A Vale em Parauapebas. Para um mundo com novos valores.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Vale em Parauapebas. Para um mundo com novos valores."

Transcrição

1 A Vale em Parauapebas Para um mundo com novos valores.

2 A Vale em Parauapebas Expediente Diretoria de Ferrosos Norte Gerência de Comunicação Ferrosos e Não Ferrosos Norte Foto da capa: Ricardo Teles

3 Apresentação Missão Transformar recursos naturais em prosperidade e desenvolvimento sustentável. Visão Ser a empresa de recursos naturais global número um em criação de valor de longo prazo, com excelência, paixão pelas pessoas e pelo planeta. Valores A vida em primeiro lugar Valorizar quem faz a nossa empresa Cuidar do nosso planeta Agir de forma correta Crescer e evoluir juntos Fazer acontecer Foto: Lídice Oliveira Paulo Horta Diretor de Ferrosos Norte Cuidar do nosso planeta. Muito além de uma simples frase, esse é um dos principais valores que direcionam a atuação da Vale, a sua forma de pensar e agir em qualquer lugar do mundo. Gerar desenvolvimento é mais que um objetivo, é um compromisso assumido pela empresa com as regiões onde atua, com as populações locais e o meio ambiente. Há 26 anos, a Vale vem contribuindo para o desenvolvimento local, em Parauapebas, com a adoção das melhores práticas socioambientais, respeito e apoio à cultura e construção de parcerias que refletem diretamente no dia a dia das pessoas. É dessa forma que realizamos investimentos contínuos em educação e capacitação, cultura e cidadania, além de apoiar diversos projetos de infraestrutura, que são legados para o município e um lastro para o seu desenvolvimento sustentável. Esta segunda edição do relatório A Vale em Parauapebas registra as mais recentes realizações e investimentos que vêm ajudando a mudar a realidade do município, tanto na área urbana quanto na zona rural. Desde a arrecadação de tributos, que se converte em benefícios para a população, até a geração de emprego e renda, muitas oportunidades estão sendo geradas. Só em 2014, a Vale abriu mais de 700 novos postos de trabalho em suas operações no sudeste do Pará e mais de R$ 100 milhões foram destinados pela empresa para investimentos sociais na região. Esta publicação é um convite para você conhecer melhor e usufruir de todo o leque de investimentos realizados pela Vale em Parauapebas. Boa leitura! 4 A Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas 5

4 Sumário Apresentação - 05 Linha do Tempo Números que marcam o município A Vale no sudeste do Pará - 12 Patrocínios - 40 Exposição fotográfica Prêmio da Música Projetos musicais Crescendo juntos Mina de Ferro Carajás S11D Ramal Ferroviário S11D Serra Leste Desenvolvimento local - 20 Tributos Mobilidade Urbana Minha Casa, Minha Vida Zona rural APA do Gelado Fotografia artesanal Nossas pessoas - 50 Capacitação Oportunidades Jovem Aprendiz Voluntários Vale Visitas Investimentos sociais e parcerias - 28 Responsabilidade corporativa Educação IFPA Fundação Vale Trânsito Disque-denúncia Cidadania Gestão ambiental - 58 Meio ambiente Conservação Parque Zoobotânico Vale Opinião e ações - 68 Enquete Legado da Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas 7

5 Linha do Tempo Foto: Jaime Souzza A história da Vale está entrelaçada com a origem de Parauapebas. Conheça alguns fatos importantes que marcam a nossa trajetória Fotos: Arquivo Vale Com a operação de Carajás, a Vale foi a primeira empresa brasileira de extração de minério de ferro a receber a certificação ISO Criação da Floresta Nacional de Carajás. Foto: Salviano Machado O geólogo Breno dos Santos descobre a primeira jazida de minério de ferro da região de Carajás, uma das maiores províncias minerais do mundo Início das obras do Projeto Carajás. Início da implantação do Projeto Ferro Carajás. Início da construção de Parauapebas, com 11 mil habitantes Parauapebas registra 110 mil habitantes Início do projeto Salobo, a maior província mineral de cobre do Brasil Início da construção da Estrada de Ferro Carajás. Foto: Salviano Machado Inauguração do Projeto Ferro Carajás. Inauguração da Estrada de Ferro Carajás, que lidera o ranking das ferrovias mais eficientes do Brasil. Inauguração do Parque Zoobotânico Vale Primeira venda do minério da região: 13,5 milhões de toneladas de minério de ferro População salta para 154 mil habitantes. Início das obras da Usina 2, o Projeto Adicional Inauguração da Usina 2, que amplia em 40 milhões de toneladas a produção de ferro de Carajás Foto: Salviano Machado 1989 Parauapebas realiza a primeira eleição para prefeito Início das obras do Ramal Ferroviário S11D. Emancipação de Parauapebas. 30 anos da Mina de Ferro Carajás. Fontes: Livro Nossa História / Vale.com / Prefeitura de Parauapebas / IBGE / Anuário da Mineração 8 A Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas 9

6 Números que marcam o município de Parauapebas Parauapebas é um dos municípios que mais crescem no Brasil. A mineração é um dos setores que fazem com que a cidade esteja entre as economias mais importantes do país. US$ 10 bilhões Parauapebas foi o município brasileiro que mais exportou em ,208 Km² é a área da unidade territorial 1º lugar no ranking do PIB no Pará em º lugar é a colocação de Parauapebas no ranking dos maiores PIBs per capita de municípios do Brasil em ,2 Km é a extensão da linha férrea da EFC no trecho de Parauapebas. US$ 9,890 bilhões é o valor do superávit comercial em mil hectares abrigam a unidade de conservação ambiental e a terra indígena dos Kayapó Xikrin do Cateté é a população calculada pelo IBGE em é a estimativa de pessoas empregadas, segundo o IBGE, em Km é a distância de Belém R$ ,23 PIB per capita 2011 R$ 19,8 bilhões PIB % é o teor de minério de ferro das rochas encontradas em Carajás. É o mais alto do planeta. Parauapebas 10 A Vale em Parauapebas

7 Foto: Salviano Machado A Vale no sudeste do Pará A Vale chegou ao Pará há quase 50 anos. As pesquisas revelaram grandes jazidas minerais. O resultado é a implantação de projetos que colocam o Estado entre os primeiros no setor mineral. 12 A Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas 13

8 A Vale no sudeste do Pará Rio Parauapebas Salobo Marabá Cobre Níquel Ferro Manganês Cidades Núcleo Urbano de Carajás Estrada de Ferro Carajás Ramal Ferroviário Vias de Acesso Rio Parauapebas Mina do Azul Estação Conhecimento Estrada de Ferro Carajás APA do Igarapé Gelado Parque Zoobotânico Vale Mina de Ferro Carajás Núcleo Urbano Carajás Parauapebas Serra Leste Curionópolis Rio Parauapebas São Félix do Xingu Ramal Ferroviário Jaguar Norte Puma W Puma Projeto S11D Sossego Vermelho Jaguar Mundial Onça Canaã dos Carajás Tucumã Guepardo Mina de Onça Puma Ourilândia do Norte Água Azul do Norte Sapucaia 14 A Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas 15

9 A Vale no sudeste do Pará Foto: João Marcos Rosa Foto: Salviano Machado Carajás alcançou 104,8 milhões de toneladas de minério de ferro em 2013 Mina de Ferro Carajás Produtor sustentável de minério de ferro O Complexo Minerador de Carajás, em Parauapebas, é o maior produtor de minério de ferro em operação do planeta. Engloba a operação simultânea de cinco minas a céu aberto: N4E, N4W, N5E, N5W e N5 Sul. Das minas de Carajás saem aproximadamente 35% do minério de ferro produzido pela Vale anualmente. Uma vez extraído, o minério é peneirado, agregando valor aos diversos produtos decorrentes desse processo. A produção de minério de ferro de Carajás alcançou 104,8 milhões de toneladas em 2013, ano em que entrou em operação a Usina 2. A nova planta amplia a capacidade da mina de ferro em mais 40 milhões de toneladas. Já a Mina de Manganês do Azul produziu, em 2013, 1,850 milhão de toneladas. Meio ambiente Em parceria com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), o complexo de Carajás contribui para a conservação de uma área três vezes maior que sua operação, de cerca de 1,2 milhão de hectares, que equivale a 10 vezes o tamanho de Belém, a capital paraense. As operações da Vale nas minas de minério de ferro de Carajás estão alicerçadas em um Sistema de Gestão da Qualidade Ambiental - SGQA, implementado e certificado dentro dos padrões e procedimentos das normas ISO 9000 (qualidade da produção) e ISO (qualidade ambiental). Dentre as ações realizadas em Carajás, a Vale desenvolve um amplo programa de recuperação de áreas que tem como objetivo a recomposição vegetal das áreas já mineradas com a utilização de espécies nativas da Floresta Nacional de Carajás. A empresa mantém ainda uma estruturada rede de monitoramento ambiental que avalia, sistematicamente, aspectos como a qualidade do ar, dos ruídos e vibrações e da água. Usina 2 Usina 2: ampliação da capacidade em mais 40 milhões de toneladas/ano Novos investimentos Carajás é a maior província mineral do planeta, com reservas estimadas em 18 bilhões de toneladas de ferro de alta qualidade, o melhor minério de ferro do mundo. Em 2012, o Complexo de Carajás produziu mais de 110 milhões de toneladas de ferro na região e essa produção vai aumentar em, pelo menos, 35% quando a Usina 2 do Projeto Adicional 40 estiver em pleno funcionamento. A nova usina vai produzir mais 40 milhões de toneladas de minério de ferro por ano. O processo de beneficiamento utilizará a umidade natural, ou seja, não terá nenhuma adição de água. O projeto representará não só o aumento da produção de Carajás, mas também um novo ciclo de investimentos e crescimento para a região. E vai crescer ainda mais Em agosto de 2014, a Vale obteve a licença ambiental prévia (LP), expedida pelo Ibama, para ampliação das cavas de N4WS, N5S, Morro I e Morro II, que contêm 1,8 bilhão de toneladas de reservas. O próximo passo no processo de licenciamento ambiental é obter as licenças de instalação e operação, assim como a autorização para supressão vegetal. 16 A Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas 17

10 A força do ferro no sudeste do Pará A Vale no sudeste do Pará A Vale no sudeste do Pará Foto: Salviano Machado Ramal Ferroviário S11D No trilho do desenvolvimento O Ramal Ferroviário S11D vai interligar a Estrada de Ferro Carajás, no município de Parauapebas, à região da mina do Projeto Ferro Carajás S11D, em Canaã dos Carajás, permitindo o escoamento da produção. As obras estão em pleno andamento e abrangerão 101 Km, sendo 85 Km da linha principal e 16 Km da pera ferroviária. A previsão é concluir o projeto em setembro de A construção faz parte do Projeto S11D Logística, que também prevê a expansão de 48 trechos da Estrada de Ferro Carajás (EFC) nos estados do Pará e Maranhão. Capacitação nas vilas Mais de 1000 vagas para cursos gratuitos de capacitação serão disponibilizadas em Parauapebas e Canaã dos Carajás, em função das obras do ramal. Os cursos são escolhidos pelas comunidades, nas áreas de construção civil e de serviços, e as capacitações são realizadas nas vilas e nos assentamentos rurais. No total, serão investidos aproximadamente R$ 2 milhões nesses cursos gratuitos. Expansão da Estrada de Ferro Nas obras de expansão da Estrada de Ferro Carajás (EFC) está prevista a duplicação de 572 Km da ferrovia, que tem um total de 892 Km, interligando as operações da Vale no Pará até o Terminal Portuário de Ponta da Madeira, em São Luís, no Maranhão. Em Parauapebas, será construído um viaduto rodoviário para uso de pedestres e veículos. O projeto faz parte do Programa de Capacitação Logística Norte, que ampliará a capacidade de transporte da ferrovia e de embarque do Porto de Ponta da Madeira. Durante a fase de implantação do projeto de Expansão da EFC, a estimativa é que sejam gerados 14 mil empregos diretos nos Estados do Pará e Maranhão. Foto: Salviano Machado Montagem dos módulos da usina de processamento do S11D S11D O maior projeto de minério de ferro da Vale O Projeto Ferro Carajás S11D, localizado no município de Canaã dos Carajás, é o maior projeto de ferro da história da Vale, com uma capacidade estimada em 90 milhões de toneladas de ferro por ano. Representa a ampliação do Complexo de Carajás, que já possui o Sistema Norte em Parauapebas, o maior produtor de minério de ferro em operação do planeta. O S11D possui um investimento de cerca de R$ 44 bilhões, dos quais R$ 18 bilhões serão destinados à instalação da nova mina e da usina. A quantia restante irá para logística. Soluções como beneficiamento à umidade natural e correias transportadoras reduzirão o consumo de água, pneus e combustível, possibilitando uma operação de menor impacto ambiental. No pico das obras, o projeto deve absorver uma mão de obra de 30 mil trabalhadores. Já na fase de operação, a partir de 2016, a previsão é que sejam gerados postos permanentes de trabalho na região. Obras da pera ferroviária do Ramal Ferroviário S11D Serra Leste Mais produção e menos impacto A Mina de Serra Leste, no município de Curionópolis, entrou na fase de testes em maio de A nova mina vai aumentar a produção de minério de ferro dos tipos fino e granulado do complexo de Carajás. O processo de beneficiamento a seco (umidade natural) garante um menor consumo de água e contribui para a redução dos custos operacionais, assim como a redução do impacto ambiental. Mais de 200 empregados já foram contratados para trabalhar na nova operação. 18 A Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas 19

11 Foto: Ricardo Teles Desenvolvimento local Para a Vale, cuidar do nosso planeta é respeitar as necessidades das comunidades, buscando crescimento e evolução. Em Parauapebas, a empresa investe em obras de infraestrutura e em projetos de geração de emprego e renda. 20 A Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas 21

12 Tributos Desenvolvimento local Desenvolvimento local Foto: Marcelo Oliveira Alves Mais de R$ 700 milhões Em 2013, a Vale repassou R$ 712 milhões em tributos para os municípios da região sudeste do Pará. Parauapebas foi quem recebeu o maior montante dessa quantia, um total de R$ 556,5 milhões. O valor é oriundo do Imposto Sobre Serviços (ISS) e da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM). Um reflexo positivo da movimentação financeira em Parauapebas foi a expansão de 144% do Produto Interno Bruto (PIB) do município, entre os anos de 2008 e 2011, contra um crescimento médio de 10% do país. O resultado coloca Parauapebas em primeiro lugar entre as cidades acima de 100 mil habitantes que mais cresceram nos últimos anos, conforme mostrou pesquisa realizada pela revista Exame. A rodovia é a principal via de acesso para vilas da zona rural. A duplicação é um investimento de R$ 23 milhões Mobilidade Urbana Mais segurança e melhoria no fluxo na Faruk Salmen PIB de Parauapebas aumentou 144% entre 2008 e 2011 Foto: Claudia Saldanha Informação para todos Todos esses valores podem ser acompanhados pela população no Portal da Transparência do Governo Federal. É muito simples, basta acessar o site: O desenvolvimento de Parauapebas registrou um novo marco em Fruto de um convênio entre a Vale e a prefeitura, as obras de duplicação da rodovia Faruk Salmen começaram em maio, com a perspectiva de melhorar a segurança dos pedestres, assim como o fluxo de veículos na região. A Faruk é a principal via de acesso da Estrada de Ferro Carajás e das vilas Palmares ao centro de Parauapebas. As obras deverão ser concluídas no prazo de 18 meses. O valor investido pela Vale foi de R$ 23 milhões. Minha Casa, Minha Vida Parceria para projeto habitacional Drenagem pluvial A obra da rodovia prevê ajustes nos sistemas de drenagem pluvial em 2,2 Km da pista atual, bem como a implantação de 6,2 Km de uma segunda pista de rolamento paralela, totalizando 8,4 Km de obras. Foto: Irisvelton Silva / Prefeitura de Parauapebas Foto: Ricardo Teles A Fundação Vale escolheu Parauapebas para desenvolver um projeto piloto de qualidade urbana e inserção social para apoio à construção de 500 unidades habitacionais no município. Serão beneficiadas famílias com renda bruta mensal de até R$ As obras começam ainda este ano e devem ser concluídas em O piloto conta com parcerias importantes. A Prefeitura de Parauapebas doou o terreno para a construção das casas. A Fundação Bento Rubião é a responsável pela gestão e execução da obra. A Caixa Econômica vai financiar o projeto, que será contemplado com o programa Minha Casa, Minha Vida. A Vale e a Fundação Vale farão investimentos complementares, de acordo com os critérios de qualidade urbana a serem adotados no projeto. O investimento complementar possibilitará à Fundação Bento Rubião, por exemplo, junto com as famílias integradas ao projeto, planejar a construção de casas com maior número de cômodos ou espaços mais amplos. Também estão previstas aquisição de material de construção de melhor qualidade e inserção de áreas arborizadas e de lazer, com equipamentos comunitários. Investimentos contemplam 500 unidades habitacionais Qualidade Urbana Em parceria com a Vale, a Fundação Vale criou um Selo de Qualidade Urbana. O objetivo é apoiar projetos habitacionais de interesse social, no âmbito do Programa Minha Casa, Minha Vida. Assim, os projetos devem atender a determinados critérios técnicos para receber o selo que garante o nível de qualidade e inovação do empreendimento, assim como o compromisso prévio de liberação de recursos. A Fundação Bento Rubião submeterá seu projeto à avaliação da Fundação Vale para obtenção do Selo de Qualidade Urbana na etapa inicial de contratação do projeto junto à Caixa. 22 A Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas 23

13 Desenvolvimento local Desenvolvimento local Foto: Vivian Medeiros Foto: Vivian Medeiros Zona rural Investimentos nas vilas rurais Mais de R$ 27 milhões estão sendo investidos pela Vale em ações estruturantes nas vilas rurais de Parauapebas. Os recursos são aplicados em projetos sociais voltados à geração de emprego e renda, educação e obras de melhoria de infraestrutura nas vilas Palmares Sul, Palmares II, Sanção, Paulo Fonteles, Onalício Barros e Área de Proteção Ambiental (APA) do Igarapé Gelado. Foto: Salviano Machado Estação Conhecimento da APA do Igarapé Gelado APA do Gelado Novo projeto gera oportunidade Instalada na APA do Igarapé Gelado e em funcionamento desde 2010, a Estação Conhecimento desenvolve ações voltadas para 100 famílias da região. As atividades realizadas pela Vale fomentam a geração de renda da comunidade local, por meio da bovinocultura leiteira, avicultura, fruticultura, olericultura, piscicultura e produção de frangos. Os produtores contam com o apoio de profissionais, como engenheiro agrônomo, zootecnista, médico veterinário e técnicos agrícolas, para o aprimoramento das técnicas de manejo. A Estação Conhecimento também apoia os produtores com mecanização agrícola. Em 2014, deverão ser iniciadas as atividades de laticínio na unidade. O laticínio faz parte do projeto de Bovinocultura Leiteira, que contempla 53 famílias de produtores da APA. O investimento abrange toda a cadeia produtiva do leite, até a produção de derivados (queijo, iogurte, etc.). O laticínio ocupa uma área de m² na estação e, com sua entrada em operação, abrirá oportunidade de emprego para cerca de 20 jovens da comunidade da APA. Capacitação Em paralelo à inauguração do setor de laticínio, a Estação Conhecimento ofereceu um curso de melhores práticas de ordenha e de empreendedorismo para filhos dos produtores envolvidos no projeto do laticínio. R$ 1 milhão Educação profissional Valor investido para a realização de cursos do Programa de Preparação para o Mercado de Trabalho nas vilas Palmares Sul e Palmares II. Investimentos na zona rural para geração de emprego e renda Até junho de 2014, 500 jovens de Parauapebas, com idades entre 14 e 18 anos, receberam certificado de conclusão dos cursos de Mecânica Básica de Automóveis, Eletricista Predial e Auxiliar Administrativo. Eles foram selecionados para participar do Projeto Qualificação Profissional e Social, desenvolvido pela Estação Conhecimento da APA do Igarapé Gelado, com recursos da Vale provenientes do Fundo da Infância e Adolescência (FIA), em projeto aprovado pelo Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Parauapebas. O projeto tem como foco a empregabilidade e prepara jovens para o mercado. O objetivo é desenvolver nos alunos as competências e habilidades profissionais e sociais necessárias para aumentar suas oportunidades de trabalho. A Vale também realizou inscrições para mais de 700 vagas para trainee operacional e trainee técnico, para atuação nas unidades operacionais Carajás, Serra Leste e Salobo. 24 A Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas 25

14 Desenvolvimento local Desenvolvimento local Foto: Vivian Medeiros Fotografia artesanal Vinte profissionais de educação e 15 adolescentes das Vilas Sanção e Paulo Fonteles tiveram uma experiência especial em agosto. Eles participaram de uma oficina de fotografia com câmeras artesanais, construídas por eles mesmos durante o curso. A oficina foi ministrada por Miguel Chikaoka, renomado fotógrafo paraense, fundador da Associação Fotoativa, instituição que utiliza pedagogia própria para incentivar o aprendizado da fotografia, promovendo a cidadania e troca de conhecimentos sobre meio ambiente e patrimônio cultural. Promovida pela Vale, por intermédio do Salobo, a iniciativa faz parte de uma série de ações voltadas para o fortalecimento da identidade cultural nas duas vilas rurais. Intercâmbio Fotógrafos e profissionais de audiovisual de Parauapebas também tiveram um encontro especial com Miguel Chikaoka. O bate-papo foi realizado no Centro de Desenvolvimento Cultural (CDC) e fomentou a troca de experiências do grupo. Foto: Felipe Blanco Foto: Leonardo Cruz A Escola Jorge Amado tem capacidade para atender cerca de 250 alunos Nova escola em 2014 Foto: Vivian Medeiros A Estação Conhecimento da APA do Igarapé Gelado cedeu a infraestrutura da Escola Jorge Amado, que fica em suas instalações, para uso da Prefeitura de Parauapebas. O termo foi assinado em agosto e inclui a cessão, por 20 anos, do prédio da unidade educacional, dos alojamentos, campo de futebol, pista de atletismo e vestiários, com capacidade para atender até 200 alunos do Ensino Fundamental e 49 da Educação de Jovens e Adultos (EJA). A escola e demais instalações foram reformadas para a entrega. O espaço vai complementar a oferta de vagas na rede pública de ensino na APA do Gelado Miguel Chikaoka em encontro com profissionais de audiovisual de Parauapebas Iniciação à fotografia Foto: Leonardo Cruz Arca das Letras As comunidades da Vila Sanção e Paulo Fonteles foram contempladas, em 2014, pelo Programa Arca das Letras. Com o apoio da Vale, o Ministério do Desenvolvimento Agrário distribuiu baús com 200 livros de literatura para os moradores e realizou a capacitação dos agentes da leitura, que são os responsáveis por guardar as arcas em suas casas e organizar os empréstimos dos livros. Capacitação dos agentes da leitura Foto: Michele Souza Participantes da oficina de câmeras artesanais 26 A Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas 27

15 Foto: Salviano Machado Foto: Salviano Machado Investimentos sociais Colaborar para o desenvolvimento humano das comunidades onde atua é uma das características da Vale. e parcerias 28 A Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas 29

16 Investimentos sociais e parcerias Investimentos sociais e parcerias Responsabilidade corporativa Compromisso com o futuro A Vale investiu mais de R$ 128 milhões em projetos e ações sociais no sudeste do Pará em Pelo menos 55,5% desses recursos foram aplicados em atividades de desenvolvimento humano e econômico. Foto: Alves Fotografia Dos formandos, 48 já se candidataram a vagas na Mina de Serra Leste Formatura do PPMT de alunos das vilas Palmares Sul e Palmares II Cursos gratuitos O Programa de Preparação para o Mercado de Trabalho (PPMT) beneficiou moradores do sudeste do Pará entre os anos de 2011 e Um investimento de mais de R$ 2,8 milhões. A partir do PPMT, a Vale oferece cursos de capacitação profissional gratuitos para facilitar o acesso da comunidade local às oportunidades de emprego e renda geradas nos municípios da região. Em 2013, 930 profissionais de Parauapebas, Curionópolis e Canaã dos Carajás foram capacitados pelo programa, que disponibilizou 27 cursos diferentes para essas comunidades. Em Parauapebas, foram 299 beneficiados. Entre as capacitações oferecidas, houve cursos de pedreiro, carpinteiro e ajudante de produção. O programa é desenvolvido pela Vale em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) e o Sistema Nacional de Emprego (Sine). Em julho de 2014, mais 80 vagas foram abertas para moradores das vilas Palmares Sul e Palmares II, para os cursos de auxiliar de topografia e operador de motoniveladora. R$ 128 milhões investidos em projetos e ações sociais no sudeste do Pará em % aplicados em atividades de desenvolvimento humano Educação Escola Modelo forma primeira turma Os primeiros 77 alunos da Escola Modelo de Parauapebas já estão formados. A solenidade ocorreu este ano e pelo menos 27 deles já ingressaram na Vale em 2014, via Programa de Formação Profissional (PFP). O projeto educacional é desenvolvido pela Vale com a proposta de oferecer ensino de qualidade e possibilitar ao estudante a oportunidade de cursar, simultaneamente, os níveis médio e técnico. Lançado no fim de 2010, o Projeto Escola Modelo faz parte das ações estratégicas educacionais implantadas pela Vale no Pará. Com as novas turmas iniciadas em 2014, o número de contemplados pelo projeto chega a 640 jovens em Parauapebas, Canaã dos Carajás e Ourilândia do Norte. O curso tem duração de três anos. No primeiro, os alunos estudam o conteúdo pedagógico do Ensino Médio, com aulas regulares, e, no contraturno, têm reforço escolar. A partir do 2º ano, a grade é ampliada com o curso técnico profissionalizante. Além da bolsa de estudos, os alunos recebem uniforme, material didático, transporte e alimentação. A cada ano, 80 novos alunos ingressam nas turmas de Parauapebas. Estou muito feliz, pois aqui não formamos só técnicos, formamos cidadãos. Nosso objetivo é formar profissionais para o mercado de trabalho e para a vida. Raquel Batista Silva, professora de português e redação. Fotos: Priscila Araújo 30 A Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas 31

17 Investimentos sociais e parcerias Fotos: Salviano Machado Fotos: Salviano Machado Mais de 300 equipamentos foram adquiridos para as aulas práticas O IFPA de Parauapebas tem oito laboratórios em uma área de m 2 IFPA Campus construído pela Vale já está em funcionamento Parauapebas já possui um campus do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará (IFPA). O prédio, totalmente equipado e um dos mais modernos do Estado, foi entregue em agosto pela Vale. A empresa investiu mais de R$ 46 milhões no projeto, que envolveu doação do terreno, construção de toda a infraestrutura do prédio, compra de mobiliário e implantação de laboratórios. Com a entrega do campus, o instituto poderá oferecer cursos técnicos de Mecânica e Eletroeletrônica aos jovens do município. As aulas práticas serão apoiadas por oito laboratórios completos, que dispõem de mais de 300 equipamentos para disciplinas, como tornearia/ usinagem, estampagem, ferramentaria/metrologia, solda, automação, baixa e alta tensão e circuito. O município passou a contar com mais um excelente suporte para apoiar o seu desenvolvimento e melhorar a formação da mão de obra para o mercado de trabalho. O campus O prédio possui cerca de m 2 de área construída. Localizado próximo à portaria da Floresta Nacional de Carajás, é composto por três blocos: o administrativo, que abriga a biblioteca; o bloco de ensino, com auditório, lanchonete, refeitório, banheiros e 10 salas de aula; e o bloco de laboratórios. Além disso, o campus também conta com uma área de vivência, estacionamento e bicicletário. 32 A Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas 33

18 Investimentos sociais e parcerias Investimentos sociais e parcerias Foto: Arquivo Vale Foto: Priscila Araújo A Fundação Vale apoia a gestão escolar em Parauapebas Parceria com a Fundação Vale garante investimentos na área da educação Fundação Vale Capacitação em educação A educação é uma das vertentes da estratégia da Fundação Vale para apoiar o desenvolvimento de comunidades em Estados onde a Vale está presente. Em Parauapebas, existem várias ações que contribuem para o aprimoramento dos profissionais que trabalham na rede pública de ensino, sejam eles professores ou gestores. E quem ganha com isso é o aluno. Formação de equipes O Programa Formação de Professores, realizado em parceria com a Comunidade Educativa, beneficia professores do ensino fundamental de língua portuguesa, matemática e educação infantil. Em 2013, 219 educadores foram atendidos com essa iniciativa em Parauapebas. A formação das equipes das Secretarias Municipais de Educação busca o desenvolvimento de competências e habilidades profissionais, com foco na melhoria da qualidade da educação. Participam secretários municipais de Educação, técnicos nas áreas pedagógica, administrativa, financeira, de planejamento e de acompanhamento aos gestores escolares. Parauapebas já capacitou um grupo de 12 técnicos e um secretário com a ação. Educação de jovens e adultos A Fundação Vale também investe na formação de professores e gestores que atuam com a educação de jovens e adultos (EJA) em Parauapebas. O trabalho envolve capacitação sobre as particularidades dessa modalidade de ensino e reorganização curricular. Em 2013, a ação atendeu 12 gestores e 45 professores do município. No mesmo ano, o programa beneficiou 117 educadores e 693 alunos no Pará. Apoio à gestão escolar Parauapebas sediou, em junho de 2014, um encontro de secretários municipais de Educação do sudeste do Pará com representantes do Ministério da Educação, para discutir a situação de cada município e trocar experiências. A presença do ministério é resultado do projeto da Fundação Vale de apoio ao Arranjo de Desenvolvimento da Educação. Representantes das Secretarias de Educação de Parauapebas, Canaã dos Carajás, Eldorado do Carajás, Marabá, Curionópolis e Bom Jesus do Tocantins participaram do evento, onde também foi discutida a adesão dos municípios ao Pacto pela Educação no Pará. O programa envolve as esferas do governo, sociedade civil e iniciativa privada para melhorar a qualidade da educação pública no Estado. A Vale é uma das empresas signatárias do pacto. Captação de recursos Com o objetivo de capacitar agentes públicos e sociais para que os municípios possam se habilitar a captar recursos e aumentar o potencial de investimento, a Fundação Vale realizou dois cursos de capacitação de 78 conselheiros, lideranças locais, gestores e técnicos municipais. Parauapebas foi um dos municípios contemplados. Livros étnico-raciais O Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC), iniciativa do Ministério da Educação, ganhou reforço da Fundação Vale, que está complementando o acervo encaminhado pelo MEC às escolas com a entrega de maletas de livros infantojuvenis. As Secretarias de Educação de Parauapebas e Canaã dos Carajás receberam mais de livros com temas étnicos-raciais para serem distribuídos em suas unidades educacionais. A ação faz parte do projeto Rodas de Conversa, desenvolvido pela Fundação Vale, com o objetivo de contribuir para a alfabetização de crianças até oito anos e estimular nos professores a prática da leitura em sala de aula. Os livros são distribuídos em 466 maletas, desenvolvidas para uso em sala e em espaços alternativos, como quadras, auditórios e praças de convivência. 34 A Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas 35

19 Investimentos sociais e parcerias Investimentos sociais e parcerias Mobilidade urbana Em parceria com a Prefeitura de Parauapebas, Unesco e Ministério das Cidades, a Fundação Vale promoveu o Seminário Regional de Sensibilização para a Política e o Plano de Mobilidade Urbana no Sudeste do Pará. A capacitação e assistência técnica sobre a Política Nacional de Mobilidade Urbana, Educação no Trânsito e o Sistema Nacional de Trânsito beneficiou 80 pessoas de cinco municípios da região. Foto: Ricardo Teles Foto: Ricardo Teles Doação Primeiras creches públicas da rede de ensino Com capacidade para atender 100 crianças, cada uma, as creches Amor e Carinho e Balão Mágico foram cedidas pela Vale para a Prefeitura de Parauapebas, em maio deste ano. Sediadas, respectivamente, nos bairros Liberdade e Guanabara, essas são as primeiras creches da rede municipal. Mobilidade urbana foi tema de seminário em Parauapebas Para evitar o desperdício O Programa de Educação Alimentar, promovido pela Fundação Vale em parceria com o Serviço Social da Indústria (Sesi), beneficiou 446 pessoas de Parauapebas em 2013, de um total de atendidos pela iniciativa em sete municípios do sudeste do Pará. Nas aulas, os alunos aprenderam a reaproveitar os alimentos integralmente, por meio de receitas fáceis e rápidas. Este ano, o programa será novamente oferecido aos moradores da região e, mais uma vez, Parauapebas estará entre os contemplados. Cascas, sementes, folhas e talos de frutas e legumes, que costumam ser dispensados pela maioria dos brasileiros, passam a compor as receitas de bolos, tortas, doces e massas. Desta forma, os participantes são estimulados a aderir ao consumo inteligente dos alimentos, aplicar o conhecimento adquirido em casa, no trabalho e replicar Terceira edição do Programa de Educação Alimentar para amigos e familiares. O curso é destinado a merendeiras de escolas públicas, donas de casa, estudantes, grupos produtivos e microempresários ligados ao setor culinário. Foto: Kleiber Araújo Trânsito Diversão com segurança Com o objetivo de reduzir o número de acidentes durante o período de festas e comemorações, o Departamento Municipal de Trânsito e Transporte (DMTT) promoveu uma ação educativa na portaria da Floresta Nacional de Carajás, no período do Carnaval. Por meio do Núcleo de Educação para o Trânsito, o órgão distribuiu folhetos a todos que passaram pela portaria e também abordou empregados da Vale e de empresas contratadas no restaurante central da Mina de Carajás. Disque-denúncia Segurança na hora de denunciar O Disque-denúncia é uma importante ferramenta para que a população possa colaborar, de maneira segura, na luta contra o crime. Funcionando em Parauapebas desde 2010, o serviço também atende os municípios de Canaã dos Carajás, Eldorado do Carajás e Curionópolis. Até 2013 o Disquedenúncia recebeu mais de 75 mil ligações sobre atividades ilícitas, situações ligadas à criminalidade e violência. No momento da ligação, o denunciante recebe um código por meio do qual ele pode obter informações sobre o encaminhamento de sua denúncia, adicionar novas informações, acompanhar a investigação e até mesmo ter acesso ao resultado da denúncia. O anonimato é garantido. O serviço foi implantado com o apoio da Vale. O telefone do Disque-denúncia é (94) A Vale em Parauapebas

20 Investimentos sociais e parcerias Investimentos sociais e parcerias Cidadania Destaque nacional A Rede de Atendimento e Proteção Social, RAPS, parceria entre a Vale e a sociedade civil, ganhou o Prêmio Neide Castanha de Direitos Humanos. A conquista do Prêmio Neide Castanha de Direitos Humanos, na categoria Responsabilidade Social, representou um marco para a Vale e também para todos os parceiros que fazem parte da Rede de Atendimento e Proteção Social (RAPS), ao mostrar que as ações desenvolvidas estão no caminho certo. A rede promove ações de prevenção à exploração sexual de crianças e adolescentes em Parauapenas e nas comunidades próximas ao Projeto Salobo, nas vilas Sanção e Paulo Fonteles. O case vencedor foi Salobo Projeto de Prevenção e Enfrentamento da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. O prêmio é o mais importante na área da defesa dos direitos infantojuvenis, conferido pelo Comitê Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes, instituição ligada à Secretaria Nacional de Direitos Humanos da Presidência da República. Ação na praça O Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual Infantojuvenil foi celebrado com uma extensa programação na praça de Parauapebas em maio de Realizadas pela prefeitura, em parceria com as instituições que fazem parte da RAPS, as ações contemplaram apresentações de dança, música e capoeira. O evento reuniu mais de 2 mil pessoas. Fotos: Felipe Blanco Fotos: Arquivo pessoal / Isis Pagy Prêmio Neide Castanha é o mais importante na área dos direitos humanos Quem faz a RAPS A Rede de Atendimento e Proteção Social (RAPS) é uma parceria público-privada que tem entre seus membros a Prefeitura de Parauapebas, as secretarias municipais de Educação, Assistência Social, Mulher, Urbanismo, Meio Ambiente e Saúde, além do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, Conselho Municipal de Assistência Social, Polícia Militar, ONG Disque-Denúncia, a Vale e empresas terceirizadas que prestam serviço à mineradora. A atuação da rede é voltada para a educação, prevenção e criação de canais de denúncia para crimes de abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes no município de Parauapebas. Seminários, palestras, diálogos com professores e alunos de escolas municipais, teatros nas escolas e campanhas de comunicação foram algumas das ações realizadas em 2013 e Cerca de 2 mil jovens participaram da programação do Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual Infantojuvenil 38 A Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas 39

21 Foto: Felipe Borges Foto: Divulgaçào / Felipe Borges Patrocínios Cultura também é cidadania. Investimentos no setor são importantes para o fortalecimento da identidade cultural de Parauapebas. 40 A Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas 41

22 Patrocínios Foto: Salviano Machado Divulgação Foto: Salviano Machado Homenagem A comunidade pôde conferir um outro olhar sobre Parauapebas Foto: Salviano Machado Exposição fotográfica Cenas de Parauapebas O cotidiano de uma cidade dinâmica, seus traços, habitantes e paisagens foram retratados na exposição fotográfica Cenas da Cidade. Patrocinada pela Vale como parte das comemorações pelos 26 anos de Parauapebas, a mostra reuniu imagens capturadas pelos fotógrafos locais Felipe Borges, Irisvelton Silva e Anderson Souza. A exposição foi lançada em maio de 2013, com a instalação das fotografias em espaços urbanos, ao longo dos canteiros das ruas E e F e nas rotatórias da PA-275. Ou seja, ficaram bem próximas dos seus principais homenageados: os moradores da cidade. Os fotógrafos Irisvelton Silva, Felipe Borges e Anderson Souza Foto: Divulgação / Salviano Machado 42 A Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas 43

23 Fotos: Salviano Machado Patrocínios Patrocínios O samba encantou mais de 6 mil pessoas na praça de eventos da cidade Prêmio da Música O samba foi o homenageado deste ano, nas vozes de Arlindo Cruz, Dudu Nobre, Altay Veloso, Mariene de Castro, Beth Carvalho e Zélia Duncan Homenagem ao samba Parauapebas recebeu, em 2014, a turnê do 25º Prêmio da Música Brasileira e mostrou intimidade com o mais brasileiro dos ritmos: o samba. Com patrocínio da Vale, pelo terceiro ano consecutivo, o show foi realizado em praça pública, com a participação de grandes nomes da MPB. Cerca de 6 mil pessoas cantaram e dançaram no balanço de clássicos do samba. A turnê trouxe à cidade Arlindo Cruz, Dudu Nobre, Altay Veloso, Mariene de Castro e Beth Carvalho, além de Zélia Duncan, que também apresentou o evento. No ano de 2012, o prêmio homenageou o cantor e compositor João Bosco. No ano seguinte, foi a vez de Tom Jobim. Foi a minha primeira vez no Prêmio da Música e já gostei. Sou muito fã de samba e o evento realmente foi ótimo. Ademir Rogério Schineider, gerente comercial. 44 A Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas 45

24 Patrocínios Patrocínios Projetos musicais Música na Estrada O Projeto Música na Estrada chegou a Parauapebas em maio de 2014, no mês de aniversário do município, e presenteou a cidade com um show de cantores e bandas paraenses. Artistas como Beto Di Mayo, Projeto Secreto Macacos, Natália Matos, Antônio Novaes e Melina Fôro se apresentaram em uma carreta-palco na Foto: Marcelo Cabral praça de eventos e garantiram um show de qualidade e marcado pela diversidade de ritmos. O cantor e professor de música Beto Di Mayo mostrou-se orgulhoso de fazer parte do grupo. Ele foi selecionado em meio a mais de 140 artistas paraenses. O projeto recebeu patrocínio da Vale. Foto: Marcelo Cabral Crescendo juntos FAP e Vale: 10 anos de parceria A Feira Agropecuária de Parauapebas (FAP) completou 10 anos em 2014 e, desde sua primeira edição, conta com patrocínio oficial da Vale. A empresa também participa com um estande no evento, para reforçar seus valores, divulgar suas ações socioambientais e o compromisso com o desenvolvimento da região. comemorar esta sinergia, o destaque do estande foram as parcerias, a diversidade mineral da região e o aniversário da Mina do Sossego, que, a exemplo da FAP, também completou uma década neste ano. Música paraense marcou o mês de aniversário de Parauapebas Para ouvir e aprender O espetáculo multimídia Tributo a Dorival Caymmi, apresentado em 2014 pelo pianista Marcelo Bratke e a Camerata Brasil, contou com um grupo bem especial na plateia do Cineteatro Carajás: 30 alunos de música e professores da escola municipal Waldemar Henrique. Antes do show, eles tiveram uma aula-concerto exclusiva com o pianista, que aproveitou o bate-papo para executar clássicos do repertório de Caymmi, Ernesto Nazareth, além de Tom Jobim. O evento faz parte do projeto Cinemúsica Brasil, patrocinado pela Vale, que permitiu a realização de 26 concertos didáticos e shows em várias cidades do país. A Camerata Brasil, que se apresenta com Bratke, é formada por músicos jovens de Vitória (ES). O encontro foi uma oportunidade para melhorar a audição e incentivar a musicalidade dos estudantes de Parauapebas. O grupo deixou o cineteatro encantado e ainda mais inspirado para as aulas de música na escola Waldemar Henrique. Foto: Francisco Vieira Na edição de 2013, o espaço foi totalmente dedicado à saúde e segurança. Os principais temas abordados foram o cumprimento das normas de velocidade e sinalização no trânsito, atenção dos motociclistas ao uso do capacete, cuidados com a qualidade de vida e prevenção de doenças. Cada área do estande oferecia informações e serviços aos visitantes. Um simulador de direção e uma pista educativa para crianças conquistaram o público. Nesses 10 anos, enquanto a FAP se desenvolvia, a Vale também se consolidava como uma das maiores empresas de mineração diversificada do planeta. Em 2014, para Foto: Lídice Oliveira Estande da Vale em Diversidade mineral: unidades da Vale e minérios da região - Mina do Sossego: exposição fotográfica sobre os 10 anos da Mina do Sossego - Parcerias: projetos de sucesso da Vale na comunidade local Foto: Janine Cidreira Foto: Janine Cidreira Diversidade mineral e parcerias na região foram os destaques da FAP 2014 Aula-concerto com Marcelo Bratke e Camerata Brasil 46 A Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas 47

25 Patrocínios Patrocínios Oficinas culturais Crianças, jovens e adultos formaram o público do Programa Cultural de Tucumã e Parauapebas (PGCult), realizado nos dois municípios em Em Parauapebas, pessoas participaram das oficinas de técnicas circenses, danças regionais, balé, dança de rua, iniciação teatral, criação audiovisual e roda de leitura, além de gestão e empreendedorismo cultural. O programa foi uma iniciativa da Fundação Vale em parceria com as prefeituras e patrocínio da Vale por meio da Lei Rouanet. No encerramento do programa, os alunos apresentaram um espetáculo no Centro de Desenvolvimento Cultural de Parauapebas. A plateia, emocionada, aplaudiu de pé. Como participante, tive a oportunidade de apresentar demandas dos produtores culturais para fortalecer o município. Agora, saímos do estágio de só fazer arte para produzir e apresentar um produto de consumo para a sociedade Sandra dos Santos Silva, que participa do Projeto Mulheres de Barro e fez os cursos de empreendedor cultural, artes cênicas e oficina audiovisual. Fotos: Priscila Araújo Festival Curta Carajás Em 2013, pelo segundo ano consecutivo, a Vale patrocinou o Festival de Cinema de Parauapebas - Curta Carajás. O evento já é tradicional na cidade e engloba mostra competitiva de filmes em curta-metragem, além de outras atividades, como oficinas, palestras, mostras paralelas, debates e shows. A exibição dos filmes foi na antiga Câmara de Vereadores de Parauapebas, com entrada franca. Nas suas quatro edições, a mostra exibiu 128 curtasmetragens, com uma média de mais 12 mil espectadores, além de oferecer oficinas de capacitação para mais de 200 pessoas. O festival reuniu mais de 12 mil espectadores ao longo de suas edições Fotos: Felipe Borges Foto: Priscila Araújo Anuário Mineral do Pará Oficinas culturais tiveram mais de participantes O lançamento do 3º Anuário Mineral do Pará foi realizado em Parauapebas, o município onde Carajás começou. Concebida pelo Sindicato das Indústrias Minerais do Estado do Pará (Simineral), a publicação conta com o patrocínio da Vale, que, em 2014, traz como tema Mineração sustentável: um legado para nossa gente. O anuário foi distribuído para escolas da rede municipal de ensino, como forma de apoiar os estudantes na busca de conhecimento e informações sobre a mineração no Estado. 48 A Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas 49

26 Foto: Ricardo Teles Nossas pessoas A Vale se preocupa com o bem-estar das pessoas e isso motiva a investir na qualificação profissional e abrir as portas do mercado de trabalho para milhares de pessoas. 50 A Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas 51

27 Nossas Pessoas Nossas Pessoas Capacitação Formação que gera oportunidades Já foram investidos mais de R$ 25,5 milhões em programas, ações e cursos de qualificação profissional, que capacitam, abrem as portas do mercado de trabalho e melhoram a vida das pessoas. Oportunidades Mais emprego A Vale desempenha um papel relevante na geração de emprego e renda em Parauapebas e em todo o sudeste do Pará. É a maior empregadora da região. Mantém ações continuadas voltadas ao desenvolvimento socioeconômico dos municípios onde atua, em parceria com o poder público, comunidades e instituições da sociedade civil. A estratégia de atuação prioriza a capacitação profissional, educação e o apoio para o fortalecimento do mercado de trabalho local. As oportunidades para os profissionais surgem por meio dos programas portas de entrada da empresa: Programa de Formação Profissional (PFP), Jovem Aprendiz e Programa de Estágios, assim como outras contratações para preenchimento de vagas nos projetos e operações nos municípios da região. Em 2014, por exemplo, a Vale abriu processo seletivo com oferta de mais de vagas para as unidades de Carajás (Minas de Ferro e Manganês), Salobo, Sossego, Serra Leste e Onça Puma. As vagas foram abertas para cargos de nível técnico/operacional e de nível superior. Principais ações 993 trainees em atuação Programa de Formação Profissional (PFP) Apoia a formação de jovens moradores de comunidades onde a Vale atua. É a principal porta de entrada para posições técnicas e operacionais. Atualmente, existem 993 trainees atuando no Pará, sendo que 537 ingressaram nas unidades do sudeste do Pará entre 2013 e novos profissionais Programa de Preparação para o Mercado de Trabalho (PPMT) na zona rural É realizado desde 2007 nas vilas rurais Sanção, Paulo Fonteles, Palmares Sul e Palmares II. De 2011 a 2013, foram 474 beneficiados. A expectativa é que este ano mais 300 profissionais sejam formados para o mercado de trabalho. 443 aprendizes 320 alunos Projeto Escola Modelo Programa Jovem Aprendiz (PJA) A Vale cumpre a Lei de Aprendizagem, que prevê a contratação de aprendizes jovens entre 18 e 23 anos. De 2011 a 2014, a empresa contratou 443 jovens aprendizes para atuar em Carajás. Projeto pioneiro que oferece aos jovens de escolas públicas a oportunidade de concluir o ensino médio concomitante com o curso técnico. Previsão é formar 320 alunos em 2015/ formados Cursos técnicos para a comunidade Mais de 150 alunos se formaram em um dos cursos técnicos oferecidos pela Vale ou em parceria com outras instituições, entre os anos de 2011 e Vagas abertas em 2014 Operacionais Caldeireiro; eletricista; instrutor de operação de mina; lubrificador; mecânico e soldador. Técnicos Nível superior Entrei na Vale por meio do programa de estágio da empresa. Trabalhar em uma das maiores empresas do mundo, sem dúvida, é uma oportunidade única! Tenho o acompanhamento de grandes profissionais e isso só enriquece a minha experiência profissional. Analista administrativo; analista de comunicação; analista de gestão de contratos; analista de meio ambiente; analista de recursos humanos; analista de relações com a comunidade; analista de segurança do trabalho; analista de suprimentos; analista operacional; engenheiro; geólogo; supervisor de mina e usina e supervisor de manutenção corretiva elétrica de alta tensão. Técnico de análise química; técnico de controle e processo; técnico de mina e geologia; técnico eletroeletrônico; técnico eletromecânico; técnico em automação; técnico de enfermagem do trabalho; técnico especializado de manutenção; técnico especializado de produção; técnico de manutenção; técnico especializado de manutenção civil; técnico mecânico; técnico de planejamento e programação de manutenção; técnico preditivo; técnico de segurança do trabalho; técnico de segurança empresarial e vulcanizador. Darlete Ferreira, estagiária de engenharia de mina no Projeto Ramal Ferroviário S11D. Fotos: Salviano Machado Vim do Rio Grande do Norte com toda a minha família depois que fui contratado pela Vale. Aqui sei que posso progredir na minha carreira trabalhando em grandes projetos, como o Ramal Ferroviário. Carlos Rangel, geólogo no Projeto Ramal Ferroviário S11D. 52 A Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas 53

28 Nossas Pessoas Nossas Pessoas Paulo Santos Oliveira conseguiu o primeiro emprego por meio do Programa Porta de Entrada da Vale Jovem Aprendiz O primeiro emprego Uma oportunidade de ingressar no mercado de trabalho, adquirir experiência e crescer profissionalmente. Essa é a expectativa dos jovens aprendizes admitidos para trabalhar nas operações da Vale. Graças ao Programa Porta de Entrada da Vale, eles conseguem oportunidade de atuar em funções administrativas e nas áreas operacionais, a exemplo de mecânica industrial, técnica em eletromecânica, eletroeletrônica e solda industrial. Em outubro de 2013, 193 aprendizes ingressaram na Vale para trabalhar nas unidades de Carajás, Sossego e Salobo. Em setembro de 2014, Fotos: Fabiana Alves outros 144 entraram na empresa. Para concorrer às vagas do Programa Jovem Aprendiz, o candidato deve ter ensino médio completo e idade entre 18 e 22 anos. O processo seletivo envolve análise curricular, prova online, entrevistas, avaliação psicológica e exames médicos. Cada selecionado escolhe uma área de atuação. O curso teórico é realizado no Senai. Voluntários Vale 10 anos de voluntariado O Programa Voluntários Vale foi criado em 2004, com o objetivo de incentivar os empregados da empresa a se dedicarem a causas coletivas. Hoje, já existem 31 comitês no Brasil, divididos em 11 Estados diferentes, e também nos países Omã, Malásia, Moçambique e Austrália. Criado há dez anos, o Comitê de Voluntários Carajás conta com 297 voluntários cadastrados, que participam de ações realizadas nos municípios de Parauapebas, Curionópolis e Eldorado do Carajás. Em 2013, quase cinco mil pessoas foram beneficiadas pelas ações e projetos em que os voluntários atuam. Duas das principais ações foram a Xiquita Bacana e Xadrez nas Escolas. Xiquita Bacana: artesanato e sustentabilidade O Projeto Xiquita Bacana, realizado em Parauapebas, foi o vencedor da categoria técnica do Prêmio Voluntários Vale A iniciativa foi desenvolvida pelo Comitê de Voluntários Vale de Carajás na comunidade Projeto Esperança, com a proposta de reaproveitar lonas plásticas, usadas em material de publicidade, para confecção de produtos como sacolas retornáveis, bolsas, capas para notebooks e máquinas de lavar, entre outros. O trabalho começou em setembro de 2013, por meio da articulação com as artesãs da Fundação Bom Samaritano e negociação com gráficas da região para garantir a doação do material (lonas). O prêmio concedido ao projeto é um reconhecimento ao seu papel na geração de renda, sustentabilidade e parceria com a comunidade. Xadrez nas Escolas Iniciado em 2014, na Fundação Bom Samaritano, em Parauapebas, o Projeto Xadrez nas Escolas pretende auxiliar a recuperação de alunos da rede pública de ensino com dificuldade de aprendizado em matérias lógicas, como a matemática. Por meio da prática do xadrez, o aluno também agrega uma série de outros valores que vão além da disciplina escolar. Nessa primeira etapa, 20 alunos são contemplados pelo programa e 15 voluntários apoiam a ação. A expectativa é ampliar o projeto para outras escolas do município. Xadrez nas Escolas Foto: Adriano Cunha Fotos: Salviano Machado Tem sido uma experiência única. É o meu primeiro emprego e tenho aprendido muitas coisas que me fazem crescer não só na parte profissional, mas pessoal também. Estou tendo a oportunidade de ser uma pessoa ainda melhor. Jaqueline Cândido, assistente administrativo. Jaqueline Cândido Grupo de voluntárias apresenta produtos confeccionados pelo Projeto Xiquita Bacana 54 A Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas 55

29 Nossas Pessoas Nossas Pessoas Visitas Portas abertas para a comunidade Foto: Keila Mesquita Foto: Keila Mesquita A Vale mantém um programa anual de visitas para receber grupos da comunidade, familiares de empregados, parceiros comerciais e instituições em suas unidades operacionais e projetos. Em Carajás, as visitas são agendadas e permitem ao público conhecer a mina, com vista a partir do mirante, e ver na prática como a Vale opera de forma sustentável no complexo minerador. Durante o deslocamento para a mina, é possível observar o trabalho de recuperação de áreas mineradas, os equipamentos em operação e instalações e a floresta preservada. Muitas dessas programações também incluem o Parque Zoobotânico Vale, que sempre encanta o público com a beleza e atrações da natureza preservada. Quem esteve em Carajás No período de 2011 a 2013, Carajás recebeu mais de 3 mil visitantes da comunidade. Conheça alguns desses públicos: Moradores de Palmares Sul: alunos da Escola Paulo Freire, representantes da Associação de Moradores e Associação de Produtores Rurais; Professores e alunos da Escola Técnica Vale dos Carajás; Moradores das vilas Sanção e Paulo Fonteles: alunos de escolas públicas, professores e líderes das associações das vilas. Alunos da Escola Modelo Visita do Educandário Evangélico Bom Samaritano Foto: Salviano Machado Por meio do programa, o visitante pode conhecer mais de perto as operações da Mina de Ferro Carajás 56 A Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas 57

30 Foto: Ricardo Teles Gestão ambiental Não é possível pensar no futuro sem pensar e agir para cuidar do meio ambiente. Por isso, a Vale busca desenvolver suas operações em harmonia com a natureza, com a diminuição do impacto de suas atividades e investimento para a conservação de áreas de floresta. 58 A Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas 59

31 Gestão ambiental Gestão ambiental Meio ambiente Natureza conservada Na área da Floresta Nacional de Carajás, caberiam mais de 400 mil campos de futebol. Gigante pela própria natureza A floresta guarda 44 espécies de mamíferos de médio e grande porte. Dessas espécies, 12 se encontram ameaçadas de extinção em listas oficiais, a exemplo da ariranha, do tatu-canastra e do macaco cuxiú. Foto: João Marcos Rosa Na área da floresta, cabem mais de 400 mil campos de futebol. Há 26 espécies de pequenos mamíferos, entre marsupiais e roedores, e 75 espécies de morcegos. A maior diversidade na Flona é de aves: 594 espécies já foram registradas. Estão registrados 131 répteis, com 120 espécies de escamados, oito de quelônios e três de jacarés. A Flona possui mais de espécies de animais vertebrados já catalogadas. Ações permanentes de proteção A Floresta Nacional (Flona) de Carajás é considerada o maior patrimônio ambiental de Parauapebas e integra o Mosaico de Unidades de Conservação de Carajás. De forma permanente, a Vale apoia o ICMBio nas ações de conservação. 60 A Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas 61

32 Gestão ambiental Gestão ambiental Foto: Ricardo Teles Conservação Prevenção contra incêndios Entre as principais ações para proteger a Floresta Nacional de Carajás está a prevenção de incêndios florestais. Anualmente, a Vale promove ações em Parauapebas e outras localidades do sudeste paraense para sensibilizar a população que vive próximo às áreas de floresta de modo a evitar a queima de lixo e outros hábitos que podem oferecer risco de incêndio, como o descarte de cigarros em áreas de mato e folhas secas. A campanha inclui a distribuição de folhetos na comunidade, instalação de outdoors e busdoor, além da veiculação de mensagens em rádios locais. O trabalho é desenvolvido em parceria com o ICMBio. Um cigarro pode matar uma Evite queimadas. Não jogue cigarro aceso próximo à vegetação. Pensando na nossa fauna e flora, a Vale faz a sua parte para impedir que o fogo ameace as florestas da nossa região. Mas a sua atitude também é fundamental para ajudar a prevenir incêndios. Em caso de incêndio, ligue para o Corpo de Bombeiros: Juntos, vamos proteger o patrimônio natural do nosso Estado. vale.com/brasil Para um mundo com novos valores. A realização da Campanha de Combate a Incêndio é uma medida de compensação exigida pelo licenciamento ambiental federal, conduzido pelo Ibama. Uso sustentável do jaborandi Onça-pintada Exposição sobre felinos A Floresta Nacional de Carajás é morada de várias espécies de felinos, animais fascinantes e fundamentais para o equilíbrio do bioma local. Para aumentar o conhecimento das pessoas sobre esses animais e para levar informações sobre o que fazer ao avistar um deles nas áreas próximas à unidade de conservação, a Vale realizou uma exposição que percorreu diversos locais, entre unidades da própria empresa e o Parque Zoobotânico Vale. O trabalho também envolveu a distribuição de folhetos ao público. Informações sobre os felinos da Floresta Nacional de Carajás em exposição Espécies encontradas em Carajás Onça-pintada e onça-preta (Panthera onca) Suçuarana (Puma concolor) Jaguatirica (Leopardus pardalis) Gato-maracajá (Leopardus weidii) Gato-do-mato (Leopardus tigrinus) Gato-mourisco (Herpailurus yagouaroundi) Foto: Leandro Jordy A Vale participa do desenvolvimento do plano de manejo do jaborandi desde 1997, espécie nativa que corre risco de extinção devido principalmente à extração predatória. A partir de 2013, teve início um novo trabalho, o Projeto de Conservação do Jaborandi (Pilocarpus microphyllus), em parceria com a Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra). Graças ao projeto, realizado na região de influência do Complexo Minerador de Carajás, já são desenvolvidas diversas atividades voltadas ao uso sustentável do jaborandi na comunidade local. Placa com identificação da espécie de jaborandi Foto: Gracialda Costa Uma das iniciativas é a educação ambiental e orientação dos folheiros sobre manejo sustentável, para que os próprios colhedores assumam o papel de protagonistas na conservação do jaborandi. O convênio com a Ufra tem permitido aos pesquisadores realizar um inventário da espécie para mapear e caracterizar as populações de jaborandi nas áreas de ocorrência na Flona. Além de prever a instalação de áreas de coleta de sementes e a produção de mudas para utilização futura na recuperação de áreas mineradas pela Vale, o projeto contribui para a implantação de atividades de pesquisa e extensão sobre a espécie. Os principais passos do trabalho Diagnóstico da comunidade de folheiros; Inventário e caracterização morfológica e ambiental das populações de jaborandi da Flona de Carajás; Implantação de áreas permanentes para monitoramento do efeito da exploração; Identificação das espécies botânicas de jaborandi; Implantação de duas áreas de coleta de sementes para apoiar a produção de mudas; Realização de estudos para apoiar o manejo da espécie na região de Carajás; Acompanhamento e monitoramento de plantios de jaborandi em áreas mineradas; Curso de identificação botânica e coleta de sementes para a comunidade; Curso de produção de mudas e manejo de povoamentos para a comunidade. 62 A Vale em Parauapebas

33 Gestão ambiental Gestão ambiental Foto: Luíz Batista Controle de gramíneas Também com foco na conservação da flora nativa, a Vale desenvolve um projeto de controle de gramíneas exóticas que podem prejudicar a manutenção de outras espécies do Mosaico de Carajás. Nesse trabalho, são realizadas pesquisas para avaliar os diferentes métodos de controle de gramíneas, assim como um estudo da biologia de plantas nativas com potencial competitivo. Outra vertente é o estudo dos possíveis impactos ambientais decorrentes do emprego de herbicidas. O projeto começou em 2013 e será concluído em 2018, em parceria com a Ufra e equipe de Meio Ambiente da Vale. Plantio para recuperar espécies nativas Foto: Luíz Batista Pesquisa para o controle de gramíneas exóticas Projeto Açaí na APA do Gelado Um dos principais símbolos do Pará, a cultura do açaí (Euterpe oleracea Mart) é a base de um projeto de plantio que a Vale realiza na área da APA do Igarapé Gelado desde O trabalho é executado em parceria com a Agência de Desenvolvimento Humano e Econômico da APA do Gelado e possibilitou o plantio de 70 hectares de açaí em pequenas e médias propriedades da região. Até março de 2015 a Vale ainda ficará responsável pela manutenção dessas áreas, para garantir o objetivo do projeto, que é recuperar as espécies nativas. Programa de Educação Ambiental A Vale realiza, regularmente, uma série de ações e campanhas de educação ambiental em Parauapebas e região, para incentivar entre os seus empregados e na comunidade um comportamento sustentável, de constante cuidado com o meio ambiente. Um exemplo dessa atuação do Programa de Educação Ambiental é a programação do Dia da Água, realizada pela empresa em parceria com o Museu Paraense Emílio Goeldi. Jogos educativos, exposição sobre a água e maquetes simulando um sistema de geração de energia atraíram, em 2014, visitantes ao Parque Zoobotânico Vale. Nas atividades do Dia Mundial do Meio Ambiente realizadas este ano, o parque recebeu mais de pessoas, que participaram de jogos sobre resíduos, dominó da reciclagem, jogo do tato e mostras sobre a temática ambiental. Nessa ação, a Vale contou com parceiros como o ICMBio, Ufra, Universidade Federal do Pará (UFPA) e Instituto Nacional de Pesquisas Amazônicas (Inpa). Tecnologia a serviço da natureza O Complexo Minerador de Carajás reutiliza mais de 70% de toda a água captada para o processo de beneficiamento do minério de ferro. A implantação de uma nova tecnologia de processamento à base de umidade natural (sem uso de água) eliminou a utilização de água em 10 das 17 linhas de beneficiamento, reduzindo o uso de água na planta industrial As ações de educação ambiental contemplam inúmeras escolas e instituições da região: Escola Paulo Freire Escola Crescendo na Prática Escola Benedito Monteiro Escola Municipal Jorge Amado Cras de Altamira Cras Rio Verde Apae Parauapebas Associação Ramos de Karatê Colégio Pitágoras Estação Conhecimento da APA do Igarapé Gelado em aproximadamente 10 milhões de metros cúbicos por ano. Os sistemas de tratamento de efluentes oleosos também possuem tecnologia de reuso e recirculação, possibilitando a lavagem dos caminhões fora de estrada com o próprio efluente tratado nas oficinas de manutenção. Foto: João Marcos Rosa Produção de mudas Equipes da área ambiental da Vale desenvolvem um trabalho contínuo de coleta e beneficiamento de sementes da Floresta Nacional de Carajás, para utilização na produção de mudas. Cerca de 6 mil quilos de sementes nativas são coletadas anualmente e permitem a produção de 100 mil mudas por ano nos viveiros da empresa. Essas mudas são utilizadas, por sua vez, no processo de recuperação de áreas degradadas e também são doadas para plantio de árvores em comunidades da região. Em Parauapebas, o viveiro da Vale produz cerca de 60 mil mudas de diversas espécies nativas por ano, originadas de sementes coletadas na Flona. Novas árvores Muitas ações ambientais são realizadas em Parauapebas para benefício da comunidade e do meio ambiente. Uma delas permitiu o plantio de mil mudas de árvores nativas na vila Palmares Sul, localizada na área de influência da Estrada de Ferro Carajás. A ação foi realizada pelo Comitê de Voluntários Vale de Carajás e área ambiental da Vale, em parceria com a comunidade. Foto: Claudia Saldanha Tecnologia que utiliza a umidade natural reduziu o uso de água na planta industrial de Carajás 64 A Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas 65

34 Gestão ambiental Gestão ambiental Foto: Ricardo Teles Sala de Coleções Foto: Fabiana Alves A Sala de Coleções do Parque Zoobotânico Vale é uma exposição permanente de insetos, sementes, aracnídeos, escorpiões e serpentes, que abriga cerca de 500 insetos oriundos da Floresta Nacional de Carajás. Além disso, o público pode conhecer algumas das árvores e plantas da região, por meio de expositores com 28 amostras de madeiras e 168 sementes. O espaço funciona em dias de eventos, mas também recebe grupos para visita guiada. Escolas e outros grupos interessados devem fazer o agendamento com a equipe do parque pelo telefone (94) PZV possui uma coleção de 500 insetos nativos da região Coleção de sementes Foto: Fabiana Alves Herbário de Carajás É uma coleção de plantas desidratadas que contém aproximadamente 4 mil amostras de plantas de toda a região. O Herbário de Carajás faz parte da Rede Brasileira de Herbários e está em busca do cadastro internacional. A visitação é restrita a grupos de alunos, pesquisadores e trabalhadores da área florestal ou ambiental e só é permitida mediante agendamento pelo telefone (94) Parque Zoobotânico tem média mensal de 10 mil visitantes Foto: Salviano Machado Parque Zoobotânico Vale Mais de 260 animais da região amazônica Reprodução em cativeiro O Parque Zoobotânico Vale (PZV) é um importante centro de conservação de espécies amazônicas, um espaço para pesquisas e atividades de educação ambiental, além de um dos principais pontos turísticos de Parauapebas, em plena Floresta Nacional da Carajás. Hoje, o PZV mantém um plantel de mais de 260 animais da região amazônica, alguns ameaçados de extinção, como a onça-pintada, a arara-azul-grande, a ararajuba, o macacocuxiú e o macaco-aranha-da-testa-branca. Por estar localizado dentro da floresta, o parque proporciona aos visitantes uma experiência diferenciada, já que alguns animais podem ser vistos circulando livremente pelo parque, como antas e veados mateiros. Passado e presente O parque foi inaugurado pela Vale há 29 anos. É aberto à visitação pública todos os dias, das 9h às 15h30, com entrada gratuita. Em 2013, o PZV recebeu visitantes, com média mensal de pessoas. O parque ocupa 30 hectares e conta com aproximadamente 70% de mata nativa. Abriga também um orquidário e um auditório, onde são realizadas ações de educação ambiental. O PZV reserva uma área fechada à visitação pública, onde se faz o acompanhamento de animais que precisam de atendimento veterinário. O Parque Zoobotânico Vale desenvolve um programa único no sudeste do Pará, voltado à reprodução em cativeiro de espécies do bioma amazônico e que estão ameaçadas de extinção. Esse é o caso da ararajuba (Guarouba guarouba) e arara-azulgrande (Anodorhynchus hyacinthinus), que fazem parte do Programa de Manejo Reprodutivo para Conservação de Espécies Ameaçadas de Extinção e Relevância Biológica. Em 2013, nasceram no Parque Zoobotânico Vale dois filhotes de ararajuba, considerada a ave símbolo do Brasil. Outra boa notícia, também em 2014, Filhotes de onça-pintada nascem em cativeiro depois de 12 anos da primeira reprodução foi o nascimento de dois filhotes de onça-pintada: uma fêmea preta e um macho pintado. É a segunda vez que nascem filhotes desta espécie no parque. A primeira foi em A Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas 67

35 Enquete Fotos: Salviano Machado Sou morador de Parauapebas há 30 anos e tenho acompanhado o trabalho da Vale, que está sempre preocupada com a transformação da cidade, a questão ambiental e a formação educacional. A empresa é bastante participativa e ter acesso a essas informações por meio do relatório é muito importante. Raimundo Gonçalves Pinto Filho, servidor público. A opinião de quem recebeu o relatório A Vale em Parauapebas O relatório foi muito bem elaborado, com informações de qualidade e apresentadas de forma sucinta. Isso fez com que fosse mais fácil de entender o conteúdo e tornou possível visualizar as coisas que estão sendo feitas no município, além de nos dar uma dimensão da complexidade que existe em Parauapebas, com todos os seus avanços, programas e também alguns problemas. Nélio Mol, professor. A Vale em Parauapebas Foto: João Marcos Rosa Opinião e ações O relatório é importante para que a sociedade tenha acesso às ações realizadas pela empresa junto à comunidade. Acho que a informação e a transparência nas ações sociais da Vale são uma excelente estratégia de valorização da relação com a comunidade, que não só agrega valor às suas ações, mas também contribui efetivamente para o desenvolvimento do município. Maria Zanandréa, analista ambiental. 68 A Vale em Parauapebas A Vale em Parauapebas 69

36 Legados da Vale que remontam a sua chegada a Parauapebas Pavimentação da PA-275: trecho Parauapebas Marabá; Urbanização (drenagem pluvial, sistema de água, esgoto e instalação de rede elétrica) e construção de casas nos bairros Cidade Nova e União; Construção da escola municipal Euclides Figueiredo; Construção do hospital municipal no bairro Cidade Nova; Construção do quartel da Polícia Militar; Construção e venda subsidiada de moradias na Chácara do Sol, Chácara da Lua e Chácara das Estrelas; Construção da delegacia de polícia; Construção do primeiro prédio da prefeitura municipal; Investimento na instalação de sistemas de tratamento de esgoto sanitário e abastecimento de água potável na região dos bairros da Paz, Primavera, Rio Verde, União e Cidade Nova; Construção do prédio do Senai; Construção das creches Amor e Carinho e Balão Mágico; Construção do Centro de Universidade de Parauapebas. Foto: Ricardo Teles 70 A Vale em Parauapebas

37

Para um mundo com novos valores. A Vale em Canaã dos Carajás

Para um mundo com novos valores. A Vale em Canaã dos Carajás Para um mundo com novos valores. A Vale em Canaã dos Carajás Expediente Diretoria de Cobre Hub Sul - Sossego Diretoria de Projetos Ferrosos Norte Diretoria de Operação Ferrosos S11D Gerência de Comunicação

Leia mais

O CAMINHO DE UMA O CAMINHO DE UMA NOVA ERA. INDUSTRIAL Sistema Federação das Indústrias do Estado do Acre. Governador Binho Marques avalia mandato

O CAMINHO DE UMA O CAMINHO DE UMA NOVA ERA. INDUSTRIAL Sistema Federação das Indústrias do Estado do Acre. Governador Binho Marques avalia mandato Ano 05 Número 17 Dezembro/2010 INDUSTRIAL Sistema Federação das Indústrias do Estado do Acre MODERNIZAÇÃO Usina Álcool Verde começa a produzir DESPEDIDA Governador Binho Marques avalia mandato Arquivo

Leia mais

METAS DO PLANO MUNICIPAL UBERABA MG

METAS DO PLANO MUNICIPAL UBERABA MG METAS DO PLANO MUNICIPAL UBERABA MG Outubro 2012 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERABA Anderson Adauto Pereira Prefeito Municipal Paulo José de Mesquita Vice-prefeito Fábio José Macciotti Costa Presidente

Leia mais

correio do ano 60 [ set out 2010] nº 701 Um novo professor para um novo mundo

correio do ano 60 [ set out 2010] nº 701 Um novo professor para um novo mundo correio do ano 60 [ set out 2010] nº 701 Um novo professor para um novo mundo Editorial Um dos objetivos estratégicos do Senac, para o alcance de sua missão de educar para o trabalho em atividades do comércio

Leia mais

no seu Município O que são, para que servem e como acessar os principais programas e serviços do Brasil Sem Miséria no seu Município Edição Revisada

no seu Município O que são, para que servem e como acessar os principais programas e serviços do Brasil Sem Miséria no seu Município Edição Revisada no seu Município O que são, para que servem e como acessar os principais programas e serviços do Brasil Sem Miséria no seu Município Edição Revisada no seu Município Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

Diálogos sobre a Gestão Municipal Processos na Educação

Diálogos sobre a Gestão Municipal Processos na Educação Diálogos sobre a Gestão Municipal Processos na Educação Diálogos sobre a Gestão Municipal Processos na Educação I. APRESENTAÇÃO II. GESTÃO DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO MUNICIPAL 1. O panorama da Política Municipal

Leia mais

As metas do Plano Nacional de Cultura

As metas do Plano Nacional de Cultura As metas do Plano Nacional de Cultura PRESIDENTA DA REPÚBLICA Dilma Rousseff VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA Michel Temer MINISTRA DE ESTADO DA CULTURA Ana de Hollanda CHEFE DE GABINETE Maristela Rangel SECRETÁRIO-EXECUTIVO

Leia mais

SALVADOR. Construindo um novo futuro

SALVADOR. Construindo um novo futuro Construindo um novo futuro 2013 2016 CARTA do prefeito 6 EDITORIAL 8 Apresentação 10 áreas TEMÁTICAS EDUCAÇÃO 22 SAÚDE 32 JUSTIÇA SOCIAL 42 AMBIENTE de NEGóCIOS 52 TURISMO E CULTURA 60 MOBILIDADE 72 AMBIENTE

Leia mais

pavimentação Governo investe pesado em asfalto. Pág. 20

pavimentação Governo investe pesado em asfalto. Pág. 20 Junho.2014 atibaia.sp.gov.br 1 Edição especial de aniversário O MAIOR COMPLEXO EDUCACIONAL DA REGIÃO Com investimentos de R$ 7 milhões e uma estrutura inovadora, o novo centro educacional se destaca como

Leia mais

Educação: combate eficaz ao trabalho infanto-juvenil

Educação: combate eficaz ao trabalho infanto-juvenil correio do ano 61 [jul ago 2011] nº 706 Educação: combate eficaz ao trabalho infanto-juvenil Editorial Se remontarmos às origens do Senac, desde a sua criação, em 1946, ao assumir o compromisso de preparar

Leia mais

Formando. Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida na Escola. Construindo Agenda 21 na Escola

Formando. Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida na Escola. Construindo Agenda 21 na Escola Ministério do Meio Ambiente Ministério da Educação Formando Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida na Escola Construindo Agenda 21 na Escola Brasília, 2004 1 Diretor de Educação para a Diversidade

Leia mais

Mineração MINERAÇÃO É TUDO ISSO! indústria da. Educação, arte, cultura, logística, meio ambiente, tecnologia, negócios...

Mineração MINERAÇÃO É TUDO ISSO! indústria da. Educação, arte, cultura, logística, meio ambiente, tecnologia, negócios... Mineração indústria da Ano IV - nº 27 Setembro de 2009 MINERAÇÃO É TUDO ISSO! Educação, arte, cultura, logística, meio ambiente, tecnologia, negócios... São os destaques da EXPOSIBRAM 2009 e do 13º Congresso

Leia mais

ASSIM SE FAZ O CAMINHO

ASSIM SE FAZ O CAMINHO # 159 ano XXXIX MARÇO/ABRIL 2012 ASSIM SE FAZ O CAMINHO Os projetos de transportes e logística que tornam possível levar e trazer tudo aquilo que a imaginação concebe e que o desenvolvimento exige Balsa

Leia mais

Cartilha para ONGs: Como Elaborar um Programa de Aprendizagem a partir da Lei 10.097. Um Projeto a partir de uma Lei

Cartilha para ONGs: Como Elaborar um Programa de Aprendizagem a partir da Lei 10.097. Um Projeto a partir de uma Lei : Como Elaborar um Programa de Aprendizagem a partir da Lei 10.097 Um Projeto a partir de uma Lei A proposta de construir a Cartilha para ONGs: Como Elaborar um Programa de Aprendizagem a partir da Lei

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Exercício findo em 31 de dezembro de 2013

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Exercício findo em 31 de dezembro de 2013 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Exercício findo em 31 de dezembro de 2013 Senhores Acionistas, Em atendimento às disposições societárias, apresentamos o Relatório da Administração da Souza Cruz S.A. referente

Leia mais

Uma empresa maior e melhor. em foco. Ipsos lança estudo sobre o mercado de Food Service

Uma empresa maior e melhor. em foco. Ipsos lança estudo sobre o mercado de Food Service Ano 5 Nº 14 2º Semestre de 2009 Uma empresa maior e melhor EURICO VARELA É O NOVO LÍDER DA GRSA E DE SEUS 26 MIL COLABORADORES em foco Ipsos lança estudo sobre o mercado de Food Service editorial Novos

Leia mais

PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NAS GRANDES EMPRESAS E suas demandas para as Micro e Pequenas Empresas

PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NAS GRANDES EMPRESAS E suas demandas para as Micro e Pequenas Empresas PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NAS GRANDES EMPRESAS E suas demandas para as Micro e Pequenas Empresas EXPEDIENTE PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO NACIONAL Roberto Simões DIRETOR-PRESIDENTE Luiz Barretto DIRETOR

Leia mais

Ministério da Educação MEC

Ministério da Educação MEC Ministério da Educação MEC PLANO DE METAS COMPROMISSO TODOS PELA EDUCAÇÃO GUIA DE PROGRAMAS BRASÍLIA, JUNHO DE 2007. 1 SUMÁRIO GESTÃO EDUCACIONAL 1. Planejamento Estratégico da Secretaria PES 2. Plano

Leia mais

Percursos da Educação Integral. em busca da qualidade e da equidade

Percursos da Educação Integral. em busca da qualidade e da equidade Percursos da Educação Integral em busca da qualidade e da equidade Percursos da Educação Integral em busca da qualidade e da equidade 1ª Edição São Paulo abril 2013 Coordenação Técnica Iniciativa Iniciativa

Leia mais

empreender Tempo de Saiba quais são os incentivos, programas e serviços a favor do desenvolvimento da pequena empresa Desoneração

empreender Tempo de Saiba quais são os incentivos, programas e serviços a favor do desenvolvimento da pequena empresa Desoneração ANO V / Nº 33 / NOV-DEZ 2012 Tempo de empreender Saiba quais são os incentivos, programas e serviços a favor do desenvolvimento da pequena empresa Compras governamentais Veja como pequenas empresas aumentam

Leia mais

Criação de Valor Compartilhado Desenvolvimento Rural. Relatório Nestlé Brasil 2010

Criação de Valor Compartilhado Desenvolvimento Rural. Relatório Nestlé Brasil 2010 Criação de Valor Compartilhado Desenvolvimento Rural Relatório Nestlé Brasil 2010 Fernanda Preto 6 Compromisso Sustentabilidade e Criação de Valor Compartilhado 8 Princípios Nestlé As bases sólidas da

Leia mais

Objetivos de Desenvolvimento do Milênio ODM

Objetivos de Desenvolvimento do Milênio ODM COLETÂNEA GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL GESTÃO 2009-2012 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio ODM Estratégias da Gestão Municipal para a Redução da Pobreza no Planeta até 2015 1 COLETÂNEA GESTÃO PÚBLICA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETORIA DE CURRÍCULOS E EDUCAÇÃO INTEGRAL MANUAL OPERACIONAL DE EDUCAÇÃO INTEGRAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETORIA DE CURRÍCULOS E EDUCAÇÃO INTEGRAL MANUAL OPERACIONAL DE EDUCAÇÃO INTEGRAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETORIA DE CURRÍCULOS E EDUCAÇÃO INTEGRAL MANUAL OPERACIONAL DE EDUCAÇÃO INTEGRAL Brasília/DF 2014 1 SUMÁRIO 1. PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO... 4 2. OFERTAS

Leia mais

30º. Programa Ciência Sem Fronteiras

30º. Programa Ciência Sem Fronteiras 30º Programa Ciência Sem Fronteiras Caros (as) Leitores (as) O Café com Sustentabilidade da FEBRABAN acaba de completar 30 edições. Lançado em 2007, o evento reúne representantes dos bancos associados,

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO VADOR DINÂMICO ADOR DEZEMBRO, 2013 INO

PLANO DE DESENVOLVIMENTO VADOR DINÂMICO ADOR DEZEMBRO, 2013 INO PLANO DE DESENVOLVIMENTO R ADOR OVADOR DINÂMICO DEZEMBRO, 2013 INO INO VADOR R INOVA PLANO DE O DESENVOLVIMENTO DE DE DESEN LVI PLANO DE DESEN VOLVI DESEN VOLVI MENTO DEZEMBRO, 2013 O Futuro é o que fazemos

Leia mais

METAS DO PLANO NACIONAL DE CULTURA

METAS DO PLANO NACIONAL DE CULTURA METAS DO PLANO NACIONAL DE CULTURA Dezembro de 2011 METAS DO PLANO NACIONAL DE CULTURA 5 PRESIDENTA DA REPÚBLICA Dilma Rousseff VICE -PRESIDENTE DA REPÚBLICA Michel Temer MINISTRA DE ESTADO DA CULTURA

Leia mais

Educação pública de qualidade: quanto custa esse direito?

Educação pública de qualidade: quanto custa esse direito? Educação pública de qualidade: quanto custa esse direito? B r a s i l 2011 Síntese do CAQi (2010) (valores atualizados conforme PIB per capita de 2010) Ensino fundamental Ensino fundamental no campo Tipo

Leia mais

GRUPO JALLES MACHADO INVESTE R$ 410 MILHÕES. Pró-Industrial

GRUPO JALLES MACHADO INVESTE R$ 410 MILHÕES. Pró-Industrial GRUPO JALLES MACHADO INVESTE R$ 410 MILHÕES Pró-Industrial ADIAL - Associação Pró-Desenvolvimento Industrial do Estado de Goiás Setembro - 2011 - ANO IV - Nº 24 ADIAL Informa - www.adial.com.br Plano Brasil

Leia mais