MULHER VIP DESEJO E FETICHE : REPRESENTAÇÕES ICÔNICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MULHER VIP DESEJO E FETICHE : REPRESENTAÇÕES ICÔNICAS"

Transcrição

1 MULHER VIP DESEJO E FETICHE : REPRESENTAÇÕES ICÔNICAS Camila Machado de Souza (IC Voluntária - UNICENTRO) Drª Níncia Cecília Ribas Borges Teixeira (Orientadora) Universidade Estadual do Centro-Oeste/ Departamento de Letras Guarapuava - PR Letras/ Linguística Palavras-chave: Semiótica, Revista VIP, Representação Feminina Resumo O presente estudo analisa a capa de uma edição da revista VIP Exame (julho de 2006). Por meio da teoria semiótica de Charles Sanders Pierce e da teoria de análise de imagem de Martine Joly, o objetivo da pesquisa é investigar a imagem da mulher socialmente fetichizada e produzida como objeto de desejo, bem como identificar os modos de produção de sentidos construídos na capa da revista. Introdução A representação da mulher tem sofrido mudanças significantes desde o início do século. A mídia é a grande responsável pela disseminação da nova imagem feminina por meio dos valores ideológicos que produz. Esta pesquisa analisa a representação feminina na capa de uma edição da revista VIP Exame (julho de 2006), por meio da teoria semiótica de Charles Sanders Pierce e da teoria de análise de imagem de Martine Joly. O objetivo da pesquisa é investigar a imagem feminina socialmente fetichizada que reforçam a imagem da mulher objeto. Revisão de Literatura O Signo Signo, de acordo com a teoria de Pierce, é toda coisa que está no lugar de outra coisa, tudo que existe para significar algo além de si. Um signo intenta representar, em parte, um objeto que é a causa ou determinante do signo, mesmo se o signo representar seu objeto falhamente. Mas dizer que ele representa seu objeto implica que ele afete uma mente de tal modo que determine naquela mente algo que é mediatamente devido ao objeto. (PEIRCE apud SANTAELLA, 1983, p. 58)

2 Apesar da estrutura comum, os signos não são iguais, pois, como aponta Martine Joly (1996), uma palavra não é o mesmo que uma fotografia. Para distingui-los em suas especificidades, Pierce propôs uma classificação bastante intrincada cujos três principais tipos de signo são o ícone, o índice e o símbolo. O ícone corresponde à classe dos signos que mantêm uma relação de analogia com o objeto representado, como imagens, fotografias e desenhos. O índice é o signo que indica. Este signo mantém uma relação causal com o objeto representado, como fumaça para fogo ou bocejo para sono. O símbolo mantém uma relação de convenção com o seu referente. Por exemplo: logotipos, placas de trânsito e bandeiras nacionais. A imagem como signo Dentro da sistematização de Peirce, a imagem surge como uma subcategoria do ícone. De acordo com Joly (1996), o ponto-chave que define a imagem é o da analogia. A imagem é, antes de tudo, algo se que assemelha a outra coisa. Para Joly (1996), a significação global da imagem se dá mediante a interação de três diferentes tipos de signos, os plásticos, icônicos e lingüísticos. Os signos plásticos compreendem cores, formas, linhas e texturas. Os signos icônicos correspondem às figuras que podemos reconhecer através da analogia. Os signos linguísticos, por sua vez, dizem respeito à linguagem verba. Resultados e Discussão Figura 1 - Capa da revista VIP, julho de 2006 A capa da edição de julho de 2006 traz a atriz Nívea Stelmann vestida com uma miniblusa preta estampada com bolinhas brancas e um lingerie de modelo fio-dental branca. Nos pés, a modelo usa um sapato branco de salto alto. A atriz ainda segura o cabo de um aspirador de pó, localizado logo atrás de si.

3 Observaremos primeiramente os aspectos dos signos plásticos. A fotografia da atriz ocupa toda a verticalidade da capa, o que contrasta, no entanto, com as curvas de seu corpo. As cores da capa resumem-se basicamente ao preto, branco, vermelho e azul; a indumentária da atriz é uma combinação de preto e branco, já as letras da chamada de capa utilizam-se basicamente do azul, do vermelho e do preto. Quanto aos signos icônicos, podemos imediatamente identificar a modelo da foto, a atriz brasileira Nívea Stelmann. A artista tornou-se famosa ao interpretar a personagem Eliete, conhecida como a garota do bumbum dourado, na novela Suave Veneno, em A atriz encontra se em uma posição sensual; está parcialmente de costas apenas com o rosto virado para trás, seus olhos dirigem-se à câmera, explicitando um jogo de desejo entre ela e o espectador. Sua postura favorece a exposição das costas e do seu famoso bumbum dourado. Sua roupa, principalmente a parte superior em tema de bolinhas, pelas cores e modelo, sugere tratar-se de um uniforme de empregada doméstica. O cabelo preso e o aspirador de pó tornam essa intenção ainda mais explícita: fantasiar a modelo de empregada. Em relação aos signos linguísticos, o registro verbal se utiliza de caracteres simples, sem serifas e facilmente legíveis: Já pensou essa delícia morena dando um trato na sua casa?. A palavra pensou parece estar sendo sugada pelo cano do aspirador, o que pode conotar - já que é essa, e não outra palavra, que está sendo capturada - a instintividade do sexo, no qual a racionalidade do pensamento não encontra espaço. A partir da observação dos signos plásticos, icônicos e lingüísticos, podemos decifrar as significações implícitas na mensagem visual. Ao analisar o cruzamento entre os registros visual e verbal, podemos observar como o sentido da capa se articula. A maneira como a imagem de constrói chama a atenção do leitor de imediato. O olhar da modelo está focado diretamente para a câmera. Entre essa troca de olhares, o observador sente-se convidado a assumir seu caráter voyeur. O olhar direto da modelo conota a abertura da mulher e o sorriso sugere um ar de lepidez e libidinosidade. A vestimenta da atriz ainda reforça o caráter fetichista da fotografia quando propõe tratar-se de uma doméstica. Projetando, dessa forma, um fetiche arraigado e antigo que é o desejo por mulheres vulneráveis e inferiores, como as empregadas domésticas. Jeffrey Needell, em seu artigo intitulado A ascensão do fetichismo consumista, analisa o traço histórico dessa espécie de fetiche: O fetichismo envolvido na prostituição carioca é também um caso muito claro de projeção de fantasia. (...) Do mesmo modo que sua contrapartida na Europa, a juventude da elite carioca transformou as empregadas domésticas e as mulheres pobres em geral no alvo sexual de seus subornos ou ameaças. Na verdade, a suposta disponibilidade sexual das mulheres negras, vulneráveis enquanto escravas ou dependentes, era um preconceito tão profundamente enraizado que persiste até hoje. (NEEDELL, 1988.)

4 De acordo com Mariana Vieira Botti, o fetichismo, no senso comum, significa uma fantasia sexual capaz de estimular o desejo, construindo noções de pseudo-erotismo e sexualidades dissimuladas. Ou seja, a construção da imagem da mulher em fotografias sensuais apela para o fetichismo, muito latente nos homens. Conclusões O que pode tornar-se um fetiche nos dias de hoje comporta uma noção culturalmente moldada e particularmente transmitida pelos meios de comunicação, moda, indústria cultural e pornografia, que vendem conceitos de beleza e erotismo e, muitas vezes, são capazes de produzir gostos e práticas em determinados contextos. (BOTTI, 2003, p.109) A análise da fotografia e da chamada de capa da revista VIP, a partir de seus signos plásticos, icônicos e linguísticos, aponta uma fetichização da figura feminina ao apresentar a disponibilidade de uma mulher bela e voluptuosa vestida como empregada doméstica, logo, situando-a em uma camada social e economicamente inferior, o que confere a idéia de potência e prazer ao homem que a domina. Associado ao fetiche da empregada, a apresentação da mulher em indumentárias sensuais que expõem seu corpo reforçam o ideal da mulher gostosa que todo homem - e mulher - devem buscar: magra, com peitos e bumbum fartos, pele bronzeada, cabelos lisos ou pouco volumosos. Por outro lado, de acordo com Botti (2003), a fetichização da mulher não ocorreria se esta não deixasse ser fetichizada. Ao procurar enquadrarse nos cânones estéticos vigentes, a mulher transforma-se em objeto. Ao seguir os ideais de imagem ditados pela mídia e pela moda, a mulher acata aos padrões que incluem algumas e excluem muitas mulheres que não se encaixam nos moldes tradicionais de beleza. Agradecimentos A imagem da mulher é, nesse sentido, muitas vezes construída artificialmente pela sociedade para ser desejada e aceita enquanto objeto de desejo consumível. A fetichização da imagem da mulher é, antes de tudo, parte de uma aprendizagem social, onde o feminino e o masculino são criações culturais que condicionam diferentemente cada indivíduo a funções sociais específicas e diversas. Essas construções tornam a mulher, cada vez mais, uma imagem passível de ser fetichizada. (BOTTI, 2003, p.117) Agradeço à minha mãe, pelo suporte e afeto recebido em todos os dias e à minha orientadora, que me acompanha há anos e me ensinou os princípios da pesquisa científica.

5 Referências BOTTI, Mariana Meloni Vieira. Fotografia e Fetiche: um olhar sobre a imagem da mulher. Cadernos Pagu (UNICAMP), Campinas, v. 21, p , JOLLY, MARTINE. Introdução à análise da imagem Campinas: Papirus, ª ed. NEEDELL, Jeffrey. A ascensão do fetichismo consumista. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais. nº 8, vol.3, outubro de Disponível em: <http://www.anpocs.org.br/portal/publicacoes/rbcs_00_08/rbcs08_03.htm> Acesso em 4/10/2009. MONTEIRO, Marko. Corpo e masculinidade na revista VIP Exame. In: Cadernos Pagu. Campinas, Unicamp, n. 16, 2001, p SANTAELLA, Lucia. O que é Semiótica? (Coleção Primeiros Passos.) São Paulo: Brasiliense, VIP EXAME. São Paulo: Editora Abril. Julho de Capa disponível em:

Tudo tem um fim: a abordagem do amor pela revista Superinteressante 1

Tudo tem um fim: a abordagem do amor pela revista Superinteressante 1 Tudo tem um fim: a abordagem do amor pela revista Superinteressante 1 Anita Gonçalves Hoffmann 2 Camila Machado de Souza 3 Éverly Pegoraro 4 Universidade Estadual do Centro-Oeste, Guarapuava, PR RESUMO:

Leia mais

O discurso de mídia em relação a mulher 1

O discurso de mídia em relação a mulher 1 O discurso de mídia em relação a mulher 1 GLÁUCIA PEREIRA DE SOUZA UNIVERSIDADE CATOLICA DE BRASILIA O objetivo desta comunicação é fazer uma primeira discussão sobre o discurso da mídia em relação à mulher,

Leia mais

Desejos Ocultos 1. Natalia Araújo Sosa 2 Laura Elise de Oliveira Fabrício 3 Centro Universitário Franciscano, Santa Maria, RS.

Desejos Ocultos 1. Natalia Araújo Sosa 2 Laura Elise de Oliveira Fabrício 3 Centro Universitário Franciscano, Santa Maria, RS. Desejos Ocultos 1 Natalia Araújo Sosa 2 Laura Elise de Oliveira Fabrício 3 Centro Universitário Franciscano, Santa Maria, RS. RESUMO A fotografia pertence ao mundo das imagens como representações visuais.

Leia mais

O que estou usando hoje? A comunicação por meio do vestuário 1. Paula Graziela de OLIVEIRA 2 Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG

O que estou usando hoje? A comunicação por meio do vestuário 1. Paula Graziela de OLIVEIRA 2 Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG O que estou usando hoje? A comunicação por meio do vestuário 1 Paula Graziela de OLIVEIRA 2 Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG RESUMO Dentro das diversas formas que o homem possui para

Leia mais

O USO DOS MODELOS NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES PARA O ESTUDO DA SEXUALIDADE 1

O USO DOS MODELOS NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES PARA O ESTUDO DA SEXUALIDADE 1 IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN O USO DOS MODELOS NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES PARA O ESTUDO DA SEXUALIDADE 1 R.C.C.

Leia mais

A Sensualidade na Publicidade: Um Estudo Semiótico de Axe Vice 1. Palavras-chave: Semiótica; Publicidade; Desodorante; Axe Vice; Sensualidade;

A Sensualidade na Publicidade: Um Estudo Semiótico de Axe Vice 1. Palavras-chave: Semiótica; Publicidade; Desodorante; Axe Vice; Sensualidade; Resumo Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação A Sensualidade na Publicidade: Um Estudo Semiótico de Axe Vice 1 Camila Tsubauchi 2 Orientadora: Drª. Níncia Cecília Ribas

Leia mais

Subjetividade, afetividade, mídia 1

Subjetividade, afetividade, mídia 1 Subjetividade, afetividade, mídia 1 Edneuza Alves Universidade Católica de Brasília Nesta comunicação, analiso e discuto o relacionamento afetivo do homem moderno através da mídia, tomando como recorte

Leia mais

O GÊNERO MASCULINO NA PUBLICIDADE DE COSMÉTICOS E VESTUÁRIO

O GÊNERO MASCULINO NA PUBLICIDADE DE COSMÉTICOS E VESTUÁRIO O GÊNERO MASCULINO NA PUBLICIDADE DE COSMÉTICOS E VESTUÁRIO Janaína Fernandes Possati Faculdade de Letras Centro de Linguagem e Comunicação janainapossati@bol.com.br Resumo: Objetivamos analisar, sob o

Leia mais

Esta é uma breve análise de uma peça publicitária impressa que trabalha com o

Esta é uma breve análise de uma peça publicitária impressa que trabalha com o Chapeuzinho Vermelho ou Branca de Neve? O sincretismo imagem, texto e sentido. 1 Autor: Fernanda Rodrigues Pucci 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo analisar um anúncio de publicidade impressa em

Leia mais

AS PROPAGANDAS DE CERVEJA: UMA ANÁLISE DO DISCURSO MASCULINO

AS PROPAGANDAS DE CERVEJA: UMA ANÁLISE DO DISCURSO MASCULINO 307 AS PROPAGANDAS DE CERVEJA: UMA ANÁLISE DO DISCURSO MASCULINO Ana Paula Ferreira da Silva * - UNIVERSO Lílian Jordão Pessoa Duarte ** - UNIVERSO 0 Considerações Iniciais Por meio dos recursos técnicos

Leia mais

Entre rezas, lágrimas, suor, menstruação e chulé: o futebol feminino em foco

Entre rezas, lágrimas, suor, menstruação e chulé: o futebol feminino em foco Entre rezas, lágrimas, suor, menstruação e chulé: o futebol feminino em foco Mariane da Silva Pisani Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brasil DOI 10.11606/issn.2316-9133.v24i24p338-347 Existem

Leia mais

Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down

Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down Resumo Esse vídeo pretende oferecer instrumentos aos professores da educação infantil e do ensino fundamental para as tarefas da educação

Leia mais

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008.

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Departamento de Artes & Design Curso de especialização O Lugar do Design na Leitura Disciplina: Estratégia RPG Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003

Leia mais

FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1

FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1 FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1 Francisco José da Silva ROCHA Filho 2 Nathalia Aparecida Aires da SILVA 3 Sebastião Faustino PEREIRA Filho 4 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal,

Leia mais

A imagem feminina na campanha publicitária da cerveja Devassa 1

A imagem feminina na campanha publicitária da cerveja Devassa 1 A imagem feminina na campanha publicitária da cerveja Devassa 1 Cíntia Aparecida de Sousa 2 Marco Antônio Pasqualin de Andrade 3 Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG RESUMO O presente estudo

Leia mais

A MULHER NAS PROPAGANDAS DE LINGERIE: OS EFEITOS DE SENTIDOS VEICULADOS EM REVISTAS FEMININAS.

A MULHER NAS PROPAGANDAS DE LINGERIE: OS EFEITOS DE SENTIDOS VEICULADOS EM REVISTAS FEMININAS. A MULHER NAS PROPAGANDAS DE LINGERIE: OS EFEITOS DE SENTIDOS VEICULADOS EM REVISTAS FEMININAS. Tânia Maria Augusto Pereira, Departamento de Letras e Artes da Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande

Leia mais

TÍTULO: O HOMEM E A ARQUITETURA: TRANSIÇÃO DO MODERNO AO PÓS-MODERNO

TÍTULO: O HOMEM E A ARQUITETURA: TRANSIÇÃO DO MODERNO AO PÓS-MODERNO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: O HOMEM E A ARQUITETURA: TRANSIÇÃO DO MODERNO AO PÓS-MODERNO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

12º Seminário de Extensão O HOMEM E SUA SAÚDE: AÇÕES INICIAIS DE CUIDADOS COM A SAÚDE MASCULINA

12º Seminário de Extensão O HOMEM E SUA SAÚDE: AÇÕES INICIAIS DE CUIDADOS COM A SAÚDE MASCULINA 12º Seminário de Extensão O HOMEM E SUA SAÚDE: AÇÕES INICIAIS DE CUIDADOS COM A SAÚDE MASCULINA Autor(es) RAFAEL PEETZ BONACHELLI Co-Autor(es) IVONÉSIO LEITE DE SOUZA Orientador(es) FÁBIO ROGÉRIO DOS SANTOS

Leia mais

Sumário. Introdução... 7

Sumário. Introdução... 7 3 Sumário Introdução... 7 1. Somos especialistas em linguagem corporal... 9 Como os homens se comunicam, 10Comunicação linguística, 10Comunicação não linguística, 10O ato de comunicação, 11Importante:

Leia mais

5 Discussão dos Resultados

5 Discussão dos Resultados 5 Discussão dos Resultados Este capítulo apresenta a análise e a interpretação dos dados extraídos das entrevistas com as consumidoras de baixa renda. Primeiramente, serão abordadas as buscas pelos valores

Leia mais

APRENDENDO A SER MULHER COM A REVISTA NOVA ESCOLA

APRENDENDO A SER MULHER COM A REVISTA NOVA ESCOLA APRENDENDO A SER MULHER COM A REVISTA NOVA ESCOLA Tatiana da Silva Silveira - IFSUL Angela Dillmann Nunes Bicca - IFSUL Resumo: Neste texto, desenvolvido sob a perspectiva dos Estudos Culturais de inspiração

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

Textos e imagens / Mónica G. Zoppi Fontana. Caro Aluno:

Textos e imagens / Mónica G. Zoppi Fontana. Caro Aluno: 1 Caro Aluno: Essa atividade pós-exibição é a quarta, de um conjunto de 7 propostas, que têm por base o segundo episódio do programa de áudio Hora de Debate. As atividades pós-exibição são compostas por

Leia mais

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Fevereiro 2016 A MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O que mais incomoda no discurso/posição que a mulher

Leia mais

Património Genético. Genética - estuda a transmissão de características de uma geração para a outra

Património Genético. Genética - estuda a transmissão de características de uma geração para a outra Património Genético Genética - estuda a transmissão de características de uma geração para a outra E o que acontece quando os pais se cruzam com outros de caracteres opostos? Por que pais altos geram

Leia mais

Uma boa imagem da Cerveja: a construção do Corpo Feminino na Mídia.

Uma boa imagem da Cerveja: a construção do Corpo Feminino na Mídia. Uma boa imagem da Cerveja: a construção do Corpo Feminino na Mídia. José Cunha Lima Universidade Estadual da Paraíba jscunhalima@hotmail.com.br Maria da Luz Rodrigues da Silva Universidade Estadual da

Leia mais

OS ANÚNCIOS DA DULOREN: A CONSTRUÇÃO DA IMAGEM DA SEDUÇÃO NA CAMPANHA PUBLICITÁRIA MADAME D DE

OS ANÚNCIOS DA DULOREN: A CONSTRUÇÃO DA IMAGEM DA SEDUÇÃO NA CAMPANHA PUBLICITÁRIA MADAME D DE OS ANÚNCIOS DA DULOREN: A CONSTRUÇÃO DA IMAGEM DA SEDUÇÃO NA CAMPANHA PUBLICITÁRIA MADAME D DE 2007 Patrícia M. F. Coelho (PUC-SP) patriciafariascoelho@gmail.com INTRODUÇÃO Este trabalho pretende examinar

Leia mais

Alail Cristina Abadia de Sousa 1. Mirian Barreto Lellis 2 Marcelo Marques de Araújo 3 Universidade Federal de Mato Grosso, Barra do Garças, MT

Alail Cristina Abadia de Sousa 1. Mirian Barreto Lellis 2 Marcelo Marques de Araújo 3 Universidade Federal de Mato Grosso, Barra do Garças, MT Comunicação pela imagem: uma análise semiótica de fotografias de elementos religiosos da cultura indígena Xavante Alail Cristina Abadia de Sousa 1 Mirian Barreto Lellis 2 Marcelo Marques de Araújo 3 Universidade

Leia mais

ADOÇÃO NO CONTEXTO DA HOMOPARENTALIDADE: SIGNIFICAÇÕES DE ESTUDANTES DE PSICOLOGIA.

ADOÇÃO NO CONTEXTO DA HOMOPARENTALIDADE: SIGNIFICAÇÕES DE ESTUDANTES DE PSICOLOGIA. ADOÇÃO NO CONTEXTO DA HOMOPARENTALIDADE: SIGNIFICAÇÕES DE ESTUDANTES DE PSICOLOGIA. Mayara Martins Alves; mayaram.alves@hotmail.com Shayanne Rodrigues Diniz; shayannediniz@icloud.com Tatiana Cristina Vasconcelos;

Leia mais

O GÊNERO MASCULINO NA CONSTRUÇÃO DO TEXTO PUBLICITÁRIO EM JORNAIS DO SÉCULO IX E XXI

O GÊNERO MASCULINO NA CONSTRUÇÃO DO TEXTO PUBLICITÁRIO EM JORNAIS DO SÉCULO IX E XXI 1517 O GÊNERO MASCULINO NA CONSTRUÇÃO DO TEXTO PUBLICITÁRIO EM JORNAIS DO SÉCULO IX E XXI Flaviano Carvalho de Souza Pibic/CNPq - UFPB Ana Cristina de Sousa Aldrigue PROLING - UFPB Muitas mudanças ocorreram

Leia mais

A Representação do Gênero Feminino nas Propagandas da Cerveja Antarctica: Bar da Boa 1

A Representação do Gênero Feminino nas Propagandas da Cerveja Antarctica: Bar da Boa 1 A Representação do Gênero Feminino nas Propagandas da Cerveja Antarctica: Bar da Boa 1 Wender Rodrigues de Siqueira 2 Universidade Federal de Goiás (UFG) Munique Cristina Modesto 3 Universidade Federal

Leia mais

Conhecendo o Aluno com Deficiência Múltipla

Conhecendo o Aluno com Deficiência Múltipla I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA] Usar letra de forma É importante considerarmos que o aluno com deficiência múltipla da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro possui

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

IMAGENS EM SALA DE AULA 1

IMAGENS EM SALA DE AULA 1 IMAGENS EM SALA DE AULA 1 Reinaldo Nishikawa 2 (UNOPAR) reinaldo1@unopar.br Continuidade de palavras não significa necessariamente continuidade de significados. (Carlo Ginzburg) Vivemos numa sociedade

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 799 INTERVENÇÃO EM ARTE COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE PHOTOSHOP Denise Penna Quintanilha Programa de Pós Graduação em

Leia mais

Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens

Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens Senhora Presidente da CIG, Caras parceiras e parceiro de mesa, Caras senhoras e caros senhores, É com grande

Leia mais

e-scrita ISSN 2177-6288

e-scrita ISSN 2177-6288 194 e-scrita ISSN 2177-6288 COMO LER IMAGENS? SANTAELLA, Lucia. Leitura de imagens. São Paulo. Melhoramentos. 2012. 184 p. (Coleção Como eu ensino). Rodrigo da Costa Araujo 1 Como ler imagens? Como elas

Leia mais

CULTURA MIDIÁTICA E ADOLESCÊNCIA: O CORPO NA REVISTA CAPRICHO

CULTURA MIDIÁTICA E ADOLESCÊNCIA: O CORPO NA REVISTA CAPRICHO CULTURA MIDIÁTICA E ADOLESCÊNCIA: O CORPO NA REVISTA CAPRICHO Flávia Mantovani Orientadora: Profª. Drª. Márcia Elisa Teté Ramos RESUMO O presente trabalho tem por objetivo apresentar, em linhas gerais,

Leia mais

Titulo Ver e olhar: dois pólos que instrumentalizam a construção da significação no design de moda

Titulo Ver e olhar: dois pólos que instrumentalizam a construção da significação no design de moda Titulo Ver e olhar: dois pólos que instrumentalizam a construção da significação no design de moda Autor Lourdes Maria Puls Introdução As imagens são utilizadas como meio de comunicação e expressão cultural

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE IMAGEM PESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO. Amanda Medeiros Cecília Aragão

CONSTRUÇÃO DE IMAGEM PESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO. Amanda Medeiros Cecília Aragão CONSTRUÇÃO DE IMAGEM PESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO Amanda Medeiros Cecília Aragão Mais importante do que a roupa é a vida que se vive dentro da roupa. A gente é mais bonita quando está feliz. Quem se

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 III A JOGOS DIVERTIDOS Fizemos dois campeonatos com a Turma da Fazenda, o primeiro com o seguinte trajeto: as crianças precisavam pegar água em um ponto e levar até o outro,

Leia mais

LOGOTIPO. Disciplina: Oficina de Direção de Arte. Professor: WANDERLEI PARÉ

LOGOTIPO. Disciplina: Oficina de Direção de Arte. Professor: WANDERLEI PARÉ LOGOTIPO Disciplina: Oficina de Direção de Arte Professor: WANDERLEI PARÉ Avaliação de Logotipos Para avaliar um logotipo podemos nos basear em conceitos técnicos, mercadológicos e estéticos. Com o objetivo

Leia mais

SeAC Serviço de Arte e Cultura

SeAC Serviço de Arte e Cultura SeAC Serviço de Arte e Cultura Atividades Curriculares Optativas Música. Canto. Teatro. Dança. Arte. Cultura A pedagogia proposta pelo SeAC se fundamenta na concepção de Ateliê, em que o educando tem um

Leia mais

A ICONICIDADE LEXICAL E A NOÇÃO DE "VER COMO

A ICONICIDADE LEXICAL E A NOÇÃO DE VER COMO A ICONICIDADE LEXICAL E A NOÇÃO DE "VER COMO Ana Lúcia Monteiro Ramalho Poltronieri Martins (UERJ) anapoltronieri@hotmail.com Darcilia Marindir Pinto Simões (UERJ) darciliasimoes@gmail.com 1- Da noção

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

APRESENTAMOS A REVISTA MODA

APRESENTAMOS A REVISTA MODA APRESENTAMOS A REVISTA MODA /REVISTA MODA Uma revista de moda diferente de todas as outras. Lançada em março de 2010, apresenta uma outra visão do mundo da moda, um outro jeito de mostrar idéias sofisticadas

Leia mais

TECNOLOGIAS, EDUCAÇÃO E A CRITICIDADE DIANTE DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS, EDUCAÇÃO E A CRITICIDADE DIANTE DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Tecnologia, Educação e Inclusão TECNOLOGIAS, EDUCAÇÃO E A CRITICIDADE DIANTE DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Ângela Maria Oliveira da Cruz Silva Antonilma S. de Almeida Castro (orientadora, Mestre em Educação

Leia mais

Brincadeira de criança 1

Brincadeira de criança 1 Brincadeira de criança 1 Cynara Bastos 2 Alex Melgaço 3 Luciana Guimarães 4 Ana Paula Mathias de Paiva 5 Centro Universitário de Belo Horizonte Uni-BH RESUMO O mercado editorial inova seus conceitos e

Leia mais

CHARGES ELETRÔNICAS: SOM, ANIMAÇÃO, HUMOR E CRÍTICAS

CHARGES ELETRÔNICAS: SOM, ANIMAÇÃO, HUMOR E CRÍTICAS CHARGES ELETRÔNICAS: SOM, ANIMAÇÃO, HUMOR E CRÍTICAS Larissa Fávaro de Oliveira Souza Camila Aparecida Baptista (G - CLCA - UENP/CJ) Vera Maria Ramos Pinto (Orientadora - CLCA - UENP/CJ) Introdução Inserida

Leia mais

Lata na mão, grafiteiro na rua, arte na prede e a montagem de um vídeo etnográfico na Amazônia 1

Lata na mão, grafiteiro na rua, arte na prede e a montagem de um vídeo etnográfico na Amazônia 1 Lata na mão, grafiteiro na rua, arte na prede e a montagem de um vídeo etnográfico na Amazônia 1 Leila Cristina Leite Ferreira-UFPA RESUMO: Este artigo traz como discussão a captação, a elaboração e a

Leia mais

CURIOSIDADE É UMA COCEIRA QUE DÁ NAS IDÉIAS

CURIOSIDADE É UMA COCEIRA QUE DÁ NAS IDÉIAS PAUTA DO ENCONTRO Início : 13hs30 1. Parte teórica 20 2. Oficina elaboração de mapas conceituais e infográficos ( processo) 40 3. Socialização dos resultados ( produto) 40 4. Avaliação geral da proposta

Leia mais

A INTERATIVIDADE DA IMAGEM COM A (RE)LEITURA DO MUNDO: UMA PROPOSTA DE INCENTIVO À LEITURA ATRAVÉS DO ESTÍMULO VISUAL

A INTERATIVIDADE DA IMAGEM COM A (RE)LEITURA DO MUNDO: UMA PROPOSTA DE INCENTIVO À LEITURA ATRAVÉS DO ESTÍMULO VISUAL A INTERATIVIDADE DA IMAGEM COM A (RE)LEITURA DO MUNDO: UMA PROPOSTA DE INCENTIVO À LEITURA ATRAVÉS DO ESTÍMULO VISUAL Deise Belisário * Pedro Ivo Silveira Andretta ** Resumo: Este artigo refere-se ao uso

Leia mais

ESTRANGEIRISMOS NA SALA DE AULA: PROPOSTA DE TRABALHO A PARTIR DE TEXTOS PUBLICITÁRIOS Fabiana Kelly de Souza (UFMG) fabksouza@gmail.

ESTRANGEIRISMOS NA SALA DE AULA: PROPOSTA DE TRABALHO A PARTIR DE TEXTOS PUBLICITÁRIOS Fabiana Kelly de Souza (UFMG) fabksouza@gmail. ESTRANGEIRISMOS NA SALA DE AULA: PROPOSTA DE TRABALHO A PARTIR DE TEXTOS PUBLICITÁRIOS Fabiana Kelly de Souza (UFMG) fabksouza@gmail.com 1. Introdução As línguas se modificam de acordo com as necessidades

Leia mais

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes Imagens de professores e alunos Andréa Becker Narvaes Inicio este texto sem certeza de poder concluí-lo de imediato e no intuito de, ao apresentá-lo no evento, poder ouvir coisas que contribuam para continuidade

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

A PEDAGOGIA COMO CULTURA, A CULTURA COMO PEDAGOGIA. Gisela Cavalcanti João Maciel

A PEDAGOGIA COMO CULTURA, A CULTURA COMO PEDAGOGIA. Gisela Cavalcanti João Maciel A PEDAGOGIA COMO CULTURA, A CULTURA COMO PEDAGOGIA Gisela Cavalcanti João Maciel UMA TEORIA PÓS-COLONIALISTA DO CURRÍCULO O objetivo dessa teoria é analisar as relações de poder entre as nações que compõem

Leia mais

Um Instinto a cada Segundo. 1

Um Instinto a cada Segundo. 1 Um Instinto a cada Segundo. 1 Kauê Dias DUARTE 2 José Neves de SOUSA 3 Bruno Alberto BRAGA 4 Luciana NOGUEIRA 5 Renan RUSSO 6 Suellen de OLIVEIRA 7 Thais BENEDETI 8 Wesley Alves de BARROS 9 Sonia Maria

Leia mais

Entre 1940 a 1960, uma coleção de romances intitulada Biblioteca

Entre 1940 a 1960, uma coleção de romances intitulada Biblioteca I M A G E M N O B R A S I L COM A PALAVRA, AS IMAGENS! representações do feminino nas capas dos romances da Biblioteca das Moças (1940-1960) Maria Teresa Santos Cunha Entre 1940 a 1960, uma coleção de

Leia mais

A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO

A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO Maria da Graça Cassano 1 1 Dos fatores determinantes para a pesquisa O trabalho com a literatura infanto-juvenil desenvolvido

Leia mais

O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento de Interação e comunicação de pessoas com surdocegueira e com deficiência múltipla sensorial

O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento de Interação e comunicação de pessoas com surdocegueira e com deficiência múltipla sensorial O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento de Interação e comunicação de pessoas com surdocegueira e com deficiência múltipla sensorial 1 O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

SEXUALIDADE, BULLYING E INDISCIPLINA: RELATOS DE ESCOLA

SEXUALIDADE, BULLYING E INDISCIPLINA: RELATOS DE ESCOLA SEXUALIDADE, BULLYING E INDISCIPLINA: RELATOS DE ESCOLA PESTANA, Francieli 1 ; RIBEIRO, Crislley 2 ; AMORIM, Leandra³; FLORES, Alexandre 4. INTRODUÇÃO: Entre os séculos XV e XII, a infância passou a ser

Leia mais

Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS. Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro

Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS. Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS DO DESENVOLVIMENTO Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro Ementa Estudo do desenvolvimento do ciclo vital humano a partir de diferentes teorias psicológicas. Compreender

Leia mais

ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL II DATA: PERÍODO:

ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL II DATA: PERÍODO: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL II DATA: PERÍODO: Prática Social: VIVÊNCIA do conteúdo: CONTEÚDO: Obra: Gustavo Rosa. Cooper em família. 2003. Óleo sobre tela, 160 x 250 cm. Coleção Particular

Leia mais

O CONSUMO AMERICANO E O POSICIONAMENTO POLÍTICO BRASILEIRO

O CONSUMO AMERICANO E O POSICIONAMENTO POLÍTICO BRASILEIRO O CONSUMO AMERICANO E O POSICIONAMENTO POLÍTICO BRASILEIRO Trabalho apresentado ao módulo Realismo (1960) ou Novo Realismo, como requisito parcial para obtenção do título de especialista do curso de História

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO ANÁLISE DO DISCURSO DA PROPAGANDA MARLBORO SOROCABA 2014 1 Introdução O presente trabalho

Leia mais

PÚBLICO ALVO DO PROJETO ESTRUTURA E GÊNERO DRAMÁTICO

PÚBLICO ALVO DO PROJETO ESTRUTURA E GÊNERO DRAMÁTICO APRESENTAÇÃO A aparência é um manifesto de nossa personalidade. Através das roupas, penteados, acessórios, tatuagens etc. comunicamos ao resto do mundo uma infinidade de informações: do lugar social até

Leia mais

O USO DOS MODELOS NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES PARA O ESTUDO DA SEXUALIDADE 1

O USO DOS MODELOS NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES PARA O ESTUDO DA SEXUALIDADE 1 IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN O USO DOS MODELOS NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES PARA O ESTUDO DA SEXUALIDADE 1 R.C.C.

Leia mais

SENSUALIDADE ETÍLICA: o estereótipo da mulher devassa na propaganda de cerveja¹

SENSUALIDADE ETÍLICA: o estereótipo da mulher devassa na propaganda de cerveja¹ SENSUALIDADE ETÍLICA: o estereótipo da mulher devassa na propaganda de cerveja¹ MOMO, Maria Vitória Galvan (Estudante de Graduação)² FRANCO, Carlos Fernando Martins (professor doutor)³ Projeto patrocinado

Leia mais

Desafiando o preconceito: convivendo com as diferenças. Ana Flávia Crispim Lima Luan Frederico Paiva da Silva

Desafiando o preconceito: convivendo com as diferenças. Ana Flávia Crispim Lima Luan Frederico Paiva da Silva Desafiando o preconceito: convivendo com as diferenças Ana Flávia Crispim Lima Luan Frederico Paiva da Silva Pontifícia Universidade Católica de Goiás anaflavia17012010@hotmail.com luan_frederico@yahoo.com

Leia mais

A IMAGEM DO GÊNERO: LEITURA FEITA POR ESTUDANTES ADOLESCENTES

A IMAGEM DO GÊNERO: LEITURA FEITA POR ESTUDANTES ADOLESCENTES A IMAGEM DO GÊNERO: LEITURA FEITA POR ESTUDANTES ADOLESCENTES Patrícia Agripino de Lima UFPB/Graduanda de Pedagogia/Prolicen 1 patriciamorango@hotmail.com Ana Cely Alves UFPB/ Graduanda de Pedagogia/Prolicen

Leia mais

LEITURA DE TEXTO VISUAL: DIÁLOGOS ENTRE MARKETING, MODA E SEMIÓTICA

LEITURA DE TEXTO VISUAL: DIÁLOGOS ENTRE MARKETING, MODA E SEMIÓTICA LEITURA DE TEXTO VISUAL: DIÁLOGOS ENTRE MARKETING, MODA E SEMIÓTICA Gisele Matos Lima 1 Mestrado ESAG / UDESC Resumo Este artigo apresenta a leitura visual de uma fotografia de moda da campanha de lançamento

Leia mais

Corresponde ao local de cada gene em específico. Em um mesmo cromossomo há vários genes, cada um com sua localização específica.

Corresponde ao local de cada gene em específico. Em um mesmo cromossomo há vários genes, cada um com sua localização específica. Espiralização do Cromossomo O material genético (DNA) encontra-se associado a proteínas, formando histonas, que vão se enrolando e formam a cromatina. Quando a cromatina está no nível máximo de espiralização,

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 IMAGENS CONTEMPORÂNEAS: ABORDAGENS ACERCA DA ANÁLISE DA IMAGEM Elis Crokidakis Castro (UFRJ/UNESA/UNIABEU) eliscrokidakis@yahoo.it Caminhei até o horizonte onde me afoguei no azul (Emil de Castro) Para

Leia mais

CONSULTORIA DE IMAGEM E ESTILO

CONSULTORIA DE IMAGEM E ESTILO CONSULTORIA DE IMAGEM E ESTILO SILVANIA ARMANI Minha missão é resgatar o estilo próprio dos clientes, fazendo com que eles consigam comunicar a sua imagem desejada e com isso possam alcançar seus objetivos

Leia mais

A LUZ E O CEGO - EVGEN BAVCAR

A LUZ E O CEGO - EVGEN BAVCAR A LUZ E O CEGO - EVGEN BAVCAR Quero sublimar a relação entre o verbo e a imagem para iniciar uma reflexão mais particularizada. De início, é preciso constatar que não se pode separar essa parceria que

Leia mais

Comunicação e a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência

Comunicação e a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Comunicação e a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Patricia Almeida Jornalista Adotada 13/12/06 Brasil Assinatura 30/03/07 Ratificação por quórum qualificado em menos de 4 meses 21/09/0

Leia mais

A DISCURSIVIDADE NO NÃO-VERBAL 1

A DISCURSIVIDADE NO NÃO-VERBAL 1 A DISCURSIVIDADE NO NÃO-VERBAL 1 Geiza da Silva Gimenes Gomes 1. Introdução Segundo Orlandi (1998), ler é atribuir sentidos. Partindo deste princípio e adotando como quadro de referência a Análise de Discurso,

Leia mais

Derreta-se 1. Paula Zanetti 2 Manoella Casagrande 3 Matheus Romminger 4 Laura Toniolo 5 Manuel da Costa 6

Derreta-se 1. Paula Zanetti 2 Manoella Casagrande 3 Matheus Romminger 4 Laura Toniolo 5 Manuel da Costa 6 RESUMO Derreta-se 1 Paula Zanetti 2 Manoella Casagrande 3 Matheus Romminger 4 Laura Toniolo 5 Manuel da Costa 6 Escola Superior de Propaganda e Marketing, RS O presente paper versa sobre a fotografia publicitária,

Leia mais

ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA

ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA Rubens Prawucki (Centro Universitário - Católica de SC) 1- Iniciando as reflexões: O objetivo

Leia mais

Cristina Fernandes. Manual. de Protocolo. Empresarial

Cristina Fernandes. Manual. de Protocolo. Empresarial Cristina Fernandes Manual de Protocolo Empresarial Lisboa Universidade Católica Editora 2014 Índice Prefácio de Catarina Zagalo 13 Parte I O enquadramento do protocolo 1 O protocolo 16 1.1. Definição de

Leia mais

MEMÓRIA E SENTIDO NA MENSAGEM PUBLICITÁRIA: UMA FADA CHAMADA O BOTICÁRIO 1. Samara Anzolin 2 Franciele Paes Pimentel 3

MEMÓRIA E SENTIDO NA MENSAGEM PUBLICITÁRIA: UMA FADA CHAMADA O BOTICÁRIO 1. Samara Anzolin 2 Franciele Paes Pimentel 3 MEMÓRIA E SENTIDO NA MENSAGEM PUBLICITÁRIA: UMA FADA CHAMADA O BOTICÁRIO 1 Samara Anzolin 2 Franciele Paes Pimentel 3 RESUMO: A presente pesquisa tem como objetivo estabelecer a leitura da campanha Contos

Leia mais

Karatê-dô: um projeto para a vida

Karatê-dô: um projeto para a vida 102 b painel de experiências Karatê-dô: um projeto para a vida A prática do karatê como forma de desconstrução de estereótipos ligados ao idoso. / por Igor Luiz de Bello Oss! 1 O karatê pode nos trazer

Leia mais

SURFWEAR: UM MERCADO EM EXPANSÃO. Jheniffer Oliari; Graziela Morelli Centro Universitário de Brusque - Unifebe

SURFWEAR: UM MERCADO EM EXPANSÃO. Jheniffer Oliari; Graziela Morelli Centro Universitário de Brusque - Unifebe Trabalho 001 SURFWEAR: UM MERCADO EM EXPANSÃO Jheniffer Oliari; Graziela Morelli E-mail: jhenifferoliari@ig.com.br Palavras-chave: Surfwear; Surf; Vestuário A indústria surfwear é um dos segmentos da indústria

Leia mais

Pin-Up 1. PALAVRAS-CHAVE: Pin-up; Ilustração; Vintage; Sexo; Mascote; Sexshop.

Pin-Up 1. PALAVRAS-CHAVE: Pin-up; Ilustração; Vintage; Sexo; Mascote; Sexshop. Pin-Up 1 Martina Garcia Rodrigues DANTAS 2 Robson de Oliveira SÁ 3 Tetsy Karolyne Sátiro SAMPAIO 4 Thiago Xavier GOMES 5 Gustavo Henrique Ferreira BITTENCOURT 6 Universidade Potiguar - Laureate Universities,

Leia mais

PIBID UFPR EDUCAÇÃO FÍSICA GÊNERO E SEXUALIDADE MATERIAL DIDÁTICO DE APOIO VAMOS FALAR SOBRE... PRECONCEITO DE GÊNERO!

PIBID UFPR EDUCAÇÃO FÍSICA GÊNERO E SEXUALIDADE MATERIAL DIDÁTICO DE APOIO VAMOS FALAR SOBRE... PRECONCEITO DE GÊNERO! PIBID UFPR EDUCAÇÃO FÍSICA GÊNERO E SEXUALIDADE MATERIAL DIDÁTICO DE APOIO VAMOS FALAR SOBRE... PRECONCEITO DE GÊNERO! FERNANDA ZARA NICOLAS MOREIRA ?? VOCÊ SABIA?? Que existe um preconceito em relação

Leia mais

Análise spot publicitário

Análise spot publicitário Análise spot publicitário Trabalho Realizado por: Carlos Nunes carlosmmnunes@gmail.com Nº 20240 Para a disciplina: Multimédia Scriptwriting Leccionada por: Profª Joana Carvalho Porto, 13 de Abril de 2011

Leia mais

PALAVRA CHAVE: Cerveja; Publicidade; mulher.

PALAVRA CHAVE: Cerveja; Publicidade; mulher. REPRESENTAÇÃO FEMININA NAS CAMPANHAS DE CERVEJA 1 Carollyne Vieira Kindermann 2 Nincia Ribas Borges Teixeira 3 Universidade Estadual do Centro Oeste - UNICENTRO RESUMO Na sociedade patriarcal em que vivemos

Leia mais

PAPO DE HOMENS 24/08/2013 PALESTRA HOMENS - PORNOGRAFIA

PAPO DE HOMENS 24/08/2013 PALESTRA HOMENS - PORNOGRAFIA Sobre a Pornografia: O que é? De forma geral, podemos dizer que pornografia é a representação da nudez e do comportamento sexual humano com o objetivo de produzir excitamento sexual. Esta representação

Leia mais

Cigarro, mais um prego no seu caixão 1. Cristian GONÇALVES 2 Guilherme Luiz KRUG 3 Anamaria TELES 4 Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, SC

Cigarro, mais um prego no seu caixão 1. Cristian GONÇALVES 2 Guilherme Luiz KRUG 3 Anamaria TELES 4 Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, SC Cigarro, mais um prego no seu caixão 1 Cristian GONÇALVES 2 Guilherme Luiz KRUG 3 Anamaria TELES 4 Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, SC RESUMO Uma das maiores causas de morte no mundo que poderia

Leia mais

A Marca Carrefour e A percepção de Simbologias regionais NOS MERCADOS INTERNACIONAIS

A Marca Carrefour e A percepção de Simbologias regionais NOS MERCADOS INTERNACIONAIS A Marca Carrefour e A percepção de Simbologias regionais NOS MERCADOS INTERNACIONAIS Edson Scarani Pagnota, Karen Cristina Kraemer Abreu UNISINOS/FACVEST Índice Resumo Este trabalho busca verificar a aplicação

Leia mais

Representações das mulheres nas propagandas na TV

Representações das mulheres nas propagandas na TV 1 Representações das mulheres nas propagandas na TV Apoio: Fundação Ford (11) 3218-2222 datapopular@datapopular.com.br Metodologia do estudo 2 Pesquisa quantitativa domiciliar com aplicação presencial

Leia mais

Não Aceite Ser Tratada Como Objeto. Exija Respeito 1

Não Aceite Ser Tratada Como Objeto. Exija Respeito 1 Não Aceite Ser Tratada Como Objeto. Exija Respeito 1 Najara Magali KREUSCH 2 Fernando Rodrigues DAMACENO 3 Adriane Rodrigues DAMACENO 4 Aline Beatriz da SILVA 5 Bruna de Oliveira CARVALHO 6 Anderson SACHETTI

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica 3. Uso de diagonais 4. Regra dos terços 5. O Ponto Dourado Composição fotográfica 15 dicas para ter imagens com harmonia e proporção. Este tutorial vai ajudá-lo a usar melhor uma câmera fotográfica, compacta

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO PRISCILLA DAIANNE GEREMIAS VIDAS REPAGINADAS CAMPINAS 2012 PRISCILLA DAIANNE GEREMIAS VIDAS REPAGINADAS Campinas, Conceito

Leia mais

PRÉ-HISTÓRIA: EDUCAÇÃO PARA SOBREVIVÊNCIA

PRÉ-HISTÓRIA: EDUCAÇÃO PARA SOBREVIVÊNCIA PRÉ-HISTÓRIA: EDUCAÇÃO PARA SOBREVIVÊNCIA Augusto Pereira da Rosa¹ Ester Miriane Zingano² RESUMO A educação durante a Pré-História tem como objetivo a sobrevivência do grupo. Embora sem ter consciência

Leia mais

Revista Amarelinha: Jornalismo segmentado para crianças de 9 a 12 anos¹. Marcela Lorenzoni². Camila Costa Toppel³. Camila Petry Feiler 4

Revista Amarelinha: Jornalismo segmentado para crianças de 9 a 12 anos¹. Marcela Lorenzoni². Camila Costa Toppel³. Camila Petry Feiler 4 Revista Amarelinha: Jornalismo segmentado para crianças de 9 a 12 anos¹ Marcela Lorenzoni² Camila Costa Toppel³ Camila Petry Feiler 4 Francielle Ferrari 5 Cícero Lira 6 Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Anais do IX Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN 18089216

Anais do IX Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN 18089216 A REPRESENTAÇÃO DA MULHER NAS CAMPANHAS PUBLICITÁRIAS DE CERVEJA. VALORIZAÇÃO DA FEMINILIDADE OU ESTEREÓTIPO DE MULHER OBJETO? Marco Antônio Rosim Vivian Fernandes Silva (G CLCA-UENP/CJ) Luiz Antonio Xavier

Leia mais

A Representação do Metrossexual na Edição Brasileira da Men s Health 1

A Representação do Metrossexual na Edição Brasileira da Men s Health 1 A Representação do Metrossexual na Edição Brasileira da Men s Health 1 Rafaell Carneiro e SILVA 2 Cintia Cerqueira CUNHA 3 Universidade de Uberaba, Uberaba, MG RESUMO O presente trabalho trata de uma análise

Leia mais