Estratégias de redução do uso de animais em estudos pré-clínicos. Carlos Kiffer Larissa Fontes Generoso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estratégias de redução do uso de animais em estudos pré-clínicos. Carlos Kiffer Larissa Fontes Generoso"

Transcrição

1 Estratégias de redução do uso de animais em estudos pré-clínicos Carlos Kiffer Larissa Fontes Generoso

2 Introdução Desenvolvimento de produtos farmacêuticos e biotecnológicos: SEGURO EFICAZ

3 Desenvolvimento Pré-clínico Produto farmacêutico ou biotecnológico Segurança Toxicidade Genotoxicidade Carcinogenicidade Imunogenicidade Eficácia Prova de conceito Dinâmica e cinética

4 Objetivo Aplicar as diferentes estratégias experimentais no desenvolvimento pré-clínico do produto biotecnológico REDUZIR reduce REFINAR refine SUBSTITUIR replace

5 Processo simplificado da descoberta ao desenvolvimento inicial de medicamentos Fluxo tradicional Potencial uso de modelos O medicamento candidato possui potencial terapêutico? Provas de conceito (in vitro) Modelos de doença (in silico / ex vivo) (predição em Diabetes, potência, etc) O medicamento candidato possui baixo risco toxicológico? 2 modelos animais PK (pequeno porte) (Eliminação e biodisponibilidade) Modelos híbridos (predição cinética/dinâmica) Modelos toxicocinéticos in vitro O medicamento candidato possui perfil farmacocinético promissor? Estudos toxicológicos Estudos PK adicionais (animais de maior porte) Modelos toxicológicos in silico Modelos PK/PD Etapa clínica Modit NB. Pharmacokinetics and metabolism in drug discovery and preclinical development Schoenwald RD eds. Pharmacokinetics in drug discovery and development CRC Press Boca Raton

6 Estratégias In vitro/ex vivo Modelos que utilizam células ou tecidos em cultura In silico Bancos de dados e modelos computacionais que auxiliam na predição do comportamento da droga In vivo Experimentação em animais

7 SEGURANÇA E EFICÁCIA Modelos in vitro/ex vivo Modelos celulares: aplicados a P&D farma-biotec Permitem testes toxicológicos em linhagens específicas Maior rapidez e precisão Segurança e potencial redução de uso de animais ESPECIAL ATENÇÃO: Uso de células-tronco humanas (não embrionárias) Vantagens: replicação contínua (fonte constante de matéria-prima ), sem uso de animais de laboratório, potencial de replicação de células funcionais de coração, pele, pulmão e neuronais

8 SEGURANÇA E EFICÁCIA Modelos in vitro/ex vivo Cardiomiócitos* Epitélio pigmentado da retina* Queratinócitos* Hepatócitos Neurônios Benefícios: Seleção mais apropriada de droga candidata Potencial redução de uso de animais youtu.be/ochlispxbhe (Fonte: CellSeq, Belo Horizonte, Brasil) * disponíveis localmente

9 SEGURANÇA Carcinogenicidade Ensaios in vitro de transformação celular (CTAs) Aplicação: produtos químicos (não biológicos); Identificação de carcinógenos genotóxicos ou não; Detecção de atividades iniciadoras e promotoras de tumores. Modelos validados: ECVAM: Bhas 42 (fibroblastos embrionários de murinos transformados) OECD: SHE (células embrionárias de hamster sírio) Benefícios: Triagem de moléculas candidatas Potencial redução de uso de animais EURL :http://goo.gl/uzkv2i OECD:

10 SEGURANÇA Genotoxicidade O teste do micronúcleo Aplicação: produtos químicos (não biológicos); Avaliação do potencial de indução de anomalias cromossômicas numéricas e estruturais (células de mamíferos). Modelos validados: OECD: cultura primária de linfócitos periféricos humanos ou de outros mamíferos Se tivéssemos este teste quando do lançamento da Talidomida... Benefícios: Triagem de moléculas candidatas Potencial redução de uso de animais OECD:

11 SEGURANÇA Genotoxicidade O teste de Ames Aplicação: produtos químicos (não biológicos); Potencial de induzir mutações de ponto (substituição, adição ou deleção de um ou poucos pares de bases do DNA). Modelo validado: Teste de mutação reversa em linhagens de S. typhimurium e E. coli (reversão da capacidade de crescimento em meios sem determinados aminoácidos). Benefícios: Triagem de moléculas candidatas Potencial redução de uso de animais OECD:

12 SEGURANÇA Imunogenicidade Não existem métodos alternativos validados para avaliação da imunogenicidade de produtos biotecnológicos. Quality by design (QbD) Moléculas e formulações menos imunogênicas Benefícios: Desenho mais apropriado da biomolécula candidata Potencial redução de uso de animais evitar reteste

13 O exemplo dos mab Receptores Fc: presentes na superfície de células do sistema imunológico; se ligam especificamente à porção Fc de anticorpos ligados a patógenos ou células infectadas e induzem reações citotóxicas. Os receptores Fc podem reconhecer anticorpos terapêuticos ligados a antígenos nas células-alvo da terapia, deflagrando reações citotóxicas indesejadas contra essas células. Uma estratégia para evitar tal efeito imunogênico é a remoção dos glicanos da porção Fc do anticorpo terapêutico, o que impede a interação com os receptores Fc das células do sistema imunológico.

14 SEGURANÇA Citotoxicidade in vitro * Significativamente reduzido P<0.005 Se tivéssemos este teste quando do plano de desenvolvimento de Grepafloxacina, Sparfloxacina, etc... Talbert, D., et al. Multiparamenter in vitro testing of drug induced cardiac toxicity. QLabs

15 SEGURANÇA Toxicidade Modelos in silico de avaliação Estudos toxicológicos in vivo Vias celulares, interação com receptores e outras moléculas Modelagem molecular ÔMICAS vs Potencial toxicidade Benefícios: Seleção mais apropriada de droga candidata Potencial redução de uso de animais

16 EFICÁCIA Simulações farmacocinéticas/dinâmicas Modelos in silico Carboplatin: hybrid pharmacokinetic model containing a 2-compartment plasma disposition model and 1-compartment tumor model. Gallo J M et al. Clin Cancer Res 2004;10:

17 EFICÁCIA Farmacocinética /dinâmica: O caso dos antitumorais Model-predicted ( ) and observed carboplatin plasma (A) and tumor (B) concentrations in rats bearing intraperitoneal NuTu19 tumors, a preclinical model of ovarian cancer. Benefícios: Seleção mais apropriada de droga candidata Potencial redução de uso de animais Auxílio do desenho de estudo clínico Gallo J M et al. Clin Cancer Res 2004;10:

18 Concentração Concentração EFICÁCIA Farmacocinética /dinâmica: O caso dos antimicrobianos PK PD Dose Curva Sérica Conc vs. Tempo Penetração Tecidual / Liq. Biológicos Conc vs. Tempo Efeito Toxicidade Absorção Distribuição Eliminação Concentração no sítio infecioso Atividade Antimicrobiana (marcador de potência - CIM) C max :CIM AAC:CIM 0 Tempo (horas) 0 T>CIM Tempo (horas) CIM

19 EFICÁCIA Estudo cinético in silico Caso 1: Predição de melhor dose (dose-finding) de Antibiótico Y (simulação de dose oral) com base em dados escassos (em animais / escala alométrica e predição de depuração) (redução Atbdo Y uso de animais) Benefícios: Seleção de dose mais apropriada de droga candidata Potencial redução de número de animais Auxílio do desenho de estudo clínico Software NONMEM, USCF, EUA Dados internos da GC-2 proibida a reprodução

20 % Simulação de Atb XY 1g 8/8h (IV) com base em dados de animais e humanos precoces (busca de melhor % obtenção de Meta p/ eliminação bacteriana em humanos melhor dose) 100 EFICÁCIA Estudo cinético-dinâmico Software Crystal-Ball, Oracle, EUA Distribuição das MICs p/ ATB XY frente a P. aeruginosa 0.5 h infusão 1.0 h infusão 2.0 h infusão 3.0 h infusão Distribuição de MIC Benefícios: MIC (mg/l) Seleção de biomarcador mais adequado Auxílio do desenho de estudo clínico Estudos pré-clínicos melhor definidos Dados internos da GC-2 proibida a reprodução

21 Modelos in vitro / ex vivo: Conclusões Permitem redução do uso de animais, auxiliando em: Desenho de droga (quality by design) Interrupção mais breves Fail fast, fail cheap Melhor delineamento de experimentos Modelos in silico: Permitem redução do uso de animais, auxiliando em: Descoberta, delineamento e seleção de droga candidata Predição de resposta à exposição mais precoce Fail fast, fail cheap Seleção de modelo (PK/PD) mais adequado Seleção de biomarcador mais adequado Não há modelo substitutivo ao uso de animais! Cultura do planejamento busca de MA precocemente

desenvolvimento de fármacos no Brasil, gargalos, divergências internacionais e próximas etapas de desenvolvimento

desenvolvimento de fármacos no Brasil, gargalos, divergências internacionais e próximas etapas de desenvolvimento A evolução da regulação de desenvolvimento de fármacos no Brasil, gargalos, divergências internacionais e próximas etapas de desenvolvimento Flávia Regina Souza Sobral Especialista em Regulação e Vigilância

Leia mais

Avaliação de risco toxicológico

Avaliação de risco toxicológico Avaliação de risco toxicológico UFVJM Departamento de Farmácia Bioquímica Disciplina de Toxicologia Prof. Dr. Antonio Sousa Santos A abordagem de manejo de risco é relativamente recente. A avaliação de

Leia mais

Os métodos substitutivos ao uso de animais em experimentos científicos realizados em laboratórios do país

Os métodos substitutivos ao uso de animais em experimentos científicos realizados em laboratórios do país Os métodos substitutivos ao uso de animais em experimentos científicos realizados em laboratórios do país Base Legal do Concea Métodos Alternativos e Renama José Mauro Granjeiro, PhD Coordenador do CONCEA

Leia mais

Diagnóstico Microbiológico

Diagnóstico Microbiológico Diagnóstico Microbiológico Identificação e Tipagem Bacteriana Prof. Vânia Lúcia Diagnóstico clínico Sinais (mensuráveis) e sintomas (subjetivos) Origem Etiologia Natureza Diagnóstico laboratorial Identificação

Leia mais

a) A diversidade de anticorpos é derivada da recombinação das regiões, e.

a) A diversidade de anticorpos é derivada da recombinação das regiões, e. Questão 1 Preencha as lacunas a) A diversidade de anticorpos é derivada da recombinação das regiões, e. Verdadeiro ou falso. Se falso, altere a declaração de modo a torná-la verdadeira. b) A exposição

Leia mais

Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva INSTRUÇÕES

Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva INSTRUÇÕES Biologia Molecular em Estudos de Células-tronco Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva 1. Você recebeu do fiscal o seguinte material: INSTRUÇÕES a) Este Caderno de Questões contendo o enunciado

Leia mais

Rotas alternativas. Ganha musculatura no país uma articulação. política c&t Experimentação y

Rotas alternativas. Ganha musculatura no país uma articulação. política c&t Experimentação y política c&t Experimentação y Rotas alternativas Esforço de pesquisa para substituir o uso de animais em testes começa a mostrar resultados Fabrício Marques Ganha musculatura no país uma articulação entre

Leia mais

Reprogramação Celular. Pítia Ledur pitialedur@gmail.com

Reprogramação Celular. Pítia Ledur pitialedur@gmail.com Reprogramação Celular Pítia Ledur pitialedur@gmail.com Reprogramação Celular O que é isso? ipsc = induced pluripotent stem cells Shinya Yamanaka Reprogramação Celular O que é isso? ipsc = induced pluripotent

Leia mais

Geração de anticorpos monoclonais para alvos neurológicos

Geração de anticorpos monoclonais para alvos neurológicos Geração de anticorpos monoclonais para alvos neurológicos M. Carolina Tuma, Ph.D. Diretora de Pesquisa e Desenvolvimento Recepta_cartão.jpg Recepta: uma parceria inovadora Brazilian Angel Investors Anticorpos

Leia mais

Pesquisas brasileiras sobre câncer e doenças cardíacas e cerebrais colocam o País na vanguarda da medicina mundial

Pesquisas brasileiras sobre câncer e doenças cardíacas e cerebrais colocam o País na vanguarda da medicina mundial ISTOÉ - Independente Imprimir Especial BRASIL POTÊNCIA Edição: 2095 30.Dez.09-15:00 Atualizado em 06.Fev.13-12:48 Na Dianteira Do Conhecimento Pesquisas brasileiras sobre câncer e doenças cardíacas e cerebrais

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71)

Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71) DELIBERAÇÃO Câmara de Pós-Graduação Nº 32/2012 Reestrutura o Programa de Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular, em nível de Mestrado e Doutorado. CONSIDERANDO a solicitação da Comissão Coordenadora

Leia mais

BIOESTATÍSTICA. Carga Horária: 45 horas/ aula Créditos: 03 Distribuição: 15 encontros de 3 horas/aula às sextas-feiras no período de 19h às 21h50.

BIOESTATÍSTICA. Carga Horária: 45 horas/ aula Créditos: 03 Distribuição: 15 encontros de 3 horas/aula às sextas-feiras no período de 19h às 21h50. BIOESTATÍSTICA Coordenação: Profa. Alessandra Maciel Almeida Prof. Marcus Vinícius Bolívar Malachias Ementa: conceitos básicos; descrição e apresentação de dados; representação gráfica; análise descritiva;

Leia mais

TERAPIA GÊNICA. Brasília DF, Julho de 2010.

TERAPIA GÊNICA. Brasília DF, Julho de 2010. Apresentação desenvolvida pelas graduandas em Ciências Farmacêuticas: Ana Carolina Macedo Lima, Ariane Mugnano Castelo Branco, Caroline Cardoso Mendes Souza, Clarisse Danielli Silva Albergaria, Jéssica

Leia mais

Genética. Leis de Mendel

Genética. Leis de Mendel Genética Leis de Mendel DEFINIÇÕES GENES: Pedaços de DNA síntese de determinada proteína. LOCUS GÊNICO: É o local ocupado pelo gene no cromossomo. GENES ALELOS: Situam-se no mesmo Locus Gênico. HOMOZIGOTOS:

Leia mais

Pré-imunização e Tratamento de Tristeza Parasitária em Bovinos Leiteiros

Pré-imunização e Tratamento de Tristeza Parasitária em Bovinos Leiteiros Pré-imunização e Tratamento de Tristeza Parasitária em Bovinos Leiteiros Laboratório de Imunovirologia Molecular DBG UFV Prof. Sérgio Oliveira de Paula Tristeza Parasitária Bovina (TPB) Enfermidade hemoparasita

Leia mais

USO DE MARCADORES TUMORAIS PARA DIAGNÓSTICO E ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DO CÂNCER. Orientadora, docente do Curso de Farmácia, UnuCET Anápolis - UEG

USO DE MARCADORES TUMORAIS PARA DIAGNÓSTICO E ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DO CÂNCER. Orientadora, docente do Curso de Farmácia, UnuCET Anápolis - UEG USO DE MARCADORES TUMORAIS PARA DIAGNÓSTICO E ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DO CÂNCER Gyzelly Gondim de Oliveira 1 ; Cristiane Alves da Fonseca 2 1 Graduanda do Curso de Farmácia, UnuCET Anápolis - UEG

Leia mais

Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama

Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama Declaro não haver conflito de interesse Dra Maria Cecília Monteiro Dela Vega Médica Oncologista Clínica- CEBROM e Hospital Araujo Jorge

Leia mais

Dr. Hilton Oliveira dos Santos Filho, PhD

Dr. Hilton Oliveira dos Santos Filho, PhD Dr. Hilton Oliveira dos Santos Filho, PhD Gestão integrada de portfólio através de estratégias inovadoras Panorama Geral Gestão de portfólio como forma de enfrentar a competitividade PI&D como instrumento

Leia mais

Ensaios Clínicos - Estudos de Fase I -

Ensaios Clínicos - Estudos de Fase I - Ensaios Clínicos - Estudos de Fase I - Dr. Sandro J. Martins Hospital Universitário de Brasília EBSERH Hospital das Forças Armadas - MD Consultor para Oncologia, Ministério da Saúde Fosfoetanolamina Ensaios

Leia mais

I Curso de Verão em Oncologia Experimental Cursos Práticos

I Curso de Verão em Oncologia Experimental Cursos Práticos I Curso de Verão em Oncologia Experimental Cursos Práticos 1. Técnicas Experimentais para o Estudo da Expressão Gênica O curso terá como base o estudo da expressão gênica utilizando um fator de transcrição.

Leia mais

ANEXO I ESPECIALISTA CÓDIGO PERFIL PRÉ-REQUISITO ATRIBUIÇÕES CIDADE VAGAS UNIDADE

ANEXO I ESPECIALISTA CÓDIGO PERFIL PRÉ-REQUISITO ATRIBUIÇÕES CIDADE VAGAS UNIDADE ANEXO I ESPECIALISTA CÓDIGO PERFIL PRÉ-REQUISITO ATRIBUIÇÕES CIDADE VAGAS UNIDADE XE15001 Atenção Básica em Saúde Graduação em Ciências da Saúde, Doutorado na Área da Saúde mais 6 anos de experiência no

Leia mais

Modelos alternativos de avaliação de toxicidade (ensaios in vivo, in vitro, in silico)

Modelos alternativos de avaliação de toxicidade (ensaios in vivo, in vitro, in silico) Modelos alternativos de avaliação de toxicidade (ensaios in vivo, in vitro, in silico) VI Congresso Nacional do ILSI Brasil Ciência: Indústria, Governo e Sociedade - Oportunidades e Desafios 8-10 de abril

Leia mais

Desafios regulatórios Até onde vai a liberdade do Pesquisador?

Desafios regulatórios Até onde vai a liberdade do Pesquisador? Desafios regulatórios Até onde vai a liberdade do Pesquisador? Equipe de Identificação de pré-candidatos (internos ou externos) Pré-candidatos selecionados? Criação da Equipe do Projeto - Diretoria Diretória

Leia mais

Understanding patent claims (f) Drug for the treatment of cancer

Understanding patent claims (f) Drug for the treatment of cancer Understanding patent claims (f) Drug for the treatment of cancer Tratamento de Câncer Significado dos termos: Proteína de choque térmico (HSP 90) Pertence à classe de proteínas que protege as células quando

Leia mais

TOXICIDADE GENÉTICA DE COMBINAÇÕES DE

TOXICIDADE GENÉTICA DE COMBINAÇÕES DE TOXICIDADE GENÉTICA DE COMBINAÇÕES DE NRTIs EM CÉLULAS SOMÁTICAS DE Drosophila melanogaster GUIMARÃES, Nilza Nascimento; CUNHA, Kênya Silva. Laboratório de Genética Toxicológica, Departamento de Bioquímica

Leia mais

EDITORIAL / EDITORIAL CÉLULA-TRONCO. discreta de células-tronco adultas fazem a reposição. laboratório, determinar suas propriedades

EDITORIAL / EDITORIAL CÉLULA-TRONCO. discreta de células-tronco adultas fazem a reposição. laboratório, determinar suas propriedades EDITORIAL / EDITORIAL CÉLULA-TRONCO José Carlos Rossini Iglézias* As células-tronco são importantes para os organismos vivos por várias razões. No embrião, na fase do terceiro ao quinto dia de idade -

Leia mais

22.05. O tipo básico de tecido epitelial é o de revestimento sendo os demais tecidos epiteliais (glandular e neuroepitélio) derivados desse.

22.05. O tipo básico de tecido epitelial é o de revestimento sendo os demais tecidos epiteliais (glandular e neuroepitélio) derivados desse. BIO 8E aula 22 22.01. O tecido epitelial de revestimento é pobre em substância intercelular e avascular. Existe também o tecido epitelial glandular que é derivado do tecido epitelial de revestimento. O

Leia mais

Denominação geral dos tumores

Denominação geral dos tumores Imunologia dos tumores Denominação geral dos tumores Carcinomas - derivados de células epiteliais (rim, fígado, epitélio gastro-intestinal) Sarcomas - originários de fibroblastos, células musculares e

Leia mais

I. Tratamento legislativo dado à matéria em diferentes países

I. Tratamento legislativo dado à matéria em diferentes países Brasília, 26 de maio de 2008 Exma. Sra. Ministra ELLEN GRACIE Presidente do Supremo Tribunal Federal Ação Direta de Inconstitucionalidade ADI n o 3510 Requerente: Procurador-Geral da República Requerido(s):

Leia mais

PRINCÍPIOS PIOS DO TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA

PRINCÍPIOS PIOS DO TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA PRINCÍPIOS PIOS DO TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA UM GUIA BASEADO EM PESQUISAS National Institute on Drug Abuse Três décadas de investigação científica e prática clínica produziram como resultado uma

Leia mais

Resultados Figura 25. Células CHO transfectadas com o vetor pegfp-condroitinase AC secretam a enzima com baixa atividade.

Resultados Figura 25. Células CHO transfectadas com o vetor pegfp-condroitinase AC secretam a enzima com baixa atividade. Figura 25. Células CHO transfectadas com o vetor pegfp-condroitinase AC secretam a enzima com baixa atividade. A atividade enzimática da condroitinase AC foi medida pela quantificação do condroitim sulfato

Leia mais

SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DA BIOLOGIA GT 02 - TECNOLOGIAS E CONSTITUIÇÃO DE AMBIENTES DE APRENDIZAGEM

SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DA BIOLOGIA GT 02 - TECNOLOGIAS E CONSTITUIÇÃO DE AMBIENTES DE APRENDIZAGEM SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DA BIOLOGIA GT 02 - TECNOLOGIAS E CONSTITUIÇÃO DE AMBIENTES DE APRENDIZAGEM 1 SILVA, Karla Nunes da, 2 FERREIRA, Luciana da Cunha, 3 SILVA-FORSBERG, Maria

Leia mais

1ª Série. 5EST222 ESTÁGIO INTEGRATIVO DE BIOMEDICINA I Atividades práticas e de pesquisa nas várias disciplinas da área de biomedicina.

1ª Série. 5EST222 ESTÁGIO INTEGRATIVO DE BIOMEDICINA I Atividades práticas e de pesquisa nas várias disciplinas da área de biomedicina. 1ª Série 5MOR018 ANATOMIA DOS ANIMAIS DE LABORATÓRIO Estudo da anatomia de alguns animais utilizados em laboratório e considerados de grande importância para o futuro profissional biomédico, utilizando-se,

Leia mais

Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Estudo Dirigido P2 / Parte II 2012/1

Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Estudo Dirigido P2 / Parte II 2012/1 Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Estudo Dirigido P2 / Parte II 2012/1 1. Um homem de 42 anos sabe que está com HIV/AIDS. Qual

Leia mais

Somos uma companhia biofarmacêutica global, voltada à pesquisa e desenvolvimento de medicamentos inovadores

Somos uma companhia biofarmacêutica global, voltada à pesquisa e desenvolvimento de medicamentos inovadores ASTRAZENECA, CNPq e CAPES Unidos pelo desenvolvimento da ciência, tecnologia e inovação ASTRAZENECA Somos uma companhia biofarmacêutica global, voltada à pesquisa e desenvolvimento de medicamentos inovadores

Leia mais

PISQ PROGRAMA INTERNACIONAL DE SEGURANÇA QUÍMICA OMS OIT PNUMA. Critérios de Saúde Ambiental 240

PISQ PROGRAMA INTERNACIONAL DE SEGURANÇA QUÍMICA OMS OIT PNUMA. Critérios de Saúde Ambiental 240 PISQ PROGRAMA INTERNACIONAL DE SEGURANÇA QUÍMICA OMS OIT PNUMA Critérios de Saúde Ambiental 240 Princípios e métodos para a avaliação do risco de substâncias químicas nos alimentos RESUMO (tradução do

Leia mais

TUMOR-BUSTING. Uma nova técnica chamada viroterapia, cultiva vírus para combater o cancro.

TUMOR-BUSTING. Uma nova técnica chamada viroterapia, cultiva vírus para combater o cancro. TUMOR-BUSTING Uma nova técnica chamada viroterapia, cultiva vírus para combater o cancro. VÍRUS Isolar nas terapias Células tumorais Evitar danos Células normais Eliminar muitos efeitos colaterais nocivos

Leia mais

Rede Nacional de Métodos Alternativos RENAMA. RENAMA: missão e desafios

Rede Nacional de Métodos Alternativos RENAMA. RENAMA: missão e desafios RENAMA: missão e desafios Sumário Primeiros Passos Visão e motivação para a criação da RENAMA Estrutura Institucional Governança Iniciativa de Ensaios Interlaboratoriais Iniciativas Recentes Chamadas Públicas

Leia mais

Células tronco adultas humanas para ensaios de citotoxicidade: uma alternativa aos ensaios animais

Células tronco adultas humanas para ensaios de citotoxicidade: uma alternativa aos ensaios animais Células tronco adultas humanas para ensaios de citotoxicidade: uma alternativa aos ensaios animais Alessandra Melo de Aguiar Objetivos Desenvolver ensaios alternativos ao uso de animais e que tenham correlação

Leia mais

Métodos de investigação em genotoxicidade em ensaios pré-clínicos de novos fitomedicamentos. Antonio Luiz Gomes Júnior

Métodos de investigação em genotoxicidade em ensaios pré-clínicos de novos fitomedicamentos. Antonio Luiz Gomes Júnior Métodos de investigação em genotoxicidade em ensaios pré-clínicos de novos fitomedicamentos Antonio Luiz Gomes Júnior Genotoxicidade Definição: é o setor da genética que estuda os processos que alteram

Leia mais

Resistência Microbiana e Registro de Medicamentos GGMED/ANVISA

Resistência Microbiana e Registro de Medicamentos GGMED/ANVISA Resistência Microbiana e Registro de Medicamentos GGMED/ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Definições Resistência Microbiana: : capacidade dos microorganismos (especialmente

Leia mais

CURCUMA LONGA E SEUS EFEITOS CONTRA O CÂNCER

CURCUMA LONGA E SEUS EFEITOS CONTRA O CÂNCER Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro PPGAN Ciclo de Palestras CURCUMA LONGA E SEUS EFEITOS CONTRA O CÂNCER Mestranda: Monique Barros Introdução Considerado uma doença dos países desenvolvidos,

Leia mais

4 fases. o Fase S o Fase M o Fase G1 o Fase G2. Status de nutrientes

4 fases. o Fase S o Fase M o Fase G1 o Fase G2. Status de nutrientes Pós-graduação em Nutrição Clínica e Gastronomia Funcional do NECPAR NUTRIÇÃO NO CÂNCER Nut. Ariana Ferrari Período que ocorre os eventos necessários para a divisão celular 4 fases o Fase S o Fase M o Fase

Leia mais

Hoje 10:00 às 11:30: Parceria entre Academia e Indústria para o Desenvolvimento de Novos Medicamentos no Brasil

Hoje 10:00 às 11:30: Parceria entre Academia e Indústria para o Desenvolvimento de Novos Medicamentos no Brasil Curso III Prof. Dr. Eduardo Pagani Médico (USP), Mestre (UNIFESP), Doutor (USP) Gerente de Pesquisa Clínica do Lab. Cristália Diretor de Educação da SOBRAFITO Hoje 10:00 às 11:30: Parceria entre Academia

Leia mais

Inovação em Oncologia no Brasil. Jose Fernando Perez Diretor Presidente

Inovação em Oncologia no Brasil. Jose Fernando Perez Diretor Presidente Inovação em Oncologia no Brasil Jose Fernando Perez Diretor Presidente 1 Anticorpos Monoclonais e Peptídeos para Tratamento do Câncer Recepta Biopharma é uma empresa de biotecnologia dedicada a P&D para

Leia mais

Biotecnologia e medicina. Denise Machado

Biotecnologia e medicina. Denise Machado Biotecnologia e medicina Denise Machado Biotecnologia 325 milhões de pessoas no mundo fazem uso de 130 drogas ou vacinas produzidas pelas técnicas da biotecnologia. 70% de tais drogas ou vacinas foram

Leia mais

SAY NO TO SCHISTOSOMA: PROJETO DO WORLD COMMUNITY GRID IBM COM A FACULDADE INFÓRIUM DE TECNOLOGIA E A FIOCRUZ-MG

SAY NO TO SCHISTOSOMA: PROJETO DO WORLD COMMUNITY GRID IBM COM A FACULDADE INFÓRIUM DE TECNOLOGIA E A FIOCRUZ-MG SAY NO TO SCHISTOSOMA: PROJETO DO WORLD COMMUNITY GRID IBM COM A FACULDADE INFÓRIUM DE TECNOLOGIA E A FIOCRUZ-MG Salomão Ribeiro Pires 1 Rosangela Silqueira Hickson 2 Resumo: A Schistosomose é uma doença

Leia mais

ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO/LINHAS DE PESQUISA

ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO/LINHAS DE PESQUISA ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO/LINHAS DE PESQUISA Áreas de concentração: O presente programa está organizado em duas áreas de concentração, cada uma das quais contemplando três linhas de pesquisa nas quais se distribuem

Leia mais

B BRAUN. Askina Calgitrol Ag. Curativo de Alginato e Prata para Feridas. SHARING EXPERTISE

B BRAUN. Askina Calgitrol Ag. Curativo de Alginato e Prata para Feridas. SHARING EXPERTISE Askina Calgitrol Ag Curativo de Alginato e Prata para Feridas. Askina Calgitrol Ag é um curativo desenvolvido pela tecnologia B. Braun que combina a alta capacidade de absorção do alginato de cálcio e

Leia mais

Prof a Dr a Camila Souza Lemos IMUNOLOGIA. Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos. camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4

Prof a Dr a Camila Souza Lemos IMUNOLOGIA. Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos. camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4 IMUNOLOGIA Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4 Imunidade contra tumores Linfócitos T-CD8 (azul) atacando uma célula tumoral (amarela) A imunologia tumoral é o estudo

Leia mais

2ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 01, DE 14 DE FEVEREIRO DE 2014

2ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 01, DE 14 DE FEVEREIRO DE 2014 2ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 01, DE 14 DE FEVEREIRO DE 2014 A SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO AMAZONAS SUSAM, no uso de suas atribuições legais, em conformidade com os dispositivos da Lei nº 3.469, de

Leia mais

A ENERGIA NUCLEAR E OS SEUS BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE

A ENERGIA NUCLEAR E OS SEUS BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE A ENERGIA NUCLEAR E OS SEUS BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE NISE HITOMI YAMAGUCHI ONCOLOGISTA E IMUNOLOGISTA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO MINISTÉRIO DA SAÚDE-ESTADO DE SÃO PAULO ENERGIA NUCLEAR DIAGNÓSTICO NA MEDICINA

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 5

7.012 Conjunto de Problemas 5 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 5 Pergunta 1 Enquanto estudava um problema de infertilidade, você tentou isolar um gene hipotético de coelho que seria responsável pela prolífica reprodução desses

Leia mais

INFLUÊNCIA DA GELATINA NA EFICÁCIA PROTEICA DA CASEÍNA EM RATOS WISTAR

INFLUÊNCIA DA GELATINA NA EFICÁCIA PROTEICA DA CASEÍNA EM RATOS WISTAR INFLUÊNCIA DA GELATINA NA EFICÁCIA PROTEICA DA CASEÍNA EM RATOS WISTAR Cláudia Cantelli Daud BORDIN 1 ; Maria Margareth Veloso NAVES 2 Palavras-chave: gelatina, caseína, proteína, utilização biológica.

Leia mais

Da Administração Oral. Ao Efeito Terapêutico

Da Administração Oral. Ao Efeito Terapêutico Medicamento Da Administração Oral Administração Ao Efeito Terapêutico Desintegração Desagregação Dissolução ETAPA BIOFARMACÊUTICA Fármaco em solução Absorção Distribuição Eliminação FARMACOCINÉTICA Fármaco

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta Questão 1 Uma enzima, extraída da secreção de um órgão abdominal de um cão, foi purificada, dissolvida em uma solução fisiológica com ph 8 e distribuída em seis tubos de ensaio. Nos tubos 2, 4 e 6, foi

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Alergêneos e Contaminantes em Carnes Isa Beatriz Noll ICTA/UFRGS ALERGÊNEOS E CONTAMINANTES Objetivos: Reações adversas a alimentos Podem ocorrer em todos

Leia mais

ANTI-A ANTI-B ANTI-AB

ANTI-A ANTI-B ANTI-AB ANTI-A ANTI-B ANTI-AB Monoclonal Murino IgM PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. Reagentes para classificação do sistema sangüíneo ABO PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO Somente para Uso Diagnóstico IN VITRO

Leia mais

FUMARATO DE QUETIAPINA (Portaria 344-C1)

FUMARATO DE QUETIAPINA (Portaria 344-C1) FUMARATO DE QUETIAPINA (Portaria 344-C1) Redução dos sintomas de esquizofrenia. Fórmula Estrutural: Fórmula Molecular: (C 21 H 25 N 3 O 2 S) 2,C 4 H 4 O 4 Peso Molecular: 833,09 g/mol DCB: 07539 CAS: 111974-72-2

Leia mais

ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA

ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA Embalagem contendo 60 cápsulas de ALENIA (fumarato de formoterol/budesonida) 6/100 mcg

Leia mais

Monitoramento da Exposição a Substâncias Químicas de Interesse Ambiental e Ocupacional. Armando Meyer IESC/UFRJ

Monitoramento da Exposição a Substâncias Químicas de Interesse Ambiental e Ocupacional. Armando Meyer IESC/UFRJ Monitoramento da Exposição a Substâncias Químicas de Interesse Ambiental e Ocupacional Armando Meyer IESC/UFRJ Roteiro Monitoramento ocupacional e ambiental Porque monitorar? O que é? O que medir? Onde

Leia mais

Leishmaniose visceral: vacina europeia traz fórmula inovadora

Leishmaniose visceral: vacina europeia traz fórmula inovadora Leishmaniose visceral: vacina europeia traz fórmula inovadora Em entrevista à Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (SBMT), Dr. Javier Moreno fala sobre a vacina contra leishmanioses (http://www.ideal.es/jaen/20140212/mas-actualidad/ciencia/europaimpulsa-vacuna-contra-201402121152.html)

Leia mais

CRITÉRIOS PARA OS CURSOS DE CIÊNCIA DE ANIMAIS DE LABORATÓRIO E FORMADORES

CRITÉRIOS PARA OS CURSOS DE CIÊNCIA DE ANIMAIS DE LABORATÓRIO E FORMADORES CRITÉRIOS PARA OS CURSOS DE CIÊNCIA DE ANIMAIS DE LABORATÓRIO E FORMADORES A. CURSOS PARA A CATEGORIA A DA FELASA (tratador de animais) (Pessoas que cuidam dos animais) Os cursos de ciência de animais

Leia mais

Lesões no DNA cromossômico após tratamento com agentes mutagênicos Obe & Natarajan, 1982

Lesões no DNA cromossômico após tratamento com agentes mutagênicos Obe & Natarajan, 1982 1. Ensaios de Genotoxicidade Os agentes genotóxicos são aqueles que interagem com o DNA produzindo alterações em sua estrutura ou função e quando essas alterações se fixam de forma capaz de serem transmitidas,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA CADERNO DE PROVA

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA CADERNO DE PROVA PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA 19/10/2014 INSTRUÇÕES CADERNO DE PROVA 1. Confira, abaixo, seu nome e número de inscrição. Confira, também, o curso e a série correspondentes à sua inscrição.

Leia mais

VÍRUS (complementar o estudo com as páginas 211-213 do livro texto)

VÍRUS (complementar o estudo com as páginas 211-213 do livro texto) COLÉGIO E CURSO INTELECTUS APOSTILA NOME: MAT.: Biologia I PROFº: EDUARDO SÉRIE: TURMA: DATA: VÍRUS (complementar o estudo com as páginas 211-213 do livro texto) Os vírus são os únicos organismos acelulares,

Leia mais

MARCADORES CARDÍACOS

MARCADORES CARDÍACOS Maria Alice Vieira Willrich, MSc Farmacêutica Bioquímica Mestre em Análises Clínicas pela Universidade de São Paulo Diretora técnica do A Síndrome Coronariana Aguda MARCADORES CARDÍACOS A síndrome coronariana

Leia mais

REGISTRO DE PRODUTOS VETERINÁRIOS FORMULÁRIO DE REGISTRO DE VACINAS DE SUBUNIDADES OBTIDAS POR MÉTODOS BIOTECNOLÓGICOS

REGISTRO DE PRODUTOS VETERINÁRIOS FORMULÁRIO DE REGISTRO DE VACINAS DE SUBUNIDADES OBTIDAS POR MÉTODOS BIOTECNOLÓGICOS CAMEVET Cód.: TRÂMITE Data de vigência REGISTRO DE PRODUTOS VETERINÁRIOS FORMULÁRIO DE REGISTRO DE VACINAS DE SUBUNIDADES OBTIDAS POR MÉTODOS BIOTECNOLÓGICOS REPRESENTACIÓN REGIONAL DE LA OIE PARA LAS

Leia mais

Tema: NIVOLUMABE EM ADENOCARCINOMA MUCINOSO DE PULMÃO ESTADIO IV

Tema: NIVOLUMABE EM ADENOCARCINOMA MUCINOSO DE PULMÃO ESTADIO IV Nota Técnica 2015 NATS HC UFMG Solicitante: Renato Martins Prates Juiz Federal da 8ª Vara Seção Judiciária de Minas Gerais Nº Processo: 41970-36.2015.4.01.3800 Data 20/08/2015 Medicamento X Material Procedimento

Leia mais

Toxicologia in vitro: Principais modelos utilizados

Toxicologia in vitro: Principais modelos utilizados Toxicologia in vitro: Principais modelos utilizados Alexandre Bella Cruz Rilton Alves de Freitas Toxicologia in vitro: Principais modelos utilizados Objetivo Conhecer Métodos para Avaliação de Genotoxicidade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE BIOMEDICINA. Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE BIOMEDICINA. Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1 CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE BIOMEDICINA Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1 Fase Cod. Disciplina P.R Carga Horária Teórica Prática

Leia mais

NEOPLASIAS. Prof. Dr. Fernando Ananias

NEOPLASIAS. Prof. Dr. Fernando Ananias NEOPLASIAS Prof. Dr. Fernando Ananias Neoplasia = princípio básico CLASSIFICAÇÃO DOS TUMORES Comportamento Benigno versus Maligno Crescimento lento rápido Semelhança com O tecido de origem (Diferenciação)

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 182/2009/CONEPE

RESOLUÇÃO Nº 182/2009/CONEPE SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 182/2009/CONEPE Altera a Departamentalização e Ementário do Núcleo

Leia mais

COLAMA- I CONGRESSO LATINO AMERICANO DE MÉTODOS ALTERNATIVOS/ Feedback

COLAMA- I CONGRESSO LATINO AMERICANO DE MÉTODOS ALTERNATIVOS/ Feedback COLAMA- I CONGRESSO LATINO AMERICANO DE MÉTODOS ALTERNATIVOS/ Feedback Gabriela Rodrigues A cultura científica ocidental usa o animal como coadjuvante desde a Grécia Antiga para aquisição de novos conhecimentos.

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

Resumos do 56º Congresso Nacional de Botânica.

Resumos do 56º Congresso Nacional de Botânica. Genômica Florestal: Oportunidades e Desafios DARIO GRATTAPAGLIA - EMBRAPA RECURSOS GENÉTICOS E BIOTECNOLOGIA/UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA dario@cenargen.embrapa.br Introdução Plantações florestais

Leia mais

Centro de Inovação e Ensaios Pré-Clínicos CIEnP

Centro de Inovação e Ensaios Pré-Clínicos CIEnP Centro de Inovação e Ensaios Pré-Clínicos CIEnP RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DA GENOTOXICIDADE DA FOSFOETANOLAMINA SINTÉTICA (USP São Carlos): TESTE DE MICRONÚCLEOS EM MEDULA ÓSSEA DE CAMUNDONGOS Estudo nº:

Leia mais

Parte III: Manipulação da informação

Parte III: Manipulação da informação Parte III: Manipulação da informação Novos alvos terapêuticos É possível fazer uma classificação molecular dos tumores e correlacionar com prognóstico. E agora? Leucémias agudas : LMA (L. Mieloblástica

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 04-Abr-2016 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 04/04/2016 Que tal aproveitar o Dia Mundial do Câncer

Leia mais

de células de neuroblastoma

de células de neuroblastoma O inibidor da histona desacetilase, butirato de sódio, previne o IX Salão de Iniciação Científica PUCRS efeito estimulador do bloqueio de GRPR sobre a proliferação de células de neuroblastoma de Almeida,

Leia mais

Num mundo sem doenças e sem sofrimento, a experimentação animal não seria necessária.

Num mundo sem doenças e sem sofrimento, a experimentação animal não seria necessária. Num mundo sem doenças e sem sofrimento, a experimentação animal não seria necessária. Todos os animais, domésticos, selvagens e de laboratório são beneficiados por substâncias testadas em animais. Graças

Leia mais

Nome da substância ou mistura: Vitamina A Acetato Pó Versão: 1

Nome da substância ou mistura: Vitamina A Acetato Pó Versão: 1 09/0/205. Identificação de 7 Nome da substância ou mistura (nome comercial): Vitamina A Acetato Pó Principais usos recomendados para a substância ou mistura: Suplemento nutricional Código interno de identificação

Leia mais

A Iniciativa de P&D da Empresa X

A Iniciativa de P&D da Empresa X Projetos 1. Eliezer Barreiro Fármacos antinflamatórios 2. Valdir Cechinel Filho Hiperplasia Benigna da Próstata- fitoterápico 3. Valdir Cechinel Filho Analgésico - fitoterápico 4. Sérgio T. Ferreira Doença

Leia mais

Importância da difusão Os impactos econômicos de uma inovação são sentidos primeiramente por quem a introduz Com a difusão criam-se novos empreendimentos, mercados... e comportamentos Conteúdo Conceitos

Leia mais

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Curso de Auto-aprendizagem PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Noções básicas de toxicologia aplicadas às emergências químicas Dra. Susana I. García Ministerio de Salud

Leia mais

Um novo tipo de câncer

Um novo tipo de câncer Um novo tipo de câncer Cirurgias menos invasivas e tratamentos personalizados são algumas das apostas da ciência para o câncer de cabeça e pescoço. Em visita ao Brasil, médico especialista na área apresenta

Leia mais

Os riscos da utilização das cadeiras de rodas fabricadas no Brasil

Os riscos da utilização das cadeiras de rodas fabricadas no Brasil Os riscos da utilização das cadeiras de rodas fabricadas no Brasil O Inmetro ensaiou oito marcas de cadeiras de rodas manuais com capacidade entre 75 e 100 kg, das marcas Carone, CDS, Freedom, Jaguaribe,

Leia mais

Replicação viral. Princípios gerais

Replicação viral. Princípios gerais Replicação viral Princípios gerais Vírus replicam através da montagem de componentes pré formados Adaptado de D. E. White and F. J. Fenner. Medical Virology, Fourth Edition. Academic Press, 1994 Esquema

Leia mais

PARA SUBMETER PROJETOS SIGA AS ETAPAS:

PARA SUBMETER PROJETOS SIGA AS ETAPAS: CEUA UNIFESP 2015 PARA SUBMETER PROJETOS SIGA AS ETAPAS: 1. Entre na página da CEUA Comissão de Ética no Uso de Animais (https://www.unifesp.br/reitoria/ceua/) passe o cursor sobre SUBMISSÃO DE PROJETOS

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional Procedimento Operacional QUANTIFICAÇÃO DAS SUBPOPULAÇÕES LINFOCITÁRIAS CD4/CD8/CD3/CD45 PATRICIA VIANNA BONINI PALMA Fundação Hemocentro de Ribeirão Preto Centro de Terapia Celular, CRH-HCFMRP-USP Objetivo

Leia mais

Conhecendo o vírus v. Vírus da Imunodeficiência Humana VIH

Conhecendo o vírus v. Vírus da Imunodeficiência Humana VIH Conhecendo o vírus v da Sida Vírus da Imunodeficiência Humana VIH Conhecendo o Vírus da Sida O vírus entra na corrente sanguínea; Determina a posição exacta e reconhece os linfócitos T helper, fixando-se

Leia mais

PROVA DE AVALIAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS BIOLOGIA. Nome:

PROVA DE AVALIAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS BIOLOGIA. Nome: PROVA DE AVALIAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS BIOLOGIA 13/06/2011 Nome: 1. Classifique as afirmações seguintes como verdadeira (V) ou falsa (F): a) A espermatogénese é um processo contínuo, com inicio

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Versão 5.4

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Versão 5.4 SIGMA-ALDRICH sigma-aldrich.com FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Versão 5.4 Data de impressão 17.04.2015 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1 Identificadores do produto Nome

Leia mais

Senescência celular: Um mecanismo endógeno antitumoral

Senescência celular: Um mecanismo endógeno antitumoral celular: Um mecanismo endógeno antitumoral José Eduardo Vargas Dep. Biofisica Centro de Biotecnologia UFRGS - 2011 - Viver é envelhecer, nada mais. (Simone de Beauvoir)? Como se define o envelhecimento

Leia mais

Um jeito simples e suave de injetar

Um jeito simples e suave de injetar Um jeito simples e suave de injetar ACABE COM O MEDO DE ANESTESIA LOCAL DOS SEUS PACIENTES... NÃO USE AGULHAS Milhares de pessoas em todo o mundo sofrem de algum grau de fobia de agulhas ou ansiedade.

Leia mais

Biotecnologia. Visão de Futuro e Agenda INI Biotecnologia: 2008-2025. Iniciativa Nacional de Inovação. Estudo prospectivo

Biotecnologia. Visão de Futuro e Agenda INI Biotecnologia: 2008-2025. Iniciativa Nacional de Inovação. Estudo prospectivo Biotecnologia Iniciativa Nacional de Inovação Estudo prospectivo Visão de Futuro e Agenda INI Biotecnologia: 2008-2025 Biotecnologia Relatório Final Iniciativa Nacional de Inovação Estudo prospectivo Visão

Leia mais