HORTA ACESSÍVEL REGULAMENTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HORTA ACESSÍVEL REGULAMENTO"

Transcrição

1 HORTA ACESSÍVEL REGULAMENTO A Horta Acessível, integrada do Parque Agrícola da Alta de Lisboa é uma iniciativa da AVAAL Associação para a Valorização Ambiental da Alta de Lisboa, com o apoio de vários parceiros. Visa disponibilizar um espaço acessível, com talhões hortícolas adaptados a pessoas com mobilidade reduzida ou necessidades especiais, individuais ou integrados em associações e entidades coletivas que sejam ativas nesta temática. A Horta Acessível pretende incrementar uma dinâmica social local inclusiva, criar oportunidades terapêuticas e possibilitar a realização de atividades hortícolas de outra forma difíceis de realizar por cidadãos com mobilidade reduzida ou necessidades especiais permanentes. A Horta Acessível rege-se pelo presente Regulamento. Artigo 1.º - Visão A Horta Acessível visa permitir a prática de horticultura ecológica adaptada às necessidades específicas de cidadãos com mobilidade reduzida ou necessidades especiais, com benefícios terapêuticos, físicos, psíquicos e sociais, tornando-se exemplo de boas práticas e modelo de replicabilidade. Artigo 2.º - Objetivos a. Promover, entre instituições e pessoas, nomeadamente com necessidades especiais, a responsabilidade partilhada de desenvolver atividades horticolas em espaços verdes urbanos, ajustados às necessidades e interesses dos utilizadores. b. Promover a coesão social através da valorização ambiental, inserindo cidadãos com mobilidade reduzida ou necessidades especiais em atividades e iniciativas em espaço exterior acessível;

2 c. Promover a formação e produção hortícola ecológica, possibilitando o usufruto dos produtos hortícolas ou partilhando-os em iniciativas de cariz inclusivo e/ou comunitário. d. Promover parcerias técnicas com entidades públicas e/ou privadas com vista à sustentabilidade e replicabilidade do projeto e respetivos processos. Artigo 3.º - Admissibilidade a. O candidato (individual ou coletivo) terá de ser associado da AVAAL; b. O candidato (individual ou coletivo) da Horta Acessível é qualquer pessoa com mobilidade reduzida ou necessidades especiais, que pretendam exercer atividade hortícola adaptada, em espaço exterior; c. Será dada preferência a candidaturas de residentes ou instituições com sede nas freguesias do Lumiar, Charneca e Ameixoeira; d. Os talhões na Horta Acessível serão disponibilizados de acordo com a ordem de inscrição; e. A utilização do talhão na Horta Acessível implica o compromisso do candidato (individual ou coletivo) trazer um acompanhante para a atividade; f. A admissibilidade será efetuada de acordo como o seguinte processo, que se pretende o mais eficaz e transparente possível: i. O candidato (individual ou coletivo) preencherá a sua ficha de inscrição que será analisada pela Comissão de Gestão da Horta Acessível de acordo com os critérios de admissibilidade. ii. Os talhões hortícolas serão mantidos pelos utilizadores (individuais ou coletivos) admitidos, com o apoio técnico da AVAAL; Artigo 4.º - Atribuição de talhões hortícolas 1. Sendo um dos objetivos da Horta Acessível responder ao maior número possível de solicitações mas em condições corretas de utilização, a distribuição dos talhões hortícolas será realizada da seguinte forma: TIPO Talhões hortícolas para cegos/ambliopes ou adultos dependentes que possam utilizar os talhões de pé Talhões hortícolas para adultos com mobilidade reduzida ou necessidades espaciais Talhões hortícolas para crianças com mobilidade reduzida ou necessidades especiais N.º DE TALHÕES HORTÍCOLAS 6 talhões hortícolas de c talhões hortícolas de c. 4 9 talhões hortícolas de c. 4

3 2. A atribuição do talhão hortícola é feita de acordo com o tipo de necessidade do candidato (individual ou coletivo) 3. A sua atribuição seguirá os seguintes processos: a. Definição do espaço a ser utilizado por cada pessoa / instituição; b. Identificação do espaço de cada pessoas / instituição por meio de pequena tabuleta amovível; c. Definição do horário em função das especificidades de cada pessoas / instituição. 4. A cedência do talhão hortícola vigorará enquanto a pessoa / instituição mantiver o interesse no mesmo e cumprir os direitos e deveres enunciados no ponto seguinte; 5. O termo de cedência será renovado anualmente; 6. A rescisão do termo de cedência tem um aviso prévio de 15 dias junto da Comissão de Gestão. Artigo 5.º - Direitos e Deveres 1. Os utilizadores têm o dever de: a) Pagar uma mensalidade à AVAAL, enquanto utilizador da Horta Acessível, que se define anualmente e que será cedida por 5 euros por pessoa e por mês, sendo alvo de decisão de manutenção ou revisão numa base anual definida pela Comissão de Gestão; b) Liquidar até dia 8 de cada mês a mensalidade inerentes à utilização da Horta Acessível; c) Frequentar formação em horticultura ecológica, por forma a ter conhecimento das regras de cultivo permitidos, bem como os técnicos acompanhantes; d) Utilizar e zelar pela boa conservação e manutenção de todos os espaços e equipamentos comuns da Horta Acessível; e) Cumprir as regras de boa vizinhança, nomeadamente certificando-se de que as suas culturas não invadem os talhões hortícolas vizinhos; f) Assinar um termo de responsabilidade aquando do recebimento de qualquer chave e fechar sempre o local de armazenamento das alfaias agrícolas e o acesso principal à Horta; g) Zelar pela harmonia estética da horta, nomeadamente através da não utilização de materiais como latas ou similares para efetuar a separação dos talhões hortícolas ou outros fins; h) Avisar a AVAAL de qualquer irregularidade que contrarie os direitos e deveres dos utilizadores; i) Pedir autorização à Comissão de Gestão para a introdução/alteração de elementos que interfiram na estrutura/estética da Horta Acessível; j) Deixar os materiais/ferramentas arrumadas no local para o efeito, sendo vedada a saída dos mesmos para fora da Horta Acessível; h) Respeitas os horários acordados de utilização da Horta Acessível.

4 1. Os utilizadores terão direito a: a) Utilizar o talhão hortícola adaptado que lhe for atribuído e com ponto de água de utilização comum disponível no espaço; b) Usufruir de material vegetal, de acordo com o previamente combinado (quantidade de material vegetal/mês) com a Comissão de Gestão; c) Usufruir das alfaias agrícolas disponíveis na casa de ferramentas; d) Aceder a um local coletivo de armazenamento das alfaias agrícolas; e) Aceder ao compostor comum, do qual podem utilizar o produto final; f) Aceder aos restantes espaços comuns da Horta; g) Utilizar os produtos hortícolas produzidos por si, preferencialmente para consumo próprio, sem prejuízo das iniciativas que possam vir a ser desenvolvidas no sentido de promover a instituição, o projeto ou as suas mais-valias. 3. Os utilizadores não podem: a) Desperdiçar água; b) Efetuar deliberadamente qualquer tipo de danos nos talhões hortícolas nem no espaço envolvente; c) Deixar resíduos na Horta Acessível. Artigo 6.º - Intransmissibilidade dos talhões hortícolas O usufruto de cada talhão hortícola cabe exclusivamente à instituição ou ao utilizador ao qual foi atribuído, estando vedada a sua cedência ou transmissão sob qualquer forma. Artigo 7.º - Comissão de Gestão 1. A Comissão de Gestão será constituída por 3 elementos dos orgãos sociais da AVAAL, nomeados anualmente em Assembleia Geral pelo período de 2 anos. 2. São atribuições da Comissão de Gestão: a) Assegurar a gestão corrente da Horta Acessível, nomeadamente nas suas vertentes logísticas e financeiras; b) Zelar pelo cumprimento do presente Regulamento; c) Manter atualizada a lista de utilizadores e proceder à seleção dos novos utilizadores sempre que haja talhões hortícolas disponíveis; d) Apresentar com periodicidade semestral um relatório com indicadores de avaliação da Horta Acessível à direcção da AVAAL;

5 e) A Comissão de Gestão deverá receber periodicamente sugestões dos utlizadores da Horta Acessível. Artigo 8.º - Aceitação dos talhões hortícolas e início da sua utilização A aceitação e o início dos talhões hortícolas existe a partir do momento da assinatura do termo de cedência escrito de cumprimento das regras de utilização descritas neste Regulamento. Artigo 9.º - Integração de lacunas As lacunas do presente Regulamento serão solucionadas, caso a caso, por deliberação da Comissão de Gestão e com a aceitação da direção da AVAAL.

REGULAMENTO GERAL. Projecto Hortas Comunitárias inserido no Programa Hortas de Cascais

REGULAMENTO GERAL. Projecto Hortas Comunitárias inserido no Programa Hortas de Cascais REGULAMENTO GERAL Projecto Hortas Comunitárias inserido no Programa Hortas de Cascais NOTA O presente Regulamento visa apenas a componente de Hortas Comunitárias, inseridas no Programa Hortas de Cascais

Leia mais

Proposta de alteração ao Regulamento do projecto HORTAS URBANAS DE BEJA

Proposta de alteração ao Regulamento do projecto HORTAS URBANAS DE BEJA Proposta de alteração ao Regulamento do projecto HORTAS URBANAS DE BEJA 1.ª FASE do Projeto (12 meses contados a partir da data de inauguração do espaço) Considerando a vontade da Câmara Municipal de Beja

Leia mais

Regulamento Geral do Projeto Hortas da Vila

Regulamento Geral do Projeto Hortas da Vila Regulamento Geral do Projeto Hortas da Vila Preâmbulo O Presente Regulamento é elaborado no âmbito de uma parceria constituída entre a ADAE Associação de Desenvolvimento da Alta Estremadura, Município

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais ESTATUTOS DO CONSELHO DAS FINANÇAS PÚBLICAS Aprovados pela Lei n.º 54/2011, de 19 de outubro, com as alterações introduzidas pelo artigo 187.º da Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (Grafia adaptada em

Leia mais

Município de Valpaços

Município de Valpaços Município de Valpaços Regulamento Municipal de Atribuição de Apoios às Freguesias Preâmbulo A Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro aprovou o regime jurídico das autarquias locais, o estatuto das entidades

Leia mais

REGRAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO APROVADAS POR DELIBERAÇÃO DE CÂMARA DE 08/02/2012

REGRAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO APROVADAS POR DELIBERAÇÃO DE CÂMARA DE 08/02/2012 REGRAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO APROVADAS POR DELIBERAÇÃO DE CÂMARA DE 08/02/2012 REGRAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA As quintas da periferia da cidade de Évora já representaram um importante

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA FEIRA ANUAL DE SÃO JOÃO 2016

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA FEIRA ANUAL DE SÃO JOÃO 2016 NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA FEIRA ANUAL DE SÃO JOÃO 2016 I DISPOSIÇÕES GERAIS 1.º Data e Eventos Entre os dias 22 e 26 de junho de 2016, realizar-se-á no Parque Municipal de Exposições da Lousã e ruas envolventes,

Leia mais

ACADEMIA PIONEIROS Férias

ACADEMIA PIONEIROS Férias sempre a mexer (regime OCUPAÇÃO ABERTA) Regulamento Interno Férias 2013 Art.º 1 - Informações Gerais 1. As Férias Academia decorrem nas instalações da Academia Pioneiros e seus parceiros, em regime fechado;

Leia mais

Regulamento. 5. O Concurso 50/50, promovido pelo ACM, IP, lançado pela primeira vez em 2015, assume um carácter experimental.

Regulamento. 5. O Concurso 50/50, promovido pelo ACM, IP, lançado pela primeira vez em 2015, assume um carácter experimental. Regulamento PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL Artigo 1º Âmbito 1. O Alto Comissariado para as Migrações, I.P. (doravante ACM, I.P.) propõe a dinamização de um concurso de ideias, denominado Concurso 50/50, destinado

Leia mais

ANTEPROJETO DE REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS DA FREGUESIA DO LUMIAR

ANTEPROJETO DE REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS DA FREGUESIA DO LUMIAR 1 ANTEPROJETO DE REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS DA FREGUESIA DO LUMIAR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto O presente Regulamento define as tipologias de apoios a atribuir pela Junta de

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO Preâmbulo O Regulamento Municipal de Apoio ao Associativismo tem por objetivo definir a metodologia e os critérios de apoio da Câmara Municipal da Nazaré

Leia mais

BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS REGULAMENTO

BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS REGULAMENTO BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS REGULAMENTO Nota introdutória No âmbito das políticas do município para o apoio aos mais desprotegidos, a Câmara Municipal de Nordeste propôs-se criar um Banco de Ajudas Técnicas,

Leia mais

Município de Oliveira do Hospital PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS

Município de Oliveira do Hospital PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS O Município de Oliveira do Hospital entende como de interesse municipal as iniciativas empresariais que contribuem para o desenvolvimento e dinamização

Leia mais

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira PG 02 NOTA JUSTIFICATIVA O presente regulamento promove a qualificação das

Leia mais

REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO NA FREGUESIA DA MISERICÓRDIA

REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO NA FREGUESIA DA MISERICÓRDIA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE APOIOS SOCIAIS A CIDADÃOS RESIDENTES NA FREGUESIA DA MISERICÓRDIA Artigo 1.º (Objeto) O presente Regulamento define a natureza, os objetivos e as condições de atribuição

Leia mais

LICENÇA Nº ICP 01/2001-SP

LICENÇA Nº ICP 01/2001-SP LICENÇA Nº ICP 01/2001-SP O Conselho de Administração do Instituto das Comunicações de Portugal (ICP), em reunião efectuada em 1 de Outubro de 2001, deliberou, ao abrigo da alínea j) do nº 1 e do nº 2,

Leia mais

Regulamento Acredita Portugal Realize o seu Sonho

Regulamento Acredita Portugal Realize o seu Sonho Regulamento Acredita Portugal Realize o seu Sonho REGULAMENTO DA 4ª EDIÇÃO DO CONCURSO "BES REALIZE O SEU SONHO" Capítulo I - Introdução e Objetivos 1.º(Introdução e Objetivos) O Concurso Realize o Seu

Leia mais

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR MUNICÍPIO DE REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS ORGANIZADOS PELO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR PREÂMBULO A organização de campos

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E BOAS PRÁTICAS

CÓDIGO DE CONDUTA E BOAS PRÁTICAS CÓDIGO DE CONDUTA E BOAS PRÁTICAS Fundação Alentejo no Alentejo e para o Alentejo, um projeto para além da esperança Fernanda Ramos 1992 Aprovado na reunião do Conselho de Administração da FA Novembro

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE. Considerando que:

PROTOCOLO ENTRE. Considerando que: PROTOCOLO ENTRE PRIMEIRO: MUNICÍPIO DE ANGRA DO HEROÍSMO, pessoa colectiva de direito público, com o NIPC nº 512 044 040, com sede na Praça Velha, freguesia de Sé, Concelho de Angra do Heroísmo, representado

Leia mais

Normas Internas Lourinhã, maio de 2015

Normas Internas Lourinhã, maio de 2015 Normas Internas Lourinhã, maio de 2015 1 Introdução 1.1 A Incubadora Startup Lourinhã é uma iniciativa da Câmara Municipal da Lourinhã e localiza-se no, na Lourinhã. 1.2 As presentes Normas Internas destinam-se

Leia mais

REGULAMENTO DA BOLSA DE MANUAIS ESCOLARES

REGULAMENTO DA BOLSA DE MANUAIS ESCOLARES Preâmbulo O presente regulamento cumpre o estipulado nos artigos n.º 7.º, 7.º-A, 7.º-B e 13.º-A do Despacho n.º 11886-A/2012, de 6 de setembro (que altera o despacho n.º 18987/2009, de 17 de agosto, com

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ARQUIVO DO TEATRO NACIONAL D. MARIA II, E.P.E.

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ARQUIVO DO TEATRO NACIONAL D. MARIA II, E.P.E. REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ARQUIVO DO TEATRO NACIONAL D. MARIA II, E.P.E. Preâmbulo A Biblioteca Arquivo do Teatro Nacional D. Maria II, E.P.E., também designada por B A, é responsável pela salvaguarda

Leia mais

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I Artigo 1º 1.A resposta Social de Apoio Domiciliário, doravante designado por S.A.D., está situado nas

Leia mais

CONTRATO DE DEPÓSITO ENTRE

CONTRATO DE DEPÓSITO ENTRE CONTRATO DE DEPÓSITO ENTRE DOMINGOS BRAGANÇA SALGADO, casado, natural da freguesia de Pinheiro, do concelho de Guimarães, com domicílio profissional no Largo Cónego José Maria Gomes, nesta cidade de Guimarães,

Leia mais

Atelier de Saúde REGULAMENTO INTERNO

Atelier de Saúde REGULAMENTO INTERNO Serviços de Saúde e Bem-estar Atelier de Saúde REGULAMENTO INTERNO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO EUZINHO ATELIER DE SAÚDE ARTIGO 1º Denominação e Natureza 1. O EUzinho Atelier de Saúde é um programa

Leia mais

FICHA DE ADMISSÃO. Associado nº: Data de entrada: / / Jovem Empresário/Nova Empresa: Sim Não Valor da quota mensal:,

FICHA DE ADMISSÃO. Associado nº: Data de entrada: / / Jovem Empresário/Nova Empresa: Sim Não Valor da quota mensal:, FICHA DE ADMISSÃO (A preencher pela CCIPD) Associado nº: Data de entrada: / / a Jovem Empresário/Nova Empresa: Sim Não Valor da quota mensal:, (A preencher pela Empresa/Empresário) I. Identificação da

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS DO MUNICÍPIO DE BRAGA

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS DO MUNICÍPIO DE BRAGA REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS DO MUNICÍPIO DE BRAGA Preâmbulo O presente Regulamento pretende estabelecer regras sobre a atribuição de subsídios e outros apoios, tendo em consideração a efetiva prossecução

Leia mais

Regulamento dos Apoios Sociais da Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.

Regulamento dos Apoios Sociais da Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1. Regulamento dos Apoios Sociais da Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto 1. O presente regulamento disciplina a atribuição dos apoios sociais

Leia mais

Parceiro Para o Desenvolvimento Sustentável

Parceiro Para o Desenvolvimento Sustentável Parceiro Para o Desenvolvimento Sustentável REGULAMENTO DO PROGRAMA Considerando que a consecução dos objetivos de desenvolvimento sustentável da Região Açores passa necessariamente por uma abordagem e

Leia mais

Não tem terreno em Leiria?

Não tem terreno em Leiria? REGULAMENTO Não tem terreno em Leiria? Adira às hortas comunitárias biológicas Preâmbulo A atividade agrícola de lazer, materializada sob a forma de hortas, para além de suprimir necessidades económicas

Leia mais

REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO

REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO Com a emergência de cada vez mais processos de exclusão social e a persistência de fortes desigualdades sociais, pessoais e espaciais, subjacentes

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DO CACÉM Rua Nova do Zambujal, n.º 9 2735-302 AGUALVA-CACÉM Telefone 219129380 Fax 219129389 jfcacem@mail.telepac.

JUNTA DE FREGUESIA DO CACÉM Rua Nova do Zambujal, n.º 9 2735-302 AGUALVA-CACÉM Telefone 219129380 Fax 219129389 jfcacem@mail.telepac. REGULAMENTO INTERNO CAMPO DE FÉRIAS NÃO RESIDENCIAL CACÉM EM FÉRIAS Nota introdutória É objectivo geral da Junta de Freguesia do Cacém prover a ocupação de tempos livres de crianças e jovens durante o

Leia mais

FREGUESIA DE GALVEIAS

FREGUESIA DE GALVEIAS FREGUESIA DE GALVEIAS REGULAMENTO DE APOIO A INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DA FREGUESIA DE GALVEIAS Rui Manuel Canha Nunes, Presidente da Junta de Freguesia de Galveias, no uso das competências que

Leia mais

Artigo. Grupo. integrante. Artigo. Artigo. novos. públicos;

Artigo. Grupo. integrante. Artigo. Artigo. novos. públicos; sedee do Grupo Desportivo Julho de 2012 CAPÍTULO I: ÂMBITO E ESTRUTURA 1º (Objeto) O presente regulamento define as regras de utilização e cedência das instalações da sede do Grupo Desportivoo e Recreativo

Leia mais

GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES

GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES Art. 1º 1. GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA

Leia mais

ESTATUTOS. Artigo Primeiro. Denominação, natureza jurídica, sede e duração

ESTATUTOS. Artigo Primeiro. Denominação, natureza jurídica, sede e duração ESTATUTOS Artigo Primeiro Denominação, natureza jurídica, sede e duração 1. É constituída a contar da data de hoje e por tempo indeterminado uma associação privada denominada de "LusNIC Associação de Registries

Leia mais

Regulamento da Biblioteca do Instituto de Seguros de Portugal. Capítulo I ASPECTOS GERAIS

Regulamento da Biblioteca do Instituto de Seguros de Portugal. Capítulo I ASPECTOS GERAIS Regulamento da Biblioteca do Instituto de Seguros de Portugal Capítulo I ASPECTOS GERAIS Artigo 1.º Objecto 1. O presente Regulamento estabelece um conjunto de normas a serem observadas e cumpridas pelos

Leia mais

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas.

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas. ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DISTRIBUIÇÃO E DRENAGEM DE ÁGUAS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Natureza 1. A Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas (APDA) é uma associação sem fins

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Nota Justificativa

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Nota Justificativa Regulamento de Concessão de Incentivos ao Investimento REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Nota Justificativa A elaboração do presente Regulamento tem como objetivo criar um conjunto

Leia mais

O complexo das Piscinas Municipais de Pombal inclui as seguintes instalações:

O complexo das Piscinas Municipais de Pombal inclui as seguintes instalações: I DISPOSIÇÕES GERAIS Preâmbulo O presente regulamento estabelece as normas gerais e as condições de cedência e utilização do complexo de piscinas municipais de Pombal, subordinando-se às disposições legais

Leia mais

REGULAMENTO REDE C+ CENTRO

REGULAMENTO REDE C+ CENTRO REGULAMENTO REDE C+ CENTRO Índice 1 Apresentação da Rede C+...3 1.1. Destinatários...3 1.2. Aderentes à Rede C+...4 2 Adesão à Rede C+...5 2.1 Requisitos de adesão à Rede C+...5 2.1.1 REDE C + COMERCIAL...6

Leia mais

Fondo Europeo de Desarrollo Regional

Fondo Europeo de Desarrollo Regional Anúncio da Autoridade de Gestão (Vice-secretaria da Economia e Assuntos Económicos com a União Europeia do Governo das Canárias), pelo qual se dá publicidade à primeira convocatória do Programa Operacional

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA CULTURA

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA CULTURA Formulário de candidatura (DLR n.º 9/2014/A, de 3 de julho) Edição de obras Culturais 1. Identificação do candidato Nome Morada Código Postal - Localidade Freguesia Concelho Ilha Telefone Fax Correio Eletrónico

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Preâmbulo

PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Preâmbulo PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Preâmbulo A elaboração do presente Regulamento tem como objetivo criar um conjunto de regras e princípios que permitam dotar o Município

Leia mais

INCLUSÃO SOCIAL NOS TRANSPORTES PÚBLICOS DA UE

INCLUSÃO SOCIAL NOS TRANSPORTES PÚBLICOS DA UE DIREÇÃO-GERAL DAS POLÍTICAS INTERNAS DEPARTAMENTO TEMÁTICO B: POLÍTICAS ESTRUTURAIS E DE COESÃO TRANSPORTES E TURISMO INCLUSÃO SOCIAL NOS TRANSPORTES PÚBLICOS DA UE SÍNTESE Resumo O presente relatório

Leia mais

Normas de Contratação de Publicidade

Normas de Contratação de Publicidade Normas de Contratação de Publicidade Outdoors Eletrónicos (LEDS) e Mupi 1. Disposições Gerais 1.1 A contratação de publicidade a difundir pela Urbhorta EEM nos espaços publicitários (Outdoors eletrónicos

Leia mais

Artigo 3.º (Atividades) Com vista à prossecução da sua missão, o LabSI2 poderá desenvolver as seguintes atividades:

Artigo 3.º (Atividades) Com vista à prossecução da sua missão, o LabSI2 poderá desenvolver as seguintes atividades: Regulamento do Laboratório de Sistemas de Informação e Interatividade Departamento de Engenharia Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Beja Laboratório de Sistemas de Informação e Interatividade LabSI2

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal Divisão Jurídica e Administrativa (DIJA) DELIBERAÇÃO DA REUNIÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE 19 DE ABRIL DE 2016 Serviço responsável pela execução da deliberação Divisão de Desenvolvimento Social Epígrafe 9.2.

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições Gerais

CAPÍTULO I Disposições Gerais BEPA Banco de Empréstimo de Produtos de Apoio CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO 1.º Âmbito de Aplicação 1. O BEPA Banco de Empréstimo de Produtos de Apoio (PA) é um serviço da APPACDM de Lisboa. 2.

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO E A CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO E A CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO E A CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ Entre: O MUNICÍPIO DA LOUSÃ, pessoa coletiva n.º 501121528, com sede na Vila da Lousã, neste

Leia mais

Regulamento Interno Academia Pioneiros

Regulamento Interno Academia Pioneiros Regulamento Interno Academia Pioneiros Art.º 1 - Informações Gerais 1. A Academia Pioneiros decorre nas suas próprias instalações, em regime fechado; 2. Cabe à Direção dos Pioneiros de Bragança Futsal

Leia mais

SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI)

SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Nº 03 / SAFPRI / 2009 SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI) CONSTITUIÇÃO OU REFORÇO DE FUNDOS DE CAPITAL DE RISCO (FCR) PROJECTOS FASE

Leia mais

2012,DIGE,I,I,25846 2012-12-20

2012,DIGE,I,I,25846 2012-12-20 REGULAMENTO MUNICIPAL DO PARQUE EMPRESARIAL DO CASARÃO PREÂMBULO A criação de bolsas de solo municipal, destinadas à instalação de actividades industriais, é uma das acções mais relevantes para o desenvolvimento

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1 NORMAS DE APOIO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DE SAÚDE DO CONCELHO DE FARO Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Faro Solicito que seja

Leia mais

qualidade de: Proprietário Mandatário Usufrutuário Superficiário Promitente

qualidade de: Proprietário Mandatário Usufrutuário Superficiário Promitente 1/5 REQUERIMENTO PARA: Despacho: Espaço reservado aos serviços PEDIDO DE CERTIDÃO DE URBANISMO Nº Reg. DUR Data: / / Nº Guia: Valor: Rubrica: Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra (nome do

Leia mais

Nota: Por enquanto ainda não existem ME s no mercado pelo que ainda não é possível contratar o ME em vez do FCT.

Nota: Por enquanto ainda não existem ME s no mercado pelo que ainda não é possível contratar o ME em vez do FCT. Fundo de Compensação do Trabalho e o PHC Entrou em vigor no passado dia 1 de outubro de 2013 a Lei nº 70/2013, de 30 de Agosto, que criou dois fundos de compensação do trabalho, com o intuito de assegurar

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1.º Âmbito e finalidades

Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1.º Âmbito e finalidades REGULAMENTO: PARTIS - PRÁTICAS ARTÍSTICAS PARA INCLUSÃO SOCIAL Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Âmbito e finalidades 1. A Fundação Calouste Gulbenkian tem vindo a apoiar ao longo dos anos diversas

Leia mais

NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE GUIMARÃES

NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE GUIMARÃES NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE GUIMARÃES - PROPOSTA DE TRABALHO - NORMAS DE PARTICIPAÇÃO III Edição do Orçamento Participativo de Guimarães - Ano de 2015 1 O presente documento enuncia

Leia mais

PREÂMBULO. Artigo 1.º Competências para o tratamento da rede de efluentes

PREÂMBULO. Artigo 1.º Competências para o tratamento da rede de efluentes PREÂMBULO O sistema de tratamento de efluentes domésticos, comerciais e industriais a jusante do sistema de captação tratamento e armazenamento de água potável, tem vindo a ser implementado de acordo com

Leia mais

Prémio Inovação Valorpneu 2014. Regulamento. Índice

Prémio Inovação Valorpneu 2014. Regulamento. Índice Regulamento Prémio Inovação Valorpneu 2014 Índice Artigo 1º... 2 Denominação... 2 Artigo 2º... 2 Objetivos... 2 Artigo 3º... 2 Âmbito... 2 Artigo 4º... 2 Destinatários... 2 Artigo 5º... 3 Prémios a atribuir...

Leia mais

REGULAMENTO BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS E INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA (BATIP)

REGULAMENTO BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS E INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA (BATIP) REGULAMENTO BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS E INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA (BATIP) O presente documento concretiza e sistematiza o serviço «Banco de Ajudas Técnicas e Intervenção Psicológica», gerido pela (Re)Integrar

Leia mais

Regulamento do Serviço de Consulta Psicológica da Universidade da Madeira

Regulamento do Serviço de Consulta Psicológica da Universidade da Madeira Regulamento do Serviço de Consulta Psicológica da Universidade da Madeira Preâmbulo No âmbito dos novos desafios, exigências e problemas que se colocam às universidades nacionais e internacionais e aos

Leia mais

Artigo 1.º. Âmbito e objeto

Artigo 1.º. Âmbito e objeto PROJETO DE REGULAMENTO DO CONCURSO PÚBLICO PARA A SELEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS DE INVESTIGAÇÃO E SUA INTEGRAÇÃO NO ROTEIRO NACIONAL DE INFRAESTRUTURAS DE INVESTIGAÇÃO DE INTERESSE ESTRATÉGICO Artigo 1.º

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO DO INR, I.P. ÀS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO DO INR, I.P. ÀS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO DO INR, I.P. ÀS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS Preâmbulo Considerando a missão do INR, I.P., enquanto organismo público, de assegurar o planeamento, execução e

Leia mais

PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL MANUAL OPERACIONAL

PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL MANUAL OPERACIONAL 2015 PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL 2015 MANUAL OPERACIONAL Prémios Europeus de Promoção Empresarial 2015 2/13 ÍNDICE 1. DEFINIÇÃO E JUSTIFICAÇÃO... 3 1.1. Um prémio que reconhece a excelência

Leia mais

ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES

ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES 1 ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES CADERNO DE ENCARGOS Artigo 1.º Objeto A Câmara Municipal de

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal FÉRIAS Cód.: FER Nº: 55 Versão: 10 Data: 01/02/2016 DEFINIÇÃO Período de descanso remunerado com duração prevista em lei. REQUISITOS BÁSICOS 1. Servidor efetivo: - Possuir 12 (doze) meses de efetivo exercício

Leia mais

Ficha de Caracterização das Comissões de Protecção de Crianças e Jovens (CPCJ)

Ficha de Caracterização das Comissões de Protecção de Crianças e Jovens (CPCJ) Ficha de Caracterização das Comissões de Protecção de Crianças e Jovens (CPCJ) (Ao abrigo da Lei Nº 147/99, de 1 de Setembro- Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo) 1. Identificação da Comissão

Leia mais

REGULAMENTO PROJETO SERVIÇOS E CIDADANIA

REGULAMENTO PROJETO SERVIÇOS E CIDADANIA REGULAMENTO PROJETO SERVIÇOS E CIDADANIA Este documento descreve as práticas gerais de uso do PROJETO SERVIÇOS E CIDADANIA do Grupo Paranaense de Comunicação, administrado pelo Instituto GRPCOM. O PROJETO

Leia mais

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime Lisboa, 2014 www.bportugal.pt http://clientebancario.bportugal.pt SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS 3.ª reedição, janeiro de 2016 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71

Leia mais

Fundamentação. Artigo 1º Âmbito

Fundamentação. Artigo 1º Âmbito Regulamento Interno Fundamentação As preocupações sociais da Associação Vidas Cruzadas estão bem patentes nos objetivos de intervenção desta Instituição. Face ao atual contexto socioeconómico cujas consequências

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio ao Associativismo Desportivo

Regulamento Municipal de Apoio ao Associativismo Desportivo Regulamento Municipal de Apoio ao Associativismo Desportivo Exposição dos Motivos Do conjunto das atribuições que estão confiadas aos Municípios destacam-se as intervenções nas áreas de tempos livres e

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO. Entre. o Ministério da Economia e do Emprego e o Ministério da Educação e Ciência

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO. Entre. o Ministério da Economia e do Emprego e o Ministério da Educação e Ciência PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO Entre o Ministério da Economia e do Emprego e o Ministério da Educação e Ciência A promoção e o desenvolvimento da formação profissional direcionada para áreas de aposta estratégica

Leia mais

Regulamento de Taxas da Freguesia de Santo António

Regulamento de Taxas da Freguesia de Santo António PREÂMBULO As taxas das autarquias locais, nos termos do artigo 3.º da Lei n.º 53 -E/2006, de 29 de dezembro, são tributos que assentam na prestação concreta de um serviço público local, na utilização privada

Leia mais

FACULDADE DE ARARAQUARA

FACULDADE DE ARARAQUARA SUMÁRIO CAPÍTULO I: CONSTITUIÇÃO, FINALIDADES E COMPETÊNCIAS... 2 CAPÍTULO II: DO CADASTRO DE USUÁRIOS... 3 CAPÍTULO III: DA CONSULTA AO ACERVO... 4 CAPÍTULO IV: DOS EMPRÉSTIMOS... 4 CAPÍTULO V: DO ATRASO

Leia mais

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 6/12/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 ÂMBITO

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 6/12/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 ÂMBITO PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE Deliberações CMC POR: 6/12/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 PATRIMÓNIO CULTURAL ENTRADA EM VIGOR EM 9/08/2012 NA REDAÇÃO DADA PELA DELIBERAÇÃO

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DE VENDA E INSTALAÇÃO DO PARQUE EMPRESARIAL DE PROENÇA-A-NOVA

PROJETO DE REGULAMENTO DE VENDA E INSTALAÇÃO DO PARQUE EMPRESARIAL DE PROENÇA-A-NOVA PROJETO DE REGULAMENTO DE VENDA E INSTALAÇÃO DO PARQUE EMPRESARIAL DE PROENÇA-A-NOVA PREÂMBULO Considerando que ao Município de Proença-a-Nova é sócio único da empresa municipal Pepa Parque Empresarial

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Santa Maria Secretaria Geral de Governo DECRETO EXECUTIVO Nº159 DE 07 DE JULHO DE 2006

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Santa Maria Secretaria Geral de Governo DECRETO EXECUTIVO Nº159 DE 07 DE JULHO DE 2006 DECRETO EXECUTIVO Nº159 DE 07 DE JULHO DE 2006 Estabelece Normas para o Requerimento de Licença Temporária para Realização de Eventos em geral, no Município de Santa Maria e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

INSTRUMENTOS DE ENGENHARIA FINANCEIRA NA PAC PÓS 2013

INSTRUMENTOS DE ENGENHARIA FINANCEIRA NA PAC PÓS 2013 NA PAC PÓS 2013 Pedro M.S.Raposo Ribeiro SEMINÁRIO Lisboa, Auditório da CAP 26 Junho 2013 COM O APOIO DE: GÉNESE E OBJETIVOS DO ESTUDO 2 ENQUADRAMENTO O recurso à utilização de Instrumentos Financeiros

Leia mais

CORUCHE EMPREENDE - Núcleo de Inovação e Empreendedorismo

CORUCHE EMPREENDE - Núcleo de Inovação e Empreendedorismo CORUCHE EMPREENDE - Núcleo de Inovação e Empreendedorismo NORMAS DE FUNCIONAMENTO Capítulo I Objetivos e Estrutura Interna Artigo 1º. (Natureza) CORUCHE EMPREENDE - Núcleo de Inovação e Empreendedorismo

Leia mais

UTILIDADE GÍMNICA NACIONAL (UGN) a Clubes, entidades coletivas e empresas

UTILIDADE GÍMNICA NACIONAL (UGN) a Clubes, entidades coletivas e empresas Regulamento do Programa de Atribuição da Certificação da UTILIDADE GÍMNICA NACIONAL (UGN) a Clubes, entidades coletivas e empresas (Aprovado em reunião de direção no dia 03-03-2015) ARTIGO 1º Âmbito O

Leia mais

Programa de Formação para Profissionais

Programa de Formação para Profissionais Programa de Formação para Profissionais 1 O ACESSO À INFORMAÇÃO DE SAÚDE DIREITOS, PROCEDIMENTOS E GARANTIAS Sérgio Pratas smpratas@gmail.com Maio e Junho 2015 2 Programa: 1. O acesso à informação de saúde

Leia mais

PROGRIDE - Programa para a Inclusão e Desenvolvimento. Acção: Banco de Ajudas Técnicas. Regulamento de Funcionamento Versão 2

PROGRIDE - Programa para a Inclusão e Desenvolvimento. Acção: Banco de Ajudas Técnicas. Regulamento de Funcionamento Versão 2 PROGRIDE - Programa para a Inclusão e Desenvolvimento Acção: Banco de Ajudas Técnicas Regulamento de Funcionamento Versão 2 Preâmbulo O presente regulamento insere-se no projecto "ParticipAR - Inovação

Leia mais

CIRCULAR. N.Refª: 98/2015 Data: 02/12/15. ASSUNTO: ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 2/2015 Projetos de Formação-Ação Modalidade Projetos Conjuntos

CIRCULAR. N.Refª: 98/2015 Data: 02/12/15. ASSUNTO: ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 2/2015 Projetos de Formação-Ação Modalidade Projetos Conjuntos CIRCULAR N.Refª: 98/2015 Data: 02/12/15 ASSUNTO: ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 2/2015 Projetos de Formação-Ação Modalidade Projetos Conjuntos Exmos. Senhores, No seguimento da publicação do Aviso 34/SI/2015 e

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR Aprovado em Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social de Gondomar de 16 de março de 2015, em Reunião de Câmara de 01

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SÓCIO-PROFÍSSIONAL DOS PERÍTOS FORENSES DA POLÍCIA JUDICIÁRIA

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SÓCIO-PROFÍSSIONAL DOS PERÍTOS FORENSES DA POLÍCIA JUDICIÁRIA ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SÓCIO-PROFÍSSIONAL DOS PERÍTOS FORENSES DA POLÍCIA JUDICIÁRIA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E OBJECTO Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação adopta a denominação de ASSOCIAÇÃO

Leia mais

De acordo com o disposto nos Estatutos da AAUMa, a Reunião Geral de Alunos aprova o seguinte Regulamento de Voluntariado: Preâmbulo

De acordo com o disposto nos Estatutos da AAUMa, a Reunião Geral de Alunos aprova o seguinte Regulamento de Voluntariado: Preâmbulo De acordo com o disposto nos Estatutos da AAUMa, a Reunião Geral de Alunos aprova o seguinte Regulamento de Voluntariado: Preâmbulo A Resolução da Assembleia da República n.º 7/99, de 19 de fevereiro,

Leia mais

PLANO ANUAL DE ESTÁGIOS CURRICULARES NÃO REMUNERADOS 2015/2016

PLANO ANUAL DE ESTÁGIOS CURRICULARES NÃO REMUNERADOS 2015/2016 PLANO ANUAL DE ESTÁGIOS CURRICULARES NÃO REMUNERADOS 2015/2016 1. Introdução 2. Plano Anual de Estágios não Remunerados 3. Candidatura e seleção dos estagiários 4. Formalização dos estágios 5. Acompanhamento

Leia mais

REGULAMENTO PORTA-A-PORTA: TRANSPORTE DE CIDADÃOS COM MOBILIDADE CONDICIONADA. Preâmbulo

REGULAMENTO PORTA-A-PORTA: TRANSPORTE DE CIDADÃOS COM MOBILIDADE CONDICIONADA. Preâmbulo REGULAMENTO PORTA-A-PORTA: TRANSPORTE DE CIDADÃOS COM MOBILIDADE CONDICIONADA Preâmbulo O Programa de Ação Torres ao Centro Regeneração Urbana no Centro Histórico de Torres Vedras surge na sequência da

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE COMODATO PARA EXPLORAÇÃO DO BAR DA PISCINA

MINUTA DE CONTRATO DE COMODATO PARA EXPLORAÇÃO DO BAR DA PISCINA MINUTA DE CONTRATO DE COMODATO PARA EXPLORAÇÃO DO BAR DA PISCINA DAS PARTES Pelo presente instrumento particular de contrato, que tem de um lado , brasileiro, residente à ,

Leia mais

Direitos e Deveres dos Alunos e Pais / Encarregados de Educação

Direitos e Deveres dos Alunos e Pais / Encarregados de Educação ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS CÓNEGO JOÃO JACINTO GONÇALVES DE ANDRADE Morada: Estrada da Lapa, 9350-079 Campanário Contactos: Correio Eletrónico: eb23jjgandrade@madeira-edu.pt Telefone: 291950310 Fax:

Leia mais

PREFEITURA DE PORTO VELHO

PREFEITURA DE PORTO VELHO LEI Nº. 1628, DE 27 DE OUTUBRO DE 2005. Institui a Política Municipal de fomento à Economia Popular e Solidária na Cidade de Porto Velho e estabelece outras disposições. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PORTO

Leia mais

Condições Gerais de Prestação do Serviço Telefónico Acessível ao Público num Local Fixo através de Cartão Virtual de Chamadas 1.

Condições Gerais de Prestação do Serviço Telefónico Acessível ao Público num Local Fixo através de Cartão Virtual de Chamadas 1. Condições Gerais de Prestação do Serviço Telefónico Acessível ao Público num Local Fixo através de Cartão Virtual de Chamadas da MEO - Serviços de Comunicações e Multimédia, S.A., com sede na Av. Fontes

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

Estatutos da ELSA UMinho

Estatutos da ELSA UMinho Estatutos da ELSA UMinho Título I Princípios Gerais Capítulo I Identificação e Fins Artigo 1º The European Law Students' Association 1 - A The European Law Students' Association da Universidade do Minho,

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS

PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS 1/13 FORMULÁRIO DE CANDIDATURA ( nº SM ) Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra Solicito que seja apreciado o pedido de candidatura

Leia mais

Já fui beneficiário de uma mobilidade Erasmus. Posso candidatar-me novamente? Durante quanto tempo poderei realizar o período de mobilidade?

Já fui beneficiário de uma mobilidade Erasmus. Posso candidatar-me novamente? Durante quanto tempo poderei realizar o período de mobilidade? ERASMUS+ - MOBILIDADE DE ESTUDANTES PERGUNTAS FREQUENTES O que é o Erasmus+? Quais os tipos de mobilidade a que posso concorrer? Quem pode candidatar-se? Que restrições existem? Já fui beneficiário de

Leia mais

REGULAMENTO DE HORTAS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BEJA 2011

REGULAMENTO DE HORTAS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BEJA 2011 REGULAMENTO DE HORTAS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BEJA 2011 Considerando a vontade da Câmara Municipal de Beja no aproveitamento do potencial das hortas urbanas enquanto espaços de fins múltiplos, nomeadamente

Leia mais

Artigo 3º Bolsas de Investigação para Frequência de Estágios

Artigo 3º Bolsas de Investigação para Frequência de Estágios PROGRAMA OPERACIONAL DE VALORIZAÇÃO DO POTENCIAL HUMANO E COESÃO SOCIAL DA RAM EIXO I EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMAÇÃO AVANÇADA DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE FORMAÇÃO AVANÇADA E QUALIFICAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais