O Efeito Estufa e a Temperatura da Terra

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Efeito Estufa e a Temperatura da Terra"

Transcrição

1 O Efeito Estufa e a Temperatura da Terra Autores: Arjuna C. Panzera Arthur E Q Gomes Dácio G. Moura I - Introdução Os assuntos aquecimento global, emissão de gás carbônico, mudança climática, estão sempre presentes nos noticiários. Vemos notícias de conferências internacionais discutindo esses assuntos tentando chegar a acordos para diminuir os problemas climáticos que podem estar sendo causados pela ação do homem. Este módulo trata desses assuntos procurando explicar as razões dos problemas climáticos que estão sendo apontados. A causa principal das mudanças climáticas tem sido atribuída ao fenômeno chamado efeito estufa. O efeito estufa é um fenômeno natural que tornou possível a vida na Terra, mas é a sua intensificação que pode causar problemas ambientais. Vamos analisar esse fenômeno, as causas de sua intensificação e as conseqüências disso para o meio ambiente. Vamos abordar também as ações necessárias para diminuir os impactos da intensificação do efeito estufa no planeta. Os fenômenos climáticos são muito complexos. Para entendê-los precisamos utilizar conhecimentos sobre: a história das transformações geológicas e da vida na Terra, as relações Terra-Sol, a constituição da atmosfera, as relações entre calor e temperatura. 1

2 As idéias básicas deste módulo são: A intensificação do efeito estufa é resultado da diferença entre a energia recebida do Sol e a energia reemitida pela Terra ao ser aquecida. A energia que a Terra recebe do Sol é basicamente através da luz branca e a energia emitida pela Terra, devido ao seu aquecimento, é através da radiação infravermelha. A variação da temperatura de um sistema depende da diferença entre a energia que entra e a energia que sai dele. A atmosfera é transparente para a luz branca, mas relativamente opaca para a radiação infravermelha. O que torna a atmosfera mais ou menos opaca à radiação infravermelha é principalmente o percentual de vapor de água e de dióxido de carbono (gás carbônico) presente na atmosfera. O aumento de gás carbônico na atmosfera causa a intensificação do efeito estufa, aumentando a temperatura da Terra. As mudanças climáticas ocorrem devido a fatores naturais e a fatores antropogênicos (resultados da ação do homem). Podemos conhecer a história do clima da Terra analisando registros históricos feitos pelo homem e registros deixados pela própria natureza. É importante tomar medidas para evitar a intensificação do efeito estufa. II - O nosso planeta O nosso planeta possui características especiais que o tornam um lugar único para a vida. 2

3 A Terra é um dos oito planetas do nosso sistema solar. Fig. 1: Planetas do Sistema Solar Os planetas podem ser separados em dois grupos. O primeiro grupo é dos planetas mais próximos do Sol: Mercúrio, Venus, Terra e Marte. Esses planetas são relativamente pequenos, rochosos e densos. O segundo grupo é dos planetas mais afastados do Sol: Júpiter, Saturno, Urano e Netuno. Esses planetas são relativamente grandes, gasosos e pouco densos. A Terra é um planeta que se distingue dos demais por possuir uma atmosfera constituída por gases como nitrogênio, oxigênio, gás carbônico e vapor de água. Fig. 2: A tênue camada atmosférica terrestre Outros planetas têm atmosfera, mas nenhuma delas tem a composição parecida com a nossa. O nosso planeta se distingue também por ser o único que possui a 3

4 água nos três estados, líquido, solido e vapor. Os dois planetas mais próximos do Sol são muito quentes e a água que por ventura tenha existido na sua superfície evaporou-se. Os planetas mais afastados do Sol são muito frios e não podem ter água na forma líquida na sua superfície. Essas condições únicas de constituição da atmosférica e de existência de água nos três estados são os fatores que possibilitam a existência de vida na Terra. O planeta Terra tem um raio médio de km. A camada de gases que compõem a atmosfera possui uma espessura de cerca de 100 km. Essa camada é relativamente muito fina quando comparada com o raio da Terra. 99% dos gases que compõem a atmosfera estão abaixo de 30 km de altura. A primeira camada da atmosfera, que vai até à altura de cerca de 10 km, é chamada de Troposfera. Nessa camada é onde existe a vida na Terra. Os fenômenos climáticos, vento e chuva, ocorrem na Troposfera. No pico Everest, o ponto mais alto da Terra, com altura de 8.844m, o ar já é muito rarefeito e lá é preciso usar máscara de oxigênio para respirar. Fig. 3: Camadas da atmosfera terrestre. A atmosfera é composta por moléculas de gases. O nitrogênio (N 2 ) é o gás mais abundante na atmosfera (78%), seguido do oxigênio (O 2 ) com 21%. O gás carbônico, ou dióxido de carbono (CO 2 ), na atmosfera corresponde a um percentual 4

5 de apenas 0,03%. A atmosfera contém ainda pequena quantidade de vários outros gases, como: ozônio, metano, monóxido de carbono. Fig. 4: Representação da composição da atmosfera Vapor de água também está presente nas camadas mais baixas da atmosfera com um percentual variando entre 1% e 4%. A quantidade de vapor de água presente na atmosfera num determinado local depende de muitos fatores, como a temperatura, pressão do ar e a presença de fonte de vapor. As fontes de vapor podem ser: evaporação de lagoas, rios, mar e do próprio solo; transpiração de vegetais e animais. Além da troposfera, outra camada importante da atmosfera é a estratosfera que está entre a troposfera e a altitude de 50 km. É nessa região que se localiza a chamada camada de ozônio (O 3 ). O ozônio da estratosfera protege a vida na Terra impedindo que ela receba doses altas de radiação ultravioleta nociva à vida. Para você fazer Representando as dimensões da Terra e da sua Atmosfera numa mesma escala Faça uma circunferência de 1 metro de diâmetro numa folha de papel grande. Se esse círculo representar a Terra, calcule, nessa escala, qual será a altura da atmosférica (considere que ela tem 100 km de altura). Represente na folha de papel a atmosfera. É possível representar também a troposfera? Pesquise sobre a estrutura interna da Terra. Usando essa mesma escala, represente as principais camadas internas da Terra no mesmo círculo. 5

6 Fig. 5: Monte Everest, situado no continente asiático, na cordilheira do Himalaia. Veja a apresentação Pequena História da Terra. Para vê-la clique no titulo. Discuta com seus colegas os aspectos que você julgou mais interessantes nessa história. III - O Sol, a nossa principal fonte de energia Para os habitantes da Terra, o Sol é a estrela mais importante dentre os bilhões de bilhões de estrelas que existem no Universo. Dele recebemos toda a energia necessária à vida dos animais e vegetais. A energia produzida no Sol é resultado de reações de fusão nuclear que provocam aquecimento fazendo a temperatura de sua superfície ser de aproximadamente 6.000ºC. A energia que recebemos do Sol vem através da radiação solar. Essa radiação é principalmente a luz branca, que é uma onda eletromagnética da mesma natureza das ondas de rádio e TV, das radiações dos fornos de micro-ondas, dos raios X. Nem toda a energia do Sol que chega à Terra atinge a superfície do planeta. Uma parte dessa energia é refletida para o espaço pela atmosfera. Essa energia refletida 6

7 é cerca de 40% da que chega ao planeta. A energia refletida é a responsável pelo brilho do nosso planeta quando visto do espaço. Assim, 60% da energia solar que chega à Terra atinge a sua superfície. Fig. 6: o albedo representa a relação entre a quantidade de luz refletida pela superfície terrestre e a quantidade de luz recebida do Sol Em um segundo, cada metro quadrado da superfície terrestre recebe em média a energia de 240 joules. Energia por segundo é denominada de potência cuja unidade de medida no Sistema Internacional de Medidas é o watt (W). Assim, a potência média que atinge a superfície da Terra é de 240 W/m 2. Essa potência seria suficiente para fazer funcionar um aparelho de TV grande. O valor de 240 watts por metro quadrado é um valor médio, pois a quantidade de luz solar que atinge o solo varia de um lugar para outro e depende da hora do dia. A radiação solar num dado local atinge seu máximo ao meio dia. Próximo aos pólos da Terra, a radiação é menor devido ao fato dos raios solares atingirem obliquamente o solo nessa latitude. IV A energia do Sol que chega à superfície da Terra A energia do Sol é transmitida até a Terra através de radiações eletromagnéticas. Uma característica importante de uma radiação ou onda eletromagnética é a sua freqüência. A freqüência de uma radiação está relacionada com a temperatura do corpo que emitiu a radiação. Qualquer corpo com temperatura acima do zero 7

8 absoluto (isto é, 273ºC negativo) emite energia radiante (ondas eletromagnéticas). A freqüência dessa radiação emitida depende da temperatura do corpo: quanto maior a temperatura do corpo, maior a freqüência da radiação emitida, quanto menor a temperatura do corpo menor a freqüência da radiação emitida. Fig. 7: Temperaturas de nuvens obtidas através de imagens de satélite no nordeste do Rio Grande do Sul. Os tons em azul indicam topos de nuvem muito frios e os tons laranjas indicam regiões das nuvens menos frias. O formato arredondado indica um tipo de nuvem que pode causar temporais. A cor da luz está relacionada com a sua freqüência (ver figura 8). Portanto, a cor da luz emitida por um objeto quente é função da temperatura do objeto. Assim, podemos saber a temperatura de um objeto analisando a radiação que ele emite. Isso é feito para saber a temperatura de estrelas e de alto-fornos. 8

9 Fig. 8: Quanto menor a freqüência de uma onda eletromagnética, como a luz visível, maior será seu comprimento de onda. A luz vermelha, por exemplo, tem a menor freqüência e o maior comprimento de onda. O Sol, por exemplo, está a aproximadamente 6.000ºC e brilha emitindo luz visível. A luz branca que vemos do Sol é um conjunto das várias cores que aparecem no arcoíris, onde predominam o azul e o violeta. O filamento de uma lâmpada que está a aproximadamente 3.000ºC brilha com uma luz amarelada. Quando diminuímos a corrente elétrica que passa no filamento da lâmpada a sua temperatura diminui e, então, o filamento torna-se avermelhado. Se diminuirmos mais ainda a corrente, o filamento deixa de emitir luz vermelha e passa a emitir radiação infravermelha que é invisível. As figuras abaixo mostram fotografias de uma lâmpada na qual passa uma corrente elétrica. O valor da corrente elétrica aumenta de uma foto para outra. Observe a mudança de cor. 9

10 Fig. 9: A cor do filamento de uma lâmpada depende da temperatura do filamento. Numa lâmpada incandescente, praticamente toda a energia produzida no seu filamento, pela corrente elétrica, é emitida para o ambiente por radiação. Essa situação é análoga ao que ocorre com a energia emitida pelo Sol e pelas estrelas. Como esses corpos estão cercados por uma região de vácuo, a radiação é o único modo de transferência de energia. Vamos ver agora o que ocorre com a energia radiante quando ela atinge um objeto. Ao atingir um objeto três coisas podem acontecer: uma parte da energia pode ser absorvida pelo objeto; outra parte da energia pode passar através dele (ser transmitida); outra parte pode ser refletida pelo objeto. A parte da energia que é absorvida aumentará a energia interna do objeto aumentando sua temperatura. Fig. 10: A energia radiante pode ser absorvida, transmitida ou refletida quando atinge um objeto. As porções de energia que são refletidas, absorvidas e transmitidas dependem: Das propriedades do corpo que recebe essa energia (corpos opacos não transmitem radiação, corpos polidos refletem mais do que os não polidos). Da freqüência da radiação incidente (os corpos absorvem apenas determinadas freqüências). 10

11 V - O funcionamento de uma estufa Para entender o efeito estufa precisamos entender o conceito de equilíbrio térmico. Um corpo pode emitir energia através de radiação e, ao mesmo tempo, absorver energia radiante que incidir sobre ele. Se ele receber mais energia do ele emite, ele vai se aquecer. Se ele receber menos energia do que ele emite, ele vai se esfriar. Se ele receber e emitir a mesma quantidade de energia a sua temperatura ficará estável, isto é não aumentará nem diminuirá. Dizemos que o corpo está em equilíbrio térmico. Fig. 11: A garrafa esquentará se receber mais radiação do que refletir; esfriará se refletir mais que receber; e permanecerá na mesma temperatura se refletir a mesma energia que receber. Exemplo: um livro sobre uma mesa emite energia radiante de acordo com sua temperatura, cerca de 30ºC. Nessa temperatura a energia emitida não é visível, está na faixa da radiação infravermelha. O livro também recebe energia luminosa do ambiente. Uma parte dessa energia recebida é absorvida pelo livro e outra parte é refletida para o ambiente. Se a energia absorvida pelo livro for maior que a energia emitida o livro aumentará sua temperatura e vice versa. A temperatura do livro ficará constante se a quantidade de energia recebida for igual à emitida. Para entender o efeito estufa é preciso entender o balanço da energia que entra e que sai de um corpo ou sistema. As estufas de plantas são cômodos fechados, com paredes e telhados de vidro ou de plástico, usados em locais frios, para se obter temperatura maior e proteger plantas. O objetivo da estufa é reter a energia 11

12 solar no seu interior para manter a temperatura interna mais elevada que a temperatura externa. O vidro é transparente às ondas da luz visível, mas opaco às ondas ultravioletas e infravermelhas. Assim o vidro permite que a radiação visível do sol atravesse o telhado entrando na estufa. Essa radiação é absorvida pelo solo e pelas plantas em seu interior. O solo e as plantas, por sua vez, estando aquecidos, emitem radiação infravermelha. O vidro não deixa essa energia infravermelha sair, aumentando, assim, a temperatura do interior da estufa. Em Minas Gerais, na região de Barbacena, as estufas são muito utilizadas para o cultivo de rosas. Fig. 12: A figura da esquerda mostra o interior de uma estufa de plantas. A figura da direita mostra esquematicamente as radiações solares incidentes (ondas curtas) e as radiações térmicas (ondas longas) emitidas e retidas dentro da estufa. Todos nós podemos observar o efeito estufa ocorrendo num carro exposto ao sol com os vidros fechados. Os raios solares entram pelo vidro e são absorvidos pelos assentos, painel e tapetes. Esses objetos se aquecem e a radiação infravermelha 12

13 emitida é refletida de volta pelos vidros para o interior do carro. A radiação emitida pelos objetos tem comprimento de onda e, portanto, freqüência, diferente da luz do Sol que entrou pelas janelas. Fig. 13: O efeito estufa dentro de um carro com vidros fechados. VI - O efeito estufa no planeta Terra Como vimos anteriormente a temperatura de um corpo depende do balanço energético, isto é, da relação entre a energia emitida e a energia recebida pelo corpo. Esse princípio se aplica também à Terra, ou seja, o nosso clima é regido pelas mesmas leis que usamos para analisar o balanço energético de qualquer corpo. Todos os corpos emitem energia para o ambiente e também absorvem energia do ambiente. Se um corpo dá mais energia do que recebe, ele esfria. Se o corpo recebe mais energia do que dá, ele esquenta. Se a temperatura do corpo é a mesma do ambiente, a energia que ele recebe e igual à energia que ele dá. Nessa situação dizemos que o corpo está em equilíbrio térmico com o ambiente. Se o nosso planeta fosse isolado no espaço, impedido de receber energia do Sol, ele continuaria emitindo radiação, perdendo energia térmica e resfriando-se. Entretanto, como estamos recebendo energia do Sol, a energia que a Terra perde para o espaço é compensada pela radiação solar que é absorvida pelo nosso planeta. Assim, a Terra fica em equilíbrio térmico, ou seja, sua temperatura média fica estável, não aumenta nem diminui. 13

14 A energia radiante que a Terra recebe do Sol está, na sua maior parte, na faixa da luz visível, com alta freqüência e pequeno comprimento de onda. A superfície terrestre absorve parte dessa energia e, depois de aquecida, devolve essa energia para o espaço. Mas, como a temperatura da Terra é relativamente baixa, ela irradia a energia em baixas freqüências, na faixa da radiação infravermelha. Fig.14: Balanço energético da Terra. A superfície e a atmosfera terrestres recebem radiação vinda do Sol, que aquece a Terra. A superfície terrestre irradia parte dessa energia na faixa dos comprimentos de ondas mais longos (infravermelho). Se não houvesse o efeito estufa a temperatura média da Terra seria cerca de -20ºC. Como vimos, a atmosfera tem a propriedade de ser bastante transparente para a luz branca e relativamente opaca para a radiação infravermelha. A Terra é aquecida pela luz branca que atravessa a atmosfera e chega à sua superfície. Uma vez aquecida, a superfície da Terra emite radiação do tipo infravermelha. Parte dessa radiação é absorvida por alguns gases da atmosfera contribuindo para aumentar a temperatura da Terra. Esse fenômeno é o chamado efeito estufa. 14

15 Fig. 15: Parte da energia solar é absorvida e parte é refletida pela Terra. Na atmosfera terrestre, os gases que absorvem a radiação infravermelha são principalmente o vapor d água (H 2 O), o gás carbônico (CO 2 ) e o ozônio (O 3 ). Boa parte do efeito estufa em nosso planeta deve-se à existência do gás carbônico, pois a radiação infravermelha é facilmente absorvida pelas moléculas de CO 2. As nuvens são também importantes absorvedoras de radiação infravermelha. De fato, a água interage de diferentes maneiras com a radiação infravermelha, em todos os seus estados físicos. Outros absorvedores de radiação infravermelha são: o metano (CH 4 ), o óxido nitroso (NO 2 ) e os clorofluorcarbonos (CFC s). Cálculos científicos mostram que a Terra teria uma temperatura média de 20ºC negativos (-20ºC) se não houvesse atmosfera para provocar o efeito estufa. Esse resultado é calculado aplicando-se a fórmula que relaciona a temperatura do corpo com a energia que ele emite, e conhecendo-se também o valor da energia do Sol que chega ao planeta. O quadro abaixo mostra os valores das temperaturas medidas em três planetas e os valores de temperaturas calculadas supondo ausência de atmosfera. É o efeito estufa causado pela presença de CO 2 na atmosfera que produz essa diferença entre a temperatura medida e a calculada em cada planeta. Em Vênus a atmosfera é muito densa sendo constituída por 96% de CO 2, produzindo um efeito estufa intenso. Em Marte, a atmosfera é pouco densa, sendo 1% da densidade da atmosfera da Terra, produzindo um efeito estufa muito fraco. Note que a Terra seria totalmente 15

16 congelada se não houvesse o efeito estufa. O estudo das temperaturas medidas e calculadas dos planetas mostra que o efeito estufa é um fenômeno natural que sempre existiu desde a formação dos planetas. Fig. 16: Valores de temperaturas reais (medidas) e das temperaturas calculadas, em três planetas, supondo a ausência do efeito estufa A figura abaixo mostra um esquema do efeito estufa e o balanço de energia na Terra. Fig.17: Diagrama da radiação solar que entra na Terra e da radiação emitida por ela. Atividade 2: Simulando o Efeito Estufa Forre uma caixa de sapatos, sem a tampa, com papel preto. Coloque um copo com água pela metade, dentro da caixa. Cubra a caixa de sapatos com folha de plástico fina de PVC transparente (usada para embrulhar alimentos). Coloque a caixa de sapatos sob a luz solar por cerca de 30 minutos. Coloque outro copo igual ao primeiro, também com água pela metade, fora da caixa, também sob a luz solar. 16

17 Passados os 30 minutos, retire o papel filme e com seu próprio dedo compare a temperatura da água nos dois copos. (Se você tiver um termômetro use-o para comparar as temperaturas) Como você relaciona este experimento com o Efeito Estufa? VII Fatores que fazem variar o clima na Terra O clima na Terra é determinado por inúmeros fatores. Há fatores naturais e fatores produzidos pelo homem. Como vimos, o efeito estufa é um fator natural importante, mas que tem sido intensificado pela ação do homem. A ação do homem tem aumentado drasticamente a quantidade de CO 2 na atmosfera nos últimos tempos. O aumento da quantidade de CO 2 provoca o aumento do efeito estufa e, assim, o aumento da temperatura. Esse aumento da temperatura média da Terra é conhecido como aquecimento global do planeta. O gráfico abaixo mostra o aumento de CO 2 na atmosfera nos últimos anos. Fig. 18: A linha azul do gráfico mostra a variação da concentração de CO 2 na atmosfera e a linha vermelha mostra a variação da temperatura média da Terra nos últimos mil anos. O gráfico mostra que o aumento de gás carbônico está intensificando o efeito estufa, tendendo a aumentar a temperatura média do planeta. O efeito estufa, que tornou a vida possível na Terra, pode estar agora, devido ao aumento de temperatura, pondo em risco as condições de vida no planeta. 17

18 Os dados do gráfico acima são obtidos através de medidas complexas feitas pelos cientistas que estudam o clima da Terra no passado. Essa ciência chama-se paleoclimatologia (paleo significa antigo em grego). Como sabemos sobre clima no passado? Como os paleoclimatologistas determinam o clima na Terra há mil, cem mil, ou cem milhões de anos atrás? Medidas diretas da temperatura e da precipitação de chuvas somente começaram a ser registradas a partir de meados do século XIX. Para se obter informações mais antigas os cientistas utilizam diversos recursos e técnicas de medidas indiretas. Eles obtêm dados a partir de dois tipos de recursos: registros históricos feitos pelo próprio homem e registros deixados pela própria natureza. Registros históricos feitos pelos homens são, por exemplo, as anotações feitas pelos pescadores da Islândia a partir do ano Esses pescadores registravam anualmente as semanas em que o mar na costa da Islândia estava congelado. Isso dá uma indicação indireta da temperatura na região a partir do ano Outro exemplo são os registros das datas de colheitas de uvas na Alemanha. Esses registros foram feitos a partir do século IX. Outros exemplos de registros úteis são: as datas de congelamento do lago do palácio do imperador do Japão registradas a partir de 1.450; a medida da altura do Rio Nilo na cidade do Cairo registrada a partir do ano 622; referências à intensidade do inverno na Inglaterra registradas a partir do ano Registros feitos pela natureza são aqueles associados às mudanças que ocorrem anualmente devido às alterações climáticas relacionadas às estações do ano. Tudo que cresce ou muda em conseqüência das mudanças de estações pode ser usado como indicador do clima do passado. Por exemplo: árvores adicionam novos anéis de crescimento em seus troncos a cada ano que passa. 18

19 Fig. 19: Os anéis dos troncos de árvores são indicadores da sua idade. A largura e a densidade dos anéis dos troncos refletem a temperatura, a quantidade de chuvas e outros fatores ambientais. O número de anéis indica quantos anos se passaram. Os anéis são um indicador cronológico importante associado ao clima. A análise dos anéis pode informar sobre a época e as mudanças climáticas que ocorreram em determinado local. Os corais marítimos também crescem acrescentando anéis. O estudo desses anéis permite inferir as variações de temperatura e da composição da água ao longo tempo. As camadas de sedimento no fundo de um lago também revelam informações sobre as mudanças climáticas em determinadas épocas. Esses indicadores naturais contam a história do clima há milhares de anos atrás. Para conhecer o clima a milhões ou bilhões de anos do passado os cientistas também estudam fósseis de plantas e animais. Por exemplo, se um fóssil de palmeira tropical é encontrado numa região gelada, podemos concluir que um ambiente tropical existiu naquele lugar no passado. Fósseis microscópicos de pólen de plantas e espórios são muito úteis na reconstrução de mudanças climáticas do passado. Eles são mais facilmente preservados, pois são mais resistentes a erosão e a decomposição. Com esses fósseis podemos determinar que plantas floresceram no passado e, assim, podemos inferir a temperatura e a precipitação de chuvas na região. As rochas sedimentares também preservam registros de mudanças climáticas. Por exemplo: a quantidade de poeira na atmosfera do passado pode ser deduzida a 19

20 partir da distribuição dos sedimentos depositados pelo vento. A poeira é um indicador importante do clima porque a poeira na atmosfera tende a bloquear a luz do sol. Nos períodos em que a atmosfera estava encoberta por poeira foram observadas temperaturas muito baixas na superfície da Terra. Alguns indicadores climáticos permitem estimar a temperatura do passado. Os cientistas podem determinar a temperatura do passado estudando o interior de gelos retirados das calotas polares e das montanhas glaciais. Analisando características químicas do gelo os cientistas podem saber a temperatura no local quando o gelo foi formado como também a temperatura global. Fig. 20: Pesquisando o interior do gelo retirado de regiões frias da Terra. Se a água que compõe o gelo é composta principalmente de isótopos leves de hidrogênio e oxigênio pode-se inferir que o gelo foi formado durante um período globalmente mais frio. Por outro lado, o gelo rico em isótopos pesados de hidrogênio e oxigênio indica a sua formação durante em um período globalmente mais quente. A análise da presença de isótopos nos gelos é um indicador preciso de temperatura porque o processo de evaporação e de precipitação da água são fortemente influenciados pelo peso das moléculas de água. Por exemplo, as moléculas de água isotopicamente mais leves evaporam mais facilmente do que as moléculas isotopicamente mais pesadas. Por outro lado, a precipitação das moléculas mais leves é menor do que das moléculas isotopicamente mais pesadas. Se o gelo tem mais isótopos leves indica que ele foi formado num período mais frio. Por outro lado, se o gelo tem mais isótopos pesados indica que ele foi formado num período mais quente. 20

21 Analisando o gelo glacial é também possível obter amostras do ar antigo nas bolhas do gelo. Testes químicos desse ar podem revelar a sua composição, incluindo a presença de gases de efeito estufa tais como dióxido de carbono e metano. Esses estudos são cruciais para conhecer a temperatura e a composição atmosférica de até 400 mil anos atrás. Esses registros mostram que durante os períodos globalmente mais frios a concentração na atmosfera dos gases do efeito estufa era muito mais baixa do que nos períodos com maior concentração desses gases. Fig. 21: Concentração de CO 2 e variação da temperatura da Terra ao longo dos anos. Idades do gelo Os períodos em que a temperatura global permanece muito baixa por um longo tempo fazendo a superfície da Terra ficar quase toda coberta de gelo são chamados de era glacial ou era gelo. Períodos nos quais a temperatura aumenta, a camada de gelo diminui e o nível do mar sobe são chamados períodos inter-glaciais. Nos últimos 1 milhão e 600 mil anos ocorreram mais de 20 períodos inter-glaciais. O tempo entre uma era do gelo e outra tem sido de cerca de 100 mil anos. Pode-se determinar a duração e o tempo de uma era glacial analisando rochas que são marcadas e riscadas pela expansão das geleiras. No inicio de uma era glacial a camada de gelo vai se expandido na direção do equador. A idade do gelo mais recente ocorreu há 70 mil anos atrás. Há 12 mil anos atrás a terra entrou num 21

22 período inter-glacial que dura até hoje. Nesse período passamos por um momento de temperatura máxima há 6 mil anos atrás e desde então a Terra vem resfriando gradualmente. Tivemos uma pequena idade do gelo entre os anos de 1300 a Fig. 22: Mudanças na temperatura da Terra durante períodos de tempo variáveis durante os últimos milhões de anos. A sombra esverdeada indica a faixa que está sendo ampliada de um gráfico para outro. 22

23 Efeitos climáticos naturais Quais os fatores que causam mudanças no clima da Terra? Há fatores naturais como os resultantes de deslocamento de continentes, levantamento da crosta da superfície da Terra criando grandes cadeias de montanhas ou isolando bacias oceânicas. Por exemplo, o surgimento da cordilheira do Himalaia, há cerca de 70 milhões de anos, causou um grande impacto no clima da Terra porque alterou o movimento dos ventos e da umidade no planeta. Poeiras de vulcões também podem causar mudanças climáticas por bloquear a luz solar. Mudanças climáticas também ocorrem devido a fatores externos à Terra como, por exemplo, os impactos de grandes meteoritos. A teoria mais aceita para a extinção dos dinossauros, ocorrida há mais ou menos 65 milhões, atribui a causa ao impacto de um meteorito gigante na superficie da Terra. Esse impacto teria levantado uma imensa nuvem de poeira que mudou o clima causando resfriamento brusco e extinguindo grande parte dos seres vivos. Fig 23: À esquerda: cratera do meteoro no deserto do Arizona; à direita: representação artistica de impacto de meteorito na Terra. Outro fator externo à Terra que produz também mudanças climáticas são as variações da radiação solar que ocorrem devido aos chamados ciclos solares. O ciclo solar são variações na intensidade do vento solar e do campo magnético solar. O ciclo solar dura em média 11 anos e é conseqüência de mudanças no ritmo das erupções solares e do campo magnético solar. Tais mudanças afetam a atividade geomagnética da Terra e provocam alterações da temperatura do plasma ionosférico de nosso planeta. 23

24 Alterações no clima da Terra também são produzidas pelas variações que ocorrem na rotação da Terra em torno de seu eixo e na órbita de rotação da Terra em torno do Sol. A inclinação do eixo de rotação da Terra sofre variações cíclicas ao longo do tempo assim como a excentricidade da órbita elíptica da Terra em torno do Sol. Esse ciclo de mudanças orbitais é chamado de Ciclo de Milankovitch em homenagem ao matemático iugoslavo que relacionou essas variações com os períodos glaciais. Fig. 24: Astronomia e ciclos climáticos Efeitos climáticos antropogênicos Há também fatores de mudanças climáticas causadas pela ação do homem (fatores antropogênicos) que são aqueles relacionados com a emissão de gases de efeito estufa. No mundo moderno, a intensa utilização de motores queimando combustíveis despeja na atmosfera imensas quantidades de dióxido de carbono (CO 2 ): cerca de 6 bilhões de toneladas por ano! Essa é a causa principal do chamado efeito estufa nocivo provocado pela ação humana e que precisa ser enfrentado pela humanidade. Os gráficos abaixo mostram a variação da concentração de gás carbônico na atmosfera (primeiro gráfico) e a variação da temperatura média na Terra (segundo gráfico), na era industrial. 24

XI OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2009 O Sistema Solar

XI OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2009 O Sistema Solar XI OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2009 O Sistema Solar Gabarito Primeira Fase Cruzadinha 3 6 1 V Ê N U S E 2 L U A 8 1 S N M 3 E S P E C T R O S C O P I A Q 2 R R U T E 4 É I 4 E C L Í P T I C A 7 N R

Leia mais

Radiação Solar como forçante climática

Radiação Solar como forçante climática Radiação Solar como forçante climática O Sol fornece 99,97 % Emite 2,34 x10 22 MJ/min. Terra intercepta apenas 1,06 x 10 13 MJ (milionésimo) Milhares de vezes maior que consumo anual de energia no planeta.

Leia mais

06-01-2012. Sumário. O Sistema Solar. Principais características dos planetas do Sistema Solar 05/01/2012. 23 e 24

06-01-2012. Sumário. O Sistema Solar. Principais características dos planetas do Sistema Solar 05/01/2012. 23 e 24 Sumário Os planetas do Sistema Solar e as suas principais características. (BI dos Planetas do Sistema Solar). Atividade Prática de Sala de Aula Características dos planetas. Preenchimento de tabelas,

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE

CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE 1.0. O Universo O Universo que pode ser observado pelo homem abrange milhões e milhões de quilômetros. Dentro desse Universo existem incontáveis galáxias, destacando-se

Leia mais

O MUNDO QUE VIVEMOS CAPITULO 1 DO VIANELLO E ALVES METEOROLOGIA BÁSICA E APLICAÇÕES

O MUNDO QUE VIVEMOS CAPITULO 1 DO VIANELLO E ALVES METEOROLOGIA BÁSICA E APLICAÇÕES O MUNDO QUE VIVEMOS CAPITULO 1 DO VIANELLO E ALVES METEOROLOGIA BÁSICA E APLICAÇÕES O SOL E O SISTEMA SOLAR SE ENCONTRA NA VIA-LÁCTEA SIMPLES GRAUM DE AREIA ENTRE AS INCONTAVEIS GALÁXIAS DO UNIVERSO VISÍVEL

Leia mais

A Terra em Realidade Aumentada

A Terra em Realidade Aumentada A Terra em Realidade Aumentada www.constellatius.com Edmilson Souza Barreto Simone de Oliveira Tenório A Terra em Realidade Aumentada Edmilson Souza Barreto Simone de Oliveira Tenório Livro com aplicação

Leia mais

DO MÓDULO: O EFEITO ESTUFA E O CLIMA NA TERRA 1. HABILIDADES

DO MÓDULO: O EFEITO ESTUFA E O CLIMA NA TERRA 1. HABILIDADES TÓPICO 8: O EFEITO ESTUFA E O CLIMA NA TERRA Autor: Prof. Alfonso Chíncaro Bernuy CONTEÚDO DO MÓDULO: O EFEITO ESTUFA E O CLIMA NA TERRA 1. HABILIDADES Compreender as causas da intensificação do efeito

Leia mais

Controle Primário rio do tempo e do clima

Controle Primário rio do tempo e do clima Controle Primário rio do tempo e do clima Condução entre corpos em contato físico direto. Transferência de energia entre as moléculas Convecção Somente ocorre em líquidos e gases. Transferência de calor

Leia mais

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria Radiação Radiação é o processo de transferência de energia por ondas eletromagnéticas. As ondas eletromagnéticas são constituídas de um campo elétrico e um campo magnético que variam harmonicamente, um

Leia mais

Novas Descobertas sobre o Sistema Solar

Novas Descobertas sobre o Sistema Solar FIS 2009 Explorando o Universo: dos Quarks aos Quasares Novas Descobertas sobre o Sistema Solar Jorge Ricardo Ducati Departamento de Astronomia Universidade Federal do Rio Grande do Sul Planeta Terra:

Leia mais

Unidade 1 Energia no quotidiano

Unidade 1 Energia no quotidiano Escola Secundária/3 do Morgado de Mateus Vila Real Componente da Física Energia Do Sol para a Terra Física e Química A 10º Ano Turma C Ano Lectivo 2008/09 Unidade 1 Energia no quotidiano 1.1 A energia

Leia mais

METEOROLOGIA. Disciplina: Ciências Série: 5ª - 4º BIMESTRE Professor: Ivone Fonseca Assunto: Meteorologia e Astronomia

METEOROLOGIA. Disciplina: Ciências Série: 5ª - 4º BIMESTRE Professor: Ivone Fonseca Assunto: Meteorologia e Astronomia METEOROLOGIA Disciplina: Ciências Série: 5ª - 4º BIMESTRE Professor: Ivone Fonseca Assunto: Meteorologia e Astronomia A meteorologia (do grego meteoros, que significa elevado no ar, e logos, que significa

Leia mais

Universidade da Madeira. Sistema Solar. Grupo de Astronomia. Laurindo Sobrinho. 7 de dezembro de 2015. Image Credit: NASA/CXC/SAO

Universidade da Madeira. Sistema Solar. Grupo de Astronomia. Laurindo Sobrinho. 7 de dezembro de 2015. Image Credit: NASA/CXC/SAO Sistema Solar Laurindo Sobrinho 7 de dezembro de 2015 Image Credit: NASA/CXC/SAO 1 Planetas principais do Sistema Solar (são 8): Planetas rochosos (planetas interiores): Mercúrio Vénus Terra Marte Planetas

Leia mais

Oficina de CNII/EF Material do Aluno. Tema: Sistema Solar. Prezado Aluno,

Oficina de CNII/EF Material do Aluno. Tema: Sistema Solar. Prezado Aluno, Tema: Sistema Solar Prezado Aluno, Nesta oficina, você desenvolverá atividades que abordam a constituição do Sistema Solar, os movimentos dos astros, os fenômenos celestes e sua relação com o planeta Terra.

Leia mais

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular.

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular. Irradiação térmica È o processo de troca de calor que ocorre através da radiação eletromagnética, que não necessitam de um meio material para isso. Ondas eletromagnéticas é uma mistura de campo elétrico

Leia mais

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO 1 SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO Diego Oliveira Cordeiro 1 diegoocordeiro@gmail.com Janduir Egito da Silva 1 jaduires@yahoo.com Cláudia Laís Araújo

Leia mais

A Mecânica Quântica nasceu em 1900, com um trabalho de Planck que procurava descrever o espectro contínuo de um corpo negro.

A Mecânica Quântica nasceu em 1900, com um trabalho de Planck que procurava descrever o espectro contínuo de um corpo negro. Radiação de Corpo Negro Uma amostra metálica como, por exemplo, um prego, em qualquer temperatura, emite radiação eletromagnética de todos os comprimentos de onda. Por isso, dizemos que o seu espectro

Leia mais

Objetivos. Compreender o planeta como um sistema aberto. Definir clima e seu mecanismo de funcionamento

Objetivos. Compreender o planeta como um sistema aberto. Definir clima e seu mecanismo de funcionamento Introdução 1. A visão sistêmica do planeta 2. O sistema clima 3. Variações climáticas de longa duração (Ciclos de Milankovitch) 4. A questão das mudanças climáticas (o elemento antrópico) 5. A era antropocênica

Leia mais

INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO. Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE

INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO. Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO Mudanças Climáticas Rodrigo Valle Cezar O que é o Clima O clima compreende os diversos fenômenos que ocorrem na atmosfera da Terra. Atmosfera é a região gasosa que envolve toda

Leia mais

Atividade de Reforço2

Atividade de Reforço2 Professor(a): Eliane Korn Disciplina: Física Aluno(a): Ano: 1º Nº: Bimestre: 2º Atividade de Reforço2 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A ATIVIDADE I. Leia atentamente o resumo da teoria. II. Imprima a folha com

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA

FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA Prof. Fabio Reis 2004 FUNDAMENTOS BÁSICOS DA METEOROLOGIA ATMOSFERA E AQUECIMENTO DA TERRA pg.- 02 VAPOR DE ÁGUA - NUVENS pg.- 20 PRESSÃO CARTA SINÓTICA

Leia mais

A atmosfera terrestre, a precipitação e respectivos factores geográficos

A atmosfera terrestre, a precipitação e respectivos factores geográficos A atmosfera terrestre, a precipitação e respectivos factores geográficos 1. Estrutura da atmosfera 1. Estrutura da atmosfera 2. Composição química Dióxido de carbono D i ó x i d o Árgon Outros gases Oxigénio

Leia mais

Escola Estadual Jerônimo Gueiros Professor (a) Supervisor (a): Ary Pereira Bolsistas: Ana Moser e Débora Leyse

Escola Estadual Jerônimo Gueiros Professor (a) Supervisor (a): Ary Pereira Bolsistas: Ana Moser e Débora Leyse Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Ciências Humanas Letras e Artes Departamento de Geografia Programa Institucional de Iniciação à docência (PIBID) Escola Estadual Jerônimo Gueiros Professor

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Conteúdo: O efeito estufa. Habilidade: Demonstrar uma postura crítica diante do uso do petróleo. REVISÃO Reações de aldeídos e cetonas. A redução de um composto

Leia mais

As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano.

As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano. PROFESSORA NAIANE As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano. A este movimento dá-se o nome de movimento

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

Universidade da Madeira. Sistema Solar. Grupo de Astronomia. Laurindo Sobrinho. 15 de dezembro de 2014. Image Credit: NASA/CXC/SAO

Universidade da Madeira. Sistema Solar. Grupo de Astronomia. Laurindo Sobrinho. 15 de dezembro de 2014. Image Credit: NASA/CXC/SAO Sistema Solar Laurindo Sobrinho 15 de dezembro de 2014 Image Credit: NASA/CXC/SAO 1 Planetas principais do Sistema Solar: Planetas rochosos (planetas interiores): Mercúrio Vénus Terra Marte Planetas gasosos

Leia mais

Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR. Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto

Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR. Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR META Apresentar alguns fenômenos radioativos como fontes de energia do sistema atmosférico e as formas de transmissão de calor, para que o aluno compreenda a instabilidade

Leia mais

O clima está diferente. O que muda na nossa vida?

O clima está diferente. O que muda na nossa vida? O clima está diferente. O que muda na nossa vida? 06/2011 Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores

Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores F 609A Tópicos de Ensino de Física Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores Aluno: Bruno Gomes Ribeiro RA: 059341 onurbrj@hotmail.com Orientador: Professor Doutor Flavio

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

Prof: Franco Augusto

Prof: Franco Augusto Prof: Franco Augusto Efeito de latitude A forma esférica da Terra, faz os raios solares chegarem com intensidades variadas nas diversas porções do planeta. Nas áreas próximas à linha do Equador, com baixas

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

Modulo I Mudanças Climáticas

Modulo I Mudanças Climáticas Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Exercícios Extras Silvia Set/09 Modulo I Mudanças Climáticas 1. (UFRJ) A maior parte do aquecimento da atmosfera é proveniente da radiação terrestre: a atmosfera deixa

Leia mais

Realização: Aquecimento Global. Parceiros: Apoiadores:

Realização: Aquecimento Global. Parceiros: Apoiadores: Realização: Parceiros: Aquecimento Global Apoiadores: O que é o efeito estufa? É um fenômeno natural, provocado por alguns gases da atmosfera, que mantêm o nosso planeta aquecido. Esse processo acontece

Leia mais

Atmosfera terrestre: Descrição física e química; emissões atmosféricas naturais e antropogênicas; suas transformações. Transporte atmosférico.

Atmosfera terrestre: Descrição física e química; emissões atmosféricas naturais e antropogênicas; suas transformações. Transporte atmosférico. Atmosfera terrestre: Descrição física e química; emissões atmosféricas naturais e antropogênicas; suas transformações. Transporte atmosférico. Por: Vânia Palmeira Campos UFBA IQ -Dpto Química Analítica

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO PROFESSOR JULIO BESSA DISCIPLINA GEOGRAFIA SIMULADO: P3 Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br ALUNO TURMA 601 Questão 1

Leia mais

A TERRA É UM SISTEMA ABERTO QUE TROCA ENERGIA E MASSA COM O SEU ENTORNO

A TERRA É UM SISTEMA ABERTO QUE TROCA ENERGIA E MASSA COM O SEU ENTORNO PLANETA TERRA A Terra é um sistema vivo que abriga milhões de organismos, incluindo os humanos, e apresenta delicado equilíbrio para manter a vida. A Geologia é a ciência que estuda a Terra: sua origem,

Leia mais

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava:

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava: EXERCÍCIOS REVISÃO QUÍMICA AMBIENTAL (EFEITO ESTUFA, DESTRUIÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO E CHUVA ÁCIDA) e EQUILÍBRIO QUÍMICO DATA: 17/11/2015 PROF. ANA 1. Na década de 70, alguns cientistas descobriram quais

Leia mais

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A) AMBIENTAL JÚNIOR Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.br

Leia mais

De onde veio e para onde vai o carbono que faz parte do nosso corpo?

De onde veio e para onde vai o carbono que faz parte do nosso corpo? De onde veio e para onde vai o carbono que faz parte do nosso corpo? 07/2011 Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não

Leia mais

Poluição do ar. Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador. Deu no jornal. Nossa aula

Poluição do ar. Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador. Deu no jornal. Nossa aula A UU L AL A Poluição do ar Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador do laboratório de poluição atmosférica experimental da Faculdade de Medicina da USP, a relação entre o nível de poluição e a

Leia mais

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO 4.1 O Processo da Evaporação Para se entender como se processa a evaporação é interessante fazer um exercício mental, imaginando o processo

Leia mais

Os fenômenos climáticos e a interferência humana

Os fenômenos climáticos e a interferência humana Os fenômenos climáticos e a interferência humana Desde sua origem a Terra sempre sofreu mudanças climáticas. Basta lembrar que o planeta era uma esfera incandescente que foi se resfriando lentamente, e

Leia mais

GABARITO DA PROVA OLÍMPICA DO NÍVEL II DA II OBA

GABARITO DA PROVA OLÍMPICA DO NÍVEL II DA II OBA 1. A astronomia estuda tudo que está fora da Terra, como por exemplo, os planetas, as estrelas, os cometas, as galáxias, as constelações, os movimentos destes corpos, etc. Para observar estes corpos basta

Leia mais

Divirta-se com o Clube da Química

Divirta-se com o Clube da Química Divirta-se com o Clube da Química Produzido por Genilson Pereira Santana www.clubedaquimica.com A idéia é associar a Química ao cotidiano do aluno usando as palavras cruzadas, o jogo do erro, o domino,

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL E MUDANÇAS CLIMÁTICAS. João Paulo Nardin Tavares

AQUECIMENTO GLOBAL E MUDANÇAS CLIMÁTICAS. João Paulo Nardin Tavares AQUECIMENTO GLOBAL E MUDANÇAS CLIMÁTICAS João Paulo Nardin Tavares INTRODUÇÃO Já podemos sentir o aquecimento global No último relatório do IPCC (Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, órgão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA. Efeito Estufa

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA. Efeito Estufa UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA Efeito Estufa Prof. Nelson Luiz Reyes Marques 3 - Processos de propagação do calor Condução térmica

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Motivação Alguns princípios físicos dão suporte ao Sensoriamento Remoto...

Leia mais

Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I. Radiação Solar

Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I. Radiação Solar Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I Radiação Solar Prof. Dr. Emerson Galvani Laboratório de Climatologia e Biogeografia LCB Na aula anterior verificamos que é

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA Aluno (a): 4º ano Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação Sistema Solar. Mapa político do Brasil: Estados e capitais. Regiões

Leia mais

Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo

Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo Porquê usar o sol como fonte de energia? O recurso solar é uma fonte energética inesgotável, abundante em todo o planeta e principalmente no

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 1º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 1º TRIMESTRE TIPO A PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 1º TRIMESTRE TIPO A 01) Baseado no que foi visto no laboratório sobre transmissão de calor, analise as alternativas abaixo. I. A convecção térmica só ocorre nos fluidos,

Leia mais

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta XXII Encontro Sergipano de Física Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta Prof. Dr. Milan Lalic Departamento de Física Universidade Federal de Sergipe

Leia mais

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm.

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm. A Visão é o sentido predileto do ser humano. É tão natural que não percebemos a sua complexidade. Os olhos transmitem imagens deformadas e incompletas do mundo exterior que o córtex filtra e o cérebro

Leia mais

Universidade Federal Fluminense

Universidade Federal Fluminense Universidade Federal Fluminense Curso de Formação continuada em Astronomia Para professores de Educação Básica Prof. Dr. Tibério Borges Vale Projeto de Extensão O uso da Astronomia como elemento didático

Leia mais

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas AULA 22.2 Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas Habilidades: Frente a uma situação ou problema concreto, reconhecer a natureza dos fenômenos envolvidos, situando-os dentro do

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais

3. Calorimetria. 3.1. Conceito de calor

3. Calorimetria. 3.1. Conceito de calor 3. Calorimetria 3.1. Conceito de calor As partículas que constituem um corpo estão em constante movimento. A energia associada ao estado de movimento das partículas faz parte da denominada energia intera

Leia mais

SISTEMA SOLAR TERRA, SOL E LUA

SISTEMA SOLAR TERRA, SOL E LUA SISTEMA SOLAR TERRA, SOL E LUA Apresentado por Thays Barreto Março de 2014 TERRA TERRA Terceiro planeta do Sistema Solar, pela ordem de afastamento do Sol; Diâmetro equatorial: 12.756 Km; Diâmetro polar:

Leia mais

Estrutura da Terra Contributos para o seu conhecimento

Estrutura da Terra Contributos para o seu conhecimento Estrutura da Terra Contributos para o seu conhecimento O Sistema Solar Generalidades Origem do Sistema Solar A Teoria mais aceite para explicar a origem do Sistema Solar é a Teoria Nebular. Segundo esta

Leia mais

TESTE DE AVALIAÇÃO - Matriz

TESTE DE AVALIAÇÃO - Matriz Biologia e Geologia 10º Ano TESTE DE AVALIAÇÃO - Matriz Todas as respostas deverão ser perfeitamente legíveis, sendo anuladas em caso contrário. Os termos científicos que contenham erros ortográficos serão

Leia mais

I Olimpíada Brasileira de Astronomia Brasil, 22 de agosto de 1998. Nível 1 GABARITO OFICIAL

I Olimpíada Brasileira de Astronomia Brasil, 22 de agosto de 1998. Nível 1 GABARITO OFICIAL I Olimpíada Brasileira de Astronomia Brasil, 22 de agosto de 1998. Nível 1 GABARITO OFICIAL Questão 1 a) (VALOR: 0,2 pts) Quais os planetas do Sistema Solar que têm sistema de anéis? R: Saturno, Júpiter,

Leia mais

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS 1 RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES ( ) I Unidade ( ) II Unidade ( x ) III Unidade FÍSICA E GEOGRAFIA Curso: Ensino Fundamental Ano: 1.º Turma: ABCDEFG Data: / / 11 009 Física Profs. 1. Resolução I

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

Considera-se que o Sistema Solar teve origem há cerca de 5 mil milhões de anos.

Considera-se que o Sistema Solar teve origem há cerca de 5 mil milhões de anos. 19 e 20 17/11/2011 Sumário Correção do TPC. Como se formou o Sistema Solar? Constituição do Sistema Solar. Os planetas do Sistema Solar. Principais características dos planetas do Sistema Solar. Outros

Leia mais

A) Ação global. B) Ação Antrópica. C) Ação ambiental. D) Ação tectônic

A) Ação global. B) Ação Antrópica. C) Ação ambiental. D) Ação tectônic Disciplina: Geografia Roteiro de Recuperação Ano / Série: 6º Professor (a): Gabriel Data: / / 2013 Matéria da recuperação. Superficie da Terra. Litosfera, solo e relevo 1- Analise a imagem. www.trabanca.com-acesso:

Leia mais

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP)

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) PROBLEMAS AMBIENTAIS Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) Liga-se com a hemoglobina impedindo o O2 de ser conduzido INVERSÃO TÉRMICA *Inversão térmica é um fenômeno

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo.

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo. A A Aula 18.2 Conteúdo Mudanças globais 2 A A Habilidades Perceber as mudanças globais que estão ocorrendo no Brasil e no mundo. 3 A A Conferências e protocolos Preocupados com os problemas relacionados

Leia mais

Sistema Solar: Planetas Externos. Emerson Penedo emersonpenedo42@gmail.com

Sistema Solar: Planetas Externos. Emerson Penedo emersonpenedo42@gmail.com Sistema Solar: Planetas Externos Emerson Penedo emersonpenedo42@gmail.com Planetas externos, planetas Jovianos ou ainda gigantes gasosos, são os planetas do Sistema Solar com órbitas mais externas que

Leia mais

15 O sistema solar e seus planetas

15 O sistema solar e seus planetas A U A UL LA Atenção O sistema solar e seus planetas Leia com atenção as notícias abaixo, que apareceram em jornais de diferentes épocas. ANO DE 1781 CIENTISTAS DESCOBREM NOVO PLANETA De há quase 2.000

Leia mais

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Histórico das reuniões 1992 - assinam a Convenção Marco sobre Mudança Climática na ECO-92.

Leia mais

Efeito estufa e mudanças climáticas regionais

Efeito estufa e mudanças climáticas regionais MARIA ASSUNÇÃO FAUS DA SILVA DIAS Efeito estufa e mudanças climáticas regionais MARIA ASSUNÇÃO FAUS DA SILVA DIAS é professora do Departamento de Ciências Atmosféricas do Instituto de Astronomia, Geofísica

Leia mais

Classificação das fontes Todos os corpos visíveis são fontes de luz e podem classificar-se em primária ou secundária.

Classificação das fontes Todos os corpos visíveis são fontes de luz e podem classificar-se em primária ou secundária. Luz: é uma onda eletromagnética, que tem comprimento de onda (do espectro visível) na faixa de 400 nm a 700 nm (nm = nanômetros = 10-9 m). Além da luz visível, existem outras onda eletromagnéticas om diferentes

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

Astrofísica Geral. Tema 26: A vida na Terra

Astrofísica Geral. Tema 26: A vida na Terra ma 26: A vida na rra Outline 1 Surgimento da vida na rra 2 Surtos de vida 3 Atmosfera e a vida 4 Extinções em massa 5 Bibliografia 2 / 30 Outline 1 Surgimento da vida na rra 2 Surtos de vida 3 Atmosfera

Leia mais

GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar

GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar Prof. Dr. Luiz Gonsaga de Carvalho Núcleo Agrometeorologia e Climatologia DEG/UFLA Absorção seletiva de radiação Absorção seletiva

Leia mais

O zono. B uraco do ozono

O zono. B uraco do ozono O zono O ozono (O 3 ) é um gás cuja molécula é formada por três átomos de oxigénio; existente na atmosfera numa percentagem mínima (tem efeitos prejudiciais para os seres vivos quando se encontra junto

Leia mais

A Terra gira... Nesta aula vamos aprender um pouco mais. sobre o movimento que a Terra realiza em torno do seu eixo: o movimento de

A Terra gira... Nesta aula vamos aprender um pouco mais. sobre o movimento que a Terra realiza em torno do seu eixo: o movimento de A U A U L L A A Terra gira... Nesta aula vamos aprender um pouco mais sobre o movimento que a Terra realiza em torno do seu eixo: o movimento de rotação. É esse movimento que dá origem à sucessão dos dias

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 6º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ

CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 6º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 6º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ Prova elaborada

Leia mais

José Otávio e Adriano 2º ano A

José Otávio e Adriano 2º ano A José Otávio e Adriano 2º ano A Vênus é um planeta que faz parte do Sistema Solar. Está localizado entre os planetas Mercúrio e Terra. Tem esse nome em homenagem a Vênus (deusa do amor da mitologia romana).

Leia mais

Clima, tempo e a influência nas atividades humanas

Clima, tempo e a influência nas atividades humanas As definições de clima e tempo frequentemente são confundidas. Como esses dois termos influenciam diretamente nossas vidas, é preciso entender precisamente o que cada um significa e como se diferenciam

Leia mais

Avaliação 1 o Bimestre

Avaliação 1 o Bimestre Avaliação 1 o Bimestre NOME: N º : CLASSE: 1. Complete as frases com as expressões abaixo: a) A Terra é dividida em duas partes pela linha do. b) A parte que vai do ao pólo Norte é chamada de. c) A parte

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 1º Ano Fatores climáticos. Prof. Claudimar Fontinele

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 1º Ano Fatores climáticos. Prof. Claudimar Fontinele Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 1º Ano Fatores climáticos Prof. Claudimar Fontinele Latitude É a medida em graus de localização em relação à linha do Equador de um ponto dado

Leia mais

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO I Ocorre de maneira natural; Atividade humana; Década de 1970 preocupação com a biodiversidade e poluição; Esforço global... Substituir civilização

Leia mais

COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA

COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA Elizabeth Cristina Tavares Veloso 1, Juracy Regis de Lucena Junior 2. 1 Departamento de Química, Universidade Estadual da Paraíba -UEPB,

Leia mais

Ciclos Biogeoquímicos

Ciclos Biogeoquímicos Os organismos retiram constantemente da natureza os elementos químicos de que necessitam, mas esses elementos sempre retornam ao ambiente. O processo contínuo de retirada e de devolução de elementos químicos

Leia mais

Fig.: Esquema de montagem do experimento.

Fig.: Esquema de montagem do experimento. Título do Experimento: Tratamento de água por Evaporação 5 Conceitos: Mudanças de fases Materiais: Pote de plástico de 500 ml ou 1L; Filme PVC; Pote pequeno de vidro; Atilho (Borracha de dinheiro); Água

Leia mais

www.soumaisenem.com.br

www.soumaisenem.com.br 1. (Enem 2011) Uma das modalidades presentes nas olimpíadas é o salto com vara. As etapas de um dos saltos de um atleta estão representadas na figura: Desprezando-se as forças dissipativas (resistência

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

AVALIAÇÃO 03 CIÊNCIAS II UNIDADE VALOR = 10,0 (DEZ)

AVALIAÇÃO 03 CIÊNCIAS II UNIDADE VALOR = 10,0 (DEZ) Aluno(a) Turma N o 6 o ano - Ensino Fundamental II Data 16 / 05 / 12 AVALIAÇÃO 03 CIÊNCIAS II UNIDADE VALOR = 10,0 (DEZ) INSTRUÇÕES: PROFESSORES: HELEN, GORRETTI, MAGNO E ROSE I. sua avaliação possui 05

Leia mais

ESSMF. Constituição. Biologia Geologia Sistema Solar. Pleiades. Estrela - Massa luminosa de plasma (gás ionizado).

ESSMF. Constituição. Biologia Geologia Sistema Solar. Pleiades. Estrela - Massa luminosa de plasma (gás ionizado). ESSMF Biologia Geologia Sistema Solar 1 Constituição Estrela - Massa luminosa de plasma (gás ionizado). Sol Alfa centauro Pleiades 2 Constituição Planetas - Corpo celeste que orbita à volta de uma estrela,

Leia mais

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas.

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas. ÓPTICA Conceito A óptica é um ramo da Física que estuda os fenomenos relacionados a luz ou, mais amplamente, a radiação eletromagnética, visível ou não. A óptica explica os fenômenos de reflexão, refração

Leia mais

EXOPLANETAS EIXO PRINCIPAL

EXOPLANETAS EIXO PRINCIPAL EXOPLANETAS Antes mesmo de eles serem detectados, poucos astrônomos duvidavam da existência de outros sistemas planetários além do Solar. Mas como detectar planetas fora do Sistema Solar? Às suas grandes

Leia mais

Estudo da emissão veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em veículos movidos à DIESEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior

Estudo da emissão veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em veículos movidos à DIESEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior Estudo da emissão veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em veículos movidos à DIESEL Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior INTRODUÇÃO Durante milhões de anos a Terra passou por ciclos naturais de aquecimento

Leia mais

Ms. Roberpaulo Anacleto

Ms. Roberpaulo Anacleto Ms. Roberpaulo Anacleto Objetivo Propiciar aos presentes uma visão global das alterações que ocorrem no organismo humano durante atividade aérea e como administrá-las Conceito É a especialidade médica

Leia mais