Escola de Engenharia de Lorena - USP Cinética Química Capítulo 03 Métodos Cinéticos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Escola de Engenharia de Lorena - USP Cinética Química Capítulo 03 Métodos Cinéticos"

Transcrição

1 Escola de Egeharia de Lorea - USP iéica Química aíulo 03 Méodos iéicos Irodução O esudo ciéico, usualmee, é feio a arir de dados exerimeais coleados durae a evolução de uma reação química. Eses dados coleados odem ser aalisados aravés de algus méodos. Nese caíulo são areseados méodos maemáicos ciéicos diferees, mas odos arem da mesma base, o cohecimeo da coceração de elo meos um dos reagees ao logo do emo. - Méodo de álise Iegral Selecioa-se um suoso modelo ciéico e sua corresodee equação de velocidade iegrada. Ese méodo é o mais uilizado e o de uso mais simles. No eao, ele ão se mosra adequado ara descobrir a equação de velocidade de reações ão elemeares comlexas, ois o raameo maemáico a ser dado em algus casos é de exrema comlexidade. Ese méodo será brevemee iroduzido ese caíulo e será objeo de esudo esecifico dos caíulos vidouros dese curso. O rocedimeo descrio a seguir dealha a uilização dese méodo. Eaa ividade Equação Suõe-se um mecaismo hioéico e deermia-se a d equação de velocidade, (equação ). r = = Para emeraura cosae, em-se eão que a cosae de velocidade é cosae ( = cosae), sedo, orao ideedee da coceração coforme a equação (). d f(, ) () d r = d =. f( ) () 3 grua-se esa equação os ermos afis, obedo-se de forma geérica uma equação do io: [d /f()]=d. O ermo f() evolve aeas cocerações de esécies químicas que ariciam da reação. equação ode ser rereseada a forma iegral coforme se verifica a equação (3). d = d = f( ) o 0 (3) Uma vez feia à iegração da equação, é ossível fazer a sua rereseação gráfica. (vide ao lado) Ese gráfico é cosruído a arir dos resulados exerimeais coleados. Se eses resulados exerimeais se ajusarem a uma rea, a ordem da reação suosa iicialmee ode ser admiida como correa. Se os resulados exerimeais ão se ajusarem a uma rea (ormalmee se ajusam a uma curva), eão, a equação de velocidade roosa é rejeiada. Exemlo: Reação de Ordem d d d = ( ) = d 0 0 o = ( ) Noas de ula Prof. Dr. Marco oio Pereira

2 Escola de Egeharia de Lorea - USP iéica Química aíulo 03 Méodos iéicos 3 - Méodo Diferecial O méodo diferecial é alicado direamee a equação diferecial da velocidade a ser esada e ermie avaliar odos os ermos da equação, iclusive a derivada d i /d. Ese ão é um méodo simles, mas é o mais usado as siuações comlexas. Traa-se de um méodo que deve ser usado, de forma comlemear ao méodo iegral. d Ese méodo cosise a aálise gráfica de uma equação de velocidade geral do io =. d Iroduz-se logarimos em ambos os lados desa equação maemáica, coforme demosrado a seguir: d d = d d d l = l + l d d ( ) l = l l l = l + () d equação é eão areseada graficamee como a equação de uma rea, do io y = y 0 + mx, ode: Termos da equação da rea y y 0 m x Termos da equação diferecial d d l l l Os rocedimeos a serem adoados ara a uilização dese méodo são os seguies: Eaa ividade Gráfico (Tabela) arir de dados exerimeais coleado de uma reação química, cosrói-se um gráfico de coceração do reagee ( ) versus emo (). Normalmee a maioria das reações coduz a uma curva exoecial semelhae à areseada ao lado. Escolhem-se vários oos sobre a curva obida (ão ecessariamee os oos que foram uilizados ara as sua cosrução). Traçam-se reas agees aos oos escolhidos. Observação: No exemlo ao lado, em-se dois oos. 3 alculam-se as icliações de cada uma das reas agees o oo escolhido. Esas icliações corresodem a velocidade de reação (-d /d) e o seu cálculo oserior é feio a arir de / Moa-se uma abela com ares de valores de e a reseciva velocidade de reação (-d /d) o oo escolhido. -d /d 5 6 Nesa abela, moada criam-se mais duas ovas lihas e efeua-se o cálculo do l (-d /d) e de l que serão os eixos y e x, resecivamee do róximo gráfico a ser cosruído. osrói-se eão o gráfico de l(-d /d) versus l, ode se ajusarão os dados a uma rea, o que eão ermiirá o cálculo da ordem () da reação e da cosae de velocidade () coforme exoso iicialmee. -d /d l l (-d /d) l(- d /d) Noas de ula Prof. Dr. Marco oio Pereira l

3 Escola de Egeharia de Lorea - USP iéica Química aíulo 03 Méodos iéicos - Méodo do Temo de Meia-Vida Quado a coceração de um comoee reacioal é acomahada ao logo do emo, ode-se er uma idéia da gradeza da ordem da reação uilizado-se os emos de meia-vida. o 8 6 ' " '" / o / o / o / o d equação de velocidade, em fução da coceração de um úico reagee, é: r = = d Iegrado-se esa equação ara uma ordem geérica, o emo de meia vida da reação será: ( ) x / = (válido ara ) (5) o omo ½ é iversamee roorcioal a o, em-se que: - ara reações químicas de ordem maior que, o emo de meia vida dimiui.. - ara reações químicas de ordem meor que, o emo de meia vida aumea. Para reações químicas de ordem, o emo de meia-vida é cosae, coforme ode-se verificar as equações abaixo: d d ( r) = = = d d d l = o o o omo o ½, em-se que: o =, eão l o = / ( / ) o / l 0, 693 = = Volado a equação 5, ercebe-se que quado se uiliza cocerações iiciais diferees, os emos de meia vida serão diferees. Sedo assim, ara dois exerimeos disios, em-se que: ( / ) ( ) / = ( ). ( ) ( o ) ( ) o fialmee : de ode sai: l ( / ) ( )./ [( / ) /( ) ] / [( ) /( ) ] l = + l 0 ( ).l ( = ) o ( ) 0 o O recomedável é que em uma curva de versus de um mesmo exerimeo, sejam ecorados elo meos 3 valores de emo de meia vida a arir de 3 suosas cocerações iiciais. Noas de ula Prof. Dr. Marco oio Pereira 3

4 Escola de Egeharia de Lorea - USP iéica Química aíulo 03 Méodos iéicos 5 - Méodo dos Temos de Vida Parciais eaa iicial dese méodo é basae simles: a deermiação dos emos de vida arcial de uma reação química.. d Nas reações químicas que odem er suas velocidades exressas a forma geral: =. os d emos de reação arcial odem ser colocados em fução de, e o. / =. ( ). ; ou / =.l Para duas coversões diferees, em-se a seguie relação: o / / q = q q ; = Para algus valores de ordes ré-defiidos, calcula-se os emos de vida arciais, coforme areseado a abela 5. Tabela 5. Temo de vida arcial em fução da ordem da reação Ordem () / /3 / 3/ 0,68 0, 5 0, 5 0, 5 0 0, ,0 0 0,88 0,309,5 0, 5 0,05,5 0 0, ,9, ,693 0,88,5 0,386,0, ,389 (,33) ( ) 0 0,65 0,0,500 0 (,50) ( ) ( ) ( ) 0 0 3,0 7,5 0 0 Faz-se eão uma comaração ere dois diferees emos de vida arciais ara uma deermiada ordem. Nese caso, a cosae de velocidade é cacelada (ois aarece o deomiador e umerador) da relação ere diferees emos de vida arciais. E o resulado desa relação ara um dada ordem cohecida é uma cosae umérica, coforme areseado a abela 5. Noas de ula Prof. Dr. Marco oio Pereira

5 Escola de Egeharia de Lorea - USP iéica Química aíulo 03 Méodos iéicos Tabela 5. Relação ere diferees emos de vida arcial ara uma mesma ordem de reação Ordem () / / / / 3 / 3 /,9,60 9,,7 0,5,68,8 0, 3,00,00 0,33 3 3,86,0 0,0,333,5 Num gráfico de coceração ( ) versus emo (), efeua-se a leiura dos seguies emos de vida arcial de reação: /, /3, / e 3/. arir da leiura deses valores, calcula-se uma relação umérica ere algus emos de vida arcial e os valores uméricos obidos são eão comarados com os valores uméricos ré-deermiados (vide abela abaixo). Faz-se eão uma comaração ere os valores uméricos calculados a arir dos dados exerimeais ( versus ) e os valores uméricos da abela. arir desa comaração, deermia-se eão a ordem da reação. Se recisar for, obêm-se um resulado aroximado a arir de uma breve regressão liear ere os valores obidos e os valores da abela. ohecida a ordem da reação, calcula-se eão a cosae de velocidade da reação, a arir da uilização da fórmula maemáica ara cada emo de meia-vida em fução de uma ordem geérica (ulima liha da abela 5.), coforme mosrado abaixo. = (,33) ( ) / 0 (,50) ( ) ( ) ( ) / 3 0 / 0 3/ 0 Noas de ula Prof. Dr. Marco oio Pereira 5

6 Escola de Egeharia de Lorea - USP iéica Química aíulo 03 Méodos iéicos Exercício Resolvido (Exercício 3- - Levesiel 3ª edição ágia 65) Num equeo reaor equiado com um medidor sesível de ressão é colocada uma misura de 76,9% de reagee e 3,06% de iere a am de ressão. oeração é efeuada a º, emeraura suficieemee baixa ara que ão haja reação areciável. emeraura é elevada raidamee a 00º, sedo obidas as leiuras cosaes da abela a seguir. equação esequiomérica é R. Passado um cero eríodo, as aálises demosraram ão haver reseça de. Deermiar a equação de velocidade as uidades moles, liros e miuos que melhor se ajuse aos dados obidos. (mi), π (am),5,65,76,8,95,05,08,,5,75 Passo - álculos Iiciais aálise dos dados exerimeais obidos revela o descohecimeo da ressão iicial do reaor o emo zero (=0). O rimeiro asso é efeuar ese cálculo. aálise das iformações disoíveis revela raar-se de uma reação química a volume cosae, sedo que o carregameo do reaor é aarado a º, mas a reação química somee ocorre aós a sua elevação ara 00º. Do esudo de gases ideais a volume cosae, êm-se eão: π π π = 0 = ( π 0),3am 373 T T omo a misura ossui 76,9% molar do reagee, orao esa é a erceagem do reagee o reaor o iício da reação. Da equação de ressão arcial ara gases ideais, em-se eão: 0 = y. π 0 = (0,769)x(,3) 0,3 am ressão arcial do reagee ao logo da reação é o arâmero que ecessia ser calculado ara a realização do esudo ciéico. Uilizado-se de coceios de esequiomeria ciéica, em-se que: =,3 - π licado-se os dados disoíveis do exercício êm-se o cálculo de. (mi) 0, π (am),3,5,65,76,8,95,05,08,,5,75 0,8 0,65 0,6 0,35 0,75 0, 0,8 Passo - Méodo Iegral Suõe-se uma ordem ara a reação e deduz-se a equação de velocidade da suosa ordem. Em seguida, verifica-se graficamee se os dados exerimeais se ajusam ao modelo maemáico rooso. Noas de ula Prof. Dr. Marco oio Pereira 6

7 Escola de Egeharia de Lorea - USP iéica Química aíulo 03 Méodos iéicos. Suosição - Ordem : d d d = d ( r ) = = 0 o l = 0 omo 0 = am, em-se: l = (mi) 0, π (am),3,5,65,76,8,95,05,08,,5,75 -l 0 0,3 0,3 0,66 0,777,050,9,5,75,897,079 (=) 0 0,6 0,3 0, 0,388 0,350 0,33 0,303 0,86 0,7 0,60 aálise dos valores de oo a oo revela que esa reação ão é de rimeira ordem, uma vez que o valor ecorado ara é decrescee ao logo do emo.,0,5 r=0,9905 O gráfico de (-l ) versus mosra claramee uma curva. (-l ),0 Os Valores oilhados seriam o de uma rea 0,0 ajusada forçadamee Suosição - Ordem d d d = ( r ) = = d = 0 o 0 omo 0 = am, em-se: = (mi) 0, π (am),3,5,65,76,8,95,05,08,,5,75 / - / ,85,7,857,636 3,55,556 5,667 7 (=) ,69 0,659 0,709 0,759 0,80 0,875 Noas de ula Prof. Dr. Marco oio Pereira 7

8 Escola de Egeharia de Lorea - USP iéica Química aíulo 03 Méodos iéicos aálise dos valores de oo a oo revela que esa reação ão é de rimeira ordem, uma vez que o valor ecorado ara é decrescee ao logo do emo. O gráfico de [(/ ) (/ 0 )] versus mosra claramee uma curva. / -/ r=0,995 Os valores oilhados seriam o de uma rea ajusada forçadamee Suosição - Ordem,5 Nese caso, a equação de velocidade da reação é: d = d,5 Equação que iegrada coduz a 0 d = d = =,5 0 = (mi) 0, π (am),3,5,65,76,8,95,05,08,,5,75 0 0,8 0,0 0,36 0,7 0,690 0,907,3,357,58,88 0 K (=,5) 0 0,36 0,0 0, 0,37 0,30 0,7 0,6 0,6 0,6 0,9 Noas de ula Prof. Dr. Marco oio Pereira 8

9 Escola de Egeharia de Lorea - USP iéica Química aíulo 03 Méodos iéicos O gráfico ao lado de versus 0 aresea uma rea o que cofirma o ajuse dos dados exerimeais com a ordem roosa. omo os dados exerimeais se ajusam ao modelo maemáico rooso, coclui-se eão que esa é uma reação de ordem,5.,0,5,0 r=0, , O valor de ode ser obido ese méodo a arir: m (am) / (mi) - - da média ariméica dos valores de oo a oo: 0,3 0,6 - do coeficiee agular da rea obida 0,6 0,5 Passo 3 Méodo Diferecial O rimeiro asso é a cosrução do gráfico de ressão arcial do reagee ( ) versus emo () a arir dos dados exerimeais disoíveis. Para uma reação química de ordem geérica, em-se: d = d d d l = l l = l + l d d licado-se logarimos de ambos os lados: ( ) Fialmee em-se que: d d l = l + l osrói-se o gráfico de ressão arcial de versus emo. (ágia seguie) Em seguida, escolhem-se algus oos sobre a curva e raça-se as reas agees a cada oo. Para cada um deses oos calcula-se eão o valor de (-d /d), que a ráica é o / do riâgulo a ser visualizado a arir da rea agee raçada. Noas de ula Prof. Dr. Marco oio Pereira 9

10 Escola de Egeharia de Lorea - USP iéica Química aíulo 03 Méodos iéicos,0 0,8 0,6 0, 0, 0, s seguies ressões arciais foram as escolhidas: am; 0,65 am; 0,6 am; 0,35 am; 0, am; am e o am. arir desa escolha, calcula-se o l (-d /d) e o l, eão cosrói-se um gráfico com esses valores. Os resulados se ecoram abaixo: (am) 0,65 0,6 0,35 0, (mi) d /d 0,36 0,0 0,0857 0,08 0,030 0,035 l(-d /d) -0,70 -, -, -,6-3, -3,5-3,75 l 0-0,3-0,78 -,05 -,5 -,90 -,08 Noas de ula Prof. Dr. Marco oio Pereira 0

11 Escola de Egeharia de Lorea - USP iéica Química aíulo 03 Méodos iéicos r = 0,998 y = -0,83 +,x Uilizado o Origi, deermia-se o coeficiee liear (y 0 ) e o coeficiee agular (m) os seguies valores: y 0 = -0,83 e m =,. omoo coeficiee agular (m) é igual a ordem, em-se =,. omo y 0 = l, em-se eão que = 0,30 (am) 0, (mi) - Verifica-se que os resulados ecorados são muio arecidos com os obidos o méodo iegral. Passo - Méodo do Temo de Meia-Vida O oo iicial da resolução or ese méodo é o gráfico de ressão arcial do reagee ( ) versus emo (). Nese gráfico, escolhem-se 3 suosas codições iiciais, as quais ara cada 0 rooso, lê-se o emo de meia-vida de cada um dos oos escolhidos. Nese exemlo, esão sedo escolhidos 0 = am, 0 = 0,8 am e 0 = 0,6 am Do gráfico (róxima folha), ode-se calcular o ½ ara cada um das ressões iiciais cosideradas. odição 0 (am) ½ (mi) I,00,75 II 0,80,0 III 0,6,7 Eses valores eão são uilizados a equação maemáica dese méodo o que resula o cálculo da ordem, a arir da seguie equação: l = + l [( / ) /( )] / [( ) /( ) ] P P Os resulados ecorados, aós combiação de ares de Pressão iicial e emo de meia vida, são: Exerimeos I II,60 I III,56 II - III,5 omo os resulados são bem róximos, cosidera-se a média deses valores como uma resosa adequada ara a ordem da reação. Nese caso, =,57. 0 Noas de ula Prof. Dr. Marco oio Pereira 0

12 Escola de Egeharia de Lorea - USP iéica Química aíulo 03 Méodos iéicos O álculo da cosae de velocidade é feio a arir da seguie equação: = x / ( ) P o licado-se esa equação ara as 3 codições roosas, o resulado obido é areseado a abela abaixo: odição O (am) ½ (mi) I,75,60 0,9 II 0,8.0,56 0,80 III 0,6,7,5 0,7 omo os resulados são bem róximos, cosidera-se a média deses valores como uma resosa adequada ara a cosae de velocidade da reação. Nese caso, = 0,8 (am) 6 (mi) -,0 0,8 0,6 ½ (I) 0, ½ (II) 0, ½ (III) 0, Noas de ula Prof. Dr. Marco oio Pereira

13 Escola de Egeharia de Lorea - USP iéica Química aíulo 03 Méodos iéicos Passo 5 Méodo do emo de Vida Parcial O oo de arido dese méodo ambém é o gráfico de ressão arcial do reagee ( ) versus emo (). No gráfico, é feia a leiura direa dos seguies emos de vida arciais ( /, /3, / e 3/ ). O gráfico abaixo aresea esas leiuras.,0 0,8 3 o 0,6 0, o 3 o 0, o 3 0,0 0 / 6 8 /3 / 3/ Os emos de vida arciais obidos, a arir da leiura o gráfico, são: / /3 / 3/ 0,66 mi 0,9 mi,75 mi, mi. alcula-se eão a relação maemáica emos de vida arciais. Os valores calculados são: / / =,65 / = /3,86 = 0,397 omara-se eses valores calculados com os valores da Tabela 5., coforme a abela abaixo: ordem / /,,7 0 N,65,86 0,0,5,68,8 0, Noas de ula Prof. Dr. Marco oio Pereira / / 3 / 3 / / 3 / 3

14 Escola de Egeharia de Lorea - USP iéica Química aíulo 03 Méodos iéicos Faz-se uma ierolação ara ober um valor aroximado da ordem da reação. Os resulados obidos são: Para a relação: / =, 65 / / = /3,86 / 3 / = 0,397 o resulado da ierolação é:,,58,56 alcula-se eão a mais rovável ordem da reação, a arir da média ariméica deses rês valores obidos. Nese caso, a ordem será:,53. O calculo da cosae de velocidade é feio a arir das seguies equações: = (,33) ( ) / 0 (,50) ( ) ( ) ( ) / 3 0 / 0 3/ 0 alculado-se eão a cosae de velocidade ara cada um dos emos de vida arciais obidos a arir da mais rovável ordem ( =,53), obêm-se: / /3 / 3/ (am) 3 (mi) - 0,66 0,8 0,79 0,6 alcula-se eão uma média ariméica deses valores. Nese caso, = 0,7 (am) 3 (mi) - RESUMO DOS RESULTDOS Méodo Iegral,5 0,6 e 0,6 Diferecial, 0,30 Meia-vida,57 0,8 Temo de vida arcial,53 0,7 Noas de ula Prof. Dr. Marco oio Pereira

CAP. 6 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÃO DE RISCO

CAP. 6 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÃO DE RISCO CAP. 6 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÃO DE RISCO 1. APRESENTAÇÃO Nese capíulo serão abordados vários méodos que levam em coa o uso das probabilidades a aálise de ivesimeos. Eses méodos visam subsidiar

Leia mais

DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DAS PROPRIEDADES DINÂMICAS DE TRANSDUTORES DE PRESSÃO PIEZORRESISTIVOS

DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DAS PROPRIEDADES DINÂMICAS DE TRANSDUTORES DE PRESSÃO PIEZORRESISTIVOS DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DAS PROPRIEDADES DINÂMICAS 15 DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DAS PROPRIEDADES DINÂMICAS DE TRANSDUTORES DE PRESSÃO PIEZORRESISTIVOS Evaldo Ferezi Luiz Carlos Felicio EESC-USP, Av.

Leia mais

Índices de preço para o transporte de cargas:

Índices de preço para o transporte de cargas: Ídices de reço ara o rasore de cargas: ocasodasoja Auguso Hauer Gameiro Professor da Uiversidade de São Paulo José Vicee Caixea-Filho Professor da Uiversidade de São Paulo Palavras-chave ídice, reço, rasore.

Leia mais

Métodos de Amortização

Métodos de Amortização Méodos de Amorização Rui Assis Egeheiro Mecâico IST rassis@rassis.com www.rassis.com Fevereiro de 2006 Reviso em Seembro de 20 Méodos de Amorização Irodução Na perspeciva coabilísica, a amorização referese

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA E SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO MOVIMENTO DE UM CILINDRO E UMA ESFERA EM QUEDA LIVRE

MODELAGEM MATEMÁTICA E SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO MOVIMENTO DE UM CILINDRO E UMA ESFERA EM QUEDA LIVRE 5º POSMEC - Simósio do Programa de Pós-Graduação em Egeharia Mecâica Uiversidade Federal de Uberlâdia Faculdade de Egeharia Mecâica MODELAGEM MATEMÁTICA E SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO MOIMENTO DE UM CILINDRO

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N Estudaremos este capítulo as equações diereciais lieares de ordem, que são de suma importâcia como suporte matemático para vários ramos da egeharia e das ciêcias.

Leia mais

Equações Diferenciais (ED) Resumo

Equações Diferenciais (ED) Resumo Equações Difereciais (ED) Resumo Equações Difereciais é uma equação que evolve derivadas(diferecial) Por eemplo: dy ) 5 ( y: variável depedete, : variável idepedete) d y dy ) 3 0 y ( y: variável depedete,

Leia mais

Sistemas de Filas Simples

Sistemas de Filas Simples Sistemas de Filas Simles Teoria de Filas Processo de chegada: se os usuários de uma fila chegam os istates t, t, t 3,..., t, as variáveis aleatórias τ t - t - são chamadas de itervalos etre chegadas. As

Leia mais

conceito de análise de investimento

conceito de análise de investimento 1. coceio de aálise de ivesimeo Aálise de Ivesimeos Prof. Uério Cruz O coceio de aálise de ivesimeo pode hoje ser um cojuo de écicas que permiem a comparação ere resulados de omada de decisões referees

Leia mais

Módulo 07 Capítulo 06 - Viscosímetro de Cannon-Fensk

Módulo 07 Capítulo 06 - Viscosímetro de Cannon-Fensk Módulo 07 Capíulo 06 - Viscosímero de Cannon-Fensk Inrodução: o mundo cienífico, medições são necessárias, o que sempre é difícil, impreciso, principalmene quando esa é muio grande ou muio pequena. Exemplos;

Leia mais

Avaliação da Confiabilidade de Itens com Testes Destrutivos - Aplicação da Estimação da Proporção em uma População Finita Amostrada sem Reposição

Avaliação da Confiabilidade de Itens com Testes Destrutivos - Aplicação da Estimação da Proporção em uma População Finita Amostrada sem Reposição Avaliação da Cofiabilidade de Ites com Testes Destrutivos - Alicação da Estimação da roorção em uma oulação Fiita Amostrada sem Reosição F. A. A. Coelho e Y.. Tavares Diretoria de Sistemas de Armas da

Leia mais

1. Um capital de $80.000,00 é aplicado à taxa de 2,5% ao mês durante um trimestre. Determine o valor dos juros acumulados neste período.

1. Um capital de $80.000,00 é aplicado à taxa de 2,5% ao mês durante um trimestre. Determine o valor dos juros acumulados neste período. MATEMÁTIA FINANEIRA RESOLUÇÃO DOS EXERÍIOS I. UROS SIMPLES. Um capial de $8., é aplicado à axa de 2,5% ao mês durae um rimesre. Deermie o valor dos juros acumulados ese período. i..,25 8. 3 6., 2. Um egociae

Leia mais

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem VII Equações Difereciais Ordiárias de Primeira Ordem Itrodução As equações difereciais ordiárias são istrumetos esseciais para a modelação de muitos feómeos proveietes de várias áreas como a física, química,

Leia mais

MAT302 - Cálculo 2. INTEGRAIS Integral Indefinida pág. 403. Bibliografia: Cálculo volume I, 5 edição. James Stewart Prof.

MAT302 - Cálculo 2. INTEGRAIS Integral Indefinida pág. 403. Bibliografia: Cálculo volume I, 5 edição. James Stewart Prof. MAT - Cálculo Biliografia: Cálculo volume I, 5 edição. James Sewar Prof. Valdecir Boega INTEGRAIS Iegral Idefiida pág. 4 Aé aqui, osso prolema ásico era: ecorar a derivada de uma fução dada. A parir de

Leia mais

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES 3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES Os microconroladores selecionados para o presene rabalho foram os PICs 16F628-A da Microchip. Eses microconroladores êm as vanagens de serem facilmene enconrados no

Leia mais

SOLUÇÕES e GASES- EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

SOLUÇÕES e GASES- EXERCÍCIOS RESOLVIDOS rof. Vieira Filho SOLUÇÕES e GSES- EXERCÍCIOS RESOLVIDOS SOLUÇÕES. em-se 500g de uma solução aquosa de sacarose (C O ), saturada a 50 C. Qual a massa de cristais que se separam da solução, quado ela é

Leia mais

Equações Diferenciais Lineares de Ordem n

Equações Diferenciais Lineares de Ordem n PUCRS Faculdade de Matemática Equações Difereciais - Prof. Eliete Equações Difereciais Lieares de Ordem Cosideremos a equação diferecial ordiária liear de ordem escrita a forma 1 d y d y dy L( y( x ))

Leia mais

ANÁLISE ESTATÍSTICA DE SOBREVIVÊNCIA: UM ESTUDO COM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA

ANÁLISE ESTATÍSTICA DE SOBREVIVÊNCIA: UM ESTUDO COM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA ANÁLISE ESTATÍSTICA DE SOBREVIVÊNCIA: UM ESTUDO COM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA Kelly Araúo César Uiversiae Caólica e Brasília Resumo Ese rabalho apresea a aálise esaísica e sobrevivêcia. Essa esima o

Leia mais

FUNDO DE COMÉRCIO * Pedro Schubert

FUNDO DE COMÉRCIO * Pedro Schubert FUNDO DE COMÉRCIO * Pedro Schuber Esa maéria que ão em bibliografia e o seu coceio o ambiee coábil refere-se aos bes iagíveis e os auores ficam com os ies iagíveis possíveis de serem regisrados pela coabilidade

Leia mais

Definição 1.1: Uma equação diferencial ordinária é uma. y ) = 0, envolvendo uma função incógnita y = y( x) e algumas das suas derivadas em ordem a x.

Definição 1.1: Uma equação diferencial ordinária é uma. y ) = 0, envolvendo uma função incógnita y = y( x) e algumas das suas derivadas em ordem a x. 4. EQUAÇÕES DIFERENCIAIS 4.: Defiição e coceitos básicos Defiição.: Uma equação diferecial ordiária é uma dy d y equação da forma f,,,, y = 0 ou d d ( ) f (, y, y,, y ) = 0, evolvedo uma fução icógita

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ASSUNTO: INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS, EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM SEPARÁVEIS, HOMOGÊNEAS, EXATAS, FATORES

Leia mais

Aula - 2 Movimento em uma dimensão

Aula - 2 Movimento em uma dimensão Aula - Moimeno em uma dimensão Física Geral I - F- 18 o semesre, 1 Ilusração dos Principia de Newon mosrando a ideia de inegral Moimeno 1-D Conceios: posição, moimeno, rajeória Velocidade média Velocidade

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

Resposta no tempo de sistemas de primeira e de segunda ordem só com pólos

Resposta no tempo de sistemas de primeira e de segunda ordem só com pólos Resposa o empo de sisemas de pimeia e de seguda odem só com pólos Luís Boges de Almeida Maio de Iodução Esas oas apeseam, de foma sumáia, o esudo da esposa o empo dos sisemas de pimeia e de seguda odem

Leia mais

MÉTODO PARA ANÁLISE DE INVESTIMENTOS: ALTERNATIVA PARA CLASSIFICAÇÃO DE PROJETOS COM PRAZO E VOLUME DE RECURSOS DIFERENTES.

MÉTODO PARA ANÁLISE DE INVESTIMENTOS: ALTERNATIVA PARA CLASSIFICAÇÃO DE PROJETOS COM PRAZO E VOLUME DE RECURSOS DIFERENTES. ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de ouubro de

Leia mais

Teste de Hipóteses VÍCTOR HUGO LACHOS DÁVILAD

Teste de Hipóteses VÍCTOR HUGO LACHOS DÁVILAD Teste de ióteses VÍCTOR UGO LACOS DÁVILAD Teste De ióteses. Exemlo. Cosidere que uma idustria comra de um certo fabricate, ios cuja resistêcia média à rutura é esecificada em 6 kgf (valor omial da esecificação).

Leia mais

UFRGS 2007 - MATEMÁTICA

UFRGS 2007 - MATEMÁTICA - MATEMÁTICA 01) Em 2006, segudo otícias veiculadas a impresa, a dívida itera brasileira superou um trilhão de reais. Em otas de R$ 50, um trilhão de reais tem massa de 20.000 toeladas. Com base essas

Leia mais

7. VENTILADORES INTRODUÇÃO CAMPOS DE APLICAÇÃO

7. VENTILADORES INTRODUÇÃO CAMPOS DE APLICAÇÃO 7. ENTILADORES INTRODUÇÃO eniladores são máquinas de fluxo geradoras que ransmiem a energia mecânica recebida do eixo ara o fluido (gás). Seu funcionameno é similar às bombas, sendo a rincial diferença

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA E O EFEITO ESTUFA

MODELAGEM MATEMÁTICA E O EFEITO ESTUFA a MODELAGEM MATEMÁTICA E O EFEITO ESTUFA Âgela Maria Loureção Gerolômo 1 UEL Uiversidade Esadual de Lodria agela-maemaica@uol.com.br Rodolfo Eduardo Verua 2 UEL Uiversidade Esadual de Lodria rodolfoverua@yahoo.com.br

Leia mais

AULA: Inferência Estatística

AULA: Inferência Estatística AULA: Iferêcia Estatística stica Prof. Víctor Hugo Lachos Dávila Iferêcia Estatística Iferêcia Estatística é um cojuto de técicas que objetiva estudar uma oulação através de evidêcias forecidas or uma

Leia mais

Modelagem Conceitual parte II

Modelagem Conceitual parte II Modelagem Conceitual arte II Vitor Valerio de Souza Camos Objetivos Aresentar o conceito de. Mostrar a cardinalidade de. Aresentar os tios de s. Aresentar o conceito de entidade fraca Aresentar o conceito

Leia mais

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase EA93 - Pro. Von Zuben Sisemas não-lineares de ª ordem Plano de Fase Inrodução o esudo de sisemas dinâmicos não-lineares de a ordem baseia-se principalmene na deerminação de rajeórias no plano de esados,

Leia mais

O oscilador harmônico

O oscilador harmônico O oscilador harmôico A U L A 5 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial de um oscilador harmôico simples, V( x) kx. objetivos obter a solução da equação de Schrödiger para um oscilador

Leia mais

2 Métodos de previsão de vendas de itens de estoque 2.1 Introdução

2 Métodos de previsão de vendas de itens de estoque 2.1 Introdução 8 Méodos de previsão de vedas de ies de esoque. Irodução A previsão de demada é processo comum o plaejameo das empresas e poderá ser basae úil o corole de esoques e egociações de preços. Ao se rabalhar

Leia mais

Sistemas Dinâmicos. Sistema massa-mola-atrito. O que é um sistema? Sistemas Lineares e Invariantes no Tempo

Sistemas Dinâmicos. Sistema massa-mola-atrito. O que é um sistema? Sistemas Lineares e Invariantes no Tempo Sisemas Diâmicos Sisemas Lieares e Ivariaes o Tempo O que é um sisema? Sisema massa-mola-ario Um sisema é um objeco ou grupo de objecos que ieragem com o mudo. Essa ieracção é represeada aravés de eradas

Leia mais

Neste pequeno artigo resolveremos o problema 2 da USAMO (USA Mathematical Olympiad) 2005: (x 3 + 1)(x 3 + y) = 147 157 (x 3 + y)(1 + y) = 157 147 z 9

Neste pequeno artigo resolveremos o problema 2 da USAMO (USA Mathematical Olympiad) 2005: (x 3 + 1)(x 3 + y) = 147 157 (x 3 + y)(1 + y) = 157 147 z 9 Ésófatorar... Serámesmo? Neste equeno artigo resolveremos o roblema 2 da USAMO (USA Mathematical Olymiad) 2005: Problema. Prove que o sistema x 6 + x + x y + y = 147 157 x + x y + y 2 + y + z 9 = 157 147

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA NA GESTÃO FLORESTAL

MATEMÁTICA FINANCEIRA NA GESTÃO FLORESTAL Uiversidade de São Paulo - Escola Superior de Agriculura 'Luiz de Queiroz' MATEMÁTICA FINANCEIRA NA GESTÃO FLORESTAL Avaliação de Projeos Floresais (Técicas de Maemáica Fiaceira) Prof. Luiz Carlos Esraviz

Leia mais

Solução de Equações Diferenciais Ordinárias Usando Métodos Numéricos

Solução de Equações Diferenciais Ordinárias Usando Métodos Numéricos DELC - Departameto de Eletrôica e Computação ELC 0 Estudo de Casos em Egeharia Elétrica Solução de Equações Difereciais Ordiárias Usado Métodos Numéricos Versão 0. Giovai Baratto Fevereiro de 007 Ídice

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

Comparando Fluxos de Caixa Em Moedas Diferentes

Comparando Fluxos de Caixa Em Moedas Diferentes Trabalho Apreseado o II SEGeT II Simpósio de Excelêcia em Gesão e Tecologia promovido pela Associação Educacioal Dom Bosco (AEDB) Comparado Fluxos de Caixa Em Moedas Diferees Marcelo Heriques de Brio -

Leia mais

Técnicas de Previsão

Técnicas de Previsão Técicas de Previsão Prof. Ferado Auguso Silva Maris www.feg.uesp.br/~fmaris fmaris@feg.uesp.br 1 Sumário 1. Coceios 2. Eapas de um Modelo de Previsão 1. Objeivos 2. Colea e aálise de dados 3. Seleção da

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Marins Seúbal Prof. Carlos Cunha 1ª Ficha de Avaliação FÍSICO QUÍMICA A ANO LECTIVO 2006 / 2007 ANO II N. º NOME: TURMA: C CLASSIFICAÇÃO Grisson e a sua equipa são chamados

Leia mais

Teoria da Comunicação. Prof. Andrei Piccinini Legg Aula 09

Teoria da Comunicação. Prof. Andrei Piccinini Legg Aula 09 Teoria da Comuniação Pro. Andrei Piinini Legg Aula 09 Inrodução Sabemos que a inormação pode ser ransmiida aravés da modiiação das araerísias de uma sinusóide, hamada poradora do sinal de inormação. Se

Leia mais

Verificação e validação do coeficiente de arrasto frontal para escoamento supersônico e hipersônico de ar sobre cones

Verificação e validação do coeficiente de arrasto frontal para escoamento supersônico e hipersônico de ar sobre cones Verificação e validação do coeficiente de arrasto frontal ara escoamento suersônico e hiersônico de ar sobre cones Guilherme Bertoldo Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) 85601-970, Francisco

Leia mais

Figura 1 Carga de um circuito RC série

Figura 1 Carga de um circuito RC série ASSOIAÇÃO EDUAIONAL DOM BOSO FAULDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA ELÉTIA ELETÔNIA Disciplina: Laboraório de ircuios Eléricos orrene onínua 1. Objeivo Sempre que um capacior é carregado ou descarregado

Leia mais

A QUÍMICA NO IME. (19) 3251-1012 www.elitecampinas.com.br DICAS PARA O VESTIBULAR DO IME 2015

A QUÍMICA NO IME. (19) 3251-1012 www.elitecampinas.com.br DICAS PARA O VESTIBULAR DO IME 2015 www.elitecamias.com.br DIAS PAA VESTIBULA D IME 015 A QUÍMIA N IME A rova de química do IME realmete é uma rova ara futuros egeheiros. Todos os aos, uma ou duas questões aresetam grau de iterdisciliaridade

Leia mais

Análise Discriminante: classificação com 2 populações

Análise Discriminante: classificação com 2 populações Análse Dscrmnane: classcação com oulações Eemlo : Proreáros de coradores de rama oram avalados seundo duas varáves: Renda U$ ; Tamanho da roredade m. Eemlo : unção dscrmnane unvarada ~ ama4 4 3 e ~ ama8.5

Leia mais

NOTAS DE AULA - ÁLGEBRA LINEAR MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS DE EQUAÇOES LINEARES

NOTAS DE AULA - ÁLGEBRA LINEAR MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS DE EQUAÇOES LINEARES NOTS DE U - ÁGER INER TRIZES, DETERINNTES E SISTES DE EQUÇOES INERES ISE C C EITE SVDOR Profª Isel Crisi C eie Álger ier TRIZES Um mri é um grupmeo regulr de úmeros ri de ordem m por é um reâgulo de m

Leia mais

TESTE DE HIPÓTESES COM DUAS AMOSTRAS TESTE DE HIPOTESES DA DIFERENÇA ENTRE DUAS MÉDIAS POPULACIONAIS

TESTE DE HIPÓTESES COM DUAS AMOSTRAS TESTE DE HIPOTESES DA DIFERENÇA ENTRE DUAS MÉDIAS POPULACIONAIS TESTE DE HIPÓTESES COM DUAS AMOSTRAS TESTE DE HIPOTESES DA DIFERENÇA ENTRE DUAS MÉDIAS POPULACIONAIS A hipóese ula (Ho) usualmee esaa é a e que as uas amosras eham sio obias e populações om méias iguais,

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0 Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas A obteção de uma solução

Leia mais

INTERPOLAÇÃO. Interpolação

INTERPOLAÇÃO. Interpolação INTERPOLAÇÃO Profa. Luciaa Motera motera@facom.ufms.br Faculdade de Computação Facom/UFMS Métodos Numéricos Iterpolação Defiição Aplicações Iterpolação Liear Equação da reta Estudo do erro Iterpolação

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

4 - ANÁLISE DE SÉRIES TEMPORAIS

4 - ANÁLISE DE SÉRIES TEMPORAIS INE 700 Aálse de Séres Temporas 4 - ANÁLISE DE SÉRIES TEMPORAIS Sére Temporal é um cojuo de observações sobre uma varável, ordeado o empo, e regsrado em períodos regulares. Podemos eumerar os segues exemplos

Leia mais

Testando a existência de efeitos lead-lag entre os mercados acionários norte-americano e brasileiro

Testando a existência de efeitos lead-lag entre os mercados acionários norte-americano e brasileiro SEGeT Simpósio de Excelêcia em Gesão e Tecologia 2 Tesado a exisêcia de efeios lead-lag ere os mercados acioários ore-americao e brasileiro Oávio Reiro de Medeiros Professor Tiular da Uiversidade de Brasília

Leia mais

Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia GERADOR DE SEQUÊNCIA

Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia GERADOR DE SEQUÊNCIA Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia Eng.ª Sisemas e Informáica 004/005 Circuios Inegrados Digiais GERADOR DE SEQUÊNCIA Trabalho elaborado or: Fernando Simão nº 0598 e-mail: a0598@ualg.

Leia mais

UM MODELO HIERÁRQUICO PARA PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS A HIERARCHICAL MODEL TO AGRICULTURAL COMMODITIES PRICES FORECAST

UM MODELO HIERÁRQUICO PARA PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS A HIERARCHICAL MODEL TO AGRICULTURAL COMMODITIES PRICES FORECAST Revisa Produção Olie v.0,.4, dez. 200 ISSN: 676-90 www.producaoolie.org.br UM MODELO HIERÁRQUICO PARA PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS A HIERARCHICAL MODEL TO AGRICULTURAL COMMODITIES PRICES

Leia mais

Uma Nova Abordagem para Estimação da Banda Efetiva em Processos Fractais

Uma Nova Abordagem para Estimação da Banda Efetiva em Processos Fractais 436 IEEE LATIN AMERICA TRANSACTIONS, VOL. 3, NO. 5, DECEMBER 5 Uma Nova Abordagem para Esimação da Bada Efeiva em Processos Fracais Firmiao R. Perligeiro, Membro, IEEE e Lee L. Lig, Membro, IEEE Resumo

Leia mais

Análise de uma Fila Única

Análise de uma Fila Única Aálise de ua Fila Úica The A of oue Syses Pefoace Aalysis Ra Jai a. 3 Fila Úica O odelo de filas ais siles coé aeas ua fila Pode se usado aa aalisa ecusos idividuais e siseas de couação Muias filas ode

Leia mais

Segunda aula de mecânica dos fluidos básica. Estática dos Fluidos capítulo 2 do livro do professor Franco Brunetti

Segunda aula de mecânica dos fluidos básica. Estática dos Fluidos capítulo 2 do livro do professor Franco Brunetti Segunda aula de mecânica dos fluidos básica Estática dos Fluidos caítulo 2 do livro do rofessor Franco Brunetti NO DESENVOLVIMENTO DESTA SEGUNDA AULA NÃO IREI ME REPORTAR DIRETAMENTE AO LIVRO MENCIONADO

Leia mais

CAPÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATICAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS

CAPÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATICAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS APÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATIAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS A- TORÇÃO PROBLEMAS ESTATIAMENTE INDETERMINADOS Vimos aé aqui que para calcularmos as ensões em

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

ANÁLISE DO EFEITO DO PESO DOS VEÍCULOS NAS ESTRADAS

ANÁLISE DO EFEITO DO PESO DOS VEÍCULOS NAS ESTRADAS ANÁLISE DO EFEITO DO PESO DOS VEÍCULOS NAS ESTADAS Luciao Bruo Faruolo 1, Divisão de Isrumeos de Medição de Massa, Direoria de Merologia Legal, Isiuo de Nacioal de Merologia, Normalização e ualidade Idusrial,

Leia mais

SELECÇÃO DE MOTORES ELÉCTRICOS

SELECÇÃO DE MOTORES ELÉCTRICOS SELECÇÃO DE MOTORES ELÉCTRICOS FACTORES QUE INFLUEM NA SELECÇÃO DO MOTOR ELÉCTRICO CARGA ACCIONADA E CARACTERÍSTICAS DE SERVIÇO Diagramas de carga: oência e/ ou binário requeridos e sua variação. Classe

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b JUROS COMPOSTOS Chamamos de regime de juros compostos àquele ode os juros de cada período são calculados sobre o motate do período aterior, ou seja, os juros produzidos ao fim de cada período passam a

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

Equação diferencial é uma equação que apresenta derivadas ou diferenciais de uma função desconhecida.

Equação diferencial é uma equação que apresenta derivadas ou diferenciais de uma função desconhecida. . EQUAÇÕES DIFERENCIAIS.. Coceito e Classificação Equação iferecial é uma equação que apreseta erivaas ou ifereciais e uma fução escohecia. Seja uma fução e e um iteiro positivo, etão uma relação e igualae

Leia mais

Adaptado de O Prisma e o Pêndulo as dez mais belas experiências científicas, p. 52, Crease, R. (2006)

Adaptado de O Prisma e o Pêndulo as dez mais belas experiências científicas, p. 52, Crease, R. (2006) PROVA MODELO GRUPO I Arisóeles inha examinado corpos em moimeno e inha concluído, pelo modo como os corpos caem denro de água, que a elocidade de um corpo em queda é uniforme, proporcional ao seu peso,

Leia mais

2 o Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo & Gás

2 o Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo & Gás o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS MONITORAMENTO DA PERFORMANCE TÉRMICA DE TROCADORES E REDES DE TROCADORES DE CALOR Paulo César Toi, Cezar Oaviao Ribeiro Negrão Laboraório e Ciêcias Térmicas

Leia mais

1. ENTALPIA. (a) A definição de entalpia. A entalpia, H, é definida como:

1. ENTALPIA. (a) A definição de entalpia. A entalpia, H, é definida como: 1 Data: 31/05/2007 Curso de Processos Químicos Reerência: AKINS, Peter. Físico- Química. Sétima edição. Editora, LC, 2003. Resumo: Proas. Bárbara Winiarski Diesel Novaes 1. ENALPIA A variação da energia

Leia mais

ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO ASSINTÓTICA DOS ESTIMADORES DOS PARÂMETROS DA DISTRIBUIÇÃO WEIBULL NA PRESENÇA DE DADOS SUJEITOS A CENSURA ALEATÓRIA

ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO ASSINTÓTICA DOS ESTIMADORES DOS PARÂMETROS DA DISTRIBUIÇÃO WEIBULL NA PRESENÇA DE DADOS SUJEITOS A CENSURA ALEATÓRIA ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO ASSINTÓTICA DOS ESTIMADORES DOS PARÂMETROS DA DISTRIBUIÇÃO WEIBULL NA PRESENÇA DE DADOS SUJEITOS A CENSURA ALEATÓRIA Almir MANTOVANI Maria Aarecida de Paiva FRANCO 2 RESUMO: O objetivo

Leia mais

Análise tributária das formas de remuneração dos sócios: uma abordagem com cálculo atuarial

Análise tributária das formas de remuneração dos sócios: uma abordagem com cálculo atuarial Aálse rbuára das formas de remueração dos sócos: uma abordagem com cálculo auaral Resumo A redução dos cusos de emresas or meo de laejameo rbuáro é óco recorree, ao a esqusa coábl acadêmca, como a ráca

Leia mais

Como a x > 0 para todo x real, segue que: a x = y y 1. Sendo f -1 a inversa de f, tem-se que f -1 (y)= log a ( y y 1 )

Como a x > 0 para todo x real, segue que: a x = y y 1. Sendo f -1 a inversa de f, tem-se que f -1 (y)= log a ( y y 1 ) .(TA - 99 osidere s firmções: - Se f: é um fução pr e g: um fução qulquer, eão composição gof é um fução pr. - Se f: é um fução pr e g: um fução ímpr, eão composição fog é um fução pr. - Se f: é um fução

Leia mais

FINANCEIRA. Reginaldo J. Santos. Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005. 10 de abril de 2009

FINANCEIRA. Reginaldo J. Santos. Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005. 10 de abril de 2009 INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA Reginaldo J. Santos Deartamento de Matemática-ICEx Universidade Federal de Minas Gerais htt://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005 última atualização em 10 de abril de

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

Contabilometria. Números-Índices

Contabilometria. Números-Índices Coablomera Números-Ídces Foes: Seveso (1981) Esaísca Alcada à Admsração Ca. 15 Foseca, Mars e Toledo (1991) Esaísca Alcada Ca. 5 Números-Ídces Sezam modfcações em varáves ecoômcas durae um eríodo de emo

Leia mais

1. Na figura seguinte está representada parte do gráfico de uma função g, de domínio R e contínua em

1. Na figura seguinte está representada parte do gráfico de uma função g, de domínio R e contínua em PROVA ESCRITA DE MATEMÁTICA A.º E 00 Fevereiro 8 Duração da prova: 90 miuos VERSÃO Grupo I Para cada uma das cico quesões dese grupo, seleccioe a resposa correca de ere as aleraivas que lhe são apreseadas

Leia mais

Secção 7. Sistemas de equações diferenciais.

Secção 7. Sistemas de equações diferenciais. 7. Sisemas de equações difereciais Secção 7. Sisemas de equações difereciais. (Farlow: Sec. 6., 6.4 e 6.6) No caso geral, um sisema de equações difereciais de primeira ordem pode ser represeado da seguie

Leia mais

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012 Análise da Dinâmica da Volailidade dos Preços a visa do Café Arábica: Aplicação dos Modelos Heeroscedásicos Carlos Albero Gonçalves da Silva Luciano Moraes Cenro Federal de EducaçãoTecnológica 8//0 Objevos

Leia mais

CÁLCULO DO BALANÇO ENTRE ATIVIDADES REPETITIVAS PARA USO EM PROGRAMAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS.

CÁLCULO DO BALANÇO ENTRE ATIVIDADES REPETITIVAS PARA USO EM PROGRAMAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS. CÁLCULO DO BALANÇO ENTRE ATIVIDADES REPETITIVAS PARA USO EM PROGRAMAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Carlos Luciao Sa Aa Vargas Mesrado do Programa de Pós-graduação em Egeharia de Produção a UFSC Praça

Leia mais

Disciplina de Princípios de Telecomunicações Prof. MC. Leonardo Gonsioroski da Silva

Disciplina de Princípios de Telecomunicações Prof. MC. Leonardo Gonsioroski da Silva UNIVERSIDADE GAMA FILHO PROCE DEPARAMENO DE ENGENHARIA ELÉRICA Disciplia de Pricípios de elecomuicações Pro. MC. Leoardo Gosioroski da Silva Séries e rasormadas de Fourier Aálise de um sial seoidal o empo

Leia mais

Esquema: Dados: v água 1520m. Fórmulas: Pede-se: d. Resolução:

Esquema: Dados: v água 1520m. Fórmulas: Pede-se: d. Resolução: Queda Livre e Movimeno Uniformemene Acelerado Sergio Scarano Jr 1906/013 Exercícios Proposo Um navio equipado com um sonar preende medir a profundidade de um oceano. Para isso, o sonar emiiu um Ulra-Som

Leia mais

FORMULAÇÃO DE POLÍTICA DE DISTRIBUIÇÃO COM LOTE ECONÔMICO DE ENTREGA EM PROBLEMAS DE ROTEIRIZAÇÃO COM ESTOQUE GERENCIADO PELO FORNECEDOR

FORMULAÇÃO DE POLÍTICA DE DISTRIBUIÇÃO COM LOTE ECONÔMICO DE ENTREGA EM PROBLEMAS DE ROTEIRIZAÇÃO COM ESTOQUE GERENCIADO PELO FORNECEDOR Smóso Braslero de Pesqusa Oeracoal A Pesqusa Oeracoal a busca de efcêca os servços úblcos e/ou rvados 6 a 9 Seembro de 203 Naal/RN FORMULAÇÃO DE POLÍTICA DE DISTRIBUIÇÃO COM LOTE ECONÔMICO DE ENTREGA EM

Leia mais

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso:

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso: TEXTO COMPLEMENTAR MÉTODO MARSHALL ROTINA DE EXECUÇÃO (PROCEDIMENTOS) Suponhamos que se deseje dosar um concreo asfálico com os seguines maeriais: 1. Pedra 2. Areia 3. Cimeno Porland 4. CAP 85 100 amos

Leia mais

Análise de Eficiência Energética em Sistemas Industriais de Ventilação

Análise de Eficiência Energética em Sistemas Industriais de Ventilação Aálse de Efcêca Eergéca em Ssemas Idusras de elação Kleber Davd Belovsk, Déco Bspo, Aôo Carlos Delaba, Sérgo Ferrera de aula Slva Faculdade de Egehara Elérca da Uversdade Federal de Uberlâda UFU, Aveda

Leia mais

Contributos para uma Boa Apresentação

Contributos para uma Boa Apresentação Cotributos ara uma Boa Aresetação Luis M. Correia Istituto de Telecomuicações / Istituto Suerior Técico Uiversidade Técica de Lisboa, Portugal (00/06/, revisto em 00/0/6) Sumário Pricíios básicos. Estrutura.

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

2.4. Grandezas Nominais e Reais

2.4. Grandezas Nominais e Reais 2.4. Gradezas Nomas e Reas rcpas varáves macroecoómcas (IB, C, G, I, X, Q,...): sedo agregações, são ecessaramee valores moeáros Calculadas a preços correes / em valor / em ermos omas, Mas eressa, frequeemee,

Leia mais

1 TRANSMISSÃO EM BANDA BASE

1 TRANSMISSÃO EM BANDA BASE Página 1 1 TRNSMISSÃO EM BND BSE ransmissão de um sinal em banda base consise em enviar o sinal de forma digial aravés da linha, ou seja, enviar os bis conforme a necessidade, de acordo com um padrão digial,

Leia mais

A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shine - Colégio Etapa

A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shine - Colégio Etapa A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shie - Colégio Etapa Artigo baseado em aula miistrada a IV Semaa Olímpica, Salvador - BA Nível Iiciate. A Torre de Haói é um dos quebra-cabeças matemáticos mais populares.

Leia mais

Capítulo 19. 4. (UTFPR) Na figura a seguir, temos r//s e t//u//v. Triângulos. 1. Na figura, AB = AC ead = AE. A medida do ângulo oposto α é:

Capítulo 19. 4. (UTFPR) Na figura a seguir, temos r//s e t//u//v. Triângulos. 1. Na figura, AB = AC ead = AE. A medida do ângulo oposto α é: Maemáica II Ângulos apíulo 19 1. (UNIRI) s reas r 1 e r são paralelas. valor do ângulo, apresenado na figura a seguir, é: r 1 Suponha que um passageiro de nome arlos pegou um avião II, que seguiu a direção

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Licenciatura em Matemática Trabalho de Conclusão de Curso

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Licenciatura em Matemática Trabalho de Conclusão de Curso 3 ó-reioia de Gaduação Cuso de iceciaua em aemáica Tabalho de Coclusão de Cuso [Digie o íulo do documeo] [Digie o subíulo do RÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO documeo] TRABAHO DE CONCUSÃO DE CURSO ROBABIIDADE AICADA

Leia mais

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode 9 Diagramas de Bode 9. Itrodução aos diagramas de Bode 3 9. A Fução de rasferêcia 4 9.3 Pólos e zeros da Fução de rasferêcia 8 Equação característica 8 Pólos da Fução de rasferêcia 8 Zeros da Fução de

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

CUFSA - FAFIL. Análise Combinatória (Resumo Teórico)

CUFSA - FAFIL. Análise Combinatória (Resumo Teórico) A) CONCEITOS: CUFSA - FAFIL Aálise Combiatória (Resumo Teórico) Regras Simles de Cotagem: é a maeira de determiar o úmero de elemetos de um cojuto. Na maioria das vezes é mais imortate cohecer a quatidade

Leia mais

Equação Diferencial. Uma equação diferencial é uma expressão que relaciona uma função desconhecida (incógnita) y com suas derivadas.

Equação Diferencial. Uma equação diferencial é uma expressão que relaciona uma função desconhecida (incógnita) y com suas derivadas. Equação Difereial Uma equação difereial é uma epressão que relaioa uma fução desoheida (iógita) om suas derivadas É útil lassifiar os diferetes tipos de equações para um desevolvimeto sistemátio da Teoria

Leia mais