IFRS em Destaque Agosto Destaques. Modelo único de controle introduzido para avaliar quando uma investida deve ser consolidada.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IFRS em Destaque Agosto 2011. Destaques. Modelo único de controle introduzido para avaliar quando uma investida deve ser consolidada."

Transcrição

1 IFRS em Destaque Agosto 2011 Consolidação: um novo modelo de controle único Departamento de Práticas Profissionais - DPP Destaques Modelo único de controle introduzido para avaliar quando uma investida deve ser consolidada. Direitos de voto potenciais detidos por um investidor e outras partes são considerados quando da avaliação de existência de controle. O IFRS 10 Consolidated Financial Statements introduz um novo enfoque para determinação de quais investidas devem ser consolidadas. Esse pronunciamento foi emitido pelo IASB1, em 12 de maio de 2011, e faz parte de um novo conjunto de normas de consolidação e outras normas relacionadas, as quais substituem também as atuais normas de contabilização de investimentos controlados em conjunto (denominadas na nova norma como Acordos Conjuntos) e faz alterações limitadas em relação a contabilização de entidades coligadas. Nesta publicação enfocaremos nos novos requerimentos do IFRS 10. O IFRS 10 proporciona um modelo único a ser aplicado na análise de existência de controle de todas as investidas: Controle Exposição à = Poder + variação de + retorno Ligação entre poder e retorno O conceito de controle de fato é explicitamente incluído no novo modelo de análise de controle. O conceito agente versus principal é introduzido explicitamente. Os novos requerimentos vigentes para períodos anuais iniciados a partir de 1º de janeiro de O investidor detém controle sobre uma investida quando está exposto, ou tem direito, a retornos variáveis decorrentes de seu envolvimento com a investida e tem a capacidade de afetar esses retornos devido ao seu poder sobre a investida.

2 Como este novo modelo único de controle pode afetar sua empresa As principais mudanças do modelo IAS 27 e SIC-12 e seus possíveis impactos estão resumidos a seguir. Principais mudanças Avaliação baseada em julgamento O modelo de controle único aplica-se a todas as investidas A identificação das atividades da investida é explicitamente exigida Definição de controle de fato está incluído no modelo Avaliação de controle baseada em direitos de voto potenciais substantivos em contraposição aos direitos de voto potenciais atualmente exercíveis Exposição ou o direito à variabilidade de retorno substitui o conceito de benefício Potenciais impactos Na avaliação de existência de controle a administração utilizará uma série de indicadores, contudo a norma não estabelece nenhuma hierarquia para esses indicadores: os administradores deverão analisar todos os fatos e circunstâncias e aplicar julgamento para fazer a avaliação da existência de controle. Por exemplo, a norma enfatiza a necessidade de entender a forma como foi estruturada (design) e o objetivo da investida e ressalta a necessidade de levar em consideração as evidências de poder, que são áreas sujeitas a muita subjetividade. Portanto, o IFRS 10 deverá ser uma norma de difícil aplicação em diversos setores e a sua adoção inicial pode exigir esforços significativos (treinamento de pessoal, avaliação de impacto, desenvolvimento de políticas, etc.). A conclusão sobre a existência de controle em uma EPE2, que atualmente está no escopo do SIC-12 pode ser alterada. Assim, as entidades dos setores de serviços financeiros e imobiliário podem ser impactadas. A mudança no modelo de controle também pode afetar grupos com investimentos em veículos de concessão no setor de infra-estrutura. A conclusão sobre a existência de controle em entidades investidas pode ser alterada nos casos em que diversos investidores têm a capacidade de dirigir diferentes atividades dessa entidade. Mais investidas podem ser consolidadas se atualmente a entidade avalia a capacidade de controle em bases legais ou contratuais de acordo com IAS 27, que é, em nossa experiência, a aplicação mais comum da norma. Além disso, haverá outras consequências práticas. Por exemplo, a avaliação do controle de fato exige o conhecimento sobre os direitos substantivos detidos pelo investidor e também o entendimento sobre os direitos detidos por terceiros. Na prática, pode ser um desafio para a entidade reunir todas essas informações, especialmente quanto ao momento em que a posição de acionista dominante é estabelecida. Como consequência, na data em que o investidor adquirir participação dominante (mas não majoritária) na investida, pode concluir que não detém o controle de fato da investida, e como resultado realizar a aplicação do método de aquisição duas vezes: pela primeira vez, ao adquirir influência significativa devido à participação dominante mas não controladora a fim de contabilizar o investimento pelo método de equivalência patrimonial e novamente quando concluir que detém o controle de fato. É provável que isso mude a conclusão sobre o controle em alguns casos: direitos de voto potenciais exercíveis podem não ser considerados como substantivos e vice-versa. Para determinar se os direitos são substantivos de acordo com IFRS 10, é preciso utilizar mais julgamento do que para determinar se eles são atualmente exercíveis de acordo com IAS 27. Além disso, parece que a intenção da parte que vende ou compra os direitos de voto potenciais seria levada em consideração na análise. A administração deverá monitorar os direitos de voto potenciais para determinar se são substantivos, podendo ser necessária a avaliação da capacidade prática do investidor em exercer esses direitos, por exemplo. A variabilidade de retorno é um conceito muito mais amplo do que benefícios derivados de titularidade de participação societária e não é somente uma análise de riscos e retornos. Assim, a aplicação deste conceito pode causar impacto na conclusão sobre a existência de controle, principalmente quando os benefícios, de acordo com IAS 27, eram interpretados como benefícios de titularidade de participação societária e esses benefícios eram bastante dispersos.

3 Principais mudanças Guidance na definição de agente versus principal introduzida explicitamente Guidance para o investidor avaliar a existência de poder sobre um silo em vez de sobre pessoa jurídica como um todo Direitos de proteção são definidos e uma orientação explícita sobre direitos de destituição da administração é introduzida Potenciais impactos Diversos indicadores são fornecidos para que se analise se o tomador de decisões está agindo como agente ou principal no exercício de suas funções na direção das atividades da investida. Embora todos os fatos e circunstâncias devam ser levados em consideração, algumas entidades podem encontrar dificuldade em avaliar se a remuneração recebida é equivalente à de outros provedores de serviços ou se os direitos de destituição detidos pelas outras partes são substantivos. As entidades do setor de fundos de investimento, bem como as administradoras de ativos, estão mais propensas a sofrer o impacto relacionado a este guidance. Este guidance não existe no IAS 27 nem no SIC-12, o que pode mudar a conclusão sobre a existência de controle sobre um silo3 e sobre a entidade em que o silo se encontra em alguns casos. Dependendo do modelo de negócio utilizado, alguns setores podem ser particularmente impactadas por essa mudança. É fornecida orientação sobre os direitos detidos por terceiros; essa orientação não existe no IAS 27. Em nossa experiência, na preparação das demonstrações financeiras em IFRS (CPC) costuma-se utilizar a orientação sobre direitos de proteção e de participação contidas no US GAAP. No entanto, a definição de direito de proteção contida no US GAAP é diferente da definição do IFRS 10. Assim, a análise pode divergir da prática atual. Entidades dos setores de fundos de investimento e imobiliário podem ser particularmente afetadas na aplicação deste conceito.

4 Uma breve explicação do novo modelo de controle único O IFRS 10 substitui o IAS 27 Demonstrações Financeiras Consolidadas e Separadas e o SIC-12 Consolidação - Entidades de Propósito Específico (no Brasil, ambos traduzidos no CPC 36), e fornece um modelo único a ser aplicado na análise de controle de todas as investidas, inclusive entidades que atualmente são EPEs no escopo do SIC-12. O diagrama abaixo apresenta o fluxo que o investidor seguirá na avaliação se detém o controle de uma investida. No entanto, o IFRS 10 não prescreve uma ordem a ser seguida para realizar a análise e não exige que o investidor passe por todas as etapas apresentadas nesse diagrama. Identifique a investida (entidade legal ou silo) Identifique as atividades relevantes4 da investida Identifique como as decisões sobre as atividades relevantes são tomadas Avalie se o investidor tem poder sobre as atividades relevantes Considere apenas os direitos substantivos Os direitos de voto são relevantes Outros direitos são relevantes Considere Maioria dos direitos de voto Considere Direitos detidos por terceiros Menos do que a maioria dos direitos de voto Considere Acordos com outros detentores de direitos de voto Objetivo e forma como foi estruturada a investida Evidência de capacidade prática para direcionar as atividades Avalie se há ligação entre poder e retorno Relações especiais Outros acordos contratuais Exposição à variabilidade de retorno Direitos de voto potenciais Poder de fato Avalie se o investidor está exposto à variabilidade de retorno O controle sobre uma investida deve ser avaliado continuamente, ou seja, é reavaliado à medida que os fatos e as circunstâncias mudam. Mudanças nas condições de mercado não requerem uma reavaliação da conclusão sobre a existência de controle, a menos que altere um ou mais dos elementos de controle, por exemplo, significância dos direitos de voto potenciais. O investidor determina se outras partes com participação na investida estão atuando em seu nome. Nesse caso, ao avaliar se este detém o controle da investida, o investidor considera os direitos de tomar decisões detidos por essas partes conjuntamente com seus direitos quando da avaliação da existência de controle sobre uma investida.

5 Algumas das etapas apresentadas no diagrama exigem informações mais detalhadas. Considere somente direitos substantivos Somente direitos substantivos detidos pelo investidor e por outras partes são considerados. Para ser substantivo, o direito precisa ser exercível quando uma decisão relevante sobre atividade da investida precisa ser tomada, e seu detentor precisa ter, na prática, a capacidade de exercer esse direito. Direitos de proteção estão relacionados a mudanças fundamentais nas atividades da investida ou aplicáveis somente em circunstâncias excepcionais. Eles não dão poder a seu detentor nem impedem que outros detenham esse poder. Identifique poder de fato O investidor tem poder de fato sobre uma investida quando seus direitos são suficientes para determinar que ele tenha poder, pois esse investidor tem a capacidade prática de direcionar as atividades relevantes da investida unilateralmente. O processo para avaliar se o investidor tem poder de fato sobre a investida tem duas etapas: na primeira etapa, o investidor considera todos os fatos e circunstâncias, inclusive a quantidade de ações que te dão direito a voto em comparação com a quantidade de ações detidas por outros investidores e a dispersão das ações de outros investidores. Assim, se o investidor detiver significativamente mais direitos do que qualquer outro detentor de votos, e os outros acionistas estiverem bastante dispersos, o investidor pode ter informações suficientes para concluir que tem poder sobre a investida. Em outros casos, pode ficar claro que o investidor não controla a investida. Se a primeira etapa não for conclusiva, fatos e circunstâncias adicionais são analisados em uma segunda etapa. na segunda etapa, o investidor deve avaliar se os outros acionistas exercem uma postura passiva, considerando a forma como esses acionistas votaram em assembléias gerais anteriores. O investidor também considera os fatores normalmente utilizados para avaliar a existência de poder quando a investida é controlada por direitos que não sejam direitos de voto. Se, após a segunda etapa, a conclusão não for clara, o investidor não controla a investida. Avaliar a exposição à variabilidade de retorno Retorno é definido de forma ampla, incluindo distribuição de benefícios econômicos e mudanças no valor do investimento, em honorários, remunerações, benefícios fiscais, economias de escala, diminuição de custos e outras sinergias. Avaliar a relação entre poder e retorno Para haver controle, o investidor precisa ter a capacidade de usar seu poder sobre a investida para obter retorno que os beneficiam, ou seja, precisa haver ligação entre poder e retorno. O investidor que tem poder de tomar decisões na investida deve determinar se está atuando como agente ou como principal ao avaliar se controla a investida. Se o tomador de decisões for agente, a relação entre poder e retorno não existe e considerase que o poder delegado ao tomador de decisões é detido pelo principal. Para determinar se é um agente, o tomador de decisões considera: 1. se uma única parte detém direitos substantivos de destituição do tomador de decisões sem justa causa; nesse caso, o tomador de decisões é um agente. 2. se sua remuneração é baseada em termos normais de mercado; se não for esse o caso, o tomador de decisões é principal. 3. a forma de relacionamento entre si próprio e outras partes por meio de uma série de fatores, caso nem (1) nem (2) acima forem conclusivos. Esses fatores incluem: o alcance de sua autoridade de tomador de decisões na investida. direitos substantivos detidos pelas outras partes. a remuneração do tomador de decisões (grau de ligação com o desempenho da investida). sua exposição à variabilidade de retorno oriunda das outras participações que detém na investida. Pesos diferentes são aplicados a cada um dos fatores, em razão de fatos e circunstâncias específicas. No IFRS 10, os dois últimos fatores, ou seja, remuneração e outras participações detidas, são às vezes considerados no agregado e referidos como interesses econômicos do tomador de decisões. Quanto maior for a magnitude e variabilidade de seus interesses econômicos na investida, maior a probabilidade de que o tomador de decisões seja o principal. Adoção nos períodos iniciados a partir de 1º de janeiro de 2013 O IFRS 10 é válido para períodos anuais que se iniciam em 1º de janeiro de 2013 ou após essa data. A adoção antecipada é permitida desde que todo o conjunto de normas de consolidação seja adotado ao mesmo tempo. As entidades são encorajadas a apresentar as informações exigidas pelo IFRS 12 antes que este entre em vigor, e essa divulgação antecipada não obriga a entidade a aplicar integralmente os requerimentos do IFRS 12 nem as outras novas normas de consolidação emitidas. O IFRS 10 é aplicado retrospectivamente quando existe uma mudança na definição de controle de acordo com o IAS 27/ SIC-12 para IFRS 10. Há exigências específicas quando a aplicação retrospectiva for impraticável. A aplicação deste Pronunciamento no Brasil está sujeita a emissão de norma correspondente pelo CPC e as devidas aprovações pelos órgãos reguladores.

6 O novo conjunto de normas de consolidação O diagrama abaixo mostra as cinco normas novas ou alteradas emitidas e seus respectivos alcances. Controladas IFRS 10 Contabilidade Divulgação Demonstrações financeiras separadas Coligadas IAS 28 (2011) IAS 27 (2011) Joint ventures IFRS 11 e IAS 28 (2011) Operações conjuntas IFRS 11 IFRS 12 IFRS 11 Entidades nãoestruturadas Geralmente IFRS 9/IAS 39 IFRS 12 Adicionalmente a esta publicação, a KPMG publicou o IFRS em Destaque: Fim da consolidação proporcional para entidades controladas em conjunto que fornece uma visão geral do IFRS 11 Acordos Conjuntos e do IAS 28 (2011) Coligadas e Entidades controladas em conjunto; e IFRS em Destaque: Divulgações extensas sobre participações em outras entidades o qual apresenta uma visão geral sobre o IFRS 12. Em geral, o IAS 27 (2011) Demonstrações Financeiras Separadas5 mantém as exigências contábeis e de divulgação das demonstrações financeiras separadas, com alguns pequenos esclarecimentos. Como parte do projeto de consolidação, o IASB também pretende emitir, no segundo trimestre de 2011, um Exposure Draft propondo mudanças na consolidação de investidas mantidas por sociedades de investimento. A publicação IFRS em Destaque: Consolidação: fim da consolidação proporcional para entidades controladas em conjunto forcene uma visão geral do IFRS 11; nossa publicação IFRS em Destaque: Extensas divulgações sobre participações em outras entidades proporciona uma visão geral sobre o IFRS 12. Abreviações: 1 - IASB: International Accounting Standards Board 2- O CPC 19 foi alterado em 2011 para incluir opção de registro de empreendimentos controlados em conjunto pelo método de equivalência patrimonial. Até a sua emissão desta versão revisada do CPC 19 final a única opção existente nos pronunciamentos contábeis do CPC é a consolidação proporcional. 3 - Silo: parte da entidade que é tratada como entidade separada. Os ativos, passivos e patrimônio líquido do silo estão estritamente separados em relação ao restante da entidade 4 - atividades relevantes: atividades da investida que afetam significativamente seu retorno 5 - Demonstrações financeiras separadas em IFRS não são equivalentes a demonstrações financeiras individuais no Brasil. Departamento de Práticas Profissionais - DPP R. Dr. Renato Paes de Barros, São Paulo, SP Fone (11) Elaboração: Daniel B. Lopes Armesto Danilo S. Simões Ramon D. Jubels Planejamento Visual: Renata de Souza Santos Todas as informações apresentadas neste documento são de natureza genérica e não têm por finalidade abordar as circunstâncias de nenhum indivíduo específico ou entidade. Embora tenhamos nos empenhado em prestar informações precisas e atualizadas, não há nenhuma garantia de sua exatidão na data em que forem recebidas nem de que tal exatidão permanecerá no futuro. Essas informações não devem servir de base para se empreender qualquer ação sem orientação profissional qualificada, precedida de um exame minucioso da situação em pauta. O nome KPMG, o logotipo e cutting through complexity são marcas registradas ou comerciais da KPMG International KPMG Auditores Independentes, uma sociedade simples brasileira e firma-membro da rede KPMG de firmas-membro independentes e afiliadas à KPMG International Cooperative ( KPMG International ), uma entidade suíça. Todos os direitos reservados.

IFRS em Destaque Dezembro 2011. Destaques. Valor justo definido como preço de saída.

IFRS em Destaque Dezembro 2011. Destaques. Valor justo definido como preço de saída. IFRS em Destaque Dezembro 2011 Orientação unificada para mensuração e divulgação do valor justo para IFRS Departamento de Práticas Profissionais - DPP Destaques Valor justo definido como preço de saída.

Leia mais

Divulgações sobre o envolvimento em entidades estruturadas

Divulgações sobre o envolvimento em entidades estruturadas CONTABILIDADE EM DESTAQUE Outubro de 2015 Edição: 001/15 Divulgações sobre o envolvimento em entidades estruturadas Esta edição da Contabilidade em Destaque tem como objetivo explicar mais profundamente

Leia mais

Desafios do IFRS para empresas brasileiras

Desafios do IFRS para empresas brasileiras Desafios do IFRS para empresas brasileiras Estamos em consonância com o mundo? 3º Encontro de Contabilidade e Auditoria 16 de setembro de 2013 Ramon D. Jubels 3º Encontro de Contabilidade e Auditoria 1

Leia mais

C o n s o l i d a ç ã o

C o n s o l i d a ç ã o Comparações entre Práticas Contábeis IAS 22 e 27 SIC 12 e 33 Pontos-chave para comparar diferenças ARB 51, APB 18, SFAS 94, 125 e 140 EITFs 90-15, 96-16, 96-20, Topic D-14, 96-21, 97-2, C51 FIN 46R D i

Leia mais

Instrumentos financeiros - A norma completa

Instrumentos financeiros - A norma completa Instrumentos financeiros - A norma completa Mudanças nos fundamentos requerem planejamento cuidadoso Setembro de 2014, Edição 04/2014 IFRS EM DESTAQUE kpmg.com/br A nova norma irá ter um impacto significativo

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 36 (R3) Demonstrações Consolidadas

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 36 (R3) Demonstrações Consolidadas COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 36 (R3) Demonstrações Consolidadas Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 10 (IASB - BV 2012) Índice Item OBJETIVO 1 3

Leia mais

Guia das Demonstrações Financeiras Pontos para Fechamento de 2013 Aspectos contábeis

Guia das Demonstrações Financeiras Pontos para Fechamento de 2013 Aspectos contábeis www.pwc.com.br Guia das Demonstrações Financeiras Pontos para Fechamento de 2013 Aspectos contábeis Novembro de 2013 Agenda 2013 Normas novas e revisadas IAS 1 Apresentação das demonstrações financeiras

Leia mais

Contratos de seguro. Um novo mundo para os seguros. Junho de 2013. kpmg.com/ifrs

Contratos de seguro. Um novo mundo para os seguros. Junho de 2013. kpmg.com/ifrs Contratos de seguro Um novo mundo para os seguros Junho de 2013 kpmg.com/ifrs Grandes esforços foram feitos pelo IASB para melhorar as propostas, abordando as principais preocupações dos participantes

Leia mais

Sinopse Contábil & Tributária 2013

Sinopse Contábil & Tributária 2013 AUDITORIA E IMPOSTOS Sinopse Contábil & Tributária 2013 Resumo das principais normas de contabilidade e de legislação tributária emitidas em 2013. DPP Departamento de Práticas Profissionais kpmg.com/br

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2) Investimento em Coligada, em Controlada e em Empreendimento Controlado em Conjunto Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 36. Demonstrações Consolidadas

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 36. Demonstrações Consolidadas COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 36 Demonstrações Consolidadas Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 27 Índice Item ALCANCE 1 3 DEFINIÇÕES 4 8 APRESENTAÇÃO

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 35 (R1) Demonstrações Separadas

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 35 (R1) Demonstrações Separadas COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 35 (R1) Demonstrações Separadas Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 27 (IASB BV 2011) Índice Item ALCANCE 1 3 DEFINIÇÕES

Leia mais

NBC TSP 7 - Investimento em Coligada e em Controlada. Alcance

NBC TSP 7 - Investimento em Coligada e em Controlada. Alcance NBC TSP 7 - Investimento em Coligada e em Controlada Alcance 1. Uma entidade que elabora e apresenta demonstrações contábeis segundo o regime de competência deve aplicar esta Norma na contabilização dos

Leia mais

Regulatory Practice News

Regulatory Practice News BANKING Regulatory Practice News Novembro 2009 FINANCIAL SERVICES Bacen Instrumentos Financeiros Circular 3.474, de 11.11.2009 Registro A Resolução 2.770/00 (vide RP News ago/00) altera e consolida as

Leia mais

Guia para demonstrações financeiras anuais - Suplemento CPC 45 (IFRS 12)

Guia para demonstrações financeiras anuais - Suplemento CPC 45 (IFRS 12) Guia para demonstrações financeiras anuais - Suplemento CPC 45 (IFRS 12) Janeiro/2015 1 Índice Sobre este suplemento 1 Sobre o CPC 45 (IFRS 12) 2 Coligadas materiais 4 Empreendimentos controlados em conjunto

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45 Divulgação de Participações em Outras Entidades Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 12 (IASB - BV 2012) Índice Item

Leia mais

Bacen. Remessa de Documentos REGULATORY PRACTICE NEWS. Financial Services. Resolução 3.908, de 30.09.2010 Consulta a informações

Bacen. Remessa de Documentos REGULATORY PRACTICE NEWS. Financial Services. Resolução 3.908, de 30.09.2010 Consulta a informações REGULATORY PRACTICE NEWS Financial Services Resolução 3.908, de 30.09.2010 Consulta a informações Bacen Outubro 2010 Remessa de Documentos Circular 3.510, de 26.10.2010 Substituição Altera os procedimentos

Leia mais

Demonstrações Financeiras Intermediárias Consolidadas (não auditadas) Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS

Demonstrações Financeiras Intermediárias Consolidadas (não auditadas) Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS Demonstrações Financeiras Intermediárias Consolidadas (não auditadas) Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS Banco Santander (Brasil) S.A. 30 de Setembro de 2011 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Objetivos da aula: Nesta aula veremos como cada empresa deve fazer pela primeira vez a adoção do IFRS. Como ela

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R2) Negócios em Conjunto

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R2) Negócios em Conjunto COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R2) Negócios em Conjunto Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 11 (IASB - BV 2012) Índice Item OBJETIVO 1 2 ALCANCE

Leia mais

CONECT. PDD - Imparidade. II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras

CONECT. PDD - Imparidade. II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras AUDIT CONECT PDD - Imparidade II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras 26 de novembro de 2010 José Claudio Costa / Simon Fishley Introdução Comentários Gerais Práticas Contábeis

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 03/2013 REVISÃO DE PRONUNCIAMENTOS TÉCNICOS CPC. Prazo: 19 de fevereiro de 2014

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 03/2013 REVISÃO DE PRONUNCIAMENTOS TÉCNICOS CPC. Prazo: 19 de fevereiro de 2014 REVISÃO DE PRONUNCIAMENTOS TÉCNICOS CPC Prazo: 19 de fevereiro de 2014 A Comissão de Valores Mobiliários CVM, em conjunto com o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), submete à Audiência Pública, nos

Leia mais

Demonstrações financeiras Exercício de 2013 O aperfeiçoamento das regras contábeis brasileiras

Demonstrações financeiras Exercício de 2013 O aperfeiçoamento das regras contábeis brasileiras Demonstrações financeiras Exercício de 2013 O aperfeiçoamento das regras contábeis brasileiras Acesse este e outros conteúdos em www.deloitte.com.br e por meio do aplicativo Deloitte Publicações, disponível

Leia mais

Sinopse Contábil & Tributária 2015

Sinopse Contábil & Tributária 2015 Sinopse Contábil & Tributária 2015 Resumo das principais normas de contabilidade e de legislação tributária emitidas em 2015. AUDITORIA E IMPOSTOS DPP Departamento de Práticas Profissionais kpmg.com/br

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15 Combinação de Negócios Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 3 (IASB) (parte) Descrição Item Objetivo 1 Alcance e Finalidade

Leia mais

Sinopse Contábil. Editorial. Nesta Edição. Nº 11 abr/2006. Normas Nacionais 2 CFC 3 IBRACON 4 CVM. Normas Internacionais 7 IASB.

Sinopse Contábil. Editorial. Nesta Edição. Nº 11 abr/2006. Normas Nacionais 2 CFC 3 IBRACON 4 CVM. Normas Internacionais 7 IASB. AUDIT RELATED SERVICES Sinopse Contábil Nº 11 abr/2006 AUDITORIA Editorial Nesta Edição Normas Nacionais 2 CFC 3 IBRACON 4 CVM Normas Internacionais 7 IASB Normas Americanas 10 FASB 12 PCAOB Esta edição

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis Vigor Alimentos S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis KPMG Auditores Independentes Fevereiro de 2013 KPDS 51378 KPMG Auditores Independentes R. Dr. Renato Paes de

Leia mais

NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance

NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance 1. Uma entidade que prepare e apresente demonstrações contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma na contabilização

Leia mais

Faz saber que foi aprovada em seu Plenário a seguinte Norma Brasileira de Contabilidade (NBC), que tem por base o CT 04/2010 (R2) do Ibracon:

Faz saber que foi aprovada em seu Plenário a seguinte Norma Brasileira de Contabilidade (NBC), que tem por base o CT 04/2010 (R2) do Ibracon: Norma Brasileira de Contabilidade CFC/CTA Nº 2 DE 27/02/2015 Publicado no DO em 9 mar 2015 Dá nova redação ao CTA 02 que trata da emissão do relatório do auditor independente sobre demonstrações contábeis

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS. Banco Santander (Brasil) S.A.

Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS. Banco Santander (Brasil) S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS Banco Santander (Brasil) S.A. 31 de Dezembro de 2011 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS ÍNDICE

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o Documento de Revisão de Pronunciamentos Técnicos nº 06 referente aos Pronunciamentos CPC 04, CPC 05, CPC 10, CPC 15, CPC 22, CPC 25, CPC 26, CPC 27, CPC 28, CPC 33, CPC 38, CPC 39 e CPC 46 emitidos

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10 Pagamento Baseado em Ações Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 2 Descrição Item Objetivo 1 Escopo 2 6 Reconhecimento

Leia mais

Regulatory Practice News

Regulatory Practice News Maio 2010 BANKING Regulatory Practice News FINANCIAL SERVICES Bacen Processo de Convergência Carta-Circular 3.447, de 12.05.2010 Padrão Contábil Internacional A Resolução 3.853/10 (vide RP News abr/10)

Leia mais

LDC-SEV Bioenergia S.A. e Controladas

LDC-SEV Bioenergia S.A. e Controladas LDC-SEV Bioenergia S.A. e Controladas Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Março de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Deloitte

Leia mais

Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL

Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações

Leia mais

BETAPART PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E DE 2013. Página 1 de 16

BETAPART PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E DE 2013. Página 1 de 16 BETAPART PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E DE 2013 Página 1 de 16 BETAPART PARTICIPAÇÕES S.A. Demonstrações Contábeis Em 31 de Dezembro de 2014 e de 2013 Conteúdo Relatório

Leia mais

ABC Aberta S.A. www.pwc.com.br

ABC Aberta S.A. www.pwc.com.br www.pwc.com.br ABC Aberta S.A. Demonstrações financeiras ilustrativas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2014 Demonstrações financeiras ilustrativas

Leia mais

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2010

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2010 Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2010 Equipe técnica Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes Ed Ruiz Rogério Mota Emerson Ferreira Jonas Dal

Leia mais

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC O Comitê de Pronunciamentos - CPC Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de - FBC Objetivo: O estudo, o preparo e a emissão de Pronunciamentos Técnicos sobre procedimentos de e a divulgação de informações

Leia mais

Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2014

Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2014 Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2014 KPDS 114064 Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS 29.12.2012 Jornal Oficial da União Europeia L 360/1 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) N. o 1254/2012 DA COMISSÃO de 11 de dezembro de 2012 que altera o Regulamento (CE) n. o 1126/2008,

Leia mais

Comparações entre Práticas Contábeis

Comparações entre Práticas Contábeis IAS 12, SIC-21, SIC-25 SFAS 109, I27, muitas questões EITF NPC 25 do Ibracon, Deliberação CVM 273/98 e Instrução CVM 371/02 Pontos-chave para comparar diferenças D i f e r e n ç a s S i g n i f i c a t

Leia mais

Private Equity ADVISORY

Private Equity ADVISORY Private Equity ADVISORY Private Equity Excelentes profissionais que trabalham em equipe, transformando conhecimento em valor, em benefício de nossos clientes. Private Equity 1 Qualidade e integridade são

Leia mais

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3-4

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 610, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009

DELIBERAÇÃO CVM Nº 610, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 43 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata da adoção inicial dos pronunciamentos técnicos CPC 15 a 40. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM

Leia mais

Relatório da Administração Dommo 2014

Relatório da Administração Dommo 2014 Relatório da Administração Dommo 2014 A Administração da Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. apresenta o Relatório da Administração e as correspondentes Demonstrações Financeiras referentes aos exercícios

Leia mais

SUSEP. Regulatory Practice Insurance News. Capital Mínimo Circular SUSEP 486, de 23.01.2014 Cálculo do capital de risco

SUSEP. Regulatory Practice Insurance News. Capital Mínimo Circular SUSEP 486, de 23.01.2014 Cálculo do capital de risco Regulatory Practice Insurance News Janeiro 2014 SUSEP Capital Mínimo Circular SUSEP 486, de 23.01.2014 Cálculo do capital de risco Esta Circular dispõe sobre instruções complementares necessárias à execução

Leia mais

IFRS 9 Instrumentos Financeiros Novas regras sobre a classificação e mensuração de ativos financeiros, incluindo a redução no valor recuperável

IFRS 9 Instrumentos Financeiros Novas regras sobre a classificação e mensuração de ativos financeiros, incluindo a redução no valor recuperável IFRS 9 Instrumentos Financeiros Novas regras sobre a classificação e mensuração de ativos financeiros, incluindo a redução no valor recuperável IFRS em Destaque 01/16:First Impressions Fevereiro de 2016

Leia mais

Abril S.A. e empresas controladas

Abril S.A. e empresas controladas Abril S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2010 e Relatório dos Auditores Independentes 1 Abril S.A. e empresas controladas

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R1)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R1) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R1) Demonstrações Contábeis Individuais, Demonstrações Separadas, Demonstrações Consolidadas e Aplicação do Método de Equivalência Patrimonial

Leia mais

Regulatory Practice Insurance News

Regulatory Practice Insurance News Março 2010 SUSEP INSURANCE Regulatory Practice Insurance News FINANCIAL SERVICES Normas Contábeis Carta-Circular CGSOA 01, de 31.03.2010 Demonstrações Financeiras Dispõe sobre as normas contábeis das sociedades

Leia mais

BACEN. Regulatory Practice News. Instituições do Sistema Financeiro Nacional (Cosif). Vigência: 29.06.2015 Revogação: não há. Benefícios a empregados

BACEN. Regulatory Practice News. Instituições do Sistema Financeiro Nacional (Cosif). Vigência: 29.06.2015 Revogação: não há. Benefícios a empregados Regulatory Practice News Junho de 2015 BACEN Benefícios a empregados Resolução 4.424, de 25.06.2015 Registro contábil e evidenciação de benefícios a empregados Dispõe que as instituições financeiras e

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Demonstrações contábeis em 31 de março de 2014 e 2013

Demonstrações contábeis em 31 de março de 2014 e 2013 e 2013 KPDS: 87915 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de resultados 6 Demonstrações de resultados abrangentes 7 Demonstrações

Leia mais

SUSEP. Regulatory Practice Insurance News. Corretagem

SUSEP. Regulatory Practice Insurance News. Corretagem Regulatory Practice Insurance News Fevereiro 2012 SUSEP Corretagem Resolução CNSP 249, de 15.02.2012 Atividade dos corretores de seguros Dispõe sobre a atividade dos corretores de seguros de ramos elementares

Leia mais

Diretrizes G4 da GRI: Quais os seus efeitos nos relatórios corporativos de sustentabilidade?

Diretrizes G4 da GRI: Quais os seus efeitos nos relatórios corporativos de sustentabilidade? Meio acadêmico Sustentabilidade Diretrizes G4 da GRI: Quais os seus efeitos nos relatórios corporativos de sustentabilidade? Além do maior foco na cadeia de valor e na materialidade, a quarta geração (G4)

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/A Versão : 1. Composição do Capital 1

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/A Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R2)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R2) Sumário COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R2) Demonstrações Contábeis Individuais, Demonstrações Separadas, Demonstrações Consolidadas e Aplicação do Método da Equivalência

Leia mais

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 em 31 de dezembro de 2013 e 2012. em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de superávit

Leia mais

IFRS - Boletim sobre Seguros

IFRS - Boletim sobre Seguros IFRS - Boletim sobre Seguros Novembro de 2009, Número AUDIT Este Boletim sobre Seguros - IFRS destaca os principais acontecimentos relacionados ao projeto de Contratos de Seguro conjunto do Conselho de

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.315/10

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.315/10 NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC T 19.40 para NBC TG 43 e de outras normas citadas: de NBC T 1 para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL; de NBC T 19.18 para

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - BRADESPAR S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - BRADESPAR S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Aprovada a NBC T 19.18 Adoção Inicial da Lei n. 11.638/07 e da Medida Provisória n. 449/08

Aprovada a NBC T 19.18 Adoção Inicial da Lei n. 11.638/07 e da Medida Provisória n. 449/08 Aprovada a NBC T 19.18 Adoção Inicial da Lei n. 11.638/07 e da Medida Provisória n. 449/08 O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que o

Leia mais

newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014

newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014 newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Janeiro de 2014 2 IFRS 10 Demonstrações Financeiras Consolidadas 3 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Presidência

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 KPMG Assurance Services Ltda. Agosto de 2012 KPDS 41367 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Conteúdo Relatório dos auditores

Leia mais

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014 Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014 2 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Acionistas e Administradores do Banco Daycoval S.A. São Paulo - SP Examinamos as demonstrações

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.262/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.262/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Interpretação de IT 09 para ITG 09 e de outras normas citadas: de NBC T 1 para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL; de NBC T 7 para NBC TG

Leia mais

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2009

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2009 Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2009 2 Demonstrações financeiras para o exercício findo em 31 de dezembro de 2009 As demonstrações financeiras, modelo

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2015 - DOMMO EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2015 - DOMMO EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Biosev Bioenergia S.A.

Biosev Bioenergia S.A. Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Referentes ao Exercício Findo em 31 de Março de 2015 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Deloitte Touche Tohmatsu

Leia mais

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2012

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2012 Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2012 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Acionistas e Administradores do Banco Daycoval S.A. São Paulo - SP Examinamos as demonstrações

Leia mais

Banco Volkswagen S.A. Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

Banco Volkswagen S.A. Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes Aos administradores Banco Volkswagen S.A. Examinamos as demonstrações

Leia mais

Combinações de Negócios

Combinações de Negócios Comparações entre Práticas Contábeis IFRS 3, IAS 38, IAS 39 Pontos-chave para comparar diferenças O ágio é capitalizado; porém, não mais é amortizado de acordo com a IFRS 3. Em vez disso, o valor do ágio

Leia mais

Relatório de revisão sobre os quadros isolados das Informações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014

Relatório de revisão sobre os quadros isolados das Informações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014 Companhia Transirapé de Transmissão Relatório de revisão sobre os quadros isolados das Informações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014 KPDS 93316 Companhia Transirapé de Transmissão Relatório

Leia mais

CADERNO DE ANOTAÇÕES CONTÁBEIS

CADERNO DE ANOTAÇÕES CONTÁBEIS CADERNO DE ANOTAÇÕES CONTÁBEIS APLICAÇÃO N 3 As novas práticas contábeis instituídas a partir da Lei 11.638/2007 complementadas pela Lei 11.941/2009 e normatização formulada através da edição dos pronunciamentos

Leia mais

Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Demonstrações financeiras consolidadas em KPDS 84432 Conteúdo Relatório da Administração 3 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras consolidadas 4 Balanços patrimoniais

Leia mais

Rodovia das Colinas S.A.

Rodovia das Colinas S.A. Rodovia das Colinas S.A. Informações contábeis intermediárias Referentes ao Trimestre Findo em 31 de Março de 2013 e Relatório de Revisão dos Auditores Independentes sobre as informações contábeis intermediárias

Leia mais

Participações Industriais do Nordeste S.A. e Empresas Controladas

Participações Industriais do Nordeste S.A. e Empresas Controladas Participações Industriais do Nordeste S.A. e Empresas Controladas Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS, em 31 de dezembro de 2013 e Relatório dos

Leia mais

Lorenge S.A. Participações

Lorenge S.A. Participações Lorenge S.A. Participações Demonstrações Financeiras referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2012 e Relatório dos Auditores Independentes Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes Deloitte

Leia mais

BACEN. Regulatory Practice News. Limites operacionais. Correspondentes no País

BACEN. Regulatory Practice News. Limites operacionais. Correspondentes no País Regulatory Practice News Outubro 2014 BACEN Correspondentes no País Circular 3.722, de 07.10.2014 Procedimentos de contabilização da remuneração Esta Circular altera a Circular 3.693/13, que estabelece

Leia mais

Demonstrações financeiras intermediárias em 30 de junho de 2015

Demonstrações financeiras intermediárias em 30 de junho de 2015 Demonstrações financeiras intermediárias em 30 de junho de 2015 KPDS 126209 Demonstrações financeiras intermediárias em 30 de junho de 2015 Conteúdo Relatório da Administração 3 Relatório dos auditores

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente 7 Demonstração

Leia mais

CYRELA BRAZIL REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES

CYRELA BRAZIL REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES CYRELA BRAZIL REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA O EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 (Em milhares de reais - R$, exceto quando mencionado

Leia mais

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO contato@agmcontadores.com.br 2015 out-2015 2 Objetivo O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer o tratamento

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 37 (R1) Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 37 (R1) Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 37 (R1) Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 1 (BV2010) Índice

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Reapresentação Espontânea O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

Graal Investimentos S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 (em fase pré-operacional)

Graal Investimentos S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 (em fase pré-operacional) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 (em fase pré-operacional) Demonstrações financeiras Período de 10 de agosto de 2011 (data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2011 (em

Leia mais

BACEN. Regulatory Practice News. Regulamentação do compulsório. Mercado de câmbio

BACEN. Regulatory Practice News. Regulamentação do compulsório. Mercado de câmbio Regulatory Practice News Maio de 2015 BACEN Mercado de câmbio Carta Circular 3.707, de 29.05.015 Credenciamento e descredenciamento de instituições dealers Altera a Carta Circular 3.601/13, que divulgou

Leia mais

Checklist Apresentação e Divulgação IFRS e BR GAAP 2014. Acesse este e outros conteúdos em www.deloitte.com.br

Checklist Apresentação e Divulgação IFRS e BR GAAP 2014. Acesse este e outros conteúdos em www.deloitte.com.br Checklist Apresentação e Divulgação IFRS e BR GAAP 2014 Acesse este e outros conteúdos em www.deloitte.com.br Normas Internacionais de Relatório Financeiro (IFRS) e Práticas Contábeis Adotadas no Brasil

Leia mais

ADOÇÃO DO IFRS PELO GRUPO GERDAU GERALDO TOFFANELLO DIRETOR CORPORATIVO CONTÁBIL

ADOÇÃO DO IFRS PELO GRUPO GERDAU GERALDO TOFFANELLO DIRETOR CORPORATIVO CONTÁBIL ADOÇÃO DO IFRS PELO GRUPO GERDAU GERALDO TOFFANELLO DIRETOR CORPORATIVO CONTÁBIL Outubro/2009 Agenda Adoção do IFRS pelo Grupo Gerdau GRUPO GERDAU EXPERIÊNCIA IFRS / CPC BENEFÍCIOS PARA O GRUPO GERDAU

Leia mais

TREVISA INVESTIMENTOS S.A. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013

TREVISA INVESTIMENTOS S.A. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 TREVISA INVESTIMENTOS S.A. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 TREVISA INVESTIMENTOS S.A. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Conteúdo Relatório dos auditores

Leia mais

Relatório dos Auditores Independentes... 3. Relatório do Comitê de Auditoria... 4. Demonstração Consolidada do Resultado... 5

Relatório dos Auditores Independentes... 3. Relatório do Comitê de Auditoria... 4. Demonstração Consolidada do Resultado... 5 Demonstrações Contábeis Consolidadas de acordo com as Normas internacionais de relatório financeiro (IFRS) emitidas pelo International Accounting Standards Board - IASB 2014 Bradesco 1 Sumário oação de

Leia mais

Bardella S/A Indústrias Mecânicas

Bardella S/A Indústrias Mecânicas Bardella S/A Indústrias Mecânicas Informações requeridas pela Instrução CVM nº 481/09 Proposta da Administração Os valores são expressos em milhares de Reais, exceto se de outra forma indicado. Índice

Leia mais

Avaliação de Investimentos pelo Método de Equivalência Patrimonial. Contabilidade Avançada I Profª MSc. Maria Cecilia Palácio Soares

Avaliação de Investimentos pelo Método de Equivalência Patrimonial. Contabilidade Avançada I Profª MSc. Maria Cecilia Palácio Soares Avaliação de Investimentos pelo Método de Equivalência Patrimonial Contabilidade Avançada I Profª MSc. Maria Cecilia Palácio Soares Aspectos Introdutórios No Método de Equivalência Patrimonial, diferentemente

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e 2011 (em fase pré-operacional)

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e 2011 (em fase pré-operacional) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e 2011 KPMG Auditores Independentes Abril de 2013 KPDS 59052 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e 2011 Conteúdo Relatório da Administração

Leia mais

Demonstrações Financeiras MPX Energia S.A. (Companhia aberta)

Demonstrações Financeiras MPX Energia S.A. (Companhia aberta) Demonstrações Financeiras MPX Energia S.A. 31 de dezembro de 2012 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e 2011 Índice

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2015 e 2014

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2015 e 2014 KPDS 141248 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações do resultado 6 Demonstrações de resultados abrangentes 7 Demonstrações

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.321/11

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.321/11 NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração deste Comunicado de CT 08 para CTA 03; e de outras normas citadas: de NBC T 19.10 para NBC TG 01; de NBC T 3.8 para NBC TG 03; de NBC T

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas de acordo com as normas internacionais de relatório financeiro (IFRS) emitidas pelo IASB

Demonstrações Financeiras Consolidadas de acordo com as normas internacionais de relatório financeiro (IFRS) emitidas pelo IASB Demonstrações Financeiras Consolidadas de acordo com as normas internacionais de relatório financeiro (IFRS) emitidas pelo IASB Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2012 Nota 1 Nota

Leia mais