AS LEIS AMBIENTAIS E O OBSTÁCULO DA CULTURA PREDOMINANTE: UM ENFOQUE SOBRE A INOPERÂNCIA DA POLÍTICA PÚBLICA DA COBRANÇA DO USO DA ÁGUA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS LEIS AMBIENTAIS E O OBSTÁCULO DA CULTURA PREDOMINANTE: UM ENFOQUE SOBRE A INOPERÂNCIA DA POLÍTICA PÚBLICA DA COBRANÇA DO USO DA ÁGUA."

Transcrição

1 Revista Jurídica das Faculdades Secal Ponta Grossa v. 1 n. 1. jan./jun AS LEIS AMBIENTAIS E O OBSTÁCULO DA CULTURA PREDOMINANTE: UM ENFOQUE SOBRE A INOPERÂNCIA DA POLÍTICA PÚBLICA DA COBRANÇA DO USO DA ÁGUA. The Environmental Norms and the Obstacle of the Predominant Culture: An Approach on the Innoperancy of the Public Policies on the Charging of the Use of Water. Gislaine Rocha Simões da Silva 208 RESUMO Este trabalho objetivou analisar os obstáculos que a falta de uma transformação cultural dentro da sociedade civil, e dos próprios governantes representa para que efetivamente as leis ambientais, em especial a Lei Nacional de Políticas Públicas de Recursos Hídricos (PNRH) alcance os objetivos para os quais foram criados. Enfoca a existência de regulamentações da política pública que instituiu o va- 208

2 Revista Jurídica das Faculdades Secal Ponta Grossa v. 1 n. 1. jan./jun lor econômico à água como forma de contenção, conscientização e sustentabilidade com efeito prático tímido, diante da ausência de implementações em todos os Estados federados, sucumbidos pela inércia interessada em manter a disseminação da cultura capitalista da acumulação, concebido no pensamento essencialmente antropológico e imediatista para sustentar uma falsa noção de qualidade de vida, cujo custo é a degradação da natureza. Demonstra a clara evolução do pensamento na questão ambiental trazida pelos símbolos disseminados pelo discurso a partir da ECO 92, mas contrapõe com a insuficiência de absorção pelos atores sociais da gravidade da situação, principalmente quando envolve as gerações futuras que o artigo 225 da Constituição Federal também pretende proteger. ABSTRACT This work had the objective to analyze the obstacles that the lack of a cultural transformation inside of the civil society, and the proper governors represent so that the environmental norms, in special the National Law of Public Policies of Hydric Resources (PNRH) reach the objectives for which they had been created. It focuses on the existence of regulations of the public policy that instituted the economic value to the water as a way of containment, awareness and sustainability with shy practical effect, in face of the absence of implementations in all the Federative States, lost for the inertia interested

3 Revista Jurídica das Faculdades Secal Ponta Grossa v. 1 n. 1. jan./jun in keeping the dissemination of the capitalist culture of accumulation, conceived in the essentially anthropologic and immediate thought to support a false notion of quality of life whose cost is the degradation of nature. It shows the clear evolution of the thought in the environmental question brought by the symbols spread for the speech from ECO 92, but it opposes down the insufficience of absorption for the social actors of gravity of the situation, mainly when it involves the future generations that the art. 225 of the Federal Constitution also intends to protect. PALAVRAS-CHAVE: leis ambientais; política nacional de recursos hídricos; água; valor econômico da água; cultura. KEY-WORDS: Environmental norms; national policy of Hydric Resources; water; economic value of the water; culture. 1 INTRODUÇÃO

4 Revista Jurídica das Faculdades Secal Ponta Grossa v. 1 n. 1. jan./jun O discurso ambiental que vem sendo propalado desde a ECO 92, ensejou a criação de diversas legislações que orientam, punem, previnem e regulam o uso dos recursos naturais. Os dispositivos legais são tidos como conquista, resultado de debates, críticas, movimentos. Há uma extensa regulamentação federal, estadual e municipal a respeito, resultados de incansáveis pesquisas interdisciplinares que buscam alcançar o desenvolvimento sustentável. A implementação de políticas públicas que envolvam, não somente as ações estatais, mas toda a coletividade surgiu como um arcabouço de soluções que preservariam o meio às gerações e atenderiam o artigo 225 da Constituição Federal de Entre as legislações federais ambientais foi publicada em 09 de janeiro de 1997 a Lei que regula as Políticas Nacionais de Recursos Hídricos, criando institutos inéditos com intuito de proporcionar medidas que conciliassem desenvolvimento econômico com equilíbrio ecológico. Considerando as variáveis que as águas representam dentro do contexto social e econômico, a escassez da água foi o ponto crucial para a elaboração destes institutos. Contudo, mesmo diante das medidas previstas na legislação, as mudanças nas ações humanas é que ainda não são perceptíveis. A existência de políticas públicas que envolvam a sociedade sequer são amplamente difundidas e praticamente desconhecidas por grande parcela dos

5 Revista Jurídica das Faculdades Secal Ponta Grossa v. 1 n. 1. jan./jun indivíduos. A transformação social é tímida e necessita uma mudança cultural para atingir os fins que o discurso da lei almeja. O presente trabalho, sem a pretensão de esgotar o assunto, pretende abordar o obstáculo que a falta de mudança cultural representa para a efetiva transformação social, que impede ou dificulta que atinjam seus fins, as políticas públicas de recursos hídricos, criadas pela Lei 9.433/97, em especial, quanto à cobrança pelo uso da água. As posições adotadas denotam uma realidade que cerceia a implementação dos institutos dentro de um contexto tomado pela ideologia capitalista, mecanicista que persiste acima de qualquer consciência ambiental, e vão além das preocupações com as futuras gerações e o mundo. Percebe-se a contraposição entre o imediatismo ao que o indivíduo acostumou-se priorizar e o dever de preservar e defender a sadia qualidade de vida. Como já mencionava Junges (2004) os homens vivem a insignificância da vida e o imediatismo do presente. É esta racionalidade que deve ser superada, não apenas pelos membros da sociedade civil, mas pelos próprios governantes. Como preleciona Souza (2006), até a promulgação da Constituição Federal de 1988, o Estado era considerado o dono da natureza, e pouco fez para preservá-la, pelo menos até então. O mesmo autor, inclusive, ressalta que muito fez para destruí-la, deixando o Estado de aplicar eficaz-

6 Revista Jurídica das Faculdades Secal Ponta Grossa v. 1 n. 1. jan./jun mente seu poder de polícia, agindo com descaso em relação ao meio ambiente, facilitando a geração das degradações ambientais. A partir da divulgação maciça dos efeitos da degradação ambiental, no aspecto formal muitas coisas mudaram. Mas a atuação prática dos atores sociais está ainda em lento processo de transformação, e a morosidade é um obstáculo que não acompanha o que a legislação ambiental, formalmente, pretende empreender. Neste artigo, busca-se apresentar esta incongruência. 2 DESENVOLVIMENTO 2.1 O fortalecimento do discurso ambiental Por muitas gerações não distantes da época atual, e na maior parte do mundo a água era tida como um recurso tão disponível como o ar. Não havia a preocupação quanto às regiões do mundo que esta acessibilidade era reduzida, tão pouco havia maior preocupação quanto à sua capacidade de renovação. Com a qualidade de inesgotável a sociedade a atribuía múltiplos usos, especialmente de ordem econômica.

7 Revista Jurídica das Faculdades Secal Ponta Grossa v. 1 n. 1. jan./jun A trajetória histórica da relação entre os cenários social e econômico, resultado da intensificação do mercantilismo pela descoberta de novas riquezas e novas trocas comerciais, culmina com o desenvolvimento da tecnologia que deu início à Revolução Industrial, trazendo as conseqüências ambientais que hoje a humanidade vivencia. Houve nesta trajetória a predominância do antropocentrismo, atribuído ao individualismo (ideal do Iluminismo), que prioriza o progresso material em detrimento da degradação e em favor da dominação da natureza. Este enfoque prevalece até o Século XX, quando o Estado organiza-se como promotor da qualidade de vida, intervindo na iniciativa privada para assegurar o interesse coletivo, incluindo aí, a preservação do meio ambiente. Neste vértice destaca-se a contenção do desgaste dos recursos naturais, em que a sociedade civil, em especial, as empresas inserem-se como atores sociais importantes na implementação de políticas ambientais que amenizem os efeitos de suas próprias ações degradantes, assim como para atender objetivos específicos internos ou exigências externas. A visibilidade dos efeitos do desgaste dos recursos naturais implicou na necessidade não somente de transformar a cultura, mas também de novas normas que visassem a contenção, através de políticas públicas, imputações de sanções e responsabilidades. Na visão de Berger e Luckrmann (1987), a continuidade da vida cotidiana somente é interrompida pelo aparecimento de um problema, quando isso acontece, a realidade da vida

8 Revista Jurídica das Faculdades Secal Ponta Grossa v. 1 n. 1. jan./jun cotidiana procura integrar o setor problemático dentro daquilo que já é nãoproblemático. A política e a legislação ambiental brasileira existem desde o período colonial, com previsões inicialmente de efeitos essencialmente econômicos, o que veio se modificando até a edição da Lei n /81, que inaugura uma visão holística dentro da normatização pátria. Sob a luz das normas ambientais advindas dessa nova linhagem postural, busca-se a descentralização da proteção e gestão dos bens ambientais, visando maior efetividade. Em relação aos recursos hídricos, criou-se a Lei 9.433/97, instituindo a Política Nacional de Recursos Hídricos, que entre todas as suas criações conferiu à água valor econômico, instituindo a cobrança pelo seu uso. Como bem dizia o poeta João Guimarães Rosa a água de boa qualidade é como a saúde ou a liberdade: só tem valor quando acaba. Ainda que haja noção das conseqüências que o uso irrestrito da água poderia causar, somente quando são sentidos os efeitos nefastos é que se tomam providências de contenção e preservação. Pesquisas realizadas revelam dados quantitativos que demonstram um quadro alarmante quanto à disponibilidade dos recursos hídricos, conforme indica Machado (2005) quando informa que somente cerca 0,007% da água doce existente no planeta está disponível para o consumo, e 9% dos países concentram 60% dos recursos hídricos. No Brasil, cuja posição

9 Revista Jurídica das Faculdades Secal Ponta Grossa v. 1 n. 1. jan./jun é privilegiada, detém-se de 12 a 15% dos 0,0007% da água doce, mas a distribuição é totalmente desigual. Na Amazônia, concentra-se cerca de 7% da população e detém entre 70 a 80% dos recursos hídricos disponíveis no Brasil. Nesta concepção geográfica, fica claro a necessidade de limites em relação à utilização da água, seja para proporcionar a distribuição de investimentos às áreas menos favorecidas, seja para empreender uma consciência ecológica de contenção. Reconhecido os múltiplos usos da água, gerou-se a criação de normas específicas para a regulamentação de políticas de cunho financeiro e pedagógico. O atual tratamento dispensado aos recursos hídricos decorreu de uma conjuntura que não somente envolvia a questão ambiental, como econômica e social, empreendendo um embate complexo entre os mais variados setores que compõe a sociedade. Toda a questão ambiental envolve uma análise sistêmica. Tal característica pressupõe o levantamento de várias questões e suas relações que ultrapassam os limites da pesquisa focada simplesmente na questão geográfica e biológica. Que a água é vital para a manutenção dos seres vivos não é o único preceito que justifique as medidas restritivas de seu uso, que deve se equilibrar com outras áreas de desenvolvimento. Rodrigues (1990) em sua obra Campo Midiático enfatiza a força simbólica dos discursos que determinam as conveniências, que não somente devem ser freqüentes, intensas e aceleradas para não serem es-

10 Revista Jurídica das Faculdades Secal Ponta Grossa v. 1 n. 1. jan./jun quecidos, e, portanto, não perderem sua visibilidade simbólica, como também devem atingir maior variedade de dimensões alcançando a amplitude necessária para implantar estratégias funcionais em maior número de setores. O campo social em que se desenvolveram os estudos sobre a institucionalização das políticas públicas de recursos hídricos, representou exatamente o que este autor destacou. Debates tardios sobre a preservação do meio ambiente, degradados na excessiva demanda poluidora que não preocuparam a economia capitalista durante os muitos anos que se seguiram após a Revolução Industrial, somente ganharam força política e institucional a partir do momento que, constatado os efeitos degradantes da natureza, investiu-se na criação de comitês, grupos e associações formadas por entes governamentais ou particulares investidos de algum interesse, de legitimidade para a discussão dos meios de preservação. O discurso de movimentos sociais que defendiam a questão ecológica fortaleceu-se no campo social com manifesta intensidade que permitiu a reunião de líderes nacionais e internacionais cujos debates embasaram leis, normas e tratados que regem a questão ambiental com maior força política entre os entes. Como mencionara Melucci (2001), os movimentos sociais são um sinal. Não são apenas um produto da crise, os últimos efeitos de uma sociedade que morre, mas, ao contrário, trata-se da mensagem daquilo que está nascendo, indicando uma transformação profunda na lógica e nos processos que guiam as sociedades complexas.

11 Revista Jurídica das Faculdades Secal Ponta Grossa v. 1 n. 1. jan./jun As dimensões ou setores atingidos permitiram criar estratégias que envolvam toda a coletividade a participar do desenvolvimento de políticas públicas que preservem o meio ambiente. Dentro de uma sistemática que tentou incutir uma renovação da consciência que transformava a cultura. Como ensinou Melucci (2001) o agir coletivo que visa a solução de uma crise pressupõe uma necessidade história. O mundo exigia práticas que o permitissem sobreviver. O simbolismo que se verifica em campanhas e nas próprias normas pertinentes é de que a responsabilidade é de cada um e de todos, igualando os atos de indivíduos em sua vida cotidiana e de grandes indústrias. O que se questiona é a transferência desta responsabilidade aos particulares ser válida, verdadeiramente legítima e eficiente, uma vez que, em contrapartida, por exemplo, aos Estados não se cobra sequer maior agilidade em criar-se infra-estrutura para a redução em proporções possíveis do uso dos derivados do petróleo. Inegável que a força dos debates que instituíram o valor econômico da água tenha advindo da força discursiva e da amplitude que se atribuiu ao assunto, após os efeitos degradantes observados no mundo. Mas foi suficiente para transformar os paradigmas e injetar nos indivíduos, efetivamente, a consciência da importância da preservação do meio ambiente, não como um discurso oportuno, mas como uma necessidade proeminente?

12 Revista Jurídica das Faculdades Secal Ponta Grossa v. 1 n. 1. jan./jun Rodrigues (1990) quando trata da emergência da questão comunicacional e da nova racionalidade científica, aborda o desenvolvimento da tecnização das ciências humanas, criticando o imediatismo que evita um aprofundamento da problemática e mantém o interesse dominante, incutindo à comunidade necessidades que naturalmente não existem, como ocorreu com os debates que envolviam o meio ambiente. Admitiu-se por muitos anos a degradação do meio ambiente como meio de subsistir os meios tecnológicos para garantir as necessidades que se acredita à humanidade possuir. O interesse dominante põe em pauta interesse particular no campo social e o torna coletivo e público, como forma de estratégia de transferir funções e responsabilidades. No processo do conhecimento, a transição pressupõe um choque causado pelo deslocamento da atenção, como ensinam Berger e Luckmann (1987). A quebra de paradigmas onde se sustenta a prevalência do pensamento antropológico e transfere-se ao pensamento biocêntrico empreende significativo esforço para alterar a forma de pensar e agir. Neste aspecto, impossível ignorar o poder simbólico, estudado por Bourdier (1998), da divulgação positiva que invocava a preservação do meio ambiente, que invocava novas formas de agir dos homens, com informações detalhadas dos efeitos do aquecimento global, da poluição das águas, das queimadas florestais, das emissões de gás carbônicos. A própria Lei de Recursos Hídricos (Lei 9.433/1997), foi a forma de política pública implantada para instituir a cobrança do uso deste bem público como

13 Revista Jurídica das Faculdades Secal Ponta Grossa v. 1 n. 1. jan./jun meio de combater o uso desmedido do recurso natural, cuja escassez até poucos anos parecia ser ilusório. Contudo, as implementações carecem de efetividade, porque sucumbidos pelo interesse econômico, tornam-se meras simbologias. A trajetória histórica da relação entre os cenários social e econômico, resultado da intensificação do mercantilismo pela descoberta de novas riquezas e novas trocas comerciais, culmina com o desenvolvimento da tecnologia que deu início à Revolução Industrial. Segundo Machado (2005), por mais de 60 anos, as políticas públicas de recursos hídricos foram dominadas pela supremacia da geração da energia e para impulsionar o desenvolvimento e a industrialização. A idéia dominante de crescimento nacional focava a atividade a fomentação do capital. Antecedeu uma trajetória de predominância do antropocentrismo, atribuído ao individualismo, que prioriza o progresso material em detrimento da degradação e em favor da dominação da natureza. Este enfoque é prevalecente até o século XX. A preocupação em relação aos recursos naturais, em especial, aos hídricos, teve início quando as conseqüências ambientais que hoje a humanidade vivencia começaram a se agravar, não obstante fosse previsível. Superada (nos discursos) a idéia do individualismo dos direitos fundamentais, hoje já se propõe um comunitarismo ambiental ou de uma comunidade com responsabilidade ambiental, que engendra a participação

14 Revista Jurídica das Faculdades Secal Ponta Grossa v. 1 n. 1. jan./jun ativa do cidadão na defesa e proteção do meio ambiente. Há uma tendência em distribuir atribuições, e neste aspecto não se pode deixar de ressaltar a imprescindibilidade de que o Estado ou as entidades públicas deixem de participar, até para fins de preservar o interesse de toda a coletividade. Os alertas sobre a iminente crise da disponibilidade da água, que contou com dados quantitativos importantes para análises qualitativas, inseriram-se nos debates somente a partir de 1990, especialmente em virtude da ECO 92, fortalecendo-se com a Agenda 21 adotada na Conferência do Meio Ambiente e Desenvolvimento. A própria ONU, na Assembléia Geral proclamou o período de 2005 a 2015 a Década Internacional para a Água: a água, fonte de vida, iniciada no dia 22 de março de 2005, fixando esta data consagrada como Dia Mundial da Água, segundo constata-se em Pompeu (2006). O Estado organiza-se como promotor da qualidade de vida, intervindo na iniciativa privada para assegurar o interesse coletivo, incluindo aí, a preservação do meio ambiente. No intuito de buscar medidas de contenção do desgaste dos recursos naturais, envolvendo vários atores sociais na participação, as próprias empresas foram investidas de atribuições como agente importante na implementação de políticas ambientais que amenizem os efeitos de suas próprias ações degradantes, assim como para atender objetivos específicos internos ou exigências externas.

15 Revista Jurídica das Faculdades Secal Ponta Grossa v. 1 n. 1. jan./jun Como ensina Souza (2003), para analisar a conjuntura é necessário identificar os ingredientes, os atores, os interesses em jogo. A implementação da Lei 9.433/97 que regula as Políticas Nacionais de Recursos Hídricos surgiu deste contexto que visa preservação do meio ambiente dentro de uma estrutura que permita o desenvolvimento sustentável objetivando equilibrar o desgaste ecológico com a atividade empresarial. Atualmente já há referências ao Estado Constitucional Ecológico, com base nas regulamentações sobre as formas de participação política expressa na democracia sustentada, que proporcionem desenvolvimento equilibrado com o desenvolvimento social e econômico, associado às idéias de justiça intergeracional ou direitos das futuras gerações como mencionam Ferreira e Leite (2004). A partir dos anos de 1980 com a redemocratização, e as idéias difundidas por todos os meios de comunicações das implicações ambientais, como bem ressalta Marcovitch (2006) o ambientalismo assumiu uma nova feição pública e ganhou prioridade nas políticas governamentais. Embora a questão tenha se fortalecido somente na década seguinte, ainda na década de 1980 criou-se o Ministério do Meio Ambiente e Secretarias nos altos escalões de governos estaduais e municipais. Mas o que se questiona acompanha a mesma dúvida de Marcovitch (2006): depois destas conquistas legais e formais que estágio se encon-

16 Revista Jurídica das Faculdades Secal Ponta Grossa v. 1 n. 1. jan./jun tra o país nessa questão, quando se avança na primeira década do Século XXI? Basta verificar que no plano formal, o Brasil tornou-se, um dos países mais conscientes do mundo. Mas isto foi suficiente, ou foi apenas um passo? 2.2 Da necessária transformação cultural dos atores obstáculo às medidas de proteção ambiental A Lei não somente identifica os atores sociais envolvidos nas políticas instituídas como cria outros, tais como o Comitê de Bacias Hidrográficas. Entendam-se atores, não somente todos os usuários das águas (identificados como aqueles que a retiram do seu estado natural diretamente de sua origem), a União, Estados e Municípios, mas também os órgãos que integram o Sistema Nacional de Gerenciamento dos Recursos Hídricos, em especial os Comitês de Bacia Hidrográfica, unidade administrativa criada pela Lei /97, que terá funções administrativas de gestão, planejamento, fiscalização e cobrança pelo uso da água. A Bacia passa a ser considerada unidade territorial de gestão.

17 Revista Jurídica das Faculdades Secal Ponta Grossa v. 1 n. 1. jan./jun Os comitês de Bacia Hidrográfica são compostos por membros dos mais variados setores, cujo discurso que o justifica é o de atender os interessados nos múltiplos usos da água. Machado (2005) questiona este gerenciamento colegiado que envolve atores com diferentes interesses e graus de poder. A gestão pública colegiada, integrada, descentralizada e participativa, permitiria não favorecer um ou outro interesse, mas interagir, permitindo ampla participação social (Poder Público, usuários, comunidades etc.), de forma descentralizada: Por outro lado, interesses políticos, econômicos e culturais impostas por uma parcela de atores que detém maior capacidade de dominação no seu uso e apropriação. Há a influência política e argumentativa que permite alguns participantes realizarem manobras, utilizarem astúcias, reorganizarem os meios para conduzir os recursos, resultando na barganha em argumentos de troca, para firmar pactos. Transformaria este espaço social em mais uma estratégia de finalidade econômica, afastando a preocupação preliminar quanto ao meio ambiente degradado. O envolvimento de vários indivíduos de diferentes representações pode implicar em um empurra-empurra de responsabilidades, motivo pelo qual Machado (2005) atenta para a necessidade de uma divisão eqüitativa de responsabilidade, envolvendo entes privados e públicos. Neste aspecto, destaca-se o comentário de Souza (2003) sobre relações de forças, quando afirma que as classes sociais, os grupos, os diferentes atores sociais estão em relação uns com os outros. Essas relações podem ser de con-

18 Revista Jurídica das Faculdades Secal Ponta Grossa v. 1 n. 1. jan./jun fronto, de coexistência, de cooperação e estarão sempre revelando uma relação de força, de domínio, igualdade ou subordinação. Para Freitas (2000), a perspectiva da Lei n /97é de que se considere a água como um bem inestimável, relevando-se como insumo indispensável para a produção, devendo ser tratada como recurso estratégico para o desenvolvimento econômico e como um bem cultural e social indispensável à sobrevivência e à qualidade de vida da população. Ao se adotar esta característica os mecanismos de preservação devem se estender a todos. E os envolvidos devem ter incutido uma noção moral ética clara dos princípios que a lei lhe impõe. A água como bem cultural pode ser explicada pelas determinações de Hall (1997) em suas reflexões sobre as revoluções culturais da contemporaneidade que induziram a entender como a cultura pode ser atualmente analisada sob a ascensão dos novos domínios, instituições e tecnologias associadas às indústrias culturais que transformaram as esferas tradicionais da economia, indústria, sociedade e da cultura em si: a cultura vista como uma força de mudança histórica global; a transformação cultural do cotidiano; a centralidade da cultura na formação das identidades pessoais e sociais. Vendo essa centralidade sob as dimensões epistemológicas, as ciências humanas e sociais concedem à cultura uma importância e um peso explicativo bem maior do que visto anteriormente.

19 Revista Jurídica das Faculdades Secal Ponta Grossa v. 1 n. 1. jan./jun A cobrança pelo uso de recursos hídricos tem como objetivos, de acordo com o artigo 2º da Lei Federal 9.433/97: reconhecer a água como bem econômico e fornecer ao usuário uma indicação de seu real valor, incentivar a racionalização do uso da água, e obter recursos financeiros para o financiamento dos programas e intervenções contemplados nos recursos hídricos. Portanto, um dos objetivos da lei é realmente disseminar uma cultura de incentivo da racionalização, ou seja, uma transformação cultural. Uma revolução conceitual de peso está ocorrendo nas ciências humanas e sociais, colocando as questões culturais numa posição mais central, ao lado dos processos econômicos, das instituições sociais e da produção de bens, riquezas e serviços. A cultura passa então a ser vista como uma condição constitutiva da vida social, ao invés de uma variável dependente, provocando uma mudança de paradigma nas ciências sociais e na humanidade. Dá-se assim à cultura um papel constitutivo e determinado na compreensão e na análise de todas as instituições e relações sociais. Portanto, considerá-la um elemento fundamental para a eficácia de políticas públicas não é exagero. Nestes 11 anos desde a criação da Lei n /97, articulou-se muito, levantaram-se críticas na questão de políticas ambientais, mas, tal como sugere Soares (2003, p. 132) as políticas ambientais promovidas pelos governos federal, estadual e municipal, embora com abertura para a participação popular não têm força para interferir nas decisões macroeco-

20 Revista Jurídica das Faculdades Secal Ponta Grossa v. 1 n. 1. jan./jun nômicas do país, e isto acarreta a notória indiferença à legislação imposta quando não se volta aos interesses da classe dominante. Para a humanidade, a perspectiva da escassez da água é fator preocupante, assumindo papel relevante no plano dos fatores sociais, políticos, éticos, econômicos e culturais que fazem sobressair qualquer modificação efetuada pelo ser humano no ambiente natural com conseqüências que interferem de maneira negativa nos eventos da natureza. Uma das maiores preocupações atualmente é a de que vários países já sofrem a escassez de água e há previsões de que mais e mais países serão assolados pela seca, cabendo aos brasileiros, mediante este quadro, praticar uma administração eficaz para regulamentação e controle do uso da água. Um dos passos mais importantes nesse sentido foi realmente a aprovação da Lei no 9.433/1997, que instituiu a Política Nacional de Recursos Hídricos e criou o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, definindo uma série de diretrizes e instrumentos destinados a racionalizar e harmonizar os diversos usos da água, que entre outras medidas estabeleceu instrumentos de cobrança pelo uso da água. Embora haja críticas que mencionam a mercantilização do recurso natural, transformando a água em produto, é inegável que os objetivos dos ideais ecológicos não contenham vantagens ao meio ambiente e ao custo de sua conservação. Daí a importância em verificar como está sendo recepcionada esta lei pela sociedade brasileira.

21 Revista Jurídica das Faculdades Secal Ponta Grossa v. 1 n. 1. jan./jun Granziera (2001) já categorizou a água juridicamente como uma coisa ou um bem de valor material, valor este que impõe uma relação jurídica. A medida deste valor é localizada pela satisfação de sua necessidade. Decorre deste aspecto a probidade do direito em considerar a água como material suscetível de valor, impondo para sua utilização, restrições, seja de cunho administrativo, seja de natureza financeira, como é o caso da cobrança pelo uso dos recursos hídricos. A sociedade não está preparada a pagar pelo uso da água. E o mais grave, maior parcela não conhece sequer a própria situação. Esta reflexão foi despertada por um artigo editado em um jornal de Ponta Grossa, PR Diário dos Campos em data de 18 de março de 2007, com o título Você conhece a nossa água?. O autor deste artigo Paulo Barros é engenheiro agrônomo, diretor do Departamento de Meio Ambiente da Prefeitura de Ponta Grossa, instiga a população pontagrossense a conhecer melhor o manancial de água da cidade de Ponta Grossa, iniciando com o paradoxo de que a maioria das pessoas tem bastante conhecimento sobre o Rio Nilo e o Rio Amazonas, mas não sabem que é o Rio Pitangui e o Rio Jutubá que fornecem a água para o consumo doméstico do Município. A crítica do artigo está em que é ilusório acreditar que a população preocupa-se com a preservação dos mananciais de água, se não os conhecem. Lembra o autor que até a década de 1970, estes rios eram saudáveis, necessitando apenas de um tratamento simples para tornarem-se potável, enquanto, hoje, há necessidade de um tratamento complexo e

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES Ítalo Camilo da Silva Nogueira Mestrando em Desenvolvimento Regional (mídias sociais), docente na Faculdade Nossa Senhora Aparecida/FANAP-GO.

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

Curso Agenda 21. Sugestão de leitura: História das relações internacionais do Brasil

Curso Agenda 21. Sugestão de leitura: História das relações internacionais do Brasil Módulo 3 Gestão ambiental no Brasil 1. Introdução No encontro Rio +10, o Brasil, saiu fortalecido globalmente, assumindo definitivamente um papel de liderança regional dentro da ONU. No plano nacional,

Leia mais

Declaração da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente

Declaração da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Declaração da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente A Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente; Tendo-se reunido em Estocolmo de 5 a 16 de junho de 1972; Tendo considerado a necessidade

Leia mais

A ética e o desenvolvimento sustentável sob a ótica das organizações

A ética e o desenvolvimento sustentável sob a ótica das organizações A ética e o desenvolvimento sustentável sob a ótica das organizações Ítalo Camilo da Silva Nogueira Faculdade Nossa Senhora Aparecida /GO - italocamilo@hotmail.com Karlla Junara Cintra Azambuja Soares

Leia mais

Gestão Participativa e os Comitês de Bacias

Gestão Participativa e os Comitês de Bacias Novembro de 2009. Gestão Participativa e os Comitês de Bacias Suraya Modaelli DAEE 1,2 bilhão de pessoas sem acesso a água potável no mundo 2 bilhões sem infra-estrutura de saneamento milhões de crianças

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

SUSTENTABILIDADE EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA

SUSTENTABILIDADE EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA SUSTENTABILIDADE EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA Fabíola Santos Silva 1 Márcio Santos Godinho 1 Sara Floriano 1 Vivian Alves de Lima 1 Akira Yoshinaga 2 Helio Rubens Jacintho Pereira Junior 2 RESUMO Este trabalho

Leia mais

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta:

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta: A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO PROJETO DE LEI N º 1219/2003 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. Autor: Vereador Rodrigo

Leia mais

Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria.

Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria. Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria. Edson José Duarte 1 Universidade Federal de Goiás/Campos catalão Email: edsonduartte@hotmail.com

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 A Carta das Águas do Acre 2015 é o documento resultado do Seminário Água e Desenvolvimento Sustentável realizado pelo Governo do Estado do Acre, através da Secretaria de Estado

Leia mais

DECLARAÇÃO DE ESTOCOLMO SOBRE O AMBIENTE HUMANO. (Estocolmo/junho/72) Tendo-se reunido em Estocolmo, de 5 a 16 de junho de 1972, e

DECLARAÇÃO DE ESTOCOLMO SOBRE O AMBIENTE HUMANO. (Estocolmo/junho/72) Tendo-se reunido em Estocolmo, de 5 a 16 de junho de 1972, e DECLARAÇÃO DE ESTOCOLMO SOBRE O AMBIENTE HUMANO (Estocolmo/junho/72) A Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente, Tendo-se reunido em Estocolmo, de 5 a 16 de junho de 1972, e Considerando a necessidade

Leia mais

Curso de Desenvolvimento. sustentável.

Curso de Desenvolvimento. sustentável. 50 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 17 Curso de Desenvolvimento Sustentável Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras proferidas sobre

Leia mais

EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA

EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA 1 DEUS, Josiani Camargo & 1 AMARAL, Anelize Queiroz 1 Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste RESUMO Nos

Leia mais

Art. 1º - A Política Nacional de Recursos Hídricos baseia-se nos seguintes fundamentos:

Art. 1º - A Política Nacional de Recursos Hídricos baseia-se nos seguintes fundamentos: Patrimonio Hídrico Brasileiro - Explicação do Abaixo Assinado. Observação: O melhor instrumento para entender essa proposta é o Texto Base da Campanha da Fraternidade de 2004, Fraternidade e Água, realizada

Leia mais

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água Maria de Fátima Chagas 23 de novembro de 2009 23 de novembro de 2009 Campo Grande - MS A Água e Meio Ambiente -

Leia mais

Comentários relacionados ao anteprojeto de lei brasileiro sobre manipulação de dados pessoais INTRODUÇÃO

Comentários relacionados ao anteprojeto de lei brasileiro sobre manipulação de dados pessoais INTRODUÇÃO Comentários relacionados ao anteprojeto de lei brasileiro sobre manipulação de dados pessoais INTRODUÇÃO Estamos muito próximos da próxima revolução tecnológica. O setor de TIC está se expandindo para

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O direito à saúde na Constituição Federal de 1988: caracterização e efetividade Alexandre Gonçalves Lippel* 1. Caracterização do direito à saúde O direito à saúde emerge no constitucionalismo

Leia mais

Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP. Pós-graduanda em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP

Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP. Pós-graduanda em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DE IMPACTOS CAUSADOS PELA POLUIÇÃO DAS ÁGUAS DA REPRESA DE FURNAS NO ENTORNO DO MUNICÍPIO DE ALFENAS-MG FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando

Leia mais

É uma contribuição do grupo sul-americano, participante da Aliança Internacional de Responsabilidades para Sociedades Sustentáveis.

É uma contribuição do grupo sul-americano, participante da Aliança Internacional de Responsabilidades para Sociedades Sustentáveis. Apresentação O Manifesto de Lima a Paris foi apresentado no encontro denominado Que Responsabilidades o mundo necessita frente às mudanças climáticas? Por uma nova governança ambiental. O evento foi realizado

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS DIFERENTES POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS À PROTEÇÃO DA ÁGUA E SAÚDE: UM OLHAR A PARTIR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O PAPEL DOS MUNICÍPIOS

INTEGRAÇÃO DAS DIFERENTES POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS À PROTEÇÃO DA ÁGUA E SAÚDE: UM OLHAR A PARTIR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O PAPEL DOS MUNICÍPIOS INTEGRAÇÃO DAS DIFERENTES POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS À PROTEÇÃO DA ÁGUA E SAÚDE: UM OLHAR A PARTIR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O PAPEL DOS MUNICÍPIOS Cleci Teresinha Noara Assistente Social Fundação Agência

Leia mais

- Dezembro, 2010 - Organismos de Bacia Estado da arte, Brasil

- Dezembro, 2010 - Organismos de Bacia Estado da arte, Brasil - Dezembro, 2010 - Organismos de Bacia Estado da arte, Brasil ASPECTOS CONSTITUCIONAIS Organismos de bacia Histórico Constituição de 1988 estabeleceu, entre outros aspectos, que as águas são bens públicos,

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 Índice 1. Ética empresarial...3 2 1. ÉTICA EMPRESARIAL É neste contexto, e com o objetivo de o mundo empresarial recuperar a confiança, que vai surgindo a ética Empresarial.

Leia mais

3 O Serviço Social no setor de ONGs

3 O Serviço Social no setor de ONGs 3 O Serviço Social no setor de ONGs Uma análise sobre a atuação do assistente social em organizações não governamentais (ONGs) deve partir da reflexão sobre a configuração da sociedade civil brasileira,

Leia mais

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL EDMILSON COSTA TEIXEIRA LabGest GEARH / UFES (edmilson@npd.ufes.br) DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL? [COMISSÃO

Leia mais

X Encontro de Extensão

X Encontro de Extensão 5CCADCFSPEX01 Construindo novas relações: Projeto de Educação Ambiental com estudantes de ensino público na cidade de Areia - PB Jaciara Bomfim dos Santos (1); Thiago Bernardino de Sousa Castro (2); Josilene

Leia mais

RESUMO: REPRESENTAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO FORMAL: A NECESSIDADE DE SENTIR-SE PARTE

RESUMO: REPRESENTAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO FORMAL: A NECESSIDADE DE SENTIR-SE PARTE RESUMO: REPRESENTAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO FORMAL: A NECESSIDADE DE SENTIR-SE PARTE Diante da necessidade de proporcionar uma reflexão sobre o tema Meio Ambiente no ensino formal, esse trabalho tem por

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA

CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA APRESENTAÇÃO O Banco da Amazônia S.A., consciente da importância da ética nas relações com a comunidade em que atua, divulga este Código de Ética, que contém os padrões

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA João Sotero do Vale Júnior ¹ a) apresentação do tema/problema: A questão ambiental está cada vez mais presente no cotidiano da população das nossas cidades, principalmente

Leia mais

Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil

Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí I Seminário dos Estudantes de Pós Graduação Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil 1

Leia mais

Limnologia Brasileira e sua necessidade de inserção social

Limnologia Brasileira e sua necessidade de inserção social Boletim ABLimno 41(1), 19-23, 2015 Limnologia Brasileira e sua necessidade de inserção social Francisco de Assis Esteves Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, Núcleo em Ecologia e Desenvolvimento

Leia mais

Gestão Ambiental Compartilhada

Gestão Ambiental Compartilhada Ministério do Meio Ambiente Secretaria Executiva Departamento de Articulação Institucional Gestão Ambiental Compartilhada Discussão: Licenciamento Ambiental de empreendimentos e atividades com características

Leia mais

Ingrid Maria Furlan Öberg

Ingrid Maria Furlan Öberg Desenvolvimento Sustentável Gestão Ambiental Ingrid Maria Furlan Öberg Relação Homem x Ambiente no modelo de desenvolvimento da sociedade moderna NATUREZA Fonte de recursos ilimitados Depósito de resíduos

Leia mais

"Experiências Internacionais de Gestão de Recursos Hídricos: lições para a implementação da Lei sobre Cobrança pelo Uso da Água no Brasil".

Experiências Internacionais de Gestão de Recursos Hídricos: lições para a implementação da Lei sobre Cobrança pelo Uso da Água no Brasil. 1 "Experiências Internacionais de Gestão de Recursos Hídricos: lições para a implementação da Lei sobre Cobrança pelo Uso da Água no Brasil". Autora: Regina Cavini, mestranda do Curso de Desenvolvimento,

Leia mais

PLANO DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO

PLANO DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO PLANO DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO Diretrizes para Contratação de Consultoria para elaboração do Resumo do Plano e Complementações. 1.INTRODUÇÃO O CEIVAP aprovou recursos

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 (Projeto de lei nº 749/2007, da Deputada Rita Passos - PV) Institui a Política Estadual de Educação Ambiental O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

Gestão de Recursos Hídricos no Brasil VISÃO GERAL Nelson Neto de Freitas Coordenador de Instâncias Colegiadas do SINGREH Agência Nacional de Águas

Gestão de Recursos Hídricos no Brasil VISÃO GERAL Nelson Neto de Freitas Coordenador de Instâncias Colegiadas do SINGREH Agência Nacional de Águas Gestão de Recursos Hídricos no Brasil VISÃO GERAL Nelson Neto de Freitas Coordenador de Instâncias Colegiadas do SINGREH Agência Nacional de Águas Congresso Internacional de Segurança da Água Brasília,

Leia mais

IT 179 Saneamento Básico

IT 179 Saneamento Básico 2. AÇÕES GOVERNAMENTAIS E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A Organização das Nações Unidas (ONU), formada por quase todos os países do mundo, realiza reuniões para discutir sobre temas importantes para a humanidade

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

Sistema Integrado de Municipalização do Licenciamento Ambiental

Sistema Integrado de Municipalização do Licenciamento Ambiental Sistema Integrado de Municipalização do Licenciamento Ambiental Documento Interno Texto base: Leoni Fuerst Preocupações referentes às questões relativas ao meio ambiente e a ecologia vêm se tornando crescentes

Leia mais

Gestão para um mundo melhor EMPREENDEDOR/Entrevista. Julho 1999.

Gestão para um mundo melhor EMPREENDEDOR/Entrevista. Julho 1999. GESTÃO PARA UM MUNDO MELHOR Gestão para um mundo melhor EMPREENDEDOR/Entrevista. Julho 1999. RESUMO: Para o consultor e empresário Oscar Motomura, a sociedade global precisa evoluir, abandonando sua ganância

Leia mais

POLÍTICAS EDUCACIONAIS E O PROTAGONISMO DO PLANEJAMENTO NA GESTÃO MUNICIPAL Roberta Freire Bastos PPGE/UFES/CAPES

POLÍTICAS EDUCACIONAIS E O PROTAGONISMO DO PLANEJAMENTO NA GESTÃO MUNICIPAL Roberta Freire Bastos PPGE/UFES/CAPES POLÍTICAS EDUCACIONAIS E O PROTAGONISMO DO PLANEJAMENTO NA GESTÃO MUNICIPAL Roberta Freire Bastos PPGE/UFES/CAPES Resumo Este texto tem por objetivo discutir as novas formas de gestão da educação no sentido

Leia mais

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes 1 Introdução A ascensão do sistema capitalista forjou uma sociedade formatada e dividida pelo critério econômico. No centro das decisões econômicas, a classe proprietária de bens e posses, capaz de satisfazer

Leia mais

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Rodrigo Otávio Rio de Janeiro - A antropóloga e ambientalista Iara Pietricovsky faz parte do grupo de articulação da Cúpula dos Povos (evento das organizações

Leia mais

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL 2002 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando seu compromisso com a plena realização dos direitos

Leia mais

LEI N. 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999

LEI N. 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999 LEI N. 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências O Presidente da República Faço saber que o Congresso

Leia mais

Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade

Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade A Agenda 21 vai à Escola Autora: Zióle Zanotto Malhadas Nucleo Interdisciplinar de Meio Ambiente e Desenvolvimento/UFPR/Curitiba/2001

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Sustentabilidade e Competitividade SUSTENTABILIDADE pode ser entendida como

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ESTADO DO PIAUÍ

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ESTADO DO PIAUÍ PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ESTADO DO PIAUÍ Governador do Estado do Piauí: Dr. Francisco de Assis de Moraes Souza Vice- Governador do Estado do Piauí: Dr. Osmar Ribeiro de Almeida Júnior Secretário

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7ADN-1

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7ADN-1 1 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7ADN-1 LEMOS, Haroldo Matos. Desenvolvimento Sustentável: antecedentes. Rio

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável;

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável; Lei Delegada nº 125, de 25 de janeiro de 2007. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 26/01/2007) (Retificação Diário do Executivo Minas Gerais 30/01/2007) Dispõe sobre a estrutura orgânica básica

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Apresenta à sociedade brasileira um conjunto de estratégias e ações capazes de contribuir para a afirmação de um novo papel para o rural na estratégia

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Fixa normas para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL 1. NOMENCLATURA DA DISCIPLINA JURÍDICA Direito ambiental, direito do meio ambiente, direito do desenvolvimento sustentável, direito verde, direito ecológico, direito de

Leia mais

Jovens cuidando do Brasil

Jovens cuidando do Brasil ação constitui uma parte da política dos três R reduzir, reutilizar e reciclar, depreende-se a necessidade de um trabalho com lixo que se inicie com uma revisão crítica dos hábitos e padrões de consumo.

Leia mais

ÁGUA: REFRESQUE SUAS IDEIAS

ÁGUA: REFRESQUE SUAS IDEIAS Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 Vol. 02, Nº 01, Maio - 2014 ÁGUA: REFRESQUE SUAS IDEIAS Luiz Carlos Neto MADEIRO 1 Agda Isabele Gonsalves HONORATO² Resumo Uma das maiores

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 42 DE 17 DE AGOSTO DE 2012 DISPÕE SOBRE AS ATIVIDADES QUE CAUSAM OU POSSAM CAUSAR IMPACTO AMBIENTAL LOCAL, FIXA

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras

Leia mais

Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense

Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense Mostra Local de: Maringá Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome

Leia mais

Resumo. Autoras: 1 - Clarissa Freitas de Almeida, UERJ. 2 - Veronica Santana Queiroz, UERJ. Endereços Eletrônicos: 1 - cla.raposa@gmail.

Resumo. Autoras: 1 - Clarissa Freitas de Almeida, UERJ. 2 - Veronica Santana Queiroz, UERJ. Endereços Eletrônicos: 1 - cla.raposa@gmail. Título: Desafios da Orientação Profissional Um caso prático no SPA da UERJ Autoras: 1 - Clarissa Freitas de Almeida, UERJ. 2 - Veronica Santana Queiroz, UERJ. Endereços Eletrônicos: 1 - cla.raposa@gmail.com

Leia mais

04/11/2015. Licitações sustentáveis: boas práticas e barreiras a um paradigma (ainda não) vigente. O que é licitação sustentável?

04/11/2015. Licitações sustentáveis: boas práticas e barreiras a um paradigma (ainda não) vigente. O que é licitação sustentável? Licitações sustentáveis: boas práticas e barreiras a um paradigma (ainda não) vigente O que é licitação sustentável? Renato Fenili Novembro de 2015 Há uma gradação entre licitações sustentáveis? Uma licitação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues INTRODUÇÃO O desenvolvimento da sociedade De forma desordenada e sem planejamento Níveis crescentes de poluição

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

FETREMIS-FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DA REGIÃO MISSIONÁRIA SIRLÉIA APARECIDA DE REZENDE SILVA

FETREMIS-FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DA REGIÃO MISSIONÁRIA SIRLÉIA APARECIDA DE REZENDE SILVA FETREMIS-FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DA REGIÃO MISSIONÁRIA SIRLÉIA APARECIDA DE REZENDE SILVA CONSCIENTIZAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL Contagem-MG 2013 2 FETREMIS - FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

DISCIPLINA: SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL AULA 01 => HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL.

DISCIPLINA: SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL AULA 01 => HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. DISCIPLINA: SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL AULA 01 => HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. PROBLEMÁTICA: REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E INTENSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES ANTRÓPICAS LINHA DO TEMPO:

Leia mais

SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS

SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS BRASIL - BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA MESTRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL URBANA SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS Erika do Carmo Cerqueira

Leia mais

OBSERVAÇÃO, VIVÊNCIA E SENSIBILIZAÇÃO NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO EM AMBIENTES URBANOS

OBSERVAÇÃO, VIVÊNCIA E SENSIBILIZAÇÃO NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO EM AMBIENTES URBANOS 146 OBSERVAÇÃO, VIVÊNCIA E SENSIBILIZAÇÃO NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO EM AMBIENTES URBANOS Carlos Alberto Hirata 1 Jeani Delgado Paschoal Moura 2 Vitor Ferreira de Souza 3 RESUMO: Este trabalho apresenta

Leia mais

A ENERGIA NUCLEAR, A OPINIÃO PÚBLICA E O TRABALHO DE CONSCIENTIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES NUCLEARES

A ENERGIA NUCLEAR, A OPINIÃO PÚBLICA E O TRABALHO DE CONSCIENTIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES NUCLEARES A ENERGIA NUCLEAR, A OPINIÃO PÚBLICA E O TRABALHO DE CONSCIENTIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES NUCLEARES Valéria Pastura 1, Antônio Carlos de A. Mól 1,2,3, Ana Paula Legey 1,2,3, e Celso Marcelo F. Lapa 1,2,3 Instituto

Leia mais

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS)

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas (ONU) está conduzindo um amplo debate entre governos

Leia mais

Código de ética e Conduta

Código de ética e Conduta DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS GlobalPET Reciclagem S.A Agosto /2014 Código de ética e Conduta Sumário 1. Introdução 2. Objetivos 3. Código de Conduta 4. Código de Ética 5. Valores éticos 6. Princípios

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

POR QUE AS PPP NÃO ACONTECEM?

POR QUE AS PPP NÃO ACONTECEM? POR QUE AS PPP NÃO ACONTECEM? Maria Aparecida Aiko Ikemura Objetivo Discorrer sobre os principais entraves ao estabelecimento de PPP e relatar a proposta adotada pelo TCEMG para acompanhamento dessas contratações.

Leia mais

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 INDICADORES ETHOS De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 Instrumento de avaliação e planejamento para empresas que buscam excelência e sustentabilidade em seus negócios Abril/2000

Leia mais

Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável

Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável 2 Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável Fevereiro de 2011 1 2 Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável 1Apresentação Esta plataforma expressa a visão e os objetivos

Leia mais

MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade

MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade Coordenação Acadêmica - Escola de Direito FGV DIREITO RIO MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade - FGV

Leia mais