Concurso para Apresentação de Candidaturas Aviso Nº ACORES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Concurso para Apresentação de Candidaturas Aviso Nº ACORES-50-2015-16"

Transcrição

1 Cncurs para Apresentaçã de Candidaturas Avis Nº ACORES Eix Priritári 2 Melhrar Acess às Tecnlgias da Infrmaçã e da Cmunicaçã, bem cm a sua Utilizaçã e Qualidade. Priridade de Investiment 2.3 Refrç das aplicações n dmíni das TIC para a administraçã em linha, a aprendizagem em linha, a ciberinclusã, a cultura eletrónica e a saúde em linha. Objetiv Específic Reduzir s custs de cntext através d refrç da dispnibilidade e fment da utilizaçã de serviçs em rede da administraçã pública e melhrar a eficiência da administraçã. Dmíni de Intervençã (78) Serviçs e aplicações de administraçã pública em linha (incluind cntrataçã pública eletrónica, medidas TIC de api à refrma da administraçã pública, cibersegurança, medidas de cnfiança e privacidade, justiça eletrónica e demcracia eletrónica) (79) Acess à infrmaçã d setr públic (incluind cultura eletrónica de dads aberts, biblitecas digitais, cnteúds eletrónics e turism eletrónic) (80) Serviçs e aplicações de inclusã eletrónica, acess eletrónic e aprendizagem e ensin eletrónics, literacia digital (81) Sluções TIC para respnder a desafi d envelheciment ativ e saudável e serviçs e aplicações de saúde em linha (incluind a prestaçã de cuidads em linha e a assistência à autnmia eletrónica) Ns terms da Resluçã d Cnselh de Gvern n.º 156/2014, de 6 de nvembr, nmeadamente n que cncerne às cmpetências da Autridade de Gestã d Prgrama Operacinal para s Açres 2020 (PO) e d Regulament de Acess às Priridades de Investiment d PO Açres 2020 financiadas pel Fund Eurpeu de Desenvlviment Reginal (FEDER), cnstante da Resluçã d Cnselh de Gvern n.º 30/2015, de 26 de fevereir (dravante designad pr Regulament de Acess), fi elabrad presente avis para apresentaçã de candidaturas (AAC), de acrd cm n.ºs 1, 6 e 7 d artig 16.º d Regulament Geral ds Funds Eurpeus Estruturais e de Investiment (FEEI), aprvad pel Decret-Lei n.º 159/2014, de 27 de utubr. 1. Objetivs A Agenda Digital e Tecnlógica ds Açres articula-se cm s bjetivs da Agenda Digital Eurpeia e a Agenda Prtugal Digital, relevand a imprtância crescente atribuída à invaçã e a desenvlviment tecnlógic para desenvlviment ecnómic ds Açres. Os efeits d islament e da perifericidade das ilhas pdem ser minimizads pel cntribut das TIC, trnand s Açres um arquipélag inteligente ( smart islands ), tirand partid ds desenvlviments tecnlógics, aplicand-s na prmçã da cmpetitividade das empresas e a eficiência das administrações públicas. O resultad esperad das intervenções a apiar visa a integraçã plena ds cidadãs, increment da qualidade de vida e a melhria substancial das relações entre a administraçã, s cidadãs e s agentes ecnómics, através da utilizaçã intensiva das TIC. Pretende-se que as ações prmvam uma 1 de 11

2 Administraçã Inteligente e que fmentem a prcura e a utilizaçã generalizada das TIC, de md a ptenciar a timizaçã ds recurss e aument da qualidade de vida ds cidadãs. 2. Beneficiáris a) Administraçã Pública Reginal e Lcal; b) Outras entidades públicas. 3. Tiplgia das perações As grandes áreas de intervençã n âmbit da presente AAC sã as seguintes: 3.1 Ações que prmvam uma Administraçã Inteligente, pr via de investiments em equipaments e desenvlviment de sftware; 3.2 Ações que fmentem a prcura e utilizaçã generalizada das TIC, pr via de investiments em infraestruturas, equipaments e desenvlviment de sftware. Sã elegíveis as seguintes tiplgias de peraçã: Área de intervençã 3.1 a) Prjets de dispnibilizaçã de serviçs nline; prjets de desmaterializaçã e reengenharia de prcesss de frnt-ffice e back-ffice que lhe estã assciads, cm frma de simplificaçã administrativa; desenvlviment de platafrmas e-citizen; criaçã de serviçs da administraçã na nuvem (Clud); aument da eficiência na gestã e níveis de desempenh ds sistemas de armazenament de dads; b) Prjets de mdernizaçã administrativa resultantes de ações financiadas n âmbit da priridade de investiment 11.1 e que riginem a melhria u mudança rganizacinal na administraçã reginal u lcal; c) Cnstruçã de platafrma de CRM (Citizen Relatinship Management) para a criaçã d ficheir únic d estudante; d) Prjet e-saúde, que visa a desmaterializaçã de tds s prcesss clínics e administrativs e a unifrmizaçã e infrmatizaçã ds impresss em utilizaçã nas unidades de saúde da Regiã, bem cm d desenvlviment da respetiva base de dads para serviç reginal de saúde; e) Cnstruçã da clud para a educaçã, através d desenvlviment de um sistema de nuvem para s aplicativs educacinais, prmvend a partilha de cnheciments entre s prfissinais das esclas básicas, secundárias e prfissinais; f) Cnstruçã de uma platafrma que identifique tds s equipaments culturais e desprtivs ds Açres e de um sistema integrad de gestã ds equipaments sciais e de transprte para a cmunidade. 2 de 11

3 Área de intervençã 3.2 a) Prjets de dispnibilizaçã de serviçs públics integrads a cidadã, tais cm a Rede Integrada de Api a Cidadã (RIAC); b) Prjets de dispnibilizaçã de Balcões únics de atendiment as Empresáris, tais cm Gabinete de Empresa e Lja da Exprtaçã ; c) Prjets de dispnibilizaçã de uma rede de espaçs vcacinads para us e desenvlviment das TIC, de frma a cntribuir para a integraçã plena ds cidadãs na sciedade e cmbate à infexclusã (prgrama TIC para dirigid a jvens, cidadãs prtadres de deficiência e cidadãs cm necessidades educativas especiais; d) Ações transversais de sensibilizaçã e infrmaçã para us ds serviçs públics digitalizads, pr parte ds cidadãs e das empresas. 4. Definições A presente AAC aplicam-se as definições cnstantes n artig 3º d Regulament de Acess. 5. Âmbit Gegráfic Sã elegíveis as perações lcalizadas na Regiã Autónma ds Açres, prevalecend a regra de elegibilidade territrial em funçã d lcal nde crrem as perações u nde residam s seus beneficiáris. 6. Dtaçã financeira, taxa de cfinanciament e natureza d financiament A dtaçã indicativa d FEDER afeta a presente Avis é de (it milhões e quatrcents mil eurs). A taxa máxima de cfinanciament d FEDER é de 85%, incidind sbre cust ttal elegível. N âmbit d presente Avis, a frma de financiament reveste a natureza de subvençã nã reemblsável. 7. Mdalidades e prcediment para apresentaçã de candidaturas A apresentaçã de candidaturas é feita através de frmulári eletrónic n Balcã 2020 (https://www.prtugal2020.pt/balca2020/), instruída ns terms e cndições fixadas n presente AAC. Para efeit, a entidade beneficiária deverá bter a acreditaçã prévia necessária n Balcã 2020, que cnstitui pnt de acess as Prgramas Operacinais financiads pels FEEI (Funds Eurpeus Estruturais e de Investiment) para tdas as entidades que pretendam candidatar a financiament s seus prjets. A abrig d presente Avis, a apresentaçã de candidaturas decrrerá em cntínu desde 22 de junh de 2015 até 31 de dezembr de de 11

4 7.1. Dcuments a apresentar cm a candidatura Além d frmulári de candidatura e ds respetivs anexs, a candidatura deverá incluir: Dcuments Relativs a Beneficiári: a) Enquadrament d beneficiári e da atividade a desenvlver em sede d IVA; b) Declaraçã em cm a entidade beneficiária nã incrre em qualquer ds impediments e cndicinaments prevists n artig 14º d Decret-Lei n.º 159/2014 de 27 de Outubr Dcuments Relativs à Operaçã: a) Justificaçã da necessidade e da prtunidade da realizaçã da peraçã, incluind a demnstraçã d enquadrament na Agenda Digital e Tecnlógica ds Açres; b) Descriçã da peraçã a desenvlver, evidenciand seu enquadrament nas tiplgias de peraçã d presente AAC, caraterizand cnjunt das atividades, a sua articulaçã e cerência interna, identificand claramente s serviçs d beneficiári que serã bjet de intervençã através da peraçã, descrevend as atuais frmas e prcesss de interaçã cm s cidadãs e as empresas, as transfrmações que se pretendem perar e s respetivs impacts esperads, designadamente a nível da melhria da eficiência e eficácia ds serviçs prestads; c) Infrmaçã sbre s indicadres de realizaçã e de resultad da peraçã; d) Fundamentaçã d cntribut da peraçã para cada um ds Critéris de Seleçã definids n Anex 1 d presente Avis; e) Justificaçã d grau de maturidade da peraçã (indicaçã da fase atual d prcess e calendarizaçã das fases seguintes); f) Pareceres/Licenças e autrizações prévias à execuçã d investiment, quand aplicável, u pedids às entidades cmpetentes quand s mesms nã fram ainda emitids; g) Dcuments cmprvativs das fntes de financiament da peraçã, nmeadamente a inscriçã em Plan, Orçament, Plan de Atividades u d(s) dcument(s) equivalente(s) aprvads; h) Dcuments justificativs ds custs assciads às cmpnentes/rubricas d investiment (cntrats, prpstas aprvadas, rçaments, faturas pró-frma u dcument(s) equivalente(s)). A candidatura deve ainda cnter utra infrmaçã cmplementar que prpnente cnsidere útil e pertinente para a sua análise. 8. Critéris de elegibilidade ds beneficiáris Para além das cndições gerais de acess previstas n artig 8º d Regulament de Acess, s beneficiáris devem estar prevists nas tiplgias d númer 2 d presente Avis. As cndições de elegibilidade d beneficiári devem ser reprtadas à data da candidatura, send admissível que as mesmas pssam ser cmprvadas n limite até à assinatura d term de aceitaçã. 4 de 11

5 9. Critéris de elegibilidade das perações 9.1. Para além ds critéris prevists n artig 6º d Regulament de Acess, as perações devem ainda cumprir s seguintes requisits: a) Demnstrar enquadrament na Agenda Digital e Tecnlógica ds Açres; b) Demnstrar adequad grau de maturidade da prpsta apresentada; c) Demnstrar que se encntra assegurada a cntrapartida d financiament; d) N cas ds prjets geradres de receitas, demnstrem cumpriment das nrmas cmunitárias e nacinais aplicáveis, nmeadamente previst n artig 19.º d Decret-Lei nº 159/2014, de 27 de utubr; e) Demnstrar cumpriment ds nrmativs em matéria de cntrataçã pública; f) Demnstrar respeit pelas plíticas cmunitárias em matéria de igualdade de prtunidades, ambiente e desenvlviment sustentável. Cm parte da prmçã da nã discriminaçã prmvida pela Uniã Eurpeia, cada candidatura deve cmprmeter-se evitar qualquer discriminaçã em razã d sex, rigem racial u étnica, religiã u crença, deficiência, idade u rientaçã sexual. Em particular, a acessibilidade para pessas cm deficiência devem ser tidas em cnta na elabraçã e implementaçã d prjet A mera substituiçã de equipaments infrmátics nã pderá ser cnsiderada cm um prjet de mdernizaçã administrativa. 10. Elegibilidade das despesas Despesas Elegíveis As elegibilidades das despesas estã previstas n artig 11º d Regulament de Acess, cm as exceções estabelecidas n pnt Despesas nã Elegíveis N âmbit das perações, nã sã elegíveis as seguintes despesas: a) Aquisiçã de terrens; b) O IVA e utrs impsts, cntribuições u taxas, nmeadamente impsts direts e cntribuições para a segurança scial sbre as remunerações e saláris, salv se frem efetiva e definitivamente suprtads pel beneficiári. O IVA recuperável, pr qualquer mei que seja, nã pde ser cnsiderad elegível, mesm que nã tenha sid u nã venha a ser efetivamente recuperad pel beneficiári; c) As cntribuições em espécie, quer sejam bens móveis u imóveis u trabalh nã remunerad, salv se estiverem preenchidas as cndições previstas n nº 1 d artig 69º d Regulament (EU) nº 1303/2013 de 17 de dezembr; d) Os custs cm amrtizações, salv se estiverem preenchidas as cndições previstas n nº 2 d artig 69º d Regulament (EU) nº 1303/2013 de 17 de dezembr; 5 de 11

6 e) As despesas cm cntrats efetuads através de intermediáris u cnsultres, em que mntante a pagar é express em percentagem d mntante cfinanciad u das despesas elegíveis da peraçã; f) Os encargs de perações financeiras, as cmissões e perdas cambiais e utras despesas meramente financeiras. Excetuam-se s custs inerentes às diferentes mdalidades de prestaçã de garantias, prestadas pr bancs u utras instituições, desde que estas sejam exigidas pela legislaçã nacinal u cmunitária u pela decisã da Cmissã Eurpeia que aprva PO, u pela Autridade de Gestã; g) As despesas cm hnráris de cnsultas jurídicas, despesas ntariais e despesas de cntabilidade e de auditria. Excetuam-se as despesas diretamente ligadas à peraçã e necessárias à sua preparaçã u execuçã u, tratand-se de despesas de cntabilidade e auditria, as que estiverem relacinadas cm exigências da Autridade de Gestã; h) As despesas cm multas, sanções financeiras e despesas cm prcesss judiciais; i) A despesa paga em numerári u cmpensaçã e quaisquer utrs meis de pagament que nã a transferência bancária a partir de uma cnta bancária cuj beneficiári é titular, cm exceçã em que se revele ser este mei de pagament mais frequente, em funçã da natureza das despesas, e desde que num quantitativ unitári inferir a 250 eurs; j) Transações crridas entre entidades participantes na peraçã; k) Os custs relacinads cm a cmpra de equipaments utilizads; l) A mera substituiçã de equipaments infrmátics Para além das despesas referidas n númer anterir, nã sã bjet de api financeir as despesas que tenham sid realizadas sem respeit pelas regras e princípis aplicáveis, designadamente n que se refere a cntrataçã pública. 11. Seleçã de candidaturas Os prjets sã selecinads através d indicadr de Mérit d Prjet (MP), em funçã de critéris de seleçã aprvads pel Cmité de Acmpanhament d PO AÇORES 2020 tend em cnta s ceficientes de pnderaçã e a metdlgia de cálcul apresentads n Anex 1. Os prjets sã selecinads até a limite rçamental definid n pnt 6 d AAC. 12. Identificaçã ds resultads a alcançar Os prjets a apiar devem identificar de frma clara s resultads a atingir, send bjet de cntratualizaçã cm a Autridade de Gestã. 13. Prcediments de análise e decisã das candidaturas O prcess de análise e decisã sbre as candidaturas apresentadas a financiament d PO é efetuad de acrd cm estabelecid n artig 16º d Regulament de Acess. 6 de 11

7 13.1. Análise Decisã a) Verificaçã ds critéris de elegibilidade d beneficiári e da peraçã, bem cm da elegibilidade das despesas, a qual será efetuada em cnfrmidade cm as cndições estabelecidas ns artigs nº 6º, 8º e 11º d citad Regulament, cnjugadas cm as cnstantes ds pnts 8, 9 e 10 d presente Avis; b) Seleçã das candidaturas admitidas através de uma análise de Mérit d Prjet, cm base ns critéris de seleçã e na metdlgia aprvads pel Cmité de Acmpanhament d Prgrama Operacinal e cnstantes d Anex 1 a Avis; c) A cmprvaçã da aplicaçã ds critéris de seleçã cnsta d prcess da análise e seleçã da candidatura; d) Cncluída a análise das candidaturas e antes de ser adtada a decisã final, s beneficiáris sã uvids n prcediment, ns terms legais, designadamente quant à eventual intençã de indeferiment e as respetivs fundaments. A tmada de decisã sbre financiament é exercida pela Autridade de Gestã, em cnfrmidade cm a análise e a seleçã anterires e após auscultaçã da respetiva Cmissã de Seleçã. A decisã sbre as candidaturas pde ser favrável, desfavrável u favrável mas cndicinada à satisfaçã de determinads requisits. Sbre a calendarizaçã d prcess de decisã, incluind a data limite para a cmunicaçã da decisã às entidades prpnentes: a) A decisã fundamentada sbre as candidaturas é prferida n praz de 45 dias úteis a cntar da data da respetiva apresentaçã. O praz referid suspende-se quand sejam slicitads a beneficiári quaisquer esclareciments, infrmações u dcuments, que só pde crrer pr uma vez, u quand sejam slicitads pareceres externs independentes ds órgãs de gvernaçã d PO; b) Na eventualidade d beneficiári apresentar alegações em sede de audiência prévia a reapreciaçã da candidatura deverá crrer n praz de 20 dias úteis; c) A decisã é ntificada a beneficiári n praz de 5 dias úteis a cntar da data da sua emissã, e frmalizada mediante envi d term de aceitaçã; d) N term de aceitaçã cnstarã, e quand aplicável, s seguintes elements: i. Identificaçã d beneficiári; ii. Identificaçã d PO, d fund, d eix, da priridade de investiment, d bjetiv específic, da tiplgia da peraçã e ds códigs eurpeus crrespndentes; iii. Identificaçã da peraçã; iv. Descriçã sumária da peraçã; v. Identificaçã ds resultads e das realizações cntratualizadas; 7 de 11

8 vi. Plan financeir, cm discriminaçã das cmpnentes/rubricas aprvadas e respetivs mntantes; vii. Datas de iníci e de cnclusã da peraçã; viii. Cust ttal, cust elegível, cm justificaçã das diferenças entre cust ttal e cust elegível, se aplicável; ix. Plan financeir anual, cm discriminaçã das cmpnentes/rubricas aprvadas e respetivs mntantes; x. Mntante anualizad d cust elegível da peraçã pr fntes de financiament, api públic (cmunitári e nacinal), participaçã d beneficiári e as respetivas taxas de participaçã; xi. A identificaçã das cndições exigidas para acautelar a ba execuçã da peraçã; xii. Cnta bancária d beneficiári afeta a prjet, para efeits de cmprvativs da despesa paga e ds pagaments cmunitáris recebids; xiii. Praz para a assinatura e devluçã d term de aceitaçã. e) A aceitaçã d api é feita mediante assinatura de term de aceitaçã u submetida eletrnicamente cm a devida autenticaçã. f) A decisã de aprvaçã caduca cas nã seja assinad u submetid pel beneficiári term de aceitaçã, n praz máxim de 30 dias úteis, a cntar da data da sua ntificaçã, salv mtiv justificad, nã imputável a beneficiári e aceite pela Autridade de Gestã. 14. Obrigações u cmprmisss específics ds beneficiáris Cnfrme artig 14º d Regulament de Acess, as brigações ds beneficiáris sã as que se encntram cnsagradas n nº 1 d artig 24º d Decret-Lei nº 159/2014 de 27 de utubr, sem prejuíz de utras brigações previstas na legislaçã eurpeia u nacinal. As entidades beneficiárias ficam ainda brigadas a: a) Iniciar a execuçã da peraçã n praz máxim de 120 dias após a assinatura d term de aceitaçã; b) Cumprir calendári de execuçã física e financeira, aprvad para a peraçã; c) Cmunicar à Autridade de Gestã qualquer alteraçã u crrência que pnha em causa s pressupsts relativs à aprvaçã da peraçã; d) Respeitar as nrmas estabelecidas na legislaçã ambiental e ns prgramas e plans territriais vigentes, quand aplicável; e) Quand justificável, realizar ações de divulgaçã junt ds ptenciais utilizadres e d públic em geral; f) Apresentar, n praz de 45 dias úteis, a cntar da data de cnclusã da peraçã: i. Pedid de Pagament d Sald Final da peraçã; ii. Relatóri final da peraçã, que deverá ser acmpanhad de ftgrafias e utrs elements infrmativs, de natureza qualitativa e quantitativa; 8 de 11

9 iii. iv. Aut de Receçã Prvisória e Cnta Final da bra u dcument equivalente, que cmprvem a sua cnclusã, sempre que aplicável; Extrats cntabilístics que evidenciem regist individualizad das despesas ttais realizadas e das receitas btidas n âmbit da peraçã, ns terms das brigações cntabilísticas a que cada entidade se encntra sujeita. 15. Mdalidades e s prcediments de apresentaçã, análise e decisã ds pedids de pagament As mdalidades e s prcediments para apresentaçã de pedids de pagament bedecem a estabelecid n artig 17.º d Regulament de Acess, send que as especificidades relativas as pedids de pagament serã definidas n âmbit de rientaçã técnica de gestã dirigida as beneficiáris. 16. Acmpanhament e cntrl da execuçã das perações Os apis financeirs cncedids às perações aprvadas ficam sujeits a acmpanhament da sua utilizaçã, em cnfrmidade cm a decisã aprvada, nas suas cmpnentes material, financeira e cntabilística, de acrd cm nrmas técnicas a definir pela Autridade de Gestã. As perações aprvadas e as entidades beneficiárias ficam sujeitas a ações de cntrl e de auditria a realizar pelas autridades nacinais e cmunitárias cm cmpetência em matéria de certificaçã, auditria e cntrl ds funds cmunitáris atribuíds. 17. Cndições de alteraçã da peraçã As cndições de alteraçã da peraçã aprvada, bedece a estabelecid n artig 18.º d Regulament de Acess, send que em rientações técnicas de gestã, a Autridade de Gestã pderá fixar elements adicinais as prevists. 18. Cntats Pedids de infrmaçã u de esclareciment devem ser dirigids para: Prgrama Operacinal para s Açres 2020 PO AÇORES 2020 Caminh d Mei, 58 Sã Carls Angra d Herísm Tel.: (+351) ; Fax: (+351) Angra d Herísm, 19 de junh de 2015 O Gestr d Prgrama Operacinal para s Açres 2020, Rui Vn Amann 9 de 11

10 Anex 1 Metdlgia para a determinaçã d mérit ds prjets Os critéris de seleçã para as perações candidatas às tiplgias de investiment identificadas n pnt 3 d AAC, relativas a bjetiv específic Reduzir custs de cntext através d refrç da dispnibilidade e fment da utilizaçã de serviçs em rede da administraçã pública e melhrar a eficiência da administraçã (FEDER), sã s seguintes: A. Eficácia mede impact d prjet através d cntribut da peraçã para as metas definidas para Objetiv Específic; B. Cerência da peraçã cm instruments de plítica pública reginal mede grau de relevância/priridade da intervençã n cntext ds instruments de plítica pública reginal, nmeadamente a nível da Agenda Digital e Tecnlógica ds Açres; C. Grau de utilizaçã de bas práticas mede a qualidade d prjet através d grau de utilizaçã de bas práticas já testadas em determinads cntexts; O Mérit ds Prjets (MP) é determinad pela sma pnderada das pntuações parcelares, atribuídas numa escala cmpreendida entre 1 e 5, para cada um ds critéris, de acrd cm a seguinte fórmula: a) MP = 0,4A + 0,4B + 0,2C para a área de intervençã 3.1. b) MP = 0,4A + 0,3B + 0,3C para a área de intervençã 3.2. As candidaturas serã selecinadas cm base numa avaliaçã de mérit abslut e para efeits de seleçã cnsideram-se s prjets que btiverem uma pntuaçã final igual u superir a 3,0 pnts. Os critéris de seleçã, cnstantes da fórmula de determinaçã d Mérit ds prjets, serã pntuads cm base na seguinte metdlgia: 1 O critéri A mede impact d prjet através d cntribut da peraçã para as metas definidas para Objetiv Específic, nmeadamente a prmçã da mdernizaçã administrativa e Administraçã Inteligente e d fment da prcura e utilizaçã generalizada das TIC, d seguinte md: Em que: Prmçã Mdernizaçã Administrativa e Administraçã Inteligente Fment da Prcura e Utilizaçã TIC Puc Relevante Relevante Muit Relevante Puc Relevante Relevante Muit Relevante Prmçã Mdernizaçã Administrativa e Administraçã Inteligente: Puc relevante mera intrduçã/utilizaçã das TIC na administraçã pública sem prmçã de desmaterializaçã e reengenharia de prcesss u simplificaçã administrativa u celeridade prcessual u prmçã de ganhs de eficiência; 10 de 11

11 Relevante - intrduçã/utilizaçã das TIC na administraçã prmvend a desmaterializaçã u reengenharia de prcesss u simplificaçã administrativa u celeridade prcessual u prmçã de ganhs de eficiência; Muit Relevante dispnibilizaçã de serviç públic nline. Fment da Prcura e Utilizaçã das TIC: Puc relevante peraçã que nã prevê a interaçã cm s cidadãs e as empresas; Relevante peraçã que inclui medidas de estímul e sensibilizaçã para utilizaçã das TIC pels cidadãs e empresas na relaçã cm a administraçã pública, bem cm atendiment digital assistid; Muit Relevante para além da peraçã incluir medidas de estimul e sensibilizaçã para a utilizaçã das TIC pels cidadãs e empresas na relaçã cm a administraçã pública, bem cm atendiment digital assistid, a peraçã evidencia ptencial de demnstraçã e disseminaçã de resultads e/u inclua a identificaçã de uma u mais iniciativas n dmíni d benchmarking. 2 O critéri B mede grau de relevância/priridade da intervençã n cntext ds instruments de plítica pública reginal, nmeadamente a nível da Agenda Digital e Tecnlógica ds Açres, avaliad pela entidade respnsável pela sua implementaçã, d seguinte md: a) Puc relevante: 1 pnt; b) Relevante: 3 pnts; c) Muit relevante: 5 pnts. Em que: Puc relevante peraçã n âmbit das TIC mas sem relaçã direta cm a Agenda Digital e Tecnlógica ds Açres; Relevante peraçã integrada numa das medidas da Agenda Digital e Tecnlógica ds Açres; Muit Relevante peraçã integrada em mais d que uma das medidas da Agenda Digital e Tecnlógica ds Açres. 3 O critéri C mede a qualidade d prjet através d grau de utilizaçã de bas práticas já testadas em determinads cntexts, d seguinte md: a) Puc relevante: 1 pnt; b) Relevante: 3 pnts; c) Muit relevante: 5 pnts. Em que: Puc relevante peraçã nã evidencia a intrduçã/utilizaçã de uma ba prática já testada; Relevante peraçã evidencia a intrduçã/utilizaçã de uma ba prática existente na Regiã; Muit Relevante peraçã evidencia a intrduçã/utilizaçã de uma ba prática recnhecida a nível nacinal/internacinal. 11 de 11

AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS (PO SEUR) EIXO PRIORITÁRIO 3 PROTEGER O AMBIENTE E PROMOVER A EFICIÊNCIA DOS RECURSOS

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes: DOC. CA/N/15/08 PROGRAMA OPERACIONAL ALENTEJO EIXO 2 DESENVOLVIMENTO URBANO E EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL INSTRUMENTO: MOBILIDADE TERRITORIAL O presente dcument suprta a apreciaçã d

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores INFORMAÇÃO GAI Apis às empresas pela cntrataçã de trabalhadres N âmbit das plíticas de empreg, Gvern tem vind a criar algumas medidas de api às empresas pela cntrataçã de trabalhadres, n entant tem-se

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas:

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas: 2. Cndições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Síntese ds terms e cndições gerais da Linha de Crédit PME Cresciment ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit PME

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Fund Lcal n Cncelh de Paredes de Cura PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO Entre: O Municípi de Paredes de Cura, pessa clectiva nº 506

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Mecanism Financeir d Espaç Ecnómic Eurpeu 2009-2014 Área Prgramática Energias Renváveis PROGRAMA PT-03: GAIa Prgramme Gethermal Azres Iceland Funds para a Participaçã

Leia mais

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011 Objectiv Tiplgia SI à Qualificaçã e Internacinalizaçã de PME Prjects Individuais e de Cperaçã Avis nº 7/SI/2011 Prmçã da cmpetitividade das empresas através d aument da prdutividade, da flexibilidade e

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais:

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais: PROCEDIMENTOS PARA CERTIFICAÇÃO E/OU RENOVAÇÃO DO CEBAS CNAS CERTIFICAÇÃO/RENOVAÇÃO O Certificad é um ds dcuments exigids para slicitar as seguintes isenções de cntribuições sciais: Parte patrnal da cntribuiçã

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU Cnsulta Serviçs de cnceçã e desenvlviment criativ, prduçã e mntagem d Fórum PORTUGAL SOU EU Julh 2014 Cnteúd 1. Intrduçã... 2 2. Enquadrament... 2 3. Públic-Alv... 2 4. Objetivs da Cnsulta... 3 5. Cndições

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

Formação integrada em Contabilidade, Finanças e Fiscalidade

Formação integrada em Contabilidade, Finanças e Fiscalidade Frmaçã integrada em Cntabilidade, Finanças e Fiscalidade Objetivs Gerais Este Curs pretende dtar e cnslidar ns participantes s cnheciments avançads para desempenh das suas atividades prfissinais ns dmínis

Leia mais

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema.

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema. Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica de Medicaments Revisã 2 Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da Prescriçã Eletrónica de Medicaments

Leia mais

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro Apresentaçã a mercad d crngrama d prcess de adpçã plena das IAS/IFRS n sectr financeir DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 12 de Junh de 2014 Departament de Supervisã Prudencial

Leia mais

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA - SRP DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO - DEFIS CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde Curs Prfissinal de Técnic Auxiliar de Saúde Planificaçã Anual de Higiene, Segurança e Cuidads Gerais An Letiv 2014/2015 Códig Módul Cnteúds - - Apresentaçã 17/09/14 - - Avaliaçã Diagnóstica Inicial 6572

Leia mais

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play Prgrama Agra Nós Vluntariad Jvem Namrar cm Fair Play INTRODUÇÃO A vilência na intimidade nã se circunscreve às relações cnjugais, estand presente quer nas relações de namr, quer nas relações juvenis casinais.

Leia mais

Índice. Introdução. Passo 1 - Conhecer os. O que é capital de risco. Manual

Índice. Introdução. Passo 1 - Conhecer os. O que é capital de risco. Manual Manual O que é capital de risc Índice Intrduçã Pass 1 - Cnhecer s cnceits-base Pass 2 - Cnhecer as frmas de atuaçã Pass 3 - Elabrar um plan de negócis Pass 4 - Apresentar plan de negócis a ptenciais SCR

Leia mais

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro Seminári de Acmpanhament SNPG Área 21 APCNs André F Rdacki Marcia Sares Keske Rinald R J Guirr Áreas de Avaliaçã - CAPES Clégi de Humanidades Ciências Humanas Ciências Sciais Aplicadas Linguística, Letras

Leia mais

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l Fund de Desenvlviment das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i R e g i n a l p a r a B r a s i l e C n e S u l Fnd de Desarrll de las Nacines Unidas para la Mujer O f i c i n a R e g i n a l p

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL Códig: MAP-DILOG-002 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Gerência de Instalações Aprvad pr: Diretria de Lgística 1 OBJETIVO Estabelecer cicl d prcess para a manutençã predial crretiva e preventiva,

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo,

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo, AVISO NORMAS DE INSTRUÇÃO DE PROCESSOS EM FORMATO DIGITAL A Câmara Municipal de Viseu vai iniciar, n próxim dia 5 de Janeir de 2015, a implementaçã da tramitaçã eletrónica ds prcesss de licenciament/admissã

Leia mais

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual PROGRAMA FORMAR / 2009 Mdalidade Api Frmativ Plurianual INSCRIÇÕES - GUIA DE PROCEDIMENTOS De acrd cm a Prtaria nº 1229/2006, de 15 de Nvembr, Institut Prtuguês da Juventude (IPJ) cntinua a prmver a frmaçã

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 Inserir data e Hra 08/10/2012 N.º PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO: Técnic De Turism 2010/2013 DISCIPLINA: Operações Técnicas em Empresas Turísticas An: 3º N.º TOTAL

Leia mais

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 OBJETIVO Infraestrutura e tecnlgia d Prtheus sã a base de uma sluçã de gestã empresarial rbusta, que atende a tdas as necessidades de desenvlviment, persnalizaçã, parametrizaçã

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

Cm Criar Seu Própri Empreg em Apenas 5 Passs 1 1º Pass: A IDEIA 2º Pass: O CONTACTO COM VÁRIAS INSTITUIÇÕES E ENTIDADES 3º Pass: PLANO DE NEGÓCIOS 4º Pass: CRIAÇÃO DA EMPRESA E INÍCIO DE ACTIVIDADE 5º

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt

www.highskills.pt geral@highskills.pt www.highskills.pt geral@highskills.pt Índice Designaçã d Curs... 2 Duraçã Ttal d Curs de Frmaçã... 2 Destinatáris... 2 Objetiv Geral... 2 Objetivs Específics... 2 Estrutura mdular e respectiva carga hrária...

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

Integração do POPH no SIIFSE

Integração do POPH no SIIFSE Integraçã d POPH n SIIFSE Manual de Utilizadr Frmulári de Candidatura as Estágis Prfissinais na Administraçã Pública Lcal - 18 de Fevereir de 2008-1ª Versã ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 1.1 ENQUADRAMENTO E

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO 1. OBJETIVO O Prêmi de Incentiv à Educaçã é uma iniciativa das empresas d Pl Industrial, através d Cmitê de Fment Industrial de Camaçari - COFIC. Tem pr bjetiv estimular,

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

SI Inovação Projectos de Empreendedorismo Qualificado Aviso nº 6/SI/2011

SI Inovação Projectos de Empreendedorismo Qualificado Aviso nº 6/SI/2011 Objectiv Tiplgia SI Invaçã Prjects de Empreendedrism Qualificad Avis nº 6/SI/2011 Prmver a invaçã n tecid empresarial através d estímul a empreendedrism qualificad. Api à criaçã de empresas nvas u nascentes

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TR DIRETORIA INSTITUCIONAL

TERMO DE REFERÊNCIA TR DIRETORIA INSTITUCIONAL TERMO DE REFERÊNCIA TR RETORIA INSTITUCIONAL CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE GESTÃO DE PROJETOS DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL DO XINGU PDRSX UHE BELO MONTE S/A ALTAMIRA PARÁ Janeir, 2016

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING)

CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING) O cnteúd infrmativ dispnibilizad pela presente ficha nã substitui FUNCHAL CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING) ÂMBITO A atividade de venda autmática deve bedecer à legislaçã aplicável à venda

Leia mais

Secretaria-Geral do Ministério da Justiça Plano de Atividades 2015

Secretaria-Geral do Ministério da Justiça Plano de Atividades 2015 Secretaria-Geral d Ministéri da Justiça Plan de Atividades 2015 Dezembr de 2014 SECRETARIA-GERAL DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Plan de Atividades 2015 Dezembr 2014 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Praça d Cmérci 1149-019

Leia mais

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi Benefícis ds serviçs de transprte de táxis cmpartilhads Shared-transprt / Shared-taxi Reuniã de Especialistas sbre Transprte Urban Sustentável: Mdernizand e Trnand Eclógicas as Frtas de Táxis nas Cidades

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P A Pessas e Sistemas, empresa de Cnsultria na área da Gestã e ds Recurss Humans e cm atividade nas áreas de Recrutament e Seleçã, Frmaçã e Cnsultria, prcura para a Câmara Municipal de Amarante - Agência

Leia mais

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010 Meta Priritária 5 Implantar métd de gerenciament de rtinas (gestã de prcesss de trabalh) em pel mens 50% das unidades judiciárias de 1º grau. Esclareciment da Meta Nã estã sujeits a esta meta s tribunais

Leia mais

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5 Agenda: Event Sage AEBB Legislaçã inventári permanente (reduçã ds limites) Cnfigurações inventári permanente (ligaçã à CTB) O inventári a 31 de dezembr (imprtância d cntrl stcks, sage inventáris cntagem

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

Cabe destacar que todo o dinheiro obtido pela associação deve ser usado para cumprir a missão dela; não pode ser dividido entre os associados.

Cabe destacar que todo o dinheiro obtido pela associação deve ser usado para cumprir a missão dela; não pode ser dividido entre os associados. Quais sã as vantagens de criar uma assciaçã? A vantagem de criar uma assciaçã é pder agir legalmente em nme dela, mvimentand recurss e firmand cnvênis. Os cnvênis pdem ser firmads cm s órgãs públics e

Leia mais

Apresentação. Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho

Apresentação. Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho Apresentaçã Higiene, Segurança e Medicina n Trabalh 2011 Autrizações: ACT nº 697 07 1 01 11 DGS nº 065/2011 easymed Av. Clumban Brdal Pinheir, nº61c, 1º - Esc. 13 Tel: +351 21 301 01 00 1070-061 LISBOA

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno Intrduçã Lista de verificaçã d cnteúd d Plan de Emergência Intern (artig 18.º d Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh) O Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh, estabelece regime de prevençã de acidentes

Leia mais

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição Julh 2010 Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids à EDP Distribuiçã DGF/Departament Gestã de Materiais e Equipaments Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 8º an Subdmíni Cmunicaçã e clabraçã CC8 Cnheciment e utilizaçã adequada e segura de diferentes tips de ferramentas de cmunicaçã,

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

Regulamento do programa de bolsas de estudos

Regulamento do programa de bolsas de estudos Regulament d prgrama de blsas de estuds Unidades Ri de Janeir e Sã Paul Data de publicaçã: 13/05/2015 Regulament válid até 30/08/2015 1 1. Sbre prgrama Através de um prcess seletiv, prgrama de blsas de

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema.

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema. Mdel de Cmunicaçã SIDC-Sistema Infrmaçã Descentralizad Cntabilidade Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes d Sistema de Infrmaçã Descentralizad

Leia mais

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI 6.1 Requisits de Capacidade e Experiência d Prestadr A ANEEL deveria exigir um puc mais quant a estes requisits, de frma a garantir uma melhr qualificaçã da empresa a ser cntratada.

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

Apresentação Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho

Apresentação Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho Apresentaçã Higiene, Segurança e Medicina n Trabalh 2009 easymed Rua Jrge Barradas, nº 34 Lj 4/5 Tel: +351 21 301 01 00 1400-319 LISBOA Fax: +351 21 301 11 16 PORTUGAL http://www.easymed.pt A Easymed A

Leia mais

Laboratório Ibero Americano de Inovação Cidadã Convocatória de Projetos

Laboratório Ibero Americano de Inovação Cidadã Convocatória de Projetos Labratóri Iber American de Invaçã Cidadã Cnvcatória de Prjets Cnvcatória aberta para prjets de invaçã cidadã A iniciativa da Secretaria Geral Iber Americana (SEGIB) Cidadania 2.0, a Agencia Espanhla de

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM. Solução de Gestão Eletrônica de Documentos Acadêmicos

GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM. Solução de Gestão Eletrônica de Documentos Acadêmicos GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM Sluçã de Gestã Eletrônica de Dcuments Acadêmics OBJETIVOS DA SOLUÇÃO BENEFÍCIOS GERAIS A Sluçã ECMDOC de Gestã de Dcuments Acadêmics, tem cm principais

Leia mais

Orientações para as Candidaturas

Orientações para as Candidaturas Orientações para as Candidaturas Tiplgia de Intervençã 6.2 (Eix 6) Qualificaçã das Pessas cm Deficiências e Incapacidades. O presente dcument cntém rientações técnicas para efeits de candidatura as apis

Leia mais

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO 10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensã Universitária e Plíticas Públicas Períd 05 a 07 de dezembr de 2007 A 10ª Jrnada

Leia mais