DESERTIFICAÇÃO, DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E AGRICULTURA FAMILIAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESERTIFICAÇÃO, DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E AGRICULTURA FAMILIAR"

Transcrição

1 DESERTIFICAÇÃO, DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E AGRICULTURA FAMILIAR RECORTES NO BRASIL, EM PORTUGAL E NA ÁFRICA DESERTIFICAÇÃO, DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E AGRICULTURA FAMILIAR RECORTES NO BRASIL, EM PORTUGAL E NA ÁFRICA Emilia Moreira Ivan Targino (organização)

2 Emilia Moreira Ivan Targino (Organizadores) DESERTIFICAÇÃO, DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E AGRICULTURA FAMILIAR RECORTES NO BRASIL, EM PORTUGAL E NA ÁFRICA Editora Universitária João Pessoa - PB 2010 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

3 Ministra IZABELLA MÔNICA VIEIRA TEIXEIRA Secretário de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável EGON KRAKHECKE Coordenação Técnica de Combate à Desertificação MARCOS DAL FABBRO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Reitor RÔMULO SOARES POLARI Vice-reitora MARIA YARA CAMPOS MATOS Coordenação do PPGG CARLOS AUGUSTO DE AMORIM CARDOSO Chefe de Departamento de Geociências BARTOLOMEU ISRAEL DE SOUZA EDITORA Diretor JOSÉ LUIZ DA SILVA Vice-diretor JOSÉ AUGUSTO DOS SANTOS FILHO D451 Desertificação, desenvolvimento sustentável e agricultura familiar: recortes no Brasil, em Portugal e na África / Emília Moreira, Ivan Targino (Organizadores).- João Pessoa: Editora Universitária da UFPB; Ministério do Meio Ambiente p. Edição Bilingue ISBN: Desertificação Brasil - Portugal. 2. Desenvolvimento sustentável. 3. Agricultura familiar. I. Moreira, Emília. II. Targino, Ivan. UFPB/BC CDU: ( ) Capa e Editoração Eletrônica: Estação Gráfica ltda Composição: Emília Moreira Revisão: Cândida Cardoso Campos Guth e Thays Almeida Lacerda CTP, Impressão e Acabamento: Estação Gráfica ltda Direitos dessa edição reservados ao Ministério do Meio Ambiente VENDA PROIBIDA

4 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...5 PREFÁCIO...7 A PERCEPÇÃO DO FENÓMENO DA DESERTIFICAÇÃO EM PORTUGAL E NO BRASIL: A IMPORTÂNCIA DE INFORMAR A SOCIEDADE Maria José Roxo e Bruno Miguel Almeida Neves...9 A ILHA DE SANTIAGO (CABO VERDE) PAISAGEM NATURAL, USO DE RECURSOS NATURAIS E RISCOS DE DESERTIFICAÇÃO José Maria Monteiro Semedo...29 MAPEAMENTO DA DESERTIFICAÇÃO NOS CARIRIS VELHOS PB BRASIL Bartolomeu Israel de Souza, Dirce Maria A. Suertegaray e Eduardo Rodrigues V. de Lima...47 A DESERTIFICAÇÃO NO SERIDÓ POTIGUAR Ione Rodrigues Diniz Morais, Jucicléa Medeiros de Azevedo, Leina Cristina de Medeiros e Francisco Rafael de Morais Fernandes...65 PERCEPÇÃO E GESTÃO DA EROSÃO E DOS RECURSOS HÍDRICOS PELOS AGRICULTORES E CRIADORES DA BACIA HIDROGRAFICA DO IBICUI (RS BRASIL) Guillaume Leturcq, François Laurent e Rosa Maria Vieira Medeiros...85 ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO E DO TRABALHO NA AGRICULTURA CAMPONESA DE BASE FAMILIAR NO SEMIÁRIDO PARAIBANO Emília Moreira, Silvana Cristina C. Correia e Ivan Targino O CONTRIBUTO DA AGROECOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL EM ÁREAS COM RISCO DE DESERTIFICAÇÃO: MÉRTOLA (PORTUGAL) Ana Firmino SUSTENTABILIDADE DEMOGRÁFICA DA AGRICULTURA FAMILIAR NO CENTRO-SUL PORTUGUÊS EM RISCO DE DESERTIFICAÇÃO Maria de Nazaré Oliveira Roca e Rita Marquito FAMÍLIAS, SECAS E IMPLICAÇÕES NAS MIGRAÇÕES INTERNAS EM MOÇAMBIQUE: O QUE É QUE EXISTE E O QUE É QUE NÃO EXISTE? Inês M. Raimundo O SETOR AGRÍCOLA EM CABO VERDE: DIFICULDADES NATURAIS E ECONÔMICAS Paulo Aguiar do Monte e Luciano Menezes Bezerra Sampaio...181

5 CONFLITOS DA SILVICULTURA EM ÁREAS EM PROCESSO DE ARENIZAÇÃO. SUDOESTE DO RIO GRANDE DO SUL Dirce Maria Antunes Suertegaray e Luiz Alberto Morelli CAMINHOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: AGRICULTURA FAMILIAR E TRANSIÇÃO AGROECOLÓGICA Francisco R. B. Nogueira e Ghislaine Duque REINVENTANDO A NATUREZA, ELABORANDO SEU BOM USO E CONSTRUINDO O DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SUSTENTÁVEL NO SEMIÁRIDO: o lugar da educação para a convivência neste processo de ressignificações Luzineide Dourado Carvalho PROJETO DOM HÉLDER CÂMARA E SUSTENTABILIDADE DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO NO SEMIÁRIDO NORDESTINO Márcio Miceli Maciel de Sousa e Ivan Targino Moreira POLÍTICAS PÚBLICAS E AGRICULTURA FAMILIAR Rosa Maria Vieira Medeiros AGRICULTURE FAMILIALE ET DESERTIFICATION: QUELLE RELATION? Approche à partir de l étude de quelques cas en Tunisie Abdelkarim Daoud LEITE DE CABRA: ORGANIZANDO GENTE, ESTRUTURANDO VIDAS José Jonas Duarte da Costa e Ana Bernadete de C. Accioly Soares SERTÃO SERGIPANO: UMA VISÃO INTEGRADA Vera Lúcia Alves França QUANDO O SERTÃO VIRA MAR AS CHEIAS DE FEVEREIRO DE 2004 E AS SECAS DE SEMPRE NA PARAÍBA João Filadelfo de Carvalho Neto e Pedro Costa Guedes Vianna FATORES AUTOECOLÓGICOS E SUAS RELAÇOES COM A DIVERSIDADE ARBUSTIVO-ARBÓREA NO CARIRI PARAIBANO Zelma Glebya Maciel Quirino, Maria Regina de Vasconcellos Barbosa, Itamar Barbosa Lima e José Roberto Lima...333

6 APRESENTAÇÃO O uso dos recursos naturais no meio rural é foco constante de debates, tendo em vista as práticas e modelos produtivos utilizados e a pressão resultante sobre o meio ambiente. Nas áreas suscetíveis à desertificação, considerando a baixa disponibilidade hídrica, tais processos devem ser cuidadosamente analisados, na perspectiva de dotarmos os agricultores de técnicas e insumos condizentes com o meio em que vivem. Destaca-se que quase um terço da população mundial habita regiões que apresentam riscos de desertificação. Nesse contexto é que o Ministério do Meio Ambiente MMA apresenta os resultados do II Seminário Luso Brasileiro sobre Agricultura Familiar e Desertificação II SEMILUSO, visando aprimorar os conhecimentos dos sistemas produtivos e sua relação com a desertificação, no âmbito das experiências da Comunidade de Países de Língua Portuguesa CPLP. O debate e registro das experiências apresentadas por especialistas e pesquisadores, bem como por representantes de organismos governamentais e não governamentais, de movimentos sociais e de agricultores familiares busca partilhar conhecimentos sobre alternativas exitosas de enfrentamento da desertificação, fortalecendo, por meio de tais iniciativas, a agricultura familiar em áreas com risco ou já submetidas a esse processo. Destacam-se os trabalhos de pesquisa desenvolvidos por pesquisadores da Universidade Federal da Paraíba Brasil, da Universidade Nova de Lisboa Portugal e do Instituto Superior de Educação da Universidade de Cabo Verde. Esses trabalhos tem permitido um profícuo debate interdisciplinar e interinstitucional sobre a agricultura familiar em áreas susceptíveis à desertificação. A publicação do presente livro, iniciativa apoiada pela Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Sustentável SEDR/MMA, ao consolidar os principais resultados das discussões do II SEMILUSO, permitirá a apropriação, pelos leitores, dos resultados do Seminário, contribuindo para avançarmos no debate sobre a desertificação, as alternativas e lições com vistas a promover o uso sustentável dos recursos naturais. 5

7 6 Desertificação, Desenvolvimento Sustentável e Agricultura Familiar _ recortes no Brasil, em Portugal e na África

8 Prefácio A publicação deste livro tem como objetivo precípuo fazer circular contribuições de pesquisadores de diferentes países acerca de questões relativas à agricultura familiar em áreas que apresentam riscos de desertificação, assim como abordar e aprofundar a discussão a respeito da convivência com as condições de semiaridez. Os capítulos que compõem esta coletânea resultam da conjugação de dois projetos que se interligam e se complementam. O primeiro abordou questões relativas à agricultura familiar, com ênfase nas condições de emprego e de renda nas regiões Nordeste do Brasil, Centro-Sul de Portugal e na Ilha de Santiago, em Cabo Verde, áreas que apresentam riscos de desertificação. O segundo projeto consistiu na realização do II Seminário Luso-Brasileiro-Caboverdiano (II SEMILUSO), financiado pelo CNPq e pelo Ministério do Meio Ambiente que teve, por finalidade, divulgar os resultados da pesquisa; trazer, contribuições de outros pesquisadores; promover o intercâmbio de experiências exitosas de convivência com a semiaridez e de combate à degradação das terras; construir uma rede capaz de permitir a troca de informações e de estreitar os elos entre pesquisadores, técnicos, representantes de organismos governamentais e não governamentais, de movimentos sociais e de associações de pequenos produtores rurais da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa CPLP e de outros países da África e da Europa, envolvidos com o objeto deste estudo. O primeiro projeto foi desenvolvido por professores-pesquisadores da Universidade Federal da Paraíba UFPB (Brasil), da Universidade Nova de Lisboa UNL (Portugal) e do Instituto Superior de Educação ISE, da Universidade de Cabo Verde. Contouse com o apoio do CNPq, por intermédio do Programa de Cooperação em Matéria de Ciências Sociais para a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (Programa Ciências Sociais CPLP). Dele resultaram, além de um relatório técnico, vários artigos publicados neste livro e em eventos nacionais e internacionais pelos pesquisadores: Maria de Nazaré Amorim de Oliveira Roca, Ana Maria Viegas Firmino e Maria José Leitão Barroso Roxo (da UNL); José Maria Monteiro Semedo (do ISE); Paulo Aguiar do Monte, Luciano Menezes Bezerra Sampaio, Ivan Targino e Emilia Moreira (da UFPB). O II SEMILUSO foi realizado em junho de 2008, na UFPB, Campus de João Pessoa-PB, Brasil e nele, além de comunicações orais, foram apresentados trabalhos resultantes da pesquisa que lhe deu origem e outros previamente solicitados a pesquisadores nacionais e estrangeiros (da Europa e da África) cujos temas eram relacionados às questões que permearam o projeto de pesquisa visando a agregar outros aspectos do problema a partir de estudos e de experiências vivenciadas em outras áreas que não as contempladas pela pesquisa anteriormente referida. Espera-se que a riqueza de informações contidas nesta coletânea contribua para a ampliação do conhecimento a respeito do tema Desertificação, agricultura familiar e desenvolvimento sustentável nas regiões em risco de desertificação no Brasil, em Portugal e na África. Emilia Moreira e Ivan Targino Organizadores 7

9

10 A PERCEPÇÃO DO FENÓMENO DA DESERTIFICAÇÃO EM PORTUGAL E NO BRASIL: A IMPORTÂNCIA DE INFORMAR A SOCIEDADE Maria José Roxo Bruno Miguel Almeida Neves 1 O interesse global a respeito da desertificação Ao final da década de 60, do século XX, a comunidade internacional começa a ouvir falar a respeito do fenómeno da desertificação, em parte devido a notícias relacionadas à ocorrência de grandes secas no Continente africano, com particular destaque para a seca no Sahel ( ),a qual provocou a morte de mais de 500 mil pessoas. Este grave problema ambiental continua a ser visto em muitas regiões do Planeta, como algo distante e sem implicações directas nos modos de vida, constituindo um bom exemplo deste facto, os países europeus. Contudo, a realidade actual na Europa é bem diferente. Existem, com particular destaque para os países do Sul, de clima mediterrâneo, como é o caso de Portugal, Espanha, França, Itália, Grécia, extensas áreas em que os recursos naturais foram utilizados de maneira irracional, encontrando-se, os solos muito degradados e a biodiversidade muito reduzida, sintomas que identificam a desertificação. Em 2007, a Organização das Nações Unidas ONU estimava que este fenómeno afectava cerca de 1/5 da população mundial, em mais de 100 países, nos vários continentes, tendo contribuindo seriamente para o agravamento da pobreza e dos conflitos sociais, sobretudo nos países em desenvolvimento na África, na Ásia, na América do Sul e na América Central. Cada dia torna-se mais evidente que a desertificação deve ser encarada como um fenómeno com consequências globais, que necessita de ser enfrentado e, que para tal a sociedade tem de estar informada e atenta à forma como gere e utiliza os recursos naturais. Perante um cenário preocupante, pautado nas evidências do aquecimento global e de mudanças climáticas, em que se verifica aumento na ocorrência de fenómenos climáticos extremos (secas, inundações, vagas de calor e de frio, entre outros) é fundamental que os governos e os cidadãos tenham conhecimento das causas e das consequências da desertificação e se preocupem, seriamente, em procurar soluções de mitigação e de combate, uma vez que se conhecem as relações directas e indirectas, entre o clima e a dinâmica dos ecossistemas. Assim, considera-se que para estas acções e medidas terem sucesso é necessário atenção no que se refere à desertificação ser um fenómeno complexo, com especificidades em função das realidades geográficas, e que o facto de não ser evento imediato, como são por exemplo os sismos ou as inundações, é pouco mediático e, como tal, de difícil percepção. Neste sentido é essencial perceber qual é a percepção que a sociedade tem da desertificação e tentar entender de que maneira esta percepção é criada, de forma a poder contribuir para o alerta e para maior consciencialização, a respeito desta questão ambiental. 9

11 Desertificação, Desenvolvimento Sustentável e Agricultura Familiar _ recortes no Brasil, em Portugal e na África Uma das formas encontrada para despertar o interesse acerca da desertificação em termos globais perante um cenário cada vez mais preocupante de escassez de recursos naturais vitais, como são o solo e a água potável, em função do crescimento exponencial da população mundial, foi o planejamento de grandes conferências por parte das diversas organizações internacionais na esfera das Nações Unidas como a FAO, a UNCCD, o UNDP, o UNEP, a UNESCO 1, entre outras. Essas conferências tiveram a particularidade de alertar os governos e a comunicação social e foram fundamentais para a elaboração de convenções, as quais devem ser respeitadas pelos países signatários. Desta forma, surgiu a Convenção de Combate à Desertificação e à Seca das Nações Unidas UNCCD-1997, que define e apresenta os princípios base para a elaboração e a implementação de estratégia de combate à desertificação a diferentes escalas, com o objectivo de envolver os decisores e os actores que têm responsabilidade no território, bem como a comunidade científica e as populações afectadas. Contudo, para se entender de que maneira este tema foi divulgado em nível global, tendo em vista que a mídia desempenha papel essencial na informação e na divulgação de acontecimentos (é cada vez maior o número de edições online de revistas e de jornais ou de homepages de estações de rádio e de televisão) procedeu-se, no âmbito do Projecto LUCINDA (http://geografia.fcsh.unl.pt/lucinda), à pesquisa utilizando-se o arquivo de notícias existente no motor de busca Google Google News, desde O objectivo foi conhecer o número de notícias publicadas anualmente a respeito de desertificação, tendo-se utilizado o termo em inglês desertification. Os dados obtidos são bem elucidativos para se entender a crescente importância que esta temática suscitou em nível global, sendo, no entanto, necessário, ter em conta lembrarse que o próprio interesse pela Internet, como veículo privilegiado de comunicação foi, igualmente, aumentando longo dos anos (Fig.1). É importante realçar que é sobretudo no final da década de 90 que o número de notícias começa a ter alguma expressão, notando-se um ligeiro aumento nos anos de 1991 e 1992, coincidente com a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento Rio de Janeiro. Mas é a partir de 1997, com a primeira Conferência das Partes COP 2, realizada na Itália, que o número de notícias apresenta crescimento anual, com aumento muito rápido a partir de 2005, em função da realização de importantes conferências internacionais, e em 2006 com a comemoração do Ano Internacional de Combate à Desertificação. 1 FAO Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação. UNCCD Convenção de Combate à Desertificação das Nações Unidas. UNDP Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas. UNEP Programa das nações Unidas para o Ambiente. UNESCO Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura. 2 Conferência das Partes Órgão máximo de gestão da Convenção. A primeira realizou-se em Roma em 1997, a última em Madrid em

12 Figura 1 Número de ocorrências de notícias sobre Desertificação, por ano com base no Google News (Projecto LUCINDA, União Européia). O aumento exponencial de notícias que se referem a este tema a partir de 2007 está relacionado com a associação deste fenómeno ao aquecimento global e à preocupação com as alterações climáticas. Um exemplo concreto desta relação é o facto de a Conferência sobre Desertificação, realizada em Setembro de 2007, em Madrid, ter tido por temática Alterações Climáticas e Desertificação, assunto amplamente divulgado pelas agências noticiosas em nível mundial. Contudo, análise realizada no Google News, utilizando três termos em inglês Desertification, Climate Change e Global Warming revela como se pode deduzir, pela Figura 2, aumento exponencial de notícias e de informações acerca das alterações climáticas e aquecimento global, e ligeiro crescimento das referentes à desertificação. Sem dúvida, os problemas ambientais resultantes das alterações climáticas estão na ordem do dia, mas é fundamental que se demonstre que a desertificação contribui em grande parte para o agravamento desta situação, estando os fenómenos interligados. 11

13 Desertificação, Desenvolvimento Sustentável e Agricultura Familiar _ recortes no Brasil, em Portugal e na África Nº de Notícias Figura 2 Pesquisa no Google News das notícias publicadas na internet, por década. 2 O que se sabe e se divulga em geral a respeito de desertificação em Portugal e no Brasil Um aspecto crucial é que ambos os países são signatários da Convenção das Nações Unidas de Combate a Desertificação e à Seca (Portugal faz parte do Anexo IV e o Brasil do Anexo III) e, consequentemente, tiveram que elaborar os seus Planos de Acção Nacionais de Combate à Desertificação, cumprir com as obrigações estabelecidas e identificar em termos territoriais as áreas com maior susceptibilidade a este fenómeno (Figuras 3 e 4). 12

14 Figura 3 Mapa de susceptibilidade à desertificação no Brasil (Fonte: Programa de Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca na América do Sul). Como se pode observar nas Figuras 3 e 4 ambos os países têm vastas áreas dos seus territórios afectadas pela desertificação. Em Portugal destacam-se as áreas do interior Este e Sul, em que factores naturais (solos delgados, secas e precipitações de grande intensidade) associados a outros de natureza antrópica (práticas agrícolas inadequadas, desflorestação, incêndios, entre outros) conduziram a um estado elevado de degradação dos ecossistemas e, consequentemente, à desertificação. O estudo das causas e das consequências resultou de vasto trabalho de investigação desenvolvido por vários autores no âmbito de projectos financiados pela União Europeia a partir da década de 90, do século XX. No caso do Brasil, como menciona SALES, M.C. (2006), vários foram os investigadores brasileiros que se dedicaram ao estudo deste fenómeno, com particular destaque para Vasconcelos Sobrinho (1977, 1983), Azir Ab Saber (1977), Edmon Nimer (1980, 1988), entre outros, que não só se dedicaram a reflectir a respeito da problemática da desertifi- 13

15 Desertificação, Desenvolvimento Sustentável e Agricultura Familiar _ recortes no Brasil, em Portugal e na África Figura 4 Carta de Susceptibilidade à Desertificação. (Adaptado de: PANCD Carta de Susceptibilidade à Desertificação, Junho de 2003). cação, sugerindo formas para a sua contenção, como igualmente elaboraram elementos cartográficos com o zonamento das áreas afectadas. Para a mesma autora, o Ministério do Meio Ambiente MMA, que centraliza as acções de combate à desertificação, considera que a desertificação se manifesta de duas formas: difusa, surgindo no território áreas com diferentes níveis de degradação e áreas de maior intensificação do fenómeno, designadas de núcleos de desertificação. Neste contexto foram considerados pelo MMA quatro núcleos : Gilbués, Irauçuba, Seridó e Cabrobó. Importante mencionar que o Plano de Acção Nacional, no Brasil, apresentado em 2004, foi incluído no Plano Plurianual de Investimento do Governo Federal PPA ( ), o que conduziu à sua integração nos objectivos do PPA, que eram: i) redução da pobreza e da desigualdade; ii) ampliação sustentável da capacidade produtiva; iii) preservação e manejo sustentável dos recursos naturais; iv) gestão democrática e fortalecimento institucional, conforme SALES, M. C. (2006, p.46-47). Essa inclusão do PAN no PPA, sem dúvida deu outra dimensão ao combate à desertificação, uma vez que proporcionou a ligação entre as componentes de desenvolvimento e as questões ambientais, podendo a sociedade ser alertada de maneira mais concreta, por meio da demonstração das consequências deste fenómenos nas regiões afectadas. No caso concreto de Portugal, o PAN não foi integrado em outros instrumentos de gestão e desenvolvimento do território no PAN e, em síntese, as obrigações nacionais passavam por: designar os órgãos responsáveis pela elaboração, coordenação e implementação do seu programa; envolver nessa elaboração, coordenação e implementação a participação efectiva das autoridades locais e das organizações não governamentais; avaliar as causas e as consequências da desertificação e determinar domínios de acção prioritários; 14

16 definir estratégias com a participação das populações envolvidas e determinar actividades a serem incluídas no programa de acção, após avaliação dos programas existentes e em curso de execução; preparar os programas técnicos e financeiros do programa anteriormente definido; acompanhar e avaliar o desenvolvimento do programa. Da análise destes objectivos é fácil deduzir que componentes fundamentais como a divulgação, a informação e o alerta da sociedade em geral para o fenómeno da desertificação, não tinha papel de destaque neste elenco de obrigações. Não admira, assim, que estudos anteriores desenvolvidos em diversos projectos (Medalus III 1999, Desertlinks 2004 e Lucinda 2008; ROXO, M.J; CASIMIRO. P.) com esta temática, financiados pela União Europeia, tenham permitido deduzir que nos países do Sul da Europa (em particular Portugal e Itália) os quais assinaram a Convenção, exista equívoco na utilização da palavra desertificação, uma vez que é frequentemente utilizada para identificar situações de despovoamento ou outras conjunturas, como se irá demonstrar. Importava então, no âmbito deste projecto 3 analisar se existia alguma semelhança entre o caso português e o brasileiro, uma vez que o Brasil é um país pertencente a outro Continente, com outras realidades socioeconómicas e culturais, mas onde a desertificação ocorre e constitui, igualmente, sério problema ambiental. Era relevante analisar a informação difundida pela mídia, no Brasil, em relação a este fenómeno e perceber qual a imagem transmitida à sociedade brasileira. 2.1 Metodologia Com este objectivo, foram utilizadas as novas tecnologias de informação, mais concretamente, a Internet, com destaque para os motores de busca, Google e Yahoo, os mais utilizados mundialmente 4, e de outras fontes de informação. A pesquisa foi realizada com base no termo em português, nas homepages (PT e BR) do motor de busca do Google, e restrita a páginas de Portugal para o caso de Portugal e páginas do Brasil para o Brasil. Em relação às frases Desertificação em Portugal e Desertificação no Brasil o procedimento foi o mesmo, mas é importante mencionar a utilização de aspas para restringir a pesquisa a esta expressão. Contudo, no caso do motor de busca Yahoo, a pesquisa foi feita em Yahoo.com para Portugal, uma vez, que não há Yahoo PT, e em relação ao Brasil foi utilizado o Yahoo BR. O objectivo era o de: a) confinar os resultados à expressão utilizada e não analisar informação irrelevante para este tema; b) anotar o número de ocorrências para Desertificação em Portugal e Desertificação no Brasil; c) criar três classes de informação: (1) Desertificação, (2) Despovoamento e (3) Desertificação e Despovoamento; d) registrar o local a que se refere a ocorrência, o número de vezes que é referido e a que grupo pertence. No caso de Portugal, consideraram-se para efeitos de contagens e cartográficos as divisões administrativas de Regiões e de Concelhos; no que se refere ao Brasil, a informação extraída foi em nível das Regiões, Estados, Municípios 3 Seminário; ver na web. 4 Foi feita pesquisa no sentido de saber quais os motores de busca mais utilizados em nível mundial. 15

17 Desertificação, Desenvolvimento Sustentável e Agricultura Familiar _ recortes no Brasil, em Portugal e na África e Cidades; e) adicionar os valores do Google e do Yahoo, relativamente a um mesmo campo e calcular a média de ocorrências. Posteriormente, foram elaborados gráficos e mapas para ilustrar os resultados obtidos. Para os campos em que só existem valores num dos motores de busca, não foi feita qualquer média, como é o caso de Despovoamento por Concelhos. Um dos aspectos importantes a realçar é que a leitura e a extracção de informações relevantes, das páginas visitadas na Internet, é um processo moroso e que exige definição concreta de objectivos. A pesquisa foi realizada em várias fases, havendo, assim, diferença de tempo entre a pesquisa efectuada para Portugal e a efectuada para o Brasil. 2.2 Resultados obtidos Os resultados obtidos da primeira fase da pesquisa apresentam-se no Quadro 1. Quadro 1 Número de ocorrências das palavras-chave nos Google e Yahoo Duas datas GOOGLE YAHOO Palavras-chave Ocorrências Ocorrências Ocorrências Ocorrências Desertificação (PT) Desertificação (BR) Desertificação em Portugal Desertificação no Brasil Em uma primeira observação, verificou-se que o total de ocorrências, tanto na pesquisa no Google como no Yahoo para as palavras e expressões em análise, os valores são de facto superiores ao número real de ocorrências, uma vez que parte das referências são repetidas e os motores de busca sugerem, automaticamente, a sua eliminação. Por sua vez, este é superior ao número de ocorrências possíveis de se verificar, dado que pequena percentagem das páginas não está acessível por requerer um login ou não mencionar sequer o tema em análise, apesar de ele ter sido escrito entre aspas. É ainda importante ressaltar, que uma página visitada, quer seja o exemplo de uma notícia de jornal, blog, projecto, website de uma instituição, entre outras, pode referir-se apenas a uma Região, Estado, Concelho, Município ou Cidade ou pode igualmente referirse a todos estes elementos administrativos simultaneamente, ou ainda simplesmente fazer referência ao tema de modo geral, sem que seja feita abordagem espacial (Quadro 2). 16

18 Quadro 2 Ocorrência da expressão Desertificação em Portugal nos motores de busca Google e Yahoo. Desertificação em Portugal Google Yahoo Ocorrências Totais Ocorrências Reais Ocorrências Verificadas Referentes a Desertificação (79,4%) 50 (72%) 78 Regiões (Total) Concelhos (Total) 6 33 Referentes a Despovoamento (12,7%) 8 (15%) 16 Regiões (Total) 7 16 Concelhos (Total) 0 2 Referentes a Desertificação e Despovoamento como um só conceito Regiões (Total) (7,9%) 5 0 (12,1%) 13 8 Concelhos (Total) 0 4 Desertificação no Brasil Google Yahoo Ocorrências Totais Ocorrências Reais Amostra Referentes a Desertificação (100%) 110 (100%) 106 Regiões (Total) Estados (Total) Municípios (Total) Cidades (Total) 1 1 A análise da informação disponível online permite concluir que nem tudo o que se escreve e é editado na Internet corresponde de facto à realidade do fenómeno. A pesquisa a respeito da desertificação em Portugal veio provar que a palavra foi também empregada como referência ao despovoamento, o que é incorrecto, uma vez que se trata de conceitos distintos, mas que apesar de tudo estão interligados. O termo foi ainda usado como referência à desertificação e ao despovoamento como sendo um só conceito. 17

19 Desertificação, Desenvolvimento Sustentável e Agricultura Familiar _ recortes no Brasil, em Portugal e na África É oportuno relembrar que a desertificação é essencialmente o resultado de intensa exploração dos recursos naturais, que tem conduzido à degradação dos solos (erosão hídrica e eólica e perda de fertilidade) e, desta forma, contribuído, igualmente, para a diminuição da quantidade e da qualidade da água potável, para além da destruição progressiva do coberto vegetal (floresta autóctone, matos e áreas de vegetação natural). Assim, isto que pode ter como consequência o desencadear de migrações e o despovoamento de determinados territórios. No caso do Brasil foi possível constatar por meio das pesquisas efectuadas no Google, que em sua totalidade o conceito não foi usado uma única vez de forma incorrecta. O Yahoo, a seu turno, permitiu a verificação de maior número de ocorrências, o que não era previsível, uma vez que o número de ocorrências reais era inferior ao do Google. No entanto, para Portugal a percentagem de informações que corresponde correctamente a Desertificação é menor. Há também semelhanças entre ambos. A maior percentagem de informação obtida é a correcta, enquanto a menor corresponde a Desertificação como sinónimo de despovoamento o que, regra geral, aconteceu nas páginas de agências noticiosas em que os erros ou foram cometidos por jornalistas ou por autarcas. Já em relação ao Brasil comprovou-se, uma vez mais, que a palavra Desertificação nunca foi usada com o significado de Despovoamento, à semelhança do que já se tinha verificado na pesquisa no Google. Um aspecto importante a assinalar é que a informação contida nas páginas visitadas do Yahoo é mais geográfica, enquanto no Google as referências a Regiões ou a Concelhos são significativamente menores, havendo mesmo ausência de informação espacial para Regiões e Concelhos sobre Despovoamento e Desertificação/Despovoamento. Isto pode significar que a informação analisada difere de um motor de busca para o outro, apesar de a maioria das páginas visitadas estarem presentes em ambos os motores de busca. A Figura 5 permite deduzir que as regiões mais referidas como afectadas em Portugal são o Alentejo e o Algarve. Dos 16 concelhos, que segundo as páginas visitadas são afectados pelo fenómeno, 11 situam-se no Sul do Tejo (Figura 6). 18

20 Figura 5 Desertificação em Portugal por Regiões. Média Google e Yahoo. Figura 6 Desertificação em Portugal por Concelhos. Média Google e Yahoo. 19

O que é a DESERTIFICAÇÃO?

O que é a DESERTIFICAÇÃO? Maria José Roxo Pedro Cortesão Casimiro Tiago Miguel Sousa O que é a DESERTIFICAÇÃO? Projecto DesertLinks Framework 5 União Europeia Geografia e Planeamento Regional Faculdade de Ciências Sociais e Humanas

Leia mais

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação Praticando seus conhecimentos sobre desertificação O fenômeno de desertificação pode ocorrer através de um processo natural ou pela ação humana. O manejo inadequado do solo para agricultura, atividades

Leia mais

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias.

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de frentes frias. Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Apoio Didático - Exercícios Silvia Jun/09 10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias. a) O que são "frentes"?

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação

Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação Direcção Regional de Florestas do Alentejo Lisboa, 21 de Julho de 2011 Sistemas Fundamentais

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas

3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas 3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas 2 Tipos de vegetação Vegetação é caracterizada como o conjunto de plantas de uma determinada região. Em razão da

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1 Como a África pode adaptar-se às mudanças climáticas? Os Clubes de Agricultores de HPP alcançam dezenas de milhares ensinando sobre práticas agrícolas sustentáveis e rentáveis e de como se adaptar a uma

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO A DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil

PROGRAMA DE AÇÃO A DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil PROGRAMA DE AÇÃO A NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável Coordenação de Combate à Desertificação

Leia mais

Metas Curriculares Ensino Básico Geografia

Metas Curriculares Ensino Básico Geografia Metas Curriculares Ensino Básico Geografia 9.º ano Versão para discussão pública Novembro de 2013 Autores Adelaide Nunes António Campar de Almeida Cristina Nolasco Geografia 9.º ano CONTRASTES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 8 ANO B Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1- (1,0) A mundialização da produção industrial é caracterizada

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8 Climas e Formações Vegetais no Mundo Capítulo 8 Formações Vegetais Desenvolvem-se de acordo com o tipo de clima, relevo, e solo do local onde se situam.de todos estes, o clima é o que mais se destaca.

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

ID: 61245534 03-10-2015

ID: 61245534 03-10-2015 ID: 61245534 03-10-2015 Tiragem: 29592 País: Portugal Period.: Diária Pág: 17 Cores: Cor Área: 15,92 x 30,00 cm² Corte: 1 de 1 A1 Sapo Moçambique Online Visitas diárias: 2119 País: MZ OCS: Sapo Moçambique

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

A diversidade de vida no planeta. Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem?

A diversidade de vida no planeta. Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem? A diversidade de vida no planeta Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem? Domínios naturais terrestres São extensas áreas geográficas com

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS DO MUNDO SAVANAS E DESERTOS 2011 Aula VI AS PRINCIPAIS FORMAÇÕES VEGETAIS DO PLANETA SAVANAS As savanas podem ser encontradas na África, América do Sul e Austrália sendo

Leia mais

Escola Secundária Mouzinho da Silveira Departamento de Ciências Sociais e Humanas Grupo de Recrutamento 420 Ano Letivo de 2014 / 2015 Curso Básico

Escola Secundária Mouzinho da Silveira Departamento de Ciências Sociais e Humanas Grupo de Recrutamento 420 Ano Letivo de 2014 / 2015 Curso Básico Escola Secundária Mouzinho da Silveira Departamento de Ciências Sociais e Humanas Grupo de Recrutamento 420 Ano Letivo de 2014 / 2015 Curso Básico Planificação Anual da disciplina de GEOGRAFIA 7 º Ano

Leia mais

Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais

Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Início Zonas climáticas No planeta Terra existem cinco grandes zonas climáticas:

Leia mais

PEGADA HÍDRICA EM PORTUGAL

PEGADA HÍDRICA EM PORTUGAL Resumo do relatório Water Footprint in Portugal WWF Mediterrâneo, 2010 O Problema: uma pegada demasiado elevada O Relatório Planeta Vivo 2008 da WWF demonstra que o uso insustentável da água é um problema

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

Tarefa online 8º ANO

Tarefa online 8º ANO Tarefa online 8º ANO 1) Estabelecendo-se correlações entre a exploração florestal no Globo e as Zonas Climáticas, pode-se inferir que: 2) O Domínio morfoclimático das pradarias é uma área marcada: a) pelo

Leia mais

A DESERTIFICAÇÃO EM SERGIPE, COMO TERRITÓRIO DE RISCO PASSÍVEL DE REABILITAÇÃO

A DESERTIFICAÇÃO EM SERGIPE, COMO TERRITÓRIO DE RISCO PASSÍVEL DE REABILITAÇÃO A DESERTIFICAÇÃO EM SERGIPE, COMO TERRITÓRIO DE RISCO PASSÍVEL DE REABILITAÇÃO Alberlene Ribeiro de Oliveira Doutoranda, Núcleo de Pós- Graduação em Geografia pela Universidade Federal de Sergipe-UFS,

Leia mais

PRACTICE Acções de Recuperação e Prevenção para Combater a Desertificação. Uma Avaliação Integrada

PRACTICE Acções de Recuperação e Prevenção para Combater a Desertificação. Uma Avaliação Integrada PRACTICE Acções de Recuperação e Prevenção para Combater a Desertificação. Uma Avaliação Integrada Zona de Protecção Especial de Castro Verde: local de estudo em Portugal Projecto PRACTICE Prevention and

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber Ipê Amarelo Fatores que influenciam na distribuição das formações vegetais: Clima 1. Temperatura; 2. Umidade; 3. Massas de ar; 4. Incidência

Leia mais

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj. Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015 CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.br A mudança do clima e a economia Fonte: Adaptado de Margulis

Leia mais

POPULAÇÃO SUBNUTRIDA - 2006

POPULAÇÃO SUBNUTRIDA - 2006 PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- Observe os

Leia mais

Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de Outubro de 2008, sobre como enfrentar o desafio da escassez de água e das secas na União Europeia 2,

Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de Outubro de 2008, sobre como enfrentar o desafio da escassez de água e das secas na União Europeia 2, P6_TA(2009)0130 Degradação das terras agrícolas na UE Resolução do Parlamento Europeu, de 12 de Março de 2009, sobre o problema da degradação das terras agrícolas na UE e particularmente no Sul da Europa:

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

A TEMPERATURA NUM CONTEXTO EDUCACIONAL

A TEMPERATURA NUM CONTEXTO EDUCACIONAL A TEMPERATURA NUM CONTEXTO EDUCACIONAL Mário Talaia e Marta Andreia Silva Departamento de Física, Universidade de Aveiro, 3810-193, Aveiro, Portugal Contacto: mart@fis.ua.pt RESUMO O presente artigo surge

Leia mais

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Um bom plano de divulgação deverá assegurar que todos os envolvidos estão a par do que está a ser proposto e do que irá acontecer

Leia mais

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise Amazônia Brasileira e Brasil em Crise 1. (UERJ-2009) Folha de São Paulo, 01/06/2008. Adaptado de Zero Hora, 16/06/2008. Diferentes critérios e objetivos podem orientar a divisão do espaço geográfico em

Leia mais

Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais

Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais 1. Observe o mapa a seguir. As partes destacadas no mapa indicam: a) Áreas de clima desértico. b) Áreas de conflito. c) Áreas

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras Este breve texto é uma proposta de reflexão acerca de algumas das questões que, em meu entender, merecem destaque na situação actual do desenvolvimento

Leia mais

QUAL É A CIDADE MAIS DISTANTE DO MAR?

QUAL É A CIDADE MAIS DISTANTE DO MAR? SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 03 / 2 / 203 UNIDADE III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 6.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a Migração no Mediterrâneo Ocidental Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Diálogo 5 + 5 Quinta Conferência Ministerial sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Conclusões da Presidência Nos dias 12 e 13 de Dezembro de 2006 teve lugar

Leia mais

das Portugal, 19/05/2009

das Portugal, 19/05/2009 O Mecanismo Mundial da Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação Portugal, 19/05/2009 CONTEUDO 1. Introdução à UNCCD e ao Mecanismo Mundial (MM) 2. Apoio do MM à mobilização de recursos no

Leia mais

ANO LECTIVO PLANIFICAÇÃO ANUAL. Tema 1: A Terra: estudos e representações UNIDADE DIDÁCTICA: 1- Da paisagem aos mapas. A descrição da paisagem;

ANO LECTIVO PLANIFICAÇÃO ANUAL. Tema 1: A Terra: estudos e representações UNIDADE DIDÁCTICA: 1- Da paisagem aos mapas. A descrição da paisagem; ANO LECTIVO PLANIFICAÇÃO ANUAL DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA 2007/2008 ANO GEOGRAFIA 7.º GERAIS Tema 1: A Terra: estudos e representações Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O DISCIPLINA: Geografia ANO: 7ºano TURMAS: B, C ed ANO LECTIVO: 2011/2012 P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O UNIDADE DIDÁTICA 1: A Terra: Estudos e Representações (1º Período) AULAS PREVISTAS:

Leia mais

JUVENTUDE RURAL E INTERVIVÊNCIA UNIVERSITÁRIA: CAMINHOS DE UMA CONSTRUÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE

JUVENTUDE RURAL E INTERVIVÊNCIA UNIVERSITÁRIA: CAMINHOS DE UMA CONSTRUÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE JUVENTUDE RURAL E INTERVIVÊNCIA UNIVERSITÁRIA: CAMINHOS DE UMA CONSTRUÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE Ana Jéssica Soares Barbosa¹ Graduanda em Ciências Agrárias ajsbarbosa_lca@hotmail.com Centro de Ciências

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO 1º Ciclo Planificação Anual de 4º ano Ano Letivo 2015/2016 ESTUDO DO MEIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO 1º Ciclo Planificação Anual de 4º ano Ano Letivo 2015/2016 ESTUDO DO MEIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO 1º Ciclo Planificação Anual de 4º ano Ano Letivo 2015/2016 1.º Período ESTUDO DO MEIO Domínios Subdomínios Metas finais Conteúdos programáticos Avaliação natural

Leia mais

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA 3. DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Neste último sub-capítulo do diagnóstico procurar-se-ão cruzar as diversas componentes analisadas nos pontos anteriores, numa dupla perspectiva: Análise externa - a avaliação

Leia mais

Prova Escrita de Geografia A

Prova Escrita de Geografia A Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/004, de 6 de Março Prova Escrita de Geografia A 0.º e.º Anos de Escolaridade Prova 79/.ª Fase 0 Páginas Duração da Prova: 0 minutos. Tolerância: 30

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO SOBRE O CLIMA E A QUALIDADE DO AR NOS AÇORES

PROJECTO DE RESOLUÇÃO SOBRE O CLIMA E A QUALIDADE DO AR NOS AÇORES PROJECTO DE RESOLUÇÃO SOBRE O CLIMA E A QUALIDADE DO AR NOS AÇORES Exmo. Sr. Presidente da Assembleia Exma. Sras. Deputadas e Srs. Deputados Exma. Sra. e Srs. Membros do Governo Desde os anos oitenta que

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB

ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB Jackson Silva Nóbrega 1 ; Francisco de Assis da Silva 1 ; Marcio Santos da Silva 2 ; Maria Tatiane Leonardo Chaves

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA ROCHA PEIXOTO GEOGRAFIA 10º ANO DE ESCOLARIDADE 29 OUTUBRO DE 2004 GRUPO I

ESCOLA SECUNDÁRIA ROCHA PEIXOTO GEOGRAFIA 10º ANO DE ESCOLARIDADE 29 OUTUBRO DE 2004 GRUPO I ESCOLA SECUNDÁRIA ROCHA PEIXOTO GEOGRAFIA 10º ANO DE ESCOLARIDADE 29 OUTUBRO DE 2004 GRUPO I 1.1 Indique o nome dos continentes e Oceanos assinalados na figura 1, respectivamente com letras e números.

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

PLANIFICAÇÃO - CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO

PLANIFICAÇÃO - CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO MÓDULO MOBILIDADE PESSOAS/ BENS TURISMO NO MUNDO ATUAL MÓDULO 1 PORTUGAL A POPULAÇÃO AS ÁREAS URBANAS AS ÁREAS RURAIS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO DA SILVA CORREIA ANO LETIVO 201-2015 PLANIFICAÇÃO - CURSO

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B6-0000/2007 nos termos do nº 5 do artigo

Leia mais

Informação sobre Ecossistemas Locais

Informação sobre Ecossistemas Locais Informação sobre Ecossistemas Locais Bandeira Azul 2015 1. Biodiversidade local O litoral de Vila Nova de Gaia apresenta uma considerável biodiversidade, com fauna e flora característica dos substratos

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL A última reforma da política agrícola comum (PAC) manteve a estrutura em dois pilares desta política, continuando o desenvolvimento rural a representar

Leia mais

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO ÍNDICE DE TEXTO VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO...219 217 218 VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO O presente capítulo tem como

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

Desertificação um Problema Ambiental Global: Soluções Locais Caso da Região Centro. Maria José Roxo maria.roxo@gmail.com. Paula Gonçalves -2008

Desertificação um Problema Ambiental Global: Soluções Locais Caso da Região Centro. Maria José Roxo maria.roxo@gmail.com. Paula Gonçalves -2008 Desertificação um Problema Ambiental Global: Soluções Locais Caso da Região Centro Idanha-a-Nova / PNT / Arraial do Zambujo Paula Gonçalves -2008 Maria José Roxo maria.roxo@gmail.com Conceito - CNUCD UNCCD

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

GEOGRAFIA. Professores: Marcus, Ronaldo

GEOGRAFIA. Professores: Marcus, Ronaldo GEOGRAFIA Professores: Marcus, Ronaldo Questão que trabalha conceitos de cálculo de escala, um tema comum nas provas da UFPR. O tema foi trabalhado no Módulo 05 da apostila II de Geografia I. Para melhor

Leia mais

Projeto de Cooperação Técnica CPLP Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação Termos de Referência. Consultoria Nacional Guiné-Bissau

Projeto de Cooperação Técnica CPLP Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação Termos de Referência. Consultoria Nacional Guiné-Bissau Projeto de Cooperação Técnica CPLP Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação Termos de Referência Consultoria Nacional Guiné-Bissau Identificação da Consultoria Contratação de consultoria

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS Como pode cair no enem? (FUVEST) Estas fotos retratam alguns dos tipos de formação vegetal nativa encontrados no território

Leia mais

TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé

TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé Essa consultoria nacional enquadra-se no âmbito do Projecto de Cooperação Técnica CPLP/FAO TCP/INT/3201 para assessorar o Comité Nacional

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA 9.º ANO DE GEOGRAFIA 9.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO Dentro do domínio das redes e modos de transporte e telecomunicação, o aluno deve compreender a importância dos transportes nas dinâmicas dos territórios,

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES Estudante: Turma: Data: / / QUESTÃO 1 Analise o mapa

Leia mais

A NECESSIDADE DA COMUNICAÇÃO EM SITUAÇÃO DE PLENA MANIFESTAÇÃO DE RISCOS

A NECESSIDADE DA COMUNICAÇÃO EM SITUAÇÃO DE PLENA MANIFESTAÇÃO DE RISCOS A NECESSIDADE DA COMUNICAÇÃO EM SITUAÇÃO DE PLENA MANIFESTAÇÃO DE RISCOS. A COORDENAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE SOCORRO NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA E A IMPORTÂNCIA VITAL DAS COMUNICAÇÕES Sumário Caracterização

Leia mais

Planificação Geografia 7º ano Ano Letivo 2012 / 2013

Planificação Geografia 7º ano Ano Letivo 2012 / 2013 Planificação Geografia 7º ano Ano Letivo 0 / 0 I Unidade: A Terra: estudos e representações II Unidade: Meio Natural Conteúdos Conceitos Estruturantes Competências Essenciais Estratégias Recursos/Materiais

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum GEOGRAFIA QUESTÃO 11. TAXAS DE URBANIZAÇÃO EM PAÍSES SELECIONADOS, 2003 (em %)

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum GEOGRAFIA QUESTÃO 11. TAXAS DE URBANIZAÇÃO EM PAÍSES SELECIONADOS, 2003 (em %) GEOGRAFIA QUESTÃO 11 Observe a tabela. TAXAS DE URBANIZAÇÃO EM PAÍSES SELECIONADOS, 2003 (em %) * Estimativa. Fonte: Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD, 2003. Com relação ao processo

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R:

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R: Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 7 ANO A Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1-(1,0) A paisagem brasileira está dividida em domínios morfoclimáticos.

Leia mais

Ações Integradas em Microbacias Hidrográficas

Ações Integradas em Microbacias Hidrográficas Ações Integradas em Microbacias Hidrográficas Valdemir Antonio Rodrigues Luiza Zulian Pinheiro Guilherme Toledo Bacchim 4º Simpósio Internacional de Microbacias - FCA-UNESP - FEPAF- 2013. 11p. 1º Paisagem

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 Continente Americano Prof. Ivanei Rodrigues Teoria sobre a formação dos continentes Transformação da crosta terrestre desde a Pangeia até os dias atuais. A Teoria da

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL O regime térmico de Portugal acompanha a variação da radiação solar global ao longo do ano. Ao longo do ano, os valores da temperatura média mensal

Leia mais

O continente africano

O continente africano O continente africano ATIVIDADES Questão 04 Observe o mapa 2 MAPA 2 Continente Africano Fonte: . A região do Sahel, representada

Leia mais

ESTUDO DA MORFODINÂMICA E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS NO SEMIÁRIDO

ESTUDO DA MORFODINÂMICA E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS NO SEMIÁRIDO ESTUDO DA MORFODINÂMICA E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS NO SEMIÁRIDO Ana Karolina de Oliveira Sousa (1); Antônio Sávio Magalhaes de Sousa (2); Maria Losângela Martins de Sousa (3); Eder

Leia mais