INSELBERGS E SUA GÊNESE NO SEMI-ÁRIDO BAIANO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSELBERGS E SUA GÊNESE NO SEMI-ÁRIDO BAIANO"

Transcrição

1 INSELBERGS E SUA GÊNESE NO SEMI-ÁRIDO BAIANO Gleize Cerqueira de Souza (Graduanda em Geografia- UEFS) Karine de Cerqueira S. Oliveira (Graduanda em Geografia- UEFS) Mílvia Oliveira Cerqueira (Graduanda em Geografia- UEFS) RESUMO:O domínio semi-árido baiano é caracterizado por possuir altas temperaturas e amplitude térmica diária, chuvas irregulares e mal distribuídas, altos índices de evaporação, intermitência de rios, solos rasos e a vegetação xerófila. Na geomorfologia da região, destaque para a Depressão Sertaneja, que possui um perfil morfológico notadamente contrastante: pediplano sertanejo, com áreas desgastadas, pediplanadas, com relevos residuais típicos, os inselbergues. O objetivo pleiteado pelo presente trabalho consiste na análise da origem dos relevos residuais inselbergues no Semi-árido baiano, tomando por base a Teoria da Pediplanação. A metodologia adotada perpassa pela revisão bibliográfica de autores que estudaram e pesquisaram o semi-árido baiano, as teorias que abarcam a pediplanação, e observações de campo. A Teoria da Pediplanação tem por princípios a análise da evolução do relevo, ocasionado dentre outros fatores pela termoclastia, fator importante na erosão em ambientes secos, ocasionando a desagregação mecânica (esfoliação esferoidal), erosão regressiva (recuo paralelo das encostas), modelagem dos relevos residuais, e formação de pediplano, através da sobreposição de pedimentos. Contudo, infere-se que a origem e evolução gradual dos inselbergues no semi-árido baiano, assim como no nordeste brasileiro, estão associadas a uma dinâmica evolutiva do relevo, pertinente às peculiaridades fisiográficas da região, essas feições são relevos que possuem maior resistência a desagregação mecânica, pelas condições litológicas de seu substrato rochoso, conseqüentemente, são considerados relevos residuais. Paleoclimas. Palavras-chave: Semi-árido baiano, Inselbergues, Teoria da Pediplanação,

2 1. INTRODUÇÃO O Nordeste brasileiro localiza-se entre 6º e 16º de latitude Sul e entre 35º e 45º de longitude Oeste, banhado, a leste e norte, pelo Oceano Atlântico Sul. Inserido no Nordeste está o domínio morfoclimático semi-árido (ver figura 1) - um domínio ou sistema morfoclimático consiste num conjunto de formas de relevo submetidas à mesma tipologia climática (CUNHA, 2007). Figura 1: Localização do semi-árido no Nordeste Brasileiro LEGENDA SEMI-ÁRIDO O semi-árido baiano caracteriza-se por ter temperaturas médias entre 25 e 29 C, com alto nível de evaporação; precipitação média anual de 650mm, ocorrendo de forma torrencial e má distribuída. Existência de longos períodos de seca. Sua paisagem é composta por relevos baixos, desgastados, arrasados; áreas deprimidas, pediplanadas com presença marcante dos relevos residuais inselbergues (SEI, 2009). A área é ambientalmente frágil, intermitência na hidrografia, solos rasos e pedregosos, vegetação de Caatinga e Cerrado, marcada pelo uso e

3 ocupação desordenado do solo, com intenso desmatamento do bioma e ampliação de pastagens e áreas para cultivo. Inselbergues são ilhas de rochas, cuja evolução se faz em função de uma erosão específica de clima seco, a esfoliação esferoidal. Esse termo (inselbergue) foi introduzido pelo geólogo alemão Friedrich Bornhardt em 1900 para caracterizar montanhas pré-cambrianas, geralmente monolíticas, de gnaisse e granito (GUERRA, 2001) (ver figura 2). São feições de relevo típicas de domínio morfoclimático Semi-árido, considerados relevos residuais, ou seja, aqueles que resistem às ações intempéricas e erosivas. Figura 2: Inselbergue A pedra de Itaberaba (Itaberaba-BA) Fonte: CERQUEIRA, 2010 O objetivo do presente trabalho consiste na análise da origem dos relevos residuais inselbergues no Semi-árido baiano, tomando por base se pesquisa a Teoria da Pediplanação. A metodologia adotada perpassa pela revisão bibliográfica de autores que estudaram e pesquisaram o semi-árido baiano, as teorias que abarcam a pediplanação, as análises dos relevos residuais inselbergues, entre outros. Foram utilizadas anotações de trabalho de campo realizado no município de Itaberaba-Bahia, além de fotos e figuras extraídas de fontes diversas. A estrutura deste artigo está organizada da seguinte forma: Primeira parte: Origem e caracterização do semi-árido baiano. Segunda parte: A relação entre o domínio morfoclimático semi-árido e a Teoria da Pediplanação.

4 Terceira parte: Processos evolutivos dos relevos residuais. Quarta parte: Notáveis inselbergues no semi-árido Nordestino e sua importância para biomas. 2. DISCUSSÕES 2.1. ORIGEM DO SEMI-ÁRIDO NORDESTINO A aridez na América do Sul e África teve seu início a 135M.a. (milhões de anos) na Era Mesozóica Superior, no Período Cretáceo, quando fraturou o super-continente Gondwana, na direção norte-sul, ocasionando a formação do oceano Atlântico Sul (ver figura 3). Durante esse período ocorreram grandes erupções vulcânicas no oeste da África, por conta disso, as lavas chegavam a alcançar parte da América do Sul. Acerca de 95M.a. o clima começa a sofrer mudanças, aumentando gradativamente as temperaturas, associadas a separação dos continentes, bem como a origem do Atlântico Sul e as intensas atividades vulcânicas. Esse aumento de temperatura resultou na escassez de água devida altos níveis de evaporação, e por conseqüência modificou toda a dinâmica da natureza da região. Representando a gênese da aridez do Nordeste Brasileiro, que por sua vez localiza-se a leste da América do Sul, região que sofreu grandes influências dos eventos ocorridos desde o Cretáceo Inferior, quando se iniciou o fenômeno de separação do Gondwana (SALGADO-LABOURIAU, 1998). Figura 3: Formação do Atlântico Sul. Fonte: SALGADO-LABOURIAU, 1998

5 2.2. CARACTERIZAÇÃO DO SEMI-ÁRIDO NORDESTINO O Semi-árido brasileiro ocupa 86% do território Nordestino, compondo o Polígono das Secas, que abrande os oito estados nordestinos (com exceção do Maranhão) e o norte de Minas Gerais, onde vive 15% da população nacional (Marengo, 2008). A paisagem do semi-árido é composta por uma morfologia caracterizada por dois conjuntos de formas contrastantes: as Depressões Sertanejas (ver figura 4) compostas pelos pediplanos; e os relevos residuais típicos, os inselbergs (VALE, 2006). Figura 4: Perfil leste-oeste da parte norte do Semi-Árido brasileiro Fonte: ADAS,1998. Para entender a Teoria da Pediplanação e o processo de origem dos Inselbergues na região semi-árida da Bahia, é necessária a compreensão do comportamento climático, que tem por característica ser a região semi-árida mais chuvosa do mundo, além de ser a mais habitada; porém essa chuva, que tem média anual de 650 mm, é má distribuída. O semi-árido tem dois períodos destacados, um chuvoso e outro seco, intensificados pelo alto potencial de evaporação de água, em função da enorme disponibilidade de energia desse sistema, com temperaturas médias entre 25 e 29 C, atualmente com significativo aumento decorrente do aquecimento global (SEI, 2009). Significativa periodicidade de ocorrência do fenômeno da seca e escassez de recursos naturais estão presentes neste domínio morfoclimático. A principal característica do Nordeste brasileiro é a alta variabilidade climática, que está associada à ocorrência de eventos extremos de secas, devido às más distribuições de chuva no tempo e espaço, que acontecem poucas vezes durante ao ano e de forma irregular, com maior concentração no verão e outono, com existência de chuvas orográficas, ou seja, de relevo. Isso

6 acontece, porque nesta área recebe mais influência de massas de ar quentes e secas (sotavento), por conta das serras funcionam como barreiras (barlavento) para as massas úmidas provenientes dos ventos alísios de sudeste (MENDONÇA, 2007). Altas amplitudes térmicas diárias que ocorrem no Semi-árido provocam a dilatação dos minerais da rocha durante o dia e contração durante a noite, ocasionando a desagregação mecânica das rochas, ou seja, a termoclastia, elemento que é principal causador da esfoliação esferoidal, tipo de erosão característico de ambientes secos. Hidrografia dotada de intermitência de rios e riachos, devido às elevadas temperaturas existentes, à irregularidade das chuvas, à infertilidade de solos e conseqüente desnudação, e ao uso inadequado dos recursos ambientais do bioma caatinga, principalmente pela agropecuária, caracterizam o geoambiente desta região (AB SÁBER, 2003). 3. A RELAÇÃO ENTRE O DOMÍNIO MORFOCLIMÁTICO SEMI-ÁRIDO E A TEORIA DA PEDIPLANAÇÃO. As feições atuais do relevo baiano dão testemunho da suntuosa dinâmica de sua gênese, ou seja, as paisagens morfológicas que observamos é somente uma etapa de um extenso ciclo ou uma seqüência de fases que findaram e que ainda estão por vir. A formação de relevos planos foi alvo de muitas interpretações por parte de estudiosos da Geologia e Geomorfologia, dentre eles, Willian M. Davis e Lester King, estes tentaram explicar a gênese destes relevos por meio de teorias, a mesmas norteiam trabalhos científicos até a época atual. As teorias, em geral, estão alicerçadas em observações geralmente empíricas, ou podem ser frutos da dedução fundamentada de estudiosos da área. Para que esta venha ser considerada verdadeira deve condizer com os eventos do mundo real. O semi-árido baiano é caracterizado por pediplanos, ou seja, por relevos aplainados e algumas formas remanescentes ou residuais

7 denominados de inselbergs e serras. Estes relevos são resultantes de domínios morfoclimáticos semi-áridos onde a vegetação é rarefeita, os solos rasos e pedregosos, chuvas má distribuídas, bacias hidrográficas com rios intermitentes; tais características fisiográficas tornam o ambiente favorável para o embasamento do estudo a partir da Teoria da Pediplanação de Lester King e 2. Walter Penk (ver figura 5), propostas nas décadas de 50 e 60. Figura 5: Recuo paralelo e origem dos inselbergues Fonte: CASSETI, 2005 O semi-árido baiano a amplitude diária é considerável, em torno de 7 C, deste modo a termoclastia atua sobre a litolog ia das rochas, os minerais dilatam durante o dia e contraem durante a noite, ocorrendo assim a desagregação mecânica. A erosão regressiva ocorre nas escarpas rochosas, estas são bastante íngremes e recuam paralelamente a si mesmas, como uma casca de cebola, resultantes da esfoliação esferoidal (ver figura 6). Segundo Cassetti (1994), a evolução do recuo por um período de tempo com uma relativa estabilidade tectônica permitiria o desenvolvimento de extensos pediplanos, razão por esta teoria ser conhecida como pediplanação. Figura 6: Esfoliação esferoidal Fonte: CERQUEIRA, 2010

8 Com o gradativo solapamento das vertentes, origina-se o tálus quebra da vertente - são áreas de deposição de sedimentos logo abaixo da escarpa rochosa, sendo de variados tamanhos sem organização estratigráfica. Os pedimentos formam-se a partir das áreas de acumulação de sedimentos que partem de relevos mais altos e vão se espalhando por toda a depressão. Estes provocam entulhamento nas depressões e elevam-se os níveis de base, que para Penk é qualquer ponto de um rio para os demais à montante. Os relevos residuais são facilmente encontrados por toda a região da Bahia, com base na Teoria de Penk estes relevos são resultantes da erosão diferencial, ou seja, as rochas mais resistentes permanecerão ou por saliências que permaneceram menos atacadas pela erosão em virtude de sua posição nas áreas interfluviais. (Christofoletti,1974) As bajadas são relevos mais baixos - pequenas depressões encontrados nas áreas circunvizinhas aos inselbergs, podem acumular água na estação chuvosa formando lagoas e acumulam bolsões de pedimentos, originase assim, áreas aplainadas. Segundo Para Christofoletti (1974), com a soma e a coalescência dos pedimentos, constituem as pediplanícies, isto é, as superfícies aplainadas por pedimentação, também denominadas de pediplanos, como é o caso do pediplano sertanejo presente em toda a Depressão Sertaneja. Figura 7: Campo de Inselbergues Fonte: PEDRO HAUCK, 2010

9 4. PROCESSOS EVOLUTIVOS DOS RELEVOS RESIDUAIS No Nordeste Brasileiro, os inselbergues distribuem-se ao longo da Depressão Sertaneja, formando uma paisagem notadamente contrastante: Pediplanos sobre uma Depressão periférica e interplanáltica, destacando-se a presença marcante dos relevos residuais inselbergues (VALE, 2006). As depressões periféricas e interplanálticas são áreas mais baixas em relação aos planaltos que as circundam. São formas deprimidas com superfícies erosivas planas e arrasadas, submetidas ao processo de sedimentação. A Depressão sertaneja porta-se como local de depósitos dos pedimentos que compõem os pediplanos sertanejos, que por sua vez, teve formação iniciada no final do Terciário e início do Quaternário (aproximadamente 1,6 M.a.) (CASSETI, 2005). Os pediplanos sertanejos foram formados sobre escudos cristalinos -origem ígnea/metamórfica- mais especificamente sobre o cráton de São Francisco. As formas horizontalizadas, aplainadas e pediplanadas encontradas em grande parte do Nordeste não iniciaram sua formação no regime climático atual. A modelagem dessas formas está vinculada aos fenômenos paleoclimáticos de climas agressivos, secos ou áridos. Os pediplanos e seus respectivos residuais resultam de climas secos/áridos, por isso, para a compreensão da gênese de relevos testemunhos como os inselbergues, devese levar em conta a existência de um clima com grandes amplitudes térmicas diárias, favorecendo a ocorrência de desagregação mecânica das rochas termoclastia (CASSETI, 1994). Ocorreram muitas alternâncias entre períodos secos e úmidos, associadas às glaciações, no decorrer do tempo geológico, mais especificamente durante o Pleistoceno (Quaternário). Esses ciclos morfoclimáticos foram grandes responsáveis pela modificação dos níveis de pediplanação, ou seja, dos níveis de base da região nordestina. Quando se inicia um período glacial como o Gunz ( anos), Mindel ( anos), Riss ( anos) e Würn ( anos), se inicia também um longo período semi-árido, pelo fato de a maior parte da umidade do planeta ser proveniente dos oceanos, que em fases de glaciações, diminui quase em toda totalidade a evaporação de água, havendo substituição da

10 chuva por precipitações em forma de neve, que se acumulam nas calotas polares e expandem-se para os hemisférios; ocasionando desta forma o eustatismo negativo, ou seja, regressão marinha, por conta do congelamento de águas oceânicas. São nos períodos glaciais que o processo de pediplanação torna-se mais intenso, o qual afirma o importante papel da aridez para a modelagem de feições de relevo. Por conta da existência de alta pressão ocasionada pelo deslocamento dos centros anticiclonais tropicais para menores latitudes, há um impedimento da ascensão de ar úmido, não havendo assim precipitação pluviométrica, deixando o clima seco, semi-árido/árido em toda faixa intertropical (CASSETI, 1994). Esses fenômenos ocorrem de forma diferenciada em períodos interglacias, onde a circulação atmosférica torna-se mais úmida e quente, proporcionando o eustatisto positivo, ou seja, transgressão marinha, onde a evaporação as águas oceânicas permite a ocorrência de chuvas de forma mais regular,proporcionando uma reorganização da drenagem, e atuação do intemperismo químico, como grande responsável pela decomposição das rochas in situ e conseqüente formação de depósitos que poderão formar futuros relevos residuais. No caso do Nordeste brasileiro, isto é, na região baiana atualmente apresenta um clima semi-árido, mesmo estando numa fase interglacial, em fases glaciais havia predominância da aridez, portanto um clima mais seco e agressivo do que o atual. Nesse período, a morfogênese mecânica com pediplanação esteve notadamente presente, elevando os níveis de base, representados hoje pelas superfícies de cimeira (superfícies de topo) dos relevos residuais inselbergues, enquanto que em fases úmidas das interglaciais (úmidas), houve entalhamento, elaboração de ravinas e erosão dos níveis de base (ver figura 7) (CASSETI, 2010). As feições de relevo, semelhantes aos inselbergues, encontradas em regiões úmidas recebem o nome de Pão-de-Açúcar; essa diferenciação ocorre pelo fato de que os inselbergues serem formas específicas de regiões semiáridas, e os Pães-de-Açúcar apresentar representante cobertura vegetal, o que não ocorre nos inselbergues.

11 Figura 8: Oscilações climáticas elaboração de níveis de base Fonte: CASSETI, 2005 Com isso, infere-se que os climas áridos e semi-áridos proporcionam a evolução horizontal da paisagem, através do recuo paralelo das vertentes das formas elaboradas nos climas úmidos, levando o relevo ao aplainamento. Em contrapartida, o clima úmido é responsável pela evolução vertical do relevo, através do entalhamento e gradiente topográfico entre os interflúvios e talvegues (CASSETI, 1994). 5. NOTÁVEIS INSELBERGUES DO SEMI-ÁRIDO BAIANO Figura 10: Milagres-BA Fonte:PEDRO HAUCK, 2010 Figura11: Itaberaba-BA Fonte: CERQUEIRA, 2010

12 6. IMPORTÂNCIA DOS INSELBERGS PARA BIOMAS Os relevos residuais são estudados em varias regiões do mundo como na África, Venezuela, nas Guianas, Bolívia, Brasil e Austrália. As formas de vida encontradas nessas feições, são bastante diversificadas. Os inselbergues são ricos em biodiversidade por não apresentarem necessariamente o mesmo tipo de vegetação de seu entorno, como se fosse uma ilha de pedra isolada. A importância dos inselbergues vai além da peculiaridade de seus biomas, a exemplo, o uso em pedreiras que levam muitos desses residuais às depredações do granito e gnaisse, utilizados na pavimentação e construção civil. Outra curiosidade sobre a riqueza de elementos encontrados nos inselbergues é as plantas endêmicas, que são comercializadas por sua beleza exótica (ver figura 14). Além dessas feições de relevo terem servido como abrigo para habitantes pré-históricos, prova disso as pinturas rupestres deixadas por esses povos (ver figura 15). Figura 14: Cabeça-de-frade Fonte: CACTOS-ART.BIZGALLERY.COM, 2010 Figura 15: Pinturas rupestres em inselbergues F on te: FRANÇA, 1997

13 Os inselbergues do Semi-árido baiano começaram a ser estudados em 1995 pelo projeto Flora dos inselbergues, desenvolvido pela UEFS (Universidade Estadual de Feira de Santana), inicialmente na cidade de Milagres-BA, expandindo-se para as cidades de Santa Teresinha, Itaberaba e na região de Feira de Santana, todos municípios baianos. Esse projeto registrou cerca de 600 espécies de plantas, como a Jurema ou Jerema, Catingueira, Cactiformes e o Cansanção, a família da acerola e algumas espécies de flores que cobrem e embelezam o lajedo. Além das Cabeças-defrade e de Xiquexiques, que predominam sobre esses inselbergues (FRANÇA, 1997). 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS A presença dos relevos residuais do semi-árido da Bahia é influenciada pelas características climáticas. Tais características deram condições evolutivas a sua formação, deste modo os inselbergues são relevos que persistiram pelas condições litológicas de seu substrato rochoso, conseqüentemente, dão testemunho de seqüência de fases passadas e presentes, por tal razão são considerados relevos residuais. A origem dos inselbergues na Bahia, assim como no nordeste brasileiro pode estar associada a uma dinâmica evolutiva que perpassa pela Teoria da Pediplanação de Lester King e Walter Penk. Essa relação se dá a partir do conhecimento das características fisiográficas do nordeste do Brasil, entre elas: alta sazonalidade, solos pouco espessos, rios intermitentes, entre outras. Esses aspectos favorecem a formação gradual dos inselbergues, relevos que King e Penk interpretaram em sua teoria. Apesar de haver poucos estudos relacionados aos relevos residuais, principalmente no que se diz respeito a seu detalhamento estrutural e sua gênese. O presente trabalho tem relevante importância por representar mais um estudo sobre essas feições de relevo complementado às pesquisas acadêmicas que abarcam este tema. Todo este artigo foi baseado em teorias, pesquisas e análises renomadas inseridas na pesquisa geográfica.

14 8. REFERÊNCIAS AB SÁBER, Aziz Nacib. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo, SP: Ateliê Editorial, CASSETI, Valter. Elementos de Geomorfologia. Goiânia. Editora: UFG CHRISTOFOLETTI, Antônio. Geomorfologia. São Paulo: Edgard Blücher, Ed da Universidade de São Paulo, CUNHA, Sandra Baptista da GUERRA, Antonio Teixeira. Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. 7. ed Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, GUERRA, Antônio Teixeira. GUERRA, Antônio José Texeira. Novo dicionário Geológico-Geomorfológico. 2ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil MENDONÇA, Francisco; DANNI-OLIVEIRA, Inês Moresco. Climatologia, noções básicas e climas do Brasil. São Paulo. Editora: Oficina de textos SALGADO-LABOURIAU. Historia ecológica da Terra. São Paulo, Editora: Edgard Blücher FRANÇA, Flávio; MELO, Efigênia; SANTOS, Cosme Correia. Flora de inselbergs da região de Milagres, Bahia, Brasil: I. Caracterização da vegetação e lista de espécies de dois inselbergs. In Sitientibus, Feira de Santana, n17, p , jul/dez MARENGO, Jose A. Vulnerabilidade, impactos e adaptação à mudança do clima no semi-árido do Brasil. BRASÍLIA,DF: PARCERIAS ESTRATÉGICAS Imagens: ADAS, Melhem. Panorama Geográfico do Brasil.12ed, São Paulo. Editora: Simeone BRASIL, Ministério da Integração Nacional CERQUEIRA, Mílvia Oliveira. Análises de campo. HAUCK, Pedro. Disponível em: <http: //altamontanha.com/colunas.asp?newsid=1512>. Acesso em 10 de Julho de 2010 <http: //www.cactos-art.bizgallery.com>. Acesso em 10 de julho de Em meio eletrônico: <http: //www.funape.org.br/geomorfologia/>; CASSETI, Valter. Geomorfologia, <http: //www.sei.ba.gov.br>, Acesso em 09 de julho de 2010.

15

Teoria da Deriva Continental - Alfred Wegener (1915)

Teoria da Deriva Continental - Alfred Wegener (1915) ESTRUTURA GEOLÓGICA Teoria da Deriva Continental - Alfred Wegener (1915) - Harry Hess (1960) Teoria da Tectônica de Placas Sismos A conseqüência do choque entre placas tectônicas são chamadas de abalos

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br PROFESSOR ALUNO ANA CAROLINA DISCIPLINA GEOGRAFIA A TURMA SIMULADO: P3 501 Questão

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 Continente Americano Prof. Ivanei Rodrigues Teoria sobre a formação dos continentes Transformação da crosta terrestre desde a Pangeia até os dias atuais. A Teoria da

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

Paisagens Climatobotânicas do Brasil

Paisagens Climatobotânicas do Brasil Paisagens Climatobotânicas do Brasil 1. (UEL-2012) Os domínios morfoclimáticos brasileiros são definidos a partir da combinação dos elementos da natureza, como os climáticos, botânicos, pedológicos, hidrológicos

Leia mais

Elementos Climáticos CLIMA

Elementos Climáticos CLIMA CLIMA Elementos Climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade, do

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

CLIMA E DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS DO BRASIL

CLIMA E DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS DO BRASIL CLIMA E DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS DO BRASIL Essa aula vai permitir que você conheça elementos e fatores do clima, as relações entre eles, os tipos de climas do Brasil e as características dos domínios morfoclimáticos

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS O que você deve saber sobre DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS Segundo o geógrafo Aziz Ab Sáber, um domínio morfoclimático é todo conjunto no qual haja interação entre formas de relevo, tipos de solo,

Leia mais

SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES. Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE

SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES. Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE O Território do Sertão do Araripe é formado por 10 municípios: Araripina,

Leia mais

Aspectos Territoriais: Relevo

Aspectos Territoriais: Relevo América Latina: Aspectos Geográficos Aspectos Territoriais: Relevo América do Sul: diversidade do relevo: O relevo sul americano está distribuído em três grandes porções: Porção leste: formado por um relevo

Leia mais

Brasil: Natureza e Sociedade

Brasil: Natureza e Sociedade Brasil: Natureza e Sociedade O Ambiente Natural Devido ao seu tamanho, o Brasil pode ser considerado um continente ou ainda um país com dimensões continentais. É o quinto maior país do mundo em extensão,

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

Classificação de Aroldo de Azevedo

Classificação de Aroldo de Azevedo GEOGRAFIA DO BRASIL Relevo O relevo brasileiro apresenta grande variedade morfológica (de formas), como serras, planaltos, chapadas, depressões, planícies e outras, - resultado da ação, principalmente,

Leia mais

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia Vegetação Solo Relevo Clima Hidrografia VEGETAÇÃO E SOLOS HETEROGÊNEA CALOR E UMIDADE RÁPIDA DECOMPOSIÇÃO/FERTILIDADE. NUTRIENTES ORGÂNICOS E MINERAIS (SERRAPILHEIRA). EM GERAL OS SOLOS SÃO ÁCIDOS E INTEMPERIZADOS.

Leia mais

HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL

HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL QUESTÃO 01 - A Terra é, dentro do sistema solar, o único astro que tem uma temperatura de superfície que permite à água existir em seus três estados: líquido, sólido e gasoso.

Leia mais

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir.

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. LISTA DE EXERCÍCIOS I) A partir de critérios geomorfológicos, os planaltos corrrespondem às regiões do relevo onde predomina o processo erosivo; neste compartimento

Leia mais

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR CLIMAS DO BRASIL São determinados pelo movimento das massas de ar que atuam no nosso território. É do encontro dessas massas de ar que vai se formando toda a climatologia brasileira. Por possuir 92% do

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

Classificações climáticas

Classificações climáticas Classificações climáticas Glauber Lopes Mariano Departamento de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br glaubermariano@gmail.com O clima do Brasil pode ser classificado

Leia mais

ENSINANDO E APRENDENDO ANÁLISE INTEGRADA DA PAISAGEM EM CAMPO: COMPARTIMENTOS DA PAISAGEM ENTRE AS CIDADES DE CAICÓ/RN E CATOLÉ DO ROCHA/PB

ENSINANDO E APRENDENDO ANÁLISE INTEGRADA DA PAISAGEM EM CAMPO: COMPARTIMENTOS DA PAISAGEM ENTRE AS CIDADES DE CAICÓ/RN E CATOLÉ DO ROCHA/PB RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ENSINANDO E APRENDENDO ANÁLISE INTEGRADA DA PAISAGEM EM CAMPO: COMPARTIMENTOS DA PAISAGEM ENTRE AS CIDADES DE CAICÓ/RN E CATOLÉ DO ROCHA/PB Marco Túlio Mendonça Diniz 1

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS Como pode cair no enem? (FUVEST) Estas fotos retratam alguns dos tipos de formação vegetal nativa encontrados no território

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

Definição. Unidade Territorial com características naturais bem. Por essa razão, muitas vezes o termo é usado

Definição. Unidade Territorial com características naturais bem. Por essa razão, muitas vezes o termo é usado Definição Compreende-se como sendo uma Unidade Territorial com características naturais bem marcantes e que o individualizam. Por essa razão, muitas vezes o termo é usado como sinônimo para identificar

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

QUESTÕES DE GEOMORFOLOGIA

QUESTÕES DE GEOMORFOLOGIA QUESTÕES DE GEOMORFOLOGIA Conceitos básicos e objetivos da ciência geomorfológica ficha de aula nº 2 (Questões de 1-7) 1- Um dos importantes instrumentos de que dispõe o professor de Geografia para lecionar

Leia mais

Geografia: Domínios Morfoclimáticos

Geografia: Domínios Morfoclimáticos Geografia: Domínios Morfoclimáticos 1. (Ufrgs 2015) Considere as afirmações abaixo, sobre os domínios morfoclimáticos propostos pelo geógrafo Aziz Ab'Saber, os quais resultam da interação de clima, relevo

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH 01. (UDESC_2011_2) Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), existem no Brasil oito Bacias Hidrográficas. Assinale a alternativa

Leia mais

Resoluções das atividades

Resoluções das atividades Resoluções das atividades Sumário Capítulo 5 Estrutura geológica do Brasil... 1 Capítulo 6 Relevo do Brasil... 2 Capítulo 7 Climatologia e tipos de clima do Brasil... 3 Capítulo 5 Estrutura geológica do

Leia mais

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Material de apoio do Extensivo 1. (UNIOESTE) O relevo apresenta grande diversidade de formas que se manifestam, ao longo do tempo e do espaço,

Leia mais

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre.

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. Os fenômenos meteorológicos ocorridos em um instante ou em um dia são relativos ao tempo atmosférico.

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna Domínio Amazônico Clima equatorial Solos relativamente pobres Relevo

Leia mais

D) As planícies brasileiras terminam, na sua grande maioria, em frentes de cuestas nome que se dá às áreas planas das praias.

D) As planícies brasileiras terminam, na sua grande maioria, em frentes de cuestas nome que se dá às áreas planas das praias. 01 - (UDESC 2008) Para classificar o relevo, deve-se considerar a atuação conjunta de todos fatores analisados a influência interna, representada pelo tectonismo, e a atuação do clima, nos diferentes tipos

Leia mais

MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA?

MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA? MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA? A UNIÃO DOS ELEMENTOS NATURAIS https://www.youtube.com/watch?v=hhrd22fwezs&list=plc294ebed8a38c9f4&index=5 Os seres humanos chamam de natureza: O Solo que é o conjunto

Leia mais

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA UFRGS 2012 São fatores limitantes dos biomas: Umidade: ausência ou excesso; Solo: tipo de nutrientes e tempo de intemperismo; Temperatura: Amplitude Térmica; Luz solar:

Leia mais

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R:

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R: Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 7 ANO A Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1-(1,0) A paisagem brasileira está dividida em domínios morfoclimáticos.

Leia mais

Modulo I Mudanças Climáticas

Modulo I Mudanças Climáticas Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Exercícios Extras Silvia Set/09 Modulo I Mudanças Climáticas 1. (UFRJ) A maior parte do aquecimento da atmosfera é proveniente da radiação terrestre: a atmosfera deixa

Leia mais

GEOGRAFIA. c) quanto menores os valores de temperatura e pluviosidade, maior é a

GEOGRAFIA. c) quanto menores os valores de temperatura e pluviosidade, maior é a GEOGRAFIA QUESTÃO 17 A imagem abaixo retrata um dos agentes modeladores da supefície terrestre. Sobre a ação destes agentes externos sobre as rochas todas as afirmações são verdadeiras, EXCETO: a) a profundidade

Leia mais

PROVA DE GEOGRAFIA 4 o BIMESTRE DE 2012

PROVA DE GEOGRAFIA 4 o BIMESTRE DE 2012 PROVA DE GEOGRAFIA 4 o BIMESTRE DE 2012 PROF. FERNANDO NOME N o 1 a SÉRIE A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 8 ANO B Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1- (1,0) A mundialização da produção industrial é caracterizada

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 1º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor: Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 1º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor: Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 1º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor: Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES Estudante: Turma: Data: / / QUESTÃO 1 Fonte: .

Leia mais

O Clima do Brasil. É a sucessão habitual de estados do tempo

O Clima do Brasil. É a sucessão habitual de estados do tempo O Clima do Brasil É a sucessão habitual de estados do tempo A atuação dos principais fatores climáticos no Brasil 1. Altitude Quanto maior altitude, mais frio será. Não esqueça, somente a altitude, isolada,

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS DO MUNDO SAVANAS E DESERTOS 2011 Aula VI AS PRINCIPAIS FORMAÇÕES VEGETAIS DO PLANETA SAVANAS As savanas podem ser encontradas na África, América do Sul e Austrália sendo

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

Exercícios - Fatores Exógenos

Exercícios - Fatores Exógenos Exercícios - Fatores Exógenos 1. A figura abaixo retrata a barreira que o relevo representa para os ventos e as massas de ar. Com base nesta figura são feitas as seguintes afirmativas: ( F ) As letras

Leia mais

Questões para Revisão Cap. 3-7ºs anos - prova 2

Questões para Revisão Cap. 3-7ºs anos - prova 2 Questões para Revisão Cap. 3-7ºs anos - prova 2 1. Um pesquisador visitou as cidades de Salvador, Brasília e Manaus para caracterizar o compartimento geomorfológico de cada uma delas. Ao final do trabalho

Leia mais

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53.

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS 6 e 7: O RELEVO BRASILEIRO PLANALTOS BRASILEIROS: Muito desgastados, antigos, conhecidos também como cinturões orogênicos

Leia mais

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002).

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002). 1 PROGNÓSTICO CLIMÁTICO (Fevereiro, Março e Abril de 2002). O Instituto Nacional de Meteorologia, órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, com base nas informações de análise e prognósticos

Leia mais

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas,

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas, Relevo Brasileiro 1.Rochas magmáticas ou ígneas, formadas pela solidificação do magma.podem ser intrusivas formadas dentro da crosta terrestre ou extrusivas na superfície. Formação das Rochas 2.Rochas

Leia mais

Os principais tipos climáticos mundiais

Os principais tipos climáticos mundiais Os principais tipos climáticos mundiais Os principais tipos climáticos mundiais 1 massas de ar -Definição - Origens - Tipos - Frentes (fria e quente) 2 Climas -O que define os climas? - Tipos de climas

Leia mais

Elementos e Fatores de Diferenciação

Elementos e Fatores de Diferenciação VEGETAÇÃO Elementos e Fatores de Diferenciação VEGETAÇÃO E ZONEAMENTO CLIMÁTICO A interferência climática sobre a cobertura vegetal é um dos principais fatores que possibilitam uma pluralidade paisagística.

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO PROFESSOR JULIO BESSA DISCIPLINA GEOGRAFIA SIMULADO: P4 Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br ALUNO TURMA 601 Questão 1

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA

CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA O comportamento climático é determinado por processos de troca de energia e umidade que podem afetar o clima local, regional

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2012

PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2012 PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2012 PROFa. JULIANA NOME N o 8 o ANO A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Quarta 14 às 18h museu IC II Aula 16 Ação Geológica do Vento Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Stanley Breeden/DRK Ação Geológica do vento

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras Prof. Claudimar Fontinele BACIA HIDROGRÁFICA Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal

Leia mais

Geomorfologia. Professor: Cláudio custódio. www.espacogeografia.com.br

Geomorfologia. Professor: Cláudio custódio. www.espacogeografia.com.br Geomorfologia Professor: Cláudio custódio A um quilometro dali havia um morro com um grande desbarrancado a barreira, como se dizia lá no sítio. O Visconde levo-os para lá. Diante da barreira, parou e

Leia mais

GEOGRAFIA-2013.1. É um espaço definido e delimitado a partir de relações de poder, dominação e apropriação, que nele se instalam.

GEOGRAFIA-2013.1. É um espaço definido e delimitado a partir de relações de poder, dominação e apropriação, que nele se instalam. 40 UEFS - 2013.1 Questões de 21 a 40 Questão 21 I. -2013.1 Constitui a porção do espaço apropriada para a vida, que é vivida, experimentada, reconhecida, e cria identidade para indivíduos e grupos, através

Leia mais

2012 1ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA

2012 1ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 1ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 7º Turma: Data: 24/03/2012 Nota: Professor(a): Valor da Prova: 40 pontos Orientações gerais: 1) Número de

Leia mais

LISTA DE RECUPERAÇÃO 1ª SÉRIE EM

LISTA DE RECUPERAÇÃO 1ª SÉRIE EM COLÉGIO FRANCO-BRASILEIRO NOME: N : TURMA: PROFESSOR(A): ANO: 9º DATA: / / 2014 LISTA DE RECUPERAÇÃO 1ª SÉRIE EM 1. Analise a figura e o texto apresentados a seguir. Atualmente existem três categorias

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO Como pode cair no enem? (UNESP) Leia. Imagens de satélite comprovam aumento da cobertura florestal no Paraná O constante monitoramento nas áreas em recuperação do

Leia mais

Distinguir os conjuntos

Distinguir os conjuntos A UU L AL A Distinguir os conjuntos Nesta aula, vamos acompanhar como os geógrafos distinguem conjuntos espaciais diferenciados na superfície da Terra. Vamos verificar que tais conjuntos resultam de diferentes

Leia mais

Localizaçao brasileira, Divisao Politica e Regional e Aspectos Fisicos

Localizaçao brasileira, Divisao Politica e Regional e Aspectos Fisicos Localizaçao brasileira, Divisao Politica e Regional e Aspectos Fisicos LOCALIZAÇÃO BRASILEIRA O Brasil é um país que integra a América do Sul e apresenta extensão territorial de 8.514.876 km². É o quinto

Leia mais

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil A classificação morfoclimática reúne grandes combinações de fatos geomorfológicos, climáticas, hidrológicos, pedológicos e botânicos que por sua relativa homogeinidade,

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA Aluno (a): 4º ano Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação Sistema Solar. Mapa político do Brasil: Estados e capitais. Regiões

Leia mais

BIOMAS DOMÍNIOS VEGETAIS. Jonathan Kreutzfeld

BIOMAS DOMÍNIOS VEGETAIS. Jonathan Kreutzfeld BIOMAS DOMÍNIOS VEGETAIS Jonathan Kreutzfeld FITOGEOGRAFIA É a ciência que estuda a distribuição geográfica dos vegetais de acordo com as suas características. BIÓTOPO: Delimitação de um habitat. Temperatura

Leia mais

CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL

CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL CLIMA BRASILEIRO O extenso território brasileiro, a diversidade de formas de relevo, a altitude e dinâmica das correntes e massas de ar, possibilitam uma grande diversidade

Leia mais

9º ANO 3º BIMESTRE -TU 902 AULA 5

9º ANO 3º BIMESTRE -TU 902 AULA 5 UD II GEOGRAFIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA E DO CANADÁ 5.. Referências: Geografia em Mapas (pgs. 12 a 13). Geoatlas 9º ANO 3º BIMESTRE -TU 902 AULA 5 NORTE COSTA OESTE COSTA LESTE SUL Rio Mississípi

Leia mais

IC II Lab. Geo Física. Aula 5. Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com

IC II Lab. Geo Física. Aula 5. Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com IC II Lab. Geo Física Aula 5 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Domínios vegetacionais e faunísticos Mudanças climáticas e seres vivos Domínios Morfoclimáticos

Leia mais

Prova bimestral 5 o ANO 1 o BIMESTRE

Prova bimestral 5 o ANO 1 o BIMESTRE Prova bimestral 5 o ANO 1 o BIMESTRE GEOGRAFIA Escola: Nome: Data: / / Turma: Leia: O planeta Terra foi formado há mais de 4 bilhões de anos após uma grande explosão. Na atmosfera havia muita água, gases

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 1º. Pré Universitário Uni-Anhanguera 01 - (UNIVAG MT) (www.movimentodasartes.com.

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 1º. Pré Universitário Uni-Anhanguera 01 - (UNIVAG MT) (www.movimentodasartes.com. Lista de Exercícios-02-Bimestre II Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 1º Disciplina: Geografia Data da prova: 01 - (UNIVAG MT) (www.movimentodasartes.com.br)

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL UM MOSAICO DE PAISAGENS

BIOMAS DO BRASIL UM MOSAICO DE PAISAGENS BIOMAS DO BRASIL UM MOSAICO DE PAISAGENS Principais Biomas Os biomas diferem quanto à fisionomia, estrutura, e fatores ambientais relacionados ao clima, como temperatura, quantidade e distribuição das

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade Escola E.B.,3 de António Feijó Ano letivo 04 05 Planificação anual 7º ano de escolaridade A Terra. Estudos e representações A representação da superfície terrestre A Geografia e o território Compreender

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

ESTUDO DA MORFODINÂMICA E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS NO SEMIÁRIDO

ESTUDO DA MORFODINÂMICA E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS NO SEMIÁRIDO ESTUDO DA MORFODINÂMICA E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS NO SEMIÁRIDO Ana Karolina de Oliveira Sousa (1); Antônio Sávio Magalhaes de Sousa (2); Maria Losângela Martins de Sousa (3); Eder

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 OS BIOMAS DO BRASIL: (Aziz Ab Saber) O que se leva em consideração nesses domínios morfoclimáticos? Clima. Relevo. Solo. Vegetação. Vida. História da Terra e da ocupação

Leia mais

INFORMATIVO CLIMÁTICO

INFORMATIVO CLIMÁTICO GOVERNO DO MARANHÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO NÚCLEO GEOAMBIENTAL LABORATÓRIO DE METEOROLOGIA INFORMATIVO CLIMÁTICO MARANHÃO O estabelecimento do fenômeno El Niño - Oscilação Sul (ENOS) e os poucos

Leia mais

Profª:Sabrine V.Welzel

Profª:Sabrine V.Welzel Geografia 2 ano/ensino Médio Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil 1) (FGV. SP) De acordo com o geógrafo Aziz N. Ab.Sáber, o território brasileiro é constituído por seis domínios morfoclimáticos e fitogeográficos,

Leia mais

DEGRADAÇÃO DAS TERRAS NO SEMI-ÁRIDO NORDESTINO: O CASO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI-PB RESUMO

DEGRADAÇÃO DAS TERRAS NO SEMI-ÁRIDO NORDESTINO: O CASO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI-PB RESUMO DEGRADAÇÃO DAS TERRAS NO SEMI-ÁRIDO NORDESTINO: O CASO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI-PB Eduardo Rubens de Medeiros - Estudante da Graduação em Geografia da UFPB eduardogeografia@yahoo.com.br Maria

Leia mais

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber Ipê Amarelo Fatores que influenciam na distribuição das formações vegetais: Clima 1. Temperatura; 2. Umidade; 3. Massas de ar; 4. Incidência

Leia mais

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8 Climas e Formações Vegetais no Mundo Capítulo 8 Formações Vegetais Desenvolvem-se de acordo com o tipo de clima, relevo, e solo do local onde se situam.de todos estes, o clima é o que mais se destaca.

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Aziz Ab Saber (1965) Vegetação, clima, relevo, hidrografia 6 domínios e faixas de transição Domínios Morfoclimáticos

Leia mais

OCORRÊNCIA DE RUPESTRES BIOMAS NO NOROESTE DO PARANÁ: UMA ANÁLISE GEOECOLÓGICA

OCORRÊNCIA DE RUPESTRES BIOMAS NO NOROESTE DO PARANÁ: UMA ANÁLISE GEOECOLÓGICA OCORRÊNCIA DE RUPESTRES BIOMAS NO NOROESTE DO PARANÁ: UMA ANÁLISE GEOECOLÓGICA Karine Bueno Vargas 1 Juliana Paula Ramos 2 Resumo: Geoecologia é a ciência que atua na interface entre a Geografia e a Ecologia,

Leia mais

Atmosfera e o Clima. Clique Professor. Ensino Médio

Atmosfera e o Clima. Clique Professor. Ensino Médio Atmosfera e o Clima A primeira camada da atmosfera a partir do solo é a troposfera varia entre 10 e 20 km. É nessa camada que ocorrem os fenômenos climáticos. Aquecimento da atmosfera O albedo terrestre

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS RISCOS DE SECA PARA O MUNICÍPIO DE FEIRA DE SANTANA-BA ASSOCIADO À INFLUÊNCIA DO EL NIÑO NO SEMI-ÁRIDO DO NORDESTE BRASILEIRO

AVALIAÇÃO DOS RISCOS DE SECA PARA O MUNICÍPIO DE FEIRA DE SANTANA-BA ASSOCIADO À INFLUÊNCIA DO EL NIÑO NO SEMI-ÁRIDO DO NORDESTE BRASILEIRO 18 AVALIAÇÃO DOS RISCOS DE SECA PARA O MUNICÍPIO DE FEIRA DE SANTANA-BA ASSOCIADO À INFLUÊNCIA DO EL NIÑO NO SEMI-ÁRIDO DO NORDESTE BRASILEIRO Aline F. Diniz¹ Rosângela Leal Santos² Sandra Medeiro Santo³

Leia mais