/*(Atenção: Em se tratando de uma lista estaticamente alocada, temos utilizado a estratégia de passa o tamanho máximo do vetor.)*/

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "/*(Atenção: Em se tratando de uma lista estaticamente alocada, temos utilizado a estratégia de passa o tamanho máximo do vetor.)*/"

Transcrição

1 ========================TDA.H #include "info.h" #define TRUE 1 #define FALSE 0 #define INI_LISTA 1 #define OK 1; #define NOK -1; typedef struct nolista{ info dados; struct nolista *prox; struct nolista *antes; NoLista, *pnolista; typedef struct { pnolista lista; int tamanho; Lista, * plista, ** pplista; /*operação de criação: pre-condição: existência de um apontador do tipo do tda passado por referencia para a função. pos-condição: criação e inicialização do TDA, atribuição do seu endereço ao ponteiro passado por referencia. Em caso de problemas na criação será sinalizado (retornado) o seu FRACASSO, caso contrário será sinalizado o seu SUCESSO. int cria(pplista pp); /*(Atenção: Em se tratando de uma lista estaticamente alocada, temos utilizado a estratégia de passa o tamanho máximo do vetor.) /* tipo de operação: função destrutora. pré-condição: a existência do tda e um apontador declarado externamente à função, devidamente inicializado com o endereço do tda e cujo endereço (deste apontador) é passado para função. pós-condição: destrói o TDA desalocando qualquer região de memória previamente alocada para o mesmo e fazendo o ponteiro que o referenciava receber NULL. void destroi(pplista pp); /* tipo de operação: função de manipulação. pós condição: "esvazia" o tda, de dados. O TDA volta às mesmas condições que existiam imediatamente após a sua criação void purga(plista p); /*tipo de operação: função de acesso. pós condição: se o TDA estiver vazio, retorna TRUE, caso contrário retorna FALSE. int testavazia(plista p); /* tipo de operação: função de acesso (útil para casos de implementações estáticas). pós condição: se o TDA estiver cheio, retorna TRUE, caso contrário retorna FALSE. int testacheia(plista p); /* tipo de operação: função de acesso. pós condição: retorna o tamanho da lista de dados. int tamanho(plista p); /************************************ Buscas ******************* /*operação de acesso: pos-condição: em caso de sucesso copia o item no inicio da lista para o local de memória apontado por preg e retorna SUCESSO, caso contrário retorna FRACASSO int buscaprimeiro(plista p, pinfo preg);

2 /*operação de acesso: pos-condição: em caso de sucesso copia o último item da lista para o local de memória apontado por preg e retorna SUCESSO, caso contrário retorna FRACASSO int buscaultimo(plista p, pinfo preg); /*operação de acesso: pre-condição: existência do TDA cujo endereço é passado, juntamente com uma referência para uma variável do tipo info e uma posição lógica válida (1 poslog tamanho da lista) na seqüência da lista. pos-condição: em caso de sucesso copia o item em posição lógica válida (1 poslog tamanho da lista) para o local de memória apontado por preg e retorna SUCESSO, caso contrário retorna FRACASSO (poslog inválida ou lista vazia) int buscanaposlog(plista p, int poslog, pinfo preg); /********************************* Inserções **************** /* operação de manipulação: pre-condição: existência do TDA cujo endereço é passado, juntamente com uma referência para o novo registro de informação a ser inserido no inicio da lista. pos-condição: em caso de sucesso retorna SUCESSO, caso contrário retorna FRACASSO int insereprimeiro(plista p, pinfo novo); /* operação de manipulação: pre-condição: existência do TDA cujo endereço é passado, juntamente com uma referência para o novo registro de informação a ser inserido após o final da lista. pos-condição: em caso de sucesso retorna SUCESSO, caso contrário retorna FRACASSO int insereultimo(plista p, pinfo novo); /* operação de manipulação: pre-condição: existência do TDA cujo endereço é passado, juntamente com uma referência para o novo registro de informação a ser inserido e uma posição lógica válida (1 poslog tamanho da lista) onde será inserido o novo elemento na seqüência da lista. Portanto esta operação não realiza inserção em lista vazia pois nesse caso não há seqüência lógica e por conseguinte não há posições lógicas a serem tomadas. pos-condição: em caso de sucesso toma-se a posição lógica de um item já existente na lista, insere-se o novo item na posição lógica válida fornecida (1 poslog tamanho da lista) deslocando-se o antigo ocupante à frente e retorna-se SUCESSO, caso contrário retorna FRACASSO (poslog inválida) int inserenaposlog(plista p, int poslog, pinfo dados ); /************* Remoções: Perceba que as operações de3 remoção apenas executam a ação de retirada do item!!! /*operação de manipulação: pos-condição: se possível, remove o item do inicio da Fila e retorna SUCESSO, caso contrário retorna FRACASSO int removeprimeiro(plista p); /*operação de manipulação: pos-condição: se possível remove o último item da Fila e retorna SUCESSO, caso contrário retorna FRACASSO int removeultimo(plista p); /*operação de manipulação: pre-condição: existência do TDA cujo endereço é passado, juntamente com uma posição lógica válida (1 poslog tamanho da lista) de onde será removido um item da seqüência da lista. pos-condição: em caso de sucesso remove o item da poslog válida (1 poslog tamanho da lista) e retorna SUCESSO, caso contrário retorna FRACASSO (poslog inválida ou lista vazia) int removedaposlog(plista p, int poslog);

3 =============================TDA.C #include "ldde.h" int cria(pplista pp) { if ( (*pp = (plista) malloc(sizeof(lista)) )!=NULL) { (*pp)->lista = NULL; (*pp)->tamanho = 0; void destroi(pplista pp) { pnolista p1; while((*pp)->tamanho > 0) { p1 = (*pp)->lista; (*pp)->lista = (*pp)->lista->prox; free(p1); free(*pp); *pp =NULL; void purga(plista p) { pnolista p1; while(p->tamanho > 0) { p1 = p->lista; p->lista= p->lista->prox; free(p1); p->lista = NULL; int testavazia(plista p) { if(p->tamanho == 0) return TRUE; return FALSE; int buscaprimeiro(plista p, pinfo preg ) { if (p->tamanho > 0) { *preg = (p->lista->dados); int buscaultimo(plista p, pinfo preg ) { int ret = FRACASSO; pnolista aux; if (p->tamanho > 0) { aux = p->lista; while (aux->prox!= NULL) aux = aux->prox; *preg = (aux->dados);

4 ret = SUCESSO; return ret; int buscanaposlog(plista p, int poslog, pinfo preg) { int cont; pnolista pos; if( p->tamanho > 0 && (poslog >= 1 && poslog <= p->tamanho)) cont = 1; while(cont < poslog)/* busca a poslog { cont++; *preg = pos->dados; /*========================== int insereprimeiro(plista p, pinfo dados) { pnolista temp; int ret = FRACASSO; if ( ( temp = (pnolista) malloc(sizeof(nolista) ))!= NULL) { temp->dados = *dados; temp->prox = p->lista; temp->antes = NULL; if(p->lista!= NULL) p->lista->antes = temp; p->lista = temp; p->tamanho++; ret = SUCESSO; return ret; int insereultimo(plista p, pinfo dados ) { pnolista temp,pos; if ((temp = (pnolista) malloc(sizeof(nolista) ))!= NULL) { temp -> prox = NULL; if ( (pos = p->lista)!= NULL) { /*pos = p->lista; while (pos->prox!= NULL) pos->prox = temp; temp->antes = pos; /*insercao na lista vazia { p->lista = temp; temp->antes = NULL; temp->dados = *dados; p->tamanho++;

5 int inserenaposlog(plista p, int poslog, info *dados) { int cont; pnolista temp,pos; if( p->tamanho > 0 && (poslog >= 1 && poslog <= p->tamanho)) { if((temp = (pnolista) malloc(sizeof(nolista)))!=null) { temp->dados = *dados; pos = p->lista; for(cont = 1; cont < poslog; cont++)/* busca a poslog if(cont == 1) { temp->prox = p->lista; temp->antes = NULL; p->lista->antes=temp; p->lista = temp; { pos->antes->prox=temp; temp->prox = pos; temp->antes = pos->antes; pos->antes = temp; p->tamanho++; int removeprimeiro(plista p) { pnolista aux; if (p->tamanho > 0) { aux = p->lista; p->lista = p->lista->prox; if(p->lista!= NULL) p->lista->antes = NULL; free(aux); int removeultimo(plista p) { pnolista pos; if (p->tamanho == 0) { if(p->tamanho == 1) { free(p->lista); p->lista=null; /*tamanho >= 2 while(pos->prox->prox!= NULL) free(pos->prox); pos->prox = NULL;

6 int removedaposlog(plista p, int poslog) { int cont; pnolista pos, temp;; if( p->tamanho > 0 && (poslog >= 1 && poslog <= p->tamanho)) for(cont = 1; cont < poslog; cont++)/* busca a poslog if(cont == 1) p->lista = p->lista->prox; if(p->lista!= NULL) /* pode haver apenas um no de dados p->lista->antes = NULL; { if (cont == p->tamanho) pos->antes->prox = NULL; { pos->antes->prox=pos->prox; pos->prox->antes = pos->antes; free(pos); /*poslog nao existe na lista: lista vazia ou PosLog>tamLista

Métodos Computacionais. Fila

Métodos Computacionais. Fila Métodos Computacionais Fila Definição de Fila Fila é uma estrutura de dados dinâmica onde: Inserção de elementos se dá no final e a remoção no início O primeiro elemento que entra é o primeiro que sai

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO Curso: Engenharia de Computação e Ciência da Computação Data: 10/09/2013 Disciplina: Programação Estruturada Valor: 3,0 pontos Professor: Henrique Monteiro Cristovão Nota: Aluno: Prova resolvida 4ª Prova

Leia mais

LISTAS ENCADEADAS OU NÃO- SEQÜENCIAIS. Estrutura de Dados

LISTAS ENCADEADAS OU NÃO- SEQÜENCIAIS. Estrutura de Dados LISTAS ENCADEADAS OU NÃO- SEQÜENCIAIS Listas Lineares Como visto anteriormente, as operações básicas para o nosso TAD Lista Linear são: FLVazia Vazia Retira Insere Imprime A implementação através de arrays

Leia mais

10. Listas Encadeadas

10. Listas Encadeadas 10. Listas Encadeadas W. Celes e J. L. Rangel Para representarmos um grupo de dados, já vimos que podemos usar um vetor em C. O vetor é a forma mais primitiva de representar diversos elementos agrupados.

Leia mais

Trabalho 3: Agenda de Tarefas

Trabalho 3: Agenda de Tarefas INF 1620 Estruturas de Dados Semestre 08.2 Trabalho 3: Agenda de Tarefas O objetivo deste trabalho é a implementação de um conjunto de funções para a manipulação de uma agenda de tarefas diárias, de forma

Leia mais

Lista restrita onde as operações de inserção e retirada são feitas nas extremidades. Deque (fila de final duplo).

Lista restrita onde as operações de inserção e retirada são feitas nas extremidades. Deque (fila de final duplo). 1. Uma fila dupla é uma lista linear na qual os elementos podem ser inseridos ou removidos de qualquer etremo. Baseando-se na implementação circular apresentada para filas, codifique uma unidade de rotinas

Leia mais

Listas (Parte 2) Túlio Toffolo tulio@toffolo.com.br www.toffolo.com.br. BCC202 Aula 10 Algoritmos e Estruturas de Dados I

Listas (Parte 2) Túlio Toffolo tulio@toffolo.com.br www.toffolo.com.br. BCC202 Aula 10 Algoritmos e Estruturas de Dados I Listas (Parte 2) Túlio Toffolo tulio@toffolo.com.br www.toffolo.com.br BCC202 Aula 10 Algoritmos e Estruturas de Dados I Listas Encadeadas Características: Tamanho da lista não é pré-definido Cada elemento

Leia mais

Curso de C. Memória Dinâmica 17/05/2010 16:33 1

Curso de C. Memória Dinâmica 17/05/2010 16:33 1 Curso de C Memória Dinâmica 17/05/2010 16:33 1 Memória Dinâmica Curso C - IC/UNICAMP Roteiro: Memória dinâmica Vetores dinâmicos Listas ligadas 17/05/2010 16:33 @Arnaldo V. Moura, Daniel F. Ferber 2 Conceitos:

Leia mais

CES-11. Algoritmos e Estruturas de Dados. Carlos Alberto Alonso Sanches Juliana de Melo Bezerra

CES-11. Algoritmos e Estruturas de Dados. Carlos Alberto Alonso Sanches Juliana de Melo Bezerra CES-11 Algoritmos e Estruturas de Dados Carlos Alberto Alonso Sanches Juliana de Melo Bezerra CES-11 Pilhas Filas Deques Pilhas,,f filas e deques Vimos que as listas lineares admitem inserção e eliminação

Leia mais

PROGRAMAÇÃO II 3. FILA DINÂMICA

PROGRAMAÇÃO II 3. FILA DINÂMICA 3. FILA DINÂMICA PROGRAMAÇÃO II Prof. Jean Eduardo Glazar Uma fila é um tipo especial de lista na qual todas as inserções são feitas sempre depois do fim e as deleções no início. Por isso também recebe

Leia mais

INF1007 - PROGRAMAÇÃO II LISTA DE EXERCÍCIOS 15

INF1007 - PROGRAMAÇÃO II LISTA DE EXERCÍCIOS 15 INF1007 - PROGRAMAÇÃO II LISTA DE EXERCÍCIOS 15 1. Um número racional é expresso por dois inteiros: um numerador e um denominador (este último diferente de zero!). Implemente um TAD para representar números

Leia mais

Instituto de C. Linguagem C: Listas. Luis Martí Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense -

Instituto de C. Linguagem C: Listas. Luis Martí Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense - Instituto de C Linguagem C: Listas Luis Martí Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense lmarti@ic.uff.br - http://lmarti.com Listas Encadeadas Definição Funções básicas Tópicos Principais

Leia mais

UNIP - Ciência da Computação e Sistemas de Informação. Estrutura de Dados. AULA 6 Filas

UNIP - Ciência da Computação e Sistemas de Informação. Estrutura de Dados. AULA 6 Filas UNIP - Ciência da Computação e Sistemas de Informação Estrutura de Dados AULA 6 Filas Estrutura de Dados A Estrutura de Dados Fila Fila é uma estrutura de dados usada em programação, que tem regras para

Leia mais

struct LISTA item quant

struct LISTA item quant UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU ESTRUTURA DE DADOS - PROF. H. Senger IMPLEMENTAÇÃO DE LISTAS COM VETORES A implementação de listas utilizando vetores é simples. Existe apenas uma pequena questão, com relação

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 10: Listas (parte 2) 19/04/2011

Estruturas de Dados Aula 10: Listas (parte 2) 19/04/2011 Estruturas de Dados Aula 10: Listas (parte 2) 19/04/2011 Fontes Bibliográficas Livros: Projeto de Algoritmos (Nivio Ziviani): Capítulo 3; Introdução a Estruturas de Dados (Celes, Cerqueira e Rangel): Capítulo

Leia mais

Pilhas. Fabrício J. Barth. BandTec - Faculdade de Tecnologia Bandeirantes

Pilhas. Fabrício J. Barth. BandTec - Faculdade de Tecnologia Bandeirantes Pilhas Fabrício J. Barth BandTec - Faculdade de Tecnologia Bandeirantes Fevereiro de 2011 Tópicos Principais Introdução Interface do tipo pilha Exemplo de uso: verificação de expressões Implementação de

Leia mais

EAD Árvore árvore binária

EAD Árvore árvore binária EAD Árvore árvore binária - Uma árvore binária é um conjunto finito de elementos (nodos) que pode ser vazio ou particionado em três subconjuntos: - raiz da árvore (elemento inicial, que é único); - subárvore

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS ADELTON HENRIQUE ABISHAI LEMES BORGES NETO HENRIQUE FERREIRA DA SILVA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS ADELTON HENRIQUE ABISHAI LEMES BORGES NETO HENRIQUE FERREIRA DA SILVA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS ADELTON HENRIQUE ABISHAI LEMES BORGES NETO HENRIQUE FERREIRA DA SILVA ESTRUTURA DE DADOS GOIANIA 2015/2 ADELTON HENRIQUE ABISHAI LEMES BORGES NETO HENRIQUE FERREIRA

Leia mais

INF1007: Programação 2 8 Listas Encadeadas. (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1

INF1007: Programação 2 8 Listas Encadeadas. (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 INF1007: Programação 2 8 Listas Encadeadas (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Tópicos Principais Motivação Listas encadeadas Implementações recursivas Listas de tipos estruturados (c) Dept. Informática

Leia mais

EAD Fila. - algumas operações realizam-se na frente/cabeça e outras na cauda da Fila

EAD Fila. - algumas operações realizam-se na frente/cabeça e outras na cauda da Fila EAD Fila - os seus elementos são processados por ordem de chegada: - o primeiro elemento a entrar na Fila é o primeiro a sair - FIFO ( First In First Out ). - algumas operações realizam-se na frente/cabeça

Leia mais

Filas. Prof. Túlio Toffolo BCC202 Aula 12 Algoritmos e Estruturas de Dados I

Filas. Prof. Túlio Toffolo  BCC202 Aula 12 Algoritmos e Estruturas de Dados I Filas Prof. Túlio Toffolo http://www.toffolo.com.br BCC202 Aula 12 Algoritmos e Estruturas de Dados I O que é uma fila? 1 4 2 3 Fila 1 2 3 4 TAD Fila Tipo Abstrato de dados com a seguinte característica:

Leia mais

Métodos Computacionais. Listas Encadeadas

Métodos Computacionais. Listas Encadeadas Métodos Computacionais Listas Encadeadas Vetores Declaração de vetor implica na especificação de seu tamanho Não se pode aumentar ou diminuir tamanho Outra alternativa no uso de vetores é alocar dinamicamente

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011

Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011 Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011 Fontes Bibliográficas Livros: Introdução a Estruturas de Dados (Celes, Cerqueira e Rangel): Capítulo 13; Projeto de Algoritmos (Nivio Ziviani): Capítulo

Leia mais

float vantagem(float candidato[], float concorrente[], int n);

float vantagem(float candidato[], float concorrente[], int n); Questão 1 [Valor: 3,0 pontos] O candidato a um cargo eletivo contratou um instituto de pesquisa de opinião para acompanhar seu desempenho durante a campanha eleitoral. Esse instituto realizou n pesquisas

Leia mais

Filas. David Menotti Algoritmos e Estruturas de Dados II DInf UFPR

Filas. David Menotti Algoritmos e Estruturas de Dados II DInf UFPR Filas David Menotti Algoritmos e Estruturas de Dados II DInf UFPR O que é uma fila? 1 4 3 2 Fila 1 2 3 4 O que é uma fila? Fila 1 2 3 4 O que é uma fila? 1 Fila 2 3 4 O que é uma fila? 1 2 Fila 3 4 O que

Leia mais

Alocação de Memória. Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Alocação de Memória. Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto Universidade Federal do Paraná (UFPR) Alocação de Memória Linguagem de Programação Estruturada 1 Alocação dinâmica e ponteiros Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto Universidade Federal do Paraná (UFPR) Sumario Introdução Alocação Estática

Leia mais

ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS CES-11 CES-11 CES-11

ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS CES-11 CES-11 CES-11 ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS Prof. Paulo André Castro pauloac@ita.br Sala 110 Prédio da Computação www.comp.ita.br/~pauloac IECE - ITA Uma árvore binária é: uma árvore vazia; ou uma árvore onde qualquer

Leia mais

Módulo 10 Listas Encadeadas

Módulo 10 Listas Encadeadas Estruturas de Dados Módulo 10 Listas Encadeadas 9/8/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Referências Waldemar Celes, Renato Cerqueira, José Lucas Rangel, Introdução a Estruturas de Dados, Editora Campus

Leia mais

Busca. Pesquisa sequencial

Busca. Pesquisa sequencial Busca Banco de dados existem para que, de tempos em tempos, um usuário possa localizar o dado de um registro, simplesmente digitando sua chave. Uma tabela ou um arquivo é um grupo de elementos, cada um

Leia mais

INF1007: Programação 2 10 Árvores Binárias. (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1

INF1007: Programação 2 10 Árvores Binárias. (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 INF1007: Programação 2 10 Árvores Binárias (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Tópicos Principais Introdução Árvores binárias Representação em C Ordens de percurso em árvores binárias Altura de uma árvore

Leia mais

Busca em Memória. Secundária

Busca em Memória. Secundária UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Busca em Memória Secundária e Gomes da Costa yandre@din.uem.br 1 Busca de um item em uma massa de dados que não cabe na memória principal; Procura-se

Leia mais

-Estrutura linear de acesso seqüencial que ordena seus elementos pela seqüência cronológica de sua entrada;

-Estrutura linear de acesso seqüencial que ordena seus elementos pela seqüência cronológica de sua entrada; FILAS (Queues) -Estrutura linear de acesso seqüencial que ordena seus elementos pela seqüência cronológica de sua entrada; -Estrutura FIFO (First In First Out) a ordem de saída é a mesma ordem de entrada

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 12: Outras Implementações de Listas 18/04/2011

Estruturas de Dados Aula 12: Outras Implementações de Listas 18/04/2011 Estruturas de Dados Aula 12: Outras Implementações de Listas 18/04/2011 Fontes Bibliográficas Waldemar Celes, Renato Cerqueira, José Lucas Rangel, Introdução a Estruturas de Dados, Editora Campus (2004)

Leia mais

DAS5102 Fundamentos da Estrutura da Informação

DAS5102 Fundamentos da Estrutura da Informação Pilhas A estrutura de dados Pilha emula a forma de organização de objetos intuitiva que é utilizada diariamente nos mais diversos contextos da vida humana. Containeres são empilhados e desempilhados diariamente

Leia mais

Fontes Bibliográficas. Listas Circulares. Função Imprime

Fontes Bibliográficas. Listas Circulares. Função Imprime Fontes Bibliográficas Estruturas de Dados Aula 12: Outras Implementações de Listas Waldemar Celes, Renato Cerqueira, José Lucas Rangel, Introdução a Estruturas de Dados, Editora Campus (2004) Capítulo

Leia mais

INF 1007 Programação II

INF 1007 Programação II INF 1007 Programação II Aula 08 Busca em Vetor Edirlei Soares de Lima Busca em Vetor Problema: Entrada: vetor v com n elementos; elemento d a procurar; Saída: m se o elemento procurado

Leia mais

Filas: conceitos e implementações

Filas: conceitos e implementações Estrutura de Dados I Filas: conceitos e implementações Cesar Rocha cesar@pontoweb.com.br 1 Objetivos Explorar os conceitos fundamentais acerca do uso de filas utilizando a linguagem C Organização e implementação,

Leia mais

Estruturas de Dados. Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos

Estruturas de Dados. Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos Estruturas de Dados Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos Árvores Conceitos Árvores binárias Árvores binárias de pesquisa Árvores binárias balanceadas Árvores ESTRUTURAS

Leia mais

BUSCA EM LISTAS LISTAS SEQÜENCIAIS, LISTAS SIMPLESMENTE E DUPLAMENTE ENCADEADAS E LISTAS CIRCULARES

BUSCA EM LISTAS LISTAS SEQÜENCIAIS, LISTAS SIMPLESMENTE E DUPLAMENTE ENCADEADAS E LISTAS CIRCULARES BUSCA EM LISTAS LISTAS SEQÜENCIAIS, LISTAS SIMPLESMENTE E DUPLAMENTE ENCADEADAS E LISTAS CIRCULARES ALGORITMOS DE BUSCA EM LISTAS COM ALOCAÇÃO SEQÜENCIAL Busca em Listas Lineares A operação de busca é

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 11: TAD Pilha 09/05/2011

Estruturas de Dados Aula 11: TAD Pilha 09/05/2011 Estruturas de Dados Aula 11: TAD Pilha 09/05/2011 Fontes Bibliográficas Livros: Projeto de Algoritmos (Nivio Ziviani): Capítulo 3; Introdução a Estruturas de Dados (Celes, Cerqueira e Rangel): Capítulo

Leia mais

Filas com prioridade - Introdução (1)

Filas com prioridade - Introdução (1) AED Algoritmos e Estruturas de Dados LEEC - 2004/2005 Filas com Prioridade Filas com prioridade - Introdução (1) Filas com prioridade (Priority Queues) usadas em diversas aplicações: Despacho (scheduler)

Leia mais

Estruturas de Dados. Módulo 11 Pilhas. 9/8/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1

Estruturas de Dados. Módulo 11 Pilhas. 9/8/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Estruturas de Dados Módulo 11 Pilhas 9/8/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Referências Waldemar Celes, Renato Cerqueira, José Lucas Rangel, Introdução a Estruturas de Dados, Editora Campus (2004)

Leia mais

INF1007 Programação 2 9 Pilhas. (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1

INF1007 Programação 2 9 Pilhas. (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 INF1007 Programação 2 9 Pilhas (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Tópicos Principais Introdução Interface do tipo pilha Exemplo de uso: verificação de expressões Implementação de pilha com lista encadeada

Leia mais

ESTRUTURAS DE DADOS I. Notas de Aula. Prof. Dr. Gilberto Nakamiti

ESTRUTURAS DE DADOS I. Notas de Aula. Prof. Dr. Gilberto Nakamiti ESTRUTURAS DE DADOS I Notas de Aula 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1 Array (vetores)... 2 2. BUSCA DE ELEMENTOS... 3 2.1 Busca Seqüencial... 3 2.2 Busca Binária... 3 2.3 Busca Indexada... 3 2.4 Busca Hash...

Leia mais

2ª Lista de Exercícios

2ª Lista de Exercícios Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Ciência da Computação Algoritmos e Estruturas de Dados II (Turmas M, N, W, F) 1º Semestre de 2012 Profs. Camilo Oliveira, Gisele Pappa, Ítalo Cunha,

Leia mais

Estruturas de Dados I

Estruturas de Dados I UFES - Curso de verão 2011 Estruturas de Dados I Profa. Juliana Pinheiro Campos jupcampos@gmail.com Árvores binárias de busca (ou São árvores projetadas para dar suporte a operações de busca de forma eficiente.

Leia mais

Estruturas de Dados. Listas Dinâmicas Duplamente Encadeadas & Variantes. Listas Duplamente Encadeadas

Estruturas de Dados. Listas Dinâmicas Duplamente Encadeadas & Variantes. Listas Duplamente Encadeadas Estruturas de Dados Listas Dinâmicas Duplamente Encadeadas & Variantes Prof. Ricardo J. G. B. Campello Listas Duplamente Encadeadas Listas simplesmente encadeadas são ineficientes para realizar certas

Leia mais

PROGRAMAÇÃO II 3. PILHA DINÂMICA

PROGRAMAÇÃO II 3. PILHA DINÂMICA 3. PILHA DINÂMICA PROGRAMAÇÃO II Prof. Jean Eduardo Glazar Uma pilha é um tipo especial de Pilha na quais todas as inserções e remoções são feitas na primeira posição, que é chamada de topo. Outro nome

Leia mais

INF 1007 Programação II

INF 1007 Programação II INF 1007 Programação II Aula 14 Árvores Binárias Edirlei Soares de Lima Árvores Uma estrutura de dados do tipo árvore permite que dados sejam organizados de maneira hierárquica.

Leia mais

Estrutura de Dados Pilha (Stack)

Estrutura de Dados Pilha (Stack) Estrutura de Dados Pilha (Stack) Estrutura de Dados que corresponde a uma lista sequencial com a propriedade seguinte: LIFO O primeiro elemento a entrar é o último a sair ( Last in First Out ) Operações

Leia mais

Aula 14 Listas Duplamente Encadeadas. prof Leticia Winkler

Aula 14 Listas Duplamente Encadeadas. prof Leticia Winkler Aula 14 Listas Duplamente Encadeadas prof Leticia Winkler 1 Lista Duplamente Encadeada É um tipo de lista encadeada que pode ser vazia (NULL) ou que pode ter um ou mais nós, sendo que cada nó possui dois

Leia mais

3.4 Representação física: alocação encadeada (dinâmica) Ptlista - variável ponteiro externa que indica o início da lista.

3.4 Representação física: alocação encadeada (dinâmica) Ptlista - variável ponteiro externa que indica o início da lista. 3.4 Representação física: alocação encadeada (dinâmica) As posições de memória são alocadas (ou desalocadas) na medida em que são necessárias (ou dispensadas). Os nós de uma lista encontram-se aleatoriamente

Leia mais

Métodos Computacionais. Variações de Listas Encadeadas

Métodos Computacionais. Variações de Listas Encadeadas Métodos Computacionais Variações de Listas Encadeadas Variações de Listas Encadeadas Listas podem variar quanto ao: Tipo de encadeamento Simples Circulares Duplas Circulares e Duplas Conteúdo Tipos Primitivos

Leia mais

INF 1007 Programação II

INF 1007 Programação II INF 1007 Programação II Aula 06 Tipos Estruturados Edirlei Soares de Lima Dados Compostos Até agora somente utilizamos tipos de dados simples: char, int, float, double. Muitas vezes

Leia mais

struct arv { char info; struct arv* esq; struct arv* dir; };

struct arv { char info; struct arv* esq; struct arv* dir; }; Estruturas Árvores 05/05/2008 Aula de (parte 16: Informação 2) ÁrvoreBinária Umaárvoreemquecadanótem Umaárvorebináriaé: umaárvorevazia; a nóraizcom subárvoredadireita(sad) subárvoredaesquerda(sae) duassub-árvores:

Leia mais

Introdução à Programação. Armazenamento de Grande Quantidade de Informação Usando Vetores

Introdução à Programação. Armazenamento de Grande Quantidade de Informação Usando Vetores Introdução à Programação Armazenamento de Grande Quantidade de Informação Usando Vetores Armazenando Grande Quantidade de Informação Como armazenar tanta informação? Vetores! 2 Tópicos da Aula Hoje, aprenderemos

Leia mais

A Pilha. Aula 02. DPEE 1038 Estrutura de Dados para Automação Curso de Engenharia de Controle e Automação Universidade Federal de Santa Maria

A Pilha. Aula 02. DPEE 1038 Estrutura de Dados para Automação Curso de Engenharia de Controle e Automação Universidade Federal de Santa Maria Engenharia de CONTROLE e AUTOMAÇÃO A Pilha Aula 02 DPEE 1038 Estrutura de Dados para Automação Curso de Engenharia de Controle e Automação Universidade Federal de Santa Maria beltrame@mail.ufsm.br 1/5

Leia mais

Sumário. Armazenamento de dados. Tipos de dados dinâmicos. Exemplos. Vectores Vectores dinâmicos Dados dinamicos. Declaração Uso 10-1

Sumário. Armazenamento de dados. Tipos de dados dinâmicos. Exemplos. Vectores Vectores dinâmicos Dados dinamicos. Declaração Uso 10-1 Sumário Armazenamento de dados Vectores Vectores dinâmicos Dados dinamicos Tipos de dados dinâmicos Declaração Uso Exemplos 10-1 Armazenamento de dados Tamanho conhecido antes compilação Vectores BI vect[200]

Leia mais

Q1 Q2 Q3 Nota. Departamento de Informática - PUC-Rio INF 1005 Programação I P2 20/10/2010. Aluno: Exemplo (apenas um exemplo!):

Q1 Q2 Q3 Nota. Departamento de Informática - PUC-Rio INF 1005 Programação I P2 20/10/2010. Aluno: Exemplo (apenas um exemplo!): Matrícula: Departamento de Informática - PUC-Rio Turma: Q1 Q2 Q3 Questão 1) (3.0 pontos) Uma empresa permite que seus funcionários façam chamadas internacionais a partir de seus ramais, mas mantém um registro

Leia mais

http://www.dcc.ufmg.br/algoritmos/transparenc ias.php

http://www.dcc.ufmg.br/algoritmos/transparenc ias.php Estruturas Aula 8: 10/09/2008 Listas de Informação (parte 2) TAD /* FLVazia(Lista). Faz Lista a lista (1) /* Insere(x, Input: Output: Pré-condição: Pós-condição: L L ficar L édefinida vazia */ Pós-condição:

Leia mais

INF 1007 Programação II

INF 1007 Programação II INF 1007 Programação II Aula 05 Cadeias de Caracteres Edirlei Soares de Lima Caracteres Caracteres são representados através de códigos numéricos. Tabela de códigos: Define correspondência

Leia mais

Linguagem C: Árvores Binarias

Linguagem C: Árvores Binarias Instituto de C Linguagem C: Árvores Binarias Luis Martí Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense lmarti@ic.uff.br - http://lmarti.com Tópicos Principais Introdução Árvores binárias Implementação

Leia mais

INF 1010 Estruturas de Dados Avançadas

INF 1010 Estruturas de Dados Avançadas INF 1010 Estruturas de Dados Avançadas Listas de Prioridades e Heaps 1 Listas de Prioridades Em muitas aplicações, dados de uma coleção são acessados por ordem de prioridade A prioridade associada a um

Leia mais

Figura 13.1: Um exemplo de árvore de diretório.

Figura 13.1: Um exemplo de árvore de diretório. 13. Árvores W. Celes e J. L. Rangel Nos capítulos anteriores examinamos as estruturas de dados que podem ser chamadas de unidimensionais ou lineares, como vetores e listas. A importância dessas estruturas

Leia mais

INF 1007 Programação II

INF 1007 Programação II INF 1007 Programação II Aula 13 Pilhas Edirlei Soares de Lima Pilha Uma pilha é uma estrutura de dados dinâmica na qual novos elementos são sempre inseridos no topo da pilha e acessados

Leia mais

Tipo Abstrato de Dados

Tipo Abstrato de Dados Tipo Abstrato de Dados David Menotti Algoritmos e Estruturas de Dados II DInf - UFPR Qual a diferença entre um algoritmo e um programa? Algoritmos e Estruturas de Dados Algoritmo: Sequência de ações executáveis

Leia mais

Estruturas de Dados. Parte dos slides a seguir são adaptações, extensões e traduções para C dos originais:

Estruturas de Dados. Parte dos slides a seguir são adaptações, extensões e traduções para C dos originais: Estruturas de Dados Pilhas Prof. Ricardo J. G. B. Campello Créditos Parte dos slides a seguir são adaptações, extensões e traduções para C dos originais: disponíveis em http://ww3.datastructures.net/ cedidos

Leia mais

EAD Árvore - representação usando listas ligadas

EAD Árvore - representação usando listas ligadas 4.1. Definição É uma árvore binária em que os seus nodos têm associado uma chave, que - determina a sua posição de colocação na árvore e - obedece às seguintes regras: a chave de um nodo é - maior do que

Leia mais

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu. Programação Estruturada Linguagem C Fundamentos da Linguagem Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br Sumário Estrutura Básica Bibliotecas Básicas Tipos de Dados Básicos Variáveis/Declaração

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo praticar o uso de tipos abstratos de dados e estruturas do tipo Lista.

Este trabalho tem como objetivo praticar o uso de tipos abstratos de dados e estruturas do tipo Lista. Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Informática Estruturas de Dados (INF09292) 1 o Trabalho Prático Período: 2011/1 Prof a Patrícia Dockhorn Costa Email: pdcosta@inf.ufes.br Data de

Leia mais

Aula 3 Alocação Dinâmica

Aula 3 Alocação Dinâmica Aula 3 Alocação Dinâmica Universidade Federal de Santa Maria Colégio Agrícola de Frederico Westphalen Curso Superior de Tecnologia em Sistemas de Internet Prof. Bruno B. Boniati www.cafw.ufsm.br/~bruno

Leia mais

O que é um algoritmo? O que é um programa? Algoritmos. Programas. Aula 1 Tipo Abstrato de Dados

O que é um algoritmo? O que é um programa? Algoritmos. Programas. Aula 1 Tipo Abstrato de Dados Aula 1 Tipo Abstrato de Dados O que é um algoritmo? Luiz Chaimowicz e Raquel O. Prates Livro Projeto de Algoritmos Capítulo 1 O que é um programa? 2009-1 Algoritmos Sequência de ações executáveis para

Leia mais

Introdução a Programação. Ponteiros e Strings, Alocação Dinâmica

Introdução a Programação. Ponteiros e Strings, Alocação Dinâmica Introdução a Programação Ponteiros e Strings, Alocação Dinâmica Tópicos da Aula Hoje aprenderemos a relação entre ponteiros e strings Ponteiros para strings X Vetores de Caracteres Vetores de ponteiros

Leia mais

Linguagem C. TGSI Lógica de Programação / Linguagem C Prof. Marcos Roberto

Linguagem C. TGSI Lógica de Programação / Linguagem C Prof. Marcos Roberto Linguagem C O C nasceu na década de 70. Seu inventor, Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando um DEC PDP-11 rodando o sistema operacional UNIX. O C é derivado de uma outra linguagem: o B,

Leia mais

Pesquisa Sequencial e Binária

Pesquisa Sequencial e Binária Pesquisa Sequencial e Binária Prof. Túlio Toffolo http://www.toffolo.com.br BCC202 Aula 20 Algoritmos e Estruturas de Dados I Pesquisa em Memória Primária Introdução - Conceitos Básicos Pesquisa Sequencial

Leia mais

Estrutura de Dados II. Prof. Sérgio Portari

Estrutura de Dados II. Prof. Sérgio Portari Estrutura de Dados II Prof. Sérgio Portari - 2016 Plano de Ensino EMENTA: Filas, Árvores e suas generalizações: árvores binárias, árvores de busca, árvores balanceadas, árvores B e B+. Aplicações de árvores

Leia mais

Listas Encadeadas. David Menotti Algoritmos e Estruturas de Dados II DInf UFPR

Listas Encadeadas. David Menotti Algoritmos e Estruturas de Dados II DInf UFPR Listas Encadeadas David Menotti Algoritmos e Estruturas de Dados II DInf UFPR Listas Encadeadas Características: Tamanho da lista não é pré-definido Cada elemento guarda quem é o próximo Elementos não

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados. Prof. Tiago A. E. Ferreira

Algoritmos e Estrutura de Dados. Prof. Tiago A. E. Ferreira Algoritmos e Estrutura de Dados Aula 7 Estrutura de Dados: Listas Prof. Tiago A. E. Ferreira Introdução Um das formas mais usadas para se manter dados agrupados é a lista Lista de compras, itens de estoque,

Leia mais

Algoritmos e Programação

Algoritmos e Programação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Produção / Elétrica Algoritmos e Programação Parte 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Prof. Yandre Maldonado - 1 PONTEIROS. Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa

Prof. Yandre Maldonado - 1 PONTEIROS. Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa Prof. Yandre Maldonado - 1 PONTEIROS Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa PONTEIROS Prof. Yandre Maldonado - 2 Ponteiro é uma variável que possui o endereço de outra variável; É um poderoso recurso

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 16: Árvores com Número Variável 13/06/2011

Estruturas de Dados Aula 16: Árvores com Número Variável 13/06/2011 Estruturas de Dados Aula 16: Árvores com Número Variável de Filhos 13/06/2011 1 Fontes Bibliográficas Livros: Introdução a Estruturas de Dados (Celes, Cerqueira e Rangel): Capítulo 13; Projeto de Algoritmos

Leia mais

ÁRVORE BINÁRIA DE BUSCA TDA-ABB

ÁRVORE BINÁRIA DE BUSCA TDA-ABB ÁRVORE BINÁRIA DE BUSCA TDA-ABB Conceitos Gerais sobre Árvores Uma árvore é uma estrutura hierárquica dividida em níveis, que ou está vazia, ou contém elementos chamados nós; Diferentemente da árvore natural,

Leia mais

Tabela ASCII de caracteres de controle

Tabela ASCII de caracteres de controle Caracteres Estruturas de Dados Aula 6: Cadeias de Caracteres 31/03/2010 Caracteres são representados internamente por códigos numéricos Tipo char (inteiro pequeno ) 1 byte (8 bits) 256 caracteres possíveis

Leia mais

Introdução a POO. Introdução a Linguagem C++ e POO

Introdução a POO. Introdução a Linguagem C++ e POO Introdução a POO Marcio Santi Linguagem C++ Introdução a Linguagem C++ e POO Programação Orientada a Objetos (POO) e C++ Recursos C++ não relacionados às classes Incompatibilidades entre C e C++ Classes

Leia mais

Números positivos ordenados

Números positivos ordenados Sumário Armazenamento de dados Vectores Vectores dinâmicos Listas Tipos de dados dinâmicos Declaração Uso Exemplos Armazenamento de dados Tamanho conhecido antes compilação Vectores BI vect[200] Tamanho

Leia mais

Das 5102 Fundamentos da Estrutura da Informação

Das 5102 Fundamentos da Estrutura da Informação Das 5102 Fundamentos da Estrutura da Informação Gabarito da Segunda Prova 1. Tipos Abstratos de Dados TADs é uma forma programar. Eles permitem a estrutura de programas em módulos correlacionando estruturas

Leia mais

Enunciados de exercícios seleccionados de testes e exames P2 / EDa

Enunciados de exercícios seleccionados de testes e exames P2 / EDa Enunciados de exercícios seleccionados de testes e exames P2 / EDa 1. Qual o resultado apresentado pelo seguinte troço de código. Justifique. double d[] = { 5.4, 3.2, 1.0 ; double *pd = d[1]; ++pd; printf(

Leia mais

Programas operam sobre dados. Dados são relacionados e possuem estrutura. Como representar e manipular dados em um computador

Programas operam sobre dados. Dados são relacionados e possuem estrutura. Como representar e manipular dados em um computador Programas operam sobre dados Dados são relacionados e possuem estrutura Como representar e manipular dados em um computador Para representar um baralho precisamos: Representar cartas: naipe e valor struct

Leia mais

Linguagem C Tipos de Dados. void; escalares; sizeof Vectores; strings em C Estruturas Introdução ao pré-processador

Linguagem C Tipos de Dados. void; escalares; sizeof Vectores; strings em C Estruturas Introdução ao pré-processador Linguagem C Tipos de Dados void; escalares; sizeof Vectores; strings em C Estruturas Introdução ao pré-processador Funções void void pode ser usado em lugar de um tipo, para indicar a ausência de valor

Leia mais

Professora Jeane Melo

Professora Jeane Melo Professora Jeane Melo Roteiro Lista Encadeada Alocação: Estática x Dinâmica O que são Ponteiros? Ponteiros Variáveis que Armazenam Endereços de Memória Mas, toda variável não é armazenada na memória? Ponteiros

Leia mais

Árvore Binária de Busca. Prof. César Melo

Árvore Binária de Busca. Prof. César Melo Árvore Binária de Busca Prof. César Melo Introdução O algoritmo de busca binária em vetores tem bom desempenho e deve ser usado quando temos os dados já ordenados. No entanto, se precisarmos inserir e

Leia mais

Computação II Orientação a Objetos

Computação II Orientação a Objetos Computação II Orientação a Objetos Fabio Mascarenhas - 2014.1 http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/java Introdução Esse não é um curso de Java! O objetivo é aprender os conceitos da programação orientada a objetos,

Leia mais

CES-11. Algoritmos e Estruturas de Dados. Carlos Alberto Alonso Sanches Juliana de Melo Bezerra

CES-11. Algoritmos e Estruturas de Dados. Carlos Alberto Alonso Sanches Juliana de Melo Bezerra CES- Algoritmos e Estruturas de Dados Carlos Alberto Alonso Sanches Juliana de Melo Bezerra Árvores CES- Operações sobre uma árvore Estruturas para armazenar árvores Contígua Contígua melhorada Encadeada

Leia mais

Estruturas de Dados Filas

Estruturas de Dados Filas Estruturas de Dados Filas Roteiro Introdução Definição de Fila (Queue) Aplicações Operações sobre Fila Implementação de Fila Com vetores Com listas encadeadas Exercícios Introdução Estamos acostumados

Leia mais

Linguagem de Programação C

Linguagem de Programação C ICMC USP Linguagem de Programação C Aula: Funções em C Prof Alneu de Andrade Lopes MODULARIZAÇÃO Um problema complexo é melhor abordado se for dividido primeiramente em vários subproblemas MODULARIZAÇÃO

Leia mais

Estruturas de Dados. Alguns dados não costumam ser tão simples assim... Podem ser compostos por vários dados distintos

Estruturas de Dados. Alguns dados não costumam ser tão simples assim... Podem ser compostos por vários dados distintos Estruturas de Dados Alguns dados não costumam ser tão simples assim... Podem ser compostos por vários dados distintos Estruturas de Dados Programação de Computadores 1 de 26 Tipos Estruturados de Dados

Leia mais