Água, bem finito e cada vez mais valioso. P o r K e l l y N a s c i m e n t o. R e c u r s o s h í d r i c o S

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Água, bem finito e cada vez mais valioso. P o r K e l l y N a s c i m e n t o. R e c u r s o s h í d r i c o S"

Transcrição

1 Água, bem finito e cada vez mais valioso P o r K e l l y N a s c i m e n t o E d i t o r a d a R e v i s t a B r a s i l S e m p r e 24 julho/agosto/setembro 2007

2 Um dos líquidos mais preciosos deste século atende por uma velha fórmula conhecida nos bancos escolares: duas moléculas de hidrogênio, uma de oxigênio e voilà H 2 O. A disponibilidade em abundância e gratuita deste recurso é coisa do passado. Mas ajudou na criação da falsa premissa que a água seria um bem infinito. Como ocorre com toda falsa premissa, a verdade veio à tona. No caso específico do Brasil, essa verdade emergiu com uma ajudinha da legislação. Há dez anos o país ganhava a Lei 9.433, mais conhecida como Lei das Águas. Além de instituir a Política Nacional de Recursos Hídricos, foi o primeiro passo para a conscientização sobre o uso da água sob a ótica do desenvolvimento sustentável. Qual será o próximo passo? No final de agosto, durante o lançamento do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para saneamento e urbanização, o presidente Lula disse que os administradores brasileiros não gostavam de fazer obras de saneamento por dois motivos: ficam enterradas e não se pode colocar placa. Na ocasião, Lula liberou verba de R$ 1,25 bilhão para 35 municípios do Paraná investirem em saneamento. Ao avaliar a postura de seus antecessores, deu bom exemplo para se entender porque os entraves na gestão da água no Brasil estão mais enraizados do que se possa imaginar. Daí a se imaginar que, passados dez anos de criação da Lei 9.433, a tarefa não está completa. É preciso percorrer outras etapas da maratona aquática. A primeira legislação a respeito da água no Brasil data da década de 80 e instituiu regras para o descarte de efluentes. A revolução só viria com a Lei das Águas, que estabeleceu que a gestão dos recursos hídricos deve sempre proporcionar o uso múltiplo das águas. A partir dela, surgiu o fundamento da idéia de que a água é um bem de domínio público; um recurso natural limitado, dotado de valor econômico e cuja gestão deve sempre proporcionar o uso múltiplo das águas. Entre os objetivos da Política Nacional de Recursos Hídricos está assegurar a necessária disponibilidade de água em quantidade e qualidade adequadas aos brasileiros, seu uso racional e integrado e também prevenir a população de evento hidrológicos críticos. Tudo muito correto, mas a verdade é que levamos um certo tempo para reconhecer o devido valor da água. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), entre 1970 e 2000, a disponibilidade anual de água per capita no mundo caiu 43%. E as projeções da ONU tampouco são animadoras: nos próximos 30 anos a quantidade de água disponível por pessoa será apenas 20% da capacidade atual. A redução é explicada pelo ritmo de uso e crescimento populacional. E, por causa do aquecimento global, a escassez de água afetará os cultivos agrícolas e a segurança alimentar das populações mais pobres do mundo a partir de 2020, segundo relatório do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas. A previsão é que a falta de água atingirá entre 75 e 250 milhões de pessoas na África e 1 bilhão na Ásia. A mudança causará, ainda, deficiência na irrigação de lavouras e, conseqüentemente, redução na produção de alimentos. Do ponto de vista da espécie humana, a água é fundamental. Hoje em dia é imprescindível para produção de energia, para todo sistema industrial e abastecimento público e atividades agrícolas. De maneira resumida, não existe vida orgânica sem água. O fenômeno vida está ligado aos recursos hídricos. Toda atividade e sobrevivência humanas dependem disso. A água é um fator decisivo e importante para o desenvolvimento de qualquer população humana, avalia o professor Enéas Salati, diretor técnico da Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável (FBDS). Até pouco tempo, o Brasil foi notadamente negligente com suas águas. Vigorava por essas bandas um padrão de utilização em bases não sustentáveis, sem planejamento ou regras apropriadas. O saldo deste descaso foi um notório passivo ambiental, numa miscelânea entre rios e lagos poluídos por esgotos domésticos e efluentes industriais em julho/agosto/setembro

3 diversas regiões do país. Estudo recente da ONU afirma que, no Brasil, os conflitos entre usuários de diferentes recursos hídricos estão aumentando. Entre as áreas de conflito pelo uso da água mencionadas estão os rios da Região Sudeste, como Paraíba do Sul, Piracicaba e Capivari. A afirmação ganha todo sentido quando comparamos a concentração dos recursos hídricos e da população no território nacional. Em torno de 80% da água disponível está na Bacia Amazônica. Só que a população se concentra nos grandes eixos urbanos das regiões Sul e Sudeste, mais próximos da Bacia do Prata e bem distantes da Amazônica. Já a Amazônia concentra 74% da disponibilidade água do Brasil, mas é habitada por menos de 5% dos brasileiros. Ou seja, a abundância em termos quantitativos contrasta-se com a distribuição desigual em termos geográficos e populacionais. Apesar de rico em disponibilidade hídrica 12% da disponibilidade de águas doces superficiais do planeta estão em solo brasileiro, a oferta de recursos hídricos no Brasil é muito diferenciada: há áreas com excesso de água, como a Amazônia; com água suficiente como o Centro Sul e com água insuficiente para atividades humanas, como é o caso do Nordeste. Logo, o país não está livre de gargalos. O primeiro é a própria distribuição de água de maneira temporal e espacial nas diversas regiões brasileiras. O segundo gargalo está relacionado às áreas mais desenvolvidas: é a qualidade dos recursos hídricos. Em regiões densamente povoadas, há rios altamente poluídos, muitas vezes pela atividade industrial. A qualidade é mais crítica nas áreas altamente povoadas, especialmente pelo esgoto urbano, industrial e pesticidas. Esse é um problema sério, que afeta a biodiversidade, incluindo fauna e flora aquáticas. E também causa escassez de recurso para atividade humana. O diretor da Agência Nacional de Águas, Benedito Braga, diz que o país enfrenta outro tipo de entrave - o econômico. O principal gargalo que enfrentamos é a gestão do recurso financeiro. Ao longo desses anos tivemos dificuldades de obtenção de recursos. O principal problema brasileiro é a poluição doméstica que municípios causam aos rios. É preciso maciça quantidade de dinheiro para resolver o problema. Se o governo federal não fizer esses esforços, continuaremos a ter esse problema, diz. A solução para esses gargalos? Administrar os recursos de maneira adequada. E, no vestibular da água, digamos que o Brasil não passaria com nota dez. Do ponto de vista da qualidade, o país provavelmente ficaria reprovado. Basta analisar as áreas mais industrializadas, onde predominam a poluição e a degradação da qualidade dos recursos hídricos. Já sob a ótica da quantidade, o país faz bonito. Conseguiu aproveitar bem seus recursos hídricos na geração de energia limpa, a hidroeletricidade. A matriz energética brasileira é majoritariamente hidrelétrica. O principal gargalo que enfrentamos é a gestão do recurso financeiro. Ao longo desses anos tivemos dificuldades de obtenção de recursos. O principal problema brasileiro é a poluição doméstica que municípios causam aos rios. É preciso maciça quantidade de dinheiro para resolver o problema Benedito Braga, diretor da Agência Nacional de Águas 26 julho/agosto/setembro 2007

4 A maior parte da poluição vem do setor público, é esgoto não tratado. As indústrias, se não tratarem o dejeto, tomam multa e são até fechadas. Já as cidades não podem ser fechadas. O saneamento básico é um problema que é sempre jogado para depois. Aparentemente, não há vontade política para resolver a questão Professor Enéas Salati, diretor técnico da Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável Mas o Brasil ainda precisa avançar. Apesar de detentor de uma legislação de recursos hídricos, falta educar a população, fiscalizar o cumprimento das normas e também punir os infratores. No Rio de Janeiro, a presidente da Fundação Superintendência Estadual de Rios e Lagoas (Serla), Marilene Ramos, acompanha o problema de perto e tem a exata percepção dos gargalos. Segundo ela, uma das principais dificuldades enfrentadas pelos administradores fluminenses é a baixa capacidade técnica de gestão. A deficiência fez com que o estado administrasse mal a verba disponível. O Rio de Janeiro só teve sua lei de recursos hídricos aprovada em 1999, bem depois de outros estados. Nossos órgãos gestores, assim como nossos órgãos ambientais, passaram por um processo de esvaziamento técnico, de poder político, de capacidade de intervenção, durante muitos anos. Esse esvaziamento impediu o avanço da gestão dos recursos hídricos e da tomada de medidas adequadas. Um exemplo disso é o Programa de Despoluição da Baía de Guanabara, que trouxe ganhos muito pequenos com relação ao que foi investido e ao tempo em que ele está acontecendo: há mais de dez anos. A sonhada despoluição da Baía de Guanabara está muito longe de acontecer. Uma sucessão de governos que não contavam com apoio do governo federal. Tentar fazer sozinho não deu certo, avalia. Mesmo assim, o panorama poderia ser mais cinza. A Lei das Águas, através do Plano Nacional de Recursos Hídricos, teve papel fundamental na harmonização entre estados e governo federal. Em 97, com a Lei das Águas, tivemos necessidade de implementar um plano nacional de gerenciamento. Esse plano se insere no contexto nacional, com estados, União e municípios. É uma iniciativa que objetiva verificar em todo território nacional opções para implementação de política nacional de gerenciamento de recursos hídricos e procura ações necessárias para a boa implementação desse sistemas, pondera o diretor da ANA. Para Marilene, a lei ajudou os estados a avançar, mas não no ritmo desejável. Eu diria que, dez anos depois, os avanços ainda são muito tímidos. Precisamos acelerar esse passo. Estamos avançando, mas muito lentamente. A Lei das Águas foi um balizador geral, um regulamento para todos os estados. A partir daí, alguns estados já tinham avançado, já tinham feito suas leis estaduais de recursos hídricos. Os que não tinham feito como é o caso do Rio de Janeiro se sentiram chamados a fazer seus próprio sistema. E, à medida que o sistema nacional avança, ele acaba permeando para o estado. COMITÊS DE BACIA: ÁGUA GANHA PREÇO Uma experiência positiva na gestão coordenada entre União, estados e municípios são os comitês de bacias hidrográficas. A medida permitiu que a gestão dos recursos hídricos se desse de forma democrática. Ou seja, não é só o governo que decide. Surgiu uma figura nova, o comitê de bacias, que une representantes do governo e da sociedade civil. Cabe a esse comitê a definição das ações prioritárias para cada bacia. É a chamada gestão participativa e descentralizada. Outra mudança importante é que a unidade julho/agosto/setembro

5 de administração passou a ser a bacia hidrográfica. Agora, pensa-se em todo o curso de água, em vez de rios e lagoas isoladamente. Um avanço inquestionável, dizem os especialistas. Fazer comitês das bacias hidrográficas, estudar problema de cada bacia, é um avanço na legislação. Hoje se vê comunidade e sociedade preocupadas com a bacia de sua região. No caso do Rio Piracicaba, muito poluído, há todo um aparato para discutir e resolver os problemas. Agora a fiscalização deve ser feita por quem de direito, diz Salati. Além do Comitê do Piracicaba, o da bacia do Rio Paraíba do Sul é outro exemplo positivo dessa mudança na gestão. Localizada numa área com alta densidade industrial, entre Rio de Janeiro e São Paulo, a bacia do Paraíba do Sul é a principal do Estado do Rio. Hoje 13 milhões de pessoas dependem dessas águas: dez no Estado do Rio e outras três em São Paulo e Minas Gerais. Com a criação do Comitê, há quatro anos, as empresas que operam na região passaram a pagar para usar a água do rio, bem como devolvê-la à rede de esgoto. A cobrança pelo uso da água na bacia do Paraíba do Sul começou com base na lei federal. Isso acabou vindo para o estado, que fez sua própria lei de recursos hídricos, está criando comitês, fez a lei de cobranças, por conta do início da cobrança da bacia federal. É como uma reação em cadeia, explica a presidente da Serla. Nem só de acertos se faz o caminho de uma nação como o Brasil. E se a Lei das Águas trouxe melhoras para a gestão de bacias, foi bem menos eficiente com relação a um velho conhecido: saneamento básico. O desleixo não pode ser explicado por falta de informações a respeito da gravidade do problema. Os números são alarmantes. Pouco mais de metade dos lares no Brasil (54%) é contemplada com coleta de esgoto em pleno século XXI! Paraná e Atlântico Sudeste são as regiões com maiores coberturas, mesmo assim não chegam a 70%. No outro extremo está a região do Parnaíba com somente 4% de domicílios com coleta. No Brasil, 10,7% das residências não têm água encanada. Outros 23,3% não contam sequer com rede de esgotos. A estimativa do Ministério das Cidades é de que para que todos brasileiros tenham acesso a água e esgoto é preciso investir R$ 178 bilhões até A maior parte da poluição vem do setor público, é esgoto não tratado. As indústrias, se não tratarem o dejeto, tomam multa e são até fechadas. Já as cidades não podem ser fechadas. O saneamento básico é um problema que é sempre jogado para depois. Aparentemente, não há vontade política para resolver a questão do saneamento básico, aponta o diretor da FBDS. Em se tratando de água, uma dos únicos problemas que atingem democraticamente tanto o Norte quanto o Sul do Banco Mundial 28 julho/agosto/setembro 2007

6 Brasil é a falta de saneamento. O caso do Estado do Rio de Janeiro ilustra a assertiva de maneira exemplar. Apesar de corresponder a 15,8 do Produto Interno Bruto nacional e ter testemunhado um boom do setor de petróleo e seus respectivos royalties, o Rio continua lindo, mas sem grandes avanços na matéria. Tal qual grande parte do Brasil. A questão do saneamento é o principal problema na área de recursos hídricos no Rio de Janeiro. No estado, apenas 20% do esgoto recebem algum tipo de tratamento. Vale lembrar que são 17 milhões de habitantes. Logo, o esgoto de apenas 3,4 milhões tem algum tipo de tratamento. O resto é jogado in natura no rio, córrego ou valão mais próximo. Os rios fluminenses são verdadeiros valões de esgoto. Daí aquele o mau cheiro tão comum em alguns lugares e já conhecido de quem chega à capital pelo Aeroporto Antônio Carlos Jobim e passa pela Linha Vermelha em direção à Zona Sul. O único investimento público que existe no Rio em saneamento e esgoto vem do Programa de Despoluição da Baía de Guanabara, que teve mais insucessos que vitórias. O Rio de Janeiro é relativamente rico, em termos de quantidade de água. Mas está ficando pobre em qualidade de água. Isso porque nossos rios estão poluídos por esgotos sem tratamento, lixo, sedimento por conta da ocupação das encostas. Esse é o problema mais grave e que não é exclusividade do Rio de Janeiro. Os demais estados brasileiros sofrem do mesmo problema. As exceções são a região do semi-árido onde além de faltar saneamento, falta água em quantidade. Mesmo em regiões muito ricas como a Amazônica, a situação no entorno das grandes cidades é de poluição. Acabo de vir de Belém e lá há uma queixa com relação à degradação dos pequenos igarapés que cruzam a cidade e seu entorno. A falta de saneamento é um flagelo no Brasil, comenta Marilene Ramos. A exceção fica por conta da cidade de Niterói (RJ). Na terra de Araribóia, a concessionária Águas de Niterói fez os investimentos previstos e hoje a cidade tem quase 100% de seu esgoto coletado e tratado. Um raro caso de sucesso. E SE O MAR VIRAR SERTÃO? Mas a grande preocupação do homem das grandes metrópoles, onde a oferta de líquido potável é cada vez menor, é o fantasma da escassez de água. Os grandes centros urbanos do Brasil podem sofrer com a escassez de água no futuro. São Paulo hoje trabalha no limite. Os mananciais existentes foram todos usados. Cerca de 50% da água de São Paulo vem de outra bacia, a de Piracicaba. E a reversão do Sistema Cantareira foi muito maior que a proposta para o Rio São Francisco. O custo fica cada vez mais alto. São Paulo vai ter que começar a pegar água nos rios da vertente da Serra do Mar, com grandes dificuldades ambientais, alerta Benedito Braga. São Paulo tem uma das menores disponibilidades hídricas entre as grandes cidades do mundo. São 201 metros cúbicos por habitante por ano. Para se ter idéia da aridez da situação, o mínimo recomendável é 1,5 mil metros cúbicos por habitante. Hoje a água que chega às torneiras dos domicílios da Grande São Paulo vem de áreas próximas à divisa do estado Pouco mais de metade dos lares no Brasil (54%) é contemplada com coleta de esgoto em pleno século XXI! Paraná e Atlântico Sudeste são as regiões com maiores coberturas, mesmo assim não chegam a 70%. No outro extremo está a região do Parnaíba com somente 4% de domicílios com coleta julho/agosto/setembro

7 com Minas Gerais. Ou seja, São Paulo está importando água. Os mananciais paulistas estão degradados. Apenas metade do consumo da cidade é abastecido pelas represas da região metropolitana. Grande parte da água vem da Bacia do Piracicaba. A Sabesp, para renovar seu direito de tirar essa água, teve que participar de uma negociação com o Comitê da Bacia de Piracicaba que não quer mais ceder toda aquela quantidade de água. A Sabesp está pagando R$ 15 milhões por ano por essa transposição de água que ela faz. Esse recurso está sendo aplicado na Bacia do Piracicaba, isso é um grande avanço que nós temos hoje no Brasil, diz a presidente da Serla. Segundo o diretor da ANA, o esforço da Agência em São Paulo tem sido no sentido de enfatizar a redução de perda de água no sistema de abastecimento. Reduzir as perdas significa não precisar construir obra de porte para trazer água pra cidade. São Paulo está no nível internacional com relação à perdas no abastecimento: entre 17 e 18%. Em outras cidades brasileiras, a perda chega a 60%. E a tendência para as grandes cidades é esse índice se agravar, alerta. Uma das ações para que a Agência prepara para minimizar o problema é o Atlas das Regiões Metropolitanas Brasileiras. O estudo traça um Raio X das cidades brasileiras com mais de 100 mil habitantes e deve ficar pronto em A idéia é apresentar opções de atendimento de demandas até O relatório GEO Brasil Recursos Hídricos, lançado este ano pela Agência Nacional de Águas, mostra que o setor líder no ranking de consumo é a irrigação, que monopoliza 46% do total de água extraída dos rios. Em segundo lugar vem o consumo humano urbano (27%), seguido pelo uso industrial (18%). O estudo foi elaborado com o propósito de fornecer informações atuais sobre modelo institucional, políticas de ação, avanços e desafios da gestão de recursos hídricos no Brasil. A baixa qualidade das águas nas regiões Sul e Sudeste decorre das altas taxas de urbanização e industrialização destas áreas, segundo o relatório. Já no Centro-Oeste, o alerta fica por conta da bacia do Alto Paraguai, ameaçada pela expansão da fronteira agrícola, garimpo e atividades pecuárias. A região também requer uma gestão mais aprofundada de suas águas. No Nordeste, a falta de água parece ser crônica. É sabido que o ponto mais crítico em todo território nacional é a região semi-árida, que abrange a maior parte do Nordeste. O quadro é causado por características naturais, mas boa dose de descaso e falta de empenho dos governantes fizeram com que o bode empacasse em vez de avançar. O avanço que houve em relação ao abastecimento de água na Região Nordeste foi tecnológico, na utilização da água com eficiência, principalmente na agricultura. Houve avanço na coleta e no armazenamento, principalmente nas residências. Hoje as pessoas guardam água nos telhados, em sistemas de cisternas coletivas. Mas a situação ainda é crítica. Para se ter idéia, chove 700 milímetros/ano no semi-árido. Na Amazônia, esse índice é de e em São Paulo, 1.400, explica o diretor da FBDS. A associação dessa baixa precipitação ao clima e às formações geológicas (principalmente no Nordeste cristalino) resulta em pouquíssimo reservatório de água no subsolo. Uma das ações da Agência Nacional de Águas, em conjunto com Ministério de Integração Nacional, para tentar aplacar o fenômeno da seca foi o programa Proágua, que conseguiu levar água para mais de 4 milhões de habitantes, através da construção de barragens, adutoras e estações de tratamento de água. O diferencial do Proágua foi combinar obras à gestão de recursos hídricos. Nenhuma obra foi feita sem que houvesse plano de gerenciamento de água. Bem-sucedida, a experiência será levada a outras praças. No começo de agosto, o Senado aprovou o Proágua Nacional. Essa experiência do Nordeste vai para todo território brasileiro: construir obra e operar de forma coerente. No passado, as obras do Nordeste eram construídas e ninguém se beneficiava; hoje a situação está totalmente diferente na região. Isso se deve à ANA, que cuidou da gestão. Em curto espaço de tempo, já temos resultados expressivos, comemora Braga. A mesma receptividade não teve a proposta do Ministério de Integração Nacional de Transposição do Rio São Francisco. A ANA não se envolveu na polêmica da transposição do Rio São Francisco, apenas analisamos a disposição do projeto do Ministério de Integração Nacional. Avaliamos que havia deficiência hídrica na área que receberia a água e autorizamos o projeto. A ANA não questiona o projeto, é responsável por autorizar o uso de rios. Apenas verificamos que a autorização podia ser dada, não questionamos questões político-financeiras. Mantivemos-nos isentos, comenta o diretor da Agência. O debate sobre o equacionamento do déficit de água do Nordeste é fervoroso. E a artilharia contra a transposição do Velho Chico acaba mirando no alvo errado. É o que acontece com a proposta do estudo conhecido como Atlas do Nordeste. O Atlas do Nordeste tem sido usado de forma inadequada. Os que são contrários à transposição dizem que o Atlas mostra que a transposição não seria necessária. O que o Atlas fez foi uma análise do semi-árido do Nordeste, com vista de abastecimento doméstico. A transposição não prevê uso doméstico, mas desenvolvimento regional. Logo, o Atlas e a transposição são complementares, não conflitantes, explica. O Atlas objetiva identificar alternativas de abastecimento 30 julho/agosto/setembro 2007

8 Se não existe fórmula milagrosa para multiplicação da água, o jeito é reciclar. No cenário futuro, o Brasil deve se preocupar com a expansão de atividades rurais, especialmente a irrigação, comprovadamente o setor que mais consome água. Nesse sentido, é fundamental que o país invista em tecnologias que possibilitem o manejo eficaz da água julho/agosto/setembro

9 público para sedes municipais com mais de 5 mil habitantes, a partir de projeções de crescimento de demanda por consumo urbano de água numa área que abrange mais de 1,3 mil cidades nordestinas. Não trata do problema de segurança hídrica do Nordeste, já que não garante o atendimento de usos múltiplos da água. Enéas Salati é a favor da transposição, mas ajuda a colocar lenha na fogueira. Ele alerta para a necessidade de investimentos altos e o risco de salinização do solo. A experiência é válida. No entanto, tem que ser tomar cuidado quanto a problemas que podem acontecer, especialmente com a salinização dos solos. Se você joga água no solo e a maior parte evapora, a água sempre tem um pouco de sal, que vai sobrar. Então, se você faz irrigação sem fazer uma drenagem perfeita do solo, há tendência de salinização. Esse fenômeno já ocorreu em áreas do entorno de Petrolina, que foram irrigadas. Lá, o pessoal aprendeu que o investimento é alto, mas tem que se fazer sistema de drenagem, conta. Experiência à parte, engana-se quem pensa que a seca do Nordeste acabará com a transposição do São Francisco. A experiência é valida, mas não é uma solução para todo Nordeste. Isso porque o São Francisco é um rio naturalmente pequeno, com vazão de 2 mil m 3 /segundo na média. A visão correta é trazer água das bacias com muita água como a Tocantins/Araguaia e a Amazônica. No Rio Amazonas, são 200 mil m 3 / segundo de vazão média. Não há dúvidas de que, do ponto de vista agrícola, é uma região excelente. Só falta mesmo a água para irrigar as plantações, argumenta Salati, principal pesquisador responsável pela descrição do ciclo da água da Amazônia brasileira - base para o conhecimento hidrológico da região. FUTURO ESTÁ NO REÚSO Se não existe fórmula milagrosa para multiplicação da água, o jeito é reciclar. No cenário futuro, o Brasil deve se preocupar com a expansão de atividades rurais, especialmente a irrigação, comprovadamente o setor que mais consome água. Nesse sentido, é fundamental que o país invista em tecnologias que possibilitem o manejo eficaz da água. O livro Reúso da água Conceitos, Teorias e Práticas (Editora Blucher) mostra que 1/6 da população mundial, ou seja, 1,1 bilhão de pessoas não têm acesso a água de qualidade e em quantidade suficiente. A projeção para 2025 preocupa ainda mais: serão 7 bilhões de pessoas, atingindo 1/3 da população no planeta. Tendo em vista as projeções que mostram o risco real de falta de água, o homem passou a investir na reciclagem deste recurso. Países como França, Alemanha e Estados Unidos saíram na frente na corrida pelo reúso de água. O Brasil ainda é iniciante no assunto, mas caminha a passos largos. O setor industrial tem avançado bastante e cresce a tendência de promover o chamado fechamento do circuito: água usada num processo é aproveitada no seguinte. No entanto, ainda há muito a fazer. Para se fazer o reúso, conforme a qualidade da água, é preciso atingir determinado nível de despoluição. Gosto muito do sistema de waterland, através do qual você pega a água e faz um sistema de um solo muito permeável quando se faz uma cultura convergente, como a cultura de arroz. A água penetra no solo e é coletada no sistema de drenagem na parte inferior. Com isso, tem-se a produção de arroz e de água limpa, explica Salati. Esse sistema já é usado no Brasil. Em Analândia, no interior de São Paulo: o abastecimento da cidade é feito em parte nesse processo. Água bombeada de um córrego, purificada por esse processo, depois clorada e servida à população, diz. Sistema semelhante está funcionando em Piracicaba(SP) para tratar o esgoto da cidade. Há o tratamento de esgoto primário, depois passa pelo solo permeável para purificar a água numa primeira etapa. Em seguida, dá-se a última fase da limpeza, a passagem por plantas aquáticas purificantes. Experiências interessantes, tecnologias acessíveis e pouco dispendiosas. Mas a iniciativa mais revolucionária em termos de reúso em território brasileira se dá na comunidade de Emaús, na cidade de Ubatuba (SP). Trata-se de uma comunidade carente o único lugar do litoral brasileiro que tem tratamento terciário, através do qual é possível tirar até os nutrientes da água. Lá é feito o tratamento do esgoto (waterland), da água para piscicultura e purificação outra vez para usar na irrigação, explica Salati, que ajudou a implementar os projetos. A tendência mundial é que a técnica de reúso cresça nos setores de irrigação e indústria. No Rio de Janeiro, a empresa Geoplan, especializada 32 julho/agosto/setembro 2007

10 em soluções de abastecimento de água para fins industriais, vem se destacando no setor de reúso. Nesse ano, a empresa inaugurou, em parceria com a Bayer, a primeira estação de tratamento e reúso indireto de água da Baixada Fluminense. Com a solução da Geoplan, a Bayer deixará de usar 70 milhões de litros de água potável por mês. A estação de tratamento tem cerca de dois mil m 2 e o investimento no projeto foi de R$ 4,5 milhões. Iniciativas como esta tem sido cada vez mais comuns no estado. A estratégia da Serla é mostrar ao empresariado que sai mais barato captar menos água dos rios. O estímulo ao reúso é dado pelo instrumento econômico da cobrança. Isso tem levado as indústrias a aplicar práticas de reúso. Em vez de obrigarmos, nós cobramos. Se a empresa não fizer, pagará mais. Em seis meses, aumentamos em 50% a arrecadação. Já estamos com uma cobrança de R$ 4,5 milhões/ano. Mais gente está pagando, ou seja, mais gente está recebendo esse estímulo de usar menos água, comemora Marilene Ramos. Sinal de que é possível mudar os padrões de consumo da água. O planeta agradece. serla: avanços na gestão A Fundação Superintendência Estadual de Rios e Lagoas (Serla), responsável pela gestão dos recursos hídricos do Estado do Rio de Janeiro, comemora os resultados da nova gestão. Além de aumentar a arrecadação de R$ 3 para R$ 4,5 milhões ao ano, a Serla passou a atuar de maneira intensiva na otimização do uso da água no estado. Atuamos em várias dessas frentes. Trabalhamos na área de sistema de informação. Para gerir é preciso ter informação, é preciso conhecer e saber o que você está gerindo: como está nossa água, qualidade, quantidade. Hoje nós estamos com edital na rua para contratar todo o sistema de alerta de cheias na Baixada Fluminense. Trabalhamos também na montagem do nosso sistema de informação de recursos hídricos, onde todas as informações sobre chuva, qualidade de água, quantidade, o que está acontecendo em nossos rios, vão ficar disponibilizadas numa página pública para pesquisadores, estudiosos, gestores, diz a presidente Marilene Ramos. Segundo Marilene, os maiores desafios a ser enfrentados são a questão do saneamento e a capacidade de mobilização para gestão de recursos hídricos. Um dos principais gargalos é o saneamento e não é só esgoto: é esgoto e lixo. É preciso acabar com lixões, ampliar a coleta de lixo domiciliar; tudo isso é absolutamente prioritário para recuperar nossos corpos hídricos para a sustentabilidade, ou seja, para termos água no futuro. Outra frente de trabalho fundamental refere-se à estruturação dos comitês de bacia, a sociedade tomar parte nesse trabalho, essa gestão participativa, isso é extremamente importante. O Estado do Rio tem hoje cinco comitês de bacia instalados. A meta é chegar a nove até o fim dessa administração. Na linha de pequenas regiões onde não há saneamento, a Serla está atuando na despoluição do sistema de coleta e tratamento de esgoto da região de Mauá, Maromba e Maringá, por onde passa o Rio Preto. As ações de recuperação ambiental também foram intensificadas. Lagoas e rios poluídos estão recebendo atenção especial. Além de promover a despoluição, a meta é espantar as tenebrosas inundações. Temos ações em todos sistemas lagunares do estado, atuamos na revitalização desses sistemas para melhorar a circulação e qualidade das águas. Trabalhamos com esses comitês na montagem, executando o saneamento de pequenas comunidades que muitas vezes não vão ser alcançadas pelo sistema de coleta e tratamento de esgoto da cidade. Para poder fazer despoluição de pequenos mananciais nós estamos construindo uma estação de tratamento de esgoto lá em Nova Friburgo. Nós estamos construindo biodigestores em pequenas comunidades de Petrópolis. O combate à inundação passa pela conscientização dos moradores, já que é preciso reduzir a quantidade de lixo e sedimentos que chegam aos mananciais. Nesse sentido, a Serla estabeleceu parcerias com prefeituras a fim de melhorar a coleta de lixo. Quando o sistema de drenagem está entupido, a água da chuva não consegue passar - o que provoca inundação. Fazemos esse trabalho contínuo de limpeza. Marilene gosta sempre de lembrar que a água é um bem finito, daí a obrigatoriedade da regulação do uso. Não se pode tirar quantidade de água no rio à vontade, jogar efluente sem que haja algum controle. Durante muitos anos, o Rio de Janeiro nunca teve controle sobre isso. Nós estamos cadastrando os usuários: quem vai ao rio e capta água, joga lixo no esgoto, indústrias, empresas de abastecimento público, agricultores, produtores. Nós estamos cadastrando esses usuários, que são quem vai ao rio e pega água bruta, represa ou gera energia. Com essa mentalidade, a Serla conseguiu aumentar o número de outorgas de 111 para 280; os usuários cadastrados saíram de 500 para Podemos esperar Marlene Ramos numa das visitas boas notícias nos próximos anos. aos municípios fluminenses julho/agosto/setembro

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta Núcleo União Pró-Tietê Água : O ouro azul do planeta Água A água é um mineral, elemento químico simples (H 2 O) fundamental para o planeta. Forma oceanos, geleiras, lagos e rios. Cobre ¾ da superfície

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA ASGAM Assessoria de Gestão Ambiental Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos COGERH USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Marcos Dantas Gestão Ambiental Pós-graduando em Biodiversidade e Sustentabilidade

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Reconhecer a água como bem econômico e dar ao usuário uma indicação de seu real valor Incentivar

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS

ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS Prof. Demetrios Christofidis EDUCAÇÃO PARA MUDANÇA DE TRAJETÓRIA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Lei nº 9.984/2000 Criação da ANA 1988 1997 2000 2002

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli)

REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli) 1 REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo sugerindo à Agência Nacional de Águas que determine às empresas concessionárias deste serviço a divulgação em suas

Leia mais

Água - Recurso Natural

Água - Recurso Natural - Recurso Natural PROF. Carla Gracy Ribeiro Meneses A água é um elemento essencial para a humanidade. Nosso corpo é composto por dois terços de água, isso equivalente ao nosso peso total. Curiosidades!

Leia mais

MESA REDONDA ÁGUA: ESCASSEZ, USO RACIONAL

MESA REDONDA ÁGUA: ESCASSEZ, USO RACIONAL MESA REDONDA ÁGUA: ESCASSEZ, USO RACIONAL IV SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA Rodrigo Flecha Superintendente de Gestão de Recursos Hídricos 18 de março de 2013 Belo Horizonte/MG ESTRUTURA

Leia mais

ÁGUA: PESQUISA PARA A SUSTENTABILIDADE

ÁGUA: PESQUISA PARA A SUSTENTABILIDADE Workshop FAPESP/SABESP ÁGUA: PESQUISA PARA A SUSTENTABILIDADE Adolpho José Melfi 12/05/09 Água Recurso natural do século 21 Densamente povoado Gestão Fortemente urbanizado Altamente industrializado Representa

Leia mais

3º Congresso Científico do Projeto SWITCH. Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro

3º Congresso Científico do Projeto SWITCH. Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro 3º Congresso Científico do Projeto SWITCH Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro Gestão Integrada de Águas Urbanas em Diferentes Escalas Territoriais: a Cidade e a Bacia Hidrográfica

Leia mais

MEIO AMBIENTE RECURSOS HÍDRICOS BEM CUIDAR PARA PERENIZAR

MEIO AMBIENTE RECURSOS HÍDRICOS BEM CUIDAR PARA PERENIZAR MEIO AMBIENTE RECURSOS HÍDRICOS BEM CUIDAR PARA PERENIZAR Introdução Em 2000 havia no mundo mais de 1 bilhão de pessoas sem suficiente disponibilidade de água para consumo doméstico e se estima que, em

Leia mais

Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água.

Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água. Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água. 01 Água no corpo humano: cérebro 75% sangue 81% músculos 75% coração

Leia mais

WWDR4 Resumo histórico

WWDR4 Resumo histórico WWDR4 Resumo histórico Os recursos hídricos do planeta estão sob pressão do crescimento rápido das demandas por água e das mudanças climáticas, diz novo Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento

Leia mais

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2 professor Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas:. Mapa conceitual sobre Água: Água no cotidiano - Módulo que são em três estados físicos A oferta de água - Módulo 2 é encontrada

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

"Água e os Desafios do. Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO.

Água e os Desafios do. Setor Produtivo EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. "Água e os Desafios do Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PAPEL DE CADA UM É o desenvolvimento que atende às necessidades

Leia mais

Examen Libre. Asignatura: 78.05 - Portugués. Texto. Vai valer mais que petróleo

Examen Libre. Asignatura: 78.05 - Portugués. Texto. Vai valer mais que petróleo Examen Libre Asignatura: 78.05 - Portugués Texto Vai valer mais que petróleo 5 10 15 No século XX forjou-se a idéia de que um dos indicadores mais seguros de riqueza de uma nação era o tamanho das reservas

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 A Carta das Águas do Acre 2015 é o documento resultado do Seminário Água e Desenvolvimento Sustentável realizado pelo Governo do Estado do Acre, através da Secretaria de Estado

Leia mais

A água nossa de cada dia

A água nossa de cada dia A água nossa de cada dia Marco Antonio Ferreira Gomes* Foto: Eliana Lima Considerações gerais A água é o constituinte mais característico e peculiar do Planeta Terra. Ingrediente essencial à vida, a água

Leia mais

EVOLUÇÃO INSTITUCIONAL DO SETOR DE ÁGUA EM SÃO PAULO. Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos

EVOLUÇÃO INSTITUCIONAL DO SETOR DE ÁGUA EM SÃO PAULO. Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos EVOLUÇÃO INSTITUCIONAL DO SETOR DE ÁGUA EM SÃO PAULO Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos Organização da Secretaria de Saneamento e Recursos Hidricos Gabinete do Secretario Saneamento

Leia mais

Desenvolvimento regional

Desenvolvimento regional Desenvolvimento regional Água e terra irrigada para o Nordeste No Nordeste, onde a seca representa o grande obstáculo para o desenvolvimento, o Governo Federal está realizando o maior programa de construção

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

Água. faltar. Como usar e conservar para não ESPECIAL PÔSTER: USO E CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DO BRASIL WWW.HORIZONTEGEOGRAFICO.COM.

Água. faltar. Como usar e conservar para não ESPECIAL PÔSTER: USO E CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DO BRASIL WWW.HORIZONTEGEOGRAFICO.COM. ESPECIAL WWW.HORIZONTEGEOGRAFICO.COM.BR Água Como usar e conservar para não faltar Parte integrante da edição n o 129 da revista HORIZONTE GEOGRÁFICO. Não pode ser vendida separadamente PÔSTER: USO E CONSERVAÇÃO

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Formas de uso da água

Formas de uso da água Formas de uso da água INTRODUÇÃO A água é utilizada para várias atividades humanas: uso doméstico, geração de energia, irrigação, navegação, lazer, entre outras atividades. Distribuição relativa do consumo

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A visão dos brasileiros O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água Dezembro, 2006 METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para

Leia mais

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco.

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco. I A INTEGRAÇÃO REGIONAL NO BRASIL OBJETIVOS Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco. Assunto 5: O PROJETO CISTERNAS E A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO

Leia mais

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL EDMILSON COSTA TEIXEIRA LabGest GEARH / UFES (edmilson@npd.ufes.br) DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL? [COMISSÃO

Leia mais

Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água

Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água Mierzwa, José Carlos Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini A Gestão de Recursos Hídricos H e a Regulação da Medição de Água Situação

Leia mais

META DE CURTO PRAZO: chegar em abril de 2015 em situação segura para enfrentar mais um período de estiagem.

META DE CURTO PRAZO: chegar em abril de 2015 em situação segura para enfrentar mais um período de estiagem. Aliança pela Água de São Paulo São Paulo vive a maior crise hídrica da sua história. Mais de 60 municípios enfrentam a falta de água e o racionamento já atinge milhões de pessoas. Reservatórios e rios

Leia mais

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ Dalto Favero Brochi Consórcio PCJ Rio de Janeiro Novembro / 2008 LOCALIZAÇÃO DAS BACIAS PCJ CARACTERIZAÇÃO DAS BACIAS

Leia mais

Site Terra, 05 de Junho de 2013

Site Terra, 05 de Junho de 2013 Site Terra, 05 de Junho de 2013 Mesmo com data para acabar, lixões subsistem no Brasil. Mais da metade dos municípios brasileiros não impõe a destinação adequada ao lixo. Assim, cerca de 75 mil toneladas

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA 2008

USO RACIONAL DA ÁGUA 2008 USO RACIONAL DA ÁGUA Tipos de Água: Água potável - é a que se pode beber. É fundamental para a vida humana, e é obtida através de tratamentos que eliminam qualquer impureza. Água poluída - É a água suja

Leia mais

As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol

As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol Vice Presidente de Gestão e Assuntos Institucionais Resumo Planejamento das atividades de Infraestrutura de Saneamento

Leia mais

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA 12.4 SISTEMA DE GESTÃO PROPOSTO 12.4.1 ASPECTOS GERAIS O Sistema de Gestão proposto para o PERH-PB inclui órgãos da Administração Estadual, Administração Federal, Sociedade Civil e Usuários de Água, entre

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

Fundação O Boticário de Proteção à Natureza PROJETO OÁSIS

Fundação O Boticário de Proteção à Natureza PROJETO OÁSIS Fundação O Boticário de Proteção à Natureza PROJETO OÁSIS Instituição privada e sem fins lucrativos. Criada em 1990. É uma das organizações que mais financia projetos de conservação da natureza no Brasil.

Leia mais

10.3 Cronograma de Implantação e Orçamento

10.3 Cronograma de Implantação e Orçamento 10.3 Cronograma de Implantação e Orçamento A Tabela 85, a seguir, apresenta o Cronograma de Implantação e Orçamento detalhado para os programas propostos com o PERH/PB, objeto do capítulo anterior. Para

Leia mais

Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo

Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo Fabíola Ortiz - 28/02/13 Potencial de produção de energia vinda dos aterros pode dobrar em 20 anos, se a lei de resíduos sólidos for cumprida.

Leia mais

" ;,% / 22 <+ = " >;?,9# 2' = " >;@A>BA= 4 #/2: ''-34/#:/ 9'C#0 D2 25' E:/F2/90'G %&$: %09$%:#'%<9'# #2-'/# :2-# 9#'% G

 ;,% / 22 <+ =  >;?,9# 2' =  >;@A>BA= 4 #/2: ''-34/#:/ 9'C#0 D2 25' E:/F2/90'G %&$: %09$%:#'%<9'# #2-'/# :2-# 9#'% G !"# $%&' ()*) +,'#-.# /#0#'''1$'2! 0'%%#2'34/#5'# ''-/ %0 2#0%6/7 " 8 9$%$0#2/''-34/#:/ -'##-7 " ;,% / 22

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com A Qualidade da Água nas Cidades de e Gicélia Moreira (ID) 1,AntonioJoão S. Filho(ID) 1 Nataline C. S. Barbosa (ID) 1 Antonio N. de Souza (PG) Departamento de Química CCT-UEPB *gicelia.moreira2009@gmail.com

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

Parcerias. São parceiros estratégicos no desenvolvimento das UREs:

Parcerias. São parceiros estratégicos no desenvolvimento das UREs: Institucional A Unidade de Recuperação Energética (URE) Barueri é um empreendimento da Foxx Haztec, empresa líder em serviços ambientais no Brasil com atuação nas áreas de resíduos sólidos, consultoria

Leia mais

Desafios e metas do Estado de São Paulo

Desafios e metas do Estado de São Paulo 1º Seminário Saneamento Básico Universalização do Saneamento: Desafios e Metas para o Setor 07 de novembro de 2011 Desafios e metas do Estado de São Paulo Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades. Água e Clima As lições da crise na região Sudeste

Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades. Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades A água

Leia mais

A perenidade do rio São Francisco cada vez mais ameaçada, entrevista com Gogó

A perenidade do rio São Francisco cada vez mais ameaçada, entrevista com Gogó A perenidade do rio São Francisco cada vez mais ameaçada, entrevista com Gogó Por Verônica Pragana - Asacom Gogó: "Puxam muita água do rio, mas ao mesmo tempo, não cuidam de seus mananciais, aquíferos,

Leia mais

ÁGUA. USOS, DISTRIBUIÇÃO e PRESERVAÇÃO

ÁGUA. USOS, DISTRIBUIÇÃO e PRESERVAÇÃO ÁGUA USOS, DISTRIBUIÇÃO e PRESERVAÇÃO Embora a água seja a substância mais abundante do nosso planeta, especialistas e autoridades internacionais alertam para um possível colapso das reservas de água doce,

Leia mais

Art. 1º - A Política Nacional de Recursos Hídricos baseia-se nos seguintes fundamentos:

Art. 1º - A Política Nacional de Recursos Hídricos baseia-se nos seguintes fundamentos: Patrimonio Hídrico Brasileiro - Explicação do Abaixo Assinado. Observação: O melhor instrumento para entender essa proposta é o Texto Base da Campanha da Fraternidade de 2004, Fraternidade e Água, realizada

Leia mais

Uma visão sistêmica para conservação de água no ambiente construído

Uma visão sistêmica para conservação de água no ambiente construído Uma visão sistêmica para conservação de água no ambiente construído Profa. Dra. Marina S. de Oliveira Ilha FEC/UNICAMP Marina Ilha SBCS08 1 Distribuição da água doce superficial MUNDO CONT. AMERICANO Nordeste

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

No presente estudo foram consideradas as seguintes premissas:

No presente estudo foram consideradas as seguintes premissas: 11. ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA O presente capítulo consiste da avaliação econômica do Plano Estadual de Recursos Hídricos. Esta avaliação objetiva quantificar e demonstrar os impactos da implementação

Leia mais

Atividade de Aprendizagem 1 Aquífero Guarani Eixo(s) temático(s) Tema Conteúdos Usos / objetivos Voltadas para procedimentos e atitudes Competências

Atividade de Aprendizagem 1 Aquífero Guarani Eixo(s) temático(s) Tema Conteúdos Usos / objetivos Voltadas para procedimentos e atitudes Competências Aquífero Guarani Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente / Terra e universo Tema Água e vida / ciclo hidrológico do planeta Conteúdos Águas subterrâneas Usos / objetivos Aprofundamento do estudo sobre as águas

Leia mais

O retrato da água no Brasil na visão da Sociedade

O retrato da água no Brasil na visão da Sociedade O retrato da água no Brasil na visão da Sociedade Enfrentando a escassez da água O Dia da Água, instituído por resolução da assembleia das ONU em 22 de março de 1992, chama atenção da sociedade para a

Leia mais

Localização Estoques Hídricos

Localização Estoques Hídricos ÁGUA USO RACIONAL FUNDAÇÃO RELICTOS Ciclo da Água Estado Físico da Água. Localização Estoques Hídricos Água no Mundo Água no Nosso Corpo 74% do nosso corpo também é constituído de água. Assim como a água

Leia mais

Crise da água: Desafios e Soluções

Crise da água: Desafios e Soluções Núcleo PCJ-Campinas/Piracicaba Crise da água: Desafios e Soluções São Paulo, 3 de junho de 2014. Regramento Legal do Sistema Hídrico Lei Estadual nº 7.663, de 30 de dezembro de 1991 (Política Estadual

Leia mais

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável de Água e Solo Superintendência de Implementação de Programas e Projetos DISPONIBILIDADE

Leia mais

baía de guanabara Despoluição e potencialidade como agente integrador da rmrj

baía de guanabara Despoluição e potencialidade como agente integrador da rmrj baía de guanabara Despoluição e potencialidade como agente integrador da rmrj índice Histórico recente dos projetos Vetores de degradação e seus impactos econômicos e sociais Diagnóstico da situação atual

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros O que o brasileiro pensa sobre a conservação e o uso da água no Brasil METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para subsidiar o planejamento

Leia mais

Crise da Água em São Paulo Balanço e Propostas contribuição para o debate

Crise da Água em São Paulo Balanço e Propostas contribuição para o debate Crise da Água em São Paulo Balanço e Propostas contribuição para o debate Câmara dos Deputados 14 de Julho de 2015 Comissão Especial da Crise Hídrica O porque do colapso dos sistemas A Pergunta é: Precisávamos

Leia mais

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO Esta síntese objetiva apresentar de forma resumida o que foi produzido na fase B do plano de bacia, permitindo uma rápida leitura das principais informações sobre

Leia mais

Água. Material de Apoio - Água

Água. Material de Apoio - Água Água Material de Apoio Programa Escola Amiga da Terra Mapa Verde Realização: Instituto Brookfield Assessoria: Práxis Consultoria Socioambiental Este material foi utilizado pelos educadores participantes

Leia mais

Recursos Hídricos - Uma abordagem de desenvolvimento para o semiárido nordestino

Recursos Hídricos - Uma abordagem de desenvolvimento para o semiárido nordestino Seminário Crise Mundial e Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades Recursos Hídricos - Uma abordagem de desenvolvimento para o semiárido nordestino Eduardo Kaplan Barbosa Programa de Mestrado

Leia mais

Institui a Política Estadual de Recursos Hídricos, suas diretrizes e dá outras providências.

Institui a Política Estadual de Recursos Hídricos, suas diretrizes e dá outras providências. LEI N.º 6.308, DE 02 DE JULHO DE 1996. Institui a Política Estadual de Recursos Hídricos, suas diretrizes e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DA PARAÍBA, Faço saber que o Poder Legislativo

Leia mais

REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo)

REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo) REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo) 1. (Ufu) Na década de 1960, o geógrafo Aziz Nacib Ab'Saber reuniu as principais características do relevo e do clima das regiões brasileiras para formar, com os demais

Leia mais

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte IGARN Natal maio/2014 BASE LEGAL PARA A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS Art. 1º Fundamentos: LEI 9.433/1997 a água é bem de domínio

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Consultor do Banco Mundial São Paulo 4 a 6 de dezembro de 2012 1 Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

7º ENCONTRO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA Recife setembro 2005

7º ENCONTRO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA Recife setembro 2005 7º ENCONTRO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA Recife setembro 2005 O PAPEL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA NA QUALIDADE AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

Leia mais

Estiagem é tema de edição especial deste mês Instituições contam as medidas adotadas para atravessar o período de crise

Estiagem é tema de edição especial deste mês Instituições contam as medidas adotadas para atravessar o período de crise Estiagem é tema de edição especial deste mês Instituições contam as medidas adotadas para atravessar o período de crise O forte período de estiagem que assola a região é o tema desta edição especial do

Leia mais

Distribuição da água no planeta

Distribuição da água no planeta Água A água é fundamental para a preservação da vida em todos os ecossistemas e é indispensável para o desenvolvimento e manutenção das atividades econômicas em suas múltiplas possibilidades. Distribuição

Leia mais

Desafios do Setor MineroMetalúrgico Impactos das crises hídrica e energética na mineração e siderurgia. Patrícia Boson tita@uaigiga.com.

Desafios do Setor MineroMetalúrgico Impactos das crises hídrica e energética na mineração e siderurgia. Patrícia Boson tita@uaigiga.com. Desafios do Setor MineroMetalúrgico Impactos das crises hídrica e energética na mineração e siderurgia Patrícia Boson tita@uaigiga.com.br Outubro de 2015 CENÁRIO DA ESCASSEZ HÍDRICA Fórum Econômico Mundial

Leia mais

Gestão Participativa e os Comitês de Bacias

Gestão Participativa e os Comitês de Bacias Novembro de 2009. Gestão Participativa e os Comitês de Bacias Suraya Modaelli DAEE 1,2 bilhão de pessoas sem acesso a água potável no mundo 2 bilhões sem infra-estrutura de saneamento milhões de crianças

Leia mais

Apoio PROJETO TRATA BRASIL NA COMUNIDADE. Saneamento é saúde!

Apoio PROJETO TRATA BRASIL NA COMUNIDADE. Saneamento é saúde! Apoio PROJETO TRATA BRASIL NA COMUNIDADE Saneamento é saúde! Ordem na casa! Proteger o meio ambiente é dever de todos. E começar pelo saneamento pode ser uma boa alternativa Você já deve ter ouvido falar

Leia mais

V-046 - PROJETO PARA FORMAÇÃO DE AGENTES MULTIPLICADORES DE TÉCNICOS DE MOBILIZAÇÃO PARTICIPATIVA EM GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

V-046 - PROJETO PARA FORMAÇÃO DE AGENTES MULTIPLICADORES DE TÉCNICOS DE MOBILIZAÇÃO PARTICIPATIVA EM GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS V-046 - PROJETO PARA FORMAÇÃO DE AGENTES MULTIPLICADORES DE TÉCNICOS DE MOBILIZAÇÃO PARTICIPATIVA EM GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS Francisco Carlos Castro Lahóz (1) Engenheiro Civil pela Escola de Engenharia

Leia mais

Governança da Água no Brasil

Governança da Água no Brasil Governança da Água no Brasil Devanir Garcia dos Santos Coordenador de Implementação de Projetos Indutores - ANA Seminário Água em Debate: Uso Sustentável da Água na Agricultura Desafios e Soluções Brasília

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Profa. Ana Luiza Veltri

Profa. Ana Luiza Veltri Profa. Ana Luiza Veltri EJA Educação de Jovens e Adultos Água de beber Como está distribuída a água no mundo? A Terra, assim como o corpo humano, é constituída por dois terços de água; Apenas 1% da quantidade

Leia mais

Índice de 11,6% é maior do que 11,4% registrado no último dia de fevereiro. Outros 5 sistemas também subiram,mas São Paulo ainda vive crise hídrica.

Índice de 11,6% é maior do que 11,4% registrado no último dia de fevereiro. Outros 5 sistemas também subiram,mas São Paulo ainda vive crise hídrica. PROJETO ATUALIZAR 2015 TEMA SISTEMA CANTAREIRA DATA DE APLICAÇÃO 09 a 13/03/2015 PROFESSORES RESPONSÁVEIS Cristiane e Felipe 1. SUGESTÕES DE PONTOS QUE PODEM SER ABORDADOS 1.1. A importância da água 1.2.

Leia mais

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação Praticando seus conhecimentos sobre desertificação O fenômeno de desertificação pode ocorrer através de um processo natural ou pela ação humana. O manejo inadequado do solo para agricultura, atividades

Leia mais

Reflexão. Kofi Annan, Ex-Secretário Geral da ONU

Reflexão. Kofi Annan, Ex-Secretário Geral da ONU Reflexão O acesso à água segura é uma necessidade humana fundamental e, portanto, um direito básico. A água contaminada coloca em risco a saúde física e mental das pessoas. É uma afronta à dignidade humana.

Leia mais

RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS. Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes.

RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS. Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes. RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes. BACIAS HIDROGRÁFICAS BRASILEIRAS BACIAS INDEPENDENTES BACIAS SECUNDÁRIAS

Leia mais

12. SISTEMA DE GESTÃO DO PERH/PB 12.1 ASPECTOS INSTITUCIONAIS DOS PLANOS DE RECURSOS HÍDRICOS

12. SISTEMA DE GESTÃO DO PERH/PB 12.1 ASPECTOS INSTITUCIONAIS DOS PLANOS DE RECURSOS HÍDRICOS 12. SISTEMA DE GESTÃO DO PERH/PB 12.1 ASPECTOS INSTITUCIONAIS DOS PLANOS DE RECURSOS HÍDRICOS Os Planos de Recursos Hídricos estão previstos nos Artigos 6 a 8 da Lei Federal N 9.433, de 08.01.97, onde

Leia mais

A Sabesp STATUS: Fundada em 1973 como sociedade de (Governo do Estado de São Paulo, acionistas privados e municípios) ATRIBUIÇÕES:

A Sabesp STATUS: Fundada em 1973 como sociedade de (Governo do Estado de São Paulo, acionistas privados e municípios) ATRIBUIÇÕES: Novembro/2007 A Sabesp STATUS: Fundada em 1973 como sociedade de participação acionária (Governo do Estado de São Paulo, acionistas privados e municípios) ATRIBUIÇÕES: PATRIMÔNIO LÍQUIDO: L EMPREGADOS:

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO FAMILIAR DE CAPTAÇÃO, MANEJO E GERENCIAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA

SISTEMA INTEGRADO FAMILIAR DE CAPTAÇÃO, MANEJO E GERENCIAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA SISTEMA INTEGRADO FAMILIAR DE CAPTAÇÃO, MANEJO E GERENCIAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA Fernando Deodato de Sousa; José Dias Campos e José Rêgo Neto cepfs@uol.com.br Centro de Educação Popular e Formação Sindical

Leia mais

Água. Restauração Florestal para Gestão da Água. Mata Atlântica e Serviços Ambientais

Água. Restauração Florestal para Gestão da Água. Mata Atlântica e Serviços Ambientais Água Mata Atlântica e Serviços Ambientais Restauração Florestal para Gestão da Água Malu Ribeir Coordenadora da Rede das Água Fundação SOS Mata Atlântic Dia Mundial da Água Instituído por resolução da

Leia mais

82,5% dos brasileiros são atendidos com abastecimento de água tratada

82,5% dos brasileiros são atendidos com abastecimento de água tratada Saneamento no Brasil Definição: Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), saneamento é o controle de todos os fatores do meio físico do homem que exercem ou podem exercer efeitos nocivos sobre o bem

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Recursos Hídricos na Região Sudeste: Segurança Hídrica, Riscos, Impactos e Soluções São Paulo, 20-21 de novembro de 2014 Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Rhama Consultoria Ambiental

Leia mais

Programa de Uso e Reuso da Água VEREADOR AURÉLIO

Programa de Uso e Reuso da Água VEREADOR AURÉLIO VEREADOR AURÉLIO Programa de Uso e Reuso da Água Lei 14.018/2005 (Projeto de Lei do vereador Aurélio Nomura): Institui o Programa Municipal de Conservação e Uso Racional da Água Conheça a lei, as medidas

Leia mais

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Segurança hídrica - Declaração Ministerial do 2o Fórum Mundial da Água, 2001 Acesso físico e econômico à água em quantidade e qualidade suficiente

Leia mais

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Workshop Adaptação às mudanças climáticas e os desafios da gestão ambiental integrada no Brasil O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Diretoria de Recursos Hídricos Ministério

Leia mais