Inquérito de Conjuntura

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inquérito de Conjuntura"

Transcrição

1 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA / DIRECÇÃO GERAL DE PLANEAMENTO Inquérito de Conjuntura RELATÓRIO DE CONJUNTURA S.TOMÉ E PRÍNCIPE Iº Trimestre /2014

2 Ficha Técnica Directora-geral do INE: Elsa Cardoso Director-geral do Planeamento: Manuel Filipe Moniz Departamento de Estatística Financeira e Económica: Antónia Rita Ficha Técnica: Adelino de Freitas, Gueitt Almeida e Abdul Barros. Informático: Idálio Luís. Colaboradores: Maria da Glória Ten Jua, Faustina Silva dos Ramos, Sheila Carolino, Essame Samara Ramos, Áurea Rita, Simiana Viana, Elsa Afonso, João Paulo Cardoso. Apoio Administrativo: Octávio Silva e Alfredo Santiago. Editor Instituto Nacional de Estatística e Direcção Geral de Planeamento Lago das Alfândegas Telf: Fax Telefone : / OBS: 1ª Publicação em Setembro de 2014 Incluem 4 ramos de actividades (industria transformadora, comércio em estabelecimento, turismo e construção). 1

3 Índice Ficha Técnica... 1 Nota introdutória... 3 Objectivo do inquérito... 4 Metodologia... 4 Metodologia da composição do indicador de confiança... 4 Análise dos resultados... 5 Análise sectorial dos indicadores de confiança, Iº trimestre de Análise do período homólogo... 9 ANEXO 1:Questionário de Comércio em estabelecimento... x ANEXO 2:Questionário de Construção... xii ANEXO 3:Questionário de Indústria transformadora... xiv ANEXO 4:Questionário de Turismo... xvi 2

4 Nota introdutória A necessidade de acompanhar a situação económica e conjuntural do país, e antecipar a evolução nos diferentes sectores de actividades, leva-nos a produzir inquéritos de conjuntura que nos permite obter informações atempadas, de modo a apoiar os decisores nas suas decisões económicas. Os resultados dos inquéritos qualitativos também são importantes para os gestores, empresários e investidores uma vez que os mesmos conseguem ter acesso às expectativas do mercado e às opiniões dos seus pares quanto ao andamento da actividade no sector. Um inquérito de conjuntura é um instrumento de análise e interpretação da evolução da actividade económica no curto prazo. Os inquéritos são realizados mensal, trimestral, semestral e ou em alguns casos anual, junto dos empresários dos sectores do comércio em estabelecimento, turismo, construção, indústria transformadora, comércio em feira, transportes e serviços auxiliares de transporte 1. Na nota técnica tem-se, uma nota metodológica, na qual também se explica o modo de cálculo de indicadores de confiança em cada ramo de actividade acima referida e no final encontra-se o modelo de questionário utilizado para cada sector. O presente relatório é o resultado do trabalho conjunto entre o Instituto Nacional de Estatística (INE) e a Direcção-geral do Planeamento (DGP), e constitui o primeiro do género em São Tomé e Príncipe. Assim, as Instituições acima mencionadas, informam que os resultados do presente relatório são provisórios, sendo passíveis de alteração nos trimestres seguintes. O Instituto Nacional de Estatística (INE) e a Direcção Geral de Planeamento (DGP) agradecem as entidades informadoras que disponibilizaram o seu tempo no preenchimento dos questionários e a todos que colaboraram e tornaram possível a concretização deste trabalho. Deste modo, contam-se com a vossa colaboração para os próximos inquéritos. 1 Estes sectores não foram inquiridos, pelo facto de não dispormos de informações ligadas aos sectores no Ficheiro das Unidades Estatísticas (FUE). 3

5 Os eventuais comentários, críticas, sugestões poderão ser enviados para os endereços acima indicados. Objectivo do inquérito O objectivo principal deste inquérito qualitativo é de obter informações rápidas, de curto prazo sobre conjuntura da actividade económica, bem como as expectativas dos empresários em relação ao futuro do sector. Para tal, inquiriu-se os seguintes ramos de actividades: Comércio em Estabelecimento Turismo Construção Indústria Transformadora Metodologia Entrevista as maiores empresas de cada um dos 4 ramos de actividade; Amostra de 174 empresas, no qual 111 responderam as perguntas do inquérito, correspondendo a um grau de resposta de 63,8%; Resposta qualitativa sobre as actividades correntes, as perspectivas para os próximos 3 meses e os principais constrangimentos as actividades; Cálculo baseado no saldo das respostas extrema; Médias aritméticas simples no cálculo dos indicadores; Análise da tendência; Análise do período homólogo; Metodologia da composição do indicador de confiança O indicador de confiança é média aritmética simples dos saldos de respostas extremas (s.r.e.) das variáveis que compõem os ramos de actividades indicados acima em análise. Para o trabalho em tela, o indicador de confiança foi calculado para os seguintes ramos: 4

6 Indicador de Confiança na Indústria (ICI): calculado como a média simples dos saldos de respostas extremas das seguintes questões: tendência da produção futura (PF); Carteiras das encomendas (c), simétrico do saldo de stock de produtos acabados (-ST); -Logo, ICI = (PF + C ST) / 3. Indicador de confiança na construção (ICC): o cálculo inclui: carteira de encomendas (C); tendência futura do emprego (EF); -Logo, ICC = (C + EF) / 2 Indicador de confiança no comércio a retalho (ICCR): calculado a partir de: actividade da empresa no presente (AP); actividade da empresa no futuro (AF); simétrico dos stocks (-ST) - Logo, ICCR = (AP + AF ST) / 3 Indicador de confiança no turismo (ICT): calculou-se a partir das seguintes variáveis: tendência futura do emprego (EF); actividade da empresa no presente (AP); actividade da empresa no futuro (AF) - Logo, ICT = (EF + AP + AF) / 3. Análise dos resultados De acordo com as informações extraídas através do inquérito qualitativo de conjuntura, realizado no primeiro trimestre de 2013 ao primeiro trimestre de 2014, que incidiu nos sectores de indústria transformadora, do comércio em estabelecimento, do turismo e da construção, obteve-se os seguintes resultados: Os indicadores de confiança dos sectores de construção e do turismo apresentam um comportamento favorável ao longo do período em observação, tendo outros apresentados comportamento decrescente, com maior destaque para a indústria transformadora, que atingiu valor negativo. O que demonstra baixa confiança e expectativa dos empresários nestes sectores em relação aos seus negócios. Durante o período em observação o comércio em estabelecimento apresentou o indicador de confiança que evoluiu de (-2) no IIIº trimestre de 2013 para (6) no IVº trimestre do 5

7 I trim. 13 II trim. 13 III trim. 13 IV trim. 13 I trim. 14 mesmo ano, entretanto, houve uma desaceleração no Iº trimestre de 2014, mas não atingindo valores negativos (2,7). No Iº e IVº trimestre de 2013 o indicador de confiança do turismo foi de (-2) e melhorou no Iº trimestre de 2014 (3). Relativamente ao sector de construção, o indicador de confiança evolui de (36,5) no IIº trimestre de 2013, para (59,5) no Iº trimestres de Durante o período da observação, o indicador de confiança na indústria transformadora, após ter atingido o valor mais alto no IIIº trimestre de 2013 de (4), caiu nos trimestres seguintes, atingindo assim (-0,7) no Iº trimestre do ano em curso. O gráfico abaixo mostra evolução do indicador de confiança nos sectores inquiridos (valores efectivos), no ano de 2013 á Iº trimestre de Gráfico nº 1: Evolução do indicador de confiança nos sectores inquiridos (valores efectivos) 70 Evolução do indicador de confiança nos sectores indicados de primeiro trimestre de 2013 a primeiro trimestre de 2014 (valores efectivos) 60 58,0 59, , ,0 36, ,7 5,3 1,3 1,7-2,0 0,3 4,0-0,7-2,0 6,0 0,3-2,0 3,0 2,7-0,7 Indicador de confiança para indústria Indicador de confiança na construção Indicador de confiança no comércio a retalho Indicador de confiança nos serviços - turismo Fonte: INE Análise sectorial dos indicadores de confiança, Iº trimestre de 2014 No primeiro trimestre do ano de 2014, o indicador de confiança na indústria transformadora conheceu uma situação de desaceleração face ao trimestre anterior. Esta situação, aponta 6

8 I trim. 13 II trim. 13 III trim. 13 IV trim. 13 I trim. 14 I trim. 13 II trim. 13 III trim. 13 IV trim. 13 I trim. 14 para uma redução da produção provocada pela diminuição da procura de alguns produtos acabados neste ramo de actividade em relação aos produtos importados do mesmo género, com consequência na redução de investimento dos agentes económicos neste sector (vide gráfico nº 2). Gráfico nº 2: Evolução do indicador de confiança na indústria e os seus Componentes (valores efectivos). 15 Indústria transformadora Tendência da produção futura Carteira de encomenda Saldo de produto acabado Indicador de confiança para indústria Fonte: INE No comércio em estabelecimento também verificou-se uma desaceleração no indicador de confiança face ao trimestre anterior. Esse comportamento deveu-se ao fraco desempenho das actividades no presente. Entretanto, há expectativa no aumento significativo na perspectiva futura, acompanhado com a melhoria de stock, (vide gráfico nº 3). Gráfico nº 3: Evolução do indicador de confiança no comércio em estabelecimento e os seus componentes (valores efectivos) Comércio em estabelecimento Actividade da empresa no presente Actividade da empresa no futuro Stocks Indicador de confiança no comércio a retalho Fonte: INE 7

9 I trim. 13 II trim. 13 III trim. 13 IV trim. 13 I trim. 14 I trim. 13 II trim. 13 III trim. 13 IV trim. 13 I trim. 14 O turismo apresentou uma evolução positiva no indicador de confiança quando comparado com o trimestre precedente. Este resultado deveu-se ao aumento de todas as componentes desse indicador, com o maior realce para as componentes tendência futura do emprego e a actividade da empresa no futuro, (vide gráfico nº4). Gráfico nº4: Evolução do indicador de confiança no turismo e os seus componentes (valores efectivos). Turismo Tendência futura do emprego Actividade da empresa no presente Actividade da empresa no futuro Indicador de confiança nos serviços Fonte: INE O sector de construção teve um comportamento idêntico ao do turismo face ao trimestre precedente. Esta situação deveu-se ao aumento da carteira de encomenda, bem como da tendência futura do emprego (vide gráfico nº 5). Gráfico nº 5: Evolução no indicador de confiança na construção e os seus componentes (valores efectivos). Construção Carteira de encomenda Tendência futura do emprego Indicador de confiança na construção Fonte: INE 8

10 Análise do período homólogo O indicador de confiança da construção no Iº trimestre do ano de 2014 evoluiu favoravelmente face ao Iº trimestre Este resultado deveu-se a uma melhoria na perspectiva dos empresários em relação ao trimestre homólogo. Em relação ao indicador de confiança do turismo, constatou-se um comportamento positivo face ao I trimestre do ano anterior, explicado pelo contributo positivo de todas as suas componentes, designadamente as apreciações sobre a actividade da empresa, as opiniões sobre a evolução de volume de negócios e perspectiva de actividade. Quanto ao indicador de confiança do comércio, este registou uma desaceleração em comparação com o trimestre homólogo, provocado pela diminuição das actividades da empresa no presente. No que toca ao indicador de confiança da indústria transformadora, registou-se uma evolução negativa face ao trimestre homólogo, devido a contracção das perspectivas de vendas e de encomendas, (vide quadro nº1). Quadro nº 1: Indicador de confiança do I trimestre de 2013 e de 2014 (valor efectivo). Indicador de confiança para indústria Indicador de confiança na construção Indicador de confiança no comércio a retalho Indicador de confiança nos serviços - turismo Trimestres I trim. 13 1,3 38,0 4,7-2,0 I trim. 14-0,7 59,5 2,7 3,0 Fonte: INE 9

11 ANEXO 1:Questionário de Comércio em estabelecimento INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS E DOS SECTORES INSTITUCIONAIS Largo das Alfândegas, CP 256 S. Tomé; Telef: /21313; Fax: ; NOTA IMPORTANTE: DEVOLVA ESTE QUESTIONARIO DEVIDAMENTE PREENCHIDO AO INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA, NO PRAZO DE 3 DIAS APÓS A DATA DE RECEPÇÃO. INQUÉRITO DE CONJUNTURA - COMÉRCIO EM ESTABELECIMENTO Trimestre: 4 Ano: 2013 NOTA IMPORTANTE A OBRIGAÇÃO DE PREENCHER E A CONFIDENCIALIDADE DOS DADOS INDIVIDUAIS É GARANTIDA POR LEI: nº 5/98 Reservado ao INE Distrito Aglomeração Localidade Bairro Nº Empresa I INFORMAÇÕES GERAIS DA EMPRESA a) Designação da Empresa: Localidade Rua Distrito Telefone CP Fax II DESENVOLVIMENTO CORRENTE DA ACTIVIDADE 1. No período em referência, os produtos comercializados pela vossa empresa foram maioritariamente de origem: Nacional Estrangeira 4. Considera que, relativamente ao trimestre precedente a tendência dos vossos preços de venda foi de: Aumento Estabilização Diminuição 2. Considera que, relativamente ao trimestre precedente, e excluindo os movimentos de caracter sazonal, a tendência das vossas vendas foi de: Aumento Estabilização Diminuição 5. Considera que, no período em referência e tendo em atenção a época do ano, a actividade da vossa empresa pode considerar-se: Boa Satisfatória Ma 3. O nível de existência em armazém, tendo em conta a época do ano, pode considerar-se actualmente: Acima do Normal Normal Abaixo do Normal Instruções de Preenchimento: 1. Designação da empresa : corresponde ao nome completo da empresa 2. Actividade Principal : trata-se da actividade com a maior importância no conjunto das actividades exercidas pela empresa, medida pelo valor a preços de venda dos produtos vendidos ou serviços prestados 3. Estabelecimento : corresponde a uma empresa ou parte da empresa (fabrica, armazém, loja, oficina, etc..) situada num local identificável, exercendo uma ou mais actividades económicas 4. Preços de Venda : corresponde ao preço médio dos produtos vendidos [continua na página seguinte] x

12 III EXPECTATIVAS PARA O PRÓXIMO TRIMESTRE 6. Excluindo factores de ordem sazonal ou outros alheios à actividade da empresa, pensa que a actividade da vossa empresa no 1º trimestre de 2014: 8. Excluindo factores de ordem sazonal ou outros alheios à actividade da empresa, as encomendas a fornecedores (nacionais e estrangeiros) no 1º trimestre de 2014: Melhorará Manterá Deteriorá Aumentarão Estabilizarão Diminuirão 7. No 1º trimestre de 2014, número de trabalhadores da vossa empresa: Aumentará Estabilizará Diminuirá 9. No 1º trimestre de 2014, o que se refere aos preços de venda: Aumentarão Estabilizarão Diminuirão IV CONSTRANGIMENTOS 10. No 3º trimestre de 2013, a actividade da vossa empresa foi limitada por algum factor: Sim (passe a pergunta 11) Não (Fim do inquérito) 11. Se respondeu afirmativamente à questão anterior, assinale os principais factores que exerceram uma influencia desfavorável a vossa empresa. Se assinalou mais do que um factor indique a alínea do mais importante a) Insuficiência da Procura b) Ruptura de Stocks c) Preços de venda demasiado elevados d) Dificuldades Financeiras e) Dificuldades em encontrar pessoal com formação apropriada f) Elevado absentismo do pessoal ao serviço g) Excesso de burocracia e regulamentações estatais Marque Hierarquia de factores h) Outros factores Nome da pessoa que preencheu o questionário Função que ocupa na empresa Fax Telefone [Fim do Inquérito] Instruções de Preenchimento [Em cada pergunta marque X no respectivo quadrado] Na pergunta 11. Hierarquize os factores de 1 (mais importante) a 9 (menos importante) Observações: xi

13 ANEXO 2:Questionário de Construção INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS E DOS SECTORES INSTITUCIONAIS Largo das Alfândegas, CP 256 S. Tomé; Telef: /21313; Fax: ; NOTA IMPORTANTE: DEVOLVA ESTE QUESTIONARIO DEVIDAMENTE PREENCHIDO AO INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA, NO PRAZO DE 3 DIAS APÓS A DATA DE RECEPÇÃO. INQUÉRITO DE CONJUNTURA - CONSTRUÇÃO Trimestre: 4 Ano: 2013 NOTA IMPORTANTE A OBRIGAÇÃO DE PREENCHER E A CONFIDENCIALIDADE DOS DADOS INDIVIDUAIS É GARANTIDA POR LEI: nº 5/98 Reservado ao INE Distrito Aglomeração Localidade Bairro Nº Empresa I INFORMAÇÕES GERAIS DA EMPRESA a) Designação da Empresa: Localidade Rua Distrito Telefone CP Fax II DESENVOLVIMENTO CORRENTE DA ACTIVIDADE 1. No período em referência, da actividade ao sector da construção (incluindo reparações e restauros) indique em termos percentuais a qual dos tipos de obra se destina a actividade da vossa empresa: a) Construção de Edifícios para Habitação (%) b) Construção de Edifícios não Residenciais (%) c) Obras Públicas (%) O somatório das alíneas a), b) e c) deve ser igual a 100%. As respostas as seis questões seguintes deverão ter em conta os diferentes tipos de actividade da empresa indicados anteriormente 2. Considera que face ao trimestre precedente a actividade da vossa empresa: a) Construção de Edifícios para Habitação b) Construção de Edifícios não Residenciais c) Obras Públicas Aumentou Manteve-se Diminuiu 3. Considera que tendo em conta a época do ano a carteira de encomendas estava: a) Construção de Edifícios para Habitação b) Construção de Edifícios não Residenciais c) Obras Públicas Acima do normal Normal Abaixo do normal [continua na página seguinte] xii

14 III EXPECTATIVAS PARA O PRÓXIMO TRIMESTRE 4. Qual será a vossa previsão com relação ao, o número de pessoal ao serviço no 1º trimestre de 2014: a) Construção de Edifícios para Habitação b) Construção de Edifícios não Residenciais c) Obras Públicas Aumentará Estabilizará Diminuirá 5. Qual será a tendência dos preços que foram praticados pela vossa empresa com relação ao 1º trimestre de 2014: a) Construção de Edifícios para Habitação b) Construção de Edifícios não Residenciais c) Obras Públicas Aumentará Estabilizará Diminuirá 6. Qual será a tendência do Volume de Negócios da vossa empresa com relação ao primeiro trmestre de 2014: a) Construção de Edifícios para Habitação b) Construção de Edifícios não Residenciais c) Obras Públicas Aumentará Estabilizará Diminuirá 7. Face ao trimestre em referência, qual será a previsão da actividade da vossa empresa no 1º trimestre de 2014: Aumentará Estabilizará a) Construção de Edifícios para Habitação b) Construção de Edifícios para não Residenciais Habitação c) Obras Públicas Diminuirá 8. Ao ritmo de produção do 4º trimestre de 2013 e em condições normais, a vossa carteira de encomendas ou o plano de produção assegura-vos uma produção para quantas semanas aproximadamente: Semanas a) Construção de Edifícios para Habitação b) Construção de Edifícios para não Residenciais Habitação c) Obras Publicas IV CONSTRANGIMENTOS 9. Nos terceiro trimestre de 2013, a actividade da vossa empresa foi limitada por algum factor: Sim (passe a pergunta 10) Não (Fim do inquérito) 10. Para cada tipo de obra onde respondeu afirmativamente indique os principais obstáculos hierarquizando-os de 1 (mais importante) a 9 (menos importante) para cada tipo de actividade: Construção de Edif. Construção de Edif. Obras Publicas para Habitação n/ Residenciais a) Insuficiência da procura b) Falta de materiais c) Deterioração das perspectivas de vendas d) Nível elevado da taxa de juro e) Dificuldades na obtenção de crédito bancário f) Elevado absentismo da mão de obra g) Excesso de burocracia e regulamentações estatais h) Utilização excessiva da capacidade de produção i) Outros factores Nome da pessoa que preencheu o questionário Função que ocupa na empresa Fax Telefone [Fim do Inquérito] Instruções de Preenchimento [Em cada pergunta marque X no respectivo quadrado] 1. Designação da empresa: corresponde ao nome completo da empresa 2. Actividade Principal : trata-se da actividade com a maior importância no conjunto das actividades exercidas pela empresa, medida pelo valor a preços de venda dos produtos vendidos ou fabricados ou dos serviços prestados 3. Estabelecimento : corresponde a uma empresa ou parte da empresa (fabrica, armazém, loja, oficina, etc..) situada num local identificável, exercendo uma ou mais actividades económicas 4. Actividade da Empresa : corresponde ao conjunto dos trabalhos (obras) de construção, elaboração de projectos, procura de financiamentos, etc. xiii

15 ANEXO 3:Questionário de Indústria transformadora INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS E DOS SECTORES INSTITUCIONAIS Largo das Alfândegas, CP 256 S. Tomé; Telef: /21313; Fax: ; NOTA IMPORTANTE: DEVOLVA ESTE QUESTIONARIO DEVIDAMENTE PREENCHIDO AO INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA, NO PRAZO DE 3 DIAS APÓS A DATA DE RECEPÇÃO. INQUÉRITO DE CONJUNTURA - INDÚSTRIA TRANSFORMADORA Trimestre: 4 Ano: 2013 NOTA IMPORTANTE A OBRIGAÇÃO DE PREENCHER E A CONFIDENCIALIDADE DOS DADOS INDIVIDUAIS É GARANTIDA POR LEI: nº 5/98 Reservado ao INE Distrito Aglomeração Localidade Bairro Nº Empresa I INFORMAÇÕES GERAIS DA EMPRESA a) Designação da Empresa: Localidade Rua Distrito Telefone CP Fax II DESENVOLVIMENTO CORRENTE DA ACTIVIDADE 1. Considera que, relativamente ao trimestre precedente e excluíndo os movimentos de carácter sazonal, a tendência da produção foi de: 4. Tendo em conta a época do ano, considera que os vossos stocks de matérias primas e produtos intermédios foram: Aumento Superiores ao Normal Estabilização Normais Diminuição Inferiores ao Normal 2. Considera que, relativamente ao trimestre precedente, e excluindo os movimentos de caracter sazonal, a tendência do volume de negócios foi de: 5. Relativamente ao quarto trimestre de 2012, e excluindo os movimentos de carácter sazonal, considera que os preços de aquisição de matérias primas, produtos intermédios e energéticos, foi de: Aumento Aumento Estabilização Estabilização Diminuição Diminuição 3. Tendo em conta a vossa carteira de encomendas total e a evolução provável das encomendas nos próximos meses, considera que a vossa capacidade de produção foi: Mais que Suficiente Suficiente Insuficiente 6. No quarto trimestre de 2012 a vossa capacidade de produção utilizada foi aproximadamente de: % Instruções de Preenchimento: 1. Designação da empresa: corresponde ao nome completo da empresa 2. Actividade Principal: trata-se da actividade com a maior importância no conjunto das actividades exercidas pela empresa, medida pelo valor a preços de venda dos produtos vendidos ou serviços prestados 3. Estabelecimento: corresponde a uma empresa ou parte da empresa (fabrica, armazém, loja, oficina, etc..) situada num local identificável, exercendo uma ou mais actividades económicas [continua na página seguinte] xiv

16 III EXPECTATIVAS PARA O PRÓXIMO TRIMESTRE 7. Excluindo factores de ordem sazonal ou outros alheios à actividade da empresa, a vossa produção no 1º trimestre de 2014: 9. Prevê que, no 1º trimestre de 2014, os preços da aquisição de matérias primas, produtos intermédios e energéticos: Aumentará Aumentarão Estabilizará Estabilizarão Diminuirá Diminuirão 8. Excluindo factores de ordem sazonal ou outros alheios a actividade da empresa, o volume de negócios da vossa empresa no 1º trimestre de 2014: 10. No 1º trimestre de 2014, o número de trabalhadores da vossa empresa: Aumentará Aumentará Estabilizará Estabilizará Diminuirá Diminuirá IV CONSTRANGIMENTOS 11. A vossa produção foi limitada por algum obstáculos? Sim (passe a pergunta 12) Não (Fim do inquérito) 12. Se respondeu afirmativamente à questão anterior, assinale os principais obstáculos que exerceram uma influencia desfavorável na vossa empresa. Se assinalou mais do que um factor indique a alínea do mais importante a) Falta de Matéria Primas b) Frequêntes avarias mecânicas nos equipamentos c) Faltas de água e energia d) Dificuldades Financeiras e) Equipamento insuficiente f) Falta de mão de obra especializada g) Elevado absentismo da mão de obra h) Excesso de interferências e regulamentações estatais Marque Hierarquia de factores I) Outros factores Nome da pessoa que preencheu o questionário Função que ocupa na empresa Fax Telefone [Fim do Inquérito] Instruções de Preenchimento [Em cada pergunta marque X no respectivo quadrado] Na pergunta 12 Hierarquize os factores de 1 (mais importante) a 9 (menos importante) Observações: xv

17 ANEXO 4:Questionário de Turismo INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS E DOS SECTORES INSTITUCIONAIS Largo das Alfândegas, CP 256 S. Tomé; Telef: /21313; Fax: ; NOTA IMPORTANTE: DEVOLVA ESTE QUESTIONARIO DEVIDAMENTE PREENCHIDO AO INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA, NO PRAZO DE 3 DIAS APÓS A DATA DE RECEPÇÃO. Trimestre: 4 Ano: INQUÉRITO DE CONJUNTURA - TURISMO 2013 NOTA IMPORTANTE A OBRIGAÇÃO DE PREENCHER E A CONFIDENCIALIDADE DOS DADOS INDIVIDUAIS É GARANTIDA POR LEI: nº 5/98 Reservado ao INE Distrito Aglomeração Localidade Bairro Nº Empresa I INFORMAÇÕES GERAIS DA EMPRESA Designação da Empresa: Localidade Rua Distrito Telefone CP Fax II DESENVOLVIMENTO CORRENTE DA ACTIVIDADE 1. Considera que, relativamente ao trimestre precedente, e excluindo os movimentos de caracter sazonal, a tendência do vosso volume de negocio foi de: 3. Considera que, no período em referência e tendo em atenção a época do ano, a actividade da vossa empresa pode considerar-se: Aumento Estabilização Diminuição Aumento Boa Satisfatória Estabilização Má 2. Considera que, relativamente ao trimestre precedente, a tendência dos vosso preços de venda foi de: Instruções de Preenchimento (Actividade Corrente) Aumento Estabilização Diminuição 1. Movimento de caracter sazonal : movimento que resulta de factores específicos de uma determinada época do ano 2.Volume de Negócios : corresponde ao somatório da venda de mercadorias e produtos e da prestação de serviços 3. Preços de Venda : corresponde ao preço médio dos produtos/serviços [continua na página seguinte] xvi

18 III EXPECTATIVAS PARA O PRÓXIMO TRIMESTRE 4. Excluindo factores de ordem sazonal ou outros alheios à actividade da empresa, a actividade da vossa empresa no 1º trimestre de 2014: 6. No 1º trimestre de 2014, o número de empregados da vossa empresa: Melhorará Manterá Deteriorará Aumentará Estabilizará Diminuirá 5. No 1º trimestre de 2014, o Volume de Negócios da vossa empresa: [Em cada pergunta marque X no respectivo quadrado] Aumentará Estabilizará Diminuirá IV CONSTRANGIMENTOS 7. No terceiro trimestre de 2013, a actividade da vossa empresa foi limitada por algum factor: Sim (passe a pergunta 8) Não (Fim do inquérito) 8. Se respondeu afirmativamente à questão anterior, assinale os principais factores que exerceram uma influência desfavorável a vossa empresa. Se assinalou mais do que um factor indique a alínea do mais importante a) Insuficiência da Procura b) Preços de venda demasiado elevados c) Dificuldades Financeiras d) Dificuldades em encontrar pessoal com formação apropriada e) Elevado absentismo do pessoal ao serviço f) Excesso de burocracia e regulamentações estatais g) Insuficiente capacidade de oferta h) Outros factores Marque Hierarquia de factores Nome da pessoa que preencheu o questionário Função que ocupa na empresa Fax Telefone [Fim do Inquérito] Instruções de Preenchimento [Em cada pergunta marque X no respectivo quadrado] 1. Designação da empresa : corresponde ao nome completo da empresa 2. Actividade Principal: trata-se da actividade com a maior importância no conjunto das actividades exercidas pela empresa, medida pelo valor a preços de venda dos produtos vendidos ou fabricados ou dos serviços prestados 3. Estabelecimento : corresponde a uma empresa ou parte da empresa (fabrica, armazém, loja, oficina, etc..) situada num local identificável, exercendo uma ou mais actividades económicas. 4. Hierarquia de factores: corresponde aquele factor que teve maior peso no desenvolvimento da actividade da empresa. 1 mais importante - 9 menos importante Observações: xvii

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA Folha de Informação Rápida. CONSTRUÇÃO 3º Trimestre 2013

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA Folha de Informação Rápida. CONSTRUÇÃO 3º Trimestre 2013 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE CABO VERDE CABO VERDE INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE INQUÉRITO DE CONJUNTURA

Leia mais

DESTAQUE. Informação à Comunicação Social. Inquéritos de Conjuntura às Empresas Abril de 2013. 11 Abril de 2013

DESTAQUE. Informação à Comunicação Social. Inquéritos de Conjuntura às Empresas Abril de 2013. 11 Abril de 2013 Inquéritos de Conjuntura às Empresas Abril de 2013 11 Abril de 2013 No 1º trimestre de 2013, constata-se que o indicador de clima 1 manteve a tendência descendente dos últimos trimestres, ou seja, o ritmo

Leia mais

11 Outubro de 2012 Inquéritos de Conjuntura às Empresas Outubro de 2012

11 Outubro de 2012 Inquéritos de Conjuntura às Empresas Outubro de 2012 11 Outubro de 2012 Inquéritos de Conjuntura às Empresas Outubro de 2012 No 3º trimestre de 2012 constata-se que, o indicador de clima 1 manteve a tendência descendente do último trimestre, ou seja, o ritmo

Leia mais

Homepage. Utilize este espaço para incluir sugestões, justificações referentes à sua resposta ou outras observações que julgue convenientes.

Homepage. Utilize este espaço para incluir sugestões, justificações referentes à sua resposta ou outras observações que julgue convenientes. INSTRUMENTO DE NOTAÇÃO DO SISTEMA ESTATÍSTICO NACIONAL (LEI Nº 22/2008 DE 13 DE MAIO) DE RESPOSTA CONFIDENCIAL E OBRIGATÓRIA, REGISTADO NO INE SOB O Nº 10198 VÁLIDO ATÉ 2015/12/31 ICI - INQUÉRITO QUALITATIVO

Leia mais

ICCOP - INQUÉRITO QUALITATIVO DE CONJUNTURA À CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS

ICCOP - INQUÉRITO QUALITATIVO DE CONJUNTURA À CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS INSTRUMENTO DE NOTAÇÃO DO SISTEMA ESTATÍSTICO NACIONAL (LEI Nº 22/2008 DE 13 DE MAIO) DE RESPOSTA CONFIDENCIAL E OBRIGATÓRIA, REGISTADO NO INE SOB O Nº 10174 VÁLIDO ATÉ 2017/12/31 ICCOP - INQUÉRITO QUALITATIVO

Leia mais

ICIT - INQUÉRITO QUALITATIVO DE CONJUNTURA À INDÚSTRIA TRANSFORMADORA

ICIT - INQUÉRITO QUALITATIVO DE CONJUNTURA À INDÚSTRIA TRANSFORMADORA INSTRUMENTO DE NOTAÇÃO DO SISTEMA ESTATÍSTICO NACIONAL (LEI Nº 22/2008 DE 13 DE MAIO) DE RESPOSTA CONFIDENCIAL E OBRIGATÓRIA, REGISTADO NO INE SOB O Nº 10204 VÁLIDO ATÉ 2017/12/31 ICIT - INQUÉRITO QUALITATIVO

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA NO CONSUMIDOR Folha de Informação Rápida. 1º Trimestre 2015

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA NO CONSUMIDOR Folha de Informação Rápida. 1º Trimestre 2015 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE INQUÉRITO DE CONJUNTURA NO CONSUMIDOR Folha de Informação Rápida 1º Trimestre 2015 Abril 2015 Ficha Técnica Presidente Antonio Duarte Editor Instituto Nacional

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL. Análise de Conjuntura

ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL. Análise de Conjuntura ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL Análise de Conjuntura Maio 2008 Indicador de Sentimento Económico O clima económico na União Europeia volta a deteriorar-se em Abril. Comparativamente

Leia mais

Menos Crédito e destruição de emprego continuam a refletir grave crise na Construção

Menos Crédito e destruição de emprego continuam a refletir grave crise na Construção Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 71 Agosto

Leia mais

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Apreciação Global Os dados estatísticos disponíveis para o 2º trimestre de 2014 parecem confirmar finalmente, e pela primeira vez em muitos

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

- IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL. ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

- IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL. ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria - IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL 2006 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ÍNDICE Introdução Pág. 2 1 Sumário executivo Pág. 5 2 Análise dos resultados 2.1 Situação

Leia mais

Evolução da FBCF Empresarial em valor Taxa de Variação Anual

Evolução da FBCF Empresarial em valor Taxa de Variação Anual Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Abril de 2011 08 de Julho de 2011 Revisão em baixa das expectativas de investimento empresarial em 2011. De acordo com as intenções manifestadas pelas

Leia mais

BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 1º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS

BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 1º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 1º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS Índice Introdução 03 Ficha Técnica 05 Sumário Executivo 06 Relatório de Resultados 07 Entidades Inquiridas

Leia mais

CABO VERDE INQUÉRITO

CABO VERDE INQUÉRITO INSTITUTO NACIONAL DE ESTAT TISTICA CABO VERDE INQUÉRITO DE CONJUNTURA Folha de Informação Rápida SÍNTESE ECONÓMICA 1º Trimestree 2012 Abril 2012 Ficha Técnica Presidente António Duarte Editor Instituto

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 05 Maio 2015 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Boletim Económico Angola

Boletim Económico Angola Boletim Económico Angola 1. Conjuntura: estabilidade macro económica reforçada 3º Trimestre de 2013 A informação disponível para caracterizar o desempenho da economia de Angola no 3º trimestre de 2013

Leia mais

Obras concluídas e licenciadas com decréscimo menos acentuado

Obras concluídas e licenciadas com decréscimo menos acentuado Construção: Obras licenciadas e concluídas 4º Trimestre de 2015 - Dados preliminares 15 de março de 2016 Obras concluídas e licenciadas com decréscimo menos acentuado No 4º trimestre de 2015 os edifícios

Leia mais

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Clara Synek * Resumo O aumento da incerteza relativo às perspectivas económicas, do mercado de trabalho,

Leia mais

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001 Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e - Clara Synek* O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso dos anos /9, resulta fundamentalmente

Leia mais

Evolução da FBCF Empresarial Taxa de Variação Anual

Evolução da FBCF Empresarial Taxa de Variação Anual Inquérito Qualitativo de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Outubro de 2006 31 de Janeiro de 2007 TAXA DE VARIAÇÃO DO INVESTIMENTO PARA 2006 REVISTA EM BAIXA Os resultados do Inquérito ao Investimento

Leia mais

Expectativas de aumento do investimento empresarial em 2014

Expectativas de aumento do investimento empresarial em 2014 Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de abril de 2014 09 de julho de 2014 Expectativas de aumento do investimento empresarial em 2014 De acordo com as intenções manifestadas pelas empresas

Leia mais

Controlo e Gestão de Stocks

Controlo e Gestão de Stocks Publicação Nº 13-19 Maio 2010 Controlo e Gestão de Stocks PONTOS DE INTERESSE: Gestão de Stocks Sistemas de Inventário Controlo das saídas Uma gestão eficaz dos stocks é importante para qualquer empresa,

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010. Departamento Comercial. Trabalho realizado por: Filipe Cabral n.º8. Tânia Leão n.

Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010. Departamento Comercial. Trabalho realizado por: Filipe Cabral n.º8. Tânia Leão n. Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010 Departamento Comercial Trabalho realizado por: Filipe Cabral n.º8 Tânia Leão n.º19 Diferença de Aprovisionamento e Compra O aprovisionamento é um conjunto

Leia mais

RELATÓRIO FRANCHISING

RELATÓRIO FRANCHISING RELATÓRIO FRANCHISING ESTUDO DO PERFIL E SATISFAÇÃO DO FRANCHISADO EM PORTUGAL JULHO 2013 Índice ENQUADRAMENTO... 3 METODOLOGIA (FICHA TÉCNICA)... 4 ANÁLISE DE RESULTADOS... 5 CARACTERIZAÇÃO DO FRANCHISADO...

Leia mais

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Av. Fontes Pereira de Melo, 14 10º -1050-121 Lisboa Capital Social: 118.332.445 Euros - NIPC e Mat. na C.R.C. de Lisboa sob

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA NO CONSUMIDOR Folha de Informação Rápida. 4º Trimestre 2012

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA NO CONSUMIDOR Folha de Informação Rápida. 4º Trimestre 2012 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE INQUÉRITO DE CONJUNTURA NO CONSUMIDOR Folha de Informação Rápida 4º Trimestre 2012 Janeiro 2013 Ficha Técnica Presidente Antonio Duarte Editor Instituto Nacional

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão (ce.deg@esce.ips.pt) GESTÃO ESTRATÉGICA Texto de Apoio 1 à Análise Económica e Financeira Silva

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024)

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão ES LOGISTICA Fundo de Investimento Imobiliário Aberto Fundo de Investimento Imobiliário Aberto ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão Dezembro de 2008 ESAF Fundos de Investimento

Leia mais

Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T.

Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T. Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T. 54 3Inquérito às necessidades de formação profissional em higiene e segurança do trabalho 59 Inquérito às necessidades de formação profissional

Leia mais

Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho

Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho Outubro de 2009 Julho de 2012 Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho O Índice de Confiança da Indústria de Transformação de Pernambuco (ICI-PE) volta a recuar em julho

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT 2014

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT 2014 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT Março 2015 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES CANAL INERNET AT AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT Autoridade

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre o responsável pela proposta. Nome : Identidade: Órgão Emissor: CPF: Endereço: Bairro: Cidade: Estado: CEP: Telefone: FAX: E-mail Formação Profissional: Atribuições

Leia mais

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9%

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9% Estatísticas do Emprego 3º trimestre de 2007 16 de Novembro de 2007 A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9 A taxa de desemprego estimada para o 3º trimestre de 2007 foi de 7,9. Este valor

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 36. Construção em 2009 verificou dois andamentos

Conjuntura da Construção n.º 36. Construção em 2009 verificou dois andamentos Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas ANEOP Associação Nacional dos Empreiteiros

Leia mais

Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento

Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento 29 de setembro de 2014 INQUÉRITOS DE CONJUNTURA ÀS EMPRESAS E AOS CONSUMIDORES Setembro de 2014 Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Análise de Conjuntura Novembro 2006 Associação Industrial Portuguesa Confederação Empresarial Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico de Outubro de 2006 apresenta uma melhoria

Leia mais

Press Release. Worx divulga WMarket Report 1ºS 2008

Press Release. Worx divulga WMarket Report 1ºS 2008 Press Release No: 77 / DZ Data: 15 de Setembro de 2008 Edifício Taurus, Campo Edifício Pequeno, Taurus, 48 4º 1000-081 Campo Pequeno, Lisboa 48 4º 1000-081 Lisboa + 351 217 999 960 tel. + 351 217 999 965

Leia mais

Avaliação da Satisfação das Empresas Associadas Ano 2008

Avaliação da Satisfação das Empresas Associadas Ano 2008 Relatório Resumo Avaliação da Satisfação das Empresas Associadas Ano 2008 Fevereiro de 2009 Departamento de Qualidade e Comunicação sofia.viegas@apemeta.pt Índice: 2 1. Enquadramento 3 2. Avaliação da

Leia mais

RELATÓRIO. Avaliação da satisfação dos utilizadores do BAV. Relatório. Resultados do inquérito de satisfação do Balcão de Atendimento Virtual

RELATÓRIO. Avaliação da satisfação dos utilizadores do BAV. Relatório. Resultados do inquérito de satisfação do Balcão de Atendimento Virtual Relatório Resultados do inquérito de satisfação do Balcão de Atendimento Virtual Direcção Municipal da Presidência Gabinete do Munícipe Divisão Municipal de Gestão da Qualidade Porto, 29 de Junho de 2011

Leia mais

O princípio da afirmação da sociedade civil.

O princípio da afirmação da sociedade civil. Dois dos Valores do PSD O Princípio do Estado de Direito, respeitante da eminente dignidade da pessoa humana - fundamento de toda a ordem jurídica baseado na nossa convicção de que o Estado deve estar

Leia mais

DISCIPLINA DE MERCADO

DISCIPLINA DE MERCADO DISCIPLINA DE MERCADO 2012 Março 2013 Índice 1-Nota Introdutória... 3 2-Declaração de Responsabilidade... 3 3-Âmbito de Aplicação e Políticas de Gestão de Risco... 4 3.1-Âmbito de Aplicação... 4 3.2-Políticas

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indicadores CNI SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indústria da construção aprofunda deterioração A indústria da construção continua a se deteriorar. O índice de nível de atividade e o número de empregados

Leia mais

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL Índice de Pagamentos 2004 191 2005 184 2006 183 2007 182 2008 183 Desenvolvimento Económico (%) UE 27 - Média PIB per capita US 21.800 (2007) Crescimento do PIB 1,9 2,9

Leia mais

Relatório sobre Actividades Subsidiadas Instruções de Preenchimento

Relatório sobre Actividades Subsidiadas Instruções de Preenchimento Relatório sobre Actividades Subsidiadas Instruções de Preenchimento Observações 1. (1) O Relatório sobre Actividades Subsidiadas é composto por duas partes: Parte A Sumário Geral do Plano Subsidiado; Parte

Leia mais

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 18 de Maio de 2010 A taxa de desemprego foi de 10,6% no 1º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2010 foi de 10,6%. Este valor

Leia mais

Ainda Mais Próximo dos Clientes. Empresas. 10 de Novembro de 2010

Ainda Mais Próximo dos Clientes. Empresas. 10 de Novembro de 2010 Ainda Mais Próximo dos Clientes O acesso ao crédito pelas Empresas 10 de Novembro de 2010 Agenda 1. Introdução 1.1. Basileia II. O que é? 1.2. Consequências para as PME s 2. Análise de Risco 2.1. Avaliação

Leia mais

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO EMPRESA DE SEGUROS Santander Totta Seguros, Companhia de Seguros de Vida S.A., com Sede na Rua da Mesquita, nº 6 - Torre A - 2º - 1070 238 Lisboa, Portugal (pertence ao Grupo Santander). A Santander Totta

Leia mais

ARC Ratings atribui notação a curto prazo de B, com tendência positiva, ao Grupo Visabeira

ARC Ratings atribui notação a curto prazo de B, com tendência positiva, ao Grupo Visabeira ARC Ratings atribui notação a curto prazo de B, com tendência positiva, ao Grupo Visabeira EMITENTE Grupo Visabeira SGPS, S.A. RATING DE EMITENTE Médio e Longo Prazo BB+ (BB+, com tendência estável) B

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA NO CONSUMIDOR Folha de Informação Rápida. 2º Trimestre 2012

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA NO CONSUMIDOR Folha de Informação Rápida. 2º Trimestre 2012 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE INQUÉRITO DE CONJUNTURA NO CONSUMIDOR Folha de Informação Rápida 2º Trimestre 2012 Agosto 2012 Ficha Técnica Presidente Antonio Duarte Editor Instituto Nacional

Leia mais

Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014)

Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014) Procedimento dos Défices Excessivos 2ª Notificação 2014 30 de setembro de 2014 Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014) Nos termos dos Regulamentos da União Europeia, o INE envia hoje

Leia mais

Entidades intervenientes

Entidades intervenientes Entidades intervenientes As candidaturas deverão ser apresentadas, preferencialmente, no Município de Vizela, ou nas entidades abaixo indicadas. Câmara Municipal de Vizela Rua Dr. Alfredo Pinto, 42 4815-391

Leia mais

Implicações da alteração da Taxa de Juro nas Provisões Matemáticas do Seguro de Vida

Implicações da alteração da Taxa de Juro nas Provisões Matemáticas do Seguro de Vida Implicações da alteração da Taxa de Juro nas Provisões Matemáticas do Seguro de Vida 1. Algumas reflexões sobre solvência e solidez financeira Para podermos compreender o que se entende por solvência,

Leia mais

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS No âmbito da avaliação realizada, a nível internacional, sobre os fundamentos da crise financeira iniciada no Verão

Leia mais

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO MUNICÍPIO DO PORTO SANTO RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO EXERCÍCIO DO ANO 2011 INTRODUÇÃO A crescente utilização pelos municípios de formas organizacionais de diversa natureza (nomeadamente empresarial),

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA NO CONSUMIDOR Folha de Informação Rápida. 3º Trimestre 2011

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA NO CONSUMIDOR Folha de Informação Rápida. 3º Trimestre 2011 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE INQUÉRITO DE CONJUNTURA NO CONSUMIDOR Folha de Informação Rápida 3º Trimestre 2011 Novembro 2011 Ficha Técnica Presidente Antonio Duarte Editor Instituto Nacional

Leia mais

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015 Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Outubro de 2015 29 de janeiro de 2016 Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015 De acordo

Leia mais

A RELEVÂNCIA DAS COMPETÊNCIAS DE PRODUÇÃO, EDIÇÃO E DIVULGAÇÃO/VENDAS NUM SERVIÇO DE INFORMAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO: ESTUDO DE CASO

A RELEVÂNCIA DAS COMPETÊNCIAS DE PRODUÇÃO, EDIÇÃO E DIVULGAÇÃO/VENDAS NUM SERVIÇO DE INFORMAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO: ESTUDO DE CASO A RELEVÂNCIA DAS COMPETÊNCIAS DE PRODUÇÃO, EDIÇÃO E DIVULGAÇÃO/VENDAS NUM SERVIÇO DE INFORMAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO: ESTUDO DE CASO Júlia Maria Maia Costa, Açucena Olivença Cotrim, Cristina Cabaço da Mata,

Leia mais

PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA. Plano da sessão

PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA. Plano da sessão plano estratégico del desenvolvimento económico local PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL ECONÓMICO LOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA Equipa técnica: Assessor: João Pedro Guimarães Colaboradores:

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) Curso Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas PROVA 712/12 Págs. Duração da prova: 120

Leia mais

MALÓ DE ABREU, LDA. A Maló de Abreu, Lda é uma empresa cujo objecto social se define como exploração de clínica médico-dentária.

MALÓ DE ABREU, LDA. A Maló de Abreu, Lda é uma empresa cujo objecto social se define como exploração de clínica médico-dentária. MALÓ DE ABREU, LDA 1 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA Introdução A Maló de Abreu, Lda é uma empresa cujo objecto social se define como exploração de clínica médico-dentária. Conceito de negócio A Maló de Abreu

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS NA DGOTDU

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS NA DGOTDU Direcção Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano Gabinete do Director-Geral Índice 1. Introdução 2. Perfil da DGOTDU como organização 3. Identificação das vulnerabilidades 4. Programa

Leia mais

SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2013 Direção Regional de Estatística da Madeira Uma porta aberta para um universo de informação estatística Catalogação Recomendada Sector Empresarial da

Leia mais

UFCD 8 Controlo e armazenagem de mercadorias Carga horária 50 horas ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS

UFCD 8 Controlo e armazenagem de mercadorias Carga horária 50 horas ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS O que é a armazenagem? A armazenagem é constituída por um conjunto de funções: - de recepção, - descarga, - carregamento, matérias-primas, - arrumação produtos acabados ou semi-acabados

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas...

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... ÍNDICE PREFÁCIO... 2 NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... 6 ANÁLISE DE RESULTADOS Situação Global... 7 Conta Corrente...

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Maio 2011 Indicador de Sentimento Económico Os indicadores de sentimento económico da União Europeia e da Área

Leia mais

Avaliação do Pessoal Não Docente SIADAP

Avaliação do Pessoal Não Docente SIADAP Avaliação do Pessoal Não Docente SIADAP Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro com as alterações introduzidas pela Lei n.º 66-B/2012, de 31 de dezembro Page 1 SIADAP: PERIODICIDADE: bianual Requisitos para

Leia mais

REGULAMENTO TARIFÁRIO

REGULAMENTO TARIFÁRIO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR ELÉCTRICO Julho 2011 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt

Leia mais

Opiniões dos Empresários recuperam mas Consumo de Cimento bate mínimos históricos

Opiniões dos Empresários recuperam mas Consumo de Cimento bate mínimos históricos Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 73 Novembro

Leia mais

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2010 16 de Fevereiro de 2011 A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2010 foi de 11,1%. Este

Leia mais

Grupo 4Work. Qualidade Reconhecida pela ATRIBUIÇÃO DA norma ISO 9001:2008

Grupo 4Work. Qualidade Reconhecida pela ATRIBUIÇÃO DA norma ISO 9001:2008 Grupo 4Work Qualidade Reconhecida pela ATRIBUIÇÃO DA norma ISO 9001:2008 Desde o final do passado mês de Junho que o Grupo 4Work vê a qualidade dos seus serviços certificada pela Norma ISO 9001:2008, alcançando

Leia mais

Estrutura sectorial de Macau em 2014

Estrutura sectorial de Macau em 2014 Estrutura sectorial de Macau em 2014 Not.002/2016 Nos anos anteriores, a Direcção dos Serviços de Estatística e Censos (DSEC) calculava e analisava o valor bruto de produção (VBP), o valor acrescentado

Leia mais

Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004

Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004 Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004 Período 2004/2008 INFORME TÉCNICO PREPARADO POR: Departamento de Estudos Energéticos e Mercado, da Eletrobrás

Leia mais

60 especial. sondagem

60 especial. sondagem Indicadores CNI sondagem especial Uso de Tecnologia na Indústria da Construção 80% das empresas da construção investirão em nos próximos cinco anos Custos de aquisição são o principal obstáculo à inovação

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 26/2007/A de 19 de Novembro de 2007 Regulamenta o Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento da Qualidade e Inovação O Decreto Legislativo Regional

Leia mais

Relatório Tipo Dezembro de 20XX

Relatório Tipo Dezembro de 20XX Relatório Tipo Dezembro de 20XX Alvim & Rocha Consultoria de Gestão, Lda. Tel.: 22 831 70 05; Fax: 22 833 12 34 Rua do Monte dos Burgos, 848 Email: mail@alvimrocha.com 4250-313 Porto www.alvimrocha.com

Leia mais

Entidades Intervenientes As candidaturas devem ser apresentadas no Município de Valença

Entidades Intervenientes As candidaturas devem ser apresentadas no Município de Valença Entidades Intervenientes As candidaturas devem ser apresentadas no Município de Valença Município de Valença Tlf: 251 809500 Fax: 251 809519 Site: www.cm-valenca.pt E-mail: gap@cm-valenca.pt Entidade gestora

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

Documento Metodológico

Documento Metodológico Documento Metodológico Registo Predial ( Modelo 287 Mapa de actividade mensal) Código: 502 Versão: 1.0 Introdução O Registo Predial destina-se essencialmente a dar publicidade à situação jurídica dos prédios,

Leia mais

INFORMAÇÃO FINANCEIRA INTERCALAR (NÃO AUDITADA) 1º TRIMESTRE 2005

INFORMAÇÃO FINANCEIRA INTERCALAR (NÃO AUDITADA) 1º TRIMESTRE 2005 INFORMAÇÃO FINANCEIRA INTERCALAR (NÃO AUDITADA) 1º TRIMESTRE 2005 PORTUCEL - EMPRESA PRODUTORA DE PASTA E PAPEL, S.A. Sociedade Aberta Capital Social: 767.500.000 Euros NIPC: 503.025.798 Matriculada na

Leia mais

MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008

MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008 MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008 MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008 ÍNDICE 01 Relatório de Gestão... 1 02 Conjuntura Económica... 2 03 A Empresa... 3 04 Análise Financeira... 9 1 MEIOSTEC S.A.

Leia mais

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano Contabilidade e Controlo de Gestão Ano letivo 2013/2014 Gustavo Dias 5.º Semestre Orçamento anual: instrumento de planeamento a curto prazo que permitirá à empresa quantificar os seus objectivos em termos

Leia mais

0612- Noções Básicas de Gestão Técnica de Recursos Humanos

0612- Noções Básicas de Gestão Técnica de Recursos Humanos 0612- Noções Básicas de Gestão Técnica de Recursos Humanos Trabalho elaborado por: Vera Valadeiro, nº20 TAG 4 Índice Conteúdo Função:... 3 Descrição da Função:... 3 Perfil da Função:... 4 Processo de Recrutamento:...

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 3677/2011

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 3677/2011 9626 Diário da República, 2.ª série N.º 39 24 de Fevereiro de 2011 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Despacho n.º 3677/2011 O artigo 72.º do Regulamento de Relações Comerciais do Gás

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões 1. Introdução A mensuração, mitigação e controlo do nível de risco assumido pelos investidores institucionais (e

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2014

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2014 N.º 3 fevereiro 215 Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 21 O Banco de Portugal publica hoje, no Boletim Estatístico, as estatísticas de balanço e de

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/12 Págs. Duração

Leia mais

REGULAMENTO. Preâmbulo

REGULAMENTO. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo O espírito de iniciativa, a criatividade, a capacidade de detectar e aproveitar oportunidades, de assumir o risco e formar decisões, constituem premissas essenciais para o sucesso

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE 2013-1º TRIMESTRE

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE 2013-1º TRIMESTRE INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE 2013-1º TRIMESTRE 1 Presidente Antonio dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Av. Amilcar Cabral, CP 116 Cidade da Praia Composição Instituto

Leia mais

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A.

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A. 1 Reunir várias entidades do sector óptico nacional e discutir o futuro do sector bem como os temas cruciais para os empresários e intervenientes da área foram os objectivos do evento Visão de Futuro 2010,

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros Desenvolvimento de produtos e serviços Tendo em conta o elevado grau de concorrência dos serviços bancários, os bancos têm vindo a prestar uma vasta gama de produtos e serviços financeiros, por um lado

Leia mais

EARLY DRIVE 1 FUNDO DE CAPITAL DE RISCO. Fundo para Investidores Qualificados. Actualização em Abril de 2006 APRESENTAÇÃO.

EARLY DRIVE 1 FUNDO DE CAPITAL DE RISCO. Fundo para Investidores Qualificados. Actualização em Abril de 2006 APRESENTAÇÃO. EARLY DRIVE 1 FUNDO DE CAPITAL DE RISCO Fundo para Investidores Qualificados Actualização em Abril de 2006 APRESENTAÇÃO 1 Sujeito a autorização e à supervisão pela CMVM (Comissão do Mercado de Valores

Leia mais

Survey de Satisfação de Clientes 2009

Survey de Satisfação de Clientes 2009 Survey de Satisfação de Clientes Fevereiro de 2010 Índice 1. Sumário Executivo 4 2. Metodologia 6 3. Estratificação da Amostra 7 4. Classificação das pontuações 8 5. Apresentação de Resultados das Urgências

Leia mais

A COLOCAÇÃO DE ESCRITÓRIOS PODE VOLTAR AOS 150 MIL/170 MIL M2 EM 2009

A COLOCAÇÃO DE ESCRITÓRIOS PODE VOLTAR AOS 150 MIL/170 MIL M2 EM 2009 OJE 3 de Dezembro 2008 (1/5) A COLOCAÇÃO DE ESCRITÓRIOS PODE VOLTAR AOS 150 MIL/170 MIL M2 EM 2009 O take-up de ESCRITÓRIOS vai regredir em 2009 para o nível dos anos de 2004 e 2005, embora o preço das

Leia mais