Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projetos e Despesas TIC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projetos e Despesas TIC"

Transcrição

1 Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projetos e Despesas TIC Overview do Processo de Avaliação de Projetos e Despesas TIC

2 Índice 1. Enquadramento 2. Processo de Avaliação ex-ante 3. Ferramenta de Suporte Anexos 2

3 Enquadramento Como surge a Medida 6 Avaliação de projetos e despesas TIC? Decorrente do compromisso assumido pelo Estado português nos memorandos assinados com o FMI, o BCE e a Comissão Europeia, foi criado o GPTIC, um grupo de trabalho com a missão de delinear e implementar uma estratégia global de racionalização das TIC na AP (PGETIC), com vista à melhoria da eficiência e à redução de custos. Plano global estratégico de racionalização e redução de custos nas TIC na AP (PGETIC) 25 medidas estabelecidas para implementação até Dezembro de 2013 A. Melhoria dos Mecanismos de Governance Medida 1 a 5 B. Redução de Custos 6. Avaliação de projetos e despesas TIC 7. Racionalização de comunicações 8. Racionalização dos centros de dados 9. Plataforma de comunicações unificadas 10.Medidas de racionalização transversais potenciadas pelas TIC C. Utilização das TIC para potenciar a mudança e a modernização administrativa Medida 11 a 15 D. Implementação de soluções TIC comuns Medida 16 a 20 E. Estímulo ao crescimento económico Medida 21 a 25 Objetivos globais da Medida 6 Assegurar retorno nas várias dimensões em análise: Minimizando investimentos redundantes e Desalinhados com as politicas nacionais para as TIC na Administração Pública Objetivos materiais 1 Definição da metodologia de avaliação; 2 Definição do modelo organizacional de suporte à aplicação da metodologia 3 A construção do respetivo suporte tecnológico à aplicação da metodologia 4 Avaliação efetiva, ex-ante e ex-post, de todos os projetos TIC, 5 A disponibilização de mecanismos de transparência sobre a avaliação efetuada, através da implementação de um dashboard público. 3

4 Enquadramento Como está a Medida 6 formalmente suportada? (1/3) DL n.º 107/2012 de 18 de Maio Regula o dever de informação e a emissão de parecer prévio relativos à aquisição de bens e à prestação de serviços no domínio das TIC. DL n.º 36/2013 de 11 de Março Regula a execução orçamental de 2013 e estabelece os princípios para demonstração fundamentada de inexistência de soluções alternativas em software livre mais vantajosas economicamente face a software proprietário Confere à AMA a avaliação do cumprimento da redução de valores de contratação de serviços TIC face ao ano anterior, no âmbito do DL 107/2012, aplicável às despesas de idêntico objeto de contratação ou contraparte 1 Quem está abrangido? Administração direta e indireta do estado e outras entidades Entidades independentes Estabelecimentos do ensino superior Setor empresarial público 1 2 O que muda face à situação de partida Incorporação da avaliação de alternativas de software opensource face a software proprietário Verificação do cumprimento de redução remuneratória de contratos de serviços TIC, no perímetro de atuação do DL 107/2012, face a despesas de idêntico objeto de contratação ou contraparte 1 exceto empresas cuja principal função seja a produção de bens e serviços mercantis, incluindo serviços financeiros e relativamente à qual se encontrem em regime de concorrência

5 Enquadramento Como está a Medida 6 formalmente suportada? (2/3) 3 Que aquisições estão abrangidas? Áreas de contratação identificadas como pertencendo ao domínio das TIC e que respeitam a aquisições de bens ou serviços integrantes do seguinte Código de Vocabulário Comum (DL n.º 107/2012, Artº1 n.º2): 302XXXXX -Y Equipamento e material informático. 324XXXXX -Y Redes. 325XXXXX -Y Equipamento e material para telecomunicações. 3571XXXX -Y Sistemas de comando, controlo e comunicação e sistemas informáticos. 48XXXXXX -Y Pacotes de software XXX -Y Instalação de equipamento de telecomunicações XX -Y Construção de linhas de comunicações XX -Y Construção de linhas telefónicas e de comunicações e obras anexas. 503XXXXX -Y Serviços de reparação e manutenção e serviços conexos relacionados com computadores pessoais e com equipamento burótico, audiovisual e para telecomunicações. 513XXXXX -Y Serviços de instalação de equipamento para comunicação. 516XXXXX -Y Serviços de instalação de computadores e equipamento para escritório. 6421XXXX -Y Serviços telefónicos e de transmissão de dados XXX -Y Serviços de consultoria em matéria de telecomunicações. 72XXXXXX -Y Serviços de TI: consultoria, desenvolvimento de software, Internet e apoio.

6 Enquadramento Como está a Medida 6 formalmente suportada? (3/3) 4 Que aquisições não estão abrangidas? Contratações excluídas (DL n.º 107/2012, Artº1 n.º3, n.º 4 e n.º 5): Aquisições de bens e serviços cujo valor contratual seja inferior a 10 mil euros. Contratações cujo contrato seja declarado secreto. Contratações cuja execução seja acompanhada de medidas especiais de segurança. Quando a defesa de interesses essenciais do Estado o exigir, nos termos da alínea f) do n.º 1 do art.º 24 do CCP. Contratações cujo adjudicatário seja um serviço da administração indirecta ou uma entidade do sector empresarial do Estado. Contratações excluídas do pedido de parecer prévio com dever de informação (DL n.º 107/2012, Artº1 n.º3, n.º 4 e n.º 5): Dever de informação no prazo de 30 dias após o início do procedimento Contratações de aquisição, de manutenção ou de evolução de sistemas operacionais críticos, cuja lista é aprovada por Resolução do Conselho de Ministros (RCM n.º 48/2012 e RCM n.º 34/2013). Contratações excepcionadas por motivos de urgência imperiosa resultante de acontecimentos imprevistos nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 24.º do CCP.

7 Índice 1. Enquadramento 2. Processo de Avaliação ex-ante 3. Ferramenta de Suporte Anexos 7

8 Processo de Avaliação ex-ante Modelo de decisão - visão global Encontram-se configurados 3 gates de decisão no Processo de Avaliação ex-ante: Gating diferenciado em função da dimensão Preparação da informação de Projetos e Despesas TIC necessária para pedido de parecer prévio Exclusão das exceções relativas ao montante e à criticidade dos sistemas (decisão automática) Diferenciação do detalhe de informação requerida consoante a dimensão (decisão automática ) Decisão baseada em análise detalhada de informação adicional Gate 0 Gate 1 Gate 2 Gate 3 Gestão de Projeto Necessidade de Projeto/ Despesa TIC (organismos da Administração Pública) NCA - Novo Cenário Arquitectural Submissão de todos os Projetos e Despesas TIC (salvo as exceções previstas nos nº 3 e 4 do art.º 1º e nos nº 1 e 4 do art.º 2º do Decreto-Lei n.º 107/2012) Exceções (Sistema crítico ou Urgência imperiosa) Restantes categorias Projetos pequena/ média dimensão Projetos grande dimensão Decisão/ Reavaliação Projetos rejeitados (gate 3) Projetos aprovados (gate 3) Condição prévia (sempre que aplicável) Decisão/ Reavaliação Projetos aprovados (gate 2) Projetos rejeitados (gate 2) O sistema de stage gates condiciona o detalhe da informação requerida 8

9 Entidade Avaliadora (AMA) Entidade Contratante (Organismos da AP) Processo de Avaliação ex-ante Modelo de decisão - principais fluxos (Gate 0) Exclusão das exceções previstas no Decreto-lei que não requerem qualquer acompanhamento por parte estrutura responsável pela emissão de parecer prévio (ex-ante ou ex-post) Necessidades de Projetos/ Despesas TIC Início O órgão competente para contratar pode, em qualquer circunstância, solicitar que seja emitido o parecer prévio Gate 2 Objeto de parecer prévio? Comunicação ao Conselho Diretivo da AMA da intenção de contratar não contratações cujo contrato seja declarado secreto ou a respetiva execução deva ser acompanhada de medidas especiais de segurança, bem como quando a defesa de interesses essenciais do Estado o exigir, nos termos da alínea f) do n.º 1 do artigo 24.º do CCP 1. contratações cujo adjudicatário seja um serviço da administração indireta ou uma entidade do setor empresarial do Estado empresas cuja principal função seja a produção de bens e serviços mercantis, incluindo serviços financeiros, e relativamente à qual se encontrem em regime de concorrência no mercado FIM Âmbito de aplicação? não aquisições de bens e às prestações de serviços cujo valor contratual seja inferior a 10 mil euros. Banco de Portugal Comunicação à Entidade Contratante da não elegibilidade para emissão de parecer prévio, no prazo de 8 dias Gate 1 1 Código dos Contratos Públicos 9

10 Entidade Avaliadora (AMA) Entidade Contratante (Organismos da AP) Processo de Avaliação ex-ante Modelo de decisão - principais fluxos (Gate 1) Exclusão das excepções relativas ao montante da despesa e à criticidade dos sistemas (para avaliação ex-post) Gate 0 contratações excecionadas por motivos de urgência imperiosa resultante de acontecimentos imprevistos nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 24.º do CCP 1 Outras exceções? sim contratações relativas à aquisição, à manutenção ou à evolução de sistemas operacionais críticos, constantes da RCM 48/2012 e na RCM 34/2013 não Comunicação da informação à AMA no prazo de 30 dias após o início do procedimento de contratação através do formulário standard Comunicação à Entidade Contratante da elegibilidade para emissão de parecer prévio, no prazo de 8 dias Receção e registo da informação na ferramenta de suporte para posterior avaliação ex-post Gate 2 FIM 1 Código dos Contratos Públicos 10

11 Entidade Avaliadora (AMA) Entidade Contratante (Organismos da AP) Processo de Avaliação ex-ante Modelo de decisão - principais fluxos (Gate 2) Diferenciação do detalhe de informação requerida consoante a dimensão Decisão Reavaliação Gate 1 Preparação da informação de Projetos e Despesas TIC necessária para pedido de parecer prévio Início do procedimento de contratação Submissão da informação de Projetos e Despesas TIC através do formulário standard favorável com condicionantes Reformulação de pressupostos e ressubmissão da informação através de formulário standard no prazo de 15 dias Projeto/ Despesa < 75 mil? não Gate 3 Recepção e registo da informação na ferramenta de suporte e análise sim Recepção e registo da informação na ferramenta de suporte e análise Parecer? (prazo 30 dias) Parecer? (prazo 10 dias) favorável prazo excedido não favorável FIM não favorável 11

12 Entidade Avaliadora (AMA) Entidade Contratante (Organismos da AP) Processo de Avaliação ex-ante Modelo de decisão - principais fluxos (Gate 3) Decisão baseada em análise detalhada de informação adicional Decisão Reavaliação Gate 2 Envio de informação adicional (caderno de encargos, suporte a business cases, etc.) Início do procedimento de contratação favorável com condicionantes Reformulação de pressupostos e ressubmissão da informação através de formulário standard no prazo de 15 dias Recepção e registo da informação na ferramenta de suporte, anexação da informação adicional e análise Recepção e registo da informação na ferramenta de suporte e análise Ratificação da decisão por parte do Comité de Avaliação Ratificação da decisão por parte do Comité de Avaliação Parecer? (prazo 30 dias) Parecer? (prazo 10 dias) favorável não favorável FIM não favorável prazo excedido 12

13 Representante TIC do Ministério Interface AMA Organismo requerente Processo de Avaliação ex-ante Relacionamento entre a equipa AMA e os representantes TIC interministeriais Submissão do pedido de parecer pelo organismo requerente Projeto/ Despesa TIC a submeter a parecer prévio Efectua o preenchimento do interface de submissão de pedidos de parecer prévio Efectua o preenchimento do formulário e upload no mesmo site (carregar e submeter) Efectua upload da documentação anexa pertinente para o pedido de parecer Incorpora o feedback relatório do parecer prévio Valida NIF da entidade Gera um código unívoco do pedido e Descarrega os documentos no fileserver AMA Envia para a entidade requerente e para o representante TIC do seu Ministério com o formulário Recebe o formulário e executa acede à informação integral através do botão organismo intermédio (pass. ama ) Analisa o Projeto/ Despesa TIC, avaliando a sua pertinência face à Estratégia, Normas TIC sectoriais e tarifas de referência Prazo 4 dias decorrido? Não Sim Informa a AMA do seu entendimento sobre ao Projeto/ Despesa em causa No prazo de 4 dias úteis Fim 13

14 Processo de Avaliação ex-ante Resumo do fluxo na perspectiva temporal Pedido inicial 4 dias úteis após o pedido 8 dias úteis após o pedido 30 dias úteis após o pedido 4 dias úteis após o pedido 10 dias úteis após o pedido Pedido de reapreciação Organismo requerente Submissão de informação sobre o Projeto/ Despesa requerido 1 Submissão de pedido de reapreciação da Despesa 1 AMA 3 4 Limite para informação da elegibilidade para emissão de parecer prévio Limite para emissão do parecer prévio 3 Limite para emissão do parecer prévio definitivo Representante TIC do Ministério Limite para feedback sobre enquadramento sectorial da Despesa 2 Limite para feedback sobre enquadramento sectorial da Despesa 2 14

15 Índice 1. Enquadramento 2. Processo de Avaliação ex-ante 3. Ferramenta de Suporte Anexos 15

16 Ferramenta de Suporte Ferramenta de suporte ao Piloto (1/2) Avaliação ex-ante Motor de scoring e Informação de Gestão Avaliação ex-post Questionários de input (Formulário) Avaliação ex-ante (Cálculo de Scoring) Relatórios de análise e controlo Avaliação ex-post Excel específico de recolha de informação por projeto. Folha específica alimentada pela BD de recolha da informação dos formulários individuais. Folha específica de informação de gestão alimentada pelos outputs das Avaliações ex-ante e ex-post. Questionário específico de avaliação ex-post. Índice Instruções Informação base Redução remuneratória Categorização Alinhamento Estratégico Alinhamento Tecnológico Valor Económico TCO (software) Risco Tabelas de Validação Repositório de Exportação de Dados 16

17 Ferramenta de Suporte Ferramenta de suporte ao Piloto (2/2) Avaliação ex-ante Motor de scoring e Informação de Gestão Avaliação ex-post Questionários de input (Formulário) Avaliação ex-ante (Cálculo de Scoring) Relatórios de análise e controlo Avaliação ex-post Excel específico de recolha de informação por projeto. Folha específica alimentada pela BD de recolha da informação dos formulários individuais. Folha específica de informação de gestão alimentada pelos outputs das Avaliações ex-ante e ex-post. Questionário específico de avaliação ex-post. Índice Relatório de Avaliação Ex-ante Scoring de Projetos/ Despesas submetidos a Parecer prévio Indicadores de gestão (quantidade e volume de pedidos) Repositório de Importação de Dados 17

18 Índice 1. Enquadramento 2. Processo de Avaliação ex-ante 3. Ferramenta de Suporte Anexos 18

19 Anexo A Directrizes TIC (1/2) A aprovação dos projetos e despesas deverá ter em consideração o cumprimento das seguintes condicionantes aplicadas às respetivas naturezas de despesa: Natureza da despesa Aquisição de software Renovação de licenciamento de software Aquisição de hardware/ equipamentos Serviço de comunicações Serviços Outra Normas e guidelines TIC Alinhamento com a Medida 2 da RCM nº 12/ Racionalização, organização e gestão da função informática Despesas/ projetos neste âmbito devem visar a racionalização da gestão informática ou a centralização da função informática num único organismo no Ministério. Alinhamento com a Medida 7da RCM nº 12/ Racionalização de comunicações Despesas/ projetos em comunicações devem tender à centralização de contratos por Ministério, tanto nas vertentes de voz como de dados. Alinhamento com a Medida 8 da RCM nº12/ Racionalização dos centros de dados Despesas/ projetos neste âmbito devem ser implementados como 1ª prioridade na cloud computing da AP (nota: apenas os sistemas de segurança nacional poderão ser alojados internamente, num datacenter único do Ministério). Alinhamento com a Medida 10 da RCM nº12/ Medidas de racionalização transversais potenciadas pelas TIC Despesas/ projetos com ERP s na área financeira, RH ou de Avaliação de Desempenho, requerem a apresentação de relatório de análise da ESPAP no sentido de comprovar que essa solução é mais vantajosa do que as soluções partilhadas disponibilizadas pela ESPAP (Gerfip, Gerhup e Geadap). Alinhamento com a Medida 11 da RCM nº12/ Interoperabilidade Na Administração Pública Despesas/ projetos relativos ao desenvolvimento de interfaces com sistemas de outros organismos públicos, troca de SMS com outros organismos da AP ou cidadãos, mecanismos de pagamentos multicanal, deverão como 1ª prioridade utilizar as funcionalidades da iap. (plataforma de interoperabilidade da AP). 19

20 Anexo A Directrizes TIC (2/2) (cont:): Natureza da despesa Aquisição de software Renovação de licenciamento de software Aquisição de hardware/ equipamentos Serviço de comunicações Serviços Outra Normas e guidelines TIC Alinhamento com a Medida 12 da RCM nº12/ Autenticação e assinatura eletrónicas na Administração Pública Despesas/ projetos de sistemas que requeiram autenticação e identificação eletrónica deverão estar assentes obrigatoriamente num dos seguintes sistemas: Cartão de Cidadão, Fornecedor de Autenticação da AP e Sistema de Certificação de Atributos Profissionais do Cartão de Cidadão. Alinhamento com a Medida 13 da RCM nº12/ Racionalização da prestação de serviços públicos por meios eletrónicos Despesas/ projetos relativos à prestação de serviços públicos por meios eletrónicos, sempre que se trate de desenvolvimento de portais, ou a prestação de serviços relacionados com pagamentos ou SMS. Alinhamento com a Medida 14 da RCM nº12/ Racionalização das TIC e modernização administrativa dentro dos organismos públicos Proibição de circulação de papel e centralização de serviços de impressão (sempre que a aquisição respeite a equipamentos de impressão ou serviços associados, deverá ser assegurado o cumprimento do rácio de até uma impressora por 25 funcionários). Alinhamento com a Medida 15 da RCM nº12/ Central eletrónica de Arquivo do Estado Visa a deslocalização dos diferentes arquivos em papel das várias instituições públicas para uma única localização numa zona de baixo custo imobiliário (acompanhada da digitalização do arquivo em formato digital, tornando o seu acesso fácil, imediato e de baixo custo). Alinhamento com a Medida 18 da RCM nº12/ Cloud Computing na Administração Pública Despesas/ projetos neste âmbito ou relacionados com a virtualização de desktops deverão ser implementados como 1ª prioridade na cloud computing da AP. Demonstração do cumprimento do RNID Regulamento Nacional de Interoperabilidade Digital (Normas Abertas) Obrigatoriedade de utilização do leque de formatos especificados no âmbito das Normas abertas da AP (Lei n.º 36/2011)? depende da despesa requerida 20

21

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC Overview do Processo de Avaliação de Projectos e Despesas TIC www.ama.pt Índice 1. Enquadramento

Leia mais

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC. FAQs

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC. FAQs Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC FAQs Folha de Controlo Nome do Documento: FAQs Evolução do Documento Versão Autor Data Comentários

Leia mais

Decreto-Lei n.º 107/2012 de 18 de maio

Decreto-Lei n.º 107/2012 de 18 de maio Decreto-Lei n.º 107/2012 de 18 de maio As tecnologias de informação e comunicação (TIC) constituem um pilar essencial da estratégia de modernização da Administração Pública. A sua utilização intensiva

Leia mais

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projetos e Despesas TIC FAQ

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projetos e Despesas TIC FAQ Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projetos e Despesas TIC FAQ Folha de Controlo Nome do Documento: FAQs Evolução do Documento Versão Autor Data Comentários

Leia mais

Decreto-Lei n.º 107/2012, de 18 de maio, com a alteração da LOE para 2014

Decreto-Lei n.º 107/2012, de 18 de maio, com a alteração da LOE para 2014 Decreto-Lei n.º 107/2012, de 18 de maio, com a alteração da LOE para 2014 (a bold e a cor diferente encontram-se as alterações efetuadas pela LOE de 2014) Artigo 1.º Objeto 1- O presente decreto-lei regula

Leia mais

M6 - Avaliação de Projetos e Despesas TIC. Dicionário de termos e conceitos

M6 - Avaliação de Projetos e Despesas TIC. Dicionário de termos e conceitos M6 - Avaliação de Projetos e Despesas TIC Dicionário de termos e conceitos Folha de Controlo Nome do Documento: Regulamento para submissão de pedidos de parecer prévio Evolução do Documento Versão Autor

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DA M6 AVALIAÇÃO DE PROJETOS E DESPESAS TIC

CONSOLIDAÇÃO DA M6 AVALIAÇÃO DE PROJETOS E DESPESAS TIC CONSOLIDAÇÃO DA M6 AVALIAÇÃO DE PROJETOS E DESPESAS TIC Manual de apoio à utilização do Formulário de Avaliação de Projetos e Despesas TIC www.ama.pt Índice 1. Visão global sobre a utilização do Formulário

Leia mais

OPERAÇÕES INDIVIDUAIS E OPERAÇÕES TRANSVERSAIS

OPERAÇÕES INDIVIDUAIS E OPERAÇÕES TRANSVERSAIS AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01/ SAMA/ 2012 SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA) OPERAÇÕES INDIVIDUAIS E OPERAÇÕES TRANSVERSAIS Nos termos do Regulamento do SAMA, a apresentação

Leia mais

SAMA2020 Pedro Silva Dias

SAMA2020 Pedro Silva Dias SAMA2020 Pedro Silva Dias JUNHO DE 2015 AGENDA MANHÃ 9H30 RECEÇÃO DOS PARTICIPANTES 10H00 ABERTURA CONSELHO DIRETIVO DA AMA COMISSÃO DIRETIVA DO COMPETE2020 10H15 APRESENTAÇÃO DOS AVISOS DE ABERTURA DE

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 596 Diário da República, 1.ª série N.º 27 7 de fevereiro de 2012 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Resolução da Assembleia da República n.º 12/2012 Recomenda ao Governo a alteração de normas do Decreto -Lei n.º

Leia mais

SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E SISTEMAS DE GESTÃO DE INFORMAÇÃO

SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E SISTEMAS DE GESTÃO DE INFORMAÇÃO AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E SISTEMAS DE GESTÃO DE INFORMAÇÃO 1 DE JULHO DE 2015 OPERAÇÕES TEMÁTICAS COLABORATION SIMPLIFICATION INNOVATION

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 02/SAMA2020/2015

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 02/SAMA2020/2015 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 02/SAMA2020/2015 REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DA OPERAÇÃO SISTEMA DE APOIO À MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (SAMA2020) Página 1 de 16

Leia mais

SAMA SISTEMA DE APOIO À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA

SAMA SISTEMA DE APOIO À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA SAMA SISTEMA DE APOIO À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA 10 DE MARÇO DE 2014 O QUE É O SAMA? SAMA O QUE É? VISA CRIAR CONDIÇÕES PARA UMA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MAIS

Leia mais

MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Da AP Central à AP Local

MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Da AP Central à AP Local Da AP Central à AP Local PAULO NEVES PRESIDENTE DO CONSELHO DIRETIVO 01 JULHO 2014 COMO OS CIDADÃOS VÊEM O SETOR PÚBLICO? 2 3 MAS SERÁ QUE PODEMOS FALAR NUMA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA? 4 DIVERSIDADE DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS

SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS 1 DE JULHO DE 2015 OPERAÇÕES TEMÁTICAS OPERAÇÃO TEMÁTICA M/C DOTAÇÃO ORÇAMENTAL CAPACITAÇÃO PARA AVALIAÇÕES DE IMPACTO REGULATÓRIO

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros n.º 12/2012

Resolução do Conselho de Ministros n.º 12/2012 Resolução do Conselho de Ministros n.º 12/2012 A Resolução do Conselho de Ministros n.º 46/2011, de 14 de novembro, constituiu o Grupo de Projeto para as Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC),

Leia mais

Código dos Contratos Públicos

Código dos Contratos Públicos Código dos Contratos Públicos DL 18/2008 (18.01.2008) A que contratos se aplicam as regras da contratação pública As regras da contratação pública previstas no CCP aplicam-se a todo e qualquer contrato

Leia mais

As TIC na Administração Pública Que Futuro?

As TIC na Administração Pública Que Futuro? As TIC na Administração Pública Que Futuro? André Vasconcelos Agência para a Modernização Administrativa, I.P. www.ama.pt Os organismos públicos têm tido a liberdade necessária para adquirir e gerir autonomamente

Leia mais

Compras Públicas para um Estado Inteligente

Compras Públicas para um Estado Inteligente Compras Públicas para um Estado Inteligente Princípios de um Estado Inteligente Agimos de modo a assegurar um legado para as gerações futuras, através da racionalidade da gestão e proteção dos recursos

Leia mais

1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento. 2. Estratégia para as Compras Públicas. 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas

1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento. 2. Estratégia para as Compras Públicas. 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas Agenda 1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento 2. Estratégia para as Compras Públicas 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas 4. Desafios para 2009 2 Propósito Estratégico: Agência Nacional

Leia mais

Jornada - Gestão da informação arquivística numa Administração Pública renovada 20 de Outubro de 2011

Jornada - Gestão da informação arquivística numa Administração Pública renovada 20 de Outubro de 2011 Jornada - Gestão da informação arquivística numa Administração Pública renovada 20 de Outubro de 2011 António Bento Planeamento e Gestão da Qualidade www.ama.pt Agenda A AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA

Leia mais

SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS RACIONALIZAÇÃO DAS TIC

SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS RACIONALIZAÇÃO DAS TIC AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS RACIONALIZAÇÃO DAS TIC 1 DE JULHO DE 2015 OPERAÇÕES TEMÁTICAS OPERAÇÃO TEMÁTICA M/C DOTAÇÃO ORÇAMENTAL CAPACITAÇÃO PARA AVALIAÇÕES

Leia mais

16 DE JUNHO DE 2015. Página 1 de 39

16 DE JUNHO DE 2015. Página 1 de 39 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01/SAMA2020/2015 SISTEMA DE APOIO À MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (SAMA2020) 16 DE JUNHO DE 2015 Página 1 de 39 Preâmbulo Nos termos do

Leia mais

Plano de ação setorial de racionalização das TIC no Ministério das Finanças (versão 2.0)

Plano de ação setorial de racionalização das TIC no Ministério das Finanças (versão 2.0) Plano de ação setorial de racionalização das TIC no (versão 2.0) Horizonte 2012-2016 Grupo de Projeto para as Tecnologias de Informação e Comunicação 1 Título: Plano de ação setorial de racionalização

Leia mais

Desafios Tecnológicos do Novo Código dos Contratos Públicos

Desafios Tecnológicos do Novo Código dos Contratos Públicos As Compras Como Fonte de Inovação e Valorização Impactos Apresentação da nova Corporativa legislação Confidencial Desafios Tecnológicos do Novo Código dos Contratos Públicos Miguel Sobral Administrador

Leia mais

SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS AUTENTICAÇÃO ELETRÓNICA

SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS AUTENTICAÇÃO ELETRÓNICA AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS AUTENTICAÇÃO ELETRÓNICA 1 DE JULHO DE 2015 OPERAÇÕES TEMÁTICAS OPERAÇÃO TEMÁTICA M/C DOTAÇÃO ORÇAMENTAL CAPACITAÇÃO PARA AVALIAÇÕES

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DA AP REGIONAL

PLANO DE AÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DA AP REGIONAL PLANO DE AÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DA AP REGIONAL (2012-2015) SETEMBRO DE 2012 Conteúdo 1 SUMÁRIO EXECUTIVO... 2 2 LINHAS ESTRATÉGICAS PARA A RACIONALIZAÇÃO DAS TIC... 4 3 MEDIDAS DE

Leia mais

Concurso público urgente n.º 01/2012 Programa de concurso CONCURSO PÚBLICO URGENTE PARA A AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES DE VOZ E DADOS

Concurso público urgente n.º 01/2012 Programa de concurso CONCURSO PÚBLICO URGENTE PARA A AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES DE VOZ E DADOS CONCURSO PÚBLICO URGENTE PARA A AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES DE VOZ E DADOS PROGRAMA DE CONCURSO ÍNDICE Artigo 1.º - Identificação e objeto do concurso Artigo 2.º - Entidade adjudicante Artigo

Leia mais

A SECRETARIA-GERAL DO ME

A SECRETARIA-GERAL DO ME Conferência Anual de Serviços Partilhados e Compras Públicas NOVOS DESAFIOS PARA AS COMPRAS PÚBLICAS A DO ME Mª Ermelinda Carrachás 26 de novembro de 2014 MINISTÉRIO DA ECONOMIA O Ministério da Economia

Leia mais

2015 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 1

2015 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 1 2015 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 1 2015 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 2 Agenda

Leia mais

16 DE JUNHO DE 2015. Página 1 de 21

16 DE JUNHO DE 2015. Página 1 de 21 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 02/SAMA2020/2015 SISTEMA DE APOIO À MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (SAMA2020) 16 DE JUNHO DE 2015 Página 1 de 21 Preâmbulo Nos termos do

Leia mais

GUIÃO DE PREENCHIMENTO MÓDULO CONTRATOS

GUIÃO DE PREENCHIMENTO MÓDULO CONTRATOS GUIÃO DE PREENCHIMENTO MÓDULO CONTRATOS Índice 1 Introdução... 4 1.1 Enquadramento... 5 1.2 Organização do Guião... 5 2 Instruções de Utilização Balcão 2020... 6 2.1 Acesso à aplicação Módulos Contratos...

Leia mais

16 DE JUNHO DE 2015. Página 1 de 39

16 DE JUNHO DE 2015. Página 1 de 39 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01/SAMA2020/2015 SISTEMA DE APOIO À MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (SAMA2020) 16 DE JUNHO DE 2015 Página 1 de 39 Preâmbulo Nos termos do

Leia mais

Para participar, basta enviar a sua sugestão ou notícia para: boletiminformativo@spms.min-saude.pt. BOLETIM INFORMATIVO. 27 Fev 2015 N.

Para participar, basta enviar a sua sugestão ou notícia para: boletiminformativo@spms.min-saude.pt. BOLETIM INFORMATIVO. 27 Fev 2015 N. Para participar, basta enviar a sua sugestão ou notícia para: boletiminformativo@spms.min-saude.pt. BOLETIM INFORMATIVO N.º02 Compras Públicas As Compras Públicas na Saúde assumem um papel crucial na estratégia

Leia mais

Identificação da empresa. Missão

Identificação da empresa. Missão Identificação da empresa SPMS - Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE, pessoa coletiva de direito público de natureza empresarial, titular do número único de matrícula e de pessoa coletiva 509

Leia mais

ISABEL RUTE DA CRUZ PAIS RIBEIRO

ISABEL RUTE DA CRUZ PAIS RIBEIRO Acordo quadro para a prestação de serviços de desenho, administração, operação e consolidação de infraestruturas de tecnologias de informação e comunicação (TIC) PROGRAMA DE CONCURSO Março de 2014 ÍNDICE

Leia mais

Administração Pública Eletrónica 2014 - O Que Falta Fazer?

Administração Pública Eletrónica 2014 - O Que Falta Fazer? Administração Pública Eletrónica 2014 - O Que Falta Fazer? 4 de junho de 2014 Auditório Adriano Moreira ISCSP PATRCINADORES PRATA Com a Colaboração Científica Patrocinadores Globais APDSI Da Interoperabilidade

Leia mais

Maia, 4 e 5 de Abril de 2011 Lisboa, 7 e 8 de Abril de 2011

Maia, 4 e 5 de Abril de 2011 Lisboa, 7 e 8 de Abril de 2011 Maia, 4 e 5 de Abril de 2011 Lisboa, 7 e 8 de Abril de 2011 1 Agenda 1. O Sistema Nacional de Compras Públicas (SNCP) 2. O Papel das Unidades Ministeriais de Compras e da ANCP 3. A Formação de Acordos

Leia mais

SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS ONLY ONCE E ADESÃO À IAP

SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS ONLY ONCE E ADESÃO À IAP SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS ONLY ONCE E ADESÃO À IAP 1 DE JULHO DE 2015 OPERAÇÕES TEMÁTICAS COLABORATION SIMPLIFICATION INNOVATION AGENCY FOR THE PUBLIC SERVICES REFORM OPERAÇÃO TEMÁTICA M/C DOTAÇÃO ORÇAMENTAL

Leia mais

INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P.

INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P. INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P. CONCURSO PÚBLICO N.º 05/DP/2009 AQUISIÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DE FILAS DE ATENDIMENTO DOS SERVIÇOS DESCONCENTRADOS DO IRN, I.P. CADERNO DE ENCARGOS ANEXO I ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

Procedimentos de Aquisição de Bens e Serviços na AP

Procedimentos de Aquisição de Bens e Serviços na AP PROGRAMA DE ESTÁGIOS PROFISSIONAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 3ª EDIÇÃO Procedimentos de Aquisição de Bens e Serviços na AP Cristino Sanches Praia 12 a 26 de Abril 2011-1- OBJECTIVOS 1 Conhecer o quadro legislativo

Leia mais

25 Maio Reitoria UNL

25 Maio Reitoria UNL 25 Maio Reitoria UNL 25 Maio Reitoria UNL Gestão de Serviços Partilhados na Administração Pública José Cordeiro Gomes Gestão de Serviços Partilhados na AP Agenda: 1. Enquadramento dos Serviços Partilhados

Leia mais

Gestão Documental na Administração Pública

Gestão Documental na Administração Pública Gestão Documental na Administração Pública 6 de dezembro de 2012 Auditório da Torre do Tombo Patrocínio Gold Patrocinadores Globais APDSI Patrocínio Prata Polícia Judiciária: Gestão de Documentos, Processos,

Leia mais

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO CÂMARA MUNICIPAL CADERNO DE ENCARGOS PROCESSO Nº 3 RH-2015 Apoio Técnico na área de Gestão de Recursos Humanos - Prestação de Serviços Ajuste Direto 1 de 10 ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 Cláusula 1.ª - Objecto...

Leia mais

Medida 21 - A adoção do OSS@AP

Medida 21 - A adoção do OSS@AP Medida 21 - A adoção do OSS@AP Ana Branco ana.branco@ama.pt Esta medida visa incentivar a avaliação rigorosa, pelo Estado, das soluções de software mais eficientes, promovendo a utilização de software

Leia mais

Consulta Prévia ao Mercado 03/2012

Consulta Prévia ao Mercado 03/2012 Consulta Prévia ao Mercado 03/2012 CADERNO DE ENCARGOS Aquisição de Kits de Formação Projecto 074015/2012/23 Formações Modulares Certificadas Página 1 de 13 CADERNO DE ENCARGOS PARTE I CLÁUSULAS JURÍDICAS

Leia mais

Sumário da Estratégia de Racionalização dos centros de dados e computação em nuvem na Administração Pública

Sumário da Estratégia de Racionalização dos centros de dados e computação em nuvem na Administração Pública Sumário da Estratégia de Racionalização dos centros de dados e computação em nuvem na Administração Pública Horizonte 202-206 Grupo de Projeto para as Tecnologias de Informação e Comunicação Título: computação

Leia mais

Declaração de Práticas

Declaração de Práticas Declaração de Práticas acingov Registo da revisão Versão Data Responsável Descrição 1.0 24-03-2014 Ricardo Garcês Versão Inicial 2.0 09-10-2014 Ricardo Garcês 3.0 13-10-2014 Ricardo Garcês 4.0 17-10-2014

Leia mais

1. ENQUADRAMENTO JURÍDICO DA ENTIDADE ENQUANTO ENTIDADE ADJUDICANTE

1. ENQUADRAMENTO JURÍDICO DA ENTIDADE ENQUANTO ENTIDADE ADJUDICANTE - A PREENCHER POR CADA PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÃO Salvo indicação em contrário, os artigos mencionados constam do Código dos Contratos Públicos 1. ENQUADRAMENTO JURÍDICO DA ENTIDADE ENQUANTO ENTIDADE

Leia mais

A implementação do balcão único electrónico

A implementação do balcão único electrónico A implementação do balcão único electrónico Departamento de Portais, Serviços Integrados e Multicanal Ponte de Lima, 6 de Dezembro de 2011 A nossa agenda 1. A Directiva de Serviços 2. A iniciativa legislativa

Leia mais

O sucesso dos nossos clientes é o nosso sucesso

O sucesso dos nossos clientes é o nosso sucesso Na atitude está a nossa diferença O sucesso dos nossos clientes é o nosso sucesso Faturação Eletrónica Desmaterialização Documental Outsourcing TI Solução integrada para desmaterialização de documentos

Leia mais

SEGURANÇA PRIVADO - PEDIDO DE EMISSÃO DE CARTÃO PROFISSIONAL

SEGURANÇA PRIVADO - PEDIDO DE EMISSÃO DE CARTÃO PROFISSIONAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA Rua da Artilharia 1, n.º 21, 4.º andar 1269-003 LISBOA Telefones: 213 703 990 213 703 900 Fax 213 874 770 E-mail depspriv@psp.pt M 40.1 - PEDIDO DE EMISSÃO DE CARTÃO PROFISSIONAL

Leia mais

Workshop Nacional sobre o Koha

Workshop Nacional sobre o Koha O open-source ao serviço das bibliotecas modernas A ESOP Apresentação A ESOP A ESOP é uma associação empresarial que representa as empresas portuguesas que se dedicam ao desenvolvimento de software e à

Leia mais

Se pretende entregar pelo portal das finanças deve previamente identificar 3 pontos:

Se pretende entregar pelo portal das finanças deve previamente identificar 3 pontos: O início do exercício de atividade, com a entrega/ submissão da respetiva declaração de início de atividade, é um momento de crucial importância para o estabelecimento de um clima de maior confiança entre

Leia mais

Guia de Utilização Acesso Universal Janeiro 2010 PLATAFORMA ELECTRÓNICA VORTAL

Guia de Utilização Acesso Universal Janeiro 2010 PLATAFORMA ELECTRÓNICA VORTAL Guia de Utilização Acesso Universal Janeiro 2010 PLATAFORMA ELECTRÓNICA VORTAL Acesso Universal Guia de Utilização Acesso Universal Janeiro 2010 Índice Preâmbulo... 3 Acesso à Plataforma... 4 Área de Trabalho...

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013 REDE RURAL NACIONAL NOTA INTRODUTÓRIA O desenvolvimento das fichas de medida/ação está condicionado, nomeadamente,

Leia mais

MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA A EXPERIÊNCIA PORTUGUESA JOÃO RICARDO VASCONCELOS

MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA A EXPERIÊNCIA PORTUGUESA JOÃO RICARDO VASCONCELOS A EXPERIÊNCIA PORTUGUESA JOÃO RICARDO VASCONCELOS JORNADAS CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO PORTO, 21 DE MAIO DE 2013 COLABORAR SIMPLIFICAR INOVAR PORTUGAL POSSUI UM PERCURSO RICO NO DESENVOLVIMENTO DE POLÍTICAS

Leia mais

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº NORTE-50-2015-10

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº NORTE-50-2015-10 AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº NORTE-50-2015-10 SISTEMA DE APOIO À MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PROGRAMA APROXIMAR: ESTRATÉGIA PARA A REORGANIZAÇÃO

Leia mais

Guia de utilização. Acesso Universal

Guia de utilização. Acesso Universal Guia de utilização Março de 2009 Índice Preâmbulo... 3 Acesso à Plataforma... 4 Área de Trabalho... 5 Apresentar Propostas... 12 Classificar Documentos... 20 Submeter a Proposta... 21 Solicitação de Esclarecimentos/Comunicações...

Leia mais

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 59 2015 11. Sistema de Incentivos Qualificação de PME

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 59 2015 11. Sistema de Incentivos Qualificação de PME AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 59 2015 11 Sistema de Incentivos Qualificação de PME CONTRATAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS ALTAMENTE QUALIFICADOS DOMÍNIO DA COMPETITIVIDADE

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19)

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Portaria n.º 701-E/2008 de 29 de Julho O Código dos Contratos Públicos consagra a obrigação das entidades adjudicantes de contratos

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA PROGRAMA EUROSTARS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ACOMPANHAMENTO FINANCEIRO COMPONENTES DO RELATÓRIO A verificação da execução financeira dos projectos EUROSTARS é suportada

Leia mais

Prémio Excelência no Trabalho 2015

Prémio Excelência no Trabalho 2015 FAQ Frequently Asked Questions Índice Prémio Excelência no Trabalho 2015 INSCRIÇÃO... 2 COMUNICAÇÃO INTERNA... 4 QUESTIONÁRIO DIRIGIDO AOS COLABORADORES... 5 INQUÉRITO À GESTÃO DE TOPO... 7 TRATAMENTO

Leia mais

Encontro Open Source. Associação de Empresas de Software Open Source Portuguesas. 30 de Maio de 2016

Encontro Open Source. Associação de Empresas de Software Open Source Portuguesas. 30 de Maio de 2016 A ESOP Apresentação A ESOP A ESOP é uma associação empresarial que representa as empresas portuguesas que se dedicam ao desenvolvimento de software e à prestação de serviços baseados em tecnologias open

Leia mais

Início > Cidadãos > Entregar > Declarações > Atividade > Início de Atividade

Início > Cidadãos > Entregar > Declarações > Atividade > Início de Atividade O início do exercício de atividade, com a entrega/ submissão da respetiva declaração de início de atividade, é um momento de crucial importância para o estabelecimento de um clima de maior confiança entre

Leia mais

Contrato de Intermediação Financeira

Contrato de Intermediação Financeira Contrato de Intermediação Financeira Condições Gerais do Contrato de Intermediação Financeira Entre a Caixa Geral de Depósitos, SA com sede em Lisboa na Av. João XXI n.º 63, com capital social de 5 900

Leia mais

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL Operações no Domínio da Administração em Rede Aviso para apresentação de candidaturas - Eixo Prioritário V Governação e Capacitação Institucional

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:378383-2013:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:378383-2013:text:pt:html 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:378383-2013:text:pt:html Polónia-Varsóvia: Contrato-quadro para desenvolvimento de Intranet com base em SharePoint, sistema

Leia mais

Contratação Pública Electrónica Sessão Técnica

Contratação Pública Electrónica Sessão Técnica Contratação Pública Electrónica Sessão Técnica CONSTRULINK 30 de Abril de 2009 Construlink2008. All rights reserved Agenda 1 2 3 Sessão II.1 As Plataformas Electrónicas Meios necessários ao funcionamento

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundo de Eficiência Energética PERGUNTAS E RESPOSTAS Aviso 11 Hotelaria - Incentivo à promoção da Eficiência Energética 2015 ÍNDICE 1. O que é o FEE Fundo de Eficiência Energética?... 3 2. Qual o enquadramento

Leia mais

PROTEKTO ACTFAST. Soluções para Segurança Pública. Porque todos os segundos contam

PROTEKTO ACTFAST. Soluções para Segurança Pública. Porque todos os segundos contam PROTEKTO Porque todos os segundos contam Soluções para Segurança Pública A resposta às ocorrências no âmbito da segurança pública, têm de ser imediatas, eficientes e eficazes. Cada resposta operacional,

Leia mais

SPMS, E.P.E 1º Trimestre 2012

SPMS, E.P.E 1º Trimestre 2012 1º Trimestre 2012 Indicadores de Gestão Interna 0 Indicadores de Gestão 1º Trimestre 2012 Enquadramento No presente documento apresentam-se os Indicadores de Gestão Interna da SPMS, EPE, relativos ao primeiro

Leia mais

O e-gov em Portugal. Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008

O e-gov em Portugal. Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008 O e-gov em Portugal Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008 O Plano Tecnológico é uma estratégia de mudança da base competitiva através do conhecimento, tecnologia e inovação 2 Conhecimento

Leia mais

DSCI 2015: Modernizar e racionalizar para servir melhor

DSCI 2015: Modernizar e racionalizar para servir melhor DSCI 2015: Modernizar e racionalizar para servir melhor Seminário Diplomático; 07 de Janeiro de 2015 Direcção de Serviços de Cifra e Informática (DSCI) Direcção de Serviços (única, todas redes MNE) - Gestão

Leia mais

Workshop Abertura de candidaturas SAMA2020 Francisco Nunes

Workshop Abertura de candidaturas SAMA2020 Francisco Nunes Workshop Abertura de candidaturas SAMA2020 Francisco Nunes Gestor de Eixo Lisboa 1 de julho de 2015 DOMÍNIOS TRASNVERSAIS DOMÍNIOS TEMÁTICOS Portugal 2020 COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO INCLUSÃO

Leia mais

Compras Públicas Centralizadas Como aceder aos mercados públicos

Compras Públicas Centralizadas Como aceder aos mercados públicos Compras Públicas Centralizadas Como aceder aos mercados públicos ISCAL, 14 de novembro de 2013 2012 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. Compras Públicas

Leia mais

Inovação empresarial e empreendedorismo. Qualificação e internacionalização das PME. Investigação e desenvolvimento tecnológico

Inovação empresarial e empreendedorismo. Qualificação e internacionalização das PME. Investigação e desenvolvimento tecnológico Mostra das empresas + Iniciativa Domínio Competitividade e Internacionalização Região Competitiva, Resiliente, Empreendedora e Sustentável com base na valorização do Conhecimento Loulé 8 Maio de 2015 Sistemas

Leia mais

Minuta de Contrato Administrativo n. ***/2013 CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETO:

Minuta de Contrato Administrativo n. ***/2013 CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETO: Minuta de Contrato Administrativo n. ***/2013 Compromisso celebrado entre [nome da CONTRATANTE], localizada à [inserir endereço completo], inscrita no [caso Administração indireta inserir número do CNPJ],

Leia mais

Obrigação de comunicação à AT

Obrigação de comunicação à AT Obrigação de comunicação à AT Perguntas e respostas sobre o impacto das novas regras de comunicação à AT nas empresas Page 2 of 10 Introdução A Publicação do Decreto-Lei nº 197/2012, de 24 de agosto introduz

Leia mais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais Derechos Quem Somos O Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos, organizada e posicionada para a oferta integrada de Serviços Partilhados para o sector da Saúde.

Leia mais

IMPORTANTE - LEIA COM ATENÇÃO:

IMPORTANTE - LEIA COM ATENÇÃO: IMPORTANTE - LEIA COM ATENÇÃO: Este contrato de licença do utilizador final (EULA) é um contrato entre o Adquirente (pessoa singular ou coletiva) e o GRUPOPIE ( GRUPOPIE ) de software GRUPOPIE identificado(s)

Leia mais

FORMULÁRIO DO PEDIDO DE PAGAMENTO

FORMULÁRIO DO PEDIDO DE PAGAMENTO FORMULÁRIO DO PEDIDO DE PAGAMENTO 28 FEVEREIRO DE 2014 1 1. INTRODUÇÃO: NORMA DE PAGAMENTOS: ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 01.REV2/POFC/2013). 2. FORMULÁRIO PEDIDO DE PAGAMENTO SAMA 3. INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE

Leia mais

MATRÍCULA ELECTRÓNICA. Manual do Utilizador

MATRÍCULA ELECTRÓNICA. Manual do Utilizador MATRÍCULA ELECTRÓNICA Manual do Utilizador ÍNDICE 1 PREÂMBULO... 2 2 UTILIZAÇÃO PELOS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO... 3 2.1 Matrícula Electrónica - Acesso através do Portal das Escolas... 3 2.2 Registo de

Leia mais

A Reforma da AP e a evolução dos SI/TI

A Reforma da AP e a evolução dos SI/TI 10 Anos da Sociedade de Informação 2 de Novembro de 2006 FIL Parque das Nações A Reforma da AP e a evolução dos SI/TI João Catarino Tavares ( ) Patrocínio Apoio A Reforma da AP e a evolução dos SI/TI João

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundo de Eficiência Energética PERGUNTAS E RESPOSTAS Aviso 09 - Auditoria Elevadores Edifícios Serviços 2015 Perguntas e Respostas Aviso 09 - Auditoria Elevadores Edifícios Serviços 2015 v0 0 ÍNDICE ÂMBITO

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR

MANUAL DO UTILIZADOR MANUAL DO UTILIZADOR SISTEMA DE INFORMAÇÃO FORMAÇÃO CONTÍNUA (Art.21.º do Decreto-Lei n.º22/2014, de 11 de fevereiro) 6 de julho de 2015 Índice 1. ENQUADRAMENTO... 5 1.1 Objetivo... 5 1.2 Contactos Úteis...

Leia mais

Gestão Documental. Informação para a Governação

Gestão Documental. Informação para a Governação Gestão Documental Desafios para a Administração Pública Informação para a Governação Informação para a governação 2015-07-10 1 AGENDA O CEGER Missão e atribuições Ring Serviços aplicacionais Gestão Documental

Leia mais

Colóquio: As Empresas de Serviços Energéticos em Portugal

Colóquio: As Empresas de Serviços Energéticos em Portugal Colóquio: As Empresas de Serviços Energéticos em Portugal Lisboa, 30 de Dezembro Miguel Matias Presidente da APESE Vice-Presidente Self Energy A Eficiência Energética na Cidade oportunidade na Reabilitação

Leia mais

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Email: ssgeral@saudadeesilva.com NOVO REGIME DE FATURAÇÃO Alterações para 2013, em matéria de faturação e transporte de mercadorias. Legislação aplicável:

Leia mais

Imposto Sobre o Valor Acrescentado IVA NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO. Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de agosto

Imposto Sobre o Valor Acrescentado IVA NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO. Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de agosto Imposto Sobre o Valor Acrescentado IVA NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de agosto LEGISLAÇÃO: - Decreto-Lei n.º 197/2012, 24 de agosto - Decreto-Lei n.º 198/1990, 19 de junho -

Leia mais

Sistema Obrigações de Investimento

Sistema Obrigações de Investimento Sistema Obrigações de Investimento Declaração de obrigações de investimento Manual do utilizador Versão VGRAF 1.00 Nov. 2014 Manual de utilizador Obrigações de Investimento 1 Índice 1. Manual do Utilizador...

Leia mais

Bélgica-Bruxelas: Prestação de serviços em nuvem a favor da ECHO 2014/S 148-265392. Anúncio de concurso. Serviços

Bélgica-Bruxelas: Prestação de serviços em nuvem a favor da ECHO 2014/S 148-265392. Anúncio de concurso. Serviços 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:265392-2014:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Prestação de serviços em nuvem a favor da ECHO 2014/S 148-265392 Anúncio de

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Assim, o conselho diretivo do IMT, I.P., em reunião ordinária, realizada em 22 de fevereiro de 2013, delibera o seguinte:

DELIBERAÇÃO. Assim, o conselho diretivo do IMT, I.P., em reunião ordinária, realizada em 22 de fevereiro de 2013, delibera o seguinte: DELIBERAÇÃO CONTRATO DE GESTÃO DE CENTRO DE INSPEÇÃO DE VEÍCULOS A Lei n.º 11/2011, de 26 de abril, que estabelece o regime jurídico de acesso e permanência na atividade de inspeção técnica a veículos

Leia mais

FAQS. Decreto-Lei n.º 23/2015, de 6 de fevereiro Portaria n.º 179/2015, de 16 de junho

FAQS. Decreto-Lei n.º 23/2015, de 6 de fevereiro Portaria n.º 179/2015, de 16 de junho FAQS REGIME DE INCENTIVOS DO ESTADO À COMUNICAÇÃO SOCIAL Decreto-Lei n.º 23/2015, de 6 de fevereiro Portaria n.º 179/2015, de 16 de junho I ÓRGÃOS ELEGÍVEIS (artigos 6.º e 7.º do Decreto-Lei n.º 23/2015

Leia mais

no domínio dos em Saúde Vilamoura, 23 Maio 2009 SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais

no domínio dos em Saúde Vilamoura, 23 Maio 2009 SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais A experiência no domínio dos Serviços Partilhados em Saúde Joaquina Matos Vilamoura, 23 Maio 2009 Quem Somos O que Somos? Visão Missão Ser referência como entidade de Serviços Partilhados na área da Saúde,

Leia mais

A experiência no domínio dos Serviços Partilhados em Saúde

A experiência no domínio dos Serviços Partilhados em Saúde A experiência no domínio dos Serviços Partilhados em Saúde Joaquina Matos Vilamoura, 23 Maio 2009 Quem Somos O que Somos? Visão Missão Ser referência como entidade de Serviços Partilhados na área da Saúde,

Leia mais

Manual de Utilizador Entidades 2015-08.V01 DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Manual de Utilizador Entidades 2015-08.V01 DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE QUALIFICAÇÃO Centro Nacional de Qualificação de Formadores Manual de Utilizador Entidades 2015-08.V01 Índice Índice... 2 1. Introdução... 4

Leia mais

Regulamento de Bolsas do CCMar

Regulamento de Bolsas do CCMar Regulamento de Bolsas do CCMar CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia ao abrigo do Decreto-Lei nº 123/99, de 20 de Abril,

Leia mais