Palavra-devir (sob a escrita oblíqua)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavra-devir (sob a escrita oblíqua)"

Transcrição

1 Palavra-devir (sob a escrita oblíqua) Maria Raquel da Silva Stolf - UDESC Resumo: O presente texto investiga algumas relações de usos da palavra em proposições artísticas, propondo articulações e deslocamentos entre sentido e silêncio, entre palavra e devir, entre escrita e desvio. Deste modo, são pensados cruzamentos entre questões suscitadas por algumas proposições artísticas e reflexões desenvolvidas por Maurice Blanchot. Palavras-chave: Proposição artística; Devir; Silêncio; Escrita oblíqua Abstract: The present text investigates some relationships of uses of the word in artistic propositions, proposing links and displacements between sense and silence, between word and become, between writing and swerve. Thus, this text thinks intersections between questions suggested by some artistic propositions and reflections proposed by Maurice Blanchot. Key words: Artistic proposition; Become; Silence; Oblique writing Palavra-devir (...) não esperamos qualquer tipo de linguagem, mas aquele de onde fala o erro : a palavra do desvio. - Palavra inquietante. (...) - Palavra obscura. i Numa das placas de vidro que compõe a instalação Palavras a vácuo ii, a frase Engolir a fala pulsa de um modo estranho. Na seqüência de textos inscritos em quarenta e cinco placas de vidro instaladas em linhas horizontais sobre a parede branca, Engolir a fala pausa o fluxo do texto, insinuando seu avesso por um breve instante: Súbita parcela de pressa para entrar em outro sono. / Com chuva, 5 parcelas de suspiro. / Sem óleo, olhos grudam no fundo. / Fora da situação, dentro do tempo. / Com sede, com chuva. / Sinal de luz, acidente da fala. / Pigarro, cigarra. / Sem sinal, talvez mais tarde. / Com chuva, 7 pedaços de tomate. / 8 parcelas de pressa numa compressa. / Depois tossir. / Antes, piscar. / No susto de uma pequena pausa em fogo baixo. / Coisas com atraso, sem pressa. / Atrasos com coisas, sem testa. / 10 parcelas em 5 vezes sem sede ou 8 parcelas de sal em 3 vezes sem sol ou 15 parcelas de sono em 7 vezes sem som. / Antes, latir. / Depois, coçar. / Sem respirar, sem tropeçar. / 20 parcelas de calma em 40 vezes sem sono. / Súbita cena, sede de óleo. / Soluço não faz mal. / Sem pé nem cabeça, sonâmbula. / De costas, com sono. / Com dúvida, 18 parcelas de suspiro. / 50 cenas de areia cabem em 15 bocas. / 70 bocas fechadas cabem em 15 anos de sono. / 80 minutos de sonho cabem em 27 cenas. / 50 minutos de fala cabem em 30 litros de óleo. / 3 segundos de som cabem em 3 dias de chuva. / 15 kg de areia cabem em 80 bocas com 80 bolsos. / Nenhum avesso frita sem se virar. / Nenhum som pára no ar. / Em situação de nuvem, apague o olho. / Súbita parcela de sono para entrar em outra chuva. / Súbita parcela de fala para entrar em outra boca. / Testar o texto na testa. / Texto sem som, sem sal. / Dentro de um vento sem fome. / No susto de uma pequena pedra nos risos. / Engolir a fala. / Atrasos imediatos. / Sapato sem par. / Susto sem ar. / Mapa misto com possibilidade de escorregar. iii 1545

2 O texto, que consiste em frases que simulam espécies de cálculos entre situações, objetos, durações e sensações, foi gravado iv em placas de vidro, de modo que a leitura torna-se difícil e instável. Não se sabe se o texto está na frente ou se está atrás da superfície de vidro, onde muitas vezes só se consegue ler a sombra do texto (que, paradoxalmente, se faz legível pela sua própria sombra, pelo seu próprio corpo enquanto subtração da superfície do vidro a sombra de um vazio). O texto se move, desliza de acordo com a luz, de acordo com a posição de quem lê ou de quem não consegue lê-lo. Seu esconderijo consiste no modo como ele aparece, sempre num estado entre. Numa segunda versão, o texto Palavras a vácuo é impresso num pequeno cartão de papel branco, que compõe um kit de impressos (coisas avulsas: desenhos, encarte, textos) do cd-objeto FORA [DO AR] v. Algumas palavras mudam de rumo, escorregando outros sentidos: Súbita parcela de sono para entrar em outra pressa. Sem sal, sem sinal. Com chuva, 5 parcelas de espera. Com dúvida, parede ímpar. Dentro do sapato, pedra calva. Sem pé nem cabeça, coceira. Sem óleo, olhos furam no fundo. Com vontade, compressa de vinagre. Ar do fora, sem vento. Com soluço, acidentes da sala. Com sede, com chuva. Sem fôlego, com tempo. Com sol, sem vento. Com vento, sem tempo. Com tempo, sem sol. Com calma, com sede de fala. Pigarro, agarra. Súbita parcela de pressa para entrar em outro sono. Sem sinal, sem calma. Com luva, 7 pedaços de tomate. Sem sal, sem pé nem cabeça. 8 parcelas de pressa numa compressa. Sem medo, sem sossego. Nos dedos, sem sede. Depois tossir. Antes, piscar. No susto de uma pequena pausa. Coisas com atraso, sem pressa. Atrasos com coisas. Testes avulsos, sem som. 12 parcelas em 7 vezes sem som ou 4 parcelas de sim em 2 vezes sem sal ou 19 parcelas de sono em 7 vezes sem sol. Antes, latir. Depois, ar. Sem medo, imóvel. Sem respirar, sem tropeçar. 30 parcelas de calma em 4 vezes sem sono. Súbita cena, sede de olho. Sozinha em casa, sem sal. É cedo, com sol. Sonâmbula, sem vento. De costas, com sono. Com dúvida, 18 parcelas de grilo. 80 cenas de água cabem em 15 bocas. 50 portas fechadas cabem em 15 anos de sono. 80 minutos de susto cabem em 15 segundos. 50 minutos de sol cabem em 30 pés de tomate. 3 segundos de chuva cabem em 3 dias de som. 15 kg de assobio cabem em 80 bolsos com 80 bocas. Nenhuma língua dorme com sal. Nenhum som no ar. Nem em situação de cisco. Em situação de nuvem, apague o olho. Em situação de olho, apague a nuvem. Súbita parcela de chuva para entrar em outro sono. Súbita parcela de fala para entrar em outra boca. Testar o texto na testa. Anotar depois do sono. Sem sinal. Cedo nos dedos sede. Texto-som sal. Dentro de um vento sem fome. No susto de uma pequena pedra. Engolir a sala. Atrasos imediatos. Circunstância circunscrita. Ato sem par. Susto. Mapa misto com possibilidade de escorregar. vi Agora, o texto possui uma linha que o atravessa, rasurando-o. Um texto que, de novo, quase se esconde. Talvez seu vácuo seja a falta de ar que sua falsa continuidade instaura. Talvez a linha hipnótica que corta o texto disfarce sua descontinuidade-desvio. Numa terceira versão, quando Palavras a vácuo ganha a dimensão sonora vii, a lentidão da palavra falada amplifica os desvios de sentido do texto. Lentidão que pode ser pensada como a linha-corte hipnótica. Acompanhada de outra proposição sonora ( Panquecas fantasmáticas viii ) como fundo, o texto falado torna-se longínquo. Palavras 1546

3 mudam de lugar, frases ganham um corpo volátil, que parece se arrastar. No encarte do cd-objeto FORA [DO AR], há a seguinte indicação: 26. palavras a vácuo Palavras a jato + panquecas fantasmáticas = palavras a vácuo. Texto muito cansativo, oleoso, invertebrado. Testar a fala. Contabilizar quantidades de coisas e situações e tentar equivalências. Administrar a impaciência ou o desespero. / - Pular essa faixa sempre que quiser ou puder. ix Entre as três versões, concatena-se um processo de escrita onde as alterações são incessantes e instáveis. As palavras contaminam-se pelas palavras ao lado, acima, abaixo. Sentidos são rearranjados pelo som, pelo ruído das trocas e dos tropeços contínuos. A fala em bloco e a imagem rasurada do texto diferenciam-se materialmente, mas coincidem no uso pênsil do texto, onde engolir a fala co-implica engolir a sala. Palavras a vácuo aponta que o uso de textos em proposições artísticas pressupõe um processo de escrita onde a palavra pode ser pensada como matéria (palavra que ocupa espaço e tempo, as múltiplas possibilidades de materializar a palavra em proposições artísticas, a palavra sólida, líquida e gasosa), a palavra como experiência (experienciar a palavra em seus trajetos subjetivos, em suas errâncias ficcionais, em seus desvios e enganos, em suas possibilidades de ser reinventada e desdobrada, falada, escrita e pensada) e a palavra como imagem (entre falar e ver, entre o visível e o dizível). Em minha trajetória artística e literária, os processos de escrever e construir proposições artísticas são intersectados, entretecidos, amalgamados. O ato de escrever catalisa tanto o começo do processo de minhas proposições artísticas, como constitui uma espécie de método de desdobramento de uma coisa em outra, onde muitas vezes uma proposição se desdobra em múltiplas versões ou camadas, seja a partir da escrita de títulos ou de textos inseridos via diferentes meios e materiais (a palavra desenhada, falada, impressa, gravada, cavada, datilografada, fotografada ou videografada x ). Palavras a vácuo, por exemplo, desdobra-se ainda num texto de um vídeo, intitulado Kit para terceiros socorros xi, onde, equipamentos de segurança conhecidos têm funções e designações alteradas para compor o kit fictício do título. Instruções de uso acompanham os aparelhos inventados pelo vídeo, como a máscara para poeiras desconfortáveis e os óculos claros : 1547

4 abafador de ruídos + respirador com válvula: em situações de desespero ou insônia. contabilizar quantidades de coisas [grandes e pequenas] e tentar produzir equivalências. usar de 2 a 22 sonhos por dia/noite. abafador de ruídos + máscara para poeiras desconfortáveis: para esperar [na velocidade máxima]. ou para dormir [na velocidade mínima]. contabilizar quantidades de situações e tentar pressentir transtornos. respirador com válvula: súbita parcela de pressa para entrar em outro sono. engolir a fala. coisas avulsas em dias nublados. coisas anexas em dias de sol. para respirar dias de chuva. situaçõesfluxos. máscara para poeiras desconfortáveis: no susto de uma pequena pausa. antes latir. depois ar. em situação de risco, atrasos imediatos. 8 minutos de susto cabem em 40 parcelas de espera. abafador de ruídos: 30 parcelas de calma em 4 vezes sem som. do ruído ao pressentimento. do pressentimento à espera. da espera ao desespero. do desespero ao ruído. mapa misto com possibilidade de escorregar. óculos claros: em situação de nuvem, apague o olho. em situação de olho, apague a nuvem. buracos são planejados em forma de micro-minutos esguios. xii O uso de palavras em minhas proposições artísticas pressupõe a ficção como plano de partida e como motor da escrita. Escrever implica um desejo de inclinar as palavras, até que os sentidos tombem, escorreguem. Implica em empilhá-las infinitamente, como fatias delgadas e opacas. Escrever buracos em forma de micro-minutos esguios. Escrever interrompendo, numa parede de ar. Escrever a vácuo. Onde, se Blanchot propõe a escrita ficcional como uma espécie de fala errante, que atua como espaço de vertigem e espaçamento, fissura e exterioridade, longe de esclarecer algo, [as palavras] carregam a totalidade da interrogação xiii. As palavras estão em suspenso; essa suspensão é uma oscilação muito delicada, um tremor que não as deixa nunca no lugar. No entanto, elas também são imóveis. Sim, de uma imobilidade mais movediça do que tudo que se move. A desorientação age na palavra, por uma paixão de errar que não tem medida. xiv Neste sentido, Gilles Deleuze assinala que escrever é um caso de devir, sempre inacabado, sempre em via de fazer-se, e que extravasa qualquer matéria vivível ou vivida. É um processo, ou seja, uma passagem de Vida que atravessa o vivível e o vivido. A escrita é inseparável do devir: ao escrever, estamos num devirmulher, num devir-animal ou vegetal, num devir-molécula, até num devir-imperceptível. (...) O devir está sempre entre ou no meio. xv Como pensar uma palavra-devir? A palavra como processo de desejo, que se coloca em zona de vizinhança com um outro? Palavra-silêncio, palavrapedra, palavra-anesdoque xvi, palavra-caixa, palavra-imagem, palavra-pausa, palavra-espera diante da chuva, palavra-banal, palavra-submersa, palavradescascada, infra-palavra, palavra-vácuo? 1548

5 Para Gilles Deleuze e Félix Guattari, o devir não consiste em imitar algo ou alguém, tampouco em identificar-se com ele. O devir consiste em a partir das formas que se tem, do sujeito que se é, dos órgãos que se possui ou das funções que se preenche, extrair partículas, entre as quais instauramos relações de movimento e repouso, de velocidade e lentidão, as mais próximas daquilo que estamos em via de nos tornarmos, e através das quais nos tornamos. xvii O devir implica em colocar-se num processo de proximidade e aproximação, de se colocar numa zona de vizinhança com o outro, e fazer rizoma xviii com ele. Obscuro silêncio O erro e o facto de se estar a caminho sem jamais poder parar transformam o finito em infinito. Ao que se acrescentam estes traços especiais: apesar de o finito ser fechado, é sempre possível esperar sair dele, enquanto que a infinita vastidão, por ser sem saída, é prisão; do mesmo modo que todo lugar absolutamente sem saída se torna infinito. O lugar do descaminho ignora a linha recta; nunca se vai de um ponto a outro ponto; não se parte daqui para chegar ali; nenhum ponto de partida e nenhum começo para a caminhada. xix Gary Hill, artista contemporâneo que dialoga estreitamente com as obras de Blanchot, trabalha com o texto de um modo instigante e denso, investigando as múltiplas relações entre corpo e palavra, entre linguagem e imagem, transitando, segundo alguns autores, num terreno que inclui a vídeo-arte, a instalação e a poesia experimental. Para Arlindo Machado, os trabalhos de Hill investigam aspectos labirínticos da linguagem, traduzindo ou transcriando xx audiovisualmente algumas figuras da tradição poética, como os palíndromos (palavras que podem ser lidas de trás para frente e no sentido contrário, tendo o mesmo sentido, como Ave/Eva), os anagramas (palavra ou frase formada pela transposição ou embaralhamento das letras de outra palavra ou frase, como América/Iracema) e os jogos de palavras, que sublinham as ambigüidades e os paradoxos dos discursos, propondo pôr em crise a instituição do sentido. O próprio artista assinala, numa entrevista concedida à Christine van Assche, que seu principal interesse consiste no momento de aproximação e no momento em que o sentido começa a desvanecer. (...) Meu objetivo é superar o dualismo do sentido e do não-sentido e ver o que acontece no interior da experiência da linguagem quando o sentido está criando raízes ou se extinguindo. xxi 1549

6 Hill sublinha que o que lhe interessa é criar uma relação com a materialidade de um texto, com a sua fisicalidade, muito mais do que querer ter sua compreensão lógica ou explicação: Pour moi, c'est comme si on touchait le texte, comme si on pénétrait à l'intérieur, comme si on en abordait le sens par un autre axe. Par exemple, je pense que lorsqu'on lit un texte difficile, la beauté de ce texte vient de ce qu'on n'est pas tout à fait sûr de son sens exact. Et ce n'est pas parce qu'on est parti sur une autre piste, frontalière, ou qu'il nous faut relire parce qu'on a déjà oublié ce qu'on vient de lire. C'est parce que cela ouvre sur quelque chose qu'on ne comprend pas totalement. A ce moment-là, notre esprit doit tenter de construire à partir de ce texte qui est plus qu'une syntaxe, plus qu'une simple succession de mots. Or c'est exactement ce vers quoi tendent bon nombre de mes oeuvres: une sorte de rupture possible du sens. xxii No vídeo Incidence of Catastrophe ( ), Gary Hill remete-se diretamente ao livro Thomas, L Obscur, obra ficcional de Blanchot e também à experiência de observar seu próprio filho apreendendo a falar. No livro de Blanchot, Thomas, inicialmente encontra-se concentrado na leitura de um livro, quando, subitamente, sente-se observado pelas palavras, como se elas tivessem ou fossem olhos que o espiam: Il lisait. Il lisait avec une minutie et une attention insurpassables. Il était, auprès de chaque signe, dans la situation où se trouve le mâle quand la mante religieuse va le dévorer. L'un et l'autre se regardaient. Les mots, issus d'un livre qui prenait une puissance mortelle, exerçaient sur le regard qui les touchait un attrait doux et paisible. Chacun d'eux, comme un oeil à demi fermé, laissait entrer le regard trop vif qu'en d'autres circonstances il n'eût pas souffert. Thomas se glissa donc vers ces couloirs dont il s'approcha sans défense jusqu'à l'instant où il fut aperçu par l'intime du mot. Ce n'était pas encore effrayant, c'était au contraire un moment presque agréable qu'il aurait voulu prolonger. Le lecteur considérait joyeusement cette petite étincelle de vie qu'il ne doutait pas d'avoir éveillée. Il se voyait avec plaisir dans cet oeil qui le voyait. Son plaisir même devint très grand. Il devint si grand, si impitoyable qu'il le subit avec une sorte d'effroi et que s'étant dressé, moment insupportable, sans recevoir de son interlocuteur un signe complice, il aperçut toute l'étrangeté qu'il y avait à être observé par un mot comme par un être vivant, et non seulement par un mot, mais par tous les mots qui se trovaient dans ce mot, par tous ceux qui l'accompagnaient et qui à leur tour contenaient en eux-mêmes d'autres mots, comme une suite d'anges s'ouvrant à l'infini jusqu'à l'oeil de l'absolu". xxiii A partir deste encontro, Thomas manifesta uma estranha doença, uma espécie de verborragia, uma necessidade incoercível de falar, o que o faz alucinar (literalmente, l obscur ), conforme adentra o livro. No vídeo, Thomas (representado pelo próprio Gary Hill) também está concentrado na leitura de um livro, que é nada mais, nada menos do que Thomas, L Obscur de Blanchot. No vídeo de Hill, Thomas fica cada vez mais atormentado pela fisicalidade do texto (as palavras, o papel, as páginas) e adentra num mundo de pesadelos, de vertigens. Ele tenta vomitar a linguagem, mas as palavras tomam seu corpo, atravessando-o violentamente, intensamente. A água do mar 1550

7 corre, carregando areia. Um corpo nu (Thomas?) está deitado na beira da praia. Ele balbucia, murmurando palavras sem nexo, sem sentido. Deitado no chão, Thomas se retorce, falando uma língua inexistente. Estranhamente, um pedaço tosco de madeira toca-o ligeiramente. O chão parece sujo (fezes, urina, saliva, água do mar?), assim como Thomas, que tem a pele coberta de areia. Onde ele está, exatamente? Onde ele se afoga, exatamente? No mar ou em si? Ou seria no texto? Na água da língua? As paredes de seu quarto são as páginas de Thomas, L Obscur. Ele está dentro do livro e a superfície noturna e clara das páginas parece instransponível. Em alguns instantes, o som do vídeo consiste no farfalhar de páginas sendo folheadas, como uma ventania espessa e ao mesmo tempo sutil. Noutros, consiste no barulho de água em movimento, correndo, num fluxo contínuo. Num determinado momento, Thomas corta seu dedo, deslizando-o sobre uma folha do livro. Segundo Paul-Emmanuel Odin, há em Incidence of Catastrophe uma experiência da materialidade das coisas e dos sinais, que nos toca, nos suspende e nos incomoda. C'est que le visible, coincé entre la solidité du tangible et le tranchant de l'écriture, exprime des rapports intimes et violents entre image, texte et corps. On passe de la chair des mots au texte des choses. xxiv O dedo ferido pelo corte consiste, segundo Odin, na imagem literal da inscrição do texto no corpo. L'écriture, étymologiquement, est justement un mouvement coupant, une déchirure. Elle procède par incisions ou brisures. La graphie, c'est l'égratignure. xxv Ou, como sublinha Blanchot, Escrever, não é expor a palavra ao olhar. O jogo da etimologia corrente faz da escrita um corte, um dilaceramento, uma crise. [...] Falar, como escrever, nos engaja num movimento de separação, uma saída oscilante e vacilante. xxvi A palavra desorienta, oscila, torna instável nosso contato com as coisas. A ficção consiste no lado de fora das palavras, mas Blanchot adverte que não se trata de qualquer tipo de linguagem, mas aquele de onde fala o erro : a palavra do desvio xxvii. Palavra que inquieta, que se move, ou se arrasta (ou nos arrasta, nos carrega) imóvel, uma palavra onde as coisas não se escondem, não se mostrando xxviii, palavra que não cobre, nem descobre. Em Incidence of Catastrophe, a cada palavra pronunciada pelos convidados de um banquete, as bordas de areia tombam, despencam e o 1551

8 terreno se desfaz, se liquefaz no fluxo da água do mar. Basta uma palavra para a erosão, para a queda, para o desfalecimento. Para Arlindo Machado, a metáfora do terreno desbarrancando cada vez que alguém pronuncia uma palavra é precisa para designar a falência da linguagem como ponte de contato entre nós, os outros e o mundo. xxix Seria a linguagem um silencioso espaço sem saída e, portanto, infinito? Escrita e desvio Em Marcel Duchamp: Engenheiro do Tempo Perdido, livro onde Pierre Cabanne entrevista Marcel Duchamp, o artista responde à pergunta Você realmente ama as palavras?, com as seguintes colocações: Ah! Sim, as palavras poéticas. Qual é a palavra mais poética? Não tenho idéia. Não tenho nenhuma agora à minha disposição. Em todo caso, são as palavras deformadas pelo seu sentido. Os jogos de palavras? Os jogos de palavras, sim; as assonâncias, palavras como esta, o retard em verre (retardo em vidro); esta me agrada enormemente. Ao inverso, isto quer dizer alguma coisa. xxx Duchamp possui uma relação instigante com a escrita em toda sua produção, seja nos títulos enigmáticos de seus ready-mades (que por vez, também constitui uma palavra-conceito proposto pelo artista), que constituem jogos de palavras, seja em trabalhos em que ele insere o texto no próprio objeto, imagem ou filme, além dos escritos do artista (publicados em livros ou presentes em algumas de suas proposições). Na entrevista acima citada, Duchamp assinala que as palavras poéticas são as palavras deformadas pelo seu sentido. Estranho jogo, este lance de Duchamp: se são os sentidos que alteram a forma das palavras, existem palavras com sentidos assentados, conformados, encaixados ou bloqueados? Onde a escrita poética pressupõe uma manipulação íngreme, sinuosa e oblíqua dos sentidos? Outro lance: ao inverso, as coisas querem dizer alguma coisa. As assonâncias e os embaralhamentos. Como pensar uma escrita que leve em conta as assonâncias do silêncio? 1552

9 No caderno de poemas denominado Impossível silenciar o mundo, esta tentativa parece ser simulada: um único poema suscita a proposta de pensar/falar uma só palavra por dia. Inevitavelmente, a primeira palavra do dia é caixas, e se insinua um quase desespero/vazio em ter que se contentar com apenas aquela palavra até o outro dia. Abaixo, alguns fragmentos do poema: AUTO-REGISTRO (FOSSILIZADO) DOS 17 DIAS DA CRIATURA ESTENDIDA NO CHÃO momento de expectativa / ruídos grossos do fundo da terra / ouve o chão como se fosse seu próprio corpo / decisão: durante cinco dias, a primeira palavra que surgisse em sua cabeça, seria perpetuada até o pôr-do-sol seria sincera consigo, / com a palavra / e o silêncio viveria apenas uma palavra / fosse qual fosse caixas (intriga) / irritada com a primeira grande chance / de silêncio / despedaçada pela ousadia da palavra / caixas / ter aparecido em sua leve tentativa / branca de dar lugar para uma só palavra fita um pássaro que bóia no canto do céu / minuciosamente vigiado por ela adia a idéia para descansar / os pensamentos no colo da tarde quase que / a mosca esbarra na / (invisível) / palavra da mãe toscas lembranças tossem / dentro é o que fora nuvem branca desmaiada / finas pernas do tempo bambas cabe o dia na noite? aos poucos aquieta / caixas / cheias ou vazias pijamas e travessia redondo tumulto dos sonhos / e desperta com uma chuva de rolhas / de cortiça sobre a cabeça / pingos de cascas (fala sozinha) xxxi Em Impossível silenciar o mundo, simula-se uma tentativa de silenciar ou pausar a linguagem, de sair do espaço sem saída e infinito do texto. Mas, seria possível dizer ou pensar apenas uma só palavra por dia? E conviver com a interrupção de sentido ou com a possibilidade de sentido sem palavras? Em Projeto secreto ] estadias instáveis 03, 04, 05, 06, 07, 08, 09 xxxii, uma série de sete vídeos em que não se fala, nem se ouve e não se lê uma só palavra (além do título e dos créditos do vídeo), ações são executadas por espécies de fantasmas constrangidos xxxiii (alguém xxxiv sob um saco de pano, uma espécie de esconderijo precário), em diferentes quartos de hotéis, com variações que oscilam entre o não-senso e o humor. Ficar imóvel, sentar, correr ou caminhar tornam-se ações sem sentido. O único som do vídeo consiste na faixa Panquecas fantasmáticas (novamente, uma proposição misturando-se à outra), que compõe o cd-objeto FORA [DO AR], e que preenche os vídeos com um ar de suspense e lentidão. Nesta série de vídeos, o que insta xxxv é o que não se sabe, ou, como 1553

10 escreve Blanchot acerca da potência da ficção, o que possibilita sentir o que não sabemos xxxvi. Como sentir o que não se sabe? O silêncio como rumor: uma mão retira um rabo de um buraco. O rabo é de borracha. O buraco localiza-se num rodapé de um espaço vazio. Tudo se repete, o rabo reaparece no buraco e a mão retira-o novamente. O rabo é branco. O buraco, um ponto preto perto do chão. Um som sonífero xxxvii anestesia a ação e silencia a incessante tentativa. Como um ruído de coisas que se deslocam ao longo de um canto de uma sala vazia. No vídeo Rabo do buraco xxxviii, o silêncio não é ausência de som, mas ausência de sentido. Para André Comte-Sponville, o silêncio também não é ausência de ruído, mas nem por isso constitui a possibilidade de sentido: Porque há dois silêncios, (...) ou duas maneiras de pensá-lo, ambas antagônicas e que definem mais ou menos (enquanto estivermos no discurso) duas filosofias. (...) o silêncio nada mais é, de início, que a falta de sentido de tudo, e do próprio sentido. É outro nome do real. De fato, para nós, que falamos, o silêncio é ausência, não de ruído, mas de sentido. Portanto, um som pode ser silencioso (sempre o é, quando ninguém o interpreta), e pode dar-se que um silêncio seja sonoro. É o caso do eco das ondas ou das renúncias. xxxix Se o silêncio é sonoro, ruidoso, coincidindo com o mundo real, como pensá-lo como ausência de sentido? Comte-Sponville sublinha que o silêncio é um outro nome do real, onde o plano sobre o qual o silêncio se define não é somente o da linguagem, mas o do mundo além da linguagem, onde o silêncio não é a falta de uma palavra mas constitui o pleno de um real, que não significa nada : tudo é silêncio (tudo, até a linguagem!), e esse silêncio, aqui e agora, é o mundo. Esta luz numa parede, este pio de passarinho de manhã, (...) a sombra de uma árvore, uma pedra (...) Só existe o real, e o real é tudo, e sempre presente, e não significa nada. xl Já John Cage, para quem o silêncio constitui a múltipla atividade que não cessa de nos rodear xli, sublinha que: O silêncio, na realidade, não existe. Nunca existe uma ausência de som, que é como os dicionários definem o silêncio. O silêncio é simplesmente... uma questão mental. Uma questão de saber se uma pessoa está escutando os sons que não está provocando. Não sou eu que faço os pássaros cantarem, mas eu os ouço e não estou falando: a isso chamamos de silêncio. O silêncio é um meio de ouvirmos o que nos cerca. xlii O silêncio entendido como ausência de som inexiste: o silêncio é antes a multiplicidade de sons, silêncio é o burburinho, rumor do mundo. Como assinala Cage, Nenhum som teme o silêncio que o ex-tingue. E nenhum 1554

11 silêncio existe que não esteja grávido de sons. xliii O silêncio ganha uma potência, uma dimensão de pausa e plano de partida, consistindo num motor ou alavanca para a invenção de algo. Como escreve Deleuze, O problema não é mais fazer com que as pessoas se exprimam, mas arranjar-lhes vacúolos de solidão e de silêncio a partir dos quais elas teriam, enfim, algo a dizer. (...) Suavidade de não ter nada a dizer, direito de não ter nada a dizer; pois é a condição para que se forme algo raro ou rarefeito, que merecesse ser dito. xliv Escrever a partir e com silêncios talvez implique esse algo rarefeito mencionado por Deleuze. Escrever rarefazendo, dilatando, desaglomerando, diluindo, desaparecendo. Escrever entre uma coisa e outra, de través, de soslaio. O processo de escrita como turbulência macia, um gole de vazio, um atrito entre silêncio e sentido. O processo de escrita como atrito entre as duas interrupções de Blanchot: entre a interrupção que permite a troca, pausa atenta que estimula a continuidade, e a interrupção enigmática, que introduz uma espécie de espera, distância irredutível, abismo hiperbólico estado neutro. Na primeira interrupção, o intervalo possibilita um revezamento na conversa, onde a descontinuidade é imprescindível, pois garante a troca e move o diálogo. A ruptura da pausa, mesmo fragmentando, perturbando ou embaraçando a conversa, produz uma manutenção do jogo da palavra comum, possibilitando a articulação de sentido e revelando o senso comum como horizonte. Blanchot sublinha que esse tipo de interrupção constitui uma espécie de respiração do discurso. Mas, há um outro tipo de interrupção, que propõe a espera que determina a distância entre dois interlocutores, uma espécie de distância irredutível, indomável, indecomponível e irresistível. Uma falta de ar na conversa que exerce um fascínio, talvez por paralisar sentidos ou pressupor a alteridade como condição dessa interrupção. Um processo de escrita que pende. Um texto que desvia, que deseja. Um texto oblíquo. Onde escrever pressupõe Optar pelo vácuo ao ar livre xlv. Tentar conter o deserto dentro, suspender o obscuro silêncio da palavra. Uma palavra muda, pênsil e insípida te olha, te devora. O que fazer diante do atravessamento? 1555

12 Referências bibliográficas BLANCHOT, Maurice. A conversa infinita 1. A palavra plural. São Paulo: Escuta, O espaço literário. Rio de Janeiro: Rocco, A Parte do Fogo. Rio de Janeiro: Rocco, O Livro Por Vir. Lisboa: Relógio d Água, Thomas, L Obscur. Paris: Gallimard, CABANNE, Pierre. Marcel Duchamp: Engenheiro do tempo perdido. São Paulo: Perspectiva, CAGE, John. De Segunda a um ano. São Paulo: Hucitec, CAMPOS, Haroldo de, CAMPOS, Augusto de E PIGNATARI, Décio. Finnegans Wake. São Paulo: Perspectiva, CAMPOS, Augusto de. Música de Invenção. São Paulo: Perspectiva, COMTE-SPONVILLE, André. Viver. Martins Fontes: São Paulo, DELEUZE, Gilles. Lógica do Sentido. São Paulo: Perspectiva, Crítica e clínica. São Paulo: Ed. 34, Conversações. Rio de Janeiro: Ed. 34, DELEUZE, Gilles e GUATTARI, Félix. Mil Platôs - capitalismo e esquizofrenia - vol. 1. Rio de Janeiro: Ed. 34, Mil Platôs - capitalismo e esquizofrenia - vol. 4. Rio de Janeiro: Ed. 34, FOUCAULT, Michel. O Pensamento do Exterior. São Paulo: Ed. Princípio, RUSH, Michael. Video Art. London: Thames and Hudson, SÁN G, Yi. Olho de corvo / e outras obras de Yi Sán g. São Paulo: Perspectiva, Catálogos HILL, Gary. O lugar do outro. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, Revistas Código 3. Salvador, agosto de 1978, s/p. Cds STOLF, Raquel. FORA [DO AR]. Florianópolis: Edição do Autor, Vídeos Kit para terceiros socorros. Concepção, câmera, ação e áudio: Raquel Stolf; Edição: Glaucis de Morais. Duração: Formato original: minidv NTSC. Florianópolis, Projeto secreto [ estadias instáveis. Concepção, edição, câmera, ação e áudio: Raquel Stolf. Formato original: minidv NTSC. Florianópolis, Rabo do buraco. Concepção, edição, câmera, ação e áudio: Raquel Stolf. Duração: Formato original: minidv NTSC. Florianópolis, Outros STOLF, Mª Raquel da Silva. O neutro, o outro e o fora intersecção entre conceitos de Maurice Blanchot e a produção artística contemporânea. In: Anais do XIV Encontro Nacional da ANPAP Cultura Visual e Desafios da Pesquisa em Arte, ANPAP: Goiânia, Espaços em branco entre vazios de sentido, sentidos de vazio e outros brancos. Dissertação de Mestrado em Artes Visuais no Instituto de Artes. Porto Alegre: UFRGS, STOLF, Raquel. Impossível silenciar o mundo. Caderno de poemas, Florianópolis:

13 Mª Raquel da Silva Stolf é artista plástica, escritora e professora no Centro de Artes da UDESC, em Florianópolis. É licenciada em Artes Plásticas pela UDESC, mestre e doutoranda em Poéticas Visuais pelo Programa de Pós- Graduação em Artes Visuais da UFRGS, em Porto Alegre. i BLANCHOT, 2001, p. 68. ii STOLF, 2004, (instalação). A primeira montagem da instalação aconteceu na exposição individual FORA [DO AR], ocorrida no Museu de Arte de Santa Catarina, em Florianópolis, iii STOLF, iv Pelo processo de jateamento, onde o texto continua transparente como a superfície de vidro, diferenciando-se dela pelo aspecto fosco. v STOLF, (cd-objeto de áudio). vi Idem, s/p. vii Palavras a vácuo constitui a faixa 26 do cd-objeto FORA [DO AR]. viii Quando estava fazendo panquecas para o almoço, em maio de 2002, na medida em que espremia as panquecas com a espátula, pressionando-as contra a frigideira, elas faziam ruídos franzinos, assobios agudos e quase fantasmagóricos. Resolvi gravar esse som digitalmente, sendo que esta experiência culinária foi um dos fatores que desencadeou o desenvolvimento do projeto FORA [DO AR] (composto por diferentes proposições artísticas: de instalações, objetos e vídeos a um cd-objeto). ix STOLF, x Estes procedimentos podem também ser modos ou possibilidades de escrita. Onde, por exemplo, a escrita entraria num devir-desenho (num devir-linha, devir-sombra, devir-desígnio, devir-contorno) ou num devir-vídeo (num devir-tempo, devir-cross-dissolve). Mais adiante, desdobrarei o conceito de devir. xi STOLF, (vídeo instalado). xii STOLF, xiii BLANCHOT, 2001, p. 29. xiv Ibid., p. 66. xv DELEUZE, 1997, p. 11. E Escrever não é contar as próprias lembranças, suas viagens, seus amores e lutos, sonhos e fantasmas. (...) As duas pessoas do singular não servem de condição à enunciação literária; a literatura só começa quando nasce em nós uma terceira pessoa que nos destitui do poder de dizer Eu (o neutro de Blanchot) (Ibid., p ). xvi Anesdoque constitui uma palavra que inventei, em 1997, significando: Grupo de mosquitos que soam mais agudo que o usual e que tentam picar superfícies de vidro. De certo modo, influenciou toda uma série de exercícios de escrita que catalisaram a construção dos textos que compõem as nove edições da publicação experimental Sofá, projeto desenvolvido desde 2003 pelos participantes da disciplina que venho ministrando no Centro de Artes da UDESC, denominada Laboratório de Invenção de Textos, que propõe a investigação dos múltiplos usos da palavra em proposições artísticas, pensando suas dimensões imagéticas, sonoras, ficcionais e documentais. xvii DELEUZE e GUATTARI, 1997, p. 64. xviii No campo artístico, talvez a ficção implique um uso rizomático da palavra, compartilhando características do conceito proposto por Gilles Deleuze e Félix Guattari (DELEUZE e GUATTARI, 1995). Para os autores, o rizoma é uma antigenealogia e uma antigenealogia significa que não existem nexos associativos entre uma coisa e outra. O rizoma procede por variação, expansão, captura, picada. Podemse juntar incompossíveis elementos/coisas díspares num plano rizomático e não arborescente, no sentido de não seguir uma hierarquia, ordem, procedência por linhagem ou gerações. O rizoma pode ser quebrado em qualquer lugar, onde qualquer ponto se conecta a outro sem começo nem fim, caracterizando-se pela heterogeneidade, descontinuidade, ruptura e multiplicidade. xix BLANCHOT, 1984, p xx Transcriação ou intradução é um termo proposto pelos escritores Augusto e Haroldo de Campos ao se referirem à atividade de tradução, concebendo-a como reinvenção minuciosa, inevitável exercício de criação. Segundo Haroldo de Campos, numa introdução à primeira edição da transcriação de fragmentos de Finnegans Wake, de James Joyce, (...) a tradução se torna uma espécie de jogo livre e rigoroso ao mesmo tempo, onde o que interessa não é a literalidade do texto, mas, sobretudo, a fidelidade ao espírito, ao clima joyciano, frente ao diverso feixe de possibilidades do material verbal manipulado. E há uma rede renhida de efeitos sonoros a ser mantida, entremeada de qüiproquós, trocadilhos, malapropismos (CAMPOS, 1986, p ). xxi HILL, 1997, p. 13. xxii HILL In Tradução livre de minha autoria: Para mim, é como se nós tocássemos o texto, como se penetrássemos em seu interior, como se nós abordássemos o sentido por um outro eixo. Por exemplo, penso que quando lemos um texto difícil, a beleza deste texto vem de não se estar completamente certo do seu sentido exato. E não é porque se partiu por outra pista, fronteiriça, ou que precisamos relê-lo porque já nos esquecemos do que se acaba de ler. É porque aquilo desdobra sobre algo que não se compreende 1557

14 totalmente. Neste momento, nosso espírito deve tentar construir a partir deste texto que é mais que uma sintaxe, mais que uma simples sucessão de palavras. Ora é exatamente para isto que tendem muitas das minhas obras: uma espécie de ruptura possível do sentido. xxiii BLANCHOT, 2005, p xxiv ODIN In Tradução livre de minha autoria: É que o visível, bloqueado entre a solidez do tangível e o fio/corte da escrita, exprime relações íntimas e violentas entre imagem, texto e corpos. Passamos da carne das palavras ao texto das coisas. xxv Idem. Tradução livre de minha autoria: A escrita, etimologicamente, é precisamente um movimento cortante, uma ruptura. Ela procede por incisões ou rupturas. A grafia, é o arranhão. xxvi BLANCHOT, 2001, p. 66. xxvii Ibid., p. 68. xxviii Ibid., p. 68. xxix MACHADO In HILL, 1997, p. 32. xxx CABANNE, 1997, p xxxi STOLF, 1996, p xxxii STOLF, (vídeos instalados). xxxiii A expressão fantasma constrangido foi colocada pelos artistas Diego Rayck e Aline Dias quando ambos assistiram aos vídeos pela primeira vez, em xxxiv Em minhas viagens, em 2004, durante a itinerância da proposição Lista de coisas brancas coisas que podem ser que parecem ou que eram brancas, pelos espaços do SESC em Santa Catarina, a estadia breve e solitária em diferentes hotéis, em cidades pequenas, catalisou o processo de criação dos vídeos. Resolvi levar um saco de pano que havia costurado em 1998 (para realizar uma ação na universidade, mas que acabou acontecendo somente como fotografia) e, diante da câmera de vídeo, executava um silencioso passeio pelo quarto, registrando também alguns detalhes banais e/ou estranhos do quarto em que estava. Em 2005, no processo de edição digital dessas imagens, o tempo foi desacelerado e, entre outros procedimentos, foi anexado ao vídeo a trilha sonora ( Panquecas Fantasmáticas ). xxxv projeto - bloco de coisas feitas e a fazer, com muitas tubulações de idéias e movimentos, com incessantes intensidades e desejos abertos, lançados para diante / secreto - aquilo que tenta se manter coeso como uma bola de cristal de bolso, mas que secreta algo sem saber, sem ver e sem falar / estadias - ficar lá por alguns instantes que duram noites ou ficar aqui por alguns dias que duram segundos ou permanecer ali durante uma ou sete esquinas de tempo / instáveis - aquilo que insta. aquilo que não está mais ali quando se pensa que está. aquilo que oscila num piscar. isso que passou e não ficou. tentar sair de si. errância imóvel (STOLF, 2005, texto em folder de exposição). xxxvi BLANCHOT, 1997, p. 81. xxxvii Proposição sonora que faz parte do cd-objeto Caixa de sono, em processo de finalização. xxxviii STOLF, 2005, (vídeo instalado). xxxix COMTE-SPONVILLE, 2000, p xl Idem, p xli CAGE In Código 3, 1978, s/p. xlii Idem, s/p. O silêncio é muito caro a John Cage, sendo crucial em suas concepções musicais e constituindo o título do seu primeiro livro: Silence inaugurou uma série de inclassificáveis livrosmosaicos, misturando artigos, manifestos, conferências, poemas, aforismos e anedotas exemplares (koans). A Year from Monday (1967) é o segundo compêndio da visão que eu chamaria anarcosmusica de Cage: nesse livro ele inicia a publicação de seu Diário: como Melhorar o Mundo (Você só Tornará as Coisas Piores), uma série de reflexões pessoais, reunidas fragmentariamente numa salada de citações, um tanto à maneira de Pound (nos Cantos ), mas numa dimensão discursiva mais próxima do que Buckminster Fuller viria a chamar de ventilated prose (prosa porosa). Segue-se M (1973), um título sugerido pela letra M, escolhida ao acaso, mas que é a inicial de muitas palavras e nomes de Cage: de mushrooms (cogumelos) a music, de Marcel Duchamp a Merce Cunningham (...). O último livro dessa linhagem é Empty Words ( Palavras Vazias ), de Nele aparecem os derradeiros fragmentos do Diário, que ficou interrompido (CAMPOS, 1998, p. 134). xliii CAGE, 1985, p. 98. xliv DELEUZE, 1992, p xlv SÁN G, 1999, p

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

Assim nasce uma empresa.

Assim nasce uma empresa. Assim nasce uma empresa. Uma história para você que tem, ou pensa em, um dia, ter seu próprio negócio. 1 "Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini Tuo da gloriam" (Sl 115,1) 2 Sem o ar Torna-te aquilo

Leia mais

Samara Bassi. Cartas para G.

Samara Bassi. Cartas para G. Samara Bassi Cartas para G. Samara Bassi Cartas para G. e outros bilhetes passados pelo vão da porta São Paulo 2012 Copyright 2012 Todos os direitos reservados a: Samara Regina Bassi 1ª Edição Dezembro

Leia mais

TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DO SEGURADO EMPREGADO, DOMÉSTICO E AVULSO

TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DO SEGURADO EMPREGADO, DOMÉSTICO E AVULSO TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DO SEGURADO EMPREGADO, DOMÉSTICO E AVULSO A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2010 Salário-de-contribuição (R$) INSS até 1.040,22 8,00% de 1.040,23 até 1.733,70 9,00% de 1.733,71 até 3.467,40

Leia mais

Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 ISSN - 2317-1871 VOL 02 2º Edição Especial JUL DEZ 2013 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO

Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 ISSN - 2317-1871 VOL 02 2º Edição Especial JUL DEZ 2013 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO Labirinto de vidro 2013 Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 43 Início e fim? Um silêncio denso

Leia mais

Espaço, tempo e seus desdobramentos na obra de Rafael Pagatini

Espaço, tempo e seus desdobramentos na obra de Rafael Pagatini Espaço, tempo e seus desdobramentos na obra de Rafael Pagatini Luísa Kiefer...a nossa experiência diária parece mostrar que nos constituímos como seres que se deslocam pela vida, com a única certeza da

Leia mais

V de Viagem (do Abecedário Deleuze) 77

V de Viagem (do Abecedário Deleuze) 77 LUGAR COMUM Nº23-24, pp.129-134 V de Viagem (do Abecedário Deleuze) 77 Gerardo Silva Havia uma terrível sintonia entre o sonho e a realidade, os dois mundos misturando-se numa tigela de luz, e nós, os

Leia mais

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO?

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? Carlos Eduardo Ferraço Marco Antonio Oliva Gomes DIALOGANDO COM UM SONHO DE KUROSAWA Escolhemos o sonho Corvos de

Leia mais

Qualquer fotografia une planos num só plano, desloca um lado da

Qualquer fotografia une planos num só plano, desloca um lado da F A Z E N D O E S C O L A C O M I M A G E N S TREM DO DESEJO...fotografias despregadas do real Wenceslao Machado de Oliveira Jr Uma jangada à deriva a céu aberto leva os corações despertos a sonhar por

Leia mais

TEXTO E DISCURSO. Eni Puccinelli Orlandi

TEXTO E DISCURSO. Eni Puccinelli Orlandi TEXTO E DISCURSO Eni Puccinelli Orlandi RESUMO: Texte est un objet linguistique-historique qui établit des rapports avec soi même et l exteriorité. C est à dire: le texte est à la fois un objet empirique,

Leia mais

Antropologia da Face Gloriosa. Arthur Omar

Antropologia da Face Gloriosa. Arthur Omar Antropologia da Face Gloriosa Arthur Omar Arthur Omar é um artista brasileiro múltiplo, com presença de ponta em várias áreas da produção artística contemporânea. Formado em antropologia e etnografia,

Leia mais

diálogo ARTES Gonçalo Barreiros Experiência alienante SANDRA VIEIRA JÜRGENS sandravieirajurgens@gmail.com

diálogo ARTES Gonçalo Barreiros Experiência alienante SANDRA VIEIRA JÜRGENS sandravieirajurgens@gmail.com ARTES diálogo Gonçalo Barreiros Experiência alienante SANDRA VIEIRA JÜRGENS sandravieirajurgens@gmail.com Nas suas intervenções artísticas, no domínio da escultura e da instalação, Gonçalo Barreiros pode

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

Atlas Observe o mundo a sua volta. Como você classificaria os objetos que vê? Por seu uso, cor, forma, tamanho, natureza? A intenção aqui é que toda

Atlas Observe o mundo a sua volta. Como você classificaria os objetos que vê? Por seu uso, cor, forma, tamanho, natureza? A intenção aqui é que toda Atlas Observe o mundo a sua volta. Como você classificaria os objetos que vê? Por seu uso, cor, forma, tamanho, natureza? A intenção aqui é que toda a turma crie categorias de classificação. Grupos então

Leia mais

Transcinema é o cinema situação, ou seja, um cinema que experimenta novas arquiteturas, novas narrativas e novas estratégias de interação.

Transcinema é o cinema situação, ou seja, um cinema que experimenta novas arquiteturas, novas narrativas e novas estratégias de interação. Transcinema e a estética da interrupção Kátia Maciel Transcinema é o cinema situação, ou seja, um cinema que experimenta novas arquiteturas, novas narrativas e novas estratégias de interação. Se o cinema

Leia mais

O mais simples poema a ver: Ave e Solida Vera Casa Nova UFMG/CNPq

O mais simples poema a ver: Ave e Solida Vera Casa Nova UFMG/CNPq O mais simples poema a ver: Ave e Solida Vera Casa Nova UFMG/CNPq Resumo: Este ensaio apresenta questões ligadas ao livro-objeto,ou livropoema, decorrentes do Poema Concreto e Poema Processo, que se colocam

Leia mais

Índice. Átrio ou Três Encontros e Duas Notas...17. De Um A Razão Animada por Álvaro Ribeiro...21

Índice. Átrio ou Três Encontros e Duas Notas...17. De Um A Razão Animada por Álvaro Ribeiro...21 Índice Átrio ou Três Encontros e Duas Notas...17 De Um A Razão Animada por Álvaro Ribeiro...21 Carta I...25 I Domingo do Advento, 3 de Dezembro de 2006 Passeios no campo Carta II...28 II Domingo do Advento,

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

ZALMINO ZIMMERMANN TEORIA DA MEDIUNIDADE

ZALMINO ZIMMERMANN TEORIA DA MEDIUNIDADE ZALMINO ZIMMERMANN TEORIA DA MEDIUNIDADE CAMPINAS SP 2011 SUMÁRIO Primeiras palavras... 17 Capítulo I Introdução... 19 Capítulo II O mediunismo na história... 23 Capítulo III Mediunidade Conceito Tipos...

Leia mais

A Prática Pedagógica no Berçário. Maria Carmen Silveira Barbosa

A Prática Pedagógica no Berçário. Maria Carmen Silveira Barbosa A Prática Pedagógica no Berçário "As pequenas atividades quotidianas tornam-se hábitos sobre os quais a criança fundamenta a sua autonomia" Tonucci Maria Carmen Silveira Barbosa As creches durante muitos

Leia mais

Desejo e linguagem nas bordas de um corpo Viviane Espírito Santo dos Santos

Desejo e linguagem nas bordas de um corpo Viviane Espírito Santo dos Santos Desejo e linguagem nas bordas de um corpo Viviane Espírito Santo dos Santos A partir da escuta psicanalítica de mães e seus bebês internados na UTI-Neonatal fazse uma questão: o que possibilita a circunscrição

Leia mais

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1 CELIORHEIS Página 1 A Abduzida um romance que pretende trazer algumas mensagens Mensagens estas que estarão ora explícitas ora implícitas, dependendo da ótica do leitor e do contexto em que ela se apresentar.

Leia mais

Poderes da Pintura.indd 11

Poderes da Pintura.indd 11 Figura 1 Estranho e poderoso quadro (Figura 1). Quando o olho sou imediatamente arrastado por um movimento centrífugo que me lança no ar, rodopiando como uma hélice que gira da direita para a esquerda,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

Michel Pêcheux e a Análise de Discurso

Michel Pêcheux e a Análise de Discurso Estudos da Língua(gem) Michel Pêcheux e a Análise de Discurso Michel Pêcheux e a Análise de Discurso Michel Pêcheux et l Analyse de Discours Eni P. ORLANDI * UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS (Unicamp)

Leia mais

Sinopse. Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu

Sinopse. Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu 1 Sinopse Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu não estivesse completamente sozinha. Com um estranho em um Penhasco e sem lembrar de como fui parar ali. Me assustei

Leia mais

Entre a expressão e a intenção: possibilidades de construção narrativa através da transcriação em história oral

Entre a expressão e a intenção: possibilidades de construção narrativa através da transcriação em história oral Entre a expressão e a intenção: possibilidades de construção narrativa através da transcriação em história oral Marcela Boni Evangelista Mestre em História Social Departamento de História - USP Núcleo

Leia mais

Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade.

Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade. HETERONÍMIA 7. REALIDADE Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade. Horóscopo de Alberto Caeiro, feito por Fernando Pessoa. «Uma sombra é real, mas é menos real que uma pedra» Uma das

Leia mais

Entrevista à artista plástica Sofia Areal: "Faz-se muito, erra-se muito, aprende-se muito"

Entrevista à artista plástica Sofia Areal: Faz-se muito, erra-se muito, aprende-se muito lazer // Entrevista à artista plástica Sofia Areal: "Faz-se muito, erra-se muito, aprende-se muito" A pintora vai inaugurar uma exposição, em Setembro. O pretexto ideal para nos lançarmos à conversa com

Leia mais

AS PALAVRAS CANTAM. Francisco Cândido Xavier Ditado Pelo Espírito Carlos Augusto

AS PALAVRAS CANTAM. Francisco Cândido Xavier Ditado Pelo Espírito Carlos Augusto AS PALAVRAS CANTAM Francisco Cândido Xavier Ditado Pelo Espírito Carlos Augusto 1 Carlos Augusto Identificação Carlos Augusto, também conhecido pelo nome de Gugu, chama-se Carlos Augusto Ferraz Lacerda,

Leia mais

Como uma onda no mar...

Como uma onda no mar... Como uma onda no mar... A UU L AL A Certa vez a turma passou férias numa pequena cidade do litoral. Maristela costumava ficar horas a fio admirando a imensidão azul do mar, refletindo sobre coisas da vida

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Aprender é inventar-se e inventar o mundo, ensinar também.

Aprender é inventar-se e inventar o mundo, ensinar também. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Unidade de Montenegro Curso de Graduação em Teatro: Licenciatura Programa Institucional de Bolsa de Iniciação a Docência PIBID Bolsista: Gleniana da Silva Peixoto

Leia mais

Latusa Digital Ano 9 N. 49 Junho de 2012. Sobre a letra e o gozo na escrita de Clarice Lispector

Latusa Digital Ano 9 N. 49 Junho de 2012. Sobre a letra e o gozo na escrita de Clarice Lispector Clarisse Boechat 1 Marcia Mello de Lima 2 A obra de Clarice Lispector surpreende o psicanalista de orientação lacaniana, que trabalha com a prática da letra, pois é possível extrair dali alguns conceitos

Leia mais

Palestra 1 Mudança Organizacional. Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças

Palestra 1 Mudança Organizacional. Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças Palestra 1 Mudança Organizacional Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças 02 de Dezembro de 2009 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças

Leia mais

José da Fonte Santa. Magia Alentejana. Poesia e desenhos. Pesquisa e recolha de Isabel Fonte Santa. Edições Colibri

José da Fonte Santa. Magia Alentejana. Poesia e desenhos. Pesquisa e recolha de Isabel Fonte Santa. Edições Colibri José da Fonte Santa Magia Alentejana Poesia e desenhos Pesquisa e recolha de Isabel Fonte Santa Edições Colibri índice Nota Prévia 3 Prefácio 5 O Amor e a Natureza Desenho I 10 A rapariga mais triste do

Leia mais

ARTES VISUAIS PROVA DE CRIAÇÃO. 2 a Etapa HABILIDADE ESPECÍFICA II SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Duração da prova: DUAS HORAS E 30 MINUTOS.

ARTES VISUAIS PROVA DE CRIAÇÃO. 2 a Etapa HABILIDADE ESPECÍFICA II SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Duração da prova: DUAS HORAS E 30 MINUTOS. ARTES VISUAIS - HABILIDADE ESPECÍFICA II - PROVA DE CRIAÇÃO - 2 a Etapa ARTES VISUAIS 2 a Etapa HABILIDADE ESPECÍFICA II PROVA DE CRIAÇÃO SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se

Leia mais

anti-heróis & aspirinas yury hermuche

anti-heróis & aspirinas yury hermuche anti-heróis & aspirinas yury hermuche A aspirina é um pó branco e cristalino, com ponto de fusão a 135 graus celsius, também conhecido como ácido acetilsalicílico. É vendido compactado em pastilhas. Sua

Leia mais

Perfil e Jornada de Trabalho da Equipe de Profissionais da Estação Juventude Local

Perfil e Jornada de Trabalho da Equipe de Profissionais da Estação Juventude Local PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL SECRETARIA NACIONAL DE JUVENTUDE Perfil e Jornada de Trabalho da Equipe de Profissionais da Estação Juventude Local a) COORDENADOR ADJUNTO: 01 (Contratação Temporária

Leia mais

Es c o l h e r p e n s a r

Es c o l h e r p e n s a r Es c o l h e r p e n s a r As fotografias de Daniel Costa (1973-2000) apresentadas aqui constituem parte de um conjunto que ele próprio concebeu como alternância de duas séries a de fotografias de nuvens

Leia mais

Questionário sobre os exames de saúde da criança (exceto os ítens comuns com o questionário da província)

Questionário sobre os exames de saúde da criança (exceto os ítens comuns com o questionário da província) Questionário sobre os exames de saúde da criança (exceto os ítens comuns com o questionário da província) Criança de 1 mês 1 A criança está se alimentando (mamando) bem? Sim 2 A criança bate as mãos e

Leia mais

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior O exterior da inclusão e a inclusão do exterior www.voxinstituto.com.br O tema do V Simpósio Derdic- "Mecanismos de exclusão, estratégias de inclusão" permitiu que a problemática da inclusão social do

Leia mais

Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal. Universidad Autónoma del Estado de México

Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal. Universidad Autónoma del Estado de México Babilónia. Revista Lusófona de Línguas, Culturas e Tradução Universidade Lusofona de Humanidades e Tecnologías tradutores_interpretes@ulusofona.pt ISSN (Versión impresa): 1645-779X PORTUGAL 2005 José Manuel

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Diretoria de Pós-Graduação Divisão de Admissão e Mobilidade EDITAL PROPPG/DPG/DAM 071/2013

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Diretoria de Pós-Graduação Divisão de Admissão e Mobilidade EDITAL PROPPG/DPG/DAM 071/2013 PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Diretoria de Pós-Graduação Divisão de Admissão e Mobilidade EDITAL PROPPG/DPG/DAM 071/2013 A PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO da UNIVERSIDADE ESTADUAL DE

Leia mais

MIGUEL GONÇALVES MENDES. José e Pilar Conversas inéditas

MIGUEL GONÇALVES MENDES. José e Pilar Conversas inéditas MIGUEL GONÇALVES MENDES José e Pilar Conversas inéditas Copyright 2011 by Quetzal Editores e Miguel Gonçalves Mendes Grafia atualizada segundo o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990, que entrou

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

Informativo 24. Guia de Conduta nas Competições da SAE BRASIL

Informativo 24. Guia de Conduta nas Competições da SAE BRASIL Informativo 24 Guia de Conduta nas Competições da SAE BRASIL Objetivo: Orientar e esclarecer todos os participantes e presentes as condutas necessárias para a realização da Competição em clima de respeito

Leia mais

Escrita Eficiente sem Plágio

Escrita Eficiente sem Plágio Escrita Eficiente sem Plágio Produza textos originais com qualidade e em tempo recorde Ana Lopes Revisão Rosana Rogeri Segunda Edição 2013 Direitos de cópia O conteúdo deste livro eletrônico tem direitos

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS Irmgard Birmoser de Matos Ferreira 1 Apresento aqui algumas reflexões sobre aspectos presentes na experiência do brincar que me parecem merecer

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Diretoria de Pós-Graduação Divisão de Admissão e Mobilidade EDITAL PROPPG/DPG/DAM Nº 090/2015

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Diretoria de Pós-Graduação Divisão de Admissão e Mobilidade EDITAL PROPPG/DPG/DAM Nº 090/2015 PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Diretoria de Pós-Graduação Divisão de Admissão e Mobilidade EDITAL PROPPG/DPG/DAM Nº 090/2015 A PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO da UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli DIANA + 3 Roteiro de Henry Grazinoli EXT. CALÇADA DO PORTINHO DIA Sombra de Pablo e Dino caminhando pela calçada do portinho de Cabo Frio. A calçada típica da cidade, com suas ondinhas e peixes desenhados.

Leia mais

Inmetro - Qualidade do Ar em Estabelecimentos de Uso Público e Coletivo#conclus...

Inmetro - Qualidade do Ar em Estabelecimentos de Uso Público e Coletivo#conclus... Página 1 de 7.: Qualidade do Ar em Estabelecimentos de Uso Público e Coletivo :. Metodologia de Análise, Ensaios Realizados e Resultados Obtidos As equipes que visitaram os estabelecimentos eram compostas

Leia mais

LEI Nº 4.035. De: 04 de julho de 2014. A CÂMARA MUNICIPAL DE UMUARAMA, ESTADO DO PARANÁ, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 4.035. De: 04 de julho de 2014. A CÂMARA MUNICIPAL DE UMUARAMA, ESTADO DO PARANÁ, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 4.035 De: 04 de julho de 2014. Desafeta do domínio público os imóveis localizados no CONJUNTO HABITACIONAL SONHO MEU, na cidade de Umuarama - PR. A CÂMARA MUNICIPAL DE UMUARAMA, ESTADO DO PARANÁ,

Leia mais

Fazer as costelas de vários mini saltos, pular em uma e quando cair pular em outra e assim em diante.

Fazer as costelas de vários mini saltos, pular em uma e quando cair pular em outra e assim em diante. Concentração e Atenção são as palavras chaves para uma pilotagem segura. Embora tenham a moto adequada, muitos pilotos apresentam deficiências, especialmente de postura, na hora de frenagem e na escolha

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Município de Venâncio Aires PROJETO-DE-LEI Nº 212, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2013 Poder Executivo Institui o Calendário Oficial de Eventos do, e dá outras providências. Art. 1º Instituí o Calendário Oficial de Eventos do, conforme eventos

Leia mais

noite e dia marconne sousa

noite e dia marconne sousa noite e dia marconne sousa Mais uma noite na terra a terra é um lugar tão solitário cheio de pessoas, nada mais onde se esconderam os sentimentos? um dedo que aponta um dedo que desaponta um dedo que entra

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS SOBRE A PROVA. Esta prova é constituída por duas partes, separadas por um intervalo de 30 minutos. 1.ª Parte (45 minutos)

INSTRUÇÕES GERAIS SOBRE A PROVA. Esta prova é constituída por duas partes, separadas por um intervalo de 30 minutos. 1.ª Parte (45 minutos) PA-LP 3 INSTRUÇÕES GERAIS SOBRE A PROVA Esta prova é constituída por duas partes, separadas por um intervalo de 30 minutos. 1.ª Parte (45 minutos) Durante este tempo, vais ler, com muita atenção, um texto

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Práticas Leitoras & Produção de Textos Acadêmicos

Práticas Leitoras & Produção de Textos Acadêmicos Práticas Leitoras & Produção de Textos Acadêmicos Práticas Leitoras & Produção de Textos Acadêmicos Módulo 1 A Linguagem Acadêmica Prof. Walace de Almeida Rodrigues 1 IFMG Campus Formiga Prof. Walace de

Leia mais

PROC. Nº 3832/07 PR Nº 060/07 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

PROC. Nº 3832/07 PR Nº 060/07 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Apresentamos aos Senhores Vereadores o presente Projeto de Resolução, que institui premiações a serem conferidas pela Câmara Municipal de Porto Alegre. Este trabalho é resultado da

Leia mais

ensaios Etnografias Urbanas cultura e cidade de dentro e de perto Cibele Saliba Rizek

ensaios Etnografias Urbanas cultura e cidade de dentro e de perto Cibele Saliba Rizek ensaios Etnografias Urbanas cultura e cidade de dentro e de perto Cibele Saliba Rizek Socióloga, professora PPG Arquitetura e Urbanismo do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo/USP

Leia mais

LETRAS E PALAVRAS: IMAGENS DO ÚLTIMO CALÍGRAFO. PALAVRAS-CHAVE: Caligrafia, Imagem, Livros manuscritos árabes e persas; cinema.

LETRAS E PALAVRAS: IMAGENS DO ÚLTIMO CALÍGRAFO. PALAVRAS-CHAVE: Caligrafia, Imagem, Livros manuscritos árabes e persas; cinema. LETRAS E PALAVRAS: IMAGENS DO ÚLTIMO CALÍGRAFO RODRIGUES, Ubirajara Alencar (UNICAMP) RESUMO: Esse texto é sobre imagens de letras, livros e filmes; e particularmente as de um pequeno documentário encontrado

Leia mais

experiencias Plano de Notas Sobre como montar uma narrativa de chuva Alexandre San Goes Priscila Erthal Risi lugar cadeiras encontro

experiencias Plano de Notas Sobre como montar uma narrativa de chuva Alexandre San Goes Priscila Erthal Risi lugar cadeiras encontro experiencias ^ Plano de Notas Sobre como montar uma narrativa de chuva lugar cadeiras encontro Alexandre San Goes Graduando em Ciências Sociais/UFBA Priscila Erthal Risi Arquiteta urbanista, mestranda

Leia mais

Como fazer Pesquisa de Campo em Design de Interação. Frederick van Amstel designer de interação usabilidoido.com.br

Como fazer Pesquisa de Campo em Design de Interação. Frederick van Amstel designer de interação usabilidoido.com.br Como fazer Pesquisa de Campo em Design de Interação Frederick van Amstel designer de interação usabilidoido.com.br Importância da pesquisa Perceber e compreender a diferença entre as pessoas Descobrir

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo Produzindo e divulgando fotos e vídeos Aula 1 Criando um vídeo Objetivos 1 Conhecer um pouco da história dos filmes. 2 Identificar a importância de um planejamento. 3 Entender como criar um roteiro. 4

Leia mais

UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA

UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA Glenda Duarte 1 glenda_idilios@hotmail.com O principal objetivo deste ensaio é a realização

Leia mais

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares BOLA NA CESTA Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares 25/04/2012 SINOPSE Essa é a história de Marlon Almeida. Um adolescente que tem um pai envolvido com a criminalidade. Sua salvação está no esporte.

Leia mais

Área de Formação Pessoal e Social

Área de Formação Pessoal e Social Área de Formação Pessoal e Social Identidade/ Auto-estima Independência/ Autonomia Convivência democrática/ Cidadania Brincar com o outro (s); Ouvir os outros; Saber identificar-se a si e o outro; Esperar

Leia mais

Téc. Caminhada, Graduação / Classificações, Acampamento, Logística e Ética

Téc. Caminhada, Graduação / Classificações, Acampamento, Logística e Ética Téc. Caminhada, Graduação / Classificações, Acampamento, Logística e Ética CLASSIFICAÇÃO - MODELO AMERICANO Classe 1 * Caminhada. Uso de trilhas simples e demarcadas, pode haver inclinação mas não há a

Leia mais

Edição: Rodrigo Amorim DESENHOS: Lavínya Vieira CORDEL: 1º ANO A 02

Edição: Rodrigo Amorim DESENHOS: Lavínya Vieira CORDEL: 1º ANO A 02 O Cordel, Paixão e Poesia: Castro Alves o poeta da Bahia foi feito pelos alunos do 1º ano A (IF Baiano campus Itapetinga). O cordel é uma grande homenagem ao grande poeta baiano Castro Alves, conhecido

Leia mais

Por isso antes de propriamente entrares na meditação dos textos, proponho um pequeno percurso para te ajudar a fazer silêncio interior

Por isso antes de propriamente entrares na meditação dos textos, proponho um pequeno percurso para te ajudar a fazer silêncio interior Para rezar na Semana Santa Estamos em plena Semana Santa. Ao longo destes dias somos convidados a reflectir no mistério da Paixão-Morte e Ressurreição de Jesus. A tradição popular quis recordar os últimos

Leia mais

CHAVE DE ANTEROS. Adriano Henrique Cândido. Segundo Tratamento

CHAVE DE ANTEROS. Adriano Henrique Cândido. Segundo Tratamento CHAVE DE ANTEROS de Adriano Henrique Cândido Segundo Tratamento Copyright 2013 by Adriano Henrique Cândido. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. CENA 01 - INT. IGREJA - NOITE FADE IN., 20 e poucos anos, entra

Leia mais

Assim caminha a luz. Logo após o jantar, Roberto e Ernesto saem. Em linha reta...

Assim caminha a luz. Logo após o jantar, Roberto e Ernesto saem. Em linha reta... A UU L AL A Assim caminha a luz Logo após o jantar, Roberto e Ernesto saem para dar uma volta. - Olha, pai, como a Lua está grande! - diz Ernesto. - É, aparentemente isso é verdade. Mas pegue essa moeda

Leia mais

Esta edição segue as normas do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Esta edição segue as normas do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. [2] Luciano Portela, 2015 Todos os direitos reservados. Não há nenhum empecilho caso queira compartilhar ou reproduzir frases do livro sem permissão, através de qualquer veículo impresso ou eletrônico,

Leia mais

Esse barulho me deixa surda!

Esse barulho me deixa surda! Esse barulho me deixa surda! A UU L AL A Você já reparou na quantidade de ruídos ao seu redor? Basta ficar dez segundos prestando atenção aos sons para notar o som da TV, um carro passando, um cachorro

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

A INTERPRETAÇÃO DO LIVRO DE IMAGENS: UMA ANÁLISE EM CONSTRUÇÃO

A INTERPRETAÇÃO DO LIVRO DE IMAGENS: UMA ANÁLISE EM CONSTRUÇÃO A INTERPRETAÇÃO DO LIVRO DE IMAGENS: UMA ANÁLISE EM CONSTRUÇÃO Carolina Fernandes 1 Neste trabalho, apresento algumas considerações sobre a (re)construção teóricometodológica do dispositivo de análise

Leia mais

Como falar com uma pessoa poderá me ajudar?

Como falar com uma pessoa poderá me ajudar? Como falar com uma pessoa poderá me ajudar? Aline Cerdoura Garjaka Encontrei, no seminário de 1976-77, Como viver junto, de Roland Barthes, a seguinte passagem (cito): Portanto, eu dizia É com essas palavras

Leia mais

ARTES VISUAIS E LITERATURA

ARTES VISUAIS E LITERATURA Vestibular 2009 1ª Fase ARTES VISUAIS E LITERATURA Instruções Gerais: No dia de hoje (09/11), você deverá responder às questões de Geografia, História, Artes Visuais e Literatura e de Raciocínio Lógico-Matemático.

Leia mais

Fuga. v_06.02 (julho/2011) Por Laura Barile

Fuga. v_06.02 (julho/2011) Por Laura Barile Fuga v_06.02 (julho/2011) Por Laura Barile laurabarile@gmail.com CENA 1 - EXT. RUA - DIA DORA sai do carro, bate a porta. Usa um vestido sem mangas, de algodão, comprido e leve, o cabelo levemente desarrumado,

Leia mais

LEI N.º 6.048, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

LEI N.º 6.048, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. LEI N.º 6.048, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Autoriza o Poder Executivo a doar os bens que equipam a Capela Mortuária do Bairro Progresso, para a Associação do Bairro Progresso. O Prefeito Municipal de Erechim,

Leia mais

CRIANÇAS DIALOGAM COM O TEXTO LITERÁRIO

CRIANÇAS DIALOGAM COM O TEXTO LITERÁRIO 16º CONGRESSO DE LEITURA DO BRASIL WILLIANA PEREIRA SALDANHA CRIANÇAS DIALOGAM COM O TEXTO LITERÁRIO Comunicação oral apresentada no 16ºCOLE, vinculada ao seminário 02- X Seminário sobre Biblioteca no

Leia mais

A Associação de Pais do LFIP tem o prazer de vos anunciar que no dia 29 de Novembro de 2014 irá realizar-se o 3º Marché de Noël Solidaire.

A Associação de Pais do LFIP tem o prazer de vos anunciar que no dia 29 de Novembro de 2014 irá realizar-se o 3º Marché de Noël Solidaire. Caros pais, A Associação de Pais do LFIP tem o prazer de vos anunciar que no dia 29 de Novembro de 2014 irá realizar-se o 3º Marché de Noël Solidaire. Esta iniciativa insere-se no âmbito de um projeto

Leia mais

Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 5 Ọ ANO EM 2014. Disciplina: PoRTUGUÊs UMA IDEIA TODA AZUL

Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 5 Ọ ANO EM 2014. Disciplina: PoRTUGUÊs UMA IDEIA TODA AZUL Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 5 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: UMA IDEIA TODA AZUL Um dia o Rei teve uma ideia. Era a primeira da vida

Leia mais

Eu sou o tipo de pessoa a quem as pessoas procuram para conselho e orientação no trabalho ou em minha vizinhança.

Eu sou o tipo de pessoa a quem as pessoas procuram para conselho e orientação no trabalho ou em minha vizinhança. Inventário de Inteligências Múltiplas para Adultos por Thomas Armstrong Escreva 2 no quadro em destaque, se a afirmativa se aplica muito a você; 1, se se aplica mais ou menos a você; e, 0, se de modo nenhum

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

O corpo. Lacordaire Vieira

O corpo. Lacordaire Vieira O corpo Lacordaire Vieira Biografia Lacordaire Vieira nasceu em Guapó (GO), em 1946. Passou a infância e parte da adolescência em São Luís de Montes Belos. Vive em Goiânia, desde 1965. Professor da Universidade

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Município de Venâncio Aires PROJETO-DE-LEI Nº 150, DE 25 DE SETEMBRO DE 2013 Poder Executivo Institui o Calendário Oficial de Eventos do, e dá outras providências. Art. 1º Fica por esta Lei, instituído e aprovado o Calendário Oficial

Leia mais

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL JOÃO GOULART INTRODUÇÃO A arte apresenta uma forma de

Leia mais

> SIGAM AS PISTAS... BOM TRABALHO PARA TODOS! NA CAPA

> SIGAM AS PISTAS... BOM TRABALHO PARA TODOS! NA CAPA As pistas e propostas de trabalho que se seguem são apenas isso mesmo: propostas e pistas, pontos de partida, sugestões, pontapés de saída... Não são lições nem fichas de trabalho, não procuram respostas

Leia mais

ACOMPANHE O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA

ACOMPANHE O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ACOMPANHE O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA 1 Mês: Sucção vigorosa Levanta a cabeça e rasteja as pernas, se deitado de frente Sustenta a cabeça momentaneamente Preensão de objetos que vão à mão Aquieta-se com

Leia mais

2.2. Ensino e a construção da cidadania: da moral religiosa à moral cívica.

2.2. Ensino e a construção da cidadania: da moral religiosa à moral cívica. 2.2. Ensino e a construção da cidadania: da moral religiosa à moral cívica. Cinq mémoires sur l instruc1on publique (1791). Présenta@on, notes, bi- bliographie et chronologie part Charles Coutel et Catherine

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho alternativo, onde encontra com um sujeito estranho.

Leia mais

COMO DIGITALIZAR E FINALIZAR SEUS PROGRAMAS DE RÁDIO EM CD 1 Mariana Moura e Marcelo Berg

COMO DIGITALIZAR E FINALIZAR SEUS PROGRAMAS DE RÁDIO EM CD 1 Mariana Moura e Marcelo Berg COMO DIGITALIZAR E FINALIZAR SEUS PROGRAMAS DE RÁDIO EM CD 1 Mariana Moura e Marcelo Berg Para que possamos digitalizar nossos programas de rádio gravados em fita cassete, utilizaremos: - o próprio gravador

Leia mais