Criação de Recursos Educativos #1: Nuvens, Linhas e outras questões de Música. Fundação C. Gulbenkian, 10 de Março, 2012.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Criação de Recursos Educativos #1: Nuvens, Linhas e outras questões de Música. Fundação C. Gulbenkian, 10 de Março, 2012."

Transcrição

1 Criação de Recursos Educativos #1: Nuvens, Linhas e outras questões de Música Fundação C. Gulbenkian, 10 de Março, h30-17h30

2 Actividades realizadas durante o WS Algumas considerações sobre recursos educativos,

3 1) Andar na sala, de forma livre, explorando o espaço individualmente 2) Experimentar produzir alguns sons vocais que o espaço, o movimento, a presença de outros, possa sugerir 3) Gradualmente desenvolver/refinar esses sons no sentido duma identidade sonora 4) Controlar a densidade sonora e variar o conteúdo da nuvem o som (frase sonora) que caracteriza cada pessoa, naquele espaço e naquele tempo 5) Fazer a nuvem andar no espaço e explorar a ideia de espacializar o som 6) Brincar com a interação e comunicação dentro da nuvem 7) Estruturar a brincadeira, compor com a nuvem Algumas considerações sobre recursos educativos, 8) Aferir e melhorar

4 1) Andar na sala, de forma livre, explorando o espaço 2) Experimentar produzir alguns sons vocais que o espaço, o movimento, a presença de outros, possa sugerir 3) Gradualmente desenvolver/refinar esses sons no sentido duma identidade sonora 4) Controlar a densidade sonora e variar o conteúdo da nuvem Estabelecer a regra som=movimento, silêncio=parar 5) Fazer a nuvem andar no espaço e explorar a ideia de espacializar o som 6) Brincar com a interação e comunicação dentro da nuvem 7) Estruturar a brincadeira, compor com a nuvem Algumas considerações sobre recursos educativos, 8) Aferir e melhorar A textura sonora a que se chega é normalmente complexa (depende do número de pessoas a fazer o exercício e da complexidade de cada uma das células). Uma forma simples de controlar a densidade (e de introduzir variações interessantes na textura sonora) é pedir a um dos participantes ( controlador ) para tocar na pessoa que quer desligar ou ligar, caso esteja em silêncio Podem-se designar mais alguns controladores e eventualmente fazer com que todos possam interagir com todos dessa forma (sendo que as pessoas paradas e em silêncio estão por definição impossibilitadas de ser controladores)

5 1) Andar na sala, de forma livre, explorando o espaço 2) Experimentar produzir alguns sons vocais que o espaço, o movimento, a presença de outros, possa sugerir 3) Gradualmente desenvolver/refinar esses sons no sentido duma identidade sonora 4) Controlar a densidade sonora e variar o conteúdo da nuvem 5) Fazer a nuvem andar no espaço e explorar a ideia de espacializar o som 6) Brincar com a interação e comunicação dentro da nuvem 7) Estruturar a brincadeira, compor com a nuvem Algumas considerações sobre recursos educativos, 8) Aferir e melhorar Uma vez que as regras estejam bem compreendidas é interessante definir algum tipo de forma para uma pequena peça (por exemplo, começar a partir do silêncio e progressivamente ir construindo uma textura mais complexa que depois pode progressivamente simplificar-se até voltar ao silêncio, ou outra qualquer estrutura simples) É muito importante ir aferindo os sons que vão sendo produzidos e dar oportunidade para que progressivamente os participantes possam adaptar o que fizeram inicialmente até chegar a resultados que colectivamente sejam interessantes.

6 1) Andar na sala, de forma livre, explorando o espaço 2) Experimentar produzir alguns sons vocais que o espaço, o movimento, a presença de outros, possa sugerir 3) Gradualmente desenvolver/refinar esses sons no sentido duma identidade sonora 4) Controlar a densidade sonora e variar o conteúdo da nuvem 5) Fazer a nuvem andar no espaço e explorar a ideia de espacializar o som 6) Brincar com a interação e comunicação dentro da nuvem 7) Estruturar a brincadeira, compor com a nuvem Algumas considerações som. Com controladores ainda sobre mais sensíveis passa recursos a ser possível fazer com que educativos, o conteúdo sonoro 8) Aferir e melhorar Comentários e Variações Hipotéticas O resultado sonoro deste exercício pode ser muito interessante, dependendo em absoluto da contribuição individual e da forma como cada pessoa consegue simultaneamente comprender aquilo que faz e aquilo que é o resultado do grupo. Trata-se por isso de um excelente exercício para afinar o sentido da colaboração e a percepção de como um resultado colectivo emerge da contribuição sensível dos vários indivíduos. É contudo, muito fácil, que o resultado a que se chegua seja caricato ou desinteressante, bastando para isso que algumas pessoas, por inibição ou falta de referências, recorram a sonoridades que desviem o foco de atenção do som para significados imediatos que alguns sons possam ter. É frequente este tipo de exercício dar origem a risos nervosos ou motivar a competição disruptiva. Uma das dificuldades tem a ver com conseguir perceber o som do todo por oposição ao som que cada um está a fazer. Dividir um grupo grande em dois grupos mais pequenos e fazer o exercício alternadamente pode ser uma forma muito eficaz de conseguir fazer perceber o exercício. Por outro lado, pode ser interessante definir alguma tipo de contexto sonoro, isto é, restringir a gama sonora da nuvem e isso pode ser feito de forma muito simples e sem palavras comunicando ao ouvido de cada pessoa o som ou tipo de sons que ela deve produzir. Outra variação interessante consiste em fazer com que cada controlador passe à pessoa em que toca o seu som. A complexidade da nuvem dependerá da forma como os controladores interagem entre si e pode-se chegar a graus sofisticados de metamorfose sonora se todos entenderem o potencial que têm de afectar o resultado final multiplicando ou diminuindo o número de pessoas do grupo que fazem o seu que é transmitido ao longo do tempo varie e esta é uma forma muito dinâmica e interactiva de transitar entre complexidade e simplicidade, entre texturas altamente complexas e muito claras que parecem emergir de forma evolutiva a partir duma espécie de magma sonoro.

7 1) Formar um círculo com os participantes 2) Um por um, cada um dos participantes diz o seu nome O grupo repete 3) Na vez seguinte apresentam a sua identidade sonora, o som/frase criado no exercício anterior ou um novo. 4) Na vez seguinte adiciona-se a possibilidade de cada um destes sons poder ser repetido mais do que uma vez 5) Trabalhar a memorização de alguns padrões 6) Pôr o grupo a a ler uma partitura onde cada pessoa codifica uma frase sonora. 7) Criar temas ou sequências que resultam da combinação/repetição/reiteração de vários padrões Algumas considerações sobre recursos educativos, 8) Experimentar a transformação dum som noutro É muito importante que o início e fim de cada um destes loops seja claro, e isso depende sobretudo da clareza com que cada participante expressa os seus gestos. O grupo repete O grupo repetirá o som até que quem o produziu mande parar ou o até que o próximo participante introduza o som seguinte. Adicionar recursos instrumentais pode ser, nesta altura uma opção interessante e pode-se rapidamente reformular o exercício pedindo que cada pessoa re-invente o seu som em função do que aconteceu anteriormente, dando origem a uma espécie de narrativa sonora.

8 1) Formar um círculo com os participantes 2) Um por um, cada um dos participantes diz o seu nome 3) Na vez seguinte apresentam a sua identidade sonora, o som/frase criado no exercício anterior ou um novo. 4) Na vez seguinte adiciona-se a possibilidade de cada um destes sons poder ser repetido mais do que uma vez 5) Trabalhar a memorização de alguns padrões 6) Pôr o grupo a a ler uma partitura onde cada pessoa codifica uma frase sonora. 7) Criar temas ou sequências que resultam da combinação/repetição/reiteração de vários padrões Algumas considerações sobre recursos educativos, 8) Experimentar a transformação dum som noutro Abandonado a sucessão no círculo, seleccionar um número mais reduzido de padrões e garantir que o grupo é capaz de reproduzir o padrão que corresponde a determinada pessoa Designar um controlador que vai indicando diferentes pessoas, permitindo restringir o número de eventos possíveis e trabalhar na repetição/reiteração de alguns motivos

9 1) Formar um círculo com os participantes 2) Um por um, cada um dos participantes diz o seu nome 3) Na vez seguinte apresentam a sua identidade sonora, o som/frase criado no exercício anterior ou um novo. 4) Na vez seguinte adiciona-se a possibilidade de cada um destes sons poder ser repetido mais do que uma vez 5) Trabalhar a memorização de alguns padrões 6) Pôr o grupo a a ler uma partitura onde cada pessoa codifica uma frase sonora. 7) Criar temas ou sequências que resultam da combinação/repetição/reiteração de vários padrões Algumas considerações sobre recursos educativos, 8) Experimentar a transformação dum som noutro morphing Isso pode fazer-se de forma muito simples estabelecendo como regra que o controlador estabelece duas pessoas/sons que se vão transformar. Ficando próximo de um deles o grupo fará o som correspondente, delocando-se progressivamente na direcção do outro som começará a fazer com que o grupo gere sons de transição (cada um encontrará uma forma de estabelecer a transformação dum som noutro) e que o som final fique tão mais claro quanto mais próximo o controldor estiver da pessoa. Uma vez entendida a regra passa a ser possível fazer o percurso em sentido inverso, até meio, etc..

10 Variação Real: 1) Formar um círculo com os participantes 2) Um por um, cada um dos participantes diz o seu nome 3) Na vez seguinte apresentam a sua identidade sonora, o som/frase criado no exercício anterior ou um novo. 4) Na vez seguinte adiciona-se a possibilidade de cada um destes sons poder ser repetido mais do que uma vez 5) Trabalhar a memorização de alguns padrões 6) Pôr o grupo a a ler uma partitura onde cada pessoa codifica uma frase sonora. 7) Criar temas ou sequências que resultam da combinação/repetição/reiteração de vários padrões Algumas considerações participantes. A canção pode ser acompanhada sobre com recursos palmas. educativos, 8) Experimentar a transformação dum som noutro Fazer o mesmo processo com pequenas células melódicas num determinado contexto (por exemplo, em modo Dórico). Após o líder ter abordado o contexto (cantando alguns padrões, improvisando, fazendo o grupo repetir alguns padrões), cada pessoa no círculo cria uma pequena célula melódica/rítmica nesse contexto. Uma forma muito simples de conseguir chegar a este resultado é fazer este jogo inicialmente a partir do nome: normalmente os participantes encontram vocalizações interessantes a partir do seu próprio nome e fazem-no de forma relaxada, enquanto que num contexto puramente musical (sílaba neutra) manifestam alguma apreensão. Após ter ouvido todo o repertório de pquenas células, de forma fluída e encadeada como descrito atrás, poder-se-à começar a trabalhar no sentido da combinação/recombinação de um número mais restrito de células. Este trabalho convém ser realizado em sílaba neutra. Nesta altura pode-se escolher um conjunto de 3-5 células e encadeá-las de forma a produzir o refrão duma canção, por exemplo de boas vindas. Discutindo com o grupo o objectivo dessa canção, chegar-se-á a um conjunto de possibilidades de palavras que podem ser trabalhadas no sentido de virem a ser colocadas nas células previamente criadas, ou, talvez mais interessante, para serem usadas como canto rítmico que contrasta com as células cantadas em sílaba neutra. Palavras muito simples como Olá, Como estás? Como vais? Bom dia, etc. rapidamente originam padrões rítmicos simples. Dividindo grupo em dois e fazendo algumas experiências de pergunta-respostas rapidamente se chega a um refrão rítmico que pode depois alternar com o nome de cada um dos A Figura 1 mostra a canção a que se chegou no WS.

11 Opus Tutti Padrão palmas & 4 Ñ. Ñ Ñ Ñ. Ñ Ñ Padrão falado Ó Œ. r.. Œ Ó o - lá o - lá o - lá co mo estás? 5 & Padrão cantado (sílaba neutra) œ œ œ œ œ œ œ w œ. œ œ œ œ œ œ w Figura 1: Canção composta no WS

12 1) Colocar algumas canetas e um rolo de papel de cenário no chão 2) Criar uma espécie de jogo das cadeiras encontra jogo do alfabeto com o tema playlist 3) Dar algum tempo para que todos possam ler a lista que foi produzida. 4) Jogar o jogo das cadeiras com os títulos das canções 5) Aprofundar o potencial musical que resulta de justapor várias canções 6) Criar uma peça Algumas considerações sobre recursos educativos, Um dos participantes inicia a contagem (em silêncio) do alfabeto, um outro manda parar com stop e a letra do alfabeto aonde o primeiro chegou deverá ser a primeira letra duma palavra do título duma canção. Os participantes deverão escrever no rolo de papel, os títulos de que se lembram. A duração desta fase deve ser controlada e uma das formas interessantes de o fazer é organizar o jogo segundo o princípio do jogo das cadeiras, isto é, tocando um instrumento e fazendo silêncio para determinar a altura em que devem parar de escrever. O mesmo princípio pode ser aplicado à fase do alfabeto, e rapidamente o jogo se rabsforma numa peça fluida de movimento e música. Para introduzir um elemento competitivo pode estipular-se que no final se contabilizará o resultado: ganhará o participante (ou grupo) que tenha conseguido escrever mais títulos de canções (é importante que se eliminem possíveis respostas erradas). O resultado do jogo é um conjunto de títulos de canções, a playlist do grupo.

13 1) Colocar algumas canetas e um rolo de papel de cenário no chão 2) Criar uma espécie de jogo das cadeiras encontra jogo do alfabeto com o tema playlist 3) Dar algum tempo para que todos possam ler a lista que foi produzida É importante que o grupo perceba e identifique o material que foi produzido 4) Jogar o jogo das cadeiras com os títulos das canções 5) Aprofundar o potencial musical que resulta de justapor várias canções 6) Criar uma peça Algumas considerações sobre recursos educativos, Os participantes movem-se livremente à volta da lista ao som de música instrumental ou duma canção. Quando a música pára devem cantar a canção cujo título está escrito no sítio mais próximo onde pararam. A partir daqui pode-se optar pela ideia de jogo, e nesse caso seguir a lógica de sai quem não consegue cantar a canção onde parou, e o jogo prossegue até se ter identificado um vencedor, O facto de haver canções que algumas pessoas não conhecem pode ser um ponto de partida interessante para criar algumas ideias, e aí o jogo pode ser feito de forma diferenet, isto é, os participantes passam a ter que cantar/criar na altura algo de novo a partir dum título. Será uma espécie de brainstorming caótico mas pouco exposto que pode originar algumas pistas que podem posteriormente ser aprofundadas.

14 1) Colocar algumas canetas e um rolo de papel de cenário no chão 2) Criar uma espécie de jogo das cadeiras encontra jogo do alfabeto com o tema playlist 3) Dar algum tempo para que todos possam ler a lista que foi produzida 4) Jogar o jogo das cadeiras com os títulos das canções 5) Aprofundar o potencial musical que resulta de justapor várias canções 6) Criar uma peça Algumas considerações sobre recursos educativos, Controlando por exemplo a intensidade de cada uma das canções, criando uma textura complexa de onde emergem de vez em quando algumas frases com alguma claridade mas que rapidamente se diluem na amálgama de canções. Uma outra forma de organizar de forma simples essa emergência de clareza a partir da complexidade é pedir aos participantes que confluam para a canção que estiverem a ouvir e que lhes chame a atenção, ou seja, que deixem de cantar a sua canção e passem a cantar uma outra que parece estar a emergir. Estas ideias podem alternar com voltar ao estado de elevada densidade

15 1) Colocar algumas canetas e um rolo de papel de cenário no chão 2) Criar uma espécie de jogo das cadeiras encontra jogo do alfabeto com o tema playlist 3) Dar algum tempo para que todos possam ler a lista que foi produzida 4) Jogar o jogo das cadeiras com os títulos das canções 5) Aprofundar o potencial musical que resulta de justapor várias canções 6) Criar uma peça Algumas considerações sobre recursos educativos, Usando os dois recursos mencionados anteriormnte, estabelecer uma sequência de densidades que pode evoluir no sentido de um drone final (uma nota longa, em uníssono, ou um outro gesto sonoro), ou ao contrário (começar a partir de algo muito simples e evoluir no sentido da babel ), ou ainda fazendo com que o drone seja uma espécie de refrão que é cantado enquanto há movimento, por oposição aos momentos de justaposição de canções, que acontecem quando o grupo para.

16 De volta à playlist o objectivo é agora tentar compreender uma canção em particular e criar algo de novo a partir de algumas das características dessa canção. 1) Pedir a um dos participantes para identificar uma canção que lhe chamou a atenção 2) Pedir que alguém a cante para o grupo a pessoa que escreveu ou várias que a conheçam Passeio 3) Fazer com na que Nuvem todo o grupo aprenda das esse Canções material de preferência uma que não tenha sido escrita por ele No caso concreto desta sessão a Maria identificou a canção Zuvi Zeva Novi dos Mler Ife Dada e cantou o refrão para o grupo, que o aprendeu rapidamente. não a totalidade, apenas algo que tenha características evidentes 4) Discutir com o grupo quais são as principais características daquilo que aprenderam 5) Dividir o grupo em sub-grupos e pedir para se criarem sequências originais a partir dos mesmos elementos 6) Organizar uma primeira performance das versões originais para o resto do grupo Tratava-se de uma ideia onde se destacava a presença de palavras inventadas que funcionavam como pequenos elementos rítmicos 7) Acertar/modificar alguns aspectos e trabalhar/praticar de forma a que cada grupo seja convincente Algumas considerações sobre recursos educativos, 8) Aprofundar algumas características que permitam distanciar o resultado final do ponto de partida inicial

17 1) Pedir a um dos participantes para identificar uma canção que lhe chamou a atenção 2) Pedir que alguém a cante para o grupo Passeio 3) Fazer com na que Nuvem todo o grupo aprenda das esse Canções material 4) Discutir com o grupo quais são as principais características daquilo que aprenderam 5) Dividir o grupo em sub-grupos e pedir para se criarem sequências originais a partir dos mesmos elementos 6) Organizar uma primeira performance das versões originais para o resto do grupo 7) Acertar/modificar alguns aspectos e trabalhar/praticar de forma a que cada grupo seja convincente Algumas considerações sobre são cada recursos uma das pequenas variações que educativos, grupos criaram. 8) Aprofundar algumas características que permitam distanciar o resultado final do ponto de partida inicial Uma forma interessante de o fazer é trabalhando uma espécie de canção ou rondó em que o refrão é o material de partida (a canção inicial que o grupo aprendeu) e os versos

18 1) Pedir a um dos participantes para identificar uma canção que lhe chamou a atenção 2) Pedir que alguém a cante para o grupo Passeio 3) Fazer com na que Nuvem todo o grupo aprenda das esse Canções material 4) Discutir com o grupo quais são as principais características daquilo que aprenderam 5) Dividir o grupo em sub-grupos e pedir para se criarem sequências originais a partir dos mesmos elementos 6) Organizar uma primeira performance das versões originais para o resto do grupo 7) Acertar/modificar alguns aspectos e trabalhar/praticar de forma a que cada grupo seja convincente Algumas considerações sobre recursos educativos, 8) Aprofundar algumas características que permitam distanciar o resultado final do ponto de partida inicial Após uma primeira antevisão daquilo que poderá vir a ser um resultado interessante, é importante identificar pontos fracos e fortes da ideia e voltar ao trabalho de grupo Ou seja, adaptar as ideias às capacidades reais de cada um dos grupos e insistir na qualidade da apresentação

19 1) Pedir a um dos participantes para identificar uma canção que lhe chamou a atenção 2) Pedir que alguém a cante para o grupo Passeio 3) Fazer com na que Nuvem todo o grupo aprenda das esse Canções material 4) Discutir com o grupo quais são as principais características daquilo que aprenderam 5) Dividir o grupo em sub-grupos e pedir para se criarem sequências originais a partir dos mesmos elementos 6) Organizar uma primeira performance das versões originais para o resto do grupo 7) Acertar/modificar alguns aspectos e trabalhar/praticar de forma a que cada grupo seja convincente Algumas considerações sobre recursos educativos, numa outra base. 8) Aprofundar algumas características que permitam distanciar o resultado final do ponto de partida inicial sem que se perca o raciocínio estrutural que foi até aí desenvolvido Algumas transformações simples e claras (por exemplo as sílabas, alguns padrões rítmicos, o andamento, a pulsação) introduzem mudanças muito grandes sem que se perca o sentido da forma ou a capacidade de rapida e convictamente expressar o material A Figura 2 mostra alguns dos padrões da canção a que se chegou no WS

20 toca taka toca tuti toca taka tuti toca taka toca tuti toca taaa aaaatuti tuti tuti taka toca, tuti taka toca, tuti taka toca, tuti taka toca taaa, tuti taka toca, tuti taka toca, tuti taka toca, tuti taka toca taaa tuti taka toca, tuti toca taka, toca taka tuti, tuti tuti toka taaa aaaa aaaa toca tuti toca toca toca taka tuti toca ---- takata takata taka ta Figura 2: Alguns dos padrões da canção composta no WS. A canção incluia também um refrão cantado num modo misto em sílaba neutra.

21 Algumas considerações sobre recursos educativos, Com este conjunto de sessões pretendemos contribuir para que educadores, pais, músicos tenham ao seu dispor instrumentos de interacção com as crianças que contribuam para o seu desenvolvimento. Esta é uma definição muito genérica e muitas actividades certamente se qualificariam para este desígnio, mas o nosso ponto de partida tem a ver com brincar e com música. Embora possa parecer que estamos mais próximo de conseguir definir com alguma objectividade um campo de acção isso é apenas ilusório: de que música estamos a falar? de que formas de brincar? de que brincantes? o que fundamenta as opções dos brincantes-maiores?

22 Algumas considerações sobre recursos educativos, Com este conjunto de sessões pretendemos contribuir para que educadores, pais, músicos tenham ao seu dispor instrumentos de interacção com as crianças que contribuam para o seu desenvolvimento. Esta é uma definição muito genérica e muitas actividades certamente se qualificariam para este desígnio, mas o nosso ponto de partida tem a ver com brincar e com música. Embora possa parecer que estamos mais próximo de conseguir definir com alguma objectividade um campo de acção isso é apenas ilusório: de que música estamos a falar? de que formas de brincar? de que brincantes? o que fundamenta as opções dos brincantes-maiores? Eu diria, de forma Lapalissiana, que as opções que tomamos são aquilo que é possível fazer com o que conhecemos. Conhecer mais é ter mais opções.

23 Será que existe uma canção sobre o vento? Sobre um gato, um caracol? Quais são as Algumas considerações sobre recursos educativos, Com este conjunto de sessões pretendemos contribuir para que educadores, pais, músicos tenham ao seu dispor instrumentos de interacção com as crianças que contribuam para o seu desenvolvimento. Esta é uma definição muito genérica e muitas actividades certamente se qualificariam para este desígnio, mas o nosso ponto de partida tem a ver com brincar e com música. Embora possa parecer que estamos mais próximo de conseguir definir com alguma objectividade um campo de acção isso é apenas ilusório: de que música estamos a falar? de que formas de brincar? de que brincantes? o que fundamenta as opções dos brincantes-maiores? Eu diria, de forma Lapalissiana, que as opções que tomamos são aquilo que é possível fazer com o que conhecemos. Conhecer mais é ter mais opções. Conhecer o que conhecemos é um primeiro passo muito importante (muitas vezes não estamos conscientes daquilo que sabemos, e no caso das canções isso é particularmente evidente porque há questões que se prendem com a forma como catalogamos as nossas memórias). Esse deve ser um exercício diário. Quanto vamos na rua e vemos um automóvel, uma flor ou uma casa podemo-nos perguntar: sei alguma canção sobre um automóvel, uma flor, uma casa? Podemos construir a nossa playlist de muitas formas materiais (uma lista de títulos, um conjunto de mp3s, partituras, livros, etc.) mas o mais importante é a playlist que está armazenada na nossa memória, a que podemos em qualquer altura recorrer e essa precisa de ser alimentada e exercitada. É, acima de tudo, relevante procurar mais e para além daquilo que já se sabe. canções afrivanas que eu sei? Sei alguma chinesa? Espanhola? Há inúmeras formas de procurar, dar o passo e ir à procura é o mais importante.

24 Algumas considerações sobre recursos educativos, Com este conjunto de sessões pretendemos contribuir para que educadores, pais, músicos tenham ao seu dispor instrumentos de interacção com as crianças que contribuam para o seu desenvolvimento. Esta é uma definição muito genérica e muitas actividades certamente se qualificariam para este desígnio, mas o nosso ponto de partida tem a ver com brincar e com música. Embora possa parecer que estamos mais próximo de conseguir definir com alguma objectividade um campo de acção isso é apenas ilusório: de que música estamos a falar? de que formas de brincar? de que brincantes? o que fundamenta as opções dos brincantes-maiores? Eu diria, de forma Lapalissiana, que as opções que tomamos são aquilo que é possível fazer com o que conhecemos. Conhecer mais é ter mais opções. Conhecer o que conhecemos é um primeiro passo muito importante (muitas vezes não estamos conscientes daquilo que sabemos, e no caso das canções isso é particularmente evidente porque há questões que se prendem com a forma como catalogamos as nossas memórias). Esse deve ser um exercício diário. Quanto vamos na rua e vemos um automóvel, uma flor ou uma casa podemo-nos perguntar: sei alguma canção sobre um automóvel, uma É, também importante perceber que a forma mais sustentável de ampliar a nossa colecção de flor, uma casa? Podemos construir a nossa playlist de muitas formas materiais (uma recursos é, mais do que coleccionar produtos, compreender processos e construir a partir daí. lista de títulos, um conjunto de mp3s, partituras, livros, etc.) mas o mais importante é a Perceber que uma canção é feita de pequenos padrões, pequenas frases que podem ser recombinadas, abre a playlist que está armazenada na nossa memória, a que podemso em qualquer altura porta para podermos fazer as nossas canções a partir de elementos que ouvimos á nossa volta (sejam eles recorrer e essa precisa de ser alimentada e exercitada. outras canções, sequências de sons emitidos por objectos ou por pessoas ou animais). Compreender que É, acima de tudo, relevante procurar mais e para além daquilo que já se sabe. Será que esses padrões ou frases se tornam particularmente coerentes quando se estabelece um contexto, ou se existe uma canção sobre o vento? Sobre um gato, um caracol? Há inúmeras formas de quisermos ao contrário, que há associações que nós fazemos relativamente aos sons que parecem definir uma procurar, dar o passo e ir à procura é o mais importante. lógica (seja ela uma pulsação ou uma série de alturas de sons), permite criar uma gama muito concreta de possibilidades que qualquer pessoa pode explorar com resultados visíveis, ainda que ao início possa haver um pouco de desconforto.

25 Algumas considerações sobre recursos educativos, Não é muito diferente de organizar Com este conjunto de sessões pretendemos contribuir para que educadores, pais, músicos tenham ao seu dispor instrumentos de interacção com as crianças que contribuam para o seu desenvolvimento. Esta é uma definição muito genérica e muitas actividades certamente se qualificariam para este desígnio, mas o nosso ponto de partida tem a ver com brincar e com música. Embora possa parecer que estamos mais próximo de conseguir definir com alguma objectividade um campo de acção isso é apenas ilusório: de que música estamos a falar? de que formas de brincar? de que brincantes? o que fundamenta as opções dos brincantes-maiores? Eu diria, de forma Lapalissiana, que as opções que tomamos são aquilo que é possível fazer com o Alguns exemplos muito concretos disto são as canções que foram criadas em Um Plácido Domingo (UPD) ou neste workshop. A canção Viagem (UPD) nasceu dum exercício de grupo com bambus. Os bambus produzem sons de altura que conhecemos. Conhecer mais é ter mais opções. definida que dependem do comprimento. Começamos por brincar com os bambus de forma livre e apreciámos a amálgama de sons que se obtêm quando muitas alturas diferentes coexistem e quando cada um faz ritmos diferentes dos outros. Veio-nos à ideia o som da chuva ou do vento em espanta-espíritos e construímos peças de música usando esses recursos (tomámos decisões sobre como começar, como evoluir e como finalizar, ou seja sobre como Conhecer o que conhecemos é um primeiro passo muito importante (muitas vezes não estamos estruturar, arquitectar os vários sons possíveis ao longo dum determinado tempo. conscientes daquilo que sabemos, e no caso das canções isso é particularmente evidente porque há questões que se prendem com a forma como catalogamos as nossas memórias). Esse deve ser um exercício diário. Quanto vamos na rua e vemos um automóvel, uma flor ou É, também importante perceber que a forma mais sustentável de ampliar a nossa uma casa podemo-nos perguntar: sei alguma canção sobre um automóvel, uma flor, uma casa? colecção de recursos é, mais do que coleccionar produtos, compreender processos e Podemos construir a nossa playlist de muitas formas materiais (uma lista de títulos, um construir a partir daí. Perceber que uma canção é feita de pequenos padrões, conjunto de mp3s, partituras, livros, etc.) mas o mais importante é a playlist que está pequenas frases que podem ser recombinadas, abre a porta para podermos fazer as Passámos depois a usar uma gama muito mais restrita de comprimentos das canas, apenas dois tamanhos, e armazenada na nossa memória, a que podemso em qualquer altura recorrer e essa precisa de nossas canções a partir de elementos que ouvimos á nossa volta (sejam eles outras procuramos sincronizar o grupo à volta de dois ou três ritmos, que quando combinados produziam um contexto ser alimentada e exercitada. canções, sequências de sons emitidos por objectos ou por pessoas ou animais). regular, simples e interessante. De seguida pedimos a uma pessoa para, sobre essa base, cantar algo que lhe É, acima de tudo, relevante procurar mais e para além daquilo que já se sabe. Compreender que esses padrões ou frases se tornam particularmente coerentes apetecesse. Fê-lo de forma muito simples e o grupo repetiu. Era uma frase com apenas duas alturas (notas) também. Será que existe uma canção sobre o vento? Sobre um gato, um caracol? Há quando se estabelece um contexto, ou se quisermos ao contrário, que há associações De seguida perguntámos quem queria sugerir outra frase para acrescentar à primeira. E assim sucessivamente. inúmeras formas de procurar, dar o passo e ir à procura é o mais importante. que nós fazemos relativamente aos sons que parecem definir uma lógica (seja ela uma pulsação ou uma série de alturas de sons), permite criar uma gama muito Este foi também o processo que usámos na canção Olá... deste workshop, sendo que aí o contexto foi estabelecido concreta de possibilidades que qualquer pessoa pode explorar com resultados à partida (o modo Dórico e pulsação binária, a mesmo tipo de relações entre alturas e durações que é usado em Caracol, por exemplo). visíveis, ainda que ao início possa haver um pouco de desconforto. sequências de movimentos do corpo (dança) ou de imagens (filme ou animação), mas no caso da música aquilo que organizamos é o som e não existe (embora possa existir) uma preocupação em que essa organização traduza alguma coisa do mundo real. Ou seja, podemos organizar os sons da forma que entendermos e procuramos que seja o encadeamento entre eles aquilo que nos orienta. É um raciocínio idêntico ao que se faz quando se cria uma história em grupo, a diferença é que neste caso usamos apenas 3 ou 4 frases.

LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS EXPRESSÃO MUSICAL

LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS EXPRESSÃO MUSICAL ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DAS VELAS LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS EXPRESSÃO MUSICAL 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO 1 DO ENSINO BÁSICO CE 1 CE 5 CE 8 CE 12 CE 14 Interpretação e comunicação

Leia mais

2012/13 [PLANO ANUAL - AEC DE EXPRESSÃO MUSICAL]

2012/13 [PLANO ANUAL - AEC DE EXPRESSÃO MUSICAL] 2012/13 [PLANO ANUAL - AEC DE EXPRESSÃO MUSICAL] Plano Anual de Expressão Musical Ano Letivo 2012/2013 Introdução: Esta atividade pretende que os alunos fortaleçam o gosto natural pela expressão musical

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS 1 NOTA INTRODUTÓRIA Programa Música - AEC (1º e 2º Ano - 1º CEB) (Adaptação do Programa do 1º Ciclo Plano da Meloteca) No âmbito da Expressão e Educação Musical, ao abrigo do Despacho n.º 9265-B/2013,

Leia mais

Planificação MÚSICA TIMORENSE NO 2.º CICLO: APRENDIZAGENS ARTÍSTICAS E CULTURAIS

Planificação MÚSICA TIMORENSE NO 2.º CICLO: APRENDIZAGENS ARTÍSTICAS E CULTURAIS MÚSICA TIMORENSE NO 2.º CICLO: APRENDIZAGENS ARTÍSTICAS E CULTURAIS Sessão n.º 1 1- Apresentação do projeto: objectivos e finalidades; 2- Apresentação dos objetivos e finalidades; 3- Música Timorense (He-le-le);

Leia mais

O canto coletivo, ensinando a canção Samba lelê

O canto coletivo, ensinando a canção Samba lelê O canto coletivo é a prática musical mais elementar na educação musical, grandes educadores musicais como Dalcroze, Kodaly, Willems, Villa-Lobos e outros, utilizavam a voz e o canto coletivo como ponto

Leia mais

Música é linguagem que organiza, intencionalmente, os sons e o silêncio, no continuum espaço-tempo.

Música é linguagem que organiza, intencionalmente, os sons e o silêncio, no continuum espaço-tempo. CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO MUSICAL SESC/SEDU MÓDULO 1: ELEMENTOS DA MÚSICA PROF. DARCY ALCANTARA (UFES) CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO MUSICAL SESC/SEDU DOMINGO - MANHÃ REVISÃO DOS CONCEITOS DE MÚSICA, RITMO E MELODIA

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

Competências Gerais a Desenvolver no Pré-Escolar

Competências Gerais a Desenvolver no Pré-Escolar Competências Gerais a Desenvolver no Pré-Escolar ÁREA DA FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL SOCIALIZAÇÃO Desenvolver atitudes procedimentos e conceitos Interiorizar valores espirituais morais e críticos Desenvolver

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

Projeto Iniciação Musical no Jardim de Infância

Projeto Iniciação Musical no Jardim de Infância Projeto Iniciação Musical no Jardim de Infância ( ) o movimento, o cantar e o tocar se tornam um todo ( ) Com base na espontaneidade dos jogos musicais e corporais das crianças, que têm, na sua base razões

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Expressar curiosidade e desejo de saber; Reconhecer aspetos do mundo exterior mais próximo; Perceber a utilidade de usar os materiais do seu quotidiano;

Leia mais

Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves

Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves 5º e 6º ano Professor Hugo Costa 2009/2010 A Cappella música vocal sem acompanhamento de instrumentos musicais. Accelerando - Aumento gradual do andamento de uma parte

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Expressões e Tecnologias Planificação Anual de Educação Musical 5º ano Ano Letivo 2013/2014

Leia mais

PRINCÍPIOS DO PROGRAMA DE EXPRESSÃO MUSICAL

PRINCÍPIOS DO PROGRAMA DE EXPRESSÃO MUSICAL PRINCÍPIOS DO PROGRAMA DE EXPRESSÃO MUSICAL Música nas Actividades de Enriquecimento Curricular Princípios organizados por anos de escolaridade. Voz, corpo, instrumentos, audição, expressão e criação ao

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES ENSINO BÁSICO 2º CICLO PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES ENSINO BÁSICO 2º CICLO PLANIFICAÇÃO ANUAL Domínios e Subdomínios Desenvolvimento da Capacidade de Expressão e Comunicação: Interpretação e Comunicação INDICADORES O aluno canta controlando a emissão vocal em termos de afinação e respiração. O

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

ESCOLA PIRLILIM / ANO 2015 PLANO DE UNIDADE PLANO DA I UNIDADE

ESCOLA PIRLILIM / ANO 2015 PLANO DE UNIDADE PLANO DA I UNIDADE ESCOLA PIRLILIM / ANO 2015 PLANO DE UNIDADE GRUPO: 7 PERÍODO: / à / ÁREA DO CONHECIMENTO: Música CARGA HORÁRIA: COMPETÊNCIAS E HABILIDADES PLANO DA I UNIDADE - Conhecer e criar novas melodias. - Desenvolver

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA As letrinhas mágicas. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Uma visita ao zoológico. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO As Vogais vão ao zoológico e têm contato com

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO. Concerto encenado em classe de conjunto: estudo sobre perceções e aprendizagens

PROGRAMAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO. Concerto encenado em classe de conjunto: estudo sobre perceções e aprendizagens PROGRAMAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO Concerto encenado em classe de conjunto: estudo sobre perceções e aprendizagens Ana Estevens, nº 120138001 Trabalho realizado na Unidade Curricular de Processos de Experimentação

Leia mais

Introdução à Arte da Ciência da Computação

Introdução à Arte da Ciência da Computação 1 NOME DA AULA Introdução à Arte da Ciência da Computação Tempo de aula: 45 60 minutos Tempo de preparação: 15 minutos Principal objetivo: deixar claro para os alunos o que é a ciência da computação e

Leia mais

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês 3 Truques Para Obter Fluência no Inglês by: Fabiana Lara Atenção! O ministério da saúde adverte: Os hábitos aqui expostos correm o sério risco de te colocar a frente de todos seus colegas, atingindo a

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

Reflexão. A Música, as Canções e a utilização de instrumentos na Educação. Aluna: Ana Isabel Araújo Olim

Reflexão. A Música, as Canções e a utilização de instrumentos na Educação. Aluna: Ana Isabel Araújo Olim 1 Reflexão A Música, as Canções e a utilização de instrumentos na Educação Aluna: Ana Isabel Araújo Olim As escolas, ao longo do ano letivo, trabalham várias temáticas sociais. O infantário Donamina, para

Leia mais

Planejamento. Educação infantil Ciranda Nível 3. Unidade 1: Cirandando

Planejamento. Educação infantil Ciranda Nível 3. Unidade 1: Cirandando Linguagem oral e escrita Planejamento Educação infantil Ciranda Nível 3 Unidade 1: Cirandando Formas textuais Conhecer diferentes tipos de textos. Conhecer um texto instrucional e sua função social. Priorizar

Leia mais

46 Dona Nobis Pacem: alturas Conteúdo

46 Dona Nobis Pacem: alturas Conteúdo Introdução Formação de tríades maiores menores Arpejos maiores e menores Cânone Sobreposição de vozes formando acordes Inversão de acordes Versões do cânone Dona Nobis Tonalidades homônimas Armaduras Influência

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE Unidade II ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Ana Lucia M. Gasbarro A formação pessoal e social da criança, áreas de conhecimento e desenvolvimento da criança Introdução A importância

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL. PRÉ I Professoras Caroline e Ana Lucia Habilidades vivenciadas no 2º bimestre 2011

EDUCAÇÃO INFANTIL. PRÉ I Professoras Caroline e Ana Lucia Habilidades vivenciadas no 2º bimestre 2011 EDUCAÇÃO INFANTIL Prezados Pais e/ou Responsáveis, Estamos vivenciando o segundo bimestre letivo e o processo de aprendizagem representa pra nós, motivo de alegria e conquistas diárias. Confiram as habilidades

Leia mais

Planificação Anual 1º Ano AEC Expressão Musical 2014/2015

Planificação Anual 1º Ano AEC Expressão Musical 2014/2015 Planificação Anual 1º Ano AEC Expressão Musical 2014/2015 Unidades Conteúdos Competências Actividades Recursos/Materiais Unidade 1 Unidade 2 Primeira Abordagem lúdica de Sensibilização e exploração do

Leia mais

Sentido de número e visualização no pré escolar e primeiros anos

Sentido de número e visualização no pré escolar e primeiros anos no pré escolar e primeiros anos Cenfores 2009 As relações mais, menos e o mesmo que Estes conceitos são as relações mais básicas para o conceito de número no seu aspecto mais global e a criança começa

Leia mais

Anexo 1: Jogos da dramatização e exercícios

Anexo 1: Jogos da dramatização e exercícios Anexo 1: Jogos da dramatização e exercícios Charadas Charadas é um jogo relativamente famoso em alguns lugares. Pode ser jogado de forma sentação de um tema por um indivíduo ou por um grupo. jogo. Eles

Leia mais

Alunos dorminhocos. 5 de Janeiro de 2015

Alunos dorminhocos. 5 de Janeiro de 2015 Alunos dorminhocos 5 de Janeiro de 2015 Resumo Objetivos principais da aula de hoje: entender a necessidade de se explorar um problema para chegar a uma solução; criar o hábito (ou pelo menos entender

Leia mais

Copos e trava-línguas: materiais sonoros para a composição na aula de música

Copos e trava-línguas: materiais sonoros para a composição na aula de música Copos e trava-línguas: materiais sonoros para a composição na aula de música Andréia Veber Rede Pública Estadual de Ensino de Santa Catarina andreiaveber@uol.com.br Viviane Beineke Universidade do Estado

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL 1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR REGISTO DE OBSERVAÇÃO / AVALIAÇÃO Nome Data de Nascimento / / Jardim de Infância de Educadora de Infância AVALIAÇÃO

Leia mais

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS QUE OPORTUNIDADES PÓS-LICENCIATURA ESPERAM? EXPECTATIVAS QUE INQUIETAÇÕES TÊM OS ALUNOS DE DC? MADALENA : M QUAL É A TUA PERSPECTIVA DO MERCADO

Leia mais

10 Educação Musical: planejamento e atividades Conteúdo

10 Educação Musical: planejamento e atividades Conteúdo Planejamento de atividades lúdicas em Educação Musical Planejamento de atividades em Educação Musical Criando estratégias de ensino e aprendizagem musical Questões para pensar estratégias de ensino e aprendizagem

Leia mais

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Francine Kemmer Cernev francine@cernev.com.br Universidade Estadual de Londrina/ Colégio Nossa Senhora do Rosário, Cornélio Procópio/PR/

Leia mais

A AULA DE CANTO EM UM PROJETO SOCIAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

A AULA DE CANTO EM UM PROJETO SOCIAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 A AULA DE CANTO EM UM PROJETO SOCIAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Ruth de Sousa Ferreira Silva 1 rutssilva@hotmail.com UnB Tutora à distância Curso de Licenciatura em Música Resumo Este relato de experiência

Leia mais

CURRÍCULO DE MÚSICA NO 1º CICLO Música nas Actividades de Enriquecimento Curricular. Cursos de Formação Contínua de Professores

CURRÍCULO DE MÚSICA NO 1º CICLO Música nas Actividades de Enriquecimento Curricular. Cursos de Formação Contínua de Professores CURRÍCULO DE MÚSICA NO 1º CICLO Música nas Actividades de Enriquecimento Curricular Cursos de Formação Contínua de Professores Meloteca 02/07/2008 1º ANO DE ESCOLARIDADE VOZ Desenvolver os aspectos essenciais

Leia mais

PLANEJAMENTO DO TRIMESTRE EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL III

PLANEJAMENTO DO TRIMESTRE EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL III 1ª ETAPA COMPONENTE CURRICULAR - BRINCAR Objetos e Significados na brincadeira Participar das brincadeiras exploradas. Utilizar os brinquedos de maneira cuidadosa. Participar de jogos com ou sem a intervenção

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (5 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (5 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (5 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Conhecer diferentes termos espaciais (em pé, deitado, em cima, em baixo, à frente, atrás, dentro, fora ) Descrever itinerários diários (exemplos:

Leia mais

AEC ALE EXPRESSÃO MUSICAL. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE EXPRESSÃO MUSICAL. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO AEC ALE EXPRESSÃO MUSICAL Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular, ALE (atividades lúdico-expressivas)

Leia mais

Despertar os sentidos!

Despertar os sentidos! Despertar os sentidos! Tudo o que conhecemos chega-nos, de uma forma ou de outra, através de sensações sobre as realidades que nos rodeiam. Esta consciência sensorial pode e deve ser estimulada! Quanto

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

BIKE PERSONAL TRAINER O TREINO DE CICLISMO DEPOIS DOS 50 ANOS

BIKE PERSONAL TRAINER O TREINO DE CICLISMO DEPOIS DOS 50 ANOS O TREINO DE CICLISMO DEPOIS DOS 50 ANOS Tendo em conta o que foi descrito no artigo anterior, vamos então pôr em prática os conceitos necessários para tornar reais as adaptações benéficas ao treino e sobretudo

Leia mais

24 Acorde Maior X Acorde Menor - Conteúdo

24 Acorde Maior X Acorde Menor - Conteúdo Introdução Formação de Escalas e de Acordes Encadeamentos e Harmonia Acordes Maiores e Menores Tons Homônimos Encadeamento V7 i em Fá Menor (Fm) Cadência de Picardia próxima 2 Introdução Nas Unidades de

Leia mais

O SOM E SEUS PARÂMETROS

O SOM E SEUS PARÂMETROS O SOM E SEUS PARÂMETROS Você já percebeu como o mundo está cheio de sons? Mas você já parou para pensar o que é o SOM? Pois bem, som é tudo o que nossos ouvidos podem ouvir, sejam barulhos, pessoas falando

Leia mais

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. Silvana da Silva Nogueira (FECLESC/UECE) Priscila Cavalcante Silva (FECLESC/UECE) Resumo O processo de aquisição

Leia mais

Todas as atividades que seu(sua) filho(a) realiza na escola, em todas as áreas de conhecimento, estão relacionadas aos objetivos de aprendizagem.

Todas as atividades que seu(sua) filho(a) realiza na escola, em todas as áreas de conhecimento, estão relacionadas aos objetivos de aprendizagem. Brasília, 24 de fevereiro de 2014. Senhores Pais e/ou Responsáveis, Neste documento, listamos os conteúdos e objetivos referentes às aprendizagens pretendidas para os alunos do Maternal II, durante o 1º

Leia mais

Conhecer melhor os números

Conhecer melhor os números A partir do Currículo Nacional de Matemática do 7º ano de escolaridade desenvolvem-se actividades com recurso ao computador utilizando essencialmente Excel e Geogebra Conhecer melhor os números Esta unidade

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES Disciplina: Linguagem. Períodos: Infantil 4 1º, 2º, 3º. Conteúdo

DIRETRIZES CURRICULARES Disciplina: Linguagem. Períodos: Infantil 4 1º, 2º, 3º. Conteúdo Linguagem Letras do alfabeto Nome próprio, nome da escola, histórias Nome das profissões, histórias, músicas Histórias, nome das plantas Histórias em quadrinho, brincadeiras, nome dos brinquedos Nome dos

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA MATEMÁTICA ALFA Título do Perímetro e área em situações reais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA MATEMÁTICA ALFA Título do Perímetro e área em situações reais SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA MATEMÁTICA ALFA Título do Perímetro e área em situações reais Podcast Área Matemática Segmento Ensino Fundamental Programa de Alfabetização de Jovens e Adultos Duração 6min32seg

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Expressões e Tecnologias Planificação Anual de Educação Musical 6º ano Ano Letivo 2015/2016

Leia mais

O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior. Acordes Básicos

O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior. Acordes Básicos O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior Acordes Básicos Muitas vezes, o que mexe com a gente e nos faz querer tocar guitarra é aquele solo ou riff do guitarrista da nossa banda favorita, mas devemos saber

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

A MAGIA DA MATEMÁTICA

A MAGIA DA MATEMÁTICA A MAGIA DA MATEMÁTICA Helena Rocha, Isabel Oitavem Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa hcr@fct.unl.pt, oitavem@fct.unl.pt Introdução Todos os professores se preocupam com as

Leia mais

Instrumento de Intervenção

Instrumento de Intervenção UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA ANEXO Instrumento de Intervenção Ana Isabel Mendes Codeço 2010 Planeamento da Sessão nº. 1 Data: 04/03/2010 Objectivo Geral: Desenvolver a

Leia mais

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?)

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ação nº41/2012 Formadora: Madalena Moniz Faria Lobo San-Bento Formanda: Rosemary Amaral Cabral de Frias Introdução Para se contar histórias a crianças,

Leia mais

1) 2) 3) CD 4 Faixas: 80 80.

1) 2) 3) CD 4 Faixas: 80 80. 1ª Aula a) Cumprimentar cada criança cantando seu nome e dando um beijinho com fantoche. Nas primeiras aulas use sempre um fantoche na hora do cumprimento para ganhar a aproximação do aluno. Depois pode

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

O Jogo de Dados de Mozart. Série Matemática na Escola

O Jogo de Dados de Mozart. Série Matemática na Escola O Jogo de Dados de Mozart Série Matemática na Escola Objetivos 1. Relacionar música e matemática; 2. Apresentar os fundamentos de análise combinatória e probabilidade; 3. Exibir uma aplicação prática de

Leia mais

Richard Uchôa C. Vasconcelos. CEO LEO Brasil

Richard Uchôa C. Vasconcelos. CEO LEO Brasil Richard Uchôa C. Vasconcelos CEO LEO Brasil O tema hoje é engajamento, vamos falar de dez maneiras de engajar o público em treinamentos a distância. Como vocês podem ver, toda a minha apresentação está

Leia mais

DICA 1. VENDA MAIS ACESSÓRIOS

DICA 1. VENDA MAIS ACESSÓRIOS DICA 1. VENDA MAIS ACESSÓRIOS Uma empresa sem vendas simplesmente não existe, e se você quer ter sucesso com uma loja você deve obrigatoriamente focar nas vendas. Pensando nisso começo este material com

Leia mais

Usando áudio no Flash

Usando áudio no Flash Usando áudio no Flash Por que usar som? O diferencial de um trabalho na web, muitas vezes pode estar relacionada à diversidade de elementos mul?mídia que o site ou a aplicação pode apresentar. O Flash

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

Ano letivo 2014/15. Clube de Música

Ano letivo 2014/15. Clube de Música Ano letivo 2014/15 Clube de Música O Clube de Música 1 - Introdução A música tem uma importância relevante no desenvolvimento das capacidades e das competências ligadas à compreensão e manipulação dos

Leia mais

GERIR ENERGIA: A VERDADE SOBRE A GESTÃO DO TEMPO

GERIR ENERGIA: A VERDADE SOBRE A GESTÃO DO TEMPO GERIR ENERGIA: A VERDADE SOBRE A GESTÃO DO TEMPO Gestão do tempo como gestão das energias Ninguém gere o tempo. Não conseguimos colocar as 17 horas antes das 15. 2004 só chega depois de 2003. Gerimos energias,

Leia mais

Reggio Emília Cooperação e Colaboração

Reggio Emília Cooperação e Colaboração Reggio Emília Cooperação e Colaboração Trabalho realizado por: Alexandra Marques nº4423 Ana Sofia Ferreira nº4268 Ana Rita Laginha nª4270 Dina Malveiro nº3834 Prof. Docente: José Espírito Santo Princípios

Leia mais

Aprendizagem na Educação Musical

Aprendizagem na Educação Musical Aprendizagem na Educação Musical Flávia Rizzon Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo: O presente texto refere-se à importância de reavaliar a didática na área da Educação Musical, relacionando-a

Leia mais

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Léa Pintor Martins de Arruda Maria Angela de Souza Lima Rizzi O trabalho realizado com os educadores, pela equipe da Associação Arte Despertar no

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

A relação entre a fala e a escrita

A relação entre a fala e a escrita A relação entre a fala e a escrita Karen Alves da Silva Proposta e objetivo: Partindo de um episódio de escrita, podemos refletir sobre: de que maneira está posta a relação entre escrita e oralidade; como

Leia mais

5 Técnicas de Trabalho em Grupo e Técnicas de Conversação

5 Técnicas de Trabalho em Grupo e Técnicas de Conversação 5 Técnicas de Trabalho em Grupo e Técnicas de Conversação O objetivo é trabalhar com dinâmicas de pequenos grupos e técnicas de trabalho em grupo [Minicucci, 1992] para tentar oferecer um suporte tecnológico

Leia mais

Responsabilidade. Responsabilidade - NÃO

Responsabilidade. Responsabilidade - NÃO Exercitando o Caráter 6 a 9 anos Responsabilidade Caráter é o jeito que a gente realmente é. É o modo como agimos quando não há ninguém olhando... As pessoas boas fazem coisas boas, não para ganhar aprovação

Leia mais

GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Jardim I

GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Jardim I EDUCAÇÃO INFANTIL Maceió, 12 de março de 2015. GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Jardim I Senhores pais ou responsáveis Iniciamos esta semana os projetos pedagógicos do 1 Trimestre letivo. As turmas de Jardim

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

Audacity. Os primeiros passos com o Audacity!

Audacity. Os primeiros passos com o Audacity! Audacity Os primeiros passos com o Audacity! João Torres joao.torres@dgidc.min-edu.pt Milena Jorge milena.jorge@dgidc.min-edu.pt Dezembro de 2009 Conteúdo 1 Sobre este documento 2 2 O que é o Audacity?

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL 1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR REGISTO DE OBSERVAÇÃO / AVALIAÇÃO Nome Data de Nascimento / / Jardim de Infância de Educadora de Infância AVALIAÇÃO

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 TÍTULO: Animatic - Marionetas Digitais Interactivas ORIENTADORES: Professor Doutor Aníbal Ferreira Professor Doutor Rui Torres ALUNO:

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

VERSÃO DEMO DO MÉTODO DE GUITARRA: CURE SEU IMPROVISO: MODOS GREGOS POR ROBERTO TORAO

VERSÃO DEMO DO MÉTODO DE GUITARRA: CURE SEU IMPROVISO: MODOS GREGOS POR ROBERTO TORAO VERSÃO DEMO DO MÉTODO DE GUITARRA: CURE SEU IMPROVISO: MODOS GREGOS POR ROBERTO TORAO CURE SEU IMPROVISO - MODOS GREGOS. Primeiramente, muito obrigado por apoiar meu trabalho e depois do grande sucesso

Leia mais

Pesquisas e seminários Como fazer?

Pesquisas e seminários Como fazer? +++ + COLÉGIO DOS SANTOS ANJOS Avenida Iraí, 1330 - Planalto Paulista - Telefax: 5055.0744 04082-003 - São Paulo - e-mail: colsantosanjos@colegiosantosanjos.g12.br Site: www.colegiosantosanjos.g12.br Q

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE A EQUIPA DO PTE 2009/2010 Índice 1. Entrar na plataforma Moodle 3 2. Editar o Perfil 3 3. Configurar disciplina 4 3.1. Alterar definições 4 3.2. Inscrever alunos

Leia mais

COMO AS CRIANÇAS APRENDEM O QUE OS TEÓRICOS DIZEM ESTILOS DE APRENDIZAGEM

COMO AS CRIANÇAS APRENDEM O QUE OS TEÓRICOS DIZEM ESTILOS DE APRENDIZAGEM COMO AS CRIANÇAS APRENDEM O QUE OS TEÓRICOS DIZEM ESTILOS DE APRENDIZAGEM CONCRETO DISPERSO SEQUENCIAL ABSTRATO 1 CONCRETO SEQÜENCIAL Habilidades naturais do Concreto Seqüencial Passo a Passo Planeja Segue

Leia mais

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas Manual de Aplicação do Jogo da Escolha Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas 1 1. Como o jogo foi elaborado O Jogo da Escolha foi elaborado em 1999 pelo Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas

Leia mais

NESTA NOVA ETAPA, VAMOS CONHECER AS FIGURAS MUSICAIS E SEUS VALORES.

NESTA NOVA ETAPA, VAMOS CONHECER AS FIGURAS MUSICAIS E SEUS VALORES. Pausas 10 A colcheia 19 Batimentos 21 A pausa da colcheia 24 O ritmo das palavras 25 Qual é a música? 26 Grandes compositores 27 Dicionário musical 29 Hino Cenecista 29 Hino Nacional Brasileiro 30 Hino

Leia mais

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA Rita Bomfati. UNESPAR- FAP ritabomfati1@gmail.com Resumo: A importância da formação musical do musicoterapeuta (conhecimento de ritmos e instrumentos, história da

Leia mais

Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância [SNIPI]

Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância [SNIPI] Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância [SNIPI] Informação para os pais Estimulando a linguagem das crianças Do nascimento aos 2 anos O bebé recém-nascido tenta comunicar com os pais através

Leia mais

WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA

WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA INTRODUÇÃO Nos dias de hoje, é quase impensável querermos uma televisão a preto e branco em deterimento de uma televisão a cores e acontece porque a partir do momento em que

Leia mais

SOBRE ESTE LIVRO BOM TRABALHO PARA TODOS!

SOBRE ESTE LIVRO BOM TRABALHO PARA TODOS! As pistas e propostas de trabalho que se seguem são apenas isso mesmo: propostas e pistas, pontos de partida, sugestões, pontapés de saída... Não são lições nem fichas de trabalho, não procuram respostas

Leia mais

VAMOS CONSTRUIR UMA CIDADE

VAMOS CONSTRUIR UMA CIDADE VAMOS CONSTRUIR UMA CIDADE Versão adaptada de Eugénio Sena para Wir Bauen Eine Stadt de Paul Hindemith 1. MARCHA (Entrada) Uma cidade nossa amiga Não queremos a cidade antiga. Nós vamos pensar tudo de

Leia mais

Implicações da prática pedagógica II. O Sistema Solar

Implicações da prática pedagógica II. O Sistema Solar Implicações da prática pedagógica II O Sistema Solar Enquadramento Colégio Planalto Grupo constituido por 22 crianças com 5 anos de idade Duração das actividades: 6 sessões de estágio Actividades Construção

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Brincadeiras. Atividade 1

Brincadeiras. Atividade 1 Objetivos retomar as atividades motoras com características lúdicas; propiciar situações motoras lúdicas com diferentes possibilidades de inferências e de compreensão da cultura do jogo; propiciar situações

Leia mais

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual /Critérios de avaliação. Disciplina: Português 1.º ano 2015/2016

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual /Critérios de avaliação. Disciplina: Português 1.º ano 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110 Planificação Anual /Critérios de avaliação Disciplina: Português 1.º ano 2015/2016 Domínio (Unidade / Tema) Subdomínio / Conteúdos

Leia mais

SOBRE ESTE LIVRO > SIGAM AS PISTAS...

SOBRE ESTE LIVRO > SIGAM AS PISTAS... As pistas e propostas de trabalho que se seguem são apenas isso mesmo: propostas e pistas, pontos de partida, sugestões, pontapés de saída... Não são lições nem fichas de trabalho, não procuram respostas

Leia mais

Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro

Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro O meu brinquedo é um livro é um projecto de promoção da leitura proposto pela Associação

Leia mais

FORMAÇÃO MUSICAL E MÚSICA NAS AEC Formação musical suposta para cada ano do 1º ciclo. Cursos de Formação de Professores

FORMAÇÃO MUSICAL E MÚSICA NAS AEC Formação musical suposta para cada ano do 1º ciclo. Cursos de Formação de Professores FORMAÇÃO MUSICAL E MÚSICA NAS AEC Formação musical suposta para cada ano do 1º ciclo Cursos de Formação de Professores António José Ferreira 08/03/2008 Com a acção Formação Musical e Música no 1º Ciclo

Leia mais