RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU"

Transcrição

1 PT PT PT

2 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, COM(2010) 731 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU Relatório de Actividades EURES , apresentado pela Comissão nos termos do artigo 19.º, n.º 3, do Regulamento (CEE) n.º 1612/68 «Para um Mercado de Trabalho Único Europeu: o Contributo da Rede EURES» PT PT

3 RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU Relatório de Actividades EURES , apresentado pela Comissão nos termos do artigo 19.º, n.º 3, do Regulamento (CEE) n.º 1612/68 «Para um Mercado de Trabalho Único Europeu: o Contributo da Rede EURES» (Texto relevante para efeitos do EEE) ÍNDICE 1. Introdução Objectivos estratégicos da EURES Resultado das actividades da EURES Impacto das actividades da EURES Mecanismos de intervenção da EURES A rede EURES apoia um direito fundamental com recursos financeiros insuficientes A rede EURES assenta numa forte rede humana A formação do pessoal EURES é vital para assegurar uma rede profissional Integração da rede EURES nos SPE Parcerias transfronteiriças EURES Prestação de serviços EURES A rede EURES como mecanismo de correspondência entre oferta e procura de emprego Desafios futuros e perspectivas PT 2 PT

4 1. INTRODUÇÃO A EURES («Serviços de Emprego Europeus») é uma rede europeia estabelecida há longa data, que tem como objectivo promover a mobilidade dos trabalhadores. Integra a Comissão Europeia e os Serviços Públicos de Emprego (SPE) dos Estados-Membros do Espaço Económico Europeu 1 e da Suíça, e as respectivas organizações de parceiros sociais. Os serviços desta rede estão disponíveis há cerca de 15 anos a todos os cidadãos dos países participantes. Durante este período, a EURES facilitou a mobilidade geográfica dos trabalhadores, dando resposta à fragmentação das informações sobre a oferta de mão-de-obra, as oportunidades de emprego, as condições de vida e de trabalho, e as possibilidades de educação e de formação. A livre circulação é, muitas vezes, considerada uma das mais importantes liberdades embora a menos utilizada das quatro liberdades fundamentais consagradas no direito da UE desde A Estratégia de Lisboa e a Estratégia Europeia do Emprego, que reconheceram a importância comum do emprego, exigem a eliminação dos obstáculos à mobilidade e a promoção da mobilidade dos trabalhadores na UE. Os Princípios Comuns de Flexigurança da UE estabelecem um quadro geral para as actuais e futuras estratégias de emprego e de mobilidade, incidindo em particular na necessidade de facilitar a transição entre empregos. De acordo com a Comunicação «Novas Competências para Novos Empregos: Antecipar e Adequar as Necessidades do Mercado de Trabalho e as Competências» 2, é importante promover a mobilidade e garantir uma maior adequação entre as competências e as oportunidades de trabalho, eliminando para tal os obstáculos à livre circulação dos trabalhadores na UE e assegurando uma informação mais transparente sobre as tendências dos mercados de trabalho e as competências procuradas. Em 2011, a Comissão apresentará uma comunicação sobre a importância da migração para suprir a falta de mão-de-obra, que analisará se a migração a partir dos países terceiros pode ajudar a responder à escassez de mão-de-obra verificada em certos sectores e quais os desafios colocados pelas tendências demográficas aos mercados de trabalho. O desempenho da rede EURES no período de é avaliado no presente relatório com base nas conclusões do relatório de avaliação externa desta rede, efectuada em O presente relatório compreende quatro partes principais: a secção 2 analisa os objectivos estratégicos da EURES; a secção 3, os mecanismos de intervenção da EURES; a secção 4, os serviços prestados pela rede; e a secção 5, os desafios futuros. 2. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS DA EURES No período de , a rede EURES teve como objectivos estratégicos a promoção da mobilidade dos trabalhadores e a redução dos obstáculos à mobilidade, contribuindo para o desenvolvimento de um mercado de trabalho europeu aberto e acessível a todos, assegurando o intercâmbio transnacional, inter-regional e transfronteiriço de vagas e candidaturas de emprego, e garantindo a transparência e o intercâmbio de informações. A secção seguinte analisa os resultados e o impacto das actividades EURES em termos da diferença produzida pela rede junto dos beneficiários. 1 2 Os Estados-Membros da UE, mais a Noruega, a Islândia e o Listenstaine. COM(2008) 868 final. PT 3 PT

5 2.1. Resultado das actividades da EURES A rede EURES contribui para o desenvolvimento de um mercado de trabalho europeu aberto e acessível a todos. Tal resulta da divulgação de informação sobre os mercados de trabalho e as condições de vida e de trabalho, e de um serviço de correspondência entre a oferta e a procura de emprego, que é assegurado pelos Conselheiros EURES e pelo Portal Europeu da Mobilidade Profissional EURES. Os serviços oferecidos pela rede reflectem as necessidades dos utilizadores, podendo ser mediados ou não. A mediação é assegurada pela rede de conselheiros que fornece informação aos empregadores e às pessoas que procuram ou desejam mudar de emprego e que facilita a correspondência entre a oferta e a procura de mão-de-obra. A rede de conselheiros inclui dois níveis: os profissionais qualificados, que actuam enquanto fonte de informação e mediadores de emprego em toda a Europa, e os assistentes EURES, que apoiam os profissionais qualificados e também desempenham um papel crucial na prestação destes serviços. Os serviços sem mediação são oferecidos através do portal EURES. Os utilizadores consultam e utilizam a informação disponibilizada no portal para tomarem as suas decisões. Os candidatos a emprego e os profissionais à procura de um novo de emprego, que recorreram a um conselheiro EURES para procurar emprego, acederam mais facilmente a novas oportunidades de emprego do que aqueles que utilizaram simplesmente o Portal Europeu da Mobilidade Profissional. A rede de conselheiros EURES representa, portanto, uma mais-valia em relação aos serviços garantidos pelo portal. O intercâmbio de vagas de emprego na Europa é facilitado pelos serviços oferecidos pelo portal e pela rede de conselheiros. Os dados disponíveis mostram que, efectivamente, os empregadores recrutam trabalhadores a partir da rede EURES e que as pessoas também encontram empregos através desta rede. Cerca de 20 % dos candidatos a emprego e dos profissionais que desejam mudar de emprego conseguiram um novo emprego através da rede EURES e quase metade desta percentagem obteve um emprego adequado ao seu nível de competências 3. Em muitos países, a rede EURES contribui para a realização dos objectivos dos SPE, ajudando-os a reduzir o desemprego e a promover a mobilidade dos trabalhadores. Além disso, foram envidados esforços no sentido de integrar esta rede nas principais actividades dos SPE. Contudo, esta integração não é uma tarefa pontual, devendo ser encarada como um processo evolutivo. A integração da rede EURES nos SPE pode ser melhorada. A secção seguinte descreve sucintamente o contributo da rede EURES para a promoção da mobilidade dos trabalhadores. 3 Os avaliadores externos realizaram inquéritos junto dos candidatos a emprego, dos profissionais à procura de um novo emprego e dos empregadores. Os inquéritos revelam que a base de dados sobre as vagas de emprego facilitou o ajustamento da oferta à procura de mão-de-obra. Por exemplo, candidatos a emprego e profissionais que desejavam mudar de emprego (65,8 % dos inquiridos) declararam ter concorrido a uma vaga de emprego através da rede EURES ou ter publicado o seu CV nesta rede. Um total de pessoas (20,2 % dos candidatos a emprego e profissionais à procura de um novo emprego) afirmou ter conseguido um emprego através da rede EURES e quase metade (609) confirmou que o novo emprego correspondia ao seu nível de competências. PT 4 PT

6 2.2. Impacto das actividades da EURES A rede EURES tem um papel a desempenhar na prossecução dos objectivos de crescimento económico sustentado e de coesão social, facilitando a adequação dos interesses dos candidatos a emprego, dos profissionais que desejam mudar de emprego e dos empregadores, divulgando informação, prestando aconselhamento e orientação, e mediando a mobilidade dos indivíduos para que possam exercer o seu direito de livre circulação na UE. No período de , a rede EURES foi importante quer para a implementação da Estratégia Europeia de Emprego, quer para os objectivos de Lisboa de crescimento económico sustentado e reforço da coesão social. Todavia, as primeiras referências explícitas ao papel desta rede nos principais documentos políticos apenas surgiram a partir de 2007 (Plano de Acção para a Mobilidade Profissional e Comunicação «Novas Competências para Novos Empregos»). Além disso, a rede EURES reveste uma dimensão socioeconómica, estando ligada à Orientação 19 da Estratégia Europeia de Emprego, enquanto mecanismo que presta assistência à procura de emprego e que estabelece a correspondência entre a procura e oferta de emprego, com vista a facilitar a integração no mercado de trabalho 4. Através do seu papel de mediação e da informação que reúne e divulga sobre as condições de vida e de trabalho, incluindo a segurança social, os impostos e os seguros, a rede EURES pode ajudar os indivíduos a superar os obstáculos reais e potenciais à mobilidade. A Orientação 19 estabelece, igualmente, uma ligação entre a rede EURES e a agenda de flexigurança, uma vez que esta rede pode facilitar ou minimizar o tempo de transição entre empregos. A rede EURES é uma ferramenta que ajuda os indivíduos a procurar emprego. Nessa medida, contribui para um processo mais rápido de transição entre empregos e de acesso a um novo emprego. 3. MECANISMOS DE INTERVENÇÃO DA EURES Os Serviços Públicos de Emprego asseguram, aos níveis central, regional e local, a prestação de serviços EURES. Nas parcerias transfronteiriças da EURES, estes serviços são garantidos em conjunto com certas organizações parceiras como os sindicatos, as organizações patronais e as câmaras de comércio. Na prática, os serviços da rede são prestados pelos conselheiros EURES e por outros profissionais competentes dos membros da EURES e das organizações parceiras envolvidas. A secção seguinte considera os recursos humanos e financeiros afectos à EURES, as disposições relativas à formação EURES e a integração da rede EURES nos SPE. Uma subparte específica é dedicada às parcerias transfronteiriças A rede EURES apoia um direito fundamental com recursos financeiros insuficientes Ao longo do tempo, a UE tem vindo a aumentar progressivamente o seu investimento na rede EURES. Cifrando-se em 21 milhões de euros, o orçamento para foi quase 4 4 No âmbito da Estratégia Europeia de Emprego, a Orientação 19 das Orientações para o Emprego de refere o contributo da rede EURES para os objectivos políticos no domínio do emprego e associa esta rede à agenda da flexigurança, em termos de gestão da transição entre empregos e da integração no mercado de trabalho. PT 5 PT

7 milhões de euros mais elevado do que em Parte deste aumento deve-se à expansão da rede, com a adesão da Bulgária e da Roménia à UE em Quase três quartos do financiamento total da Comissão destinado à EURES são atribuídos aos membros para a execução das actividades identificadas nos respectivos planos de actividades. O financiamento restante destina-se ao Portal Europeu de Mobilidade Profissional EURES, à formação ao nível da UE, ao serviço «Helpdesk» e a outras actividades de apoio, incluindo as áreas da comunicação, da tradução e da publicação. Em geral, a estrutura de financiamento da rede EURES tem sido bem-sucedida, embora com algumas deficiências. A execução dos apoios financeiros equivale a cerca de 75 %, o que significa que, em média, 25 % dos fundos disponíveis atribuídos aos membros não foram aplicados no período de Os factores que explicam a subutilização dos fundos incluem a realização de actividades não subvencionadas, os requisitos administrativos aplicáveis para justificar as despesas e os prazos de disponibilização efectiva dos recursos. O orçamento atribuído à rede EURES é razoavelmente limitado quando comparado com o financiamento total consagrado aos programas no domínio do emprego, quer a nível da UE, quer em peso relativo na despesa total dos SPE dos países membros. Os recursos financeiros atribuídos pelos membros EURES representam mais do triplo dos recursos orçamentados e disponibilizados pela Comissão e o quádruplo das despesas elegíveis. Isto significa que o financiamento disponibilizado pelos membros EURES é essencial para a prestação dos serviços EURES. Autorizações orçamentais e pagamentos Autorizações orçamentais , , ,36 Pagamentos , , , A rede EURES assenta numa forte rede humana Nos países membros existe uma rede de 851 conselheiros para prestar os serviços EURES necessários aos candidatos a emprego, aos profissionais que desejam mudar de emprego e aos empregadores. O número de conselheiros em cada país varia, sendo que metade de todos os conselheiros em seis países: Bélgica, Alemanha, Espanha, França, Itália e Suécia. Os conselheiros EURES são trabalhadores dos SPE, designados a nível local, regional e nacional dentro da sua organização. Dedicam, em média, 75 % do tempo de trabalho à EURES 5. Em 2008, registaram-se mais de um milhão de contactos ( ) junto de candidatos a emprego, profissionais à procura de um novo emprego e empregadores, o que equivale, em média, a contactos individuais por conselheiro. Deste total, 86 % dos contactos respeitam a candidatos a emprego e profissionais à procura de um novo emprego. O rácio de conselheiros por empregadores e candidatos a emprego inscritos varia, mas corresponde, em média, a 424 candidatos a emprego e 20 empregadores por conselheiro. 5 A Carta EURES (JO C 106 de , p. 3) estabelece que os conselheiros EURES devem trabalhar, pelo menos, metade do tempo de um trabalhador normal a tempo inteiro em tarefas ligadas à EURES, sendo o tempo restante dedicado às tarefas do seu SPE nacional. PT 6 PT

8 A procura de emprego foi sempre o principal tópico debatido nos contactos com os conselheiros. Em média, 41,2 % dos contactos incidiram nesta questão no período de O segundo tópico mais frequente foi a procura de informações gerais sobre a rede EURES, abordado em cerca de 17,1 % dos contactos nesse mesmo período. O terceiro tópico mais frequente foi o recrutamento, abordado em cerca de 15,1 % dos contactos nesse período. Informações gerais sobre a rede EURES Procura de emprego Recrutamento Segurança social e fiscalidade Educação e formação Condições de vida e de trabalho Outras informações gerais e aconselhamento 17,1 % 41,2 % 15,1 % 10,1 % 1,9 % 8,3 % 6 % A rede dispõe igualmente de assistentes EURES: mais de metade dos países membros também contrata assistentes, para dar apoio aos conselheiros e prestar os serviços EURES. A rede humana ligada directamente à prestação de serviços EURES é, por conseguinte, muito maior do que a mera rede de conselheiros. De um modo geral, o nível de recursos humanos disponíveis para prestar os serviços EURES parece ser adequado às necessidades dos candidatos a emprego, dos profissionais que desejam mudar de emprego e dos empregadores, embora venham a ser exigidos recursos adicionais se a rede EURES evoluir e passar a integrar novos serviços A formação do pessoal EURES é vital para assegurar uma rede profissional A formação EURES inclui duas componentes: a formação a nível nacional e a formação a nível europeu. A formação nacional inclui diversas actividades, incluindo uma pré-formação, que constituem um pré-requisito para os novos conselheiros frequentarem a formação a nível europeu (a conferência e o curso de formação inicial). No período de , a formação a nível europeu foi assegurada por uma empresa privada, que realizou cerca de 20 cursos individuais de formação por ano. A oferta de formação incluía cursos elementares e avançados e destinava-se aos conselheiros EURES e respectivos directores. Para os vários cursos, os conselheiros e directores EURES colaboraram como formadores e trabalharam com a equipa da empresa de formação. A formação oferecida é essencial para garantir um bom nível de profissionalização e um funcionamento eficiente e eficaz da rede. Em geral, os cursos de formação ministrados a nível europeu e a nível nacional são complementares, incidindo os primeiros nos aspectos teóricos e os segundos nas questões de natureza prática Integração da rede EURES nos SPE A orientação relativa à rede EURES identifica, claramente, a necessidade prioritária de intensificar a integração da EURES nos SPE 6. Já foram alcançados alguns resultados, mostrando que a maioria dos membros está a progredir. Os membros realizaram uma afectação clara de efectivos à rede EURES, passaram a respeitar e a reconhecer o tempo dedicado à rede, organizaram cursos de formação próprios destinados ao pessoal EURES e 6 As actividades EURES desenvolvidas pelos membros e parceiros baseiam-se num conjunto de orientações aplicáveis por um período de três anos. PT 7 PT

9 procuraram sensibilizar outros profissionais que lidam directamente com os utilizadores da rede. Entre 75 % e 100 % dos conselheiros que trabalham directamente com os utilizadores em cerca de metade dos países membros receberam formação sobre a EURES. A integração da rede EURES nos SPE pode contribuir para a realização dos objectivos dos SPE de redução do desemprego e de promoção da mobilidade. Não obstante os esforços realizados pelos SPE em matéria de integração da rede EURES, os resultados neste âmbito diferem entre os vários SPE Parcerias transfronteiriças da EURES A rede EURES desempenha um importante papel nas regiões transfronteiriças, onde os seus conselheiros prestam informações e aconselhamento aos trabalhadores que desejam transpor as fronteiras e aos empregadores que pretendem recrutar além fronteiras. Os trabalhadores transfronteiriços precisam de informação sobre os seguros, os impostos, os sistemas sociais, a educação e as actividades independentes. A procura de emprego foi o tópico mais debatido com os conselheiros transfronteiriços, equivalendo esta questão, em média, a 34,6 % dos contactos efectuados no período de O segundo tópico mais importante foi a segurança social e a fiscalidade, que representou, em média, 24,8 % dos contactos verificados no mesmo período. Em terceiro lugar, surgem os pedidos de informação de carácter geral sobre a rede EURES (12,6 %, em média, dos contactos realizados nesse mesmo período). Informações gerais sobre a rede EURES Procura de emprego Recrutamento Segurança social e fiscalidade Educação e formação Condições de vida e de trabalho Outras informações gerais e aconselhamento 12,6 % 34,6 % 8,4 % 24,8 % 3,2 % 9,1 % 7 % Em , um total de 22 parcerias transfronteiriças (PTF) EURES participaram na prestação de serviços EURES e deram um contributo vital para o desenvolvimento das actividades da rede. A maioria das PTF EURES está localizada na Europa Central e Ocidental, tendo sido criadas 9 PTF na Alemanha e 6 em França 7. Além das actividades asseguradas pelas parcerias transfronteiriças, quase todos os membros EURES realizam algum tipo de actividades transfronteiriças fora do âmbito das parcerias existentes. A localização das PTF EURES corresponde largamente a este modelo de mobilidade. O número de trabalhadores transfronteiriços aumentou nos últimos anos. De acordo com um estudo, cerca de pessoas foram trabalhadores transfronteiriços em , no EEE/Suíça. No que diz respeito à UE-15, entre os períodos de e , o seu número aumentou 26 %. A maioria das actividades transfronteiriças está concentrada na região Centro-Oeste da Europa. Os destinos principais são a Suíça, o Luxemburgo, a Alemanha, os Países Baixos, a Áustria e a Bélgica. Estes países recebem cerca de três quartos de todos os trabalhadores transfronteiriços. Os principais países de origem são a França, a 7 Ver anexo ao presente relatório, para verificar o número de parcerias transfronteiriças em que participa cada país. PT 8 PT

10 Alemanha e a Bélgica, que representam aproximadamente 60 % do total de trabalhadores transfronteiriços da UE. As parcerias transfronteiriças promoveram a visibilidade da rede EURES e originaram uma grande variedade de actividades destinadas a informar os candidatos a emprego, os profissionais que desejam mudar de emprego, os trabalhadores transfronteiriços e os empregadores nas regiões transfronteiriças. 4. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EURES A rede EURES presta assistência aos candidatos a emprego, aos profissionais que procuram um novo emprego, aos desempregados e aos empregadores, através de diversos serviços acessíveis no Portal Europeu da Mobilidade Profissional EURES e da rede de conselheiros EURES. Esses serviços incluem uma assistência directa, estabelecendo a correspondência entre a procura e a oferta de emprego, e uma assistência indirecta, através da divulgação de informação sobre o mercado de trabalho e as condições de vida e de trabalho nos outros países do EEE e na Suíça A rede EURES como mecanismo de correspondência entre oferta e procura de emprego O Portal Europeu da Mobilidade Profissional EURES tem desempenhado um papel valioso na divulgação de informação sobre as oportunidades de emprego junto dos candidatos a emprego, dos profissionais que procuram um novo emprego, dos desempregados e dos empregadores. Este portal permite aos primeiros procurar emprego e publicar o seu CV, ao passo que os empregadores podem consultar esses CV e publicar as vagas de emprego. Número de candidatos a emprego registados no portal EURES, por país, em : País Número de candidatos a emprego País Número de candidatos a emprego Bélgica Países Baixos República Checa Áustria Dinamarca Polónia Alemanha Portugal Estónia Roménia Irlanda Eslovénia Grécia República Eslovaca Espanha Finlândia França Suécia PT 9 PT

11 Itália Reino Unido Letónia Noruega Lituânia Suíça Hungria O portal é apreciado por ambos os grupos de utilizadores, que vêem claramente o benefício de poderem consultar ou publicar informação sobre as vagas de emprego no território do EEE. De acordo com um inquérito em linha junto dos utilizadores, a função que permite preencher o CV em linha constitui o serviço EURES considerado mais útil para os candidatos a emprego e os profissionais que desejam mudar de emprego. Do total de empregadores que publicaram anúncios de emprego, 19 % ofereceram um emprego a um ou mais candidatos e quase metade desses candidatos tinha um nível adequado de competências. Quase 70 % dos candidatos a emprego e dos profissionais à procura de um novo emprego concorreram a uma vaga do seu interesse ou publicaram o CV no portal. O portal facilitou, portanto, a correspondência entre a procura e a oferta de emprego, tendo os candidatos a emprego e os profissionais à procura de um novo emprego encontrado efectivamente um emprego e os empregadores preenchido as suas vagas. Este serviço pode ser melhorado através de uma maior sinergia, actualmente em desenvolvimento, com outra ferramenta em linha muito utilizada: o CV Europass. Contudo, outros aspectos do portal podem também ser melhorados para garantir uma maior eficácia da correspondência proporcionada pela rede EURES. Esses aspectos incluem certas questões técnicas como a melhoria das funcionalidades da rede e o tipo e qualidade das informações divulgadas. A responsabilidade pela actualização das informações e pela qualidade das vagas publicadas no portal compete aos membros da EURES. A rede humana de conselheiros EURES constitui uma mais-valia em relação à informação já disponível no portal, nomeadamente pelos seus conhecimentos e experiência em determinados tópicos como a fiscalidade ou o reconhecimento das qualificações. Algumas das principais vantagens da rede de conselheiros parecem ser a ajuda prestada aos utilizadores em termos de navegação no portal, sobretudo no caso de pessoas menos competentes no domínio da informática, de transmissão de informação sobre o portal e de agilização do processo de procura de emprego. A vasta maioria de utilizadores considera que os conselheiros EURES são muito úteis e prestam serviços de elevada qualidade. Contudo, o seu trabalho poderia ser facilitado através de um bom funcionamento do portal, da integração da rede EURES nos SPE e da intensificação dos contactos com os empregadores. Além da rede de conselheiros e do Portal Europeu da Mobilidade Profissional, existem outros tipos de actividades que procuram adequar a procura à oferta de emprego, incluindo feiras de emprego e outros eventos de recrutamento, sessões de informação e reuniões, nomeadamente com empregadores, e actividades de promoção. As feiras de emprego e os eventos que promovem o recrutamento de trabalhadores parecem ser bem-sucedidos do ponto de vista da correspondência entre a procura e oferta de emprego. No período de , foi possível assegurar com êxito a correspondência de casos de procura/oferta de emprego, num total de 248 eventos. Nesse mesmo período, registaram-se ainda outras colocações através da rede EURES. PT 10 PT

12 5. DESAFIOS FUTUROS E PERSPECTIVAS O ritmo das flutuações dos mercados de trabalho europeus, provocadas pelos efeitos da crise económica, e a modernização geral dos SPE constituirão os principais desafios da rede EURES nos próximos anos. Para fazer face a estes desafios, é necessário um maior desenvolvimento da rede EURES, orientando-a para a obtenção de resultados e demonstrando o seu valor acrescentado para os grupos de utilizadores e SPE. O relatório Monti reconhece que a rede EURES é um sucesso 8. Comparando com outras redes da Comissão, a rede EURES é a que incide mais fortemente nas oportunidades de emprego e a única que assegura um serviço específico de correspondência entre a procura e a oferta de emprego. A rede EURES deve continuar a ter um papel importante enquanto instrumento de promoção da mobilidade. Tal significa que as tarefas normais de informação e aconselhamento se irão manter. Contudo, para poder responder às necessidades reais dos seus utilizadores e apresentar resultados mensuráveis, o papel da rede EURES deve ser reequacionado enquanto ferramenta-chave para melhorar a adequação entre os candidatos e as vagas de emprego na Europa, centrada na correspondência entre a procura e oferta de emprego e na colocação de todos trabalhadores e candidatos a emprego que sejam residentes legais e que tenham o direito de trabalhar noutro país da UE, tornando-se assim um instrumento ao serviço da Estratégia Europeia de Emprego. Os SPE deverão promover mais ainda esta rede nos serviços que prestam e nos contactos com os seus utilizadores, e aplicar o conhecimento técnico dos conselheiros EURES para reforçar a integração da dimensão europeia em todas as actividades relevantes. Os SPE deverão integrar o serviço EURES nos seus serviços de atendimento e nos sistemas de resposta rápida, para melhor ajudar os empregadores e trabalhadores a enfrentar os desafios. No futuro, a rede EURES oferecerá uma assistência mais personalizada no domínio da mobilidade aos candidatos a emprego, aos empregadores, aos trabalhadores, aos aprendizes e aos titulares de diplomas universitários. Garantir um equilíbrio mais adequado entre as vagas e os pedidos de emprego deverá constituir o principal objectivo da rede EURES. A mobilidade no EEE e na Suíça deve passar a ser uma opção atractiva. Para que a rede EURES possa responder a estes desafios, foram já lançadas, ou estão a ser avaliadas, diversas iniciativas: elaborar um dicionário multilingue de referência sobre as profissões e qualificações, com vista a melhorar a qualidade e a transparência da informação relativa às vagas de emprego e optimizar a correspondência entre estas e os candidatos a emprego. Uma correspondência eficaz entre qualificações, empregos e oportunidades de aprendizagem no mercado de trabalho europeu apenas é possível se existir uma classificação multilingue comum das qualificações, competências e profissões. Este dicionário multilingue intitular-se-á «Qualificações, Competências e Profissões Europeias»; criar uma função de correspondência e localização («match and map»), que ofereça aos cidadãos um serviço em linha transparente e convivial, incluindo informação de qualidade sobre as profissões, as qualificações e as oportunidades de aprendizagem e formação em toda a UE. Esta função, que fará parte da rede EURES e estará ligada aos portais Ploteus e Euraxess, permitirá localizar geograficamente as ofertas de emprego que correspondam ao 8 M. Monti, «A New Strategy for the Single Market», 9 de Maio de 2010, p. 59. PT 11 PT

13 perfil dos utilizadores, justificar os casos de inadequação entre um emprego e um candidato, e fornecer informação sobre as oportunidades de aprendizagem; instituir um observatório europeu do mercado de trabalho, com informações regulares e actualizadas sobre as tendências a curto prazo do mercado de trabalho europeu. Esta medida permitirá melhorar a recolha de dados, tendo em vista uma identificação e antecipação mais adequadas do excesso e escassez de mão-de-obra nos mercados de trabalho, e analisar os fluxos de mobilidade. Isto ajudará os trabalhadores ou candidatos a emprego a identificar as oportunidades de emprego mais adequadas às suas competências e qualificações; modernizar o Portal Europeu da Mobilidade Profissional EURES, acrescentando secções mais interactivas. Este deverá ser o maior sítio Web da União Europeia no domínio do emprego, oferecendo apresentações gráficas, uma ligação à ferramenta de criação do CV Europass, uma função de pesquisa de CV mais convivial, uma secção dedicada às redes sociais para candidatos a emprego e uma feira de emprego virtual. Além disso, este portal melhorado terá uma secção dedicada especificamente aos jovens licenciados, que colmatará o fosso entre universidades e empresas, e ajudará os jovens na procura de um emprego adequado e na sua colocação; está igualmente em curso a preparação da iniciativa «Your first EURES Job» (O Teu Primeiro Emprego EURES): esta iniciativa visa apoiar financeiramente a mobilidade dos jovens de toda a Europa que procuram aceder ao mercado de trabalho; criar mecanismos de cooperação sistemática com outras redes da UE, identificando sinergias ou formas adequadas de colaboração. PT 12 PT

14 ANEXO ao Relatório de Actividades EURES de Estatísticas sobre a utilização do Portal Europeu da Mobilidade Profissional Quadro 1: Número de visitas ao Portal EURES por mês, em Mês Visitantes abr mai jun jul ago set out nov dez jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez PT 13 PT

15 Gráfico 1: Número de visitas ao Portal EURES por mês, em Visitors Visitors avr-07 juil-07 oct-07 janv-08 avr-08 juil-08 oct-08 janv-09 avr-09 juil-09 oct-09 janv-10 avr-10 juil-10 PT 14 PT

16 Quadro 2: Número de parcerias transfronteiriças (PTF) EURES em que participa cada país País Número de PTF EURES Bélgica 4 República Checa 2 Dinamarca 2 Alemanha 9 Espanha 2 França 6 Itália 3 Luxemburgo 2 Hungria 1 Países Baixos 4 Áustria 3 Polónia 1 Portugal 1 Eslovénia 1 República Eslovaca 2 Finlândia 1 Suécia 2 Reino Unido 2 Suíça 3 Listenstaine 1 PT 15 PT

EURES. A rede de emprego europeia. Comissão Europeia

EURES. A rede de emprego europeia. Comissão Europeia EURES A rede de emprego europeia Comissão Europeia Nem a Comissão Europeia nem qualquer pessoa que actue em seu nome são responsáveis pelo uso que possa ser feito com as informações contidas nesta publicação.

Leia mais

de 9 de Março de 2005

de 9 de Março de 2005 24.3.2005 PT Jornal Oficial da União Europeia L 79/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) DECISÃO N. O 456/2005/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 9 de Março de 2005 que

Leia mais

Mobilidade, Competências e Mercado de Trabalho. 2006 Ano Europeu da Mobilidade dos Trabalhadores

Mobilidade, Competências e Mercado de Trabalho. 2006 Ano Europeu da Mobilidade dos Trabalhadores Mobilidade, Competências e Mercado de Trabalho 2006 Ano Europeu da Mobilidade dos Trabalhadores Mobilidade VALOR ACRESCENTADO Ao nível macro Ao nível micro FLEXIBILIDADE DO MERCADO DE TRABALHO ADAPTABILIDADE

Leia mais

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 Comunicação da Comissão Critérios para a análise da compatibilidade dos auxílios estatais a favor de trabalhadores desfavorecidos e com deficiência sujeitos

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 09.03.2001 COM(2001) 128 final 2001/0067 (ACC) VOLUME IV Proposta de DECISÃO DO CONSELHO Relativa à posição da Comunidade no Conselho de Associação sobre a

Leia mais

PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL MANUAL OPERACIONAL

PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL MANUAL OPERACIONAL 2015 PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL 2015 MANUAL OPERACIONAL Prémios Europeus de Promoção Empresarial 2015 2/13 ÍNDICE 1. DEFINIÇÃO E JUSTIFICAÇÃO... 3 1.1. Um prémio que reconhece a excelência

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 6.1.2010 COM(2009)708 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES sobre a aplicação

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO L 52/32 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO de 14 de Fevereiro de 2000 relativa à execução das políticas de emprego dos Estados-Membros

Leia mais

Análise comparativa dos sistemas de avaliação do desempenho docente a nível europeu

Análise comparativa dos sistemas de avaliação do desempenho docente a nível europeu 1 Análise comparativa dos sistemas de avaliação do desempenho docente a nível europeu Jorge Lima (*) Eurydice é a rede de informação sobre a educação na Europa, criada por iniciativa da Comissão Europeia

Leia mais

Plano Tecnológico Uma ideia mobilizadora, uma agenda de prioridades e um compromisso político

Plano Tecnológico Uma ideia mobilizadora, uma agenda de prioridades e um compromisso político Plano Tecnológico Uma ideia mobilizadora, uma agenda de e um compromisso político Apresentação ao Conselho Consultivo do Plano Tecnológico 19 de Julho de 26 Um mundo em profunda mudança O Mundo enfrenta

Leia mais

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA NO ISA

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA NO ISA REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA NO ISA Preâmbulo É cada vez mais consensual a importância estratégica que as pessoas (vulgarmente chamadas de recursos humanos) desempenharão

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 13.2.2007 SEC(2007) 190 final Recomendação de PARECER DO CONSELHO em conformidade com o n.º 3 do artigo 9º do Regulamento (CE) n.º 1466/97 do Conselho, de 7

Leia mais

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão MEMO/05/124 Bruxelas, 12 de Abril de 2005 Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão 1. Em que consiste este pacote? A Comissão aprovou hoje 3 comunicações

Leia mais

«Erasmus+» - Perguntas mais frequentes

«Erasmus+» - Perguntas mais frequentes COMISSÃO EUROPEIA NOTA INFORMATIVA Estrasburgo/Bruxelas, 19 de novembro de 2013 «Erasmus+» - Perguntas mais frequentes (ver também IP/13/1110) O que é o «Erasmus+»? O «Erasmus+» é o novo programa da União

Leia mais

Inquérito europeu às empresas sobre riscos novos e emergentes Sumário

Inquérito europeu às empresas sobre riscos novos e emergentes Sumário Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho Inquérito europeu às empresas sobre riscos novos e emergentes Sumário Este inquérito, realizado pela EU-OSHA a empresas de toda a Europa, visa contribuir

Leia mais

Resposta da Sonaecom Serviços de Comunicações, SA (Sonaecom) à consulta pública sobre o Quadro Nacional de Atribuição de Frequências 2010 (QNAF 2010)

Resposta da Sonaecom Serviços de Comunicações, SA (Sonaecom) à consulta pública sobre o Quadro Nacional de Atribuição de Frequências 2010 (QNAF 2010) Resposta da Sonaecom Serviços de Comunicações, SA (Sonaecom) à consulta pública sobre o Quadro Nacional de Atribuição de Frequências 2010 (QNAF 2010) I. Introdução O espectro radioeléctrico é um recurso

Leia mais

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL 1 O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem que ser entendida na dupla perspectiva de direito social dos cidadãos, que compete ao Estado garantir, e de princípio

Leia mais

O DOMÍNIO DOS TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS PELOS PRIVADOS, O LOCK-OUT DOS PATRÕES, O PREÇO DO GASÓLEO E A MANIPULAÇÃO DA OPINIÃO PÚBLICA

O DOMÍNIO DOS TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS PELOS PRIVADOS, O LOCK-OUT DOS PATRÕES, O PREÇO DO GASÓLEO E A MANIPULAÇÃO DA OPINIÃO PÚBLICA O DOMÍNIO DOS TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS PELOS PRIVADOS, O LOCK-OUT DOS PATRÕES, O PREÇO DO GASÓLEO E A MANIPULAÇÃO DA OPINIÃO PÚBLICA Eugénio Rosa Como consequência de uma política de transportes

Leia mais

Trabalhar na EUROPA: por onde começar?

Trabalhar na EUROPA: por onde começar? Trabalhar na EUROPA: por onde começar? III Faro empreendedor Formação, Empreendedorismo e Emprego 29 e 30 Abril Campus da Penha 2 e 3 de Maio Campus de Gambelas Trabalhar noutro país europeu motivações

Leia mais

Comunicado de imprensa

Comunicado de imprensa Comunicado de imprensa A educação para a cidadania nas escolas da Europa Em toda a Europa, o reforço da coesão social e a participação activa dos cidadãos na vida social estão no centro das preocupações

Leia mais

Reunião Transfonteiriça Espanha Portugal SUMÁRIO. Boletim Informativo n.º 25. Balanço do 25.º Aniversário da Adesão à UE e Desafios para 2012

Reunião Transfonteiriça Espanha Portugal SUMÁRIO. Boletim Informativo n.º 25. Balanço do 25.º Aniversário da Adesão à UE e Desafios para 2012 Boletim Informativo n.º 25 SUMÁRIO REUNIÃO TRANSFONTEIRIÇA ESPANHA- PORTUGAL Pág. 1 MECANISMO INTERLIGAR EUROPA GALILEO SATELITE EUROPEU Pág. 2 FRONTEIRAS INTELIGENTES Pág. 3 LUTA CONTRA AS NOVAS DROGAS

Leia mais

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

Juventude em Movimento: apoio da Europa aos jovens

Juventude em Movimento: apoio da Europa aos jovens Juventude em Movimento: apoio da Europa aos jovens ESTUDAR FORMAR-SE TRABALHAR PARTICIPAR OS TEUS DIREITOS APRENDER VIAJAR VOLUNTÁRIO CRIAR na EUROPA Nem a Comissão Europeia nem qualquer pessoa que atue

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 11.4.2007 COM(2007) 178 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Relatório final da Comissão Europeia sobre a continuação da adequação

Leia mais

EDITAL. Iniciativa OTIC Oficinas de Transferência de Tecnologia e de Conhecimento

EDITAL. Iniciativa OTIC Oficinas de Transferência de Tecnologia e de Conhecimento EDITAL Iniciativa OTIC Oficinas de Transferência de Tecnologia e de Conhecimento A difusão de informação e do conhecimento tem um papel fundamental na concretização de projectos inovadores e com grande

Leia mais

EURES: uma carreira na Europa

EURES: uma carreira na Europa EURES: uma carreira na Europa Nome (IEFP - EURES) Volta de Apoio ao Emprego Lamego, 9 de Maio EURES: encontrar um emprego na Europa Nome (IEFP - EURES) Volta de Apoio ao Emprego Lamego, 9 de Maio IR PARA

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º, REGULAMENTO (CE) Nº 1082/2006 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 5 de Julho de 2006 relativo aos agrupamentos europeus de cooperação territorial (AECT) O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA,

Leia mais

PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE

PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE A incidência e a prevalência quer da pré-obesidade quer da obesidade têm vindo a aumentar na União Europeia e, também, em Portugal, constituindo um importante

Leia mais

Trabalhar na EUROPA: por onde começar?

Trabalhar na EUROPA: por onde começar? Trabalhar na EUROPA: por onde começar? AGE - CÂMARA MUNICIPAL DE ALBUFEIRA 5 de dezembro 2013 Trabalhar noutro país europeu motivações Mais competências profissionais e pessoais Trabalhar noutro país europeu

Leia mais

2009 BIAC Business Roundtable. Responding to the global economic crisis OECD s role in promoting open markets and job creation. 21 de Maio de 2009

2009 BIAC Business Roundtable. Responding to the global economic crisis OECD s role in promoting open markets and job creation. 21 de Maio de 2009 2009 BIAC Business Roundtable Responding to the global economic crisis OECD s role in promoting open markets and job creation 21 de Maio de 2009 Intervenção do Ministro de Estado e das Finanças Fernando

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 27.2.2009 COM(2009) 77 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Indicadores de qualidade I Introdução Baseado em investigação anterior e na recolha de informação

Leia mais

As regiões Portuguesas: Lisboa: Competitividade e Emprego; Madeira: Phasing-in; Algarve: Phasing-out; Norte, Centro, Alentejo, Açores: Convergência

As regiões Portuguesas: Lisboa: Competitividade e Emprego; Madeira: Phasing-in; Algarve: Phasing-out; Norte, Centro, Alentejo, Açores: Convergência A Nova Agenda da Política de Coesão no Espaço Europeu Nuno Teixeira CCDR-LVT 26.Novembro.2010 A Nova Agenda da Política de Coesão no Espaço Europeu 1 ÍNDICE I. A coesão no espaço europeu II. O Tratado

Leia mais

Geografia A. * Análise de Notícias. Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007

Geografia A. * Análise de Notícias. Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007 Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007 Geografia A * Análise de Notícias Natureza das notícias: socio-económica Localização temporal: actualidade Localização espacial: Europa Jornal: Expresso Data de edição:

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

Programa Municipal de Intervenção Vocacional EU PERTENÇO AO MEU FUTURO 12º ANO. FAQ s - Lista de Questões Frequentes

Programa Municipal de Intervenção Vocacional EU PERTENÇO AO MEU FUTURO 12º ANO. FAQ s - Lista de Questões Frequentes Programa Municipal de Intervenção Vocacional EU PERTENÇO AO MEU FUTURO 12º ANO FAQ s - Lista de Questões Frequentes 1 - Já escolhi o curso superior quero frequentar. Devo ainda assim inscrever-me no Programa

Leia mais

Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores

Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores O Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário, recentemente aprovado,

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando as orientações políticas

Leia mais

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção IP/03/716 Bruxelas, 21 de Maio de 2003 Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção O reforço dos direitos dos accionistas e da protecção dos trabalhadores e

Leia mais

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira PG 02 NOTA JUSTIFICATIVA O presente regulamento promove a qualificação das

Leia mais

Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME)

Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME) COMISSÃO EUROPEIA Bruselas, 16.11.2011 C(2011)8317 final Assunto: Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME) Excelência, Procedimento

Leia mais

Informação diagnóstico

Informação diagnóstico Informação diagnóstico O declínio demográfico da cidade de Lisboa e a periferização da área metropolitana Evolução Comparada das Populações de Portugal, da Área Metropolitana de Lisboa e do Concelho de

Leia mais

SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SI À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO SI À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Data: 13 de Outubro

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÃO INFRA-ESTRUTURAS DAS. Documento Justificativo ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS.

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÃO INFRA-ESTRUTURAS DAS. Documento Justificativo ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. PROPOSTA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS Documento Justificativo Fevereiro de 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel:

Leia mais

O SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos ( pessoa colectiva de utilidade pública).

O SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos ( pessoa colectiva de utilidade pública). Ao Jornal I Jornalista Liliana Valente ENQUADRAMENTO PRÉVIO O SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos ( pessoa colectiva de utilidade pública). Com 44

Leia mais

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL Ana Rita Ramos 1 Cristina Silva 2 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 2 Departamento de Estatística e Controlo de Informação do ISP As opiniões

Leia mais

Fondo Europeo de Desarrollo Regional

Fondo Europeo de Desarrollo Regional Anúncio da Autoridade de Gestão (Vice-secretaria da Economia e Assuntos Económicos com a União Europeia do Governo das Canárias), pelo qual se dá publicidade à primeira convocatória do Programa Operacional

Leia mais

DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU

DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU ECA/09/69 DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU ******* APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO ANUAL RELATIVO AO EXERCÍCIO DE 2008 À COMISSÃO DO

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL E AO COMITÉ DAS REGIÕES

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL E AO COMITÉ DAS REGIÕES COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 22.12.2008 COM(2008) 882 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL E AO COMITÉ DAS REGIÕES Implementação

Leia mais

REGULAMENTO. Preâmbulo

REGULAMENTO. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo O espírito de iniciativa, a criatividade, a capacidade de detectar e aproveitar oportunidades, de assumir o risco e formar decisões, constituem premissas essenciais para o sucesso

Leia mais

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS No âmbito da avaliação realizada, a nível internacional, sobre os fundamentos da crise financeira iniciada no Verão

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

Vítor Caldeira. Presidente do Tribunal de Contas Europeu

Vítor Caldeira. Presidente do Tribunal de Contas Europeu Os Tribunais de Contas e os desafios do futuro Vítor Caldeira Presidente do Tribunal de Contas Europeu Sessão solene comemorativa dos 160 anos do Tribunal de Contas Lisboa, 13 de Julho de 2009 ECA/09/46

Leia mais

RELATÓRIO INTERCALAR (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE)

RELATÓRIO INTERCALAR (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE) (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE) Comissão Europeia Direcção-Geral da Justiça, da Liberdade e da Segurança Unidade B/4 Fundo Europeu para os Refugiados B-1049 Bruxelas Estado-Membro: PORTUGAL

Leia mais

(Actos legislativos) DIRECTIVAS

(Actos legislativos) DIRECTIVAS 26.10.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 280/1 I (Actos legislativos) DIRECTIVAS DIRECTIVA 2010/64/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de Outubro de 2010 relativa ao direito à interpretação

Leia mais

A COMUNIDADE EUROPEIA (a seguir designada "a Comunidade"), O REINO DA BÉLGICA, A REPÚBLICA CHECA, O REINO DA DINAMARCA,

A COMUNIDADE EUROPEIA (a seguir designada a Comunidade), O REINO DA BÉLGICA, A REPÚBLICA CHECA, O REINO DA DINAMARCA, ACORDO DE COOPERAÇÃO RELATIVO A UM SISTEMA MUNDIAL CIVIL DE NAVEGAÇÃO POR SATÉLITE (GNSS) ENTRE A COMUNIDADE EUROPEIA E OS SEUS ESTADOS-MEMBROS, POR UM LADO, E A REPÚBLICA DA COREIA, POR OUTRO CE/KR/pt

Leia mais

URBAN II Em apoio do comércio e do turismo

URBAN II Em apoio do comércio e do turismo [Página 1 capa] Utilizar da melhor forma os fundos estruturais URBAN II Em apoio do comércio e do turismo O que é e sugestões para candidaturas a projectos bem sucedidas Com esta publicação, a DG Empresa

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa ANA Aeroportos de Portugal, S.A. Missão, Visão e Valores Missão da ANA A ANA - Aeroportos de Portugal, SA tem como missão gerir de forma eficiente as infraestruturas aeroportuárias

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 30.4.2009 C(2009) 3177 RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO que complementa as Recomendações 2004/913/CE e 2005/162/CE no que respeita ao regime de remuneração

Leia mais

O princípio da afirmação da sociedade civil.

O princípio da afirmação da sociedade civil. Dois dos Valores do PSD O Princípio do Estado de Direito, respeitante da eminente dignidade da pessoa humana - fundamento de toda a ordem jurídica baseado na nossa convicção de que o Estado deve estar

Leia mais

REACH A legislação mais ambiciosa do mundo em matéria de produtos químicos

REACH A legislação mais ambiciosa do mundo em matéria de produtos químicos Ref.: ECHA-09-L-14-PT Data: Outubro de 2009 Idioma: Português REACH A legislação mais ambiciosa do mundo em matéria de produtos químicos O ambicioso projecto de introduzir na Europa a gestão de substâncias

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 27.11.2007 COM(2007) 757 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO (nos termos da Decisão n.º 280/2004/CE do Parlamento

Leia mais

Boletim de notícias URBACT. Outubro - Novembro de 2011

Boletim de notícias URBACT. Outubro - Novembro de 2011 Boletim de notícias URBACT Outubro - Novembro de 2011 2 BOLETIM DE NOTÍCIAS URBACT POPULAÇÃO ENVELHECIDA, Artigo de fundo: População envelhecida: desafios para as cidades a nível dos cuidados de saúde

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 26 de Novembro de 2010 (OR. en) 16864/10

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 26 de Novembro de 2010 (OR. en) 16864/10 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 26 de Novembro de 2010 (OR. en) 16864/10 ESPACE 19 COMPET 390 RECH 392 IND 161 TRANS 349 ENER 343 REGIO 95 ECOFIN 759 CODUN 47 ENV 804 EDUC 213 RESULTADO DOS TRABALHOS

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Relatório da Implementação de Medidas para a melhoria da Qualidade Abril 2011 1 Relatório da

Leia mais

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Conteúdo e desafios Os Tratados Tratado de Paris (CECA) 18 de Abril de 1951 Tratados de Roma (CEE e CEEA) 25 de Março de 1957 Acto Único Europeu 17 de Fevereiro 1986

Leia mais

Rendimentos e despesas das famílias europeias

Rendimentos e despesas das famílias europeias Insights precisos para o crescimento europeu Rendimentos e despesas das famílias europeias Como está a crise a afetar a vida quotidiana? Think... nº 6 Janeiro 2013 TNS 2013 Insights precisos para o crescimento

Leia mais

Versão Pública. Ccent. 76/2005 GRUPO CTT / NOVA EAD. Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência

Versão Pública. Ccent. 76/2005 GRUPO CTT / NOVA EAD. Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência Versão Pública Ccent. 76/2005 GRUPO CTT / NOVA EAD Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência 18/01/2006 Versão Pública DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA AC I Ccent. N.º

Leia mais

Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T.

Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T. Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T. 54 3Inquérito às necessidades de formação profissional em higiene e segurança do trabalho 59 Inquérito às necessidades de formação profissional

Leia mais

Portugal. 2. Quadro institucional e jurídico 2.1 Legislação

Portugal. 2. Quadro institucional e jurídico 2.1 Legislação Portugal 1. Informações gerais Em finais dos anos 90, algumas organizações não-governamentais começaram a detectar mudanças na prostituição de rua no norte de Portugal. Novos projectos tentaram identificar

Leia mais

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração:

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração: EngIQ Programa de Doutoramento em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química Uma colaboração: Associação das Indústrias da Petroquímica, Química e Refinação (AIPQR) Universidade de Aveiro Universidade

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 18.2.2009 COM(2009) 64 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

Leia mais

1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os

1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os A IMPORTÂNCIA DO MOVIMENTO ASSOCIATIVO NA DINAMIZAÇÃO DA ACTIVIDADE EMPRESARIAL 1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os interesses das empresas junto do poder

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Gabinete do Ministro CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Breve apresentação da proposta de Orçamento de Estado para 2008 23 de Outubro de 2007 Texto

Leia mais

Medidas específicas para as PME Concessão de verbas na fase exploratória (Etapa 1)

Medidas específicas para as PME Concessão de verbas na fase exploratória (Etapa 1) Comissão Europeia Investigação Comunitária Brochura informativa QUINTO PROGRAMA-QUADRO DE ACÇÕES DA COMUNIDADE EUROPEIA EM MATÉRIA DE INVESTIGAÇÃO, DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E DE DEMONSTRAÇÃO PROPOSTA

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 458/XI/2.ª Reestruturar o Sector Empresarial do Estado A descrição de carácter económico-financeiro apresentada na próxima secção não deixa dúvidas sobre a absoluta necessidade

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 16.12.2008 COM(2008) 868 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

Leia mais

Profissão de advogado na União Européia. Directiva 98/5/CE 08-05-2002

Profissão de advogado na União Européia. Directiva 98/5/CE 08-05-2002 Profissão de advogado na União Européia Directiva 98/5/CE 08-05-2002 tendente a facilitar o exercício permanente da profissão de advogado num Estado-membro diferente daquele em que foi adquirida a qua

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO (Art.º 22.º do Regulamento de Estágio, publicado no Diário da República de 9 de Fevereiro de 2010)

SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO (Art.º 22.º do Regulamento de Estágio, publicado no Diário da República de 9 de Fevereiro de 2010) SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO (Art.º 22.º do Regulamento de Estágio, publicado no Diário da República de 9 de Fevereiro de 2010) 1 SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO (Artigo

Leia mais

Cimeira Empresarial UE-CELAC eucelac-bizsummit2015.eu. Quarta-feira, 10 de junho de 2015, 14h30-16h30 Documento de síntese para o Workshop 3

Cimeira Empresarial UE-CELAC eucelac-bizsummit2015.eu. Quarta-feira, 10 de junho de 2015, 14h30-16h30 Documento de síntese para o Workshop 3 Cimeira Empresarial UE-CELAC eucelac-bizsummit2015.eu Quarta-feira, 10 de junho de 2015, 14h30-16h30 Documento de síntese para o Workshop 3 Acesso ao financiamento e aos instrumentos financeiros O importante

Leia mais

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático O acesso à informação, a participação do público no processo de tomada de decisão

Leia mais

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 1259/2010 DO CONSELHO de 20 de Dezembro de 2010 que cria uma cooperação reforçada no domínio da lei aplicável em matéria de divórcio

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento Regional PROJECTO DE PARECER. da Comissão do Desenvolvimento Regional

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento Regional PROJECTO DE PARECER. da Comissão do Desenvolvimento Regional PARLAMENTO EUROPEU 2004 ««««««««««««2009 Comissão do Desenvolvimento Regional PROVISÓRIO 2004/0000 23.8.2005 PROJECTO DE PARECER da Comissão do Desenvolvimento Regional destinado à Comissão das Petições

Leia mais

L 129/52 Jornal Oficial da União Europeia 28.5.2010

L 129/52 Jornal Oficial da União Europeia 28.5.2010 L 129/52 Jornal Oficial da União Europeia 28.5.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 461/2010 DA COMISSÃO de 27 de Maio de 2010 relativo à aplicação do artigo 101. o, n. o 3, do Tratado sobre o Funcionamento da União

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT 2014

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT 2014 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT Março 2015 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES CANAL INERNET AT AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT Autoridade

Leia mais

Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP. 17 de Fevereiro 15H30. SANA Lisboa Hotel. Comunicado conjunto

Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP. 17 de Fevereiro 15H30. SANA Lisboa Hotel. Comunicado conjunto Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP 17 de Fevereiro 15H30 SANA Lisboa Hotel Comunicado conjunto Senhores jornalistas, Em primeiro lugar queremos agradecer a vossa presença. Ao convocar

Leia mais

Trabalho realizado por: Hélio nº 10 Jorge nº 13 Pedro F nº21 Ricardo P nº24 Miguel F nº27

Trabalho realizado por: Hélio nº 10 Jorge nº 13 Pedro F nº21 Ricardo P nº24 Miguel F nº27 Trabalho realizado por: Hélio nº 10 Jorge nº 13 Pedro F nº21 Ricardo P nº24 Miguel F nº27 Disciplina de: Área de Projecto Nome do Professor: Hélder Baião 1 Este trabalho foi proposto pelo professor de

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira FORMULÁRIO DE CANDIDATURA PROGRAMA DE APOIO ÀS PESSOAS COLECTIVAS

Leia mais

A Bandeira da Europa simboliza a União Europeia e também representa a unidade e a identidade da Europa. O circulo de estrelas douradas representa a

A Bandeira da Europa simboliza a União Europeia e também representa a unidade e a identidade da Europa. O circulo de estrelas douradas representa a Após a II Guerra Mundial alguns países europeus tiveram a ideia de se unirem para melhor resolver os seus problemas. Era necessário garantir a paz, reconstruir cidades e reorganizar o comércio. Só com

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009)

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) LEGISLAÇÃO Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) ( DR N.º 21, Série I 30 Janeiro 2009 30 Janeiro 2009 ) Emissor: Ministério do Trabalho

Leia mais

Comissão apresenta estratégia europeia para a energia

Comissão apresenta estratégia europeia para a energia Comissão apresenta estratégia europeia para a energia Numa época em que se assiste a importantes reestruturações empresariais no sector energético a nível europeu, a Comissão Europeia estabeleceu as bases

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado Março 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 6 2 1. Regime

Leia mais