Ata da XXIª reunião e VIª Assembléia Geral Ordinária do Instituto Opará Cultura, Meio Ambiente e Cidadania Ano de 2010.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ata da XXIª reunião e VIª Assembléia Geral Ordinária do Instituto Opará Cultura, Meio Ambiente e Cidadania Ano de 2010."

Transcrição

1 Ata da XXIª reunião e VIª Assembléia Geral Ordinária do Instituto Opará Cultura, Meio Ambiente e Cidadania Ano de Aos trinta dias do mês de abril do ano de dois mil e dez, na sede do Instituto Opará Cultura, Meio Ambiente e Cidadania, as 14:00 horas, localizado na rua Leblon, nº 14, Bairro Jk, cidade de Três Marias estado de Minas Gerais, reuniram-se Silvia Freedman Ruas Durães, Eduardo Mendes de Almeida, Paulo Emilio Torga Bellardini, Sabrina Braga Gonçalves Bellardini, Marcos Aurélio Cirino, Elaine Mendes de Almeida, Elisângela Mendes de Almeida, Ananda Martins Bento, Frederico Ruas Durães, Graciete Calixto da Silva, Joaquim Durães Paulino, Janete Ruas Durães, Raquel Pereira de Sousa, Ilta Helia Mendes, para a vigésima primeira reunião ordinária do Instituto Opará Cultura, Meio Ambiente e Cidadania e para a sexta Assembléia Geral dos membros do Instituto Opará em defesa das águas, das pessoas e dos peixes do Rio São Francisco para eleição, posse, eleição da diretoria para o mandato 2010 a 2015 e alteração estatutária. Nesse momento iniciou a execução do hino nacional e logo após a senhora Silvia Freedman Ruas Durães presidente desse instituto começou a reunião dando boas vindas a todos os membros e começou a relatar a necessidade de se realizar essa assembléia de eleição e posse pois o atual mandato esta vencido desde o dia 04 de abril desse ano. Também ressaltou a necessidade de se realizar as alterações estatutárias necessárias para que o Instituto Opará possa solicitar a sua inscrição estadual para poder comercializar os produtos das oficinas profissionalizantes dos jovens da serralheria e dos jovens do Corte e costura e bordado. Assim sendo passou então a averiguação do quorum onde foi constatado que havia presente a maioria absoluta dos membros conforme o artigo 29 parágrafo único do estatuto o que fez com que a presidente declarasse instalada a Assembléia Geral Ordinária para eleição e posse e alteração estatutária, aprovação do relatório da diretoria, aprovação da programação anual de 2010 e aprovação do balanço e prestação de contas de 2009, conforme o edital de publicação divulgado no dia 17 de março do corrente ano. Posto isso iniciou-se então a instalação da VI Assembléia Geral Ordinária do ano de 2010 do Instituto Opará Cultura, Meio Ambiente e Cidadania. A presidente iniciou reafirmando o compromisso de todos com a instituição e reforçando a necessidade de trabalhos voltados a cidadania, ética, resgate e inserção social e meio ambiente. Assim sendo passou-se a ordem do dia relatando toda a pauta de deliberações, nesse momento a senhora presidente propôs que fizéssemos primeiramente a eleição para que

2 regularizássemos o mandato e assim continuasse a deliberação dos demais pontos de pauta. Nesse momento todos aceitaram. Assim a presidente solicitou a todos que apresentassem as chapas para que o processo eleitoral iniciasse. Nesse momento a presidente também pediu para que a senhora Elisangela Mendes de Almeida membro do Conselho Fiscal pudesse proceder o recebimento das chapas e presidir o processo eleitoral. Nesse momento a senhora Raquel Pereira de Souza propôs uma chapa onde constava: Presidente Silvia Freedman Ruas Duraes, Diretor Administrativo senhora, Elisangela Mendes de Almeida Vitorino, Diretor Financeiro - Raquel Pereira de Souza, Diretor de Ética Janete Ruas Durães, Diretor de Planejamento Marcos Aurélio Cirino, Diretor de Projetos Eduardo Mendes de Almeida, Diretor de Conteúdo Sabrina Braga Gonçalves Bellardini, Diretor de Programação Paulo Emilio Torga Bellardini ; Apresentou ainda a chapa de composição do Conselho Fiscal sendo: Graciette Calixto da Silva, Joaquim Durães Paulino e Elaine Mendes de Almeida como Titulares e como suplente Frederico Ruas Durães. Nesse momento foi solicitada a apresentação de novas chapas ou de novas propostas de composição o que não houve sendo declarado pelo plenário que todos acordaram em uma única chapa a que foi apresentada para o exercício do mandato para 2010 a 2015 devido o sucesso da equipe na condução dos trabalhos e os bons resultados dos projetos em exercício. Assim sendo o senhor Marcos Aurelio Cirino declarou que em time que está ganhando não se mexe e que a única necessidade era de recondução de alguns membros dentro das diretorias para promover uma rotatividade entre as diretorias e colocar algumas pessoas que tem mais afinidades com algumas áreas em suas devidas competências. Assim nesse momento foi colocada em votação a chapa única apresentada e essa foi aprovada por unanimidade com aplausos. Nesse momento então a presidente reeleita agradeceu a confiança e todos se cumprimentaram e parabenizaram pelo exercício de diretoria para o mandato de 30/04/2010 a 30/ A presidente passou então ao segundo ponto de pauta e propôs que primeiramente todos pudessem analisar os documentos formais e obrigatórios anuais para em seguida discutir o estatuto, todos aprovaram e assim passou-se a apresentação do Relatório de Atividades da diretoria do ano de 2009, a senhora Sabrina Braga Gonçalves Bellardini leu o relatório na íntegra após lido foi colocado em discussão e foi aprovado por unanimidade. A presidente passou então a apresentação da prestação de contas do ano de 2009 que já foi aprovado pelo conselho Fiscal pediu a diretora administrativa senhora Elisangela que distribuísse uma copia resumida a cada um dos membros, o que foi feito na hora e

3 todos puderam acompanhar a apresentação da prestação de contas. Após apresentado a prestação de contas a senhora presidente colocou em discussão e ninguém se manifestou assim sendo perguntou a todos se poderia homologar a prestação de contas e todos concordaram. Passou-se nesse momento para a apresentação da programação do Instituto Opará para o ano de 2010 sendo resumidamente: 1) Executar o projeto Arte de Gente com o convênio com o Instituto Votorantim,; 2) Executar o Projeto Pela Paz no Beira Rio com o Ministério Publico e prestar contas procedendo a inauguração do Posto de Policiamento ainda no decorrer do ano de ) Produzir bolsas ecológicas e obras de arte de serralheria juntamente com os jovens parceiros do instituto Opará. 4) Propor novos projetos e premiações; 5) Estruturar o comitê de Bacias Hidrográficas e executar suas atividades de acordo com o plano de trabalho do CBH-SF4. Assim sendo, nesse momento todos ficaram muito satisfeitos com a programação do ano para o Opará e aprovaram por unanimidade. Nesse momento a senhora Silvia Freedman Ruas Durães reeleita presidente desse Instituto Opará Cultura, Meio Ambiente e Cidadania passou para o ponto de pauta de alteração estatutária perguntando a todos se receberam com 30 dias de antecedência a minuta de alteração estatutária e todos responderam que sim. Nesse momento perguntou a todos se gostariam de ir direto aos artigos a serem alterados ou se gostariam de fazer uma leitura por completo no Estatuto, o senhor Eduardo Mendes Diretor de Projetos propôs que fosse lido item a item para que todos se familiarizassem com nossas regras dizendo que nunca é demais os estudos de nossos artigos e incisos, mas que fosse constado em ata somente as alterações estatutárias propostas pois caso contrario deveria ser transcrito tudo novamente, nesse momento todos concordaram, ficando aprovado que passaria o estatuto item a item para novo estudo mas constaria nessa ata somente as alterações. Nesse momento houve um pouco de barulho e o senhor Paulo Emilio Torga Bellardini sugeriu nesse instante que todos fossem acompanhando a leitura do estatuto e dos pontos sugeridos alterações e se alguém tivesse sugestões poderia falar pontualmente, todos aceitaram essa sugestão e a presidente passou a ler e todos a acompanhar conforme passa a expor todo o Estatuto e ficando então alterado no Capitulo I no artigo 2º segundo a seguinte redação do inciso dez: X apoiar o surgimento e as iniciativas de Empreendedores Sociais, por meio da comercialização dos produtos originados de suas oficinas profissionalizantes de Corte, Costura e Bordado e da oficina de Serralheria, comercializando os produtos oriundos do aprendizado dos jovens, bem como da sua capacidade profissional de desenvolver produtos com padrão de mercado podendo comercializar desde os produtos como artesanato e também os

4 produtos oriundos da área de confecção da oficina de Corte, Costura e Bordado e oriundos da Serralheria, feitos da reciclagem ou não de matérias primas; Nesse momento também foi lido a redação do inciso onze que foi incluído ficando da seguinte forma: XI - Fica também o Instituto Opará Cultura, Meio Ambiente e Cidadania com o objetivo de prestar serviço social e ambiental para o bem comum da população da bacia hidrográfica do Rio São Francisco, bem como para o Estado de Minas Gerais. Nesse momento foi colocada em discussão os incisos e não houve proposta de alteração ficando então com a redação acima descrita. Todos os itens foram lidos artigo por artigo, incisos, parágrafos e todos os membros acordaram nessa redação final. Nesse momento a presidente perguntou se todos concordaram com as alterações e foi aprovada por unanimidade. A senhora Janete Ruas ressaltou a importância da alteração principal desse estatuto no que diz respeito a comercialização dos produtos do Instituto Opará para que os jovens possam empreender e comercializar seus produtos que não deixa a desejar para outros profissionais de mercado. Nesse momento a senhora Elisangela Mendes de Almeida sugeriu a data de cinco de junho de 2010 para a próxima reunião e todos aprovaram, então eu Elisangela Mendes de Almeida Diretora Administrativa do Opará, secretariei a presente assembléia desse instituto e não tendo mais nada a declarar lavrei a presente ata que após lida e aprovada será assinada por todos.

5 ESTATUTO DO INSTITUTO OPARÁ Cultura, Meio Ambiente e Cidadania. CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS. Art. 1º. O INSTITUTO OPARÁ Cultura, Meio Ambiente e Cidadania, também designado Instituto Opará, constituído em 03/02/2005 (Três de fevereiro de 2005), é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos e duração por tempo indeterminado, com sede e foro no município de Três Marias, Estado de Minas Gerais. Art. 2º. O Instituto Opará tem por finalidades: I - defesa, preservação e conservação do meio ambiente e promoção do desenvolvimento sustentável e do desenvolvimento social e econômico; II - articular e firmar convênios e parcerias com organismos, nacionais e internacionais no sentido de promover ações e educação sócio-ambiental; III apoiar, adotar iniciativas comunitárias, e promover a recuperação social, ambiental e hídrica de sub-bacias hidrográficas; IV - promoção da cultura, defesa e conservação do patrimônio histórico e artístico, especialmente do Patrimônio Histórico e Cultural da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco; V - propor e atuar na idealização, mobilização, criação, instalação e gestão de recursos hídricos do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco e seus tributários, assim como de suas agências técnicas; VI firmar convênios, contrato de gestão, e/ou termo de parceria com instituições e órgãos públicos e privados, nacionais ou internacionais para o desenvolvimento de projetos e programas, ações e campanhas que tenham como objetivo a melhoria da qualidade ambiental, social, econômica e cultural na bacia hidrográfica do Rio São Francisco e seus tributários, bem como de outras bacias hidrográficas do país, de domínio da união ou dos estados; VII congregar pessoas físicas e jurídicas de direito público, privado e de qualquer natureza, desde que não possuam restrições legais e que assumam compromissos quanto ao bem estar e sobrevivência da humanidade, observando a harmonia possível com o ambiente natural, com os recursos hídricos, e o controle a todas as formas de depredação do meio ambiente, capazes de afetar o equilíbrio ecológico;

6 VIII - propor a criação do Comitê da Reserva da Biosfera do Cerrado aos órgãos responsáveis por criá-lo; e desenvolver ações referentes. IX - desenvolver ações práticas, projetos e programas para a melhoria e preservação ambiental do Bioma do Cerrado; X apoiar o surgimento e as iniciativas de Empreendedores Sociais, por meio da comercialização dos produtos originados de suas oficinas profissionalizantes de Corte, Costura e Bordado e da oficina de Serralheria, comercializando os produtos oriundos do aprendizado dos jovens, bem como da sua capacidade profissional de desenvolver produtos com padrão de mercado podendo comercializar desde os produtos como artesanato e também os produtos oriundos da área de confecção da oficina de Corte, Costura e Bordado e oriundos da Serralheria, feitos da reciclagem ou não de matérias primas; XI - Fica também o Instituto Opará Cultura, Meio Ambiente e Cidadania com o objetivo de prestar serviço social e ambiental para o bem comum da população da bacia hidrográfica do Rio São Francisco, bem como para o Estado de Minas Gerais. XII estimular a criação e promover o cumprimento das leis federal, estaduais e municipais específicas da política ambiental e da Política Nacional e Estadual de Recursos Hídricos; XIII promoção da educação, especialmente da educação ambiental conforme a Lei 9795 de 27/04/99 que institui a Política Nacional de Educação Ambiental; XIV - promover o voluntariado, a solidariedade e a gestão participativa; XV promoção da paz, da ética, da cidadania, dos direitos humanos, da democracia e de outros valores universais; XVI - realizar estudos e pesquisas, desenvolvimento de tecnologias alternativas, produção e divulgação de informações e conhecimentos técnicos e científicos que digam respeito às atividades fins da instituição e que para os fins desse artigo, a dedicação nas atividades previstas, configuram-se através da execução de projetos, programas, planos de ações correlatas, por meio da doação de recursos físicos, humanos e financeiros, ou ainda pela prestação de serviços intermediários de apoio a outras organizações sem fins lucrativos e a órgãos do setor público que atuem em áreas afins; XVII praticar intercâmbio com entidades e setores afins, podendo participar de redes, grupos e similares; XVIII desenvolver atividades visando à formação, capacitação de lideranças para atuação junto aos setores populares, contribuindo para a melhoria do nível de organização e participação; XIX promover atividades editoriais lato sensu, de caráter cientifico ou popular, didático e pedagógico, com vistas a divulgar

7 conhecimentos, bem como organizar e manter serviços de documentação, biblioteca, videoteca, hemeroteca e afins; XX representar seus associados, judicial ou extra-judicialmente, em iniciativas que pratiquem atos lesivos ao interesse do meio ambiente, ao patrimônio histórico, cultural e artístico, à probidade administrativa e aos direitos da cidadania; XXI desenvolver projetos sociais, culturais, e ambientais para a conservação e preservação de espécies da flora e fauna; XXII- Promoção da assistência social; XXIII propor a criação de unidades de conservação, bem como fazer a gestão dessa unidade sob administração pública ou particular que possuam ou não planos de gestão em geral, como plano de manejo ou plano diretor; XXIV promover o desenvolvimento rural e agro-ecológico através da realização de diversas atividades, incluindo cursos e programas de desenvolvimento local, programas técnicos na área de biodiversidade, recursos hídricos, agro-florestamento, agricultura familiar, segurança alimentar e melhoria de solos. XXV Participar de Conselhos internacionais, nacionais, estaduais, regionais e municipais, bem como de estruturas com esse formato. Parágrafo Único O INSTITUTO OPARÁ - Cultura, Meio Ambiente e Cidadania, não distribui entre os seus sócios ou associados, conselheiros, diretores, empregados ou doadores eventuais excedentes operacionais, brutos ou líquidos, dividendos, bonificações, participações ou parcelas do seu patrimônio, auferido mediante o exercício de suas atividades, e os aplica integralmente na consecução do seu objetivo social. Art. 3º. No desenvolvimento de suas atividades, o INSTITUTO OPARÁ Cultura, Meio Ambiente e Cidadania observará os princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade, economicidade e da eficiência e não fará qualquer discriminação de raça, cor, gênero ou religião. Parágrafo Primeiro O INSTITUTO OPARÁ Cultura, Meio Ambiente e Cidadania se dedica às suas atividades por meio da execução direta de projetos, programas ou planos de ações, por meio da doação de recursos físicos, humanos e financeiros, ou prestação de serviços intermediários de apoio a outras organizações sem fins lucrativos e a órgãos dos setores públicos e privados que atuam em áreas afins. Parágrafo Segundo - A área de atuação do Instituto Opará Cultura, Meio Ambiente e Cidadania é a Bacia Hidrográfica do Rio São

8 Francisco e seus tributários, em especial o Alto e Médio Rio São Francisco e o Estado de Minas Gerais. Art. 4º. O INSTITUTO OPARÁ Cultura, Meio Ambiente e Cidadania terá um Regimento Interno que, aprovado pela Assembléia Geral, disciplinará o seu funcionamento e a diretoria poderá emitir Portarias e Ordens Executivas. Art. 5º. A fim de cumprir suas finalidades, a Instituição se organizará em tantas unidades de prestação de serviços, quantas se fizerem necessárias, as quais se regerão pelas disposições estatutárias. Art. 6º. O INSTITUTO OPARÁ Cultura, Meio Ambiente e Cidadania, para sua consecução dos objetivos previstos, poderá criar e operar Editora, Rádio Educativa, TV Educativa, TV Comercial, WEB e WAP cujos atos constitutivos serão elaborados e aprovados pela Assembléia Geral. Parágrafo Primeiro Os serviços de radiodifusão educativa outorgados ao INSTITUTO OPARÁ com esta característica, terão fins exclusivamente educativos e culturais. Parágrafo Segundo Os programas elaborados pelo INSTITUTO OPARÁ, para serem irradiados através das estações radio difusoras educativas permitidas ou concedidas pelo poder público, estarão sempre a disposição do Ministério da Educação, para fins de veiculação em emissoras de outros Municípios, Estados ou União. Parágrafo Terceiro Os estabelecimentos de ensino superior, sediados em Municípios cobertos pelos sinais das estações radio difusoras educativas, poderão mediante convênios ou contratos, participar na programação irradiada pelas emissoras educativas do INSTITUTO OPARÁ. Parágrafo Quarto Os administradores constituídos para administração dos objetivos elencados serão brasileiros, nos termos constitucionais e sua investidura nos cargos somente poderá ocorrer depois de haverem sido aprovados pelo órgão competente no Ministério da Comunicação. Parágrafo Quinto Para a consecução dos objetivos elencados será constituído um conselho de Programação encarregado de analisar e aprovar o conteúdo pedagógico, cultural dos programas que será assim constituído: I- Diretoria Administrativa II- III- IV- Diretoria de Programação Diretoria Técnica Diretoria de Conteúdo V- Diretoria de Planejamento VI- Diretoria de Projetos

9 CAPÍTULO II DOS SÓCIOS Art. 7º. O INSTITUTO OPARÁ Cultura, Meio Ambiente e Cidadania é constituído por número ilimitado de sócios, pessoas físicas e jurídicas, que preencherem as condições estabelecidas nesse estatuto, distribuídos nas seguintes categorias: fundador, efetivo, honorário, voluntário e patrocinador que serão admitidos após aprovação da Assembléia Geral. I- sócio Fundador são aqueles que estiveram presentes e assinaram a Ata de Fundação do INSTITUTO OPARÁ. II- sócio efetivo são as pessoas físicas que venha solicitar sua adesão até 90 dias após o registro do presente em cartório. III- sócio Honorário são aqueles que em qualquer oportunidade façam significativa doação ou prestem relevantes serviços voluntários ao INSTITUTO OPARÁ. IV- sócios voluntário são as pessoas físicas que venham participar de serviços voluntários do INSTITUTO OPARÁ no desenvolvimento de suas atividades, e que venha solicitar sua adesão. V- sócio patrocinador são as pessoas físicas e/ou jurídicas que vierem a patrocinar as atividades do INSTITUTO OPARÁ, de forma constante ou periódica, e que venha solicitar sua adesão Parágrafo único as pessoas jurídicas somente terão direito a 01 (um) voto. Art 8º - Uma pessoa física ou jurídica pode participar de mais de uma categoria de associado, podendo optar. Art 9º - Os associados não respondem, nem mesmo subsidiariamente, pelos encargos da Instituição. CAPÍTULO III DA ADMISSÃO, SUSPENSÃO, EXCLUSÃO E DEMISSÃO. Art 10. Para a admissão do sócio, o mesmo deverá preencher uma ficha cadastral, a qual será analisada pela Diretoria e Assembléia Geral, que uma vez aprovada será informado seu número de matricula e a categoria a que pertence. Art 11º. Quando um associado infringir o presente estatuto ou venha a exercer atividades que comprometa a ética, moral ou aspecto financeiro do INTITUTO OPARÁ o mesmo será passível de sanções, que serão analisadas e aplicadas pela Diretoria, da seguinte forma: a) Advertência pôr escrito,

10 b) Suspensão de seus direitos pôr tempo determinado, c) Exclusão do quadro de associados. Art 12º. A advertência pôr escrito será elaborada e entregue pela Diretoria, com aviso de recebimento, informando o motivo da penalidade aplicada. Art 13º. Ocorrendo a repetição do fato, o associado será suspenso dos seus direitos pôr um prazo não superior a 150 dias corridos, pela Diretoria, com exposição de motivos. Art 14º. Perdurado o fato, ou que venha a cometer mais transtornos, no prazo de 06 meses corridos, o associado será conduzido pela Diretoria Executiva a pautar junto a Assembléia Geral Extraordinária, sugerindo a sua exclusão. Art 15º. Para demissão espontânea do associado, basta o mesmo encaminhar a solicitação do seu afastamento, temporário ou definitivo, através de uma correspondência, dirigida a secretaria do INSTITITO OPARÁ. Art 16º. O associado que venha solicitar a sua demissão espontânea, poderá retornar ao quadro de associado a qualquer momento, exceto quando houver um precedente administrativo pendente, quando do seu afastamento, a qual deverá ser aprovado em reunião de Diretoria, que encaminhará para ser aprovada pela Assembléia Geral Ordinária. Art 17º. Quando ocorrer falta grave pôr parte do associado que venha a comprometer o INSTITUTO OPARÁ a Assembléia Geral poderá excluí-lo sem a necessidade de advertência ou suspensão. Art 18º. Todo associado encaminhado para exclusão, terá direito a defesa na assembléia extraordinária, convocada para o fim. CAPÍTULO IV DOS DIREITOS E DEVERES DOS ASSOCIADOS Artº 19. São direitos dos sócios quites com suas obrigações sociais: a) Votar e ser votado para os cargos eletivos; b) Decidir os casos omissos nesse estatuto; c) Freqüentar a sede do INSTITUTO OPARÁ; d) Usufruir os serviços oferecidos pelo INSTITUTO OPARÁ; e) Participar das assembléias; f) Aos sócios fundadores e efetivos de candidatar a cargos eletivos;

11 Art 20º. São deveres do associado: a) Acatar as decisões da Assembléia; b) Atender aos objetivos e finalidades do INSTITUTO OPARÁ; c) Cumprir e fazer cumprir as disposições estatutárias e regimentais d) Manter se em dia com as contribuições sociais e financeiras e) Zelar pelo nome do INSTITUTO OPARÁ; f) Participar das atividades do INSTITUTO OPARÁ; g) Alertar a diretoria e as autoridades competentes sobre transgressões às leis conservacionistas ou problemas ambientais na bacia; Art 21º. Os sócios efetivos poderão pleitear os cargos eletivos desde que estejam em pleno gozo de seus direitos. Art. 22º. Os associados poderão formar grupos de trabalho independente da estrutura administrativa, para desenvolver atividades como: a) Serviços de voluntariado; b) Eventos de confraternização; c) Grupos de estudos e pesquisas; Parágrafo único Para realização das atividades os referidos grupos deverão comunicar a secretaria do INSTITUTO OPARÁ indicando um responsável pelas atividades e solicitar a disponibilidade de recursos, mediante a aprovação da Diretoria. Capítulo V DA ADMINISTRAÇÃO Art. 23. O INSTITUTO OPARÁ Cultura, Meio Ambiente e Cidadania será administrado por: I Assembléia Geral; II Conselho Fiscal; III Diretoria Executiva; Art 24. O INSTITUTO OPARÁ poderá remunerar a Diretoria da entidade e aqueles que prestam serviços específicos e que atuem efetivamente na gestão executiva, respeitados, em ambos os casos, os valores praticados pelo mercado, na região correspondente a sua área de atuação; Art 25. O (s) membro (s) da Diretoria Executiva e do Conselho Fiscal que faltar(em), sem justificativa aprovada a 04 (quatro) reuniões alternadas e a 03 (três) consecutivas perderá automaticamente o

12 cargo, sendo substituído pelo suplente ou por sócio quite com suas obrigações, Art. 26. A Assembléia Geral, órgão soberano da Instituição, se constituirá dos sócios em pleno gozo de seus direitos estatutários. Art. 27. Compete à Assembléia Geral: I eleger e destituir a Diretoria Executiva e o Conselho Fiscal; II decidir sobre reformas do Estatuto; III decidir sobre a extinção da Instituição, nos termos do artigo 33; IV decidir sobre a conveniência de alienar, transigir, hipotecar ou permutar bens patrimoniais; V aprovar o Regimento Interno; VI alterar o estatuto; VII Aprovar a indicação para secretário(a) executivo(a), bem como acompanhar seus trabalhos VIII - deliberar sobre casos omissos; Art. 28. A Assembléia Geral se realizará, ordinariamente, uma vez por ano para: I aprovar a proposta de programação anual da Instituição, submetida pela Diretoria. II apreciar o relatório anual da Diretoria; III discutir e homologar as contas e o balanço aprovado pelo Conselho Fiscal; IV Avaliar sobre os convênios, parcerias e campanhas que o INSTITUTO OPARA realizar; Art. 29. A Assembléia Geral se realizará, extraordinariamente, quando convocada: I pela Diretoria; II pelo Conselho Fiscal; III por requerimento de no mínimo 51% dos sócios quites com as obrigações sociais. Parágrafo único nos casos de destituição dos administradores e de alteração do estatuto e exclusão de associado, a assembléia só poderá deliberar em primeira convocação com a maioria absoluta dos associados ou com menos de um terço nas convocações seguintes, sendo exigido o voto concorde de dois terços dos presentes à assembléia especialmente convocada para esse fim, cuja decisão sempre caberá recursos á assembléia geral.

13 Art. 30. A convocação da Assembléia Geral será feita por meio de edital afixado na sede da Instituição ou publicado na imprensa local, por circulares ou outros meios convenientes, com antecedência mínima de 30 dias. Parágrafo Único qualquer Assembléia se instalará em primeira convocação com a maioria dos sócios e, em segunda convocação, com qualquer número, excetuando a assembléias previstas no parágrafo único do artigo 29. Art. 31. A instituição adotará práticas de gestão administrativa, necessárias e suficientes, a coibir a obtenção, de forma individual ou coletiva, de benefícios e vantagens pessoais, em decorrência da participação nos processos decisórios. Art. 32. A Diretoria é o órgão executivo da administração do INSTITUTO OPARÁ e será constituída por: - Presidente, - Diretor Administrativo, - Diretor Financeiro - Diretor Ética - Diretor de Planejamento - Diretor de Projetos Eduardo Mendes de Almeida - Diretor de Conteúdo - Diretor de Programação Parágrafo Único a diretoria executiva é composta por integrantes quites com suas obrigações, será eleita em assembléia geral, com mandato de 05 (cinco) anos, sendo permitida a reeleição. Art. 33. Compete à Diretoria: I elaborar e submeter à Assembléia Geral a proposta de programação anual da Instituição; II executar a programação anual de atividades da Instituição; III elaborar e apresentar à Assembléia Geral o relatório anual; IV - reunir-se com instituições públicas e privadas para mútua colaboração em atividades de interesse comum; V - contratar e demitir funcionários; Art. 34. Compete ao Presidente: I- representar o INSTITUTO OPARÁ judicial e extrajudicialmente II- cumprir e fazer cumprir este Estatuto e o Regimento Interno;

14 III- IV- convocar e presidir as Assembléias Gerais convocar e presidir as reuniões da Diretoria V- assinar cheques, contratos e qualquer documento financeiro em nome da instituição, sempre em conjunto com o Diretor Financeiro, ou Administrativo, VI- VII- Ordenar as despesas e assinar outros documentos relativos á tesouraria, juntamente com o Diretor Financeiro; Firmar contratos de prestação de serviços desde que autorizados pelo Diretor Administrativo e Financeiro; VIII- Determinar as metodologias administrativas a serem executadas; IX- Decidir sobre aquisição e vendas de bens móveis e/ou imóveis Art 35. Compete ao Diretor Administrativo: I- Representar o INSTITUTO OPARÁ judicial e extra judicialmente, na falta do Presidente; II- III- IV- Cumprir e fazer cumprir esse Estatuto e o Regimento Interno Definir sobre a contratação de funcionários, em conjunto com o Presidente. Substituir o presidente, em seu impedimento, por motivo de viagens, férias ou etc. V- Assinar cheques, contratos e qualquer documento financeiro em conjunto com o Presidente sempre na impossibilidade do Diretor Financeiro; Art. 36. Compete ao Diretor Financeiro: I- Assinar cheques, contratos e qualquer documento financeiro em nome da instituição, sempre em conjunto com o presidente II- III- Cumprir e fazer cumprir este Estatuto e o Regimento Interno Definir sobre a contratação de empréstimos, negociações junto as instituições financeiras nacionais e internacionais, em conjunto com o Presidente; Art 37. Compete ao Diretor de Planejamento: I- definir as ações a serem executadas pela instituição II- cumprir e fazer cumprir este Estatuto e o Regimento Interno III- Apresentar nas Assembléias Gerais as ações executadas pela Instituição e as que serão executadas;

15 IV- Controlar as ações executadas, acompanhando junto aos órgãos públicos os planos de trabalhos apresentados e aprovados pela Diretoria V- assinar cheques, contratos e qualquer documento financeiro, em conjunto com o Presidente, sempre na impossibilidade do Diretor Financeiro e ou Administrativo Art. 38.Compete ao Diretor de Projetos I- realizar ações no que consiste em elaboração prévia de projetos e planos de trabalhos iniciais, junto com seus respectivos beneficiários e/ou parceiros II- III- cumprir e fazer cumprir este Estatuto e o Regimento Interno realizar as ações necessárias a execução dos projetos do Instituto Opará; Art 39. Compete ao Diretor de Conteúdo: I- verificar a consistência da execução e resultados das ações implantadas; II- cumprir e fazer cumprir este Estatuto e o Regimento Interno Art 40. Compete ao Diretor de Programação: I- avaliar toda a programação e inserções de marcas em todas as ações a serem expostas em trabalhos diversos; II- cumprir e fazer cumprir este Estatuto e o Regimento Interno Art 41. Compete ao Diretor de Ética: I- avaliar o andamento das ações executadas em todas as áreas e diretorias; II- cumprir e fazer cumprir este Estatuto e o Regimento Interno Art. 42. O Conselho Fiscal será constituído por 03 (Três) membros titulares e 01 (um) suplente, eleitos pela Assembléia Geral. 1º O mandato do Conselho Fiscal será coincidente com o mandato da Diretoria; 2º Em caso de vacância, o mandato será assumido pelo respectivo suplente até o seu término. Art. 43. Compete ao Conselho Fiscal: I examinar os livros de escrituração da Instituição;

16 II fiscalizar e opinar sobre os balancetes e respectiva documentação, assim como outros relatórios gerados, emitindo pareceres para os organismos superiores da entidade; III requisitar ao Diretor Financeiro, a qualquer tempo, documentação comprobatória das operações econômico-financeiras realizadas pela Instituição; IV contratar e acompanhar o trabalho de eventuais auditores externos independentes e de convênios firmados; V convocar extraordinariamente a Assembléia Geral; VI colaborar nas demais atividades da diretoria administrativa, bem como dos filiados; Parágrafo Único o Conselho Fiscal se reunirá ordinariamente a cada 06 (seis) meses e, extraordinariamente, sempre que necessário. CAPITULO VI DOS RECURSOS FINANCEIROS Art. 44. Os recursos financeiros necessários a manutenção da instituição poderão ser obtidos pôr: I- Contrato de Gestão, Termos de parceria, convênios e contratos firmados com poder público para financiamento de projetos na área de atuação. II- III- IV- Contrato e acordos firmados com empresas e agências nacionais e internacionais; Doações, legados e heranças Rendimento de aplicações de seus ativos financeiros e outros, pertinentes ao patrimônio sob a sua administração V- Contribuição espontânea dos associados VI- Recebimento de direitos autorais. Capítulo VII DO PATRIMÔNIO Art. 45. O patrimônio do INSTITUTO OPARÁ Cultura, Meio Ambiente e Cidadania será constituído de bens móveis, imóveis, veículos, semoventes, ações e títulos da dívida pública.

17 Art. 46. No caso de dissolução da Instituição, o respectivo patrimônio líquido será transferido à outra pessoa jurídica qualificada nos termos da Lei 9.790/99, preferencialmente que tenha o mesmo objetivo social. Art. 47. Na hipótese da Instituição obter e, posteriormente, perder a qualificação instituída pela Lei 9.790/99, o acervo patrimonial disponível, adquirido com recursos públicos durante o período em que perdurou aquela qualificação, será contabilmente apurado e transferido a outra pessoa jurídica qualificada nos termos da mesma Lei, preferencialmente que tenha o mesmo objetivo social. Capítulo VIII DA PRESTAÇÃO DE CONTAS Art. 48. A prestação de contas da Instituição observará no mínimo: I - os princípios fundamentais de contabilidade e as Normas Brasileiras de Contabilidade; II - a publicidade, por qualquer meio eficaz, no encerramento do exercício fiscal, ao relatório de atividades e das demonstrações financeiras da entidade, incluindo as certidões negativas de débitos junto ao INSS e ao FGTS, colocando-os à disposição para o exame de qualquer cidadão; III - a realização de auditoria, inclusive por auditores externos independentes se for o caso, da aplicação dos eventuais recursos objeto de Contrato de Gestão, Termo de Parceria, conforme previsto em regulamento; IV - a prestação de contas de todos os recursos e bens de origem pública recebidos será feita, conforme determina o parágrafo único do Art. 70 da Constituição Federal. Capítulo IX DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 49. O INSTITUTO OPARÁ Cultura, Meio Ambiente e Cidadania será dissolvido por decisão da Assembléia Geral Extraordinária, especialmente convocada para esse fim, quando se tornar impossível à continuação de suas atividades. Art. 50. O presente Estatuto poderá ser reformado, a qualquer tempo, por decisão da maioria absoluta dos sócios, em Assembléia Geral especialmente convocada para esse fim, e entrará em vigor na data de seu registro em Cartório. Art. 51. Os casos omissos serão resolvidos pela Diretoria e referendados pela Assembléia Geral.

18

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P Legenda: Texto em negrito: cláusulas que devem necessariamente constar do estatuto, por força da Lei nº 9.790/99 Texto em

Leia mais

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E FINS Art. 1 A União Garcense de Aeromodelismo (UGA) é uma pessoa jurídica de direito privado, entidade

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PROJETO MORADIA PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA COMUNIDADE DO PARAISÓPOLIS ESTATUTO. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ASSOCIAÇÃO PROJETO MORADIA PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA COMUNIDADE DO PARAISÓPOLIS ESTATUTO. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ASSOCIAÇÃO PROJETO MORADIA PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA COMUNIDADE DO PARAISÓPOLIS ESTATUTO Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º O PROJETO MORADIA PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA COMUNIDADE

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIAS DE INDUSTRIALIZAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES (ITIE) SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO

ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIAS DE INDUSTRIALIZAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES (ITIE) SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIAS DE INDUSTRIALIZAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES (ITIE) SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O INSTITUTO DE TECNOLOGIAS DE INDUSTRIALIZAÇÃO

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1 o - A (o) também designada (o) pela sigla, (se usar sigla), fundada (o) em de de é uma associação, sem

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. MOINHOS DA CIDADANIA - Projetos de Desenvolvimento Social

ESTATUTO SOCIAL. MOINHOS DA CIDADANIA - Projetos de Desenvolvimento Social 1 ESTATUTO SOCIAL MOINHOS DA CIDADANIA - Projetos de Desenvolvimento Social Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º A organização não-governamental Moinhos da Cidadania - Projetos de Desenvolvimento

Leia mais

Estatuto Social da Ação Comunitária da Chácara Santo Antonio e região

Estatuto Social da Ação Comunitária da Chácara Santo Antonio e região Estatuto Social da Ação Comunitária da Chácara Santo Antonio e região Da Denominação, Sede e Fins Artigo 1º - A Ação Comunitária da Chácara Santo Antonio e região é uma associação civil, de direito privado,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS Artigo 1º O Centro de Referência em Informação Ambiental com sede e foro na cidade de Campinas na Avenida Romeu Tortima 388, Cidade Universitária, é uma sociedade

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: Art. 01º - A Associação de Promoção à Assistência Social, Educacional e de Desenvolvimento Econômico de Goiás,

Leia mais

ESTATUTO PREMATURIDADE.COM CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADES

ESTATUTO PREMATURIDADE.COM CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADES ESTATUTO PREMATURIDADE.COM CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADES Artigo 1º A Associação Brasileira de Pais, Familiares, Amigos e Cuidadores de Bebês Prematuros, desde já também designado pela

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO DELTA DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO PIAUÍ CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO DO INSTITUTO DELTA DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO PIAUÍ CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO DO INSTITUTO DELTA DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO PIAUÍ CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O INSTITUTO DELTA DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO PIAUÍ,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE FANFARRAS E BANDAS

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE FANFARRAS E BANDAS ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE FANFARRAS E BANDAS Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. A Associação Paulista de Fanfarras e Bandas, também designada pelas siglas, OCIFABAN (Organização Cultural

Leia mais

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO OSCIP

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO OSCIP ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO OSCIP Capítulo I Da Denominação, Sede e Fins Art. 1º - O Instituto CicloBR de Fomento à Mobilidade Sustentável, neste estatuto designada

Leia mais

Estatuto Social. Contribuir para a revitalização do Distrito Industrial, tanto na sua imagem quanto na sua infra-estrutura.

Estatuto Social. Contribuir para a revitalização do Distrito Industrial, tanto na sua imagem quanto na sua infra-estrutura. Estatuto Social Da Denominação, Sede e Fins Artigo 1º - A Associação Distrito Vivo (ADV) é uma associação civil, de pessoas jurídicas instaladas no Distrito Industrial de duração indeterminada, apartidária,

Leia mais

Estatuto do Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas

Estatuto do Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas Estatuto do Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas (IQUANTA) Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E FINALIDADES Art. 1º - O Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas,

Leia mais

Brigada 1 Combate Voluntário a Incêndios Florestais CNPJ 05 840 482 0001/01

Brigada 1 Combate Voluntário a Incêndios Florestais CNPJ 05 840 482 0001/01 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - Da Denominação, da Sede, do Foro e do Prazo de Duração Art. 1º - A Brigada 1, também designada pela sigla B1, constituída aos vinte e três dias de março de dois mil e três,

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO

ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO 1 ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO ESTATUTO 2011 2 SUMÁRIO CAPÍTULO TÍTULO I Da Denominação, Sede e Fins II Dos Associados III Da Administração IV Do Patrimônio V Da Prestação de Contas VI Das Disposições

Leia mais

ESTATUTO AMARRIBO BRASIL

ESTATUTO AMARRIBO BRASIL ESTATUTO AMARRIBO BRASIL Aprovado em Assembleia Geral de 02/08/2014 Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS. Artigo 1º - Os Amigos Associados de Ribeirão Bonito AMARRIBO- doravante designada por entidade,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DO CARSTE CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DO CARSTE CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DO CARSTE CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1 - O Instituto do Carste, também designado pela sigla IC, constituído em 15 de dezembro de 2007, é uma pessoa jurídica

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE, PATRIMÔNIO HISTÓRICO E DIFUSÃO DA CULTURA E EDUCAÇÃO

ASSOCIAÇÃO DE PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE, PATRIMÔNIO HISTÓRICO E DIFUSÃO DA CULTURA E EDUCAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE, PATRIMONIO HISTORICO E DIFUSÃO DA CULTURA E EDUCAÇÃO APRECED - TITULO I DA ORGANIZAÇÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, CONSTITUIÇÃO E FINALIDADES Art.

Leia mais

Modelo de estatuto de Associação

Modelo de estatuto de Associação Modelo de estatuto de Associação CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Associação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com autonomia administrativa

Leia mais

REDE DE SEMENTES DO CERRADO ESTATUTO SOCIAL

REDE DE SEMENTES DO CERRADO ESTATUTO SOCIAL REDE DE SEMENTES DO CERRADO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. A REDE DE SEMENTES DO CERRADO, também designada neste Estatuto por REDE, é uma associação civil, pessoa jurídica

Leia mais

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP Capitulo I Da DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º - A Afinidades GLSTAL Gays, Lésbicas, Simpatizantes e Transgênero de Alagoas também

Leia mais

GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O GRUPO DE AJUDA À CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO também designado

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO ESTRE DE RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL CNPJ/MF N.º 08.483.074/0001-38 CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO

ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO ESTRE DE RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL CNPJ/MF N.º 08.483.074/0001-38 CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO ESTRE DE RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL CNPJ/MF N.º 08.483.074/0001-38 CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO Art. 1º - O Instituto Estre de Responsabilidade Sócio-Ambiental,

Leia mais

ESTATUTO DO ECOA - ESPAÇO COMUNITÁRIO DE APRENDIZAGEM - PROGRAMA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS. Art.

ESTATUTO DO ECOA - ESPAÇO COMUNITÁRIO DE APRENDIZAGEM - PROGRAMA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS. Art. ESTATUTO DO ECOA - ESPAÇO COMUNITÁRIO DE APRENDIZAGEM - PROGRAMA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS. Art. 1º - O ESPAÇO COMUNITÁRIO DE APRENDIZAGEM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL Agência de Promoção Eco Sustentável APECO

ESTATUTO SOCIAL Agência de Promoção Eco Sustentável APECO ESTATUTO SOCIAL Agência de Promoção Eco Sustentável APECO CAPÍTULO PRIMEIRO Nome e Natureza Jurídica Art. 1º - Sob a denominação de Agência de Promoção Eco Sustentável, ou pela forma abreviada APECO, neste

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CONSOLIDADO INSTITUTO DE SOLIDARIEDADE EDUCACIONAL E CULTURAL - ISEC. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL CONSOLIDADO INSTITUTO DE SOLIDARIEDADE EDUCACIONAL E CULTURAL - ISEC. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL CONSOLIDADO INSTITUTO DE SOLIDARIEDADE EDUCACIONAL E CULTURAL - ISEC Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. O Instituto de Solidariedade Educacional e Cultural também

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO DE ARTES ANIMA BRASIL IAAB

ESTATUTO DO INSTITUTO DE ARTES ANIMA BRASIL IAAB 1 ESTATUTO DO INSTITUTO DE ARTES ANIMA BRASIL IAAB CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADE. Art. 1º - O INSTITUTO DE ARTES ANIMA BRASIL - também designado pela sigla IAAB - constituído em 02 de

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º - O INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF - ADAPTSURF, doravante designado por entidade, constituído em 30/12/2007,

Leia mais

ACADEMIA BRASILEIRA DE OFTALMOLOGIA - ABO ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, PRAZO, SEDE E FINS

ACADEMIA BRASILEIRA DE OFTALMOLOGIA - ABO ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, PRAZO, SEDE E FINS ACADEMIA BRASILEIRA DE OFTALMOLOGIA - ABO ESTATUTO SOCIAL Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, PRAZO, SEDE E FINS Art. 1º - A ACADEMIA BRASILEIRA DE OFTALMOLOGIA, doravante designada pela sigla ABO, é uma pessoa

Leia mais

Ata da fundação e Adequação do Estatuto Social ao Novo Código Civil

Ata da fundação e Adequação do Estatuto Social ao Novo Código Civil Ata da fundação e Adequação do Estatuto Social ao Novo Código Civil Sociedade do Sol Sosol CNPJ n 05202923/0001-40 Ata da Assembleia Geral de Fundação da Sociedade do Sol No dia vinte e nove de novembro

Leia mais

COMITÊ BRASILEIRO DE ACROBACIA E COMPETIÇÕES AÉREAS CBA ESTATUTO SOCIAL

COMITÊ BRASILEIRO DE ACROBACIA E COMPETIÇÕES AÉREAS CBA ESTATUTO SOCIAL COMITÊ BRASILEIRO DE ACROBACIA E COMPETIÇÕES AÉREAS CBA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O COMITÊ BRASILEIRO DE ACROBACIA E COMPETIÇÕES AÉREAS também designado pela sigla,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO RODA D ÁGUA

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO RODA D ÁGUA ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO RODA D ÁGUA Capitulo Primeiro Nome e Natureza Jurídica Art. 1 - Sob a denominação de INSTITUTO RODA D ÁGUA, ou pela forma abreviada RODA D ÁGUA fica instituída esta associação

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CASA COOPERATIVA DE NOVA PETRÓPOLIS" NOVA PETRÓPOLIS RS

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CASA COOPERATIVA DE NOVA PETRÓPOLIS NOVA PETRÓPOLIS RS ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CASA COOPERATIVA DE NOVA PETRÓPOLIS" NOVA PETRÓPOLIS RS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS Art. 1º - Sob a denominação de "Casa Cooperativa de Nova Petrópolis" é constituída

Leia mais

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO (OSCIP) DO MOVIMENTO DE ALFABETIZAÇÃO REGIONAL DO ABC

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO (OSCIP) DO MOVIMENTO DE ALFABETIZAÇÃO REGIONAL DO ABC ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO (OSCIP) DO MOVIMENTO DE ALFABETIZAÇÃO REGIONAL DO ABC Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O Movimento de Alfabetização Regional

Leia mais

Associação Pelotas Pró Turismo

Associação Pelotas Pró Turismo Associação Pelotas Pró Turismo ESTATUTO SOCIAL Capítulo I: Da Denominação, Regime, Sede, Foro e Duração. Artigo 1º: Artigo 2º: Artigo 3º: A Associação Pelotas Pró-Turismo, que para efeitos promocionais

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES DE MICROCRÉDITO DE SANTA CATARINA AMCRED-SC

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES DE MICROCRÉDITO DE SANTA CATARINA AMCRED-SC ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES DE MICROCRÉDITO DE SANTA CATARINA AMCRED-SC Estatuto Social. Aprovado pela Assembléia Geral em 25 de março de 2006. SUMÁRIO CAPÍTULO I Da Denominação, Sede,

Leia mais

Proposta de estatuto Movimento Roessler para Defesa Ambiental. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

Proposta de estatuto Movimento Roessler para Defesa Ambiental. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Proposta de estatuto Movimento Roessler para Defesa Ambiental Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O Movimento Roessler para Defesa Ambiental também designado Movimento Roessler, constituído

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO DE TECNOLOGIA DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA CTGRAPHICS. Capítulo I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS GERAIS

ESTATUTO DO CENTRO DE TECNOLOGIA DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA CTGRAPHICS. Capítulo I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS GERAIS ESTATUTO DO CENTRO DE TECNOLOGIA DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA CTGRAPHICS Capítulo I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS GERAIS Art. 1º - O Centro de Tecnologia de Computação Gráfico, também designado pela sigla CTGRAPHICS,

Leia mais

Estatuto Social. Interaction Design Association IxDA-CURITIBA

Estatuto Social. Interaction Design Association IxDA-CURITIBA Estatuto Social Interaction Design Association IxDA-CURITIBA CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Finalidades Art. 1º A Interaction Design Association Capítulo Curitiba, também designada simplesmente como

Leia mais

Ata de Assembléia geral para constituição, aprovação do Estatuto, eleição e posse da Diretoria e Conselho Fiscal do Instituto de Ação Comunitária

Ata de Assembléia geral para constituição, aprovação do Estatuto, eleição e posse da Diretoria e Conselho Fiscal do Instituto de Ação Comunitária Ata de Assembléia geral para constituição, aprovação do Estatuto, eleição e posse da Diretoria e Conselho Fiscal do Instituto de Ação Comunitária Integração também designado IACI. Aos 18 dias do mês de

Leia mais

ESTATUTO INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DE ENERGIAS ALTERNATIVAS NA AMÉRICA LATINA PREÂMBULO

ESTATUTO INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DE ENERGIAS ALTERNATIVAS NA AMÉRICA LATINA PREÂMBULO ESTATUTO INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DE ENERGIAS ALTERNATIVAS NA AMÉRICA LATINA PREÂMBULO O grande desafio deste século é o de descobrirmos quais as fontes de energia que irão mover a humanidade no

Leia mais

SEGUNDA ALTERAÇÃO ESTATUTÁRIA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS USUÁRIOS DE MEIOS DE TRANSPORTE TERRESTRE À PROPULSÃO HUMANA

SEGUNDA ALTERAÇÃO ESTATUTÁRIA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS USUÁRIOS DE MEIOS DE TRANSPORTE TERRESTRE À PROPULSÃO HUMANA SEGUNDA ALTERAÇÃO ESTATUTÁRIA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS USUÁRIOS DE MEIOS DE TRANSPORTE TERRESTRE À PROPULSÃO HUMANA CAPÍTULO I: DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADES Artigo 1º: A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

1ª Alteração do Estatuto Social INSTITUTO MAR ADENTRO. Capítulo I - Da Denominação, Sede e Fins

1ª Alteração do Estatuto Social INSTITUTO MAR ADENTRO. Capítulo I - Da Denominação, Sede e Fins Capítulo I - Da Denominação, Sede e Fins Artigo 1º - O Instituto MAR ADENTRO: Promoção e gestão do conhecimento de ecossistemas aquáticos, a seguir denominado pela sigla MAR ADENTRO, é uma associação civil,

Leia mais

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput).

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput). MODELO DE ESTATUTO DE FUNDAÇÃO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Fundação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos 1, com autonomia administrativa

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO INSTITUTO CRESCER LEGAL

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO INSTITUTO CRESCER LEGAL ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO INSTITUTO CRESCER LEGAL CAPÍTULO I - DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO Art. 1º - A Associação Instituto Crescer Legal, doravante denominado simplesmente Instituto, é

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE SECRETARIADO - SBSEC

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE SECRETARIADO - SBSEC ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE SECRETARIADO - SBSEC CAPÍTULO I Da Natureza e Objetivos Art. 1º - A Sociedade Brasileira de Secretariado, doravante denominada SBSEC, constituída em 21 de Outubro

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV Estatuto ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, OS FINS E A SEDE DA ASSOCIAÇÃO. Art. 1º - A associação é denominada Sociedade Brasileira de Fisiologia

Leia mais

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1 o O URUBUZÃO CLUBE DE AMIGOS, fundado em 01 de Agosto de 2007 é uma Associação, sem fins econômicos, que terá duração por tempo indeterminado, sede no Município

Leia mais

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º A Associação Brasileira de Patchwork e Quilt, doravante designada ABPQ, é uma sociedade

Leia mais

Estatuto. 2ª Alteração no Estatuto Social. Capítulo I Denominação, Duração, Sede e Objeto

Estatuto. 2ª Alteração no Estatuto Social. Capítulo I Denominação, Duração, Sede e Objeto Estatuto 2ª Alteração no Estatuto Social Capítulo I Denominação, Duração, Sede e Objeto ART. 1º O Instituto de Homeopatia James Tyler Kent, inscrito no CNPJ-MF sob o nº 29.417.581/0001-43, é uma pessoa

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO PARA O PATRONATO CONTEMPORÂNEO - APC. CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO PARA O PATRONATO CONTEMPORÂNEO - APC. CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO PARA O PATRONATO CONTEMPORÂNEO - APC. CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º - Constitui- se sob a denominação de Contemporâneo pessoa jurídica de direito privado,

Leia mais

ABRIGO DO JELLO - PROTEÇÃO A ANIMAIS DE RUA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO E OBJETIVO SOCIAL

ABRIGO DO JELLO - PROTEÇÃO A ANIMAIS DE RUA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO E OBJETIVO SOCIAL ABRIGO DO JELLO - PROTEÇÃO A ANIMAIS DE RUA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO E OBJETIVO SOCIAL Art. 1 - Aos 24 dias do mês de maio de 2011, fica constituída, através deste instrumento

Leia mais

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos Versão Final NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO Capítulo I Da entidade e seus objetivos Art. 1º - O NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL, é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO VIVER BEM. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ASSOCIAÇÃO VIVER BEM. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ASSOCIAÇÃO VIVER BEM Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1. ASSOCIAÇÃO VIVER BEM, neste ato designada simplesmente como Associação, é uma associação civil sem fins econômicos, de duração por tempo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO IRD-ASSIRD ESTATUTO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E DA DURAÇÃO.

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO IRD-ASSIRD ESTATUTO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E DA DURAÇÃO. ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO IRD-ASSIRD ESTATUTO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E DA DURAÇÃO. Art. 1º. A ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO INSTITUTO DE RADIOPROTEÇÂO E DOSIMETRIA, ASSIRD, é uma sociedade civil, sem

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais)

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE, DURAÇÃO Art. 1.º A SOCIEDADE DE AMIGOS DA

Leia mais

ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO OBASP

ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO OBASP ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO DA ASSOCIAÇÃO E SEUS FINS OBASP Art 1º - A ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO também designado pela sigla OBASP, é uma pessoa jurídica

Leia mais

Associação Brasileira de Instrutores Bombeiros Ensinar, aprender e inspirar Rua Zero, 1222 Centro Brasília DF CEP 10.122-000 www.abibombeiros.com.

Associação Brasileira de Instrutores Bombeiros Ensinar, aprender e inspirar Rua Zero, 1222 Centro Brasília DF CEP 10.122-000 www.abibombeiros.com. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE INSTRUTORES BOMBEIROS CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1º A Associação Brasileira de Instrutores Bombeiros, também designada pela sigla ABIB, fundada em

Leia mais

ESTATUTO DO IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE

ESTATUTO DO IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE ESTATUTO DO IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO Artigo 1º. O IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE, denominado IDBRASIL, é uma associação de direito privado,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO PALAVRA ABERTA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO PALAVRA ABERTA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO PALAVRA ABERTA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E DURAÇÃO Art. 1º O INSTITUTO PALAVRA ABERTA é classificado como pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE, EDU

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE, EDU 'I r/"- /,,_\, - _ ~J" ~, ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE, EDU E ASSISTENCIAL "GENTE AMIGA". Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1 - A Associação Beneficente, Educacional e Assistencial Gente

Leia mais

DA ASSOCIAÇÃO CIDADÃO PRÓ-MUNDO. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

DA ASSOCIAÇÃO CIDADÃO PRÓ-MUNDO. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO CIDADÃO PRÓ-MUNDO Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1º - A associação tem a denominação de Associação Cidadão Pró-Mundo, sendo também designada pelo nome fantasia

Leia mais

INSTITUTO COMPARTILHAR ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO COMPARTILHAR CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FUNDAÇÃO, PRAZO DE DURAÇÃO E REGÊNCIA

INSTITUTO COMPARTILHAR ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO COMPARTILHAR CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FUNDAÇÃO, PRAZO DE DURAÇÃO E REGÊNCIA INSTITUTO COMPARTILHAR ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO COMPARTILHAR CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FUNDAÇÃO, PRAZO DE DURAÇÃO E REGÊNCIA ARTIGO 1 - O INSTITUTO COMPARTILHAR é uma associação, sem fins econômicos,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I. Da Associação e seus fins

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I. Da Associação e seus fins ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I Da Associação e seus fins Art. 1º - A Associação Brasileira de Arte Fotográfica, ABAF, fundada em 9 de fevereiro de 1951, no Rio de Janeiro

Leia mais

ADMISSÃO DE ASSOCIADOS art. 6º, 1º ALTERAÇÃO DE ESTATUTO art. 17, V, 1º ASSEMBLÉIA GERAL art. 16 ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA art.

ADMISSÃO DE ASSOCIADOS art. 6º, 1º ALTERAÇÃO DE ESTATUTO art. 17, V, 1º ASSEMBLÉIA GERAL art. 16 ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA art. 1 ADMISSÃO DE ASSOCIADOS art. 6º, 1º ALTERAÇÃO DE ESTATUTO art. 17, V, 1º ASSEMBLÉIA GERAL art. 16 ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA art. 19 ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA art. 18 ASSOCIADOS art. 6º COMPETÊNCIA

Leia mais

Associação do Software Livre do Maranhão ASL/MA

Associação do Software Livre do Maranhão ASL/MA 1 Associação Software Livre do Estado do Maranhão ASL/MA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADES Art.1º - A Associação Software Livre do Estado do Maranhão, doravante designada pela

Leia mais

Café com aroma de mulher

Café com aroma de mulher 1 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO ccam.asso.st Roça Monte Café Tel.: +239.991 31 26 info.ccam@asso stp.org Art. 1º A Associação é uma entidade de natureza privada, sem fins lucrativos ou político partidários, constituída

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CASA DO CUIDAR CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO

ESTATUTO SOCIAL CASA DO CUIDAR CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO ESTATUTO SOCIAL CASA DO CUIDAR CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO Art. 1º - A Casa do Cuidar é uma associação civil, de direito privado, sem fins lucrativos e econômicos e duração por tempo

Leia mais

Estatuto associação artesão de Bom Despacho www.senhoradosol.com.br

Estatuto associação artesão de Bom Despacho www.senhoradosol.com.br Estatuto associação artesão de Bom Despacho www.senhoradosol.com.br CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º - A(o) Associação do Artesãos de Bom Despacho...também designada(o) pela sigla, ARTEBOM

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO SEM FINS LUCRATIVOS, DENOMINADO INSTITUTO DE POLÍTICAS RELACIONAIS PSICODRAMA DA CIDADE CAPÍTULO I

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO SEM FINS LUCRATIVOS, DENOMINADO INSTITUTO DE POLÍTICAS RELACIONAIS PSICODRAMA DA CIDADE CAPÍTULO I ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO SEM FINS LUCRATIVOS, DENOMINADO INSTITUTO DE POLÍTICAS RELACIONAIS PSICODRAMA DA CIDADE CAPÍTULO I DA NATUREZA, OBJETIVOS, DENOMINAÇÃO, SEDE e PRAZO Do nome e da natureza jurídica

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DAS ARTES DE BRASÍLIA AMABRA ESTATUTO

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DAS ARTES DE BRASÍLIA AMABRA ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DAS ARTES DE BRASÍLIA AMABRA ESTATUTO Capítulo I - Da denominação, sede, duração e natureza. Art. 1º- A Associação dos Amigos das Artes de Brasília, também chamada AMABRA, fundada

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS CERVEJEIROS ARTESANAIS DE SANTA CATARINA

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS CERVEJEIROS ARTESANAIS DE SANTA CATARINA 1 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS CERVEJEIROS ARTESANAIS DE SANTA CATARINA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º A ASSOCIAÇÃO DOS CERVEJEIROS ARTESANAIS DE SANTA CATARINA, também designada pela sigla

Leia mais

COMITÊ PARA DEMOCRATIZAÇÃO DA INFORMÁTICA DE GOIÁS CDI-GO. ESTATUTO SOCIAL CAPITULO I - Da Denominação, Sede e Finalidades

COMITÊ PARA DEMOCRATIZAÇÃO DA INFORMÁTICA DE GOIÁS CDI-GO. ESTATUTO SOCIAL CAPITULO I - Da Denominação, Sede e Finalidades COMITÊ PARA DEMOCRATIZAÇÃO DA INFORMÁTICA DE GOIÁS CDI-GO ESTATUTO SOCIAL CAPITULO I - Da Denominação, Sede e Finalidades Artigo 1º - O Comitê para Democratização da Informática de Goiás (CDI-GO) é uma

Leia mais

Estatuto Social da Associação Braileira de Redistribuição de Excedentes

Estatuto Social da Associação Braileira de Redistribuição de Excedentes Estatuto Social da Associação Braileira de Redistribuição de Excedentes I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETIVOS e DURAÇÃO Art. 1º. A Associação Brasileira de Redistribuição de Excedente, também designada pela sigla

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO GER-AÇÕES. Capítulo I Da Denominação, Sede e Fins

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO GER-AÇÕES. Capítulo I Da Denominação, Sede e Fins ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO GER-AÇÕES Capítulo I Da Denominação, Sede e Fins Cláusula 1ª A ASSOCIAÇÃO GER-AÇÕES, doravante denominada GER-AÇÕES, é uma associação de direito privado, sem fins lucrativos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Sociedade Brasileira de Educação Matemática Regional São Paulo SBEM-SP

REGIMENTO INTERNO. Sociedade Brasileira de Educação Matemática Regional São Paulo SBEM-SP REGIMENTO INTERNO Sociedade Brasileira de Educação Matemática Regional São Paulo SBEM-SP CAPÍTULO I Da caracterização (Denominação, Sede, Foro e Responsabilidade Objetivos) Art. 1º - A Sociedade Brasileira

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL WOOZ, ARTE & CULTURA CAPÍTULO PRIMEIRO DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO SOCIAL WOOZ, ARTE & CULTURA CAPÍTULO PRIMEIRO DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO SOCIAL WOOZ, ARTE & CULTURA CAPÍTULO PRIMEIRO DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1º A Associação Wooz, Arte & Cultura, fundada em 10 de junho de 2001, é uma associação civil, sem fins lucrativos,

Leia mais

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO SEDE E FINS

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO SEDE E FINS LIGA ESTATUTO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO SEDE E FINS Art. 1- A Liga constituída em de de, é uma entidade civil, beneficente, sem fins lucrativos de assistência social e orientação, de pessoa jurídica de

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CIRCUITO TURÍSTICO CAMINHOS GERAIS

ESTATUTO SOCIAL CIRCUITO TURÍSTICO CAMINHOS GERAIS ESTATUTO SOCIAL DO CIRCUITO TURÍSTICO CAMINHOS GERAIS Fundado em 13 de novembro de 2001. Registrada no Cartório de Registro de Títulos e Documentos, no livro A 7, folha 01 sob o numero 1.420, em 02 de

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE UVEÍTES E INFLAMAÇÕES INTRA OCULARES ESTATUTO SOCIAL

SOCIEDADE BRASILEIRA DE UVEÍTES E INFLAMAÇÕES INTRA OCULARES ESTATUTO SOCIAL SOCIEDADE BRASILEIRA DE UVEÍTES E INFLAMAÇÕES INTRA OCULARES ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, PRAZO, SEDE E FINS Art. 1º A SOCIEDADE BRASILEIRA DE UVEÍTES E INFLAMAÇÕES INTRA OCULARES, sucessora

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA SOLAR CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPÍTULO I: DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA SOLAR CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPÍTULO I: DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA SOLAR CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPÍTULO I: DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA SOLAR CIÊNCIA E TECNOLOGIA, também designada

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE ESCOTEIROS DO MAR DO DISTRITO FEDERAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS. Seção I Nome e Constituição

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE ESCOTEIROS DO MAR DO DISTRITO FEDERAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS. Seção I Nome e Constituição ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE ESCOTEIROS DO MAR DO DISTRITO FEDERAL Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Seção I Nome e Constituição Art. 1º. - A Associação de Escoteiros do Mar do Distrito Federal, também

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º A Associação Piranguçuense de Artesanato, doravante denominada APA, fundada em 04 de outubro de 2008, é

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração Art. 1º - A Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º O CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISA EM AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ)

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, REGIME JURÍDICO, DURAÇÃO, SEDE E FORO Art. 1 - A Associação Nacional de Pesquisa

Leia mais

INSTITUTO HL7 BRASIL DESENVOLVIMENTO E PROMOÇÃO DE PADRÕES EM INFORMÁTICA EM SAÚDE ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação e da Natureza Jurídica

INSTITUTO HL7 BRASIL DESENVOLVIMENTO E PROMOÇÃO DE PADRÕES EM INFORMÁTICA EM SAÚDE ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação e da Natureza Jurídica INSTITUTO HL7 BRASIL DESENVOLVIMENTO E PROMOÇÃO DE PADRÕES EM INFORMÁTICA EM SAÚDE ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação e da Natureza Jurídica Art. 1º - O Instituto HL7 Brasil - Desenvolvimento e

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE PSICOLOGIA HOSPITALAR. CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE PSICOLOGIA HOSPITALAR. CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE PSICOLOGIA HOSPITALAR CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO Artigo 1º. A SOCIEDADE BRASILEIRA DE PSICOLOGIA HOSPITALAR, também designada pela

Leia mais

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO FILANTRÓPICA "CRIANÇA FELIZ" CAPÍTULO I

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO FILANTRÓPICA CRIANÇA FELIZ CAPÍTULO I ESTATUTO 1 ASSOCIAÇÃO FILANTRÓPICA "CRIANÇA FELIZ" CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Fins Art. 1 º - Art. 2 º - A Associação Filantrópica "Criança Feliz" também designada pela sigla de AFCF, constituída

Leia mais

TERCEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EXPORTAÇÃO DE ARTESANATO ABEXA SETEMBRO DE 2014 CAPÍTULO I

TERCEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EXPORTAÇÃO DE ARTESANATO ABEXA SETEMBRO DE 2014 CAPÍTULO I TERCEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EXPORTAÇÃO DE ARTESANATO ABEXA SETEMBRO DE 2014 CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E SEUS FINS Artigo 1 : A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EXPORTAÇÃO

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO

ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO Artigo 1º - Sob a denominação de "ABEL - Associação Brasileira

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ONG Instituto Pró-Pampa Sustentável

ESTATUTO SOCIAL DA ONG Instituto Pró-Pampa Sustentável CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES Art. 1 O, de sigla, PRÓPAMPA, é uma organização civil de interesse público de direito privado, sem fins lucrativos, de âmbito Estadual e de tempo

Leia mais

INSTITUTO PREVENIR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA JURÍDICA, SEDE, FORO E DURAÇÃO

INSTITUTO PREVENIR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA JURÍDICA, SEDE, FORO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL (Alteração aprovada pela 2ª Assembléia Geral Extraordinária, realizada em 29 de agosto de 2008) CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA JURÍDICA, SEDE, FORO E DURAÇÃO Artigo Primeiro O INSTITUTO

Leia mais

ESTATUTOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO JARDIM FLORENÇA

ESTATUTOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO JARDIM FLORENÇA CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo de Duração e Área de Atuação Artigo 1º - Sob a denominação de Associação de Moradores do Jardim Florença, fica constituída, nos termos da legislação em vigor,

Leia mais

CONSELHO BRASILEIRO DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL ESTATUTO CAPÍTULO PRIMEIRO. Da Denominação, Natureza, Sede e Duração

CONSELHO BRASILEIRO DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL ESTATUTO CAPÍTULO PRIMEIRO. Da Denominação, Natureza, Sede e Duração CONSELHO BRASILEIRO DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL ESTATUTO CAPÍTULO PRIMEIRO Da Denominação, Natureza, Sede e Duração Artigo 1º: O CONSELHO BRASILEIRO DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL doravante denominado CBCS, fundado

Leia mais

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres ESTATUTO CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02 CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres pág.03 CAPÍTULO III Dos órgãos da Associação e sua administração pág.06

Leia mais

ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO MUNICIPAL DAS ASSOCIAÇÕES DE MORADORES DE CONCÓRDIA UMAMC. CAPITULO I Da Denominação, Sede, Duração e Objetivos.

ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO MUNICIPAL DAS ASSOCIAÇÕES DE MORADORES DE CONCÓRDIA UMAMC. CAPITULO I Da Denominação, Sede, Duração e Objetivos. ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO MUNICIPAL DAS ASSOCIAÇÕES DE MORADORES DE CONCÓRDIA UMAMC CAPITULO I Da Denominação, Sede, Duração e Objetivos. Art. 1º Sob a denominação de União Municipal das Associações

Leia mais

Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação - FINEDUCA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO

Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação - FINEDUCA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º - A Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação, doravante denominada FINEDUCA, é uma associação civil de direito privado,

Leia mais