendado que todo o vestuário seja de material anti-chamas (NOMEX) 6.8 FREIOS: Os freios devem estar em boas condições de funcionamento e deve ser capaz de parar o veículo em uma distância razoável, e de uma forma controlada e segura. A pressão do pedal deve ser adequada. O nível do fluido deve estar acima do limite mínimo especificado pelo fabricante. As mangueiras da linha de freio devem estar em bom estado e não devem apresentar rachaduras ou vazamentos. O sistema de freios deverá estar adequado ao tipo de preparação mecânica empregada e será avaliado pelo Inspetor Técnico, podendo aprovar ou recusar a participação do veículo. É permitido o uso de dutos flexíveis para refrigeração do sistema de freios, desde que bem fixados à carroceria do veículo. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO EM: 20 DE NOVEMBRO DE 2013 CURITIBA PARANÁ - BRASIL

07 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C (TURBO C )

07 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C (TURBO C ) 07 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C (TURBO C ) 07.1 NORMAS TÉCNICAS: A categoria Dianteira Turbo C deverá seguir as normas técnicas constantes neste regulamento específico. 07.2 DEFINIÇÃO

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CAMPEONATO PAULISTA DE DRAG RACE 2014 REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DRAG RACE DIANTEIRA DD 1- REGULAMENTAÇÃO: Todos os veículos inscritos deverão passar por vistoria prévia. Todos os pilotos deverão ter

Leia mais

CAMPEONATO GAÚCHO DE ARRANCADA

CAMPEONATO GAÚCHO DE ARRANCADA FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA A CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961 Rua Comendador Azevedo, 440 - Conj. 1 - Fone/Fax (51)3224 4808 CEP 90220-150 - Porto

Leia mais

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares ou mais. c) A denominação desta categoria será Dianteira Turbo A.

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares ou mais. c) A denominação desta categoria será Dianteira Turbo A. 6 - CATEGORIA DIANTEIRA TURBO A - DT- A 6.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, nacionais ou importados, coupê, sedan ou pick- up, de 2, 3, 4 ou 5

Leia mais

14 - REGULAMENTO TÉCNICO DA CATEGORIA TURBO C

14 - REGULAMENTO TÉCNICO DA CATEGORIA TURBO C 14 - REGULAMENTO TÉCNICO DA CATEGORIA TURBO C 14 DEFINIÇÃO Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, coupê ou sedan, de 2, 3, 4 ou 5 portas Veículos de tração dianteira

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 6 - CATEGORIA DIANTEIRA TURBO A - DT-A 6.1) DEFINIÇÃO: a) Participam

Leia mais

14 - CATEGORIA STREET TRAÇÃO TRASEIRA STT

14 - CATEGORIA STREET TRAÇÃO TRASEIRA STT 14 - CATEGORIA STREET TRAÇÃO TRASEIRA STT 14.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, coupê, sedan ou pick-up, de 2, 3, 4 ou 5 portas de tração traseira

Leia mais

7 - CATEGORIA FORÇA LIVRE DIANTEIRA FLD

7 - CATEGORIA FORÇA LIVRE DIANTEIRA FLD 1 7 - CATEGORIA FORÇA LIVRE DIANTEIRA FLD REGULAMENTAÇÃO: Todos os veículos inscritos deverão passar por vistoria prévia. Todos pilotos deverão ter a cédula de piloto vigente no ano corrente para participar

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2014 REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2014 REGULAMENTO TÉCNICO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2014 REGULAMENTO TÉCNICO 10 - CATEGORIA TURBO TRASEIRA TT 10.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria

Leia mais

Este regulamento está organizado conforme o CDI Código Desportivo Internacional e CDA Código Desportivo do Automobilismo.

Este regulamento está organizado conforme o CDI Código Desportivo Internacional e CDA Código Desportivo do Automobilismo. 15 - CATEGORIA TRASEIRA STREET TURBO. Este regulamento está organizado conforme o CDI Código Desportivo Internacional e CDA Código Desportivo do Automobilismo. 15.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 2 - CATEGORIA DIANTEIRA ORIGINAL DO 2.1) DEFINIÇÃO: a) Participam

Leia mais

Os comissários podem solicitar a qualquer momento que sejam feitas as verificações necessárias em qualquer veiculo inscrito no evento.

Os comissários podem solicitar a qualquer momento que sejam feitas as verificações necessárias em qualquer veiculo inscrito no evento. REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ADAPTADO TURBO 1-REGULAMENTAÇÃO Todos os veículos inscritos deveram passar por vistoria prévia. Os competidores deverão provar ao comissário técnicos e desportivos do evento,

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO PARA CLASSIC CUP DIVISÃO 2

REGULAMENTO TÉCNICO PARA CLASSIC CUP DIVISÃO 2 REGULAMENTO TÉCNICO PARA CLASSIC CUP DIVISÃO 2 2011 ARTIGO 1: VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS ARTIGO 2: CATEGORIAS ARTIGO 3: IDENTIFICAÇÃO ARTIGO 4: CARROCERIA E DIMENSÕES ARTIGO 5: PESO ARTIGO 6: MOTOR

Leia mais

veículos de capacidade e cinqüenta

veículos de capacidade e cinqüenta 12 CATEGORIA PRO MOD PM 12.1) DEFINIÇÃO: Participam destas categorias veículos bipostos nacionais e importados, turismo, de produção em série, réplicas e protótipos, coupê, sedan ou pick upp de 2, 3, 4

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 13 CATEGORIA EXTREME 10,5 XTM 13.1) DEFINIÇÃO: a) Participam

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FORÇA LIVRE REGULAMENTO TÉCNICO 2015 ARTIGO 1: VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS ARTIGO 2: CARROCERIA E DIMENSÕES ARTIGO 3: PESO ARTIGO 4: MOTOR ARTIGO 5: COMBUSTÍVEL ARTIGO 6: LUBRIFICAÇÃO ARTIGO 7:

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2013 REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2013 REGULAMENTO TÉCNICO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2013 REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C DT-C 4.1) - DEFINIÇÃO: a) Participam desta

Leia mais

1 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DASAFIO TURBO

1 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DASAFIO TURBO FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA A CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961 Rua Comendador Azevedo, 440 Conj. 1 Fone/Fax (51)3224 4808 CEP 90220-150 Porto Alegre

Leia mais

Regulamento Técnico - Regras Gerais/Segurança

Regulamento Técnico - Regras Gerais/Segurança Regulamento Técnico - Regras Gerais/Segurança As normas e regras aqui estabelecidas são complementares aos regulamentos técnicos de cada categoria, portanto devem ser seguidas e obedecidas por competidores

Leia mais

FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DO ESTADO DE SANTA CATARINA

FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DO ESTADO DE SANTA CATARINA FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO XXIV PROVA DE ARRANCADA INTERNACIONAL DE CAMINHÕES EM BALNEÁRIO ARROIO DO SILVA / SC 1 - DAS INSCRIÇÕES DE 13 A 16 DE MARÇO DE 2014 REGULAMENTO GERAL 1.1 - As inscrições poderão

Leia mais

PREGULAMENTO ARRANCADÃO DE JERICOS 2015 CATEGORIA AGRICULTORES

PREGULAMENTO ARRANCADÃO DE JERICOS 2015 CATEGORIA AGRICULTORES 1.1.NORMAS TÉCNICAS PREGULAMENTO ARRANCADÃO DE JERICOS 2015 CATEGORIA AGRICULTORES As categorias da Corrida de jerico deverão seguir as normas técnicas constantes neste regulamento específico. 1.2.DEFINIÇÃO

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2013 REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2013 REGULAMENTO TÉCNICO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2013 REGULAMENTO TÉCNICO 13 CATEGORIA EXTREME 10,5 XTM 13.1) DEFINIÇÃO: a) Participam destas categorias

Leia mais

Categoria Desafio IMPORT

Categoria Desafio IMPORT Categoria Desafio IMPORT 1 - NORMAS TÉCNICAS: A categoria Desafio IMPORT deverá seguir as normas técnicas constantes neste regulamento especifico. 2 - DEFINIÇÃO: a) Poderão participar desta categoria veículos

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO Regras Gerais As normas e regras aqui estabelecidas são complementares aos regulamentos técnicos de cada categoria, portanto devem ser seguidas e obedecidas por competidores e equipes de todas as categorias.

Leia mais

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares ou mais. c) A denominação desta categoria será Dianteira Super.

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares ou mais. c) A denominação desta categoria será Dianteira Super. 3 - CATEGORIA DIANTEIRA SUPER DS 3.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, nacionais ou importados, coupê, sedan ou pick- up, de 2, 3, 4 ou 5 portas,

Leia mais

Campeonato Paranaense de Motovelocidade 2014

Campeonato Paranaense de Motovelocidade 2014 Campeonato Paranaense de Motovelocidade 2014 Regulamento Técnico ART. 1 - MOTOCICLETAS E CLASSES SUPERBIKE - Pró Motocicletas acima de 980cc, motor de 4 tempos e de 04 cilindros de até 1050cc, e 3 cilindros

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE NA TERRA COPA BRASIL DE VELOCIDADE NA TERRA

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE NA TERRA COPA BRASIL DE VELOCIDADE NA TERRA 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE NA TERRA COPA BRASIL DE VELOCIDADE NA TERRA CATEGORIA MINI-FÓRMULA TUBULAR CATEGORIAS A E B REGULAMENTO TÉCNICO 2013 CATEGORIAS MINI

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2014 REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2014 REGULAMENTO TÉCNICO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2014 REGULAMENTO TÉCNICO 8 - CATEGORIA TRASEIRA ORIGINAL TO 8.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta

Leia mais

REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL

REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL 1. OBJETIVO...3 2. APRESENTAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS...3 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS...4 3.1 Características Gerais...4 3.2 Carroceria...4 4. ACESSIBILIDADE...8 4.1

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE GRAN TURISMO ( GT ) 2012 SUMÁRIO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE GRAN TURISMO ( GT ) 2012 SUMÁRIO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE GRAN TURISMO ( GT ) 2012 SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES... 2 2. REGULAMENTO... 3 3. CARROCERIA... 4 4. PESO... 5 5.

Leia mais

FEDERAÇÃO PARANAENSE DE AUTOMOBILISMO FORÇA LIVRE MOTORSPORT CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO CAMPEONATO PARANAENSE DE ARRANCADA REGULAMENTO TÉCNICO

FEDERAÇÃO PARANAENSE DE AUTOMOBILISMO FORÇA LIVRE MOTORSPORT CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO CAMPEONATO PARANAENSE DE ARRANCADA REGULAMENTO TÉCNICO 1 FEDERAÇÃO PARANAENSE DE AUTOMOBILISMO FORÇA LIVRE MOTORSPORT CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO CAMPEONATO PARANAENSE DE ARRANCADA REGULAMENTO TÉCNICO REGULAMENTAÇÃO TÉCNICA GERAL DAS CATEGORIAS: O Campeonato

Leia mais

3.3 Análise Detalhada do Estado de Conservação do Veículo. 4.3 Interiores (estofado/couro, painéis, comandos, etc.)

3.3 Análise Detalhada do Estado de Conservação do Veículo. 4.3 Interiores (estofado/couro, painéis, comandos, etc.) Índice 1. Recompra Garantida 2. Agendamento da inspeção 3. Recompra do Veículo 3.1 Estado geral do veículo 3.2 Mecânica 3.3 Análise Detalhada do Estado de Conservação do Veículo 4. Danos permitidos/não

Leia mais

TROFÉU CLUBE DESPORTIVO NACIONAL PROMERCH PUBLICIDADE 2011 REGULAMENTO TÉCNICO

TROFÉU CLUBE DESPORTIVO NACIONAL PROMERCH PUBLICIDADE 2011 REGULAMENTO TÉCNICO TROFÉU CLUBE DESPORTIVO NACIONAL PROMERCH PUBLICIDADE 2011 REGULAMENTO TÉCNICO 1. TODAS AS VIATURAS DEVERÃO ESTAR OBRIGATORIAMENTE EQUIPADAS COM: 1.1. - Armação de Segurança constituída por: a) Arco Principal:

Leia mais

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares. c) A denominação desta categoria será Dianteira Original.

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares. c) A denominação desta categoria será Dianteira Original. 2- CATEGORIA DIANTEIRA ORIGINAL DO 2.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, nacionais ou importados, coupê, sedan ou pick- up, de 2, 3, 4 ou 5 portas,

Leia mais

STOCK CAR PAULISTA LIGHT E SUPER. STOCK PAULISTA LIGHT (novo nome da categoria) REGULAMENTO TÉCNICO

STOCK CAR PAULISTA LIGHT E SUPER. STOCK PAULISTA LIGHT (novo nome da categoria) REGULAMENTO TÉCNICO STOCK CAR PAULISTA LIGHT E SUPER STOCK PAULISTA LIGHT (novo nome da categoria) REGULAMENTO TÉCNICO 2011 ARTIGO 1: VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS ARTIGO 2: CARROCERIAS E DIMENSÕES ARTIGO 3: PESO ARTIGO

Leia mais

Inspeção Técnica e de Segurança

Inspeção Técnica e de Segurança Esta planilha é apresentada somente como um documento de referência. Os veículos devem cumprir todas as regras, presentes ou não nesta planilha. Os juízes poderão a qualquer momento adicionar ou modificar

Leia mais

A-001. CATÁLOGO TÉCNICO DE PEÇAS AUDACE A001 - Conjunto Caixa de Rodas e Para Pedras ITEM CÓDIGO DESCRIÇÃO OBSERVAÇÃO

A-001. CATÁLOGO TÉCNICO DE PEÇAS AUDACE A001 - Conjunto Caixa de Rodas e Para Pedras ITEM CÓDIGO DESCRIÇÃO OBSERVAÇÃO Cat ál ogotécni codepeças A001 - Conjunto Caixa de Rodas e Para Pedras 01 209-MIA00101 CHAPA PARA-PEDRAS 02 209-MIA00102 CHAPA PARA-PEDRAS 03 209-MIA00103 CHAPA PARA-PEDRAS 04 209-MIA00104 CHAPA PARA-PEDRAS

Leia mais

LOTE 06 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS AMBULÂNCIA DE SIMPLES REMOÇÃO TIPO A

LOTE 06 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS AMBULÂNCIA DE SIMPLES REMOÇÃO TIPO A LOTE 06 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS AMBULÂNCIA DE SIMPLES REMOÇÃO TIPO A SUMÁRIO 1 OBJETO... 3 2 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS MÍNIMAS DO VEÍCULO... 3 3 DESCRIÇÃO DO COMPARTIMENTO DE ATENDIMENTO... 5 4 OBSERVAÇÕES

Leia mais

CSR/Instruções de inspeção para Técnicos

CSR/Instruções de inspeção para Técnicos INSTRUÇÕES DE INSPEÇÃO Carregadeiras sobre rodas CSR/Instruções de inspeção para Técnicos Esta instrução é um recurso técnico informal. Para obter especificações e procedimentos corretos, refira-se sempre

Leia mais

DODGE RAM 2500. modelo 2008 GUIA DE REFERÊNCIA DO PRODUTO

DODGE RAM 2500. modelo 2008 GUIA DE REFERÊNCIA DO PRODUTO DODGE RAM 2500 modelo 2008 GUIA DE REFERÊNCIA DO PRODUTO Sempre Atual A Dodge Ram vem comprovar que força e estilo podem andar lado a lado e total harmonia. Internamente, a Dodge Ram possui painel de instrumentos

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL PARA SOLDA ELÉTRICA MODELO O - MOTOR PERKINS

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL PARA SOLDA ELÉTRICA MODELO O - MOTOR PERKINS Consulte as Assistências Técnicas Autorizadas acesse: www.bambozzi.com.br/assistec.xls ou ligue: +55 (16) 33833806 / 33833807 MANUAL DE INSTRUÇÕES BAMBOZZI PRODUTOS ESPECIAIS LTDA. Av. XV de Novembro,

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY RALLY CROSS COUNTRY DE VELOCIDADE 2013 REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY RALLY CROSS COUNTRY DE VELOCIDADE 2013 REGULAMENTO TÉCNICO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY RALLY CROSS COUNTRY DE VELOCIDADE 2013 REGULAMENTO TÉCNICO ARTIGO 1 - PRESCRIÇÕES GERAIS... 2 ARTIGO 2 - CATEGORIAS... 8 ARTIGO 3 - CATEGORIA

Leia mais

Baja SAE BRASIL Inspeção Técnica e de Segurança

Baja SAE BRASIL Inspeção Técnica e de Segurança Ref.: RBSB 1 emd.0 / RBSB 3 emd.0 / RBSB 5 emd.2 / RBSB 7 emd.3 / RBSB 9 emd.3 / RBSB 11 emd.3 Esta planilha é apresentada somente como um documento de referência. Os veículos devem cumprir todas as regras,

Leia mais

Guia de Condições de Revenda do Veículo à Concessionária

Guia de Condições de Revenda do Veículo à Concessionária Guia de Condições de Revenda do Veículo à Concessionária CONFIE NA NOSSA ESTRELA PARA COMPRAR A SUA. No final de seu contrato de financiamento, se a sua opção for a devolução do veículo, faremos esse processo

Leia mais

CAMPEONATO ECPA DE ARRANCADA 2015 REGULAMENTO TÉCNICO 2015 CATEGORIA TRASEIRA TURBO - TT

CAMPEONATO ECPA DE ARRANCADA 2015 REGULAMENTO TÉCNICO 2015 CATEGORIA TRASEIRA TURBO - TT 10 - CATEGORIA TURBO TRASEIRA TT 10.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, coupê, sedan ou pick-up, de 2, 3, 4 ou 5 portas, de tração traseira equipados

Leia mais

ANEXO I. Pará Pag.: 2 Governo Municipal de Água Azul do Norte. Preço Unit (R$) Código

ANEXO I. Pará Pag.: 2 Governo Municipal de Água Azul do Norte. Preço Unit (R$) Código Pará Pag.: 1 001835 LOCAÇÃO DE VEICULO UTILITÁRIO CAMIONETE 1.500,0000 DIA PICK-UP 4X4 Cabine Dupla, Potência Mínima de 120 CV, Direção Hidráulica, Ar-Condicionado,Bancos Reclináveis, Freio a Disco nas

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL PARA SOLDA ELÉTRICA MODELO OL MODELO OL - MOTOR PERKINS

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL PARA SOLDA ELÉTRICA MODELO OL MODELO OL - MOTOR PERKINS Consulte as Assistências Técnicas Autorizadas acesse: www.bambozzi.com.br/assistec.xls ou ligue: +55 (16) 33833806 / 33833807 MANUAL DE INSTRUÇÕES BAMBOZZI PRODUTOS ESPECIAIS LTDA. Av. XV de Novembro,

Leia mais

A) Ônibus com capacidade para 23, 31 e 44 passageiros:

A) Ônibus com capacidade para 23, 31 e 44 passageiros: ANEXO IV - RESOLUÇÃO Nº 035/2007/CD/FNDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA CAMINHO DA ESCOLA ESPECIFICAÇÕES A) Ônibus com capacidade para 23, 31 e 44 passageiros:

Leia mais

FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961

FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961 FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO CAMPEONATO GAÚCHO DE MINI FÓRMULA TUBULAR EM PISTA DE TERRA REGULAMENTO DESPORTIVO E TÉCNICO 2014 Art. 1º - DEFINIÇÃO: A Federação Gaúcha de Automobilismo, com a colaboração

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO NOTURNO DO TRANSPORTE COLETIVO DE CAMPINAS CORUJÃO

PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO NOTURNO DO TRANSPORTE COLETIVO DE CAMPINAS CORUJÃO GPT/M012/10/R4 PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO NOTURNO DO TRANSPORTE COLETIVO DE CAMPINAS CORUJÃO O presente documento estabelece os padrões de comunicação visual a serem observados

Leia mais

TROFÉU BRASIL 2.015 OPEN FORCE

TROFÉU BRASIL 2.015 OPEN FORCE TROFÉU BRASIL 2.015 OPEN FORCE REGULAMENTO REGULAMENTO GERAL ITEM 1. DISPOSIÇÕES PREMILIMARES 1.1 - O presente regulamento estabelece regras que devem ser cumpridas, visando evitar, e dirimir possíveis

Leia mais

FAELI REGIONAL DE KART FESTIVAL DE KART RD 2011 REGULAMENTO DESPORTIVO

FAELI REGIONAL DE KART FESTIVAL DE KART RD 2011 REGULAMENTO DESPORTIVO FAELI REGIONAL DE KART FESTIVAL DE KART RD 2011 REGULAMENTO DESPORTIVO ART 1º- Campeonato a ser realizado no Kartódromo de Farroupilha, em 2011, com organização da Bepi Kart - Competições e Lazer, e supervisão

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE TURISMO REGULAMENTO TÉCNICO 2015

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE TURISMO REGULAMENTO TÉCNICO 2015 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE TURISMO REGULAMENTO TÉCNICO 2015 ARTIGO Nº. 1 DEFINIÇÕES... 2 ARTIGO Nº. 2 ENTENDIMENTO GERAL... 2 ARTIGO

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO SELETIVO DO TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE CAMPINAS

PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO SELETIVO DO TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE CAMPINAS GPT/M008/10/R6 PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO SELETIVO DO TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE CAMPINAS O presente documento estabelece os padrões de comunicação visual a serem observados

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA SOCIAL TERMO DE REFERÊNCIA CONVÊNIO Nº 433/SENASP/MJ

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA SOCIAL TERMO DE REFERÊNCIA CONVÊNIO Nº 433/SENASP/MJ Termo de Referência - Convênio nº 433/2008/SENASP/MJ 1 ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA SOCIAL TERMO DE REFERÊNCIA CONVÊNIO Nº 433/SENASP/MJ 1) OBJETO Aquisição de Veículos (utilitário

Leia mais

Baú Lonado (Sider) Características do Produto. Chassi

Baú Lonado (Sider) Características do Produto. Chassi Baú Lonado (Sider) Cortinas laterais em malha de PVC; Trilhos para abertura total das laterias; Agilidade na carga e decarga lateral; Características do Produto Chassi Constituído de longarinas tipo I,

Leia mais

J E E P WRANGLER CATÁLOGO DE ACESSÓRIOS. set/14

J E E P WRANGLER CATÁLOGO DE ACESSÓRIOS. set/14 WRNGLER J E E P CTÁLOGO DE CESSÓRIOS set/14 TRNSPORTE DE CRGS Engates e Reboques - Kits de Engate Os Kits de Engate Mopar são produzidos com aço de alta resistência laminado à frio. São projetados e testados

Leia mais

MANUAL DE FUNCIONAMENTO

MANUAL DE FUNCIONAMENTO MANUAL DE FUNCIONAMENTO Prezado cliente, Nossas embaladoras são desenvolvidas para oferecer economia e, melhoria na apresentação de seus produtos, levando aos consumidores garantia de maior durabilidade

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CAMPEONATO SPYDER RACE CATEGORIA P3 2014 Regulamento Técnico ARTIGO 1 : VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS. ARTIGO 2 : CARROCERIA E DIMENSÕES. ARTIGO 3 : HABITACULO ARTIGO 4 : PESO ARTIGO 5 : MOTOR ARTIGO

Leia mais

renault Kangoo express

renault Kangoo express renault Kangoo express renault Kangoo express A Renault está sempre ao seu lado e acredita no crescimento de seus negócios. Por isso, oferece a você um carro ágil, versátil e com grande capacidade de carga.

Leia mais

by d Avila, 2004 versão 1.0

by d Avila, 2004 versão 1.0 Versão 1.0 2 by d Avila, 2004 versão 1.0 O autor e o Grupo CB Brasil acreditam que todas as informações aqui apresentadas estão corretas e podem ser utilizadas para qualquer fim legal. Entretanto, não

Leia mais

SuperBike Brasil 2016 Atualizado 05/05/2016 v2 Regulamento Técnico Especifico Copa Kawasaki Ninja 300

SuperBike Brasil 2016 Atualizado 05/05/2016 v2 Regulamento Técnico Especifico Copa Kawasaki Ninja 300 SuperBike Brasil 2016 Atualizado 05/05/2016 v2 Regulamento Técnico Especifico Copa Kawasaki Ninja 300 O Regulamento técnico específico de cada categoria se sobrepõe ao texto do Regulamento Técnico Geral.

Leia mais

VARREDEIRA ZE072. Manual de serviço

VARREDEIRA ZE072. Manual de serviço VARREDEIRA ZE072 Manual de serviço A varredeira ZE072 foi desenvolvida para trabalhos na construção civil, de manutenção em estradas, ou locais que necessitem o mesmo sistema de remoção de resíduos. Qualquer

Leia mais

Anexo III - ESPECIFICAÇÕES DOS OBJETOS. ITEM ESPECIFICAÇÃO UNIDADE VALOR 01 Tanque c/ equipamento combinado c/capacidade para 6m³ litros

Anexo III - ESPECIFICAÇÕES DOS OBJETOS. ITEM ESPECIFICAÇÃO UNIDADE VALOR 01 Tanque c/ equipamento combinado c/capacidade para 6m³ litros Anexo III - ESPECIFICAÇÕES DOS OBJETOS ITEM ESPECIFICAÇÃO UNIDADE VALOR 01 Tanque c/ equipamento combinado c/capacidade para 6m³ litros 01 (Instalado sobre reboque agrícola). 1 1 TANQUE RESERVATÓRIO: Tanque

Leia mais

O Moto Vibrador a Gasolina é utilizado para acionar os vibradores de imersão pendular de concreto e bombas de mangotes.

O Moto Vibrador a Gasolina é utilizado para acionar os vibradores de imersão pendular de concreto e bombas de mangotes. 1 APLICAÇÃO: O Moto Vibrador a Gasolina é utilizado para acionar os vibradores de imersão pendular de concreto e bombas de mangotes. ESPECIFICAÇÃO: Motor Gasolina: MODELO Potência Rotação Peso MGK-5.5

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 50, 22 de novembro de 200. CONSULTA PÚBLICA OBJETO:

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO CONVENCIONAL DO TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE CAMPINAS

PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO CONVENCIONAL DO TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE CAMPINAS GPT/M002/12/R8 PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO CONVENCIONAL DO TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE CAMPINAS O presente documento estabelece os padrões de comunicação visual a serem

Leia mais

WWW.GARAGEM83.COM.BR

WWW.GARAGEM83.COM.BR 1º EVENTO: DOMINGO - 15/03/2015 (APENAS TRACK DAY); 2º EVENTO: DOMINGO - 26/04/2015 (JUNTO COM MARCAS & PILOTOS); 3º EVENTO: DOMINGO - 17/05/2015 (APENAS TRACK DAY); 4º EVENTO: DOMINGO - 26/07/2015 (JUNTO

Leia mais

CAMINHÕES MILITARES UAI M1-50 e M1-34 UM TREM BÃO DAS GERAIS

CAMINHÕES MILITARES UAI M1-50 e M1-34 UM TREM BÃO DAS GERAIS CAMINHÕES MILITARES UAI M1-50 e M1-34 UM TREM BÃO DAS GERAIS No auge da Indústria de Material de Defesa no Brasil, nos anos 80, uma empresa mineira, localizada em Belo Horizonte, montadora de equipamentos

Leia mais

SPEED 1600 Regulamento Técnico. 2013 Revisado em 14/02/2013

SPEED 1600 Regulamento Técnico. 2013 Revisado em 14/02/2013 SPEED 1600 Regulamento Técnico 2013 Revisado em 14/02/2013 ARTIGO 1: VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS ARTIGO 2: CARROCERIA E DIMENSÕES ARTIGO 3: PESO ARTIGO 4: MOTOR ARTIGO 5: COMBUSTÍVEL ARTIGO 6: LUBRIFICAÇÃO

Leia mais

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Lavador de Ar

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Lavador de Ar Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção ISO 9001:2008 VENTEC AMBIENTAL EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES LTDA Rua André Adolfo Ferrari, nº 550 - Distrito Industrial Nova Era - Indaiatuba - São Paulo

Leia mais

Jipe JEG Um Militar a Paisana

Jipe JEG Um Militar a Paisana Jipe JEG Um Militar a Paisana Paulo Sérgio Coimbra da Silva, Arquiteto e Estudioso sobre a Evolução da Indústria Automobilística Brasileira. bleitura@acessa.com.br Aproveitando a idéia do projeto de um

Leia mais

Canhão Reboque 3000gpm

Canhão Reboque 3000gpm DESCRIÇÃO: CANHÃO MONITOR DE ALTA VAZÃO, equipamento desenvolvido para uso em áreas onde uma grande quantidade de água ou espuma são requeridas. Montado em Trailer Balanceado, de fácil manuseio em áreas

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE PARTE B CLASSE CUP REGULAMENTAÇÃO TÉCNICA 2016

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE PARTE B CLASSE CUP REGULAMENTAÇÃO TÉCNICA 2016 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE PARTE B CLASSE CUP REGULAMENTAÇÃO TÉCNICA 2016 INTRODUÇÃO Sempre que os presentes regulamentos se referirem à PROMOTORA, a DENER MOTORSPORT

Leia mais

A-001 CATÁLOGO TÉCNICO DE PEÇAS VOLARE W8-2010 A001 - CONJUNTO ESTRUTURA BASE SUPERIOR - PORTA PANTOGRÁFICA ITEM CÓDIGO DESCRIÇÃO OBSERVAÇÃO

A-001 CATÁLOGO TÉCNICO DE PEÇAS VOLARE W8-2010 A001 - CONJUNTO ESTRUTURA BASE SUPERIOR - PORTA PANTOGRÁFICA ITEM CÓDIGO DESCRIÇÃO OBSERVAÇÃO A001 - CONJUNTO ESTRUTURA BASE SUPERIOR - PORTA PANTOGRÁFICA A 46010129 CONJUNTO BASE SUPERIOR 01 46011160 REFORÇO FIXAÇÃO TAMPA INSPEÇÃO 02 52118825 PERFIS AÇO 03 46010387 CONJUNTO BARROTE 04 52106276

Leia mais

FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961

FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961 FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO E DESPORTIVO GAÚCHO CAMPEONATO GAÚCHO DE MARCAS E PILOTOS 2014 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO Art. 1º - Introdução REGULAMENTO DESPORTIVO A Federação Gaúcha de

Leia mais

PROPOSTA. Item: 0001 Descrição: VEÍCULO FURGÃO, COM TRANSFORMAÇÃO PARA AMBULÂNCIA BÁSICA, CONFORME EDITAL. Quantidade: 1 Unidade de Medida: Unidade

PROPOSTA. Item: 0001 Descrição: VEÍCULO FURGÃO, COM TRANSFORMAÇÃO PARA AMBULÂNCIA BÁSICA, CONFORME EDITAL. Quantidade: 1 Unidade de Medida: Unidade PROPOSTA Pregão Órgão: Prefeitura Municipal de Mata Número: 005/2012 Número do Processo: 10/2012 Unidade de Compra: PREFEITURA MUNICIPAL DE MATA Proposta(s) Item: 0001 Descrição: VEÍCULO FURGÃO, COM TRANSFORMAÇÃO

Leia mais

DRIFT SHOW INTRODUÇÃO REGULAMENTO GERAL DO DRIFT - FASP FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DE SÃO PAULO. NORMAS E REGULAMENTOS DRIFT - 2012 NORMAS DESPORTIVAS

DRIFT SHOW INTRODUÇÃO REGULAMENTO GERAL DO DRIFT - FASP FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DE SÃO PAULO. NORMAS E REGULAMENTOS DRIFT - 2012 NORMAS DESPORTIVAS REGULAMENTO GERAL DO DRIFT - FASP FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DE SÃO PAULO. NORMAS E REGULAMENTOS DRIFT - 2012 NORMAS DESPORTIVAS INTRODUÇÃO A FASP - Federação de Automobilismo de São Paulo supervisionará

Leia mais

EPTC CONCURSO PÚBLICO 01/2007

EPTC CONCURSO PÚBLICO 01/2007 EPTC CONCURSO PÚBLICO 01/2007 EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTES E CIRCULAÇÃO S/A JUSTIFICATIVAS PARA MANUTENÇÃO/ALTERAÇÃO DAS NOTAS PRELIMINARES DA PROVA PRÁTICA INSPETOR DE SEGURANÇA VEICULAR De acordo com

Leia mais

FEDERAÇÃO SERGIPANA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO SERGIPANO

FEDERAÇÃO SERGIPANA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO SERGIPANO FEDERAÇÃO SERGIPANA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO SERGIPANO CAMPEONATO SERGIPANO DE ARRANCADA REGULAMENTO DESPORTIVO 2008 REGULAMENTO TÉCNICO 2008 CAMPEONATO SERGIPANO DE ARRANCADA REGULAMENTO

Leia mais

Kit modelo KUT-00028 Toyota 3.0 diesel - 1 -

Kit modelo KUT-00028 Toyota 3.0 diesel - 1 - Manual Capítulo 1 de montagem : Kit modelo KUT-00028 Toyota 3.0 diesel - 1 - Ferramentas necessárias 3 Desmontagem do Veíulo 3 Preparação para montagem 4 Montagem do Kit no motor 5 Preparação para o funcionamento

Leia mais

TF-830 MOTOCICLETA. Leia cuidadosamente antes do uso

TF-830 MOTOCICLETA. Leia cuidadosamente antes do uso TF-830 MOTOCICLETA Leia cuidadosamente antes do uso Leia este manual cuidadosamente antes de usar este produto. O manual o informará como operar e montar o produto de uma forma correta para que nenhuma

Leia mais

TRANSPALETES MANUAIS MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CATÁLOGO PEÇAS DE REPOSIÇÃO

TRANSPALETES MANUAIS MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CATÁLOGO PEÇAS DE REPOSIÇÃO TM-IC TM-Z TM-IT TRANSPALETES MANUAIS MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CATÁLOGO PEÇAS DE REPOSIÇÃO Prezado Cliente, Você acaba de adquirir o Transpalete Hidráulico Manual (Linha TM)PALETRANS, um equipamento

Leia mais

BOMBA DE VACUO MANUAL KA-056

BOMBA DE VACUO MANUAL KA-056 Certificado de Garantia. Modelo Controle Kitest Equipamentos Automotivos KA-056 Nº Manual do Usuário A Kitest Equipamentos Automotivos garante o equipamento adquirido contra possíveis defeitos de fabricação

Leia mais

Axkid Manual de Instruções Kidzone

Axkid Manual de Instruções Kidzone Axkid Manual de Instruções Kidzone segurança Voltada para frente com cinto de 9-18kg Voltada para trás com cinto de segurança Voltada para frente com 9-25 Kg o cinto de segurança do adulto 15-25 kg Testado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 14/98 (com as alterações das Resoluções nº 87/99, nº 228/07, nº 259/07 e nº 279/08)

RESOLUÇÃO Nº 14/98 (com as alterações das Resoluções nº 87/99, nº 228/07, nº 259/07 e nº 279/08) RESOLUÇÃO Nº 14/98 (com as alterações das Resoluções nº 87/99, nº 228/07, nº 259/07 e nº 279/08) Estabelece os equipamentos obrigatórios para a frota de veículos em circulação e dá outras providências.

Leia mais

SUPER CARS MASTER REGULAMENTO TÉCNICO 2013

SUPER CARS MASTER REGULAMENTO TÉCNICO 2013 SUPER CARS MASTER REGULAMENTO TÉCNICO 2013 ARTIGO 1: POLITICA GERAL ARTIGO 2:REGULAMENTÃÇÕES ARTIGO 3: CHASSI ARTIGO 4: CARROCERIA E DIMENSÕES ARTIGO 5: PESO ARTIGO 6: MOTOR ARTIGO 7: TUBULAÇÕES E COMBUSTÍVEL

Leia mais

20. CHASSI INFORMAÇÕES DE SERVIÇO DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 20-1 DESCRIÇÃO 20-2 INSPEÇÃO 20-4 INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 20-1 DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 20-1

20. CHASSI INFORMAÇÕES DE SERVIÇO DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 20-1 DESCRIÇÃO 20-2 INSPEÇÃO 20-4 INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 20-1 DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 20-1 20. CHASSI INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 20-1 DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 20-1 DESCRIÇÃO 20-2 INSPEÇÃO 20-4 INFORMAÇÕES DE SERVIÇO Embora seja possível reparar trincas no chassi por meio de soldagem ou alinhar chassis

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA REGISTRO DE PREÇOS PARA AQUISIÇÕES DE VEÍCULOS

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA REGISTRO DE PREÇOS PARA AQUISIÇÕES DE VEÍCULOS ANEXO I REGISTRO DE PREÇOS PARA AQUISIÇÕES DE VEÍCULOS Item 1. JUSTIFICATIVA O presente registro justifica-se pela conveniência administrativa de fazer uso do Sistema de Registro de Preços para futuras

Leia mais

CARROCERIAS E ÔNIBUS LTDA

CARROCERIAS E ÔNIBUS LTDA CERTIFICADO E TERMOS DE GARANTIA E MANUTENÇÃO CARROCERIAS RODOVIARIOS, URBANOS, MICROS E MINI MICROS CARROCERIAS E ÔNIBUS LTDA Este certificado foi elaborado para proporcionar as informações necessárias

Leia mais

DESAFIO DOS DRIFTERS FMA 2013

DESAFIO DOS DRIFTERS FMA 2013 DESAFIO DOS DRIFTERS FMA 2013 FEDERAÇÃO MINEIRA DE AUTOMOBILISMO NORMAS E REGULAMENTOS REGULAMENTO GERAL INTRODUÇÃO A Federação Mineira de Automobilismo - FMA supervisionará os Desafios de DRIFT realizados

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 56/2012 PROCESSO: 23066.040825/12-97 UASG: 153038 Vigência: 17/04/2013 até 17/04/2014

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 56/2012 PROCESSO: 23066.040825/12-97 UASG: 153038 Vigência: 17/04/2013 até 17/04/2014 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 56/2012 PROCESSO: 23066.040825/12-97 UASG: 153038 Vigência: 17/04/2013 até 17/04/2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DIVISÃO DE MATERIAL DIM Maria Edite Jesus Brandão DIVISÃO DE MATERIAL

Leia mais

CAMPEONATO SUL BRASILEIRO DE SOM AUTOMOTIVO, TUNING E REBAIXADOS GTA EVENTOS EDIÇÃO 2015 REGRAS GERAIS

CAMPEONATO SUL BRASILEIRO DE SOM AUTOMOTIVO, TUNING E REBAIXADOS GTA EVENTOS EDIÇÃO 2015 REGRAS GERAIS CAMPEONATO SUL BRASILEIRO DE SOM AUTOMOTIVO, TUNING E REBAIXADOS GTA EVENTOS EDIÇÃO 2015 REGRAS GERAIS 1- Os competidores e equipes, deverão obedecer rigorosamente às regras estipuladas para o campeonato,

Leia mais

PARTE B REGULAMENTAÇÃO TÉCNICA

PARTE B REGULAMENTAÇÃO TÉCNICA PARTE B REGULAMENTAÇÃO TÉCNICA INTRODUÇÃO No GT3 Cup Challenge Brasil serão utilizados carros tecnicamente idênticos (modelos Porsche 911 GT3 Cup) de uma série limitada construída com base no modelo convencional

Leia mais

I Dispositivos Gerais:

I Dispositivos Gerais: REGULAMENTO DESPORTIVO I Dispositivos Gerais: 1. ORGANIZAÇÃO DO CAMPEONATO 1.1- O Campeonato de Arrancadas para Motos 2016 será supervisionado e organizado pela comissão organizadora e promotora de eventos

Leia mais

Ar condicionado Ar condicionado integrado frio e quente livre de CFC.

Ar condicionado Ar condicionado integrado frio e quente livre de CFC. S10 Advantage A Chevrolet S10 Advantage possui cabine simples ou dupla motor 2.4 Flexpower, além de tudo que uma camionete precisa: suspensão traseira com amortecedores de alta performance, sistema de

Leia mais

FILTRO PRENSA OLEOFIL MANUAL

FILTRO PRENSA OLEOFIL MANUAL FILTRO PRENSA OLEOFIL MANUAL 1 - INTRODUÇÃO O objetivo deste manual é disponibilizar todas as informações necessárias para a instalação, operação e manutenção dos filtros prensa OF da OLEOFIL, assim como

Leia mais

BATALHÃO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA

BATALHÃO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA BATALHÃO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA 1) - Normas Gerais de Circulação e Conduta: a)- Trânsito é a utilização das vias por pessoas, veículos e animais, isolados ou em grupos, conduzidos ou não, para fins de circulação,

Leia mais

GUIA DE LOCALIZAÇÃO DE PEÇAS PARA GVE

GUIA DE LOCALIZAÇÃO DE PEÇAS PARA GVE ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO PATRIMÔNIAL GERÊNCIA DE BENS MÓVEIS GUIA DE LOCALIZAÇÃO DE PEÇAS PARA GVE G E 2007 1 2 ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA

Leia mais

Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo

Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 74, de 13 de maio de 1996 O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais