Observar o Céu Profundo Guilherme de Almeida e Pedro Ré

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Observar o Céu Profundo Guilherme de Almeida e Pedro Ré"

Transcrição

1 Observar o Céu Profundo Guilherme de Almeida e Pedro Ré Índice Prefácio... 9 Introdução O observador e os instrumentos de observação Atitude do observador perante as observações astronómicas Alguns requisitos dos telescópios para as observações do céu profundo Considerações sobre os principais tipos de telescópios Oculares Lentes de Barlow e redutores de focal Buscadores Montagens Erro periódico Manutenção e limpeza das superfícies ópticas Critérios para a compra de um telescópio Passagem da luz através dos telescópios. O factor de transmissão Outros telescópios Refractores apocromáticos Círculos graduados digitais Montagens comandadas por computador Telescópios menos divulgados A atmosfera e as observações astronómicas Requisitos da atmosfera para as observações astronómicas Transparência A estabilidade atmosférica, a turbulência e a cintilação das estrelas Outros efeitos da atmosfera Extinção Difusão da luz na atmosfera Refracção da luz na atmosfera A poluição luminosa A poluição luminosa e as observações astronómicas A poluição luminosa e a qualidade do céu Um factor insólito de poluição luminosa Técnicas de observação Direcções no céu... 45

2 4.2. Campo visual A turbulência atmosférica e as observações astronómicas Aprender a viver com a turbulência Critérios práticos para avaliar a estabilidade atmosférica e a visão Condições atmosféricas que prenunciam noites de boa visão Escolha de locais de observação Como minimizar a turbulência local A visão humana e as técnicas de observação Algumas particularidades da nossa visão Magnitude limite Brilho superficial Resolução Contraste O contraste e a visão de objectos difusos Filtros especiais para as observações do céu profundo Técnicas de observação dos objectos do céu profundo Método de localização "de estrela em estrela" Localização de objectos pelo método diferencial Condensação de humidade atmosférica sobre os telescópios Outros aspectos ligados às observações astronómicas Registos de observações Sistematização, terminologia e convenções Origens históricas das constelações Origem dos traços entre as estrelas mais brilhantes de cada constelação Asterismos Sistematização actual das constelações Nomenclatura das estrelas Designações clássicas usualmente utilizadas Designações para estrelas duplas Designações para estrelas variáveis Catálogos de nebulosas, galáxias e enxames de estrelas Atlas celestes Alguns catálogos para astrónomos amadores As estrelas As estrelas e a Via Láctea Velocidade radial, velocidade tangencial e movimento próprio Massas e dimensões das estrelas Estrelas duplas Equilíbrio térmico e equilíbrio hidrostático nas estrelas Estrelas variáveis Variáveis intrínsecas Variáveis extrínsecas Temperaturas, tipos espectrais e classes de luminosidade Índice de cor Diagrama de Hertzsprung-Russel

3 7. O céu profundo A Via Láctea e os objectos do céu profundo Enxames de estrelas abertos Enxames globulares Nebulosas Galáxias Classificação das galáxias Atlas do céu profundo Organização da informação no Atlas do céu profundo Andromeda a Canis Major a 148 Canis Minor a Crater a 176 Cygnus a Lacerta a 200 Leo a Ophiuchus a 222 Orion a Scorpius a 252 Sculptor avulpecula a Informações sobre fotografia astronómica Imagens do céu profundo utilizando películas fotográficas Fotografia CCD Nota sobre os autores APÊNDICES E TEMAS DE DESENVOLVIMENTO Apêndices (Ap.) Ap. 1. Alfabeto grego Ap. 2. Coordenadas geográficas das principais cidades portuguesas Ap. 3. Grandezas e unidades úteis ao observador Ap. 4. Constelações não incluídas no Atlas do céu profundo Ap. 5. Dados sobre as constelações (terminologia e abreviaturas) Ap. 6. Dados sobre as constelações (datas e dados numéricos) Ap. 7. Catálogo de Messier Ap. 8. Maratona de Messier Ap. 9. Objectos de outros catálogos (NGC, IC, Mel), incluídos neste livro Ap. 10. Apreciação visual do campo aparente de uma ocular Ap. 11. Como medir o campo aparente de uma ocular Ap. 12. Como obter as características ópticas de um telescópio "mudo" Ap. 13. Dimensões lineares da imagem no plano focal primário de um telescópio Ap. 14. Posição rigorosa do pólo celeste norte

4 Temas de desenvolvimento (TD.) TD. 1. Escala da imagem no plano focal de um telescópio TD. 2. Distâncias no plano focal de um telescópio, correspondentes a determinadas distâncias angulares no céu TD. 3. Campo coberto pelas objectivas fotográficas TD. 4. Factor de transmissão e magnitude limite de um telescópio TD. 5. Magnitudes combinadas TD. 6. Módulos de distância e correspondentes distâncias em anos-luz TD. 7. Cálculo do brilho superficial de um objecto extenso TD. 8. Variação temporal das coordenadas equatoriais de um astro com movimento próprio muito pequeno Endereços e contactos úteis Associações de Astronomia (nacionais) Observatórios Planetários Telescópios, binóculos e acessórios Turismo astronómico Associações de Astronomia (internacionais) Bibliografia Outras fontes de informação e de imagens Software de Astronomia Agradecimentos Índice alfabético e remissivo Índice de quadros Quadro 1.1. Vantagens e inconvenientes dos principais tipos de telescópios Quadro 4.1. Utilização de estrelas da Ursa Maior para estimar campos de buscadores Quadro 4.2. Magnitude limite detectável através de um dado telescópio Quadro 4.3. Número total de estrelas observáveis de acordo com a magnitude limite de detecção Quadro 4.4. Brilho superficial do céu em diversos locais de observação Quadro 4.5. Poder separador do olho humano Quadro 4.6. Poder separador de um telescópio, de acordo com a sua abertura (segundo o critério de Dawes) Quadro 4.7. Comparação entre os critérios resolutivos de Dawes e de Rayleigh Quadro 4.8. Ampliações necessárias para obter determinadas separações aparentes entre estrelas duplas Quadro 4.9. Alguns filtros para as observações do céu profundo Quadro Apreciação qualitativa das ampliações de um telescópio Quadro 4.11 Alguns objectos do céu profundo fáceis de observar Quadro 5.1. Constelações introduzidas por Ptolomeu Quadro 5.2. Constelações introduzidas por Keyser e Frederick de Houtman Quadro 5.3. Constelações introduzidas por Plancius Quadro 5.4. Constelações introduzidas por Hevelius Quadro 5.5. Constelações introduzidas por Lacaille Quadro 5.6. Designações comparadas de algumas estrelas... 87

5 Quadro 5.7. Exemplos de designações de estrelas duplas Quadro 6.1. Designações dos quadrantes celestes em torno de um astro Quadro 6.2. Tipos espectrais e temperaturas superficiais de algumas estrelas Quadro 6.3. Magnitudes aparentes e índices de cor de algumas estrelas bem conhecidas 106 Quadro 6.4. Tempo de permanência das estrelas na sequência principal Quadro 7.1. Distâncias a que se encontram os diversos objectos do céu profundo, na nossa Galáxia Quadro 7.2. Algumas regiões H II bem conhecidas Quadro 7.3. Membros do Grupo Local Quadro 7.4. Distribuição das galáxias segundo a classificação de Hubble

Aula Inaugural. Introdução à Astrofísica. Reinaldo R. de Carvalho (rrdecarvalho2008@gmail.com)

Aula Inaugural. Introdução à Astrofísica. Reinaldo R. de Carvalho (rrdecarvalho2008@gmail.com) Aula Inaugural Introdução à Astrofísica Reinaldo R. de Carvalho (rrdecarvalho2008@gmail.com) Livros recomendados:!! 1 - An Introduction to Modern Astrophysics, Bradley W. Carroll & Dale A. Ostlie, Second

Leia mais

Estrelas Variáveis Cefeidas Como Indicadores de Distâncias

Estrelas Variáveis Cefeidas Como Indicadores de Distâncias 1 Estrelas Variáveis Cefeidas Como Indicadores de Distâncias Eduardo Brescansin de Amôres, Raquel Yumi Shida (IAG-USP) 1. INTRODUÇÃO O que aprenderei nesta atividade? Você aprenderá como os astrônomos

Leia mais

FOTOGRAFAR O CÉU (PARTE I)

FOTOGRAFAR O CÉU (PARTE I) FOTOGRAFAR O CÉU (PARTE I) Pedro Ré http://www.astrosurf.com/re Fotografar o céu é uma ambição natural de muitas pessoas, entre as quais se contam os entusiastas de fotografia e de astronomia, os amantes

Leia mais

IMAGENS DO CÉU PROFUNDO

IMAGENS DO CÉU PROFUNDO IMAGENS DO CÉU PROFUNDO Pedro Ré http://astrosurf.com/re Realizar fotografias objectos do céu profundo é um procedimento que requer alguma presistência e equipamente adequado. A enorme evolução sofrida

Leia mais

Instrumentos e Técnicas de Observação. Associação de Astrónomos Amadores da Madeira Marco Joaquim

Instrumentos e Técnicas de Observação. Associação de Astrónomos Amadores da Madeira Marco Joaquim Instrumentos e Técnicas de Observação Associação de Astrónomos Amadores da Madeira Marco Joaquim Quais os instrumentos a utilizar. Quais as suas principais características. Dados importantes para a sua

Leia mais

Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica Corpo de Criação e Desenvolvimento. Processo de Seleção para Olimpíadas Internacionais de 2012

Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica Corpo de Criação e Desenvolvimento. Processo de Seleção para Olimpíadas Internacionais de 2012 Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica Corpo de Criação e Desenvolvimento Processo de Seleção para Olimpíadas Internacionais de 2012 Primeira Prova Nesta prova há 32 questões de diferentes níveis

Leia mais

IMAGEM - PENSAMENTO ENTRE O CÉU E A TERRA: O TELESCÓPIO É NOSSO

IMAGEM - PENSAMENTO ENTRE O CÉU E A TERRA: O TELESCÓPIO É NOSSO IMAGEM - PENSAMENTO ENTRE O CÉU E A TERRA: O TELESCÓPIO É NOSSO Nelma Ferreira dos Santos Docente/Pesquisadora do IFF-Macaé Rafael Chaves Pereira dos Santos Estudante do 3º do EM no Curso de Eletrônica

Leia mais

E por mais que o homem se torne importante, ele não é nada comparado às estrelas [Caroline Herschel] Paulo Roberto -

E por mais que o homem se torne importante, ele não é nada comparado às estrelas [Caroline Herschel] Paulo Roberto - E por mais que o homem se torne importante, ele não é nada comparado às estrelas [Caroline Herschel] Paulo Roberto - www.laboratoriodopaulo.blogspot.com As constelações Ao longo da história, a humanidade

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Telescópios. Telescopio Refrator. tub o Bandeja porta oculares Haste de micro ajuste Tripé. Buscador Ajuste de foco

Perguntas e Respostas sobre Telescópios. Telescopio Refrator. tub o Bandeja porta oculares Haste de micro ajuste Tripé. Buscador Ajuste de foco Perguntas e Respostas sobre Telescópios A palavra telescópio é de origem grega e significa ver ao longe (Tele Skopen). Os telescópios têm dois tipos básicos: refratores, regidos pelo princípio físico da

Leia mais

EFEITOS DA POLUIÇÃO LUMINOSA NO ESPECTÁCULO DO CÉU NOCTURNO

EFEITOS DA POLUIÇÃO LUMINOSA NO ESPECTÁCULO DO CÉU NOCTURNO EFEITOS DA POLUIÇÃO LUMINOSA NO ESPECTÁCULO DO CÉU NOCTURNO GUILHERME DE ALMEIDA g.almeida@vizzavi.pt 1. A poluição luminosa e os seus efeitos na imponência do céu nocturno A poluição luminosa é o maior

Leia mais

PORTUGAL. Regras da Competição de Grupos. 1. Podem participar na competição de grupos equipes compostas por três ou mais estudantes.

PORTUGAL. Regras da Competição de Grupos. 1. Podem participar na competição de grupos equipes compostas por três ou mais estudantes. Regras da Competição de Grupos 1. Podem participar na competição de grupos equipes compostas por três ou mais estudantes. 2. A equipe receberá um conjunto de 5 questões para resolver em 60 minutos. 3.

Leia mais

Galáxias. Prof. Miriani G. Pastoriza http://www.if.ufrgs.br/~mgp/

Galáxias. Prof. Miriani G. Pastoriza http://www.if.ufrgs.br/~mgp/ Galáxias Prof. Miriani G. Pastoriza http://www.if.ufrgs.br/~mgp/ Definição de gálaxia As galáxias são gigantescos sistemas formados por bilhões de estrelas e de matéria interestelar. O diâmetro típico

Leia mais

F031 - Tópicos em Astronomia e Astrofísica. Parte 1: Propriedades das Estrelas. Prof. Ernesto Kemp UNICAMP IFGW DRCC kemp@ifi.unicamp.

F031 - Tópicos em Astronomia e Astrofísica. Parte 1: Propriedades das Estrelas. Prof. Ernesto Kemp UNICAMP IFGW DRCC kemp@ifi.unicamp. F031 - Tópicos em Astronomia e Astrofísica Parte 1: Propriedades das Estrelas Prof. Ernesto Kemp UNICAMP IFGW DRCC kemp@ifi.unicamp.br Considerações sobre Astrofísica: A astrofísica é uma CIÊNCIA, e para

Leia mais

O telescópio ideal: algumas reflexões Guilherme de Almeida

O telescópio ideal: algumas reflexões Guilherme de Almeida O telescópio ideal: algumas reflexões Guilherme de Almeida O conceito de ideal é demasiado difuso. Quem é que no dia-a-dia tem o automóvel ideal, o computador ideal, a casa ideal, a aparelhagem de som

Leia mais

7 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia

7 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia 7 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova Teórica Final 25 de Maio de 2012 10:00 (Açores) Duração máxima 120 minutos Nota: Ler atentamente todas as questões. Existe uma tabela com dados no final da

Leia mais

As Cores das Estrelas

As Cores das Estrelas 1 As Cores das Estrelas Jane Gregorio-Hetem, Eduardo Brescansin de Amôres, Raquel Yumi Shida (IAG-USP) 1.INTRODUÇÃO O que aprenderei nesta atividade? Você aprenderá como os astrônomos calculam a temperatura

Leia mais

Estrelas EIXO PRINCIPAL O SOL

Estrelas EIXO PRINCIPAL O SOL Estrelas EIXO PRINCIPAL O SOL O Sol, nossa fonte de luz e de vida, é a estrela mais próxima de nós e a que melhor conhecemos. O Sol é uma estrela comum. Basicamente, é uma enorme esfera de gás incandescente,

Leia mais

EUGÉNIO CONCEIÇÃO SILVA (1903-1969), PAI DA ASTRONOMIA DE AMADORES EM PORTUGAL

EUGÉNIO CONCEIÇÃO SILVA (1903-1969), PAI DA ASTRONOMIA DE AMADORES EM PORTUGAL EUGÉNIO CONCEIÇÃO SILVA (1903-1969), PAI DA ASTRONOMIA DE AMADORES EM PORTUGAL PEDRO RÉ http://www.astrosurf.com/re Introdução Eugénio Conceição Silva (1903-1969) completou o curso de marinha com 23 anos

Leia mais

Estrelas: espetros, luminosidades e massas

Estrelas: espetros, luminosidades e massas Estrelas: espetros, luminosidades e massas J. L. G. Sobrinho 1,2 1 Centro de Ciências Exactas e da Engenharia, Universidade da Madeira 2 Grupo de Astronomia da Universidade da Madeira Resumo Praticamente

Leia mais

1.º PERÍODO. n.º de aulas previstas DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS/CONTEÚDOS OBJETIVOS. De 36 a 41

1.º PERÍODO. n.º de aulas previstas DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS/CONTEÚDOS OBJETIVOS. De 36 a 41 DE FÍSICO-QUÍMICA - 7.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO O aluno é capaz de: o Conhecer e compreender a constituição do Universo, localizando a Terra, e reconhecer o papel da observação e dos instrumentos

Leia mais

INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA SANDRO FERNANDES

INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA SANDRO FERNANDES INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA SANDRO FERNANDES O que é a Astronomia? É a ciência que estuda o universo, numa tentativa de perceber a sua estrutura e evolução. Histórico É a ciência mais antiga. Os registros

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 6º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ

CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 6º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 6º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ Prova elaborada

Leia mais

5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia

5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia 5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 14 de Abril de 2010 15:00 Duração máxima 120 minutos Nota: Ler atentamente todas as questões. Existe uma tabela com dados no final

Leia mais

Escola Secundária de Eça de Queirós-Póvoa de Varzim PLANIFICAÇÃO A MÉDIO / LONGO PRAZO

Escola Secundária de Eça de Queirós-Póvoa de Varzim PLANIFICAÇÃO A MÉDIO / LONGO PRAZO 2015/201 1.º Período DISCIPLINA: Ciências Físico-Químicas ANO: 7.º CURSO: 3.º Ciclo do Ensino Básico Total de aulas previstas: 38 Domínio: I. Espaço Subdomínio: I.1. Universo Objetivo Geral: 1. Conhecer

Leia mais

Competição observacional prova do céu. Instruções. 1. Há 2 questões, cada uma valendo 25 pontos. Você tem 80 minutos para resolvê-las, dos quais :

Competição observacional prova do céu. Instruções. 1. Há 2 questões, cada uma valendo 25 pontos. Você tem 80 minutos para resolvê-las, dos quais : Competição observacional prova do céu Instruções 1. Há 2 questões, cada uma valendo 25 pontos. Você tem 80 minutos para resolvê-las, dos quais : (a) 25 minutos para ler as questões e se preparar para as

Leia mais

Conhecer a Esfera Celeste. Atividades com Planetário -Guião para Stellarium

Conhecer a Esfera Celeste. Atividades com Planetário -Guião para Stellarium Conhecer a Esfera Celeste Atividades com Planetário -Guião para Stellarium Carlos Brás 14-11-2011 Atividades com Planetário Introdução Depois de aberto o programa e devidamente configurado para a latitude

Leia mais

Vídeo-endoscópios para animais de grande porte VET 28 3.0 08/2015-PT

Vídeo-endoscópios para animais de grande porte VET 28 3.0 08/2015-PT Vídeo-endoscópios para animais de grande porte VET 28 3.0 08/2015-PT Vídeo-endoscópios para a medicina veterinária da KARL STORZ um novo critério para a qualidade da imagem e a versatilidade Com os novos

Leia mais

5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia

5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia 5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 14 de Abril de 2009 15:00 Duração máxima 120 minutos Nota: Ler atentamente todas as questões. Existe uma tabela com dados no final

Leia mais

Determinação de Massas e Raios Estelares

Determinação de Massas e Raios Estelares Determinação de Massas e Raios Estelares 1 Introdução A massa de uma estrela é a sua característica mais importante. Conhecendo-se a massa inicial e a composição química inicial de uma estrela, devemos

Leia mais

Oficina: As Cores das Estrelas Parte A

Oficina: As Cores das Estrelas Parte A Curso de Introdução à Astronomia e Astrofísica - Divisão de Astrofísica/ INPE Oficina: As Cores das Estrelas Parte A I - Cor e Temperatura Ao olharmos o céu estrelado, podemos notar que nem todas as estrelas

Leia mais

TÓPICOS ESPECIAIS EM FÍSICA - ASTRONOMIA

TÓPICOS ESPECIAIS EM FÍSICA - ASTRONOMIA TÓPICOS ESPECIAIS EM FÍSICA - ASTRONOMIA DADOS DO DOCENTE: Prof. Dr. Sandro Barboza Rembold EMENTA: LATO/DCET/UESC sbrembold@uesc.br Noções de astronomia esférica, gravitação newtoniana, cosmologia newtoniana,

Leia mais

Observatórios Virtuais Fundamentos de Astronomia Cap. 13 (C. Oliveira & V. Jatenco-Pereira) Capítulo 13 ESTRELAS VARIÁVEIS

Observatórios Virtuais Fundamentos de Astronomia Cap. 13 (C. Oliveira & V. Jatenco-Pereira) Capítulo 13 ESTRELAS VARIÁVEIS 145 Capítulo 13 ESTRELAS VARIÁVEIS Nós dedicaremos esse capítulo ao estudo das estrelas variáveis, estrelas tais que sua luminosidade varia com o tempo por meio de uma relação bem definida, e que se situam

Leia mais

Astrofotografia do sistema solar

Astrofotografia do sistema solar Astrofotografia do sistema solar Jéssica de SOUZA ALVES 1 ; Mayler MARTINS 2 1 Estudante do curso Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio, Bolsista de Iniciação Científica Júnior (PIBICJr) FAPEMIG.

Leia mais

FSC1057: Introdução à Astrofísica. A Via Láctea. Rogemar A. Riffel

FSC1057: Introdução à Astrofísica. A Via Láctea. Rogemar A. Riffel FSC1057: Introdução à Astrofísica A Via Láctea Rogemar A. Riffel Breve histórico Via Láctea: Caminho esbranquiçado como Leite; Galileo (Sec. XVII): multitude de estrelas; Herschel (XVIII): Sistema achatado

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Velas LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS. Educação Visual

Escola Básica e Secundária de Velas LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS. Educação Visual Escola Básica e Secundária de Velas LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS Educação Visual Escola Básica e Secundária de Velas DISCIPLINA: EDUCAÇÃO VISUAL COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS REGIONAIS COMPETÊNCIAS

Leia mais

ISAACS ROBERTS (1829-1904), PIONEIRO DA ASTROFOTOGRAFIA

ISAACS ROBERTS (1829-1904), PIONEIRO DA ASTROFOTOGRAFIA ISAACS ROBERTS (1829-1904), PIONEIRO DA ASTROFOTOGRAFIA Isaccs Roberts nasceu em 27 de Janeiro de 1829 em Groes (País de Gales). Filho de uma familia de agricultores, frequentou a escola primária (Welsh

Leia mais

A VIA LÁCTEA, NOSSA GALÁXIA

A VIA LÁCTEA, NOSSA GALÁXIA A VIA LÁCTEA, NOSSA GALÁXIA A Via Láctea é uma faixa de luz tênue e esbranquiçada que percorre todo o céu, formando um anel à nossa volta. É conhecida desde a antiguidade. Somente com o uso do telescópio

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1

ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1 ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1 questão 01. O que é Astrofísica? questão 02. O que são constelações? questão 03. Como era o calendário Lunar? questão 04. Qual era diferença

Leia mais

Óptica. Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm).

Óptica. Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm). Óptica Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm). Fenômenos ópticos Professor: Éder (Boto) Sobre a Luz O que emite Luz?

Leia mais

PLANETA JÚPITER: O ASTRO DO VERÃO. O

PLANETA JÚPITER: O ASTRO DO VERÃO. O EFEMÉRIDES DO MÊS DE JANEIRO DE 2014 (DIA, HORA E MINUTOS PARA OLINDA E GRANDE RECIFE NO HORÁRIO LOCAL -3 HORAS DO TEMPO UNIVERSAL SEM HORÁRIO DE VERÃO)* * Por Alexandre Evangelista da Silva, Professor

Leia mais

Capítulo 8. ESTRELAS : Distâncias e Magnitudes

Capítulo 8. ESTRELAS : Distâncias e Magnitudes Observatórios Virtuais Fundamentos de Astronomia Cap. 8 (Gregorio-Hetem & Jatenco-Pereira Capítulo 8 ESTRELAS : Distâncias e Magnitudes Tendo estudado de que forma as estrelas emitem sua radiação, e em

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL. Física e Química (7º ANO) Ano letivo 2015/2016. Departamento de Matemática e Ciências Experimentais

PLANIFICAÇÃO ANUAL. Física e Química (7º ANO) Ano letivo 2015/2016. Departamento de Matemática e Ciências Experimentais AGRUPAMENTO ESCOLAS PROF. CARLOS TEIXEIRA (Cód.150502) Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Física e Química PLANIFICAÇÃO ANUAL (7º ANO) Ano letivo 2015/2016 Ciências Físico-Químicas Planificação

Leia mais

Universidade da Madeira Estudo do Meio Físico-Natural I Astronomia Problemas propostos

Universidade da Madeira Estudo do Meio Físico-Natural I Astronomia Problemas propostos Universidade da Madeira Estudo do Meio Físico-Natural I Astronomia Problemas propostos J. L. G. Sobrinho 1,2 1 Centro de Ciências Exactas e da Engenharia, Universidade da Madeira 2 Grupo de Astronomia

Leia mais

Introdução à Astrofísica. Telescópios. Rogemar A. Riffel

Introdução à Astrofísica. Telescópios. Rogemar A. Riffel Introdução à Astrofísica Telescópios Rogemar A. Riffel Telescópios Função: coletar a luz dos objetos, tornando possível o estudo de fontes muito fracas. Parâmetros fundamentais: Abertura da superfície

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO Prova Extraordinária de Avaliação Físico-Química 3º Ciclo - 7.º Ano de Escolaridade Despacho

Leia mais

Atividade: Uma Viagem pelo Céu Autores: Laerte Sodré Jr., Raquel Y. Shida, Jane Gregorio-Hetem (IAG/USP)

Atividade: Uma Viagem pelo Céu Autores: Laerte Sodré Jr., Raquel Y. Shida, Jane Gregorio-Hetem (IAG/USP) Autores: Laerte Sodré Jr., Raquel Y. Shida, Jane Gregorio-Hetem (IAG/USP) Objetivo: Esta atividade, elaborada para o programa "Telescópios na Escola", é indicada para quem nunca observou antes com um telescópio

Leia mais

MONTAGENS EQUATORIAIS TAKAHASHI EM-2 e EM-200

MONTAGENS EQUATORIAIS TAKAHASHI EM-2 e EM-200 MONTAGENS EQUATORIAIS TAKAHASHI EM-2 e EM-200 Pedro Ré http://www.astrosurf.com/re A firma TAKAHASHI foi fundada em 1932 por Kitaro TAKAHASHI. Foi somente após a 2ª guerra mundial (1946) que foram produzidos

Leia mais

Meios de Propagação. Raios e Feixes de Luz. O que é a Luz 2/4/2012. Fundamentos de. Fontes de Luz. Óptica Geométrica NÃO. Tipos de Pincéis de luz

Meios de Propagação. Raios e Feixes de Luz. O que é a Luz 2/4/2012. Fundamentos de. Fontes de Luz. Óptica Geométrica NÃO. Tipos de Pincéis de luz Óptica Geométrica Módulo 1 Óptica Geométrica : Estuda o comportamento de um raio de luz desde o momento que é emitido por uma fonte de luz, até a cegada a um sistema óptico para formação de imagens. Fundamentos

Leia mais

Manual para Stellarium

Manual para Stellarium Manual para Stellarium Conteúdo 1. Início do Stellarium e breves notas de interesse; 2. Criar pontos de interesse; 3. Como medir um objeto a definir; 4 Relacionar magnitude com poluição luminosa 1 Primeiro

Leia mais

DOMÓTICA, VIDEOPORTEIRO E SISTEMAS DE SEGURANÇA

DOMÓTICA, VIDEOPORTEIRO E SISTEMAS DE SEGURANÇA 17 DOMÓTICA, VIDEOPORTEIRO E SISTEMAS DE SEGURANÇA 207 17. DOMÓTICA, VIDEOPORTEIRO E SISTEMAS DE SEGURANÇA 17.1 INTRODUÇÃO Para que os investidores, operadores e ocupantes possam usufruir dos edifícios

Leia mais

Prova final teórica. 5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia. 05 de Junho de 2010 15:00. Duração máxima 120 minutos

Prova final teórica. 5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia. 05 de Junho de 2010 15:00. Duração máxima 120 minutos 5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova final teórica 05 de Junho de 2010 15:00 Duração máxima 120 minutos Nota: Ler atentamente todas as questões. Existe uma tabela com dados no final da prova 1.

Leia mais

FOTOGRAMETRIA DIGITAL. Rogério Mercandelle Santana Universidade Federal de Viçosa Departamento de Solos

FOTOGRAMETRIA DIGITAL. Rogério Mercandelle Santana Universidade Federal de Viçosa Departamento de Solos FOTOGRAMETRIA DIGITAL Rogério Mercandelle Santana Universidade Federal de Viçosa Departamento de Solos O que é Fotogrametria? A Fotogrametria é, segundo a American Society for Photogrammetry and Remote

Leia mais

OBSERVAÇÃO VISUAL DE ETA AQUILAE: UMA ATIVIDADE MULTIDISCIPLINAR

OBSERVAÇÃO VISUAL DE ETA AQUILAE: UMA ATIVIDADE MULTIDISCIPLINAR I Simpósio Nacional de Educação em Astronomia Rio de Janeiro - 2011 1 OBSERVAÇÃO VISUAL DE ETA AQUILAE: UMA ATIVIDADE MULTIDISCIPLINAR Alexandre Amorim 1,2 1 American Association of Variable Stars Observers

Leia mais

EFEMÉRIDES DO MÊS DE OUTUBRO DE 2014

EFEMÉRIDES DO MÊS DE OUTUBRO DE 2014 EFEMÉRIDES DO MÊS DE OUTUBRO DE 2014 POSIÇÃO GEOGRÁFICA: LATITUDE: -8.1º LONGITUDE: -34.9º LATITUDE: 8º 0 48.1 Sul LONGITUDE: 34º 51 3.4 Oeste CALENDÁRIO DO CÉU COM OS HORÁRIOS DE VISIBILIDADE DOS OBJETOS

Leia mais

ENSINANDO FÍSICA POR MEIO DE IMAGENS ASTRONÔMICAS André de Castro Milone (Divisão de Astrofísica, INPE) email: acmilone@das.inpe.

ENSINANDO FÍSICA POR MEIO DE IMAGENS ASTRONÔMICAS André de Castro Milone (Divisão de Astrofísica, INPE) email: acmilone@das.inpe. 1 ENSINANDO FÍSICA POR MEIO DE IMAGENS ASTRONÔMICAS André de Castro Milone (Divisão de Astrofísica, INPE) email: acmilone@das.inpe.br RESUMO O uso de recursos multimídia tem sido uma das alavancas motivadoras

Leia mais

Reconhecimento e explicação da importância da evolução tecnológica no nosso conhecimento atual sobre o Universo.

Reconhecimento e explicação da importância da evolução tecnológica no nosso conhecimento atual sobre o Universo. ESCOLA BÁSICA2,3 EUGÉNIO DOS SANTOS 2013 2014 página 1 ESCOLA BÁSICA DO 2.º E 3.º CICLOS EUGÉNIO DOS SANTOS PLANIFICAÇÃO E METAS DE APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 7.º ANO DE ESCOLARIDADE

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Saída(s) Profissional(is): Operador de Fotografia (nível 2)

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Saída(s) Profissional(is): Operador de Fotografia (nível 2) INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Área de Formação: 213. AUDIOVISUAIS E PRODUÇÃO DOS MÉDIA Itinerário de Qualificação: 21305. FOTOGRAFIA

Leia mais

Apontamentos AS OBJECTIVAS

Apontamentos AS OBJECTIVAS As objectivas actuais são constituídas por uma série de lentes, (elementos), montados em grupos, colocadas num tubo chamado barrilete. O facto de se agruparem lentes com caracteristicas diferentes, tem

Leia mais

Evolução Estelar: Nascimento, vida e morte das estrelas

Evolução Estelar: Nascimento, vida e morte das estrelas Evolução Estelar: Nascimento, vida e morte das estrelas John R. Percy International Astronomical Union Universidad de Toronto, Canada Evolução das estrelas Nebulosa do Anel, uma estrela moribunda. Fonte:

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia. Estrelas. Prof. Tibério B. Vale

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia. Estrelas. Prof. Tibério B. Vale Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia Estrelas Prof. Tibério B. Vale Propriedades Estrelas são esferas autogravitantes de gás ionizado, cuja fonte de

Leia mais

TIPOS E MONTAGENS DE TELESCÓPIOS

TIPOS E MONTAGENS DE TELESCÓPIOS TIPOS E MONTAGENS DE TELESCÓPIOS J.R. Kaschny Vitória da Conquista Maio.2011 Luneta Equatorial Gautier: Observatório Central - UFRGS Introdução Telescópios são instrumentos que permitem estender a capacidade

Leia mais

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma.

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA CURSO DE FÍSICA LABORATÓRIO ÓPTICA REFLEXÃO E REFRAÇÃO OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a

Leia mais

Como é que a Poluição Luminosa Afeta as Estrelas

Como é que a Poluição Luminosa Afeta as Estrelas Como é que a Poluição Luminosa Afeta as Estrelas Poluição Luminosa Projeto DSR Apagar as Luzes para Acender as Estrelas Resumo: Cada aluno irá construir um Leitor de Magnitude que será utilizado para determinar

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo Mínimo para o Ensino Médio do estado do RIO DE JANEIRO. Física Interação e Tecnologia

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo Mínimo para o Ensino Médio do estado do RIO DE JANEIRO. Física Interação e Tecnologia Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo Mínimo para o Ensino Médio do estado do RIO DE JANEIRO Física Interação e Tecnologia 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta

Leia mais

HÁ MAIS FOTO PARA ALÉM DA NOTÍCIA

HÁ MAIS FOTO PARA ALÉM DA NOTÍCIA HÁ MAIS FOTO PARA ALÉM DA NOTÍCIA Numa era onde a imagem é preponderante, a fotografia é o veículo de comunicação mais autêntico e imediato. Por isso, facilmente reunimos 10 razões para escolher a fotografia

Leia mais

Thales Cerqueira Mendes

Thales Cerqueira Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - UNIVASF PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA Thales Cerqueira Mendes CLASSIFICAÇÃO, CARACTERÍSTICAS,

Leia mais

INTRODUÇÃO À TERMOLOGIA. Capítulo 1 Conceitos fundamentais, 2 A TEMPERATURA E SEUS EFEITOS. Capítulo 2 A medida da temperatura Termometria, 9

INTRODUÇÃO À TERMOLOGIA. Capítulo 1 Conceitos fundamentais, 2 A TEMPERATURA E SEUS EFEITOS. Capítulo 2 A medida da temperatura Termometria, 9 Sumário Parte 1 INTRODUÇÃO À TERMOLOGIA Capítulo 1 Conceitos fundamentais, 2 1. Termologia: observações macroscópicas, interpretações microscópicas, 2 2. Energia térmica e calor, 2 3. Noção de temperatura,

Leia mais

Curso de Astronomia Geral CCD. Texto Complementar 1. Aprenda a usar o Stellarium

Curso de Astronomia Geral CCD. Texto Complementar 1. Aprenda a usar o Stellarium Curso de Astronomia Geral CCD Texto Complementar 1 Aprenda a usar o Stellarium Gosta de usar o Stellarium para contar as estrelas no céu, mas se sente perdido com a quantidade de funções do programa? Ainda

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído através da interligação de computadores e outros dispositivos, com a finalidade de trocar informação e partilhar

Leia mais

UNIDADE IV ASTROFÍSICA ESTELAR

UNIDADE IV ASTROFÍSICA ESTELAR UNIDADE IV ASTROFÍSICA ESTELAR AULA 17 ESTRELAS: PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS OBJETIVOS: Ao final desta aula, o aluno deverá: compreender os conceitos de magnitude e luminosidade; conhecer os tipos espectrais

Leia mais

NEX-3/NEX-5/NEX-5C A-DRG-100-52(1) 2010 Sony Corporation

NEX-3/NEX-5/NEX-5C A-DRG-100-52(1) 2010 Sony Corporation NEX-3/NEX-5/NEX-5C As funções 3D disponibilizadas por esta actualização de firmware são descritas neste folheto. Por favor consulte o Manual de instruções e o Manual da α que estão incluídos no CD-ROM

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE UM ESPECTROSCÓPIO DE PRISMA

CALIBRAÇÃO DE UM ESPECTROSCÓPIO DE PRISMA TRABALHO PRÁTICO CALIBRAÇÃO DE UM ESPECTROSCÓPIO DE PRISMA Objectivo: Neste trabalho prático pretende-se: na 1ª parte, determinar o índice de refracção de um poliedro de vidro; na 2ª parte, proceder à

Leia mais

Automatismos Industriais

Automatismos Industriais Automatismos Industriais Introdução à Pneumática Nos actuais sistemas de automação a pneumática é um elemento muito importante pois está presente num vasto numero de aplicações, seja como sistema totalmente

Leia mais

CHARLES MESSIER E O SEU FAMOSO CATÁLOGO

CHARLES MESSIER E O SEU FAMOSO CATÁLOGO CHARLES MESSIER E O SEU FAMOSO CATÁLOGO Pedro Ré http://www.astrosurf.com/re/ Charles Messier nasceu em Badonvillier, na França em 26 de Junho de 1730. Desde cedo manisfestou interesse pela astronomia

Leia mais

TELESCÓPIOS EIXO PRINCIPAL

TELESCÓPIOS EIXO PRINCIPAL TELESCÓPIOS O telescópio é um aparato que coleta a luz e é a principal ferramenta de trabalho em Astronomia. A evolução do telescópio ao longo destes 4 séculos foi extraordinária e se confunde com a própria

Leia mais

O Sol. Movimento Diário do Sol A ESFERA CELESTE

O Sol. Movimento Diário do Sol A ESFERA CELESTE A ESFERA CELESTE Você já observou o céu logo após o por do Sol? Já notou que o Sol próximo ao horizonte, durante o pôr do Sol, parece ficar ov al? Percebeu que logo após o pôr do Sol, não escurece de imediato?

Leia mais

2014/2015 3Ventos. 3Ventos. Curso Vocacional 3º Ciclo Ensino Básico

2014/2015 3Ventos. 3Ventos. Curso Vocacional 3º Ciclo Ensino Básico Curso Vocacional 3º Ciclo Ensino Básico B - Áreas Vocacionais Empregado(a) Comercial Acompanhante de Ação Educativa Operador(a) de Informática C - Matriz curricular Componentes de Formação Cada disciplina

Leia mais

Grupo de trabalho: OBJECTIVOS. Realizar actividades em parceria com outras escolas.

Grupo de trabalho: OBJECTIVOS. Realizar actividades em parceria com outras escolas. FAZER HISTÓRIA: descobrir o valor do raio da Terra e estimar a distância à Lua Data: / / Grupo de trabalho: OBJECTIVOS Relacionar a sombra projectada pelo Sol em lugares com diferentes latitudes, para

Leia mais

Kit de Atividades para Professores: Guia de Observação www.globeatnight.org Cinco passos simples para a Caça às Estrelas:

Kit de Atividades para Professores: Guia de Observação www.globeatnight.org Cinco passos simples para a Caça às Estrelas: KitdeAtividadesparaProfessores:GuiadeObservação www.globeatnight.org Datasdascampanhasde2012queusamOrion:Janeiro14 23,Fevereiro12 21&Março13 22 E Incentive os seus alunos a participar numa campanha mundial

Leia mais

Uma viagem da Terra às Estrelas.

Uma viagem da Terra às Estrelas. Uma viagem da Terra às Estrelas. Luís Cunha Depº de Física Universidade do Minho Júpiter e Io vistos da sonda Cassini Tópicos para a sessão 1 Primeira parte da sessão 1 a) As escalas do Cosmos unidades

Leia mais

Astronomia Extragaláctica Semestre: 2015.2

Astronomia Extragaláctica Semestre: 2015.2 Astronomia Extragaláctica Semestre: 015. Sergio Scarano Jr 14/03/016 Teorema do Virial em Sistemas Esféricos Consideremos um sistema estelar esférico de massa M e raio R. Nele a energia cinética: E cin

Leia mais

CONSTRUIR E UTILIZAR UM ASTROLÁBIO SIMPLES

CONSTRUIR E UTILIZAR UM ASTROLÁBIO SIMPLES CONSTRUIR E UTILIZAR UM ASTROLÁBIO SIMPLES INTRODUÇÃO O astrolábio é um instrumento que serve para medir ângulos. Foi bastante utilizado no passado por exemplo pelos navegadores do tempo dos Descobrimentos

Leia mais

OBSERVANDO O UNIVERSO

OBSERVANDO O UNIVERSO OBSERVANDO O UNIVERSO Dr. André de Castro Milone (acmilone@das.inpe.br) Divisão de Astrofísica Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais II Ciclo ABCAer/AAB de Palestras do Setor Aeroespacial Memorial

Leia mais

Fundamentos de Telecomunicações

Fundamentos de Telecomunicações Fundamentos de Telecomunicações LERCI_FT 1: Introdução Professor Victor Barroso vab@isr.ist.utl.pt 1 Introduzindo O tópico A terminologia A tecnologia O conteúdo... LERCI_FT - Lição 1 Fundamentos de Telecomunicações

Leia mais

Iluminação LED de nível alto

Iluminação LED de nível alto Iluminação LED de nível alto Sistemas de iluminação em linha com LED As séries E4, E5 e E7 da ETAP oferecem uma vasta gama de iluminação LED para espaços com pé direito elevado, como pavilhões industriais,

Leia mais

DESCRITORES DAS PROVAS DO 1º BIMESTRE

DESCRITORES DAS PROVAS DO 1º BIMESTRE PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO DESCRITORES DAS PROVAS DO 1º BIMESTRE CIENTISTAS DO AMANHÃ Descritores 1º Bimestre

Leia mais

EXOPLANETAS EIXO PRINCIPAL

EXOPLANETAS EIXO PRINCIPAL EXOPLANETAS Antes mesmo de eles serem detectados, poucos astrônomos duvidavam da existência de outros sistemas planetários além do Solar. Mas como detectar planetas fora do Sistema Solar? Às suas grandes

Leia mais

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011 ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011 Nome: 7.º Ano Turma Nº: Encarregado de Educação: Classificação: Professor: 1. Observe a figura seguinte,

Leia mais

6ª série / 7º ano U. E 05

6ª série / 7º ano U. E 05 6ª série / 7º ano U. E 05 O sistema solar Cada um dos planetas do sistema solar é constituído basicamente dos mesmos elementos e substâncias químicas, embora cada planeta tenha características próprias.

Leia mais

Diâmetro da imagem da Lua = Distância focal / 110. Tabela 1- Diâmetro do disco lunar e campo coberto (filme de 35 mm) em função da distância focal.

Diâmetro da imagem da Lua = Distância focal / 110. Tabela 1- Diâmetro do disco lunar e campo coberto (filme de 35 mm) em função da distância focal. Fotografar a Lua Pedro Ré http://www.astrosurf.com/re A Lua é um dos objectos celestes mais fáceis de fotografar. É relativamente simples obter boas fotografias lunares recorrendo a equipamento pouco sofisticado.

Leia mais

PowerValue 11 7,5-10 - 12 kva (Monofásica)

PowerValue 11 7,5-10 - 12 kva (Monofásica) Descrição Técnica PowerValue 11 7,5-10 - 12 kva (Monofásica) Monofásica, On-line de Dupla-Conversão, VFI Fonte de Alimentação Não Interruptível (UPS) ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 7,5-10-12 kva (entrada e saída

Leia mais

O CÉU. G. Iafrate (a), M. Ramella (a) and V. Bologna (b) (a)

O CÉU. G. Iafrate (a), M. Ramella (a) and V. Bologna (b) (a) (b) O CÉU G. Iafrate (a), M. Ramella (a) and V. Bologna (b) (a) INAF - Astronomical Observatory of Trieste Istituto Comprensivo S. Giovanni Sc. Sec. di primo grado M. Codermatz" Trieste Translation by

Leia mais

Refração luminosa. antes de estudar o capítulo PARTE II

Refração luminosa. antes de estudar o capítulo PARTE II PARTE II Unidade E capítulo 13 Refração luminosa seções: 131 Considerações preliminares 132 Leis da refração 133 Dioptro plano 134 Lâmina de faces paralelas 135 Prisma 136 Refração da luz na atmosfera

Leia mais

TELESCÓPIOS. Roberto Vieira Martins Pesquisador Titular do Observatório Nacional Pesquisador Associado ao Observatório de Paris. Apresentação...

TELESCÓPIOS. Roberto Vieira Martins Pesquisador Titular do Observatório Nacional Pesquisador Associado ao Observatório de Paris. Apresentação... TELESCÓPIOS 1 Roberto Vieira Martins Pesquisador Titular do Observatório Nacional Pesquisador Associado ao Observatório de Paris Apresentação... 3 1. Introdução... 4 Caixa 1.1 O que se observa... 6 Caixa

Leia mais

Artigo. Condensações em Edifícios. Publicado na revista Arquitectura & Vida, nº 63, Set. 2005, pp. 71-74. Maio 2005 AC05103LIS/ENG

Artigo. Condensações em Edifícios. Publicado na revista Arquitectura & Vida, nº 63, Set. 2005, pp. 71-74. Maio 2005 AC05103LIS/ENG Artigo Publicado na revista Arquitectura & Vida, nº 63, Set. 2005, pp. 71-74 Maio 2005 AC05103LIS/ENG Condensações em Edifícios Luís Viegas Mendonça Condensações em Edifícios Luís Viegas Mendonça* Sumário

Leia mais

Plano de aula. 5. Metodologia: Aula expositiva dialógica orientada pela interação: alunos professor conhecimento.

Plano de aula. 5. Metodologia: Aula expositiva dialógica orientada pela interação: alunos professor conhecimento. Campus Jataí Plano de aula Disciplina: Ondas, Ótica e Termodinâmica Turma: Engenharia Elétrica (4º ano 2009/2) Professor: Rodrigo Claudino Diogo Data da aula: 30/11/2009 Duração: 1h00min 1. Tema: Lentes

Leia mais

SESC Petrolina 09, 10 e 11 de agosto de 2010. Marcus Ramos UNIVASF

SESC Petrolina 09, 10 e 11 de agosto de 2010. Marcus Ramos UNIVASF SESC Petrolina 09, 10 e 11 de agosto de 2010 Marcus Ramos UNIVASF Engenheiro elétrico (USP/82); Mestre em Sistemas Digitais (USP/91); Professor do curso de Engenharia de Computação da UNIVASF em Juazeiro-BA

Leia mais

A idade do Universo. Profa. Thaisa Storchi Bergmann Departamento de Astronomia Instituto de Física UFRGS

A idade do Universo. Profa. Thaisa Storchi Bergmann Departamento de Astronomia Instituto de Física UFRGS A idade do Universo Profa. Thaisa Storchi Bergmann Departamento de Astronomia Instituto de Física UFRGS A Sumário O espaço também é tempo; a velocidade da luz é finita Vídeo anexo (Viagem a Virgo) Distâncias

Leia mais

Aula 08 Sistema Solar

Aula 08 Sistema Solar Aula 08 Sistema Solar Hipótese de Laplace: como surgiu o sistema solar a partir da Nebulosa primordial. (1), (2) A conservação do momento angular requer que uma nuvem em rotação e em contração, deve girar

Leia mais

OS CRITÉRIOS USADOS NA ESCOLHA E AGRUPAMENTO DAS ESTRELAS NÁUTICAS

OS CRITÉRIOS USADOS NA ESCOLHA E AGRUPAMENTO DAS ESTRELAS NÁUTICAS OS CRITÉRIOS USADOS NA ESCOLHA E AGRUPAMENTO DAS ESTRELAS NÁUTICAS Gil Alves Silva Doutorando do HCTE/UFRJ gilalvessilva@yahoo.com.br INTRODUÇÃO Embora estejamos em plena era do GPS (Global Positioning

Leia mais