Liderança transformacional e o desenvolvimento de equipes de alta performance: uma análise do filme Coach Carter: Treino para a Vida

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Liderança transformacional e o desenvolvimento de equipes de alta performance: uma análise do filme Coach Carter: Treino para a Vida"

Transcrição

1 Liderança transformacional e o desenvolvimento de equipes de alta performance: uma análise do filme Coach Carter: Treino para a Vida Auriérico dos Santos da Silva (Uninter) Valdiérica dos Santos da Silva (Uninter) Resumo: O objetivo deste trabalho é observar no filme Coach Carter: treino para a vida, o desenvolvimento de equipes de alta performance através do papel do líder transformacional, utilizando como referencial teórico as principais abordagens sobre liderança transformacional e equipes de alta performance. Desta forma a pesquisa é classificada como básica, exploratória, qualitativa e bibliográfica. Num cenário cada vez mais dinâmico e competitivo a formação de equipes de alta performance tem sido o grande alvo de muitas organizações, bem como a procura por líder capazes de desenvolvê-las. No respectivo filme foi possível observar que este objetivo pode ser alcançado, através de um líder responsável e comprometido com a performance da equipe. Porém ao exercer a liderança da equipe este líder vai além de suas tarefas operacionais, o mesmo se preocupa com crescimento e desenvolvimento do individuo como um todo, elevando seu modo de pensar e reagir às condições ambientais. Nesta empreitada conduz a equipe rumo a alta performance, estabelecendo metas de desempenho, realizando feedback e estratégias de melhoria contínua. Palavras chave: Liderança, Equipes, Desempenho. Transformational leadership and the development of high performance teams: an analysis of the movie Coach Carter Training for Life Abstract The objective of this work is to watch the movie "Coach Carter: training for life," the development of high performance teams through the role of the transformational leader, using as the main theoretical approaches to transformational leadership and high performance teams. Thus the research is classified as basic, exploratory, qualitative and literature. In a scenario increasingly dynamic and competitive formation of high performance teams has been the target of many large organizations, as well as the search for a leader able to develop them. In their film was possible to observe that this goal can be achieved through a responsible leader and committed to team performance. But in exercising this leadership team leader goes beyond its operational tasks, it is concerned with growth and development of the individual as a whole, bringing their way of thinking and reacting to environmental conditions. In this endeavor leads the team towards high performance, setting performance goals, performing feedback and continuous improvement strategies. Key-words: Leadership, Teams, Performance.

2 1 Introdução Na atualidade desenvolver equipes de alta performance tem sido o objetivo de muitas organizações, estas almejam equipes sinérgicas e comprometidas com metas de desempenho coletivo. Para que as equipes se desenvolvam é necessário uma liderança eficaz, capaz de conduzir os esforços rumo a alta performance. Num cenário cada vez mais competitivo, o papel do líder transformacional ganha destaque frente às mudanças cada vez mais intensas e necessárias, principalmente no desenvolvimento de equipes de alta performance. É fundamental que as organizações conheçam as características de um líder transformacional, o seu papel na avaliação e acompanhamento da curva de performance da equipe. Desta forma o presente artigo tem o objetivo de observar no filme Coach Carter: treino para a vida o papel do líder transformacional no desenvolvimento de equipes de alta performance, utilizando como referencial as principais abordagens teóricas sobre liderança transformacional e equipes de alta performance. 2 Liderança transformacional O líder é aquele que exerce influência, que conduz, orienta os liderados ao alcance de um objetivo comum. Hunter (2004, p. 25), apresenta o conceito de liderança como sendo a habilidade de influenciar pessoas para trabalharem entusiasticamente visando atingir os objetivos identificados para o bem comum. Para que o líder exerça influencia e seus liderados trabalhem entusiasticamente visando um um propósito comum é preciso atender suas necessidades, motivando, treinando e desenvolvendo suas potencialidades. O líder transformacional além de desenvolver as habilidades de seus seguidores, tem o papel de contribuir para que os mesmos se tornem pessoas melhores, direcionando e mostrando caminhos para o sucesso profissional e pessoal. Este líder se preocupa com o indivíduo como um todo, atendendo não somente suas necessidades na organização, mas fora dela. O líder transformacional tem profundo cuidado com os sentimentos, conduta moral e auto-realização de seus seguidores. Os líderes transformacionais são grandes influenciadores e dedicados aos seus seguidores contribuindo para que estes alcancem seu potencial e sejam também pessoas capazes de influenciar através de seu exemplo e conduta. A idéia de Burns sobre liderança transformadora era mais interessante no sentido de que, em seu conceito, tanto o líder quanto o seguidor são mudados, e a mudança é expressa como melhoria no sentido moral. Os seguidores são transformados em líderes, e os líderes se tornam agentes capacitando outros a crescerem como pessoas. (ADAIR, 2006, p. 101) A essência da liderança é capacitar outros indivíduos a exercê-la também, desenvolvendo não somente seus talentos, mas o seu caráter. A base da liderança tem alicerces no caráter e solidifica-se quando outras pessoas reconhecem e internalizam os princípios ensinados por seus mestres. A liderança transformadora é coletiva, ocorrendo relacionamento entre líderes e seguidores, mas o que a torna coletiva é o intercâmbio entre necessidades e vontades dos seguidores e a capacidade do líder em atender as aspirações coletivas. A liderança é causativa, pois as organizações dão condições para que as necessidades dos empregados sejam satisfeitas. A liderança é moralmente deliberada e edificante, onde os líderes usam seus talentos, a força e os valores da força de trabalho para construir propósitos e visões capazes de criar uma

3 estrutura social que a suporte. A liderança pode levar os seguidores a níveis superiores de consciência, como liberdade, justiça e auto-realização. (BENNIS; NANUS, 1988, p. 183). Líderes transformacionais se engajam em visões capazes de mudar a realidade de seus liderados elevando seus padrões éticos e morais, bem como desenvolvem uma nova filosofia de vida. O líder transformacional eleva o nível de maturidade, os ideais e os interesses para o bem estar do outro, da organização e da sociedade. O líder transformacional tende a ser otimista. O líder transformacional aponta os interesses mútuos para os liderados, sem usar o poder, mas por meio da liderança moral; e assim transforma os indivíduos, grupos, organizações e sociedades. (BASS, 2008, p. 619 apud ROSA, 2010, p. 37). O líder consegue elevar a maturidade de seus liderados, porque o mesmo é sensato, diligente e sua conduta tem base em princípios e valores que são inquestionáveis. Ao apresentar seus propósitos e visões o líder pode enfrentar algumas barreiras, visto que nem todas as pessoas têm maturidade suficiente para compreender os benefícios que estas visões trarão no curto e longo prazo. A visão é a observação de um futuro melhor, os líderes transformacionais mobilizam os seguidores a implementá-las e torná-las reais, em outras palavras, o mesmo ajuda os indivíduos a alcançarem seus objetivos. Tanto o líder quanto as pessoas precisam ter o mesmo ponto de vista conhecendo não somente as vantagens como também os obstáculos que aparecerão, pois o processo é dinâmico e cheio de surpresas. Neste momento a equipe fica dividida, pois nem todos os integrantes concordam com a proposta, o medo de fracassar, de assumir os riscos e sair da zona de conforto são as grandes barreiras que dificultam a implementação das visões. Porém, a partir do momento que todos os membros aceitarem e enxergarem os benefícios da visão estarão compromissados em alcançá-la. Desta forma o trabalho em equipe ganha força novamente e seus membros unem-se para construir algo maior, agregando valor a cada integrante e ajudando uns aos outros para que esta visão se concretize. Líderes transformacionais capacitam os indivíduos para serem líderes de si mesmos e líderes capazes de ajudar outras pessoas também contribuindo para que as mesmas alcancem seu potencial e, contudo sejam pessoas com competência equivalente aos seus líderes, internalizando todos os princípios transmitidos por seus mestres. 3 Evolução de um grupo a equipe de alta performance Equipes de alta performance são aquelas que possuem um alto grau de compromisso não somente com metas de desempenho, mas demonstram grande empenho pessoal e interdependência de seus integrantes, compartilhando a responsabilidade pelos resultados, são conhecidas pela dedicação e desenvolvimento uns dos outros, permeando um ambiente de complementaridade de competências. Katzenbach e Smith (1994, p. 80), apresenta algumas características das equipes de alta performance: Profundos compromissos pessoais de cada um para com o crescimento e o sucesso dos outros é o que distingue as equipes de alta performance da maioria das equipes existentes. Energizados por esse senso extra de compromisso, as equipes de alta performance tipicamente refletem vigorosas ampliações das características fundamentais das equipes: senso mais profundo de propósito, metas mais ambiciosas de performance, abordagens mais completas, maior plenitude de responsabilidade

4 mútua, intercambiabilidade e complementaridade de conhecimentos. Tais diferenças podem, ao mesmo tempo, ser visualizadas e sentidas. O comprisso interpessoal e a dedicação com o crescimento e o sucesso uns dos outros faz com que haja mais união, confiança e consequentemente mais sinergia, maximizando os resultados. Para que uma equipe atinja a alta performance é necessário metas elevadas, bem como o compromisso com o desenvolvimento das competências da equipe, assim todos os membros partilham um alto nível de desempenho. Segundo Tonet et. al (2009, p. 72), as pessoas que integram essas equipes tem clara noção do potencial que possuem e buscam o desenvolvimento em todas as dimensões humanas: racional, sensorial, emocional, cultural, espiritual. No que se refere ao desenvolvimento das equipes de alta performance é fundamental que seus integrantes conheçam e desenvolvam seus pontos fortes, bem como em todas as esferas humanas, a ajuda mútua é muito importante para que os mesmos compartilhem suas experiências e conhecimentos, isto lhes proporcionará um conjunto de competências que somente as equipes de alta performance apresentam. Para que uma equipe alcance a alta performance é necessário passar por alguns estágios de crescimento, a qual Katzenbach e Smith (1994 p ) apresentam a curva de performance da equipe: a) Grupo de trabalho; b) Pseudo-equipe; c) Equipe potencial; d) Equipe real; e) Equipe de alta performance. O grupo de trabalho é conhecido por não haver necessidade de performance coletiva, ou seja, seus membros apenas interagem em busca de melhorar o desempenho individual, não há propósito comum e responsabilidade mútua. A pseudo-equipe é aquela que tem uma necessidade ou oportunidade de melhorar sua performance coletiva, mas não busca este propósito. As pseudo-equipes possuem o pior desempenho, pois realça a performance individual e desta forma o resultados obtidos conjuntamente é inferior a performance individual. A equipe potencial possui uma necessidade de performance e esta procurando melhorar seu desempenho, porém os propósitos não estão claros e também não possuem responsabilidade mútua, sendo necessário planejar e estruturar as atividades. Equipes reais são aquelas que seus integrantes são compromissados com propósitos, metas e performance coletiva, bem como possuem conhecimentos complementares. As equipes de alta performance são aquelas que seus integrantes estão compromissados com o crescimento e o sucesso uns dos outros, possuem desempenho superior as demais equipes, e buscam o alto desempenho continuamente. Tais equipes não conseguiriam chegar a alta performance sem a presença de um líder, a liderança faz toda a diferença nas equipes bem sucedidas, desta forma conhecer o seu papel é fundamental para desenvolver equipes de alta performance. 4 O papel do líder e a avaliação do desempenho da equipe O papel do líder é a realização da tarefa, diz respeito ao trabalho que deve ser feito e para que este seja concluído é preciso atender as necessidades da equipe, manter a coesão e a sinergia

5 entre seus integrantes e para que os resultados sejam alcançados é preciso observar, estabelecer as metas, medir, acompanhar e avaliar o desempenho da equipe. Para Donnellon (2006, p. 46), o líder de equipe tem quatro papéis: a) Líder da equipe como iniciador: b) Líder da equipe como coach; c) Líder da equipe como modelo; d) Líder da equipe como negociador. O líder é quem diz o que fazer, por onde começar as atividades para que os objetivos sejam alcançados. Como coach, o líder tem a responsabilidade de desenvolver cada integrante para que os mesmos alcancem seu potencial, maximizando desta forma a performance da equipe. Um líder deve ser uma referência para a equipe, seus valores e princípios precisam ser espelhados por todos os liderados, construindo uma equipe não somente de pessoas talentosas, como também de pessoas melhores. Uma equipe é formada por diversos integrantes e cada qual possui características diferentes um dos outros, como a personalidade, valores, formas de se relacionar, o líder tem o papel de negociador, ou seja, equilibrar e manter a equipe unida em meio a diversidade, mas é este conjunto de valores que dão dinâmica e eficiência à equipe. Uma das funções do líder é medir, acompanhar e avaliar o desempenho da equipe e para avaliá-la, o líder deve conhecer os fatores que interferem no desempenho da equipe para que a mesma melhore sua performance. Para Donnellon (2006, p ) a forma como a equipe consegue atingir os resultados esperados são tão importantes quanto o produto destes e os fatores de avaliação de desempenho são divididos quanto aos resultados e ao processo: a) Os fatores de resultados são medidos pela consecução dos objetivos da equipe; satisfação do cliente; volume de trabalho concluído, conhecimento da tarefa e habilidades adquiridas; b) Fatores do processo consistem no apoio e compromisso em relação à equipe; nível de participação e liderança; colaboração; resolução de conflitos; planejamento e estabelecimento dos objetivos; decisões colegiadas ganha-ganha; solução de problemas e aplicação das técnicas analíticas; nível de credibilidade e confiança; respeito aos processos e procedimentos pactuados; desenvolvimento e sustentação das relações interpessoais; disposição para mudar e assumir riscos; aprendizagem individual e em equipe. Os fatores de resultados estão relacionados com os produtos e ganhos advindos do trabalho em equipe. A sinergia e a cooperação dos membros da equipe fazem com que os objetivos sejam alcançados rapidamente, satisfazendo as necessidades dos clientes e o volume de trabalho produzido é superior à soma de suas partes. A realização da tarefa faz com que seus integrantes aprimorem suas habilidades e internalize os conhecimentos deste processo. Os fatores do processo são os meios para se alcançar os resultados esperados, e tanto a equipe quanto o líder tem muito trabalho para desenvolver até atingir os parâmetros desejados.

6 O líder precisa dar apoio e suporte à equipe, ter uma presença ativa e altruísmo com as necessidades da mesma. Afinal, é sua função direcionar os esforços, ajudando no que for necessário para que a tarefa se realize. A colaboração de todos os integrantes é imprescindível no processo, todos contribuem com seu trabalho e partilham a responsabilidade pela sua concretização, bem como ajudam uns aos outros não somente quando há sobrecarga de trabalho, mas porque é uma equipe e esta é a característica principal que a diferencia de um grupo, trabalhar juntos. O inter-relacionamento entre os membros da equipe farão com que existam conflitos, pois cada individuo traz a equipe características diversas e é inevitável que em algum momento haja desentendimentos, sendo o papel do líder compreender a situação, apaziguar e tomar as medidas cabíveis. Antes de dar início às atividades o líder deve planejar detalhadamente tudo o que será necessário para desempenhá-la, bem como estabelecer os objetivos e metas a ser atingidas, depois o mesmo precisa apresentar a equipe para que todos os seus integrantes tenham consciência e se responsabilizem por sua realização. O planejamento serve para antecipar possíveis falhas, porém nem sempre o planejado condiz com a realidade e as atividades sofrem pressão do ambiente externo, surgindo desta forma os problemas. As equipes juntamente com o líder partilham esta responsabilidade e buscam soluções assertivas para o caso. Ferramentas de análise são fundamentais para averiguar as causas, as soluções e desempenho das atividades, visto que as tarefas precisam ser mensuradas e avaliadas para determinar sua qualidade e alcance dos padrões desejados. Os seus produtos precisam ter o mesmo nível de qualidade, atendendo as necessidades do cliente e agregando valor ao produto. A colaboração aumenta significativamente quando os membros da equipe confiam uns nos outros, a partir do momento em que essa confiança se dissipar a equipe se desintegra e adota o modelo grupal, onde cada indivíduo faz seu trabalho individualmente e não partilha do mesmo propósito. As relações interpessoais é alicerce para manter a equipe unida, saber comunicar é importante, é preciso compreender o outro demonstrando empatia. A equipe e o líder devem ter esse senso de respeito, de empatia e tratamento cortês. O trabalho em equipe como dito anteriormente não diz respeito somente em realizar as tarefas, mas concretizá-las conjuntamente, assumindo a responsabilidade, os riscos e mudanças, se for preciso. O processo é dinâmico e as mudanças deverão acontecer para que os resultados também apareçam. Ao realizar as atividades todos aprendem e compartilham conhecimentos, experiências, técnicas que potencializam o trabalho em equipe. Enquanto os fatores de resultados enfocam os produtos do trabalho em equipe e os fatores do processo os meios para atingi-los, outros quesitos importantes para avaliar o desempenho da equipe é a avaliação individual dos membros da equipe. As equipes também são avaliadas pelo desempenho individual de cada integrante e segundo Luecke (2010, p. 131), segue cinco métodos a seguir: a) Análise de colegas; b) Avaliação de satisfação dos clientes; c) Auto-avaliação;

7 d) Análise do líder da equipe; e) Análise da gerência. Na análise segundo os colegas os membros da equipe avaliam o desempenho uns dos outros, os mesmos conhecem os integrantes mais esforçados, os mais habilidosos e competentes. Os clientes avaliam o desempenho tanto da equipe como de cada indivíduo, podem não acompanhar a equipe todos os dias, mas reconhecem pela qualidade dos seus resultados, bem como a contribuição de cada indivíduo. Na autoavaliação cada membro da equipe avalia seu desempenho e sabe mais do que ninguém como realiza, conhece a fundo suas motivações, aspirações e compromisso. A responsabilidade do líder é avaliar o desempenho de cada indivíduo, e como acompanha diariamente conhece os interesses e o compromisso que cada membro tem com a organização. Os gerentes avaliam o desempenho da equipe e de cada indivíduo, e através dos resultados obtidos, avalia se as metas individuais e os produtos do trabalho em equipe foram alcançados. 5 Metodologia A pesquisa é classificada segundo Andrade (2006, p ) sob quatro aspectos: a) Pesquisa quanto à natureza; b) Pesquisa quanto aos objetivos; c) Pesquisa quanto ao objeto; d) Pesquisa quanto aos procedimentos. A natureza da pesquisa é básica, e apresenta as principais abordagens teóricas sobre liderança transformacional e equipes de alta performance. Com relação a classificação quanto aos objetivos, este estudo é exploratório, pois busca obter maior conhecimento e informações sobre o respectivo tema, contribuindo com novas abordagens e elucidações sobre liderança e o desempenho das equipes. Quanto aos objetos da pesquisa foram utilizados livros pertinentes ao assunto tratado, bem como o filme Coach Carter: treino para a vida, sendo o alvo de análise para a concretização deste artigo. Os procedimentos técnicos utilizados na pesquisa é a análise de conteúdo, e seu objeto de estudo será a análise do filme Coach Carter: treino para a vida. O filme será analisado de forma qualitativa apresentando o papel do líder transformacional no desenvolvimento de equipes de alta performance. 6 O filme: Coach Carter Treino para a vida Coach Carter: treino para a vida é um filme verídico que retrata o sucesso não somente do técnico Ken Carter na direção de uma equipe de basquete, mas de uma comunidade inteira transformando seus valores e estilo de vida. O filme inicia-se com o técnico Ken Carter observando a equipe em quadra em sua primeira disputa com St. Francis, e em decorrência de um conflito entre as equipes o jogo é suspenso, posteriormente perderiam o campeonato estadual para este mesmo time.

8 Ao conversar com o técnico White, o mesmo lhe apresenta os desafios que enfrentaria e acrescentou que o maior problema não eram as derrotas, mas não conseguia fazê-los ir à escola, aos treinos e serem pessoas melhores. Em seu primeiro contato com a equipe pode compreender que os jovens eram rebeldes e indisciplinados e para assegurar um bom relacionamento e comprometimento com os estudos elaborou um contrato que previa: manter 5,75 pontos de média, assistir todas as aulas, sentar na fila da frente nas aulas e usar paletó e gravata nos jogos. Dois dos melhores marcadores do time não aceitaram esta condição e saíram da equipe, da qual nunca mais voltaram. Timo Cruz, um dos integrantes contestou as cláusulas e a autoridade de Carter e foi expulso do time, mas logo voltaria a fazer parte da equipe. Carter ao observar o desempenho da equipe, constatou que a equipe precisava melhorar seu condicionamento físico e iniciou o treinamento com uma rotina exaustiva de exercícios e também fixou uma meta de cinquenta lances livres convertidos por treino, o técnico orientou em todos os momentos ensinou técnicas necessárias para que a equipe melhorasse sua performance em quadra. Todo o treino deu resultado e a equipe começou a vencer chegando invicto ao 22º Campeonato do Torneio Anual Bayhill, do qual foram consagrados campeões. Carter ao investigar o cumprimento do contrato percebeu que os alunos não estavam indo as aulas e o desempenho escolar estava aquém do esperado, e desta forma tomou a seguinte decisão: fechar o ginásio. A equipe não jogaria até que todos os integrantes tivessem notas acima do previsto no contrato. Esta medida gerou revolta em toda a comunidade e a causa foi debatida em assembleia, na qual a paralisação dos jogos foi suspensa. Porém, ao retornar a escola para recolher seus pertences encontra as correntes do ginásio no chão e para sua surpresa todos os jovens encontram-se estudando. A partir deste momento os jovens assumem o compromisso com os estudos e voltam a jogar. Apesar da derrota para St. Francis no Campeonato Estadual, os meninos são parabenizados pelo técnico e toda a comunidade, pois fizeram o melhor. Os estudos proporcionaram a conquista de cinco bolsas em universidades e seis membros tiveram a oportunidade de frequentar uma instituição de nível superior. Este é um fato histórico para a comunidade e um exemplo para muitos jovens. 6.1 Análise do filme Coach Carter treino para a Vida O papel de um líder é fazer a equipe crescer e melhorar seu desempenho, para tanto é preciso primeiramente fazer um diagnóstico conhecendo os principais problemas que afetam seu desempenho e Ken Carter observou que: a) A equipe era um grupo emerso em conflitos e com alto nível de individualidade; b) A equipe precisaria melhorar seu desempenho e competências para que as vitórias ocorressem; c) Os jovens eram rebeldes e indisciplinados, não tinham compromisso com os treinos e muito menos com os estudos; d) Os pais não acompanhavam o desempenho escolar e menosprezavam essa atitude. O Recorte 1 (03:34-03:49) mostra a discussão no vestiário após o jogo ser encerrado:

9 Junior:Tínhamos 32 pontos. Eu fiz 12 deles. O que você fez Kenyon? Lyle: Cale a boca, irmão. O garça atirou e conseguiu facilmente a cesta. Ele brincou com você, irmão. Ele te fechou o jogo todo. Timo Cruz: Lyle, porque você não fecha a boca antes que eu a feche para sempre? Lyle: Você também não fez nada o jogo inteiro. Timo Cruz: Vou te fazer engolir isso. Nesse recorte é possível perceber a falta de respeito entre seus integrantes, a falta de união, a falta de responsabilidade mútua, cada membro agia individualmente, acusando um ao outro pelo mau desempenho. Tais características demonstram que a equipe na realidade é uma pseudo-equipe, no qual seus integrantes apenas interagem entre si, mas não buscam a performance coletiva e o resultado individual é superior a performance coletiva. Na escola, estes jovens também tinham um desempenho péssimo, devido a cultura da própria instituição de ensino, a qual negligenciava o baixo desempenho de seus alunos. Para mudar este quadro Coach Carter redige um contrato no qual os jovens deveriam manter um bom desempenho escolar e também convoca os pais dos mesmos para que ajudassem nesta missão, mas nem os pais e nem escola concordavam com tal procedimento. Este contrato representa as metas acadêmicas a qual levaria ao grande objetivo que era a universidade. Quando Carter assume a equipe, a mesma ascende para a equipe potencial, onde Carter mostraria o que deveria ser feito para a equipe melhorasse sua performance, esclarecendo os propósitos e as metas que deveriam ser alcançadas, bem como estruturar as atividades. No Recorte 2 (14:01 14:49), Carter inicia o treinamento da equipe apresentando os fatores que afetam seu desempenho como: condicionamento físico e problemas em se movimentar em quadra, porém ressalta um ponto positivo da equipe a conversão dos arremessos. Além do mais, acrescenta mais duas regras se os jovens chegassem atrasados aos treinos iriam correr e se fossem mal educados fariam flexões. Para que uma equipe melhore sua performance é preciso maximizar seus pontos fortes e minimizar suas fraquezas. O condicionamento físico e a movimentação em quadra representam seus pontos fracos, o que seria sanado com longos e exaustivos exercícios em quadra, já a conversão de arremessos é uma competência da equipe, sendo necessário desenvolvê-la cada vez mais, visto que é um fator preponderante para a vitória. Com os passar do tempo Carter observa o desempenho individual apresentando o feedback aos seus jogadores o que pode ser observado no Recorte 3 (32:49 34:13): Carter: Certo Senhores. Vamos analisar o jogo com o Hércules. Certo? Worm: Grite meus números. Senhor. Carter: Você fez cinco e quatro. Worm: Não senhor. Eu fiz 12 pontos e 8 assistências. Carter: Não Sr. Worm. Teve cinco perdas de bola e perdeu quatro lances livres. Agora estamos falando de princípios aqui. Até aprendermos vou adicionar um treino todas as manhãs as 6:00 horas. Arremessamos 56 % da bola... Sr. Cruz. Esta perdido senhor? Cruz: O que tenho de fazer para jogar? Carter: Sr. Cruz, você não vai gostar da resposta a essa pergunta. Como ia dizendo, como um time... arremessamos 56% da linha de lance livre. De agora em diante, antes de deixarem o ginásio precisaram pagar uma taxa de saída de 50 lances livres convertidos... para poderem ir,

10 isso é para todos. Vamos são muitos lances livres. Certo Sr. Cruz. Antes de jogar neste time, você me deve 2500 abdominais e 1000 suicídios. E eles devem estar terminados até sextafeira. O feedback de desempenho é muito importante para a equipe, em especial os pontos que devem ser melhorados para que a equipe atinja os padrões desejados. O feedback mesmo que seja negativo é fundamental para que cada indivíduo reconheça as suas fragilidades e limitações. É por meio do feedback que a equipe toma consciência de seu desempenho, é o momento de apresentar as considerações acerca dos resultados obtidos e os objetivos que pretende-se alcançar. Para que a equipe melhore sua performance, todos os integrantes precisam aprimorar o seu desempenho também, pois a avaliação é feita tanto individualmente quanto a equipe como um todo. Afinal, a equipe é um conjunto de pessoas com habilidades complementares e que precisam ser desenvolvidas. Um líder estabelece metas de desempenho para toda a equipe, porém é um esforço necessário para alcançar os resultados e maximizar o desempenho da equipe. Esta medida pode ser observada quando Carter estabelece uma meta de cinquenta lances livres para toda a equipe, e os integrantes não sairiam do ginásio até completá-la, visto que como equipe estavam arremessando 56% e que tanto este índice deveria aumentar quanto a conversão de cada arremesso. O Recorte 4 (41:24 43:10) é certamente um dos momentos mais cativante e surpreendente de todo o filme, pois é possível verificar que o grupo se transforma em uma equipe, onde seus membros ajudam-se mutuamente, havendo colaboração e união entre os mesmos: Carter: Sr. Cruz. Estou impressionado com o que você fez. Mas ainda falta. Você me deve 80 suicídios e 500 abdominais. Por favor, saia do meu ginásio. Obrigado Clyde. Senhores, vejo vocês amanhã. Lyle: Eu faço abdominais por ele. Você disse que somos um time. Se um briga, todos brigam. Um jogador triunfa, todos triunfamos, certo? Kenyon: Eu faço alguns. Junior B. Eu vou correr e fazer suicídios também. Worm: Faço alguns também. Carter ensinou o significado de trabalhar em equipe e neste momento percebe-se que este conceito foi internalizado por todos os integrantes. Nenhuma vitória seria possível se a equipe mantivesse as características de um grupo. Neste momento a equipe se torna uma equipe real, pois a responsabilidade pelas metas individuais é compartilhado com o restante da equipe, percebe-se que as desavenças deu lugar a união e a confiança. Se a equipe não tiver maturidade suficiente para visualizar a importância de trabalhar em equipe nada poderá ser feito. Esta é uma das principais características de equipes de alta performance a interdependência de seus integrantes, a soma de competências canalizadas para um objetivo comum. Líderes transformacionais vão além de suas funções operacionais, fazem com que seus liderados cresçam em autoridade e implementa uma visão capaz de mudar completamente o estilo de vida de cada liderado. Carter acreditava que os jovens poderiam jogar basquete em nível universitário e que se os mesmos tivessem compromisso com os estudos poderiam graduar-se e ter uma vida mais digna. No recorte 5 (50:33 51:37) abaixo, Carter apresenta a visão à equipe:

11 Carter: Sr. Worm, o que quer nesta temporada de basquete? Worm: Vencer o campeonato estadual, senhor. Carter: Quem venceu o campeonato estadual na temporada passada, Lyle? Lyle: Eu não sei, senhor. Carter: Alguém sabe? Certo. Carter: O que o seu pai faz para viver, Sr Lyle? Lyle: Meu pai está na cadeia, senhor. Carter: Sinto ouvir isso, senhor. Mas essa não precisa ser sua vida. O que quero dizer é: eu tenho quatro veteranos no time. Junior, Lyle, Kenyon e Worm. Todos eles, eu acho, podem jogar basquete no nível universitário. Universidade. É uma opção viável para todos vocês. Mas precisam se sair bem na sala de aula para ter essa chance. Vocês têm que ter visão. Me digam, como se veem? A partir de então, Carter passa a acompanhar os resultados acadêmicos. Quando observa que os jovens não tinham compromisso com os estudos, imediatamente fecha o ginásio e a equipe não poderia jogar até que o desempenho escolar atingisse as metas no contrato. Devido a suspensão dos jogos a sociedade ficou revoltada e instituíram uma assembléia para que houvesse o fim da paralisação dos jogos. Porém ao retornar a escola para recolher os seus pertences, Carter encontra a equipe na quadra estudando. O recorte 6 (01:45:41 1:46:00) mostra essa situação: Lyle: Eles podem quebrar a corrente da porta, mas não podem nos fazer jogar. Damien: Nós decidimos que vamos terminar o que começou, senhor. Worm: Sim, deixe conosco técnico. Temos muito o que fazer, senhor. Neste momento os integrantes aceitam e compreendem o significado da visão, tem início o processo de transformação de uma comunidade inteira. Então, Carter mobiliza os professores para que os jovens tenham sucesso na vida através dos estudos. A partir de então a equipe real se transforma em uma equipe de alta performance, onde seus integrantes ajudam-se mutuamente, sendo responsáveis pelo desempenho coletivo, buscando também o crescimento e o desenvolvimento uns dos outros. Seus integrantes partilham seus conhecimentos para que cada indivíduo melhore sua performance e esteja de acordo com a performance coletiva. Carter conseguiu que todos os integrantes cumprissem as cláusulas do contrato, e o objetivo que era o melhorar o desempenho acadêmico foi alcançado. A partir de então a equipe volta a jogar e chegando até o Campeonato Estadual, porém não conseguiram vencer. Mas a maior vitória foi alcançada fora das quadras como afirma Carter ao se encontrar com os jovens após o jogo: Sr. Carter: Vocês conseguiram algo que algumas pessoas levam... A vida toda tentando encontrar. O que conseguiram... Foi aquela vitória eterna. E, senhores... Eu estou tão orgulhoso de vocês. Há quatro meses, ao aceitar o trabalho, eu tinha um plano. Aquele plano falhou. Eu vim para treinar jogadores de basquete e vocês se tornaram estudantes. Eu vim para ensinar garotos... E vocês se tornaram homens. E por isso, Eu agradeço a vocês. Recorte 7 (02:08:16-02:08:55) Quando Carter afirma que veio para ensinar garotos e os mesmos se tornaram homens, destaca-se o crescimento moral de seus liderados, visto que a essência da liderança

12 tranformacional está não somente em desenvolver o potencial dos liderados, mas fazê-los crescer como pessoas e internalizar os princípios de uma conduta íntegra. 7 Considerações finais Ken Carter é um exemplo de líder transformacional fez de um grupo emerso em conflitos em um time vencedor, em uma equipe de alta performance. Neste processo, assumiu não somente o desenvolvimento das competências da equipe, mas capacitou-os para a vida, conseguiu mudar a conduta, a forma de pensar e reagir ao ambiente no qual estavam inseridos e fez com que assumissem o compromisso com os estudos, e seu objetivo foi alcançado. Este filme faz com que muitas instituições de ensino revejam sua forma de gestão e as instiga a estar sempre comprometidas não somente, com a qualidade e desempenho acadêmico, mas com o indivíduo como um todo, um ser instruído cognitivamente e também dono de um caráter integro e exemplar. É extremamente importante que os líderes assumam e exerçam a liderança transformacional, sendo responsável pelo crescimento e o sucesso de seus liderados, bem como desenvolvam suas equipes a atingir cada vez mais a alta performance em todas as esferas da vida. Referências ADAIR, J. O líder inspirador: como motivar, encorajar e alcançar o sucesso. São Paulo: Futura, ANDRADE, M. M. Introdução a metodologia do trabalho científico: elaboração de trabalhos na graduação. 7. Ed. São Paulo: Atlas, BENNIS, W.; NANUS, B. Líderes: estratégias para assumir a verdadeira liderança. São Paulo: Harbra, COACH Carter. Direção: Thomas Carter. Produção: David Gale, Brian Robbins e Michael Tollin. Intérpretes: Rob Brown, Rick Gonzalez, Samuel L. Jackson, Robert Ri chard, Antwon Tanner, Channing Tatum. MTV Films, DVD (2 hr. 16 min.) DONNELLON, A. Liderança de equipes: escolha sua equipe, comunique as metas, defina as funções, crie um clima de confiança: soluções práticas para os desafios do trabalho. Rio de Janeiro: Elsevier, HUNTER, J. C. O monge e o executivo: uma história sobre a essência da liderança. 17. ed. Rio de Janeiro: Sextante, KATZENBACH, J. A.; SMITH, D. K. A força e o poder das equipes. São Paulo: Makron Books, LUECKE, R. Criando equipes. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, ROSA, E. F. M. Liderança transformacional e transacional: estilo de liderança predominante no departamento de finanças de uma instituição bancária. Dissertação (Mestre em Administração) Universidade Federal do Rio grande do Sul, Porto Alegre, Disponível em: < >. Acesso em: 05 jun TONET, H. et al. Desenvolvimento de equipes. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2009.

Equipes de alta performance e o papel do líder como construtor de resultados

Equipes de alta performance e o papel do líder como construtor de resultados 1 Equipes de alta performance e o papel do líder como construtor de resultados Auriérico dos Santos da Silva (FATEB) aurierico@gmail.com Camila Lopes Ferreira (FATEB) cmilalf@hotmail.com Rodrigo José Ferreira

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

O TRABALHO EM EQUIPE: a multiplicação do talento humano

O TRABALHO EM EQUIPE: a multiplicação do talento humano UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM O TRABALHO EM EQUIPE: a multiplicação do talento humano Prof. Cassimiro Nogueira Jr Hoje, as lideranças que querem obter sucesso, formam equipes de trabalho

Leia mais

Evento técnico mensal

Evento técnico mensal Evento técnico mensal GERENCIAMENTO DE CARREIRA PARA O SUCESSO DO GESTOR DE PROJETOS Fernanda Schröder Gonçalves Organização Apoio 1 de xx APRESENTAÇÃO Fernanda Schröder Gonçalves Coordenadora do Ibmec

Leia mais

Liderança, gestão de pessoas e do ambiente de trabalho

Liderança, gestão de pessoas e do ambiente de trabalho Glaucia Falcone Fonseca O que é um excelente lugar para se trabalhar? A fim de compreender o fenômeno dos excelentes locais de trabalho, devemos primeiro considerar o que as pessoas falam sobre a experiência

Leia mais

Perfil de estilos de personalidade

Perfil de estilos de personalidade Relatório confidencial de Maria D. Apresentando Estilos de venda Administrador: Juan P., (Sample) de conclusão do teste: 2014 Versão do teste: Perfil de estilos de personalidade caracterizando estilos

Leia mais

II. NOSSA MISSÃO, VISÃO E VALORES

II. NOSSA MISSÃO, VISÃO E VALORES I. NOSSA HISTÓRIA A história da Crescimentum começou em 2003, quando o então executivo do Grupo Santander, Arthur Diniz, decidiu jogar tudo para o alto e investir em uma nova carreira. Ele optou por se

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS EM PROJETOS

GESTÃO DE PESSOAS EM PROJETOS GESTÃO DE PESSOAS EM PROJETOS Fernanda Schmidt Bocoli, PMP fernanda-bocoli@hotmail.com EQUIPES DE PROJETOS Quantos de vocês já trabalharam em projetos que... Terminaram com SUCESSO? Terminaram com FRACASSO?

Leia mais

Um dos melhores Programas de Capacitação de Líderes do Mundo

Um dos melhores Programas de Capacitação de Líderes do Mundo Um dos melhores Programas de Capacitação de Líderes do Mundo O Leader Coaching Traning é um programa de treinamento em Coaching para Líderes, licenciado pela World Federation of Coaching (WFC), entidade

Leia mais

PRATICANDO A LIDERANÇA COACHING

PRATICANDO A LIDERANÇA COACHING 8 ENCREPI - PRATICANDO A LIDERANÇA COACHING SARAH MUNHOZ 23/11/09 LIDERANÇA Kotler(1988): processo de movimentar um grupo ou grupos em alguma direção por meios não coercitivos. Robbins (1991): é o processo

Leia mais

LIDERANÇA. Gestão de Recursos Humanos Desenvolvimento Gerencial - Aula 8 Prof. Rafael Roesler

LIDERANÇA. Gestão de Recursos Humanos Desenvolvimento Gerencial - Aula 8 Prof. Rafael Roesler LIDERANÇA Gestão de Recursos Humanos Desenvolvimento Gerencial - Aula 8 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução Conceito de liderança Primeiras teorias Abordagens contemporâneas Desafios à liderança Gênero

Leia mais

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista Uma longa viagem começa com um único passo. - Lao-Tsé Ser Otimista não é uma tarefa fácil hoje em dia, apesar de contarmos hoje

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

APL (Avaliação de Potencial para Liderança)

APL (Avaliação de Potencial para Liderança) APL (Avaliação de Potencial para Liderança) Relatório para: Suzanne Example Data concluida: 14 de junho de 2012 14:41:14 2012 PsychTests AIM Inc. Índice analítico Índice analítico 1/13 Índice analítico

Leia mais

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados Aperfeiçoamento Gerencial para Supermercados Liderança Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo.

Leia mais

Comportamento de grupos. Caso Uma Equipe Desunida. Trabalho em equipe

Comportamento de grupos. Caso Uma Equipe Desunida. Trabalho em equipe Agenda Comportamento de grupos Caso Uma Equipe Desunida Trabalho em equipe 1 Fundamentos do comportamento de grupos 1 Aula 6 Grupos e Equipes de Trabalho Ref.: Robbins, caps. 7 e 8 Definição Um grupo é

Leia mais

Líder do Futuro: o mais completo programa de Formação de Líderes do Brasil

Líder do Futuro: o mais completo programa de Formação de Líderes do Brasil Líder do Futuro: o mais completo programa de Formação de Líderes do Brasil Grandes empresas precisam de grandes líderes. Este foi sem dúvida o melhor treinamento de Liderança que eu já fiz em minha carreira,

Leia mais

Liderança e Gestão Pedagógica: foco nos resultados da aprendizagem dos alunos

Liderança e Gestão Pedagógica: foco nos resultados da aprendizagem dos alunos Liderança e Gestão Pedagógica: foco nos resultados da aprendizagem dos alunos Encontro de Lideranças do PIP - Municipal Belo Horizonte, 05 e 06 de setembro de 2013 Implementação dos CBC Secretaria de Estado

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL Relatório e Análise 2005 Introdução: ``Para que a Construtora Mello Azevedo atinja seus objetivos é necessário que a equipe tenha uma atitude vencedora, busque sempre resultados

Leia mais

09/07/2013. Apresenta

09/07/2013. Apresenta Apresenta 1 por Diana Santos 2 Muitos estudos sobre políticas de gestão de pessoas com vistas a melhorar o desempenho dos colaboradores; Durante toda existência humana, as equipes constituíram a forma

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

Equipe de Alta Performance

Equipe de Alta Performance Equipe de Alta Performance Como chegar a ser uma EAP? Intelectual Razão Cognição Meta Estratégia EQUIPE EAP (Time) BANDO GRUPO Emocional Motivação Relação Ajuda O que é uma Equipe? Éumgrupodepessoas: com

Leia mais

Prefeitura de Porto Alegre. Perfil de Competências

Prefeitura de Porto Alegre. Perfil de Competências Prefeitura de Porto Alegre Perfil de Competências Perfil de Competências Gestão Inovadora A Prefeitura de Porto Alegre, desde 2005, adota um modelo de gestão inovador com uma administração moderna focada

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Willian José Gomes 1 e Adriana Carmo Martins Santos 1

Willian José Gomes 1 e Adriana Carmo Martins Santos 1 135 FEEDBACK 360º NO DESENVOLVIMENTO DA LIDERANÇA EM UMA EMPRESA DO SEGMENTO CALL CENTER Willian José Gomes 1 e Adriana Carmo Martins Santos 1 RESUMO: Este trabalho apresenta como tema central o uso do

Leia mais

A importância do líder para os projetos e para as organizações.

A importância do líder para os projetos e para as organizações. Instituto de Educação Tecnológica Pós-Graduação Gestão de Projetos - Turma nº150 21 de Agosto e 2015 A importância do líder para os projetos e para as organizações. Dêmille Cristine da Silva Taciano Analista

Leia mais

Seminários Públicos Hay Group 2010

Seminários Públicos Hay Group 2010 Seminários Públicos Hay Group 2010 São Paulo, outubro de 2009 É com grande satisfação que estamos lhe apresentando nosso portfólio de seminários abertos Hay Group 2010. Esclarecemos que todos os seminários

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação Acadêmica: Dr. André Valle

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação Acadêmica: Dr. André Valle CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação Acadêmica: Dr. André Valle APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em 1944,

Leia mais

Discutir liderança feminina em pleno século

Discutir liderança feminina em pleno século Liderança feminina Discutir liderança feminina em pleno século XXI parece ultrapassado, mas apenas agora as mulheres começam a ser reconhecidas como líderes eficazes. Somente neste século o reconhecimento

Leia mais

Ana Cláudia Braga Mendonça

Ana Cláudia Braga Mendonça Plano de Cargos e Salários CSJT OCUPAÇÃO DE FUNÇÃO COMISSIONADA E CARGO EM COMISSÃO I - FUNÇÕES COMISSIONADAS (FC-1 - FC-6) 80% > servidores integrantes das Carreiras do Poder Judiciário da União; (Art.3º)

Leia mais

Como liderar uma equipe?

Como liderar uma equipe? Como liderar uma equipe? Ricardo Mallet O cenário atual no mundo dos negócios tem colocado grande responsabilidade nas mãos dos líderes ao exigir a formação de equipes compostas por gerações, culturas

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos.

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos. Gestão de Recursos Humanos Aula 2 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Liderança Competências gerenciais Formação de equipes Empreendedor Liderança X Gerenciamento Conceito e estilos

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

Coaching Executivo: Coaching como instrumento fundamental do Líder

Coaching Executivo: Coaching como instrumento fundamental do Líder Coaching Executivo: Coaching como instrumento fundamental do Líder I Simpósio Coaching - Arte e Ciência CRA-SP 28 de maio de 2013 1 COACH Sentido original da palavra: veículo para transporte de pessoas.

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

Aula 9. Liderança e Gestão de Equipes

Aula 9. Liderança e Gestão de Equipes Aula 9 Liderança e Gestão de Equipes Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br Trabalho em Equipe Nenhum homem é uma ilha, sozinho em si mesmo; Cada homem é parte do continente, parte do

Leia mais

Informativo Bimestral da Siqueira Campos Associados fevereiro de 2011 - ano V - Número 14

Informativo Bimestral da Siqueira Campos Associados fevereiro de 2011 - ano V - Número 14 Informativo Bimestral da Siqueira Campos Associados fevereiro de 2011 - ano V - Número 14 Nesta edição Vídeo: Textron, Seis Sigma uma ponte para o futuro. Lean Office - Layout, orientações práticas. Quatro

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

Motivação de Equipes de Projeto O papel do Gerente de Projetos

Motivação de Equipes de Projeto O papel do Gerente de Projetos Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação em Gestão de Projetos - Turma 150 Agosto/2015 Motivação de Equipes de Projeto O papel do Gerente de Projetos Lucas Rossi Analista de Negócios lucasrossi_@hotmail.com

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

12. TEORIAS CONTINGENCIAIS OU SITUACIONAIS

12. TEORIAS CONTINGENCIAIS OU SITUACIONAIS 12. TEORIAS CONTINGENCIAIS OU SITUACIONAIS Vários estudos foram feitos no sentido de se isolar fatores situacionais que afetam a eficácia da liderança, tais como: a) grau de estruturação da tarefa que

Leia mais

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE COACHING EDUCATION By José Roberto Marques Diretor Presidente - Instituto Brasileiro de Coaching Denominamos de Coaching Education a explicação, orientação e aproximação

Leia mais

Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento

Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento Viviane Maravieski Pereira (UTFPR) vivimaravieski@hotmail.com Isaura Alberton de Lima (UTFPR) alberton@cefetpr.br Resumo: Este artigo

Leia mais

CAFÉ DA MANHÃ COM GESTÃO

CAFÉ DA MANHÃ COM GESTÃO CAFÉ DA MANHÃ COM GESTÃO Todas as sextas-feiras das 08 as 09. Pontualmente Cada sexta se escolhe o palestrante da próxima Tema relacionado à Gestão. Escolha do sorteado Todos os gerentes da SEPLAG e interessados

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira²

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE UM MELHOR APROVEITAMENTO DO GESTOR NA ORGANIZAÇÃO BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² RESUMO O mundo tem passado por constantes mudanças, que têm

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

PAP (Perfil de Avanço Profissional)

PAP (Perfil de Avanço Profissional) PAP (Perfil de Avanço Profissional) Relatório para: Suzanne Example Data concluida: 14 de junho de 2012 14:03:23 2012 PsychTests AIM Inc. Índice analítico Índice analítico 1/10 Índice analítico Índice

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Fórum Empresarial ACAPS - ES Gestão Com Pessoas: mobilizando o comprometimento Prof. Eustáquio Penido 2014

Fórum Empresarial ACAPS - ES Gestão Com Pessoas: mobilizando o comprometimento Prof. Eustáquio Penido 2014 Fórum Empresarial ACAPS - ES Gestão Com Pessoas: mobilizando o comprometimento Prof. Eustáquio Penido 2014 Gente não nasce pronta e vai se gastando; gente nasce não-pronta e vai se fazendo (CORTELLA) DESENVOLVIMENTO

Leia mais

COACHING. Imagem Evolução do Coaching por Coach Douglas Ferreira. Veja um pouco de sua evolução.

COACHING. Imagem Evolução do Coaching por Coach Douglas Ferreira. Veja um pouco de sua evolução. Faculdade Tecnologia Senac. Goiania,29 de maio de 2014. Nome: Thiago Pereira Profº Itair Pereira da Silva GTI 1 - Matutino COACHING O Coaching é um processo, com início, meio e fim, definido em comum acordo

Leia mais

Título de apresentação principal em Calibri tamanho 18

Título de apresentação principal em Calibri tamanho 18 COACHING Título de apresentação principal em Calibri tamanho 18 O novo caminho para o sucesso e a realização pessoal! Todos sabem que para ser médico, advogado, dentista ou engenheiro são necessários anos

Leia mais

O ABC da gestão do desempenho

O ABC da gestão do desempenho Por Peter Barth O ABC da gestão do desempenho Uma ferramenta útil e prática para aprimorar o desempenho de pessoas e organizações 32 T&D INTELIGÊNCIA CORPORATIVA ED. 170 / 2011 Peter Barth é psicólogo

Leia mais

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES Aline Martins Mendes Luciano José Vieira Franco Luis Guilherme Esteves Leocádio Sônia Madali Bosêja

Leia mais

O Exercício da Liderança por meio do Estilo Coaching na Gestão de Equipes KÁTIA DE ARAÚJO

O Exercício da Liderança por meio do Estilo Coaching na Gestão de Equipes KÁTIA DE ARAÚJO O Exercício da Liderança por meio do Estilo Coaching na Gestão de Equipes KÁTIA DE ARAÚJO TÉCNICO GESTOR/COORNDENADOR LÍDER DE NOME Hoover (2006) PODER LÍDER FORMAL Montana (1998) CUMPRIMENTO DAS TAREFAS

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS 1 PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS Porto Alegre RS Março 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

PORTFÓLIO DE CURSOS E COACHING

PORTFÓLIO DE CURSOS E COACHING 11 PORTFÓLIO DE CURSOS E COACHING W W W. C O M U N I C A C A O E M F O C O. C O M. BR SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO QUEM SOMOS... 3 2. CURSOS IN COMPANY 2.1. ORATÓRIA E TÉCNICAS DE APRESENTAÇÃO EM PÚBLICO...

Leia mais

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais?

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais? TEMA - liderança 5 LEADERSHIP AGENDA O Que fazem os LÍDERES eficazes Porque é que certas pessoas têm um sucesso continuado e recorrente na liderança de empresas ou de organizações de todos os tipos? O

Leia mais

31 descobertas sobre liderança

31 descobertas sobre liderança ALTA GERÊNCIA 31 descobertas sobre liderança Estudo Leadership Forecast 2005-2006, realizado pela firma de consultoria Development Dimensions International (DDI), buscou analisar como são percebidas em

Leia mais

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Adriane Hartman (CEFET-PR-PG) adriane.h@terra.com.br Prof. Dr. Dálcio

Leia mais

LIDERANÇA: UMA CHAVE PARA O SUCESSO DA ADMINISTRAÇÃO

LIDERANÇA: UMA CHAVE PARA O SUCESSO DA ADMINISTRAÇÃO 1 LIDERANÇA: UMA CHAVE PARA O SUCESSO DA ADMINISTRAÇÃO Elisângela de Aguiar Alcalde (Docente MSc. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Linda Jennyfer Vaz (Discente do 2º ano do curso de Administração-

Leia mais

Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes. Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva

Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes. Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva CONTEÚDO Porque é o trabalho de equipa importante em salas de aula inclusivas?

Leia mais

e-saberes Liderança Ideias Reflexões e Provocações

e-saberes Liderança Ideias Reflexões e Provocações Liderança Ideias Reflexões e Provocações Conheça todas as teorias, domine todas as técnicas, mas ao tocar uma alma humana seja apenas outra alma humana. Jung Líderes Porque ainda temos necessidade? Necessidades

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL LIDERANÇA

ADMINISTRAÇÃO GERAL LIDERANÇA ADMINISTRAÇÃO GERAL LIDERANÇA Publicado em 12/10/2015 LIDERANÇA A liderança é um fenômeno que ocorre exclusivamente em grupos sociais. Ela é definida como uma influência interpessoal exercida em dada situação

Leia mais

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Prof. Instrutor Elton Siqueira (a) (Arial Moura preto) CURSO DE GESTÃO DE PROJETOS

Leia mais

LÍDER 360º APRESENTAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE LIDERANÇA PARA A GESTÃO PÚBLICA E PRIVADA

LÍDER 360º APRESENTAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE LIDERANÇA PARA A GESTÃO PÚBLICA E PRIVADA PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE LIDERANÇA PARA A GESTÃO PÚBLICA E PRIVADA 24 HORAS DE MUITO CONHECIMENTO, DINÂMICAS E TROCA DE EXPERIÊNCIAS APRESENTAÇÃO LÍDER 360º Os princípios da liderança efetiva Para construirmos

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

Dinâmica de grupo, o grupo e a equipe:

Dinâmica de grupo, o grupo e a equipe: Dinâmica de grupo, o grupo e a equipe: O estudo de grupos sociais surgiu desde os primórdios da sociologia, com suas distinções a respeito de diferentes tipos de grupos e da preocupação com a análise das

Leia mais

Sucesso não é algo que vem com o querer, sempre digo em minhas palestras, que querer não é poder, FAZER, é que é poder!

Sucesso não é algo que vem com o querer, sempre digo em minhas palestras, que querer não é poder, FAZER, é que é poder! Passos inegociáveis para transformar sonhos em resultados de sucesso Elizabeth de Castro Palestrante - Coach e Analista Comportamental E-book Gratuito Departamento de Desenvolvimento Humano da Existencial

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional)

ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional) ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional) 1 Senhor (a) Avaliador (a), a) Para Autoavaliação: utilizar a coluna "A" do campo ; b) Para Avaliação da Equipe de Trabalho: utilizar

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

membros do time, uma rede em que eles possam compartilhar desafios, conquistas e que possam interagir com as postagens dos colegas.

membros do time, uma rede em que eles possam compartilhar desafios, conquistas e que possam interagir com as postagens dos colegas. INTRODUÇÃO Você, provavelmente, já sabe que colaboradores felizes produzem mais. Mas o que sua empresa tem feito com esse conhecimento? Existem estratégias que de fato busquem o bem-estar dos funcionários

Leia mais

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS COACHING EXECUTIVO O DESAFIO DOS EXECUTIVOS Os executivos das empresas estão sujeitos a pressões crescentes para entregarem mais e melhores resultados, liderando as suas organizações através de mudanças

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

Liderança situacional nas organizações

Liderança situacional nas organizações Liderança situacional nas organizações Shayani Estrabelli (Universidade Paranaense Campus Cascavel) shayani_17@hotmail.com Fernanda Pellegrini (Universidade Paranaense Campus Cascavel) fernandampellegrini@hotmail.com

Leia mais

A importância do treinamento em grandes corporações: Um estudo de caso na empresa Schincariol

A importância do treinamento em grandes corporações: Um estudo de caso na empresa Schincariol 1 A importância do treinamento em grandes corporações: Um estudo de caso na empresa Schincariol RESUMO Bruna Aparecida Pereira RAYMUNDO 1 Cristiane Aparecida RABELO 2 Emerson Pallotta RIBEIRO 3 Humberto

Leia mais

LIDERANÇA: a influência do líder na gestão de suas equipes

LIDERANÇA: a influência do líder na gestão de suas equipes LIDERANÇA: a influência do líder na gestão de suas equipes Claudenora Alves da Cruz Rejane Barbosa da Silveira Prof. Esp. Paulo Ricardo Trussardi Maia (Orientador) RESUMO Com o crescimento do mercado ficando

Leia mais

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente Inteligência Emocional A importância de ser emocionalmente inteligente Dulce Sabino, 2008 Conceito: Inteligência Emocional Capacidade de identificar os nossos próprios sentimentos e os dos outros, de nos

Leia mais

Ano: 2012 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS. Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com.

Ano: 2012 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS. Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com. Ano: 2012 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com.br MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS Alinhadas às Diretrizes

Leia mais

Coaching e Constelação Sistêmica A Dança das Ferramentas Colaboração entre estas duas metodologias trazendo resultados mais abrangentes

Coaching e Constelação Sistêmica A Dança das Ferramentas Colaboração entre estas duas metodologias trazendo resultados mais abrangentes Coaching e Constelação Sistêmica A Dança das Ferramentas Colaboração entre estas duas metodologias trazendo resultados mais abrangentes Bert Hellinger soube muito bem como integrar conhecimentos de várias

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

Rafael Siqueira 0 SUCESSO. é apenas seu! 5 passos para conquistar o caminho para o seu Sucesso!

Rafael Siqueira 0 SUCESSO. é apenas seu! 5 passos para conquistar o caminho para o seu Sucesso! 0 SUCESSO é apenas seu! 5 passos para conquistar o caminho para o seu Sucesso! 0 SUCESSO é apenas seu! 5 passos para conquistar o caminho para o seu Sucesso! Versão 1.0 Introdução: Acredito que o processo

Leia mais

Aula 5. Teorias sobre Liderança

Aula 5. Teorias sobre Liderança Aula 5 Teorias sobre Liderança Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br O que é Liderança Capacidade de influenciar um grupo em direção ao alcance dos objetivos. Desafios para o líder: desenvolvimento

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

PESQUISA DE ENGAJAMENTO/COMPROMETIMENTO, DE CLIMA ORGANIZACIONAL OU DE SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES?

PESQUISA DE ENGAJAMENTO/COMPROMETIMENTO, DE CLIMA ORGANIZACIONAL OU DE SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES? PESQUISA DE ENGAJAMENTO/COMPROMETIMENTO, DE CLIMA ORGANIZACIONAL OU DE SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES? Engajamento/comprometimento do colaborador: estado em que esse se encontra de genuíno envolvimento,

Leia mais

Coaching de Equipe: Mitos e Realidade - Pré Congresso Rosa Krausz novembro / 2015

Coaching de Equipe: Mitos e Realidade - Pré Congresso Rosa Krausz novembro / 2015 Coaching de Equipe: Mitos e Realidade - Pré Congresso Rosa Krausz novembro / 2015 Rosa Krausz Coaching de Equipe: Mitos e Realidade EQUIPE Uma EQUIPE é um número limitado de pessoas, com habilidades complementares,

Leia mais

Equipe de Alto Desempenho 307

Equipe de Alto Desempenho 307 36 Equipe de Alto Desempenho 307 O brilho individual de cada integrante da equipe contribui para o reconhecimento da constelação. Uma equipe existe onde há o espírito de cooperação. Nada é impossível.

Leia mais

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL 1.Osnei FranciscoAlves 2. Jéssica Barros 1. Professor das Faculdades Integradas Santa Cruz. Administrador, MBA Executivo em Gestão de Pessoas e

Leia mais

Personal and Professional Coaching

Personal and Professional Coaching Personal and Professional Coaching Seu salto para a excelência pessoal e profissional 1 O novo caminho para o sucesso e a realização pessoal! Todos sabem que para ser médico, advogado, dentista ou engenheiro

Leia mais

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para se focalizar na concretização dos objectivos do serviço e garantir que

Leia mais

FLÁVIA MOTTA Consultora em Gestão de Pessoas Life & Professional Coach Pedagoga, Pós-graduada em Psicologia Organizacional MBA em Gestão de Pessoas

FLÁVIA MOTTA Consultora em Gestão de Pessoas Life & Professional Coach Pedagoga, Pós-graduada em Psicologia Organizacional MBA em Gestão de Pessoas DUO A DUO nasce com mais de 17 anos de experiência de seus fundadores nos segmentos de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas, Gerenciamento de Processos, Esportes e Qualidade de Vida. Com um vasto conhecimento

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE COLABORADORES PARA EQUIPES DE ALTA PERFORMANCE

IDENTIFICAÇÃO DE COLABORADORES PARA EQUIPES DE ALTA PERFORMANCE ISSN 1984-9354 IDENTIFICAÇÃO DE COLABORADORES PARA EQUIPES DE ALTA PERFORMANCE Karina Parcianello Bordin, Fernanda Piccinin Michelin, Norberto Arend Aviles, Janis Elisa Ruppenthal (Universidade Federal

Leia mais